Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA"

Transcrição

1 Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17

2 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA, administrado pela VisãoPrev, através de estratégia, parâmetros e instrumentos para cada segmento de ativos autorizados, respeitados os limites de alocação. A gestão dos recursos deve seguir o conceito de prudência, com cuidado, habilidade e diligência que se deve ter na aplicação dos recursos dos Participantes, além de respeitar os limites definidos nesta Política. Como princípio de governança, a VisãoPrev possui um Comitê de Investimentos, composto por especialistas com o objetivo de acompanhamento, análise e aprovação dos seus investimentos. Além das diretrizes e restrições estabelecidas neste documento, valem todos os aspectos legais existentes, especialmente aqueles previstos na Resolução CMN 3.792/2009 ou outras que vierem a alterá-la ou substituí-la. Diretrizes Gerais Perfil da VisãoPrev: Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC) Objetivos da Gestão de Alocação (estratégia): Crescimento e Proteção do Capital, visando garantir o equilíbrio de longo prazo entre os ativos e os compromissos do passivo da VisãoPrev. Definições: Anualmente ou sempre que necessário, o Conselho Deliberativo definirá sobre alterações e/ou manutenção da Política de Investimentos. O Administrador Estatutário, com o apoio do Comitê de Investimentos e dos demais integrantes do Conselho Deliberativo, serão responsáveis pelas 2/17

3 definições táticas de alocação, respeitando sempre os aspectos legais e o estabelecido na Política de Investimentos. Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado AETQ João Marcos Ruzzante Diretor Executivo CPF Diretrizes de Alocação dos Recursos Segmentos de Aplicação A alocação dos recursos da VisãoPrev será composta por ativos pertencentes a cada um dos seguintes segmentos de aplicação: Segmento de Renda Fixa. Faixas de Alocação de Recursos Esta política estabelece, dentre os segmentos de aplicação definidos na legislação, os limites e regras que nortearão as aplicações dos recursos do plano, visando estabelecer um ambiente de controle de exposição aos riscos, permitindo flexibilidade estratégica na alocação dos recursos e a liquidez necessária para que a entidade possa honrar seus compromissos de curto, médio e longo prazo. É importante ressaltar que a VisãoPrev pode, conforme as oportunidades de investimentos do mercado financeiro, realocar seus recursos de acordo com os limites estipulados a seguir. Além disso, os limites estabelecidos pela VisãoPrev para os diversos segmentos e carteiras devem respeitar os limites legais aplicáveis à EFPC. 3/17

4 Faixas de Alocação de Recursos Segmento de Renda Fixa: 100% do patrimônio total do Plano Segmento de Renda Variável: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Investimentos Estruturados: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Investimentos no Exterior: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Imóveis: 0% do patrimônio total do Plano Segmento de Empréstimos e Financiamentos a Participantes: 0% do patrimônio total do Plano Diretrizes para Gestão de Segmentos Disposições Gerais Por se tratar de um plano de gestão administrativa, a gestão entre os segmentos é realizada com base em estudo de fluxo projetado para as despesas administrativas no longo prazo, buscando otimizar a alocação de recursos em relação às necessidades do plano. A alocação dos recursos da VisãoPrev será composta por ativos pertencentes ao segmento de aplicação: 4/17

5 Renda Fixa: Este segmento se caracteriza pelo empréstimo de recursos a terceiros, por meio da aplicação em Títulos Públicos (Governo Federal) ou Privados (Empresas), auferindo rendimentos que são prédeterminados, sejam através de taxas pré-fixadas ou pós-fixadas. Desta forma, o objetivo deste segmento é obter uma rentabilidade compatível com a expectativa dos participantes. Metodologias de Gestão da Alocação A definição estratégica de longo prazo considera os resultados de estudos de ALM Asset Liability Management de forma a direcionar os prazos dos investimentos de Renda Fixa. Política para Gestão de Cada Segmento Cenário Macro Econômico A elaboração do cenário econômico foi realizada pela consultoria especializada em estudos macroeconômicos e discutido junto ao Comitê de Investimentos da VisãoPrev. Metodologias de Seleção dos Investimentos Os ativos integrantes de cada carteira são selecionados, utilizando-se modelos estatísticos, de forma proporcionar retornos aderentes aos retornos dos benchmarks, sempre respeitando os limites de orçamento de risco definidos pela Entidade e aprovados em Conselho Deliberativo. As informações utilizadas para construção dos cenários e modelos são obtidas de fontes públicas (bases de dados e consultoria). 5/17

6 Segmento de Renda Fixa: Ativos permitidos Instrumentos autorizados pela legislação, observadas as restrições desta Política de Investimentos. Limites Deverão ser observados os limites estabelecidos pela legislação vigente e da Política da Entidade. Benchmark 95% IMA-B 5+, 5% CDI Nível de Risco Admitido Admite-se um nível de Benchmark VaR Anualizado máximo de 1,0% do patrimônio líquido da carteira para um horizonte de 21 dias úteis e com intervalo de confiança de 95%. Limites de Alocação nas Carteiras Segmento de Aplicação Res. CMN 3792 Limites Plano Limites Sublimites Min. Máx Renda Fixa 100% 100% 100% Títulos do Tesouro Nacional (TTN) 100% 100% 0% 100% Outros Ativos de Renda Fixa (excluindo títulos públicos) 80% 80% 0% 50% FIDC e FICFIDC (FOR-TE FIDC) 20% 0% 5% Notas Promissórias e Debêntures 20% 0% 25% CPR, CCB, CCCB, CDCA, CRA, Warrant Agropecuário (WA), CRI, CCI,NCE 80% e CCE 20% 0% 0% Demais títulos de valores mobiliários de emissão de companhia aberta 20% 0% 0% 6/17

7 Diversificação de Risco Res. CMN 3792 Plano Limites de alocação por tipo de emissor Tesouro Nacional 100% 100% Instituição Financeira autorizada pelo Bacen 20% 20% Companhia aberta com registro na CVM 10% 10% Patrocinador do Plano de Benefícios 10% 10% FIDC e FICFIDC (FOR-TE FIDC) 10% 5% Demais Emissores 5% 5% Depósitos em poupança e as coobrigações de responsabilidade da Instituição Financeira 20% 0% Tesouro Estadual ou Municipal 10% 0% Organismo Multilateral 10% 0% Companhia Securitizadora 10% 0% SPE 10% 0% Auto-alocação em renda fixa - - Limites de concentração por emissor Capital total de uma mesma companhia aberta ou SPE 25% 25% Patrimônio líquido de uma mesma Instituição Financeira 25% 25% Patrimônio esperado constituído nas emissões de certificado de recebíveis com a adoção de regime fiduciário 25% 0% Limites de concentração por investimento Mesma série de títulos ou valores imobiliários 25% 25% Mesma classe ou série de cotas de FIDC 25% 25% Derivativos 15% da posição em 15% da posição em Derivativos - depósito de margem TTN, Tít. De IF TTN, Tít. De IF ou ações Ibovespa ou ações Ibovespa 5% da posição em 5% da posição em Derivativos - valor total dos prêmios de opções TTN, Tít. De IF TTN, Tít. De IF ou ações Ibovespa ou ações Ibovespa Formação de Preço Ótimo A estratégia de formação de preço ótimo no carregamento de posição em investimentos e nos desinvestimentos está delegada aos gestores externos. Controle de Risco de Crédito - Instituições Financeiras A área de Risco Financeiros da Visão Prev é a responsável pelo acompanhamento do risco de crédito das instituições financeiras e atualizará periodicamente a Lista de Bancos, com os quais os gestores estarão autorizados a operar, considerando: - o porte da instituição financeira; - o prazo dos títulos / papéis; - nível de rating da instituição. O limite máximo para cada banco é definido por uma metodologia quantitativa, considerando o montante de recursos do Plano bem como do 7/17

8 patrimônio líquido da instituição, conforme a classificação de risco definida pelos indicadores analisados. - Instituições Não-Financeiras As aquisições de títulos emitidos por instituições não-financeiras serão analisadas caso a caso pelos gestores. A área de Riscos de Crédito do gestor deverá analisar cada emissão, considerando aspectos como: estrutura de capitais, liquidez, solidez financeira, rentabilidade, fluxo de caixa, capacidade de repagamento, projeções, análise do setor de atividade, histórico da companhia, reputação dos administradores, grupo econômico, perspectivas. As recomendações de alocação pelo gestor deverão ser encaminhadas à VisãoPrev conforme prazos: Emissores com rating AAA: 1 dia útil antes da data do processo de Bookbuilding; Emissores com rating inferior a AAA: 5 dias úteis antes da data do processo de Bookbuilding. A emissão em questão deverá ser encaminhada ao Comitê de Investimentos da Visão Prev, com duas análises independentes, sendo uma análise da área de riscos e uma análise da área de investimentos da Visão Prev, para aprovação. Todas as emissões de títulos privados de instituições não-financeiras deverão ser avaliadas e aprovadas pela Visão Prev. Para instituições financeiras, prevalece a lista de emissores autorizados pela Entidade. Outras Restrições Para FIDC, fica permitido apenas a aplicação no fundo FOR-TE FIDC. O plano manterá seus recursos aplicados em ativos financeiros permitidos pela Resolução CMN nº 3.792/09. 8/17

9 Segmento de Renda Variável: Não há previsão de investimentos neste Segmento para o Plano de Gestão Administrativa, devido à maior volatilidade deste segmento. Segmento de Investimentos Estruturados: Não há previsão de investimentos neste Segmento para o Plano de Gestão Administrativa. Segmento de Investimentos no Exterior: Não há previsão de investimentos neste Segmento para o Plano de Gestão Administrativa. Segmento de Imóveis: Não há previsão de investimentos neste Segmento para o Plano de Gestão Administrativa. Segmento de Empréstimos e Financiamentos: Não há previsão de investimentos neste Segmento para o Plano de Gestão Administrativa, uma vez a legislação veda aplicações neste segmento. Controle de Risco de Mercado O controle de risco de mercado é feito com base nos limites de VaR e Benchmark VaR estabelecidos nessa Política de investimento. Os parâmetros de riscos adotados são: horizonte de 21 dias, modelo Paramétrico, cálculo de volatilidade por Ewma com lambda de 0,94, 74 intervalos contínuos de retornos compostos por janelas de 21 dias (94 observações) e intervalo de confiança de 95%. No caso de rompimento dos limites de orçamento de risco, ficam proibidos aumentos de exposições a risco pelo gestor e há acompanhamento pelo Comitê 9/17

10 de Investimentos da VisãoPrev, para, caso necessário, decidir se a posição geradora do rompimento do limite deverá ser reduzida, eliminada ou mantida para redução em momento mais propício. Outras Restrições O plano manterá seus recursos aplicados em ativos financeiros permitidos pela Resolução CMN nº 3.792/09. Outras Políticas Política de Utilização de Instrumentos de Derivativos A utilização de operações com instrumentos disponíveis no mercado de derivativos tem como objetivo principal proteger a carteira das oscilações de mercado. A utilização da estratégia poderá ser utilizada, desde que observadas as seguintes condições: A utilização de derivativos tem como objetivo principal a proteção (hedge) da carteira, sendo vedada a alavancagem de suas posições; O Gestor deverá submeter ao Comitê de Investimentos o racional de estratégias de gestão de hedge não perfeito (operação de derivativo e ativo/lastro com valores diferentes da exposição financeira), contendo os fundamentos das estratégias e os resultados esperados. As estratégias de Hedge não perfeito serão submetidas para análise e aprovação do Comitê de Investimentos. Caso aprovada, será necessária a apresentação da análise do gestor em cada operação. Para as operações de hedge perfeito, será necessária a apresentação da análise do gestor em cada operação. A apresentação da análise do gestor, nos casos de operações de Hedge, faz-se necessária, para que a Entidade tenha conhecimento das operações que compõem as carteiras de investimentos (derivativos casados com os 10/17

11 ativos lastro) e os riscos incorridos. A apresentação pode ser disponibilizada até D+1 da aquisição dos ativos. Considerando que a gestão das Carteiras de Investimentos está terceirizada com gestores externos, selecionados conforme critérios estabelecidos nesta política, os gestores também deverão observar as seguintes condições: I - avaliação prévia dos riscos envolvidos; II - existência de sistemas de controles internos adequados às suas operações; III - registro da operação ou negociação em bolsa de valores ou de mercadorias e futuros; IV - atuação de câmaras e prestadores de serviços de compensação e de liquidação como contraparte central garantidora da operação; V - depósito de margem limitado a quinze por cento da posição em títulos da dívida pública mobiliária federal, títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo Bacen e ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento; e VI - valor total dos prêmios de opções pagos, limitado a cinco por cento da posição em títulos da dívida pública mobiliária federal, títulos e valores mobiliários de emissão de instituição financeira autorizada a funcionar pelo Bacen e ações pertencentes ao Índice Bovespa da carteira de cada plano ou fundo de investimento, sendo que, para verificação dos limites estabelecidos neste item e no anterior, não serão considerados os títulos recebidos como lastro em operações compromissadas. Principais instrumentos de derivativos utilizados: Mercado de Futuros; Mercado de Swaps. Descrição da Relação com a Patrocinadora Os limites para investimentos em ativos de emissão da Patrocinadora ou qualquer empresa do grupo deverão seguir os limites e procedimentos estabelecidos nesta Política de Investimentos, além de cumprir todas as determinações da legislação vigente. 11/17

12 Descrição do processo de escolha de Instituições Financeiras, contrapartes das operações A escolha das Instituições Financeiras, que serão contrapartes das operações de todos os fundos exclusivos nos quais o Plano aplica seus recursos, seguirá os mesmos critérios do Controle de Risco de Crédito. Isto porque, em operações compromissadas, por exemplo, o risco de crédito está associado em primeiro lugar à contraparte da operação. No caso dos fundos exclusivos com gestão terceirizada, a lista de emissores autorizados será fornecida periodicamente aos gestores dos fundos, sendo observados os critérios de segurança, solidez, liquidez e performance. Descrição do processo de escolha de Corretoras A VisãoPrev delega aos gestores externos a escolha das corretoras, porém devem observar os critérios de segurança, solidez, liquidez e nível de devolução de corretagens. Descrição do processo de Terceirização de Gestão e Custódia A terceirização da Gestão dos recursos foi feita através de um processo de seleção, realizado pela VisãoPrev e englobou as seguintes fases: Pré-qualificação é utilizado o ranking de administradores de recursos para selecionar os participantes de cada processo de seleção. Envio de questionário aos gestores pré-qualificados, foi enviado um questionário envolvendo questões qualitativas e quantitativas, além de propostas de taxas de administração. Critérios Qualitativos histórico da empresa e dos controladores, capacitação técnica, práticas de marcação a mercado, estrutura de suporte e de controle, entre outros. 12/17

13 Critérios Quantitativos rentabilidade histórica, riscos incorridos, total de recursos administrados, entre outros. Análise das informações as respostas e informações enviadas pelos candidatos foram avaliadas segundo critérios técnicos, e assim receberam notas de 1 a 5. Ranking após a definição de pesos para cada quesito, chegou-se a uma nota final, pela qual os candidatos foram ordenados, levando-se também em consideração as propostas de taxas de administração. Definição os melhores colocados no ranking são escolhidos como gestores dos recursos. A avaliação dos gestores de investimentos se dará anualmente ou a qualquer momento em que a VisãoPrev entender necessário. Serão realizadas reuniões (trimestrais) e calls (mensais) para acompanhamento de gestão e performance dos investimentos. O monitoramento da performance, desempenho, enquadramento serão acompanhados através de relatórios elaborados pela própria VisãoPrev, para avaliar qualquer ação perante ao gestor de investimentos. O acompanhamento conta com uma rigorosa avaliação quantitativa e qualitativa, que medem os parâmetros de desempenho dos gestores. Casos de desvios são discutidos com o Comitê de Investimentos, que poderá, se necessário, solicitar apresentação presencial do gestor de Investimentos. Desenquadramentos ativos à essa Política ou aos mandatos estabelecidos serão considerados graves e poderão constituir motivo para perda da gestão da carteira. Neste caso, o gestor será notificado formalmente e em caso de reincidência, a sua destituição será submetida ao Conselho Deliberativo. As quantidades mínimas e máximas, inclusão ou exclusão de gestores terceirizados são discutidas e aprovadas pelo Conselho Deliberativo da VisãoPrev, assim como os limites mínimos e máximos de alocação em cada um deles. 13/17

14 A terceirização da Custódia dos recursos foi feita através de um processo de seleção semelhante ao processo de seleção de gestores, realizado pela Diretoria Executiva da VisãoPrev, no qual foram abordados critérios técnicos, além da análise das propostas financeiras. Para a Entidade, a atividade de administração de recursos é complementar à de Custódia e por este motivo, é executada pelo mesmo agente. Anualmente, a Visão Prev avalia a qualidade da prestação de serviços do fornecedor responsável pela Custódia em relação ao atendimento dos SLAs (Service Level Agreement) acordados em contrato entre as partes. Adicionamente, a Entidade possui um órgão responsável pela condução de análises periódicas dos fornecedores, com vigência de contrato e valores financeiros relevantes, que pode, a qualquer momento, solicitar nova concorrência para os serviços contratados. Descrição das Informações sobre o Agente Custodiante A VisãoPrev utiliza agente autorizado pela CVM Comissão de Valores Mobiliários para prestar serviço de custódia dos ativos financeiros presentes em sua carteira. Este agente de custódia é responsável pelo apreçamento dos ativos, utilizando para isso, metodologia amplamente utilizada pelo mercado financeiro, respeitando-se as normas do Banco Central e também da CVM. Controles de Riscos Além dos riscos já mencionados, a VisãoPrev observa os seguintes controles de riscos: Risco de Liquidez: Os gestores de recursos devem aplicar preferencialmente em ativos com liquidez e todos os ativos são marcados a mercado, possibilitando que as posições sejam desfeitas, sem impactos relevantes nos investimentos. Além disso, os gestores de recursos 14/17

15 deverão observar as variáveis do cenário econômico, que possam alterar a disponibilidade e os custos dos recursos. A área de Riscos Financeiros da Visão Prev acompanha a liquidez dos fundos de investimentos. Risco Operacional: É utilizado sistema de controle de riscos operacionais, desenvolvido por Consultoria especializada em fundos de pensão, que tem como metodologia o Control Self Assessment - CSA. A área de Controle de Gestão efetua o monitoramento do Risco Operacional da Entidade, por meio de metodologia própria e formalizada em Normas Internas. Neste processo, os Controles internos de todas as áreas são mapeados e analisados e, caso necessário, são sugeridas implementações de melhorias para garantir a efetividade dos controles da Entidade. Com objetivo de mitigar o Risco Operacional da Entidade, a Visão Prev adquiriu a certificação ISO 9001 para os processos de Relacionamento, Comunicação, Tesouraria, Contabilidade, Empréstimos, Previdência e Investimentos. Risco Legal: A Entidade conta com departamento jurídico próprio, responsável pelo monitoramento do risco legal de forma contínua. A área Jurídica, quando necessário, conta com a expertise de alguns renomados escritórios Jurídicos, como apoio e conforto em tomadas de decisões estratégicas para a Entidade. Risco Sistêmico: No âmbito financeiro, por definição, trata-se do risco de difícil mensuração e mitigação de forma isolada por um único agente econômico. Desta forma, a Entidade realiza reuniões periódicas com seus gestores, a fim de identificar eventuais cenários 15/17

16 desfavoráveis no tocante a este risco. Quando identificado o Risco, os seus agentes causadores são acompanhados pela alta Diretoria da Entidade em conjunto com o Comitê de Investimentos e, caso necessário, são implementadas ações mitigadoras. Princípios de Responsabilidade Socioambiental A Entidade realiza aplicações em ativos de emissão de Empresas que adotam princípios de responsabilidade socioambiental, mas não vem utilizando critérios de seleção de investimentos que identificam princípios de responsabilidade socioambiental. Contudo, nos próximos anos, observada a evolução da oferta de instrumentos em consonância com tais práticas, irá reavaliar a inclusão de tais princípios. Conflitos de Interesse e Responsabilidades Agentes envolvidos: A Entidade (Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal, Comitê de Investimentos e Diretoria Executiva); O Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado; O (s) Gestor (es) de Recursos; O Custodiante; Qualquer funcionário, agente ou terceiro envolvido na prestação de serviços relacionados à gestão de recursos do Plano. Conflito de interesse: Nenhum dos agentes, acima listados, pode exercer seus poderes em benefício próprio ou de terceiros. Não podem, também, se colocar em situações de conflito ou de potencial conflito entre seus interesses pessoais, profissionais, da Patrocinadora e deveres relacionados à gestão dos recursos do Plano. Os agentes, acima listados, devem expor qualquer associação direta, indireta ou envolvimentos que poderiam resultar qualquer percepção atual 16/17

17 ou potencial de conflito de interesses em relação aos investimentos do Plano. Descrição das Informações sobre Consultorias As seguintes consultorias prestam serviços para a VisãoPrev: Consultoria Atuarial TOWERS WATSON Consultoria Econômica - MB Associados 17/17

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores do Plano de Benefícios Previdenciários dos Advogados - PBPA e do

Leia mais

Resolução 3792. Principais Aspectos

Resolução 3792. Principais Aspectos Resolução 3792 Principais Aspectos Diretrizes para as aplicações princípios de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência; boa fé, lealdade e diligência; elevados padrões éticos; cumprimento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ESCOLHA DOS

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD 2015 A presente Política de Investimentos do Plano de Benefício Definido PBD, administrado pela Previdência Usiminas, foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão CAPOF Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Plano de Gestão Administrativa Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 5 5 Alocação de Recursos

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Diretrizes

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792

Análise da. Resolução CMN 4.275. que altera a Resolução CMN 3.792 Análise da Resolução CMN 4.275 que altera a Resolução CMN 3.792 Novembro de 2013 1. Introdução O presente documento tem a proposta de apresentar um breve resumo das principais alterações decorrentes da

Leia mais

Política de Investimentos. 2016 a 2020

Política de Investimentos. 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Fundação de Seguridade Social do Econômico - ECOS Plano PGA Aprovada na 237ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, de 21/dez/2015 Página 2 / 15 Índice 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL PGA - Plano de Gestão Administrativa 2015 a 2019 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA... 3 3 DIRETRIZES PARA

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Plano Fundamental ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 Empresas Patrocinadoras 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 i. Seleção de Gestores 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

Acesita Previdência Privada ACEPREV. Política de Investimentos 2016

Acesita Previdência Privada ACEPREV. Política de Investimentos 2016 Política de Investimentos 2016 Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 10/12/2015 Índice 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 3 1.1. VIGÊNCIA DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO... 3 1.2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras CNPJ : 09.195.701/0001-06 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações BRB

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018

[POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018 2014 [POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a JUSPREV 3 2. Sobre a Política de Investimento 3 3. Sobre o Plano e os seus Benefícios 4 4. Responsabilidades 4 4.1. Colégio

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano BD FioPrev 2016 a 2020 Aprovada pelo Conselho Deliberativo do FioPrev em reunião ordinária ocorrida em 21/12/2015 Sumário

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2015 a 2019 Sumário 1. Introdução... 3 2. Abrangência... 4 3. Investimentos... 5 3.1. Alocação Estratégica... 6 3.2. Mandatos... 9 3.3. Avaliação

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2014 a 2018 Sumário 1. Introdução... 4 2. Abrangência... 5 3. Sobre os Benefícios... 6 4. Investimentos... 7 4.1. Alocação Estratégica... 8 4.2.

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2012 ÍNDICE 1. Finalidade da Política de Investimentos 1 1.1. A MSD Prev 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos 1 1.3. Funções da Política de Investimentos

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO Data de Competência: 07/06/2016 1. CNPJ 14.386.926/0001-71 2. PERIODICIDADE

Leia mais

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011

RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 RESUMO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS APRESENTAÇÃO FEITA PARA OS PARTICIPANTES EM 18/01/2011 LUIZ DA PENHA JAN/2011 1. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2011 PROCESSO DE INVESTIMENTOS REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DECISÃO

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS O Presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREV SANTOS, no uso de suas atribuições

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CAIXA VALE DO RIO DOCE Data de Competência: 27/01/2016 1. CNPJ 04.885.820/0001-69 2. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Ações CAIXA Brasil Ibovespa, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento constituído sob a forma de condomínio aberto, com prazo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PGA... 3 2.1 Empresas Patrocinadoras...

Leia mais

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015 PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2011/2015 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO

ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO PREVIDENCIÁRIO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF 03.469.407/0001-50 REGULAMENTO CAPÍTULO I DO FUNDO 1.1 O ALFAPREV MIX 25 - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.186/0001-43 Mês de Referência: Novembro de 2015 CLASSIFICAÇÃO ANBIMA:

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

Aplicações e resgates adicionais Não há para investidores fundos de investimentos administrados pela Votorantim Asset Management DTVM Ltda.

Aplicações e resgates adicionais Não há para investidores fundos de investimentos administrados pela Votorantim Asset Management DTVM Ltda. FUNDO DE INVESTIMENTO VOTORANTIM RENDA FIXA IRF-M 1+ CNPJ/MF Nº 10.342.116/0001-62 NOVEMBRO/2011 Administração, Gestão, Distribuição e Serviços de Terceiros Administrador Votorantim Asset Management DTVM

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Cambial Dólar, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04. ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.2016 1- PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 26/12/20 /2013 Vigência: 01/01/201 2014 a 31/12/2019 1 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização por parte da CAFBEP, das diretrizes presentes

Leia mais

BRADESCO FIA SUPER AÇÃO

BRADESCO FIA SUPER AÇÃO BRADESCO FIA SUPER AÇÃO Bradesco Fundo de Investimento Ações Super Ação CNPJ: 71.739.445/0001-36 Características Público Alvo O Fundo destina-se ao público em geral que seja suscetível às oscilações e

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO CNPJ: 00.857.368/0001-70 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de 2011 1 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista.

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Premium Renda Fixa Referenciado DI Longo Prazo, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano Previdencial B S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos

Definição da Política de Investimentos e Objetivos Definição da Política de Investimentos e Objetivos UNILEVERPREV- SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Plano de Previdência Complementar UnileverPrev Programa de Assistência Médica para Aposentados UnileverPrev

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência.

PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO Mensal, até o dia 10 do mês subsequente ao de referência. NORTHVIEW FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO 11.806.097/0001-40 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2012 e 2011

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2012 e 2011 CNPJ nᵒ 00.832.453/0001-84 (Nova denominação social do Credit Suisse DI Fundo de Investimento de Curto Prazo) (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.) (CNPJ nᵒ 61.809.182/0001-30)

Leia mais

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%)

Módulo V Fundos de Investimentos. De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) Módulo V Fundos de Investimentos De 13 a 15 Questões na prova (26% a 40%) 5 - Fundos de Investimentos Definições legais Tipos de Fundo Administração Documentos dos fundos Dinâmica de Aplicação e resgate

Leia mais

ESTE FUNDO PODE ESTAR EXPOSTO A SIGNIFICATIVA CONCENTRAÇÃO EM ATIVOS DE RENDA VARIÁVEL DE POUCOS EMISSORES, APRESENTANDO OS RISCOS DAÍ DECORRENTES.

ESTE FUNDO PODE ESTAR EXPOSTO A SIGNIFICATIVA CONCENTRAÇÃO EM ATIVOS DE RENDA VARIÁVEL DE POUCOS EMISSORES, APRESENTANDO OS RISCOS DAÍ DECORRENTES. ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA OS FUNDOS DE INVESTIMENTO, BEM COMO ÀS NORMAS EMANADAS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar POLÍTICA DE INVESTIMENTOS UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar 2012 ÍNDICE FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...3 PARTE I...3 1. DIRETRIZES GERAIS... 3 1.1. Empresas Patrocinadoras...4

Leia mais

Renda Variável ETF de Ações. Renda Variável. ETF de Ações

Renda Variável ETF de Ações. Renda Variável. ETF de Ações Renda Variável O produto O, também conhecido como Exchange Traded Fund (ETF), é um fundo de índice, considerado investimento em renda variável. O produto representa uma comunhão de recursos destinados

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização, por parte da CAFBEP, das diretrizes

Leia mais

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 1 - Introdução e Organização do Relatório O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem por objetivo verificar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 * Plano de Gestão Administrativa - PGA I - DOS OBJETIVOS A aplicação dos Recursos Garantidores do Plano de Gestão Administrativa - PGA administrado pela FABASA, objetiva

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Politica de Investimentos 2014

Politica de Investimentos 2014 Politica de Investimentos 2014 Serra-ES Sumário 1. Apresentação, Objetivo e Vigência... 3 2. Parâmetros Gerais... 3 2.1. Responsável Técnico... 3 2.2. Modelo de Gestão... 3 2.3. Meta de Rentabilidade...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

Votorantim Asset Management DTVM Ltda. (CNPJ n.º 03.384.738/0001-98)

Votorantim Asset Management DTVM Ltda. (CNPJ n.º 03.384.738/0001-98) FUNDO DE INVESTIMENTO VOTORANTIM EAGLE MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO CNPJ 00.836.263/0001-35 JUNHO/ 2013 Administração, Gestão, Distribuição e Serviços de Terceiros Administrador Votorantim Asset Management

Leia mais

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91 Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - CNPJ nº 19.909.560/0001-91 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40)

Leia mais

BRADESCO FIA SUPER AÇÃO Bradesco Fundo de Investimento Ações Super Ação CNPJ: 71.739.445/0001-36

BRADESCO FIA SUPER AÇÃO Bradesco Fundo de Investimento Ações Super Ação CNPJ: 71.739.445/0001-36 BRADESCO FIA SUPER AÇÃO Bradesco Fundo de Investimento Ações Super Ação CNPJ: 71.739.445/0001-36 Características Público Alvo O Fundo destina-se ao público em geral que seja suscetível às oscilações e

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016

FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24. Mês de Referência: Março de 2016 FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES AUXILIAR I CNPJ nº 54.070.966/0001-24 Mês de Referência: Março de 2016 Formulário de Informações Complementares O formulário contém um resumo das informações complementares

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

1. Introdução... 1. 2. Gestão do Ativo e do Passivo do Plano Básico de Benefícios... 1

1. Introdução... 1. 2. Gestão do Ativo e do Passivo do Plano Básico de Benefícios... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. Introdução... 1 2. Gestão do Ativo e do Passivo do Plano Básico de Benefícios... 1 3. Passivo Atuarial... 2 4. Cenário Macroeconômico e Análise Setorial... 3 5. Gestão dos Investimentos...

Leia mais

31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Geração Futuro Fundo de Investimento em Ações Meninas Iradas (CNPJ: 08.608.189/0001-01) (Administrado pela Geração Futuro Corretora de Valores S.A. CNPJ: 27.652.684/0001-62) 31

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário - FII

Fundo de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Fundo de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário O produto O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação em ativos

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO CD-02

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO CD-02 1/13 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR Política de Investimentos - Plano CD-02 Documento Executivo Resolução CMN nº 3792/2009 Estabelece normas e orientações para a gestão

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA MANUAL DE GERENCIAMENTO DE LIQUIDEZ VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 25/01/2016 Versão: 1.3 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios Gerais...

Leia mais

Características. 0% 5% ligadas; Operações compromissadas, de acordo com a regulação específica do Conselho Monetário

Características. 0% 5% ligadas; Operações compromissadas, de acordo com a regulação específica do Conselho Monetário BRADESCO PRIVATE FIC RENDA FIXA JURO REAL B5 ATIVO Bradesco Private Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Juro Real B5 Ativo CNPJ: 17.489.000/0001-08 Características Público

Leia mais

SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO

SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO Porto Alegre, 21 de maio de 2013 SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO

Leia mais

BRADESCO PRIME FIC FIA CONSUMO Bradesco Prime Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações Consumo CNPJ: 12.440.

BRADESCO PRIME FIC FIA CONSUMO Bradesco Prime Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações Consumo CNPJ: 12.440. BRADESCO PRIME FIC FIA CONSUMO Bradesco Prime Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações Consumo CNPJ: 12.440.748/0001-94 Características Público Alvo O Fundo destina-se a clientes

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES Data da Competência: Abr/16 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

BRADESCO FIC RENDA FIXA MARTE Bradesco Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Marte CNPJ: 02.567.

BRADESCO FIC RENDA FIXA MARTE Bradesco Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Marte CNPJ: 02.567. BRADESCO FIC RENDA FIXA MARTE Bradesco Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Renda Fixa Marte CNPJ: 02.567.997/0001-91 Características Público Alvo O Fundo destina-se ao público em geral

Leia mais

BRADESCO FI MULTIMERCADO S&P 500 MAIS Bradesco Fundo de Investimento Multimercado S&P 500 Mais CNPJ: 18.079.540/0001-78

BRADESCO FI MULTIMERCADO S&P 500 MAIS Bradesco Fundo de Investimento Multimercado S&P 500 Mais CNPJ: 18.079.540/0001-78 BRADESCO FI MULTIMERCADO S&P 500 MAIS Bradesco Fundo de Investimento Multimercado S&P 500 Mais CNPJ: 18.079.540/0001-78 Características Público Alvo O Fundo destina-se ao público em geral Objetivo O FUNDO

Leia mais