Balanço de Pagamentos (BP)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balanço de Pagamentos (BP)"

Transcrição

1 Balanço de Pagamentos (BP) Trata-se do registro sistemático das transações entre residentes e não residentes de um país num determinado período de tempo. Portanto, o estudo do BP torna-se relevante, uma vez que economias abertas têm uma série de relações econômicas com outros países, envolvendo trocas de mercadorias, fatores de produção e ativos financeiros. Ressalte-se o fato de que, com a globalização, tais relações econômicas se aprofundam. Peculiaridades do BP Muitas operações do BO não envolvem pagamentos de qualquer espécie, como no caso das transferências unilaterais; Nem todas as transações do BP envolvem transações entre residentes e não residentes do país, como no caso da compra de ouro internamente pelo BC para utilizá-lo como ativo financeiro; Os registros do BP são efetuados em dólar norte-americano; No BP observa-se o princípio das partidas dobradas. O conceito de residência Define-se como residentes de um país todas as pessoas, físicas ou jurídicas, que tenham esse país como seu principal centro de interesse. Todas as pessoas que moram permanentemente no país (residência fixa); Pessoas que moram no país, mas estão temporariamente fora por turismo ou negócio; Empresas sediadas no país, inclusive filiais de multinacionais. Embaixadas e consulados que se encontram em outros países. Do Balance of Payments Manual (1993: p. 20): 57. Residence is a particularly important attribute of an institutional unit in the balance of payments because the identification of transactions between residents and nonresidents underpins the system. Residence is also important in the SNA because the residency status of producers determines the limits of domestic production and affects the measurement of GDP and many important flows. 58. The concept of residence used in this Manual is identical to that used in the SNA. The concept is not based on nationality or legal criteria, although it may be similar to concepts of residence used for exchange control, tax, and other purposes in many countries. The concept of residence is based on a sectoral transactor s center of economic interest. Moreover, country boundaries recognized for political purposes may not always be appropriate for economic purposes. Therefore, it is necessary to recognize the economic territory of a country as the relevant geographical area to which the concept of residence is applied. An institutional unit is a resident unit when it has a center of economic interest in the economic territory of a country.

2 Informações sobre a estrutura geral do BP: i) Por convenção, as exportações e importações são computadas pelo seu valor FOB (free on board), isto é, pelo valor de embarque, não incluídos os fretes e seguros; ii) Como algumas estatísticas são apuradas com imperfeições, ocorrem erros e omissões que são computados no BP; iii) Nas contas de caixa, apresentadas nos capitais compensatórios, débitos iv) indicam AUMENTO e créditos indicam REDUÇÃO; Quando um empréstimo vence e não é pago debita-se na conta de amortizações e credita-se na conta de atrasados. Quando se liquidam os atrasados, debita-se nesta conta e credita-se em haveres; v) Dentro das reservas, os haveres indicam as variações do estoque de moedas estrangeiras e de títulos externos de curto prazo á disposição do Banco Central. Os direitos especiais de saque (moeda escritural criada pelo FMI), o ouro monetário e a posição de reservas no FMI indicam formas alternativas de liquidez internacional à disposição do país; vi) vii) Como o BP é contabilizado em dólares, se parte das reservas é mantido em outra moeda, por exemplo, o Euro, uma valorização do Euro em relação ao dólar levará a um lançamento negativo (o saldo total em dólares terá aumentado) na conta de haveres de curto prazo, e um lançamento positivo na conta valorizações/desvalorizações. O mesmo ocorreria com o preço do ouro expresso em dólares; Uma compra de ouro por parte do BC no mercado interno seria responsável por um lançamento de débito em Ouro monetário e crédito na contrapartida para monetização/ desmonetização; ESTRUTURA GERAL DO BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Balança comercial 1.1 Exportações (FOB) 1.2 Importações (FOB) 2. Balança de serviços 2.1 Transportes: fretes, seguros, etc. 2.2 Turismo e viagens internacionais 2.3 Rendas de capital (remessa de lucros, lucros reinvestidos e juros) 2.4 Serviços governamentais 2.5 Diversos 03. Transferências unilaterais 4. Saldo do BP em transações correntes ( ) 5. Movimento de capitais 5.1 Investimentos diretos 5.2 Reinvestimentos (contrapartida de lucros reinvestidos) 5.3 Empréstimos e financiamentos 5.4 Amortizações de empréstimos 5.5 Capitais de curto prazo 5.6 Outros capitais 6. Erros e omissões 7. Saldo total do BP ( ) 8. Movimento de capitais compensatórios (-7) 8.1 Variação de reservas Haveres de curto prazo no exterior (contrapartida para valorizações/ desvalorizações)

3 8.1.2 Ouro monetário (contrapartida para valorizações/ desvalorizações e contrapartida para monetização/ desmonetização) Direitos especiais de saque (contrapartida para valorizações/ desvalorizações) Posição de reservas no fundo (contrapartida para valorizações/ desvalorizações) 8.2 Empréstimos de regularização 8.3 Atrasados Em decorrência da utilização do critério das partidas dobradas, a soma do total de todas as contas tomadas em conjunto no BP deve ser necessariamente igual a zero. Sejam: T = Transações correntes STBP = Saldo total do BP Kc = capitais (transações) compensatórios Ka = capitais autônomos (movimento de capitais) K = Ka + Kc Assim: T = - K, ou T = T = - (Ka + Kc) e STBP = - Kc LANÇAMENTOS CONTÁBEIS NO BP 1. Balança comercial Exportações (+) Importações (-) 2. Balança de serviços Entrada de recursos (+) Saída de recursos (-) Lucros reinvestidos (-) 3. Transferências unilaterais Entradas de recursos ($) e mercadorias (+) Saídas de recursos ($) e mercadorias (-) Mercadorias: alimentos, medicamentos, roupas 4. Movimento de capitais Entrada de recursos (+) Saída de recursos (-) Reinvestimentos (+) (contrapartida de lucros reinvestidos) 5. Transações compensatórias Variação positiva de reservas (-) Variação negativa de reservas (+)

4 DICAS DE LANÇAMENTOS Os registros de um BP são realizados com base no princípio contábil das partidas dobradas e, portanto, do ponto de vista contábil, o BP está sempre equilibrado; Operações que indicam entradas e saídas de recursos monetários têm como contrapartida a variação de reservas; Operações que indicam entradas e saídas de mercadorias, máquinas e equipamentos, etc., têm como contrapartida a Balança Comercial; A contrapartida de lucros reinvestidos (-) são os reinvestimentos (+). CONCEITOS ADICIONAIS RLEE = BSF + TU RLEE = Renda liquida enviada ao exterior BSF = Balança de serviços fatores TU = Transferências unilaterais TLRE = BC + BSNF TLRE = Transferência liquida de recursos ao exterior BC = Balança comercial BSNF = Balança de serviços não-fatores STC = RLEE + TLRE EXERCÍCIO RESOLVIDO Anpec (1998) QUESTÃO 15 Admita que as seguintes operações foram realizadas entre o Brasil e o exterior num dado período: Um grupo japonês realiza investimento de 500 milhões de dólares na privatização da Vale do Rio Doce. Companhias estrangeiras instaladas no Brasil remetem lucros de 50 milhões de dólares ao exterior. Uma agência de turismo brasileira efetua pagamentos a uma cadeia de hotéis norte-americana no valor de 20 milhões de dólares, referentes a serviços de hospedagem a turistas brasileiros. Uma montadora francesa de automóveis investe 100 milhões de dólares na construção de uma fábrica no Paraná. O Brasil importa, pagando à vista, 180 milhões de dólares em automóveis coreanos. O Brasil paga ao exterior 50 milhões de dólares em fretes. O Banco Central do Brasil refinancia, junto a um credor norte-americano, o pagamento de juros vincendos no valor de 80 milhões de dólares. Uma companhia aérea americana realiza uma compra à vista de aviões brasileiros no valor de 150 milhões de dólares. Uma indústria brasileira de autopeças importa maquinário da Alemanha no valor de 60 milhões de dólares, financiados a longo prazo por um banco alemão.

5 Classifique as seguintes afirmações, sobre balanço de pagamentos, como Verdadeiras ou Falsas: (0) O déficit no balanço comercial é de 30 milhões. (FALSO) (1) O movimento autônomo de capitais é de 660 milhões. (FALSO) (2) O déficit em transações correntes é de 290 milhões. (VERDADEIRO) (3) O superávit total do balanço de pagamentos é de 450 milhões. (VERDADEIRO) Resposta: BC = -90 X = +150 M = BS = -200 Lucros = -50 Turismo = -20 Fretes = -50 Juros = -80 TU = 0 SBPCC = -290 Capitais = +740 IDE = Financiamentos = EO = 0 STBP = +450 Capitais compensatórios = -450 Haveres (reservas) =

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5).

BALANÇO DE PAGAMENTOS. PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS Alexandre César Cunha Leite 1 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA PAULANI, Leda Maria, BRAGA, Márcio Bobik. A Nova Contabilidade Social. São Paulo: Saraiva, 2000. (cap. 5). INTRODUÇÃO O estudo

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

Logística Internacional

Logística Internacional Logística Internacional Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

2.3. Balança de Pagamentos

2.3. Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos (BP): Registo contabilístico (sistemático e equilibrado) dos valores das transações económicas entre agentes residentes e não residentes ocorridas durante um determinado período de

Leia mais

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são:

As mais importantes alterações introduzidas na nova apresentação do balanço de pagamentos são: Notas explicativas ao Balanço de Pagamentos compilado de acordo com as normas estabelecidas na quinta edição do Manual de Balanço de Pagamentos do FMI 1 A partir de janeiro de 2001, o Banco Central do

Leia mais

Curso Online Macroeconomia para AFRFB Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Teoria e Exercícios Prof. César Frade

Curso Online Macroeconomia para AFRFB Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Teoria e Exercícios Prof. César Frade Olá pessoal! Curso Online Macroeconomia para AFRFB Vamos começar nossas aulas de Macroeconomia? A tentativa nessas aulas é fazer com que vocês compreendam a matéria de uma forma simples, sem aqueles jargões

Leia mais

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber:

3. Contas Correntes: A categoria Contas Correntes tem quatro sub-divisões, a saber: 1. B/Pgtos, p. 1 Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 1A. BALANÇO DE PAGAMENTOS 1. Definição: O B/P é o registro contábil dos recebimentos e pagamentos feitos pelos diversos agentes

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 MACROECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ECONOMIA PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM ECONOMIA 2010 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO MACROECONOMIA Legendas para a prova de Macroeconomia:

Leia mais

Balança de Pagamentos

Balança de Pagamentos Balança de Pagamentos Conceitos e Rubricas Definições Registo sistemático que se destina a medir as transacções económicas que se estabelecem entre os residentes (sectores internos) e os não residentes

Leia mais

Teoria Macroeconômica I

Teoria Macroeconômica I Teoria Macroeconômica I Prof. Anderson Litaiff Prof. Salomão Neves Teoria Macroeconômica I - Prof. Anderson Litaiff/ Prof. Salomão Neves 1 2 Conteúdo Programático 2ª Avaliação Noções básicas de macroeconomia

Leia mais

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS. Professor Rodrigo Nobre Fernandez NOTAS METODOLÓGICAS SOBRE AS ALTERAÇÕES NO BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução A partir de 2015, o Banco Central do Brasil divulga as estatísticas de setor

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: MARLOS FERREIRA Olá, amigos! Reta final de preparação da Receita Federal do Brasil e eis uma pequena amostra do que vocês podem esperar na prova vindoura! Segue abaixo uma listagem de questões pertinentes a assuntos certamente

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000

Sumário. Logo WTO. Estados Unidos. 37 Argentina. Holanda. 3 Alemanha. 14 México. 2 Japão. 7 Itália. Outros. Valores de 2000 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Capítulo 17: O Setor Externo Logo WTO Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-7-Slide 1 de 47/2005.1 Sumário 1. Introdução; 1.

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Setor externo estatísticas do comércio exterior

Setor externo estatísticas do comércio exterior Setor externo estatísticas do comércio exterior O comércio é mutuamente benéfico. Duas pessoas não trocam bens e serviços a não ser que ambas esperem obter um benefício. No nosso dia a dia dependemos de

Leia mais

o Setor Externoe a Determinação

o Setor Externoe a Determinação o Setor Externoe a Determinação da Taxa de Câmbio 1 o BALANÇODE PAGAMENTOS A partir do momento em que um país começa a comercializar com outros, surge a necessidade de se estabelecer um controle sobre

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida

Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Passivo Externo Líquido Versus Dívida Externa Líquida Rubens Penha Cysne 27 de Maio de 2008 Recentemente, anunciou-se que o Brasil passou de devedor a credor internacional. Isto significa que sua Dívida

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS. Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas Anexo à Instrução nº 1/96 VI. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES CÓDIGOS 0. CÓDIGOS ESPECIAIS CÓDIGOS Operação desconhecida abaixo do limiar Movimento de regularização contabilística de descobertos em contas externas

Leia mais

Contabilidade bem básica

Contabilidade bem básica Contabilidade bem básica Instruções simples para que você possa compreender todo o conteúdo do site. A contabilidade é uma base para os demais. Conceitos de contabilidade básica O que é contabilidade?

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS

ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS ANÁLISE DE BALANÇO DOS PAGAMENTOS Antony P. Mueller*) antonymueller@gmail.com THE CONTINENTAL ECONOMICS INSTITUTE STUDY PAPERS SERIES 2011/1 www.continentaleconomics.com I. Balanço dos Pagamentos - Estrutura

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE Como vimos em aulas passadas, a Contabilidade engloba duas funções: 1. Função Administrativa: Controla o Patrimônio mediante registro dos fatos contábeis em livros apropriados (Diário

Leia mais

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido Pessoal, Hoje começamos oficialmente o curso. Daremos continuidade ao assunto abordado na aula 00, cujo estudo considero importante para compreensão da aula de hoje. Como disse na aula demonstrativa, resolverei

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II

ECONOMIA INTERNACIONAL II Revisão do BP ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha 2006 1. Ajustes nos Pagamentos Internacionais 2. O Balanço de Pagamento: Aspectos Gerais 3. Convenções e Mensuração 4.. Registros no BP:

Leia mais

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO

Aula nº 10 - MERCADO DE CÂMBIO POLÍTICA CAMBIAL Chama-se política cambial o conjunto de ações do Governo que influem no comportamento do mercado de câmbio e da taxa de O Banco Central executa a política cambial definida pelo Conselho

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Conceito...

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Unidade II. Contas externas brasileiras. Palavras-chave:

Unidade II. Contas externas brasileiras. Palavras-chave: Virene Roxo Matesco Unidade II Contas externas brasileiras Tópicos da unidade Relações Internacionais: setor externo Balanço de Pagamentos: estrutura básica Reservas Internacionais: composição Tipos de

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

,661 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR -XQKRGH Notas Metodológicas do Balanço de Pagamentos ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 1 jun 2001 P 1-16 Banco Central

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009

CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Conceito de Contabilidade CONTABILIDADE E CUSTOS Atualizado em 14 de abril de 2009 Processo de identificar, mensurar e comunicar informações econômicas para permitir julgamentos e decisões fundamentais

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI).

CIRCULAR Nº 3.376. Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). CIRCULAR Nº 3.376 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 7 de fevereiro de 2008, com base

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos critérios de avaliação de ativos e seus efeitos no patrimônio de uma companhia aberta, julgue os itens a seguir. 51 Um investimento que garanta à sociedade investidora

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Contas Externas

Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais. Contas Externas Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Contas Externas com informações até fevereiro de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Contas Externas

Leia mais

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro

Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Mudança do cenário internacional e reflexos para o setor externo brasileiro Irailton Silva Santana Júnior 1 Vinícius de Araújo Mendes 1 Introdução O presente relatório concentra a análise da economia brasileira

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências.

RESOLUCAO N. 003568. Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. RESOLUCAO N. 003568 RESOLUCAO 3.568 --------------- Dispõe sobre o mercado de câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos

Âmbito da rubrica Viagens e Turismo. Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Questões específicas da rubrica Viagens e Turismo Âmbito da rubrica Viagens e Turismo Indicações específicas de reporte para hotéis e outros empreendimentos turísticos Âmbito da rubrica Viagens e Turismo

Leia mais

6) Recebimento de donativos em moeda forte. 7) Recebimento de donativos internacionais sob a forma de mercadorias PAGAMENTOS - CONTABILIZAÇÃO

6) Recebimento de donativos em moeda forte. 7) Recebimento de donativos internacionais sob a forma de mercadorias PAGAMENTOS - CONTABILIZAÇÃO BALANÇO DE PAGAMENTOS - CONTABILIZAÇÃO 6) Recebimento de donativos em moeda forte 1)Exportação de Mercadoria à vista 2)Exportação de mercadoria a prazo 7) Recebimento de donativos internacionais sob a

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial

www.cursosolon.com.br SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial SISTEMA FINANCEIRO Mercado Cambial MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores e vendedores são normalmente

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6

Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 Perguntas frequentes (FAQs) sobre a conversão de BPM5 para BPM6 A partir de abril de 2015, o Banco Central do Brasil (BCB) passará a publicar as estatísticas de Balanço de Pagamentos (BP) e Posição Internacional

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO

EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO EXERCICIOS COMENTADOS ECONOMIA TELETRANSMITIDO Questão 01 A questão 01 tem um pequeno problema que é o enunciado afirmar que se trata de uma economia sem governo, o que indicaria a não existência de tudo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais)

MACROECONOMIA (1º Ano Gestão, ano lectivo 2003/2004) Exercícios de Apoio ao Capítulo 7 (Relações Económicas Internacionais) 7.1. Considere a seguinte informação, relativa às componentes da Balança Corrente Portuguesa em 2002, em milhões de euros: Débito Mercadorias 29.028,1 41.607,4 Serviços, dos quais: 10.299,8 7.137,3 - viagens

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Nota Técnica nº 001/2013 Florianópolis, 24 de junho de 2013. Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Senhor Diretor de

Leia mais

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240

Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 Cod_estat A1010 A1020 A1030 A1040 A2010 A3010 A4010 A5010 A5020 B1110 B1120 B1130 B1140 B1211 B1212 B1213 B1214 B1221 B1222 B1223 B1224 B1230 B1240 B1310 B1320 B1330 B1340 B1410 B1420 B1430 B1440 B1510

Leia mais

A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL

A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL ABSTRACT Branch office operations expand a busines s ability to attract new markets by providing products or services at locations

Leia mais

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60.

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60. CAPITULO IV 4. DOS BALANÇOS GERAIS 4.1. Balanços da Administração Direta 4.1.1. Balanço Orçamentário O Balanço Orçamentário consiste em comparar as receitas previstas com as realizadas, bem como as despesas

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis

Introdução l Resumo Exercícios 15 Demonstrações Contábeis Introdução l 1. l Um breve histórico l l.2 Definição do termo Contabilidade 2 1.3 O processo contábil 3 1.3.1 Posicionamento do contador em relação à empresa 4 l.4 Ramos de atuação da Contabilidade 5 l.4.

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 03 NOVEMBRO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos as turbulências no mercado financeiro europeu e seus impactos nas atividades econômicas

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

TERMOS FINANCEIROS DO DIA A DIA

TERMOS FINANCEIROS DO DIA A DIA TERMOS FINANCEIROS DO DIA A DIA Conheça o Dicionário de Termos Financeiros patrocinado pelo Santander Banespa Um livrete de cabeceira indispensável para executivos financeiros e investidores! Você conhece

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimento (BPM6) Novembro de 2014 1. Introdução A partir de abril de 2015, o Banco Central

Leia mais

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010.

SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. MERCADO CAMBIAL Definição e funcionamento Operações Prontas e Futuras Balanço de Pagamentos CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais