PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO"

Transcrição

1 Comando da Aeronáutica Diretoria de Saúde da Aeronáutica Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO Maio /2014

2 Pagina: 2 de 22 INDICE: 1. HISTÓRICO 3 2. MODELO ASSISTENCIAL COMUNITÁRIO MULDISCIPLINAR 3. OBJETIVOS DO ABRANGENCIA 5 5. INGRESSO NA CGABEG 5 6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA CGABEG 7 7. FUNÇÕES DA DIVISÃO TÉCNICA FUNCIONAMENTO DO MODELO ASSISTENCIAL COMUNITÁRIO ATIVIDADES COMUNITÁRIAS ATIVIDADES EM PROGRAMAS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 22

3 Pagina: 3 de HISTÓRICO A CGABEG, inaugurada em 20 de janeiro de 1984, veio preencher a necessidade de implantação de uma assistência geriátrica e gerontológica no âmbito do Comando da Aeronáutica. A existência de terreno junto ao Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG) com uma edificação inacabada, pertencente ao Clube da Aeronáutica, pôde concretizar este sonho. O terreno em questão havia sido cedido anos antes, para a construção de um hotel de trânsito destinado a atender militares na cidade a serviço. Embora ainda inacabada, a obra já apresentava a estrutura arquitetônica característica de um hotel e a escavação de uma futura piscina. Poucas foram as adaptações necessárias à estrutura encontrada, além do acabamento geral e da construção de mais uma ala. Através da Nota Ministerial Nº 001 de 03 de janeiro de 1984, foi declarada a caducidade da cessão do terreno, com reversão da área e respectivas instalações ao Patrimônio do Ministério da Aeronáutica e destinação à Clínica Geriátrica: Repouso das Águias, iniciando-se desta forma a implantação da futura Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes. A Portaria 0048/GM 1 de 04 de janeiro de 1984, criou um grupo de trabalho para estudar a criação de uma Casa Gerontológica na área do Galeão RJ. Em 07 de novembro de 1984, foi criada a Casa Gerontológica de Aeronáutica do Galeão através da Portaria Nº 1589/GM. Em 14 de janeiro de 1985, ela foi ativada pela Portaria Nº 0056/GM de 14 de novembro de 1984, assinado pelo Exmo. Sr. Ministro de Aeronáutica Ten.-Brig. Délio Jardim de Mattos. Para homenagear um dos grandes vultos da nossa Força Aérea, a denominação desta organização foi modificada para Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes em 11 de fevereiro de 1985 (Portaria Nº 122/GM 3). O Cel. Médico Bruno Filomeno Polito, idealizador e primeiro diretor da CGABEG, reuniu durante o ano de 1984 um grupo de jovens profissionais para a elaboração do projeto técnico da nova instituição. Neste grupo, desde o diretor até o mais jovem profissional, o que faltava em experiência prévia em Gerontologia sobrava em motivação e vontade de acertar. Assim, pesquisando, estudando e aprendendo dia-a-dia esta equipe foi desenvolvendo seu conhecimento e seu compromisso com a instituição. E, após um ano de sua inauguração, com a chegada do então Major Médico Heimar Saldanha Camarinha, foi idealizado e implantado o Modelo Assistencial, o qual até hoje organiza nosso trabalho.

4 Pagina: 4 de MODELO ASSISTENCIAL COMUNITÁRIO MULDISCIPLINAR O é baseado no Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar que é a regra organizadora e a base de todo o trabalho realizado na Casa Gerontológica de Aeronáutica (CGABEG) nos últimos 29 anos, ele se constitui na própria personalidade da Instituição. O Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar é o embasamento teórico do trabalho que organiza os valores e orienta os objetivos que constituem a CGABEG como uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) singular, baseada principalmente em uma visão de saúde e cuidado para um envelhecimento saudável. A CGABEG é uma ILPI que tem como meta oferecer qualidade de vida a seus usuários, através de ações de Promoção da Saúde. Aqui o conceito de saúde tem um valor positivo e amplo, englobando a convivência social em seus múltiplos aspectos, sendo deste modo mais do que uma ILPI tradicional, uma comunidade. E, nesta comunidade, convivem seus usuários idosos e suas famílias, a equipe dirigente, os profissionais de saúde e todos os demais funcionários; organizados em torno dos valores e objetivos do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar. A CGABEG é uma ILPI que presta seus serviços aos idosos através do Programa Residencial e o Centro de Convivência. O Programa Residencial é o núcleo do trabalho realizado. Ao mesmo tempo, a Instituição oferece ao COMAER seus serviços de forma indireta, através da divulgação de conhecimentos em Geriatria e Gerontologia para os efetivos das diversas Unidades de Saúde do Sistema de Saúde da Aeronáutica (SISAU). É também encargo da CGABEG a emissão de guias de internação e a supervisão das clínicas de idosos conveniadas ao COMAER. Dentre inúmeras definições de residência para idosos existentes, destacamos uma que nos parece melhor se aproximar do que é nossa instituição: Centro gerontológico aberto, de desenvolvimento pessoal e atenção sócio-sanitária interprofissional, em que vivem, temporal ou permanentemente, pessoas idosas com algum grau de dependência (Rodriguez, 1995).

5 Pagina: 5 de 22 O Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar é um princípio organizador de ações, um plano básico que a prática e o tempo vão transformando. Neste sentido, não é um Modelo Fechado nem tão pouco terminado, pois veio se transformando ao longo destes 29 anos, entretanto cabe ressaltar que suas características inalteradas são: a multi e interdisciplinaridade, democracia e princípios comunitários, as quais formam a base que o fundamentam. 3. OBJETIVOS DO Os objetivos do são: Desenvolver ações de promoção da saúde e readaptação social em acordo com a visão, a missão e os valores da organização; Cumprir as atividades propostas no Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar; Criar de um ambiente favorável à saúde, onde o idoso possa manter uma participação ativa, desenvolver as potencialidades de sua personalidade, mantendo sua autoestima e sentido de autocompetência; Prestar assistência à saúde dos idosos militares da reserva e seus dependentes regularmente inscritos no SISAU. Para cumprir seus objetivos, a CGABEG conta com uma equipe multidisciplinar composta por profissionais de saúde de treze diferentes especialidades que realizam ações clínicas, terapêuticas e de reabilitação. 4. ABRANGENCIA O plano é extensivo à todos usuários idosos da CGABEG. 5. INGRESSO NA CGABEG Existem critérios para o ingresso na CGABEG que são subdivididos em: elegibilidade, grau de dependência e prioridade.

6 Pagina: 6 de Critérios de Elegibilidade: Para ingresso na CGABEG os principais critérios de elegibilidade que são: Idade; Motivação; Privação Social; Inclusão no SISAU Critérios para Grau de Dependência: 5.3. Critérios de Prioridade: Iniciativa; Lucidez e Orientação Espaço-Temporal; Memória e Pensamento; Condições de assumir responsabilidades; Capacidade de Auto-determinação; Deambulação; Cuidados médicos; Cuidados de enfermagem; Avaliação do processo social. Direito de assistência de saúde pelo SISAU; Privação Sócio-afetiva; Privação Social Prestação de Assistência à Saúde dos Idosos: Programa Residencial: para os idosos que vêm residir na Instituição, onde a idade mínima é 75 anos, excetuando-se casos de pessoas acima de 60 anos que necessitem de tratamento de reabilitação que só a CGABEG possa oferecer; Programa Centro de Convivência: para idosos que vêm à Instituição para participar das atividades oferecidas e convívio social, onde a idade mínima é 60 anos.

7 Pagina: 7 de ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA CGABEG O organograma da CGABEG prevê uma Direção, Divisão Administrativa e a Divisão Técnica. À Direção estão subordinadas as Divisões Administrativa e Técnica, além das seções: Inteligência, Comunicação Social, Agente de Controle Interno, Gestão da Qualidade, CCIH, Secretaria que estão ligadas diretamente à Direção. Figura 1. Organograma da Direção da CGABEG DIREÇÃO CCIH Inteligência Ag. Controle Interno Comunicação Social Secretaria Gestão da Qualidade Divisão Técnica Divisão Administrativa

8 PLAN 001 CGABEG/ 2013 Pagina: 8 de 22 A Divisão Administrativa é composta por três subdivisões: Intendência, Pessoal e Infra- Estrutura. A Subdivisão de Intendência compreende as seções de: Aprovisionamento, Provisões, Licitações, Finanças, Registros, Serviços Especiais e Encargos Assistenciais. A Subdivisão de Pessoal compreende as seções de: Pessoal Civil, Pessoal Militar, Auxiliar, Investigação e Justiça e Guarda e Segurança. A Subdivisão de Infraestrutura compreende as seções de: Administração de Dados e Informática, Serviços Gerais, Transporte, Patrimônio, Hotelaria e Contra-Incêncdio. Cabe salientar que os instrutores de educação física, responsáveis pela atividade física oferecida tanto ao efetivo militar e civil, quanto aos residentes, são subordinados à Divisão Administrativa. A Divisão Administrativa segue as leis e diretrizes da administração pública federal e é responsável por prover toda a estrutura que possibilita a vida orgânica da CGABEG, desde o serviço de subsistência e hotelaria até a gestão econômico-financeira dos recursos. Figura 2. Organograma da Divisão Administrativa da CGABEG DIVISÃO ADMINISTRATIVA Subdivisão de Intendência Subdivisão de Pessoal Subdivisão de Infraestrutura Seção de Aprovisionamento Seção de Pessoal Militar Seção Administração de Dados e Informática Seção de Provisões Seção de Pessoal Civil Seção de Serviços Gerais Seção de Licitações Seção de Auxiliar Seção de Transporte Seção de Finanças Seção de Registro Seção de Serviços Especiais Seção de Investigação e Justiça Seção de Guarda e Segurança Seção de Patrimônio Seção de Hotelaria Seção Contra-Incêndio Seção de Encargos Especiais

9 Pagina: 9 de 22 A Divisão Técnica é composta de quatro subdivisões: Subdivisão Clínica, Subdivisão de Atividades Complementares, Subdivisão de Reabilitação Psico-Funcional e Subdivisão de Ensino e Pesquisa, sendo responsável pela implementação e desenvolvimento das ações voltadas para a atividade-fim da Instituição. A Subdivisão Clínica compreende as Seções de Medicina, Enfermagem e Odontologia. A Subdivisão de Atividades Complementares compreende as seguintes Seções: Serviço Social, Farmácia, Arquivo Médico e Estatística, Nutrição e Dietética, Centro de Convivência. A Subdivisão de Reabilitação Psico-Funcional é composta pelas seguintes Seções: Psicologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Recreação e Lazer, Musicoterapia e Fonoaudiologia. A Subdivisão de Ensino e Pesquisa é composta pelas Seções: Ensino e Pesquisa. Fig.3. Organograma da Divisão Técnica da CGABEG DIVISÃO TÉCNICA Programa de Terapias Complementares Subdivisão Ensino e Pesquisa Subdivisão Clínica Subdivisão Atividades Complementares Subdivisão Reabilitação Psicofuncional Seção de Ensino Seção de Medicina Seção de Odontologia Seção de Serviço Social Seção de Psicologia Seção de Recreação e Lazer Seção de Pesquisa Seção de Farmácia Seção de Fisioterapia Seção de Enfermagem Seção de Arquivo Médico e Estatística Seção de Terapia Ocupacional Seção de Nutrição e Dietética Seção de Musicoterapia Seção de Fonoaudiologia Seção Centro de Convivência

10 Pagina: 10 de FUNÇÕES DA DIVISÃO TÉCNICA Ao chefe da Divisão Técnica (DT) cabe a responsabilidade pelo gerenciamento do Plano de Assistência à Saúde do Idoso em acordo com o Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar, coordenando o trabalho dos profissionais de saúde da equipe multidisciplinar da CGABEG, tanto do ponto de vista técnico como disciplinar, com as seguintes ações: Coordenar e supervisionar as diversas especialidades de saúde que compõem a DT; Coordenar e supervisionar as avaliações de ingresso na Instituição; Coordenar e supervisionar a reavaliação dos idosos residentes; Supervisionar as Mini-Equipes multidisciplinares de cada Ala; Supervisionar as Comissões; Conduzir as questões técnicas e administrativas; Conduzir o fluxo de informações à Direção da Instituição; Solucionar os problemas dos residentes e da equipe de saúde e, quando necessário, encaminhar estes problemas à Direção. A reunião com os profissionais responsáveis por cada especialidade é semanal, sendo o espaço para a discussão dos andamentos e necessidades de cada especialidade. A avaliação para ingresso na CGABEG é uma avaliação multidisciplinar realizada através da Avaliação Gerontológica e Geriátrica Ampla (AGGA) com cada idoso, a qual é consolidada em uma reunião da equipe que realizou a avaliação, onde é emitido um parecer e as condutas a serem adotadas a partir do ingresso do idoso na Instituição. A reavaliação dos idosos residentes é semestral e coordenada pela DT que providencia transferências de ala, quando necessárias. O parecer final de ingresso e/ou de alta é referendado pelo Diretor devidamente assessorado pelo chefe da DT e pelo parecer da equipe.

11 Pagina: 11 de 22 A supervisão das Mini-Equipes multidisciplinares responsáveis por cada Ala da CGABEG é semanal, sendo através delas que o chefe da DT recebe as informações relativas à vida cotidiana da Instituição para administração das necessidades dos usuários idosos e da equipe multidisciplinar. Neste sentido, a boa administração da DT é fundamental na dinâmica e no clima institucional. A profunda identificação deste profissional com os princípios do Modelo Assistencial à Saúde do Idoso e da Gerontologia é essencial para o bom andamento do trabalho técnico e da própria evolução da instituição. É importante lembrar que à CGABEG cabe conciliar as atividades relativas ao seu Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar com atividades de administração hospitalar estabelecidas pela Diretoria de Saúde do Comanda da Aeronáutica (DIRSA), cabendo à chefia da Divisão Técnica a supervisão de várias comissões, algumas das quais serão compartilhadas com a Seção de Gestão da Qualidade: Comissão de Biossegurança e Tratamento de Resíduos Hospitalares; Comissão de Revisão de Prontuários; Comissão de Controle Infecção Relacionada à Assistência à Saúde; Comissão de Padronização de Medicamentos; Comissão de Óbitos; Comissão de Terapia Nutricional; Comissão de Lazer. As comissões são fiscalizadoras dos planos que correspondem às suas especificidades. Os participantes destas comissões serão profissionais de saúde designados pela Direção, sendo que a comissão de Lazer conta com a participação de representantes dos usuários idosos.

12 Pagina: 12 de 22 O Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar também estabelece que a outra via de acesso e comunicação com a Direção da Instituição é o Encontro Comunitário, o qual se constitui em uma reunião mensal dos usuários idosos com a equipe técnica e o Diretor, onde todas as necessidades dos idosos e da Instituição são apresentadas e discutidas publicamente, assim como as repostas apresentadas pela Instituição, sendo um fluxo efetivo e direto de informações entre a Instituição e seus usuários. 8. FUNCIONAMENTO DO MODELO ASSISTENCIAL COMUNITÁRIO Os idosos para serem residentes na CGABEG são submetidos a uma avaliação inicial composta de entrevista semi-estruturada e protocolos validados que estão na Avaliação Gerontológica e Geriátrica Ampla (AGGA) partes I e II, tendo um parecer favorável para ingresso da equipe téccnica, será submetido à avaliação de admissão AGGA parte III. A partir dos resultados destas avaliações, os idosos serão classificados segundo seu grau de dependência e os serviços que demandam. Após seu ingresso na CGABEG sofrerá avaliações periódicas como parte acompanhamento na Instituição. A classificação segundo o grau de dependência, atende à forma como o serviço está estruturado e obedece ao que determina a Instrução Ministério da Aeronáutica(IMA) (M-1) de 15/06/82. Os idosos mais dependentes - que necessitam assistência de enfermagem e cuidados médicos especializados, são alocados em alas com maior concentração nas áreas de medicina, enfermagem e fisioterapia. As alas destinadas a residentes de maior dependência caracterizam-se por possuírem um posto de enfermagem em seu corredor, um Serviço de Enfermagem qualificado e um ambiente um pouco mais próximo do tradicional ambiente hospitalar. Os residentes levemente dependentes, cujo nível de carência principal está nas áreas social e psicológica, são classificados em alas de menor dependência. As equipes responsáveis por estas alas têm maior concentração de recursos psicossociais. Os apartamentos destas alas têm uma arquitetura que propicia maior privacidade e independência e não se encontram postos de enfermagem em seus corredores. O atendimento de enfermagem destas alas é feito por um posto central.

13 Pagina: 13 de 22 Na CGABEG existem cento e vinte e dois apartamentos- simples e duplos, distribuídos em seis alas, conhecidas pela centena de numeração de seus apartamentos: 200; 300; 400; 500; 600; 700. A ala 200 é classificada como ala de Total Dependência. A ala 300 é classificada como ala de Total e Média Dependência. As alas 400 e 700 são classificadas como alas de Leve e Média Dependência. As alas 500 e 600 são classificadas como alas Independentes. As intercorrências médicas que exijam atendimento especializado não existente na CGABEG serão encaminhadas para as Organizações Militares de Saúde do Comando da Aeronáutica (COMAER), notadamente o Hospital Central da Aeronáutica (HCA) e o Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG). A reunião de residentes por graus de dependência apresenta vantagens e desvantagens, porém esta tem sido a forma de alocação de residentes que nos parece a melhor para viabilizar o atendimento com os recursos humanos disponíveis. A reunião em alas de residentes portadores de graus semelhantes de dependência possibilita a otimização dos recursos humanos e facilita a adequação do ambiente aos usuários idosos, tornando mais fácil o trabalho da equipe encarregada por cada ala - a Mini-Equipe multidisciplinar. A dificuldade em aceitar mudanças de habitação, natural entre seres humanos em geral e entre idosos em particular, costuma ser superada após um período de adaptação à nova ala. Acreditamos que o sucesso desta adaptação repouse sobre o cuidado tomado pela equipe na hora de requisitar transferências e no fato de que a nova ala costuma atender melhor às necessidades do residente transferido reconhecemos que a adaptação à nova ala tem custo elevado para o residente e, eventualmente, pode não ser bem sucedida.

14 Pagina: 14 de 22 As diversas Mini-Equipes multidisciplinares buscam atender às necessidades específicas da ala pela qual cada mini-equipe é responsável. Nas alas destinadas a idosos independentes ou de leve dependência a formação da mini-equipe privilegia a presença do profissional de Psicologia, Serviço Social, Recreação, etc. Enquanto nas alas destinadas a idosos de média ou total dependência a maior concentração fica a cargo dos profissionais de Medicina, Enfermagem, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, etc. Os principais objetivos do trabalho das mini-equipes multidisciplinares são: Prevenção; Trabalho em grupo; Interdisciplinaridade. Apesar da nossa estrutura de serviços ser tipicamente direcionada para a reabilitação nossa meta primeira é prevenir os agravos, sejam eles físicos ou mentais para os usuários idosos. O trabalho preventivo é prioritariamente realizado de forma grupal, embora não de modo exclusivo, seja através de atividades conduzidas por especialidades técnicas como fisioterapia, terapia ocupacional ou musicoterapia, seja através de atividades recreativas e sociais. O Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar estabelece que além das atividades específicas de cada categoria profissional, todos os técnicos realizem atividades comunitárias, como o objetivo de facilitar o desenvolvimento dos aspectos sadios da personalidade dos idosos, posto que todo profissional é também um agente de saúde comunitário ou seja, um organizador do espaço comunitário institucional. É com esta perspectiva que, o profissional técnico deve participar das seguintes reuniões: supervisão da mini-equipe, grupo operativo, encontro comunitário, comissões e dos eventos sociais, sendo sempre um elemento facilitador da integração social dos usuários idosos.

15 Pagina: 15 de 22 A principal ferramenta deste trabalho é o trabalho em grupo e, dentro desse trabalho em grupo, um dos mais importantes para a Instituição é o grupo operativo que em verdade é um espaço tático, onde as contradições da vida institucional irão aparecer. A tarefa central desse grupo é escutar e dar voz aos usuários idosos A base do trabalho das Mini-Equipes é a interdisciplinaridade integrada, onde o profissional técnico possa estabelecer uma relação humana de conhecimento e reconhecimento, tanto interno quanto com os demais membros da equipe. A interdisciplinaridade e o trabalho integrado constituem um desafio permanente, posto que a formação profissional, tende a privilegiar a especialização, dirigindo a atenção do especialista para a doença em detrimento da pessoa do doente. Um dos objetivos das reuniões semanais de supervisão da mini-equipe realizadas pela DT, é a troca de experiências através da discussão de casos, de modo que cada profissional tenha uma visão global das reais necessidades do residente idoso, de modo que a ação da equipe seja integrada. É nestas reuniões que é decidido o tipo de intervenção a ser adotada que tanto pode ser individual como grupal; dependendo da decisão, o especialista atuará de forma individualizada ou em parceria com outros especialistas formulando o planejamento terapêutico e compartilhando as informações sobre a evolução do caso nas reuniões. 9. ATIVIDADES COMUNITÁRIAS As atividades comunitárias do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar podem ser realizadas em âmbito interno ou externo, assim como podem ser espontâneas ou programadas. As atividades espontâneas surgem voluntariamente pela demanda da própria comunidade interna, visam atender demandas não programadas ou a integração e o lazer dos idosos residentes. As atividades programadas podem ser de cunho recreativo ou fazerem parte das atividades do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar e seguem uma periodicidade específica.

16 Pagina: 16 de 22 Figura 4. Atividades Comunitárias do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar. Atividade Periodicidade Participantes Encontro Comunitário mensal Direção, Idosos, profissionais de saúde e funcionários Reunião dos Grupos semanal Idosos residentes e mini-equipe Operativos das Alas Supervisão das semanal Mini-equipe e chefia da Divisão Técnica Mini-Equipes Reunião da Comissão semanal Equipe de recreação e chefia da Divisão Técnica de Lazer e Eventos Sociais Reunião Interequipes mensal Mini-Equipe e chefia da Divisão Técnica O Encontro Comunitário é uma reunião mensal com participação do Diretor, dos funcionários, profissionais de saúde, residentes e cuidadores, onde são discutidos assuntos de interesse geral da Instituição. Acontece na primeira quarta-feira de cada mês às 10h comduração mínima de 1 hora, no auditório da CGABEG. Este encontro é presidido pelo Diretor e, tem como coordenador, um idoso residente voluntário e como secretário um profissional de saúde escalado, está aberto às famílias e a comunidade externa e é registrado em ata. Os Grupos Operativos são semanais e participam os idosos residentes, os cuidadores, com seus vizinhos de ala e os profissionais de saúde da Mini-Equipe. Esta reunião tem o objetivo de a criar de um clima comunitário no qual o residente se sente participando da discussão e encaminhamento dos assuntos de seu interesse. É uma das principais ferramentas do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar, sendo um espaço tático que a instituição cria, onde se atualizarão as contradições sociais que o usuário vive, dentro e fora da instituição. É utilizada a técnica de Grupo Operativo, onde não há agendamento prévio dos assuntos e as discussões são encaminhadas democraticamente e independentemente do status do idoso residente ou profissional de saúde. Para adaptação aos objetivos do Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar a técnica sofreu adaptações e não tem a finalidade terapêutica e sim, a facilitação do grupo para aprender a encontrar suas próprias soluções

17 Pagina: 17 de 22 para os desafios diários, o que em certa medida, cumpre uma função terapêutica. As tarefas centrais desse grupo são: a escuta e a revalidação da voz dos usuários, diminuindo deste modo os desequilíbrios de poder dentro do âmbito institucional, tanto do poder médico como das dessimetrias hierárquicas aprendidas no curso da vida militar. Neste grupo o que se busca é facilitar o estabelecimento de relações pessoa a pessoa e a troca de experiências existenciais. As questões levantadas, principalmente de ordem técnica ou administrativa, que não sejam resolvidas no próprio Grupo são encaminhadas à Chefia da DT na Reunião de Supervisão. A Reunião de Supervisão das Mini-Equipes ocorre na DT após a Reunião do Grupo Operativo de sua ala, trazendo a discussão de casos e encaminhando as questões discutidas na Reunião do Grupo Operativo. Ao mesmo tempo é também nesta reunião que, caso a Mini-Equipe conclua, a necessidade de entrar em contato com a família de algum residente, o Assistente Social da Mini- Equipe marcará a reunião com a mesma. E, também, semestralmente ocorrerá a reavaliação dos idosos residentes nesta reunião de supervisão das Mini-Equipes. A Reunião Inter-equipes ocorre mensalmente, dentro da programação do Centro de Estudos e tem o objetivo de criar um espaço de diálogo entre todas as Mini-Equipes. A Reunião da Comissão de Lazer e Eventos Sociais é uma comissão permanente que elabora o calendário oficial dos eventos recreativos e sociais da instituição. Esta comissão é composta de membros da Seção de Recreação e Lazer, profissionais de saúde e de residentes voluntários. A supervisão dessa comissão compete à chefia da DT. É facultado aos residentes propor a realização de eventos extra-oficiais bastando para tanto que haja mobilização da comunidade interna e aprovação da Direção. E, posto que, o Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar dedica especial atenção ao lazer como elemento fundamental para oferecer uma melhor qualidade de vida aos idosos residentes, compete à equipe da Seção de Recreação e Lazer a realização das atividades de lazer, sendo esta programação aberta à participação dos residentes desde a elaboração da programação. Os recreadores estimulam a discussão de propostas com o objetivo de inserir os residentes idosos naquelas atividades que mais os mobilizem, pois é através do lazer que também trabalhamos a participação dos residentes na comunidade mais ampla, fortalecendo seus vínculos sociais com os segmentos extra-institucionais. Fazem parte destas atividades:

18 Pagina: 18 de 22 Passeios; Visitas a museus; Idas a cinemas e teatros; Saídas regulares para compras; Festividades do Comando da Aeronáutica; Jantares dançantes em datas comemorativas; Festa Junina. A prática de atividade espiritual e religiosa é considerado um fator de bem-estar subjetivo e é contemplado no Modelo Assistencial Comunitário Multidisciplinar, posto que é muito importante para o idoso preservar suas convicções espirituais ou religiosas, pois estas lhe proporcionam um sentido para existência. As atividades religiosas oferecidas por solicitação dos idosos residentes são: Missa católica semanal; Reunião para leitura da Bíblia, coordenada por residentes protestantes; Reunião espírita kardecista semanal, coordenada por residentes espíritas. 10. ATIVIDADES EM PROGRAMAS Existem várias atividades na CGABEG que são organizadas a partir de programas que são: Programa Residencial Programa Centro de Convivência Programa de Prevenção em Saúde Programa de Ensino e Pesquisa Programa de Capacitação de Cuidadores de Idosos Programa de Educação Continuada Programa de Supervisão em Gerontologia Programa de Residência Médica Programa de Estágios

19 Pagina: 19 de 22 O Programa Residencial atende aos idosos que vêm residir na Instituição, a idade mínima para ingressar é 75 anos, excetuando-se casos de pessoas acima de 60 anos que necessitem de tratamento de reabilitação que só a CGABEG possa oferecer. Os idosos dispõem de 122 quartos com banheiro simples e duplos, distribuídos em 6 alas e, serão alocados, segundo graus semelhantes de capacidade funcional. O Programa Centro de Convivência atende aos idosos que vêm à Instituição para participar das atividades oferecidas e manter convívio social, onde a idade mínima para ingresso é 60 anos. O Programa de Prevenção em Saúde é baseado em campanhas educativas em relação a doenças crônicas e práticas como a campanha de vacinação que é realizada com idosos, cuidadores, profissionais de saúde e funcionários O Programa de Capacitação Técnico-Científica existe como uma ação de disseminação de conhecimentos em gerontologia e geriatria, posto que a CGABEG que desempenha um papel de centro gerador de conhecimentos nas questões ligadas à saúde do idoso, realizando ações de Ensino e Pesquisa. As ações são: Centro de Estudos - encontro semanais às quartas-feiras, no Auditório Brigadeiro Délio Jardim de Mattos, para discussão de assuntos de interesse da equipe de profissionais de saúde. o Palestras; o Encontros Comunitários; o Inter-equipes; o Estudos de caso. Simpósio de Geriatria e Gerontologia da Aeronáutica - desde 1989 a CGABEG comemora seu aniversário realizando anualmente o Simpósio de Geriatria e Gerontologia da Aeronáutica que é aberto ao público e destinado a profissionais e estudantes da área. Este evento faz parte do calendário científico da geriatria e gerontologia encontrando grande receptividade do seu público específico.

20 Pagina: 20 de 22 O Programa Atividade é um programa que visa aprimorar e modernizar o atendimento aos usuários idosos nos Hospitais do Comando da Aeronáutica e a CGABEG é responsável pelo apoio técnico ao programa. Já realizou três cursos de Capacitação de Recursos Humanos em Saúde do Idoso para profissionais de saúde do COMAER como determinado pela Diretoria de Saúde da Aeronáutica (DIRSA), além de outros cursos quando requisitado. O Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos (CEP/CGABEG) tem a participação de representantes de profissionais técnicos e de usuários da Instituição, contando também com a participação de consultores externos em diversas áreas inclusive Direitos Humanos. Foi aprovado pela CONEP/MS em 2001 e faz parte da Plataforma Brasil, autorizando e supervisionando qualquer pesquisa realizada na Instituição. Ao CEP/CGABEG já foram apresentados: 82 projetos de pesquisa, aprovados 74 e realizados 68. O Programa de Capacitação de Cuidadores de Idosos é coordenado pela Seção de Serviço Social e tem o objetivo de atualizar e aprimorar conhecimentos aos interessados nos cuidados à pessoa idosa. A idéia é sensibilizar para as inúmeras questões relativas ao idoso: promoção e prevenção da saúde, tratamento e cuidado. O programa capacita os cuidadores que trabalham na Instituição e também é aberto ao público. É realizado semestralmente durante uma semana intensiva e ininterrupta, com carga horária total de 30 horas. O Programa de Educação Continuada é a operacionalização do Programa de Educação em Serviço de Enfermagem em acordo com as instruções contidas na Ordem Técnica 11/DIRSA/2008 de 04 de dezembro de Tem como objetivo manter uma atualização contínua dos profissionais de enfermagem. Ocorre mensalmente e é coordenado pela chefia de enfermagem, atualmente há um convênio com o COREN para a realização do programa.

PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO

PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO Comando da Aeronáutica Diretoria de Saúde da Aeronáutica Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DO IDOSO Maio /2015 Pagina: 2 de 22 INDICE: 1. HISTÓRICO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015.

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. APRESENTAÇÃO O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. Seja parceiro de um serviço que é referência em geriatria

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

ATIVIDADES DE ENSINO

ATIVIDADES DE ENSINO RELATÓRIO DE 2006 Em 2006 o Vila Fátima ampliou suas instalações físicas, possibilitando assim uma melhor organização das atividades de ensino-serviço. Contudo, esta ampliação não será suficiente, caso

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013.

LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. LEI Nº.1015 DE 11 DE NOVEMBRO DE 2013. Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento ao Idoso do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo, Cria o Conselho Municipal do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG MAYER, Maria Fernanda (estagio I), e-mail: mariaf@onda.com.br NADAL, Isabela Martins (supervisora

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE CNPJ. 88173968/0001-60 Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta POA-RS - CEP: 91150-140 e-mail: acelb@terra.com.br Fone: 3344-18-04-33406840

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010 ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2010 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

Manuais ISGH Centro de Estudos (CE) Página 1

Manuais ISGH Centro de Estudos (CE) Página 1 Manuais ISGH Centro de Estudos (CE) Página 1 ELABORAÇÃO Assessoras Técnicas da Educação Permanente ISGH Ana Karine Girão Lima Társia Vitoria de Araujo Joaquim Nogueira Assessora Técnica de Estágios ISGH

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANEXO I: REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Fixa normas para o funcionamento das Atividades Complementares para o curso de Administração da Universidade Federal de Mato Grosso, campus Rondonópolis/Mato

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 085/2015 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 085/2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 27/02/2015, tendo em vista o constante no processo nº 23078.034121/2014-61, de acordo com o Parecer nº 006/2015

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE SAÚDE CASA GERONTOLOGICA DE AERONAUTICA BRIGADEIRO EDUARDO GOMES

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE SAÚDE CASA GERONTOLOGICA DE AERONAUTICA BRIGADEIRO EDUARDO GOMES COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE SAÚDE DO RESIDENTE CGABEG Julho 2014 Pagina: 2 de 26 ÍNDICE 1. HISTÓRICO 3 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES 4 3. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 5 4. A POLÍTICA DA QUALIDADE 6 5. ABRANGÊNCIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CAPÍTULO I CAPÍTULO II COMPLEMENTARES

CAPÍTULO I CAPÍTULO II COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1º As Atividades Complementares integram o currículo dos Cursos de Graduação do Instituto

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL PRESTADOR DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO. - Prestador de Serviço Voluntário no âmbito da UFTM 50.05.002 1/12 1 FINALIDADE Formalizar e disciplinar os procedimentos para a prestação de serviços voluntários na UFTM Universidade Federal do Triângulo Mineiro. 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO REGIMENTO INTERNO 1 COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DO HOSPITAL IPO. Autorização /Registro nº 061/2011/CONEP/CNS/GB/MS de 30/11/2011 Autorização / Renovação de Registro n 197/2014/ CONEP/CNS/GB/MS de 26/11/2014

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO TÍTULO I DA FINALIDADE E DO OBJETO Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade de Direito da Fundação Armando Alvares

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Regimento como elaborar

Regimento como elaborar PGQ - Programa Gestão com Qualidade d Sistema 4 - Oficina Melhores Práticas Oficina i 1 Regimento como elaborar Facilitador Dr.Sérgio Luz sergiol@webcorensp.org.br Apresentação PGQ Programa Gestão com

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 Define diretriz para a política de atenção integral aos portadores da doença de Alzheimer no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais