Análise do projeto VerdeSinos sob a ótica dos Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Sylvio Antonio Kappes 1 Tiago Wickstrom Alves 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do projeto VerdeSinos sob a ótica dos Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Sylvio Antonio Kappes 1 Tiago Wickstrom Alves 2"

Transcrição

1 Análise do projeto VerdeSinos sob a ótica dos Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) Sylvio Antonio Kappes 1 Tiago Wickstrom Alves 2 Resumo Os serviços ambientais gerados pelo meio ambiente são externalidades positivas que, em geral, não são internalizadas através das forças de mercado devido ao caráter de bem público destes serviços. Os Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) são instrumentos de incentivos econômicos utilizados para efetuar tal processo. Para que um PSA seja constituído, é necessário o atendimento de alguns requisitos, como a definição de um serviço ambiental a ser negociado entre compradores e vendedores de tal serviço, a escolha da forma de pagamento pela entrega dos mesmos, o modo pelo qual os serviços serão entregues, o monitoramento dos resultados, entre outros. O objetivo deste trabalho é verificar se o projeto VerdeSinos pode ser considerado um PSA, através do atendimento ou não dos postulados teóricos. Para atingir tal desígnio, foi elaborado um questionário aberto, aplicado à coordenação do projeto. Conclui-se que o VerdeSinos, apesar de apresentar diversas características de um PSA, não pode ser considerado como tal, ao menos não como um plenamente estabelecido. Isso porque falta ao projeto o ponto central dos PSA, que é a base mercadológica. Palavras-Chave: Externalidades positivas. Pagamentos por serviços ambientais. Projeto VerdeSinos. Abstract The environmental services generated by the nature are positive externalities that, in general, are not internalized by the market forces because they have a public good characteristic. The Payments for Environmental Services (PES) are instruments of economic incentives utilized to effectuate such a process. To a PES being constituted, is necessary the attendance of some requisites, such the definition of the environmental service to be negotiated, the choice of the form of payment, how the services will be delivered, the monitoring of the results, and so on. The objective of this paper is verify if the VerdeSinos project can be considered a PES, through the attendance or not of the theoric postulates. To meet such desiderate, an open questionnaire were elaborated and applied to the heads of the project. It s concluded that the VerdeSinos, despite presenting a lot of PES characteristics, cannot be considerate such one, at least not as one fully established. This is so because the project lack the central point of PES: the marketing basis. Keywords: Positive externalities. Payments for Environmental Services. VerdeSinos Project. Área 4: Economia Agrária e Ambiental. JEL: D62, Q 25, Q57. 1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGE- UFRGS), com ênfase em Economia do Desenvolvimento. 2 Professor Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

2 1 Introdução A degradação ambiental, resultante da ação humana, deve-se, em primeiro lugar, à característica de bem público dos biomas. A teoria econômica classifica um bem como público se este possuir duas características fundamentais: a não-rivalidade e a não-excludência. A primeira delas refere-se ao caso em que o consumo de um bem não reduz sua disponibilidade para outros consumidores; a segunda, por sua vez, ocorre quando não se tem a capacidade de impedir que um indivíduo qualquer usufrua de um bem (VARIAN, 2003; FISHER et al. 2009). Vatn (2010) argumenta que a junção de não-rivalidade e não-excludência gera uma dificuldade em especificar os direitos de propriedade de um bem que possua ambas as características. Em consequência, a natureza acaba sendo alvo de externalidades, que são os impactos das decisões de um agente no bem-estar de outro, que não toma parte da ação (MANKIW, 2005). Dessa forma, há uma discrepância entre o equilibrio de preço e quantidade que reflete os custos e benefícios privados com o equilibrio em termos sociais (STIGLITZ, 1997). As externalidades são classificadas como negativas caso os custos privados da produção de um bem qualquer sejam menores que os custos sociais desta mesma produção, acarretando, assim, em uma quantidade acima do ótimo social. Uma externalidade é positiva caso os benefícios privados sejam menores que os sociais, o que resulta em uma produção abaixo do ótimo social (PINDYCK; RUBINFELD, 2010). Um exemplo de bem público sofrendo externalidades é a atmosfera. Seguindo a argumentação de Vatn (2010), ela é um bem público, pois não há um agente que tenha direitos de propriedade sobre ela. Assim, se uma refinaria de petróleo poluir o ar, causando um prejuízo a todos os seres vivos, então, os custos de sua produção irão além dos custos privados da fábrica. Se a atmosfera fosse um bem privado, esse problema seria de simples solução, uma vez que o seu proprietário poderia mover ações judiciais contra a refinaria, por exemplo. Ainda neste exemplo, fica evidente que a dificuldade está em fazer a empresa poluente arcar com os custos decorrentes da poluição, ou seja, fazê-la internalizar os custos que ela socializou. Uma solução para esse problema foi dada por Pigou (1932), que propôs uma ação estatal via impostos e subsídios, levando os preços dos produtos ao nível que garanta o ótimo social. Outra solução é a de Coase (1960). Segundo este autor, a livre negociação entre os agentes faz surgirem respostas eficientes aos problemas. Seguindo o exemplo da refinaria, a empresa pagaria às pessoas afetadas pelo direito de poluir o ar, compensando-as pelas perdas que sofressem. Neste sentido, os Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) buscam na contribuição de Coase (1960) a sua fundamentação teórica. Como os agentes computam somente seus custos privados ao tomarem suas decisões, é necessário que haja uma negociação para garantir que a externalidade negativa deixe de ser gerada. Contudo, os PSAs são focados nas externalidades positivas, como, por exemplo, o caso de um apicultor cujas abelhas polinizam as macieiras de seu vizinho. Nesse caso, a atividade de um agente foi benéfica a outro e, para que ela continue ocorrendo, seria necessário que o apicultor fosse compensado pelo benefício que gerou (PAGIOLA et al, 2005). Tal benefício é um Serviço Ambiental, que, neste exemplo, é a polinização feita pelas abelhas. Neste trabalho, será utilizado o conceito de Serviço Ambiental de Muradian et al. (2010), para os quais um Serviço Ambiental é uma externalidade positiva gerada tanto pelos ecossistemas em sua forma preservada quanto por locais modificados pelo homem, como sistemas agroflorestais. Em termos mais específicos, um PSA é uma transação voluntária, onde um serviço ambiental bem definido é comprado por (pelo menos) um comprador de serviço ambiental de (pelo menos) um vendedor de

3 serviço ambiental se, e apenas se, o vendedor de fato entregar o serviço (WUNDER, 2005, p. 9). Na Bacia do Rio dos Sinos, há um projeto ambiental que, em uma primeira análise, cumpre alguns requisitos para ser considerado um PSA, mas, no entanto, não se autodeclara como tal. É o projeto VerdeSinos, organizado pelo Comitesinos, em parceria com o Ministério Público. Seu objetivo é restaurar a mata ciliar da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos, com o intento de melhorar a qualidade de suas águas. Para isso, são doados aos participantes do projeto o material necessário à recuperação da vegetação nativa, como mourões, arame e mudas de árvores. Os recursos necessários a tais doações são obtidos com as empresas e entidades parceiras do projeto, e distribuídos pelo Comitesinos. Assim, o projeto VerdeSinos possui objetivos que estão vinculados ao pagamento por serviços ambientais. Desta forma, surge o questionamento: estaria ele cumprindo as condições, apontadas pela literatura, para ser classificado como um PSA? Responder a esta questão é o objetivo deste trabalho. Para tanto, foi realizada uma análise documental de publicações do Comitesinos, bem como uma entrevista presencial feita com Viviane Nabinger, secretária executiva do Comitesinos, entrevista essa elaborada conforme um roteiro de pesquisa. O trabalho está dividido da forma como segue: a segunda seção apresenta os elementos constituintes de um PSA, trazendo informações que servirão de base ao estudo de caso. a terceira seção aborda o histórico e funcionamento atual do Projeto VerdeSinos. A quarta seção analisa o VerdeSinos à luz das teorias apresentadas no capítulo 2. A quinta e última seção faz as considerações finais. 2 PSA Elementos constituintes, classificações e fatores institucionais A definição de Wunder (2005) apresentada anteriormente merece uma análise mais acurada. O primeiro item dessa definição revela um conceito fundamental: o fato de a transação ser voluntária. Isso diferencia o PSA de outros instrumentos econômicos de proteção ao meio ambiente, como as multas, por exemplo, que têm caráter impositivo. O segundo item evidencia que o Pagamento obrigatoriamente se relaciona a um serviço ambiental específico, ou seja, a algum fluxo de externalidades positivas bem definidas; assim, o PSA não pode ter como objetivo a simples restauração da mata nativa de uma região, mas, sim, algum benefício que esta gere, como a absorção de carbono ou a redução do assoreamento dos rios. O terceiro e o quarto itens da definição estabelecem a base mercadológica do pagamento por serviços ambientais, até então ausente; ou seja, estabelece a necessidade da existência de compradores e vendedores. No caso de PSAs relacionados à água, os compradores dos serviços são agentes que se beneficiam com a melhora de algum atributo desta, como, por exemplo, companhias hidroelétricas e de abastecimento de água; os vendedores são proprietários de terras cujo uso do solo gera as externalidades positivas que, em última instância, melhoram os atributos da água. O último item da definição traz a condicionalidade do pagamento, ou seja, o pagamento só ocorre se os serviços forem realmente entregues. Tal condicionalidade é relevante no contexto dos PSA, uma vez que muitos vendedores de serviços ambientais se encontram em áreas remotas, tornando difícil o monitoramento de suas atividades (BRACER et al., 2007). A definição de Wunder (2005), embora traga os principais elementos constituintes de um esquema 3 de PSA, não aborda algumas questões importantes que surgem na montagem de um mercado desse 3 Conforme argumentam Martin-Ortega, Ojea e Roux (2013), não há um consenso na literatura entre o uso dos termos esquema, programa ou projeto de PSA. Segundo estes autores, os termos são, em geral, utilizados indiscriminadamente. Neste trabalho, os conceitos serão tratados como sinônimos, no intuito de deixar a leitura mais fluída.

4 tipo. Segundo Vatn (2010), a existência de custos de transação elevados faz com que a consecução de acordos entre compradores e vendedores seja inviável, criando a necessidade de intermediários nas negociações, que seriam responsáveis por organizar o ambiente de negócios. Em geral, esse papel é desempenhado por agências governamentais, ONGs e universidades (LANDELL-MILLS; PORRAS, 2002). Powell, White e Landell-Mills (2002) elaboraram uma classificação de PSAs que leva em consideração a atuação de intermediários. Para estes autores, os esquemas podem existir em três formas básicas. A primeira seria a de Acordos Privados Auto-organizados, que são os casos em que compradores e vendedores chegam a um acordo sem a intervenção de uma terceira parte. A segunda forma é a dos Esquemas de Negociação Aberta, nos quais há uma terceira parte que organiza o mercado de serviço ambiental. Por fim, existem os Pagamentos Públicos, nos quais o comprador do serviço é o governo. Para que as negociações corram bem, é necessário, como já foi dito, que o Serviço Ambiental transacionado esteja bem definido. Em se tratando de esquemas de PSA relacionados à água, existem quatro serviços comumente utilizados. O primeiro deles é a regulação do ciclo hídrico, que é a manutenção de um fluxo constante de água no período das secas e a prevenção de enchentes no período das chuvas. O segundo serviço é o da qualidade da água, obtido através do controle da erosão do solo e dos assoreamentos, além do controle da salinidade e acidez da água. O terceiro serviço é o da regulação dos níveis dos lençóis freáticos. Por fim, tem-se a manutenção dos habitats aquáticos, permitindo a reprodução adequada dos cardumes. (PAGIOLA, 2005; BRACER et al., 2007; POWELL; WHITE; LANDELL-MILLS, 2002). Um dos problemas relacionados aos PSAs de água é a falta de conhecimentos científicos sobre quais ações podem gerar os Serviços Ambientais desejados. Por exemplo, acredita-se que a presença de florestas às margens de um rio garanta que a erosão será baixa. Entretanto, estudos apontam que a presença ou não da mata é um fator de menor importância, e que as variáveis-chave são a composição do solo, sua inclinação e a força das chuvas. (LANDELL-MILLS; PORRAS, 2002). Da mesma forma, a regulação do fluxo hídrico depende de fatores específicos de cada localidade e não apenas da presença ou não de cobertura florestal. Entre esses fatores estão a idade da floresta, a altitude em que ela se encontra e a composição do solo (BISHOP; LANDELL- MILLS, 2005; BRACER et al., 2007; LANDELL-MILLS; PORRAS, 2002). Pagiola (2005) argumenta que os estudos da relação floresta-água devem ser feitos em cada localidade, pois é difícil fazer generalizações, uma vez que os fatores mais influentes são específicos de cada local. Ainda na questão organizacional, existem fatores institucionais que afetam o desempenho ambiental de um PSA, identificados por Escobar, Hollaender e Weffer (2013). Para estes autores, a existência de experiências organizacionais anteriores à implantação de um PSA em uma dada região faz com que este seja mais efetivo ao alcançar seus objetivos ambientais. Além disso, contratos de fácil entendimento entre as partes também influenciam no resultado de forma positiva. Mais ainda, a confiança no cumprimento do que foi acordado também afeta o desempenho de um PSA. Assim que compradores e vendedores se organizam, é necessário definir o modo pelo qual os serviços ambientais transacionados serão entregues. Pode-se distinguir cinco formas diferentes (WUNDER, 2005; ENGEL; PAGIOLA; WUNDER, 2008). A primeira delas é pela manutenção de uma floresta de pé, ou seja, preserva-se um remanescente florestal que já existe. A segunda forma é a adoção de um sistema agroflorestal, que é um modo de produção amigável ao meio ambiente, como a produção de café de sombra. A terceira forma é o cercamento e abandono de uma área degradada, deixando que ela se recupere sozinha. A quarta maneira é o reflorestamento com espécies nativas. A última é o reflorestamento de árvores comerciais, como o pinus e o eucalipto.

5 Uma questão essencial que permeia a entrega dos serviços ambientais é o quanto esta melhora a oferta do serviço ambiental em questão, ou seja, o quanto desse serviço é adicionado, comparandose com outros cenários. Esse é o conceito da adicionalidade. (WUNDER, 2005). Para determinar a adicionalidade de um esquema de PSA, ou seja, o quanto ele gera de oferta adicional do serviço, é necessário criar as linhas de base. (WUNDER, 2005; 2007). Os gráficos a seguir ilustram três diferentes padrões de linha de base. Gráfico 1 Linhas de base Fonte: adaptado de Wunder (2007). Em todos os gráficos, o eixo horizontal mede o tempo, ao passo que o eixo vertical corresponde à quantidade disponível de um determinado serviço ambiental. No gráfico 1A, a linha contínua é a linha de base, que representa a provisão do serviço na ausência dos pagamentos. Neste caso, supõese um ecossistema que está em fase de recuperação, o que justifica a linha ascendente. O PSA, para ter adicionalidade, teria que superar a melhoria ambiental já em curso, o que é representado pela linha pontilhada. No gráfico 1B, o cenário é de deterioração ambiental: com o passar do tempo, a oferta de serviços ambientais se reduz. A introdução dos pagamentos reduz a velocidade com que essa deterioração acontece, configurando, então, uma adicionalidade. Por fim, no gráfico 1C, supõese que a oferta do serviço ambiental se manteria constante. Assim, um esquema de PSA teria adicionalidade na medida em que eleva a provisão do serviço. A importância de se determinar as linhas de base é evitar que ocorra um desperdício de recursos. Numa linha de base como a do gráfico 1C, por exemplo, se o PSA não gerasse adicionalidade, o melhor seria utilizar os recursos do programa em outras ações, interrompendo as transferências aos proprietários de terras. Numa linha de base como a do gráfico 1A, o cenário é de melhora ambiental mesmo sem um esquema de PSA. Dessa forma, o dinheiro pode ser mais efetivo se for gasto em outra região que não esta. Daniels et al. (2010), em uma revisão de diversos trabalhos que estimavam os impactos dos PSA na Costa Rica, chegaram à conclusão de que, em muitas regiões, os pagamentos não geram adicionalidade, pois as projeções indicaram que não ocorreria nenhuma degradação ambiental na ausência do PSA. Segundo esses autores, há duas explicações para esse resultado: a primeira é que a existência de uma política pública de incentivo à proteção das florestas antes do surgimento dos esquemas de PSA teria conscientizado os proprietários da importância de se preservar a vegetação nativa. Uma segunda explicação é que existem muitos sítios de recreação, cujos donos não produzem nada e, por isso, não desmatam. Portanto, um esquema de PSA pode ser considerado efetivo se gerar adicionalidade. Para que isso aconteça, deve-se determinar as linhas de base de cada local e verificar se os pagamentos mudarão o cenário.

6 Outra questão importante relacionada à entrega dos serviços ambientais negociados em um PSA é o monitoramento. Em diversos esquemas, é comum a participação de proprietários de terras que vivem em áreas remotas. Isso cria a necessidade de se monitorar periodicamente os usos de solo que eles praticam, para se ter certeza de que o ofertante está, de fato, entregando o serviço (WUNDER, 2005). A questão das formas de entrega dos serviços ambientais está relacionada ao lado da oferta de um PSA. O lado da demanda também possui suas peculiaridades, a começar pelas formas de pagamento pelos serviços. O mais comum são transações feitas em dinheiro. Entretanto, diversos esquemas realizam pagamentos em espécie (BRACER et al., 2007). Um caso seminal é o de Los Negros, na Bolívia. Neste esquema, são vendidos dois tipos de serviços ambientais a dois compradores diferentes pelos mesmos proprietários de terras. Um serviço é o de proteção do território de aves migratórias, comprado pelo U.S. Fish and Wildlife Service, uma agência federal dos Estados Unidos, interessada em garantir o hábitat de 11 espécies migratórias. A contribuição deste agente ao projeto foi no sentido de financiar os gastos iniciais do esquema. A ONG Fundación Natura Bolívia, de posse desses recursos, organizou as negociações entre irrigadores a jusante e proprietários de terras a montante, além de manter o PSA em funcionamento após a fase inicial. Os pagamentos feitos pelos irrigadores são transferidos à ONG, que os repassa aos prestadores dos serviços ambientais. Estes recebem as compensações na forma de cercas de arame farpado, colmeias e treinamento para manuseá-las (ASQUITH; VARGAS; WUNDER, 2008). Uma questão relacionada ao lado da demanda é Seleção Espacial, que consiste na definição, seguindo determinados critérios, de quais propriedades receberão os pagamentos e quais ficarão de fora do programa. Esses critérios, em geral, consideram os serviços ambientais prestados pelo agente, os custos envolvidos e um componente de risco de deflorestamento em dado local (BABCOCK et al., 1997). A intenção de usar a Seleção Espacial é aumentar a adicionalidade gerada por unidade monetária despendida. Isso pode ser feito tanto pela escolha das propriedades mais degradadas e que, portanto, têm um maior potencial de adicionalidade, quanto por aquelas cujo custo de oportunidade seja mais baixo, resultando em gastos menores no esquema como um todo (WÜNSCHER; ENGEL; WUNDER, 2008). Esses autores criaram uma metodologia de seleção espacial que combina a provisão de serviços, o risco de desmatamento e os custos de oportunidade de cada participante em potencial, aplicando-a a um programa já existente na península de Nicoya, na Costa Rica. Pelos resultados obtidos, eles chegaram a uma relação custo-benefício mais alta do que a que ocorre no esquema de PSA, devido, principalmente, ao foco nas áreas com menor custo de oportunidade e, em segundo lugar, com maior potencial de gerar adicionalidade. Uma terceira questão envolvida nas formas de pagamento são os pagamentos por desempenho, que são um tipo de PSA cuja remuneração está atrelada não apenas ao custo de oportunidade do provedor do serviço, mas também à quantidade de serviços entregue por ele (ZABEL; ROE, 2009). Estas autoras fizeram um levantamento bibliográfico de vários pagamentos vinculados ao desempenho. Dos 23 casos analisados, 17 estão relacionados à proteção de uma única espécie animal ou de um pequeno grupo de espécies, 3 estão relacionados à redução de sedimentos em rios e 3 remuneram os produtores rurais para que adotem práticas agroecológicas em áreas de alta biodiversidade. Esta modalidade de PSA é menos utilizada em programas relacionados à água devido à dificuldade de se mensurar a variação na quantidade ou qualidade dos recursos hídricos decorrente da proteção de uma determinada área. O mesmo não ocorre com pagamentos relacionados ao carbono, pois é possível estimar a quantidade absorvida deste elemento pelo crescimento da vegetação; tampouco com os programas relacionados à biodiversidade, uma vez que

7 é possível calcular a população de uma determinada espécie que seja alvo do esquema (ZABEL; ENGEL, 2010). O Quadro 1, a seguir, resume as características discutidas ao longo desta seção. Quadro 1 Elementos de um PSA Elemento Autores de referência Descrição Transação voluntária Wunder (2005) Caráter não-impositivo Serviço ambiental específico Wunder (2005) Podem ser: regulação do ciclo hídrico, qualidade da água, regulação dos níveis dos lençóis freáticos e manutenção dos habitats aquáticos. Base mercadológica Wunder (2005) Presença de compradores e vendedores Conforme o grau de Presença de intermediários envolvimento, podem ser Vatn (2010); Landell-Mills e classificados como:acordos Porras (2002); Powell, White e Privados Auto-organizados, Landell-Mills (2002) Esquemas de Negociação Aberta ou Pagamentos Públicos Estudos da relação floresta-água Pagiola (2005) Conforme o autor, devem ser feitos considerando as Fatores institucionais Formas de entrega dos serviços Escobar, Hollaender e Weffer (2013) Wunder (2005); Engel, Pagiola e Wunder (2008) especificidades de cada local Experiências organizacionais prévias, contratos de fácil entendimento e confiança Manutenção de uma floresta de pé, sistema agroflorestal, cercamento e abandono, reflorestamento com espécies nativas ou exóticas Adicionalidade e linha de base Wunder (2005; 2007) Determinam a efetividade de PSA Monitoramento Wunder (2005) Garante a entrega dos serviços Formas de pagamento Bracer et al. (2007) Em dinheiro ou espécie Seleção Espacial Babcock et al. (1997) Pagamentos por desempenho Zabel e Roe (2009) 3 O projeto VerdeSinos Fonte: elaborado pelos autores. Consideram os serviços ambientais prestados pelo agente, os custos envolvidos e um componente de risco de deflorestamento Pagamento relacionado à quantidade de serviços entregues As bases do VerdeSinos foram lançadas em 2006, com a apresentação dos resultados do Monalisa, nome pelo qual ficou conhecido o Projeto de Identificação dos Pontos de Impacto da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos. Este projeto, coordenado pelo Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos (Comitesinos), mapeou 1,2 mil quilômetros de córregos, rios e arroios da bacia, identificando pontos de impacto como escoamento de esgoto não tratado e ausência de mata ciliar (BECKER JÚNIOR, 2006). Os resultados foram preocupantes. A mata ciliar

8 está em desacordo com a legislação ambiental em 88% da área mapeada. Em 53,8% da área sequer existe vegetação nativa às margens dos corpos d água (HUPFFER, 2013). A partir do Monalisa, o Comitesinos iniciou diálogos para recuperar a mata ciliar da bacia. As primeiras tratativas foram feitas com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), com o Instituto Rio-grandense do Arroz (IRGA), com sindicatos rurais e prefeituras, com o objetivo de criar uma estratégia para recomposição dos pontos em que não havia vegetação nativa (BECKER JÚNIOR, 2013). Em paralelo a essas ações, o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) criou a Rede Ambiental do Rio dos Sinos, órgão que congrega, além do próprio MPRS, diversas promotorias da região. Seu objetivo era fazer com que o Código Florestal fosse cumprido e que as Áreas de Proteção Permanente (APPs) fossem recuperadas (BECKER JÚNIOR,2013). Em 2008, foi assinado um convênio entre o Comitesinos e a Rede Ambiental do Rio dos Sinos, parceria que visava unir os esforços das duas instituições. A partir do convênio, foi criado o Projeto Piloto de Recomposição da Mata Ciliar, que é considerado o embrião do VerdeSinos (BECKER JÚNIOR, 2013). A primeira etapa do projeto foi conduzida pelo Comitesinos, com apoio das entidades parceiras (Emater, IRGA, sindicatos rurais e prefeituras). Nesta, identificaram-se as propriedades rurais que estavam em desacordo com a legislação ambiental e apresentou-se o projeto de recuperação a cada uma delas. Os proprietários que concordaram em participar assinaram Termos de Adesão Voluntária e se comprometeram a reflorestar pelo menos 15 metros junto às margens dos rios. O Comitesinos, em seguida, acionava empresas parceiras que doavam mudas de árvores, mourões de cerca, arames e grampos. Na sequência, coordenava os mutirões de plantio. O Ministério Público atua no sentido de dar endosso legal à adequação gradual dos proprietários à legislação ambiental (BECKER JÚNIOR, 2013). A figura 1 resume a atuação do Comitesinos na organização das atividades de recomposição da mata ciliar. Figura 1 Funcionamento das atividades de recomposição da mata ciliar Fonte: elaborado pelos autores. Em 2009, o Projeto Piloto conseguiu patrocínio da Petrobrás, através do Programa Petrobrás Ambiental. Nascia, assim, o VerdeSinos. Com o aporte de mais de 1,3 milhões de reais, o projeto assumiu novas frentes: pesquisa científica, com o intuito de verificar as relações entre a mata ciliar

9 e a qualidade da água; educação ambiental, atuando junto às escolas da rede pública; e a continuidade do processo de restauração da mata ciliar (BECKER JÚNIOR, 2013). A adesão ao Programa Petrobrás Ambiental durou até A meta do projeto, que era de recuperação de 330 hectares, foi cumprida: recuperaram-se 331,7 ha, com o plantio de 5,2 mil mudas e 114,6 mil metros de arame cercando as áreas recuperadas (BECKER JÚNIOR, 2013). Desde 2013, o VerdeSinos está em sua fase permanente. A gestão continua a cargo do Comitesinos, enquanto os recursos para seu funcionamento provêm das doações de empresas parceiras do projeto. A figura 2 resume o histórico do projeto. Figura 2 Histórico do projeto VerdeSinos 4 Análise Fonte: elaborado pelos autores. A presente seção tem como objetivo analisar as respostas das questões do roteiro de pesquisa, obtidas através de publicações do Comitesinos e, também, por meio de uma entrevista presencial com Viviane Nabinger, secretária executiva do Comitesinos. O projeto VerdeSinos tem como objetivo tanto o aumento da quantidade de água na bacia quanto a melhoria de sua qualidade. Isso é obtido através de um uso de solo que gera o serviço. Pode-se identificar agentes que cumprem os papeis de compradores e vendedores no projeto VerdeSinos, embora eles não se identifiquem como tal. Atuando como compradores, existem diversas empresas que fazem doações de mudas, mourões, arames e outros materiais às ações de reflorestamento. Há

10 ainda empresas que precisam realizar compensações ambientais na forma de plantio de árvores. Através do projeto, elas encontram uma forma de destinar seus esforços de compensação. Por fim, pode-se considerar o Ministério Público como um comprador por ter demonstrado interesse em promover melhorias ambientais na bacia de uma forma viável aos proprietários de terras. Do lado dos vendedores, estão os proprietários de terras. Estes se comprometem em reflorestar pelo menos 15 metros em cada margem do corpo d água, vendendo, assim, os serviços ambientais providos pela área recuperada. Tal ação não é uma venda propriamente dita, pois não é efetivada com a intenção de se receber uma compensação financeira mas, sim, de se adequar à legislação ambiental de forma viável. O monitoramento das ações dos proprietários de terras é feito pelas entidades parceiras (IRGA, EMATER, etc.) Conforme a tipologia utilizada por Bracer et al. (2007) e por Powell, White e Landell-Mills (2002), o VerdeSinos pode ser classificado tanto como um esquema de negociação aberta, pois os agentes privados realizam suas transações sob a supervisão de uma terceira parte, quanto como um esquema de pagamentos públicos, dada a presença do Ministério Público no projeto. Cabe ressaltar que a base mercadológica das negociações é fundamental para que um projeto ambiental qualquer possa ser considerado um PSA. Uma vez que os materiais utilizados na restauração da mata ciliar são doados pelos compradores, e não entregues enquanto uma compra, põe-se em cheque a base mercadológica. Toda a organização do processo é feita pelo Comitesinos. Entre suas atribuições, estão a mobilização dos parceiros de campo (Emater, IRGA, sindicatos rurais e prefeituras), que, por sua vez, auxiliam nas negociações com os proprietários; recebimento e repasse das doações das empresas; organização dos mutirões de plantio das mudas e instalação das cercas. Estudos prévios ao VerdeSinos criaram embasamentos que podem ser considerados como uma Linha de Base. O projeto Monalisa, por exemplo, identificou diversos pontos de impacto ambiental ao longo da bacia, além de fazer um diagnóstico do estado das águas. Seguindo os critérios de Wunder (2005; 2007) para linhas de base, o cenário da bacia do Rio dos Sinos era de uma linha de base declinante. A adicionalidade, entretanto, é de difícil mensuração. Uma das causas dessa dificuldade é o fato de os plantios terem sido feitos há pouco tempo, não dando tempo para que os resultados ambientais fossem plenamente alcançados. Além disso, a extensão territorial da bacia supera em muito a abrangência do projeto, de modo que qualquer alteração substancial das águas dificilmente seria gerada pelas ações do VerdeSinos. Ainda no campo dos estudos, o VerdeSinos, como dito anteriormente, engloba também projetos de pesquisa. Entre eles, Crossetti, Peresin e Malabarba (2013) estudaram os impactos da mata ciliar na quantidade de nutrientes presentes na água. As autoras concluíram que áreas com mata ciliar degradada ou ausente possuem nutrientes além do recomendável ao consumo humano. Esse estudo vai ao encontro da recomendação de Pagiola (2005), citada na seção 2, de que os estudos da relação floresta-água devem ser feitas localmente, evitando a generalização de trabalhos feitos em outras regiões. Em termos institucionais, alguns dos aspectos positivos ressaltados por Escobar, Hollaender e Weffer (2013) são encontrados no VerdeSinos. O primeiro deles é a confiança no contrato (Termo de Adesão, nesse caso), que foi reforçada pela presença de parceiros como a Emater e o IRGA. Além disso, ele é simples: Para participar do projeto, os proprietários devem preencher uma ficha de identificação simples, com 3 páginas, e o Termo de Adesão, de apenas uma página. As

11 experiências organizacionais prévias também se mostraram importantes, dada a atuação dos sindicatos rurais, que são instituições existentes muito antes do projeto ser iniciado. A presença de tais fatores institucionais, relacionados a um melhor desempenho ambiental de um PSA, indicam que o VerdeSinos possui características que potencializarão seus resultados. O Quadro 2, a seguir, resume a discussão, trazendo informações sobre a presença ou não dos elementos apresentados no Quadro 1 Quadro 2 Elementos presentes no VerdeSinos Elemento Presença Descrição Transação voluntária Tanto vendedores quanto compradores participam voluntariamente do projeto Serviço ambiental específico Aumento da quantidade de água na bacia e melhoria de sua qualidade Base mercadológica Embora existam figuras que possam ser consideradas como compradores e vendedores, as transações não são feitas seguindo uma lógica de mercado Presença de intermediários Além do Comitesinos, atuam como intermediadores: IRGA, EMATER, sindicatos rurais e prefeituras Estudos da relação floresta-água Elaborados a partir do financiamento do programa Petrobrás Ambiental Fatores institucionais Termo de Adesão simples, de confiança endossada pelos intermediários. Presença de experiências organizacionais prévias, como os sindicatos rurais Formas de entrega dos serviços Reflorestamento com árvores nativas Adicionalidade e linha de base Linha de base elaborada no âmbito do Projeto Monalisa. Adicionalidade não verificada em nível de bacia. Monitoramento Realizado pelas entidades parceiras (IRGA, EMATER, sindicatos rurais e prefeituras) Formas de pagamento Em espécie, na forma de mourões, arames e mudas de árvores Seleção Espacial Não é feita Pagamentos por desempenho Não é feito Fonte: elaborado pelos autores, com base em documentos do Projeto e entrevista presencial. 5 Conclusões Conforme apresentado na primeira seção, os PSA são programas que internalizam as externalidades positivas geradas pelo meio ambiente. Esse processo não ocorre naturalmente através das forças de mercado devido ao caráter de bem público dos serviços ambientais. Na seção 2, foram apresentados

12 os aspectos constituintes de um esquema de PSA, como a negociação de um serviço ambiental entre compradores e vendedores, as formas de entrega dos serviços e as formas de pagamento. A terceira seção levantou o histórico do projeto VerdeSinos, enquanto a quarta fez uma análise do mesmo à luz das teorias revisadas. Conclui-se que o VerdeSinos, apesar de apresentar diversas características de um PSA, não pode ser considerado como tal, ao menos não como um plenamente estabelecido. Isso porque falta ao projeto o ponto central dos PSA, que é a base mercadológica. Sem esta, não faz sentido falar de internalização de externalidades. Entretanto, não ser considerado como um PSA não torna o VerdeSinos menos efetivo na consecução de seus objetivos, fazendo com que ele não seja, apenas, um mecanismo de internalização de externalidades positivas. Se este for um dos objetivos elencados pelos coordenadores do projeto, então sim, a falta da base mercadológica se fará sentir. Algumas potencialidades do VerdeSinos podem ser elencadas a partir da análise dos dados. A primeira delas é a grande rede de contatos construída ao longo do projeto, englobando desde órgãos governamentais (Emater e IRGA) a associações rurais, bem como empresas. Uma segunda potencialidade é o caráter voluntário da participação de todos os agentes. Por fim, a grande quantidade de estudos científicos realizados no âmbito do VerdeSinos dão respaldo científico e acadêmico às intervenções do projeto. Todavia, restam alguns desafios. Um deles é o fato de que os proprietários que cumpriam a legislação ambiental antes do projeto não receberam benefício algum do VerdeSinos, embora eles também prestem os serviços ambientais de proteção à água. Para garantir uma melhoria substancial na qualidade dos recursos hídricos da bacia, deve-se dar incentivos, também, a esses proprietários. Outro desafio, provavelmente o maior deles, é o de potencializar o ambiente de negócios, trazendo mais participantes, tanto do lado da demanda quanto do lado da oferta, para impulsionar a geração de serviços ambientais na bacia. Uma limitação deste trabalho é o fato de o estudo de caso ter sido feito apenas com a coordenação do VerdeSinos. Ao longo dos estudos e análises, percebeu-se que a realização de entrevistas com o MPRS, empresas doadoras e proprietários de terras teria engrandecido as conclusões e dado mais robustez à análise. Quanto à continuidade dos estudos do tema, três sugestões são feitas. A primeira é uma análise específica dos incentivos que os proprietários de terras recebem para participar de um PSA. Tal entendimento é fundamental para a construção de novos esquemas de PSA. Uma segunda sugestão é o estudo dos custos de transação envolvidos nas negociações entre compradores e vendedores, estimando o valor da atuação de intermediários, como o Comitesinos. Por fim, um estudo dos benefícios marginais gerados pelo VerdeSinos, face aos seus custos marginais, traria novas conclusões quanto à efetividade do projeto na melhoria dos serviços ambientais na bacia do Rio dos Sinos. 6 Referências Bibliográficas ASQUITH, N.; VARGAS, M. T.; WUNDER, S. Selling two environmental services: In-kind payments for bird habitat and watershed protection in Los Negros, Bolívia. Ecological Economics, [S.l.], v. 65, p , May Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/s >. Acesso em: 24 mar BABCOCK, B.A.; LAKSHMINARAYAN, P.G.; WU, J.; ZILBERMAN, D. Targeting tools for the purchase of environmental amenities. Land Economics, [S. l], v. 73, n. 3, p , Disponível em: <

13 7&uid=39133&uid=62&sid= >. Acesso em: 24 mar BECKER JÚNIOR, C. Revista VerdeSinos: Restauração da mata ciliar da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos. São Leopoldo, C5 News Press, BECKER JÚNIOR, C. Monalisa: Projeto de identificação dos pontos de impacto da bacia hidrográfica do Rio dos Sinos. São Leopoldo, C5 News Press, BISHOP, J.; LANDELL-MILLS, N. Serviços ambientais das florestas: informações gerais. In.: Pagiola, S.; Landell-Mills, N.; Bishop, J. Mercados para serviços ecossistêmicos. Rio de Janeiro: REBRAF, BRACER, C.; WAAGE, S.; INBAR, M. Getting Started: An Introductory Primer to Assessing & Developing Payments for Ecosystem Service Deals. Washington, DC: KatoombaGroup, Disponível em: < Acesso em 24 mar COASE, R. H. The Problem of Social Cost. The Journal of Law and Economics 3, CROSSETTI, L. O.; PERESIN, D.; MALABARDA, J. Efeitos da degradação da mata ciliar sobre a biodiversidade do fitoplâncton na bacia do Rio dos Sinos. In.: Schulz, U. H. (org.). Projeto VerdeSinos: resultados das pesquisas científicas. São Leopoldo: C5 News-Press, DANIELS, A; BAGSTAD, K; ESPOSITO, V; MOULAERT, A; RODRIGUEZ, C.M; Understanding the impacts of Costa Rica s PES: Are we asking the right questions? Ecological Economics, v. 69, p , ENGEL, S.; PAGIOLA, S.; WUNDER, S. Designing payments for environmental services in theory and practice: An overview of the issues. Ecological Economics, v. 65, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar ESCOBAR, M. M.; HOLLAENDER, R.; WEFFER, C. P. Institutional durability of payments for watershed ecosystem services: Lessons from two case studies from Colombia and Germany. Ecosystem Services, Disponível em: < Acesso em 24 mar FISHER, B; TURNER, R. K.; MORLING, P. Defining and classifying ecosystem services for decision making. Ecological Economics, 68, p , jan Disponível em: < Acesso em 24 mar HUPFFER, H. M. A restauração da mata ciliar como mecanismo privilegiado para a preservação da qualidade da água: estudo de caso na bacia hidrográfica do Rio dos Sinos. In: HUPFFER, H. M.; FIGUEIREDO, J. A. S.; TUNDISI, J. G. Pagamentos por serviços ambientais: instrumentos econômicos para a proteção dos recursos hídricos e restauração da mata ciliar. Porto Alegre: Entre Meios, LANDELL-MILLS, N.; PORRAS, I.T. Silver bullet or fools' gold? A global review of markets for forest environmental services and their impacts on the poor. London: International Institute for Environment and Development - IIED, p. Disponível em: < Acesso em 24 mar MARTIN-ORTEGA, J.; OJEA, E.; ROU, C. Payments for Water Ecosystem Services in Latin America: A literature review and conceptual model. Ecosystem Services, v.6, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar MANKIW, M. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning, 2005.

14 MURADIAN, R., COBERA, E., PASCUAL, U., KOSOY, N., MAY, P. Reconciling theory and practice. An alternative conceptual framework for understanding payments for environmental services. Ecological Economics, v. 69, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar PAGIOLA, S. Pagamentos pelos serviços de recursos hídricos na América Central: lições da Costa Rica. In.: Pagiola, S.; Landell-Mills, N.; Bishop, J. Mercados para serviços ecossistêmicos. Rio de Janeiro: REBRAF, PAGIOLA, S.; LANDELL-MILLS, N.; BISHOP, J. Mecanismos baseados no mercado para a conservação florestal e o desenvolvimento. In.:Pagiola, S.; Landell-Mills, N.; Bishop, J. Mercados para serviços ecossistêmicos. Rio de Janeiro: REBRAF, 2005a. PIGOU, A. C. The Economics of Welfare. Londres: Macmillan and Co.,1932. PINDYCK, R.S.; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. 7ª edição. São Paulo: Pearson POWELL, I.; WHITE, A; LANDELL-MILLS, N. Developing Markets for the Ecosystems Services of Forests. Washington, D.C.: Forest Trends, Disponível em: < Acesso em 24 mar STIGLITZ, J. E. Principles of microeconomics. 2nd edition. New York: Norton VARIAN, H. R. Microeconomia, princípios básicos: uma abordagem moderna. Rio de Janeiro: Elsevier VATN, A. An institutional analysis of payments for environmental services. Ecological Economics, v. 69, pg , Disponível em: < Acesso em 24 mar WUNDER, S. Payments for Environmental Services: Some Nuts and Bolts. Jakarta: Center for International Forestry Research, CIFOR Occasional Paper, v Disponível em: < Acesso em 24 mar WUNDER, S. The efficiency of payments for environmental services in tropical conservation. Conservation Biology, v. 21, n. 1, p , WÜNSCHER, T.; ENGEL, S.; WUNDER, S. Spatial targeting of payments for environmental services: A tool for boosting conservation benefits. Ecological Economics, v. 65, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar ZABEL, A.; ENGEL, S. Performance payments: A new strategy to conserve large carnivores in the tropics? Ecological Economics, v. 70, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar ZABEL, A.; ROE, B. Optimal design of pro-conservation incentives. Ecological Economics, v. 69, p , Disponível em: < Acesso em 24 mar

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA): VISÃO GLOBAL DO MERCADO E EXPERIÊNCIAS PRÁTICAS PARA PROTEÇÃO DA ÁGUA E BIODIVERSIDADE MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 1, ANTONIO CLAUDIO DAVIDE 2, MARCIO TORRES GOTIERRE

Leia mais

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) E VALORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS III Simpósio em Produção Animal e Recursos Hídicos SPARH São Carlos 20 a 21/03/2014 Albano Araújo Coordenador de Conservação de

Leia mais

Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2

Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2 O Pagamento por Serviços Ambientais como instrumento de gestão ambiental: a experiência de Rio Claro/RJ 1 Roberta Fernanda da Paz de Souza Paiva UFF - robertapaz2003@yahoo.com.br- 2 Bianca Marques Escobar

Leia mais

MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA

MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA MODELO DE ESTRUTURA PARA A CARTILHA COMO ELABORAR PROJETOS PSA 1. INTRODUÇÃO Este documento está dirigido principalmente aos tomadores de decisões em nível de governo regional e municipal, departamentos

Leia mais

O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COMO FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COMO FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS O PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COMO FERRAMENTA PARA A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS Ana Paula Silva Camelo 1 ; Keila Lima Sanches 2 RESUMO O presente estudo teve como objetivo compilar informações a

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais Pagamentos por Serviços Ambientais Encontro Água e Floresta: Vivenciar para Agir Jaboticabal/SP Julho de 2008 Serviços Ecossistêmicos: Benefícios providos pelos ecossistemas Provisão comida água madeira

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral

Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Serviços Ambientais e PSA, uma Visão Geral Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Seminário sobre Pagamento por Serviços Ambientais 21 de Agosto, 2009 Rio Branco, Acre FOREST TRENDS

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS JOSÉ RENATO CASAGRANDE Governador do Estado do ES ALADIM FERNANDO CERQUEIRA Diretor Presidente do IEMA O QUE SÃO SERVIÇOS AMBIENTAIS? QUAL A RELAÇÃO ENTRE COBERTURA FLORESTAS,

Leia mais

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS

Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Fundação O Boticário de Proteção à Natureza PROJETO OÁSIS Instituição privada e sem fins lucrativos. Criada em 1990. É uma das organizações que mais financia projetos de conservação da natureza no Brasil.

Leia mais

Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica

Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica Instrumentos e Econômicos para Incentivo à Restauração Ecológica Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro Aurélio Padovezi Coordenador de Restauração Florestal Photos by

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil

Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil Pagamentos por Serviços Ambientais Teoria e Experiências no Brasil Stefano Pagiola Environment Department World Bank 1818 H Str NW Washington DC 20433 USA spagiola@worldbank.org The opinions expressed

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS (PSA) Renato Rosenberg 06-09-2012 CONCEITO PSA: transação voluntária, na qual um serviço ambiental bem definido é comprado por um comprador de um provedor, sob a condição

Leia mais

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO

PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETOS AMBIENTAIS VISANDO A PROTEÇÃO DO RIO CORUMBATAÍ NA REGIÃO DE PIRACICABA-SP ATRAVÉS DA CONTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE ÁGUA E ESGOTO Nomes dos autores: Fernando César Vitti Tabai (Apresentador

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014

SERVIÇOS AMBIENTAIS. Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 SERVIÇOS AMBIENTAIS 1 Fórum Permanente Sociedade e Desenvolvimento LEICI/FCA/Unicamp Erika Bechara 07.Outubro.2014 O USO DE INSTRUMENTOS ECONÔMICOS EM PROL DO MEIO AMBIENTE Instrumentos da política ambiental:

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais: uma proposta em discussão. Shigeo Shiki Mata Atlântica e Serviços

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Pagamento por Serviços Ambientais no Estado de São Paulo SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Política Estadual de Mudanças Climáticas (Lei 13.798, de 9 de novembro de 2009) SEÇÃO

Leia mais

Projeto Mina d Água. Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes. Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012

Projeto Mina d Água. Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes. Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012 Projeto Mina d Água Pagamento por Serviços Ambientais Proteção de Nascentes Ana Carolina Dalla Vecchia Especialista Ambiental SMA CBRN Maio de 2012 Serviços Ecossistêmicos Benefícios que as pessoas recebem

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações

Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações Peter H. May CPDA / UFRRJ e REBRAF Lançamento do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo Tipos de serviços gerados

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 25-06-2010 SEÇÃO I PÁG 75 RESOLUÇÃO SMA-061, DE 24 DE JUNHO DE 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D água - Projeto de Pagamento por Serviços

Leia mais

Tutorial para a utilização do Visualizador de Mapas Matriz Brasil

Tutorial para a utilização do Visualizador de Mapas Matriz Brasil http://brazil.forest-trends.org/ Tutorial para a utilização do Visualizador de Mapas Matriz Brasil Versão 13.01.14 Projeto Matriz de Incentivos aos Serviços Ecossistêmicos Iniciativas Brasileiras que Promovem

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010. Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica

I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010. Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica I Curso sobre Pagamentos por Serviços Ambientais Porto Seguro, 1 de junho de 2010 Chris Holvorcem Instituto BioAtlântica Localização Corredor Central da Mata Atlântica Sítio do Patrimônio Mundial Natural

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais

Resumo do Relatório. Objetivos e Escopo do Relatório. Estatísticas Gerais SITUAÇÃO DOS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS HÍDRICOS: UM MERCADO EMERGENTE - SUMÁRIO EXECUTIVO Por Tracy Stanton, Marta Echavarria, Katherine Hamilton e Caroline Ott 2010 Resumo do Relatório Um esforço de pesquisa

Leia mais

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013.

2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. 2ª Reunião Ordinária do Plenário 04 de abril de 2013. Missão: Garantir que a SUSTENTABILIDADE seja construída com Democracia Participativa, Valorização da Diversidade Cultural e Preservação da Biodiversidade.

Leia mais

INTEGRIDADE ECOLÓGICA. Natalia Barbosa Ribeiro¹, Rosa Maria Formiga Johnsson 2. 1

INTEGRIDADE ECOLÓGICA. Natalia Barbosa Ribeiro¹, Rosa Maria Formiga Johnsson 2. 1 INTEGRIDADE ECOLÓGICA Natalia Barbosa Ribeiro¹, Rosa Maria Formiga Johnsson 2. 1 Resumo O conceito de integridade ecológica estrapolou os estudos e pesquisas disciplinares em ecologia para ser incorporado

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 12-06-2012 SEÇÃO I PÁG 142-144 RESOLUÇÃO SMA Nº 37, DE 05 DE JUNHO DE 2012 Define as diretrizes para a execução do Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Comissão do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) Renato Rosenberg Programa Nacional do Meio Ambiente Questão Central Os ecossistemas produzem bens

Leia mais

II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua

II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua II Reunión de la Alianza Latinoamericana de Fondos de Agua Mejores practicas em los Fondos de Agua: Esquemas de pagos por servicios ambientales em fondos de agua caso Brasil Panamá, 19 de junio/2013 Helena

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DE CERCAS NAS PROPRIEDADES CONTRATADAS NOS TERMOS DO PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA DO RIO CAMBORIÚ 1.

CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DE CERCAS NAS PROPRIEDADES CONTRATADAS NOS TERMOS DO PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA DO RIO CAMBORIÚ 1. TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO DE SERVIÇOS CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DE CERCAS NAS PROPRIEDADES CONTRATADAS NOS TERMOS DO PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA DO RIO CAMBORIÚ 1. CONTEXTUALIZAÇÃO A The Nature Conservancy

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REVITALIZAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Brasília-DF, 03 de março de 2010 Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano OBJETIVO Revitalizar

Leia mais

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB)

A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade (TEEB) Helena Boniatti Pavese Coordenadora Regional, América Latina e Caribe UNEP - World Conservation Monitoring Centre 10 de Novembro de 2010 Panorama

Leia mais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Economic valuation of environmental goods: a support for the formulation of public

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Semana do Meio Ambiente UFV campus Florestal PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Daniel Brianezi 20% dos casos de câncer de pulmão são causados pela poluição A China investirá US$ 277 bilhões até 2019

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Helena Carrascosa von Glehn Secretaria do Meio Ambiente Assessoria Técnica do Gabinete Seminário de Gestão Integrada dos Recursos Hídricos do Estado de São Paulo Subsídios

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Silvicultura de Nativas (além da Restauração...) Silvicultura de Nativas Restauração Ecológica

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROJETO DE COOPERAÇÃO FLORESTAL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROJETO DE COOPERAÇÃO FLORESTAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA PROJETO DE COOPERAÇÃO

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

MANEJO DE PAISAGENS E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS SOCIOAMBIENTAIS

MANEJO DE PAISAGENS E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS SOCIOAMBIENTAIS MANEJO DE PAISAGENS E CONSERVAÇÃO DE RECURSOS SOCIOAMBIENTAIS Eduardo H. Ditt, PhD eduditt@ipe.org.br Maio/2012 Fragmentando e desfragmentando paisagens Cobertura florestal em 1500 (Victor, M.A.M. 1975.

Leia mais

MAPA DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS

MAPA DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS MAPA DOS RECURSOS HÍDRICOS URBANOS Mapeando soluções de conservação para o desafio global da água Foto: Bridget Besaw Sumário Executivo Em parceria com 2 Plano de Água nas Cidades SUMÁRIO EXECUTIVO Mais

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente)

Semeando o Verde. Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Semeando o Verde Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Usina de Açúcar Santa Terezinha Ltda. Cidade: Maringá

Leia mais

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê.

Fundação SOS Mata Atlântica. Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Fundação SOS Mata Atlântica Relatório Programa Florestas do Futuro Parceria Química Amparo / Ypê. Itu SP / novembro de 2014 1. Introdução. O aumento da preocupação social com o destino dos fragmentos florestais

Leia mais

INTEGRANDO SISTEMAS AGRO-FLORESTAIS (SAF s) AO FOMENTO FLORESTAL E A SEGURANÇA ALIMENTAR

INTEGRANDO SISTEMAS AGRO-FLORESTAIS (SAF s) AO FOMENTO FLORESTAL E A SEGURANÇA ALIMENTAR INTEGRANDO SISTEMAS AGRO-FLORESTAIS (SAF s) AO FOMENTO FLORESTAL E A SEGURANÇA ALIMENTAR Nome Autor Dr Arlete Alves: Instituto de Economia-Universidade Federal de Uberlândia, MG (amalves@ufu.br). e Nome

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA GESTÃO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS DE REFERÊNCIA 1.1. NÚMERO: 02/ 2010 1.2. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA. Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais COMUNICAÇÃO TÉCNICA 170786 Redução de custos da recuperação de áreas degradadas por meio do pagamento por serviços ambientais Caroline Almeida Souza Maria Lucia Solera Trabalho apresentado no Workshop

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores

As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas, os mais importantes agentes polinizadores As abelhas são os insetos polinizadores mais importantes, pois a maioria das espécies de plantas é polinizada por esses animais. Tanto a fase jovem

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Políticas ambientais e a determinação da escala sustentável de utilização dos recursos naturais

Políticas ambientais e a determinação da escala sustentável de utilização dos recursos naturais POLÍTICAS AMBIENTAIS E A DETERMINAÇÃO DA ESCALA SUSTENTÁVEL DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS ROBERTA FERNANDA DA PAZ DE SOUZA; MARCELA FERNANDA DA PAZ DE SOUZA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais

Pagamentos por Serviços Ambientais Pagamentos por Serviços Ambientais l Adriana Moreira Departamento de Desenvolvimento Sustentável da América Latina e Caribe Banco Mundial Stefano Pagiola, World Bank, 2010 1 Degradação de bacia hidrográfica

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Resolução do CBH Macaé Ostras nº 49, de 19 de novembro de 2013. Aprova a regulamentação do Programa de Pagamento por Serviços Ambientais

Resolução do CBH Macaé Ostras nº 49, de 19 de novembro de 2013. Aprova a regulamentação do Programa de Pagamento por Serviços Ambientais Resolução do CBH Macaé Ostras nº 49, de 19 de novembro de 2013. Aprova a regulamentação do Programa de Pagamento por Serviços Ambientais O CBH Macaé Ostras Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Macaé

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL

EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL EXPERIÊNCIAS E TENDÊNCIAS EM PSA PARA A BACIA DO PARAÍBA DO SUL Helena Carrascosa von Glehn Gerente Técnica Ambiental do PDRS Assessoria Técnica do Gabinete www.ambiente.sp.gov.br hcarrascosa@sp.gov.br

Leia mais

PAGAMENTO PELOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PSA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PAGAMENTO PELOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PSA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PAGAMENTO PELOS SERVIÇOS AMBIENTAIS PSA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Devanir Garcia dos Santos Gerente de Devanir Uso Sustentável Garcia dos Santos de Água e Solo Superintendência

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais