OS FATOS QUE LEVARAM O INGLÊS AO DESTAQUE MUNDIAL E SEUS PAÍSES FALANTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS FATOS QUE LEVARAM O INGLÊS AO DESTAQUE MUNDIAL E SEUS PAÍSES FALANTES"

Transcrição

1 OS FATOS QUE LEVARAM O INGLÊS AO DESTAQUE MUNDIAL E SEUS PAÍSES FALANTES Jefferson Lhamas dos Santos (G CLCA - UENP/CJ) Fernanda de Cássia Miranda (Orientadora CLCA - UENP/CJ) A língua Inglesa é, sem dúvida, o idioma mais usado nos encontros internacionais, políticos e econômicos. Sabendo-se disso, neste estudo, verificaremos o que ocorreu para que esse idioma se tornasse tão importante, a fim de não mais aprender somente a falar e escrever em Inglês, e sim conhecer sua História de alcance desse status mundial. Com isso, também saber quais países o receberam e o têm como Linguagem oficial. Baseamos no terceiro período da História dessa Língua, ou Modern English, o qual as mudanças mais importantes aconteceram, tanto dentro da própria língua, quanto para que o status de idioma oficial das relações internacionais fosse alcançado. Introdução Que a Língua Inglesa é de extrema importância atualmente, é fato. Basta atentar-se para perceber como esse idioma se faz importante nas questões profissionais e políticas a nível mundial. Principais eventos são realizados usando o Inglês como meio de comunicação. Entretanto, como a língua surgida na Grã-Bretanha chegou a esse nível mundial? Quais acontecimentos o fizeram ganhar esse status? O objetivo desse texto é entender quais fatos históricos levaram o idioma ao mundo, e o que ocorreu para que se tornasse esse meio de contato mundial. Veremos assim, quais países o tem como língua oficial. Para tanto, torna-se indispensável a passagem por momentos da história, relativos principalmente à Inglaterra e aos Estados Unidos da América. Ao final deste trabalho, se entenderá não só a respeito da língua, mas um pouco a respeito do contexto dos falantes do idioma. Primeiramente, se observará as três fases pelo qual essa língua passou, as quais representam significativa mudança em seus padrões. Como bem observa Burguess, o termo língua deveria significar o seguinte: um sistema de sons feito pelos órgãos vocais de um grupo particular de pessoas, possuindo significado para esse grupo de pessoas e existindo continuadamente durante um determinado período da história (BURGESS, 2005, p. 20). 935

2 Dessas três fases de mudanças, é na última fase que se verá os acontecimentos históricos que transformaram para o sucesso da Língua Inglesa. O início com os Celtas Segundo Alexander Meirelles da Silva, acredita-se que a Ilha Britânica teria sido habitada, através de ondas migratórias, pelos Celtas, da Gália, em 3000 a. C. Observa que é a partir de 55 a. C. que surge um interesse sobre a ilha por parte de Roma, então sob o comando de Júlio Cezar. Esse interesse se deu pelo fato da Bretanha ser grande produtora alimentícia, devido ao clima diferenciado do resto da Europa. Alexander ainda afirma que a saída dos romanos foi em 409 d.c., e é nessa época, segundo David Crystal, que os Celtas estavam sofrendo ataques por partes dos Escoceses e Pictos, e, tendo ajuda ignorada pelo cônsul romano, a solução era procurar ajuda além-mar. Os germânicos que vieram, pertenciam a três povos diferentes: Os jutos, os anglos, e os saxões. Destaca que os anglos, batizadores da Inglaterra, faziam referências ao nome do país como Englaland, ou terra dos anglos, originando mais tarde o nome England. Esses povos que chegaram lá com o objetivo de socorrer a um chamado dos Celtas, estavam, na verdade, com intenções econômicas na ilha. Old English, Middle English e Modern English Crystal diz que Há, surpreendentemente, muito pouca influência Celta ou talvez isso não seja tão surpreendente, dada a maneira em que as comunidades celtas foram destruídas ou empurradas para trás no que hoje conhecemos como Cornwall, no País de Gales, Cumbria, e as fronteiras da Escócia (CRYSTAL, p. 08, Tradução minha). Deixa claro também que poucas palavras foram emprestadas nessa época, e poucas sobreviveram ao Inglês Moderno (Crystal, 1994, pág. 08, tradução minha). Já com o Latim, percebe-se tamanha influência, vendo-se o Cristianismo sendo levado para a população da Irlanda. Ricardo Shütz sintetiza bem sobre isso, explicando que foi St. Patrick quem inicia essa missão cristã, e em 597, Santo Agostinho lidera missionários com o intuito da conversão dos anglo-saxões. Naturalmente, isso geraria boa influência no vocabulário da língua germânica. Também, no final do século VIII, Vikings, vindos da Escandinávia, atacaram a 936

3 Inglaterra. Estes povos falavam o Old Norse, idioma ancestral do dinamarquês. Mais uma influência acrescida nesse período de Old English. Shütz ainda diz que comparado ao inglês moderno, é uma língua quase irreconhecível, tanto na pronúncia, quanto no vocabulário e na gramática. (Online) Já Anthony Burguess, diz que Era uma língua rica em consoantes, aficionada à aglomeração de consoantes, de maneira que a boca parecia executar um rápido ato de violência (BURGESS, 2005, p.25). A segunda época pelo qual passou o Inglês, foi o Middle English, ou Médio Inglês. Como descreve Crystal, O ano de 1066 marca o início de uma nova era Britânica social e lingüística, mas isso não é o limite identificável entre Velho e médio Inglês (CRYSTAL, 1994, p. 30, tradução minha). Apesar dessa data ser usada apenas como base, foi a Conquista da Inglaterra pelos Normandos na batalha de Hastings que trouxe alteração significante para a Língua inglesa. Como detalha Shütz, William, Duque da Normandia, trava uma guerra, ansioso pelo trono da Inglaterra. Em uma sangrenta batalha, no fim do dia, depois do Rei Harold e seus irmãos mortos, e um saldo de 1500 a 2000 guerreiros mortos, do lado romano, o mesmo William conquista um país de um milhão e meio de habitantes. Junto com o regime que se instalou depois dessa conquista, usou-se o dialeto denominado Norman French, sendo mais um a influenciar a língua da região. Os normandos, que comandavam todas as regiões da Inglaterra, tinham pouco conhecimento do Inglês. Então usou-se o Francês dentro da aristocracia na Inglaterra. Aqueles de origem anglo-saxônica que almejavam subir socialmente, tiveram de aprender o novo idioma em favor da classe dominante. Segundo Shütz, conforme os séculos relativos a esse período foram se passando, ocorrem batalhas entre normandos das Ilhas Britânicas e os do continente, surge um sentimento nacionalista, e no fim do século XV, percebe-se prevalecer o Inglês até mesmo na linguagem escrita, e assim surgia também, uma literatura nacional. O período relativo ao Modern English, ou Inglês Moderno, terá início a partir de Representou a padronização e unificação da língua. Shütz destaca o advento da imprensa, em 1475, e a criação de um sistema postal em 1516, como eventos que disseminaram o dialeto de Londres. O processo de padronização da língua inglesa iniciou em princípios do século 16 com o advento da litografia, e acabou fixando-se nas presentes formas ao longo do século 18, com a publicação dos dicionários de Samuel Johnson em 1755, Thomas Sheridan em 1780 e John Walker em Desde então, a ortografia do inglês mudou em apenas pequenos detalhes, enquanto que a sua pronúncia sofreu grandes transformações. O resultado disto é que hoje em dia temos um sistema ortográfico baseado na língua como ela era falada no século 18, sendo usado para representar a pronúncia da língua no século 20 (Ricardo Shütz apud D Eugenio, Online). 937

4 Essa grande diferença na pronúncia, foi a chamada The Great Vowel Shift, acentuada mudança que ocorreu sobretudo nos séculos XV e XVI. Segundo Shütz, Praticamente todos os sons vogais, inclusive ditongos, sofreram alterações e algumas consoantes deixaram de ser pronunciadas (Online). A colonização Britânica: Ocupação na América O historiador Antônio Pedro, observa que A região Norte da América ficou esquecida pelos europeus durante todo o século XVI (PEDRO, 1997, p. 125). Sintetiza que é a partir do século XVII que efetivamente se tem uma decisão por parte dos ingleses de se apossar do local. Para isso, criaram duas companhias: a Companhia de Londres, na região Sul, e a Companhia de Plymouth, na região Norte. As colônias pertencentes ao Norte e ao centro, eram ocupadas por pessoas perseguidas política e religiosamente, dedicando-se às atividades manufatureiras, comerciais e a pesca. Esta última atividade formava comércio com as ilhas do Caribe, que forneciam o melado do açúcar, transformada em rum pela colônia inglesa, e trocada por escravos nas colônias do Sul. Isso formaria, ainda segundo Pedro, o conhecido comércio triangular. Com relação às mesmas colônias do Sul, trabalhavam com vista no mercado externo, produzindo arroz, tabaco e índigo. Crystal diz que o primeiro passo significativo no progresso do Inglês para seu status como língua do mundo teve lugar nas últimas décadas do século XVI (CRYSTAL, 1994, p. 92, tradução minha). Fala também que o aumento do número de falantes foi cinqüenta vezes maior, cerca de 250 milhões, a maioria americanos, à época da transição entre o Reinado de Elizabeth I e Elizabeth II. Ainda destaca que os negros trazidos para escravidão, no já mencionado comércio triangular, fez surgir formas de comunicação entre eles, posteriormente utilizadas no Sul. Entre uma dessas formas, destaca-se o Inglês Crioulo. Antônio Pedro comenta que a França foi perdendo gradativamente seus territórios na América e na Ásia, à medida que crescia o poderio Inglês (PEDRO, 1997, p.116). Encontra-se mais detalhes do fato, quando Crystal diz que conflitos entre ingleses e franceses ocorreram na região do Canadá, que terminaram com a Guerra da Rainha Anne, entre 1702 e 1703, e a Guerra Francesa e Índia, entre 1754 e Para ele, um outro fato importante foi a declaração de Independência Americana, em 1776, que ocasionou a ocupação 938

5 do Canadá, mais a oeste, até chegar à região de Upper Canada. Ressalta que o Inglês falado hoje neste país, é semelhante ao resto falado na América do Norte. A colonização Britânica: Ocupação da África Com relação à África, David Crystal afirma que na parte Ocidental, o Inglês teve seu primeiro contato em fins do século XV. Mas seria no final do século XIX que a língua Inglesa se espalharia por toda a Costa Oeste, carregado com o aumento do comércio e outras atividades. Em 1960, os países Kenya, Tanzânia, Uganda, Malawi e Zâmbia, e mais tarde Zimbábue, se tornaram independentes com língua oficial sendo o Inglês. Já na África Oriental, conforme diz Crystal, o idioma seria um pouco diferente, onde o modelo Britânico foi introduzido nas escolas, ao passo que outras variedades de sotaques acabariam surgindo, influenciadas pelo Africâner e as línguas bantu. Na região Sul africana, há uma complexidade, segundo Crystal, com relação ao uso do Inglês. A ocupação da região, que só se deu em 1795, com políticas de povoamento e o desenvolvimento do ouro e do diamante, ocasionou variedades de sotaques entre os próprios grupos de colonos. Os negros, que haviam aprendido nas escolas de missões, entre outros, foram influenciados por idiomas locais. Crystal também destaca que há uma divergência entre as questões sociais e políticas, e pessoas buscando identidades nacionais, contrariando a oposição. A colonização Britânica: Ocupação da Ásia Na região sul desse continente, o contato da Grâ-Bretanha se deu a partir de 1600, segundo Crystal, com a fundação da British East India Company. Essa empresa cresceu consideravelmente, até ser abolida em 1858, depois de uma indisciplina financeira interna, e um motim indiano. Crystal ressalta que até a independência da Índia, em 1947, instituiu-se um sistema educacional Inglês, aumentando o idioma gradativamente, nesse subcontinente. Na região Sudeste asiática, o que Crystal diz é que a influência Britânica se deu a partir do trabalho de Stamford Raffles, que posteriormente fundou Cingapura. Hong Kong, foi cedida em 1842, através do tratado de Nanquim, e Kowloon adicionada em O restante da colônia, era alugada pela China. Os Estados Unidos 939

6 exerceram influência sobre as Filipinas, de acordo com Crystal, depois da Guerra Espanhola Americana de 1818, e mesmo com a Independência filipina, em 1946, o Inglês americano continua forte no país. A colonização Britânica: Ocupação da Oceania A Austrália foi visitada por James Cook em 1770, conforme afirma David Crystal. Em 20 anos, construiu-se uma colônia penal em Sydney, onde cerca de presos foram levados para lá. Naturalmente, a influência na língua ocorreu a partir das Ilhas Britânicas. Já na Nova Zelândia, Crystal observa que foi a partir da década de 1790 que começou o estabelecimento dos colonos. Cristãos fizeram trabalhos missionários, e houve rápido aumento de imigrantes europeus a partir de Um poder aumentado Ricardo Schutz destaca que a Revolução Industrial alavancou o poder da Inglaterra no mundo. Antônio Pedro, que a política interna inglesa estava calcada no crescimento do poder sobre as colônias e proteger os seus interesses industriais. Dessa forma, a Inglaterra detinha um controle quase absoluto sobre o comércio praticado entre a Europa e suas regiões coloniais (PEDRO, 1997, P.165). Encontra-se então, um dos fatores que determinaram o caminho que o Inglês tomaria no mundo. O fim de um império A Grã-Bretanha, tendo conseguido construir um vasto império e um poder, posteriormente alavancado com a Revolução Industrial, começou a perder força no século XX. Como menciona Eric Hobsbawm, em 1914 tinha-se autorizado autonomia interna às colônias de assentamento branco massivo, preocupando-se agora com problemas internos da ilha. Em 1905, Egito e Índia já possuiam movimentos nacionalistas. A colônia indiana era de extrema importância para o imperialismo britânico, o qual estaria incerto sem a mesma. Apesar da tentativa de se reafirmar, a Grã-Bretanha, bem como a França, obtiveram apenas fracasso, e em fins da década de 1950, estava claro que os colonialismos sobreviventes nessa época teriam de ser liquidados. Hobsbawn alerta ainda que a Primeira Guerra Mundial foi o primeiro dos acontecimentos que inviabilizaram a hegemonia imperial. 940

7 Uma poderosa nação americana Sobre a independência dos Estados Unidos, Frances Whitney afirma que foi em 1763 que houve início a separação decisiva entre Inglaterra e América. Acrescenta que as colônias haviam crescido muito econômica e culturalmente, e assim, recebendo a ajuda modesta da França, que visava humilhação inglesa, sem porém, interferir diretamente na guerra, depois de uma série de batalhas, tropas de Washington e Rochambeau fecharam caminho contra Cornwallis. Este, se rendendo, fez com que o primeiro-ministro, lord North, renunciasse na Inglaterra, e o rei organizasse a conclusão de paz na base da Independência americana. Whitney conta ainda que essa liberdade significou não só a liberdade dos estrangeiros, mas também o desenvolvimento de uma sociedade com políticas criadas no local. Hobsbawm destaca que as guerras mundiais, ocorridas no século XX, serviram de benefício para a economia dos Estados Unidos, o qual era o principal arsenal de seus aliados, e expansionava cada vez mais sua produção diante do mundo. Apesar da Grande Depressão, crise que assolou o mundo, com exceção da nação americana, pouco foi irrompida a sua ascenção econômica após a Segunda Guerra Mundial. No período relativo à chamada Guerra-Fria, após o fim da Segunda Guerra Mundial, o poder americano evidenciaria-se ainda mais. Segundo Hobsbawn, surgem dois tipos de regimes econômicos: o Socialismo, representado pela União Soviética, e o Capitalismo, embalado pelos Estados Unidos. Duas nações que a qualquer momento poderiam travar uma guerra nuclear. No entanto, Hobsbawm alerta que o próprio poder soviético era consciente do maior poder mundial americano. Vale ressaltar que Os EUA exerciam controle e predominância sobre o resto do mundo capitalista, além do hemisfério norte e oceanos, assumindo o que restava da velha hegemonia imperial das antigas potências coloniais... (HOBSBAWM, 1997, p. 224). Importante destacar que a Revolução Cultural, segundo Hobsbawm, foi o tempo em que houve uma grande mudança nos comportamentos sociais, sobretudo entre os jovens, que estavam se tornando cada vez mais independentes. Seus estilos de vida alteraram os padrões que existiam com seus antecessores. O blue jeans e o rock se tornaram referência para os jovens de então. Letras de rock em inglês muitas vezes nem eram traduzidas. Isso 941

8 refletia a esmagadora hegemonia cultural dos EUA na cultura popular e nos estilos de vida... (HOSBAWM, 1997, pág. 320). Inglês como idioma do mundo Crystal afirma que são principalmente esses os fatores que levaram o Inglês ao status mundial: A Colonização Inglesa e o poder econômico americano. Segundo ele, o Inglês é o idioma internacional do tráfego aéreo, representando também extrema importância no transporte marítimo internacional, policiamento e serviços de emergência. Os Estados Unidos, são fonte de negócios e comércios internacionais, e as empresas do ramo turístico e publicitário são bastante dependentes do Inglês. A maioria das informações científicas, tecnológicas e acadêmicas no mundo é expresso em Inglês, e mais de 80 por cento de todas as informações armazenadas em sistemas de recuperação eletrônica está em Inglês (CRYSTAL, 1994, p. 106, tradução minha). Países Falantes Crystal faz uma divisão dos países em relação ao uso da Língua Inglesa. Os países que utilizam o Inglês como língua primária são: Estados Unidos, Reino Unido, Irlanda, Canadá, Austrália e Nova Zelândia. Esses países representam o núcleo de seu círculo que esquematiza essa divisão. A primeira zona periférica, inclui países onde a língua desempenha um papel importante, como segundo idioma. A última zona periférica, diz respeito aos países que o idioma é ensinado como língua estrangeira. Além dos países já citados, a lista de Crystal, dos principais locais, inclui: Samoa Americana, Antígua e Barbuda, Bahamas, Blangladesh, Barbados, Belize, Bermuda, Bhutan, Botswana, Ilhas Britânicas Virgens, Brunei, Camarões, Ilhas Cayman, Cingapura, Ilhas Cook, Dominica, Fiji, Gâmbia, Gana, Gibraltar, Grenada, Guam, Guiana, Hong Kong, Jamaica, Kenya, Kiribalti, Lesoto, Libéria, Malawi, Malásia, República de Malta, Ilhas Marianas do Norte, Ilhas Marshall, Ilhas Maurício, Ilhas do Reino Unido, Micronésia, Montserrat, Namíbia, Nauru, Nepal, Nigéria, Paquistão, República de Palau, Papua Nova Guiné, Filipinas, Porto Rico, São Cristóvão, Santa Lúcia, São Vicente e Grenadinas, Seicheles, Serra Leoa, Ilhas Salomão, África do Sul, Sri Lanka, Suriname, Suazilândia, Tanzânia, Reino de Tonga, Trinidad e Tobago, Tuvalu, Uganda, Estados Unidos 942

9 das Ilhas Virgens, Vanuatu, Samoa Ocidental, Zâmbia e Zimbábue. Segundo ele, junto com outras dependências, são aproximadamente bilhões de falantes. Considerações finais Observa-se a ligação íntima do Inglês nos diais atuais, atentando-se, por exemplo, simplesmente ao uso da internet, dos video-games, assistindo filmes, ouvindo as músicas mais tocadas nas rádios, principalmente às destinadas ao público jovem, e tantas outras atividades do cotidiano de muitos países não falantes da língua Inglesa. Entende-se agora que tal fato não poderia ser coisa do acaso, e que todas as explicações se encontram no percurso que a língua tomou na história. Assim como tantos outros idiomas foram levados às diversas partes do planeta, a Grã-Bretanha fez o Inglês pairar nas colônia, das quais, hoje, a maioria são países independentes. Mas não foi só isso o vetor responsável pelo sucesso da língua. O fato de ser idioma do mundo, deve-se, principalmente, à existência de uma nação americana que representa grande poder mundial, combinado com as tecnologias cada vez mais avançadas, que aproximam a comunicação internacional, por intermédio do Inglês. Referências BURGESS, Anthony. A Literatura Inglesa. Tradução: Duda Machado. São Paulo, 2. ed. Ática, CRYSTAL, David. The Cambridge Encyclopedia of the English Language, Disponível em: Acesso em: 13 de julho de HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: Tradução: Marcos Santarrita. Revisão técnica: Maria Célia Paoli. São Paulo, 2. ed. Companhia das Letras, PEDRO, Antônio. História da Civilização Ocidental: geral e do Brasil, integrada. São Paulo, FTD, SHÜTZ, Ricardo. História da Língua Inglesa. English Made in Brazil. Disponível em: Acesso em: 28 de março de SILVA, Alexander Meireles da. Literatura Inglesa para Brasileiros. Rio de Janeiro, 2. ed. Ciência Moderna, WHITNEY, Frances. A História dos Estados Unidos da América. Tradução: Jacy Monteiro. Rio de Janeiro, Distribuidora Record,

10 Para citar este artigo: SANTOS, Jefferson Lhamas dos. Os fatos que levaram o inglês ao destaque mundial e seus países falantes. In: VII SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA SÓLETRAS - Estudos Linguísticos e Literários Anais... UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná Centro de Letras, Comunicação e Artes. Jacarezinho, ISSN p

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE

RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE RESUMO PARA RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE Conceitos Diversos Estado É uma organização políticoadministrativa da sociedade. Estado-nação - Quando um território delimitado é composto de um governo e uma população

Leia mais

4. Nomeação do mesmo administrador em três ou mais sociedades.

4. Nomeação do mesmo administrador em três ou mais sociedades. LISTA DE INDICADORES DE RISCO DA PRÁTICA DO CRIME DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS A presente lista de indicadores de risco da prática do crime de branqueamento de capitais não pretende ser exaustiva, e não

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS)

DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) PT (115) DIRETRIZES PARA PAGAMENTO (POR PAÍS) Este documento tem o propósito de informar rotarianos sobre opções de pagamento e dados necessários para recebimento de fundos do Rotary. Consulte a lista

Leia mais

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude

Inscrição de. Peregrinos. Jornada Mundial da Juventude Inscrição de Peregrinos Jornada Mundial da Juventude Bem-vindos à JMJ Rio2013 Em breve serão abertas as inscrições para a JMJ Rio2013. Organize seu grupo! A pouco menos de um ano para o início da JMJ Rio2013

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento

O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento O continente americano apresenta duas realidades socioeconômicas e culturais distintas.o extremo norte apresentam elevados índices de desenvolvimento socioeconômico. Ao sul do continente, estão países

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 Fragmentação política Sub regiões Ístmica Insular Composição étnica: Euroameríndios Indígenas Afrodescendentes AMÉRICA CENTRAL

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados:

A) Lista dos países terceiros cujos nacionais devem possuir um visto para transporem as fronteiras externas. 1. Estados: Lista dos países terceiros cujos nacionais estão sujeitos à obrigação de visto para transporem as fronteiras externas e lista dos países terceiros cujos nacionais estão isentos dessa obrigação A) Lista

Leia mais

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart.

Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de tinta HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Introdução 1 As tabelas a seguir mostram os cartuchos de jato de HP compatíveis com as impressoras HP Photosmart. Impressoras série 100 2 Impressora HP Photosmart 130 HP 57 HP Photosmart 100 HP 57 Impressoras

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde?

Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo). Causas

Leia mais

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit.

Plano específico para a modalidade LDI (Longa Distância Internacional) utilizando o CSP (Código de Seleção da Prestadora) 17 da Transit. A. NOME DA EMPRESA Transit do Brasil S.A. B. NOME DO PLANO Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional). C. IDENTIFICAÇÃO PARA A ANATEL Plano Básico de Serviço LDI (Longa Distância Internacional).

Leia mais

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO

ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO Documento atualizado em 20/12/2013. O Programa de Fomento à Pesquisa 2014 oferece aos estudantes regularmente matriculados nos cursos de pós-graduação da UFRGS (mestrado acadêmico,

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes BLOCOS ECONÔMICOS Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes Blocos Econômicos Introdução Os blocos econômicos surgiram da necessidade de desenvolver a economia de determinados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/ PPGD/2012 Disciplina a concessão de Recursos do PROEX/CAPES para a participação

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO

EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO EXPANSÃO E COLAPSO DO CAPITALISMO 2ªRevolução Industrial HOLDING TRUSTE CARTEL Empresas financeiras que controlam complexos industriais a partir da posse de suas ações. Formação de grandes conglomerados

Leia mais

Guerras tribais ou conflitos étnicos?

Guerras tribais ou conflitos étnicos? Guerras tribais ou conflitos étnicos? O continente africano padece das conseqüências de um longo e interminável processo de exploração que espoliou a maior parte de suas nações, determinando, na maioria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800

Simples. Conecta + 200. Conecta + 400. Conecta + 800 REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DO PLANO ALTERNATIVO LDI CSP81 Por este instrumento, em que fazem parte de um lado, DATORA TELECOMUNICAÇÕES LTDA, Prestadora do Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC, inscrita no

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE

Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE Expedição 1. 7º ANO_ PROFª BRUNA ANDRADE O Brasil é considerado um país de dimensões CONTINENTAIS, pois sua área de 8.514.876 Km² é quase igual a do Continente Oceânico. Ele é o 5º país em extensão territorial

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Independência dos EUA. Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História

Independência dos EUA. Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História Independência dos EUA Colégio Marista Rosário Professora: Adriana Moraes - História Considerada a primeira revolução americana (a segunda foi a Guerra de Secessão, também nos Estados Unidos); considerada

Leia mais

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA

A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA. O processo de formação dos EUA A COLONIZAÇÃO INGLESA NA AMÉRICA O processo de formação dos EUA Inglaterra X Portugal e Espanha A incursão dos ingleses no processo de colonização do continente americano conta com determinadas particularidades

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre os critérios e valores de concessão e pagamento de auxílio financeiro a alunos para participação em eventos, cursos e trabalhos de campo. O Pró-Reitor de Extensão, da

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2

Índice. 1. Registro Contrato DCE... 3. Participante 2 Índice 1. Registro DCE... 3 Participante 2 Registro de de Derivativo Contratado no Exterior Nome do Arquivo Tamanho do Registro 1. Registro DCE Caracteres: 1500 Header Seq Campo Formato Posição Conteúdo

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO DA LISTA DOS PARAÍSOS FISCAIS (PORTARIA N.º 292/2011, DE 8 DE NOVEMBRO)

ACTUALIZAÇÃO DA LISTA DOS PARAÍSOS FISCAIS (PORTARIA N.º 292/2011, DE 8 DE NOVEMBRO) ACTUALIZAÇÃO DA LISTA DOS PARAÍSOS FISCAIS (PORTARIA N.º 292/2011, DE 8 DE NOVEMBRO) A Portaria n.º 292/2011, publicada no passado dia 8 de Novembro, procedeu a uma actualização da lista dos países, territórios

Leia mais

CONCURSO N.º 05/UGEA/TA/UE/2014. Manifestação de Interesse

CONCURSO N.º 05/UGEA/TA/UE/2014. Manifestação de Interesse REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE UNIÃO EUROPEIA Tribunal Administrativo CONCURSO N.º 05/UGEA/TA/UE/2014 FINANCIADO PELA UNIÃO EUROPEIA Manifestação de Interesse O Tribunal Administrativo, convida as empresas interessadas

Leia mais

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$) Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 SISTEMA MONETARIO MUNDIAL MOEDAS A SEREM EMITIDAS EM CADA PAÍS ARTIGO 42º Capítulo -1º QUANTIDADE DE NOVAS MOEDAS VALOR POR PAÍS 42-1- 1º - A partir da data da promulgação da Constituição Mundial pela

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Prof. Janderson Barros

Prof. Janderson Barros TEMA 1 Prof. Janderson Barros Aspectos Gerais da Oceania. Definição de Oceania Continente insular composto por um conjunto de ilhas; Conhecida como Novíssimo Mundo devido sua descoberta nas décadas finais

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 6 5 Unidade 6 Nome: Data: 1. Leia o texto e responda aos itens a seguir. A busca pelo ouro A causa pela qual os espanhóis destruíram tal infinidade de

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 13/2013, DE 06 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Apoio à participação de discentes de graduação e pós-graduação em Eventos Cientificos, Tecnológicos, Esportivos, Culturais

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771

Campus Prof. José Rodrigues Seabra - Av. BPS, 1303 - Bairro Pinheirinho - CEP 37500-903 - Itajubá -MG - Brasil Fone (35) 3629 1771 EDITAL N 01/2015/Unifei/Proex, de 14 de janeiro de 2015. CHAMADA PÚBLICA PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIO-EXTENSÃO PARA PARTICIPAÇÃO EM ATIVIDADES QUE ENVOLVEM COMPETIÇÕES TECNOLÓGICAS, EVENTOS ESPORTIVOS E CULTURAIS.

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas.

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas. IDADE MODERNA Revolução Americana Os cinquenta anos que se passam entre o final do século XVIII e o início do século XIX foram decisivos para o continente americano. Foi nessa época que as ideias iluministas

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 I. Ópio - Consumo De acordo com pesquisas domiciliares [CEBRID 2005], o maior mercado de opiáceos na América do Sul é o Brasil, com cerca de 600 mil usuários,

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais