Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis"

Transcrição

1 Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Dalmo Marchetti Gerente Setorial do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, 09/11/2012 Associação Comercial do Rio de Janeiro (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade exclusiva do palestrante e não necessariamente expressa a opinião do BNDES)

2 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 2

3 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 3

4 BNDES - Logística e Transportes Posicionamento Estratégico Redução do custo logístico brasileiro Sustentabilidade econômica e socioambiental do entorno Aumento da competitividade brasileira Promoção do desenvolvimento regional Aumento do conteúdo tecnológico e de inovação Eficiência energética e operacional Reequilíbrio da matriz modal Aumento da multimodalidade Fortalecimento dos sistemas de menor custo unitário Integração da cadeia de suprimentos Padrão internacional de preços 4

5 Focos de Atuação do BNDES Portos Ampliação da oferta de infraestrutura Ampliação dos acessos portuários Ampliação e modernização da superestrutura Redução do impacto socioambiental urbano 5

6 Evolução dos Desembolsos Logística Desembolsos em 2011: R$ 4,7 bilhões R$ milhões Energia Elétrica Logística Dutovias e Construção naval 17% Rodovias 35% Ferrovias 22% Portos, terminais e armazéns 26% (Previsão) 6

7 BNDES - Logística e Transportes Condições Gerais de Apoio Formas de apoio: Financiamento Renda variável Financiamento: Operações diretas contratadas diretamente com o BNDES Operações indiretas contratadas com as instituições financeiras credenciadas repassadoras de recursos do BNDES Operações mistas 7

8 BNDES - Logística e Transportes Condições Gerais de Apoio Estruturação do financiamento: Corporate finance risco corporativo Project finance risco do projeto Suficiência, previsibilidade e estabilidade do fluxo de caixa Financiamento corporativo Garantias reais Garantias pessoais Participação máxima: percentual dos usos financiáveis 8

9 BNDES - Logística e Transportes Condições Gerais de Apoio Project finance Fase de implantação garantias corporativas fianças dos controladores ou bancárias seguros Fase operacional penhor das receitas do projeto contratos de longo prazo penhor de ações e de direitos creditórios mecanismos de blindagem da SPE Capital próprio > 20% do investimento total ICSD mínimo: 1,3 (ou 1,2, quando TIR real > 8%) Participação máxima: função do ICSD mínimo e < 75% do Ativo Total 9

10 Principais Projetos Apoiados Estado RJ PROJETO PRINCIPAL PRODUTO MOVIMENTADO VALOR APOIO NV. TOTAL (R$ bilhões) (R$ bilhões) 1 PORTO DO SUDESTE Granéis Minerais 1,8 3,0 2 PORTO DO AÇÚ Multiproduto 1,7 2,8 TOTAL 3,5 5,8 10

11 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 11

12 Mapa dos Portos 39 Portos e 129 TUPs 886 milhões t (2011) Aumento do índice de conteinerização Aumento da participação da corrente de comércio no PIB (20%) Crescimento da movimentação no período % maior que

13 Mapa dos Portos Lei dos Portos (Lei 8.630/93): estrutura de mercado competitivo competição entre: terminais portos terminais e TUPs Benefícios de ordem econômica: atendimento indiscriminado a todos os usuários a qualquer tempo a preços de mercado, próximos ao do custo do serviço Lei dos Portos: alterou a função de produção reestruturou o uso de mão-de de-obra definiu as funções de AP e CAP modificou a operação da superestrutura portuária, que se tornou: mais produtiva majoritariamente exercida pelo setor privado 13

14 Mapa dos Portos Expansão da superestrutura portuária: equipamentos de movimentação de carga mais produtivos extensão da infraestrutura de berços de atracação capacidade de prestação de serviços logísticos associados Compatibilidade entre o crescimento da demanda e a capacidade de ajuste da oferta portuária Situação atual: próxima ou, em alguns portos, acima do limite de capacidade 14

15 Desempenho Recente Modal Aquaviário Infraestrutura Portuária ( ) Crescimento da movimentação :6% a.a. Carga geral (inclui contêineres): 8% a.a. Granéis sólidos : 7% a.a. Granéis líquidos: 3% a.a. Externalidades socioambientais (invasões, degradação do ambiente urbano) Navegação ( ): 6% a.a. Longo curso : 7% a.a. (70 74% movimentação portuária) Contêineres: 10,4% a.a. ( ) Cabotagem : 4% a.a. (26 22% movimentação portuária) Contêineres: 7,6% a.a. ( ) Interior e Outras: 6% a.a. 15

16 Impactos Socioambientais Invasões e Acessos Urbanos 16

17 Cronologia Evolução da regulamentação do setor portuário FUTURO Lei 8.630/93 Lei dos Portos SEP Decreto 6.620/08 Plano Geral de Outorgas (ANTAQ) Plano Nacional de Logística Portuária (SEP) OGMO CAP TPs de uso público (arrenda mento) AP pública Lei /07 Plano Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária AP privada (concessão) Resolução 1.660/10 (ANTAQ)* * carga própria do autorizado, sua controladora ou controlada, ao mesmo grupo econômico ou às empresas consorciadas ao empreendimento Plano Hidroviário Estratégico (MT)* * diretrizes para desenvolvimento, projetos e regulamentação Landlordport Fully privatized port Terminal privativo de uso exclusivo (TUP-E)* * exclusivamente carga própria Terminal privativo de uso misto (TUP-M)** ** carga de terceiros eventual e subsidiária ANTAQ Lei /01 Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte (IP4)* * carga ou passageiros; navegação interior; estados ou municípios; contrato de adesão Resolução 1.695/10 (ANTAQ)* * cargas de projetos da SUDAM, SUDENE e SUDECO consideradas como carga própria para a instalação de TUPs Plano Nacional de Integração Hidroviária (ANTAQ)* * banco de dados do setor sem precedência de processo licitatório Estações de Transbordo de Cargas (ETC)* * navegação interior Plano Geral de Outorgas Hidroviário (ANTAQ) * Terminais Privativos de Turismo (passageiros) flexibilizações não previstas na Lei ou no Decreto sem precedência de processo licitatório 17

18 ANTAQ - Perspectivas Leilão de Novos Portos Públicos Modelo de concessão de AP ao setor privado (em desenvolvimento) Porto Sul-BA (Ilhéus), Porto Águas Profundas-ES (Vitória), Terminal de Contêineres-AM (Manaus) Licitação de diversos terminais existentes nos Portos Públicos ou prorrogação de contratos (25 anos) Licitação ou prorrogação de contratos de terminais arrendados antes da Lei dos Portos (1993) (98 terminais, quase 1/3 do total) Renegociação de contratos de delegação 18

19 Novos Portos 19

20 Outorga de portos públicos Limites de atuação do setor privado na figura de AP Atendimento indiscriminado a todos os usuários, a qualquer tempo, a preços competitivos Participação restrita a operadores (companhias de navegação) Participação limitada de donos de carga Maior autonomia de gestão Aprovação dos planos de investimento e preços dos serviços Utilização de mão de obra do OGMO Arrendamento de áreas portuárias (segundo o disposto nos editais) 20

21 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 21

22 Perspectivas de Investimento Investimento R$ 179 bilhões 44% BNDES 19% públicos 37% privados Projetos Firmes R$ bilhões % % Participação BNDES (previsão) Setor Portuário 24 14% 52% Setor Ferroviário 57 Projeto TAV 20 45% 49% Setor Rodoviário 69 41% 34% Subtotal % 43% Setor Aeroportuário 9 47% Total com Aeroportos % 22

23 Perspectivas de investimento Orientadores do investimento portuário R$ bilhões % Aumento Oferta Terminais Contêineres 4,4 18% Novos Portos Públicos 7,3 30% Investimento Público Direto (infra e superestruturas) 3,4 14% Modernização e Aumento de Capacidade dos Terminais 9,0 37% TOTAL 24,1 100% Terminais contêineres nos seguintes portos: Santos, Suape, Paranaguá, Rio Grande, Itapoá, Itajaí, Vitória Novos Portos Públicos (Açu, portos a licitar) Dragagem do canal de acesso Fontes de Financiamento Recursos Públicos 9% BNDES 52% R$ 24 bilhões, sendo até R$ 13 bilhões BNDES (52%) Recursos Privados 39% 23

24 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 24

25 Dificuldades Atuais Capacitação física (aumento da produtividade e expansão dos ativos) Capacitação de gestão Integração institucional 25

26 Desafios na Infraestrutura e Superestrutura Ampliação da infraestrutura portuária nos portos públicos (prestação de serviço público) Necessidade de ampliação dos acessos marítimo e terrestres Melhoria da matriz modal no acesso aos portos Ampliação da superestrutura portuária para enfrentamento dos desafios da demanda (baixa capacidade ociosa) granéis sólidos (minério ferro, alumina, bauxita, açúcar, grãos agrícolas e fertilizantes) carga geral (veículos, cargas de projeto) contêineres nova capacidade portuária em função das novas ferrovias em implantação: Norte-Sul, Nova Transnordestina e Oeste-Leste (commodities) 26

27 Dificuldades Atuais Gestão AP s ainda com baixa capacidade própria de investimento e com dificuldades de gestão Baixa autonomia Superposição de funções com CAP (papel deliberativo em alguns temas) e ANTAQ Existência de passivos atuariais, ambientais, trabalhistas e contingências que desequilibram financeiramente as AP s Necessidade de enfrentamento dos problemas socio-ambientais nos portos (invasões e degradação do ambiente urbano) 27

28 Dificuldades Atuais Aspectos Institucionais Estrutura institucional da Lei 8.630/93 (AP, CAP, OGMO) vis-a-vis novo papel Agência Reguladora (ANTAQ) Lei /01 homologar os valores de tarifas pelo uso da infraestrutura portuária (CAP) aprovar as propostas de revisão e de reajuste de tarifas pelo uso da infraestrutura encaminhadas pelas Administrações Portuárias (ANTAQ) zelar pelo cumprimento das normas de defesa da concorrência (CAP) manifestar-se sobre o programa investimentos em infraestrutura portuária (CAP) aprovar o plano de zoneamento do porto (CAP) Ineficiências associadas à MOD avulsa Despacho aduaneiro que envolve vários instituições públicas e ainda não é coordenado 28

29 Oportunidades Redução do impacto socioambiental urbano nos portos Melhoria da matriz modal Eliminação de passivos existentes Aperfeiçoamento do PDZ Promoção de investimentos socioambientais Promoção da qualidade ambiental do porto Aperfeiçoamento da gestão do tráfego urbano e uso do solo (interface porto-cidade) 29

30 Organização Logística Portuária no BNDES Cenário Portuário Desempenho Investimentos Previstos Entraves e Dificuldades Alternativas para Sustentabilidade 30

31 Alternativas para Sustentabilidade Melhorias nos portos públicos Melhorias no plano regulatório Alinhamento porto-cidade 31

32 Alternativas para Melhoria da Gestão e da Eficiência Portuária Situação Futura: Fortalecimento da estrutura de governança da AP (CONSAD) (nos moldes necessários à AP privada) Eliminação da superposição de funções entre AP, CAP e ANTAQ (definição de tarifas, planos de expansão, outorgas) e autonomia de gestão Tratamento dos passivos existentes, inclusive ambientais Definição de metas operacionais e ambientais para as APs e prestação de contas sociais Sustentabilidade economico-financeira e ambiental das APs 32

33 Alternativas para Melhoria da Gestão e da Eficiência Portuária O ambiente propugnado para as APs públicas, competitivo, deverá ser análogo ao ambiente necessário à participação do setor privado na infraestrutura portuária Esses fatores permitirão as APs acessar os mecanismos de crédito de mercado, viabilizando mais rapidamente os investimentos sob sua responsabilidade As APs, públicas ou privadas, são objeto de fiscalização pela ANTAQ quanto ao cumprimento de desempenho e responsabilidades 33

34 Alternativas para Melhoria da Gestão e da Eficiência Portuária Responsabilidade sobre o planejamento portuário: descentralizado para as AP s Participação local na administração (tanto quanto possível) menor Nível de centralização do planejamento portuário maior Planejamento mais descentralizado, maior autonomia (inclusive financeira) de atuação das APs, metas de resultados, incentivo a participação local na administração (estrutura de mercados competitivo) Planejamento centralizado, divisão de responsabilidades, menor autonomia das APs, participação pública no investimento portuário (estrutura de monopólio regional) 34

35 Importância da participação local na administração da AP Alinhamento dos interesses públicos e privados, econômicos e locais ampliação dos acessos terrestres equacionamento do trânsito urbano (caminhões e trens) modificações no uso do solo (necessárias ao crescimento) revitalização de áreas portuárias não competitivas Promoção de rendas extraordinárias para a AP Tratamento mais próximo da variável ambiental (due dilligence ambiental do porto) Busca do desenvolvimento portuário sustentável Reconhecimento pela população da importância do porto para a economia local A relação porto-cidade é de interesse comum 35

36 Colaboração Porto e Cidade 36

37 Obrigado! BNDES Área de Infraestrutura Departamento de Logística e Transportes 37

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS

PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS PAINEL 2014 PACTO PELA INFRAESTRUTURA NACIONAL E EFICIÊNCIA LOGÍSTICA TEMA: CENÁRIOS PARA INVESTIMENTOS BRASÍLIA, 03 DE SETEMBRO DE 2014 Luis Henrique T. Baldez Presidente Executivo OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 E 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões

Leia mais

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT

Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas. André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Operador de Transporte Multimodal: Desafios e Perspectivas André Dulce G. Maia Especialista em Regulação - ANTT Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998 Art. 2º - Transporte Multimodal de Cargas é aquele

Leia mais

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO

Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Logística e desenvolvimento regional PRISCILA SANTIAGO Brasília, 27 de agosto de 2013 O setor de transporte no Brasil Agente indutor de desenvolvimento e integração; Histórico de baixos investimentos em

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística

Programa de Investimentos em Logística Programa de Investimentos em Logística Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos

Leia mais

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de Portos 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$

Leia mais

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO SEMINÁRIO SOBRE TRANSPORTE E LOGÍSTICA BANCO MUNDIAL / MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Eng Luis

Leia mais

Plano Diretor DPZ 1997-2020

Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano Diretor DPZ 1997-2020 Plano diretor de desenvolvimento do Porto de Fortaleza A alternativa de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Fortaleza, a seguir apresentada, busca obter o atendimento às

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Exportação - US$ FOB 16% 84% Exportação - Toneladas 2% Marítimo 98% Outros PIB (US$ Bilhões) 4,59X Corrente de comércio

Leia mais

Terminais de uso privativo

Terminais de uso privativo Terminais de uso privativo Audiência Pública do Senado Federal, PLS nº 118/2009 Brasília, 23 de maio de 2012 Wilen Manteli Presidente da ABTP Porto da USIMINAS Lei nº 8.630/1993 (Modernização dos Portos)

Leia mais

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário

REFERÊNCIA Transporte Rodoviário Agenda Setorial 2012 Acompanhamento/Monitoramento da política pública de transporte rodoviário 3ª Câmara de Coordenação e Revisão Consumidor e Ordem Econômica SAF Sul Quadra 4 Conjunto C Bloco B Sala 301; Brasília/DF, CEP 70050-900, (61)3105-6028, http://3ccr.pgr.mpf.gov.br/, 3camara@pgr.mpf.gov.br

Leia mais

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Julho de 2013 Formas de Atuação Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES EMPRESÁRIO Informação e Relacionamento Instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006

Os rumos dos investimentos. da infraestrutura. 17 nov 2006 17 nov 2006 Nº 20 Os rumos dos investimentos em infra-estrutura Por Ernani Teixeira Torres Filho e Fernando Pimentel Puga Superintendente da Secr. Assuntos Econômicos e assessor da presidência A pesquisa

Leia mais

O Papel do Operador Portuário Privado. Desafios para o investimento e para a exploração

O Papel do Operador Portuário Privado. Desafios para o investimento e para a exploração O Papel do Operador Portuário Privado Desafios para o investimento e para a exploração Port Finance International Brasil 2015 Rio de Janeiro, 5 de março de 2015 Propósito da Lei 12.815. de 2013 Fortalecimento

Leia mais

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013.

Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB. Guarujá, Outubro de 2013. Contexto das Cooperativas de Eletrificação no Brasil Danilo Roque Pasin Coordenador do Ramo Infraestrutura do Sistema OCB Guarujá, Outubro de 2013. Conceito de Infraestrutura É o conjunto de atividades

Leia mais

ANEXO VIII DESMEMBRAMENTO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA ANTT

ANEXO VIII DESMEMBRAMENTO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA ANTT ANEXO VIII DESMEMBRAMENTO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA ANTT 1. Fiscalização Técnica ANEXO VIII DESMEMBRAMENTO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA ANTT 1.1 Fiscalização da exploração de rodovias 1.1.1

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES Financiamento ao Setor Luís Inácio Senos Dantas Chefe do Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Foz do Iguaçu, 17 de março de 2010 Agenda BNDES: FATOS E NÚMEROS BNDES E

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Painel 2: Modelos Setoriais de Gestão Operacional de Infraestrutura

Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Painel 2: Modelos Setoriais de Gestão Operacional de Infraestrutura Pacto pela Infraestrutura Nacional e Eficiência Logística Painel 2: Modelos Setoriais de Gestão Operacional de Infraestrutura Nelson Carlini 6 de Outubro de 2015 Reestruturação do Setor Portuário Atração

Leia mais

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS

ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS ANTAQ SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO SNA ANA MARIA PINTO CANELLAS Rio de Janeiro, 9 de novembro de 2004. Desempenha, como autoridade administrativa independente, a função de entidade reguladora e fiscalizadora

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

CONCESSÕES TERESINA, 8 DE JULHO DE 2015

CONCESSÕES TERESINA, 8 DE JULHO DE 2015 CONCESSÕES TERESINA, 8 DE JULHO DE 2015 Premissas da Exposição 1- Não há relação entre o objeto da exposição, o debate ideológico e a defesa de segmentos políticos específicos 2- Não será realizada a defesa

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

Melhoria da Gestão Portuária

Melhoria da Gestão Portuária Melhoria da Gestão Portuária Jean Paulo Castro e Silva Diretor do Departamento de Gestão e Logística Portuárias Secretaria de Portos da Presidência da República Apresentação para o Painel Pacto pela Infraestrutura

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Associação Brasileira dos Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE CONFERÊNCIA REGIONAL DA AMÉRICA LATINA E DO

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32

NOTA DA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL - Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão Viernes 30 de Septiembre de 2011 17:32 There are no translations available. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL Perguntas e Respostas sobre o processo de concessão A concessão Por que o governo resolveu fazer a concessão? Nos

Leia mais

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura

A atuação da EBP no desenvolvimento da infraestrutura A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações 19 2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações Até os anos 50, as concessões dos serviços de telecomunicações eram distribuídas indistintamente pelos governos federal, estadual e municipal. Tal

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza REFORMA DO SETOR PORTUÁRIO Lei n 12.815, de 05 de Junho de 2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

Leia mais

Gestão de Contratos de PPP. Bancabilidade, Financiamento e Garantias

Gestão de Contratos de PPP. Bancabilidade, Financiamento e Garantias Gestão de Contratos de PPP Bancabilidade, Financiamento e Garantias Roteiro da Apresentação Bloco 1 Alinhamento Conceitual Aspectos Legais dos Financiamentos Evolução da modelagem (BNB) Bloco 2 Riscos

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Antonio Maurício Ferreira Netto Secretaria de Portos da Presidência da República Rio de Janeiro

Leia mais

Perspectivas para o Desenvolvimento do Nordeste. Sergio Duarte de Castro Secretário de Desenvolvimento Regional

Perspectivas para o Desenvolvimento do Nordeste. Sergio Duarte de Castro Secretário de Desenvolvimento Regional Perspectivas para o Desenvolvimento do Nordeste Sergio Duarte de Castro Secretário de Desenvolvimento Regional RJ 20/02/2013 Trajetória Recente => Oportunidades Polos Dinâmicos, Decisões de Investimento

Leia mais

O processo de análise do crédito. Dicas para Melhores Práticas de Gestão de Crédito

O processo de análise do crédito. Dicas para Melhores Práticas de Gestão de Crédito O processo de análise do crédito Dicas para Melhores Práticas de Gestão de Crédito Tópicos: Project Finance; Análise de Crédito; e Governança Corporativa Project Finance Financiamento relacionado a projeto:

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014

CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA. Palestra Logística Ferroviária. Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 CÂMARA DE COMÉRCIO ARGENTINO BRASILEIRA Palestra Logística Ferroviária Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 09 de dezembro de 2014 ABIFER, há mais de 37 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar o crescimento

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais I. A Conjuntura Econômica II. III. Soluções Imobiliárias Residenciais Atuação RB Capital no Setor Imobiliário 2 Conjuntura

Leia mais

Reunião de Diretoria SINAVAL

Reunião de Diretoria SINAVAL Reunião de Diretoria SINAVAL Rio de Janeiro, 15 de fevereiro de 2012 O Banco do Brasil e o SINAVAL 13 de julho de 2011: Banco do Brasil e SINAVAL formalizam convênio de cooperação com os seguintes objetivos:

Leia mais

PARÁ Fomento à exploração mineral

PARÁ Fomento à exploração mineral PARÁ Fomento à exploração mineral Ouro Preto, Maio de 2016 2 O ESTADO DO PARÁ Brasil Região Amazônica Estado do Pará Regiões de Integração Informações PARÁ Part (%) no Brasil Área (1.000 km 2 ) 1.248 15%

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTOS NO SETOR PORTUÁRIO TERMINAIS PORTUÁRIOS DE PASSAGEIROS TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 22 de junho de 2010 Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS

Short Lines, um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário em sistemas operados no modelo de concessão vertical INFRAESTRUTURA FERROVIAS Short Lines", um caminho para expansão do serviço ferroviário

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima Secretaria de Geologia, A e a Política Nacional de Mudança do Clima Departamento de Desenvolvimento Sustentável na Secretaria de Geologia, Ministério das Minas e Energia Secretaria de Geologia, SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

Ministério das Cidades Planejamento Urbano

Ministério das Cidades Planejamento Urbano Ministério das Cidades Planejamento Urbano Workshop Financiamento de Municípios - ABDE Rio de Janeiro 18 de julho de 2013 Secretaria Nacional de Acessibilidade e Programas Urbanos Departamento de Políticas

Leia mais

Projetos de Integração da Infraestrutura na América do Sul

Projetos de Integração da Infraestrutura na América do Sul Projetos de Integração da Infraestrutura na América do Sul São Paulo, 06.05.13 Ministro João Carlos Parkinson de Castro Coordenação-Geral de Assuntos Econômicos da América do Sul CONTEÚDO 1 DIAGNÓSTICO

Leia mais

Janeiro 2016. PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil

Janeiro 2016. PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil Janeiro 2016 PORTO DO AÇU Soluções de Infraestrutura para o Brasil Estrutura Societária 74,3% 6,7% Outros Minoritários 19% FERROPORT PORTO DO AÇU GNA AÇU PETROLEO T-MULT BP-PRUMO 100% 100% 100% 50% 20%

Leia mais

Oficina de Integração Aérea Sulamericana

Oficina de Integração Aérea Sulamericana Oficina de Integração Aérea Sulamericana 10 e 11 de setembro de 2014 Rio de Janeiro, Brasil OBJETIVOS DA OFICINA: Analisar o sistema de rede de aeroportos (passageiros e carga) e as tendências operacionais

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS A Visão dos Agentes Públicos nas Atividades Portuárias Sustentáveis Antonio Maurício Ferreira Netto Diretor do Departamento de Revitalização

Leia mais

Departamento da Indústria da Construção Deconcic

Departamento da Indústria da Construção Deconcic Responsabilidade com o Investimento Planejamento de obras com previsibilidade Manuel Carlos de Lima Rossitto 23 de outubro de 2015 Departamento da Indústria da Construção Deconcic O Deconcic reúne mais

Leia mais

Oportunidades em Infr In aes aes rutura rutur 8º FÓRUM PERSPECTIV PERSPECTIV S 2014 Novembro 2013

Oportunidades em Infr In aes aes rutura rutur 8º FÓRUM PERSPECTIV PERSPECTIV S 2014 Novembro 2013 Oportunidades em Infraestrutura 8º FÓRUM PERSPECTIVAS 2014 8º FÓRUM PERSPECTIVAS 2014 Novembro 2013 1 ATIVOS DE INFRAESTRUTURA x INVESTIDOR INSTITUCIONAL 2 EXPERIÊNCIA ASSET CAIXA 3 OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO

Leia mais

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social

BNDES e a Copa 2014. Rodolfo Torres. Novembro de 2011. Área de Infraestrutura Social BNDES e a Copa 2014 Novembro de 2011 Rodolfo Torres Área de Infraestrutura Social Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação do BNDES Agenda Introdução: Eventos Esportivos no Brasil Participação

Leia mais

Os Contratos de Parceria Público - Privada

Os Contratos de Parceria Público - Privada Os Contratos de Parceria Público - Privada 1 Apresentação O Projeto de Lei das PPP S que foi aprovado pelo Congresso Nacional em 2005 tem por objetivo de garantir recursos privados para a execução e operação

Leia mais

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos

Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Programa de Investimentos em Logística: Rodovias, Ferrovias e Portos Logística e Desenvolvimento Econômico Imperativos para o desenvolvimento acelerado e sustentável: Ampla e moderna rede de infraestrutura

Leia mais

Os desafios de Competitividade de um Porto Privado. Osmari de Castilho Ribas

Os desafios de Competitividade de um Porto Privado. Osmari de Castilho Ribas Os desafios de Competitividade de um Porto Privado Osmari de Castilho Ribas COMPETITIVIDADE Três fatores são responsáveis pela diferença de produtividade entre o Brasil e as economias de desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicado no DOE(Pa) de 27.03.09. Alterado pelos Decretos 1.677/09, 323/12. Regulamenta a Lei nº 5.674, de 21 de outubro de 1991, que dispõe sobre o Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ 12º Fórum Portos Brasil 2011 Maio 2011 Fatos Gerais sobre o Brasil Área Total:8.514.876

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA Objetivo: melhorar a competitividade dos serviços portuários no Brasil A implantação da norma para exploração de áreas e instalações portuárias pela agência reguladora é uma das poucas oportunidades atuais

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem

Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem Brochura - Panorama ILOS Portos Brasileiros Inclui capítulo sobre Cabotagem - 2015 - Pré-Venda Pré-Venda Ao garantir o Panorama ILOS Portos Brasileiros Avaliação dos Usuários e Análise de Desempenho 2015

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES Agência Reguladora de Transportes Terrestres Áreas de Atuação da ANTT Exploração da infraestrutura ferroviária Transporte ferroviário de cargas e passageiros

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão Julho de 2015 POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (Política e procedimentos relacionados à responsabilidade socioambiental da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 4.327, de 25 de abril

Leia mais

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br

Processo 2013. 05 de março de 2013. www.isebvmf.com.br Processo 2013 05 de março de 2013 www.isebvmf.com.br Conselho Deliberativo do ISE (CISE) Órgão máximo de governança do índice Tem como missão garantir um processo transparente de construção do índice e

Leia mais

Negócios nos Trilhos-Encontrem 2006

Negócios nos Trilhos-Encontrem 2006 eixos de atuação Negócios nos Trilhos-Encontrem 2006 São Paulo - novembro de 2006 eixos de atuação SISTEMAS METRO-FERROVIÁRIOS IMPORTÂNCIA DO SETOR METRO-FERROVIÁRIO melhorias urbanas e eficiência como

Leia mais

Saneamento: oportunidades e ações para a universalização

Saneamento: oportunidades e ações para a universalização Saneamento: oportunidades e ações para a universalização Rodrigo Sarmento Garcia Especialista de Políticas e Indústria Gerência Executiva de Infraestrutura Brasília, 03 de outubro de 2014 Sumário da apresentação:

Leia mais

15 anos + de 700 projetos Segmentos: educação, saúde, imobiliário, varejo, hotelaria, logística, mobilidade, cidades + de 500 cidades analisadas e

15 anos + de 700 projetos Segmentos: educação, saúde, imobiliário, varejo, hotelaria, logística, mobilidade, cidades + de 500 cidades analisadas e 15 anos + de 700 projetos Segmentos: educação, saúde, imobiliário, varejo, hotelaria, logística, mobilidade, cidades + de 500 cidades analisadas e mapeadas Inteligência de Mercado e Soluções Estratégicas

Leia mais

A Experiência do Ministério dos Transportes na execução da estratégia

A Experiência do Ministério dos Transportes na execução da estratégia A Experiência do Ministério dos Transportes na execução da estratégia MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Política Nacional de Transportes SPNT Orlando Figueiredo Filho O contexto das mudanças SETOR

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin

Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor. Claudia Costin Políticas Públicas e Parcerias com o Terceiro Setor Claudia Costin Percepção recente sobre o Poder Público no Brasil Estado Brasileiro colocado em cheque por motivos éticos, dada a configuração clientelista

Leia mais

Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos. Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito

Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos. Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito Regulação em Projetos Transnacionais de Infraestrutura Aspectos Econômicos Arthur Barrionuevo FGV - Escolas de Administração e Direito Introdução Infraestrutura Características da Infraestrutura Projetos

Leia mais

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria -PPP Premissas: Modelos apresentados são meramente exemplificativos; Não há comprometimento do BB na concessão de crédito ou prestação de garantia; Trata-se

Leia mais

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES Seminário sobre o Setor de Logística Macrossetor de Comércio, Serviços e Logística da CUT São Paulo, 27 e 28 de março de 2014 DOCUMENTO FINAL Os trabalhadores e trabalhadoras do setor de logística ligados

Leia mais

Brasília/DF, 20 de agosto de 2009. Senhor Diretor-Geral,

Brasília/DF, 20 de agosto de 2009. Senhor Diretor-Geral, Brasília/DF, 20 de agosto de 2009 Senhor Diretor-Geral, Cuida-se de manifestação voluntária no âmbito de Audiência Pública organizada pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ acerca da Resolução

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez

Política de Gerenciamento de Capital e Liquidez Página 1 de 7 Política de Gerenciamento de Capital e Processos Página 2 de 7 SUMÁRIO Estrutura... 3 Definição do Processo de Gerenciamento de Capital... 4 Disposições Gerais do Gerenciamento de Capital...

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018

PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 PROGRAMA DE INVESTIMENTO EM LOGÍSTICA 2015-2018 Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais