CAMILA GONÇALVES RECANELLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMILA GONÇALVES RECANELLO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO EM ENFERMAGEM CAMILA GONÇALVES RECANELLO REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS E SEUS FAMILIARES CUIABÁ 2014

2 CAMILA GONÇALVES RECANELLO REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS E SEUS FAMILIARES Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, da UFMT, como requisito para obtenção do título de mestre em Enfermagem Processos e Práticas em Saúde e Enfermagem: Enfermagem e o cuidado à saúde regional. Orientadora: Annelita Almeida Oliveira Reiners CUIABÁ 2014

3 CAMILA GONÇALVES RECANELLO REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS E SEUS FAMILIARES Esta dissertação foi submetida ao processo de avaliação pela Banca Examinadora para obtenção do título de: Mestre em Enfermagem. E aprovada na sua versão final em de, atendendo às normas da legislação vigente da UFMT, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, área de concentração Enfermagem e Práticas em Saúde e Enfermagem. Drª Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo Coordenadora do Programa BANCA EXAMINADORA: Prof a. Dr a. Profª. Drª. Annelita Almeida Oliveira Reiners Faculdade de Enfermagem/UFMT (Presidente Orientadora) Prof a. Dr a. Profª. Drª. Sônia Silva Marcon Faculdade de Maringá/UEM (Membro efetivo externo) Prof a. Dr a. Profª. Drª.Edir Teixeira Nei Mandú Faculdade de Enfermagem/UFMT (Membro efetivo interno) Prof a. Dr a. Profª. Drª. Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo Faculdade de Enfermagem/UFMT (Membro suplente)

4 DEDICATÓRIA Dedico essa pesquisa à todos os idosos e familiares participantes do estudo. Obrigada por compartilharem comigo suas experiências e angústias. Principalmente por confiarem no meu trabalho e me receberem tão bem. Todos esses resultados são para vocês. Espero ter a oportunidade de dar retorno a cada um, melhorando suas vidas e seus entendimentos acerca da queda.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço, Primeiramente àquele que me conhece profundamente, que sabe de todas as angústias e fraquezas que vivenciei durante todo esse processo. Àquele me deu forças quando imaginei que desistiria. Àquele que soube sempre que eu conseguiria, o meu Deus. Ao meu marido Paulo Chaves, que durante esses 24 meses não me deixou cair uma só vez, permaneceu ao meu lado forte como uma rocha, não deixando transparecer que por dentro também estivesse despedaçado. Por muitas vezes secou minhas lágrimas de tristeza e felicidade e vivenciou cada minuto de toda essa experiência que o mestrado representou para mim. Ao meu pequeno grande menino Luiz Otávio, responsável por tudo o que sou hoje. Você meu filho foi o meu maior incentivo de eu ter chegado até aqui. Por muitas vezes coloquei em dúvida se realmente eu deveria passar por tudo isso, principalmente pelas muitas vezes que estive ausente na sua vida. Conforta-me saber que você ainda é pequeno e talvez não se lembre, no futuro, o que precisei fazer para conquistar esse título de mestre. Mesmo assim quero que saiba que tudo isso foi por você. À minha orientadora/conselheira/mãe/mestre Annelita por todo ensinamento e sabedoria que me proporcionou. Por todos os momentos em que me ofereceu os ombros para chorar. Por toda paciência que teve comigo e, principalmente, por todos os puxões de orelha, porque cada um deles me fez uma pessoa melhor e madura. À você todo meu respeito e admiração. À minha co-orientadora Rosemeiry por todos os ensinamentos que me proporcionou, principalmente por acreditar e confiar em mim. Obrigada por cada estrelinha que me deu, cada uma delas foi importante para mim. À minha mãe Tânia, meu pai Waldir e ao meu pai avô Mauro que mesmo distantes fisicamente, conseguiram me apoiar em todos os momentos, me incentivando e me

6 fazendo acreditar no meu potencial. Vocês são meus espelhos e inspiração. Tudo o que sou hoje devo à educação e aos exemplos que me deram durante meus 27 anos. À minha amada vozinha Janete que apesar de estar onde não posso vê-la, esteve comigo todo esse tempo, me dando forças e me fazendo acreditar que seria possível. Não te esqueço por um só dia e ofereço essa conquista à você. À minha sogra Marli que com seu jeitinho tranquilo e positivo de ser se preocupou comigo. Dizem que sogras são como mães e para mim a senhora tem toda essa importância na minha vida. À Arlete que permaneceu firme na minha casa, muitas vezes assumindo o papel de mãe do meu filho e minha também. Seus cuidados com a minha família foram fundamentais e serei sempre grata à você. À minha amiga-irmã Maria Cláudia, pessoa que Deus permitiu entrar na minha vida para trazer apenas coisas boas. Me ensinou a confiar em mim, secou minhas lágrimas, orou por mim e me ajudou muito nessa caminhada. Gostaria que você soubesse o quanto sua ajuda foi importante para mim e eu jamais esquecerei. Às minha amigas Ingrid, Geovana e Josiane que estiveram comigo e me auxiliaram por diversas vezes. Umas com palavras de incentivo, outras com conversas descontraídas, mas todas tem participação especial na minha vida. Aos idosos e familiares que participaram da minha pesquisa. Gostaria de dar retorno à todos vocês. Não me esqueço de nenhum, todos foram significantes demais para serem esquecidos. À todas as pessoas que de alguma forma contribuíram para a realização desse sonho, o meu muito obrigada!!!

7 Crê em ti mesmo. Age e verá os resultados. Quando te esforças, a vida também se esforça para te ajudar. Chico Xavier

8 RECANELLO, C.G.R. Repercussões das quedas na vida dos idosos e seus familiares f. (Dissertação) Mestrado em Enfermagem Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Orientadora: Prof. Dr. Annelita Almeida Oliveira Reiners Co-orientadora Prof. Dr. Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo RESUMO Estudo qualitativo, exploratório e descritivo, cujo objetivo foi compreender as repercussões das quedas na vida dos idosos e seus familiares a partir de suas perspectivas. A coleta de dados foi realizada no domicílio com 15 idosos e 22 familiares, por meio de entrevista semiestruturada contendo questões acerca das repercussões ocasionadas pelas quedas na vida dos idosos que caíram e seus familiares. Os resultados dessa pesquisa revelaram que as quedas ocasionam repercussões semelhantes na vida dos idosos que caem e na vida dos familiares que vivenciam a queda. A vida dos longevos sofre repercussões à medida que surge o medo de quedas recorrentes, limitações de atividades diárias, dependência, declínio da capacidade funcional, isolamento social e até mesmo mudanças nos comportamentos. Enquanto nos familiares, as repercussões são baseadas nos impactos financeiros e redução de jornadas de trabalho, alteração na rotina diária em função do cuidado fornecido ao idoso caidor, redução de atividades sociais, preocupação em excesso com consequente restrição de atividades dos longevos. Os resultados fornecem informações aos profissionais de saúde, em especial ao enfermeiro, visto que sugerem estratégias para prevenção da ocorrência da queda através da educação em saúde, da avaliação integral para os idosos e para os familiares, além da importância das visitas domiciliares, as quais possibilitam ao profissional prestar assistência individual, diferenciada e adequada às necessidades dos envolvidos no evento queda. Palavras chave: Quedas; Idosos; Familiares; Repercussões.

9 RECANELLO, C.G.R. Impact of falls in the lives of seniors and their families f. Dissertation (Master's in Nursing) - The Post - Graduate in Nursing, Federal University of Mato Grosso, Cuiabá, Advisor: Prof.. Dr.. Annelita Almeida Oliveira Reiners Co-Advisor: Prof.. Dr.. Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo ABSTRACT Qualitative study was exploratory and descriptive, whose goal was to understand the impact of falls in the lives of seniors and their families from their perspectives. Data collection was performed at home with 15 elderly and 22 family members, through semi-structured interview containing questions about the impact caused by falls in the lives of the elderly who have fallen and their families. The results of this research reveal that falls cause similar impact on the lives of older people who fall and in the lives of families who experience a fall. The life of the oldest old suffer repercussions as it appears the fear of recurrent falls, role limitations, dependency, declining functional status, social isolation, and even changes in behavior. While familiar, the repercussions are based on financial impacts and reduction in working hours, change in daily routine due to the care provided to the elderly caidor, reduced social activities, excessive concern with consequent restriction of long-living activities. The results provide information to health professionals, especially nurses, as they suggest strategies for preventing the occurrence of falling through health education, the integral for the elderly and for family assessment and the importance of home visits, which enable the professional to provide individual, differentiated and appropriate assistance to the needs of those involved in the fall event. Keywords : Falls ; Seniors ; Family ; Repercussions.

10 RECANELLO, C.G.R. Impacto de las caídas en la vida de las personas mayores y sus familias f Dissertación (Maestría en Enfermería) El post-postgrado en enfermería, Universidad Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Orientadora: Profª. Drª. Annelita Almeida Oliveira Reiners Co-orientadora: Profª. Drª. Rosemeiry Capriata de Souza Azevedo RESUMEN Estudio cualitativo fue exploratorio y descriptivo, cuyo objetivo era entender el impacto de las caídas en la vida de las personas mayores y sus familias de sus perspectivas. La recolección de datos se llevó a cabo en el país con 15 ancianos y 22 miembros de la familia, a través de entrevista semi - estructurada que contenía preguntas sobre el impacto causado por las caídas en las vidas de las personas mayores que han caído y sus familias. Los resultados de esta investigación revelan que las caídas causan impacto similar en la vida de las personas mayores que se caen y en las vidas de las familias que experimentan una caída. La vida de los más ancianos sufren consecuencias como aparece el miedo a las caídas recurrentes, limitaciones de rol, la dependencia, el estado funcional en declive, el aislamiento social, e incluso los cambios en el comportamiento. Si bien familiar, las repercusiones se basan en los impactos financieros y la reducción de la jornada laboral, el cambio en la rutina diaria debido a la atención prestada a la caidor ancianos, actividades sociales reducidas, la preocupación excesiva con la consiguiente restricción de las actividades de larga vida. Los resultados proporcionan información a los profesionales de la salud, especialmente las enfermeras, ya que sugieren estrategias para prevenir la ocurrencia de caer a través de la educación sanitaria, la integral de las personas mayores y para la evaluación de la familia y la importancia de las visitas a los hogares, que permitir al profesional para brindar asistencia individual, diferenciada y adecuada a las necesidades de los involucrados en el evento de otoño. Palabras clave: Caídas ; Seniors ; Familia ; Repercusiones.

11 LISTA DE SIGLAS AB: Atenção básica AVD: Atividade de vida diária AIVD: Atividade instrumental de vida diária CDC: Center of Disease Control and Prevention CF: Capacidade funcional IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística OMS: Organização Mundial da Saúde PNI: Política Nacional do Idoso PNSPI: Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa SUS: Sistema Único de Saúde TCLE: Termo de consentimento livre e esclarecido WHO: World Health Organization

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Objetivo Referencial teórico Quedas e suas causas Repercussões das quedas O enfermeiro e a atenção à saúde do idoso METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO As quedas dos idosos Repercussões das quedas na vida dos idosos Repercussões físicas das quedas Repercussões psicológicas das quedas Repercussões sociais das quedas Repercussões das quedas dos idosos na vida dos familiares CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES Roteiro de entrevista semiestruturada Termo de consentimento livre e esclarecido Agrupamentos ANEXO Parecer consubstanciado do CEP Submissão do manuscrito à Revista Cogitare Enfermagem Submissão do manuscrito à Revista Journal of Nursing... 67

13 1. INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial. Em todo o mundo, o número de pessoas com 60 anos e mais cresce com maior rapidez do que qualquer outro grupo etário. São estimados 1,2 bilhões de idosos em 2025 e projetados quase dois bilhões até Nessa época, pela primeira vez na história da humanidade, a população de longevos será maior do que a de crianças com menos de 14 anos de idade (BRASIL, 2006). Atualmente existe, no Brasil, aproximadamente 21 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, o que representa cerca de 10% da população brasileira (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2010). Estima-se que até 2025 esse grupo aumentará quinze vezes, alcançando cerca de 32 milhões de pessoas e o sexto lugar no mundo em contingente de idosos (BRASIL, 2010). Paralelamente às mudanças demográficas, o perfil epidemiológico das pessoas adultas e idosas vem sofrendo alterações nos últimos anos. A mortalidade está relacionada principalmente às doenças do aparelho circulatório, neoplasias, causas externas ou mal definidas e doenças infecciosas ou parasitárias (DATASUS, 2012). Em relação às causas externas, estima-se que para cada morte resultante desse evento, sejam geradas dezenas de hospitalizações, centenas de atendimentos em serviços de emergência e milhares de consultas médicas (World Health Organization - WHO, 2007). A proporção de pessoas que sobrevive às lesões é alta, entretanto, grande parte delas passa a conviver com deficiências temporárias ou permanentes. Além disso, lesões por causas externas levam a óbito, anualmente, mais de cinco milhões de pessoas em todo o mundo, representando 9% da mortalidade global (WHO, 2012). Estudos sobre causas externas têm sido desenvolvidos priorizando os jovens, visto que é uma população com altos índices de violência e traumatismos por diversos motivos (homicídios, acidentes automobilísticos, entre outros). No entanto, esse agravo também tem sido impactante na população de pessoas com 60 anos e mais. O processo de envelhecimento dos idosos aliado a outros fatores predispõe essa população a adoecer e morrer por causas externas, especialmente as quedas (MARTINS et al. 2007). Nos serviços de emergência dos Estados Unidos foram registradas em 2011, mais de 700 mil internações de idosos por diversas causas e as quedas foram uma das

14 principais, representando mais de 50% de todos os atendimentos (Center of Disease Control and Prevention - CDC, 2011). No Brasil, dentre os mais de 23 mil óbitos de idosos relacionados a causas externas ocorridos no país, as quedas ocuparam, em 2010, o primeiro lugar. Em 2011, este evento foi responsável por mais de 84 mil casos de internações nesta mesma população (DATASUS, 2012). Responsáveis por perdas na autonomia e na independência, mesmo que por tempo limitado, as quedas aumentam o risco de institucionalização, além dos custos com os cuidados à saúde e trazem prejuízos sociais à família (SILVA et al. 2007), como a necessidade de cuidador, isolamento social e sobrecarga de trabalho. A literatura nacional e internacional produzida nos últimos anos relacionada ao às quedas em idosos é extensa. Diversos profissionais da área da saúde, como terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, enfermeiros, médicos e psicólogos, têm se preocupado com a temática, evidenciando a sua importância. Nos estudos nacionais, os autores exploram e descrevem os idosos caidores e as quedas de modo geral, bem como suas possíveis causas e consequências (Nicolussi et al. 2012; Chianca et al. 2013; Brito et al. 2013). Na literatura internacional o maior interesse dos autores é pela prevenção e intervenção deste evento (OH et al. 2012; CHIU et al. 2012; DARGENT-MOLINA; KHOURY; CASSOU, 2013). Nessa literatura, nas investigações sobre as consequências das quedas de idosos na comunidade, os pesquisadores se preocuparam principalmente com sua frequência (se recorrentes ou não) e com a forma como ela acontece, relacionando-as com fatores extrínsecos e intrínsecos. As consequências, apontam que as principalmente encontradas são as fraturas de fêmur, quadril e rádio, hospitalizações e imobilizações (FREITAS et al. 2011; COSTA et al. 2011; MAIA et al. 2011; PINHO et al. 2012). Além dessas consequências físicas, a literatura sobre o assunto mostra que as quedas trazem outros tipos de repercussões na vida dos idosos. Na cidade de Córdoba Espanha desenvolveu-se um estudo com 362 pessoas com 70 anos ou mais. Os resultados mostraram que 25% das pessoas que caíram admitiram ter mudado os hábitos de vida após a queda, sendo que destes, 22% passaram a limitar seus movimentos, 11% deixaram de sair sozinho de casa e 44,7% afirmaram ter medo de cair novamente (VARAS-FABRAS et al. 2006).

15 Em outro estudo desenvolvido com 72 idosos de uma comunidade de baixa renda do município do Rio de Janeiro, as quedas trouxeram como repercussões modificação de hábitos, abandono de certas atividades, imobilização, lesão neurológica, medo de voltar a cair, necessidade de rearranjo familiar e mudança de domicílio (RIBEIRO et al. 2008). Em Cataluña Espanha foi desenvolvida uma pesquisa com 3247 pessoas a fim de avaliar a proporção de idosos que sofreram quedas. O estudo mostrou que 14,9% admitiram ter sofrido ao menos uma queda durante o período de 12 meses. Além da necessidade de intervenção médica, o evento, por ser suficientemente grave, foi responsável por comprometer 24,6% das atividades de vida diária, previamente exercidas sem dificuldades (SUELVES; MARTÍNEZ; MEDINA, 2010). O medo de voltar a cair é uma repercussão frequentemente encontrada pelos idosos caidores em diversos estudos (Jahana; Diogo, 2007; Lopes; Dias, 2010; Maia et al. 2011; Dias et al. 2011) fato que pode torná-los dependentes para a realização de atividades antes desempenhadas sem auxílio. Os resultados desses e de outros estudos evidenciam o quanto as quedas repercutem no corpo e na vida dos idosos. A maioria dessas pesquisas foram realizadas utilizando a abordagem quantitativa. Entretanto, pouco se sabe das repercussões das quedas na perspectiva dos próprios idosos e seus familiares. Esses últimos são fundamentais no cuidado ao idoso e tudo que acontece a ele, de alguma forma, afeta também essas pessoas. Por se tratar de um tema relevante na área da gerontologia, especialmente no que concerne à assistência aos idosos e familiares após o evento da queda, o propósito do estudo é compreender suas repercussões a partir de uma abordagem qualitativa. Entende-se que pesquisas que aprofundem o conhecimento acerca das repercussões das quedas na vida dos idosos, bem como de seus familiares, podem contribuir para melhorar o cuidado prestado a essas pessoas. 1.2 OBJETIVO Compreender as repercussões das quedas na vida dos idosos e de seus familiares a partir de suas perspectivas.

16 1.3 REFERENCIAL TEÓRICO Quedas e suas causas Atualmente, observa-se que as quedas têm sido um evento muito frequente na vida dos idosos. A definição para tal é vista de diferentes formas por diversos estudiosos. Segundo Massud e Morris (2001), a queda pode ser definida como episódios de desequilíbrio que levam o indivíduo ao chão, podendo também ocorrer através de qualquer contato acidental com superfícies próximas. Queda é um evento não intencional, caracterizado pela mudança brusca de posição do indivíduo para um nível inferior em relação à sua posição inicial (Ganança et al. 2006). Para Wada et al. (2007), a queda corresponde a qualquer toque ao chão de forma inesperada por qualquer parte do corpo do indivíduo, com exceção apenas dos pés. Neste estudo, adota-se a definição proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS, 2012), a qual afirma que queda é qualquer evento involuntário no qual a pessoa perde o equilíbrio e o corpo cai ao piso ou sobre uma superfície firme. O evento queda é multifatorial, podendo ser classificado por fatores intrínsecos e extrínsecos. O primeiro diz respeito às alterações fisiológicas naturais relacionadas ao processo de envelhecimento, à patologia apresentada pelo idoso e até mesmo os efeitos causados pela utilização de fármacos. Já o segundo, está relacionado com situações ambientais, tais como iluminação, pisos escorregadios e até mesmo desníveis no solo, os quais proporcionam desafios durante as atividades diárias dos longevos (BRITO et al. 2013). Estudiosos que têm pesquisado frequentemente sobre a relação desses fatores com a ocorrência das quedas dos idosos, apontam que há muitas vezes interação entre os dois durante o evento (SUELVES et al. 2010; ALMEIDA et al. 2012; SILVA et al. 2012). Dentre os fatores que predispõem as quedas, os ambientes estão intimamente relacionados com o evento. Jahana e Diogo (2007) afirmam que a maioria das quedas ocorre dentro dos domicílios dos idosos, seguido pelos locais ao entorno das residências e, em terceiro, ruas e calçadas.

17 As consequências das quedas para uma pessoa idosa são um fator de morbidade considerável, podendo gerar sequelas permanentes e incapacidades. As comumentes relatadas pelos caidores são as fraturas, a imobilização, hematomas e a dor (NICOLUSSI et al. 2012; BRITO et al. 2013; DARGENT-MOLINA; KHOURY; CASSOU, 2013). Pesquisa realizada em 2008 por Duca, Antes, Hallal (2013) com o objetivo de investigar a ocorrência de quedas e fraturas entre 466 idosos, constatou que a prevalência de queda foi de 38,9% no ano anterior. Dentre os que caidores, as fraturas acometeram 19,2% deles, sendo que dessas, 59,9% foram localizadas nos membros inferiores. Em Ribeirão Preto SP desenvolveu- um estudo com 240 idosos, no ano de 2011, o qual mostrou que 75% deles caíram dentro do domicílio. As principais causas apontadas pelos caidores foram alteração do equilíbrio (55,9%) e pisos irregulares, escorregadios e desníveis (57,6%) (FHON et al. 2013). Estudo desenvolvido por Carvalho et al. (2012) em Erechim RS, no ano de 2.011, com 35 idosos da comunidade, demonstra que dentre as principais consequências físicas decorrentes da queda, os hematomas representaram 36%, as fraturas 22% e a necessidade de dispositivos para auxiliar durante deambulação 14%. Em relação ao ambiente da queda 37% dos longevos caíram no pátio de casa, 17% na cozinha, 14% no banheiro e 8% seguido de outros locais dentro da residência. Tropeços em tapetes, escadas e obstáculos foram frequentemente lembrados pelos participantes. A pesquisa acrescenta ainda que as quedas ocorreram em sua maioria (43%) devido ao ambiente, seguidas de tontura (19%) e distúrbios de equilíbrio e marcha (12%). Percebeu-se que os idosos mais ativos, muitas vezes não percebem os riscos à que se expõem diariamente e não se preocupam com as atividades que habitualmente desempenham. No entanto, as quedas não ocasionam apenas as consequências físicas no caidores, mas também repercussões psicológicas e sociais, tanto para quem as vivencia como para os familiares que participam desse evento. Dentre as repercussões psicológicas, o medo de cair é frequentemente relatado tanto por idosos que vivenciaram as quedas, quanto para os que nunca a experenciaram (MOREIRA et al. 2013). O medo de cair é caracterizado pela ansiedade ao caminhar e preocupação excessiva em cair (Freiberger; Vreede, 2011). Promove dependência física, isolamento

18 social e até mesmo redução da mobilidade. A prevalência desse fenômeno varia entre 20% a 85% dos idosos residentes na comunidade (Curcio; Corriveau; Beaulieu, 2011). Esse sentimento é muito comum nos longevos, reconhecido como problema de saúde para a população idosa, inclusive nos indivíduos que nunca caíram (DIAS et al. 2011). Rezende et al. (2010), afirmam que dentre as 60 idosas entrevistadas em sua pesquisa, 40,11% referiram não ter medo de cair, 25,33% admitiram sentir moderado medo enquanto 4,6% afirmaram muito medo de sofre uma queda. Em relação às atividades que foram relatadas como perigosas, estão as de tomar banho, andar em superfícies escorregadias, locais com muitas pessoas e sair para eventos sociais. Pesquisas internacionais têm demonstrado maior interesse em prevenção da queda e intervenção desse evento. Estudo realizado na Coréia, com idosos que já haviam experenciado a queda, buscou relacionar a prática de exercícios físicos com a redução do medo de cair. Os resultados demonstraram que a prática dessas atividades foram uma importante estratégia de intervenção, pois detectou-se que com os exercícios regulares, grande parte dos idosos passaram a sentir maior confiança e segurança em deambular, além de melhorarem o equilíbrio corporal, flexibilidade e maior qualidade de vida (OH et al. 2012). No que tange às pesquisas nacionais, o empenho dos autores tem sido acerca de explorar e descrever os principais fatores que estão associados à ocorrência de quedas, bem como prevalência e como elas acontecem na vida dos idosos. Publicações referentes à temática buscam um diagnóstico de como as quedas ocorrem, os locais em que frequentemente acontecem e qual o perfil dessa população de idosos (Silva et al. 2012; Brito et al. 2013; Fhon et al. 2013). Sul e Sudeste foram as regiões que mais se destacaram em relação ao desenvolvimento desses estudos (Dias et al., 2011; Costa et al., 2011; Cavalcante et al., 2012) Para Pereira (2006) as quedas ocasionam consequências na vida dos caidores, as quais vão além do físico. São responsáveis pelo surgimento de alterações psicológica,s sociais, de dependência e financeira. Diante disso, cair se torna um evento grave com importantes repercussões para caidores e familiares Repercussões das quedas

19 As quedas ocorrem em qualquer fase da vida dos indivíduos, no entanto, entre os idosos elas representam grande relevância, tendo em vista as repercussões que acarretam. De acordo com Ferreira (2008), repercussão tem como definição ato ou efeito de repercutir. Fazer sentir indiretamente sua ação ou influência. As repercussões que as quedas dos idosos ocasionam na vida de quem as experencia, não são apenas físicas, mas também psicológicas e sociais (Silva et al. 2007). Com o surgimento da queda na vida dos idosos, os mesmos passam a sentir medo de cair novamente. Esse sentimento é caracterizado pela preocupação excessiva em sofrer queda e ansiedade ao caminhar. Síndrome comum com resultados potencialmente graves e frequentemente relatada por idosos caidores. Deshpande et al. (2008) afirmam que quanto maior o número de quedas, maior o medo de quedas recorrentes, associada à perda de confiança em deambular livremente. O medo de cair é considerado uma das repercussões mais incapacitantes, visto que aumenta o desuso, acentua perda da capacidade funcional restringindo assim a atividade cotidiana do longevo (MOREIRA et al. 2013). Pesquisa realizada em Florianópolis SC, com 1705 idosos da comunidade aponta que, 322 deles referiram queda no último ano. Dentre os caidores, grande parte dos caidores afirmou ter medo de cair novamente e em virtude desse sentimento, fazendo com que muitos reconhecessem o surgimento das limitações nas atividades rotineiras (ANTES et al. 2013). Essas restrições fazem com que os longevos permaneçam maior tempo em seus domicílios, realizando cada vez menos funções diárias. Situações responsáveis pela diminuição da força muscular e enfraquecimento dos membros inferiores, ocasionando ao idoso a condição de dependência, isolamento social e declínio funcional (JAHANA; DIOGO, 2007; COSTA et al. 2011). Para Fabrício; Rodrigues; Júnior (2004), os idosos ao caírem se sentem fragilizados e tendem a não se expor ao risco de novas quedas. Consequentemente, ocorre a diminuição do desempenho de suas atividades diárias e de participações sociais. Para Barreto e Amorim (2010), deixar de sair de suas casas e de se incluir em eventos sociais, são fatores importantes para desencadear tristeza, isolamento e até mesmo a depressão. Souza (2011) em uma pesquisa sobre as consequências causadas pelas quedas de idosos acrescenta que, dentre as consequências secundárias às quedas, surgem

20 dependência de terceiros, diminuição da capacidade funcional, perda da qualidade de vida, medo de cair novamente, restrição das atividades sociais e atitudes protetoras de familiares e profissionais. Aliada a essa questão, os familiares assumem por muitas vezes o processo de cuidar. No entanto, para que esse ato se concretize, torna-se necessária a integração das relações dos membros, disponibilidade e recursos dos mesmos (Oliveira; Menezes, 2011). A família desempenha o papel principal em relação ao suporte ao idoso dependente em ambiente domiciliar, mesmo com poucos recursos físicos, financeiros e humanos (ARAÚJO; PAÚL; MARTINS, 2011). Revisões de literatura sobre consequências das quedas na população idosa mostraram que elas repercutiram em abandono das atividades antes realizadas sem dificuldades, sentimentos de tristeza, impotência, medo de voltar a cair, mudança comportamental, restrição das atividades sociais, perda da autonomia, da independência e da qualidade de vida (MAIA et al. 2011; SOUZA, 2011). No entanto, Harthold et al. (2011) afirmam que essas repercussões não existem apenas na vida dos caidores, mas também faz parte da rotina dos familiares que assumem o cuidado ao longevo. Dessa forma, passam a sofrer repercussões psicológicas, sociais, desgaste físico e até mesmo financeiro. Para Gratao et al. (2012), poder retribuir atos realizados pelos idosos ao longo da vida, gera satisfação ao familiar, visto que o mesmo tem forças e condições para oferecer o cuidado a quem necessita no momento. Nesse sentido, os familiares são impulsionados a investirem todas as suas forças, custos e consequências para promoverem o bem-estar daqueles que amam e admiram. Oliveira e Caldana (2012) afirmam que grande parte dos filhos que cuidam dos pais, o faz como forma de retribuição pelo cuidado fornecido pelos mesmos durante a vida. Nesse sentido, os sentimentos de satisfação por executar essa atividade são experenciados por eles. Os familiares entendem que realizar os cuidados hoje, é resposta de quando os idosos estavam à disposição dos familiares, sendo visível a inversão dos papéis entre gerações O enfermeiro e a atenção à saúde do idoso

21 A Política Nacional do Idoso (PNI) criada em 1994 tem a finalidade de assegurar os direitos sociais do idoso, criando condições de para promoção de sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade. Partiu-se da premissa que a família, a sociedade e o estado têm dever de assegurar os direitos dos idosos, além de que o envelhecimento necessita fazer parte do conhecimento e informação de todos. Esta política visa estimular a criação de centros de convivências, casas-lares e centros de cuidados diurnos, os quais viabilizam alternativas de atendimento a diversos longevos. Além disso, busca prevenir, promover, proteger e recuperar a saúde através de programas e medidas profiláticas. Implantou-se o Plano de Ação para o Enfrentamento da Violência Contra a Pessoa Idosa, a qual visa promover ações que tratem do enfrentamento da exclusão social e de todas as formas de violência contra esse grupo social. Em 2003 é instituído o Estatuto do Idoso, o qual visa regular o direito da pessoa idosa, sem prejuízo da proteção integral aliada às condições de liberdade e dignidade. Em suma, acrescenta os direitos à vida, saúde, habitação, transporte, previdência social, além do intuito de mobilizar a opinião pública no sentido de participação dos diferentes segmentos da sociedade em relação ao atendimento ao idoso. O estatuto é destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos e a instituir severas penas para quem desrespeitar ou abandonar cidadãos longevos (BRASIL, 2003). Em fevereiro de 2006, é publicado o documento das Diretrizes do Pacto pela Saúde que contempla o Pacto pela Vida. A saúde do idoso aparece como uma das seis prioridades entre as três esferas de governo sendo apresentada uma série de ações que visam a implementação de algumas das diretrizes da Política Nacional de Atenção à Saúde do Idoso (BRASIL, 2006). Em outubro do mesmo ano, é regulamentada a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (PNSPI), a qual assegura os direitos das pessoas idosas através de condições de promoção de sua autonomia, integração e participação efetiva na sociedade, além de reafirmar o direito à saúde em todos os níveis de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa política assume que a capacidade funcional é o principal problema que pode afetar os idosos, através da perda das habilidades físicas e mentais, as quais são fundamentais para a realização das atividades básicas e instrumentais de vida diária (BRASIL, 2006).

22 A PNSPI acrescenta que é necessária a vigilância de todos os membros da equipe de saúde, a aplicação de instrumentos de avaliação e de testes de triagem, para detecção de distúrbios cognitivos, visuais, de mobilidade, de audição, de depressão e do comprometimento precoce da funcionalidade. Preservar a autonomia e a independência funcional das pessoas idosas é a meta em todos os níveis de atenção desta política. (BRASIL, 2006). O Ministério da Saúde tem desenvolvido campanhas de prevenção da osteoporose e quedas, além da realização de oficinas estaduais com o objetivo de sensibilizar e capacitar os profissionais de nível superior, preferencialmente aqueles que atuam na Atenção Básica, para trabalhar numa linha de cuidado que vise à prevenção da osteoporose e das quedas e à identificação de idosos caidores, em uma visão multidisciplinar, tendo como instrumento a Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa. Esta Caderneta se trata de um instrumento valioso que auxilia na identificação das pessoas idosas frágeis ou em risco de fragilização, além de serem registradas informações relevantes a respeito das condições de saúde. Para os profissionais de saúde, possibilita o planejamento, organização das ações e um melhor acompanhamento do estado de saúde dos longevos. Além disso, nela constam dados acerca da ocorrência de quedas dos longevos, para que sejam preenchidas informações de quantas vezes os idosos sofreram quedas por ano e por semestre, além de registrarem informações que julgam necessárias. Ademais, foi divulgado o Caderno de Atenção Básica - Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa, o qual objetivou fornecer uma maior resolutividade às necessidades da população idosa na Atenção Básica (AB) e fornecer maiores subsídios para a prática dos profissionais. Este foi elaborado a partir do Pacto pela Vida de 2006 e das Políticas Nacionais de Atenção Básica, de Atenção à Saúde da Pessoa Idosa, Promoção da Saúde e Humanização no SUS (BRASIL, 2006). Em Victoria Canadá, no ano de 2007, ocorreu um encontro dos profissionais de saúde de todos os continentes com o tema: Relatório do encontro técnico sobre prevenção das quedas na velhice da Organização Mundial da Saúde. O objetivo dessa reunião foi pautar um modelo de Prevenção de Quedas, embasados no Envelhecimento Ativo. Frente a isso, foi elaborado um Relatório Global, o qual fornece informações desde a magnitude das quedas na visão mundial, até mesmo de como prevenir a ocorrência de quedas dos idosos e mantê-lo em estilo ativo de vida (OMS, 2010).

23 Políticas públicas saudáveis que fornecem informações, estratégias e estabelecem prioridades frente ao crescente problema das quedas em uma sociedade que está envelhecendo, servem de fonte para facilitar a construção de novas pesquisas e informações que sejam facilmente acessadas pelos indivíduos da comunidade e, principalmente, pelos profissionais de saúde que lidam com a população idosa. Além disso, fornecem estruturas e apoio essenciais para uma abordagem ampla e interligada com a prevenção de quedas, para que as evidências de prevenção apoiem a aplicação eficaz das intervenções adequadas e a prática dos profissionais sejam embasadas de acordo com os padrões e protocolos estabelecidos por estas.

24 2. METODOLOGIA Estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. Essa abordagem possibilita conhecer percepções, experiências de vida e reflexões da realidade a partir da ótica dos sujeitos (TRIVIÑOS, 2010). Desta forma, ela se mostra adequada para compreender a vivência dos idosos e de seus familiares com o evento da queda, tal o proposto neste estudo. A pesquisa foi desenvolvida na área urbana do município de Cuiabá, capital de Mato Grosso, localizado na Região Centro-Oeste do Brasil. A cidade conta com aproximadamente habitantes, sendo idosos, valor que representa 8,1% da população total da capital (IBGE, 2010). Participaram da pesquisa 15 idosos e 22 familiares. Esses sujeitos foram selecionados a partir do estudo realizado por Cardoso (2013), em 2012, sobre as condições de saúde das pessoas com 60 anos ou mais residentes na zona urbana do município de Cuiabá MT. Nessa pesquisa, os idosos foram questionados sobre a ocorrência de quedas nos últimos três meses e 109 responderam sim. Os 15 idosos e seus familiares foram selecionados por meio de amostragem intencional. Definiu-se como critério de inclusão que os idosos residissem com os familiares há pelo menos doze meses, tempo considerado necessário para a vivência da queda e suas repercussões. Assim, a partir dos dados de identificação e residência dos idosos obtidos da pesquisa de Cardoso (2013), deu-se início à coleta de dados. O número de participantes foi definido por meio da saturação dos dados (POLIT; BECK, 2011). Realizou-se teste piloto com um idoso caidor e seus familiares residentes em bairro diferente dos participantes da pesquisa, a fim de verificar a aplicabilidade do instrumento e a compreensão das perguntas pelos sujeitos. A coleta dos dados foi realizada por meio de entrevista semiestruturada, utilizando-se um roteiro contendo quatro questões norteadoras (APÊNDICE A). As entrevistas foram realizadas no período de janeiro e fevereiro de 2013, no domicílio dos idosos. Ao chegar às residências, a pesquisadora se apresentou e explicou o motivo da visita. De forma clara, explanou-se o objetivo, os benefícios, direitos, riscos dos sujeitos em relação à pesquisa, bem como a forma como as perguntas seriam conduzidas.

25 Esclareceu-se ainda, que a participação seria de forma voluntária e que os sujeitos poderiam desistir a qualquer momento. Para dar maior fidedignidade aos relatos, solicitou-se permissão para gravar a entrevista. Por fim, foi solicitada a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) pelos participantes (APÊNDICE B). As entrevistas foram realizadas nos domicílios, em local escolhido pelos participantes, longe de ruídos e movimentações, com duração média de 50 minutos. Os relatos foram transcritos na íntegra. Para análise dos dados foi utilizada a Análise de Conteúdo, na modalidade Análise Temática, proposta por Bardin (2010). A técnica preconiza três principais passos, sendo eles a pré-análise, a exploração do material e o seu tratamento e a interpretação. A fim de contemplar essas etapas, realizou-se a leitura flutuante das entrevistas em sua totalidade. Após esse momento, criaram-se códigos para facilitarem a identificação dos principais elementos dos relatos analisados. Para tanto, construímos agrupamentos (APÊNDICE C), os quais foram compostos pelas falas dos entrevistados, pela identificação dos mesmos e observação principal da pesquisadora. Em seguida, criaram-se unidades de análise, as quais foram categorizadas e contempladas com parte dos relatos dos entrevistados. Ao final da análise chegou-se a três temas: As quedas dos idosos; Repercussões da queda na vida dos idosos; Repercussões da queda dos idosos na vida dos familiares. Essas categorias foram analisadas e discutidas com base no referencial teórico produzido sobre o assunto. Por fim, realizou-se inferências e discussão dos dados embasados no referencial teórico apresentado. A pesquisa foi submetida para análise do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Júlio Muller, cumprindo os requisitos determinados pela resolução 196/96 para toda e qualquer pesquisa realizada com seres humanos, sendo aprovada em 20 de dezembro de 2012, sob protocolo nº Na apresentação das categorias empíricas encontradas foram utilizados fragmentos dos relatos dos participantes, identificados pelas palavras idoso(a), grau de parentesco do familiar (esposo(a), filho(a), nora, neto(a)) e idade dos participantes.

26 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Participaram do estudo 15 idosos, a maioria do sexo feminino na faixa etária de 70 a 79 anos. Este dado está de acordo com a literatura sobre quedas de idosos, a qual mostra que as mulheres nesta faixa etária são as maiores vítimas desse evento (Gawryszewski, 2010; Cruz et al., 2012). Além disso, existe predisposição maior para ocorrência de quedas entre as pessoas acima de 70 anos visto que o processo de envelhecimento determina inúmeras mudanças físicas e mentais, as quais contribuem para ocorrência evento (CHIANCA et al., 2013). Vinte e dois familiares também foram entrevistados, a maior parte era filhas, noras e netas. De acordo com o IBGE (2012) aproximadamente 85% dos idosos vivem com outra pessoa com quem estabelecem alguma relação de parentesco, podendo ser filhos, cônjuges, outro parente ou agregado. 3.1 As quedas dos idosos A etiologia da queda é multifatorial, sendo difícil atribuir uma única causa para a ocorrência desse evento nos idosos. A literatura aponta que os fatores responsáveis pelas quedas dos idosos podem ser tanto intrínsecos quanto extrínsecos (DARGENT- MOLINA; KHOURY; CASSOU, 2013; CAVALCANTE; AGUIAR; GURGEL, 2012; SANTOS et al. 2012). Dentre os fatores intrínsecos, alterações na forma do corpo, diminuição da altura, perda de massa muscular e modificação na marcha são as principais alterações anatômicas ligadas à ocorrência de quedas. Essas alterações em conjunto podem provocar a instabilidade corporal e dificultar a manutenção do equilíbrio (Silva et al. 2007; Müjdeci; Askoy; Atas, 2012). Já entre os fatores extrínsecos pesquisas mostram que os tropeços, escorregões em pisos molhados e iluminação inadequada são os que mais contribuem para as quedas. A partir dos relatos constatou-se que as quedas dos idosos aconteceram dentro e fora dos ambientes domiciliares em atividades simples e normalmente desempenhadas por eles no dia a dia. Dentro do domicílio, os locais em que eles frequentemente caíram foram o banheiro, a cozinha e o quintal. Por outro lado, fora do domicílio os idosos comumente caíram na rua.

27 No que entrei no banheiro, escorreguei e caí (Idosa, 73 anos)....escorreguei e caí aqui dentro de casa mesmo (Idoso, 80 anos). Aqui em casa eu já caí no banheiro, na porta, no quintal, em toda parte (Idosa, 77 anos). Pesquisas sobre quedas de idosos na comunidade confirmam que longevos costumam cair mais frequentemente dentro dos seus domicílios (Cruz et al., 2012; Aveiro et al., 2012; Chianca et al., 2013). Nesse sentido, os idosos estão continuamente expostos à ocorrência de quedas, visto que nesse local encontram diariamente fatores ambientais que lhe oferecem risco, como pisos escorregadios, tapetes, fios soltos, ambientes sem ou com pouca iluminação, presença de degraus, entre outros....levantei para ir no banheiro e estava tudo escuro, não consegui enxergar direito e caí... (Idosa, 72 anos). Os idosos e seus familiares relataram que, na maioria das vezes, caem porque tropeçam ou escorregam. Isso mostra que, no caso deles, os fatores extrínsecos são os principais responsáveis pela ocorrência do evento. Eu escorreguei na cozinha, eu caí de perna aberta (Idosa, 62 anos).... quando eu voltei para ver a panela que estava no fogo eu tropecei no degrau e caí (Idosa, 82 anos). Igualmente, evidenciou-se nos relatos que as quedas dos idosos participantes do estudo também foram ocasionadas por fatores intrínsecos....eu perco o equilíbrio, qualquer coisa que meu pé falseia eu já perco o equilíbrio, aí eu vou para o chão (Idosa, 77 anos). Ergui o braço para colocar a roupa no varal e caí de novo, acho que fiquei tonta porque levantei o braço [...] qualquer coisinha fico tonta e caio (Idosa, 72 anos). Esses resultados mostram que a enfermagem tem um papel importante junto aos idosos e seus familiares. De acordo com Australian (2009) os enfermeiros são

28 fundamentais na detecção precoce do evento, pois são aptos a reconhecerem idosos em potencial risco de cair. A educação em saúde é um campo da prática do enfermeiro no qual diversos aspectos do fenômeno quedas de idosos podem ser trabalhados contribuindo para sua prevenção. A atividade educativa dá oportunidade ao enfermeiro de trocar informações e conhecimento com o usuário e seus familiares e esclarecerem pontos de vista e conceitos errôneos sobre quedas. Além disso, as ações da educação em saúde possibilitam ao indivíduo desenvolver sua autonomia e emancipação, tornando-o capaz de cuidar de si, dos seus familiares e te tudo o que o envolve (Machado et al. 2007). De acordo com Teston; Oliveira; Marcon (2012) orientações e informações fornecidas aos indivíduos e familiares podem proporcionar melhores cuidados a esses sujeitos. Na Atenção Básica, por meio da visita domiciliar, o enfermeiro pode desenvolver as ações de educação em saúde juntamente com outros profissionais. A visita domiciliar é uma importante estratégia que visa intervenção dos profissionais de saúde, considerando a aproximação com o contexto social e familiar, incluindo as questões objetivas e subjetivas (PINHEIRO; ALVAREZ; PIRES, 2012). A OMS (2010) afirma que nem todos os profissionais que atuam na Atenção Básica estão preparados para assistir os idosos na prevenção de quedas. Assim, torna-se necessário que sejam capacitados quanto à correta utilização de protocolos e procedimentos que auxiliem na identificação de idosos que estão em maior risco de sofrer quedas. As ações de educação em saúde visando a diminuir a probabilidade dos idosos caírem na comunidade devem iniciar com uma avaliação ampla junto com o idoso e seus familiares. Além de utilizar protocolos de prevenção de quedas, o enfermeiro deve colher dados sobre a forma como o idoso se comporta, o ambiente em que vive, assim como seu estado de saúde e tratamento. Segundo Nogueira et al. (2012), é de suma importância avaliar os fatores intrínsecos observando principalmente a visão e audição dos longevos, presença de sonolência e incontinência urinária. A fim de prevenir problemas mais graves que podem dificultar ou impedir a realização das atividades de vida diária dos longevos, Veras et al. (2007) recomendam que se deva identificar os fatores reais e potenciais que predispõem a ocorrência de quedas nos ambientes internos e externos ao domicílio (fatores extrínsecos).

29 A partir dessa avaliação, os profissionais podem planejar, juntamente com o idoso e seus familiares, as ações de promoção à saúde e de prevenção de quedas. Algumas estratégias são sugeridas pela OMS (2010) no seu Protocolo de Prevenção de Queda, como a prática regular de exercícios e a adoção de uma alimentação saudável, incluindo a ingesta de cálcio. A fim de promover o envolvimento dos idosos e seus familiares na ação educativa, é fundamental que o enfermeiro ofereça conhecimento sobre a gravidade das quedas, bem como suas repercussões na saúde e na vida deles. De igual modo, instruílos sobre a necessidade de atentar para comportamentos de risco e realizar algumas mudanças no modo de vida. Outra questão a ser trabalhada é a adaptação do ambiente para que futuras quedas sejam evitadas. Ressalta-se que as adaptações são geralmente simples e corriqueiras, as quais muitas vezes dependem mais das modificações dos hábitos e costumes dos idosos, do que de quaisquer outras intervenções. Além disso, o acompanhamento adequado de cada indivíduo possibilita aos profissionais recomendarem programas de tratamentos específicos, culturalmente apropriados e acessíveis a cada longevo (OMS, 2010). Na análise dos relatos percebeu-se que para uma parte significativa dos idosos e familiares, as quedas se constituem um evento natural que acontece na vida das pessoas quando envelhecem. Foi uma fatalidade mesmo, foi a primeira vez que eu caí, não sei o que aconteceu, nunca tinha caído (Idosa, 66 anos). Quando ela cai e não machuca e nem ligo muito, porque acho que é porque ela está velhinha (Neta, 18 anos). Eu caio muito mesmo minha filha, já caí demais aqui dentro de casa e na rua também, mas não me preocupo muito com isso não (Idosa, 73 anos). Essa percepção da queda como um evento inerente à velhice também foi encontrado por Rocha et al. (2010) em estudo desenvolvido em 2008 com 13 idosos vítimas de quedas. Grande parte dos idosos estudados referiu que a queda era uma fatalidade, mesmo tendo caído por mais de uma vez e tendo tido consequências graves em decorrência do evento.

30 Segundo a OMS (2010), na medida em que os idosos e seus familiares consideram as quedas como um evento próprio do envelhecimento, suas atitudes em relação à prevenção passam a não existir. Isso foi encontrado nos resultados deste estudo. Em suas falas percebeu-se que alguns mantêm comportamentos que os expõem ao risco de quedas....fui subir no guarda roupa e aqui tem muito tapete e no que eu desci da cadeira escorreguei no tapete, aí eu caí (Idoso, 63 anos). Ela não quer usar bengala, não quer usar andador, não quer usar nada, aí ela cai (Filha, 52 anos). Novamente, para que se efetive a prevenção deste evento, torna-se necessária a educação dos caidores e seus familiares em relação ao significado das quedas na saúde do idoso e na vida deles, bem como à necessidade de mudança de comportamento. No Brasil, o Ministério da Saúde adotou o Modelo de Prevenção de Quedas, no qual os profissionais de saúde têm um papel fundamental de educar os idosos e familiares em relação à importância das quedas e de sua prevenção. Existem evidências de que diversas estratégias comportamentais possam ser utilizadas pelos profissionais de saúde para ajudar as pessoas a mudarem o comportamento e mantê-lo, como contratos de saúde e apoio da família e amigos (OMS, 2010). Para tanto, sugere-se o treinamento dos familiares próximos aos longevos, cuidadores diretos e comunidade para que estejam aptos a identificarem os fatores de risco que predispõem as quedas, bem como agirem para redução da probabilidade de cair. Essa ação visa conscientizar a população dos malefícios da queda, bem como proteger os que já estão em risco. No entanto, para que haja um treinamento e um repasse de informações de qualidade, torna-se fundamental que os profissionais de saúde sejam capacitados para essa atividade e que estejam aptos a realizarem a educação em saúde com a comunidade e envolvidos com as quedas. 3.2 Repercussões das quedas na vida dos idosos Repercussões físicas das quedas

31 As quedas são um problema frequente na vida dos idosos capaz de desencadear consequências físicas, psicológicas e sociais relevantes. Neste estudo, vários idosos relataram problemas físicos decorrentes das quedas.... uma vez eu caí e cheguei a quebrar meu pé...(idosa, 77 anos). Caí e bati o braço e o peito [...] foi até que eu desloquei o ombro [...] eu estava sentindo muita dor depois que eu caí... (Idosa, 82 anos).... até fiquei sem andar por um tempinho depois que eu caí [...] tinha que ficar com o joelho enfaixado [...] não podia levantar... (Idoso, 80 anos). A literatura mostra que esse tipo de consequência se constitui na primeira repercussão que os idosos sofrem em função da queda e as principais são as dores, escoriações, fraturas e imobilização (Almeida et al. 2012; Chiu et al. 2012; Bretan et al. 2013). Segundo Perracini (2004) entre 5% a 10% dos idosos residentes na comunidade apresentam lesões severas, que necessariamente não aparecem no momento da queda. Em pesquisa realizada em 2011, em Erechim RS, com 35 idosos vítimas de quedas, os autores encontraram 36% dos caidores com hematomas, 22% com fraturas seguidas de cirurgias, 14% ficaram imobilizados em função de gesso/tala, 14% necessitaram de auxílio de dispositivo para deambular e 12% necessitaram de sutura (Carvalho et al., 2012). Em outro estudo desenvolvido em Ribeirão Preto - SP, em 2011 com objetivo de determinar a prevalência de quedas de idosos que vivem no domicílio e sua relação com a capacidade funcional e a fragilidade, as principais consequências físicas apresentadas pelos idosos caidores foram escoriações, ferimentos que necessitaram de sutura, fraturas fechadas, entorse e luxação (FHON, 2011). O conhecimento de que as quedas trazem essas repercussões físicas nos idosos e em graus variados exige do enfermeiro uma avaliação física sistemática e cuidadosa, considerando, inclusive, que o idoso pode não referir a lesão por achar desnecessário. A importância da lesão física reside no fato de que para além do efeito imediato no corpo do idoso, ao longo do tempo, ela poderá repercutir na sua capacidade funcional (CF), consequentemente, na sua independência.... até fiquei sem andar por um tempinho depois que eu caí [...] tinha que ficar com o joelho enfaixado e não podia levantar (Idoso, 80 anos).

32 ... colocaram um negócio no meu braço por um tempão para não mexer e só me atrapalhava as coisas, fiquei dependendo um tempão (Idosa, 82 anos). A dependência dos idosos em decorrência da queda pode ser tanto para tarefas simples, como saídas de casa, quanto para as atividades de vida diária (AVD) e de autocuidado. Em 2005, foi desenvolvida uma pesquisa na cidade de Campinas SP com 73 idosos que vivem na comunidade com objetivo de caracterizar as causas e consequências das quedas sofridas por eles. Observou-se que a maioria dos idosos relatou necessidade de auxílio na realização das atividades básicas de vida diária após as quedas (JAHANA; DIOGO, 2007). Para além da avaliação física do idoso, o enfermeiro deve voltar seu foco para a avaliação periódica e sistemática da sua CF, no sentido de descobrir alterações decorrentes da queda. A perda da CF é um dos principais problemas que atinge os idosos, considerada um importante marcador de que o envelhecimento está sendo bem sucedido e com boa qualidade de vida (DIAS; SILVA; VITORINO, 2009) Repercussões psicológicas das quedas Além das repercussões físicas provocadas pelas quedas, nos relatos dos idosos percebe-se que repercussões psicológicas ocorreram após esse evento. O medo de cair foi constantemente apontado pelos participantes e, comumente associado à preocupação de sofrer fraturas, ficar imobilizado e ter dependência....eu tenho medo de cair, eu tenho medo demais de cair. Você já pensou na minha idade fraturar um braço ou uma perna não é brincadeira (Idosa, 73 anos). Também tenho medo de cair e quebrar alguma coisa e ficar dependendo dos outros, isso não é bom (Idosa, 73 anos)....tenho medo de cair, porque eu tenho medo de cair assim e depois não andar mais [...] eu não quero ficar na cama não (Idosa, 62 anos). O medo de cair é um fenômeno que acontece entre os idosos caidores. É definido como sentimento que envolve a baixa confiança em si para evitar quedas ou até

33 mesmo preocupação excessiva em relação à ocorrência de quedas que pode vir a limitar atividades do dia a dia (Camargos, 2007). É de interesse de muitos pesquisadores, pois pode ser responsável pela restrição de atividades do idoso, declínio da sua capacidade funcional e da qualidade de vida, até perda da autonomia (HARTHOLD et al., 2011; NICOLUSSI et al., 2012; ANTES; SCHNEIDER; BENEDETTI, 2013) De acordo com Freitas; Scheicher (2008), dentre as atividades desempenhadas normalmente nos domicílios, as que mais restringem os idosos pelo medo de cair são andar em superfície irregular, descer rampa, limpar a casa e sentar-se ou levantar-se da cadeira. Enquanto, para atividades sociais há grande preocupação em andar em locais com muitas pessoas e pela vizinhança, fazer compras. Em um estudo desenvolvido em 2006, na cidade da Toscana Itália, com 848 idosos, 673 deles revelaram ter medo de cair. Desses, 59,6% relataram moderada restrição de atividades e 14,9% afirmaram severa restrição das atividades (Deshpande et al. 2008). Da mesma forma, em Belo Horizonte MG foram pesquisados 113 idosos e dentre eles, 29% afirmaram ter medo de cair enquanto que 53% relataram não apenas ter medo de cair, mas também reduziram suas atividades. Os autores encontraram que os idosos apresentavam mais medo de cair durante as atividades de andar em locais escorregadios e tomar banho de chuveiro (DIAS et al. 2011). Pesquisa realizada em 2009 no Rio de Janeiro RJ com 60 idosas caidoras teve por objetivo identificar o medo de sofrer quedas recidivas. Destas, 40,11% não referiu preocupação, 30% relatou um pouco de preocupação, 25,33% moderada preocupação e 4,6% muita preocupação em cair durante a realização das funções. As atividades para as quais se mostraram mais preocupadas foram tomar banho, andar em superfícies escorregadias ou irregulares, andar em um local onde haja multidão e sair para eventos sociais (REZENDE et al. 2010). Quando em excesso, o medo de cair pode desencadear reações negativas no bem-estar físico e funcional e repercutir na autoconfiança dos longevos caidores. Ao caírem eles se sentem desvalorizados e, quando apresentam dificuldades ou limitações, podem apresentar sentimentos de tristeza e isolamento. Pesquisa realizada em 2011, no Distrito Federal, com o objetivo de avaliar o medo de cair em 50 idosos da comunidade com neuropatia diabética, mostrou que 37% deles afirmaram se sentir chateados/assustados e 17% ficaram desesperados ou nervosos após experienciar a queda (REZENDE et al. 2010).

34 Para outros idosos, no entanto, o medo de cair pode atuar como fator positivo, impulsionando-os a modificarem seus comportamentos e prevenirem-se contra a queda. Isso foi identificado nos relatos dos idosos participantes deste estudo. Eu evito fazer as coisas que podem cair [...] tento atravessar o degrau devagar, desço devagar, porque aqui na cozinha e fundo tem degrau, eu desço e subo devagar (Idosa, 66 anos)....agora já tomo cuidado para andar, para não cair de novo [...] eu comecei a andar mais lento para ver se não caio mais (Idosa, 62 anos). De acordo com Lopes et al. (2009), os idosos que possuem medo de cair podem utilizar diferentes estratégias para diminuir o risco de quedas, dentre elas destacam-se o caminhar mais atento, diminuição da altura e do comprimento do passo e redução da velocidade. Para Curcio; Corriveau; Beaulieu (2011), as estratégias utilizadas pelos caidores é de se preocuparem não apenas consigo mesmos, mas também com seu entorno, passam a selecionar melhor suas atividades, os lugares e os horários para elas. Frente a essas mudanças de comportamento dos idosos, cabe aos profissionais de enfermagem não apenas fornecer conhecimentos acerca da prevenção de quedas, mas também se torna importante avaliar a disposição individual de cada caidor em mudar o modo de vida e adotar medidas preventivas diárias. Para que a mudança seja concreta na vida dos idosos é imprescindível que ela ocorra dentro de sua capacidade, ou seja, cabe ao profissional identificar as reais condições em que ele se encontra para que o comportamento seja adequado ao contexto em que o mesmo está inserido. De acordo com OMS (2010) é fundamental obter apoio dos familiares e amigos, promover a autonomia dos longevos idosos, percebendo suas particularidades e oferecendo a possibilidade de fazer suas próprias escolhas. Além disso, informar periodicamente o progresso de cada caidor a fim de ajudá-los no desenvolvimento de expectativas realistas a respeito dos próprios avanços Repercussões sociais das quedas Como mencionado anteriormente, a ocorrência de quedas na vida do idoso torna-o mais propício a restringir suas atividades rotineiras e sociais. Os relatos dos idosos mostram que alguns caidores passam a reduzir suas atividades e a depender mais de outras pessoas para sair de suas casas.

35 ... eu não saio mais, para onde eu quero ir, alguém tem que me levar [...] depois que eu caí nem saio mais não (Idosa, 72 anos). Antigamente não parava, passeava bastante, viajava, trabalhava, fazia serviço pra lá e pra cá. Agora, depois que caí, manero mais, porque não aguento andar, só vou até bem ali e sempre alguém vai comigo (Idosa, 62 anos). Esse resultado também foi encontrado em uma pesquisa realizada em 2009 em Caldas - Colômbia com 37 idosos com o objetivo de identificar o processo do medo de cair na vida cotidiana dos longevos demonstrou que muitos deles diminuíram consideravelmente as saídas de casa e deixaram de frequentar locais movimentados após terem caído. Eles também admitiram que, quando o faziam, quase sempre estavam acompanhados por terceiros (CURCIO; CORRIVEAU; BEAULIEU, 2011). A redução das atividades ocasiona alterações na qualidade de vida dos caidores uma vez que impede a socialização dos idosos com a comunidade e diminui a probabilidade de uma vida mais ativa e independente. Não somente isso, mas os longevos que deixam de praticar atividades sociais ficam mais propensos à ocorrência do comprometimento progressivo da capacidade funcional ao longo do tempo, o que pode torná-los mais vulneráveis à ocorrência de novas quedas (BRASIL, 2005). Do mesmo modo, depender de familiares para realizar atividades sociais e de lazer, pode desencadear nos idosos sentimentos de impotência, tristeza e vergonha, contribuindo ainda mais para que eles prefiram permanecer no domicílio. Além disso, o suporte social inadequado ao idoso caidor está intimamente relacionado com o declínio considerável da saúde e do bem-estar do indivíduo. É de extrema relevância, portanto, que o enfermeiro considere esse tipo de repercussão social na vida do idoso após a ocorrência de queda. A avaliação adequada deste aspecto pode fazer diferença considerável entre o sucesso e o fracasso de qualquer estratégia de intervenção social (OMS, 2010). Ao profissional de enfermagem cabe ainda planejar estratégias acordadas com o idoso e seus familiares no sentido de promover sua independência e autonomia. Igualmente, promover atividades que incluam a participação do idoso, bem como orientar sua execução de forma segura e eficiente. Aos familiares cabe a função de incentivar a inclusão nessas atividades, bem como desenvolver mecanismos que facilitem e auxiliem a execução dessas estratégias.

36 3.3 Repercussões das quedas dos idosos na vida dos familiares Conforme Carvalho et al. (2010), algumas situações exigem maior cuidado e atenção da família com os idosos, fato que repercute na vida dos familiares. Por meio das entrevistas realizadas com os idosos e seus familiares foi possível perceber que as quedas dos primeiros podem trazer repercussões significativas na vida dos últimos que incluem aspectos físicos, emocionais, sociais e financeiros. Com a ocorrência de quedas dos idosos, os familiares muitas vezes são levados à reorganizar a dinâmica e rotina da família, passam a ser solicitados a executarem o cuidado direto com eles e a permanecerem mais presentes na vida dos longevos (Lemos; Gazzola; Ramos, 2006). Além disso, os familiares passam a adotar comportamentos de vigilância constante e preocupação em relação ao idoso (CHIANCA et al. 2013). Quando o idoso cai e apresenta lesões que o restringem, os familiares passam a assumir a função de cuidadores. Em decorrência disso, podem vivenciar situações de sobrecarga física e de função, pois assumem nova rotina diária, a qual envolve cuidados que antes não eram praticados em relação aos idosos. Na época que ela caiu, só sobrecarregou porque ela era muito ativa, lavava roupa, fazia comida, só não limpava a casa. Aí quando cai você fica sobrecarregada nesse aspecto, porque você está fazendo um cabelo [ela é cabelereira] e tem que largar para fazer comida, lavar roupa, tem que parar para ver isso, porque ela não está podendo [...] Quando precisava de alguma coisa, sempre me chamava [...] dessa vez ela ficou dependendo de mim para tudo porque não podia levantar (Filha, 47 anos). Eu passei dificuldade porque nessa época ela era gorda eu peguei um mal na coluna de andar com ela [...] eu tinha que trocar fralda, tudo [...] Eu acho bom dividir com meus irmãos, mas acaba sobrecarregando do mesmo jeito (Filha, 52 anos). Estudo desenvolvido em Ribeirão Preto - SP com 124 indivíduos que exercem cuidado direto ao idoso mostrou que a dependência funcional dos idosos e horas que praticam cuidado, foram fortes preditores para sobrecarga, desconforto emocional, sentimentos de esgotamento, exaustão e solidão, principalmente nos casos em que o familiar é o cônjuge (GRATAO et al. 2012). O mesmo achado foi verificado na pesquisa realizada no município de Cuiabá- MT em 2011, a qual demonstrou que famílias que necessitam exercer o cuidado de

37 idosos totalmente dependentes, sofrem forte repercussão, dentre elas a necessidade de apoio financeiro, maior sobrecarga de trabalho e maior tempo despendido ao cuidado (CUNHA, 2013). Não apenas esses aspectos repercutem na vida dos familiares dos longevos, mas também suas rotinas diárias são afetadas, bem como a diminuição da jornada de trabalho e consequentemente a vida financeira (PEREIRA, 2006)....desmarco alguns clientes para poder vigiar de perto, mas isso eu nem me importo, porque são meus pais, faço isso de retribuição... (Filha, 39 anos)....eu tive que diminuir meu trabalho para ficar com ela em casa [...] aí quando vi que ela estava melhor eu voltei a trabalhar (Nora, 42 anos). Gratao et al., (2012) afirmam que muitos familiares deixam seus empregos e funções, abandonam suas próprias vidas e, poucos podem contar com auxílio direto de familiares para dividir funções. Pimenta et al., (2009) em uma pesquisa realizada na região do Porto Portugal, com 120 familiares de idosos dependentes, encontraram que 17% deles necessitaram deixar seus empregos, 46% reduziram sua carga horária para manter vigilância constante ao idoso, 9% admitiram ter conflitos com o cônjuge devido ao tempo que passa com o idoso e 3% afirmaram ter reduzido consideravelmente o tempo de lazer. Mesmo que o idoso não se torne uma pessoa dependente por muito tempo, a tarefa de cuidar pode exigir dos familiares que realizam o cuidado direto, que deixem de viver suas próprias vidas, e poucos contam com a ajuda de outros para dividir essa tarefa. Porque só eu saio com ela, então não tenho tempo para mim, porque quando saio sempre tenho que levar ela comigo... (Nora, 48 anos). Eu saía bastante, agora tive que parar de sair. Eu parei bastante de sair depois que eles começaram a cair, agora eu fico em casa e vou só na igreja agora... (Filha, 47 anos). Oliveira e Caldana (2012) afirmam que os familiares sofrem privação social e renúncias em função do cuidar. Sentimentos são alternados frequentemente durante esse processo, pois vivenciam a satisfação, a felicidade, a raiva, a impaciência e sobretudo a

38 retribuição. O familiar passa a ter a percepção de sua vida particular e profissional são deixadas de lado em função do cuidado ao idoso. Em relação às repercussões emocionais pode-se perceber pelos relatos dos familiares que eles passam a ter medo que de que o idoso caia novamente. A gente fica com medo, porque cair é perigoso, cair de mau jeito, quebrar um braço, uma perna, cabeça, perigoso [...] e até a gente mesmo fica mais preocupado (Nora, 48 anos). Eu só tenho medo que ela caia de novo e não aguente, porque dessa vez já foi difícil para ela, imagina se ela cair de novo, acho que vai ser cada vez pior (Nora, 42 anos). Isso faz com que os familiares adotem medidas de restrição de atividades do idoso, bem como comportamento de superproteção e vigilância constante com o intuito de se evitar quedas recorrentes. Pesquisa realizada no município de Farroupilha RS, no ano de 2008, com objetivo de abordar complicações do tornar-se cuidador de idosos dependentes, demonstra que filhas, cuidadoras principais de idosas dependentes, deixam de sair de suas casas por acreditarem que outra pessoa é incapaz de exercer o mesmo cuidado ao idoso dependente. Admitem que os momentos em que saem de casa são raros, no entanto, reconhecem a importância de se ausentarem de seus lares mesmo que por curtos períodos. O estudo acrescenta ainda que, as idosas dependentes apenas saem com suas filhas ou acompanhadas por terceiros, pois familiares afirmar ter medo de que algo aconteça nesse período em que estiverem ausentes (BOHM; CARLOS, 2010). Agora é igual uma criança [...] tudo agora só eu, porque aonde ele vai eu tenho que estar pajeando, por isso que eu falo para ela ficar quietinha vendo televisão, assim não tenho que ficar muito em cima dela (Filha, 39 anos). Quando ela vai à igreja, sempre vai alguém com ela para acompanhar, quando a gente deixa ela fazer alguma coisa é só isso mesmo, de resto ela fica em casa bordando as coisas dela (Filha, 35 anos). A gente fica em cima dela o tempo todo para não deixar ela fazer as coisas [...] a gente fica mais atenta com ela, sempre tem alguém junto [...] fico falando para ela tomar cuidado, para deixar que eu faço isso (Nora, 42 anos).

39 Atitudes protetoras em excesso com os idosos pode levá-los à execução de cada vez menos atividades diárias podendo desencadear um efeito negativo na autoestima e independência dos longevos. Fato que vai contra a Política do Envelhecimento Ativo (OMS, 2010), a qual visa manter o idoso em plenas funções ao máximo de tempo possível. Este é um fator aliado à prevenção de quedas, pois se acredita que quanto mais as pessoas mantiverem modos de vida ativos e saudáveis, mais elas têm a possibilidade de postergar a ocorrência e recorrência de quedas. Segundo Martins et al. (2009), não apenas os longevos necessitam de assistência adequada às suas necessidades, mas também seus familiares, principalmente porque passam a assumir o papel de cuidador principal, reforçando a necessidade da participação ativa de enfermeiros e profissionais de saúde no cuidado a essas pessoas. O cuidador familiar precisa ser visto como alguém que, também, tem necessidades que precisam ser satisfeitas e, portanto, deve estar inserido nesse contexto de cuidado (SCHOSSLER; CROSSETTI, 2008). Frente a essas situações, cabe ao profissional de enfermagem orientar os familiares da importância de se manter um envelhecimento ativo e saudável. Para tanto, torna-se necessária e educação acerca dos ambientes seguros e apropriados aos idosos, apoiar a independência por meio de mudanças nos ambientes e de comportamentos, reduzir riscos de solidão e isolamento social criando grupos comunitários especiais para longevos, permitir que os idosos sejam capazes de solucionar problemas. De acordo com a OMS (2005), os profissionais que exercem cuidados a idosos necessitam de treinamento e prática a respeito dos modelos capacitadores de assistências, os quais reconhecem a realidade dos idosos, estimulando-os a manterem atitudes independentes de acordo com as possibilidades individuais.

40 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta pesquisa revelou que as repercussões ocasionadas pelas quedas na vida dos idosos e seus familiares são semelhantes, no entanto, percebeu-se que existem diferenças na forma como vivenciam e percebem o evento, o que permite repercutir de forma distinta na vida de quem as experienciam. Destaca-se que as repercussões ocasionadas na vida dos idosos caidores foram as físicas como dor, fraturas e imobilizações; as repercussões psicológicas englobaram o medo de cair e medo de dependência para movimentar-se e as repercussões sociais, as quais incluíram a redução das atividades sociais, isolamento e dependência para deslocamento. Na vida dos familiares, as quedas repercutiram fazendo que com passassem a sentir medo de que os idosos caíssem novamente, medo de que pudessem sofrer fraturas ou hospitalização. Este medo desencadeou a superproteção e vigilância constante em relação aos idosos, além de que, muitos familiares passaram a restringir atividades sociais por ficarem responsáveis pelo cuidado ao idoso e, alguns abdicaram de jornadas de trabalho, repercutindo na vida financeira da família. Durante a realização deste estudo, algumas dificuldades foram encontradas, tais como o acesso aos bairros do município e a falta de numeração e nome das ruas, nas quais estavam situadas as residências dos idosos e, como duas pesquisas estavam ocorrendo ao mesmo tempo com os mesmos idosos, alguns se recusaram a participar, pois já haviam respondido aos questionamentos do outro estudo. No entanto, destacamse a boa recepção tanto dos idosos quanto de seus familiares participantes, o que facilitou o andamento das entrevistas e o envolvimento maior com os indivíduos pesquisados. A proximidade com os idosos possibilitou maior intimidade com a realidade em relação às repercussões. Chegaram-se ao campo com uma ótica e perspectiva, mas diante do contato com cada entrevistado, percebeu-se que os idosos referiram quase sempre as mesmas coisas, e os familiares foram em sua maioria afetados por repercussões que não eram trazidos ainda pela literatura consultada. Para organização das falas e dados, utilizaram-se os agrupamentos tanto dos familiares quanto dos idosos. Esse método permitiu o melhor manuseio para facilitar a análise e a escrita da dissertação.

41 Apesar de cinco bairros em regiões diferentes do município terem sido explorados, algumas limitações da pesquisa são destacadas, principalmente pelo fato das entrevistas terem sido realizadas com idosos da região urbana do município de Cuiabá, o que permite que a realidade seja aplicada apenas a essa população. Além disso, alguns dos entrevistados não se lembravam corretamente da última queda e nem como elas aconteceram, essa realidade pode ter mascarado a forma como o evento aconteceu e sua possível causa. Acredita-se que a metodologia utilizada foi adequada para atingir o objetivo proposto inicialmente. O método qualitativo proporcionou maior entendimento das repercussões decorrentes das quedas na vida dos idosos e seus familiares, isso porque permitiu o maior envolvimento da pesquisadora com o impacto ocasionado nesses participantes. Frente aos resultados encontrados no estudo, recomendam-se que futuras pesquisas sejam realizadas com a população da zona rural, a fim de aprofundar o conhecimento sobre as repercussões das quedas na vida desses idosos e seus familiares. Pesquisas acerca dessa temática favorecem o conhecimento dos profissionais de como lidarem com as situações de quedas, a fim de fornecer assistência adequada aos idosos caidores e seus familiares, o que favorece uma maior qualidade de vida e menores repercussões negativas na vida dos envolvidos. Frente a realidade dos entrevistados, percebeu-se que os profissionais de saúde têm forte influencia na existência das repercussões na vida dos envolvidos com as quedas. Em especial, os enfermeiros têm um papel fundamental na prevenção de quedas, no entanto, torna-se necessário que o profissional reconheça as quedas como um evento real na vida dos idosos, com consequências muitas vezes irreparáveis. Através de visitas domiciliares e educação em saúde, a enfermagem passa a conhecer os idosos caidores e seus familiares a ponto de estabelecer vínculo e confiança, para que suas ações possam ser concretizadas de forma eficaz.

42 5. REFERÊNCIAS. SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE. Atenção á saúde da pessoa idosa e envelhecimento. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, p.. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema Nacional de Informações sobre Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução CNS 196/96. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br>.. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Caderno de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: ed. Ministério da Saúde, 2006, 192p. ALMEIDA S.T.; SOLDERA C.L.C.; CARLI G.T.; GOMES I.; RESENDE T.L. Análise de fatores extrínsecos e intrínsecos que predispõem a quedas em idosos. Rev Assoc Med Bras; 58(4): , ANTES D.L.; SCHNEIDER I.J.C.; BENEDETTI T.R.B.; ORSI E. Medo de quedas recorrentes e fatores associados em idosos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 29(4): , abr, ARAÚJO I.; PAÚL C.; MARTINS M. Viver com mais idade em contexto familiar: dependência no autocuidado. Rev Esc Enferm USP. 45(4): Disponível em: AUSTRALIAN COMMISSION ON SAFETY AND QUALITY IN HEALTH CARE. Preventing falls and harm from falls in older people: best practice guidelines for australian community care. Australia, p. AVEIRO M.C.; DRIUSSO P.; BARHAM E.J.; PAVARINI S.C.I.; OISHI J. Mobilidade e risco de quedas de população idosa da comunidade de São Carlos. Ciência e Saúde Coletiva, 17(9): , BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 4ª ed. Edição revista e atualizada. Lisboa, Portugal: Edições 70, 223p BARRETO T.S.; AMORIM R.C. A família frente ao adoecer e ao tratamento de um familiar com câncer. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, jul/set;18(3):462-7, BOHM V.; CARLOS S.A. Ser cuidador de idosos: sentimentos desencadeados por esta relação. RevistaKairós Gerontologia, 13(1), São Paulo, junho 2010:

43 BRASIL. Lei nº , de 1º de outubro de Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, 3 de out. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 2.528, de 19 de outubro de Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa PNSI. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 20 out BRETAN O., JÚNIOR J. E.S., RIBEIRO O.R., CORRENTE J.E. Risk of falling among elderly persons living in the community: assessment by the Timed up and go test. Braz J Otorhinolaryngol BRITO T.A. Fatores associados a quedas em idosos residentes em comunidade f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem e Saúde) Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, BRITO T.A.; FERNANDES M.H.; COQUEIRO R.S.; JESUS C.S. Quedas e capacidade funcional em idosos longevos residentes em comunidade. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Jan-Mar;22(1):43-51, CAMARGOS F.F.O. Adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da falls efficacy scale international: um instrumento para avaliar medo de cair em idosos f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Reabilitação) - Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais, CAMARGOS F.F.O.; DIAS R.C.; DIAS J.M.D.; FREIRE M.T.F. Adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da Falls Efficacy Scale Internacional em idosos brasileiros (FES-I Brasil). Rev Bras Fisioter. 14(3): CARDOSO J.D.C. Condições de saúde autorreferidas da população idosa do município de Cuiabá Mato Grosso. 134 f Dissertação (Mestrado em Enfermagem) Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, CARVALHO E.M.R.; GARCÊS J.R.; MENEZES R.L.; SILVA E.C.F. O olhar e o sentir do idoso no pós-queda. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 13(1):7-16, CARVALHO F.F.M.; SEVERO C.M.; BIASE L.S.; RUAS A.I.; DENTI I.A. Quedas domiciliares: implicações na saúde de idosos que necessitaram de atendimento hospitalar. Revista de Enfermagem, v.8, n.8, p.17-30, 2012.

44 CAVALCANTE A.L.P.; AGUIAR J.B.; GURGEL L.A. Fatores associados a quedas em idosos residentes em um bairro de Fortaleza, Ceará. Rev. Bras. Gerontol., Rio de Janeiro, 15(1): , C.D.C. Center of Disease Control and Prevention. Saving Lives. Protection People Disponível em: acesso em 18 de outubro de CHIANCA T.C.M.; ANDRADE C.R.; ALBUQUERQUE J.; WENCESLAU L.C.C.; TADEU L.F.R.; MACIEIRA T.G.R.; ERCOLE F.F. Prevalência de quedas em idosos cadastrados em um centro de saúde de Belo Horizonte MG. Rev Bras Enferm, 66(2): , mar-abr CHIU M.H.; HWANG H.F.; LEE H.D.; CHIEN D.K.; CHEN C.Y.; LIN M.R. Effect of Fracture Type on Health-Related Quality of Life Among Older Women in Taiwan. Arch Phys Med Rehabil Vol 93, March COSTA A.G.S.; SOUZA R.C.; VITOR A.F.; ARAÚJO T.L. Acidentes por quedas em um grupo específico de idosos. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. jul/set;13(3): , Avaliable from: CRUZ D.T.; RIBEIRO L.C.; VIEIRA M.T., TEIXEIRA M.T.B.; BASTOS R.R.; LEITE I.C.G. Prevalência de quedas e fatores associados em idosos. Rev Saúde Pública, 46(1):138-46, CUNHA J.V.B. Funcionamento de famílias com idosos totalmente dependentes f. Dissertação. (Mestrado em Enfermagem) Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, CURCIO C.L.; CORRIVEAU H.; BEAULIEU M. Sentido y proceso del temor a caer en ancianos. Hacia la Promoción de la Salud, Volumen 16, Nº2, Julio diciembre, págs DARGENT-MOLINA P.; KHOURY F.E.; CASSOU B. The 'Ossébo' intervention for the prevention of injurious falls in elderly women: background and design. Global Health Promotion :88. Disponível em: DATASUS. Sistema de Informação sobre Mortalidade. Indicadores de Mortalidade Número de óbitos por causas externas DESHPANDE N.; METTER E.J; BANDINELLI S; LAURETANI F; WINDHAM B.G.; FERRUCCI L. Psychological, physical and sensory correlates of fear of falling and consequent activity restriction in the elderly: The InCHIANTI Study. Am J Phys Med Rehabil; 87:

45 DIAS, E.; SILVA, J. V.; VITORINO, L. M. Capacidade funcional: uma necessidade emergente entre idosos. In: SILVA, José Vitor da (Org.). Saúde do idoso: processo de envelhecimento sob múltiplos aspectos. São Paulo: Iátria, p DIAS R.C.; FREIRE M.T.F.; SANTOS E.G.S.; VIEIRA R.A.; DIAS J.M.D.; PERRACINI M.R. Características associadas à restrição de atividades por medo de cair em idosos comunitários. Rev Bras Fisioter.15(5): DUCA G.F.D., ANTES D.L., HALLAL P.C. Quedas e fraturas entre residentes de instituições de longa permanência para idosos. Rev Bras Epidemiol. 16(1): FABRÍCIO S.C.C.; RODRIGUES R.A.P.; JÚNIOR M.L.C. Causas e consequências de quedas em idosos atendidos em hospital público. Rev. Saúde Pública, fev.;8 (1): FERREIRA, A.B.H. Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa. 7ª ed. Curitiba: Ed. Positivo; p. FHON J.R.S. A prevalência de quedas em idosos e sua relação com fragilidade e a capacidade funcional f. Dissertação (Mestrado em Ciências) Programa de Pós-graduação em Enfermagem Fundamental, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, FHON J.R.S.; ROSSET I.; FREITAS C.P.; SILVA A.O.; SANTOS J.L.F.; RODRIGUES R.A.P. Prevalência de quedas de idosos em situação de fragilidade. Rev Saúde Pública, 47(2): FONTENELE A.D.B.; SILVA R.N.; BRITO M.A.M.; SILVA J.P. Promoção da saúde do idoso sob a ótica de enfermeiros da atenção básica. Rev Enferm UFPI Jul- Sep;2(3): FREIBERGER E.; VREEDE P. Falls recall limitations of the most used inclusion criteria. Eur Rev Aging Phys Act. 8: FREITAS M.A.V.; SCHEICHER M.E. Preocupação de idosos em relação a quedas. Rev Bras Geriatr Gerontol.;11(1):57-64, FREITAS R.; SANTOS S.S.C.; HAMMERSCHMIDT K.S.A.; SILVA M.E.; PELZER M.T. Cuidado de enfermagem para prevenção de quedas em idosos: proposta para ação. Rev Bras Enferm, Brasília; 64(3): mai-jun GANANÇA F.F.; GAZZOLA, J.M.; ARATANI M.C.; PERRACINI M.R. GANANÇA MM. Circunstâncias e consequências de quedas em idosos com vestibulopatia crônica. Rev Bras Otorrinolaringol.;72(3):

46 GAWRYSZEWSKI V.P. A importância das quedas do mesmo nível entre idosos no Estado de São Paulo. Rev Assoc Bras, 56(2):162-7, GRATAO A.C.M.; VENDRÚSCOLO T.R..P.; TALMELLI L.F.S.; FIGUEIREDO L.C.; SANTOS J.L.F.; RODRIGUES R.A.P. Sobrecarga e desconforto emocional em cuidadores de idosos. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 21(2): Abr-Jun, HARTHOLD K.A.; BEECK E.F.; POLINDER S.; VELDE N.; LIESHOUT E.M.M.; PANNEMAN M.J.M.; CAMMEN T.J.M.; PATKA P. Societal consequences of falls in the older population: injuries, healthcare costs and long term reduced quality of life. Arch Int Med.;170(10):1-7. may 24, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico. Brasília IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico. Brasília Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/indicadores_sociais/sintese_de_indicadores_sociais_2012/sis_20 12.pdf JAHANA K.O.; DIOGO M.J.E. Quedas em idosos: principais causas e consequências. Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal,, año/vol.4, número 017. Editorial Bolina. São Paulo, Brasil. PP LEMOS N.D.; GAZZOLA J.M.; RAMOS L.R. Cuidando do paciente com Alzheimer: o impacto da doença no cuidador. Saúde e Sociedade v.15, n3, p , set-dez LOPES K.T.; COSTA D.F.; SANTOS L.F.; CASTRO D.P.; BASTONE A.C. Prevalência do medo de cair em uma população de idosos da comunidade e sua correlação com mobilidade, equilíbrio dinâmico, risco e histórico de quedas. Rev Bras Fisioter. 13(3): LOPES R.A.; DIAS R.C. O impacto das quedas na qualidade de vida dos idosos. ConScientiae Saúde, 9(3): ; MACHADO M.F.A.S.; MONTEIRO E.M.L.M.; QUEIROZ O.T.; VIEIRA N.F.C.; BARROSO M.G.T. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS: uma revisão conceitual. Ciênc saúde coletiva. 2007; 12: MAESHIRO F.L.; LOPES M.C.; OKUNO M.F.; CAMAPANHARO C.R.; BATISTA R.E. Capacidade funcional e a gravidade do trauma em idosos. Acta Paul Enferm. 2013; 26(4):

47 MAIA B.C.; VIANA P.S.; ARANTES P.M.M.; ALENCAR M.A. Consequências das quedas em idosos vivendo na comunidade. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 14(2): MARQUES S.; RODRIGUES R.A.P.; KUSUMOTA L. O idoso após acidente vascular cerebral: alterações no relacionamento familiar. Rev Latino-am Enfermagem 14(3). maio-jun; Disponível em: MARTINS J.J.; ALBUQUERQUE G.L.; NASCIMENTO E.R.P.; BARRA D.C.C.; SOUZA W.G.A.; PACHECO W.N.S. Necessidades de educação em saúde dos cuidados da pessoa idosa no domicílio. Texto e Contexto Enfermagem; 16: MARTINS J.J.; NASCIMENTO E.R.P.; ERDMANN A.L.; CANDEMIL M.C.; BELAVER G.M. O cuidado no contexto familiar: o discurso de idosos, familiares e profissionais. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2009 out/dez; 17(4): MASUD T.; MORRIS RO. Epidemiology of falls. Age Ageing.;30(Suppl 4): MONTEZUMA CA, FREITAS MC, MONTEIRO ARM. A família e o cuidado ao idoso dependente: estudo de caso. Revista Eletrônica de Enfermagem [Internet]. 2008;10(2): Disponível em MOREIRA MA, OLIVEIRA BS, MOURA KQ, TAPAJÓS DM, MACIEL ACC. A velocidade da marcha pode identificar idosos com medo de cair? Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 16(1):71-80, MÜJDECI B.; AKSOY S.; ATAS A. Evaluation of balance in fallers and non-fallers elderly. Braz J Otorhinolaryngol, 78(5):104-9, NEVES L.O.; ONISHI E.T.; PELUSO E.T.P. Atuação do enfermeiro na estratégia saúde da família em relação aos idosos com vestibulopatias. Revista Equilíbrio Corporal e Saúde; 4(1):9-18; NICOLUSSI A.C.; FHON J.R.S.; SANTOS C.A.V.; KUSUMOTA L.; MARQUES S.; RODRIGUES R.A.P. Qualidade de vida em idosos que sofrem quedas: revisão integrativa de literatura. Ciência e Saúde Coletiva, 17(3): , NOGUEIRA A.; ALBERTO M.; CARDOSO G.A.; BARRETO M.A.M. Risco de quedas nos idosos: educação em saúde para melhoria da qualidade de vida. Rev. Práxis; ano IV, nº8 agosto OH D.H.; PARK J.E.; LEE E.S.; OH S.W.; CHO S.I.; JANG S.N.; BAIK H.W. Intensive Exercise Reduces the Fear of Additional Falls in Elderly People: Findings

48 from the Korea Falls Prevention Study. Korean J Intern Med; 27: Disponível em: OLIVEIRA A.P.P.; CALDANA R.H.L. As Repercussões do Cuidado na Vida do Cuidador Familiar do Idoso com Demência de Alzheimer. Saúde Soc. São Paulo, São Paulo, v.21, n.3, p , OLIVEIRA L.P.B.A.; MENEZES R.M.P. Representações de fragilidade para idosos no contexto da estratégia de saúde da família. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 20(2): 301-9, Abr-Jun, ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD. Centro de Prensa. Caídas. Ginebra; Disponível em: ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório global da OMS sobre prevenção de quedas na velhice. Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo. 62p PEREIRA A.M.M. Quedas e suas Consequências para o Idoso: Aspectos Psicológicos e Emocionais f. Dissertação. (Mestrado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, PERRACINI M.R. Prevenção e Manejo de Quedas no Idoso. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 36(6): PERRACINI M.R., RAMOS L.R. Fatores associados à queda em uma coorte de idosos residentes na comunidade. Rev Saúde Pública. 36(6): PIMENTA G.M.F.; COSTA M.A.S.M.C.; GONÇALVES L.H.T.; ALVAREZ A.M. Perfil do Familiar Cuidador de Idoso Fragilizado em Convívio Doméstico da grande Região do Porto, Portugal. Rev. Esc. Enferm USP; 43(3): Disponível em: PINHEIRO G.M.L.; ALVAREZ A.M.; PIRES D.E. A configuração do trabalho da enfermeira na atenção ao idoso na Estratégia de Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva 2012; 17(8): PINHEIRO MM, CICONELLI RM, JACQUES NO, GENARO PS, MARTINI LA, FERRAZ MB. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos - The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Rev Bras Reumatol. 50(2):

49 PINHO T.A.M.; SILVA A.O.; TURA L.F.R.; MOREIRA M.A.S.P.; GURGEL S.N.; SMITH A.A.F.; BEZERRA P. Avaliação do risco de quedas em idosos atendidos em Unidade Básica de Saúde. Rev Esc Enferm USP 46(2):320-7, POLIT D.F.; BECK T. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7 ed. Porto Alegre: Artmed, 669 p., REZENDE A.A.B., SILVA I.L., CARDOSO F.B., BERESFORD H. Medo do idoso em sofrer quedas recorrentes: a marcha como fator determinante da independência funcional. Acta Fisiatric. 17(3): RIBEIRO A.P.; SOUZA E.R.; ATIE S.; SOUZA A.C.; SCHILITHZ A.O. A influência das quedas na qualidade de vida dos idosos. Ciência e Saúde Coletiva, 13(4): , ROCHA L.; BUDÓ M.L.D.; BEUTER M.; SILVA R.M.; TAVARES J.P. Vulnerabilidade de idosos às quedas seguidas de fratura de quadril. Esc Anna Nery, out-dez; 14(4): , RUIZ P.F.M.; ORTEGA V.D.A.; CÁRDENAS C.D.P.; MARTÍNEZ C.S.; DIAZ C.M.A.; CÁRDENAS C.A. Factores de riesgo, precipitantes, etiologia y consecuencias de las caídas em el anciano. Medicina de Família (And) Vol. 5, Nº1, febrero SANTOS A.L.; CECÍLIO H.P.M.; TESTON E.F.; MARCON S.S. Conhecendo a funcionalidade familiar sob a ótica do doente crônico. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 21(4): Out-Dez; SCHNEIDER A.R.S. Envelhecimento e quedas: a fisioterapia na promoção e atenção à saúde do idoso. RBCEH, Passo Fundo, v. 7, n. 2, p , maio/ago SCHOSSLER T, CROSSETTI MG. Cuidador domiciliar do idoso e o cuidado de si: uma análise através da teoria do cuidado humano de Jean Watson. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Abr-Jun; 17(2): 280-7, SILVA A.; FALEIROS H.H.; SHIMIZU W.A.L.; NOGUEIRA L.M.; NHÃN L.L.; SILVA B.M.F.; OTUYAMA P.M. Prevalência de quedas e de fatores associados em idosos segundo etnia. Ciência e Saúde Coletiva, 17(8): ,2012. SILVA TM, NAKATANI AYK, SOUZA ACS, LIMA MCS. A vulnerabilidade do idoso para as quedas: análise dos incidentes críticos. Revista Eletrônica de Enfermagem [serial on line] 9(1): Jan-Abr; Available from: URL:

50 SIQUEIRA F.V.; FACCHINI L.A.; PICCINI R.X.; TOMASI E.; THUMÉ E.; SILVEIRA D.S.; VIEIRA V.; HALLAL P.C. Prevalência de quedas em idosos e fatores associados. Rev Saúde Pública, 41(5):749-56, SIRACUSE J.J.; ODELL D.D.; GONDEK S.P.; ODOM S.R.; KASPER E.M.; HAUSER C.J.; MOORMAN D.W. Health care and socioeconomic impact of falls in the elderly. The American Journal of Surgery 203, , SOUZA G.M. Consequências causadas pelas quedas à qualidade de vida do idoso f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Especialização em Atenção Básica). Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais, Dom Cavati SUELVES J.M.; MARTÍNEZ V.; MEDINA A. Lesiones por caídas y factores asociados em personas mayores de Cataluña, España. Rev Panam Salud Publica 27(1), TESTON E.F.; OLIVEIRA A.P.; MARCON S.S. Necessidades de educação em saúde experenciadas por cuidadores de indivíduos dependentes de cuidado. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 dez; 20(esp.2): TOLEDO D.R.; BARELA J.A. Diferenças sensoriais e motoras entre jovens e idosos: contribuição somatossensorial no controle postural. Rev Bras Fisioter; São Carlos, v.14 n3, p , maio/jun TRIVIÑOS, A.N.S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; VARAS-FABRA F.; MARTÍN E.C.; TORRES L.A.P.; FERNÁNDEZ M.J.F.; MORAL R.R.; BERGE I.E. Caídas en ancianos de La comunidad: prevalência consecuencias y factores asociados. Aten. Primaria.;38(8):450-5, VERAS, R. P.; CALDAS, C. P.; COELHO, F.D.; SANCHEZ, M.A. Promovendo a Saúde e Prevenindo a Dependência: identificando indicadores de fragilidade em idosos independentes. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, vol.10, n. 3, WADA N, SOHMIYA M, SHIMIZU T, OKAMOTO K, SHIRAKURA K. Clinical analysis of risk factors for falls in home-living stroke patients using functional evaluation tools. Arch Phys Med Rehabil.;88(12): WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Injuries. Disponível em: WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Preventing injuries and violence: A guide for ministries of health

51 APÊNDICES

52 APÊNDICE A - ROTEIRO DA ENTREVISTA SEMIESTRUTURADA Data da Entrevista: Nome: Idade: Sexo: Membro(s) da família: QUESTÕES NORTEADORAS: 1. Temos a informação de que o idoso caiu. Quantas vezes ele caiu no último ano? 2. Como foi (foram) a(s) queda(s)? (onde, como, quando?) 3. Quais as consequências que a(s) queda(s) teve (tiveram) para o idoso? 4. Qual foi o impacto (repercussões, mudanças, alterações) da(s) queda(s) para a família? (nas atividades da vida cotidiana, nas relações, no trabalho e na vida financeira, etc).

53 APÊNDICE B - FORMULÁRIO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PROJETO: REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS E SEUS FAMILIARES PESQUISADORA: CAMILA GONÇALVES RECANELLO OBJETIVO PRINCIPAL: COMPREENDER AS REPERCUSSÕES DAS QUEDAS A PARTIR DA PERSPECTIVA DOS IDOSOS E DE SEUS FAMILIARES PROCEDIMENTO: SERÁ POR MEIO DE ENTREVISTA, ONDE A PESQUISADORA EXPLICARÁ À FAMÍLIA DO IDOSO O OBJETIVO DO ESTUDO. SERÃO REALIZADAS PERGUNTAS À FAMÍLIA, E EM SEGUIDA, AGUARDARÁ AS RESPOSTAS DA MESMA. CASO NÃO SE ENTENDA A PERGUNTA, A MESMA SERÁ REFEITA DE FORMA MAIS CLARA, AGUARDANDO NOVAMENTE A RESPOSTA. SERÁ ESCLARECIDO QUE AS PERGUNTAS E RESPOSTAS SERÃO GRAVADAS PARA POSTERIOR TRANSCRIÇÃO. ANTES DE INICIAR A ENTREVISTA, SERÁ FEITA UMA PERGUNTA INTRODUTÓRIA À FAMÍLIA PARA REALIZAÇÃO DO TESTE COM O GRAVADOR. BENEFÍCIOS PREVISTOS: DE FORMA ALGUMA HAVERÁ BENEFÍCIO MATERIAL AOS SUJEITOS, PORÉM, OS MESMOS CONTRIBUIRÃO AO ESTUDO. AS RESPOSTAS BENEFICIARÃO O ENTENDIMENTO, POR PARTE DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E DOS ENVOLVIDOS, A RESPEITO DO IMPACTO NA VIDA DAS FAMÍLIAS OCASIONADOS PELAS QUEDAS DOS IDOSOS. EU,, RG: FUI INFORMADO (A) DOS OBJETIVOS, PROCEDIMENTOS E BENEFÍCIOS DESTA PESQUISA DESCRITA ACIMA. ENTENDO QUE OS DADOS NÃO SERÃO DIVULGADOS A NINGUÉM, ALÉM DA PESQUISADORA. ESTOU CIENTE QUE TENHO DIREITO DE RECEBER INFORMAÇÕES RELACIONADAS A PESQUISA A QUALQUER MOMENTO, ATRAVÉS DE CONTATO COM A PESQUISADORA. FUI INFORMADO (A) QUE MINHA PARTICIPAÇÃO É VOLUNTÁRIA, SEM BENEFÍCIO MATERIAL ALGUM. TENHO AUTONOMIA PARA NÃO PARTICIPAR OU DEIXAR DE PARTICIPAR DA PESQUISA A QUALQUER MOMENTO, NÃO ME ACARRETANDO QUALQUER TIPO DE PUNIÇÃO. COMPREENDO COM O QUE ME FOI ESCLARECIDO E CONCORDO EM PARTICIPAR DA PESQUISA. ASSINATURA DO FAMILIAR ASSINATURA DA PESQUISADORA Este documento foi elaborado em duas vias, sendo que uma delas é sua e a outra é da pesquisadora. Em caso de necessidade contate a pesquisadora pelo seguinte telefone: (65) ou pelo ou procurar o Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Júlio Muller/UFMT pelo telefone (65) Data: / / 2013

54 FATORES EXTRÍNSECOS FATORES INTRÍNSECOS APÊNDICE C - AGRUPAMENTOS DAS CARACTERÍSTICAS DAS QUEDAS CATG IDOSO FALA OBSERVAÇÃO I-2...então eu fechei o portão rápido e fui tentar sair rápido para ela não ficar esperando, foi quando eu caí, porque minhas pernas não acompanham mais... I-4 porque eu vou andar e se o pé bate em qualquer coisa eu perco o equilíbrio......aí perdeu o equilíbrio já estou no chão eu perco o equilíbrio, qualquer coisa que meu pé falseia eu já perco o equilíbrio, aí eu vou para o chão I-5...às vezes me dá tontura e acabo caindo... A perda de equilíbrio e a tontura são fatores mais lembrados pelos entrevistados, atribuindo à eles, a ocorrência das quedas. Porém, o fato de as pernas não acompanharem movimentos rápidos e os pés falsearem ao caminhar, também foi creditados ao evento queda. I-12...ergui o braço para colocar a roupa e caí de novo, acho que fiquei tonta porque levantei o braço......qualquer coisinha eu fico tonta e caio. I-15...às vezes me dá tontura e acabo caindo... CATG IDOSO FALA OBSERVAÇÃO I-3 No que entrei no banheiro escorreguei. Escorregões e tropeços foram I-4 Eu caí lá no curral, lá eu tropecei e caí. os aspectos mais lembrados Aqui em casa eu já caí no banheiro, na porta, no pelos idosos, além dos quintal, em toda parte ambientes escuros, camas I-6...aí quando eu voltei para ver a panela que estava altas para idosos, pisos no fogo eu tropecei e caí. escorregadios e utilização de I-7...fui subir no guarda roupa e aqui tem muito tapetes na casa. Fatos esses tapete e no que eu desci da cadeira escorreguei no que proporcionam a ocorrência tapete, aí eu caí. das quedas dos idosos, sendo I-8...estava andando numa descidona [...] e caí de cara incluídos em fatores no chão. extrínsecos. I-9 Porque é box [cama], é alta, eu rolei e caí. I-10...escorreguei em um degrau e caí. I-11...escorreguei e caí aqui dentro de casa mesmo....eu tropeço no chão, tenho que ficar andando com atenção... I-12...levantei para ir no banheiro e estava tudo escuro, não consegui enxergar direito e caí... I-14 Eu escorreguei na cozinha, eu caí de perna aberta.

55 CONSEQUÊNCIAS FÍSICAS TARDIAS CONSEQUÊNCIAS FÍSICAS MEDIATAS CATG IDOSO FALA OBSERVAÇÃO I-2...eu fiquei com muita dor quando caí. Os idosos se lembraram muito...enfaixaram minha perna porque eu estava com da dor que sentiram no muita dor momento da queda, bem como I-3...eu caí e bati o joelho... eventuais fraturas, toda vez que eu caio meu joelho dói e é uma dor escoriações, imobilizações de muito forte membros e sensação de I-4... uma vez eu caí e cheguei a quebrar meu pé... desmaio momentâneo....quando caí machuquei as cadeira... I-5... eu fiquei com muita dor depois disso. I-6...foi até que eu desloquei o ombro... Bati que caí o braço e o peito... Ai e que dor que senti......eu estava sentindo muita dor depois que eu caí... I-8 Na hora eu desmaiei... I-9 Teve a dor no braço só......machuquei o braço mesmo e fiquei com um pouco de dor depois I bati as costas na parede da cozinha... I-11 Machuquei o joelho......mas dessa vez doeu bem mais......a gente fica com dor depois que cai... I-12...eu bati a cabeça fiquei esticada no chão lá, com a cabeça desse tamanho Daí fiquei tremendo, tremendo... minha cabeça ficou tonta, parece até que ela afofou I-14 Eu caí, machuquei o meu joelho... CATG IDOSO FALA OBSERVAÇÃO I-2...não posso mais sair naquela arrancada rápida... As quedas deixaram alguns I-3 Ele [joelho] fica o tempo todo inchado depois que idosos impossibilitados de ele caiu e isso acaba atrapalhando na hora de andar como antes. Alguns andar. devido a dores fortes que I-6 e ficou doendo por bastante tempo ainda. persistem e outros pela colocaram um negócio no meu braço por um impossibilidade de sair na tempão [tipóia] para não mexer e só me arrancada. A utilização de atrapalhava a fazer as coisas... tipoia e de faixas contribuíram I-7 Na verdade fui ter dor só depois de 1 mês para a restrição de atividades...há muito tempo que eu não sentia nada, há diárias e até mesmo de muito tempo mesmo, mas aí com essa queda locomoção. voltou a dor. I-10...depois que eu caí, sempre dói a minha cadeira, fica doendo... I até fiquei sem andar por um tempinho depois que eu caí... Tinha que ficar com o joelho enfaixado....não podia levantar... I-12...só a dor forte que eu fiquei sentindo por um tempão ainda depois que eu caí cada vez que eu tentava andar

56 COMPORTAMENTO PÓS QUEDA meu pé doía demais. I eu fiquei vários dias andando ruim......agora eu não to podendo nem andar, to com dor nessa perna aqui por causa do tombo Eu já não estou andando direito por causa da dor, ainda se cair, fica pior. AGRUPAMENTOS - REPERCUSSÕES DAS QUEDAS NA VIDA DOS IDOSOS CATG IDOSO FALA OBSERVAÇÃO I-2...tem hora que dá uma travada na minha perna, então eu estou sempre atenta. Eu fiquei mais atenta, sempre lembro de não andar correndo porque minhas pernas não aguentam mais. I-3...nunca deixei de fazer nada por causa disso. Faço tudo em casa e ajudo a cuidar dos meus netos. I-4 Eu caio bastante, mas não quebro nada, sinal que ainda estou boa. As coisas que eu quero eu faço, seja lá como for. I-7...porque depois que a gente cai parece que o medo vem, enquanto eu não tinha caído, não tinha medo não, mas agora eu presto bem mais atenção do que antes eu prestava. I-9 Eu evito de fazer as coisas que podem cair. Tento atravessar o degrau devagar, desço devagar, porque aqui na cozinha e fundo tem degrau, eu desço e subo devagar. Eu não gosto de ficar parada, mas eles não gostam que eu faça as coisas, mas é chato demais ficar sem fazer nada, aí eu arrumo o que fazer. Lavo casa, lavo vasilha, faço o que tiver que fazer mesmo. I-10...Não entro nela [piscina] porque até chegar lá eu fico com medo de cair. Ah eu fico com muito medo de cair, na verdade deixo até de fazer algumas coisas por causa desse medo. Para mim mudou porque agora eu ando engatinhando Eu ando engatinhando e reparando no chão, no piso....porque perto dela [piscina] o piso é escorregadio Atitudes de proteção foram relatadas pelos idosos, sendo que buscam ficarem mais atentos em suas atividades. Bem como subir e descer degraus devagar, evitar locais que ofereçam perigo como perto de piscinas, pisos molhados, utilização de chinelos de borracha para maior firmeza dos pés e até mesmo andar mais lentos e engatinhando, assim conseguem ficar mais atentos aos locais que frequentam. Há ainda os que admitem que o medo surgiu apenas depois da ocorrência da queda. Entretanto, há os que não assumem esse comportamento, visto que continuam executando suas atividades rotineiras como antes. Há relatos de idosos que desempenham funções dentro de casa, como limpeza, preparo da alimentação e cuidam de netos. Reforçam a ideia que não conseguem ficar sem realizar essas funções.

57 IMPACTOS PSICOLÓGI COS e aí eu tenho que prestar mais atenção ainda. Então para evitar, nem passo ali perto....aí, eu falei, não vou pegar com essa perna, está tudo molhado. Minando, escorrendo água, eu que não vou pisar aí......mas eu só vou onde está limpo, também onde está sujo eu não vou e eu tenho que reparar bem aonde eu piso. Eu não ando de bambolê porque escorrega muito....eu sinto mais firme com o pé no chão, com o bambolê posso escorregar....e quando eu ando aqui no quintal eu ando com cuidado, cuidado mesmo....depois que cai eu vou ficar sentindo dor para sempre, não sou mais criança, então eu tenho que andar com cuidado. Então quando eu vejo que vou ficar abaixada e eu posso desequilibrar e cair eu não abaixo. Se eu for fazer alguma coisa que eu acho que eu corro o risco de cair, eu não faço. Eu não ando mais de ônibus, de jeito nenhum, uma que ali é muito alto pra subir e outra que o ônibus balanceia I-12...mas eu tomo cuidado para não cair, até porque dói muito mesmo. Ah, aqui eu faço de tudo, lavo, passo, cozinho... I-14...agora já tomo cuidado para andar, para não cair de novo......eu comecei a andar mais lento para ver se não caio mais AGRUPAMENTOS - REPERCUSSÕES DAS QUEDAS DOS IDOSOS NA VIDA DOS FAMILIARES CATG FAM FALA OBSERVAÇÃO F-1 Ela sai sozinha também, mas a gente fica preocupado... Muda a estrutura da família, a preocupação... F-2 Dessa última vez que ela caiu eu fiquei com muito medo, porque como eu tenho essas dificuldades, Familiares relatam com frequência o medo que sentem em relação ao idoso cair novamente, porém, a

58 IMPACTO SOCIAL NO TRABALHO E VIDA FINANCEIRA eu fico com medo de perder minha mãe... Quando ela foi para o Pronto Socorro porque tinha caído eu chorei muito, fiquei desesperada. Quando a gente vai andar de ônibus, eu tenho medo que ela caia naquele degrau de entrar porque ele é muito alto e tenho medo da perna dela não conseguir alcançar. F-3 Eu também fico com medo de ela cair de novo, na verdade tenho medo de ela quebrar um braço, uma perna... F-5 A gente fica com medo, porque cair é perigoso, cair de mau jeito, quebrar um braço, uma perna, cabeça, perigoso....e até a gente mesmo fica mais preocupado. Depois que cai é que surge o medo... F-6...ando mais rápido, então nem preciso ficar preocupado comigo, só com ela mesmo. F-7 Na hora eu fiquei assustada, porque eu fiquei sabendo que ele tinha caído da cadeira, mas eu ainda não sabia se tinha machucado....então eu fico com medo de ele cair e machucar de verdade. F-10...só fiquei com medo de ela cair, na verdade medo todo mundo tem?...mas no fundo também tenho medo de cair e medo que ela caia, porque acho que não tem nesse mundo quem não tem medo de cair, ainda mais depois que fica velho. F-12...então eu tenho muito medo mesmo que ela caia. Eu só tenho medo que ela caia de novo e não aguente, porque dessa vez já foi difícil para ela, imagina se ela cair de novo, acho que vai ser cada vez pior... Mas igual dessa vez eu fiquei preocupada, porque vi que tinha sido de verdade mesmo....dessa vez que ela ficou com muita dor e quebrou o pé eu fiquei preocupada, porque vi que tinha sido de verdade mesmo. F-15 Ah, mudou bastante porque agora tem a preocupação, às vezes toca um telefone nove da noite aí a gente já pensa a mãe caiu. Então é mais a preocupação. Então depois que caiu a gente fica sempre preocupado palavra medo surge também quando relacionada a fraturas. Choro e desespero foram também relatados, bem como o surgimento do medo após o evento queda e ausência do mesmo antes de sua ocorrência. CATG FAM FALA OBSERVAÇÃO F-8...foram uns duzentos reais que a gente gastou com os remédios e as coisas para o curativo dele. Para quem ganha um salário e paga água, luz, telefone, imagina só, pesado demais para a gente. F-11...desmarco alguns clientes para poder cuidar, mas isso eu nem me importo, porque são meus pais, faço isso de retribuição... Prejuízos financeiros foram citados quando relacionados à compra de medicamentos devido a dor da queda e à confecção de curativos, bem como gastos com aluguel de

59 IMPACTO SOCIAL IMEDIATO EM CASA F-12...então se ela estiver bem, está tudo bem, mas se ela não estiver, aí tenho que faltar no serviço...eu tive que diminuir meu trabalho para ficar com ela em casa....aí quando vi que ela estava melhor eu voltei a trabalhar....meu patrão deixou eu dar tempo do serviço. aí ela [nora] acabou arrumando outra pessoa e colocando no meu lugar lá na casa dela....aí quando vi que ela estava melhor eu voltei a trabalhar. Quando ela caiu eu liguei para o meu patrão e falei que não ia mesmo, e não tinha quem me fizesse ir....meu patrão deixou eu dar tempo do serviço....na época a gente teve que comprar bastante remédio por causa da dor que ela estava sentindo F-13 De primeiro eu trabalhava bastante [...] agora eu nem tenho a possibilidade porque só fica nós três aqui... F-15 Ela usou pouco tempo o andador, porque ela caiu [...] aí nós tivemos que alugar o andador, mas ela usou pouco tempo. andadores para o idoso. Um familiar afirmou desmarcar clientes por ter que atender à mãe durante suas atividades profissionais. Diminuição da carga horária, falta no trabalho, colocar outra pessoa na função também foram trazidas à lembrança dos familiares. CATG FAM FALA OBSERVAÇÃO F-8...tive que ficar fazendo sopa um bom tempo, porque a boca dele ficou toda inchada que ele caiu de cara no chão... F-11...quando precisava de alguma coisa, sempre me chamava....dessa vez ela ficou dependendo de mim para tudo porque não podia levantar... Na época que ela caiu, só sobrecarregou porque ela é muito ativa, lava roupa, faz comida, só não limpa a casa. Aí quando cai você fica sobrecarregada nesse aspecto, porque você está fazendo um cabelo e tem que largar para fazer comida, lavar roupa, tem que parar para ver isso, porque ela não está podendo. F-12...ela ficava pedindo água toda hora para a gente e eu não aguentava mais, era chato Ah eu ajudava ela, fazia comida, levava comida na cama......colocava minhas crianças para cuidar, fazer almoço......eu que fiquei cuidando das casas, das roupas, de tudo, levava no médico. Mas eu que levava ela para o banheiro, fazia comida... F-13...eu que cuidei, eu fiquei noites e noites sem dormir... F-14...tinha que trabalhar e quando chegava em casa, ainda ficava cuidando dela... F-15...uma noite eu ficava, na outra a minha irmã Os familiares tinham que ficar a disposição do caidor, visto que quando o mesmo necessitava de algo, o familiar estava pronto para executar a função. Fazer comida especial, realizar serviços domésticos, oferecer copo de água a todo momento, noites foram passadas em claro, revezamento dos familiares para realizarem o cuidado e até mesmo a sobrecarga de trabalhos em casa. Alguns familiares protestaram a ausência dos pais, pois os mesmos tinham que deixálos para cuidar dos idosos, enquanto outros reclamavam em ter que pajear o longevo a todo momento. Entretanto, esses impactos aconteceram apenas em momentos imediatos à queda, não

60 COMPORTAMENTO EM RELAÇÃO AO IDOSO ficava, e a outra ficava de dia, ficava minha sobrinha, o meu irmão, todo mundo ficava. persistindo e sendo prolongados. Eu acho bom dividir com meus irmãos, mas acaba sobrecarregando do mesmo jeito... Olha eu passei dificuldade porque nessa época ela era gorda eu peguei um mal na coluna de andar com ela......e eu tinha que trocar ela, fralda tudo... CATG FAM FALA OBSERVAÇÃO F-3 A gente só fala para não ficar fazendo coisa que Os familiares assumem papel pode cair... de superproteção com o...a gente já falou várias vezes para ela tomar idoso, fato que pode fazê-lo cuidado... sentir incapaz de realizar F-4...ela é muito agitada, mas eu fico observando só algumas atividades e de longe, sempre fico por perto quando ela está promover maior andando lá no fundo do quintal. dependência. Entretanto, os F-5 Depois que ela começou a cair, a gente [família] decidiu que ela só iria sair com alguém, e esse familiares realizam essas alguém sou eu... restrições apenas com o Acho que fiquei mais atento até comigo mesmo, sentido de proteção com o porque sou velho também, só que mais forte que longevo, pois percebem suas ela... fragilidades e tentam evitar A gente observa bastante ela, depois que começou consequências maiores. A a cair vigilância e supervisão a... a gente sempre avisa ela para tomar cuidado... distância acontecem Agora a gente tem um pouco mais de cuidado com rotineiramente, talvez seja ela. uma forma de não Antes acho que eu não prestava muita atenção demonstrar ao idoso que está nisso, mas depois que ela caiu eu sempre estou sendo vigiado e mantê-lo atento só aqui na irmã dela que é pertinho que ela vai ativo, quando na verdade sozinha, mas aí eu fico olhando vigiando, até ela está sendo protegido aos chegar lá. olhares dos familiares. Após o F-6 Ela anda bem devagarzinho, toda curvada para evento da queda,a família frente, aí tem que tomar cuidado com ela o tempo intensifica a atenção, pois o todo. percebem mais fracos e O cuidado ficou maior, porque não pode ficar suscetível a recorrência da muito sozinha e ela também ficou mais esquecida mesma, sendo assim, para depois que caiu, ela lembra das coisas mas não de evitá-las, procuram estar tudo. próximos a todo momento, F-7 Eu até tirei os tapetes da casa, agora só tem no restringindo vida social de banheiro e na cozinha mesmo. ambos e assumindo um Ah eu dou a mão para ele, se vai subir na escada eu fico olhando para ver se não cai, às vezes eu comportamento protetivo e subo para ele porque eu sei que não vou cair né. ao mesmo tempo restringido....fico vigiando porque antes eu não ficava, falo para minha mãe tirar os tapetes de casa porque o chão daqui de casa é bem liso... F só que a gente fica mais atenta com ela, sempre tem alguém junto... A gente fica em cima dela o tempo todo para não deixar ela fazer as coisas... Acho que eu fiquei mais cuidadosa com ela...fico falando para ela tomar cuidado, para deixar

61 que eu faço isso....acho que a melhor coisa é a gente tentar evitar de ela cair mesmo, porque não quero ver ela triste e doente de novo.

62 ANEXOS

63 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER- UNIVERSIDADE FEDERAL DE PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: Impacto das Quedas dos Idosos na Vida das Famílias Pesquisador: ANNELITA ALMEIDA OLIVEIRA REINERS Área Temática: Versão: 1 CAAE: Instituição Proponente: Faculdade de Enfermagem - Cuiabá - UFMT DADOS DO PARECER Número do Parecer: Data da Relatoria: 20/12/2012 Apresentação do Projeto: As quedas podem ocasionar consequências tanto físicas quanto psicológicos no idoso, que vão desde fraturas, internações, procedimentos cirúrgicos até medo de voltar a cair, isolamento social e rearranjo familiar. Diante desses achados nas literaturas nacionais e internacionais, buscamos identificar os impactos que podem ser ocasionados na família desse idoso caidor. Alguns relatos de pesquisas publicadas citam conflito entre familiares para assumirem os cuidados com idoso, conflitos conjugais devido a atenção exclusiva ao idoso, parentes que receberam tratamento inadequado enquanto crianças por parte do idoso, hoje se vêem diante da situação executar o cuidado e apoio ao mesmo. Diante desses achados, buscamos identificar esse impactos nas famílias proveniente da queda do idoso. Trata-se de estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa.os sujeitos serão as famílias de idosos que sofreram quedas. Esses idosos foram identificados em estudo anterior realizado, no ano de 2012, sobre as condições de saúde das pessoas com 60 anos ou mais residentes na zona urbana do município de Cuiabá MT (Cardoso, 2012). No total, 109 idosos relataram ter caído nos últimos três meses. Critério de inclusão: Morar no mesmo domicílio do idoso há pelo menos 1 ano. A coleta de dados será realizada no período de janeiro a março de 2013 por meio de entrevista semi-estruturada, utilizando um roteiro com perguntas sobre o impacto da(s) queda(s) do idoso na vida das famílias. As entrevistas serão realizadas no domicílio. Objetivo da Pesquisa: Investigar o impacto das quedas dos idosos na vida das famílias. Endereço: Rua Fernado Correa da Costa nº 2367 Bairro: Boa Esperança CEP: UF: MT Município: CUIABA Telefone: (63)

64 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER- UNIVERSIDADE FEDERAL DE Avaliação dos Riscos e Benefícios: Riscos: A pesquisa não oferece nenhum risco de vida e desconforto mínimo Benefícios: AS RESPOSTAS BENEFICIARÃO O ENTENDIMENTO, POR PARTE DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E DOS ENVOLVIDOS, A RESPEITO DO IMPACTO NA VIDA DAS FAMÍLIAS OCASIONADOS PELAS QUEDAS DOS IDOSOS. Comentários e Considerações sobre a Pesquisa: Pesquisa importante para a área. Considerações sobre os Termos de apresentação obrigatória: Folha de rosto adequada, com compromisso do gestor da instituição. Inclui autorização de gestor da SMS. TCLE: aprovado Recomendações: Incluir benefícios diretos para os entrevistados caso surjam dúvidas como orientações, esclarecimentos, etc. Conclusões ou Pendências e Lista de Inadequações: Propomos a aprovação do projeto. Situação do Parecer: Aprovado Necessita Apreciação da CONEP: Não Considerações Finais a critério do CEP: Projeto aprovado em relação à análise ética. CUIABA, 20 de Dezembro de 2012 Assinador por: SHIRLEY FERREIRA PEREIRA (Coordenador) Endereço: Rua Fernado Correa da Costa nº 2367 Bairro: Boa Esperança CEP: UF: MT Município: CUIABA Telefone: (63)

65

66

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚ ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS

AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS AÇÃO EDUCATIVA SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS PARA IDOSOS INTERNADOS Anairtes Martins de Melo; Keyla Rejane Frutuoso de Morais; Jamille Soares Moreira Alves; Ana Karina Monte Cunha Marques INTRODUÇÃO Faculdade

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

Dicas para minimizar o. risco de quedas

Dicas para minimizar o. risco de quedas saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 1 - Março 2014 Dicas para minimizar o risco de quedas Adaptação dos ambientes e produtos específicos podem evitar quedas

Leia mais

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos

PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM. Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos. Colaboradores: Ana Cristina Amorim Dantas Viviane Pereira Ramos Protocolos de Enfermagem IDENTIFICAÇÃO DE RISCO E PREVENÇÃO DE QUEDAS HEMORIO - 2010 1ª Ed. PROTOCOLOS DE ENFERMAGEM Elaboração e Revisão: Maria das Graças S. dos Santos Colaboradores: Ana Cristina Amorim

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS GIDEON BITTENCOURT MOTTA CARINE PEREIRA DE LEMOS GECIELY MUNARETTO FOGAÇA DE ALMEIDA RACHEL SCHLINDWEIN-ZANINI Centro Universitário

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO

PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO MANUAL DO CUIDADOR PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS NO DOMICÍLIO 3 GUIA PRÁTICO ILUSTRADO Aumente a sua qualidade de vida e a do idoso dependente também! REDE REGIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Siga

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Atividade educativa como ferramenta de estratégia de orientação para prevenção de quedas no banheiro em idosos: relato de experiência profissional

Atividade educativa como ferramenta de estratégia de orientação para prevenção de quedas no banheiro em idosos: relato de experiência profissional 9 Atividade educativa como ferramenta de estratégia de orientação para prevenção de quedas no banheiro em idosos: relato de experiência profissional Gláucia Costa DEGANI 1 Resumo: Este trabalho objetivou

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso teses Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso Open university for senior citizens at the Sagrado Coração university: a case study Ao mesmo tempo

Leia mais

Sumário. Prevenção de quedas em idosos. Fatores de risco internos. Fatores de risco externos

Sumário. Prevenção de quedas em idosos. Fatores de risco internos. Fatores de risco externos Sumário Prevenção de quedas em idosos Fatores de risco internos Fatores de risco externos Manual de Prevenção de Quedas Prevenção de quedas em idosos 3 A queda pode ocorrer em qualquer idade; 30% das pessoas

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 1144 RESUMOS DE PROJETOS... 1146 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1148 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1150

RESUMOS COM RESULTADOS... 1144 RESUMOS DE PROJETOS... 1146 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1148 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1150 1143 RESUMOS COM RESULTADOS... 1144 RESUMOS DE PROJETOS... 1146 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1148 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1150 RESUMOS COM RESULTADOS 1144 PERFIL PSICOSSOCIAL E HISTÓRICO DO IDOSO EM

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1.

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. TAVARES, Daniel Soares 2 ; MADALOZZO, Maiane Antunes 3 ; RANGEL, Rosiane Filipin 4 ; SOUZA, Martha Helena Teixeira de

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O IDOSO INSTITUCIONALIZADO COMO FOCO DE SUA ATENÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA BERGAMO, Vinicius M. 1 DALL AGNOL, Crístyan C. 2 PIMENTEL, Cauê F. 3 PAZ, Késia M. R. 4 RUPOLO, Denize. J. 5 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS MESQUITA, Francyelle de Cássia Nayane da Rocha¹; ALARCON, Bruna Santana¹; GONDIM, Bruno Ferreira¹; CARDOSO, Bruno Freitas¹; NETO, Gilberto Inácio Cardoso¹;

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

PREVENÇÃO DOS ACIDENTES DOMÉSTICOS COM PESSOAS IDOSAS

PREVENÇÃO DOS ACIDENTES DOMÉSTICOS COM PESSOAS IDOSAS PREVENÇÃO DOS ACIDENTES DOMÉSTICOS COM PESSOAS IDOSAS 1. EPIDEMIOLOGIA DOS ACIDENTES DOMÉSTICOS E DE LAZER COM PESSOAS IDOSAS Em Portugal, os acidentes domésticos e de lazer são monitorizados pelo Observatório

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG)

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG) Prevalência e fatores associados à incapacidade funcional para Atividades de Vida Diária em idosos de Goiânia, Goiás Dayana Clênia CASTRO 1 ; Adélia Yaeko Kyosen NAKATANI 2 ; Valéria PAGOTTO 3 ; Ivania

Leia mais

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior.

O ENEM de 2014 teve 15 mil candidatos idosos inscritos, o que mostra a vontade dessa população em investir em formação superior. IDOSOS O Solidariedade, ciente da importância e do aumento população idosa no País, defende o reforço das políticas que priorizam este segmento social. Neste sentido, destaca-se a luta pela consolidação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica Dr. Leandro Minozzo Justificativa Desde a criação do SUS em 1988 a população idosa aumentou 2x; Hoje, aprox. 9 mil campobeneses são idosos (15%);

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Realização: Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria Municipal de Saúde Programa de Saúde Adulto/Idoso Programa de Reabilitação

Realização: Prefeitura Municipal de São José dos Campos Secretaria Municipal de Saúde Programa de Saúde Adulto/Idoso Programa de Reabilitação Bibliografia: Caderno de Atenção Básica Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Brasília-DF, 2006. Revista O Médico & Você. Associação Médica Brasileira. Brasil, 2009, Ano2, nº2. Editores do Consumer Guide.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO

SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SINTO QUE NINGUÉM GOSTA DE MIM SENDO GORDA! : CONHECENDO SENTIMENTOS DE OBESOS PARTICIPANTES EM UM GRUPO DE APOIO Aliny de Lima Santos 1, Rafaela Pasquali

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO Ianine Alves da Rocha¹, Aralinda Nogueira Pinto¹, L enilma Bento de Araújo Meneses¹, Lucineide Alves Vieira Braga¹, Ana Neri A lves da Rocha¹,

Leia mais

Manual de prevenção de quedas

Manual de prevenção de quedas Manual de prevenção de quedas Governador do Estado Geraldo Alckmin Secretário de Gestão Pública Waldemir Aparício Caputo Superintendente Iamspe Latif Abrão Junior Chefe de Gabinete Iamspe Roberto Baviera

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM A PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM A RESPEITO DA PRESENÇA DO IRMÃO DO BEBÊ DE RISCO NA UTI NEONATAL Larissa Camila Dianin 3 Paolla Furlan Roveri 2 Darci

Leia mais

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR

CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR CUIDANDO DO IDOSO E CUIDANDO DO CUIDADOR Jorge Wilker Bezerra Clares 1 Rozzana Oliveira Tabosa 2 Carliene Bezerra da Costa 3 Maria Célia de Freitas 4 RESUMO Trata-se de um relato de experiência vivenciado

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI

A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI A PERCEPÇÃO DO PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM FRENTE AO CUIDADO HUMANIZADO PRESTADO AO PACIENTE NA UTI Técnico em Enfermagem Elisabete Batista Alves - betebatista@bol.com.br Francisca Assunção Alves da Costa

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Ricardo de Lima Santos Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR

TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 TERAPIA DA ALEGRIA: TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL MUNICIPAL DE MARINGÁ-PR Jaqueline de Carvalho Gasparotto 1 ; Jeferson Dias Costa 1, João Ricardo Vissoci

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DO IDOSO ACAMADO NA COMUNIDADE Cristina Katya Torres Teixeira Mendes 1, Maria Adelaide Silva Paredes Moreira 2, Luípa Michele Silva 3, Antonia Oliveira Silva 4 INTRODUÇÃO O envelhecimento

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS

UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS UM ESTUDO SOBRE A INFRAESTRUTURA ESCOLAR E A INCLUSÃO DE PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS Alana da Maia Homrich 1* (ID), Alex Ricardo Schneider (ID), Lucas Antonio Pacheco (ID), Santiago Francisco

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê

PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê PAI Vila Esperança Churrasco Dia dos Pais Pq. Ecológico do Tietê OS IDOSOS NA CIDADE DE SP IBGE Censo PAI Vila Esperança Sra. Shizuko restrita ao lar Caminhando no quintal com apoio da Acompanhante População:

Leia mais

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional

SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011. SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional SEMINÁRIO PAULISTA DE GESTÃO SEPAGE/2011 SEGURANÇA DO PACIENTE: Diferencial na Imagem Institucional A área da saúde costumava ser mais simples, menos eficaz e mais segura. Chantler, 1997. A área da saúde

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO

O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO O TRABALHO DA ENFERMAGEM COM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS- INTERFACE ENTRE AIDS, CAMINHONEIROS E PROFISSIONAIS DO SEXO KOLLER, Evely Marlene Pereira 1 RAMOS,Flávia Regina Souza 2 O Brasil conta com uma população

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO SEM DEPENDÊNCIA: REVISÃO INTEGRATIVA Eliane de Sousa Leite.

CONTRIBUIÇÕES DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO SEM DEPENDÊNCIA: REVISÃO INTEGRATIVA Eliane de Sousa Leite. CONTRIBUIÇÕES DAS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO SEM DEPENDÊNCIA: REVISÃO INTEGRATIVA Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. elianeleitesousa@yahoo.com.br.

Leia mais

A co-responsabilização da equipe de saúde na prevenção de quedas da população idosa do bairro Jardim Soares - Guaianases

A co-responsabilização da equipe de saúde na prevenção de quedas da população idosa do bairro Jardim Soares - Guaianases Projeto Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia IPGG São Miguel Paulista São Paulo A co-responsabilização da equipe de saúde na prevenção de quedas da população idosa do bairro Jardim Soares - Guaianases

Leia mais