CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA"

Transcrição

1 CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA Elaboração e Organização Andréia Medinilha Pancher

2 Histórico Séculos XV, XVI, XVII cartógrafos representavam os objetos do seu meio ambiente de forma natural Séculos XVII e XVIII Topografia Científica (Cassini) Convenções Cartográficas símbolos que representam os vários acidentes do terreno, de forma proporcional à sua relevância, especialmente no que se refere às aplicações da carta Símbolo: indispensável em qualquer tipo de representação cartográfica e sua variedade e quantidade estão relacionados à escala. Em escalas grandes, a simbologia é mínima e simples, já em escalas pequenas aumentam os símbolos. Um dos objetivos do mapa é representar duas dimensões: o plano e a altura, portanto todos os símbolos e cores convencionais são de duas ordens: planimétricos e altimétricos.

3 Carta Topográfica Representação plana (duas dimensões) ortogonal (a posição de qualquer ponto pode ser definida por coordenadas cartesianas) e em escala (grau de redução homogêneo) de uma porção da superfície terrestre, confeccionada por meio de levantamento original (restituição aerofotogramétrica e controle de campo) ou compilação cartográfica (redução de cartas pré-existentes em escalas maiores) que abrange informações planimétricas e altimétricas dos aspectos geográficos naturais (relevo, hidrografia, vegetação) e antrópicos (redes viárias e de comunicações, núcleos de população, moradias, usos do solo e toponímia) Confeccionadas em médias escalas (1:25.000, 1:50.000, 1: e 1: ) e a precisão vincula-se ao Padrão de Exatidão Cartográfica (PEC), estabelecido nas Normas Técnicas da Cartografia Nacional São consideradas cartas básicas, elaboradas por órgãos públicos (Diretoria do Serviço Geográfico do Ministério do Exército e Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística FIBGE) e se constituem na cartografia oficial do Brasil

4 Carta Topográfica Ler a carta conhecer o significado das convenções (símbolos e cores) utilizadas na representação cartográfica. Visualizar e reconhecer os diversos elementos planimétricos (vias de comunicação, núcleos de população, rede hidrográfica, etc.) e altimétricos (topografia) para construir uma imagem mental do território Interpretar a carta sentir e explicar a terceira dimensão do relevo e os vários arranjos territoriais dos sistemas natural e social, de modo que a compreensão das partes leve a uma interpretação global da paisagem (representação sincrônica de um longo processo no qual as condições físico-ecológicas foram modificadas pela ação dos homens devido às suas práticas culturais, ao seu grau de organização social e dos meios técnicos disponíveis) Três princípios básicos: generalização, seleção e abstração

5 PLANIMETRIA Elementos Naturais ou Físicos Sobre um fundo de base da carta (rede geográfica), encontra-se um conjunto de vários detalhes e de rigorosas posições, representando elementos naturais ou físicos (principalmente hidrografia e vegetação) e artificiais ou culturais (oriundos da ocupação humana) Hidrografia - cor: azul; traço cheio: rio perene; traço interrompido: rio não-perene; alagados, mangues, etc.: símbolos ligados à natureza Solo cor: castanho; pontilhado irregular: areais (castanho); afloramentos: preto, imitando a rocha Vegetação - cor: verde (nos mapas temáticos fitogeográficos, os aspectos florísticos são, geralmente muito variados, demandando outras combinações) Elementos de Hidrografia (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007 Elementos de Vegetação (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007

6 Elementos Artificiais ou Culturais Unidades políticas ou administrativas diversas cores, em escalas pequenas Localidades Habitantes: ex.: cidade com mais de ; Centro urbano: quarteirões; escola, fábrica, hospital, etc.: símbolo próprio; povoado: círculo; propriedade rural: símbolos de casas; barragem, ponte, aeroporto, etc.: símbolo especial Grandes regiões do Brasil Fonte: IBGE, 2007 Localidades (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007

7 Elementos Artificiais ou Culturais Mesma localidade representada em várias escalas Fonte: IBGE, 2007

8 Elementos Artificiais ou Culturais Sistemas viários e de comunicação rodovias (representadas por traços e/ou cores e são classificadas conforme o tráfego e pavimentação) e ferrovias; telefônica e energia elétrica (de alta ou baixa tensão) Vias de Circulação (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007 Linhas de limites Linhas de Limites (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007 Linhas de Comunicação e outros elementos planimétricos (Carta Topográfica, 1: ) Fonte: IBGE, 2007

9 PLANIMETRIA PONTOS DE CONTROLE: Carta topográfica pontos planimétricos, pontos de controle vertical e horizontal (triângulo e cota, em preto) LETREIROS: negro; estética. O letreiro não deve sobrecarregar uma carta. Tipos de letras para: a) localidades vertical fácil e leve; cidades (as sedes de municípios), maiúsculas; vila (as sedes de distritos), minúsculas; povoados, lugarejos e propriedades rurais. A disposição dos nomes é horizontal (distribuição dos nomes em relação aos símbolos) b) hidrografia itálico, hierarquia (somente para Oceano, maiúscula); toponímia hidrográfica (azul). c) relevo maiúsculas ou minúsculas, dependendo da extensão ou da importância do acidente. Os picos, minúsculas. As ilhas mais importantes, maiúsculas. Os cabos, minúsculas. Obs.: Tanto para a hidrografia como para o relevo, a posição dos nomes deve acompanhar a sinuosidade do rio ou do acidente geográfico. As ilhas, os cabos, áreas especiais, são dispostos horizontalmente. d) países, regiões, estados maiúsculas

10 PLANIMETRIA Outras construções, destacando-se barragem, ponte, aeroporto, farol, etc. símbolos especiais, geralmente associativos Abreviaturas: os topônimos não devem ser abreviados, em contrapartida, os nomes genéricos, sim, especialmente em mapas de escala pequena. À seguir, são apresentadas as possíveis abreviaturas: Aç. açude Ig. Igarapé B. Baía La. Lagoa Ca. Canal Mo. Morro Cach. Cachoeira R. Rio Corr. Corredeira Rch. Riacho Córr. Córrego Rib. Ribeirão F. Furo Sa. Serra Fa. Fazenda Us. Usina I. - Ilha

11 Elementos Planimétricos Fonte: Carta Topográfica, Folha SF-22-D-IV-4, IBGE, 1979

12 ALTIMETRIA CURVAS DE NÍVEL - RELEVO É a linha que numa carta, liga os pontos de igual altitude (de mesma cota de altitude ou altimétrica) Valor aproximado da altitude, método matemático, só pode ser traçado após a obtenção de muitos pontos de altitude determinados geodesicamente. Fotogrametria traçado mecânico mais exato e rápido. Hoje modernos instrumentos traçam as curvas automaticamente É uma isoipsa: linha imaginária do terreno, em que todos os pontos da referida linha têm a mesma (iso) altitude (hipso), acima ou abaixo de uma determinada superfície de referência, geralmente o nível médio do mar Curvas mestras: traço mais grosso; intermediárias: traço mais fino Cor: castanho (terreno) azul (gelo ou neve) Curvas batimétricas batimetria (trata da determinação e interpretação das profundidades e da topografia oceânica): abaixo do nível do mar; cor: preto, já que, geralmente, a tonalidade da àgua é impressa em azul Fonte: IBGE, 1999

13 Escala Eqüidistância Curvas Mestras 1: m 50m ALTIMETRIA 1: : : m 50m 100m 100m 250m 500m Eqüidistância: espaçamento, ou melhor, a distância vertical entre as curvas de nível, a qual varia em relação à escala da carta, com o relevo e com a precisão do levantamento. È constante entre uma curva e outra Obs.: quando uma área é muito plana, é preciso ressaltar pequenas altitudes - as curvas auxiliares. Quando o detalhe é muito escarpado, deixa-se de representar uma curva ou outra porque sobrecarrega e dificulta a leitura; valores quantitativos das curvas Interpolação: determinação de valores médios entre os fixos; entre duas curvas se interpola (estima-se aproximadamente uma cota e traçase outras curvas); os pontos cotados auxiliam Cores hipsométricas: CIM 0 a > 6.000m (do verde claro até o branco); Cores batimétricas: 0 a < 6.000m (azul claro até um azul bem forte) 1: m ou 200m Acima de 6000m nível do mar Fonte: IBGE, m 0 nível do mar

14 ALTIMETRIA Principais Características das curvas de nível a) Tendem a ser quase paralelas entre si; b) Todos os pontos se encontram na mesma elevação; c) Cada uma fecha-se sempre em si mesma; d) Nunca se cruzam, podendo se tocar em saltos d água ou despenhadeiros e) Geralmente, cruzam os cursos d água em forma de V, com o vértice apontando para a nascente f) Formam um M acima das confluências fluviais g) De modo geral, formam um U nas elevações, cuja base aponta para o pé da elevação Fonte: IBGE, 2007

15 Elementos Altimétricos Fonte: Carta Topográfica, Folha SF-22-D-IV-4, IBGE, 1979

16 ALTIMETRIA Formas Topográficas Curvas de Nível terreno plano, ondulado, montanhoso ou liso, íngreme ou de declive suave Rede de Drenagem No geral, controla a forma da topografia do terreno e é subsídio para o traçado das curvas de nível. Assim, antes de se traçar as curvas, deve-se desenhar todo o sistema de drenagem da região, a fim de se representá-las Talvegue: elemento topográfico de um vale que diz respeito à linha que une os pontos mais profundos do vale. Nas cartas, os talvegues são coincidentes com os canais fluviais, da nascente até a foz. Próximo das margens opostas dos canais fluviais, a mesma curva de nível indica que as altitudes de ambas as margens são iguais. Quando uma curva de nível intercepta o talvegue, denota uma mudança de direção, cuja convexidade aponta sempre para montante do canal fluvial Interflúvio: formada pelo conjunto de vertentes, situadas em ambos os lados de um divisor de águas que separa dois canais fluviais contíguos. Nas cartas: identifica-se por conjuntos de curvas de nível que definem vertentes divergentes do divisor de águas

17 ALTIMETRIA Vale: formado por duas vertentes com sistemas de declives convergentes num mesmo talvegue. Nas cartas o vale é definido pelo divisor de águas, pelo talvegue e pelos conjuntos de curvas de nível das vertentes Declive: formado pela inclinação do terreno em relação ao horizonte, considerada de cima para baixo. Nas cartas quanto maior é a inclinação do terreno mais próximas aparecem as curvas de nível, em contrapartida, quanto menor é a inclinação mais espaçadas as curvas. Divisor de Águas: linha que separa bacias hidrográficas contíguas indicando a divergência dos fluxos hídricos superficiais. Nas cartas traçando-se uma linha dividir ao meio a área compreendida dentro das curvas de nível fechadas que denotam os topos dos morros e unir todos os pontos cotados incluídos dentro delas. Planalto ou Chapada: superfície elevada (acima de 200m), pouco acidentada ou plana delimitada nas suas bordas por escarpas. Formado por rochas sedimentares Cuesta: forma topográfica dessimétrica formada por reverso ou superfície suavemente inclinada e frente ou abrupto com cornija e tálus. Nas cartas: reverso é identificado por curvas de nível regularmente espaçadas, grosseiramente paralelas e com altitudes crescentes em direção à frente de cuesta. A frente da cuesta é identificada por curvas muito próximas ou sobrepostas (cornija) que vão se afastando em direção à base da frente (tálus)

18 ALTIMETRIA Montanha: grande elevação natural do terreno (altitude acima de 300m), geralmente constituída por um agrupamento de elevações com altitudes diversas. Nas cartas: representadas por agrupamentos complexos de curvas de nível, próximas entre si, que definem vertentes fortemente inclinadas e enquadram vales com diferentes orientações Morro: elevação natural e individualizada do terreno (altitude inferior a 300m). Nas cartas: identificadas por curvas de nível fechadas, grosseiramente concêntricas e com altitudes crescentes para o interior, onde sempre aparece um ponto cotado que indica a altitude culminante do morro Morro-testemunho: morro de topo plano ou quase, localizado na frente de uma escarpa de planalto ou cuesta, mantido por uma camada rochosa superior mais resistente que as inferiores. Tal morro indica o recuo erosivo da escarpa do planalto ou da cuesta dos quais o morro fazia parte antes de ficar individualizado. Colina: pequena elevação do terreno com altitude de até 50m e declives suaves. No geral, é uma forma oriunda de erosão ou de acumulação

19 ALTIMETRIA Vertente ou Encosta: formada por um plano ou conjunto de planos inclinados que divergem da linha de cumeada enquadrando um vale. Escarpa: faz parte de uma vertente formada por uma rampa íngreme, situada na borda do planalto, de um morro testemunho, de uma frente de cuesta (cornija) ou interrompendo a continuidade do declive numa vertente. Nas cartas identifica-se por curvas de nível muito próximas ou sobrepostas Patamar: também faz parte de uma vertente formado por uma superfície horizontal ou quase horizontal que interrompe a continuidade do declive da vertente. Nas cartas identificados por curvas de nível muito espaçadas e posicionadas entre duas rupturas de declive Colo, garganta, desfiladeiro: depressão acentuada, estreita ou larga e posicionada transversalmente a uma linha de crista, permitindo a comunicação entre vertentes montanhosas opostas. São identificadas por dois conjuntos de curvas de nível divergentes entre si e transversais à linha de crista Pico, cume, ponto culminante: ponto mais alto de um maciço, uma serra, um morro etc. Na carta Topográfica, são identificados por curvas de nível de configuração arredondada e fechada, que se aproximam em direção a um topo pontiagudo, cuja altitude geralmente é indicada por um ponto cotado

20 A L T I M E T R I A Fonte: GRANELL-PÉREZ, p. 124, 2004

21 A L T I M E T R I A Vale Fonte: GRANELL-PÉREZ, p. 125, 2004

22 Vale encaixado próximo a cachoeira do Imbui, no município de Teresópolis/RJ. Fonte: Guerra, p. 431, 1993

23 BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal cuja vazão ou deflúvio converge numa foz do canal principal num outro rio, lago ou mar. É delimitada pelos divisores de água e seus tamanhos podem variar desde dezenas de m 2 até milhões de km 2. (GRANELL- PÉREZ, 2004) Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. (GUERRA, 1993) Fonte: VENTURI, p Fonte: PRESS et al., p. 356, 2005

24 TIPOS DE DRENAGEM Nas cartas topográficas, a Bacia Hidrográfica apresenta configurações ou arranjos espaciais dos canais fluviais que refletem a estrutura geológica (litológica e tectônica) e a evolução morfogenética regional. Tais configurações, definem diferentes padrões ou modelos de drenagem básicos e combinações de padrões. Ex: sobre rígidas litologias basálticas, profundamente falhadas e fraturadas, os canais fluviais descrevem percursos retilíneos que mudam abruptamente de direção, em ângulos retos e agudos, indicando um forte controle da estrutura de falhamento no padrão retangular da rede hidrográfica. (GRANELL- PÉREZ, 2004) Anticlinal: parte convexa de uma dobra Sinclinal: parte côncava de uma dobra Fonte: PRESS et al., p. 357, 2005

25

26 Delimitação da Bacia Hidrográfica Etapa 1: definir o ponto em que será feita a delimitação da bacia, situado na parte mais baixa do trecho em estudo do curso d água principal. Reforçar a marcação do curso d água principal e dos tributários (os quais cruzam as curvas de nível, das mais altas para as mais baixas, e definem os fundos de vale). Etapa 2: para definir o limite da bacia hidrográfica, partir da foz e conectar os pontos mais elevados, tendo por base as curvas de nível e os pontos cotados. O limite da bacia circunda o curso d água e tributários, não podendo nunca cruzá-los. Próximo a cada limite marcado, verificar se a água da chuva escoará sobre o terreno rumo às partes baixas (cruzando perpendicularmente as curvas de nível) na direção dos tributários e do curso d água principal (se ela correr em outra direção, é porque pertence a outra bacia). Observar que dentro da bacia poderá haver locais com cotas mais altas do que as cotas dos pontos que definem o divisor de águas da bacia Exutório

27 Delimitação da Bacia Hidrográfica Divisor de Águas Exutório

28 CLASSIFICAÇÃO DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS A rede fluvial de drenagem da bacia hidrográfica pode ser classificada segundo uma hierarquia, tal como proposto por Hornton e ligeiramente modificado por Strahler (Chow et al, 1988). O sistema segue o seguinte princípio: Canais de 1 a ordem: canais que partem das cabeceiras (nascentes); Canais de 2 a ordem: onde dois canais de ordem 1 se unem; Canais de 3 a ordem: uniao de dois canais de 2 a ordem e assim por diante Perímetro da bacia: delimitado no espigão que circunda a bacia ou, pelo divisor de águas existente entre bacias adjacentes. Rio principal de uma Bacia Hidrográfica: formado pela união de canais, que resulta no leito mais longo da bacia; Na dúvida entre dois canais, pertence ao leito principal aquele que apresenta menor ângulo de confluência. 1 Exutório

29 Perfil Topográfico Consiste na representação cartográfica de uma seção vertical da superfície terrestre. Primeiramente, é necessário saber as altitudes de certo número de pontos e a distância entre os mesmos. (GRANELL- PÉREZ, 2004) É uma silhueta do terreno obtida por técnicas cartesianas de representação gráfica. Resulta da intersecção de um plano vertical com um plano horizontal, que contém curvas de nível representativas do relevo. Rebate-se então sobre o plano vertical as altitudes de cada intersecção. (VENTURI, 2005) Construídos a partir das curvas de nível

30 Perfil Topográfico Perfil longitudinal abrangendo desde as nascentes do rio South Platte, no Colorado Central até a foz do rio Platte, no Missouri, no Nebraska. Fonte: PRESS et al., p. 353, 2005

31 Como elaborar Perfil Topográfico? 1) Estender uma tira reta de papel ao longo da linha escolhida no mapa; 2) Marcar os sinais: todas as interseções das curvas de nível com a linha básica: pontos de altitude (cotas), rios, picos, cidades, estradas, etc.; 3) Traçar a linha básica do perfil num papel milimetrado e transferir os sinais para a mesma; 4) Levantar perpendiculares no começo e no fim dessa linha e determinar uma escala vertical (para escolher uma escala, deve-se considerar a altitude média do perfil e a natureza da região). Ex.: 10m para cada linha horizontal do papel milimetrado, ou seja, 10m = 1mm. 5) Numerar a escala vertical de acordo com intervalos apropriados. A menos que a escala horizontal seja grande, e a média das altitudes considerável, a escala vertical deverá ser muito maior do que a horizontal, do contrário as ondulações, ao longo do perfil dificilmente serão perceptíveis. Em contrapartida, uma escala vertical muito grande redundará num efeito caricaturado da superfície do terreno.

32 Perfil Topográfico Exagero Vertical EXAGERO VERTICAL é a relação entre as escalas horizontal e vertical. Ex.: se a escala horizontal é 1: e a vertical é 1:10.000, o exagero é igual a 5. Se usamos a mesma escala nos dois eixos, obtemos perfis que são quase linhas retas horizontais. Neles, é difícil perceber as variações de altitude e as formas do relevo. Por isso que se usa a Escala Vertical maior que a horizontal: dividindo-se as distâncias verticais (desníveis) um menor número de vezes, ressalta-se as variações de altitudes. Desnível Máximo do Terreno (m) Desníveis Altimétricos e Exageros Verticais Recomendados Altura dos Segmentos da Escala (cm) Fonte: GRANELL-PEREZ, p. 81, Escala Vertical de Altitudes 1: : : : : Exagero Vertical (vezes) 5 2, ,25

33 Perfil Topográfico - Elaboração 6) Seguindo-se as linhas verticais do milimetrado ou levantando-se perpendiculares dos sinais da linha-base, marcar a posição de cada ponto, de acordo com a escala vertical, com uma cruzinha precisa. A seguir, todos os pontos serão unidos com uma linha suave, evitando-se traços retos. Obs.: os detalhes serão melhor interpretados com base em outras indicações do relevo (cotas próximas a linha do perfil, a posição dos cursos d água, etc.) Cuidados: Partir da altitude exata em qualquer extremidade; Distinguir entre descidas e subidas, quando existem duas curvas sucessivas de igual valor; Desenhar precisamente os contornos dos picos (se pontiagudos, se achatados) 7) Copiar em papel vegetal, evitando-se o quadriculado inútil, pois as únicas linhas que devem aparecer são as horizontais, que se referem à escala vertical.

34 Relevo Sombreado Elaborado a partir das curvas de nível É uma forma constituída de sombras contínuas sobre certas vertentes, de modo a dar a impressão de saliências iluminadas e reentrâncias não iluminadas Fonte: IBGE, p. 87, 1999

35 Bloco-Diagrama É uma representação cartográfica de fácil visualização, à medida em que apresenta a superfície terrestre sob a forma de perspectiva. Como demonstra uma parte da crosta terrestre, tem a vantagem de poder representar a parte estrutural da crosta correspondente deste bloco (Oliveira, 1988) É uma representação de parte da crosta terrestre, podendo-se observar ao mesmo tempo a topografia e as camadas geológicas (Venturi, 2005)

36 Mapa Hipsométrico Para facilitar o conhecimento geral do relevo, em mapas de escalas pequenas, além das curvas de nível, adotam-se faixas de determinadas altitudes em diferentes cores, como o verde, amarelo, laranja, sépia, rosa e branco. Para as cores batimétricas usa-se o azul, cujas tonalidades crescem no sentido da profundidade (IBGE, 1999).

37 Mapa de Declividades Instrumento que permite representar os aspectos morfoestruturais do terreno Documento básico para o planejamento regional, para estudos geomorfológicos e de estrutura agrária Carta topográfica transformada em Carta de Declividades: verdadeira utilização e melhor aproveitamento do terreno

38 REFERÊNCIAS BIBLOGRÁFICAS GUERRA, A. T. Dicionário Geológico e Geomorfológico. 8a ed. Rio de Janeiro: IBGE, GRANELL-PÉREZ, M. del C. Trabalhando Geografia com as Cartas Topográficas. 2a ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2004, 128p.il. NOÇÕES básicas de Cartografia. Rio de Janeiro: IBGE, 1999, 130p. (Manuais Técnicos em Geociências, ISSN , n o 8) OLIVEIRA, C. Curso de Cartografia Moderna. IBGE, Rio de Janeiro, 1988, 152p. SANTOS, M. C. S. R. dos. Manual de Fundamentos Cartográficos e Diretrizes Gerais para elaboração de mapas Geológicos, Geomorfológicos e Geotécnicos. Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), São Paulo, 1990, 52p. VENTURI, L. A. B. (org.). Praticando Geografia: técnicas de campo e laboratório. São Paulo: oficina de Textos, Site pesquisado Acessado em janeiro de 2007.

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA Elaboração e Organização Andréia Medinilha Pancher Histórico Séculos XV, XVI, XVII cartógrafos representavam os objetos do seu meio ambiente de forma

Leia mais

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos

Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO. Antônio Carlos Campos Aula 18 PERFIL TOPOGRÁFICO: TIPOS DE RELEVO META Apresentar perfis topográficos, mostrando as principais formas geomorfológicas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar os principais

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 5 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE META Apresentar os principais elementos que podem figurar nas cartas topográficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

Disciplina: Topografia II

Disciplina: Topografia II Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia II O relevo da superfície terrestre é uma feição contínua e tridimensional. Existem diversas maneiras

Leia mais

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011

AQUISIÇÃO DE DADOS. Topografia. Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 AQUISIÇÃO DE DADOS Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG aplicado ao Meio Ambiente 2011 Topografia 1.1. Conceitos 1.2. Elementos da Planta Topográfica 1.3. Estudo das

Leia mais

VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA

VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA VOLUME DOIS PRINCÍPIOS DE CARTOGRAFIA TOPOGRÁFICA A Cartografia Topografia é provavelmente o mais conhecido e o mais usado tipo de Cartografia do mundo. A razão disso é o desejo que o homem tem de conhecer

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303

TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 TOPO DE MORRO NA RESOLUÇÃO CONAMA Nº 303 Sérgio Cortizo 1 5 de agosto de 2.007 RESUMO: É apresentada uma interpretação matemática da Resolução CONAMA nº 303 no que diz respeito à demarcação das Áreas de

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água HIDROGRAFIA Águas Continentais Como vimos, a maior parte da água doce do planeta encontra-se congelada na forma de geleiras, nas regiões polares, nos aqüíferos ou nos cumes das altas montanhas. Resta,

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Associe as formas de relevo às suas características. (A) Montanhas (B) Planaltos (C) Planícies (D) Depressões ( ) Superfícies

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 31 CARTOGRAFIA: ESCALAS 0 10 20 30 40 km 1? 1 000 000 (ou 1 cm representa 10 km) A 10 20 30 40 30 40 50 B 50 50 40 40 30 30 20 20 10 0 0 10 A 50 50 B Edificações Estrada de ferro

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA 1 Trabalho Leitura e Interpretação de Cartas, separação em pranchas diferentes das informações contidas nas Cartas na escala 1:50.000, como: hidrografia, relevo, vegetação,

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação geometria e medidas Guia do professor Experimento Curvas de nível Objetivos da unidade 1. Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; 2. Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E Anexo 1 Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E 133 134 Definições dos parâmetros úteis para o uso de V e E Definição das situações a, b, c, e d da construção a construções situadas no interior

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA DESENHO GEOLÓGICO PROF. GORKI MARIANO gm@ufpe.br INTERPRETAÇÃO ATUALISTICA DE MAPAS GEOLÓGICOS INTRODUÇÃO O estudo das rochas tem

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

TOPOGRAFIA II ALTIMETRIA

TOPOGRAFIA II ALTIMETRIA DISCIPLINA - TOPOGRAFIA PROFESSOR : MARCO ANTONIO VIEIRA TOPOGRAFIA II ALTIMETRIA Altitude, Cota e Diferença de Nível A partir da definição de superfícies de referência de nível, designa-se por: a) Altitude

Leia mais

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA

CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA ESCALA ESCALA Mapa representação convencional que apresenta elementos do mundo real reduzidos de acordo com uma proporção estabelecida previamente Proporção entre os elementos representados

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO RESUMO ALGUMAS CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA E DO PERCURSO DO RIO PINHÃO Ana Maria ALENCOÃO 1 ; Martim R. PORTUGAL FERREIRA 2 RESUMO Na região de Trás-os-Montes e Alto Douro (NE de Portugal)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período. Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB

Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período. Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB Escola Secundária de São João da Talha Geologia 2º Período Trabalho realizado por: Joana Pires e Ludmila 12ºB Estabeleça a diferença entre carta topográfica e carta geológico. A carta topográfica é uma

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES Capítulo 1. GENERIDDES O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água existente em nosso planeta é constante.

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

- Consultoria Geoambiental Ltda

- Consultoria Geoambiental Ltda -------- Mensagem original -------- Assunto: APP de topo Data: Tue, 21 Oct 2008 09:45:29-0200 De: Dirceu Pagotto Stein Para: dominique.louette@mma.gov.br Caros membros do Conselho

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica.

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica. Capítulo 2 Bacia hidrográfica Rita Cabral Guimarães ICAAM - Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, Escola de Ciência e Tecnologia Universidade de Évora 1. Conceitos gerais A bacia

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

ORIENTAÇÃO. Para a orientação recorremos a certas referências. A mais utilizada é a dos pontos cardeais: Norte Sul Este Oeste

ORIENTAÇÃO. Para a orientação recorremos a certas referências. A mais utilizada é a dos pontos cardeais: Norte Sul Este Oeste 1 ORIENTAÇÃO A orientação é o processo que permite determinar a nossa posição na superfície terrestre e a direcção a tomar para atingirmos um local para onde nos queiramos dirigir. Para a orientação recorremos

Leia mais

Cartografia e Prospeção

Cartografia e Prospeção Cartografia e Prospeção Prospeção Consiste na atividade de pesquisa de entradas de cavidades no terreno. Antes de se abordar o terreno deve efetuar-se um trabalho de casa que nos forneça o máximo de informação

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

LEVANTAMENTO AMBIENTAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO DE REDES RURAIS

LEVANTAMENTO AMBIENTAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO DE REDES RURAIS Página 1 de 6 Treinamento Recomendado: - formal - leitura (sem necessidade de manter em registro) Controle de Revisão Revisão Data Item Descrição das Alterações - 27/02/2004 - Emissão inicial A 20/05/2005

Leia mais

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. O experimento. Curvas de nível. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Geometria e medidas O experimento Experimento Curvas de nível 1. 2. 3. Objetivos da unidade Desenvolver experimentalmente a ideia de projeção ortogonal; Aprimorar a capacidade de visualização e associação

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

Morfologia do Terreno

Morfologia do Terreno Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Morfologia do Terreno Natália Cunha Manuela Raposo Magalhães Maria Manuela

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Um fator importante para a segurança e eficiência

Leia mais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais

TOPOGRAFIA. Conceitos Fundamentais TOPOGRAFIA Conceitos Fundamentais Conceitos Fundamentais Topografia topos (lugar) + graphein (descrever) descrição exacta e rigorosa de um lugar Conjunto dos princípios, métodos, aparelhos e convenções

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA FOLHA ITAPOROROCA, NA BORDA ORIENTAL DO ESTADO DA PARAÍBA Wesley Ramos Nóbrega¹, Alexandre dos Santos Sousa¹, Diego Nunes Valadares¹, Max Furrier¹ wesjppb@gmail.com ¹Universidade

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas 16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas A carta topográfica é um documento cartográfico que pode ser utilizado para inúmeros fins, como elaboração de bases cartográficas

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS

ESPECIFICAÇÕES PARA LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESPECIFICAÇÕES PARA LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS Versão 1.0 30 de Abril de 2003 Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 2 LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO... 1 2.1 CONTEÚDO... 1 2.2 ESTRUTURA...1 2.2.1 Diferenciação de características

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem

Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem Representações Quantitativas Manifestação Zonal: Método das Pontos de Contagem A representação do aspecto quantitativo em escala zonal considera que as quantidades se estendem por toda área de ocorrência.

Leia mais

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres MATERIAL NECESSÁRIO GPS Clinômetro Barbante plástico Vara para suporte do clinômetro e vara alvo (Figura 1) Cano para apoiar bússola Jogo de marcador alfa-numérico Trena de 10 metros Tubos de PVC ½ marrom

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE CURSO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MEDIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE EM CANTEIRO DE OBRAS 2ª parte: Altimetria e Planialtimetria (APLICÁVEL

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão

3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão 3. Região do Bolsão FIGURA 14. Região de Planejamento do Estado de Mato Grosso do Sul - Bolsão R egião localizada à NE do Estado, com características muito próprias, devido à sua estreita ligação e proximidade

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

XIII - O CICLO DA ÁGUA

XIII - O CICLO DA ÁGUA XIII - O CICLO DA ÁGUA A ocorrência da água: ÁGUA = H 2 O = ao elemento mais abundante na superfície do planeta; é o melhor solvente disponível na natureza; atua no intemperismo químico, físico e na erosão

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

DN = Se DN+ então o terreno está em aclive (de ré para vante). Se DN- então o terreno está em declive (de ré para a vante).

DN = Se DN+ então o terreno está em aclive (de ré para vante). Se DN- então o terreno está em declive (de ré para a vante). 1 - Nivelamento Geométrico Simples Neste método, indicado pela figura abaixo (DOMINGUES, 1979), instala-se o nível uma única vez em ponto estratégico, situado ou não sobre a linha a nivelar e eqüidistante

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DOMINGOS JARDO Temas/Conteúdos Objetivos de Conceitos TEMA 1 - A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES 0. A GEOGRAFIA - O que é a Geografia - Como investigar em Geografia - Conhecer a superfície terrestre 1. DESCRIÇÃO DA PAISAGEM

Leia mais

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS Rafael Cruz da Silva 1 Resumo O turismo representa uma atividade de grande

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim

Evolução da Terra. Geografia Prof. Cristiano Amorim Evolução da Terra Geografia Prof. Cristiano Amorim Estrutura interna da Terra A estrutura interna da Terra é composta de: Litosfera (50 a 60 km de espessura). Manto (4.600 km de espessura). Núcleo (1.700

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios

IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios IncêndiosFlorestais Redeprimáriae Plano Nacionalde DefesadaFlorestaContra Incêndios Manteigas,27 de Abril 2011 Seminário de Encerramento do Projecto EEAGrants Rui Almeida EIXOS ESTRATÉGICOS DO PLANO NACIONAL

Leia mais

PORTARIAS DO PRESIDENTE PUBLICADO EM 07.07.08

PORTARIAS DO PRESIDENTE PUBLICADO EM 07.07.08 PORTARIA Nº 682/PRES, de 24 de junho de 2008. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto nº 4.645, de 25 de março

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais