Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária. Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva"

Transcrição

1 Simulação da evolução da idade dos eqüinos através da cronometria dentária Adalgiza Souza Carneiro de Rezende Silvio Leite Monteiro da Silva Introdução A idade aproximada de um eqüino pode ser avaliada pelos dentes já que este é o indicador de maior precisão. Para entendermos as mudanças ocorridas na dentição é importante que tenhamos o conhecimento da fórmula dentária do eqüino e da anatomia de seu dente. Fórmula dentária dos eqüinos Macho adulto O macho adulto possui 40 dentes. Fêmea A fêmea adulta apresenta 36 dentes por não possuir os caninos. Raramente, podemos encontrar vestígios de caninos em fêmeas adultas. Potros Tanto machos quanto fêmeas possuem 26 dentes pois os caninos, os pré-molares da arcada inferior e os dois pré-molares da arcada superior são monofisários, isto é, o animal só possui os definitivos que nascem na idade adulta. Os demais dentes são difisários, ou seja, nascem os caducos que são trocados pelos definitivos. As diferenças entre os dentes de leite, também conhecidos como "caducos", e os dentes definitivos:

2 Os de leite apresentam coroa menor e mais clara, colo mais estreito e arredondado do que os definitivos. Além disso, podem apresentar estrias verticais amareladas na coroa. Anatomia dentária O atrito entre as arcadas superior e inferior provoca desgaste na mesa dentária (superfície do dente que entra em contato com a arcada oposta) e com o passar do tempo expõe as estruturas internas do dente. Estas modificações acontecem em idades bem definidas e provocam alterações na forma e desenho das estruturas que ficam expostas na mesa dentária. Essas alterações podem atrasar dependendo do manejo nutricional (tipo de alimento oferecido) que os animais forem submetidos durante sua vida. Exemplo: os animais criados em baia, com capim picado e ração farelada, mastigam menos os alimentos e portanto, tem menor desgaste dos dentes. A determinação da idade através da cronometria dentária é dividida em 7 fases que retratam todas as mudanças que acontecem na dentição dos eqüídeos:

3 1. Nascimento dos caducos. 2. Desgaste dos caducos. 3. Muda dos caducos para definitivos. 4. Desgaste dos definitivos até o rasamento (desaparecimento da cavidade dentária externa). 5. Desgaste dos definitivos até o nivelamento (aparecimento da cavidade dentária interna). 6. Triangulação (mesa dentária em forma de triângulo equilátero). 7. Biangulação (mesa dentária em forma de triângulo isósceles). É importante observar também que com o avançar da idade as arcadas vão se projetando para frente. 1º período Nascimento dos caducos. Forma elíptica dos incisivos. 7 dias. Nascimento das pinças. 1º Período. Nascimento dos caducos (forma elíptica dos incisivos). Nascimento das pinças: 7 dias. 30 dias. Nascimento dos médios. 1º Período. Nascimento dos caducos (forma elíptica dos incisivos). Nascimento dos médios: 30 dias.

4 6 meses. Nascimento dos cantos. 1º Período. Nascimento dos caducos (forma elíptica dos incisivos). Nascimento dos cantos: 6 meses. 2º período Rasamento dos caducos. Desaparecimento da cavidade dentária externa pelo desgaste e compressão dos dentes e forma ovalada dos incisivos. 1 ano. Rasamento das pinças. 2º Período. Rasamento dos caducos (desaparecimento da cavidade dentária externa pelo desgaste, compressão dos dentes e forma ovalada dos incisivos). Rasamento das pinças: 1 ano.

5 1,5 ano. Rasamento dos médios. 2º Período. Rasamento dos caducos (desaparecimento da cavidade dentária externa pelo desgaste, compressão dos dentes e forma ovalada dos incisivos). Rasamento dos médios: 1,5 ano. 2 anos. Rasamento dos cantos. 2º Período. Rasamento dos caducos (desaparecimento da cavidade dentária externa pelo desgaste, compressão dos dentes e forma ovalada dos incisivos). Rasamento dos cantos: 2 anos.

6 3º período Mudas. Mesa dentária elíptica. Entre 2,5 e 3 anos. Troca das pinças. 3º Período. Mudas (mesa dentária elíptica). Troca das pinças: entre 2,5 e 3 anos. Entre 3,5 e 4 anos. Troca dos médios. 3º Período. Mudas (mesa dentária elíptica). Troca dos médios: entre 3,5 e 4 anos.

7 Entre 4,5 e 5 anos. Troca dos cantos. 3º Período. Mudas (mesa dentária elíptica). Troca dos cantos: entre 4,5 e 5 anos. Entre 5 e 5,5 anos. Nascimento dos caninos nos machos. 3º Período. Mudas (mesa dentária elíptica). Nascimento dos caninos em machos: entre 5 e 5,5 anos.

8 4º período Rasamento dos dentes definitivos. Mesa dentária ovalada. 6 anos. Rasamento das pinças. 4º período. Rasamento dos dentes definitivos (mesa dentária ovalada). Rasamento das pinças: 6 anos. 7 anos. Rasamento dos médios. 4º período. Rasamento dos dentes definitivos (mesa dentária ovalada). Rasamento dos médios: 7 anos (presença da cauda de andorinha). 8 anos. Rasamento dos cantos. 4º período. Rasamento dos dentes definitivos (mesa dentária ovalada). Rasamento dos cantos: 8 anos.

9 5º período Nivelamento dos definitivos. Mesa dentária arredondada. 9 anos. Nivelamento de pinças. 5º período. Nivelamento dos definitivos (mesa dentária arredondada). Nivelamento de pinças: 9 anos. 10 anos. Nivelamento dos médios. 5º período. Nivelamento dos definitivos (mesa dentária arredondada). Nivelamento dos médios: 10 anos.

10 11 a 12 anos. Nivelamento dos cantos. 5º período. Nivelamento dos definitivos (mesa dentária arredondada). Nivelamento dos cantos: 11 a 12 anos. 6º período Triangulação. Mesa dentária em forma de triângulo equilátero. 13 anos. Triangulação das pinças. 6º período. Triangulação (mesa dentária em forma de triângulo equilátero). Triangulação das pinças: 13 anos.

11 14 anos. Triangulação dos médios. 6º período. Triangulação (mesa dentária em forma de triângulo equilátero). Triangulação dos médios: 14 anos. 15 a 16 anos. Triangulação dos cantos. 6º período. Triangulação (mesa dentária em forma de triângulo equilátero). Triangulação dos cantos: 15 a 16 anos.

12 7º período Biangulação. Mesa dentária em forma de triângulo isósceles. 17 anos. Biangulação de pinças. 7º período. Biangulação (mesa dentária em forma de triângulo isósceles). Biangulação de pinças: 17 anos. 18 anos. Biangulação dos médios. 7º período. Biangulação (mesa dentária em forma de triângulo isósceles). Biangulação dos médios: 18 anos. 19 anos. Biangulação dos cantos. Introdução Fórmula dentária dos eqüinos

13 Anatomia dentária

IDENTIFICAÇÃO DE EQUÍDEOS

IDENTIFICAÇÃO DE EQUÍDEOS l 22/08/11 IDENTIFICAÇÃO DE EQUÍDEOS PEDRO CHAGAS DE OLIVEIRA NETO FISCAL ESTADUAL AGROPECUÁRIO ZOOTECNISTA RESENHO DEFINIÇÃO RESENHO É UM MÉTODO DE IDENTIFICAÇÃO QUE CONSISTE NA ENUMERAÇÃO, SUCINTA, COMPLETA

Leia mais

{mosimage} Na prática os incisivos inferiores são os únicos considerados, por fornecerem indicação simples e na maioria das vezes seguras.

{mosimage} Na prática os incisivos inferiores são os únicos considerados, por fornecerem indicação simples e na maioria das vezes seguras. Determinar a idade de um cavalo/égua/potro é muito importante na hora da compra e venda, enfim na hora em que você precisa conhecer muito bem seu animal. Um cavalo adulto tem 40 dentes, a égua 36, sendo

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

Estimando a idade de um animal usando os dentes

Estimando a idade de um animal usando os dentes INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on-line em www.animal.unb.br em 13/12/2010 Estimando a idade de um animal usando os dentes Concepta McManus

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Estimativa da idade dos equinos através do exame dentário

Estimativa da idade dos equinos através do exame dentário ARTIGO DE REVISÃO R E V I S T A P O R T U G U E S A DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Estimativa da idade dos equinos através do exame dentário Estimation of horse age based on dental features M. Fraústo da Silva

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

"UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO".O que é a Odontopediatria?

UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO.O que é a Odontopediatria? "UMA BOCA SAUDÁVEL NA IDADE ADULTA DEPENDE DOS CUIDADOS QUE FOREM MANTIDOS DESDE O BERÇO".O que é a Odontopediatria? A Odontopediatria é uma especialidade dentro da Medicina Dentária que oferece aos bebés,

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente.

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente. PRÉ-MOLARES PRÉ-MOLARES Pré-Molares são conhecidos como pequenos molares bicuspidados, em número de quatro para cada arco, dois de cada lado da linha mediana chamados de primeiros e segundos prémolares;

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

Equideocultura. Roteiro de Aula eqüídeos existentes atualmente pertencem a três grupos distintos: cavalos, zebras e asnos (Groves e Ryder, 2000).

Equideocultura. Roteiro de Aula eqüídeos existentes atualmente pertencem a três grupos distintos: cavalos, zebras e asnos (Groves e Ryder, 2000). I - Capitulo Classificação Taxonômica: Reino: Animalia: Filo: Chordata: Classe: Mammalia: Ordem: Perissodactyla: Família: Equidae: Género: Equus: Espécie: equus Evolução: eqüídeos existentes atualmente

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte

Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte TRATAMENTO ENDODÔNTICO Fazendo de seu sorriso nossa obra de arte O D O N T O LO G I A E S T É T I C A R E S TAU R A D O R A O que é tratamento endodôntico? É a remoção do tecido mole que se encontra na

Leia mais

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Viseu, 6 de Novembro de 2008 Dentição Decidua UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Dentição Decidua Funções Fisiológicas Funções Fisiológicas Mastigação Formação de um plano

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Form. A2 / / Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. Data do desenho.

Form. A2 / / Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. Data do desenho. 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A A B B C C 1032 978 D D E E 1284 75 F F G G Form. A2 Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas H Data do desenho / / Codigo Des. H Data Revisão /

Leia mais

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal

Cronologia dental. Professor: Bruno Aleixo Venturi. Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Cronologia dental Professor: Bruno Aleixo Venturi Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Anatomia dental A Anatomia dental é um segmento dedicado ao estudo da estrutura dental

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Tiririca) Institui a Política Nacional de Redução de Perdas e Desperdício de Alimentos e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui

Leia mais

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate

06/06/2014. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate. Manejo de suínos do nascimento ao abate Considerações no pré-parto: Limpeza e desinfecção da maternidade Verificar condições do escamoteador suinesp@gmail.com Ao nascimento Secar o leitão Principalmente boca e narinas Evitar perda de T C corporal

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Elementos para a diagnose do sexo e idade em carcaças de bovinos. Elements for the diagnosis of sex and age of bovine carcasses

Elementos para a diagnose do sexo e idade em carcaças de bovinos. Elements for the diagnosis of sex and age of bovine carcasses ARTIGO DE OPINIÃO R E V I S T A P O R T U G U E S A DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Elementos para a diagnose do sexo e idade em carcaças de bovinos Elements for the diagnosis of sex and age of bovine carcasses

Leia mais

DECRETO Nº 1.255 DE 25 DE JUNHO DE 1962

DECRETO Nº 1.255 DE 25 DE JUNHO DE 1962 1 DECRETO Nº 1.255 DE 25 DE JUNHO DE 1962 Altera o Decreto nº 30.691, de 29 de março de 1952, que aprovou o Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal. Art. 1º - Fica alterado

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 4º ANO

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 4º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 4º ANO 2010 Questão 1 PROVA DE CIÊNCIAS 4 ANO Boa alimentação

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

Regulamento. Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos. Freguesia de Santa Cruz. Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118

Regulamento. Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos. Freguesia de Santa Cruz. Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118 Regulamento Registo, Licenciamento e taxas de Cães e Gatos Freguesia de Santa Cruz Rua 12 de Março Santa Cruz 5110-503 Armamar NIF 506 894 118 1 Regulamento Registo e Licenciamento de Cães e Gatos Art.

Leia mais

Vizinho Seu José, isto vai ser muito difícil de conseguir; melhor o senhor comprar outros porcos com esse jeitão.

Vizinho Seu José, isto vai ser muito difícil de conseguir; melhor o senhor comprar outros porcos com esse jeitão. Exercício 1: (UFSC 2010) Seu José da Silva, um pequeno criador de porcos do Oeste do Estado de Santa Catarina, desejando melhorar a qualidade de sua criação, comprou um porco de raça diferente daquela

Leia mais

Anatomia Individual dos Dentes

Anatomia Individual dos Dentes CAPÍTULO 2 Anatomia Individual dos Dentes OBJETIVOS Identificar e descrever os acidentes anatômicos de cada um dos dentes permanentes e decíduos típicos Descrever cada uma das faces da coroa de cada dente

Leia mais

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica A Declaração Universal dos Direitos dos Animais e o aumento da consciência ecológica 1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida. 2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à protecção do homem

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Tipo do produto: Plano de aula e Relatório 1 IDENTIFICAÇÃO NOME

Leia mais

TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS

TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS Marisa Meira Assim como não existe a escola ideal para todas as crianças, também em muitos casos será preciso trocar de escola. Apresentamos abaixo

Leia mais

Derrotar o cancro do útero

Derrotar o cancro do útero Portuguese translation of Beating cervical cancer The HPV vaccine questions and answers for parents of girls in Year 9 Derrotar o cancro do útero A vacina HPV perguntas e respostas para os pais de jovens

Leia mais

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO Elaine Gomes Vieira 1, Guilherme Vidigal Bello de Araújo 2, André Luiz

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 186 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS RÉPTEIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Répteis do latim REPTARE= RASTEJAR. Têm cerca de 7 mil espécies. Surgiram há cerca de 300 milhões de anos. Vivem em ambientes terrestres (secos) ou alguns são aquáticos.

Leia mais

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060 Página 0001 de 0004 1º Período Não VET 3177-04S-20 - Anatomia Veterinária I 80 - - 080 6487-02S-20 - Bem-Estar Animal 20 20-040 BIO 0167-02S-20 - Bioestatística 40 - - 040 FAR 0534-04S-20 - Bioquímica

Leia mais

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia

Atividade extra. Questão 1. Questão 2. Ciências da Natureza e suas Tecnologias Biologia Atividade extra Questão 1 O pesquisador Carlos Lineu nasceu na Suécia, em 1707. Ele descreveu milhares de espécies, incluindo a espécie humana. Fonte: Ciências da natureza e suas tecnologias Biologia 1.

Leia mais

A. CARACTERÍSTICAS GERAIS

A. CARACTERÍSTICAS GERAIS INCISIVOS A. CARACTERÍSTICAS GERAIS Os dentes incisivos, também chamados de cuneiformes ou espatulados, são as peças situadas na parte mediana dos arcos dentais. A. CARACTERÍSTICAS GERAIS O nome incisivo

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo 066/2010 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E ETENSÃO 1. Instruções 1 Deverão ser entregues 2 (duas) cópias impressas e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

1º simulado de Redação 2016. Professora Carolina Ferreira Leite

1º simulado de Redação 2016. Professora Carolina Ferreira Leite 1º simulado de Redação 2016 Professora Carolina Ferreira Leite A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo

Leia mais

Operadoras juridicamente independente do hospital. SIM ou NÃO?

Operadoras juridicamente independente do hospital. SIM ou NÃO? Operadoras juridicamente independente do hospital. 22/07/2015 Dr. Ruy Nogueira Costa Filho Superintendente da Santa Casa Saúde de Piracicaba Diretor Técnico da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual / Critérios de avaliação. Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual / Critérios de avaliação Disciplina: Estudo do Meio 2.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade/ tema) Subdomínio/Conteúdos Metas de Aprendizagem Estratégias/

Leia mais

PLANO DE ENSINO - 1º/2014

PLANO DE ENSINO - 1º/2014 PLANO DE ENSINO - 1º/2014 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia Disciplina: Endodontia Carga Horária: 60h/a Professora: Dra. Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento E-mail: patriciaruizspyere@hotmail.com

Leia mais

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA

TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA Prémio Ortodontia 2015 TRAUMATISMO DENTÁRIO EM DENTIÇÃO DECÍDUA UM CASO CLÍNICO DE TRAÇÃO ORTODÔNTICA ARTIGO VENCEDOR RESUMO Os traumatismos em dentição decídua poderão afetar a dentição permanente, afetando

Leia mais

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Projeção Perspectiva Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Definição Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo; O desenho, para transmitir essa mesma idéia,

Leia mais

Form. A2 / / 778 D. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas SEÇÃO A-A ESCALA 1 : 5. Codigo Des.

Form. A2 / / 778 D. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas SEÇÃO A-A ESCALA 1 : 5. Codigo Des. 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A 176 597 776 1196 A 55 B B C C 1032 D 978 778 D 128 107 A 488 E E 198 290 A 75 F 513 762 1115 1283 F 28 15 G G 15 Form. A2 H SEÇÃO A-A ESCALA 1 : 5 Este desenho contem informação

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

Form. A2 / / 371,214 19,500 SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 R12. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des.

Form. A2 / / 371,214 19,500 SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 R12. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A 371,214 A A B 19,500 B B B C 949 864 270 C D D E E 85 40 58 F SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 F 15 15 30 13 40 R12 G R8 G Form. A2 Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas

Leia mais

Form. A2 / / 592,500 371,214 286,500 SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 R12. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des.

Form. A2 / / 592,500 371,214 286,500 SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 R12. Este desenho contem informação que não podem ser rasuradas ou alteradas. Codigo Des. 1 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 A 592,500 371,214 A A B B B B C 949 864 270 C D D E E 85 20 286,500 40 58 45 F SEÇÃO B-B ESCALA 1 : 2 F 15 15 30 10 13 40 R12 G R8 G Form. A2 Este desenho contem informação que

Leia mais

AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes)

AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes) AULA_04 - Modelagem features básicas sólidos de revolução (protusões e cortes) Observação: Os passos 1 a 5 podem ser iguais aos abordados na AULA_03 Modelagem features básicas sólidos extrudados (protusões

Leia mais

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos

Philatécnica. versão em Português, por Ricardo Feliberto. Definitivos Philatécnica Álbum de Selos do Brasil versão em Português, por Ricardo Feliberto Definitivos www.philatecnica.com.br: Todos os direitos reservados. O titular dos Direitos Autorais licenciou a presente

Leia mais

AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 2 Padrão FCI N o 186 02/09/2009. Padrão Oficial da Raça

AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 2 Padrão FCI N o 186 02/09/2009. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 186 02/09/2009 Padrão Oficial da Raça AFFENPINSCHER Esta ilustração não representa necessariamente o exemplo

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 2.º ANO/EF 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 2.º ANO/EF 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA CIÊNCIAS 2.º ANO/EF 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados na

Leia mais

O FORMATO DO PÃO. (Francisco Tejero)

O FORMATO DO PÃO. (Francisco Tejero) O FORMATO DO PÃO (Francisco Tejero) No processo de panificação uma vez a massa dividida em bolas e depois de descansar, a etapa seguinte é o formato das peças. Esta operação consiste em dar forma simétrica

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 580, DE 2015 (Do Sr. João Campos)

PROJETO DE LEI N.º 580, DE 2015 (Do Sr. João Campos) *C0051825A* C0051825A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 580, DE 2015 (Do Sr. João Campos) Dispõe sobre a regulamentação da profissão de vaqueiro DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento

6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6. Erosão. Início do transporte sólido por arrastamento 6.1. Introdução A erosão consiste na remoção do material do leito pelas forças de arrastamento que o escoamento provoca. O oposto designa-se por

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PARANÁ, LOCALIZADA

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO)

ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO) ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO) A maioria das pessoas não-alérgicas a picadas de insetos geralmente apresentam uma reação papulosa no local da picada do inseto. A pápula surge em 5 a 20 minutos

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

Leia com atenção o texto a seguir para responder às questões de TRÁFICO DE ANIMAIS

Leia com atenção o texto a seguir para responder às questões de TRÁFICO DE ANIMAIS 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades Integradas (revisão) Matemática e Ciências Nome: 1 a 4. Leia com atenção o texto a seguir para responder às questões de TRÁFICO DE ANIMAIS 1 (...) O tráfico

Leia mais

HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO

HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO Genética Animal - Herança 1 HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO Os cromossomos sexuais não são completamente homólogos, e portanto devese esperar que os padrões

Leia mais

DESAFIOS PARA A FUNDAMENTAÇÃO CIENTÍFICA DA LEGISLAÇÃO DE BEM-ESTAR ANIMAL

DESAFIOS PARA A FUNDAMENTAÇÃO CIENTÍFICA DA LEGISLAÇÃO DE BEM-ESTAR ANIMAL II Congresso Internacional Transdisciplinar de Proteção à Fauna, Goiânia-GO 25 e 26 de Abril de 2013 DESAFIOS PARA A FUNDAMENTAÇÃO CIENTÍFICA DA LEGISLAÇÃO DE BEM-ESTAR ANIMAL Mateus Paranhos da Costa

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0) 3º Bimestre A - Introdução Neste bimestre começamos a estudar o reino animal com toda sua fantástica diversidade.

Leia mais

Lista de material Pequeninos (3 anos)

Lista de material Pequeninos (3 anos) Lista de material Pequeninos (3 anos) 1 Capa de elásticos grossa com: Lápis de cera grossos Lápis de cor Tesoura de bicos redondos e sem bonecos 1 Embalagem de plasticina 1 Espelho de bolso 1 Caderno de

Leia mais

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago

Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Sistema Digestório - Boca, Faringe e Esôfago Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional III juliana.pinheiro@kroton.com.br O Sistema Digestório consiste em um tubo que se inicia na boca e termina no

Leia mais

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês

Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês Busca constante por qualidade e segurança. Programa nutricional específico para o Bulldog Inglês A Royal Canin impõe padrões extremamente rigorosos para garantir condições sanitárias ideais em suas fábricas.

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

ESTE DOCUMENTO IMPRESSO É CÓPIA DE TRABALHO

ESTE DOCUMENTO IMPRESSO É CÓPIA DE TRABALHO 1/6 S U M Á R I O 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÕES 3. DESCRIÇÃO DO PADRÃO DE TRABALHO 4. RELATO PARA O COMITÊ DE AUDITORIA DA ARCADIS 5. PRAZO, REGISTRO E ENDEREÇO 6. CONFIDENCIALIDADE E PROTEÇÃO LEGAL 7. DATA

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345

Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 Acesse as lâminas digitalizadas dos casos do fórum de lâminas no site: patologiadigital.no-ip.org/casecenter User: patologiaveterinaria Senha: 12345 #Caso 1 1. Identificação do animal: ovino, fêmea, dois

Leia mais

Petição de Marca Manifestação (Em Processo de Registro)

Petição de Marca Manifestação (Em Processo de Registro) 850150223558 01/10/2015 17:24 00.000.2.3.15.0734183.2 Petição de Marca Manifestação (Em Processo de Registro) Número da Petição: Número do Processo: 850150223558 909019371 Ato publicado na RPI nº: 2326

Leia mais

Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. Grupos/espécies. Legenda de pistas

Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. Grupos/espécies. Legenda de pistas Atividade 7: Em busca dos répteis perdidos. O professor deverá recortar as pistas e os cartões das 3 espécies de répteis presentes neste jogo. As pistas deverão ser colocadas em envelopes marcados de acordo

Leia mais

Prefácio. A seguir destacamos as principais alterações introduzidas nos regulamentos:

Prefácio. A seguir destacamos as principais alterações introduzidas nos regulamentos: Prefácio Prezados Criadores e Expositores A ASPACO, com objetivo de possibilitar cada vez mais a transparência, visibilidade e livre concorrência entre os participantes do RANKING CABANHA DO ANO ASPACO,

Leia mais

1ªCategoria: com 24 meses completos e menos de 30 meses (CABRESTO)

1ªCategoria: com 24 meses completos e menos de 30 meses (CABRESTO) RAÇA CRIOULA CAMPEONATO INCENTIVO (A) Animais até 24 meses MACHOS CAMPEONATO POTRANCO MENOR 1ªCategoria: com 24 meses completos e menos de 30 meses (CABRESTO) 2ªCategoria: com 30 meses completos e menos

Leia mais

BINGO ESCOLAR ANIMAIS VERTEBRADOS PEIXES ANFÍBIOS RÉPTEIS AVES MAMÍFEROS. São animais que possuem coluna vertebral com raras exceções.

BINGO ESCOLAR ANIMAIS VERTEBRADOS PEIXES ANFÍBIOS RÉPTEIS AVES MAMÍFEROS. São animais que possuem coluna vertebral com raras exceções. 1BINGO ESCOLAR ANIMAIS VERTEBRADOS INSTRUÇÕES DE USO: Acertar cada cartela em uma página e visualizar a impressão. Cuidado para não dividir as cartelas durante

Leia mais

Cuidados e recomendações TOP WESTIES

Cuidados e recomendações TOP WESTIES w w w.. c o m ÍNDICE Introdução... 3 Vermifugação... 4 Vacinas... 5 Doenças... 6 Alimentação... 7 Pulgas e carrapatos... 8 INTRODUÇÃO Este documento serve para mostrar e orientar os donos e futuros donos

Leia mais

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat. A Declaração Universal dos Direitos do Animal foi proclamada na UNESCO em 15 de Outubro de 1978. 1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida. 2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à proteção

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.316, DE 2012 (Do Sr. Eros Biondini)

PROJETO DE LEI N.º 4.316, DE 2012 (Do Sr. Eros Biondini) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.316, DE 2012 (Do Sr. Eros Biondini) Altera a redação do 1º do art. 13 da Lei nº 11.265, de 3 de janeiro de 2006, que regulamenta a comercialização de alimentos

Leia mais

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Informações sobre a cirurgia

CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA. Informações sobre a cirurgia CIRURGIA DE RINOSSEPTOPLASTIA Informações sobre a cirurgia P: A RINOSSEPTOPLASTIA DEIXA CICATRIZES? R: Certos narizes permitem que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos,

Leia mais

DECRETO Nº 16.366 DE 16 DE OUTUBRO DE 2015

DECRETO Nº 16.366 DE 16 DE OUTUBRO DE 2015 DECRETO Nº 16.366 DE 16 DE OUTUBRO DE 2015 Altera o Regulamento da Lei nº 10.431, de 20 de dezembro de 2006 e da Lei nº 11.612, de 08 de outubro de 2009, aprovado pelo Decreto nº 14.024, de 06 de junho

Leia mais

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto

O que está escrito no DESENHO. Professora Tatiana Comiotto O que está escrito no DESENHO Professora Tatiana Comiotto A desenho da criança É feito por prazer; Para encontrar seu equilíbrio afetivo; Exprime o que ela está sentindo; Cada detalhe é importante para

Leia mais