IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS Cristiane Pires Andrioli 1 e Mario Thadeu Leme de Barros 2 RESUMO Este trabalho trata de um novo esquema de previsão de vazões para o Sistema de Alerta a Inundações de São Paulo (SAISP), um importante sistema de suporte a decisão para operação de controle de cheias na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). São Paulo é a maior cidade do hemisfério sul, com 18 milhões de habitantes. A metodologia aplicada é a de redes neurais. A metodologia e o esquema de implantação do modelo são discutidos, assim como a sua inserção no conjunto de modelos atuais do SAISP. ABSTRAC This paper presents the methodology of a new flow forecasting model to SAISP São Paulo Flood Warning System. SAISP is a Decision Support System to support São Paulo flood control operations. São Paulo is one of the biggest cities in the world with 18 million people. The methodology is based on the neural network scheme. The methodology and the insertion of the new model in the set of present models are presented. PALAVRAS-CHAVES: controle de cheias, previsão de vazões e redes neurais. INTRODUÇÃO Todos os anos, durante o período de outubro a março, a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) sofre com o impacto das chuvas intensas, sendo que o principal problema causado é a inundação de diversas regiões da cidade. Na bacia do Alto Tietê, onde está localizada a RMSP, as inundações ocorrem devido ao grande número de bueiros e pontilhões com seção insuficiente para o escoamento pluvial, córregos assoreados e com entulho em diversos pontos, presença de construções muito próximas ao leito e muitas vezes avançando sobre os córregos e adoção de parâmetros técnicos, como rugosidade, bordas livres, período de retorno, inadequados para o projeto, com reflexos na capacidade das canalizações. 1 Bolsista de Mestrado CTHIDRO, Meteorologista do SAISP, Rua Dionísio da Costa, 166 São Paulo SP CEP: , , 2 Professor Titular da EPUSP, Av. Professor Almeida Prado, 83 trav. 2 PHD São Paulo SP CEP: ,

2 A convivência com as enchentes é possível a partir da implementação de medidas de controle de inundação que podem ser do tipo estruturais e não estruturais. De maneira geral, medidas estruturais são intervenções de engenharia que procuram reduzir o risco de ocorrência de enchentes e medidas não-estruturais têm por objetivo reduzir prejuízos através da melhor convivência da população com as cheias. Devido às dificuldades de obtenção de recursos para o desenvolvimento de medidas estruturais, destacam-se a adoção de medidas não estruturais como a implementação de um sistema de alerta. Na RMSP foi implementando um Sistema de Alerta a Inundações a partir de O SAISP (Sistema de Alerta às Inundações do Estado de São Paulo) realiza o monitoramento em tempo real de variáveis hidrometeorológicas e do nível em rios e reservatórios, previsão em tempo real de chuva e vazão e a disseminação das informações (dados e previsões), em tempo hábil para ação dos órgãos envolvidos. Este trabalho mostra de maneira resumida os modelos de previsão em tempo real de chuva e vazão em operação atualmente no SAISP e o processo de implementação de um novo modelo de previsão de vazão em tempo real utilizando a técnica de redes neurais. SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO O SAISP (Sistema de Alerta a Inundações do Estado de São Paulo) foi implementado no ano de 1977 após as fortes chuvas ocorridas no ano anterior que colocaram em risco a segurança do reservatório do Guarapiranga, localizado na cabeceira do rio Pinheiros, evidenciando a necessidade de um monitoramento hidrológico em tempo real. De maneira pioneira o DAEE iniciou a implantação do projeto de instalação de um sistema automático de medição de chuvas e dos níveis dos principais rios na bacia do Alto Tietê e que vem sendo expandida gradativamente, sendo que no ano de 1988, o SAISP passou a contar com o Radar Meteorológico, que foi instalado em São Paulo, na Barragem de Ponte Nova, cabeceira do rio Tietê, cobrindo a região do Estado de São Paulo, sul dos Estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais. O radar meteorológico, monitora a chuva com grande precisão, tanto espacial como temporal. Comparativamente à rede hidrológica tradicional, o radar mede a chuva numa densidade de um pluviógrafo para cada 4 km 2 (em quadrículas de 2 x 2 km). Ou seja, considerando um círculo com 240 km de raio o radar equivale a ter na sua área de influência aproximadamente pluviógrafos. PRODUTOS DO RADAR DE SÃO PAULO O radar meteorológico de São Paulo é do tipo banda S e produz diversos produtos em forma de mapas que são utilizados em análises diagnosticas dos sistemas meteorológicos e como dados auxiliares no estudo de modelos hidrológicos para previsão de cheias e do próprio descolamento da chuva. Os principais produtos da radar meteorológico são:

3 CAPPI são mapas que mostram a taxa de precipitação em mm/h, a uma altitude igual a 3km, com raio de 240 km, em uma resolução de 2x2km, a cada 5 minutos, conforme pode ser observado na figura 1-a. ECHO-TOP são mapas muito semelhantes ao CAPPI, conforme pode ser observado na figura 1-b, sendo que a escala é em km. O ECHO-TOP é a medida da precipitação do topo das nuvens, sendo este produto muito útil para se avaliar o potencial de precipitação dos sistemas. CHUVA ACUMULADA são mapas, com as mesmas características do CAPPI, conforme pode ser observado na figura 1-c, em que o produto mostrado é acumulação de chuva, em mm, de1 hora, 12 horas e 24 horas; este último foi sempre gerado às 7 horas da manhã. Figura 1 Mapa CAPPI (a), o ECHO-TOP(b) e a chuva acumulada em 24horas (c) na área de cobertura do radar meteorológico de São Paulo. O SAISP possui em operação atualmente três modelos de previsão, sendo um de previsão de chuva e dois de previsão fluviométrica. O modelo SHARP (Short-Term Automatic Rainfall Prediction), proposto pot BELLAN et. Alli (1978), é o modelo de previsão de chuva utilizado no SAISP e é fundamentado na idéia da correlação espacial entre dois CAPPIS s, separados por um intervalo de tempo. A previsão de chuva é feita a cada 10 minutos (minuto 5, 15, 25, 35, 45, 55 de cada hora) e o horizonte de previsão cobre três horas à frente. Essa previsão é quantitativa, isto é, o modelo prevê para uma região o volume esperado de precipitação nos próximos 30, 60, 90, 120, 150, 180 minutos. Os modelos de previsão fluviométrica, em operação no SAISP são:modelo de Estados Hidrológicos e o MELRAD. O modelo de Estados Hidrológicos, descrito por Braga et al. (1982), foi desenvolvido para previsão de inundações que ocorrem por insuficiência de drenagem, sendo que a cada 10 minutos é produzida uma previsão em termos qualitativos com base em uma escala de estados: Observação, Atenção, Alerta e Emergência.

4 O modelo MELRAD (Modelo Estocástico Linear com base nos dados de Radar), proposto por Braga et. Al. (1982), utiliza a refletividade média diretamente sobre a bacia para previsão de vazão. A cada 10 minutos é produzida uma previsão de vazão para um determinado ponto. Atualmente no SAISP está em fase de desenvolvimento um modelo de previsão de vazão em tempo real utilizando-se a técnica de rede neural, que tem como principal vantagem, a modelação do processo chuva vazão, sem o conhecimento dos processos físicos que ocorrem na bacia hidrográfica como evaporação, infiltração, escoamento superficial e escoamento subterrâneo. REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Uma Rede Neural Artificial pode ser definida como um sistema constituído por elementos de processamento interconectados, chamados de neurônios artificiais (figura 2-esquerda), os quais estão dispostos em camadas (uma camada de entrada, uma ou várias camadas intermediárias e uma de saída) e são responsáveis pela não linearidade e pela memória da rede (Valença, 2005). A arquitetura da rede neural, que tem estado em maior evidência na comunidade científica é a rede Perceptron Multicamadas (MLP), que é caracterizada pela existência de uma ou duas camadas escondidas, em que todos os neurônios de uma camada se ligam a todos da camada seguinte (figura 2-direita). Figura 2 Neurônio artificial e rede Perceptron Multicamadas. Segundo Sarle (1984), as MLPs são uma poderosa técnica de regressão, capaz de modelar funções não lineares e após ser treinada (calibrada), generaliza com precisão, isso quer dizer, possui a capacidade de fornecer respostas adequadas para dados de entrada que não foram usados na calibração. Uma importante similaridade das RNAs com o cérebro humano é a capacidade de aprender. As RNAs possuem regras de aprendizado que podem ser dividas em duas categorias básicas: aprendizado supervisionado e aprendizado não supervisionado. No caso das MLPs, a regra de aprendizado utilizada é a do aprendizado supervisionado, onde o aprendizado da rede é feito com o conhecimento prévio do resultado desejado. PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA REDE NEURAL O fluxograma, apresentado na figura 3,indica os passos que estão sendo seguidos para implementação do modelo de redes neurais para previsão de vazão em tempo real.

5 Figura 3 Fluxograma para implementação do modelo de redes neurais. O primeiro e segundo passo correspondem respectivamente a coleta e separação dos dados. Estes dois primeiros passos são de extrema importância, pois a rede neural aprende por exemplos., devendo-se tomar cuidado para que os dados coletados sejam significativos e cubram amplamente o domínio do problema, que no caso é a previsão de vazão. Uma vez coletados os dados, os mesmos são divididos em duas categorias: dados de treinamento, que serão utilizados para o treinamento da rede e dados de teste, que serão utilizados para verificar a performance sob condições reais de utilização. O conjunto de treinamento também terá uma subdivisão criando um conjunto de validação, que é utilizado para verificar a eficiência da rede quanto a sua capacidade de generalização durante o treinamento, podendo ser empregado como critério de parada do treinamento. O terceiro passo é a definição da arquitetura da rede, que consiste na descrição de quantas camadas essa rede deve ter, o número de neurônios existentes em cada uma, a função de ativação escolhida para cada camada e como elas são conectadas umas a outras e com as entradas da rede. Definida a arquitetura da rede, dá-se início ao passo 4 que consiste no treinamento da rede que tem como objetivo o ajuste satisfatório entre dados observados e calculados pela rede. A diferença entre a resposta desejada e a fornecida pela rede é reduzida através do algoritmo de treinamento.

6 Ao se alcançar um ajuste satisfatório no treinamento, o passo seguinte é a validação da rede, onde será empregado o conjunto de dados até então não utilizado. A performance da rede, medida nesta fase, é uma boa indicação de sua performance real. Atingindo-se resultados satisfatórios também na validação, a RNA está pronta para ser utilizada, fornecendo respostas adequadas a dados de entrada que ainda não tenham sido utilizados. IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO NO SAISP Para implementação do modelo de previsão de vazão em tempo real foi escolhida a bacia do rio Aricanduva, pois todo o ano, durante o período chuvoso, sofre com os problemas das inundações e possui um conjunto extenso de dados (monitoramento de superfície, desde 1993, e do radar meteorológico, desde 1998), para que se possa treinar, testar e validar o modelo proposto. Pretende-se futuramente estender o estudo feito para bacia do rio Aricanduva para outras sub-bacias críticas do Alto Tietê como a bacia do rio Pirajussara e Ribeirão dos Meninos. Foi desenvolvido um programa, em linguagem C, para a realização do treinamento e validação da MLP. O programa desenvolvido aplica o algoritmo de treinamento backpropagation e depois de treinar a rede, realiza a validação e pode ser utilizado para gerar a cada dez minutos previsão de vazões em tempo real. O próximo passo a ser realizado é o treinamento e validação da MLP, para vários cenários iniciais, afim de definir o número de neurônios da camada de entrada, intermediária e o valor dos pesos. BIBLIOGRAFIA BRAGA JR, B.P.F., BARROS, M.T.L, A Stochastich Conceptual Model for Real Time Flood Forecastings. IN: XIII 2nd International Symposium on Hydrological Applications of Weather Radar. University of Hannover, Germany, September, BRAGA JR, B.P.F., BARROS, M.T.L, São Paulo Flood Warning System: Integrating Different Levels of Data Quality and Availability. IN: XIII 2nd International Symposium on Hydrological Applications of Weather Radar. University of Hannover, Germany, September, PISANI, A., Avaliação dos dados do Radar Meteorológico de São Paulo para Aplicação em Hidrologia. Tese de Doutorado apresentada à Escola Politécnica da USP. São Paulo, 1989, 193p.. SARLE, W. S., Neural Networks and Statistical Models. IN: Nineteenh Annual SAS Users Group International Conference, Cary, NC: SAS Institute, SPERB, R. M., MODRO, N. R., MARCONDES, P., FOES, P. A., BARCIA, R. M., PACHECO, R. C. S., TAVARES, G., PREVENT: Protótipo de um Sistema de Previsão de Enchentes Baseado em Redes Neurais. IN: XIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Belo Horizonte, Minas Gerais, 28 de novembro à 02 de dezembro de VALENÇA, M., Aplicando Redes Neurais: Um Guia Completo. Olinda, Pernambuco, Ed. do Autor, 2005, 248 p.

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 17 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP MODELAGEM DO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005

Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 2 Aula-1 Ano: 2005 Redes Neurais Artificiais na Engenharia Nuclear 1 - Apresentação do Professor: dados, lista de E-mail s, etc. - Apresentação da Turma: Estatística sobre origem dos alunos para adaptação do curso - Apresentação

Leia mais

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com.

Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA 1 José Vicente Granato de ARAÚJO. Escola de Engenharia Civil (EEC) gabriela.nfs@gmail.com jvgranato@yahoo.com. DEFINIÇÃO DE HIDROGRAMA DE PROJETO CONSIDERANDO O MÉTODO TEMPO-ÁREA COM O USO DO GEOPROCESSAMENTO. ESTUDO DE CASO DA MICROBACIA DO CÓRREGO BOTAFOGO EM GOIÂNIA INTRODUÇÃO Gabriela Nogueira Ferreira da SILVA

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica

Redes Neurais. A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Abordagens não simbólicas A IA clássica segue o paradigma da computação simbólica Redes Neurais As redes neurais deram origem a chamada IA conexionista, pertencendo também a grande área da Inteligência

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

Wougran Soares Galvão 1 Paulo Roberto Meneses 2

Wougran Soares Galvão 1 Paulo Roberto Meneses 2 Geração do mapa de potencial à locação de estações na bacia do rio São Francisco como um produto estratégico de apoio às ações de planejamento de redes fluviométricas, através do uso de SIG e do classificador

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial

Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial Treinamento COELCE CEFET UFC MÓDULO II 2008.1 Redes Neurais Artificiais: Funções de Base Radial Prof. Dr. Guilherme de Alencar Barreto Depto. Engenharia de Teleinformática (DETI/UFC) URL: www.deti.ufc.br/~guilherme

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

Modelos Pioneiros de Aprendizado

Modelos Pioneiros de Aprendizado Modelos Pioneiros de Aprendizado Conteúdo 1. Hebb... 2 2. Perceptron... 5 2.1. Perceptron Simples para Classificaçãod e Padrões... 6 2.2. Exemplo de Aplicação e Motivação Geométrica... 9 2.3. Perceptron

Leia mais

PROTÓTIPO PARA PREVISÃO DO MERCADO DE AÇÕES UTILIZANDO BANDAS DE BOLLINGER

PROTÓTIPO PARA PREVISÃO DO MERCADO DE AÇÕES UTILIZANDO BANDAS DE BOLLINGER PROTÓTIPO PARA PREVISÃO DO MERCADO DE AÇÕES UTILIZANDO BANDAS DE BOLLINGER Adriano Cassaniga Petry Prof. Roosevelt dos Santos Junior - Orientador ROTEIRO Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Requisitos

Leia mais

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail

12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA *MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail 1 12 - DESVIO DE CURSO D ÁGUA Definição: Alteração do percurso natural do corpo de água para fins diversos. O desvio em corpo d água pode ser parcial ou total. O desvio parcial consiste na preservação

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

Simulador de Redes Neurais Multiplataforma

Simulador de Redes Neurais Multiplataforma Simulador de Redes Neurais Multiplataforma Lucas Hermann Negri 1, Claudio Cesar de Sá 2, Ademir Nied 1 1 Departamento de Engenharia Elétrica Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Joinville SC

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DOS VINHOS A PARTIR DE TESTES FÍSICO-QUÍMICOS. PSI2672 Reconhecimento de Padrões e Neurocomputação

ANÁLISE DA QUALIDADE DOS VINHOS A PARTIR DE TESTES FÍSICO-QUÍMICOS. PSI2672 Reconhecimento de Padrões e Neurocomputação ANÁLISE DA QUALIDADE DOS VINHOS A PARTIR DE TESTES FÍSICO-QUÍMICOS PSI2672 Reconhecimento de Padrões e Neurocomputação Grupo Carlos Eduardo Castilho Marques 5944242 Daniel Shinji Sasai 5947047 Pedro Marino

Leia mais

Hidrologia Bacias hidrográficas

Hidrologia Bacias hidrográficas Hidrologia Bacias hidrográficas 1. Introdução 2. Bacia hidrográfica 2.1. Definição e conceitos 2.2. Caracterização de bacias hidrográficas 3. Comportamento hidrológico da bacia hidrográfica 3.1. Enxurrada

Leia mais

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Ademar José Potiens Júnior 1, Goro Hiromoto 1 1 Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 05508-000, Brasil apotiens@ipen.br,

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Qualificação de Dados Meteorológicos das PCDs Plataforma de Coleta de Dados

Qualificação de Dados Meteorológicos das PCDs Plataforma de Coleta de Dados Qualificação de Dados Meteorológicos das PCDs Plataforma de Coleta de Dados MSc. Asiel Bomfin Jr. 1 asiel.bomfin@cptec.inpe.br T. Eletrônica Silvia Garcia de Castro 2 Silvia.garcia@cptec.inpe.br 1\2 Instituto

Leia mais

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java

Aplicações Práticas com Redes Neurais Artificiais em Java com em Java Luiz D Amore e Mauro Schneider JustJava 2009 17 de Setembro de 2009 Palestrantes Luiz Angelo D Amore luiz.damore@metodista.br Mauro Ulisses Schneider mauro.schneider@metodista.br http://blog.mauros.org

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO.

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO. XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL - AIDIS VIII-Lubi-Brasil-1

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Moreira Batista Higor Fernando Manginelli PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho apresentado para a disciplina Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da

Leia mais

Palavras chave: defeitos de solda, pulso eco, redes neurais artificiais, transformada de wavelet

Palavras chave: defeitos de solda, pulso eco, redes neurais artificiais, transformada de wavelet DETECÇÃO DE DEFEITOS EM JUNTAS SOLDADAS UTILIZANDO UM CLASSIFICADOR NEURAL ALIMENTADO POR SINAIS ULTRASSÔNICOS PRÉ- PROCESSADOS PELA TRANSFORMADA DE WAVELET Francisco G. de Paula¹, Maria Cléa S. de Albuquerque

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estudos Comparativos Recentes - Behavior Scoring Roteiro Objetivo Critérios de Avaliação

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Disciplina: Inteligência Artificial Tópicos 1. Definições 2. Tipos de aprendizagem 3. Paradigmas de aprendizagem 4. Modos de aprendizagem

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais Curso de Especialização em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Aulas Práticas no Matlab João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Matlab Objetivos:

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR Wagner França Aquino (1) Bacharel em Geofísica pelo Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

Estudos para Localização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes

Estudos para Localização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes 1 Estudos para ização de Faltas em Redes Subterrâneas Integrando o Software PSCAD/EMTDC e Ferramentas Inteligentes D. S. Gastaldello, A. N. Souza, H. L. M. do Amaral, M. G. Zago e C. C. O. Ramos Resumo--

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo

Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Apêndice F-16 Relatório Mensal de Atividades de Campo Nome: Janet Strauss, Consultora do World Fisheries Trust Relatório Relativo ao Mês de: Março de 2006 Resumo Executivo Entre 6 e 26 de março de 2006,

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA NA IMPLANTAÇÃO DE COBERTURAS VERDES E COBERTURAS CONVENCIONAIS COMPOSTA POR MADEIRAS E TELHAS DE CERÂMICA

TÍTULO: ANALISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA NA IMPLANTAÇÃO DE COBERTURAS VERDES E COBERTURAS CONVENCIONAIS COMPOSTA POR MADEIRAS E TELHAS DE CERÂMICA TÍTULO: ANALISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA NA IMPLANTAÇÃO DE COBERTURAS VERDES E COBERTURAS CONVENCIONAIS COMPOSTA POR MADEIRAS E TELHAS DE CERÂMICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS RICARDO ALMEIDA (Departamento de Engenharia Civil do Instituto Politécnico de Viseu e CONSTRUCT-LFC, Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES Tatiana Meola Universidade Federal de Uberlândia tatiana.meola@gmail.com

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica,

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica, Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis EPUSP Resumo: O informe técnico apresenta a

Leia mais

1. Introdução 2. Séries Temporais

1. Introdução 2. Séries Temporais 1. Introdução Predição de valores de ações é uma tarefa desafiadora na área de predição de séries temporais financeiras, devido à grande quantidade de variáveis que envolvem essas predições. No passado,

Leia mais

MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA

MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA 1 Gilberto D. M. Filho, 2 Marcelardoso, 3 Gustavo M. de Almeida 1 Aluno de Iniciaçãientífica/UFMG, discente

Leia mais

E-mail: rbrunow@uss.br

E-mail: rbrunow@uss.br ! " # $! &%'! ()*) ( +!, -,./!, ' *3.45 6 3 7 3 8 3 *3.49: 3 8 *- ; ,?3. @*

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL

ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL ANÁLISE DOS DADOS DE REANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO MENSAL NO PERÍODO DE 62 ANOS NO MUNICÍPIO DE IBATEGUARA-AL Kedyna Luanna Tavares Bezerra 1, Nayara Arroxelas dos Santos 2, Adriana de Souza Costa², Anderlan

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron.

PALAVRAS-CHAVE: Massas Nodulares, Classificação de Padrões, Redes Multi- Layer Perceptron. 1024 UMA ABORDAGEM BASEADA EM REDES PERCEPTRON MULTICAMADAS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE MASSAS NODULARES EM IMAGENS MAMOGRÁFICAS Luan de Oliveira Moreira¹; Matheus Giovanni Pires² 1. Bolsista PROBIC, Graduando

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS

UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS UMA ABORDAGEM DE PODA PARA MÁQUINAS DE APRENDIZADO EXTREMO VIA ALGORITMOS GENÉTICOS Alisson S. C. Alencar, Ajalmar R. da Rocha Neto Departamento de Computação, Instituto Federal do Ceará (IFCE). Programa

Leia mais

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão 26 de Fevereiro de 2014 Departamento de Previsão, Divisão

Leia mais

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral

Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Aplicação de Ensembles de Classificadores na Detecção de Patologias na Coluna Vertebral Hedenir M. Pinheiro Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG) Caixa Postal 131 74001-970 Goiânia

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC

ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC ANÁLISE FREQUENCIAL E DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL DAS TEMPESTADES NA REGIÃO DE RIO DO SUL/SC Willian Tiago Hillesheim 1 ; Leonardo de Oliveira Neves 2 ; Isaac Weber Pitz 3 ; Júlio Catoni 4 ; e Jaqueline Sardo

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS VARIÁVEIS HIDROLÓGICAS NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO 1 Silvio Bueno Pereira 2, Fernando Falco Pruski 3, Luciano Farias de Novaes 4, Demetrius David da Silva 5, Márcio Mota Ramos

Leia mais

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas.

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas. O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL Lizandro Oliveira Jacóbsen (1), Fernando Mendonça Mendes (2) RESUMO: As tempestades severas que causaram muitos estragos e danos no norte e nordeste

Leia mais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Elisângela Lopes de Faria (a) Marcelo Portes Albuquerque (a) Jorge Luis González Alfonso (b) Márcio Portes Albuquerque (a) José

Leia mais

RNAs, Classificação de Padrões e Motivação Geométrica. Conteúdo

RNAs, Classificação de Padrões e Motivação Geométrica. Conteúdo RNAs, Classificação de Padrões e Motiação Geométrica Conteúdo. O problema do OU-eclusio.... Um problema mais geral de mapeamento não-linear... 0 3. Mapeamentos não-lineares genéricos... 4 4. Redes neurais

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG

ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG ESTUDO PRELIMINAR DA CHUVA - VAZÃO PARA A BACIA DO RIO PARAIBA DO SUL - SP UTILIZANDO UM SIG Mirian Caetano 1, Clóvis Monteiro do Espírito Santo 2 e Ana Catarina Farah Perrella 1 1 UNIVAP/CTI (miancaetano@hotmail.com)

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA Odívio da S. Rezende Neto (1); Ubiraci E. L. de Souza (2); Carla A. Sautchúk (3) (1) Dep. de Construção Civil, Escola Politécnica da USP, odivio.rezende@poli.usp.br

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC

MANUAL DO USUÁRIO SISPREC MANUAL DO USUÁRIO SISPREC Concorrência nº 005/ANA/2009 - Sistema de previsão de enchentes na bacia do Rio Paraíba do Sul 1 de 44 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Apresentação do Sistema... 4 Figura 1.1 Tela

Leia mais

Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB

Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB Curso de Redes Neurais utilizando o MATLAB Victoria Yukie Matsunaga Belém-Pará-Brasil 2012 Esta apostila tem como principal objetivo fornecer um material de auxílio ao Curso de Redes Neurais utilizando

Leia mais

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS Autores: Jiménez, K. Q.; Collischonn, W.; Paiva, R.C.D.; Buarque, D. C.

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P

MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P Gilson Carlos da Silva, 1,2 André Becker Nunes 1 1 UFPEL Brazil Pelotas gilson.carloss@ig.com.br

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 6 A conexão das águas Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer o conceito de bacia hidrográfica 2 Identificar as bacias hidrográficas brasileiras e como acontece a gestão das suas

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: REDES NEURAIS APLICADAS EM INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS DE FABRICAÇÃO DE FIBRAS DE POLIÉSTER. AUTORES: Lívia Maciel

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos

Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Abordagens para Drenagem Urbana no Município de São Paulo: Ações de curto e longo prazos Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2010 São Paulo e a Bacia

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e

Leia mais