RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 PLANO DE AÇÃO E METAS DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O ANO DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 PLANO DE AÇÃO E METAS DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O ANO DE 2013"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 E PLANO DE AÇÃO E METAS DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS DURANTE O ANO DE 2013 CONVÊNIOS VIGENTES: Convênio SUS/Pref. Mun. De Campinas/SSCF n 28/07. Até Maio de 2012 Saúde Mental. Convênio SUS/Pref. Mun. de Campinas/SSCF n 74/12. A partir de Junho de Saúde Mental. Convênio SUS/Pref. Mun. De Campinas/SSCF n 63/09. Programa Saúde da Família. pág. 1

2 Sumário INTRODUÇÃO... 4 DADOS ADICIONAIS... 7 REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL/RETAGUARDA... 9 Núcleo de Retaguarda... 9 REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL / TERRITÓRIOS Centro de Atenção Psicossocial - CAPS III- Esperança - Distrito Leste Centro de Atenção Psicossocial - CAPS III- Estação Distrito Norte Centro de Atenção Psicossocial - CAPS III - Antônio da Costa Santos - Distrito Sul Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Davi Capistrano da Costa Filho Distrito Sudoeste Centro de Atenção Psicossocial - CAPS III - Novo Tempo Distrito Sudoeste Centro de Atenção Psicossocial - CAPS III Integração Distrito Noroeste Centro de Atenção Psicossocial CAPS Ad Independência - Distrito Sul Centro de Atenção Psicossocial - CAPS Ad III Reviver Distrito Leste/Norte Centro de Atenção Psicossocial - CAPS Ad - Antônio Orlando. - Distrito Noroeste/Sudoeste Centro de Atenção Psicossocial - CAPS II-i CEVI Centro de Atenção Psicossocial - CAPS II i Espaço Criativo SERVIÇOS RESIDENCIAIS TERAPÊUTICOS OFICINAS PROFISSIONALIZANTES E GERAÇÃO DE RENDA Núcleo de Oficinas e Trabalho - (NOT) Casa das Oficinas CENTROS CULTURAIS, DE ENSINO E CONVIVÊNCIA Cecco Espaço das Vilas Cecco Rosa dos Ventos Cecco Casa dos Sonhos Cecco Toninha Cecco Portal das Artes Cecco Tear das Artes PROJETOS ALTERNATIVOS COMPLEMENTARES Ponto de Cultura Projeto Maluco Beleza SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA pág. 2

3 Serviço de Saúde Mental e Matriciamento nas Unidades Básicas: Consultório na Rua FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE Residência Médica em Psiquiatria Candido Escola para Profissionais em Saúde Mental DIREITOS CIVIS E PROTEÇÃO PREVIDENCIÁRIA Serviço Social de Apoio ao Usuário em Saúde Mental PROGRAMA DE APOIO À ASSISTÊNCIA GERAL À SAÚDE/PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Parceria no Programa de Assistência Geral à Saúde / Programa Saúde da Família/Convênio 63/ ANEXOS AO RELATÓRIO DE ATIVIDADES / PLANOS DE METAS Organograma do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira Produção de Procedimentos Unidades Assistenciais pág. 3

4 INTRODUÇÃO O Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira - SSCF, situado à Rua Antônio Prado, 430, Distrito de Sousas, registrado no CNPJ sob nº / , é uma entidade beneficente, associação civil de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 06/07/19, inaugurado em 24/04/1924, e dedicada desde então às atividades terapêuticas no campo da saúde mental, ampliando-se o seu escopo de atividades a partir de 2001 para o apoio à saúde em geral. A partir da edição da Lei Municipal 6.215/90, em maio de 1990, implanta-se um sistema de gestão compartilhada da instituição pela Prefeitura Municipal de Campinas, ao mesmo tempo em que se vincula o seu campo de atuação ao atendimento de fins exclusivamente públicos. Ouàseja,àoà e viçoàdeà aúdeàd.àc didoàfe ei aà passaàaàseà i teg a àaoà iste aàmu i ipalàdeà aúdeàeàate de à lie telaàu ive salizada,à transformando-se, portanto, em um tipo de ente de cooperação, análogo ao serviço social autônomo. Em decorrência de sua publicização, abre-se a Associação Cândido Ferreira a todos os interessados na questão da saúde em geral e saúde mental em particular, ao passo em que se reforma o Estatuto da instituição incorporando-se ao seu Conselho Diretor, além da representação indicada pela Associação Cândido Ferreira, a representação direta da própria Prefeitura, através de representantes indicados pela Secretaria Municipal de Saúde, a representação do Estado de São Paulo, indicado pela Regional de Saúde, representantes dos trabalhadores, usuários e familiares, eleitos por seus pares, representantes das universidades parceiras indicados ou eleitos entre os docentes implicados com a articulação entre a assistência e o ensino, e um representante do Conselho Municipal de Saúde, segmento usuários. Inaugura-se, a partir do estabelecimento desta co-gestão, não apenas entre o Cândido e a Prefeitura, mas entre este conjunto de segmentos representados no seu Conselho Diretor, uma mudança radical no modo de fazer em saúde mental, que rompe com a psiquiatria tradicional e passa a operar com base nos princípios da chamada Reforma Psiquiátrica que se baseiam no reconhecimento do portador de transtornos mentais como um cidadão de pleno direito direito à liberdade, à integridade, à moradia, ao trabalho, à educação e à cultura, enfim, à dignidade cidadã. O principal objetivo do Cândido Ferreira torna-se, portanto, a reabilitação psicossocial, a inclusão social e o resgate do direito pleno à cidadania dos portadores de transtornos mentais e à convivência dos diferentes, produzindo saúde, autonomia e vida. Hoje, o Cândido Ferreira atende mais de 7 mil usuários por mês e conta com: Ações de Retaguarda Psiquiátrica à Rede de Saúde pág. 4

5 Ações de Retaguarda Psicossocial em Regime Ambulatorial Ações de Tratamento à Dependência Química, Álcool e Drogas; Ações no Campo da Integração Social à Pacientes Idosos sem família; Ações no Campo do Trabalho e Geração de Renda; Ações no Campo dos Moradores de Rua; Ações de Aprendizado, Ensino e Alfabetização de Usuários; Ações no Campo do ensino Superior, Campo de Estágio, Pesquisa e Residência Médica; Ações Culturais, Esportivas, Musicais, Lazer, Artesanais, Imprensa, Turismo; Ações de Apoio a Seguridade Social e Identidade Civil; Ações de Apoio à Rede de Saúde Pública do Município; Suas unidades encontram-se descentralizadas por Distrito de Saúde, integrando-se plenamente à Rede Municipal de Saúde e operando com base nas diretrizes, tanto nacionais quanto locais, do Sistema Único de Saúde SUS. O Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira tem contribuído não apenas com o desenvolvimento das ações em saúde junto ao município de Campinas, mas várias iniciativas aqui experimentadas e consolidadas são consideradas exemplos para outros municípios e para o próprio Ministério da Saúde. A regulamentação dos Serviços Residenciais Terapêuticos, alternativa de cuidado e resgate de cidadania, para os chamados pacientes crônicos, que se encontram ainda confinados em muitos hospitais psiquiátricos pelo país, por exemplo, foi resultado direto da comprovação do sucesso pioneiro desta iniciativa em Campinas que, à época da edição da respectiva Portaria, já contava com cerca de 20 moradias extra-hospitalares, como então denominávamos esta modalidade de assistência. O Conselho Diretor, que, como vimos, conta com a representação direta do Poder Público e da Sociedade Civil, é o órgão diretivo responsável pela definição do plano de trabalho da instituição e, para tanto, nomeia o Superintendente como o executivo responsável pela sua implantação. O Superintendente, por sua vez, é o responsável pela indicação do Diretor Técnico, em conformidade com exigência do Conselho Federal de Medicina, pela indicação das assessorias das áreas de gestão do cuidado, comunicação e recursos humanos, do gerente financeiro e dos gerentes das diversas unidades assistenciais e os supervisores das áreas de apoio. Até maio/12, as unidades assistenciais gerenciadas compreendiam: - Núcleo de Retaguarda - Núcleo de Oficinas e Trabalho (NOT) - Centro de Convivência Casa dos Sonhos - Centro de Convivência Espaço das Vilas - Centro de Convivência Rosa dos Ventos - CAPS III Estação - CAPS III Esperança pág. 5

6 - CAPS III Antônio da Costa Santos - CAPS Ad Independênci, - CAPS Ad Antônio Orlando - Serviços Residenciais Terapêutico (29) A partir de junho/12, com a renovação do convênio entre esta instituição e a Secretaria Municipal de Saúde, inicia-se o processo de transferência da gestão de vários serviços de saúde mental, até então gerenciados pela Secretaria Municipal de Saúde, mas que já contavam com um número significativo de trabalhadores contratados por esta instituição. Estes serviços são: - CAPS III Integração - CAPS III Novo Tempo - CAPS III Davi Capistrano - CAPS Ad Reviver - CAPS i CEVI - CAPS i Espaço Criativo - Centro de Convivência Toninha - Centro de Convivência Portal das Artes - Centro de Convivência Tear das Artes - Serviços Residenciais Terapêuticos (+4) Além das atividades de assistência propriamente dita, somos, há vários anos, através do Cândido Escola, espaço de aprendizado e de estágio para alunos de várias instituições de ensino e profissionais de diferentes áreas de atuação relacionadas à saúde, sendo referência de experiências assistenciais bem sucedidas, modelo de gestão colegiada e horizontalizada, articulação entre a atividade assistencial e o respeito aos direitos humanos, trabalho em equipe multiprofissional, e a própria experiência de construção de uma instituição pública não-estatal enquanto suporte para uma implementação eficiente das políticas públicas universais. O Cândido Escola, que também se responsabiliza, em conjunto com a Diretoria Técnica, pela Residência Médica em Psiquiatria e pelos processos de Educação Permanente. As áreas de apoio incluem a Recepção, a Farmácia, o Serviço de Alimentação e Nutrição, a Higienização e Lavanderia, a Manutenção, Segurança e Transporte, o Departamento de Pessoal, a Informática e a Controladoria. pág. 6

7 DADOS ADICIONAIS Identificação Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira Nr. CNES: Nome: Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira. Inaugurado: Mantenedor: Associação Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira em Cogestão com Prefeitura Municipal de Campinas. Endereço: Rua Antônio Prado, 430 Campinas - São Paulo, Telefone: (19) Cobertura em Saúde Mental: Município de Campinas Capacidade de Atendimento Contratado: Ver descritivo por Unidade Capacidade de Atendimento Real: Ver descritivo por Unidade Endereço Eletrônico: CNPJ / , Inscrição Municipal Inscrição Estadual Isenta. Atestado de Registro de Entidade Beneficente de Assistência Social 029/226/66, publicado em Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social 0439/2006, em processo de renovação junto ao Ministério da Saúde nº / Utilidade Pública Federal /60, publicada em Utilidade Pública Estadual 561/61, publicado em Utilidade Pública Municipal 3.936/70, publicado em Registro no Conselho Estadual de Assistência Social 6053, publicado em Registro no Conselho Municipal de Assistência Social 34, publicado em Registro na Feac Federação das Entidades Assistenciais de Campinas 05, em Documento legal de registro: 1º Oficial de Registro de Imóveis, Campinas/SP, Data de Registro 15/06/1954, Livro A1, Folha 96, registro 647. Representante legal: Telma Cristina Palmieri, Presidente do Conselho Diretor. Superintendente: Dr. Nobusou Oki, Psiquiatra. pág. 7

8 Origem dos Recursos: 100% pública (subvenções, convênios e parcerias com órgãos e entidades públicas). Convênios em vigor: Convênio SUS/Pref. Mun. De Campinas/SSCF n 28/07. Até Maio de 2012 Saúde Mental. Convênio SUS/Pref.Mun. de Campinas/SSCF n 74/12. A partir de Junho de Saúde Mental. Convênio SUS/Pref. Mun. De Campinas/SSCF n 63/09. Programa Saúde da Família. pág. 8

9 REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL/RETAGUARDA Núcleo de Retaguarda Identificação: Núcleo de Retaguarda Nr. CNES: Nome: Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira Inaugurado: Mantenedor: Associação Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira em Cogestão com Prefeitura Municipal de Campinas Endereço: Rua Antônio Prado, 430 Campinas - São Paulo, Endereço CNES: Telefone: (19) Gerente: Daniela Oboli Benalia Cobertura em Saúde Mental: Município de Campinas Capacidade de Atendimento Contratado: 72 leitos 300 Internações Capacidade de Atendimento Real: 72 leitos 398 Internações Descrição: Desde Maio de 2009 as unidades de internação do SSCF (antigos NAC, NADeQ e Núcleo Clínico) se organizaram em uma nova unidade denominada Núcleo de Retaguarda com o objetivo principal de qualificar o tratamento dessas três clientelas específicas, considerando que apesar das especificidades de cada uma, existe uma clínica que privilegia o sujeito, que deve estar em primeiro lugar no enfoque do tratamento. Os espaços físicos são independentes, mas a equipe, única e preparada para atuar com as necessidades pontuais de cada um. Desta forma, o Núcleo de Retaguarda tem como missão promover cuidado intensivo, qualificado e especializado em Saúde Mental para pessoas que necessitem de internação temporária, compartilhando e articulando ações na rede SUS/Campinas em consonância com os princípios da Reforma Psiquiátrica, constituindo-se em um campo de formação em Saúde Mental. Público-alvo: Atende a população adulta de psicóticos e neuróticos graves, usuários de substâncias psicoativas e pessoas que apresentam comorbidades clínicas que estão inseridos em SRTs ou nos CAPS da Rede Municipal de Campinas e necessitam de suporte clínico pontual. Nossos projetos terapêuticos são compartilhados com os serviços da rede pública de saúde mental e com familiares, tornando-se esta unidade parceira nos processos de reabilitação psicossocial, sempre respeitando a singularidade de cada indivíduo, orientando o usuário e o familiar sobre as necessidades decorrentes do pág. 9

10 tratamento e a importância do seguimento ambulatorial para continuidade da alta. Capacidade de Atendimento: Temos contratado com a SMS o total de 56 vagas de internação, 10 leito noite e 06 leitos 72 horas, divididos da seguinte forma: 40 vagas de Internação (25 masculinas e 15 femininas) para transtorno mental grave; 10 vagas de Internação (08 masculinas e 02 femininas) para usuários de substâncias psicoativas; 06 vagas de Internação (sem distinção de gênero) para demandas clínicas, para usuários do SRT e CAPS. 06 leitos 72 horas (03 masculinas e 03 femininas) para usuários de transtornos mentais graves; 10 vagas de leitos noite para usuários de substâncias psicoativas. Nossas vagas são reguladas pela Central de Vagas do Município. Somos um dos serviços de referência de internação da rede de saúde mental de Campinas, assim como para as unidades SUS de urgência e emergência do município. Atividades Ofertadas: Atendimentos Familiares: são realizadas quatro reuniões de família por semana. Em alguns casos, algumas famílias são atendidas individualmente. No período de janeiro a dezembro foram realizados 213 atendimentos familiares, com 850 participações. Grupo de Escuta: são realizados grupos de escutas com os usuários. No ano de 2012 foram feitos 98 grupos, com 760 participações. Visitas Domiciliares: dentro da demanda de cada PTS, ao longo do ano foram realizadas 52 visitas domiciliares. Reuniões com a Rede de Saúde Mental: discussões e compartilhamento dos casos, durante a internação, entre os serviços da rede que encaminharam e/ou que receberão o paciente em seu território após a alta e com a equipe de referência do Núcleo de Retaguarda, foram feitas 231 discussões com os equipamentos da rede de saúde. Assembleias: Todos os usuários podem participar semanalmente desse grupo, junto à equipe, onde são discutidos pautas e encaminhamentos de suas demandas. As pautas geralmente são levantadas pelos usuários, como exemplo podemos citar: organização das roupas, higiene da unidade, esclarecimentos com relação a outras unidades do SSCF, alimentação, atividades de lazer. Enfim, questões do cotidiano, da convivência entre usuários, equipe e Instituição. São realizadas assembleias em dois espaços do pág. 10

11 Núcleo de Retaguarda, no espaço dos Transtornos Mentais Graves foram feitas 44 encontros com 774 participações e no espaço dos leitos Álcool e Drogas foram realizadas 47 encontros, com 246 participações. Ateliês: Local onde os usuários podem se expressar através de atividades diversas, que visam oferecer uma assistência além da clínica tradicional, possibilitando desenvolver suas aptidões e criatividade. Contamos com ateliês nos três espaços físicos. Grupo de Esportes: Atividade semanal, geralmente realizada na praça de esporte do Distrito de Sousas e na quadra de esportes do SSCF. O grupo é aberto, heterogêneo em relação à faixa etária e sexo. A organização do grupo para a saída inclui a avaliação prévia dos usuários pelas equipes de referência, preparação do material necessário para a atividade estabelecida de acordo com os interesses do grupo e a disponibilidade de agendamento da praça (natação, hidroginástica, futebol, basquete, etc.). No decorrer deste ano foram realizados 31 grupos, com 310 participações. Acompanhamento Terapêutico: foram realizados 46 acompanhamentos terapêuticos. Grupo de Música Externo: foram realizados 47 oficinas, com 469 participações. Grupo de Ginástica Harmônica: foram realizados 30 encontros, com 300 participações. Grupo de Contos: Atividade que ocorre no espaço dos leitos clínicos. E, em 2012 foram realizados 38 encontros, com 304 participações. G upo ad g upo Cidadão : foram realizados 20 encontros, com 240 participações. G upo de Rádio Depe dê ia Cidadã : foram realizados 36 encontros, com 304 participações. G upo Ca i has : foram realizados 35 encontros, com 120 participações. G upo Mi ha vida, e ago a? : foram realizados 05 encontros e 17 participações. Conforme a construção do PTS (Projeto Terapêutico Individual), outros recursos são mobilizados, tais como: atendimentos individuais, encaminhamentos clínicos específicos, atendimentos odontológicos e fisioterápicos. Em fisioterapia, no ano de 2012, foi atendida uma média de 69 pacientes com uma média de 477 procedimentos. Atendimentos em equipamentos de saúde do território, onde alguns pacientes, ainda internados, iniciam a aproximação/participação de atividades em CAPS e Centros de Convivência, por exemplo, contribuindo para vinculação no pág. 11

12 tratamento pós-alta. Outras saídas são realizadas, como: Bancos, Poupatempo, Transurc, acompanhamento de altas, INSS, Cidade Judiciária e outros. Atividades Diversas: Olimpíadas de Saúde Mental em Ribeirão Preto, Copa da Inserção, Torneio Inter-CAPS, Torneio Decathlon, Festa Junina, Carnaval do Cândido, saídas para feira de domingo, churrasco anual de confraternização (fora das dependências do nosso serviço) e participação em eventos/atividades dos outros equipamentos de saúde mental, como por exemplo, Ponto de Cultura e Centros de Convivência. Equipe: Reunião de Equipe: No Espaço semanal de encontro da equipe do Núcleo de Retaguarda foram realizados 50 encontros. Supervisões Institucionais: Espaço para a equipe discutir seu processo de trabalho, com supervisora. Foram feitos 12 encontros ao longo do ano. Supervisões clínicas: Espaço para discussão dos casos clínicos que acompanhamos, geralmente é compartilhado com equipe dos serviços parceiros e conta com a presença de um supervisor externo. Foram realizadas neste ano: 72 supervisões clínicas. O conjunto das ações desenvolvidas no Núcleo de Retaguarda é protagonizado por uma equipe multidisciplinar, constando de: -01 Gerente; -01 Co-Gerente; -01 Fisioterapeuta; -01 Dentista; -02 Assistentes Administrativos; -08 Enfermeiros (05 para o período diurno e 03 para o noturno); -04 Psicólogos; -04 Médicos Psiquiatras; -03 Médicos Clínicos; -04 Terapeutas Ocupacionais; -03 Monitores; -61 Auxiliares e/ou Técnicos de Enfermagem; -01 usuário do Projeto Parceria. Esta equipe se subdivide em 04 equipes de referência que são responsáveis pela elaboração e implantação dos projetos terapêuticos subjetivos de todos os usuários em tratamento no Núcleo de Retaguarda, proporcionando desta forma, uma atenção mais individualizada e atenta às necessidades de cada indivíduo. pág. 12

13 Reunião de PTS: Semanalmente são realizadas reuniões, de cada equipe de referência, para discussões dos projetos e os encaminhamentos para a semana. No período de Janeiro a Dezembro de 2012 foram realizadas 194 reuniões. A equipe é representada em vários espaços políticos e de discussões na rede de saúde, como: Colegiado Gestor do SSCF, Comissão de Moradia, Coletivo da Música, reunião do Distrito Leste, reuniões do carnaval, rede AD. Espaço de Formação: Graduação de Enfermagem: UNICAMP, PUCCAMP e FAJ. Técnicos em Enfermagem - 07 Escolas: ISI, Arquimedes, Shalom, Centro Médico, Global, Liderança e Bento Quirino. Graduação em Psicologia: FAC, PUCCAMP e UFSCar. Campo de formação para o primeiro ano de residência em psiquiatria do Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira. Em 2012, recebemos 03 residentes, que foram acolhidos nas quatro equipes de referência e acompanhados por quatro tutores. Todos os residentes contaram com a participação da equipe técnica na condução e discussão dos casos. Durante o ano de 2012 recebemos as visitas de um grupo de voluntários, G upoàdaàpaço aàfi a,à ueà o pa e e à e sal e teà osàfi aisàdeàse a a. Foram também realizadas participações em diversos congressos, pela equipe, apresentando pôsteres e trabalhos relacionados ao modelo de assistência do Núcleo de Retaguarda. Período de funcionamento do serviço: A assistência no Núcleo de Retaguarda acontece nos sete dias da semana e nas 24 horas do dia. A equipe técnica, na maioria, trabalha em horário comercial, sendo que durante a semana a partir das 17 horas e nos finais de semana os usuários são acompanhados pela equipe de enfermagem, sempre com a presença de um enfermeiro responsável e um médico psiquiatra plantonista, contamos também com a escala dos monitores. Caso ocorra alguma internação neste período, no próximo dia útil subsequente, a equipe de referência do caso assume a condução do PTS. Dados Gerais: Foram inseridos, em média, no atendimento do Núcleo de Retaguarda 356 pág. 13

14 usuários entre janeiro e dezembro de 2011, ocupando os leitos de internação integral e Leito 72 horas. No leito noite álcool e drogas foram atendidos 241 usuários. Taxa de ocupação e permanência dos leitos de Internação Integral para transtornos mentais graves ao longo do ano de 2012: MÊS OCUPAÇÃO PERMANÊNCIA JANEIRO 90,73% 19,4 FEVEREIRO 97,07% 21,65 MARÇO 99,76% 20,97 ABRIL 101,50% 22,98 MAIO 99,92% 21 JUNHO 101,83% 23,06 JULHO 90,16% 22,82 AGOSTO 95,73% 21,58 SETEMBRO 93,42% 22,88 OUTUBRO 100,16% 21,41 NOVEMBRO 99,67% 20,62 DEZEMBRO 93,87% 19,73 pág. 14

15 Taxa de ocupação e permanência do Leito 72 horas ao longo do ano de 2012: MÊS OCUPAÇÃO PE MáNẼNCIá JANEIRO 62,90% 09 FEVEREIRO 74,71% 8,13 MARÇO 87,10% 09 ABRIL 87,78% 13,17 MAIO 93,55% 13,38 JUNHO 84,44% 15,2 JULHO 86,56% 16,1 AGOSTO 103,23% 11,23 SETEMBRO 91,11% 13,67 OUTUBRO 87,10% 12,46 NOVEMBRO 94,44% 13,08 DEZEMBRO 68,82% 10,67 Taxa de ocupação e permanência dos leitos de Internação Integral de Álcool e Drogas ao longo do ano de 2012: MÊS OCUPAÇÃO PERMANÊNCIA JANEIRO 109,03% 21,13 FEVEREIRO 104,48% 21,64 MARÇO 105,48% 20,44 ABRIL 107,00% 24,69 MAIO 109,68% 28,33 JUNHO 107,33% 23 JULHO 105,16% 21,73 AGOSTO 107,42% 25,62 SETEMBRO 111,00% 22,2 OUTUBRO 107,42% 22,2 NOVEMBRO 102,00% 25,5 DEZEMBRO 96,45% 21,36 pág. 15

16 2012: Taxa de ocupação e permanência dos Leitos Noite Álcool e Drogas ao longo de MÊS OCUPAÇÃO PE MáNẼNCIá JANEIRO 57,10% 3,69 FEVEREIRO 36,90% 3,06 MARÇO 35,81% 03 ABRIL 43,00% 2,93 MAIO 43,55% 3,38 JUNHO 32,00% 2,74 JULHO 46,13% 3,33 AGOSTO 49,35% 3,64 SETEMBRO 36,00% 3,09 OUTUBRO 50,65% 3,57 NOVEMBRO 49,33% 3,29 DEZEMBRO 35,48% 2,34 Taxa de ocupação e permanência de Internação Integral dos Leitos Clínicos ao longo do ano de 2012: MÊS OCUPAÇÃO PE MáNẼNCIá JANEIRO 122,58% 20,73 FEVEREIRO 112,07% 17,73 MARÇO 110,22% 20,5 ABRIL 117,22% 21,1 MAIO 105,91% 24,65 JUNHO 80,00% 14,4 JULHO 86,02% 16 AGOSTO 127,96% 21,64 SETEMBRO 96,67% 17,4 OUTUBRO 134,41% 17,86 NOVEMBRO 108,33% 16,25 DEZEMBRO 119,89% 20,27 pág. 16

17 Indicadores por Distritos de Saúde na Cidade de Campinas: Procedência: Internação Leitos Transtornos Mentais Graves: SUL SUDOE NORTE NOROE LESTE OUTROS PA/PS Det. Jud. JAN 24,15% 1,72% 12,08% 10,33% 31,04% 1,72% 17,24% 1,72% FEV 15,38% 1,92% 9,62% 15,39% 30,77% 1,92% 21,15% 3,85% MAR 13,55% 1,69% 3,41% 16,95% 32,14% 1,69% 28,88% 1,69% ABRIL 24,52% 1,89% 5,66% 11,33% 20,74% 1,89% 32,08% 1,89% MAIO 18,64% 5,09% 3,38% 11,89% 32,19% 1,69% 27,12% 0,00% JUNHO 18,87% 1,89% 3,78% 15,09% 28,30% 1,89% 30,19% 0,00% JULHO 22,45% 2,04% 2,04% 22,45% 32,65% 2,04% 16,33% 0,00% AGOST 18,18% 1,82% 7,27% 16,35% 41,83% 3,64% 10,91% 0,00% SETEM 20,41% 2,04% 4,08% 22,45% 36,73% 0,00% 14,29% 0,00% OUTU 18,97% 1,72% 3,44% 18,97% 36,21% 0,00% 18,97% 1,72% NOV 24,14% 1,72% 5,17% 22,42% 31,04% 0,00% 13,79% 1,72% DEZ 20,36% 3,39% 5,02% 20,35% 33,93% 0,00% 16,95% 0,00% MEDIA/ ANO 19,97% 2,24% 5,41% 17,00% 32,30% 1,37% 20,66% 1,05% pág. 17

18 Leitos 72 horas: SUL SUDOES NORTE NOROES LESTE OUTROS PS/PA JAN 46,17% 0,00% 0,00% 15,38% 23,07% 7,69% 7,69% FEV 18,75% 0,00% 6,25% 18,75% 18,75% 0,00% 37,50% MARÇO 16,66% 0,00% 5,56% 22,22% 27,78% 0,00% 27,78% ABRIL 33,33% 8,33% 8,33% 16,68% 8,33% 0,00% 25,00% MAIO 30,77% 7,69% 7,69% 23,08% 23,08% 0,00% 7,69% JUNHO 40,00% 0,00% 0,00% 10,00% 50,00% 0,00% 0,00% JULHO 30,00% 0,00% 0,00% 0,00% 70,00% 0,00% 0,00% AGOST 15,39% 0,00% 0,00% 15,38% 46,16% 7,69% 15,38% SETEM 33,33% 0,00% 0,00% 16,67% 16,68% 0,00% 33,32% OUTU 38,46% 0,00% 0,00% 30,77% 15,39% 0,00% 15,38%% NOV 15,39% 0,00% 0,00% 15,38% 30,77% 0,00% 38,46%% DEZ 16,67% 8,33% 0,00% 0,00% 41,66% 0,00% 33,33%% MEDIA/ ANO 27,91% 2,03% 2,32% 15,36% 30,97% 1,28% 20,13% pág. 18

19 Leitos Clínicos: SUL SUDOE NORTE NOROE LESTE OUTRO PA/PS JAN 0,00% 0,00% 9,09% 18,18% 54,55% 9,09% 9,09% FEV 0,00% 0,00% 0,00% 18,18% 63,64% 9,09% 9,09% MARÇO 20,00% 0,00% 0,00% 10,00% 50,00% 10,00% 10,00% ABRIL 30,00% 0,00% 10,00% 10,00% 40,00% 10,00% 0,00% MAIO 12,50% 0,00% 12,50% 12,50% 37,50% 12,50% 12,50% JUNHO 30,00% 0,00% 10,00% 0,00% 40,00% 10,00% 10,00% JULHO 40,00% 0,00% 0,00% 0,00% 50,00% 0,00% 10,00% AGOST 54,54% 0,00% 0,00% 0,00% 27,28% 0,00% 18,18% SETEM 50,00% 0,00% 10,00% 0,00% 20,00% 0,00% 20,00% OUTU 28,57% 0,00% 7,15% 0,00% 49,99% 0,00% 14,29% NOV 41,67% 8,33% 0,00% 0,00% 41,67% 0,00% 8,33% DEZ 63,64% 0,00% 0,00% 0,00% 27,27% 0,00% 9,09% MEDIA/ ANO 30,91% 0,69% 4,90% 5,74% 41,83% 5,06% 10,88% pág. 19

20 Internação Leitos Álcool e Drogas: SUL SUDOES NORTE NOROES LESTE Det. Jud. PS/PA JAN 12,50% 0,00% 0,00% 6,25% 37,50% 18,75% 25,00% FEV 14,28% 0,00% 0,00% 7,14% 35,71% 28,58% 14,29% MARÇO 12,50% 0,00% 0,00% 18,75% 37,50% 25,00% 6,25% ABRIL 7,69% 0,00% 0,00% 15,38% 53,85% 23,08% 0,00% MAIO 8,33% 0,00% 0,00% 16,66% 33,34% 25,00% 16,67% JUNHO 14,27% 0,00% 0,00% 14,27% 21,40% 35,85% 14,27% JULHO 26,67% 0,00% 0,00% 13,33% 13,33% 26,67% 20,00% AGOST 15,38% 0,00% 0,00% 15,38% 15,38% 38,48% 15,38% SETEM 13,33% 0,00% 0,00% 20,00% 13,33% 46,67% 6,67% OUTU 20,00% 0,00% 0,00% 20,00% 20,00% 33,33% 6,67% NOV 16,67% 0,00% 0,00% 33,33% 16,67% 33,33% 0,00% DEZ 35,71% 7,14% 0,00% 28,58 0,00% 28,57% 0,00% MEDIA/ ANO 16,44% 0,60% 0,00% 17,42% 24,83% 30,28% 10,43% pág. 20

21 Leito Noite Álcool e Drogas: SUL SUDOES NORTE NOROES LESTE PA/PS JAN 45,83% 0,00% 0,00% 4,17% 50,00% 0,00% FEV 68,57% 0,00% 0,00% 8,57% 22,86% 0,00% MARÇO 64,86% 0,00% 5,41% 21,62% 8,11% 0,00% ABRIL 61,36% 0,00% 2,27% 22,73% 6,82% 6,82% MAIO 65,00% 2,50% 0,00% 32,50% 0,00% 0,00% JUNHO 65,71% 0,00% 0,00% 34,29% 0,00% 0,00% JULHO 67,45% 0,00% 0,00% 25,58% 6,98% 0,00% AGOST 59,52% 0,00% 0,00% 40,48% 0,00% 0,00% SETEM 68,57% 0,00% 0,00% 28,57% 2,86% 0,00% OUTU 63,63% 0,00% 0,00% 36,37% 0,00% 0,00% NOV 64,44% 0,00% 0,00% 35,56% 0,00% 0,00% DEZ 53,20% 0,00% 0,00% 44,67% 0,00% 2,13% MEDIA/ ANO 62,35% 0,21% 0,64% 27,93% 8,14% 0,75% pág. 21

22 Resumo de projetos realizados em 2012: 1. Em maio de 2012 a reforma do espaço físico dos leitos clínicos foi concluída e realizou-se uma exposição fotográfica na reinauguração do espaço. Concluído, também, a construção de mais um banheiro feminino no espaço do NAC 01; 2. Um programa de capacitação para os trabalhadores do serviço, com aulas quinzenais, abordando vários temas relacionados ao cotidiano do trabalho; 3. G uposà o àoàte aà Cuida doàdoà uidado,à o àosàfu io iosàdoàespaçoà dos leitos clínicos. 4. Aulas de treinamento e capacitação de preenchimento de solicitações de coletas de exames, direcionadas para o núcleo enfermagem/ médico; 5. Elaboração de instrumento de avaliação de passagem de plantão, ocorrendo discussões ampliadas na equipe; 6. Realizadas inúmeras reuniões entre a equipe do Núcleo de Retaguarda e as equipes dos CAPS ad, discutindo e avaliando as passagens de plantões e trocas de informações em relação aos usuários que fazem leito noite. Estas discussões tiveram como resultado a elaboração de um instrumento que diariamente é repassado para os CAPS informando sobre a estadia do paciente no Núcleo de Retaguarda, além das passagens de plantão trocadas por telefone. 7. Eventos comemorativos, como festa junina e churrasco de confraternização de final de ano, fora das dependências do serviço; 8. Reuniões semestrais com médicos e enfermeiros, para discussão das ações destes núcleos; 9. Reuniões bimestrais com todos os enfermeiros do serviço para discutir a melhor qualificação de assistência e processo de trabalho; 10. Discussão com o Colegiado Gestor do SSCF, avaliando o recurso do Leito 72 h do Núcleo de Retaguarda, sendo disparado também, um grupo de trabalho com várias representações da rede de saúde mental para a continuidade das discussões e avaliações desta oferta; Plano de Metas para 2013: Para o ano de 2013, esta equipe pretende: Manter a qualidade da assistência prestada, bem como qualificar-se enquanto uma unidade de saúde que busca atender a demanda de usuários que necessitam de cuidados intensivos; Iniciar e concluir a pintura no espaço dos leitos para pessoas com transtornos mentais graves, além de restaurar alguns mobiliários; pág. 22

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em

CAPS AD III PORTÃO. Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO Prefeitura Municipal de Curitiba Inauguração em Modalidade III em CAPS AD III PORTÃO EQUIPE DE PROFISSIONAIS Coordenadora administrativa 1 Apoio Técnico 1 Coordenadora técnica 1 Médico

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL:

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL: Institui o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas III 24 horas dos componentes de Atenção Especializada e de urgência e emergência da Rede de Atenção Psicossocial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS

PROCESSO SELETIVO. Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi. Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS PROCESSO SELETIVO Centro de Atenção Psicossocial CAPS III Itaim Bibi Fevereiro de 2009 EDITAL DE INSCRIÇÕES E INSTRUÇÕES ESPECIAIS A Associação Saúde da Família ASF faz saber que realizará processo seletivo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DE SAÚDE MENTAL NOTA TÉCNICA Assunto: Registro das Ações e Processos de Trabalho dos Centros

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda. A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê. Haydée Lima Julho/ Agosto 2012 6º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Temas Simultâneos: Acolhimento da Demanda Espontânea na Atenção Básica em Saúde: A Experiência do Centro de Saúde da Vila Ipê Haydée Lima Julho/ Agosto 2012

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille

Leia mais

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR

CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR CENÁRIO DAS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PR Aparecida Moreno Panhossi da Silva 1 A construção da Reforma Psiquiátrica representa um movimento em busca de uma prática de assistencia

Leia mais

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim

PENHA. Distritos Administrativos. População: 474.565 hab. Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim PENHA Distritos Administrativos Cangaíba Penha Vila Matilde Artur Alvim População: 474.565 hab. ERMELINO MATARAZZO Distritos Administrativos Ermelino Matarazzo Ponte Rasa População: 207.736 hab. PENHA

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención

Área teórico\prática: Clinicas y Politicas: procesos de subjetivación y invención FORMAÇÃO ANTIMANICOMIAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Autores: Camila Alves Soares Ana Marta Lobosque Sílvia Melo Karine Lage Fonseca Maria Elisa Freitas Camila Castanheira Rodrigues.

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO E PROTEÇÃO AO JOVEM USUÁRIO DE TÓXICOS CAPUT

CENTRO DE ATENDIMENTO E PROTEÇÃO AO JOVEM USUÁRIO DE TÓXICOS CAPUT CENTRO DE ATENDIMENTO E PROTEÇÃO AO JOVEM USUÁRIO DE TÓXICOS CAPUT Projeto enviado por Valéria da Silva Rodrigues - Juíza de Direito Titular da Vara de Atos Infracionais Local de funcionamento Belo Horizonte,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE

2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA NO DISTRITO DE SAÚDE LESTE 2º SEMINÁRIO NACIONAL HUMANIZA SUS Em Resposta, envio os dados sobre nosso trabalho: 1- Diretriz Valorização do trabalho e do trabalhador da saúde. 2-Titulo: CUIDANDO DO TRABALHADOR DA SAÚDE UMA EXPERIÊNCIA

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA

Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA Acolhimento Familiar de Proteção Alternativa à Política Pública A experiência do Programa SAPECA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SP Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Acolhimento

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2

Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 MINISTÉRIO DA CULTURA Diretoria de Infraestrutura Cultural Secretaria Executiva Termo de Referência para Elaboração de Plano de Gestão de Praça do PAC modelo de 700m 2 1. Objetivos A Praça do PAC é de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Unidade Integrada de Saúde Mental U I S M 1 ENDEREÇO: MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA UNIDADE INTEGRADA DE SAÚDE MENTAL

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR

INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR 1 Normas de Convivência e manual operacional Breve apresentação do IGES 2 IGES - é uma instituição sem fins lucrativos, certificada como OSCIP que tem por finalidade,

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

3ªPromotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Saúde. Audiência Pública Câmara Municipal do Rio de Janeiro Crack : Prevenção,Resgate e Cuidado

3ªPromotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Saúde. Audiência Pública Câmara Municipal do Rio de Janeiro Crack : Prevenção,Resgate e Cuidado 3ªPromotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Saúde Audiência Pública Câmara Municipal do Rio de Janeiro Crack : Prevenção,Resgate e Cuidado Inquérito Civil : 2012.00395272, instaurado em 20/08/2012. Objeto:

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB

Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP. 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP 1º Edital Para Chamada de Candidatos a Tutores e Supervisores I Introdução. Programa Mais Médicos Brasil - PMMB Junho/2015 O Programa Mais Médicos Brasil, criado

Leia mais

PROGRAMA TERAPÊUTICO

PROGRAMA TERAPÊUTICO CENTRO DE RECUPERAÇÃO CAMINHO DA VIDA MARECHAL CÂNDIDO RONDON PARANÁ CNPJ: 03.507.934/0001-02 CEP. 85960-000 MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. VILA CURVADO PROGRAMA TERAPÊUTICO 1. INTRODUÇÃO O Programa Terapêutico

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF Jorge Zepeda Gerente de APS da SMS de Florianópolis I Encontro Estadual dos NASF de SC Florianópolis, Novembro de 2012 ROTEIRO DE CONVERSA 1. LUGAR DE ONDE FALO:

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e

A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e A problemática do uso abusivo do álcool e outras drogas requer ações preventivas, curativas e reabilitadoras, pautadas em ações intersetoriais e interdisciplinares, visando à melhoria da qualidade de vida

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

Sumário. Análise de Indicadores de Produção... 7. Fichas de Atendimento Analisadas Fichas Completas na Amostra... 11

Sumário. Análise de Indicadores de Produção... 7. Fichas de Atendimento Analisadas Fichas Completas na Amostra... 11 Sumário Análise de Indicadores de Produção... 7 Fichas de Atendimento Analisadas Fichas Completas na Amostra... 11 Análise dos Indicadores Déficit de Médicos... 17 Relatório Trimestral - Serviço de Atendimento

Leia mais

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 15/01/2014 (nº 10, Seção 1, pág. 37) Institui o serviço de avaliação e

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO CONTRATO DE GESTÃO GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA Á SAÚDE UPA ENGENHO VELHO RELATÓRIO

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social. Lillyan Justino Tanaka Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Ciências Médicas Zeferino Vaz Departamento de Medicina Preventiva e Social Lillyan Justino Tanaka Comorbidade em pessoas com transtorno mental: perfil crescente

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Conselho Municipal dos Direitos do Idoso Av. Duque de Caxias, 635 Jd. Mazzei II Londrina-PR Fone: (43) 3372-4046 / Fax: (43) 3372-4547 cmdi@londrina.pr.gov.br / cmdi_londrina@yahoo.com.br 7ª CONFERÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Raissa Ribeiro Saraiva de Carvalho UNIDADE DE INTERNAÇÃO PSIQUIÁTRICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE: relatório de estágio curricular

Leia mais

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE CNPJ. 88173968/0001-60 Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta POA-RS - CEP: 91150-140 e-mail: acelb@terra.com.br Fone: 3344-18-04-33406840

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio

Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo. Reflexões a partir do Municipio Construindo a Rede de Atenção Psicossocial em São Bernardo do Campo Reflexões a partir do Municipio . PENSAR A REFORMA PSIQUIÁTRICA É PENSAR A CIDADE: QUE CIDADE QUEREMOS? OS DIREITOS HUMANOS. A REFORMA

Leia mais

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS

PROJETO PONTO DE CIDADANIA. COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PROJETO PONTO DE CIDADANIA COMVIDA Comunidade Cidadania e Vida EDITAL DE SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS O Ponto de Cidadania é uma inovadora estratégia de apoio psicossocial. Trata-se de uma unidade de acolhimento

Leia mais

DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde III - atenção psicossocial; Rede de Atenção à Saúde

DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde III - atenção psicossocial; Rede de Atenção à Saúde DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE... TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE..., representado, neste ato, pelos(as) Promotores(as) de Justiça das Comarcas de (NOMES),

Leia mais