A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX"

Transcrição

1 A QUESTÃO DA AUTORIA E AS GRAMÁTICAS DE LÍNGUA INGLESA DOS SÉCULOS XVIII E XIX Elaine Maria Santos (UFS, Rodrigo Belfort Gomes (UFS, Palavras-chaves: Autoria; Gramáticas; Língua Inglesa Os compêndios produzidos para o ensino de línguas, mais especificamente de língua inglesa, dos séculos XVI ao XVIII apresentam forte influência do latim, uma vez que esta língua era utilizada como base para o ensino. Os alunos eram obrigados a estudar os vernáculos através do latim, por ser esta a língua sagrada e de acesso a todas as formas de conhecimento. Com a reforma protestante e o crescente valor que as línguas maternas começaram a adquirir, as gramáticas começaram a ser publicadas em língua vernacular e as mesmas características eram observadas, no que se refere à estrutura e formatação. Em decorrência do pensamento originário do processo de gramatização, iniciado no século XVI, acreditava-se que bastava saber o latim para que todas as outras línguas pudessem ser assimiladas por comparação (AUROUX, 1992). Diante desse contexto, os compêndios produzidos apresentavam pouca originalidade de conteúdo, sendo, muitas vezes, produto de reformulações e reproduções de trabalhos anteriormente publicados. Levando-se em consideração a obrigatoriedade em se garantir a semelhança entre a gramática alvo e a latina, percebeu-se uma repetição de exemplos, uma vez que as declinações precisavam ser trabalhadas em exaustão, e a escolha vocabular estava diretamente relacionada à facilidade com a qual os estudantes compreendiam os exemplos apresentados. Este fato justifica a constatação de que, por exemplo, na parte da conjugação verbal, o verbo amare/love era o mais frequente (HOWATT, 1988). Com os exemplos sendo sempre repetidos nas gramáticas publicadas nos séculos XVIII e XIX, os vestígios de autoria ficam cada vez mais raros. Em muitos casos, alguns autores chegavam a afirmar que as suas obras eram, na realidade, um aprimoramento de trabalhos anteriormente publicados, com a correção de erros gramaticais outrora encontrados. Em decorrência de heranças renascentistas, as gramáticas deste período eram comumente divididas em quatro partes, a saber: Ortografia (ou Letras), Etimologia (ou Palavras e partes do discurso), Sintaxe (ou Sentenças e regras de Concordância), Prosódia (ou

2 Pronúncia e Versificação), podendo também ser encontrada uma quinta parte chamada de Ortoépia, além de uma parte contendo conjuntos de frases, diálogos familiares e cartas comerciais. Essa última parte pode estar contida na sintaxe (MICHAEL, 1987). O grande número de similaridades entre as gramáticas desse período comprova a contestação de Torre (1985, p. 31) ao afirmar que é sempre difícil saber-se com segurança quando os gramáticos do passado eram originais, numa altura em que o plágio era uma prática corrente. Com o objetivo de verificar as similaridades que fazem com que a autoria seja considerada uma questão secundária no setecentos e oitocentos, cinco gramáticas foram analisadas neste trabalho, a saber: A Compleat Account of the Portuguese Language being a copious Dictionary of English with Portuguese, and Portuguese with English (1701); A Grammatica anglo-lusitanica & lusitano-anglica, de J. Castro, publicada inicialmente em 1731; Nova grammatica da lingua ingleza, ou arte de falar e escrever com propriedade e correcção o idioma inglez, de Agostinho Nery da Silva (1779); Nova grammatica Ingleza e Portugueza dedicada à felicidade e augmento da Nação Portugueza (1812), de Manuel de Freitas Brazileiro; e o Compendio da Grammatica Ingleza e Portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras (1820), de Manuel José de Freitas. Os compêndios aqui analisados apresentam pouca originalidade de conteúdo. No entanto, conforme Chervel (1990, p. 203) atesta, o problema do plágio é uma das constantes da edição escolar. Esse pensamento é reforçado por Oliveira (2006, p. 136), ao afirmar que é preciso relativizar as noções de plágio e autoria em obras pedagógicas do gênero, pois nelas muito menos importante é a originalidade das idéias do que o modo como elas podem ser copiadas, imitadas, adaptadas, apropriadas ou manipuladas em função das condições sócio-políticas em que são produzidas, ou do público para o qual são dirigidas (OLIVEIRA, 2006, p. 136). A primeira obra de interesse para o estudo da língua inglesa como língua estrangeira é referenciada como sendo A Compleat Account of the Portuguese Language being a copious Dictionary of English with Portuguese, and Portuguese with English, publicada em 1701 por um autor anônimo que utilizou o pseudônimo de A.J. Pensou-se, de início, que este dicionário poderia ter sido escrito por um estrangeiro em Londres, responsável pela publicação da Grammatica Anglo-Lusitanica. O fato dessas duas publicações terem surgido em Londres, antes de qualquer tentativa de relacionar as Línguas Portuguesa e Inglesa em Portugal, nos faz pressupor que o interesse pelo Português na Inglaterra deva ter começado anteriormente ao interesse pelo Inglês em Portugal.

3 De acordo com Auroux (1992), os dicionários foram os grandes precursores das gramáticas, apesar de não terem tido a mesma popularidade. Torre (1985), nesse sentido, afirma que a frequência de publicação de dicionários era muito menor do que a verificada com as gramáticas do século XVIII. Reconhecendo a importância do estudo do léxico, os gramáticos da época acrescentavam listagens de palavras a serem memorizadas pelos alunos, uma vez que, em princípio, as gramáticas visavam possibilitar aos leitores a aquisição mais geral do sistema da língua, o que era muito mais útil do que o mero acesso ao léxico descontextualizado (TORRE, 1985, p. 26). Os grupos de palavras destas listas não obedeciam a uma regra única, podendo seguir a ordem alfabética dos termos, ou os itens lexicais podiam ser agrupados de modo a atender as preocupações dos seus autores. Estudos mais aprofundados iniciados por Cardim e retomados por Torre (1986) apontam para a possibilidade de A Compleat Account ter sido, na realidade, uma tradução da Prosódia e do Thesouro da Lingua Portuguesa, publicados pelo jesuíta Bento Pereira. Pela idiomaticidade da obra, é muito provável que tenha sido escrita por um falante nativo da língua inglesa, o que é reforçado ao percebermos que, durante a parte introdutória, dedicada ao leitor, o autor muitas vezes se refere aos portugueses como eles, o que faz com que tenhamos a impressão de que o autor está se colocando como não pertencente à nacionalidade portuguesa. Na busca por uma possível autoria, Torre (1990) corrobora com a ideia defendida por Cardim (1922) de que muito provavelmente as iniciais A.J., associadas à autoria do compêndio, correspondem a A Jesuit, tendo-se, como base, o fato de Bento Pereira ter sido um jesuíta, e isso nos leva a suspeitar que um jovem sacerdote britânico, ao retornar à Inglaterra, após uma permanência em Portugal, tenha decidido escrever um dicionário para auxiliar seus compatriotas a aprenderem a língua portuguesa. A Grammatica anglo-lusitanica & lusitano-anglica, de J. Castro teve a sua primeira publicação em 1731, sendo que a Biblioteca Nacional possui em seu acervo uma edição de Trata-se da gramática com a proposta de ensinar, ao mesmo tempo, o Inglês e o Português. Conforme as palavras do autor, no prefácio, sua gramática tinha como objetivo o seu great Use in Commerce, isto é, sua grande utilidade no Comércio, tendo sido dividida em duas partes, a primeira para a instrução dos Inglezes que desejarem alcançar o conhecimento da Lingua Portugueza e a segunda para o uso dos Portuguezes que tiverem a mesma inclinação a Lingua Ingleza (CASTRO, 1759). Composta por 407 páginas, 240 são dedicadas ao ensino de Português em Língua Inglesa e 167 para o ensino de Inglês em Língua Portuguesa. As gramáticas portuguesas dos séculos XVIII e XIX tinham, segundo Buescu (1969, p.19) duas finalidades: a codificação e

4 a dignificação das línguas vulgares, estando as duas presentes na obra de Castro, que também seguia uma preocupação de diagramação. A maior parte do prefácio, escrito em Inglês e intitulado To the Reader ( ao leitor ), foi dedicada à sua tentativa de provar que o Português era tão digno da atenção dos ingleses quanto o Espanhol, para o que esboçou uma narrativa histórica da ascensão daquela Língua ( the Rise of this Language ) desde a ocupação romana até o século XV, argumentando que a Língua Espanhola não era Mãe da portuguesa, sendo ambas originárias do Latim. Ademais, complementava, a Língua Portuguesa era facilmente compreendida pelos espanhóis e, sendo muito próxima da Língua Franca, era corrente nas costas índicas e africanas onde os portugueses tinham estabelecido suas possessões. Quanto à parte do seu Compêndio dedicada à Gramática Inglesa, o autor pediu desculpas aos críticos pelos eventuais erros, muito justificáveis, segundo ele próprio, pelo fato de não ter nenhum modelo sobre o qual pudesse basear-se (CASTRO, 1759, p. v-x). Era muito comum, nas gramáticas da época, ter-se uma primeira parte, intitulada de prefácio, notas ao leitor, ou, simplesmente, ao leitor. Esta secção é caracterizada pela exaltação à língua estudada, e pela descrição histórica sobre as línguas. Em sua gramática, Castro afirma ser a Língua Portuguesa de grande utilidade para o comércio, apesar de não ser devidamente explorada e conhecida. Para justificar o valor e a nobreza do Português, o autor nos convida a analisar os percursos históricos verificados no transcorrer dos anos, com o objetivo de entender quais as nações que habitaram o país. De acordo com suas narrativas, os mesmos povos que dominaram a Espanha também habitaram Portugal, não sendo admissível considerar o Português como uma língua derivada do Espanhol. Na última parte da Grammatica Anglo-Lusitanica, são apresentados quinze diálogos familiares, conforme os padrões de ensino da época, que viam na educação uma oportunidade de fornecer modelos de boa conduta e de estilo de escrita a serem seguidos pelos alunos. As primeiras gramáticas portuguesas do século XVI já apresentavam esse tipo de método de ensino, o que era ainda recorrente até o século XIX. Entre os assuntos presentes na gramática de Castro, destacam-se: cumprimentos, refeições, vestimentas, o falar a Língua Portuguesa, clima, compras, jogos, viagem, câmbio e leis da Inglaterra, temas recorrentes em outros compêndios, o que mais uma vez comprova o fato de que a autoria não era uma preocupação dos autores da época. Todos os diálogos se baseiam em conversações entre duas pessoas, através de um jogo de perguntas e respostas sobre um tema identificado, tal qual acontecia com as aulas de catecismos, uma vez que, segundo Oliveira (2006), era comum a prática desse tipo de atividade até o século XIX.

5 Torre (1985) destaca que todos os diálogos contidos nas gramáticas dessa época apresentam poucas alteração, e, no que se refere aos encontrados na gramática de J. Castro, suspeita-se que eles tenham sido retirados de uma gramática de inglês para italianos ou de italiano para ingleses. O próprio nome do autor da Grammatica Anglo-lusitanica demonstra a pouca importância que as questões autorais recebiam, uma vez que não se sabe qual o nome correspondente à inicial J. De acordo com Cardim (1922), não se pode confundir o autor dessa gramática com o médico Jacob de Castro Sarmento ( ), português de origem judaica residente em Londres: Em primeiro lugar é inadmissível que o médico Jacob de Castro Sarmento, membro do Colégio real dos médicos e da Real Sociedade de Londres, autor de várias obras notáveis e privando com sábios fôsse em 1751 [ano da segunda edição da obra] mestre e traductor de ambas as linguas, como se lê no frontispício logo por baixo do nome J. Castro (CARDIM, 1922, p. 106). Torre (1986), ao se debruçar sobre os trabalhos de Cardim, constatou que a gramática de J. Castro é, na realidade, uma tradução da Ars Grammatica pro Lingua Lusitana de Bento Pereira, o que pode significar que o verdadeiro autor desta gramática tenha também sido um discípulo deste religioso. Apesar de haver uma referência sobre o autor na Advertência ao Leitor da obra, afirmando ter sido J. Castro Mestre e Traductor de ambas as Linguas e ensinado, tanto em sua casa quanto por fora, a Ler, Escrever, Contar, e Livro de Caixa pello Modo Italiano e em pouco Tempo (sem as costumadas Regras, Taboadas, e impertinentes ou inutils Questoens) por um Methodo, claro, patente, e bem a provado no estilo Mercantil, nem Cardim (1922), Torre (1985) ou Oliveira (2006) conseguiram provas elucidativas sobre a real autoria. Agostinho Neri da Silva, oficial da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e cônsul Geral de Portugal na Dinamarca, publicou, em 1779, a sua Nova Grammatica da Lingua Ingleza, ou arte de falar e escrever com propriedade e correcção o idioma inglez. Duas outras obras foram também publicadas por este autor: Grammatica Portugueza e Ingleza (1793) e Grammatica da lingua ingleza (1800) (SANTOS, 2010). Neri da Silva justifica a sua iniciativa em escrever um compêndio através da imperfeição de huma Grammatica, que em Londres se publicou para se aprender a Lingua Ingleza, à qual vindo á minha mão casualmente, achei-lhe alguns defeitos (SILVA apud TORRE, 1985, p. 23). É muito provável que a gramática referida seja a Grammatica Anglo-Lusitanica. Segundo Torre (1985), a Gramática de Neri é bastante semelhante à de Castro, e pouca mudança é observada ao ser comparada com as publicadas anteriormente. O autor aparenta

6 ser indiferente às inovações, por afirmar ter se apoiado em termos antigos, e divisões igualmente antigas, por estar inteiramente capacitado da acertada observação, que fez o Sr. Johnson, dizendo que he ambição perigosa, e vaidade ridicula querer ensinar uma Lingua com nova arte (SILVA, 1779, p. IX). Torre (1985) também observou haver muita semelhança entre os diálogos familiares encontrados na gramática de Neri e aqueles presentes em outras gramáticas, como, por exemplo, na gramática portuguesa de Transtagano, A New Portuguese Grammar, publicada em 1768, o que reforça a ideia defendida por Auroux (1992) sobre a gramatização. Para este autor, o ensino de línguas desde o século XVI se apoiou no fato de que para aprender um idioma bastava saber o Latim, e, pela tradução e comparação de regras gramaticais, todas as outras línguas podiam ser ensinadas. Observando as gramáticas de língua inglesa dos períodos setecentista e oitocentista percebemos uma grande recorrência às declinações para o estudo das partes gramaticais, e uma constatação de a cópia não era feita apenas entre as gramáticas de língua inglesa. Muitos exemplos eram repetidos tomando-se gramáticas de latim, português e outras línguas, como, por exemplo, o italiano. Carlos Bernardo da Silva Teles de Menezes, em sua Gramatica Ingleza Ordenada em Português, publicada em 1761, deixou em sua obra muitas pistas de que a gramática de Castro (1759) foi utilizada como base para a confecção do seu compêndio. O autor pede desculpas antecipadas aos leitores por possíveis defeitos na sua obra, muito provavelmente ocasionados como consequência das atribulações de sua profissão, já que era militar, e de uma grave doença que o acompanhou durante o período em que esteve ocupado com a impressão. A sua modéstia é esquecida ao destacar que outras Artes da mesma língua estavam repletas de erros e seu método, contudo, era capaz de minimizar problemas existentes em decorrência da utilização de conceitos e preceitos mais simples. forão já emendados muitos dos defeitos que achey em outras Artes da mesma lingua, feitas para uso de diversas nações; e não somente emendados os defeitos, mas melhorado o metodo, e os preceitos; pois tal he, que nesta Arte está reduzido a uma só regra, quando em outras he materia de mais de vinte (MENEZES, 1762, p. viii-ix). A referência acima parece ter sido escrita em relação à gramática de Castro (1759). O autor admitiu possuir bastante conhecimento da Língua Inglesa, e apesar de temer possíveis críticas, decidiu submeter o seu compêndio à apreciação real, o que resultou em uma aceitação e indicação da obra. A primeira licença obtida e publicada no compêndio foi a do Santo Officio, datada de 27 de fevereiro de O Dr. Fr. João de Mansilha, qualificador da

7 Sagrada Religião dos Pregadores, atestou ter lido a referida gramática, não encontrando nenhuma informação contrária à Santa Fé ou aos bons costumes. A obra foi julgada como sendo muito útil para facilitar o uso daquella lingoa, na qual se achão estampadas muitas Obras de huma vastíssima erudição (MENEZES, 1762, p xiii). Muitos exemplos utilizados pela gramática de Teles de Menezes são também encontrados na gramática de Castro, o que comprova não ter sido objetivo do autor a preocupação com a inovação e com a escrita de um compêndio com índices de autoria. Uma outra oba que também se espelhou muito no compêndio de J. Castro (1759) foi A Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza, publicada em Liverpool, em 1812, por Manoel de Freitas Brazileiro. Trata-se de uma gramática que contém 245 páginas, das quais trinta e três são dedicadas à ortografia, cento e trinta e três à etimologia do Inglês, onze relacionadas com a prosódia e sessenta e oito englobam informações coletadas no apêndice, contendo numerais, palavras com mesmo som, abreviações, perguntas e respostas, as vantagens de ler e escrever, dinheiro, tipos de cartas comerciais e uma advertência final. A gramática de Castro também teve a mesma preocupação com as cartas comerciais, tendo este autor colocado apenas alguns dos tipos destacados por Castro (1759). Brazileiro produziu dois outros compêndios: a Leitura instructiva e recreativa, ou ideas sentimentaes: sobre a faculdade do entendimento, communmente chamada GOSTO, em conhecer as perfeiçoens, e imperfeiçoens de qualquer objecto, na natureza, ou arte. Extrahido livremente do inglez, publicada em Liverpool em 1813; e o Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras, publicado em 1820, no Rio de Janeiro, utilizando o nome de Manoel Jose de Freitas. Conforme destacado, muitos dos exemplos utilizados na obra de Brazileiro eram recorrentes do compêndio de 1759, da mesma forma que algumas observações estão também presentes nas duas gramáticas, a exemplo do cuidado que se deve ter com a articulação do som formado pelas letras th. Freitas (1812), diferentemente de Castro (1759), destaca a importância em se observar a posição dos órgãos vocais para a produção da fala. Essa se constitui, na realidade, a grande inovação do seu compêndio. Pela primeira vez a articulação foi relacionada à posição que os órgãos vocais ocupam no momento da fala. Freitas (1812) se defendeu de possíveis críticas, declarando que alguns escriptores pensarão, que estes objectos mencionados naõ constituém parte de Grammatica. A influência da gramatica latina na construção de compêndios é ainda percebida na obra de Brazileiro (1812), porém, apesar de Freitas ter utilizado muitos dos exemplos de Castro, os

8 casos ablativo, dativo e vocativo não foram mencionados. Modelos de cartas comerciais foram colocados em quatro páginas do apêndice, contendo cartas de conhecimento sobre fazendas, letras de câmbio, carta circular, apresentando os serviços de uma casa comercial e carta simples, algumas delas similares às encontradas na Gramática de Castro (1759). Na realidade, muitas são as semelhanças entre essas duas obras. A gramática de Brazileiro (1812), no entanto, tentou ser mais simples e concisa do que a de Castro (1759). Alguns exemplos foram usados da gramática anterior, destacando-se, como inovação, a referência à articulação das palavras quando do ensino da gramática. O Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras, primeiro compêndio de Inglês impresso no Brasil (OLIVEIRA, 1999), foi publicado no Rio de Janeiro, em 1820, por Manoel José de Freitas, com a Licença da Mesa do Desembargo do Paço, representada pela figura do Visconde de Cairu. A edição que tivemos acesso na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro encontra-se em estado avançado de deterioração, necessitando de reparos urgentes, com o intuito de garantir a preservação de uma importante obra para a reconstituição histórica do ensino de Inglês no Brasil. Através da análise dessa gramática, é possível perceber ser essa obra uma versão mais simplificada do livro a Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza, publicada em Liverpool em 1812, por Manoel de Freitas Brazileiro, muito provavelmente o mesmo autor, que assinou essa obra com um nome diferente. No que se refere à questão da autoria, duas considerações podem ser feitas sobre essas gramáticas. Ambas se assemelham muito à gramática de J. Castro, contendo, inclusive, alguns exemplos muito parecidos e temas recorrentes na parte referente aos diálogos familiares. O nome do autor se constitui, na mesma forma, em uma incógnita, uma vez que, muito provavelmente, Manoel de Freitas Brazileiro tenha sido o próprio Manoel José de Freitas, segundo Torre (1985), o que comprova mais uma vez a tese também defendida por Cardim (1922) e Oliveira (2006) de que a autoria em gramáticas do século XVIII e XIX não era uma preocupação do período, e que só no século XX é que se tornou uma questão relevante na produção de livros didáticos. Considerações Finais A análise de compêndios produzidos desde o século XVI, sejam eles em Latim, Português, Inglês ou outras línguas, faz-nos compreender o modo pelo qual questões como

9 autenticidade e autoria eram tratadas nesse período. Conforme pesquisas feitas por Cardim (1922), Torre (1985), Oliveira (2006) e Santos (2010), as gramáticas produzidas nesse período seguiam o princípio da gramatização, que explicava o fato de que as línguas foram inicialmente ensinadas tomando-se como base o Latim, de modo que todas as outras línguas seriam aprendidas por comparação através do estudo da gramática e da tradução. Esse fato ajuda-nos a entender o porquê de termos gramáticas escritas no século XVIII e XIX com base nas declinações latinas, mesmo sendo constatada que a análise gramatical através dessas declinações não contribuíam para o entendimento das construções ensinadas nas outras línguas. Vários foram os casos de gramáticas cuja autoria ou não é conhecida ou que tiveram a utilização de codinomes. Além da gramática de Brazileiro (1812), outras também possuem autorias derivadas de codinomes, como é o caso da Arte da Grammatica da Lingua Portugueza, de Reis Lobato, publicada em De acordo com as pesquisas de Assunção (1997), baseadas nas pesquisas do dicionarista Francisco Inocêncio Silva (Diccionário Bibliographico Portuguez 1873), o Pe. Antônio Pereira de Figueiredo teria escrito esta arte em 1771, bem como a Gramatica Ingleza ordenada em portuguez, publicada em 1762, utilizando o pseudônimo de Antônio José dos Reis Lobato, uma vez que não há qualquer evidência que comprove a existência de Reis Lobato e o confronto Textual desses autores nos leva a crer que são, na verdade, a mesma pessoa. Essa tentativa em copiar os modelos latinos fez com que os autores do período não se preocupassem em compor compêndios baseados em seus próprios estudos. O que se observa é uma tentativa em traduzir e copiar obras conceituadas da época, aproveitando-se, inclusive, os exemplos e textos utilizados. Como o autor não tinha a importância que hoje verificamos, muitas obras apresentam nomes fictícios, ou até mesmo iniciais, já que o que se buscava era a correção de erros encontrados em compêndios anteriores, ou a tradução de obras escritas em uma língua para outra. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A. J. A Compleat account of the portugueze language. Being a copious dictionary of English with Portugueze, and Portugueze with English together with an easie and unerring method of its pronunciation, by a distingishing accent, and a compendium of all the necessary rules of

10 construction and orthography dgested into grammatical form. To which is subjoined by way of appendix their usual manner of correspondence by writing, being all suitable as well to the diversion and curiosity of the inquisitive traveller, as to the indispensable use and advantage of the more industrious trader and navigator to most of the known parts of the world. By A. J. London: Printed by R, Janeway for the author, ASSUNÇÃO. Carlos da Costa. Uma leitura da introdução da Arte da Grammatica da Lingua Portugueza de Reis Lobato. Revista da Faculdade de Letras: Línguas e Literaturas.Porto, XIV, 1997, PP AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Tradução: Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, BRAZILEIRO, Manoel de Freitas. Nova grammatica ingleza e portugueza dedicada á felicidade e augmento da Nação Portugueza. Selecta dos melhores authores, por Manoel de Freitas Brazileiro. Liverpool: G. F. Harris s Viuva e Irmãos, BUESCU, Maria Leonor Carvalhão. Textos pedagógicos e gramaticais de João de Barros. Lisboa: Editorial Verbo Lda, CARDIM, Luís. Gramáticas inglesas para portugueses e gramáticas portuguesas para uso de ingleses. Anais das Bibliotecas e Arquivos. Lisboa, v. 3, pp , CASTRO, J.. Grammatica Anglo-Lusitanica & Lusitano-Anglica: ou, Gramatica Nova, Ingleza e Portugueza, e Portugueza e Ingleza; dividida em duas partes. A primeira para a instruição dos Inglezes que desejarem alcançar o conhecimento da Lingua Portugueza. A segunda, para o uso dos Portuguezes que tiverem a mesma inclinação a Lingua Ingleza. Das quaes a Primeira está corrigida e emendada, a segunda executada por Methodo claro, familiar, e facil. 3. ed. London: W. Meadows, CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Tradução: Guacira Lopes Louro. Teoria & Educação. Porto Alegre, nº. 2, pp , FREITAS, Manoel José de. Compendio da grammatica ingleza e portugueza para uso da mocidade adiantada nas primeiras letras. Rio de Janeiro: Impressão Regia, HOWATT, Anthony Philip Reid. A history of English language teaching. 3. ed. Oxford: Oxford University Press, MENEZES, Carlos Bernardo da Silva Teles de. Gramatica ingleza ordenada em portuguez, na qual se explicão clara, e brevemente as regras fundamentaes, e as mais proprias para falar puramente aquela lingua. Lisboa: Na Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno, MICHAEL, Ian. The Teaching of English from the Sixteenth Century to Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

11 OLIVEIRA. Luiz Eduardo Menezes de. A instituição das línguas vivas no Brasil: o caso da Língua Inglesa ( ). Tese de Doutorado Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Histórica, Política e Sociedade. São Paulo, SANTOS, Elaine Maria. As reformas pombalinas e as gramáticas inglesas: percursos do ensino de inglês no Brasil ( ). Dissertação (Mestrado em Letras) Núcleo de Pós- Graduação em Letras, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, SILVA, Agostinho Neri da. Nova grammatical da Lingua Ingleza, ou a arte de fallar e escrever com propriedade, e correcção o idioma inglez. Quinta impressão correcta, e enriquecida de hum copioso vocabulário dos termos Portuguezes, e Inglezes, com alguns Dialogos do uso familiar. Lisboa: Na Officina da Viuva Neves, e filhos, TORRE, Manuel Gomes da. Gramáticas inglesas antigas: alguns dados para a história dos estudos ingleses em Portugal até Trabalho complementar à dissertação de doutoramento apresentado à Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 1985.

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que a mesma possui duas alternativas corretas.

REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que a mesma possui duas alternativas corretas. RESPOSTA AO RECURSO Nº. 001 RECORRENTE: ANDRE ANDRADE RESENDE MACHADO INSCRIÇÃO Nº. 0041 QUESTÃO: 07 MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA REQUERIMENTO: O Candidato requer a anulação da questão nº. 07, alegando que

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo

Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Oficina inaugural de produção textual sobre o texto narrativo Caro Monitor, Esta oficina tem como objetivo geral favorecer o primeiro contato do aluno da EJA Ensino Fundamental com o tipo textual que será

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br

Edital EAD UFRGS 17. Cartão UFRGS: 9173. Maria José Bocorny Finatto.Instituto de Letras. Ramal: 6711 mfinatto@terra.com.br Portal de Serviços - SEAD - UFRGS - Edital EAD UFRGS 17 1º Coordenador Cartão UFRGS: 9173 Nome: Maria José Bocorny Finatto Unidade:.Instituto de Letras Vínculo: Professor Ramal: 6711 E-Mail: mfinatto@terra.com.br

Leia mais

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Kaio César Pinheiro da Silva Raquel Espínola Oliveira de Oliveira Thais Fernandes da Silva Cristina Bongestab

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

A indústria da editoria pode exercer-se,

A indústria da editoria pode exercer-se, Fernando Pessoa A indústria da editoria pode exercer-se, A indústria da editoria pode exercer-se, e efectivamente se exerce, de duas maneiras: ou isoladamente, ou em conjunção com o comércio de livraria.

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS D. ANTÓNIO FERREIRA GOMES INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE INGLÊS 2º CICLO ANO 2015 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADES DE ENGENHARIAS E DESIGN REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) INTRODUÇÃO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e é um componente curricular obrigatório

Leia mais

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre

MATERIALIDADES DA LITERATURA. Osvaldo Manuel Silvestre MINICURSO MATERIALIDADES DA LITERATURA Osvaldo Manuel Silvestre (Universidade de Coimbra, Portugal) Promoção Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária Pró-Reitoria de Pesquisa/ FAEPEX Minicurso

Leia mais

Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade de Projecto de Pesquisa

Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade de Projecto de Pesquisa UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Letras e Ciências Sociais Departamento de Arqueologia e Antropologia Curso de Licenciatura em Antropologia Modelo de Trabalho de Culminação de Estudos na Modalidade

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Janeiro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Janeiro de 2004 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Outlook Express 6. Reservados

Leia mais

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR

CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR CONEXÃO ESCOLAR ESCOPO PROJETO CONEXÃO ESCOLAR Promover o enriquecimento do vocabulário do aluno nos 3 idiomas mais relevantes para sua formação escolar e profissional: Língua Portuguesa,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Farmácia

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ANEXO II DA RESOLUÇÃO CEPEC nº 680 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DISCIPLINAS DA ÁREA DE PORTUGUÊS: Introdução aos estudos da Linguagem Panorama geral dos fenômenos da linguagem e suas abordagens científicas.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue Cartas de apresentação Juntamente com o CV, a carta de apresentação é um dos primeiros elementos que a empresa à qual se candidata tem sobre si. Saiba como elaborar uma carta de apresentação e veja um

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Corrigir ou não corrigir: eis a questão

Corrigir ou não corrigir: eis a questão Corrigir ou não corrigir: eis a questão Resumo Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo Temático 1: Leitura é problema de quem? O presente artigo tem por finalidade

Leia mais

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 CONSIDERAÇÕES GERAIS O objetivo deste documento é informar a estrutura e a informação esperadas num texto de Trabalho de Graduação. O conteúdo do texto deverá ser

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Juliana Malacarne de Pinho No. USP 7166759 Curso ECA: Jornalismo Dados do Intercâmbio Universidade: Universidade NOVA de Lisboa Curso: Comunicação Social Período:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS

TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS Bruna Vançan de REZENDE Vitor Monteiro de AQUINO Discentes UNILAGO Lauro Maia AMORIM Docente UNILAGO AUTORES RESUMO

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA

COMO ESCREVER UM ENSAIO FILOSÓFICO 1. Artur Polónio CENTRO PARA O ENSINO DA FILOSOFIA SOCIEDADE PORTUGUESA DE FILOSOFIA 1 Artur Polónio Índice 1. O que é um ensaio filosófico? 2. O que se espera que um estudante mostre ao escrever um ensaio? 3. Como escolher o título do ensaio? 4. Como se prepara um ensaio? 5. Como se deve

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono:

Essas são as perguntas que mais ouvi nesses vinte anos em que leciono: Olá, meu nome é Reinaldo. Sou proprietário e professor de inglês, francês e alemão da TF Idiomas, e se você deseja aprender alemão, francês ou inglês creio que você deva ter várias perguntas sobre o curso

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 12 de dezembro de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Esta resolução entra em vigor nesta data, revogando as disposições contrárias. Bragança Paulista, 12 de dezembro de 2012. RESOLUÇÃO CONSEPE 36/2012 APROVA O REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE TÍTULOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES ESTRANGEIRAS PELA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

As Tic- Tecnologias de Informação e Comunicação nos meus Percursos de Vida Pessoal e Profissional

As Tic- Tecnologias de Informação e Comunicação nos meus Percursos de Vida Pessoal e Profissional As Tic- Tecnologias de Informação e Comunicação nos meus Percursos de Vida Pessoal e Profissional 1 Nasci no dia 4 de Novembro de 1967, na freguesia de Vila Boa do Bispo, Concelho de Marco de Canaveses,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 A Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CEPRO, instituição de caráter técnico-científico,

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS GIOVANA CAIRES MOTTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA). Resumo A transposição do texto impresso para o meio digital coloca

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 91 Município: SÃO CARLOS - SP Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM MECÂNICA

Leia mais

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II

Aprendendo a ESTUDAR. Ensino Fundamental II Aprendendo a ESTUDAR Ensino Fundamental II INTRODUÇÃO Onde quer que haja mulheres e homens, há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender. Paulo Freire DICAS EM AULA Cuide da

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais