UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar esse assunto, faz-se necessário que se lembre das nomenclaturas utilizadas para representar planos e retas Atitude de Feições Planares A atitude de uma feição planar é a sua representação espacial, através de suas coordenadas geológicas e pode ser expressa através de sua direção, seu mergulho e do sentido do mergulho. Fig Desenhos ilustrativos da atitude de uma feição planar. A) Afloramento ilustrando, em pontilhado, a direção do plano, enquanto a seta indica o sentido do mergulho. B) Bloco diagrama

2 2 mostrando geometricamente a relação entre a direção e o mergulho (ângulo α), e na parte inferior a representação em mapa. C) Modo de traçar no mapa, em referência ao norte, o símbolo da direção e do mergulho de um plano (Segundo Loczy & Ladeira, 1976) Direção de um plano é a orientação em relação ao norte de uma linha resultante da interseção desse plano com um plano horizontal imaginário. Representa o orientação de uma linha horizontal contida no plano em questão (Fig. 08). Mergulho de um plano é o ângulo diedro entre o plano em questão e um plano horizontal. Esse ângulo deve ser tomado perpendicularmente à direção do plano. A linha de mergulho representa a linha de maior declive do plano considerado (Fig. 08) Para se representar a atitude de um plano em mapas utiliza-se o símbolo mostrado na Figura 08B, semelhante ao sinal utilizado em geometria para indicar o perpendicularismo ( ). A linha maior representa a direção da camada, sendo traçada paralela a mesma no mapa. A linha menor indica o sentido do mergulho, sendo perpendicular à direção. O número disposto entre as duas linhas é o valor angular do mergulho em graus. Para o caso de planos horizontais e verticais usam-se os símbolos mostrados na Figura 09. Fig Blocos diagramas e mapas ilustrando os símbolos de coordenadas geológicas para planos: A) inclinados, B) verticais e C) horizontais (Segundo Loczy & Ladeira, 1976). Em diversas situações práticas tem-se mergulhos aparentes de feições planares segundo variadas direções (Fig. 10)

3 3 Fig Relação entre mergulho verdadeiro e mergulho aparente em uma determina direção. Diversas são as nomenclaturas existentes para se escrever a atitude de uma feição planar. A seguir, alguns exemplos. N 20 0 W 35 0 /NE representa um plano que tem a direção de 20 0 com o norte, no sentido anti-horário e tem um mergulho de 35 0 para o quadrante nordeste /70 0 Az a mesma atitude acima escrita de uma outra forma 20 0 Az 35 0 /NE outra maneira de escrever a mesma atitude acima 35 0 / N70E idem! S20 0 E 35 0 /NE idem! Az 35 0 /NE idem! 1.4- Atitude de Feições Lineares As retas podem ser representadas, basicamente, de duas maneiras: Pelo mergulho da reta e o rumo ou azimute da direção desse mergulho: Ex. = 14 0 /330 0 Az Pela direção da reta, acrescida do valor do mergulho e do seu sentido: Ex. = 330 Az 14 0 /NW 1.1- Mapas

4 4 Um mapa é uma representação, no plano horizontal, das informações geológicas de uma determinada área. Um mapa representa o projeção dessas informações sobre um plano horizontal. Tem-se diversos tipos de mapa de interesse para o aluno de geologia: Mapas Topográficos: são aqueles que mostram as características topográficas de uma determina área. Para tanto são utilizadas as curvas de nível, que representam linhas que unem pontos de mesma cota topográfica (Fig.19) Como cota topográfica entende-se a distância na vertical do ponto considerado até uma base de referência (datum), normalmente considerada o nível do mar local. Para se obter o mapa de curvas de nível procede-se como mostrado na Figura 20. As curvas de nível representam projeções, no plano horizontal, das linhas de interseção da topografia com planos horizontais imaginários tomados em intervalos de cota específicos. Fig Exemplo de um mapa topográfico.

5 5 Fig Esquema de mapa topográfico obtido de um bloco diagrama (Segundo Loczy & Ladeira, 1976) Mapas Estruturais: são aqueles que mostram as principais feições estruturais de uma determinada área (Fig. 21), independentemente de outras informações geológicas. Mapas Geomorfológicos: são mapas que mostram as principais características geomorfológicas de determinada área, incluindo formas de relevo, aspectos das bacias de drenagem, etc. Mapas de Ocorrências Minerais: mostram as principais ocorrências minerais de uma área. Mapas Geológicos: são aqueles que mostram as informações geológicas de uma área, incluindo, principalmente as unidades litológicas e/ou estratigráficas (Fig. 22) * De interesse especial para os objetivos desse estudo são os mapas topográficos, estruturais e geológicos Seções Seções Topográficas Seção ou perfil topográfico é a representação das características topográficas de um local no plano vertical. Normalmente é construindo a partir de um corte vertical sobre mapas topográficos conforme ilustram as Figuras 23 e 24.

6 6 Fig Exemplo de mapa estrutural Seções Geológicas São seções que mostram, além da topografia, os contatos entre as diversas unidades litológicas ou estratigráficas. A Figura 25 ilustra o processo de construção dessas seções.

7 7 Fig Mapa geológico. Fig Esquema de construção de mapa topográfico.

8 8 Fig Esquema de construção de perfil topográfico. Fig Método de construção de seção geológica apartir de mapas.

9 9 Obs.: Em todos esses desenhos de mapas e seções geológicas deve-se sempre observar a necessidade de serem incluídos os seguintes dados: 1- Título do desenho : Ex.: Mapa estrutural da região de Araçá 2- Escalas Horizontal e vertical: Ex.: 1: Orientação: NW - SE 4- Legenda : deve esclarecer a que se referem as principais referências contidas no mapa Cálculo de Profundidades e Espessuras de Camadas Muitas vezes o geólogo se depara com a necessidade de fazer cálculo de espessura e profundidades de determinadas feições geológicas, partindo de dados de afloramentos Espessuras de Camadas Camadas horizontais Fig Exemplo de camada horizontal. Espessura = Cota do Topo - Cota da Base Camadas inclinadas a) Topografia horizontal L α e e= L Sem α Fig. 27- Camada inclinada em topografia horizontal

10 10 b) Topografia inclinada no mesmo sentido da camada β L α e e = L Sen (α - β) Fig Camada inclinada no mesmo sentido da inclinação da topografia. c) Topografia e camadas inclinadas em sentidos contrários e β α e = L Sem (α + β) Fig Camada inclinada no sentido oposto à inclinação topográfica. Profundidades a) Terreno horizontalizado L A α B P P = L tg α Fig. 30- Exemplo de terreno horizontalizado. b) Terreno com inclinação em sentido oposto à camada M α L β A p B C Fig Camada inclinada no sentido oposto à inclinação topográfica.

11 11 P = AB + BC AB = L Sem β MB = L Cos β P = L (Sem β + Cos βtg α) BC = MB tg α BC = L Cos β Tg α c) Terreno com a mesma inclinação da camada A B L α β P C Fig Camada inclinada no mesmo sentido que a topografia P = AC - AB AB = L Sen β AC = MB tg α MA = L Cos β P = l (Cos β tg α - Sen) AC = L Cos β tg α P = L Cos β tg α - L Sen 1.4- Atitude de camadas em mapas Para se determinar a atitude de uma feição estrutural planar em um mapa geológico parte-se, inicialmente, para a determinação de sua direção. Para tanto, utiliza-se a definição de que a direção de um plano representa uma linha horizontal contida no plano considerado. Em um mapa geológico, para de encontrar uma linha horizontal de uma superfície basta se encontrar dois pontos, pertencentes a essa superfície e que estejam sobre curvas de nível de mesmo valor (Fig. 33)

12 12 Figura 33 Esquema de obtenção da direção de um plano em mapa. A linha obtida da forma mostrada acima é denominada de linha de contorno estrutural (strike line). Tem uma conotação semelhante à linha de nível para caracterização da topografia. No caso da strike line, porém, ela se refere à um horizonte estratigráfico ou estrutural e não topográfico ( Figs. 34 a 36) Fig. 34- Determinação das linhas de contorno estrutural de uma camada Fig Esquema de obtenção da linha de contorno estrutural.

13 13 Fig Esquema de construção de mapas de contorno estrutural Pode-se construir mapas de contorno estrutural que possibilitará interpretações de estruturas geológicas em mapas (Fig. 37) m 300m 400m N Fig Mapa de contorno estrutural, mostrando um sinforme assimétrico, com eixo na direção NW - SE

14 14 Para se determinar o mergulho do plano no mapa, traça-se duas linhas de contorno estrutural para a mesma superfície e, geométrica ou graficamente, determina-se o mergulho (Fig. 38) d e α 200m 400m Tg α = d/e, onde d = distância, na escala do mapa, equivalente a diferença de cota entre as duas linhas de contorno estrutural; e = menor distância entre as duas linhas de contorno estrutural; α = ângulo de mergulho da superfície Figura 38 - Determinação do ângulo de mergulho de uma superfície. O ângulo de mergulho pode ser obtido graficamente, através do desenho da Figura 38, em escala, lendo-se diretamente o valor angular α Cap. 05- Problema dos 3 Pontos O problema dos 3 pontos constitui uma técnica bastante útil na resolução de diversos problemas de geologia estrutural. Suponha que seja necessário se determinar a atitude de uma camada geológica e suas linhas de afloramento em um mapa com curvas de nível. Será necessário que se conheça as cotas de, pelo menos, 3 pontos diferentes. A (400m) 400m B(300m) 300m C(200m) 200m Fig Determinação da direção de uma camada pelo problema dos 3 pontos.

15 15 Consideremos os pontos A, B e C na Figura 39, os quais estão em cotas conhecidas (400m, 300m e 200m, respectivamente). Fecha-se o triângulo através dos 3 pontos e encontra-se a posição da cota de valor intermediário na linha que une os pontos de maior valor de cota com o de menor cota. No caso do exemplo da Figura 39, encontra-se a linha de contorno estrutural de valor de cota igual a 300m. Passa-se, então, paralelas por essa linha para que sejam encontradas as linhas de contorno estrutural de valores 200m e 400m (Fig. 39) Para se obter o mergulho dessa superfície procede-se da mesma forma explicada no item 4, anterior. Ele pode ser obtido gráfica ou analiticamente. Para se encontrar os pontos em que essa superfície afora ao longo de todo o mapa, deve-se encontrar todos os pontos em que a linha de contorno estrutural encontra curvas de nível de mesmo valor de cota. A Figura 40 exemplifica esse método. Nela, as linhas pretas representam curvas de nível, as linhas azuis se referem às linhas de contorno estrutural para uma determinada superfície. A linha vermelha mostra o afloramento da superfície e foi obtida unindo-se os pontos em que curvas de nível e linhas de contorno estrutural apresentam os mesmos valores de cotas. Fig Esquema de obtenção da linha de afloramento de uma superfície pelo problema dos 3 pontos.

16 16 Cap. 02 Projeção Estereográfica 2.1- Introdução A projeção estereográfica constitui um processo gráfico que, através de diagramas especiais, permite a representação (locação) de elementos estruturais, principalmente retas e planos, para que posteriormente possam ser determinadas suas relações geométricas. Esse tipo de projeção tem diversas aplicações no campo da geologia estrutural, constituindo-se um método prático de representar, no plano, elementos planares e lineares situados no espaço, com preservação de suas relações angulares Fundamentos Básicos Considerando-se uma esfera de raio R, conforme a mostrada na Figura 01, por cujo centro O passe um plano não horizontal π (Pi). A interseção desse plano com a esfera descreve um círculo de raio R e diâmetro AB. A reta AB representa, também, a direção do plano π. O plano equatorial (PE) divide ao meio o círculo de interseção entre o plano π e a esfera de referência. Figura 01 Elementos fundamentais dos fundamenmtos da Projeção Estereográfica. Eliminando-se o hemisfério superior da esfera de referência e imaginando um observador postado no ponto V, a uma distância R verticalmente acima do centro O (Fig. 02), o semicírculo formado pela interseção do plano com a esfera será visualizado pelo observador segundo o arco AB, projetado no plano equatorial.

17 17 Cada ponto do semicírculo 1,2,3 etc., será projetado no plano equatorial segundo os pontos 1, 2, 3, etc. Diz-se, então, que o arco AB representa a projeção estereográfica do plano considerado e a linha AB corresponde à direção do plano. Figura 02 Projeção estereográfica do plano π sobre o plano equatorial da esfera. Se imaginarmos o plano π com seu ângulo de mergulho diminuído, o que aconteceria com o arco que representa sua projeção estereográfica? Com certeza se aproximaria mais da periferia do plano equatorial! Se acontecesse o oposto, um aumento do ângulo de mergulho do plano, o arco que representa sua projeção seria mais fechado, até que, ao ser atingido um ângulo de 90 o, o arco estaria restrito à própria reta AB. Da mesma forma, se o ângulo de mergulho do plano fosse gradualmente reduzido, o arco de sua projeção se aproximaria mais e mais da borda do plano equatorial, até ser confundido com o próprio, ao ser atingido o valor de mergulho igual a zero. A Figura 03 mostra a projeção de todos os planos que possuem direção AB e que mergulham de 10 em 10 graus para direita e esquerda.

18 18 Figura 03 Projeção de todos os planos com direção AB com mergulhos sucessivos de 10 em 10 graus. Pode-se, também, variar a direção da reta AB, dividindo-se o plano equatorial em intervalos de 10 graus (Fig. 04). Obtém-se, então, uma rede de projeção estereográfica (Fig. 05) com a qual pode-se projetar quaisquer feições planares e lineares de interesse. Figura 04 Variação na direção do plano π. Figura 05 Diagrama de projeção estereográfica.

19 19 Existem vários tipos de rede estereográfica para serem utilizadas em geologia estrutural, as mais comuns delas são as redes de Wulff (Fig. 06) e a rede de Smith- Lambert ou rede de igual área (Fig. 07) Figura 06 Rede de Wulff. Figura 07 Rede de Igual Área A rede de igual área é mais apropriada para a representação de feições lineares e planares de forma estatística, onde tem-se interesse na distribuição desses elementos na área do diagrama. A rede de Wulff, por sua vez, é mais utilizada para exercícios de relações angulares.

20 20 Resta, agora, aprender a utilizar a rede estereográfica, na plotagem de elementos estruturais. Antes que se comece a manipular a rede de projeção, faz-se necessário que se lembre das nomenclaturas utilizadas para representar planos e retas Atitude de Feições Planares A atitude de uma feição planar é a sua representação espacial, através de suas coordenadas geológicas e pode ser expressa através de sua direção, seu mergulho e do sentido do mergulho. Fig Desenhos ilustrativos da atitude de uma feição planar. A) Afloramento ilustrando, em pontilhado, a direção do plano, enquanto a seta indica o sentido do mergulho. B) Bloco diagrama mostrando geometricamente a relação entre a direção e o mergulho (ângulo α), e na parte inferior a representação em mapa. C) Modo de traçar no mapa, em referência ao norte, o símbolo da direção e do mergulho de um plano (Segundo Loczy & Ladeira, 1976) Direção de um plano é a orientação em relação ao norte de uma linha resultante da interseção desse plano com um plano horizontal imaginário. Representa o orientação de uma linha horizontal contida no plano em questão (Fig. 08). Mergulho de um plano é o ângulo diedro entre o plano em questão e um plano horizontal. Esse ângulo deve ser tomado perpendicularmente à direção do plano. A linha de mergulho representa a linha de maior declive do plano considerado (Fig. 08)

21 21 Para se representar a atitude de um plano em mapas utiliza-se o símbolo mostrado na Figura 08B, semelhante ao sinal utilizado em geometria para indicar o perpendicularismo ( ). A linha maior representa a direção da camada, sendo traçada paralela a mesma no mapa. A linha menor indica o sentido do mergulho, sendo perpendicular à direção. O número disposto entre as duas linhas é o valor angular do mergulho em graus. Para o caso de planos horizontais e verticais usam-se os símbolos mostrados na Figura 09. Fig Blocos diagramas e mapas ilustrando os símbolos de coordenadas geológicas para planos: A) inclinados, B) verticais e C) horizontais (Segundo Loczy & Ladeira, 1976). Em diversas situações práticas tem-se mergulhos aparentes de feições planares segundo variadas direções (Fig. 10) Fig Relação entre mergulho verdadeiro e mergulho aparente em uma determina direção.

22 22 Diversas são as nomenclaturas existentes para se escrever a atitude de uma feição planar. A seguir, alguns exemplos. N 20 0 W 35 0 /NE representa um plano que tem a direção de 20 0 com o norte, no sentido anti-horário e tem um mergulho de 35 0 para o quadrante nordeste /70 0 Az a mesma atitude acima escrita de uma outra forma 20 0 Az 35 0 /NE outra maneira de escrever a mesma atitude acima 35 0 / N70E idem! S20 0 E 35 0 /NE idem! Az 35 0 /NE idem! 1.4- Atitude de Feições Lineares As retas podem ser representadas, basicamente, de duas maneiras: Pelo mergulho da reta e o rumo ou azimute da direção desse mergulho: Ex. = 14 0 /330 0 Az Pela direção da reta, acrescida do valor do mergulho e do seu sentido: Ex. = 330 Az 14 0 /NW 1.5- Utilizando a Projeção Estereográfica Preparação da rede e papel de projeção Plotar planos Plotar retas Polos de planos Interseção entre planos Ângulos entre retas Ângulo entre planos Mergulhos verdadeiros e aparentes Rotação 1.6- Diagramas Existem, basicamente, dois tipos de diagramas: Diagrama Beta (β) e Diagrama Pi (π), Figs. 11 e 12). No diagrama β, mostrado na Figura 11 são representadas as próprias projeções esteográficas dos planos em questão.

23 23 Figura 11 Diagrama β. Nos diagramas π os planos são representados por suas projeções polares. Isso, obviamente, torna muito mais fácil a visualização do comportamento espacial de cada estrutura. Figura 12 Diagrama Pi (π)

24 24 Ao se analisar um determinada feição estrutural planar ou linear plotada em um diagrama Pi (Fig. 13), pode-se notar alguns tipos de comportamento em sua distribuição espacial. Figura 13 Representação de 130 lineações (a) e 1000 polos de foliação. A Figura 13 (a) mostra o que chamamos de um máximo de concentração. Isso se verifica quando a distribuição se concentra ao longo de um determinado ponto. Nesse caso pode-se dizer que a lineação representada tem uma atitude média de 45 o /270 Az. Pode-se dizer, ainda, que a direção dessa estrutura linear varia entre os azimutes e Os valores de mergulho também mostram uma pequena variação entre 75 0 e A distribuição dos polos da foliação na Fig. 13(b) obedece o que se denominou de guirlanda. Isso ocorre quando os polos se distribuem segundo um dos arcos da rede de projeção. Esse caso ocorre quando a estrutura planar encontra-se dobrada, através de uma dobra cilíndrica (Fig. 12) e pode-se determinar o eixo da dobra que, no caso em questão, tem uma atitude aproximada de Az. Mas o que fazer quando a distribuição de um determinado elemento estrutural se dá segundo o diagrama da Figura 14? Nesses casos é necessário que se construa diagrama de freqüência de pontos para que se possa visualizar o comportamento espacial da estrutura em questão. Existem diversas maneiras de construir esses diagramas de freqüência. Podese utilizar diversos tipos de redes de contagem de pontos. Essas redes permitem que se conte o número de elementos existentes em uma determinada área e se represente esse número num determinado lugar que variará dependendo da geometria da rede de contagem. A Figura 15 mostra um exemplo de rede de contagem.

25 25 Figura 14 Diagrama Pi para 230 medidas de fraturas. Figura 15 Exemplo de rede para contagem de pontos na construção dos diagramas de freqüência. O processo de construção dos diagramas de freqüência continua quando se traça curvas de iso-freqüência de pontos, a exemplo do que é mostrado na Figura 16. Com as curvas, é necessário que se estabeleça uma escala de valores para os diversos campos entre as linhas de iso-freqüência, de tal forma que se consiga visualizar as diversas concentrações de interesse ao estudo (Fig. 17).

26 26 Depois de construir os diagramas de freqüência de pontos, é importante que se aprenda a interpretá-los. Alguns exemplos de interpretação são mostrados na Figura 18. Figura 16 Curvas de iso-freqüência de pontos. Figura 17 - Diagrama de freqüência de pontos.

27 27 Figura 18 Exemplos de diagramas de frequência de pontos para interpretação.

28 28 EXERCÍCIOS PARTE A MAPAS E SEÇÕES PARTE B PROJEÇÃO ESTER.

29 29 PARTE A MAPAS E SEÇÕES EXERCÍCIO N O Escreva as atitudes dos planos abaixo de outras 5 formas diferentes: a) 24 0 /225 0 Az b) N10 0 E 54 0 /SE c) 50 0 /N d) S75 0 W 20 0 /NW e) 10 0 /10 0 Az f) Az Vert. g) 72 0 /90 Az h) 26 0 / S65 0 E i) Az 21 0 /E j) 85 0 /85 0 Az 2- Faça o mesmo para as lineações abaixo: k) 23 0 / Az l) N20 0 W 46 0 NW m) S18 0 E 21 0 NW n) 22 0 /N o) EW Horizontal p) 05 0 /270 0 Az q) Az 12 0 /SE r) 80 0 /S24 0 W s) N67 0 E 28 t) Vertical Data da entrega: 02/04/07

30 30 EXERCÍCIO N O Plotar os seguintes planos e seus polos. A- N62ºW 18NE B- 42º / 117º Az C- 238º Az 23º/SE D- horizontal E- 115 o Az vertical F- EW vertical 2- Plotar as seguintes retas. a- 37º / 12º Az b- 72º / N c- 314º Az 13º/NW d- vertical e- 37º Az horizontal f- 112º Az 40º / SE 3- Achar as atitudes das retas de interseção entre os seguintes pares de planos e os ângulos formados entre os mesmos. A-150º Az 07º / SW B- 33º / 97º Az C- horizontal D- 222 o vertical E- N 78º W 45º/SW F- horizontal G- 03º / 74º Az H- S 08º W 28º/NW 4- Achar o ângulo entre os seguintes pares de retas. a- 30º /E b- 72º Az horizontal c- 137º Az 42º/SE d- vertical e- 87º / 154º Az f- 338º Az 49º/NW g- vertical h- 25º Az horizontal Data da entrega:

31 31 EXERCÍCIO N O Com os planos: A: 22 0 /332 0 AZ B: 82 0 /S C: N55 0 W 48 0 /SW D: Vertical a-plote os planos e os seus respectivos polos; b-encontre as atitudes das lineações de interseção entre (AB),(AD) e (BD) c-ache os ângulos entre os planos (AB), (AC), (AD), (BC) e (CD) d-encontre os mergulhos aparentes do plano C nas direções e 90 0 Az 2- a) Plote os planos e seus polos = A: 212 Az 45/SE B: Horizontal C: 35/N a) Encontre as atitudes das lineações de interseção = s: A/B r: A/C t: B/C b) Quais os ângulos entre A e B; A e C; B e C c) Quais os mergulhos aparentes do plano A nas direções 180 o e 130 o Az 3- Foram medidos dois mergulhos aparentes de um mesmo plano: a) 32 o /222 o Az b) 29 o / 306 o Az Encontre a atitude correta desse plano! Data da entrega:

32 32 EXERCÍCIO N O Com a projeção estereográfica encontre: a) - O ângulo entre os planos: M= 30/120 e N= 330 Az Vertical b) - A atitude do plano perpendicular à N (da questão anterior) c) - O mergulho aparente do plano M acima nos rumos N30E e S30E /S d) - A atitude do plano perpendicular ao plano simétrico a 88 o 2- Encontre as novas atitudes do plano M= 200 o Az 68 o SE e da reta r= 17 o /S, depois de rotacionados de 45 o, no sentido anti-horário, segundo o eixo E= 62 o /90 o Az. 3- Uma camada foi rotacionada de 40 o, no sentido anti-horário por uma falha e sua atitude depois da rotação passou a ser C= 35 o /N. Sabendo-se que o eixo de rotação tem a atitude e= 46 o /W, encontre a atitude da camada antes do falhamento. 4- Encontre a atitude do plano P: 42 o /178 o Az e da linha l: 10 o /10 o Az, depois de rotacionados segundo o eixo: 32/190 Az, com ângulo de rotação de 20 0, no sentido horário. Data da entrega:

33 33 EXERCÍCIO N O Interprete os diagramas abaixo, da forma mais completa possível: A B C Diagrama A: polos de foliação milonítica (cinza) e lineação de estiramento (preto) Diagrama B: polos de fraturas Diagrama C: polos de acamamento Data da entrega:

34 34 EXERCÍCIO N O 06 Data da entrega:

35 35 EXERCÍCIO N O 07 Interprete os diagramas abaixo! Data da entrega:

36 36 PARTE B MAPAS E SEÇÕES EXERCÍCIO N O 08 A) Determine as espessuras das camadas; B) Determine o empilhamento estratigráfico; C) Faça uma seção geológica (A-B) Data da entrega:

37 37 EXERCÍCIO N O 09 Com o mapa 2, encontre as atitudes das camadas, suas espessuras, empilhamento estratigráfico e faça duas seções a) perpendicular às strike lines, com EV= 3 EH e b) oblíqua às strike lines com EV=EH

38 38 EXERCÍCIO N O 10 Com o mapa anexo encontre: 1) A atitude do contato entre as camadas D e C, escrita de 5 formas diferentes; 2) As espessuras das camadas B, C, D, E, justificando como as encontrou ; 3) O empilhamento estratigráfico da área, justificando como o encontrou; 4) As profundidades em que os contatos A/B, B/C e C/D serão encontrados em perfuração localizada no ponto X. 5) A área do mapa em que o contato B/C seria encontrado a menos de 100m de profundidade.

39 39 EXERCÍCIO N O 11 No Mapa 4, a base de um arenito de 100m de espessura vertical aflora nos pontos A,B e C. Encontre: a) atitude dessa camada; b) afloramentos do topo e base do arenito na área do mapa; c) um horizonte de carvão 100m abaixo do arenito afloraria no mapa? Onde? d) em que profundidade o arenito seria encontrado no ponto C?

40 40 EXERCÍCIO N O 12 No Mapa 5, uma sondagem encontra um horizonte de carvão em uma profundidade de 50m no ponto A e encontra um horizonte inferior em profundidades de 150 e 250m respectivamente nos pontos B e C. Trace, no mapa, os afloramentos dos dois horizontes de carvão. Em qual área do mapa o horizonte inferior seria encontrado a menos de 50m de profundidade?

41 41 EXERCÍCIO N O 13 Complete o mapa geológico abaixo. Qual a coluna estratigráfica? Justifique!

42 42 EXERCÍCIO N O 14 Encontre as atitudes dos dois conjuntos de camadas separados pela superfície de discordância. Trace essa superfície. Mostre uma seção geológica representativa da estratigrafia da área. Escreva uma breve história geológica.

43 43 EXERCÍCIO N O 15 Classifique a falha e calcule a componente vertical de seu rejeito.

44 44 EXERCÍCIO N O 16 Interprete o mapa da maneira mais completa possível.

45 45 EXERCÍCIO N O 17 Interprete o mapa da forma mais completa que puder. Elabore uma história geológica para a área.

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 AQUISIÇÃO DE DADOS Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 Topografia 1.1. Conceitos 1.2. Elementos da Planta Topográfica 1.3. Estudo das

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria Lista de Exercícios de Topografia Planimetria 1. Cite 3 métodos de levantamento topográfico e uma situação prática onde cada um poderia ser empregado. 2. Verifique se existe erro de fechamento angular

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015 Trabalho prático nº 01: Levantamento à Trena 1) Material: a) trena de 20,0m; b) 3 balizas; c) 4 fichas; d) GPS de navegação 2) Método: A medição dos alinhamentos, no campo, será executada por 3 balizeiros

Leia mais

DIAGRAMAS DE ROSETA E REDES DE PROJEÇÃO

DIAGRAMAS DE ROSETA E REDES DE PROJEÇÃO Geologia strutural: DIAGRAMA D ROTA RD D PROJÇÃO Medidas de Planos e Linhas: Dados estruturais utilizados para construções de Diagramas de Roseta e Rede de Projeção ou stereográficas Por definição, uma

Leia mais

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS

PERSPECTIVA LINEAR DEFINIÇÕES E TEOREMAS Figura 64. Tapeçaria da sala de actos do Governo Civil de Bragança (800 cm x 800 cm). Luís Canotilho 2000. A geometria é também aplicada ao simbolismo humano. No presente caso as formas geométricas identificam

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos TOPOGRAFIA - Planimetria Alex Mota dos Santos Unidades de Medida Linear polegada = 2,75 cm = 0,0275 m polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m pé = 30,48cm = 0,3048 m jarda = 91,44cm = 0,9144m milha brasileira

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

Refração da Luz Prismas

Refração da Luz Prismas Refração da Luz Prismas 1. (Fuvest 014) Um prisma triangular desvia um feixe de luz verde de um ângulo θ A, em relação à direção de incidência, como ilustra a figura A, abaixo. Se uma placa plana, do mesmo

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2011 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão. Considerando-se as funções f: R R e g: R R definidas por f(x) = x e g(x) = log(x² + ), é correto afirmar: () A função

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação geometria e medidas Guia do professor Experimento Curvas de nível Objetivos da unidade 1. Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; 2. Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana Projeto Novos Talentos Edital CAPES 55/12 Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA Professor Responsável: Ivan José Coser

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 As projeções do lado do polígono, com rumo no 4 o quadrante, sobre os eixos x e y são, respectivamente: a) positiva e positiva b) positiva e negativa c)

Leia mais

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r

1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. b r Exercícios Potencial Elétrico 01. O gráfico que melhor descreve a relação entre potencial elétrico V, originado por uma carga elétrica Q < 0, e a distância d de um ponto qualquer à carga, é: 05. Duas cargas

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

DERROTAS 33.1 INTRODUÇÃO. REVISÃO DE CONCEITOS

DERROTAS 33.1 INTRODUÇÃO. REVISÃO DE CONCEITOS 33 DEOTAS 33.1 INTODUÇÃO. EVISÃO DE ONEITOS Um navio ou embarcação navega sempre por rumos. O rumo ou loxodromia, conforme visto no apítulo 1 (Volume I), é a linha que, na Terra, corta todos os meridianos

Leia mais

FATEC Faculdade de Tecnologia de São Paulo Movimento de Terra e Pavimentação ETE II Estudo de traçado de Estradas - II

FATEC Faculdade de Tecnologia de São Paulo Movimento de Terra e Pavimentação ETE II Estudo de traçado de Estradas - II 1 COORDEADAS, AZIMUTES E ÂGULOS DE DEFLEXÃO estas notas de aula pretende-se apresentar as formas de cálculos de obtenção dos valores de azimutes de trechos de tangentes de rodovias e também os cálculos

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL

FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Hewlett-Packard FUNÇÃO REAL DE UMA VARIÁVEL REAL Aulas 01 a 04 Elson Rodrigues, Gabriel Carvalho e Paulo Luís Ano: 2015 Sumário INTRODUÇÃO AO PLANO CARTESIANO... 2 PRODUTO CARTESIANO... 2 Número de elementos

Leia mais

Dupla Projeção Ortogonal / Método de Monge

Dupla Projeção Ortogonal / Método de Monge Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade Para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos 2015 Prova de Desenho e Geometria Descritiva - Módulo de Geometria Descritiva

Leia mais

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Geometria e medidas O experimento Experimento Curvas de nível 1. 2. 3. Objetivos da unidade Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 200784 Topografia I TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 2 1. AS GRANDEZAS MEDIDAS Lineares 200784 Topografia I 2 1. AS

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 Introdução a Topografia Enio Giotto Professor Titular da UFSM Elódio Sebem Professor Associado da UFSM SUMÁRIO 1 A TOPOGRAFIA E SEU CAMPO DE ATUAÇÃO 2 DIVISÃO

Leia mais

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Apresentação da Disciplina e Conceitos Iniciais Profº Rodolfo Moreira de Castro JúniorJ Graduação: Engº Cartógrafo Mestrado: Informática Geoprocessamento

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7 AULA. Curvas Polares LIVRO. META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). 1 LIVRO Curvas Polares 7 AULA META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares). OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas planas em coordenadas polares.

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

5. DESENHO GEOMÉTRICO

5. DESENHO GEOMÉTRICO 5. DESENHO GEOMÉTRICO 5.1. Retas Paralelas e Perpendiculares No traçado de retas paralelas ou perpendiculares é indispensável o manejo adequado dos esquadros. Na construção das retas perpendiculares e

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

Geometria Analítica Plana.

Geometria Analítica Plana. Geometria Analítica Plana. Resumo teórico e eercícios. 3º Colegial / Curso Etensivo. Autor - Lucas Octavio de Souza (Jeca) Estudo de Geometria Analítica Plana. Considerações gerais. Este estudo de Geometria

Leia mais

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br

ICARO SISTEMA DE ENSINO MATEMÁTICA APLICADA. www.portalicaro.com.br atendimento@portalicaro.com.br MATEMÁTICA APLICADA Disciplina: Matemática Aplicada Trigonometria e aplicações Introduzimos aqui alguns conceitos relacionados com a Trigonometria no triângulo retângulo, assunto comum na oitava série

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu dinheiro

Leia mais

1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra

1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra GEOMETRIA PLANA: SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS 2 1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra a figura. A rodovia AC tem 40km, a rodovia AB tem 50km, os ângulos

Leia mais

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução

9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS. 9.1 Introdução 9 PROJEÇÕES ORTOGONAIS 57 9.1 Introdução Tanto o desenho em perspectivas como o desenho através de vista se valem da projeção para fazer suas representações. A diferença é que no desenho em perspectiva

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.7 Medição

Leia mais

Prova Prática de Geometria Descritiva A

Prova Prática de Geometria Descritiva A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Prática de Geometria Descritiva A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 708/2.ª Fase 5 Páginas Duração da Prova: 150 minutos.

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS

ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS ANÁLISE GRÁFICA DOS RESULTADOS EXPERIMENTAIS Após a realização de um experimento, deseja-se estabelecer a função matemática que relaciona as variáveis do fenómeno físico estudado. Nos nossos experimentos

Leia mais

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 (OBMEP RJ) Num triângulo retângulo, definimos o cosseno de seus ângulos agudos O triângulo retângulo da figura

Leia mais

MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS

MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS MATEMÁTICA - 1 o ANO MÓDULO 42 TRIGONOMETRIA: CÍRCULOS E LINHAS TRIGONOMÉTRICAS O R I y 90º 180º II Q I Q + 0º/360º III Q IV Q - 270º 1290º 210 360º 3 Como pode cair no enem (ENEM) As cidades de Quito

Leia mais

Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria

Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria Topografia Aula 2 Unidades Usuais e Revisão de Trigonometria Agronomia / Arquitetura e Urbanismo / Engenharia Civil Prof. Luiz Miguel de Barros luizmiguel.barros@yahoo.com.br Revisão Aula 1 O que é topografia?

Leia mais

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Engenharia Civil Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Levantamento topográfico -Planimetria Em um levantamento topográfico, normalmente são determinados pontos de apoio ao levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br INTERPRETAÇÃO ATUALISTICA DE MAPAS GEOLÓGICOS INTRODUÇÃO O estudo das rochas tem

Leia mais

Disciplina: Topografia II

Disciplina: Topografia II Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia II O relevo da superfície terrestre é uma feição contínua e tridimensional. Existem diversas maneiras

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

Lentes. Parte I. www.soexatas.com Página 1

Lentes. Parte I. www.soexatas.com Página 1 Parte I Lentes a) é real, invertida e mede cm. b) é virtual, direta e fica a 6 cm da lente. c) é real, direta e mede cm. d) é real, invertida e fica a 3 cm da lente. 1. (Ufg 013) Uma lente convergente

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Diferenciar grandezas escalares e vetoriais; compreender a notação

Leia mais

Primeira lista de física para o segundo ano 1)

Primeira lista de física para o segundo ano 1) Primeira lista de física para o segundo ano 1) Dois espelhos planos verticais formam um ângulo de 120º, conforme a figura. Um observador está no ponto A. Quantas imagens de si mesmo ele verá? a) 4 b) 2

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE FÍSICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE FÍSICA Mestrando Patrese Coelho Vieira Porto Alegre, maio de 0 O presente material é uma coletânea sobre

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. 0. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil. Mecânica Vetorial ENG01035 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Civil EXERCÍCIOS D 2 a. ÁRE Mecânica Vetorial ENG035 LIST DE PROLEMS DE PROV CENTRO DE GRVIDDE 1) peça representada

Leia mais

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Equipe do USGS - 1902 Equipe

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais