Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira"

Transcrição

1 Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira

2 Pagamentos móveis e Inclusão Financeira 2 Quem é o GVcemf 3 Ambiente Regulatório e Experiências Internacionais Realização: Centro de Estudos em Microfinanças Lauro Emilio Gonzales Farias Adrian Kemmer Cernev Eduardo Henrique Diniz 7 9 Modelos de Negócio para Pagamentos Móveis Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 1

3 Seminário sobre Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira: nova regulamentação e novos modelos de negócio O Centro de Estudos em Microfinanças da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP / GVcemf) juntamente com o Instituto Banco Palmas realizou no dia 14 de outubro de 2013, das 8h30 às 17h00, o Seminário sobre Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira. O evento contou com cerca de 100 participantes presenciais e muitos internautas, já que também foi transmitido via web. A transmissão foi pelo site e nesse mesmo endereço é possível ter acesso aos áudios e às apresentações dos palestrantes. Quem é o GVcemf O GVcemf tem como foco de atuação a produção de pesquisas nas áreas de microfinanças e inclusão financeira. Os projetos de pesquisa se organizam sob dois temas principais: impacto e tecnologia. Devido aos resultados alcançados desde sua fundação, em 2007, o GVcemf é hoje uma referência nos estudos sobre microfinanças no Brasil, tendo participação em projetos envolvendo governo, organismos multilaterais e o setor privado. A inserção internacional tem se concretizado através de parcerias com universidades, centros de pesquisa, ONG's e fundações, o que tem propiciado maior impulso à geração e disseminação de conhecimento. Administração de Empresas), RAEeletrônica e GVexecutivo que resumiu a essência do encontro: Pretendemos discutir tanto a nova regulamentação de mercado e desses serviços de pagamentos eletrônicos, quanto ouvir todos os envolvidos. O objetivo do seminário foi promover um espaço para debate entre os diferentes atores envolvidos no ecossistema de pagamentos móveis no país, representando uma grande oportunidade para compartilhar suas perspectivas, expectativas e visões de futuro ainda durante a fase de regulamentação específica deste mercado. Foram abordados e discutidos aspectos regulatórios necessários para a emergência de modelos de negócio eficientes e sustentáveis, assim como os possíveis arranjos empresariais, as diferentes propostas de valor a clientes, os novos serviços de pagamento no contexto da mobilidade digital e ainda o potencial transformacional de tais serviços para a inclusão financeira de milhões de brasileiros. A abertura do evento foi realizada pelo prof. Eduardo Diniz, Doutor em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas, Professor da EAESP-FGV e Editor-chefe da RAE (Revista de O seminário destinou-se a profissionais atuantes no setor financeiro, em instituições de microfinanças, no setor de telecomunicações, em redes de pagamentos, em empresas de tecnologia, e também a pesquisadores e interessados em geral. Pagamentos Caderno de Inovação Móveis e - Inclusão Novembro Financeira

4 Recentemente fizemos um projeto piloto no Antes da primeira mesa, Diniz sensibilizou a próprio Banco Palma com pagamentos via plateia com uma frase emblemática e celular e recebemos o apoio do Institute For recomendou o artigo Logística da Money Technology e Financial Inclusion, da Distribuição Bancária: Tendências, Universidade da Califórnia. Estamos Oportunidades e Fatores para a Inclusão ansiosos com a nova regulação, a medida Financeira, revista RAE, volume 53. provisória 615, novos arranjos e formatos de pagamentos. Esse evento visa uma A frase é de autoria de Marcos Bader e José discussão dos novos modelos de negócio Roberto Savoia: emergentes no contexto brasileiro, além de trazer experiências da América Latina, quais serão os novos atores e novas atividades que surgirão, complementou prof. Diniz. Baseado nesse possível cenário foi montada a estrutura do evento: Ambiente Regulatório e Experiências Internacionais - Judith Mariscal Avilés (Professora do CIDE - Centro de Investigación y Docencia Económicas e Diretora do Telecom. Research Program, México) Renato Opice Blum (Advogado Especialista em Direito Eletrônico e Presidente do Conselho de Tecnologia de Informação da Fecomércio /SP) Eduardo Henrique Diniz (Professor e Pesquisador da FGV-EAESP e Diretor da RAE - Revista de Administração de Empresas da FGV) Modelos de Negócio para Pagamentos Móveis - Marcelo G. Tangioni (Vice Presidente de Produtos para Divisão Cone Sul da MASTERCARD) Adrian Kemmer Cernev (Professor da FGV-EAESP e Pesquisador do Centro de Estudos em Microfinanças) Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira - João Joaquim de Melo Neto Segundo (Coordenador Geral do Instituto Banco Palmas) Anderson Jorge Lopes Brandao (Pesquisador em Políticas Públicas e Gestão Governamental Universidade de Brasília) Diogo Jamra Tsukumo (Chefe de Gabinete da SENAES - Secretaria Nacional de Economia Solidária) Lauro Emilio Gonzalez Farias (Professor da FGV- EAESP e Coordenador do Centro de Estudos em Microfinanças) Ambiente Regulatório e Experiências Internacionais Judith Mariscal Avilés Judith Mariscal Avilés (Professora do CIDE - Centro de Investigación y Docencia Económicas e Diretora do Telecom. Research Program, México) veio palestrar sobre as experiências de pagamentos móveis na América Latina. Quero contribuir com uma perspectiva regional de pagamentos móveis, ilustrando com casos do México em política pública. É importante dizer que pagamentos móveis e inclusão financeira tem por trás o fundamento de outorgar capacidade para os mais necessitados, cria mecanismos para diminuir a desigualdade, não só para justiça social mas também para a economia funcionar, disse Judith. Visitei diversos institutos e pude perceber que o sistema informal é muito custoso, é preciso 'bancarizar' os mais pobres. A telefonia móvel se mostra eficaz, pois as Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 3

5 camadas menos favorecidas têm acesso ao questão de aumentar a confiança, para isso celular. No caso do México, 87% da precisamos que o governo ajude nessa população, mesmo as comunidades mais 'bancarização', pagando os seus distantes estão correndo atrás de empregados por intermédio de cartões, financiamento, via celular. Eles não querem sugeriu. mais esperar. No México, temos modelos aditivos, isto é, para pessoas que já têm Revelou ainda que o governo mexicano tem conta de banco e para aquelas quem não sido ativo nesse processo: criando têm, confirmou. condições regulatórias, oferecendo pagamentos via celular e sucursais não bancárias para pagamentos por transações eletrônicas. Aconteceu uma grande coordenação entre os stakeholders e quem liderou foi a Comissão Nacional Bancária, incluindo o Banco Central, Ministério da Fazenda, operadores bancários e uma agência de governo que se habilitou como Judith contou que o modelo que o México correspondente bancária. A partir de 2007, tem buscado é transformacional, voltado houve um incremento nos pagamentos para aqueles que hoje não têm acesso e, móveis. Até o ano 2000 eles eram pelos pagamentos móveis, terão acesso e praticamente inexistentes. de forma mais barata. Desde a década passada já analisamos modelos de negócio, Ao final da apresentação, mostrou um dentre eles destaco a necessidade de programa piloto que aconteceu em Guaraca, escala. Penso que se não há escala, fica um vilarejo no topo das montanhas, com inviável. Precisamos de uma grande massa poucos habitantes, que não dispunham de crítica. Temos que ter a infraestrutura móvel, serviços financeiros, nem telefonia móvel. mesmo em zonas isoladas. Somente Cuba tem menor penetração de celulares que o Nesse povoado, existia um centro México. O Brasil além de ter o maior número comunitário de telefonia, com telégrafos. O de aparelhos celulares, tem a maior contato se deu por satélites, bancos foram penetração financeira. convidados e foram testados localmente os pagamentos móveis. O governo ofereceu A outra parte destacada foi a regulação, que também um curso de capacitação para as mudou rapidamente nos últimos anos, mas transações financeiras móveis. O Governo ainda não é suficiente. África e Ásia estão está atuando como catalisador de mercado. em estágio mais adiantado que a América Latina, o destaque, nesse caso, é para o Chile. O Paraguai está à frente do México, tanto em 'bancarização' quanto em pagamentos móveis, revelou a professora. O que faz falta? A professora acredita que uma coisa atrai a outra: ou se entra num círculo vicioso ou num virtuoso. Judith trouxe exemplos de zonas rurais no México onde o público nem está 'bancarizado' e nem está familiarizado com telefonia móvel: trata-se de uma Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 4

6 Para finalizar, Judith deixou a seguinte mensagem: É preciso utilizar os programas de combate à pobreza na 'bancarização' dessa população, pois isso gera escala e se entra num círculo virtuoso. É preciso política regulatória, levar educação financeira para mostrar os benefícios dessa inclusão financeira, disse Judith. Renato informou que em São Paulo, quase metade das varas são digitais e têm a mesma validade jurídica. Estou trazendo uma breve manifestação da vontade, estamos trocando o dinheiro por ordens de transferência e pagamentos, que num primeiro momento era papel e hoje mais e mais em meios eletrônicos de forma digital. Em breve, vamos usar exclusivamente a moeda eletrônica, que passou a ser definida em lei desde o dia 10 de outubro de 2013, de número , aprovação da medida provisória número 615, avisou em primeira mão. Renato Opice Blum Renato Opice Blum, Advogado Especialista em Direito Eletrônico e Presidente do Conselho de Tecnologia de Informação da Fecomércio /SP, começou sua O advogado apresentação de acha forma inusitada e que a barreira bastante mais difícil esclarecedora, tirou a carteira do bolso e de quebrar disse: todo mundo ainda tem uma carteira, é a da percepção tecnológica, já que não? Em breve, não teremos mais. E o que considera que é mais difícil usar que aceitar temos dentro? Dinheiro... vale lembrar que a tecnologia. Trouxe dados do Brasil: hoje já quando a sociedade começou a transacionar temos 105 milhões de internautas (dos 196 economicamente, havia o escambo, milhões de habitantes). Isso quer dizer que acumulação de riquezas, ouro e depois mais da metade dos brasileiros acessa a dinheiro, só por isso surgiu a carteira... Hoje, WEB, e os brasileiros possuem mais de 260 muito do nosso dinheiro está armazenado milhões de telefones celulares. O Brasil, em plástico (nos cartões), depois o chip apesar de todas as suas dificuldades, tem dentro do dinheiro de plástico (uma mais da metade da população acessando a autorização para efeito jurídico). Eu, por internet e movimentando 24 bilhões de exemplo, tenho uma carteira da OAB para comércio eletrônico anualmente. Já temos identificação profissional e nela uma inúmeras soluções em pagamentos móveis certificação digital. O que vem a ser isso? em funcionamento, mesmo antes da Um programa digital bem pequeno dado a regulamentação, disse. uma única pessoa, que permite que o advogado faça várias coisas: entre na Teremos problemas?, perguntou Sim, receita, mande imposto, faça muitos, que gerarão consequências peticionamento, esclareceu. jurídicas. A tendência é que venha junto a Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 5

7 certificação digital, essa é a minha percepção, é a primeira vez que estou falando isso. A certificação digital nada mais é que manifestar sua vontade de forma segura, dos pontos de vista técnico e jurídico. O SPB (Sistema de Pagamento Brasileiro) roda e funciona em cima de certificação digital, são trilhões de reais por dia. Proporcionalmente é bem mais seguro. Em novembro desse ano, deve explodir por conta da nova lei. Segurança nos celulares O advogado advertiu que todos os celulares devem ser protegidos por senhas e muitos já estão utilizando a tecnologia do finger print. Disse também que existe uma legislação que prevê crime por invasão de dispositivos informáticos, a chamada lei Carolina Dieckman: Ressalto que é uma lei cheia de buracos porque depende de prova técnica, a pena é baixa, a chance de condenar alguém é mínima. Gosto de usar a seguinte frase: os filhos da treva são sempre mais rápidos que os filhos da luz, por isso, vale mais a precaução, advertiu. Teremos problemas, mas eles serão administráveis, diz Renato Para ilustrar a invasão tecnológica, trouxe um slide bastante significativo que retrata as posses dos Papas Bento XVI e Francisco. Oito anos separaram essa transição, mas a quantidade de celulares na posse do Papa Francisco é impressionante. Esses aparelhos captam e retransmitem imagens rapidamente. Imagina isso em 2016? Não temos muita certeza, mas tudo indica que esse mercado estará muito movimentado, incluindo os aplicativos, que hoje já trazem a opção de pagar com cartão de crédito, outros já nem precisam do cartão, devido a um pré-cadastro. A frase acima, dita por Renato, revela o que acredita o advogado mesmo quando fazemos as mesmas coisas só que de maneiras diferentes, a nossa percepção se altera em relação a segurança, potencial de alcance, e isso tudo é motivo de análises e preocupações. Temos que considerar também que é costume do brasileiro agir 'de sopetão', sem planejamento, sem tentar antecipar problemas. Mas temos que lembrar que dentro desses cartões ou celulares existe dinheiro e assim como nos adaptamos à automação, aos caixas eletrônicos, agora é a vez dos dispositivos móveis. Teremos problemas, sim, e teremos que administrá-los, finalizou. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 6

8 Modelos de Negócio para Estamos diante de uma oportunidade muito grande de avançar e tornar uma sociedade Pagamentos Móveis mais eficiente e segura. A África lidera com 80% da população adulta, não tendo Marcelo G. Tangioni acesso, na China 900 milhões não têm Quem abriu o segundo acesso à conta bancaria e são mais de 250 bloco de palestras foi milhões no leste asiático. No Brasil, estima- Marcelo G. Tangioni, se 40% da nossa população não seja Vice Presidente de bancarizada. Estudos mais profundos Produtos para Divisão mostram que boa parcela dessa população Cone Sul da Mastercard. um dia já foi bancarizada. Os motivos são Ele contou que a vários: relação não positiva, falta de Mastercard vem educação financeira, dificuldades no investindo nesse atendimento. Temos que tirar dai modelo de pagamento aprendizados, disse. há pelo menos 3 anos. O modelo, apesar de ser incipiente, tem um Marcelo comentou que o potencial de futuro importante, mas é preciso consumo desses 40% da população não determinação, foco e tentativa e erro. Não bancarizada chega a ser o PIB da Colômbia. existem grandes casos de sucesso que Temos mais aparelhos telefônicos que possam se tornar escaláveis e geram população, atualmente são 264 milhões modelos de impacto na economia. No deles, na grande maioria pré- pagos. Temos mundo não passam de 10, de acordo com que pensar em formas de educar pesquisas que realizamos, informou. financeiramente esse consumidor. Quando Os modelos de pagamentos móveis podem falamos dos consumidores C e D, que a ser divididos em dois blocos: pouco tempo participavam de um classe inferior, 50% recebem salário em dinheiro e Bancarizados normalmente possuem 89% realizam pagamentos de contas em cartões de débito e/ou de crédito. Realizam lotéricas, não tem opção de pagamento pagamento de contas, recarga P2P, P2M, remoto e a grande maioria paga em NFC, carteiras digitais, dentre outros. dinheiro. Recebe e paga em dinheiro. Não bancarizados para esse público predomina o modelo pré-pago, basicamente SMS. Esse modelo preza pela inclusão, segurança e conveniência. Utilizam para recarga, pagamento de contas, P2P e P2M.Vale lembrar que 2,5 bilhões de pessoas no mundo não são bancarizadas e 85% das transações são feitas em dinheiro. Isso muda de mercado para mercado. Na América Latina, por exemplo, 250 milhões de adultos (cerca de 65%da população) não são bancarizados. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 7

9 Como a gente acelera? Foi a pergunta de Marcelo. Ele pensa que a melhor maneira seria garantir a entrada (programas sociais, transferências, salários) já em pagamentos móveis. Vamos usar como exemplo o salário, que representa 60% de entrada de capital. Poderíamos realizar uma aproximação com as empresas para que paguem de forma eletrônica, isso pode acontecer também para os programas sociais. Temos que fazer um esforço logo na entrada e garantir uma rede de estabelecimentos que aceite esse tipo de pagamento. Do ponto de vista de segmentação, sugiro as áreas de alimentação, moradia e transporte, além de garantir cobertura do ponto de vista geográfico, defendeu o vice-presidente da Mastercard. Marcelo citou como exemplo o Programa Zuum (está em 6 cidades), realizado em parceria com a Vivo e com a Caixa. Apesar de ser incipiente,a Mastercard parece acreditar muito nisso. Para um sistema como esse ficar de pé, precisa de um ecossistema eficiente, não adianta só emitir cartão, ter rede de distribuição, redes de recarga. Outro ponto interessante é como o cartão agrega valor ao usuário. O cartão facilita as relações para sacar dinheiro e até para pagamentos. Compras entre 2 celulares não é grande. É mais simples ir num estabelecimento que aceite cartão do que a transação entre dois celulares, disse. A Mastercard possui ainda programas no México, Peru, Itália, Egito e Turquia todos com foco em inclusão financeira. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 8

10 Brasil Futuro Promissor Após 3 anos de experiência: - O Ecossistema brasileiro vem evoluindo de forma concreta, mas ainda está no começo; - Regulamentação está próxima de ser definida; - A Tecnologia está disponível. Apesar de ser um ponto crítico, sozinha não vai a lugar algum; - Sistemas Financeiros e de Telecomunicações sólidos; - Alta penetração de celulares, e na maioria Pré-pagos; - Oportunidade relevante para todos os participantes da cadeia de valor; - Pagamentos móveis são uma poderosa ferramenta da inclusão; - Processo é evolucionário, não revolucionário; - Comece pelo consumidor: Necessidades, segmentação, educação e usabilidade; - Construa o ecossistema de forma cooperada e garanta alinhamento de visão. Papel do Governo é fundamental; - Coalisão das indústrias: expertise complementares; definição de papeis; modelo de negócios sustentável; - Interoperabilidade, standarização e convergência para garantir escala e massa crítica. Para concluir, Marcelo defendeu que os pagamentos móveis representam uma ferramenta poderosa de inclusão financeira. A maturidade do sistema de pagamentos vai depender, principalmente, de uma participação mais ativa do governo. Mais uma vez eu digo, é um processo evolucionário não revolucionário. Não se trata de um Sprint de 110 m, vai requerer paciência, foco no cliente, experiência do consumidor, usabilidade, construção cooperada do ecossistema e participação do governo e interoperabilidade, finalizou. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira Adrian Kemmer Cernev Adrian Kemmer Cernev, Professor da FGV-EAESP e Pesquisador do Centro de Estudos em Microfinanças, assumiu a palavra como palestrante e, em primeiro lugar, tratou de agradecer ao Banco Palmas, aos patrocinadores, que possibilitaram o evento ser gratuito, como o Pay Pal, Institute for Money Technology & Financial Inclusion, Universidade da Califórnia e Câmara Interbancária de Pagamentos. Além dos nossos apoiadores FGV On Line, Mobile Monday e CorpBusiness. Onde estamos? Adrian entende que o Brasil deixou o estágio de operações isoladas, onde uma empresa faz todos os papeis e está numa fase de alianças estratégicas, num modelo de parcerias entre empresas (banco com operadoras). O terceiro estágio será o da interoperabilidade entre técnica e modelo de negócio. Estamos talvez migrando para a terceira fase, hoje são muitos os projetos oferecidos em parcerias, disse. E foi além: Só faz sentido oferecer em parceria se houver interoperabilidade. Ninguém pergunta se o banco atende uma TED, se está regulada, assim deve ser com os pagamentos móveis, um sistema com multi agentes inter-relacionados. O Banco Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 9

11 Central deve pensar cuidadosamente nessa Central. O papel do BC deve ser o de criar regulamentação Esse é um momento de meios para integrar e tornar mais eficiente o grandes expectativa para o ano que vem. modelo, sem abrir mão do controle. Não cabe ao BC criar o ecossistema, e sim, dar Panorama Atual respaldo legal. Fica a pergunta: qual modelo de negócio as empresas vão apresentar - Novos modelos de negócio em parceria; daqui para frente?, indagou. - Aprovação da Medida Provisória 615 em 2. Permite transações mas veda crédito 09/setembro/2013 e Lei em 10 de outubro (atividade 100% lastreada) de 2013, de número ; 3. Incentiva integração com atual Sistema - Detalhamento pelo BACEN da Financeiro regulamentação administrativa no início de novembro/2013, no Fórum Banco Central Dados de mercado de Inclusão Financeira; Bancário/Financeiro O que esperar da regulamentação e deste mercado a partir de 2013/2014? Regulamentação População economicamente ativa (PEA) de cerca de 110 milhões de brasileiros; Aproximadamente 55 milhões de contas correntes ativas e em uso (50%); Lucro no trimestre da ordem de R$ 17 bilhões; Toda e cada operação deve ser rentável. Setor de Telecomunicações Mais de 270 milhões de linhas celulares ativas (sendo 80% pré-pago); Market share dividido entre 4 grandes operadoras; a menor delas já tem mais clientes que o total de bancarizados; A operação global deve ser rentável (vide 3G e 4G); Do ponto de vista dos usuários, coexistência de dois cenários para dois públicos distintos: Inclusão Fomentada e Adição Incentivada. Perspectiva dos reguladores de mercado: - Regulação e controle Adrian fez o seguinte questionamento: Será - Eficiência que precisamos de dois grandes serviços ou da mesma plataforma adequada a cada Abertura do mercado de pagamentos: público? Vale lembrar que duas plataformas 1. Emergência de um novo player, o PSP têm custo dobrado, penso que desde o (payment service provider, no Brasil início seja inclusivo. Para 2014, devemos chamada instituição de pagamento) favorecer parcerias e modelos O Banco Central tem que gerir isso, interoperáveis. A maturidade do Brasil virá entender qual o papel dessa instituição quando pararmos de falar no Quênia. nesse ecossistema. Num primeiro momento, Apesar de ser extremamente válido e esse novo player não poderá oferecer inspirador, não temos com eles nenhum crédito, no caso, deverá buscar uma ponto de similaridade, o que impede que instituição formal para parceria com o Banco seja replicado. Os 12 milhões do Quênia Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 10

12 representam os 14 milhões que recebem o Pagamento via celular: Bolsa Família, que alcança 60 milhões de Ajuda no desenvolvimento de todo mundo brasileiros. Uma estratégia muito eficiente que tem celular, para acessar internet, será o pagamento desse benefício pelo jogos, SMS, facebook, as pessoas não celular, dessa forma nos tornaremos o maior precisam mais ir até o banco, ao invés de país em pagamento móvel do mundo. andar com cartões, andam só com o celular, Lembrando que a inclusão financeira gera se tiver facilidades pega fácil, grande milhões de oportunidades. avanço econômico, permite diversidade e inovação. Adrian fez questão de fechar sua apresentação homenageando Massioku Anderson Jorge Fujimoru: Pioneiro dos pagamentos móveis Lopes Brandão que nos deixou esse ano muito O pesquisador em precocemente. Foi ele quem levantou a Políticas Públicas e bandeira dos pagamentos móveis quando Gestão Governamental as pessoas ainda estavam aprendendo a da Universidade de usar o celular direito. Fica aqui o nosso Brasília, Anderson agradecimento à pessoa que ele foi e as Jorge Lopes Brandão, parcerias que realizou no mercado. Na falou sobre sequência convidou Fernando Pantaleão, Pagamentos Móveis e presidente do Pay Pal para compor a mesa. Inclusão Financeira sob um foco diferente do que vinha sido tratado até então: destacou a participação O prof. pediu licença para apresentar um do governo nessa agenda. vídeo de 10 minutos mostrando a opinião dos gestores de bancos comunitários a Iniciou trazendo uma definição sobre respeito da ideia de uma moeda digital via Inclusão Financeira: celular, esse vídeo revela a opinião de gestores de bancos comunitários a respeito Inclusão financeira é o processo de efetivo dessa ideias. acesso e uso pela população de serviços financeiros adequados às suas Pontos positivos: necessidades, contribuindo com sua Pelos depoimentos, apareceram algumas qualidade de vida (BCB, 2011). Essa é a desconfianças: De onde vem esse dinheiro? definição oficial que o Brasil adota, via BCB, Para que inventar outro dinheiro? Os grandes empreendedores já aceitaram a moeda. Toda a comunidade está aceitando a O dado interessante levantado é que as moeda. Moeda é garantida, tem fundos, famílias brasileiras possuem renda pequena, isenta de taxas, não há dificuldade. Os irregular e imprevisível e que se contassem próprios comerciantes estão tentando com um serviço financeiro adequado educar as pessoas sobre a moeda. poderiam ter um fluxo de caixa mais equilibrado e alongar o horizonte temporal Pontos a considerar: de planejamento financeiro. O material das moedas é frágil, desconfiança por ser um cartão pequeno e Ao contrário do que as pessoas pensam as frágil. famílias pobres poupam, tomam empréstimos e não só para o dia a dia. Eles Fazer entender que quando o pagamento é improvisam seguros, por meio de serviços feito em moeda social o dinheiro fica na financeiros informais como uma estratégia comunidade o que promove o de sobrevivência e reprodução do modo de desenvolvimento local. vida familiar. Portanto, se tivesse serviços Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 11

13 financeiros formais poderiam ser mais baratos e com maior proteção ao consumidor, defendeu Anderson. Essa desigualdade na distribuição dos serviços financeiros pode deixar os mais pobres em desvantagem. Considerando essa hipótese, as economias monetizadas demandam que serviços financeiros básicos possam ser distribuídos e acessados com facilidade, comodidade e conveniência para o cidadão de baixa renda. Devendo ser entendidos, inclusive, como bens públicos por ampliarem a noção de equidade: A falta de inclusão financeira limitaria a atuação do Banco Central - a alocação de serviços financeiros a mais segmentos populacionais amplia o escopo das decisões da autoridade monetária, alcançando mais pessoas e viabilizando uma política monetária de maior abrangência; Inclusão financeira poderia ter impacto no crescimento econômico e na desigualdade de renda. É um assunto polêmico, dentro da economia algumas correntes acreditam que sim, outras não. O fato é que nenhum país considerado desenvolvido apresenta baixa inclusão financeira, defendeu. Outro fator trazido por Brandão foi o da escassez de serviços financeiros para alcançar os pobres. Governos deveriam promover a inovação no desenvolvimento de serviços financeiros para o público de baixa renda, o Banco Central sempre toca nessa questão de inovação como forma de aumentar a eficiência do sistema financeiro nacional como um todo. É possível buscar serviços financeiros adequados a cada perfil de renda da população; Além disso, defendeu que os pagamentos sociais devem ser transferidos por intermédio do sistema financeiro. Isso traz mais segurança, barateia o serviço. O Bolsa Família nasce com a rede municipal. Países como o México que não tiveram essa sorte, podem beneficiar setores com interesses próprios recorrendo muitas vezes a mecanismos não eletrônicos de pagamento, frequentemente providenciados por repartições públicas. Nesse sentido, a efetividade e o custo para realizar transferências monetárias nas políticas sociais depende do nível de desenvolvimento do sistema financeiro em cada país. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 12

14 Algumas das principais iniciativas têm sido: AVALIAÇÃO: Característica da agenda Ações do governo focadas em serviços reflexões para debate financeiros: Contas correntes (BCB): Formulação: Contas Correntes: Diagnóstico e discurso político promove» Contas simplificadas pouco uma ação coletiva do mercado e inclusão bancária do MDS da sociedade; para o Bolsa Família; Implementação:» Contas bancárias Preponderância regulatória implica Padronização de normas e restrições programáticas, conflito de tarifas. objetivos entre estabilidade/inclusão e dependência de instrumentos de Cartões (BCB): Padronização de regulação. normas e tarifas; Parcerias ampliam a possibilidade de Microcrédito (MF/MTE): Lei do implementação, mas tem requerido Microcrédito Programa Crescer; aprendizado dos órgãos regulatórios na Microsseguros (Susep) formulação e implementação conjunta regulamentação do microsseguro; (exposição/autonomia e conflitos de Pagamentos móveis (BCB/Mcom): objetivos). Proposta do MDS e experiências do mercado Seria a inclusão financeira uma agenda de Legislação de arranjos de expansão financeira?, questionou Brandão. pagamento. Pesquisa, estudos e relatórios: Diogo Jamra Tsukumo Pesquisa SIPS do Ipea; Diogo Jamra Tsukumo, Pesquisa de Inclusão Financeira do veio apresentar como a MDS; Secretaria Nacional de Relatórios de Inclusão Financeira do Economia Solidária BCB ( ); enxerga o tema da Projetos-piloto do mercado. Inclusão Financeira e Educação Financeira (Coremec/CVM): aproveitou a deixa de Estratégia Nacional de Educação Anderson Brandão: Financeira Planos de ação para seria uma expansão educação financeira nas escolas e para ou inclusão financeira?, públicos específicos; questionou. Proteção do Consumidor (MJ/BCB): Parceria do BCB com Secretaria de Diogo comentou que numa Economia Proteção do consumidor Reformulação Solidária toda forma de organização do de tarifas; trabalho, organização da produção dos Estruturação da Agenda (BCB): trabalhadores é para a geração de bens, Parceria Nacional pela Inclusão serviços, mercadorias. É pautada pela Financeira. autogestão, solidariedade e democracia. No centro da produção está o ser humano e não o capital ou a produção da mercadoria, disse. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 13

15 Existem duas formas consolidadas no Apresentou alguns exemplos: mundo: - PNI e PAA agricultura familiar - o Estado - trabalho assalariado consolidou-se após comprará esses produtos para distribuir a Revolução Industrial e se expandiu pelo dentro da sua rede. A merenda escolar será mundo, num esquema de subordinação preparada com produtos vindos da patrão/empregado; agricultura familiar. Buscamos a soberania - forma autônoma de produção: alimentar nas nossas escolas e evitar empreendedores, por si só, gerando produtos industrializados que acarretem oportunidades de trabalho; problemas de saúde, defendeu. Outro eixo importante da Economia Solidária é a assessoria. É muito difícil esses grupos viabilizarem os projetos sozinhos, pretendemos oferecer serviços de contabilidade, gestão, tributação e plano de negócios, disse. Finanças solidárias ações integradas para construir arranjos territoriais, além de fomentar a construção de empreendimentos, as redes para melhores estratégias de comercializações, cito como exemplo dos catadores em rede, disse. Cooperativa Catadores de lixo: Diogo continuou: para nós uma verdadeira inclusão financeira demanda democratização para a entrada de novos players no mercado, advindos de setores que foram excluídos: trabalhadores de periferia, bancos comunitários. Precisamos que eles sejam protagonistas e gestores dos seus recursos. A partir da entrada no sistema, poderão se organizar econômica e financeiramente as comunidades, que assumirão a gestão. Isso sim seria uma participação democrática no sistema financeiro, construindo políticas públicas que emancipe pessoas e estas se apropriem de ferramentas, defendeu. A economia solidária visa trabalhar em todo o processo de organização produtiva e processos sociais e tem a formação como eixo central de sua política. Diogo explicou que é preciso colocar os produtos no mercado e está buscando estratégias. Em 2014, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, decretou o fechamento de lixões, tendo como um dos pressupostos a inclusão social de catadores de materiais recicláveis. Grandes geradores de lixo devem pagar pelo serviço de catagem. Hoje, o lixo tem valor e há uma disputa enorme para ver quem é o dono dele. As prefeituras deverão receber pelo serviço de catação, informou. Diogo pensa que os catadores devem se organizar em redes e assim ficarem mais fortes: caso consigam se organizar, o ideal Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 14

16 será juntar as toneladas de lixo em galpões, para comercializar em escala e obter melhores resultados. Uma informação importante, trazida por Diogo é que eles não conseguem entender qual a parte que lhes cabe do material: eles precisam passar por uma forte educação financeira, entender que o dinheiro não virá aos picados e sim depois da melhor negociação e da maior quantidade recolhida, alertou. O secretário diz estimular os bancos comunitários: fomentamos a criação de bancos comunitários, valorizamos a moeda social, que é uma espécie de proteção de mercado aos produtos desses serviços comunitários. Usar a moeda estimula a compra e produção no território o ciclo fica mais fechado. Diogo acredita que essa é a grande oportunidade do Banco Central para regulamentar parte do sistema financeiro, definindo papeis e colocando regras: essa é uma oportunidade, caso consigamos priorizar setores que foram excluídos e adicionar novos elementos, reforçou. Diogo afirmou que o processo de inclusão financeira tem dois caminhos: ou ser só uma mera expansão novos consumidores ou favorecer a introdução de novos atores. Esse é o debate no qual estamos trabalhando, o de como podemos incidir dentro da regulamentação e facilitar novos players, disse. Para finalizar, Diogo deixou alguns importantes questionamentos: Onde circula a moeda social? Sabemos por onde ela passa? É possível mapear? Ter esse controle? A posse dessas informações é rica e de grande valia. Nessa regulamentação, como será feito o acesso a informação desses pagamentos virtuais, desses fluxos? Quem vai manipular? Será transparente? Qual o perfil desses novos atores? João Joaquim de Melo Neto Segundo João Joaquim de Melo Neto Segundo, Coordenador Geral do Instituto Banco Palmas entrou na sequência para contar a trajetória e ações do Banco Palma, de forma bastante bem humorada, mas fortemente ligada ao dia a dia de comunidades muito carentes do país. Em primeiro lugar quero parabenizar a FGV, uma academia de excelência, por essa iniciativa e por compartilhar, junto com o Banco Palmas, a organização de um evento com esse tema, disse. Lamentou a ausência do Banco Central, que se justificou dizendo estar muito envolvido na regulamentação do setor, mas aproveitou para fazer sua consideração: já que estamos em fase de regulamentação, penso que seria o momento mais adequado para o debate, para ouvir as partes. Foi além: Quero dizer que inicio a minha fala como morador de comunidade e digo: não queremos ser meros usuários, queremos novas ecologiads que envolvam mais pobres. Joaquim acredita que novas tecnologias devem ser instrumentos para diminuir a desigualdade, para gerar trabalhos, renda e empregos na base da pirâmide social. Queremos produzir tecnologia e sermos proprietários desses novos sistemas, e penso que o governo deve cuidar de regulamentar muito bem isso. Para ele, a mão do governo é fundamental para que as novas tecnologias, que são produzidas por novas empresas nascidas na comunidade, não passem para as mãos de poucos e poderosos. Informou que no interior do Ceará, 80% das pessoas não tem conta em banco, isso considerando que Fortaleza é a quinta capital do país. Joaquim ressaltou que a questão vai além da inclusão: eu não Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 15

17 acredito em inclusão, afinal se em 200 anos, isso não aconteceu, não será agora. A questão não é incluir, e sim, permitir a participação dos mais pobres na construção de um novo arranjo, para que eles sejam serem donos da tecnologia que vierem a produzir e não meros consumidores, enfatizou. citar o Quênia. Vou além, temos que parar de imitar os EUA, e falar como os americanos. Nem eu, nem o povão, entendemos 7 de 10 palavras que utilizam jargões americanos. Por exemplo, a iniciativa recente da Mastercard não foi adiante porque o povo sequer entendeu o nome Mobile, revelou Joaquim. O empresário trouxe exemplos de alguns Há um Brasil lá fora que vocês não municípios do Brasil, como Alcântara-Ma / imaginam, que não sente, não percebe, não Comunidade Quilombola; São João do imagina como nós. É um estado de muita Arraial-Pi / Região das Quebradeiras de pobreza, é preciso até adequar a linguagem, Côco; Santana do Acarau-Ce / Sertão afinal se eles não entenderem, não vão Nordestino Assentamento Santa Luzia; aceitar as novidades. Mesmo acostumados Itarema-Ce /Povoado de Almofala com celulares, se não entenderem, não vão Comunidades dos Índios Tremembés; aceitar, repetiu Joaquim. Irauçuba-Ce / Distrito do Juá-Semi-árido brasileiro; Baia do Sol Ilha do Mosqueiro- Qual o grande problema dos Bancos Pará; Mutirão da Comunidade Inácio Comunitários para assegurar a Inclusão Monteiro Zona Leste (periferia) de São Financeira e Bancária? Paulo Joaquim explica: Os Bancos Comunitários O que estes territórios têm em comum? dependem dos bancos comercias. E essa é nossa armadilha. Fazem-se necessárias Perguntou o empresário e logo respondeu: novas tecnologias de inclusão financeira e Estavam completamente excluídos do bancária que não passem pelos bancos sistema financeiro e bancário. Quando comerciais, disse. muito, contavam um correspondente. Hoje contam com bancos comunitários, sistemas Quais os grandes dois desafios para as locais, trabalham com vários serviços novas plataformas: financeiros e bancários, como moeda social, crédito social, correspondência bancária, 1- Desenvolver um amplo programa de micro seguro, crédito social, crédito para o Educação Financeira para essas novas consumo. Partimos do princípio que não tecnologias. Ensinar a usar e gostar das tem bairro pobre, a comunidade se torna novas tecnologias. Atualmente, os mais pobre porque o dinheiro sai da comunidade, pobres gostam do guichê. Para eles tudo é comprado fora. A intenção do banco representa uma linha direta. As pessoas não comunitário é criar um sistema local de sabem usar o celular não entendem como produção e consumo. A minha roupa, por funciona, como paga, onde fica armazenado exemplo, é da Palma Fashion. Queremos o dinheiro, o que é transferência bancária. produzir e consumir localmente. Os bancos, Apesar de sabermos que as tecnologias estrategicamente, estão localizados dentro vieram para ficar, é preciso investir em de uma associação de moradores ou programas e educação financeira para entidades civis, justamente para isso. incluir todos Hoje o Banco Palmas conta com 103 bancos comunitários. Temos capilaridade em cantos do Brasil que jamais uma agência bancária irá. Concordo com o que disseram, temos que parar de 2- Utilizar as novas tecnologias para promover negócios inclusivos e reduzir as desigualdades. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 16

18 Atividades do Banco Palma Educação Financeira - Capacitar jovens e criar aplicativos para o desenvolvimento da economia local; Laboratório e Incubadora de Inovação e Pesquisas em Economia Solidária - PALMASLAB - Lá são criados vários aplicativos, gerenciamento de projetos, pesquisas: as grandes empresas podem se juntar com a comunidade numa parceria ganha-ganha, gerando renda e combatendo a desigualdade, disse. Joaquim finalizou a apresentação com uma homenagem a sua esposa, Sandra Magalhães, co-fundadora e coordenadora de projetos do Banco Palmas até maio de Em junho, Sandra faleceu em decorrência de um câncer de mama. Pagamentos Móveis e Inclusão Financeira 17

19

Inclusão Financeira no Brasil

Inclusão Financeira no Brasil São Paulo 18 de agosto de 2014 2 Inclusão Financeira no Brasil Parceria Nacional para Inclusão Financeira Elvira Cruvinel Ferreira Departamento de Educação Financeira Missão do BCB Assegurar a estabilidade

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Inovação em serviços financeiros para população de baixa renda

Inovação em serviços financeiros para população de baixa renda Inovação em serviços financeiros para população de baixa renda Contexto da Inovação Dimensões da inovação em serviços financeiros: Tecnologia Mercado Regulação Dimensões possuem diferentes características:

Leia mais

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014

Educação Financeira e Inclusão Financeira.. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Educação Financeira e Inclusão Financeira. Departamento de Educação Financeira Novembro de 2014 Agenda Planejamento estratégico do BCB Inclusão Financeira & PNIF Educação Financeira & ENEF iniciativas

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL

ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL ENTREVISTA COM ADMILSON MONTEIRO GARCIA, DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO DO BRASIL Por Cláudio Fristchak e André Soares QUEM É O BANCO DO BRASIL O Banco do Brasil foi o primeiro banco a operar no Brasil e,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS

Fórum Banco Central de Inclusão Financeira. Painel MDS Fórum Banco Central de Inclusão Financeira Painel MDS Brasília, 18/nov/2010 Sumário Breve descrição do PBF; Razões para inclusão financeira; Marco legal da inclusão financeira; Atual agenda de inclusão

Leia mais

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social

Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária: bancos públicos efetivam seu papel social Inclusão bancária Acesso a produtos e serviços bancários a cidadãos de baixa renda; Serviços bancários + preocupação social. Ações para inclusão

Leia mais

Correspondente Bancário: A Expansão do Acesso aos Serviços Financeiros e de Pagamento

Correspondente Bancário: A Expansão do Acesso aos Serviços Financeiros e de Pagamento Correspondente Bancário: A Expansão do Acesso aos Serviços Financeiros e de Pagamento 1 14/março/2014 Agenda Apresentação da MFS Zuum Vivo MasterCard Mercado Alvo Funcionalidades Estratégia de Distribuição

Leia mais

Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil. FELABAN, julho de 2011

Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil. FELABAN, julho de 2011 Bancarização e Inclusão Financeira no Brasil FELABAN, julho de 2011 Agenda Panorama da economia brasileira : 2006 a 2010 Questões fundamentais Definindo conceitos Indicadores de bancarização : 2006 a 2010

Leia mais

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Todos os benefícios sociais numa só conta OGoverno Federal lançou o Cartão do Cidadão, em junho de 2002, um cartão amarelo, de plástico e magnético, como os usados

Leia mais

Desafios globais para alavancar inclusão financeira via pagamentos G2P. Outubro 2012

Desafios globais para alavancar inclusão financeira via pagamentos G2P. Outubro 2012 Desafios globais para alavancar inclusão financeira via pagamentos G2P Outubro 2012 O que temos feito globalmente? Buscamos oportunidades para alavancar programas de pagamentos governo-para-pessoas ou

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br

A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING. Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br A REVOLUÇÃO DOS CANAIS DE ENTREGA: POSSIBILIDADES E PERSPECTIVAS DO M-BANKING Mauricio Ghetler - 20/10/2004 ghetler@uol.com.br Agenda As Primeiras iniciativas de M-Banking Os grandes inimigos do M-Banking

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco.

Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco. Este documento foi classificado pelo Bradesco Dia & Noite e o acesso está autorizado, exclusivamente, a colaboradores da Organização Bradesco. Fatores que contribuem para conectar os Clientes na Era Digital

Leia mais

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios

Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios 17 de agosto de 2011 São Paulo - SP Curso de aperfeiçoamento 'Atualização do Sistema Financeiro: temas do mercado financeiro e do mercado de capitais Inclusão bancária: desafios Banco Central Missão Assegurar

Leia mais

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA

DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA DICAS PARA PAGAMENTO MÓVEL NA 7SUA EMPRESA ÍNDICE INTRODUÇÃO O QUE É PAGAMENTO MÓVEL CONCLUSÃO PG. 3 PG. 4 PG. 6 PG. 17 INTRODUÇÃO Os meios de pagamento eletrônico estão cada vez mais fortes no Brasil.

Leia mais

FINANÇAS E COOPERATIVISMO

FINANÇAS E COOPERATIVISMO O CARREGA NA ESSÊNCIA OS VALORES DA HUMANIDADE Cooperativismo é a união voluntária de pessoas com o objetivo de atender necessidades e aspirações comuns, de natureza econômica, social, cultural ou outras.

Leia mais

Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados.

Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio. Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. Mercado mobile, setor bancário e oportunidades de negócio Copyright 1997-2013 MJV Tecnologia & Inovação. Todos os direitos reservados. 1 Este artigo é baseado em estatísticas recentes e discute, brevemente,

Leia mais

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford

Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente. Caitlin Sanford Mensurar a inclusão financeira Uma abordagem focada no cliente Caitlin Sanford 2 O caminho em direção a uma mensuração da inclusão financeira Mensurar a EXISTÊNCIA dos serviços financeiros em um país (

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LA RED MEDAMERICA EXPERIENCIAS DE DESARROLLO REGIONAL Y LOCAL EN EUROPA Y AMERICA LATINA TALLER I: ERRADICACIÓN DE LA POBREZA Y DESARROLLO: UN NUEVO PARADIGMA DEL DESARROLLO

Leia mais

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014

* Dados referentes ao PIB estimado para o ano de 2014 A Cielo é uma credenciadora de pagamentos eletrônicos. Talvez você a conheça pelas suas máquinas de cartão, presentes no comércio de Norte a Sul do Brasil. Essa é mesmo a função primordial da companhia:

Leia mais

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID)

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID) Introdução Em três de março, na ONG Ação Educativa, o Centro Cultural da Espanha, em parceria com a Rede Kultafro, realizou o quarto AFROLAB, workshop livre que visa orientar formas de tornar um empreendimento

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Agenda Evolução digital Construindo um banco digital Evolução digital 90% dos dados de hoje foram criados apenas nos dois últimos anos 10% de todas as fotos do

Leia mais

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira CORRESPONDENTES Uma Inovação Brasileira JUNHO - 2007 Brasil Desafio das dimensões continentais ÁREA Brasil Desafio das dimensões continentais DENSIDADE DEMOGRÁFICA Brasil Desafio das dimensões continentais

Leia mais

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO

CRÉDITO FOMENTO CRESCIMENTO INTRODUÇÃO OBJETIVO PRINCIPAL. Oferecer microcrédito para população de baixa renda, atendendo pessoas que não tem perspectivas e nenhum crédito nas instituições financeiras tradicionais. Acreditamos que,

Leia mais

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão

M-Payment. Prof. Adriano Maranhão M-Payment Prof. Adriano Maranhão 1 Sumário M-Payment Pontos Positivos e Negativos do M-Payment M-Wallet (Conceito) O perfil dos usuários do M-Wallet M-Wallet (Serviços) Principais formas de comunicação

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular

Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular O FreeTrack é um sistema inovador de Rastreamento e Monitoramento de Frotas, carros, caminhões e motocicletas onde sua criação propõem uma solução econômica,

Leia mais

Valor Inovação Gestão de Negócios

Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Gestão de Negócios Valor Inovação Definição de Negócios Assessorar o empresariado brasileiro para o desenvolvimento dos setores comercial, industrial e de serviços. Ser um agente eficiente

Leia mais

Aplicativos transformam esquema informal de caronas em negócio

Aplicativos transformam esquema informal de caronas em negócio Fonte: Dr. Fernando Villela Seção: Negócios Versão: Impressa e online Data: 22/03 Aplicativos transformam esquema informal de caronas em negócio 22/03/2015-01h29 FILIPE OLIVEIRA DE SÃO PAULO Novas empresas

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo;

A costa da África pode ser um foco da indústria no futuro próximo; Fleury Pissaia * Entre 2011 e 2015, investimento previsto no setor industrial é de R$ 600 bilhões. Desse montante, indústria do petróleo representa 62%. No mesmo período, R$ 750 bilhões serão alocados

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Equipe FAZ CRESCER. Em caso de dúvidas, sugestões ou reclamações, atendemos você pelo 0800 774 8080 ou via e-mail: atendimento@fazcrescer.com.

Equipe FAZ CRESCER. Em caso de dúvidas, sugestões ou reclamações, atendemos você pelo 0800 774 8080 ou via e-mail: atendimento@fazcrescer.com. Obrigado por escolher a maquininha FAZ CRESCER. A partir de agora você pode realizar suas vendas via cartão de crédito e débito de forma simples e segura. Com a maquininha FAZ CRESCER você pode fazer suas

Leia mais

Nori Lermen Quer Revolução no ATM

Nori Lermen Quer Revolução no ATM Nori Lermen Quer Revolução no ATM Em entrevista exclusiva à Relatório Bancário, o novo presidente da ATP, Nori Lermen, revelou as intenções da empresa brasiliense em ir além do fornecimento de serviços

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT

Negócios sociais. Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** MORCONSULT Morconsult. Formatação & desenvolvimento de negócios. Negócios sociais Empreendedorismo Fomento mercantil & Microfinanças. 2013. **************************************************** Exposição de motivos

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF

PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF INCLUSÃO BANCÁRIA 2 PROJETO DE INCLUSÃO BANCÁRIA DOS BENEFICIÁRIOS DO PBF CONCEITO A inclusão bancária é a ação conjunta do MDS e da CAIXA para incentivar a inserção dos beneficiários do Programa Bolsa

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista

1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista 1º Seminário de Educação Empreendedora, Financeira e Cooperativista Educação como Estratégia de Inclusão Financeira Luiz Edson Feltrim Diretor Prêmio Country Awards 2014 (CYFI) ONU Reconhecimento ao Brasil

Leia mais

IVANI BENAZZI DE ANDRADE. Gerente Departamental de Relações com o Mercado

IVANI BENAZZI DE ANDRADE. Gerente Departamental de Relações com o Mercado Apimec Bradesco IVANI BENAZZI DE ANDRADE Gerente Departamental de Relações com o Mercado Estratégia de Sustentabilidade Para um maior alinhamento com o mercado e para facilitar a compreensão do tema, as

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

Conectando seu negócio aos seus objetivos

Conectando seu negócio aos seus objetivos Conectando seu negócio aos seus objetivos CONSTRUINDO UMA HISTÓRIA DE SUCESSO 2001 2005 2008 2010 2011 2012 2013 Líder em seguro de celular no mercado de Telecom Investimento e desenvolvimento do sistema

Leia mais

Intercâmbio de experiencias sob instrumentos de aplicação financeira para populações de baixa renda

Intercâmbio de experiencias sob instrumentos de aplicação financeira para populações de baixa renda Presidente Ejecutivo Intercâmbio de experiencias sob instrumentos de aplicação financeira para populações de baixa renda Arturo Villanueva Lama CEO Banco de la Nación agenda AGÊNDA 1. Estratêgia de Incluçao

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil

Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Dinâmica Competitiva na Indústria de Cartões de Pagamento no Brasil Juan Pérez Ferrés 4 de dezembro de 2009 2º SEMINÁRIO DE DIREITO CONCORRENCIAL DO BANCO DO BRASIL A Concorrência no Mercado de Cartões

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Network Afiliados, Associados, Membros GNBI e AFMIN fornecem serviços financeiros

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil. Relatório de participação do Sinal

Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil. Relatório de participação do Sinal Encontro promovido pelo Projeto de Responsabilidade Social e Ambiental do Banco Central do Brasil Relatório de participação do Sinal Na tarde do último dia quatro de dezembro, quinta-feira, o Presidente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Investimento e Financiamento PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Os desafios da intermediação financeira no setor informal

Os desafios da intermediação financeira no setor informal Os desafios da intermediação financeira no setor informal VI Seminário Banco Central de Microfinanças 14.06.2007 Porto Alegre - RS Dinheiro, segundo o provérbio, chama dinheiro. Quando se tem um pouco,

Leia mais

I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas

I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas I Congreso LatinoAmericano de Bancarizacion, Micrhofinanzas Y Remesas História da CAIXA O dia 12 de janeiro de 1861 marcou o início da história da CAIXA e de seu compromisso com o povo brasileiro. Foi

Leia mais

Agora sua máquina da Cielo passa os cartões Diners Club. Informativo. Ou seja, o seu ponto de venda acaba de ganhar vários pontos com os clientes.

Agora sua máquina da Cielo passa os cartões Diners Club. Informativo. Ou seja, o seu ponto de venda acaba de ganhar vários pontos com os clientes. A número 1 em vendas. NADA SUPERA ESSA MÁQUINA. Informativo EDIÇÃO 2 TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE A CIELO PARA O SEU NEGÓCIO. Palavra do presidente Prezado cliente, A Cielo atua no cenário multibandeira

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho

Smart Cards. Uma tecnologia abrindo o seu caminho Smart Cards Uma tecnologia abrindo o seu caminho Sumário Visão geral - história Tecnologias Aplicações Digicon 2 Historia dos cartões plásticos Inicialmente utilizados para identificação. Inicio uso para

Leia mais

Financiamento de Veículos Posicionamento

Financiamento de Veículos Posicionamento Financiamento de Veículos Posicionamento Market Share de Produção em % Ranking Novos Financiamentos (3º Trim 14) 15,5% 1º 13,8% 14,5% 2º 2º 3º 1ºT 14 2ºT 14 3ºT 14 Pesados Autos Novos Motos Autos Usados

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

Empresários da Capital miram o mercado americano

Empresários da Capital miram o mercado americano Mídia Eletrônica (Moacir Pereira, Diário Catarinense, Pág.12, 2/3) Empresários da Capital miram o mercado americano Em workshop de negócios, Associação Comercial quer estreitar o relacionamento com empresas

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia

Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Ericsson e Vivo levam educação via computação em nuvem para amazônia Parceria entre a Ericsson e a Vivo promoverá o acesso à educação de qualidade no coração da Amazônia com a implementação de soluções

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público

Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público Os Catadores de Materiais Recicláveis e a atuação do Ministério Público Promotora Marina Brandão Póvoa Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais Coordenadoria de Inclusão e Mobilização Sociais Criação

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo IV Capítulo Quatro O Guia Definitivo para enfrentar suas Dívidas Em algum nível, mesmo que rudimentar, todos sabemos que o endividamento é perigoso.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades

Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS. Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Desenvolvimento Regional Sustentável - DRS Crise Mundial e o Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Grandes números do Banco do Brasil Ativos totais: R$ 598 bilhões Clientes: 48,1 milhões Carteira

Leia mais