Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde"

Transcrição

1 Artigo original Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde Physical therapist participation in a multiprofessional audit health team Fabiane Costa Santos 1, Ítalo Ricardo Santos Aleluia 2, Itana Nascimento Santos 3, Lucila Gomes Ferreira Moura 4, Milene de Andrade Carvalho 5 Palavras-chave Auditoria Sistemas de saúde Fisioterapia Equipe interdisciplinar de saúde RESUMO A auditoria visa avaliar e controlar as organizações de saúde no intuito de garantir a qualidade dos serviços prestados à população, devendo ser realizada em todas as áreas da assistência. Este trabalho teve como objetivo sistematizar o conhecimento sobre os fatores que podem justificar a participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde. Trata-se de uma revisão bibliográfica de artigos científicos e documentos nacionais e internacionais, publicados entre 1995 e Observou-se que os gastos e atendimentos com fisioterapia ambulatorial têm crescido anualmente, que a atividade de auditoria é multiprofissional e envolve a participação de vários profissionais de saúde e que é necessária como um dos requisitos mais importantes do auditor, a competência técnica para executá-la. Sabendo que os gastos com fisioterapia aumentam substancialmente, é preciso destacar a importância de um controle maior e uma auditoria mais criteriosa, por meio da participação do fisioterapeuta. Keywords Audit Health systems Physical therapy Patient care team ABSTRACT The audit is a tool for assessment and monitoring used by health organizations in order to ensure the quality of services rendered to population, and it should be held in all areas of assistance. This study aimed to systematize knowledge about factors that could justify the participation of the physical therapist in the multiprofessional team of health audit. This is a bibliographic review of scientific articles and national and international documents, published between 1995 and It was observed that expenses and care with outpatient physical therapy have grown annually, that the audit activity is multidisciplinary and involves the participation of several health professionals, it is necessary as one of the most important requirements of the auditor, i.e., the technical expertise to run it. Knowing that physical therapy expenses substantially increase, we must emphasize the importance of greater control and a more thorough audit in order to the involvement of the physical therapist. Recebido em: 09/01/2011 Aprovado em: 21/02/2011 Conflito de interesse: nada a declarar Fonte de financiamento: nenhuma 1 Especialista em Auditoria de Sistemas e Serviços de Saúde pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) Salvador (BA), Brasil. 2 Pós-Graduando em Saúde Pública da Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro (RJ), Brasil. 3 Graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) Salvador (BA), Brasil. 4 Pós-Graduando em Docência do Ensino Superior pela FTC Salvador (BA), Brasil. 5 Pós-Graduando em Saúde Pública pela Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Endereço para correspondência: Ítalo Ricardo Santos Aleluia Alameda Piatã Cond. Vale das Flores Ed. Tulipa, 16, Apt CEP: Salvador (BA) Brasil

2 96 Santos FC, Aleluia IRS, Santos IN, Moura LGF, Carvalho MA INTRODUÇÃO A avaliação dos sistemas de saúde constitui o elemento de maior importância na caracterização de um sistema desejável e economicamente acessível ao país. Nessa perspectiva, a auditoria tem funcionado como ferramenta essencial na estrutura regimental dos serviços privados e públicos de saúde. É utilizada com o objetivo de melhorar a qualidade da gestão e política dos serviços e sistemas de saúde, tornando-se necessária a partir da crescente preocupação das organizações de saúde com a otimização de seus serviços e recursos destinados ao financiamento destas ações 1. Segundo Brito e Ferreira 2, controlar, fiscalizar, analisar resultados prontuários e informar corretamente sobre os gastos dos serviços prestados estão entre as ações de competência da auditoria. A palavra auditoria tem sua origem no latim, audire, que significa ouvir. É um conjunto de técnicas que visa avaliar processos, resultados e aplicação de recursos financeiros, mediante ao confrontamento entre uma situação encontrada com determinados critérios técnicos, operacionais ou legais. Esse termo ainda pode ser caracterizado como um processo avaliativo de grande importância para o redirecionamento das ações, visto que, após análise do serviço e verificação das inconformidades, podem ser tomadas decisões corretivas, punitivas ou preventivas. Esta tem como principal função, a verificação formal ou fiscalização de contas, registros e atividades operacionais de desempenho de uma organização, em todas as áreas, sendo imprescindível no âmbito da saúde 3-6. Pois com a incorporação tecnológica compulsória na saúde, surge o desafio de assegurar bom desempenho na qualidade das ações e utilização eficiente dos recursos, uma vez que a assimetria entre a informação do usuário (principal interessado) versus os recursos complexos contribui para a delegação de poder às organizações e aos seus interessados (administradores, acionistas etc.). Na saúde, a auditoria surgiu em um trabalho realizado pelo médico George Gray Ward, em Nova York (EUA), em Seu objetivo era verificar a qualidade da assistência prestada ao cliente, baseada em registros do prontuário médico 1,3-5. Em saúde, a auditoria consiste no exame sistemático e independente dos fatos, obtidos por meio da observação, medição, ensaio ou outras técnicas apropriadas de uma atividade, elemento ou sistema. Verificase a adequação dos requisitos preconizados pelas leis e normas vigentes e, assim, é determinado se as ações de saúde e seus resultados estão de acordo com as disposições planejadas. Inclui aspectos de avaliação do cumprimento de metas previstas em planos de saúde e de trabalho, além da apuração de resultados e comprovação da qualidade, que precisam ser levados em consideração para o cumprimento das atividades de controle financeiro, contábil e patrimonial das instituições conveniadas e gestoras. A sua finalidade mais importante é melhorar a qualidade da prestação de cuidados em saúde 1,3,6-10. As principais auditorias aplicadas no âmbito da saúde se classificam em analítica e operacional, quanto ao tipo, podendo ser ainda uma atividade de controle interno ou externo, quanto à forma. A analítica se constitui em um conjunto de atividades que procuram analisar a formulação, implementação e os resultados de uma política visando reformulá-la ou reorientá-la. A operacional consiste na verificação in loco das atividades, procedimentos e condições estruturais. Auditoria interna é uma atividade de avaliação independente dentro da organização, que se propõe a revisar tanto as operações como os serviços prestados a uma administração. A externa é realizada por profissionais liberais, sem vínculos com a organização a ser auditada 2,4,11. A implantação do processo de auditoria no Sistema Único de Saúde (SUS) ocorreu por meio da lei 8.080, de 19 de setembro de 1990, que estabeleceu a necessidade de criação do Sistema Nacional de Auditoria (SNA) como instrumento fiscalizador, atribuindo-lhe uma coordenação da avaliação técnica e financeira do SUS em todo o território. No entanto, a consolidação deste sistema ocorreu apenas em 27 de julho de 1993, pelo art. 6º da lei 8.689, e sua regulamentação se concretizou pelo Decreto n , de 28 de setembro de Em uma pesquisa realizada por Antonini 16 nas empresas privadas que prestam serviços de auditoria para as organizações de saúde, evidenciou-se que a estrutura de pessoal alocado nos setores de auditoria das mesmas é representada por diversos profissionais como médicos, enfermeiros, administradores, assistentes sociais, contadores, advogados, dentistas e psicólogos. Com isso, pode-se notar vários profissionais que exercem essa atividade, o que a caracteriza como multiprofissional. Tal informação coincide na área da saúde pública, também com a atuação de médicos, enfermeiros, assistentes sociais e, mais recentemente, odontólogos e farmacêuticos, na qual, no entanto, existem categorias como a fisioterapia, que ainda não atua nestas equipes, estando a fiscalização do exercício profissional e serviços prestados pelos fisioterapeutas, submetidos a auditorias realizadas por profissionais de outras categorias da área da saúde.

3 Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde 97 Segundo o Ministério da Saúde (MS), a fisioterapia é um procedimento que se enquadra no nível de média complexidade (MC) de atenção à saúde 17. De acordo com o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), a fisioterapia é uma ciência da saúde que estuda, previne e trata os distúrbios cinéticos funcionais intercorrentes em órgãos e sistemas do corpo humano, gerados por alterações genéticas, traumas e doenças adquiridas. De acordo com a Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, o processo de Auditoria em Fisioterapia visa assegurar a continuidade dos cuidados e corresponder aos requisitos legais, nos quais os processos clínicos devem ser pertinentes e corresponder à prática clínica 6. O presente trabalho serve de embasamento teórico, por meio da construção de argumentos que propõem reflexões para incentivar discussões no âmbito da Auditoria em Fisioterapia e, desta forma, auxiliar a regulamentação da atividade para os fisioterapeutas. Trata-se de uma revisão bibliográfica que tem como objetivo sistematizar o conhecimento sobre os fatores que podem justificar a participação do profissional fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde. MATERIAL E MÉTODOS Trata-se de uma pesquisa exploratória e com abordagem qualiquantitativa. A coleta de dados correspondeu ao período de abril a dezembro de 2009, estando o período de seleção dos artigos e documentos compreendido entre 1995 e 2009, com a inclusão de trabalhos nos idiomas português e espanhol. A revisão bibliográfica foi iniciada por meio do levantamento de artigos publicados nas bases de dados Lilacs e Scielo. Foram utilizados como outras fontes documentos eletrônicos e relatórios do Ministério da Saúde, da Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, da Sociedade Nacional de Auditoria, monografias e dissertações de mestrado relacionadas ao tema e resoluções dos conselhos federais das profissões de saúde e contabilidade. Como critério de seleção e análise dos artigos e documentos, considerou-se relevante a abordagem sobre as avaliações de um serviço ou sistema de saúde; o aumento na demanda de assistência e gastos com fisioterapia; a equipe multiprofissional na auditoria; o perfil e as características do auditor necessárias para o exercício da auditoria, além das atribuições do fisioterapeuta que se relacionem com habilidades de gestão inerentes a atividades de auditoria. As análises dos dados quantitativos, referentes a números de atendimentos e gastos ambulatoriais com fisioterapia, corresponderam apenas aos dados ambulatoriais do SUS, pelo Sistema de Informação Ambulatorial (SIA), devido a não-disponibilidade desses dados no Sistema de Informação Hospitalar (SIH). As palavras-chave utilizadas foram: auditoria, sistemas de saúde, fisioterapia e equipe interdisciplinar de saúde. De acordo com os critérios estabelecidos, foram selecionadas 8 monografias e dissertações, 18 artigos e 20 documentos eletrônicos. Dentre os fatores que podem justificar a participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde, definiu-se: os gastos ambulatoriais e aumento da assistência fisioterapêutica, o caráter multiprofissional da auditoria em saúde e o conhecimento específico necessário em auditoria de saúde versus a formação profissional do fisioterapeuta. Como limitação metodológica deste estudo, teve-se a escassez de trabalhos na área de auditoria em saúde e, sobretudo, a inexistência de literatura sobre auditoria em fisioterapia. RESULTADOS E DISCUSSÃO Gastos ambulatoriais e aumento da assistência fisioterapêutica A MC é definida pelo MS como as ações e os serviços que visam atender aos principais problemas de saúde e agravos da população, cuja prática clínica demanda disponibilidade de profissionais especializados e uso de recursos tecnológicos de apoio, diagnóstico e tratamento. A fisioterapia, por sua vez, encontra-se inserida no 10º grupo, referente aos serviços que compõem o SIA do SUS 17. A partir da coleta dos dados de assistência fisioterapêutica no SIA/SUS 18, a Tabela 1 permite comparar o comportamento das taxas de produção ambulatorial no Tabela 1. Evolução da assistência fisioterapêutica ambulatorial no SUS de Ano Total da produção ambulatorial por localidade Salvador Bahia Nordeste Brasil , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,062 Total , , , ,93 Fonte: Ministério da Saúde Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/ SUS).

4 98 Santos FC, Aleluia IRS, Santos IN, Moura LGF, Carvalho MA Tabela 2. Evolução dos custos com assistência Fisioterapêutica ambulatorial no SUS de Ano Total de custo por localidade Salvador Bahia Nordeste Brasil , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,41 Total , , , ,81 Fonte: Ministério da Saúde Sistema de Informação Ambulatorial (SIA/ SUS). município de Salvador, no estado da Bahia, na região Nordeste e no Brasil. No município de Salvador, a assistência fisioterapêutica apresentou crescimento gradativo com maior valor registrado em 2001, redução discreta nos anos posteriores, porém, mantendo valores ainda acima dos registrados em 1995 e A produção ambulatorial neste município, nos anos expostos acima, parece ser responsável por uma parcela considerável dos atendimentos de fisioterapia evidenciados no estado da Bahia. A Bahia se caracterizou com crescimento contínuo da assistência, maior pico em 2007 e significativa contribuição para o total de procedimentos evidenciados no Nordeste. A região Nordeste e o Brasil apresentaram aumentos importantes na assistência, com maior valor registrado também em Na Tabela 2, pode-se analisar o comportamento dos recursos públicos destinados ao financiamento da assistência com fisioterapia. Estão apresentados os valores brutos (em reais) pagos por sessão e compilados anualmente. Em Salvador, houve aumento considerável e maior valor evidente em No estado da Bahia, região Nordeste e no Brasil, os dados permitem evidenciar o quanto a fisioterapia contribui de forma significativa e crescente para os gastos com saúde. Diante de tais dados, é possível identificar que a fisioterapia demonstrou crescimento nos indicadores tanto de atendimento quanto de custos. Esses aumentos tornaram-se consideráveis, estando os aumentos dos custos estreitamente relacionados com a demanda da produção ambulatorial. Tais números servem para demonstrar a importância que esta especialidade tem assumido na assistência à saúde e como este serviço de MC consome altas parcelas dos recursos financeiros destinados à saúde pública, o qual, entretanto, ainda não conta com a participação do fisioterapeuta nas auditorias de saúde para que estas sejam mais criteriosas e específicas. Esses achados corroboram com trabalhos que consideram o aumento dos custos com saúde, uma preocupação tanto dos financiadores privados como do grande financiador público, pois estes gastos têm crescido em ritmo acelerado, sendo que uma parcela importante dos recursos é descentralizada e destinada para os serviços de média e alta complexidade, nos quais o atendimento ambulatorial se destaca como o principal responsável por esses aumentos Soma-se a isso, a necessidade crescente dos pacientes que precisam de atendimento fisioterapêutico no Brasil e o interesse na busca de soluções efetivas que, invariavelmente, passam pelas alternativas de reorganização das relações entre oferta e demanda dos recursos financeiros do SUS destinados às atividades de fisioterapia 21. Sobretudo, no SIA/SUS, encontram-se várias patologias e condições que se encaixam nas diversas áreas de domínio da fisioterapia, isto talvez venha contribuir para o aumento da demanda de atendimentos e custos que este serviço vem assumindo 22. Gil et al. por Correa 23 atentam para o desafio que tal especialidade representa na avaliação dos serviços de saúde ocupando lugar de destaque, pois, com o processo de globalização em curso, cresce a necessidade de cuidados e atenção à saúde por esta profissão. Portanto, torna-se relevante um controle rigoroso e mais específico dos recursos públicos destinados aos serviços de fisioterapia, desde que este seja exercido por um profissional desta categoria, a fim de verificar, de forma mais criteriosa, os fatores que agem nessa demanda bem como as estratégias de gestão que possam viabilizar maior qualidade na prestação deste serviço à população. Caráter multiprofissional da auditoria em saúde Considerando que a auditoria em saúde constitui uma importante ferramenta para controle e avaliação nas organizações de saúde, que visa a melhoria na qualidade e resolubilidade dos serviços prestados e que requer o conhecimento técnico de diversas profissões, isso tem tornado tal atividade um campo de saber e prática multiprofissional com considerável grau de complexidade A legitimidade desta informação é ratificada por meio das resoluções dos respectivos Conselhos Federais de algumas profissões que atualmente desempenham atividades de auditoria em saúde, e que enfatizam em seus incisos a importância da integração multiprofissional nesta

5 Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde 99 atividade. O Conselho Federal de Contabilidade (CFC), resolução nº 781/95, atenta para o relacionamento do auditor interno, afirmando que este pode realizar trabalhos de forma compartilhada com profissionais de outras áreas, situação em que a equipe fará a divisão de tarefas, segundo a habilitação técnica e legal de seus participantes 24. O Conselho Federal de Medicina (CFM), resolução nº 1.614, de 8 de fevereiro de 2001, afirma que o médico, na função de auditor, quando integrante da equipe multiprofissional de auditoria, deve respeitar a liberdade e independência dos outros profissionais 25. Concomitantemente, o Conselho Federal de Enfermagem, resolução nº 266/2001, que regulamenta as atribuições do enfermeiro auditor, ao designar sob o prisma ético, afirma que o mesmo deverá participar da interação interdisciplinar e multiprofissional, contribuindo para o bom entendimento e desenvolvimento da auditoria de enfermagem e auditoria em geral, contudo, sem delegar ou repassar o que é privativo do enfermeiro auditor. Este Conselho afirma ainda que, quando integrante da equipe multiprofissional, deve preservar sua autonomia, liberdade de trabalho, o sigilo profissional, bem como respeitar a autonomia e liberdade de trabalho dos membros da equipe 26. Por fim, o Conselho Federal de Farmácia, resolução nº 508/2009, que dispõe sobre o exercício do farmacêutico em atividades de auditoria, designa que compete a este profissional, na função de auditor líder, várias atribuições, destacando-se a de definir procedimentos, metodologias e técnicas a serem utilizadas na atuação da auditoria e a sua interação com os demais profissionais da equipe, no processo de organização e realização de auditorias 27. Corroborando com o que foi exposto, trabalhos demonstraram diversas categorias profissionais que desempenham a atividade de auditoria de saúde. Dentre os profissionais citados, encontram-se médicos, enfermeiros, odontólogos, contadores, administradores, assistentes sociais, advogados, psicólogos, dentre outros 3,4,7,16. Assim, pode-se notar que a complexidade da auditoria de saúde exige a articulação dos saberes diversos por meio da participação de diferentes profissionais. A relevância da integração multiprofissional nas auditorias de saúde é ilustrada pelos próprios auditores como sendo um ponto determinante para o bom desempenho da atividade. Pinto 7 retrata tal situação por meio de depoimentos de auditores da esfera estadual. Os depoimentos ratificam a predominância de profissionais médicos e de enfermagem exercendo as ações de auditoria. Porém, ressaltam a significância de todos os profissionais que executam o cuidado ao usuário, para que a respectiva auditoria corresponda à análise e emissão do parecer de cada um sobre sua especialidade. Os auditores consideram que, para auditar, é necessário ser perito no assunto que é objeto de análise, visto que sempre haverá necessidade de utilizar os conhecimentos provenientes da formação específica. No trabalho de Melo 4, auditores consideram fundamental uma equipe com diversas categorias da saúde, já que isto é um respaldo para que não haja exposições à tempestiva da lei, além de corresponder ao objetivo de melhorar o SUS. Considerando o caráter multiprofissional da auditoria em saúde, a interdisciplinaridade possibilita a prática de um profissional se reconstruir na prática do outro 21. Oliveira 28 considera que todo o trabalho de auditoria, desde seu planejamento até a emissão do relatório e o consequente acompanhamento dos resultados, deve ser multidisciplinar. Nas auditorias de saúde, Oliveira 28 e Caleman, Moreira e Sanchez 5 reconhecem que, na operacional, a fase de planejamento ganha relevância em virtude da necessidade de determinar seus objetivos e a formação da equipe de auditoria com especialistas em diversas áreas. Enquanto as analíticas são, no processo geral de auditoria, o conjunto de atividades desenvolvidas por uma equipe multidisciplinar, visando aprofundar as análises no sistema de atenção à saúde. A multiprofissionalidade em auditoria é defendida também por Antonini 16, o mesmo salienta a importância de indivíduos com diversas formações e especialidades compondo a equipe de auditoria em saúde, independentemente do auditor líder, não sendo, portanto, uma exclusividade médica. Soares 29 e Almeida et al. 21 defendem a inclusão do profissional fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria, enfatizando a qualidade das informações e consistência ao processo. O MS 30 define o prontuário médico-hospitalar como um documento referente à assistência médica prestada ao paciente que representa uma importante ferramenta para auditoria. Ressalta que sua análise deve ser de competência exclusiva dos médicos e da equipe de saúde, envolvendo a participação de vários profissionais de saúde. Em contraste, Pinto 7 caracteriza a auditoria em saúde como sendo atividade exercida predominantemente por médicos e outros profissionais de saúde, além do pessoal de apoio administrativo, porém, em outro momento, ressalva que a quantidade de diferentes profissionais contribui

6 100 Santos FC, Aleluia IRS, Santos IN, Moura LGF, Carvalho MA para a troca de conhecimentos e o bom desempenho na execução da tarefa. Camelo et al. 31 afirmam que a equipe de auditoria é composta por diferentes profissionais que realizam a análise qualitativa e quantitativa do prontuário previamente ao faturamento e posterior a ele, verificando as glosas efetuadas e redigindo relatórios finais para a tomada de decisões corretivas ou preventivas. Desta forma, essas resoluções e trabalhos servem para demonstrar que a auditoria em saúde é uma atividade complexa, caracterizada por particularidades de cada serviço avaliado, e que apresenta uma necessidade de atuação multiprofissional com todas as categorias da área de saúde. Todavia, alguns auditores que exercem essa função reconhecem o valor de cada profissional dentro da equipe, sendo que, a formação na área, é fundamental para uma auditoria criteriosa e com mais consistência. Conhecimento técnico versus formação profissional do fisioterapeuta A auditoria em saúde é algo que exige conhecimento técnico, pleno e integrado das diversas profissões 26,27. Corroborando com isto, as regulamentações para as profissões de Medicina, Odontologia, Farmácia e Contabilidade destacam questões acerca da capacidade técnica do auditor como um ponto importante no exercício da auditoria. O CFC ressalta que a amplitude e responsabilidade do auditor interno na execução dos trabalhos estão limitadas à sua área de atuação, assim como a utilização da equipe técnica supõe razoável segurança de que o trabalho venha a ser executado por pessoas com capacitação profissional e treinamento requerido nas circunstâncias e que o contador, na função de auditor, deve manter o seu nível de competência profissional pelo conhecimento atualizado (Resolução nº 781/95) 24. O CFM destaca em parágrafo único ser vedado ao médico, na função de auditor, transferir sua competência a outros profissionais, mesmo quando integrantes de sua equipe (Resolução nº 1.614, de 8 de fevereiro de 2001) 25. O Conselho Federal de Farmácia dispõe que dentre as competências do farmacêutico auditor estão as de executar as atividades de auditoria, dentro do seu objetivo, comunicando a quem de direito quando o assunto não for da sua alçada (Resolução nº 508/2009) 27. O Conselho Federal de Odontologia (CFO) descreve que é primordial à função de perito/auditor conhecimento técnico e humanístico, formação moral, discrição, idoneidade, imparcialidade, moderação e dignidade profissional em todas as circunstâncias, ficando sujeito o infrator às penas do código de ética odontológico (Resolução nº 20/2001) 32. A competência técnica e manutenção dos conhecimentos profissionais de auditores é um fator muito importante para as atividades de auditoria. Isto pode ser ilustrado a partir de uma pesquisa sobre os processos de educação continuada das equipes de auditoria do SNA, a qual ilustra a existência da capacitação contínua de seus auditores, o que possibilita talvez associar essa necessidade com o objetivo de melhorias qualitativas sobre a prática de avaliação do serviço ou sistema de saúde. Os resultados mostraram que, na esfera do Departamento Nacional de Auditoria (DENASUS), em 2006, houve quatro processos de educação continuada; na esfera estadual, cinco; e na municipal, dois, representando 11 processos de educação continuada 4. Entretanto, apesar de existirem processos de educação continuada, alguns auditores ressaltam a importância da competência técnica em auditoria e suas dificuldades para auditarem determinados serviços que não fazem parte da formação profissional. Tal situação é retratada por depoimentos que consideram amplas as exigências de conhecimento técnico, necessário nesta atividade, demonstrando, assim, a importância de associar a participação de várias categorias profissionais para que haja maior propriedade 1,4. Em outro depoimento, um auditor da esfera federal destaca a relevância da visão holística na auditoria de saúde, já que esta tem muito do conhecimento específico de cada profissão. Ressalta como pontos fundamentais a autonomia, formação e capacidade técnica, independência e ética 4. Sendo assim, percebe-se que estes depoimentos retratam desafios que auditores de saúde enfrentam por necessitarem de amplo conhecimento no âmbito da auditoria, principalmente com serviços que demandam o domínio técnico de outras profissões. Contudo, o COFFITO afirma que o profissional fisioterapeuta possui habilidades e competências para atuar multiprofissionalmente, interdisciplinarmente e transdisciplinarmente no desempenho das atividades de planejamento, organização e gestão de serviços de saúde público e privados, entre outras, além de assessorar, prestar consultorias e auditorias no âmbito de sua competência profissional. Também é ressaltado que estes profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho, dos recursos físicos, materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores ou exercerem lideranças na equipe de saúde.

7 Participação do fisioterapeuta na equipe multiprofissional de auditoria em saúde 101 Referente ao perfil do auditor, a Organização Internacional de Instituições Superiores de Auditoria (INTOSAI) 33, o SNA 34, o Controle Externo do Estado Espanhol 35 e outros trabalhos consideram habilidades essenciais a integridade, a independência, a soberania, a objetividade, a imparcialidade, a neutralidade política, o segredo profissional, o conhecimento e a competência técnica, a atualização dos conhecimentos técnicos, ética, dentre outros. Devendo o auditor manter sua competência técnica, atualizando-se quanto ao avanço de normas, procedimentos e técnicas aplicáveis à auditoria, no entanto, sem realizar trabalhos para os quais não possuam competência profissional 7,14, Ahlenius 33 afirma que, independentemente da natureza das auditorias, este trabalho deve ser executado por pessoas cuja formação e experiência sejam correspondentes à natureza desta tarefa. Soares 29 e Rocha, Filho e Santana 3 ressaltam que a auditoria é uma tarefa que requer conhecimentos específicos, realizada por pessoal capacitado, na qual as organizações precisarão se munir de profissionais cada vez mais qualificados na área. De acordo com a Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, o fisioterapeuta atualiza seus conhecimentos técnicos, planeja o seu desenvolvimento profissional contínuo e aprendizagem ao longo da vida 6. Contudo, nas atribuições do profissional fisioterapeuta, proposto pelo COFFITO, observa-se no inciso V e IX da lei 6.316, de 17 de dezembro de 1975, que este profissional está habilitado a desempenhar auditorias no âmbito de sua competência profissional. No entanto, as organizações que realizam auditorias em saúde e que deveriam priorizar auditorias de qualidade parecem se preocupar prioritariamente com auditorias de custo, pois não contam com a participação de todas as categorias de saúde remontando para questionamentos sobre qual seria a verdadeira validade, confiabilidade e qualidade das auditorias de fisioterapia, realizadas por equipes de profissionais que não detêm o conhecimento técnico referente à tal especialidade. Simultaneamente, as grandes parcelas de recursos públicos que atualmente financiam a assistência fisioterapêutica necessitam de análise mais holística, visto que o SUS e as organizações privadas prezam pela qualidade dos serviços prestados à população. Logo, a ausência do fisioterapeuta nas equipes de auditoria contribui para a escassez de respaldo técnico proveniente deste profissional, durante o desempenho das auditorias fisioterapêuticas 42,43. Diante destas informações, a avaliação da qualidade em saúde e a melhoria no desempenho dos cuidados com o paciente são consideradas dependentes da competência técnica do profissional que foi designado para mensurar e avaliar a efetividade dos serviços prestados, pois o processo de auditoria em saúde requer o conhecimento que o profissional tem sobre as informações relativas aos pacientes, sobre o serviço, a qualidade do atendimento e de como este utiliza a informação para mudar, direcionar sua prática e avaliar o desempenho da equipe 10. Considerando as auditorias de Fisioterapia, o fisioterapeuta seria o profissional com o conhecimento necessário para que esta apresente caráter mais específico, uma vez que estaria sendo executada por um profissional inserido no âmbito de sua competência técnica. CONSIDERAÇÕES FINAIS A Fisioterapia, como um procedimento de média complexidade, contribui significativamente para os gastos públicos por meio da assistência ambulatorial, o que justifica a implementação de sistemas de controle e avaliações mais específicos, exercidos por um profissional desta categoria, pois este possui o conhecimento técnico sobre os procedimentos prestados, que é necessário para melhor efetividade na identificação e prevenção de possíveis fraudes, perdas, malversação dos recursos e, sobretudo, garantir a qualidade da assistência prestada. Na saúde, a auditoria tem sido executada por diversos profissionais, evidenciando um caráter multiprofissional por envolver o conhecimento inerente a cada serviço auditado e, portanto, requer a participação de todas as categorias da saúde. No entanto, a auditoria, especificamente em Fisioterapia, vem enfrentando desafios, pois o COFFITO atualmente ainda não dispõe de uma regulamentação que atribua a esses profissionais o exercício de tal atividade, sendo, desta forma, necessário recorrer a profissionais com outras formações que não detêm o conhecimento técnico específico desta profissão. Levando em consideração as características essenciais no exercício da auditoria de saúde, tais como, a formação específica e a atualização dos conhecimentos profissionais, o fisioterapeuta é conhecedor das mais diversas áreas de atuação e técnicas empregadas em seu serviço e, portanto, é o mais capacitado para realizar de forma mais específica, criteriosa e efetiva a auditoria de Fisioterapia. Logo, é necessário que o COFFITO, junto aos setores de auditoria, tome conhecimento de tais dados e tente viabilizar a participação do profissional fisioterapeuta nas equipes de auditoria em saúde.

8 102 Santos FC, Aleluia IRS, Santos IN, Moura LGF, Carvalho MA REFERÊNCIAS 1. Souza J. A prática da auditoria de enfermagem no Estado de Santa Catarina: a percepção dos auditores a partir da análise do discurso do sujeito coletivo. Joaçaba: Universidade do Oeste de Santa Catarina Brito M, Ferreira L. A importância da auditoria interna na gestão estratégica dos custos hospitalares. Brasília: Universidade Católica de Brasília; Rocha EE, Filho IS, Santana TF. A Importância da auditoria no Sistema Único de Saúde SUS. Salvador: Universidade Federal da Bahia; Melo M. O Sistema Nacional de Auditoria do SUS: estruturação, avanços e força de trabalho. Ministério da Saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública; Caleman G, Moreira M, Sanchez M. Auditoria, controle e programação dos serviços de saúde. São Paulo: Instituto Para o Desenvolvimento de Saúde USP; Bettencurt C; Machado, IO; Fonseca, JP; Pascoalinho, j; Avillez, M; Murta, OItília, et al. Instrumentos de Auditoria aos padrões da prática. Associação Portuguesa de Fisioterapeutas, Barcelona Espanha, abril, 2005.Disponível em:< Acessado em: Pinto K. A prática da enfermeira em auditoria em saúde. Salvador: Escola de Enfermagem; Da Luz A, Martins AP, Dynewicz AM. Características de anotações de enfermagem encontradas em auditoria. Rev Elet Enfe; 2007; 9(2): Noronha F,. Auditoria odontológica em planos de saúde: a influência de um método padronizado de avaliação. [Dissertação] Universidade Federal Fluminense. 2003; 14(29): Kobus LSG, Dias JS. Dados Essenciais para Auditoria de Contas Médicas Hospitalares: experiências em Curitiba-PR. Paraná: Pontifícia Universidade do Paraná PUCPR; Brasil. Secretaria de Estado da Saúde. Superintendência de Controle e Avaliação Técnica de Saúde de Goiás. Manual de normas e procedimentos de auditoria. Goiânia: SES/SCATS; p. 12. Melo M, Aitisman J. Auditoria e avaliação no sistema único de saúde. São Paulo Persp. 2008;22(1): de Remor LC. Auditoria do SUS em Santa Catarina. Rev Saúde Publ. Santa Cat., 2008; Ferreira TS, Braga ALS. Auditoria de enfermagem: o impacto das anotações de enfermagem no contexto das glosas hospitalares Aquichan. 2009; 9(1): Fonseca AS, Yamanaka NMA, Barison THAS, Luz SF. Auditoria e o uso de indicadores assistenciais: uma relação mais que necessária para a gestão assistencial na atividade hospitalar. Mundo Saúde. 2005;29(2): Antonini B. Modelos de gestão de auditoria médica em organizações de saúde do estado de São Paulo Brasil. Fundação Getúlio Vargas, São Paulo; Brasil. Ministério da Saúde. O SUS de a a z : garantindo saúde nos municípios / Ministério da Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde. 3 ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de informática do SUS: produção ambulatorial do SUS. Sistema de Informação Ambulatorial do SUS SAI/SUS Disponível em: < htm:> Acessado em: Azevedo A. Avaliação do desempenho dos serviços de saúde. Rev. Saúde Pública.1991;25: Zucchi P, Del Nero C, Malik AM. Gastos em saúde: os fatores que agem na demanda e na oferta dos serviços de saúde. Saúde Soc. 1995;9(1/2): Almeida, D; Raggason, CAP; Lazarrotto, EM; Salmoria, JG. A gerência na ótica do fisioterapeuta. II Seminário Nacional Estado e Políticas Sociais no Brasil, UNIOESTE PR, out., Disponível em:< br/projetos/gpps/midia/seminario2/trabalhos/saude/msau03.pdf:>. Acessado em: Scatena J., Tanaka O. Utilização do Sistema de Informações Hospitalares (SIIH--SUS) e do Sistema de Informações Ambulatoriais (SIIA--SUS) na análise da descentralização da saúde em Mato Grosso. Informe Epidemiológico do SUS. 2001;10(1): Correa CPS. O repasse financeiro do ministério da saúde para a reabilitação motora é suficiente? O exemplo da cidade de Juiz de Fora/MG [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; Brasil. Conselho Federal de Contabilidade. Resolução CFC N.º 781/95. Aprova NBC P 3 Normas Profissionais do Auditor Intermno, 1995;. 25. Brasil. Conselho Federal de Medicina. Regulamentação da Auditoria Médica. Resolução CFM Nº 1.614, de 8 de fevereiro de Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN de Nº 266/2001. Dispõe sobre as atividades do Enfermeiro Auditor. Disponível em:< portalcofen.gov.br/node/4303:> Acessado em Conselho Federal de Farmácia. Resolução CFF nº 508/2009 DOU: Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no exercício de auditorias e dá outras providências; Oliveira A. Controle e auditoria governamental com enfoque em auditoria operacional. Brasília, outubro de Soares P. O perfil do médico auditor das Unimed do Rio Grande do Sul. Porto Alegre:Universidade Gama Filho/RJ, Universidade Unimed/MG; Brasil. Ministério da Saúde. Orientações técnicas sobre auditoria na assistência ambulatorial e hospitalar no SUS: caderno 3/Ministério da Saúde, Departamento Nacional de Auditoria do SUS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; Camelo S, Pinheiro A, Campos D, Oliveira TL. Auditoria de enfermagem e a qualidade da assistência à saúde. Rev Eletr Enf. 2009;11(4): Brasil. Conselho Federal de Odontologia. Resolução CFO-20/2001. Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa; Ahlenius I. Código de ética e normas de auditoria da Intosai. Comissão de Normas de Auditoria: XVI Congresso de da INTOSAI, Montevidéu, Uruguai; Melo M, Aitisman J. Auditoria e avaliação no sistema único de saúde. São Paulo Persp. 2008; 22(1): Sawyer L. La pratique de L auditi interne. Paris: Publiunion; Prado D, Souza DL, Almeida H, Amorim MAR, Araújo MAS, Simão NV, et al. Manual de normas de auditoria. Departamento de controle, avaliação e auditoria. Brasília: Ministério da Saúde; Marques M, Almeida J. Auditoria no sector público: um instrumento para a melhoria da gestão pública. Rev Cont Fin. 2004;35: Bugarim M. Princípios fundamentais e normas brasileiras de contabilidade de auditoria e perícia. Conselho Federal de Contabilidade. 2 ed. Brasília: CFC; Silva O, Cavalcanti A. Uma análise dos indicadores de gestão utilizados no setor público federal no Brasil [citado 2011 abr 04]. Disponível em: 40. Silva S. Comparação entre sistemas de serviços de saúde da Europa e o SUS: pontos para reflexão da agenda da atenção básica. Conasems Núcleo de Relações Internacionais; Preger CM, Berger I, de Fonte CAG, Mascarello HC. Perfil dos médicos auditores no estado do Rio Grande do Sul. Rev Ass Méd Bras. 2005;51(2): Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Código de ética profissional de fisioterapia e terapia ocupacional aprovado pela resolução COFFITO- 10 de 3 de julho de 1978.Disponível em: :http://www.coffito.org.br/publicacoes/ pub_view.asp?cod=937&psecao=9: Acessado em: Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Decreto lei n de 13 de outubro de Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, e dá outras providências. Disponível em:< coffito.org.br/publicacoes/pub_view.asp?cod=507&psecao=5:> Acessado em:

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS 14 AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Auditoria no SUS Adelina Maria Melo Feijão Águas

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 Ementa: Preenchimento de atestado médico por profissional de Enfermagem. 1. Do fato Questionamento de Enfermeiro sobre a possibilidade

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 007/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre o processo de elaboração de protocolos assistenciais. I Do Fato Trata-se de solicitação sobre a elaboração de protocolos assistências

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ

II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ 61 II ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAFIPA EIC ANÁLISE DAS ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO HOSPITALAR PRIVADA DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ IMADO, Mayara Keiko (FAFIPA). DERENZO, Neide (Orientador),

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica

Comitê de Especialistas em Enfermagem Obstétrica MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Área Técnica Saúde da Mulher Brasília, 10 de fevereiro de 2.000. Área Técnica da Saúde da Mulher Secretaria de Políticas de Saúde Comitê de Especialistas

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Enf.ª Danielle Perdigão

Enf.ª Danielle Perdigão Enf.ª Danielle Perdigão ORAÇÃO DO AUDITOR Senhor, Dai-me paciência para orientar os que erram por desconhecimento; Dai-me coragem para enfrentar os que fazem malversação dos recursos da saúde; Mas, sobretudo,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução

AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução AUDITORIA E REGULAÇÃO NO SUS SOLUÇÃO OU PROBLEMA? Sistema Nacional de Auditoria: Auditoria do SUS em Pernambuco e sua Evolução O que é Auditoria? Na área da saúde, a Auditoria para alguns autores, a exemplo

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1

GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZA-CEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 GASTOS PÚBLICOS NOS CENTROS ESPECIALIZADOS EM ODONTOLOGIA SITUADOS EM FORTALEZACEARÁ Cleonice Moreira Cordeiro 1 Introdução Vera Maria Câmara Coelho 2 O estudo analisou os gastos nos Centros Especializados

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

VER-SUS/BRASIL. Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde

VER-SUS/BRASIL. Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde VER-SUS/BRASIL Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde Objetivos Valorizar e potencializar o compromisso ético-político dos participantes no processo de implantação do SUS. Provocar

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE

A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE A INSERÇÃO DO PROFISSIONAL BIOMÉDICO NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO CONTEXTO DO PET/SAÚDE MAIA, Indiara da 1 ; RUCKERT, Tatiane Konrad 2 ; BARBOSA, Elisa Gisélia dos Santos 3 ; KAEFER, Cristina T.

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO HOSPITALAR: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL SÃO LUCAS Renata Pinto Dutra Ferreira Especialista Administração de Sistemas de Informação Instituto Presidente Tancredo de Almeida

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 115 16/06/11 Seção 1 - p.164 CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 387, DE 8 DE JUNHO DE 2011

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Alves Oliveira, Naiana; Ferreira Gomes, Sabrina Reseña de "A equipe multiprofissional

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA DIRETORIA DE AUDITORIA Art. 52 A Diretoria de Auditoria Médica compete, entre outras, as seguintes atribuições: I coordenar as ações do departamento

Leia mais

Ilustríssimo Coordenador Regional no Convênio PLANO PASA (Plano de Assistência à Saúde do Aposentado da Vale)

Ilustríssimo Coordenador Regional no Convênio PLANO PASA (Plano de Assistência à Saúde do Aposentado da Vale) OF/CRFa.6ª/COM/Nº 41/2014 Belo Horizonte, 30 de outubro de 2014. Ilustríssimo Coordenador Regional no Convênio PLANO PASA (Plano de Assistência à Saúde do Aposentado da Vale) De acordo com a lei 6.965

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil

1. Introdução: 2. Desafios da automação no Brasil A automação no processo produtivo: desafios e perspectivas Bruciapaglia, A. H., Farines, J.-M.; e Cury, J. E. R. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 1. Introdução:

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa nº 427, de 1º de março de 2013 "Dispõe sobre a regulamentação da Telessaúde em Fonoaudiologia e dá outras providências." O Conselho Federal de Fonoaudiologia no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL Curso de Especialização em GESTÃO EM SAÚDE MENTAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão em Saúde Mental. PERFIL PROFISSIONAL: Entender

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais