PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS LINGÜÍSTICA APLICADA E ESTUDOS DA LINGUAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS LINGÜÍSTICA APLICADA E ESTUDOS DA LINGUAGEM"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS LINGÜÍSTICA APLICADA E ESTUDOS DA LINGUAGEM O DIÁLOGO E SEUS SENTIDOS NA CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA MARIA LUCIA HAGE MASINI SÃO PAULO 2004

2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Programa de Estudos Pós-Graduados Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem O diálogo e seus sentidos na clínica fonoaudiológica Maria Lucia Hage Masini Tese apresentada como exigência parcial para a obtenção do título de Doutor em Lingüística Aplicada e Estudos de Linguagem Sob a orientação da profª drª Roxane Helena Rodrigues Rojo São Paulo 2004

3 BANCA EXAMINADORA

4 Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta tese por processos de fotocopiadoras ou eletrônicos.

5 A quem trago sempre comigo, Luiz, Julia e Eduardo.

6 Agradecimentos A todos aqueles cuja leitura deste trabalho evocar lembranças de encontros cotidianos, suscitar o reconhecimento, seja pela concordância ou discordância, do que aqui está dito e provocar o desejo de resposta, o meu mais sincero agradecimento. Foi da possibilidade desses encontros, em toda sua diversidade, que esta obra se constituiu. Uma menção especial se faz necessária. Pela seiva e pelo tempo de espera do florescer, meu muito obrigada à Profª. Drª Roxane Helena Rodrigues Rojo, orientadora desta pesquisa e mentora do meu amadurecimento intelectual. Ao CEPE/PUC-SP, agradeço a bolsa concedida para a realização deste trabalho.

7 RESUMO O diálogo sempre esteve no horizonte fonoaudiológico, quer como objetivo final, quer como parte de seus métodos, tomado ora como estratégia para obtenção de novos comportamentos verbais, ora como condição essencial para a constituição do sujeito. A partir da discussão da inserção da Fonoaudiologia na sociedade, buscando reconhecer, em seu discurso, as marcas de outros discursos que o compõem e com base na perspectiva enunciativa proposta por Bakhtin e sua noção de interlocutores como sujeitos sociais e históricos, nossa pesquisa teve como objetivo rediscutir a noção de diálogo na clínica fonoaudiológica. Na metodologia, seguimos princípios bakhtinianos concernentes à pesquisa no campo das ciências humanas, procurando responder às perguntas formuladas, a partir do estabelecimento de uma relação dialógica com textos provenientes de duas esferas, a saber: 1. Acadêmica: discursos fonoaudiológicos que elaboram ideologicamente a clínica, na perspectiva sócio-interacionista; 2. Clínica: depoimentos de fonoaudiólogos sobre situações terapêuticas em que o diálogo se faz presente. Embora haja a assunção da premissa de que o diálogo é elemento da metodologia terapêutica fonoaudiológica, a análise do material mostrou-nos que ele ainda não figura como tal entre os temas mais estudados por profissionais da área, nem é a ele atribuído um estatuto de instrumento terapêutico. Sua conceitualização e uso na atividade terapêutica são dados por supostos, a partir da explicitação da base teórica. Encontramos referências ao diálogo, somente de forma indireta. Em ordem decrescente de incidência, ele é entendido como meio propiciador: da cura do sintoma manifesto na linguagem; do confronto entre funcionamentos lingüísticos; do cruzamento de vozes e da observação do estágio cognitivo. O aprofundamento da análise mostrou-nos ainda que faz toda a diferença quando o terapeuta fonoaudiólogo retoma os enunciados do paciente com o objetivo de respondê-los seja pela argumentação, dúvida, complementação, concordância. Ao reconhecer no enunciado alheio suas próprias palavras acolhidas dessa forma, o paciente sente-se pleno de palavras interiores e essa é uma condição fundamental para a ressignificação de linguagem em sua vida.

8 Índice Introdução... 1 Capítulo 1 A clínica fonoaudiológica no final do século XX... 8 Capítulo 2 Metodologia Capítulo 3 Produção científica da área I publicações em revista especializada Capítulo 4 Produção científica da área II dissertações e teses defendidas em programas de fonoaudiologia...99 Capítulo 5 Depoimentos de fonoaudiólogos atuantes na área clínica Conclusão Anexos

9 INTRODUÇÃO Clarice Lispector inicia seu livro Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres com uma vírgula. Há leitores que se apressam em trocar o exemplar, julgando-o com defeito de edição. Outros aceitam o estranhamento que isso lhes causa e buscam desfazê-lo com a continuidade da leitura. Aos poucos, vêem-se em meio ao fluxo do pensamento de Lóri, personagem principal, tornando-se evidente que ela já existia antes deles. A vírgula marcaria, então, a idéia de que a vida já estava lá, antes do encontro autor, personagem e leitor. Poderíamos dizer que Lispector exemplifica, com esse início de livro, o conceito bakhtiniano de língua como fluxo ininterrupto de comunicação verbal. Ao iniciar sua história com uma vírgula, a autora assume que os enunciados ali presentes não são inaugurais da vida de Lóri; eles, por certo, estão ali em resposta a enunciados anteriores. É o encontro entre o leitor e a personagem que se instaura em meio a esse fluxo de enunciados. Isso cria um estranhamento e, igualmente, a possibilidade de criação de novos sentidos para além do contar uma história. De maneira análoga, os enunciados desta tese não são inaugurais do tema que aborda. No entanto, colocar a vírgula exige uma reflexão sobre a quem este trabalho se dirige. Esta tese parte do universo fonoaudiológico e a ele se dirige fundamentalmente. No entanto sua construção encontra-se em outra esfera acadêmica de produção de conhecimento, a saber, o Programa de Estudos Pós- Graduados em Lingüística Aplicada e Estudos de Linguagem. Isso implica a copresença de interlocutores, entre os seus destinatários reais, com conhecimentos diversos acerca do universo abordado, exigindo da pesquisadora uma especial atenção à escolha do marco inicial, de modo que não lhes pareça tão familiar que beire o óbvio ou tão estranho que sugira problemas conceituais. O tema aqui abordado é o diálogo na clínica fonoaudiológica.

10 Algumas afirmações são correntes entre profissionais da área. A atividade terapêutica fonoaudiológica é essencialmente dialógica. Ou ainda: O diálogo como elemento da metodologia terapêutica fonoaudiológica é, atualmente, um fato incontestável na área. Ambas merecem um esclarecimento. Como veremos em capítulos posteriores, a prática fonoaudiológica inicia-se muito antes da regulamentação da profissão de fonoaudiólogo, sob a forma de combate aos desvios da língua que se buscava unificar, no período da história política brasileira caracterizado como Estado Novo. O fazer do profissional preparado para tal na sua maioria professores da rede pública era caracterizado basicamente por exercícios de correção da pronúncia e de inibição do uso de estrangeirismos. Embora toda a atividade fosse baseada no diálogo, a ele não era atribuído o estatuto de método de trabalho. Com o surgimento dos cursos de graduação de Fonoaudiologia, que visavam a regulamentação da profissão, teorias e métodos fonoaudiológicos foram sendo elaborados. No entanto, durante muito tempo (cerca de duas décadas desde a institucionalização acadêmica), a premissa foi a mesma: enfoque num trabalho pontual com aspectos lingüísticos isolados que necessitassem de correção. O diálogo caracterizava-se como parte secundária do trabalho: ou como um aquecimento inicial, ou como uma possibilidade de verificação da eficácia dos exercícios realizados ao final das atividades terapêuticas. É bastante conhecida na área a expressão: Depois a gente continua a conversa, agora vamos trabalhar! Como se qualquer trabalho com a linguagem pudesse prescindir de diálogo. Quando profissionais da área começam a atribuir valor ao diálogo na terapia e assumem a atividade terapêutica como essencialmente dialógica, isso não significa necessariamente a assunção de uma abordagem com base no dialogismo bakhtiniano, mas antes uma contraposição ao trabalho fragmentário de linguagem até então realizado na clínica fonoaudiológica. Talvez o mais correto, por ora, fosse dizer que os fonoaudiólogos passaram a valorizar a atividade dialogal realizada com seus pacientes e a teorizar sobre ela.

11 Compreender os sentidos atribuídos ao diálogo pelos profissionais que assumem a terapia fonoaudiológica como atividade essencialmente dialogal é assunto ainda a ser amplamente discutido. Esta tese não nasceu com a determinação primeira de estudar e discutir o diálogo e seus sentidos na clínica fonoaudiológica. O projeto inicial pretendido para o doutorado enfocava a clínica da escrita, ainda carente de uma maior explicitação na área fonoaudiológica. A partir de um olhar bakhtiniano, o objetivo era o de buscar caracterizar a clínica como lugar da ressignificação da escrita na vida de crianças, adolescentes e adultos que, por diversas razões, passam a ter uma relação de sofrimento com essa linguagem. Autores como Nagamine (1995) e Calheta (1997), também apoiados em noções bakhtinianas como dialogismo, vozes, recepção ativa e gêneros discursivos para discutir o caráter terapêutico do trabalho com a escrita, apontaram o diálogo como meio fecundo para a transformação da relação que o paciente estabelece com a escrita. Aprofundar a idéia, decorrente de uma postura dialógica bakhtiniana de trabalho fonoaudiológico, em que terapeuta, paciente e todas as vozes que compõem seus discursos seriam responsáveis pela construção de novos sentidos que o paciente possa atribuir à sua linguagem, redimensionou o foco desse projeto inicial. Deste modo, independentemente de se na clínica da escrita, entendemos que o diálogo tem fundamental importância no decorrer de qualquer processo terapêutico fonoaudiológico. Estudá-lo revelou-se uma tarefa necessária para a construção de conhecimento na área e, assim, o diálogo como método da clínica fonoaudiológica tomou forma como objeto de nossa pesquisa. A Fonoaudiologia sofreu mudanças significativas nesta última década. Os anos noventa do séc. XX foram profícuos na revelação de tendências no trabalho terapêutico fonoaudiológico. Parcerias com a Medicina e a Lingüística foram não só ampliadas pela diversidade de correntes teóricas que contemplam, como também cederam espaço a outras, como a Psicanálise, de modo a nos

12 depararmos hoje com uma variedade de vertentes para a construção de um referencial teórico-metodológico na área. A aproximação com tais vertentes colocou em evidência o diálogo como instrumento básico do trabalho terapêutico. Sobre esse debate, Arantes (1994), ao discutir as clínicas de linguagem existentes e suas filiações teóricas, diferencia a intervenção fonoaudiológica clássica aquela que se mantém no limite da descrição da linguagem, aproximando-se da pedagogia, na medida em que trabalha com noções de ensinar e corrigir da que propõe como terapêutica aquela comprometida com a produção singular do paciente e com a interlocução como responsável pela construção de novos sentidos. Perrotta, Märtz & Masini (1995) afirmam que dialogar com as crianças, em terapia, significa valorizar seu interesse pela reflexão e pelo conhecimento que pode ser construído, confrontado ou partilhado, através de situações em que práticas orais e escritas estejam presentes. É através do diálogo, segundo as autoras, que a criança pode depreender um significado muito importante para o ato de expressar-se verbalmente, que é o de dar-se a conhecer por meio de temas com os quais se ocupa, das idéias e raciocínios que elabora sobre eles, bem como da maneira singular com que busca dizê-los a seus interlocutores. Tubero (1996), discorrendo sobre o trabalho com pessoas afásicas, afirma que, num processo terapêutico, não há correção, não há erro. São possibilidades históricas de escolha, a aceitação das mesmas e as trocas entre fonoaudiólogo e afásico, buscando a compreensão e a comunicação, que tornam possível a reconstrução da linguagem. Pensar numa perspectiva dialógica, para autores como Aronis (1992), Tassinari (1995) e Cunha (1997), significa abranger discussões sobre o setting fonoaudiológico, a relação terapeuta-paciente nos seus aspectos transferenciais e contratransferenciais, a dimensão da existência de um inconsciente na formação do sintoma de linguagem. Essas discussões, presentes no cenário fonoaudiológico, são aqui apenas alguns exemplos de um debate ainda inicial na área. O fato de o diálogo ser

13 considerado como instrumento básico terapêutico pode garantir uma mudança de práticas e de discursos fundantes, mas não invalida um questionamento sobre eles. Há, no discurso dos fonoaudiólogos que assumem uma postura dialogal, modos distintos de abordar a linguagem. Quais as conseqüências que isso traria para a conceitualização e uso do diálogo na terapia fonoaudiológica? Esta pesquisa teve como objetivo discutir a noção de diálogo na clínica fonoaudiológica, procurando responder as seguintes perguntas: 1. Que noções de diálogo circulam no discurso fonoaudiológico atual? 2. Com quem o fonoaudiólogo dialoga em sua atividade terapêutica, que vozes circulam na esfera terapêutica? 3. Como o par terapêutico tem vivenciado suas interações verbais? Esta tese, em sua fundamentação teórica, alimenta-se de conceitos da obra bakhtiniana. A primeira justificativa dessa escolha está no fato de Bakhtin nos oferecer uma abordagem dialógica como metodologia nas ciências humanas.tal abordagem confere à pesquisa a possibilidade de falar sobre seu objeto sujeito tal qual o pesquisador, tomado por seu discurso sem que sua voz seja suprimida. A abordagem dialógica bakhtiniana nos possibilita dar um tratamento à palavra do outro de modo a assegurar a presença das vozes do pesquisador e do pesquisado, sem que isto signifique fusão das mesmas. E o que garante tal possibilidade é a permanência do pesquisador num lugar exotópico, ou seja, um lugar extraposicionado, a partir do qual o pesquisador possa ir ao encontro do outro para ver como ele vê e depois ao seu lugar retornar para dar sentido ao que o outro vê. Assim, neste trabalho, para falar do diálogo na clínica fonoaudiológica foi necessário conhecer os discursos da área, interrogá-los, deixar-se influenciar por eles, buscar influenciá-los. Realizou-se um jogo de aproximações e distanciamentos necessários para que a familiaridade na medida em que o pesquisador é um profissional da área cedesse espaço ao estranhamento, ao

14 desconhecido que impulsiona a construção do conhecimento. Nesse sentido, a compreensão daquilo que se busca compreender, uma compreensão ativa, como nos mostra Bakhtin, deu-se através do exercício da palavra, em que a interpenetração de vozes prevaleceu. Do referencial teórico bakhtiniano, trabalhamos fundamentalmente com o conceito de dialogismo e com os que dele decorrem como palavra autoritária e palavra internamente persuasiva, compreensão ativa e responsiva e enunciado concreto. Tais conceitos foram fundamentais para a compreensão dos discursos e das práticas vigentes na fonoaudiologia, enfocadas nesta pesquisa. Como veremos adiante, o conceito de plurilingüismo social também foi utilizado para uma possível explicação, dentro de da perspectiva bakhtiniana por nós adotada, sobre as escolhas de trabalho fonoaudiológico. Tomamos como material a ser analisado, nesta pesquisa, produções científicas da área artigos, dissertações e teses e depoimentos de fonoaudiológicos acerca de suas práticas clínicas. O cuidado com a análise de materiais tão diversos em seus contextos de produção está contemplado nos capítulos referentes a cada um deles. A seleção inicial tanto das produções quanto dos profissionais teve um ponto de partida: a assunção de uma concepção interacionista de linguagem no processo terapêutico. Sob a rubrica interacionista ou socio-interacionista, que na história da fonoaudiologia surge como uma resposta a uma vertente comportamentalista do trabalho terapêutico, estão diferentes concepções de linguagem e de sujeito. Esclarecê-las tornou-se condição essencial para uma maior compreensão do(s) uso(s) do diálogo no trabalho terapêutico. O primeiro capítulo desta tese está dedicado à caracterização da clínica fonoaudiológica no final do século XX, a partir de seus principais conceitos e aportes teóricos. Dentre esses últimos, especial atenção será dada às visões interacionistas de linguagem, apresentadas no decorrer da caracterização da clínica, na medida em que sejam necessárias suas explicitações. Nosso objetivo é o de elucidar diferenças, entre essas visões, particularmente de conceitos relacionados ao que nos cabe neste trabalho, a saber, os de interação e diálogo,

15 de modo que os fonoaudiólogos possam assumir um ou outro referencial com o discernimento dos conceitos que dele decorre. O segundo capítulo traz a explicitação da metodologia utilizada na elaboração desta pesquisa e no tratamento dado ao material de análise. Seguem-se, então, os capítulos de análise, que trazem, separadamente, a produção científica na área realizada por pesquisadores seniores e por pesquisadores juniores (respectivamente, artigos e dissertações/teses) e os depoimentos de profissionais. Como veremos, é na produção científica de pesquisadores seniores que encontramos um amplo leque de discussões que nos possibilitaram a caracterização do diálogo na clínica fonoaudiológica. Nas dissertações e teses, o tema, já não tão diretamente abordado e apresentando indícios de simples reiteração de conceitos discutidos na área, levou-nos a analisar os dados encontrados, segundo os conceitos de ciência normal e ciência revolucionária de Thomas Kuhn (1962). A análise dos depoimentos, diferenciada das anteriores dada a natureza de seu contexto de produção, ainda que nos tenha apontado aspectos interessantes quanto à prática terapêutica fonoaudiológica, mostrou-nos uma preocupação com o diálogo como método terapêutico ainda mais incipiente que a observada nas análises anteriores. O capítulo final configura-se, na verdade, como ponto de partida para outras pesquisas na área. A partir da síntese do que discutimos ao longo desta tese, evidenciando-se o que consideramos pertinente ao trabalho fonoaudiológico com a linguagem, buscamos apresentar uma possibilidade de trabalho terapêutico em que se articulem a visão dialógica bakhtiniana de linguagem e a postura winnicottiana de trabalho terapêutico.

16 CAPÍTULO 1 A CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA NO FINAL DO SÉCULO XX Com quais características apresentava-se a clínica fonoaudiológica no final do século XX? Em pesquisa realizada, Freire & Ferreira (1994) 1 observaram que o atendimento terapêutico na área da linguagem é a principal atividade do fonoaudiólogo: 85,9% dos 1276 fonoaudiólogos ouvidos, na época, atuavam exclusivamente em terapia fonoaudiológica, com uma expressiva concentração (67,2%) em consultórios particulares. A segunda esfera de maior concentração de profissionais atuando terapeuticamente era a do serviço público de saúde (14,7%). Confirmando a tendência apontada em pesquisas anteriores, a maior parte dos pacientes em processos terapêuticos concentrava-se nas áreas dos distúrbios articulatórios (15,3%), retardo de linguagem (14,4%) e distúrbios de leitura e escrita (13,7%). O Perfil do Fonoaudiólogo no Estado de São Paulo, apresentado em 1997, pelo Conselho Regional de Fonoaudiologia, com 4507 profissionais, corroborou, em parte, os dados já divulgados anteriormente. No final dos anos noventa do séc.xx, o fonoaudiólogo mantinha como atividade principal o trabalho terapêutico autônomo (54,61%), seguido do trabalho realizado em serviços públicos de saúde (12,4%). Sua maior clientela concentrava-se na faixa etária de dois a dezenove anos (92,51%), apresentando porém um expressivo crescimento nas faixas dos bebês (31,11%) e idosos (40,07%). A área predominante de atuação ainda era a da Linguagem (63,07%). Nessa pesquisa, no entanto, observou-se uma tendência de crescimento de atuação na área de Audiologia (12,26%) 2. 1 A pesquisa realizada em 1994 representa a terceira etapa de uma pesquisa maior, que teve início em 1987, e que pretendia caracterizar o profissional da área dos Distúrbios da Comunicação. Nessa última etapa, foram pesquisados os fonoaudiólogos dos Estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. 2 A Fonoaudiologia ainda apresenta-se dividida nas áreas: Linguagem, Audiologia e Voz.

17 O rápido panorama sobre o perfil do profissional da área fonoaudiológica, mais do que esgotar a questão relativa a ele, tem a intenção de apontar características de sua principal atividade, qual seja, a clínica da linguagem. Desde finais da década de oitenta do séc. XX, diversos profissionais vêm se dedicando a aprofundar fundamentos teóricos e práticos da clínica fonoaudiológica (Maia, 1987; Masini, 1989; Souza, 1987, 1991; Arantes, 1994, 2001; Cunha, 1997; Silva, 1999; Palladino, 2000, 2001; Guilhermino & Palladino, 2001; Amoroso & Freire, 2001, entre outros). Há uma tendência, nesses trabalhos, ainda que sob enfoques diversos, em se analisar criticamente aquela que tem sido denominada clínica da objetividade A Clínica da Objetividade Apontada como a clínica tradicionalmente voltada para a correção do erro, a clínica da objetividade procurou respaldar-se na medicina, na psicologia do desenvolvimento e na lingüística normativa, para legitimar sua prática e produção teórica. Nessa perspectiva clínica, o sintoma de linguagem foi normatizado, isto é, foi passível de uma classificação prévia, advinda de áreas de conhecimento que não têm a linguagem patológica como seu objeto primário de estudo. Como atestam Amoroso & Freire (2001: 19), a concepção de sintoma de linguagem pela clínica da objetividade foi construída a partir da noção de erro, visto como o negativo do positivo. Almeja-se a remoção do erro para o restabelecimento de uma normalidade que, tratando-se de linguagem, significa conformidade às estruturas que a compõem. Segundo Palladino (2000: 66), a leitura do pathos, sob a ótica da objetividade, subtrai a diferença, a singularidade, pois impõe um tratamento ortopédico às realidades humanas, conformando uma leitura por expectativa em que o novo será aplacado, apagado, silenciado.

18 No exercício cotidiano da prática terapêutica fonoaudiológica, isso se traduz em prescrições de atividades que visam a adequação ora de aspectos orgânicos, considerados pré-requisitos para a aquisição da linguagem, ora de elementos lingüísticos indispensáveis para o estabelecimento de uma comunicação eficiente. O terapêutico cede, assim, espaço ao pedagógico e, como diz Arantes (1994), a (rel) ação que melhor caracteriza essa perspectiva clínica é a de ensinar/aprender. Mas, na medida em que a construção do saber da área se aloja na prática, como afirmam Cassavia & Maia (2001: 123), a existência da diversidade no que se refere à linguagem, no âmbito da prática terapêutica fonoaudiológica, não pôde passar desapercebida por seus profissionais. Assim, como resposta à clínica da objetividade, surgem, na Fonoaudiologia, dois movimentos favoráveis a mudanças na atuação e na compreensão dos problemas de linguagem. Estamos nos referindo à denominada clínica da subjetividade e ao que por ora denominamos clínica da intersubjetividade A Clínica da Subjetividade É consenso entre os profissionais que discutem essa perspectiva clínica a instauração de um novo paradigma na área: o do saber aberto a múltiplas possibilidades, já que o sujeito e a linguagem são caracterizados pela singularidade. Essa perspectiva traz à tona novos enfoques para questões fonoaudiológicas como: conceito de sintoma de linguagem, lugar do terapeuta, técnicas do trabalho terapêutico. Traz, em seu bojo, também, a assunção de outras concepções de linguagem e novas parcerias na construção do conhecimento. No decorrer deste capítulo, veremos que há, por parte dos profissionais favoráveis a essa perspectiva, uma ênfase maior em uma ou outra concepção, o que acarreta diferenças significativas no conceito de sintoma de linguagem e, 3 Clínica da objetividade e clínica da subjetividade são termos já encontrados na literatura da área para designar diferentes tendências de trabalho terapêutico e suas bases teóricas. O mesmo não ocorre com clínica da intersubjetividade, termo que está sendo por nós cunhado para categorizar uma outra tendência existente na área que, como veremos, tem por base em seus procedimentos terapêuticos a natureza social da língua.

19 principalmente, no manejo do processo terapêutico. Como não há denominações oficiais para essas diferenças de ênfase, optamos por apresentar as características da clínica da subjetividade a partir dos enfoques dados ao conceito de sintoma de linguagem, à interpretação como técnica do trabalho terapêutico e ao lugar do terapeuta, entendendo que, dessa forma, as semelhanças e diferenças originadas pela ênfase dada a determinado construto teórico serão apontadas. Antes, porém, faz-se necessário apresentar a qual concepção de linguagem os partidários da clínica da subjetividade estão filiados. Para Andrade (2001), Lier-De Vitto & Fonseca (2001), Palladino (2001), Amoroso & Freire (2001) e Rubino & Fonseca (1998), a singularidade na linguagem surge a partir do estranhamento que uma fala pode causar aos falantes em geral, tanto o que fala quanto o que escuta. Essa noção de singularidade tem no interacionismo brasileiro, proposto por Claudia de Lemos, sua inspiração. Retomemos alguns de seus aspectos que mais subsidiaram o pensamento fonoaudiológico no interior da clínica da subjetividade. Claudia de Lemos, pesquisadora brasileira da Aquisição de Linguagem de linha interacionista, passa por duas fases distintas na elaboração de sua teoria de aquisição de linguagem. Desenvolvida na década de oitenta, a primeira fase está apoiada na idéia de que a condição básica para a aquisição da linguagem é a interação com o outro, aproximando-se de teses socio-interacionistas de aquisição de linguagem. De Lemos tomou como unidade de análise da aquisição de linguagem o diálogo adulto-criança e não mais a fala da criança isoladamente, como era corrente nas áreas da Lingüística e da Psicolingüística, cuja tentativa era a de se descrever uma gramática infantil. Suas formulações iniciais, segundo Teresa de

20 Lemos (2002), estudiosa da teoria interacionista brasileira, partem de estudos de Melissa Bowerman (1973), Ronald Scollon (1973) e Jerome Bruner (1975) 4. De Bowerman, apreende que há uma flexibilidade na fala da criança que rejeita a criação de gramáticas infantis. Construções gramaticais realizadas por crianças, inesperadas do ponto de vista do adulto, são classificadas como enigmas e não simplesmente erros, pois são construções possíveis em relação à estrutura da língua. De Lemos encontra no trabalho de Scollon, que descobriu sentenças verticais na fala de crianças que ainda não formavam sentenças, uma possibilidade de desvendar tais enigmas. Essa descoberta permitiu a De Lemos a formulação de sua hipótese de que a criança depende do outro, do ponto de vista da língua. Vem, também, de Bruner a inspiração de tomar a linguagem como uma atividade conjunta. Para esse autor 5, a aquisição da linguagem pela criança requer muito mais do adulto do que Chomsky suspeitou. Ficar exposto a um fluxo de linguagem está longe de ser tão importante quanto usá-la em meio ao fazer. Em outras palavras, não basta o input, mas é necessária a interação. Um tipo de interação que asseguraria o domínio lingüístico por parte da criança e que Bruner (1982: 177) denomina Sistema de Apoio para a Aquisição da Linguagem (SAAL). 4 Bowerman e Scollon são autores de pouca projeção na área da Aquisição da Linguagem, mas que, segundo Tereza de Lemos (2002), influenciaram De Lemos em sua teoria interacionista de Aquisição de Linguagem, por apresentarem hipóteses acerca da fala da criança que se distanciavam da conduta corrente na época de se encontrar universais de aquisição de linguagem. Esses dois autores são desconhecidos do público fonoaudiológico. Já o trabalho de Bruner, autor respeitado entre os teóricos do socio-interacionismo, embora pouco citado na Fonoaudiologia, pode ser facilmente reconhecido em alguns trabalhos da área, como veremos adiante. Por esse motivo deter-nos-emos um pouco mais em alguns de seus conceitos. 5 Bruner, representante da geração de psicólogos evolutivos americanos, foi um dos estudiosos de Piaget que encontrou, em suas pesquisas, evidências da importância da interação social no desenvolvimento intelectual da criança. Para ele, a linguagem exerce importante papel no avanço intelectual, tanto através do processo formal de ensino-aprendizagem, quanto das diversas situações cotidianas, em contato com adultos em suas diversas atividades. Aproximando-se das idéias de Vygotsky, tendo sido, inclusive, um dos importantes pesquisadores no resgate para o ocidente da produção vygotskiana, Bruner mostra-se particularmente sensível ao papel do meio e das diferenças culturais em relação ao desenvolvimento intelectual. Todo seu estudo sobre a aquisição de linguagem deriva desta noção de interação, em que as relações sociais adquirem relevância. Bruner não descarta a influência do fator biológico sobre o desenvolvimento, mas é ele mesmo que afirma que a cultura e a busca por significado são a mão modeladora, a biologia é a restrição e (...) cabe à cultura o poder de afrouxar essas limitações (Bruner, 1990: 30).

21 Bruner sugere que as primeiras interações entre um adulto e uma criança são férteis em procedimentos, empregados por ambos, que constituem um instrumento fundamental para a aquisição da linguagem verbal pela criança. Baseado na idéia de Fillmore (1977) 6, ele acredita que, para que a criança receba as chaves da linguagem, ela deva participar primeiro de um tipo de relação social que atue de modo consonante com os usos de linguagem no discurso, ou seja, uma relação em que haja uma intenção compartilhada, uma especificação dêitica e o estabelecimento de uma pressuposição. A esse tipo de relação, Bruner denominou format. Os formats pressupõem uma relação de complementaridade e reciprocidade de papéis. A resposta de um dos participantes existe em função da ação/resposta do outro, havendo não só um acordo como também divisão de tarefas e iniciativas. A princípio, eles lidam com aspectos mais canônicos de determinada cultura, permitindo à criança incorporar-se, de modo ainda provisório, em suas regras fundamentais. Aos poucos, podem ser incorporados em rotinas superiores, estabelecendo-se uma estrutura hierárquica. A criação de formats de ordem superior mediante a incorporação de formats de sub-rotina é uma das principais fontes de pressuposição (Bruner, 1982: 180). Os primeiros formats (de ação e de petição) implicam uma ação conjunta, ritualizada e sucessiva como, por exemplo, os jogos de dar e tomar, cadê/achou (pee-ka-boo). Bruner observou que, uma vez tendo aprendido a responder a esses formats, a criança é capaz de provocá-los e, aos poucos, assumir a iniciativa. 6 Fillmore propõe que a função das gramáticas seja a de estabelecer uma perspectiva sobre a cena que uma oração representa.

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA

AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA AS FUNÇÕES DA INTERVENÇÃO EM CASOS DE INDISCIPLINA NA ESCOLA GARCIA, Joe UTP joe@sul.com.br Eixo Temático: Violências nas Escolas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este trabalho

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica

Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM FONOAUDIOLOGIA LINHA DE PESQUISA LINGUAGEM E SUBJETIVIDADE Escuta e Interpretação na Clínica Fonoaudiológica CASTELLANO,

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Contribuições da Clínica: problematizando o discurso parental sobre a criança com deficiência

Contribuições da Clínica: problematizando o discurso parental sobre a criança com deficiência CONTRIBUIÇÕES DO DIALOGISMO PARA A ANÁLISE DAS VOZES DO DISCURSO PARENTAL DA CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA Introdução Fernanda Dias 1 Este trabalho tem como objetivo apresentar as primeiras considerações teóricometodológicas

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA

LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA LINGUAGEM, SOCIALIZAÇÃO E CULTURA Tudo se reduz ao diálogo, à contraposição dialógica enquanto centro. Tudo é meio, o diálogo é o fim. Uma só voz nada termina, nada resolve. Duas vozes são o mínimo de

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente

Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente Estágio Supervisionado: Pesquisa e Mobilização de Saberes na Construção da Identidade Docente CARVALHO, Ademar de Lima 1 RESSUMO O presente texto tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre o Estágio

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil.

ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. ORGANIZACÃO DAS TURMAS NO SISTEMA MONTESSORIANO: uma experiência de agrupamento por idades diferenciadas na educação infantil. Fabricia Pereira Teles Profª da rede pública e particular de ensino Introdução

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ERRO NA NARRATIVA DA CRIANÇA. PALAVRAS-CHAVE: fala da criança; investigador; interacionismo

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ERRO NA NARRATIVA DA CRIANÇA. PALAVRAS-CHAVE: fala da criança; investigador; interacionismo 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O ERRO NA NARRATIVA DA CRIANÇA SANTOS, Marcele Viana Macedo 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia marcelevianasantos@gmail.com PEROTTINO, Silvana 2 Universidade Estadual do

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS O ENSINO DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ROMERO *, Danielle D avila danvila@ig.com.br Resumo O trabalho se propõe a discorrer sobre algumas concepções acerca da resolução de problemas em

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO

A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO 112 A PRÁTICA DA LEITURA, PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO PARA GRADUANDOS DE DIREITO FAILI, Valmir Rogério 1 Aula de Português Carlos Drummond de Andrade A linguagem na ponta da língua, tão fácil de

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão).

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO. Palavras-chave: Campo conceitual, Resolução de Problemas, Campo Multiplicativo (divisão). RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO CAMPO CONCEITUAL MULTIPLICATIVO Rosemeire Roberta de Lima (UFAL) rose.ufal@yahoo.com.br RESUMO Trata-se de estudo bibliográfico para discutir a Teoria dos Campos Conceituais de

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA

APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA APROPRIAÇÃO DAS TEORIAS DE VYGOTSKY POR PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CURITIBA Roberta Ferreira Cavalcanti Solange Regina Silva Almeida Rosangela Alves de Godoy Nilson Fernandes Dinis (Universidade

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 JOGOS COMPUTACIONAIS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: CONTRIBUIÇÕES DAS PESQUISAS E DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS Regina Célia Grando Universidade São Francisco regina.grando@saofrancisco.edu.br Resumo: No presente

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2

SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 SEE/AC - SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ACRE - PROFESSOR P2 RESPOSTAS AOS RECURSOS Cargo: ART - PROFESSOR P2 / ARTE Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA (LPO) 5 - Gab.:V B 5 - Gab.:W C 5 - Gab.:X D 8 - Gab.:V

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR 1 CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR Paulo Gomes Lima Prof. Adjunto da FAED/UFGD MS. Área Fundamentos da Educação A Psicologia Educacional,

Leia mais

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico

Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Resenha temática: do posicionamento autoral (papel de autor) à produção do gênero acadêmico Eveline Mattos Tápias-Oliveira Vera Lúcia Batalha de Siqueira Renda Maria do Carmo Souza de Almeida Maria de

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana

Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Oficina : Experiências de Ciências para o Ensino Fundamental: uma abordagem vigotskiana Introdução

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS. análise do discurso de textos acadêmicos

LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS. análise do discurso de textos acadêmicos LEITURA, ESCRITA E PESQUISA EM LETRAS análise do discurso de textos acadêmicos c o l e ç ã o f a z e r A - p a r e c e r Temos o prazer de apresentar aos leitores a Coleção Fazer A-parecer destinada a

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais