A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX"

Transcrição

1 A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX Elaine Maria Santos (UFS, Rodrigo Belfort Gomes (UFS, Palavras-chaves: Autoria; Gramáticas; Língua Inglesa Os compêndios produzidos para o ensino de línguas, mais especificamente de língua inglesa, dos séculos XVI ao XVIII apresentam forte influência do latim, uma vez que esta língua era utilizada como base para o ensino. Os alunos eram obrigados a estudar os vernáculos através do latim, por ser esta a língua sagrada e de acesso a todas as formas de conhecimento. Com a reforma protestante e o crescente valor que as línguas maternas começaram a adquirir, as gramáticas começaram a ser publicadas em língua vernacular e as mesmas características eram observadas, no que se refere à estrutura e formatação. Em decorrência do pensamento originário do processo de gramatização, iniciado no século XVI, acreditava-se que bastava saber o latim para que todas as outras línguas pudessem ser assimiladas por comparação (AUROUX, 1992). Diante desse contexto, os compêndios produzidos apresentavam pouca originalidade de conteúdo, sendo, muitas vezes, produto de reformulações e reproduções de trabalhos anteriormente publicados. Levando-se em consideração a obrigatoriedade em se garantir a semelhança entre a gramática alvo e a latina, percebeu-se uma repetição de exemplos, uma vez que as declinações precisavam ser trabalhadas em exaustão, e a escolha vocabular estava diretamente relacionada à facilidade com a qual os estudantes compreendiam os exemplos apresentados. Este fato justifica a constatação de que, por exemplo, na parte da conjugação verbal, o verbo amare/love era o mais frequente (HOWATT, 1988). Com os exemplos sendo sempre repetidos nas gramáticas publicadas nos séculos XVIII e XIX, os vestígios de autoria ficam cada vez mais raros. Em muitos casos, alguns autores chegavam a afirmar que as suas obras eram, na realidade, um aprimoramento de trabalhos anteriormente publicados, com a correção de erros gramaticais outrora encontrados. Em decorrência de heranças renascentistas, as gramáticas deste período eram comumente divididas em quatro partes, a saber: Ortografia (ou Letras), Etimologia (ou Palavras e partes do discurso), Sintaxe (ou Sentenças e regras de Concordância), Prosódia (ou

2 Pronúncia e Versificação), podendo também ser encontrada uma quinta parte chamada de Ortoépia, além de uma parte contendo conjuntos de frases, diálogos familiares e cartas comerciais. Essa última parte pode estar contida na sintaxe (MICHAEL, 1987). O grande número de similaridades entre as gramáticas desse período comprova a contestação de Torre (1985, p. 31) ao afirmar que é sempre difícil saber-se com segurança quando os gramáticos do passado eram originais, numa altura em que o plágio era uma prática corrente. Com o objetivo de verificar as similaridades que fazem com que a autoria seja considerada uma questão secundária no setecentos e oitocentos, cinco gramáticas foram analisadas neste trabalho, a saber: A Compleat Account of the Portuguese Language being a copious Dictionary of English with Portuguese, and Portuguese with English (1701); A Grammatica anglo-lusitanica & lusitano-anglica, de J. Castro, publicada inicialmente em 1731; Nova grammatica da lingua ingleza, ou arte de falar e escrever com propriedade e correcção o idioma inglez, de Agostinho Nery da Silva (1779); Nova grammatica Ingleza e Portugueza dedicada à felicidade e augmento da Nação Portugueza (1812), de Manuel de Freitas Brazileiro; e o Compendio da Grammatica Ingleza e Portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras (1820), de Manuel José de Freitas. Os compêndios aqui analisados apresentam pouca originalidade de conteúdo. No entanto, conforme Chervel (1990, p. 203) atesta, o problema do plágio é uma das constantes da edição escolar. Esse pensamento é reforçado por Oliveira (2006, p. 136), ao afirmar que é preciso relativizar as noções de plágio e autoria em obras pedagógicas do gênero, pois nelas muito menos importante é a originalidade das idéias do que o modo como elas podem ser copiadas, imitadas, adaptadas, apropriadas ou manipuladas em função das condições sócio-políticas em que são produzidas, ou do público para o qual são dirigidas (OLIVEIRA, 2006, p. 136). A primeira obra de interesse para o estudo da língua inglesa como língua estrangeira é referenciada como sendo A Compleat Account of the Portuguese Language being a copious Dictionary of English with Portuguese, and Portuguese with English, publicada em 1701 por um autor anônimo que utilizou o pseudônimo de A.J. Pensou-se, de início, que este dicionário poderia ter sido escrito por um estrangeiro em Londres, responsável pela publicação da Grammatica Anglo-Lusitanica. O fato dessas duas publicações terem surgido em Londres, antes de qualquer tentativa de relacionar as Línguas Portuguesa e Inglesa em Portugal, nos faz pressupor que o interesse pelo Português na Inglaterra deva ter começado anteriormente ao interesse pelo Inglês em Portugal.

3 De acordo com Auroux (1992), os dicionários foram os grandes precursores das gramáticas, apesar de não terem tido a mesma popularidade. Torre (1985), nesse sentido, afirma que a frequência de publicação de dicionários era muito menor do que a verificada com as gramáticas do século XVIII. Reconhecendo a importância do estudo do léxico, os gramáticos da época acrescentavam listagens de palavras a serem memorizadas pelos alunos, uma vez que, em princípio, as gramáticas visavam possibilitar aos leitores a aquisição mais geral do sistema da língua, o que era muito mais útil do que o mero acesso ao léxico descontextualizado (TORRE, 1985, p. 26). Os grupos de palavras destas listas não obedeciam a uma regra única, podendo seguir a ordem alfabética dos termos, ou os itens lexicais podiam ser agrupados de modo a atender as preocupações dos seus autores. Estudos mais aprofundados iniciados por Cardim e retomados por Torre (1986) apontam para a possibilidade de A Compleat Account ter sido, na realidade, uma tradução da Prosódia e do Thesouro da Lingua Portuguesa, publicados pelo jesuíta Bento Pereira. Pela idiomaticidade da obra, é muito provável que tenha sido escrita por um falante nativo da língua inglesa, o que é reforçado ao percebermos que, durante a parte introdutória, dedicada ao leitor, o autor muitas vezes se refere aos portugueses como eles, o que faz com que tenhamos a impressão de que o autor está se colocando como não pertencente à nacionalidade portuguesa. Na busca por uma possível autoria, Torre (1990) corrobora com a ideia defendida por Cardim (1922) de que muito provavelmente as iniciais A.J., associadas à autoria do compêndio, correspondem a A Jesuit, tendo-se, como base, o fato de Bento Pereira ter sido um jesuíta, e isso nos leva a suspeitar que um jovem sacerdote britânico, ao retornar à Inglaterra, após uma permanência em Portugal, tenha decidido escrever um dicionário para auxiliar seus compatriotas a aprenderem a língua portuguesa. A Grammatica anglo-lusitanica & lusitano-anglica, de J. Castro teve a sua primeira publicação em 1731, sendo que a Biblioteca Nacional possui em seu acervo uma edição de Trata-se da gramática com a proposta de ensinar, ao mesmo tempo, o Inglês e o Português. Conforme as palavras do autor, no prefácio, sua gramática tinha como objetivo o seu great Use in Commerce, isto é, sua grande utilidade no Comércio, tendo sido dividida em duas partes, a primeira para a instrução dos Inglezes que desejarem alcançar o conhecimento da Lingua Portugueza e a segunda para o uso dos Portuguezes que tiverem a mesma inclinação a Lingua Ingleza (CASTRO, 1759). Composta por 407 páginas, 240 são dedicadas ao ensino de Português em Língua Inglesa e 167 para o ensino de Inglês em Língua Portuguesa. As gramáticas portuguesas dos séculos XVIII e XIX tinham, segundo Buescu (1969, p.19) duas finalidades: a codificação e

4 a dignificação das línguas vulgares, estando as duas presentes na obra de Castro, que também seguia uma preocupação de diagramação. A maior parte do prefácio, escrito em Inglês e intitulado To the Reader ( ao leitor ), foi dedicada à sua tentativa de provar que o Português era tão digno da atenção dos ingleses quanto o Espanhol, para o que esboçou uma narrativa histórica da ascensão daquela Língua ( the Rise of this Language ) desde a ocupação romana até o século XV, argumentando que a Língua Espanhola não era Mãe da portuguesa, sendo ambas originárias do Latim. Ademais, complementava, a Língua Portuguesa era facilmente compreendida pelos espanhóis e, sendo muito próxima da Língua Franca, era corrente nas costas índicas e africanas onde os portugueses tinham estabelecido suas possessões. Quanto à parte do seu Compêndio dedicada à Gramática Inglesa, o autor pediu desculpas aos críticos pelos eventuais erros, muito justificáveis, segundo ele próprio, pelo fato de não ter nenhum modelo sobre o qual pudesse basear-se (CASTRO, 1759, p. v-x). Era muito comum, nas gramáticas da época, ter-se uma primeira parte, intitulada de prefácio, notas ao leitor, ou, simplesmente, ao leitor. Esta secção é caracterizada pela exaltação à língua estudada, e pela descrição histórica sobre as línguas. Em sua gramática, Castro afirma ser a Língua Portuguesa de grande utilidade para o comércio, apesar de não ser devidamente explorada e conhecida. Para justificar o valor e a nobreza do Português, o autor nos convida a analisar os percursos históricos verificados no transcorrer dos anos, com o objetivo de entender quais as nações que habitaram o país. De acordo com suas narrativas, os mesmos povos que dominaram a Espanha também habitaram Portugal, não sendo admissível considerar o Português como uma língua derivada do Espanhol. Na última parte da Grammatica Anglo-Lusitanica, são apresentados quinze diálogos familiares, conforme os padrões de ensino da época, que viam na educação uma oportunidade de fornecer modelos de boa conduta e de estilo de escrita a serem seguidos pelos alunos. As primeiras gramáticas portuguesas do século XVI já apresentavam esse tipo de método de ensino, o que era ainda recorrente até o século XIX. Entre os assuntos presentes na gramática de Castro, destacam-se: cumprimentos, refeições, vestimentas, o falar a Língua Portuguesa, clima, compras, jogos, viagem, câmbio e leis da Inglaterra, temas recorrentes em outros compêndios, o que mais uma vez comprova o fato de que a autoria não era uma preocupação dos autores da época. Todos os diálogos se baseiam em conversações entre duas pessoas, através de um jogo de perguntas e respostas sobre um tema identificado, tal qual acontecia com as aulas de catecismos, uma vez que, segundo Oliveira (2006), era comum a prática desse tipo de atividade até o século XIX.

5 Torre (1985) destaca que todos os diálogos contidos nas gramáticas dessa época apresentam poucas alteração, e, no que se refere aos encontrados na gramática de J. Castro, suspeita-se que eles tenham sido retirados de uma gramática de inglês para italianos ou de italiano para ingleses. O próprio nome do autor da Grammatica Anglo-lusitanica demonstra a pouca importância que as questões autorais recebiam, uma vez que não se sabe qual o nome correspondente à inicial J. De acordo com Cardim (1922), não se pode confundir o autor dessa gramática com o médico Jacob de Castro Sarmento ( ), português de origem judaica residente em Londres: Em primeiro lugar é inadmissível que o médico Jacob de Castro Sarmento, membro do Colégio real dos médicos e da Real Sociedade de Londres, autor de várias obras notáveis e privando com sábios fôsse em 1751 [ano da segunda edição da obra] mestre e traductor de ambas as linguas, como se lê no frontispício logo por baixo do nome J. Castro (CARDIM, 1922, p. 106). Torre (1986), ao se debruçar sobre os trabalhos de Cardim, constatou que a gramática de J. Castro é, na realidade, uma tradução da Ars Grammatica pro Lingua Lusitana de Bento Pereira, o que pode significar que o verdadeiro autor desta gramática tenha também sido um discípulo deste religioso. Apesar de haver uma referência sobre o autor na Advertência ao Leitor da obra, afirmando ter sido J. Castro Mestre e Traductor de ambas as Linguas e ensinado, tanto em sua casa quanto por fora, a Ler, Escrever, Contar, e Livro de Caixa pello Modo Italiano e em pouco Tempo (sem as costumadas Regras, Taboadas, e impertinentes ou inutils Questoens) por um Methodo, claro, patente, e bem a provado no estilo Mercantil, nem Cardim (1922), Torre (1985) ou Oliveira (2006) conseguiram provas elucidativas sobre a real autoria. Agostinho Neri da Silva, oficial da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e cônsul Geral de Portugal na Dinamarca, publicou, em 1779, a sua Nova Grammatica da Lingua Ingleza, ou arte de falar e escrever com propriedade e correcção o idioma inglez. Duas outras obras foram também publicadas por este autor: Grammatica Portugueza e Ingleza (1793) e Grammatica da lingua ingleza (1800) (SANTOS, 2010). Neri da Silva justifica a sua iniciativa em escrever um compêndio através da imperfeição de huma Grammatica, que em Londres se publicou para se aprender a Lingua Ingleza, à qual vindo á minha mão casualmente, achei-lhe alguns defeitos (SILVA apud TORRE, 1985, p. 23). É muito provável que a gramática referida seja a Grammatica Anglo-Lusitanica. Segundo Torre (1985), a Gramática de Neri é bastante semelhante à de Castro, e pouca mudança é observada ao ser comparada com as publicadas anteriormente. O autor aparenta

6 ser indiferente às inovações, por afirmar ter se apoiado em termos antigos, e divisões igualmente antigas, por estar inteiramente capacitado da acertada observação, que fez o Sr. Johnson, dizendo que he ambição perigosa, e vaidade ridicula querer ensinar uma Lingua com nova arte (SILVA, 1779, p. IX). Torre (1985) também observou haver muita semelhança entre os diálogos familiares encontrados na gramática de Neri e aqueles presentes em outras gramáticas, como, por exemplo, na gramática portuguesa de Transtagano, A New Portuguese Grammar, publicada em 1768, o que reforça a ideia defendida por Auroux (1992) sobre a gramatização. Para este autor, o ensino de línguas desde o século XVI se apoiou no fato de que para aprender um idioma bastava saber o Latim, e, pela tradução e comparação de regras gramaticais, todas as outras línguas podiam ser ensinadas. Observando as gramáticas de língua inglesa dos períodos setecentista e oitocentista percebemos uma grande recorrência às declinações para o estudo das partes gramaticais, e uma constatação de a cópia não era feita apenas entre as gramáticas de língua inglesa. Muitos exemplos eram repetidos tomando-se gramáticas de latim, português e outras línguas, como, por exemplo, o italiano. Carlos Bernardo da Silva Teles de Menezes, em sua Gramatica Ingleza Ordenada em Português, publicada em 1761, deixou em sua obra muitas pistas de que a gramática de Castro (1759) foi utilizada como base para a confecção do seu compêndio. O autor pede desculpas antecipadas aos leitores por possíveis defeitos na sua obra, muito provavelmente ocasionados como consequência das atribulações de sua profissão, já que era militar, e de uma grave doença que o acompanhou durante o período em que esteve ocupado com a impressão. A sua modéstia é esquecida ao destacar que outras Artes da mesma língua estavam repletas de erros e seu método, contudo, era capaz de minimizar problemas existentes em decorrência da utilização de conceitos e preceitos mais simples. forão já emendados muitos dos defeitos que achey em outras Artes da mesma lingua, feitas para uso de diversas nações; e não somente emendados os defeitos, mas melhorado o metodo, e os preceitos; pois tal he, que nesta Arte está reduzido a uma só regra, quando em outras he materia de mais de vinte (MENEZES, 1762, p. viii-ix). A referência acima parece ter sido escrita em relação à gramática de Castro (1759). O autor admitiu possuir bastante conhecimento da Língua Inglesa, e apesar de temer possíveis críticas, decidiu submeter o seu compêndio à apreciação real, o que resultou em uma aceitação e indicação da obra. A primeira licença obtida e publicada no compêndio foi a do Santo Officio, datada de 27 de fevereiro de O Dr. Fr. João de Mansilha, qualificador da

7 Sagrada Religião dos Pregadores, atestou ter lido a referida gramática, não encontrando nenhuma informação contrária à Santa Fé ou aos bons costumes. A obra foi julgada como sendo muito útil para facilitar o uso daquella lingoa, na qual se achão estampadas muitas Obras de huma vastíssima erudição (MENEZES, 1762, p xiii). Muitos exemplos utilizados pela gramática de Teles de Menezes são também encontrados na gramática de Castro, o que comprova não ter sido objetivo do autor a preocupação com a inovação e com a escrita de um compêndio com índices de autoria. Uma outra oba que também se espelhou muito no compêndio de J. Castro (1759) foi A Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza, publicada em Liverpool, em 1812, por Manoel de Freitas Brazileiro. Trata-se de uma gramática que contém 245 páginas, das quais trinta e três são dedicadas à ortografia, cento e trinta e três à etimologia do Inglês, onze relacionadas com a prosódia e sessenta e oito englobam informações coletadas no apêndice, contendo numerais, palavras com mesmo som, abreviações, perguntas e respostas, as vantagens de ler e escrever, dinheiro, tipos de cartas comerciais e uma advertência final. A gramática de Castro também teve a mesma preocupação com as cartas comerciais, tendo este autor colocado apenas alguns dos tipos destacados por Castro (1759). Brazileiro produziu dois outros compêndios: a Leitura instructiva e recreativa, ou ideas sentimentaes: sobre a faculdade do entendimento, communmente chamada GOSTO, em conhecer as perfeiçoens, e imperfeiçoens de qualquer objecto, na natureza, ou arte. Extrahido livremente do inglez, publicada em Liverpool em 1813; e o Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras, publicado em 1820, no Rio de Janeiro, utilizando o nome de Manoel Jose de Freitas. Conforme destacado, muitos dos exemplos utilizados na obra de Brazileiro eram recorrentes do compêndio de 1759, da mesma forma que algumas observações estão também presentes nas duas gramáticas, a exemplo do cuidado que se deve ter com a articulação do som formado pelas letras th. Freitas (1812), diferentemente de Castro (1759), destaca a importância em se observar a posição dos órgãos vocais para a produção da fala. Essa se constitui, na realidade, a grande inovação do seu compêndio. Pela primeira vez a articulação foi relacionada à posição que os órgãos vocais ocupam no momento da fala. Freitas (1812) se defendeu de possíveis críticas, declarando que alguns escriptores pensarão, que estes objectos mencionados naõ constituém parte de Grammatica. A influência da gramatica latina na construção de compêndios é ainda percebida na obra de Brazileiro (1812), porém, apesar de Freitas ter utilizado muitos dos exemplos de Castro, os

8 casos ablativo, dativo e vocativo não foram mencionados. Modelos de cartas comerciais foram colocados em quatro páginas do apêndice, contendo cartas de conhecimento sobre fazendas, letras de câmbio, carta circular, apresentando os serviços de uma casa comercial e carta simples, algumas delas similares às encontradas na Gramática de Castro (1759). Na realidade, muitas são as semelhanças entre essas duas obras. A gramática de Brazileiro (1812), no entanto, tentou ser mais simples e concisa do que a de Castro (1759). Alguns exemplos foram usados da gramática anterior, destacando-se, como inovação, a referência à articulação das palavras quando do ensino da gramática. O Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras, primeiro compêndio de Inglês impresso no Brasil (OLIVEIRA, 1999), foi publicado no Rio de Janeiro, em 1820, por Manoel José de Freitas, com a Licença da Mesa do Desembargo do Paço, representada pela figura do Visconde de Cairu. A edição que tivemos acesso na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro encontra-se em estado avançado de deterioração, necessitando de reparos urgentes, com o intuito de garantir a preservação de uma importante obra para a reconstituição histórica do ensino de Inglês no Brasil. Através da análise dessa gramática, é possível perceber ser essa obra uma versão mais simplificada do livro a Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza, publicada em Liverpool em 1812, por Manoel de Freitas Brazileiro, muito provavelmente o mesmo autor, que assinou essa obra com um nome diferente. No que se refere à questão da autoria, duas considerações podem ser feitas sobre essas gramáticas. Ambas se assemelham muito à gramática de J. Castro, contendo, inclusive, alguns exemplos muito parecidos e temas recorrentes na parte referente aos diálogos familiares. O nome do autor se constitui, na mesma forma, em uma incógnita, uma vez que, muito provavelmente, Manoel de Freitas Brazileiro tenha sido o próprio Manoel José de Freitas, segundo Torre (1985), o que comprova mais uma vez a tese também defendida por Cardim (1922) e Oliveira (2006) de que a autoria em gramáticas do século XVIII e XIX não era uma preocupação do período, e que só no século XX é que se tornou uma questão relevante na produção de livros didáticos. Considerações Finais A análise de compêndios produzidos desde o século XVI, sejam eles em Latim, Português, Inglês ou outras línguas, faz-nos compreender o modo pelo qual questões como

9 autenticidade e autoria eram tratadas nesse período. Conforme pesquisas feitas por Cardim (1922), Torre (1985), Oliveira (2006) e Santos (2010), as gramáticas produzidas nesse período seguiam o princípio da gramatização, que explicava o fato de que as línguas foram inicialmente ensinadas tomando-se como base o Latim, de modo que todas as outras línguas seriam aprendidas por comparação através do estudo da gramática e da tradução. Esse fato ajuda-nos a entender o porquê de termos gramáticas escritas no século XVIII e XIX com base nas declinações latinas, mesmo sendo constatada que a análise gramatical através dessas declinações não contribuíam para o entendimento das construções ensinadas nas outras línguas. Vários foram os casos de gramáticas cuja autoria ou não é conhecida ou que tiveram a utilização de codinomes. Além da gramática de Brazileiro (1812), outras também possuem autorias derivadas de codinomes, como é o caso da Arte da Grammatica da Lingua Portugueza, de Reis Lobato, publicada em De acordo com as pesquisas de Assunção (1997), baseadas nas pesquisas do dicionarista Francisco Inocêncio Silva (Diccionário Bibliographico Portuguez 1873), o Pe. Antônio Pereira de Figueiredo teria escrito esta arte em 1771, bem como a Gramatica Ingleza ordenada em portuguez, publicada em 1762, utilizando o pseudônimo de Antônio José dos Reis Lobato, uma vez que não há qualquer evidência que comprove a existência de Reis Lobato e o confronto Textual desses autores nos leva a crer que são, na verdade, a mesma pessoa. Essa tentativa em copiar os modelos latinos fez com que os autores do período não se preocupassem em compor compêndios baseados em seus próprios estudos. O que se observa é uma tentativa em traduzir e copiar obras conceituadas da época, aproveitando-se, inclusive, os exemplos e textos utilizados. Como o autor não tinha a importância que hoje verificamos, muitas obras apresentam nomes fictícios, ou até mesmo iniciais, já que o que se buscava era a correção de erros encontrados em compêndios anteriores, ou a tradução de obras escritas em uma língua para outra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A. J. A Compleat account of the portugueze language. Being a copious dictionary of English with Portugueze, and Portugueze with English together with an easie and unerring method of its pronunciation, by a distingishing accent, and a compendium of all the necessary rules of

10 construction and orthography dgested into grammatical form. To which is subjoined by way of appendix their usual manner of correspondence by writing, being all suitable as well to the diversion and curiosity of the inquisitive traveller, as to the indispensable use and advantage of the more industrious trader and navigator to most of the known parts of the world. By A. J. London: Printed by R, Janeway for the author, ASSUNÇÃO. Carlos da Costa. Uma leitura da introdução da Arte da Grammatica da Lingua Portugueza de Reis Lobato. Revista da Faculdade de Letras: Línguas e Literaturas.Porto, XIV, 1997, PP AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, BRAZILEIRO, Manoel de Freitas. Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza. Selecta dos melhores authores, por Manoel de Freitas Brazileiro. Liverpool: G. F. Harris s Viuva e Irmãos, BUESCU, Maria Leonor Carvalhão. Textos pedagógicos e gramaticais de João de Barros. Lisboa: Editorial Verbo Lda, CARDIM, Luís. Gramáticas inglesas para portugueses e gramáticas portuguesas para uso de ingleses. Anais das Bibliotecas e Arquivos. Lisboa, v. 3, pp , CASTRO, J.. Grammatica Anglo-Lusitanica & Lusitano-Anglica: ou, Gramatica Nova, Ingleza e Portugueza, e Portugueza e Ingleza; dividida em duas partes. A primeira para a instruição dos Inglezes que desejarem alcançar o conhecimento da Lingua Portugueza. A segunda, para o uso dos Portuguezes que tiverem a mesma inclinação a Lingua Ingleza. Das quaes a Primeira está corrigida e emendada, a segunda executada por Methodo claro, familiar, e facil. 3. ed. London: W. Meadows, CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Tradução: Guacira Lopes Louro. Teoria & Educação. Porto Alegre, nº. 2, pp , FREITAS, Manoel José de. Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras. Rio de Janeiro: Impressão Regia, HOWATT, Anthony Philip Reid. A history of English language teaching. 3. ed. Oxford: Oxford University Press, MENEZES, Carlos Bernardo da Silva Teles de. Gramatica ingleza ordenada em portuguez, na qual se explicão clara, e brevemente as regras fundamentaes, e as mais proprias para falar puramente aquela lingua. Lisboa: Na Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, MICHAEL, Ian. The Teaching of English from the Sixteenth Century to Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

11 OLIVEIRA. Luiz Eduardo Menezes de. A instituição das línguas vivas no Brasil: o caso da Língua Inglesa ( ). Tese de Doutorado Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Histórica, Política e Sociedade. São Paulo, SANTOS, Elaine Maria. As reformas pombalinas e as gramáticas inglesas: percursos do ensino de inglês no Brasil ( ). Dissertação (Mestrado em Letras) Núcleo de Pós- Graduação em Letras, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, SILVA, Agostinho Neri da. Nova grammatical da Lingua Ingleza, ou a arte de fallar e escrever com propriedade, e correcção o idioma inglez. Quinta impressão correcta, e enriquecida de hum copioso vocabulário dos termos Portuguezes, e Inglezes, com alguns Dialogos do uso familiar. Lisboa: Na Officina da Viuva Neves, e filhos, TORRE, Manuel Gomes da. Gramáticas inglesas antigas: alguns dados para a história dos estudos ingleses em Portugal até Trabalho complementar à dissertação de doutoramento apresentado à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 1985.

O MECENATO POMBALINO NA GRAMÁTICA INGLESA DE TELES DE MENEZES. Palavras Chaves: Mecenato Pombalino; Gramáticas de Língua Inglesa; Teles de Menezes

O MECENATO POMBALINO NA GRAMÁTICA INGLESA DE TELES DE MENEZES. Palavras Chaves: Mecenato Pombalino; Gramáticas de Língua Inglesa; Teles de Menezes O MECENATO POMBALINO NA GRAMÁTICA INGLESA DE TELES DE MENEZES Elaine Maria Santos UFS, santoselaine@yahoo.com.br Ana Lúcia Simões Borges da Fonseca UFS, analucia.sbf@gmail.com Palavras Chaves: Mecenato

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

PORTUGUÊS PARA INGLÊS VER : PRIMÓRDIOS DO ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

PORTUGUÊS PARA INGLÊS VER : PRIMÓRDIOS DO ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS MESTRADO EM LETRAS PORTUGUÊS PARA INGLÊS VER : PRIMÓRDIOS DO ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

Arte Ingleza: Uma Gramática Brasileira do Século XIX

Arte Ingleza: Uma Gramática Brasileira do Século XIX Arte Ingleza: Uma Gramática Brasileira do Século XIX Elaine Maria Santos * RESUMO: O século XVI refletiu a supremacia do Latim e a sua importância para o ensino dos vernáculos. A produção de compêndios

Leia mais

Guia de utilização da Base de Dados

Guia de utilização da Base de Dados Guia de utilização da Base de Dados Introdução Este guia tem por objetivos a apresentação do conteúdo da base de dados relativa às traduções de textos de economia incluída no website do EE-T, bem como

Leia mais

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br Portal de Serviços - SEAD - UFRGS - Edital EAD UFRGS 17 1º Coordenador Cartão UFRGS: 9173 Nome: Maria José Bocorny Finatto Unidade:.Instituto de Letras Vínculo: Professor Ramal: 6711 E-Mail: mfinatto@terra.com.br

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 12 de dezembro de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Esta resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 12 de dezembro de 2012. RESOLUÇÃO CONSEPE 36/2012 APROVA O REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE TÍTULOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES ESTRANGEIRAS PELA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Extensão EE Arlindo Bittencurt Código: 091.07 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Farmácia

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior Artigos Revista Semioses Rio de Janeiro Vol. 01 N. 05 Agosto de 2009 Semestral Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior RESUMO: Este artigo

Leia mais

DAS PRIMEIRAS GRAMÁTICAS DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA OS SÉCULOS XVII E XVIII

DAS PRIMEIRAS GRAMÁTICAS DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA OS SÉCULOS XVII E XVIII DAS PRIMEIRAS GRAMÁTICAS DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA OS SÉCULOS XVII E XVIII Ana Alexandra Silva Universidade de Évora aasilva@uevora.pt Maria João Marçalo Universidade de Évora mjm@uevora.pt Resumo

Leia mais

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO

VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Resumo VOCABULÁRIOS DE LÍNGUAS INDÍGENAS NA REVISTA DO IHGB: O PROCESSO DE GRAMATIZAÇÃO Dantielli Assumpção GARCIA. UNESP-IBILCE (São José do Rio Preto) FAPESP (proc. n 07/58250-1). dantielligarcia@gmail.com

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA ROGERIA DE AGUIAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ). Resumo Este trabalho tem por objetivo verficar, em uma perspectiva da Análise do Discurso

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA COMPUTACIONAL E SISTEMAS (PGBCS) DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES DE MESTRADO E TESES DE DOUTORADO Conforme os Regimentos de Ensino

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

A indústria da editoria pode exercer-se,

A indústria da editoria pode exercer-se, Fernando Pessoa A indústria da editoria pode exercer-se, A indústria da editoria pode exercer-se, e efectivamente se exerce, de duas maneiras: ou isoladamente, ou em conjunção com o comércio de livraria.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que a mesma possui duas alternativas corretas.

REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que a mesma possui duas alternativas corretas. RESPOSTA AO RECURSO Nº. 001 RECORRENTE: ANDRE ANDRADE RESENDE MACHADO INSCRIÇÃO Nº. 0041 QUESTÃO: 07 MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Turismo Disciplina: Língua Inglesa Carga Horária Semestral: 40 h/a Semestre do Curso: 5º Semestre 1 - Ementa (sumário, resumo) Compreensão de texto básico. Revisão

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

A PRODUÇÃO DE GRAMÁTICAS E DICIONÁRIOS BILINGUES NO PERÍODO POMBALINO: O CASO DE ANTONIO VIEYRA TRANSTAGANO 1

A PRODUÇÃO DE GRAMÁTICAS E DICIONÁRIOS BILINGUES NO PERÍODO POMBALINO: O CASO DE ANTONIO VIEYRA TRANSTAGANO 1 1 A PRODUÇÃO DE GRAMÁTICAS E DICIONÁRIOS BILINGUES NO PERÍODO POMBALINO: O CASO DE ANTONIO VIEYRA TRANSTAGANO 1 Álvaro César Pereira DE SOUZA Faculdade São Luís de França Amanda Carvalho SILVA Faculdade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Inglês Instrumental Série:

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas

Sumário. Parte I As exigências básicas das provas discursivas Sumário Prefácio à 2 a edição, revista e atualizada Apresentação XVII XXI Parte I As exigências básicas das provas discursivas Introdução 2 I. Itens mais gerais estipulados pelas bancas 2 II. Dois editais

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO

COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO Normas da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo I COMPOSIÇAO DA COMISSÃO COORDENADORA DO

Leia mais

AS VARIEDADES DA LÍNGUA INGLESA E O SEU STATUS DE LÍNGUA MUNDIAL 1 THE VARIETIES OF THE ENGLISH LANGUAGE AND ITS STATUS OF WORLD LANGUAGE

AS VARIEDADES DA LÍNGUA INGLESA E O SEU STATUS DE LÍNGUA MUNDIAL 1 THE VARIETIES OF THE ENGLISH LANGUAGE AND ITS STATUS OF WORLD LANGUAGE AS VARIEDADES DA LÍNGUA INGLESA E O SEU STATUS DE LÍNGUA MUNDIAL 1 THE VARIETIES OF THE ENGLISH LANGUAGE AND ITS STATUS OF WORLD LANGUAGE Kátia Cristina Galatti 2 RESUMO Este artigo pretende destacar as

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003016A - Língua Inglesa I Docente(s) Lucinéa Marcelino Villela Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

Projecto EDiHLP: fontes metalinguísticas na biblioteca Pública de Évora Maria Filomena Gonçalves & Ana Paula Banza

Projecto EDiHLP: fontes metalinguísticas na biblioteca Pública de Évora Maria Filomena Gonçalves & Ana Paula Banza Projecto EDiHLP: fontes metalinguísticas na biblioteca Pública de Évora Maria Filomena Gonçalves & Ana Paula Banza CIDEHUS-UÉ/FCT - Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica O BOM PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA E A SUA RELAÇÃO COM OS MÉTODOS DE ENSINO Ângela Cristina de Jesus Jancitsky 1 ; Marília Moreira de Souza 1 ; Pollyanna Morais Espíndola 2 ; Ms. Marcelo da Silva Pericoli

Leia mais

O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul O TEXTO E O ENSINO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Joiscemara Ferreira TEIXEIRA, Maria José da Costa DAMIANI (UFSC) Observar aulas de línguas

Leia mais

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário

SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO PERÍODO DAS LUZES A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário SUBSÍDIO LITERÁRIO: UM IMPOSTO PARA EDUCAR NO "PERÍODO DAS LUZES" Diana de Cássia Silva UFMG/FAE/GEPHE A proposta desta comunicação é apresentar uma análise do Subsídio Literário enquanto um objeto de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1

Plano de Trabalho Docente 2013. Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho. Qualificação: Sem Certificação Módulo: 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Área Profissional: Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail.

CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail. CENTENÁRIO DA ORTOGRAFIA OFICIAL DA LÍNGUA PORTUGUESA: CAMINHOS PERCORRIDOS Celina Márcia de Souza Abbade (UNEB) celinabbade@gmail.com Orthographia he scencia de bem screuer qualquer lingoagem: porque

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: SÃO CARLOS - SP Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECÂNICA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia

Leia mais

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC

PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia INGLÊS BÁSICO Ceilândia, Outubro de 2014. Reitoria Wilson Conciani Reitor Adilson Cesar de Araújo Pró - Reitoria

Leia mais

II.1 Proficiência em Língua Estrangeira

II.1 Proficiência em Língua Estrangeira Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

Bruna Vignetti dos Santos Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 01241-001 São Paulo SP

Bruna Vignetti dos Santos Centro de Comunicação e Letras Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143 01241-001 São Paulo SP Competência Comunicativa: um contraste entre os métodos Audiovisual e Gramática-Tradução Communicative Competence: a contrast between the Audiovisual and the Grammar- Translation methods Bruna Vignetti

Leia mais

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net

Logotipo X Marca X Logomarca IDENTIDADE VISUAL. Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA. galleti.net IDENTIDADE VISUAL Parte I LOGOTIPO MARCA LOGOMARCA galleti.net 1. LOGOTIPO É composto por partes distintas: o símbolo e a tipografia, que juntos formam o logotipo em si. Mas, também pode ser uma representação

Leia mais

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste.

UNOESTE Universidade do Oeste Paulista, FACLEPP Faculdade de Ciências, Letras e Educação de Presidente Prudente. E MAIL: cintiacf@unoeste. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1162 INGLÊS INSTRUMENTAL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES AUTÔNOMOS Cintia Camargo Furquim Caseiro UNOESTE Universidade

Leia mais

Orientações de Como Estudar Segmento II

Orientações de Como Estudar Segmento II Orientações de Como Estudar Segmento II Aprender é uma tarefa árdua que exige esforço e método e por isso organizamos algumas dicas para ajudá-lo(la) a aprender Como Estudar! Você verá que as orientações

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes 1 CASTRO, Carlos Henrique Silva de. 1 Considerações Iniciais Há algum tempo os telefones móveis são usados para diversas outras

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20J Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso literário

Leia mais

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10

Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 1 Prêmio Victor Civita 2010 Educador Nota 10 LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Relatório analítico do processo de seleção de trabalhos Selecionadora: Sandra Baumel Durazzo Com a crescente intergração dos diferentes

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BELÉM PA 1 2015 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art. 1º.

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5

ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5 ESCOLA MUNICIPAL 22 DE ABRIL PROFESSORA AMÍSSIA DA SILVA ANOS DE ESCOLARIZAÇÃO: 1, 2, 3, 4 E 5 MARCOS ANUAIS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA INGLÊS 1º ANO DE ESCOLARIZAÇÃO REPETIR E PRONUNCIAR PALAVRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

A GRAMÁTICA DE CASTRO E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA FINS COMERCIAIS (1759)

A GRAMÁTICA DE CASTRO E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA FINS COMERCIAIS (1759) ISSN IMPRESSO 2316-333X ISSN ELETRÔNICO 2316-3828 Dossiê A GRAMÁTICA DE CASTRO E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA PARA FINS COMERCIAIS (1759) Thadeu Vinícius Souza Teles 1 RESUMO Este texto estuda a institucionalização

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 8810005 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR LÍNGUA INGLESA E COMUNICAÇÃO ENGLISH LANGUAGE AND COMMUNICATION 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica:

Leia mais

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br)

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br) Como organizar sua Tese, Dissertação, Monografia ou Artigo [A pesar do texto falar sobre uma tese de doutorado (ou dissertação de mestrado), a forma de estruturar logicamente um artigo técnico segue este

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: : Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Componente Curricular: Inglês Série: 3º

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA DE HERANÇA (PROFPOLH) Miami 20 a 22 de abril de 2012 JUSTIFICATIVA Os programas e ações do Departamento Cultural (DC) no âmbito da difusão

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação (X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Turismo Disciplina

Leia mais

ACENSA IDIOMAS. Início das aulas 04 de março.

ACENSA IDIOMAS. Início das aulas 04 de março. ACENSA IDIOMAS Início das aulas 04 de março. AS AULAS - Apoiados em material de última geração, com livros e Cds produzidos Inglaterra, as aulas são dinâmicas, explorando farto material visual, para fixar

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria PPG-MECAI I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP-MECAI terá como

Leia mais

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971

Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Convenção Universal sobre Direito de Autor, revista em Paris a 24 de Julho de 1971 Os Estados Contratantes, animados pelo desejo de assegurar, em todos os países, a protecção dos direitos dos autores sobre

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

NORMAS DE REDAÇÃO PARA QUALIFICAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/ DE 30 DE MAIO DE 2011/ PRODEMA-UFS DE Estas normas de redação foram definidas como diretrizes básicas pelo Colegiado do Núcleo de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente

Leia mais