CARACTERIZAÇÃO DO PSICÓLOGO EM UM CONTEXTO HOSPITALAR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DO PSICÓLOGO EM UM CONTEXTO HOSPITALAR."

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO DO PSICÓLOGO EM UM CONTEXTO HOSPITALAR. Graziella Gamper Nunes Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida Helena Bazanelli Prebianchi Atenção Psicológica Clínica em Instituições: Prevenção e Intervenção. Centro de Ciências da Vida Resumo: Embora existam relatos da presença de psicólogos no contexto hospitalar mesmo antes da regulamentação profissional no Brasil, somente nos últimos anos, com a mudança mais ampla da configuração do campo profissional, foi possível sua inserção de forma estável e significativa no ambiente hospitalar. Entretanto, ainda persiste uma série de dificuldades, como a própria inserção do psicólogo na unidade institucional e a deficiência do instrumental teórico para atuação nesta área específica. O objetivo deste estudo foi levantar dados para uma caracterização da formação acadêmica e da atividade profissional do psicólogo que atua num Hospital Universitário. Foi realizada uma pesquisa qualitativa a partir de entrevistas individuais, com oito psicólogos que atuavam no hospital, no período de Setembro de 2010 a Janeiro de 2011 e os dados foram tratados através da análise de conteúdo. Os resultados indicaram que, para os participantes, o ensino da graduação não os preparou suficientemente para a atuação no contexto hospitalar, tanto pela ausência de um modelo de atuação, quanto pelas dificuldades para inserção e reconhecimento na equipe multiprofissional.constatou-se também que, a atuação é principalmente desenvolvida junto aos pacientes e seus familiares, mediante solicitação da equipe, principalmente, pelos médicos e enfermeiras. Concluiu-se que a graduação não está preparando o psicólogo para os desafios da prática profissional no contexto hospitalar. Somado a isso, a instituição hospitalar, condicionada pelas questões administrativas financeiras decorrentes das políticas públicas de saúde, não tem oferecido as condições necessárias para a inserção do psicólogo na equipe e o seu reconhecimento. Palavras-chave: psicologia hospitalar, práticas psicológicas, identidade profissional. Área do Conhecimento: Ciências Humanas- Psicologia. 1. INTRODUÇÃO No Brasil, os psicólogos estão trabalhando em hospitais há mais de cinco décadas. Na década de 70, ocorreu um desenvolvimento na área acadêmica, englobando atividades de graduação e pósgraduação, publicações e encontros científicos. No final deste período, também, foi estabelecida a primeira residência em Psicologia no Brasil, no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, denominada "Residência em Psicologia Clínica" [3]. A década de 80 foi marcada por uma grande produção científica na área hospitalar, além de inúmeros trabalhos em Psicologia da Saúde, desenvolvidos por psicólogos. Em 1997, foi fundada a Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar e, em 2000, foi instituído, pelo Conselho Federal de Psicologia, o título de especialista, estando incluído o de Psicologia Hospitalar [12]. Segundo Chiattone [4], a Psicologia pôde se inserir no contexto do hospital geral em decorrência às novas tendências que assinalavam a necessidade de expandir o saber biopsicossocial na compreensão da patologia, visando modificar as concepções habituais, baseadas no modelo biomédico, que neste período histórico, passou a ser questionado. Entretanto, a falta de um paradigma claro de atuação fez com que os primeiros trabalhos da Psicologia Hospitalar consistissem na transposição do modelo de atuação presente na clínica, para os hospitais. Com isso, segundo Chiattone [4], muitas experiências foram malsucedidas, pois esses novos profissionais acabaram por se distanciar da realidade institucional. Segundo Ismael [6], apesar de haver, hoje, um maior número de profissionais na área hospitalar, ainda persiste uma série de dificuldades, como a própria inserção do psicólogo na unidade institucional e a deficiência do instrumental teórico para atuação nesta área específica.

2 Angerami-Camom [1] afirma que, desde a formação acadêmica do psicólogo faltam subsídios teóricos para uma prática no contexto hospitalar, sendo, essa formação muito restrita para sedimentar a prática na realidade institucional. Neste sentido, é mister destacar, segundo Ismael [6], que a Psicologia no ambiente hospitalar é uma área emergente, e, portanto, o psicólogo que se insere neste contexto deve estar disposto a enfrentar o desafio da definição de um modelo de atuação voltado para a saúde mental da coletividade. Ainda é evidente a impossibilidade de contextualizar a psicologia hospitalar dentro de um paradigma científico, uma vez que seus pressupostos não se encontram firmemente estabelecidos [4]. Nas palavras de Chiattone [4], faz-se psicologia de forma distinta nos diferentes hospitais e instituições de saúde no Brasil, dificultando a definição do papel profissional. Carvalho [3] afirma que, atualmente, a própria definição do campo encontra-se em debate, uma vez que, a nomenclatura utilizada - Psicologia Hospitalar - denomina um local de atuação e não um campo de saber. Segundo Yamamoto, Trindade e Oliveira [3], esta denominação é inadequada, pois resulta em classificações pouco elucidativas, como se existisse uma psicologia para cada espaço de atuação do psicólogo. Tal perspectiva, segundo estes mesmos autores, leva a uma dispersão e fragmentação da teoria e das práticas psicológicas e dificulta o estabelecimento da identidade profissional do psicólogo que atua em hospitais como profissional da saúde. O presente trabalho objetiva levantar dados para a caracterização da formação acadêmica e da atividade profissional do psicólogo que atua em um Hospital Universitário, proporcionando a investigação sobre os modelos de práticas psicológicas, no contexto hospitalar. 2. MÉTODO A pesquisa foi realizada num Hospital Universitário, que é uma das principais instituições hospitalares de atuação terciária de cidade do interior paulista e sua região metropolitana, conveniado ao Sistema único de Saúde (SUS), constituindo-se na principal referência da Secretária Municipal de Saúde da cidade. Participaram desta pesquisa oito psicólogas, sendo elas: duas assistenciais contratadas, três residentes do Programa de Residência em Psicologia Hospitalar e três aprimorandas do Programa de Aprimoramento Profissional em Psicologia da Saúde/Hospitalar, que atuam no Hospital Universitário e que aceitaram participar do estudo, assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Foi utilizada uma entrevista semi-estruturada, que, inicialmente, incluía itens relativos à: identificação dos participantes, local da graduação, o tempo de formação, pós-graduação, tempo de atuação na instituição hospitalar, número de horas semanais trabalhadas e outras atuações profissionais. A segunda parte da entrevista foi composta por questões formuladas, considerando-se os objetivos da pesquisa, as quais visavam explorar os seguintes aspectos: o primeiro contato do entrevistado com a área da Psicologia Hospitalar; a trajetória profissional até a atuação como psicólogo em uma instituição hospitalar; atividades desempenhadas, atualmente, como psicólogo hospitalar; origem da demanda destas atividades; percepção da relação do psicólogo com os outros profissionais do hospital; percepção da relação do psicólogo com outros psicólogos na instituição; os pontos fortes e fracos da atuação como psicólogo no hospital; relevância da abordagem teórica para a prática profissional no hospital e, por fim, quais as perspectivas da Psicologia Hospitalar na visão do entrevistado. Houve dois momentos de aplicação da entrevista: primeiramente, foi realizado um estudo piloto, utilizando-se um roteiro previamente elaborado, para entrevistar uma das psicólogas do Hospital Universitário e, diante dos resultados satisfatórios obtidos, prosseguiu-se com a realização das demais entrevistas. Todas as entrevistas foram previamente agendadas com as participantes e ocorreram nas dependências do próprio Hospital Universitário, num período de cinco meses, desde setembro de 2010 até janeiro Todas as entrevistas foram gravadas e, posteriormente, transcritas. Os dados coletados foram analisados através da análise de conteúdo temática, proposta por Bardin [2]. Para tanto, as entrevistas transcritas foram lidas sucessivas vezes pela pesquisadora. Num segundo momento, procedeu-se com a categorização temática das mesmas, o que resultou em quatro categorias finais: A habilitação, O fazer da Psicologia Hospitalar, Relação e reconhecimento na equipe e Perspectivas futuras. 3. RESULTADOS Os dados demonstram que, em relação à faixa etária, a maioria dos participantes (seis participantes) tem entre 26 e 31 anos, dois participantes têm entre 20 e 25 anos e um participante tem 32 anos.

3 Foi possível constatar, também, que seis participantes estavam realizando pós-graduação lato-sensu em Psicologia Hospitalar e duas já eram pós-graduadas nesta área. Observou-se que cinco participantes têm outra atuação além daquela exercida na instituição hospitalar e três atuam somente no hospital. Os dados demonstraram que duas participantes têm mais tempo de formadas e mais tempo de atuação na instituição. Uma tem dois anos de atuação e as outras participantes apenas um ano de atuação. Foi possível verificar também que, seis participantes terminaram a graduação e, imediatamente, se inseriram na instituição hospitalar. Em relação às categorias temáticas, foi possível identificar quatro: A habilitação, O fazer da Psicologia Hospitalar, Relação e o reconhecimento na equipe e Perspectivas futuras, que serão, a seguir, descritas: 1. A habilitação Esta categoria diz respeito à capacitação das participantes para o exercício da função de Psicóloga Hospitalar. Os resultados indicaram que a graduação foi a primeira forma de contato com a Psicologia Hospitalar, sendo esta não caracterizada como uma disciplina específica da graduação. Entretanto, a graduação não foi suficiente para capacitar as participantes para a atuação como psicólogas hospitalares, isto porque esta primeira formação ofereceu subsídios mais teóricos do que práticos. Tal aspecto fez com que todas as entrevistadas buscassem a prática em cursos de aprimoramento e residência, logo após a graduação. Outro dado referente à habilitação, diz respeito à abordagem teórica. Segundo as participantes, a abordagem teórica tem sua importância e é fundamental para o trabalho da psicologia hospitalar, uma vez que ela sustenta de forma científica um fazer, porém o contexto hospitalar tem características singulares e muito distintas daquelas apresentadas na clínica e em outros locais, e, portanto, exige técnicas e atuação próprias para atender, de forma eficaz, a demanda deste contexto. 2. O Fazer da Psicologia Hospitalar Esta categoria diz respeito aos aspectos relacionados à prática profissional das psicólogas entrevistadas no contexto hospitalar. Pôde-se constatar que a atuação é principalmente desenvolvida junto aos pacientes e seus familiares, mediante solicitação, ou não, da equipe. Todos os profissionais da saúde que trabalham na instituição hospitalar e têm contato com o paciente podem solicitar o serviço de interconsulta psicológica. Todavia, foi observado que, preponderantemente, os médicos e a equipe de enfermagem são os que mais solicitam. Eventualmente, o próprio paciente pede ao médico para que seja encaminhado ao Serviço de Psicologia. As participantes demonstraram, também, que muitas vezes recebem encaminhamentos que não condizem com o trabalho da Psicologia Hospitalar. 3. Relação e reconhecimento na equipe. As participantes expuseram, em seus discursos, algumas atitudes necessárias para que o psicólogo hospitalar tenha uma boa relação com os outros profissionais da equipe multidisciplinar e consiga, aos poucos, adquirir confiança e reconhecimento do seu trabalho. A primeira delas se refere ao fato do psicólogo ter claro o seu objetivo e papel na equipe, porque, apenas desta forma, será possível um trabalho integrado à equipe multidisciplinar. Estando dentro da equipe, o psicólogo deve, segundo as participantes, se comunicar de maneira efetiva, e para isto ele não deve utilizar explicações teóricas e técnicas pouco acessíveis às outras áreas do conhecimento. Ele precisa adequar sua linguagem ao contexto e se certificar de que foi compreendido. Neste sentido, é importante que o psicólogo hospitalar esteja interessado em manter-se próximo das outras especialidades, para poder utilizar estes conhecimentos, e aprimorar, assim, sua comunicação. Ele não deve restringir-se a Psicologia e considerar esta a compreensão soberana da patologia. A alta demanda e as próprias urgências do ambiente hospitalar propiciam a falta de tempo e de espaços formais para que o psicólogo se relacione com os outros profissionais da equipe multidisciplinar. Entretanto, estas relações devem acontecer e para serem efetivas, o psicólogo deve ser capaz de se adequar a estas características. Além disso, por ser a instituição um hospital-escola, existe uma alta rotatividade de profissionais, o que faz com que o psicólogo precise ter a disposição para estabelecer contatos diários com a equipe multiprofissional, realizando também, a função de mediador. É importante destacar que todas as entrevistadas ressaltaram que, num primeiro momento, quando se inseriram na instituição, tiveram que apresentar seus trabalhos e demonstrar para a equipe suas funções. A relação entre os psicólogos que trabalham também foi investigada e pôde-se constatar que ela é boa e diplomática, porém faltam momentos para encontros e discussões entre eles, devido ao número reduzido de

4 psicólogos, pouca carga horária de atuação e alta demanda hospitalar, assim como, à falta de um espaço físico específico para eles se reunirem. 4. Perspectivas Futuras. Esta categoria refere-se às ideias que as psicólogas entrevistadas têm a respeito das perspectivas futuras da Psicologia Hospitalar. Para as entrevistadas esta ainda é uma área que está em construção, se consolidando, tanto em termos teóricos quanto práticos. Nos últimos anos houve um grande aumento de cursos de especialização, comprovando assim, a procura por um aperfeiçoamento na área. Tendo em vista esse processo, as participantes acreditam que as pesquisas nesta área são de grande valia, uma vez que comprovam a imprescindibilidade da atuação do psicólogo na instituição hospitalar, tanto em relação ao seu público-alvo: pacientes e seus familiares, como também em termos econômicos. 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS Os resultados encontrados, em relação às características demográficas das participantes deste estudo, evidenciam que, a despeito do maior desenvolvimento a partir da década de 90, o psicólogo que trabalha em hospitais no Brasil, ainda é caracterizado por ser mulher, com idade inferior a 35 anos e recém-formado, conforme já constatado por Lamosa, em 1987 [7]. Provavelmente, uma das justificativas para este achado é o fato de que trabalhar em hospitais é, para o recém-formado, a oportunidade de um trabalho com remuneração fixa, além do que, como apontado por Vieira [12], um profissional já estabelecido não se submeteria aos baixos salários pagos pelas instituições. Tal asserção confirma-se quando verificamos que no hospital onde ocorreu o presente estudo, o número de profissionais contratadas e suas respectivas cargas de jornada de trabalho, são bastante reduzidas em relação às residentes e aprimorandas, cuja remuneração ocorre mediante programas de bolsa de estudo. Pode-se pensar também, que os baixos salários justificariam a necessidade de complementação de renda, o que é conseguido, por metade das participantes, exercendo a prática profissional em clínicas particulares. Contudo, acreditamos que a duplicidade de papéis profissionais, pode também ser atribuída ao fato, já constatado por Seidl e Costa Jr. [12], de que a Psicologia da Saúde vem sendo construída, prioritariamente, por profissionais com experiência em clínica e/ou egressos da Psicologia Clínica. Nesse sentido, no entanto, apesar do maior desenvolvimento na área da Psicologia da Saúde e das mudanças significativas das Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, nas últimas décadas, os resultados indicam que, se não quiser fazer como o psicólogo hospitalar das décadas de 50 e 60, que transportava o consultório para dentro dos hospitais [10], o profissional que atua nessa área, deve buscar subsídios teóricos e práticos em programas de pósgraduação. Nos depoimentos das participantes deste estudo, a necessidade de cursar programas de pósgraduação lato-sensu em Psicologia Hospitalar, ocorre porque, na estrutura da graduação, os subsídios práticos fornecidos, são insuficientes e/ou incompatíveis com o desempenho no contexto hospitalar. O contexto hospitalar apresenta à Psicologia características específicas e muito diferentes daquelas encontradas na clínica, exigindo dos profissionais uma nova postura, teórica e prática, voltada para atender a essa nova demanda [10, 6]. Assim é, que para os participantes deste estudo, o referencial teórico adotado na prática clínica, não é, necessariamente, aquele que caracteriza sua atuação como psicóloga hospitalar. No caso do hospital, onde ocorreu este estudo, as atividades do psicólogo hospitalar são desenvolvidas, principalmente, junto aos pacientes e seus familiares, como já definido por Romano [10] e More, Crepaldi, Gonçalvez e Menezes [8]. Tais atividades raramente originam-se de iniciativas independentes do Serviço de Psicologia, ou seja, a partir dos protocolos que definem quais pacientes devem ser atendidos, em função de critérios pré-estabelecidos. Na maioria das vezes, as atividades das participantes, referem-se às interconsultas solicitadas por outro profissional da equipe multidisciplinar, principalmente pelos médicos e enfermeiros. No entanto, conforme relatado pelas participantes, muitas vezes, são feitos encaminhamentos indevidos para o psicólogo hospitalar, uma vez que alguns profissionais que solicitam o serviço de interconsulta psicológica parecem não ter elucidado o objetivo desta ação, ou seja, não demonstram compreensão acerca do Serviço de Psicologia num contexto terciário. Carvalho [3] demonstrou, em seu estudo, que os médicos pesquisados possuíam uma falta real de conhecimento acerca da Psicologia, relacionando-a a uma função assistencialista, fortemente associada à psicologia clínica, utilizando, até mesmo, explicações

5 do senso comum para definir a área. A falta de clareza que os outros profissionais demonstram acerca da função do psicólogo, no hospital, pode estar relacionada à forma como se aplica e como se dá a própria atuação profissional do psicólogo no hospital [3], sendo necessário que o psicólogo tenha claro o seu papel e seu objetivo para conseguir disseminá-los, através de suas ações, na equipe multidisciplinar [11]. Nesse sentido, as participantes expõem, em seus discursos, algumas atitudes que consideram necessárias para que o psicólogo hospitalar tenha uma boa relação com os outros profissionais da equipe multidisciplinar e consiga, aos poucos, adquirir sua confiança e o reconhecimento. Entre estas atitudes, está a necessidade de inserirse na equipe, mantendo-se próximo as outras especialidades e utilizando conhecimentos destas para aprimorar, tanto seu entendimento, como sua comunicação. Dessa forma, sempre será necessária, mesmo que de forma rudimentar, a troca de informações, sendo, portanto, indispensável que o psicólogo tenha conhecimento das atividades desenvolvidas pelos demais profissionais, bem como os limites de cada um, possibilitando uma atuação integrada, com manejo único [5]. Ao se relacionar com outras especialidades, as entrevistadas ressaltaram, também, a importância do psicólogo não utilizar explicações teóricas e técnicas subjetivas e pouco acessíveis às outras áreas do conhecimento, concordando com Carvalho [3], para quem o psicólogo e a equipe devem "falar a mesma língua", pois apenas desta maneira é possível um trabalho integrado. A ideia apresentada foi a de que cada profissional é responsável por sua área de conhecimento, o quê não significa invalidar o saber do outro; mas pelo contrário, quanto maior a troca entre as várias especialidades, maior a compreensão que se tem do paciente e melhor a ajuda destinada a ele. Tal concepção, segundo More, Crepaldi, Queiroz, Wendt e Cardoso [9], seria a da interdisciplinaridade, na qual não se nega as especialidades, mas procurase reconhecer as especificidades de cada profissional, superando o conhecimento fragmentado e trabalhando o mesmo através de interdependências e relações. Para garantir a integração à equipe, as participantes revelaram a necessidade de serem maleáveis, de serem capazes de improvisar. Um dos exemplos de comunicação utilizado neste contexto de urgências, citados pelas participantes, é o prontuário. Segundo Fossi e Guareschi [5], o prontuário é um instrumento essencial para a integração das diferentes áreas disciplinares da saúde. Contudo, na visão das participantes, os prontuários e encontros nos corredores, não são as melhores formas de comunicação com a equipe e a interação deveria ser intensificada. Pode-se pensar que a falta de espaços formais para discussão com a equipe, a alta demanda hospitalar e a pouca quantidade de psicólogos contratados, assim como, a falta de tempo de todos os profissionais, dificulta esta interação, comprometendo também o conhecimento que os outros profissionais demonstram acerca do Serviço de Psicologia, pois, conforme Tonetto e Gomes [11], somente o intenso trabalho em equipe propicia o reconhecimento das diferentes áreas de atuação. A falta de clareza dos profissionais acerca da função do psicólogo neste Hospital Universitário, também é observada nos discursos das participantes sobre as suas inserções na equipe, uma vez que todas disseram que precisaram "abrir caminhos", mostrar o porquê de suas ações, para conquistarem a equipe e conseguirem um reconhecimento de suas funções. A relação entre os psicólogos que trabalham na instituição também foi investigada. As participantes afirmaram que a relação entre eles é boa e diplomática, porém sentem falta de momentos para encontros e discussões, devido ao número reduzido de psicólogos, à pouca carga horária de atuação, à alta demanda hospitalar e à falta de um espaço físico para se reunirem e trocarem experiências. Tais resultados também foram encontrados no estudo realizado por Vieira [12] - as dificuldades colocadas pelos profissionais quanto à atuação em hospitais: falta de material, falta de espaço físico adequado, falta de diálogo com outros psicólogos". 5. CONCLUSÃO Ao final deste trabalho, podemos concluir que, em termos de formação, a graduação apenas, não está preparando o psicólogo para os desafios da prática profissional no contexto hospitalar, ou seja, trabalho integrado, tanto em equipe, quanto com os familiares, o setting terapêutico e o tempo para os atendimentos não tão definidos e precisos como na clínica, a rotatividade de pacientes, rotina hospitalar e a própria situação de crise que o paciente vivencia no processo de adoecimento e hospitalização. Somado a isso, a instituição hospitalar, condicionada pelas questões administrativas financeiras decorrentes das políticas públicas de saúde, não tem oferecido as condições necessárias para a inserção

6 do psicólogo na equipe e o seu reconhecimento. Há escassez de profissionais em relação à demanda, falta espaço físico e tempo para que os profissionais da equipe possam atuar como equipe multi e interdisciplinar, de maneira satisfatória. Sem o adequado funcionamento da equipe, torna-se difícil para os outros profissionais reconhecerem o campo de atuação do psicólogo. Mais de 50 anos depois de sua entrada no hospital, o lugar da Psicologia ainda está sendo construído no dia-a-dia, atráves das ações dos psicólogos que aceitaram o desafio de mostrar a importância crucial do seu trabalho para a consecução do modelo biopsicossocial de atuação à saúde. Para além da adequação das políticas públicas de saúde, acreditamos que as pesquisas científicas voltadas não apenas à caracterização da prática do psicólogo hospitalar, mas também, à sua inserção na equipe multiprofissional, a partir da perspectiva dos outros profissionais, possam ser de grande valia em direção à delimitação e consolidação dessa área de atuação. AGRADECIMENTOS Agradeço ao PIBIC/CNPq pelo apoio concedido através da bolsa de estudos e à minha orientadora Helena Bazanelli Prebianchi, pela dedicação em transmitir sua experiência e conhecimento. REFERÊNCIAS [1] Angerami-Camom, V.A. (2010). O psicólogo no hospital. In: Angerami-Camom. Psicologia Hospitalar: Teoria e Prática (p. 1 14). São Paulo: Cengage Learning. [2] Bardin, L. (1988). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. [3] Carvalho, J. W. A. (2005). Representações sociais da Psicologia Hospitalar entre médicos e psicólogos. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. [4] Chiattone, H. B. C. (2000). A significação da psicologia no contexto hospitalar. In V. A. Angerami (Org.), Psicologia da saúde: um novo significado para a prática clínica (p ). São Paulo: Pioneira. [5] Fossi, L.B. & Guareschi, N.M.F. (2004). A psicologia hospitalar e as equipes multidisciplinares. Revista da SBPH [online]. 2004, 7 (1), Disponível em:<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php? pid=s &script=sci_arttext&tlng=pt>. [6] Ismael, S.M.C.(2010) A inserção do psicólogo no contexto hospitalar. In: Ismael, S.M.C. A prática psicológica e sua interface com as doenças. São Paulo: Casa do Psicólogo. [7] Lamosa, B.W.R. (1987). O psicólogo clínico em hospitais: contribuição para o desenvolvimento da profissão no país. Tese de doutorado em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. [8] More, C.L.O.; Crepaldi, M.A.;Gonçalves, J.R.; Menezes, M. (2009). Contribuições do pensamento sistêmico à prática do psicólogo no contexto hospitalar. Psicologia em estudo [online]. 2009, 14 (3), Disponível em: <http://www.scielo.br/ pdf/pe/v14n3/v14n3a07.pdf >. [9] More, C.L.O.; Crepaldi, M.A.; Queiroz, A.H.; Wendt, A.C.; Cardoso, V.S. (2004). As representações sociais do psicólogo entre os residentes do programa de saúde da família e a importância da interdisciplinaridade. Psicologia Hospitalar 1 (1), p [10] Romano, B.W. (1999). Princípios para a prática da psicologia clínica em hospitais. São Paulo: Casa do Psicólogo. [11] Tonetto, A. M. & Gomes, W. B. (2007). A prática do psicólogo hospitalar em equipe multidisciplinar. Estudos de Psicologia, 24(1), [12] Vieira, C.M.A.M. (2006). A construção de um lugar para a psicologia em hospitais de Sergipe. Dissertação de mestrado, do Programa de Pós- Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo

Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Formação continuada e Prática Profissional: Um olhar sobre o curso de formação de Ingressantes do Estado de São Paulo Idalise Bernardo Bagé 1 GD6- Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE

A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE A PSICOLOGIA E A MULTIDISCIPLINARIDADE NA SAÚDE Artigo apresentado aos docentes de graduação em Psicologia da Universidade do estado de Minas Gerais na Fundação Educacional de Divinópolis, referente a

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1

INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1 INTERDISCIPLINARIDADE, MULTIDISCIPLINARIDADE OU TRANSDISCIPLINARIDADE 1 TAVARES, Suyane Oliveira 2 ; VENDRÚSCOLO, Cláudia Tomasi 2 ; KOSTULSKI, Camila Almeida 2 ; GONÇALVES, Camila dos Santos 3 1 Trabalho

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança

RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança Projeto HMIPV/SMS O HMIPV presta atendimento especializado em diversas áreas, em nível secundário e terciário.

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios

A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios A GESTÃO DA SAÚDE E A ENFERMAGEM: A FORMAÇÃO E A ATUAÇÃO PROFISSIONAL NO CONTEXTO DE UM COLEGIADO DE GESTÃO REGIONAL Sueli Terezinha Goi Barrios Alcindo Antônio Ferla Adelina Giacomelli Prochnow Ana Cristina

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO 2016. APRIMORAMENTO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE e HOSPITALAR 1º ANO

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO 2016. APRIMORAMENTO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE e HOSPITALAR 1º ANO EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO 2016 APRIMORAMENTO EM PSICOLOGIA DA SAÚDE e HOSPITALAR 1º ANO I INTRODUÇÃO Pós Graduação Lato Sensu (Aprimoramento Profissional) 2016 O Programa de Aprimoramento Profissional em Psicologia

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Curso: Psicologia Hospitalar e da Saúde

Curso: Psicologia Hospitalar e da Saúde Curso: Psicologia Hospitalar e da Saúde 1 APRESENTAÇÃO A Psicologia Hospitalar, de acordo com a Resolução 014/2000 (CFP) configurase como uma especialidade da Psicologia, inserindo-se, não somente em hospitais,

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL

POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL POSSIBILIDADES DO INSTRUMENTO DE ENTREVISTA EM SERVIÇO SOCIAL Edriane Cristhina Catarin Peretti 1 RESUMO: A proposta de pesquisa refere-se à compreensão do instrumento de entrevista situado nos processos

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRE OS MEMBROS DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR NA ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES CIRÚRGICOS ADULTOS.

COMUNICAÇÃO ENTRE OS MEMBROS DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR NA ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES CIRÚRGICOS ADULTOS. COMUNICAÇÃO ENTRE OS MEMBROS DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR NA ASSISTÊNCIA AOS PACIENTES CIRÚRGICOS ADULTOS. Bruna Barbi Rezende Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida bruna.br@puccamp.edu.br Resumo:

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

Pós-graduação Psicologia

Pós-graduação Psicologia Pós-graduação Psicologia Pós-graduação - Lato Sensu Os cursos de Pós-graduação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo têm como objetivos a formação de docentes, pesquisadores e profissionais

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA

PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA PROGRAMA DO PÓS-GRADUAÇÃO EM SEXOLOGIA CLÍNICA 1. Nome do curso e Área(s) do Conhecimento - Pós-Graduação/Especialização em Sexologia Clínica - Área do conhecimento: Medicina - Forma de oferta: presencial

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR

PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR Fabiana Rodrigues Silva Gasparin 1, Fernanda

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva

A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva A importância da atuação do assistente social nas clínicas integradas de saúde e sua contribuição para as práticas de saúde coletiva Jakeline Gonçalves Bonifácio Vitória Régia Izaú Resumo Partimos do princípio

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM AUDITORIA EM SERVIÇOS

Leia mais

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Concepção de professores, contextualização, interdisciplinaridade. Resumo 1. INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO E INTERDISCIPLINARIDADE: CONCEPÇÕES DE PROFESSORES NO ENSINO DE GASES Helena Cristina Aragão de Sá 1 (FM) Roberto Ribeiro da Silva 2 (PQ) 1 SEEDF/E.C. 803 - Recanto das Emas, helenaaragaosa@gmail.com

Leia mais

Maria Rachel Jasmim de Aguiar

Maria Rachel Jasmim de Aguiar III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família A ATENÇÃO PRIMÁRIA E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO EM UM MODELO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE Maria Rachel Jasmim de Aguiar Orientação: Carlos Eduardo Aguilera

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM NEUROLOGIA CLÍNICA E INTENSIVA Unidade

Leia mais

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado.

Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Graduação, a escolha entre licenciatura e bacharelado. Vanessa Ferreira da Silveira Professora Orientadora Ileizi Fiorelli Silva Resumo: Neste texto pretendo discutir a separação entre Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional.

Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional. Mapeamento da atuação de psicólogos do esporte no Estado de São Paulo, desafios e perspectivas de futuro profissional. Em 2012, durante a realização da I Mostra Paulista de Psicologia do esporte, foi realizado

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Estadual de São Luis de Montes Belos

Universidade Estadual de Goiás Unidade Estadual de São Luis de Montes Belos Universidade Estadual de Goiás Unidade Estadual de São Luis de Montes Belos CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS O Estágio Supervisionado do Curso de Letras

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL Anna Cláudia Rodrigues Alves Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF FALSO VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL VERDADEIRO

Leia mais

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL Roberto Lúcio Vieira de Souza Ciência e religião... são amigas, não adversárias, na busca comum por conhecimento. John Polkinghorne Físico e Teólogo Se estás doente,

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

Colaboraram neste texto as acadêmicas do curso de Pedagogia, Francielle Selzer Brecher e Maísa Amélia Haefliger.

Colaboraram neste texto as acadêmicas do curso de Pedagogia, Francielle Selzer Brecher e Maísa Amélia Haefliger. A CONTRIBUIÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO E INSERÇÃO DO PEDAGOGO NA ESCOLA 12 SZYMANSKI, Maria Lídia Sica UNICAMP GT: Formação de Professores / n. 08 INTRODUÇÃO: Este trabalho objetivou verificar

Leia mais

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ Elismara Zaias Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós Graduação em Educação-Mestrado

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA Unidade Dias

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTOPEDIA MULTIDISCIPLINAR Unidade Dias

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO ENSINO DE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM Severino Aprígio de Morais Graduando Enfermagem CEL severo.aprigio@ig.com.br Diane Mello Contino Graduando Enfermagem CEL enfermeirabmgse1@hotmail.com

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP:

EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: APS SANTA MARCELINA INTRODUÇÃO EXPERIÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DA NO SUS APS SANTA MARCELINA / SP: UM PROCESSO EM CONSTRUÇÃO Parceria com a Prefeitura de São Paulo no desenvolvimento de ações e serviços voltados

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM CARDIOLOGIA PARA MÉDICOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS

A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS A Percepção dos estudantes da saúde sobre a sua formação para o SUS Zangirolani LTO, Santos ACA, Fuentes ACRC, Andrade JC, Stuck RC, Garcia MAA. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas,

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade,

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade, TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA SAÚDE: A LÓGICA CAPITALISTA QUE SUBORDINA AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Sônia Maria Alves de Paiva 1 Cristiane Aparecida Silveira 2 Elizabeth Laus Ribas Gomes 3 Maísa Crivellini

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO

RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO RELATÓRIO TREINAMENTO ADP 2013 ETAPA 01: PLANEJAMENTO 1. Apresentação geral Entre os dias 15 e 18 de Abril de 2013 foram realizados encontros de quatro horas com os servidores e supervisores da Faculdade

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM AUDITORIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Unidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Daniella Vila Falchi Enfermeira, com especialização em Urgência e Emergência, em curso Auditoria

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016

Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016 Edital para Complementação Especializada em Geriatria - 2016 Público Alvo: Médicos com residência ou especialização completa em Geriatria. Objetivos do Programa Aperfeiçoar os conhecimentos de médicos

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ.

AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA; Vânia C. MARCELO; Newillames Gonçalves NERY; Jacqueline Rodrigues de LIMA; Maria Goretti QUEIRÓZ. TÍTULO: MESTRADO PROFISSIONAL E A ESTRUTURAÇÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM UMA UNIDADE DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE DA FAMÍLIA DE GOIÂNIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA AUTORES: Edinamar Aparecida Santos da SILVA;

Leia mais

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO

QUADROS RESUMOS SÃO PAULO QUADROS RESUMOS SÃO PAULO Total de profissionais: 453.665 Enfermeiros: 105.438 Auxiliares e Técnicos de Enfermagem: 348.227 QUADRO RESUMO PERFIL SÓCIO ECONOMICO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SÃO PAULO BLOCO

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais