O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS: O MERCADO DE CARBONO PROMOVE A INCLUSÃO SOCIAL?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS: O MERCADO DE CARBONO PROMOVE A INCLUSÃO SOCIAL?"

Transcrição

1

2 O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS: O MERCADO DE CARBONO PROMOVE A INCLUSÃO SOCIAL?

3 Grão-Chanceler Dom Washington Cruz, CP Reitor Prof. Wolmir Therezio Amado Editora da UCG Pró-Reitora da Prope Presidente do Conselho Editorial Profa. Dra. Sandra de Faria Coordenador Geral da Editora da UCG Prof. Gil Barreto Ribeiro Conselho Editorial Membros Prof a. Dra. Regina Lúcia de Araújo Prof a. Dra. Heloisa Selma Fernandes Capel Prof a. Dra. Maria do Espírito Santo Rosa Cavalcante Prof a. Dra. Elane Ribeiro Peixoto Prof. Dr. Aparecido Divino da Cruz Prof. Dr. Cristóvão Giovani Burgarelli Escritora Maria Luisa Ribeiro Ms. Heloísa Helena Campos Borges Escritor Ubirajara Galli Jornalista Iúri Rincon Godinho

4 MARKUS BROSE ORGANIZADOR O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS O MERCADO DE CARBONO PROMOVE A INCLUSÃO SOCIAL?

5 2009, Markus Brose (Organizador) Editora da UCG Rua Colônia, Qd. 240-C, Lt Chácara C2, Jardim Novo Mundo CEP Goiânia Goiás Brasil Secretaria e Fax (62) Revistas (62) Coordenação (62) Livraria (62) Comissão Técnica Iêda Gonçalves de Aguiar Revisão e Diagramação Biblioteca Central da UCG Normatização Luiz Fernando Garibaldi Arte-final da Capa P128 O pagamento por serviços ambientais: o mercado de carbono promove a inclusão social / Organizador Markus Brose. Goiânia: Ed. da UCG, p. ISBN Meio ambiente riscos. 2. Proteção a natureza. 3. Meio ambiente aspectos sociais e socioeconômicos. 4. Impacto ambiental. I. Brose, Markus (org.). II. Título. CDU: Impresso no Brasil Printed in Brazil 2009

6 AUTORES Ana Maria Ribeiro Assistente Social com especialização em Saúde Pública. Atuou como assistente técnica e coordenadora em diversas políticas públicas municipais em Francisco Morato, Franco da Rocha, Campo Limpo Paulista, São Paulo e entorno. Foi membro de Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente, Saúde e Assistência Social. Integrou o Conselho Gestor do Parque Anhangüera. Atual Coordenadora Regional da CARE Brasil no Programa de Desenvolvimento Local dos Distritos Perus e Anhangüera, na região metropolitana de São Paulo. Ayri Saraiva Rando Engenheiro Ambiental pela EEP Escola de Engenharia de Piracicaba. Atuou na ONG NAPRA Núcleo de Apoio à População Ribeirinha da Amazônia assessorando a produção e comercialização de produtos florestais não-madeireiros, saneamento ambiental e educação junto à comunidades ribeirinhas em Rondônia. Integrou a OSCIP Piracicaba 2010, dedicada ao planejamento estratégico do município. Atua na CARE Brasil no projeto de apoio à Política Estadual de Mudanças Climáticas e Combate à Pobreza do Governo do Piauí. Bruna Cristina Engel Estudante de Engenharia Ambiental. Atuou em órgãos de fiscalização ambiental no Rio Grande do Sul: DEFAP Departamento de Florestas e Áreas Portegidas e FEPAM Fundação Estadual de Proteção Ambiental. Atuou na ONG IMCA Instituto Morro da Cutia de Agroecologia no programa de formação, e na gestão de projetos. Atua como voluntária na ONG Amigos da Terra Brasil. Carsten Rothballer Cientista Social com especialização em Desenvolvimento Internacional pela Universidade de Viena/Áustria, tendo realizado parte dos seus estudos nas áreas de economia, ciência política e sociologia tanto na Universidade de Pavia/Itália, como na UFBA Universidade Federal da Bahia. Atua como analista de programas em mudança climática na secretaria européia da ONG ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade.

7 Cecília Mariano Michellis Gestora Ambiental pela USP Universidade de São Paulo. Atuou na AATT - Associação de Apoio ao Trabalhador Tocantinense. Foi coordenadora da área de sustentabilidade da empresa CantorCO2e Brasil, no escritório São Paulo, empresa global do mercado de carbono. Atua na empresa Carbono Social Serviços Ambientais, no desenvolvimento de projetos de carbono. Devanir Garcia dos Santos Agrônomo pela UFLA Universidade Federal de Lavras, com especialização em Irrigação pelo Instituto de Pesquisa de Vercelli/Itália. Mestre em Gestão Econômica do Meio Ambiente pela UNB Universidade de Brasília. Foi coordenador regional da RURALMINAS Fundação Rural Mineira e membro do grupo responsável pela elaboração de normas técnicas de irrigação e drenagem da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Foi consultor do IICA Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura e do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em irrigação e elaboração de planos de recursos hídricos. Atual Gerente de Conservação de Água e Solo, da Superitentência de Uso Múltiplos, da ANA Agência Nacional de Águas. Divaldo Rezende Agrônomo pela UFLA Universidade Federal de Lavras. Mestre em Políticas Ambientais e Recursos Naturais pela Universidade de Londres. Doutor pela Universidade de Aveiro/ Portugal. Desenvolveu em parceria com Stefano Merlin o conceito de Carbono Social, tendo sido co-fundador da empresa Ecológica Assessoria e da ONG Instituto Ecológica. Atual Diretor Executivo da empresa CantorCO2e Brasil, empresa global do mercado de carbono. Evandro Holanda Júnior Médico Veterinário pela UECE Universidade Estadual do Ceará, com especialização em Administração Rural pela UFLA Universidade Federal de Lavras. Mestre em Medicina Veterinária e Doutor em Ciência Animal pela UFMG Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisador da EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e atual Chefe Geral da Embrapa Caprinos e Ovinos localizada em Sobral/CE. Fabiano Toni Agrônomo pela USP Universidade de São Paulo. Mestre em Política Científica e Tecnológica pela UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas. Doutor em Ciência Política pela Universidade da Flórida/EUA. Foi professor da UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte e pesquisador associado do CIFOR Centro Internacional de Pesquisa Florestal. Atualmente é professor adjunto do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília (UnB). Guilherme Monteiro do Prado Valladares Engenheiro Florestal pela Polytechnic State University da California/USA. MBA Executivo pela FGV - Fundação Getúlio Vargas. Atuou na empresa florestal Duratex. Em 2001 fundou a empresa de consultoria Ambiental PV Ltda, que conta como clientes organizações

8 como Conservação Internacional, The Nature Conservancy, CARE Brasil e empresas como JP Morgan Climate, Arcelor do Brasil, Odebrecht e PriceWaterhouseCoopers. Em 2006 foi co-fundador da ONG Instituto Perene. Em 2008 foi o primeiro candidato brasileiro selecionado para uma bolsa pela Fundação Kinship Conservation. Isabel Bergling Estudante de Administração da Universidade de Uppsala/Suécia, em intercâmbio, cursando Gestão e Negócios Internacionais da UNISINOS Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Atua como voluntária na ONG Amigos da Terra Brasil. Isadora de Afrodite Richwin Ferreira Jornalista e mestre em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília (UnB). Foi analista de projetos da Fundação Avina e atua hoje como assessora de comunicação do WWF-Brasil. Jörgdieter Anhalt Engenheiro pela Universidade de Wilhelmshaven/Alemanha. Longa experiência com projetos e políticas públicas de energia renovável e eficiência energética pela GTZ - Agência Alemã de Cooperação, tendo também atuado no Centro de Pesquisa Nuclear Jülich e no Ministério de Ciência e Tecnologia, na Alemanha. Veio ao Brasil em 1983 como pesquisador da USP - Universidade de São Paulo. Em 1995 foi fundador da ONG IDER - Instituto de Desenvolvimento Sustentável & Energias Renováveis no Ceará, onde coordena o desenvolvimento e implantação de tecnologias sociais inovadoras no uso de energia renovável. Lars Friberg Cientista político pela Universidade de Uppsala/Suécia. Mestre em Economia e Relações Internacionais pela Universidade John Hopkins/USA. Foi analista de mudanças climáticas e energia para a rede global de ONGs CAN Climate Action Network em Bruxelas. Atual Doutorando em Polítia Internacional da Universidade de Potsdam/Alemanha, com foco de pesquisa na relação de projetos MDL e gestão pública, no âmbito do Consórcio Europeu de Pesquisa em Governança (SFB 700). Entre 2007/08 foi pesquisador visitante no Centro Clima, da COPPE/UFRJ, no tema certificação de biocombustíveis. Leonardo Sakamoto Jornalista, mestre e doutor em Ciência Política pela USP Universidade de São Paulo. Cobriu a guerra pela independência em Timor Leste e a guerra civil em Angola. Foi professor do Curso de Jornalismo da ECA-USP e trabalhou em diversos veículos de comunicação, tendo recebido prêmios na área de jornalismo e direitos humanos, como Vladimir Herzog e o Prêmio Combate ao Trabalho Escravo. Empreendedor social Ashoka, é coordenador da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae) e no Comitê Gestor do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

9 Luzia Maria Honorato Educadora social, formada no Magistério. Foi administradora do Parque Rodrigo de Gaspari. Atuou como Conselheira Tutelar na Subprefeitura de Perus, e foi presidente da SADIP Sociedade Amigos do Distrito de Perus. Co-fundadora e integrante da diretoria da COOPERCOSE Cooperativa de Trabalhadores da Coleta, Triagem e Comercialização de Materiais Recicláveis e Prestadores de Serviços. Membro da coordenação executiva do Fórum de Desenvolvimento Local de Perus e Anhangüera. Marcelo Calazans Sociólogo pela UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Educação pela UFES Universidade Federal do Espírito Santo. Coordenador da FASE Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional no Espírito Santo. Membro da Rede Deserto Verde, da Rede Brasileira de Justiça Ambiental, da Rede Latino Americana contra Monocultivo de Árvores e da Articulação Capixaba de Agroecologia. Membro-fundador do Grupo Durban para Justiça Climática. Marco Aurélio Rodrigues Geógrafo pela UFPR Universidade Federal do Paraná. Mestre em Geografia pela UNICAMP Universidade Estadual de Campinas, área de concentração análise ambiental e dinâmica territorial. Atuou em projetos e programas socioambientais na Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica. Atual coordenador regional da CARE Brasil no Programa de Desenvolvimento da Costa do Cacau, no litoral sul da Bahia. Mário Sérgio Bortoto Microempresário do setor gráfico. Liderança comunitária e ex-administrador regional dos Distritos Perus e Anhangüera no município de São Paulo. Co-fundador da Associação Pró-Centro Cultural do Trabalhador Os Queixadas, que visa a proteção da memória das lutas operárias na Fábrica de Cimento Portland Perus. Membro da coordenação executiva do Fórum de Desenvolvimento Local de Perus e Anhangüera. Markus Brose Agrônomo com especialização em agroecologia. Atuou como assistente técnico da GTZ Agência Alemã de Cooperação em Brasília. Mestre em Gestão Pública pela Universidade de Londres. Foi coordenador do Projeto Gestão Participativa junto às Secretarias Estaduais de Planejamento nos estados do Nordeste, em convênio SUDENE/Banco Mundial. Foi consultor em metodologias participativas junto à Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul, e posteriormente na Secretaria Estadual de Planejamento, no governo Olívio. Doutor em Sociologia Política pela Universidade de Osnabrück/Alemanha. Atual Diretor da CARE Brasil. Mauricio Reimberg Jornalista pela PUC Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Trabalhou como repórter do portal UOL, do jornal O Estado de São Paulo, da Agência Carta Maior, e das revistas Caros Amigos e Cult. Atualmente é jornalista da ONG Repórter Brasil.

10 Messias Pereira Moraes Foi comerciante, empreendedor e gerente de banco. Liderança comunitária, atua como integrante de movimentos sociais e é membro do Conselho de Saúde de Perus. Atualmente atua na CARE Brasil como assistente no Programa de Desenvolvimento Local dos Distritos Perus e Anhangüera, na região metropolitana de São Paulo. Miriam Prochnow Pedagoga. Líder Avina. Especialista em meio ambiente com prioridade para políticas públicas, educação ambiental e desenvolvimento institucional. Atuou em diversas organizações da sociedade civil, redes e órgãos do Governo Federal na execução de projetos de conservação e uso sustentável de recursos naturais, campanhas e produção de materiais. Foi Coordenadora da Rede de ONGs da Mata Atlântica. Durante vários anos acompanhou o Programa Piloto para a Proteção de Florestas Tropicais, tendo assento em suas comissões como reprentante da sociedade civil. Atualmente é Coordenadora de Políticas Públicas da Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (Apremavi), além de Secretária Executiva do Diálogo Florestal para a Mata Atlântica e Pampa. Nelson Aparecido Bueno de Camargo Técnico gráfico e microempreendedor do setor gráfico. Liderança comunitária, foi integrante do conselho gestor do Parque Anhangüera e do conselho do Centro Educacional Unificado de Perus. Foi membro do CIESP distrital Lapa, da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, do Centro Cultural Ajuá-Perus e da Associação dos Comerciantes, Industriais e Prestadores de Serviços de Perus (Acisper). Atualmente Vice-Presidente do Instituto de Ferrovias e Preservação do Patrimônio Cultural e membro da coordenação executiva do Fórum de Desenvolvimento Local de Perus e Anhangüera, em São Paulo. Nilto Tatto Administrador. Foi Administrador e Secretário Executivo da ONG ISA Instituto Sócioambiental. Atualmente coordena o Programa Vale do Ribeira/São Paulo do ISA. Nilton de Moraes Bertacchini Comerciante e empreendedor. Integrou diversas diretorias da Sociedade Amigos do Distrito de Perus. Foi presidente das associações de pais e mestres das escolas Cândido Portinari e Brigadeiro Gavião Peixoto. Foi o primeiro administrador regional dos Distritos Perus e Anhangüera no município de São Paulo, e foi presidente do Clube Desportivo Municipal de Perus e do Clube Esportivo Portland. Atual presidente da Associação dos Comerciantes, Industriais e Prestadores de Serviços de Perus (Acisper). Paula Castro Pareja Engenheira ambiental pela Universidade Nacional Agrária La Molina/Peru. Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade de Reading/Reino Unido. Foi pesquisadora em projeto conjunto Universidade La Molina e ONG ITDG - Intermediate Technology Development Group sobre biocombustíveis no Peru. Atualmente Doutoranda em Ciências Políticas da Universidade de Zurique/Suiça. Suas áreas de pesquisa e consultoria são: negociações internacionais sobre mudanças climáticas, educação ambiental, gestão de resíduos sólidos, energia renovável e biocombustíveis.

11 Paulo Rodrigues Liderança comunitária, comerciante e empreendedor. Ambientalista, foi co-fundador do Movimento Lixão+1 não! e atua como consultor ambiental do escritório de advocacia Pinheiro Pedro em São Paulo. Foi presidente do Centro Cultural Ajuá-Perus e integrante da diretoria da Sociedade de Amigos do Distrito de Perus. Atual presidente da ONG IFPPC-Instituto de Ferrovias e Preservação do Patrimônio Cultural, que visa a preservação do patrimônio histórico e memória da ferrovia Perus-Cajamar. Raquel Pasinato Bióloga. Mestre em Ecologia de Agroecosistemas pela USP Universidade de São Paulo. Foi voluntária e prestadora de serviços na Estação Ecológica Juréia-Itatins da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo em pesquisas junto às comunidades quilombolas. Atualmente integra a equipe do Programa Vale do Ribeira/SP no trabalho com comunidades quilombolas da ONG ISA Instituto Sócioambiental. Renata Everett do Prado Valladares Engenheira mecânica pela University of California Berkeley/USA. Atuou com sistemas de aquecimento solar na empresa Transsen. Posteriormente desenvolveu a área de aproveitamento de biomassa no escritóiro brasileiro da organização Winrock International. Foi responsável por projetos finalistas no Prêmio Tecnologia Social do Banco do Brasil e Prêmio Bahia Ambiental. Atua como sócia-gerente nas áreas de energia renovável e mudança climática na empresa Ambiental PV Ltda. Roberta Pardo Mendes Técnica em educação e militante social. Atua nos movimentos sociais e organizações comunitárias nos distritos de Anhangüera e Perus, em São Paulo. Rodrigo Valente Serra Economista pela UFF Universidade Federal Fluminense. Mestre em Planejamento Urbano e Regional pela UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Economia pela UNICAMP Universidade Estadual de Campinas. Professor/pesquisador do Mestrado em Engenharia Ambiental do IFF Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense. Sebastião Alves Gonçalves Aposentado. Liderança comunitária que atua nas comunidades de base do Distrito de Anhangüera em São Paulo. Integrante das diretorias da União dos Moradores do Parque Anhangüera (Umpa) e do Centro Anhangüera de Promoção e Educação Social (Capes). Membro da coordenação executiva do Fórum de Desenvolvimento Local de Perus e Anhangüera. Sérgio Wulff Gobetti Economista e jornalista. Mestre e Doutor em Economia pela Universidade de Brasília (UnB). Exerce o cargo de Técnico de Planejamento e Pesquisa no IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Entre 2001 e maio de 2009, atuou na sucursal de Brasília do jornal O Estado de São Paulo. Nos anos de 2006, 2007 e 2008 foi premiado pela STN Secretaria do Tesouro Nacional em concursos de monografias na área das finanças públicas.

12 Tamra Gilbertson Graduação em Biologia Marinha e Zoologia pela Humboldt State University/USA. Atuou em diversas organizações nos temas de comércio internacional, ecologia, feminismo e globalização. Foi editora do jornal feminista The Matrix. Atua como coordenadora do projeto de Justiça Ambiental da ONG Transnational Institute (TNI) na Holanda. Membrofundador do Grupo Durban para Justiça Climática. Vanessa Silva Jornalista pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Participou de diversos projetos envolvendo questões sociais, como o jornal comunitário Bauru nos Trilhos, jornal mural desenvolvido na comunidade sorocabana no Jardim Europa em Bauru. Foi criadora e editora do rádio-documentário Diferente, Pero no Mucho e co-autora da revista eletrônica Realidade Sul Americana. Atualmente atua na Associação Brasileira da Propriedade Intelectual dos Jornalistas Profissionais (Apijor).

13

14 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 19 PARTE I ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS COM ROYALTIES 1.1 POBRE MUNICÍPIO RICO Leonardo Sakamoto; Maurício Reimberg UMA ABORDAGEM CRÍTICA DA DISTRIBUIÇÃO E APLICAÇÃO DOS ROYALTIES NO BRASIL Sérgio Wulff Gobetti; Rodrigo Valente Serra 73 PARTE II ANÁLISE DE EXPERIÊNCIAS COM PROJETOS MDL 2.1 ORGANIZAÇÕES QUE SE BENEFICIAM DE PROJETOS MDL NO BRASIL Cecília Mariano Michellis ANÁLISE EMPÍRICA DO DESEMPENHO DE PROJETOS MDL Lars Friberg; Paula Castro A VALORIZAÇÃO DA ATMOSFERA E A CONTRIBUIÇÃO AO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL POR PROJETOS MDL NO BRASIL Carsten Rothballer 149

15 PARTE III O CONFLITO SOCIAL EM PROJETOS MDL 3.1 QUEIMANDO EUCALIPTO: O CASO DA PLANTAR Marcelo Calazans; Tamra Gilbertson BARRA GRANDE A HIDRELÉTRICA E A FLORESTA COM ARAUCÁRIA Miriam Prochnow; Bruna Cristina Engel; Isabel Bergling PERUS: O CAMINHO MAIS CURTO PARA QUIOTO Ana Maria Ribeiro; Luzia Maria Honorato; Mário Sérgio Bortoto; Markus Brose; Messias Pereira Moares; Nelson Camargo; Nilton de Moraes Bertacchini; Paulo Rodrigues; Roberta Pardo Mendes; Sebastião Alves Gonçalves; Vanessa Silva 223 PARTE IV TESTE E INOVAÇÃO EM PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS E ADAPTAÇÃO/ MITIGAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 4.1 O RESGATE DA DÍVIDA SOCIAL COM QUILOMBOLAS NO VALE DO RIBEIRA (SP) Nilto Tatto; Raquel Pasinato PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Devanir Garcia dos Santos OS BENEFÍCIOS PARA AS COMUNIDADES LOCAIS EM PROJETOS DE CARBONO FLORESTAL NO BRASIL Guilherme Monteiro do Prado Valadares; Renata Everett do Prado Valladares RESTAURAÇÃO FLORESTAL EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA NO SUL DA BAHIA Marco Aurélio Rodrigues 305

16 4.5 CARBONO SOCIAL: DA TEORIA A PRÁTICA Divaldo Rezende SECA E VULNERABILIDADE: O FUNDO DE PASTO COMO ESTRATÉGIA PARA LIDAR COM O CLIMA SEMIÁRIDO Fabiano Toni; Evandro Holanda Júnior; Isadora de Afrodite Richwin Ferreira DISSEMINAÇÃO DE FOGÕES ECOEFICIENTES NO CEARÁ Jörgdieter Anhalt A POLÍTICA ESTADUAL DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E COMBATE À POBREZA NO PIAUÍ Markus Brose; Ayri Saraiva Rando 367

17

18 O objetivo do mecanismo de desenvolvimento limpo deve ser assistir às Partes não incluídas no Anexo I para que atinjam o desenvolvimento sustentável, [...]. (Protocolo de Quioto, Artigo 12, Inciso 2)

19

20 INTRODUÇÃO A CARE Brasil participa de três programas de desenvolvimento rural no Norte e Nordeste do país, cada um deles implementado em conjunto com um grande número de atores locais. Além de contribuírem para os processos de desenvolvimento local nesses territórios, esses programas se revestem de um valor simbólico, pois evidenciam as raízes estruturais da pobreza no país. O Programa de Desenvolvimento na Costa do Cacau, na Bahia, atua no entorno do porto de Ilhéus que foi, no final do século XIX e início do século XX, um dos portos mais ricos do hemisfério sul. Por Ilhéus, chegou a ser escoada mais da metade da produção mundial de cacau, concentrando grande riqueza, eternizada nos romances de Jorge Amado. Bem antes disso, no século XVI, a região já havia sido rica, abrigando o primeiro investimento em moldes empresariais na colônia para a produção de açúcar e aguardente, e mais tarde produziu a farinha de mandioca que possibilitou aos portugueses a expansão rumo ao sertão. Porém, a riqueza gerada em diferentes ciclos econômicos ficou concentrada na mão de poucas famílias e deu origem a oligarquias que uniram a propriedade da terra e o poder político, mantendo larga parte da população na pobreza. Este fenômeno ficou conhecido como coronelismo, e manteve a população de trabalhadores rurais sem acesso aos ativos produtivos ou à educação. Em especial a população afrodescendente e os povos indígenas do litoral sul da Bahia estão entre os grupos mais vulneráveis da sociedade baiana. E que agora assistem a novas mudanças da região mediante a implantação, pelo Programa de Aceleração do Cresci-

21 20 MARKUS BROSE mento (PAC), da ferrovia Leste-Oeste, que ligará Ilhéus a Figueiróplis (TO), e de um porto para escoar soja e algodão do oeste baiano. O Programa de Desenvolvimento Microrregional do Norte do Piauí atua no entorno do porto de Parnaíba que, nos séculos XVIII e XIX, exportou produtos vegetais e farmacêuticos oriundos do sertão. O porto de Parnaíba figurou entre os principais portos do Atlântico, contando com navios que faziam conexão direta com portos europeus. Durante a Segunda Guerra Mundial, o porto teve importância estratégica para a aliança do Governo Vargas com os Estados Unidos, pois por ali exportava-se óleo de mamona, produto essencial para o funcionamento de aviões e tanques. A economia de Parnaíba continua relevante, pois abriga a maior bacia leiteira da região, além disso abastecendo a indústria calçadista de São Paulo e do Rio Grande do Sul com couros finos. Porém, do fausto do passado a primeira cidade com iluminação elétrica e o primeiro porto com guindaste hidráulico, os casarões cobertos de azulejos e os extensos galpões na zona portuária restam apenas os prédios e as memórias. A concentração da riqueza na mão de poucas famílias gerou uma microrregião que concentra hoje parte dos municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país. O Programa de Geração de Renda com Ribeirinhos na Calha do rio Amazonas atua a partir do porto de Itacoatiara, um dos principais atracadouros para os navios europeus e asiáticos que vêm buscar a soja da Amazônia. Por Itacoatiara, são embarcados mais de dois milhões de toneladas de soja ao ano de Rondônia e do Mato Grosso transportadas pela hidrovia do rio Madeira, concentrando ali um movimento de cargas e navios que praticamente não tem beneficiado as comunidades do entorno. Essas comunidades vivem no modelo histórico herdado dos povos indígenas de ocupação das várzeas em pequenas habitações de palafita com limitado acesso às políticas públicas universais. Na maioria delas, a escola pública vai somente até a quarta série, não existe acesso universal nem a energia elétrica ou a sistema básico de saneamento. E o intenso tráfego dos navios de carga gera ondas que colocam em risco os pequenos barcos dos moradores e têm contribuído para a aceleração da erosão e do assoreamento das margens do rio. Assim, a experiência da CARE Brasil em alguns dos territórios e zonas rurais mais vulneráveis do país evidencia que, mesmo havendo crescimento econômico e geração de riquezas, se não houver mecanis-

22 mos de redistribuição e se a sociedade local não estiver preparada e habilitada para utilizar esta riqueza como um investimento produtivo para um futuro melhor, poucas famílias se beneficiam e o território tende a permanecer pobre. A exclusão da maior parte da população dos benefícios gerados pelo crescimento econômico não é um fenômeno recente, ele acompanha a história do país e constitui uma das principais causas estruturais de nossa pobreza. Corremos o risco de essa experiência histórica se repetir com a nova riqueza que está sendo gerada pelo pagamento por serviços ambientais, em especial os projetos do novíssimo mercado de carbono. Essa não é uma preocupação abstrata ou teórica, pois se baseia na ausência de benefícios sociais tanto em experiências mais antigas como o pagamento dos royalties de gás e petróleo ou a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), quanto nas mais recentes, como a promessa de que a política nacional de biocombustíveis seria uma iniciativa de mitigação da mudança do clima com forte componente social. Os biocombustíveis teriam um Selo Social que garantiria que essa política incluiria em larga escala agricultores familiares neste novo mercado por meio da comercialização da mamona. Passada a fase piloto, o desempenho da produção brasileira de biodiesel efetivamente explodiu, saiu de 736m 3, em 2005, para 1,1 milhões m 3, em Porém, como 78% desse volume são provenientes de soja, 16% de sebo e 3% de óleo de algodão, a mamona dos agricultores familiares não se destaca na estatística. De maneira geral, a matriz energética brasileira é considerada uma das mais limpas do mundo, o que contribui para fortalecer a posição do país nas negociações internacionais sobre o futuro do clima. Uma análise mais detalhada, porém, demonstra que existem controvérsias quanto a esta questão, pois determinadas usinas hidrelétricas, como Balbina, no Amazonas, e Samuel, em Rondônia, tem uma alta taxa de emissão de gases de efeito estufa. Ademais, se a nossa matriz energética é considerada limpa no quesito ambiental e também é economicamente rentável, ela não tem sido socialmente justa. O setor elétrico tem uma longa história de realocação forçada de comunidades rurais e populações tradicionais, ausência de indenizações ou pagamento de indenizações ínfimas, relacionamento autoritário e tecnocrata com a população local, além da baixa qualidade de alguns dos estudos de impacto ambiental. 21 INTRODUÇÃO

23 Usinas do Madeira levam caos e riqueza a Rondônia As usinas hidrelétricas do rio Madeira, vitrines do Programa de Aceleração do Crescimento, custarão R$ 21 bilhões e injetarão R$ 8 bilhões por ano na economia de Rondônia até Promessa de bonança ao empobrecido estado, elas já são um dos empreendimentos mais caros da história e também um dos mais controversos. Procuradores federais pedem a cassação das licenças das usinas e já levantam suspeitas sobre o seu financiamento. Instituições civis acusam os construtores de ignorarem impactos socioambientais. Autoridades locais temem que a capital Porto Velho chegue ao colapso, caso os investimentos em infraestrutura não saiam do papel. E o setor produtivo está preocupado com a possibilidade de que o desenvolvimento da região não seja sustentável. Atraídos pelas oportunidades, empresas já se instalam na região, e famílias desembarcam semanalmente na capital Porto Velho. Em apenas seis meses de obras, já ocorreram efeitos previtos no Projeto Básico Ambiental para três anos. Para antecipar a inauguração das usinas, Saesa e Enersus, os consórcios empresariais que constroem Santo Antônio e Jirau, respectivamente, atropelam o plano de mitigação, nome das práticas que minimizariam os impactos negativos. O cumprimento dos planos de mitigação foi determinado pelo IBAMA, que segundo o Ministério Público Federal de Rondônia, transformou as inconsistências dos projetos, detectadas pela equipe técnica do órgão, em cerca de cem condicionantes (FOLHA DE SÃO PAULO, 2009d). Malária e aspectos hematológicos em moradores da área de influência dos futuros reservatórios das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, Rondônia. O objetivo deste trabalho foi analisar a prevalência da malária antes do início da implantação das obras civis e fazer considerações sobre os impactos da doença com o ingresso de milhares de trabalhadores e agregados atraídos pelas oportunidades de emprego e comércio. Os resultados obtidos mostram que a malária se faz presente em toda a região, em variados graus de prevalência. [...] A construção de usinas hidrelétricas geralmente causa aumentos na malária [...] sugerindo que se as condições atuais de saneamento e serviços públicos de saúde oferecidos à população não sofrerem uma profunda reestruturação tanto física como humana, os riscos de uma nova epidemia de malária aumentarão consideravelmente (KATSURAGAWA, 2009). 22 MARKUS BROSE Geradoras brasileiras de energia, donas de grandes usinas hidrelétricas, se preparam para tentar emplacar seus projetos no MDL das Nações Unidas e assim emitir certificados de crédito de carbono para melhorar a taxa de retorno dos empreendimentos. Até mesmo as duas hidrelétricas do Rio Madeira já encomendaram seus estudos e estimativas mostram que a receita anual, para cada uma, poderia gerar em torno de Euros 50 milhões. (VALOR ECONÔMICO, 2009)

24 Um exemplo de que a matriz energética dificilmente pode ser considerada limpa vem sendo divulgado pela mídia sobre o PAC em Rondônia, onde as duas usinas do rio Madeira nos primeiros seis meses das obras, em 2008, já geraram os impactos negativos previstos pelo projeto básico ambiental para três anos, pois esses impactos foram subestimados. Por causa das obras, o leito do rio está sendo revirado, trazendo à superfície o mercúrio que foi utilizado no passado pelos garimpeiros, o que coloca em risco a água que abastece as cidades da região. Apenas 10% dos vestígios arqueológicos foram catalogados e o Ministério Público investiga o Banco da Amazônia por ter emprestado às empreiteiras recursos acima dos limites legais. Esses alguns dos impactos mais visíveis. Segundo relatos da imprensa, os impactos menos visíveis estão ligados à atração de migrantes à Rondônia, na busca por terra e emprego. Os conflitos por terras em Rondônia já são graves, nos enfrentamentos de grupos sem-terra e fazendeiros ocorridos entre junho de 2006 e abril de 2008 foram assassinados ao menos 12 pessoas. E, com aumento da migração, os conflitos podem se agravar. Além disso, tanto o desmatamento ocasionado pelas obras das usinas, como a futura geração de metano pela decomposição da madeira quando estiver submersa, irão emitir gases de efeito estufa. Esses exemplos acerca da distância que frequentemente separa as promessas da realidade em projetos denominados de desenvolvimento sustentável, realidade esta que freqüentemente se concretiza na exclusão social de parte da população, sem falar nos prejuízos ambientais não computados nos custos dos empreendimentos, constituem o contexto para a pergunta central desta publicação: Os projetos do mercado de carbono estão promovendo o desenvolvimento sustentável nos territórios onde eles estão sendo implantados? Desenvolvimento sustentável implica inclusão social e promoção do desenvolvimento humano, temas centrais para o presente e o futuro do país. Como contribuição a esse debate, esta publicação, dirigida a lideranças comunitárias, técnicos de ONGs e militantes de movimentos sociais, foi dividida em quatro partes. A primeira apresenta uma breve análise sobre a experiência com o pagamento dos royalties de gás e petróleo. Estes textos, com base em análise da experiência de municípios como Coari, no Amazonas, e Campos, no Rio de Janeiro, fortalecem o argumento de que o repasse de recursos financeiros, por si só, não promove o desenvolvimento local. Na segunda parte do livro, apresentamos análises realizadas em 23 INTRODUÇÃO

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil FÓRUM REGIONAL FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO Egon Krakhecke Local: Manaus Data: 09/05/2014 Desenvolvimento Sustentável - Conceito É o Desenvolvimento

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para convivência com inclusão social e promoção do Desenvolvimento Rural.

Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para convivência com inclusão social e promoção do Desenvolvimento Rural. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Combate à Desertificação Políticas Públicas para o Uso sustentável da Caatinga: Alternativa para

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima Roberto de Aguiar Peixoto Sumário da Apresentação Contexto e Objetivos das Leis sobre Mudanças do Clima Breve Histórico: PNMC, PEMC Metas e Principais

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total

Código Especificação Fiscal Seg.Social Investimentos Total 100 Fortalecimento da Atuação Legislativa 8.475.000 8.475.000 101 Fortalecimento do Controle Externo Estadual 80.649.880 80.649.880 102 Fortalecimento do Controle Externo Municipal 3.245.000 3.245.000

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP.

DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. DIGNISSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DO MEIO AMBIENTE DA COMARCA DE LIMEIRA/SP. Inquérito Civil n 021/06 ASSOCIAÇÃO DE DEFESA E PROTEÇÃO DOS DIREITOS DO CIDADÃO ONG DEFENDE associação constituída

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa E Questão 45 alternativa D Entre os recursos naturais importantes para o fortalecimento da economia canadense no século XX temos a taiga (o Canadá encontra-se entre os maiores produtores de madeira, papel

Leia mais

Unindo forças por um mesmo objetivo

Unindo forças por um mesmo objetivo Unindo forças por um mesmo objetivo Seguindo o conceito do programa em fomentar iniciativas de coleta e reciclagem, a parceria vai ampliar a atuação do Programa de Reciclagem do Óleo de Fritura (PROL),

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais