A INSERÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INSERÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA."

Transcrição

1 A INSERÇÃO DO ASSISTENTE SOCIAL NA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA. FABIOLA MONTEIRO 1 Resumo Este artigo trata da importância da inserção do profissional do Serviço Social na equipe do Programa de Saúde da Família (PSF). Toma como ponto de partida o papel fundamental desempenhado por este profissional, uma vez tendo este a preocupação com o social do usuário, o qual não foge a questão da promoção da saúde. Uma série de fatores influenciam diretamente nas questões da saúde, entre eles a questão social, sendo relevante o conhecimento e o trabalho com o grupo social em que são registrados os principais casos de doenças, exemplificando com os dependentes químicos, as crianças e os idosos. Destaque também para os aspectos históricos, culturais e sociais de tais grupos, sendo esses fatores consideráveis. Nesse panorama de atenção primária à saúde, a inserção do assistente social, que por meio de instrumentos técnicos de trabalho, é desempenhar um papel mais direcionado ao acompanhamento individual e comunitário aos que vivem em situação de risco e vulnerabilidade social. A inserção do Serviço Social na equipe do PSF permite uma conotação social, fator este capaz de favorecer a propagação ou o controle de doenças. PALAVRAS CHAVE: Programa da Saúde da Família, Serviço Social, Equipe Multidisciplinar. 1- INTRODUÇÃO No âmbito da saúde pública faz-se necessário abordar aspectos referentes ao Programa Saúde da Família (PSF) e a inserção do Serviço Social nesse contexto. Haja vista que a inserção do serviço social no referindo programa deve-se, principalmente, em função das demandas dos usuários na dimensão social. Dessa forma o assistente social trabalhará diretamente com o usuário, através de instrumentos técnicos como o cadastro sócio-econômico, a visita domiciliar, conhecendo assim a realidade social do indivíduo que pode ser fator determinante na contração da enfermidade. Em consequência, o assistente social, juntamente com os demais integrantes da equipe do PSF contribuem na definição e implementação de ações transformadoras. 1 Assistente Social graduada pela Faculdade Salesiana de Vitória/ES no ano de 2006 e aluna do Curso de Pós Graduação em Saúde da Família da Faculdade de Medicina de Campos/RJ.

2 Hoje, o PSF é um programa multiprofissional e seus usuários são pessoas que têm problemas de âmbito físico ou mental e, sobretudo na dimensão social. Desta forma, a valorização do trabalho multiprofissional está pautada a partir da compreensão do conceito integral de saúde, pois o trabalho em equipe tem o objetivo de garantir a integralidade da atenção e a resolutividade da unidade Saúde da Família (SILVA, 2002). Objetiva-se neste estudo, analisar e identificar as práticas e o processo de trabalho do serviço social no PSF, bem como os instrumentos utilizados por estes profissionais no Programa para discutirmos a necessidade da inserção efetiva do Assistente Social na equipe básica de saúde. A metodologia empregada neste, centra-se em uma pesquisa de cunho bibliográfico. Destaca-se a relevância desse estudo ao enfocar a inserção do Assistente Social no Programa de Saúde da Família e destacar que tal fator é de suma importância, pois esse profissional tem uma prática socializadora, com uma visão da atenção integral, sendo propositivo, proporcionando aos indivíduos meios de enfrentamento para os seus problemas relacionados à saúde, a partir da prevenção e educação em saúde. Nesse contexto os indivíduos das famílias são considerados como cidadãos que tem direito social a serem concretizados. 2- O SERVIÇO SOCIAL E SUA INSERÇÃO NO PSF De acordo com Vieira (1988) o Serviço Social no Brasil, enquanto profissão tem sua origem, aproximadamente, na década de 20 e surgiu vinculado à doutrina da Igreja Católica e do Estado. Neste período os benefícios concedidos aos necessitados não se configuravam como direito social; era de cunho assistencialista relacionado à benevolência/caridade praticados pela militância feminina da Igreja Católica. Segundo Iamamoto e Carvalho (1998), no ano de 1936 surge a primeira Escola de Serviço Social em São Paulo e no ano de 1937 o Instituto Social no Rio de Janeiro. O Serviço Social neste período têm como fundamento fazer com que o homem perceba a importância de sua adaptação na sociedade produtiva. O Serviço Social é

3 chamado a contribuir para a harmonia da sociedade, sendo o Assistente Social um mediador que busca a adaptação do homem diante das mudanças do mundo moderno, tendo como propósito atender as necessidades sociais dos indivíduos, atuando nas sequelas desencadeadas pelas desigualdades sociais decorrentes da consolidação do capitalismo monopolista. Segundo Iamamoto e Carvalho, (1991) o Serviço Social inserido na saúde curativa, atuava dentro de uma perspectiva de ajuda e caridade, e suas ações estavam pautadas na abordagem individual cuja diretriz utilizada era o Serviço Social de caso. A intervenção do Assistente Social estava sintonizada com o projeto de saúde vigente, centrado na concepção da cura, não havendo discussão em torno do processo de prevenção das doenças. Konopla (1973, p.43) ao definir o Serviço Social de Grupo, traz como conceito: [...] é um método do Serviço Social que ajuda os indivíduos a melhorarem a sua atuação social através de objetivas experiências de grupo e a enfrentarem, de modo mais eficaz, os seus problemas pessoais, de grupo ou de comunidade. Isso significa que se baseia na competência que o assistente social desenvolveu por meio de seu treinamento e educação e que se interessa por saúde mental e problemas sociais. Os seus beneficiários são os doentes e os sãos. As entidades em que é praticado abrangem os amplos setores da saúde, da educação e das organizações de bem-estar. A intervenção do Assistente Social baseada nos Métodos Clássicos (caso, grupo, comunidade), segundo Aguiar (1982) se apoiava no pensamento positivista (funcionalismo), visando reintegrar o homem na sociedade, compreendendo que a mesma é harmônica e funcional (tem lugar para todos). Sendo assim, não tinha porque o indivíduo se rebelar contra a situação que se encontrava. Portanto, nesta visão independente da área de atuação, o Assistente Social trabalhava buscando a reintegração do homem à sociedade. O conceito de Desenvolvimento de Comunidade proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) de acordo com Vieira (1998, p. 249) estabelece que: "O termo ingressou na linguagem internacional para designar os esforços da população, aliados aos do governo, para melhorar a situação econômica, social e cultural de suas comunidades, integrá-ias na vida da nação e torná- Ias capazes de contribuir decisivamente ao processo nacional. Esta maneira

4 de proceder se compõe de dois elementos essências: participação do povo nos esforços para elevação do seu nível de vida, baseado na sua própria iniciativa, e fornecimento de assistência técnica e de outros serviços para desenvolver essa iniciativa; a ajuda mútua e a assistência podem ser expressas em programas visando a uma grande variedade de campos de melhoramento". O Serviço Social de Comunidade vai aderir essas reformas junto ao sistema capitalista, trabalhando na mesma concepção do Serviço Social de Caso e de Grupo, entendendo que as pessoas são disfuncionais e geram tensão na sociedade. Assim, a solução encontrada é preparar as pessoas para que possam usufruir das políticas sociais. De sua origem até a década de 60, o Serviço Social não rompeu com o conservadorismo, nem com o ethos religioso presente desde o seu surgimento. O processo de crítica existente no Serviço Social a partir da década de 60 no dizer de Netto (2002) foi abortado em 64 pelo regime militar, neutralizando os protagonistas comprometidos com o processo de democratização do país. Os profissionais do Serviço Social que se posicionavam de maneira mais crítica, frente ao contexto histórico que vivenciavam, buscaram ruptura no pós-64. Neste sentido, Bravo (1996, p.84) destaca: O Serviço Social, enquanto profissão histórica e socialmente determinada sofreu profundas modificações no pós-64, que tiveram rebatimento na prática do Assistente Social da Saúde, com novas exigências advindas da política de saúde e da reorganização institucional do setor, dos movimentos sociais e da conjuntura em questão. Essas alterações foram ocorrendo articuladas às transformações vividas pelo país, da ditadura a transição política. Segundo Netto (2002), Movimento de Reconceituação foi um movimento essencialmente latino-americano e teve como fundamento a crítica ao conservadorismo (Neotomismo/Positivismo) que permeia a prática profissional desde o seu surgimento. O objetivo desse movimento é romper com essa vertente conservadora. Porém, tem suas particularidades de acordo com o contexto político, social e econômico de cada país. Em virtude do Brasil, ter sido o primeiro país da América Latina a implementar o governo militar e ter definido os rumos de reconceituação no país, Netto (2002)

5 prefere utilizar o termo renovação do Serviço Social, ao se referir ao movimento brasileiro. O autor, ainda estabelece certa diferença entre Reconceituação (Movimento originado na América Latina) e Renovação (Movimento tipicamente Brasileiro). Para um melhor entendimento do Movimento de Renovação, buscamos nos orientar através de Netto (2002, p.131) que o define, esclarecendo: Entendemos por renovação o conjunto de características novas que, no marco das contrições da autocracia burguesa, o Serviço Social articulou à base do rearranjo de suas tradições e da assunção do contributo de tendência do pensamento social contemporâneo, procurando investir-se como instituição de natureza profissional dotada de legitimação prática, através de respostas a demandas sociais e da sua sistematização, e de validação teórica, mediante a remissão às teorias e disciplinas sociais. No Brasil, de acordo com Netto (2002), o Movimento de Renovação ocorre no pós 64, num contexto marcado pela repressão, decorrente da ditadura militar, aliado a necessidade da reorganização do Estado e a pauperização das classes trabalhadoras. Diante este clima autoritário, os assistentes sociais, recorreram a discussões voltadas enfaticamente para a metodologia profissional, onde segundo a expressão utilizada pelo intelectual, os Assistentes Sociais acabam "caindo num metodologismo, esboçado no documento de Araxá (1967) e Teresópolis (1970). Apesar de não acontecer à ruptura com o Serviço Social "tradicional" (termo adotado por Netto), o Movimento de Renovação marca a profissão de forma significativa: tem-se um redirecionamento na formação de seus profissionais. De acordo com Neto (1989), na "autocracia Burguesa", o Serviço Social se renova, passa a incorporar novos referenciais teórico-culturais e ideológicos. Esta renovação se traduz em três direções: modernizadora, reatualização do conservadorismo e intenção de ruptura. O processo da Renovação na direção Modernizadora gerou um mercado nacional de trabalho para os assistentes sociais, conforme relata Bravo (1996). Segundo a autora o modelo adotado no pós 64 teve fortes rebatimentos na profissão, sendo aprovado no ano de 1972 o Plano Básico de ação do Serviço Social na Previdência, que visava definir a política de ação do Assistente Social, onde o profissional

6 inserido no sistema previdenciário passa a atuar, focando duas áreas: a da saúde e a do trabalho e previdência. Para Bravo (1996) o Assistente Social no âmbito da Saúde, nesta época, exercia sua prática desenvolvendo atividades educativas, no intuito de promover a proteção e recuperação da saúde, aos beneficiários e seus dependentes, nos locais de atendimento via INPS. A autora relata que o Serviço Social no setor da saúde recebe influências da modernização efetuadas no âmbito das políticas sociais. Sua ação era efetivada na prática curativa, especialmente na assistência médica previdenciária, que se constituiu como o maior empregador de profissionais, sendo enfatizada em suas ações técnicas de intervenção, a burocratização das atividades, a psicologização das relações sociais, a concessão de benefícios dentro da visão positivista onde estes eram tidos como benevolência e não como direito. A intelectual completa afirmando que o Serviço Social na saúde sofre as influências da modernização que foram efetivadas no âmbito das políticas sociais, concretizando sua ação profissional a nível da saúde curativa, especialmente no campo da assistência médica previdenciária, sendo que esta passava a ser o maior empregador de profissionais. O Serviço Social não priorizou a sua ação na saúde pública, conforme afirma Bravo (1996), em que seu trabalho foi realizado com ênfase nas técnicas de intervenção, na burocratização de suas atividades, na psicologização das relações sociais, na concessão de benefícios prevaleceu o caráter assistencialista em sua atuação. Apesar do Serviço Social, no âmbito da saúde, realizar vários congressos, buscar a reflexão, através da discussão de sua prática, não conseguiu romper com o conservadorismo e nem dar à profissão um viés mais crítico, pois neste período grandes partes dos profissionais encontravam-se vinculados ao Estado, num regime totalitário. A partir da segunda metade da década de 70 o Serviço Social sofre influência da fenomenologia e do marxismo. Na direção da reatualização do conservadorismo, o Serviço Social através da vertente fenomenológica, assim como do neotomismo e do positivismo, também

7 adotou a abordagem individual, visando à transformação da pessoa. Neste sentido a fenomenologia no Serviço Social tem como pano de fundo o conservadorismo, que provocou um retrocesso para o Serviço Social e também foi um dos pontos que impediu o processo de ruptura. Na terceira direção conhecida como intenção de ruptura, os Assistentes Sociais utilizavam o referencial marxista. Netto (2002) afirma que a conhecida vertente marxista não recorreu à fonte original, se direcionou através de manuais de divulgação, de qualidade duvidosa, ou por versões contagiadas por uma ideologia neopositivista que não eram compatíveis com os escritos de Marx. Como resultado desde ecletismo, a profissão se defronta com três situações: a recusa à "importação de teorias", o confusionismo ideológico e o reducionismo próprio ao ativismo político. Apesar de Netto (2002) fazer uma critica, colocando todos os equívocos da profissão neste movimento, o autor considera que é neste contexto que se formam as bases de modernidade, introduzindo na profissão a matriz marxista. Segundo Yazbek (2003), na década de 80, o Brasil viveu um grave quadro social, resultante da crise econômica interna e externa e do descontrole governamental frente às mazelas sociais decorrentes da acumulação do capital. Neste período o processo de redemocratização da sociedade brasileira abre espaço para a sociedade civil e as organizações sociais se manifestarem. Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, segmentos da sociedade civil começam a participar das decisões e prioridades das políticas públicas. O Serviço Social a partir da década de 80 começa a questionar sua prática e requerer espaços de participação.passa a ser um elaborador das Políticas Sociais, e diante da necessidade também busca implementar um projeto profissional que ganha o formato do Projeto Ético-Político da categoria na década de 90. Podemos ainda identificar, como marcos históricos que traduzem as mudanças na profissão, à revisão curricular em 1982 e criação do Novo Código de Ética de Yamamoto (2004) relata que o Serviço Social na contemporaneidade assume uma visão mais crítica da sociedade, direcionado pela matriz marxista, (direcionamento

8 este quase que hegemônico na profissão), dando um salto de qualidade, reorientando as bases da profissão e se autoqualificando para dar respostas às demandas postas pelos usuários de seus serviços, bem como, para atender as necessidades das instituições nas quais estão inseridos. No âmbito da saúde, o Assistente Social acompanha o movimento da sociedade, atuando com a promoção da saúde preventiva. O assistente social precisa, segundo lamamoto (2004), ser parte e expressão da sociedade onde está inserido. Necessita, portanto compreender e decifrar a realidade em sua totalidade, para então em consonância com o Código de Ética, de fato, se comprometer efetivamente com a classe subalternizada. Na visão de Barbosa, Cardoso, Almeida (1988) e lamamoto (2004), os conflitos societários não esgotam as possibilidades para o profissional do Serviço Social. Assim, é extremamente importante que o Assistente Social possua um conhecimento amplo sobre as políticas sociais e, que nesse caso especifico, compreenda as particularidades da política da saúde, interesse maior dessa pesquisa, para dar respostas efetivas em sua prática profissional. Ainda de acordo com lamamoto (2004), o profissional deve ter claro que a demanda a ser trabalhada por ele deve estar relacionada com as múltiplas expressões da questão social, decorrente das desigualdades sociais, sendo que essas expressões são seu objeto de trabalho. O enfrentamento para estas demandas será através das políticas sociais, instrumento privilegiado para a atuação profissional, almejando assim que os usuários tenham acesso aos direitos sociais vigentes, significando este o produto do trabalho do assistente social. Sobre o processo de trabalho do Assistente Social na saúde, segundo Costa (2001, p.45) "as atividades do serviço social estão prioritariamente concentradas nos seguintes campos de atividades de eixos de inserção do trabalho profissional que se relacionam intimamente com as requisições", sendo elas: AÇÕES DE CARÁTER EMERGENCIAL - Voltadas para agilizações de consultas, exames, internamentos, tratamentos, obtenção de vale transporte,

9 medicamentos, dentre outros. Requer a mobilização e a articulação de recursos humanos e materiais dentro e fora do sistema público e privado de saúde. EDUCAÇÃO E INFORMAÇÃO EM SAÚDE - Esta atividade se dá através das orientações e informações sobre a saúde, tanto individual quanto coletiva, principalmente quando se trata de epidemias e endemias. PLANEJAMENTO E ASSESSORIA - Tais atividades são ações voltadas para o processo de reorganização do trabalho no SUS. Tem como finalidade qualificar os recursos humanos na esfera operacional da unidade além de instrumentalizar a formação de equipes de acordo com as novas exigências técnicas do modelo em curso. MOBILIZAÇÃO DA COMUNIDADE - Ações educativas, voltadas para sensibilização, politização e mobilização da comunidade em função da instalação e funcionamento dos conselhos de unidade distrital, municipal e estadual de saúde. Entretanto, o Assistente Social na saúde encontra grandes desafios, pois se a saúde coletiva a partir da Constituição de 1988 adquire caráter universal, garantida como direito de todos de forma integral, ao mesmo tempo se observa, que com a implementação do Projeto Neoliberal no governo Collor de Mello (1990 a 1992) aprofundado no Governo Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2003), os recursos destinados para as políticas sociais foram reduzidos, refletindo diretamente na saúde. Segundo Barbosa, Cardoso e Almeida (1988), independente do campo de atuação que o Assistente Social está inserido, a sua intervenção incide em dois planos de ação: no campo da legislação social, trabalhando com as políticas sociais, garantindo o acesso de seus usuários a bens materiais, como: cestas básicas, medicamentos entre outros e no plano imaterial. A intervenção do assistente social é realizada através de ações voltadas para a mobilização de valores, no universo das relações sociais que a população está inserida, nos movimentos associativos,

10 possibilitando o acesso a informação, a cultura; promovendo a mudança de comportamento dos usuários visando a emancipação desses sujeitos. A precarização do trabalho se consolida no Brasil, com o aprofundamento do capitalismo, com os novos modelos de produção, que privilegiam intensamente o capital, repercutindo negativamente, provocando perdas significativas nos direitos trabalhistas da classe operária. Neste sentido Abramide e Cabral 2 (2003) descrevem: A ofensiva neoliberal no Brasil inicia-se no final do governo Sarney e perpassa os governos Collor e Itamar, aprofundando-se e consolidando-se com FHC (1994/2002). Sua implantação vem imprimindo uma política monetarista com ajustes econômicos efetivados com base na oferta monetária, na privatização de estatais e de serviços públicos rentáveis, no corte nos gastos sociais, até com demissão de trabalhadores em serviço público, na transferência de renda e de patrimônio público para o setor do capital privado, na quebra de monopólios com a entrada do capital estrangeiro, na privatização de setores estratégicos associada à internacionalização (petróleo, telecomunicações, siderurgia, mineração), na sobrevalorização da taxa cambial, na mercantilização de políticas sociais, acompanhada da refilantropização na área da assistência, nas políticas sociais compensatórias, em substituição a políticas sociais de caráter universal; na privação de direitos sociais (educação, saúde, previdência, assistência) e na desregulamentação de direitos sociais e trabalhistas. O neoliberalismo consubstancia o Estado mínimo para os trabalhadores e o Estado ampliado para o capital, em que os interesses privados sobrepõem se aos interesses públicos, de caráter universal. Segundo Antunes (2000) foi principalmente a partir do final dos anos 70 e início da década de 1980 que surge o modelo, de produção Taylorista e a era da acumulação flexível, resultante da necessidade do capital avançar em seu ciclo reprodutivo e fortalecer o projeto de dominação capitalista, que perdeu forças no modelo de produção fordista/taylorista. Sobre estas transformações no modo de produção do mundo do trabalho, e como estas refletem na vida dos trabalhadores, Antunes (2000, p.15) apreende: As modificações ocorridas pela diferenciação dos processos de trabalho na produção: fordismo, taylorismo e toytismo, ou acumulação flexível, pressupõem, na ordem do capital, formas diferenciadas de exploração, culminando na acumulação flexível, cujas repercussões profundas afetam a 2 Informações sobre a produção dos autores disponível no site: <http://www.ergonomianotrabalho.com.br/artigos/acumulacao.pdf> (acesso em 07/08/09 às 19:47hs)

11 "objetividade e subjetividade da classe-que-vive-do-trabalho,e, portanto, a sua forma de ser". O contexto da reestruturação produtiva no Brasil é marcado pela crise econômica, recessão, queda significativa do consumo, pois o país ainda vive um processo de democratização, decorrente do regime totalitário que vigorou no período de 1964 a 1980, ocasionando o agravamento dos problemas sociais. Este quadro provoca a precarização do mundo do trabalho, refletindo também nos trabalhadores do Serviço Social. Andrade (2000) pontua que como qualquer trabalhador inserido neste contexto os profissionais do Serviço Social também são afetados pelas injunções do mundo do trabalho, sofrendo as conseqüências da precarização, decorrente da reestruturação produtiva e se encontram diante um quadro de "ameaça de desemprego, precarização das relações de trabalho, flexibilização dos contratos de trabalho, o fetiche do mercado e do dinheiro, as exigências da polivalência, da multifuncionalidade, da qualificação e do desenvolvimento de novas habilidades". (ANDRADE, 2000, p.179). Resultante desta desregulamentação do mundo do trabalho, Antunes (2000, p.61-62) destaca como características da precarização: "alta rotatividade no trabalho, flexibilidade numérica, empregados em tempo parcial, casuais, trabalhadores com contrato por tempo determinado, temporários, subcontratados, instabilidade no emprego, trabalhador autônomo, enfraquecimento dos sindicatos, etc.... Com relação a estas novas exigências do mundo do trabalho Antunes (2000, p. 61) afirma: [...] em decorrência da criação dos "trabalhadores multifuncionais", introduzidos pelo toyotismo, é relevante lembrar que esse processo também significou um ataque ao saber profissional dos trabalhadores qualificados, a fim de diminuir seu poder sobre a produção e aumentar a intensidade do trabalho. Diante esse contexto o Assistente Social é um profissional que está no mercado, vendendo sua força de trabalho, enfrenta as injunções do mundo do trabalho, como qualquer outro trabalhador, cuja profissão é seu meio de sobrevivência e necessita

12 capacitar-se, desenvolver novas habilidades para se inserir ou manter-se no mercado de trabalho. Segundo Dutra (et all 1999), espera-se que o PSF se converta em uma estratégia organizadora dos Sistemas Municipais de Saúde, diante esta expectativa necessitase compreender que qualquer processo que envolva transformações em instituições deve considerar as pessoas que nela trabalham e dela fazem parte. Neste sentido torna-se imprescindível a qualificação do quadro de funcionários, preparando-os através do aperfeiçoamento, da aquisição de novas habilidades e do conhecimento, visando mudanças de atitudes e comportamento, como forma de atender e adaptar estes funcionários as proposta do programa. Sendo assim a área de Recursos Humanos (RH) é essencial na implementação e direção desta ação que somente acontecerá mediante mudanças de níveis comportamental, cultural e técnico. Conforme Dutra (et all 1999), as Secretarias Municipais de Saúde ao assumirem a Saúde da Família como estratégia, reconheceram ser necessário investir na área de desenvolvimento, pelo fato de seus profissionais trabalharem a partir de uma formação especializada, quando a Saúde da Família requer prática generalista, atividades em equipes multidisciplinares, respeito com os diversos saberes e comprometimento com o resultado do trabalho. Camarano 3 (1998) esclarece que o contrato por prazo determinado não deve exceder o período de dois anos, tendo a data de início e término pré-fixadas; sendo que a empresa, após a rescisão do contrato, necessita aguardar durante seis meses para celebrar um novo contrato com o mesmo trabalhador. Esta flexibilização tem ocasionado especialmente para os profissionais da saúde, a precarização das condições de trabalho destes funcionários, que vivenciam um quadro de instabilidade em sua vida privada, gerando tensão emocional, insegurança em sua vida profissional. Seu trabalho é interrompido, descontinuado, 3 Mais informações sobre o autor, consultar site <http://www.sinpro-rs.org.br/extra/set98/capa1.htm> (acesso em 10/08/09, às 21:35h).

13 trazendo prejuízos para a população usuária que não consegue criar vínculos com os profissionais, pois mesmo quando o contrato é renovado, muitas vezes o profissional não permanece no mesmo local de trabalho, quebrando o elo profissional/comunidade, elemento essencial para o PSF. CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando que vivemos em um contexto com profundas transformações societárias, o grande desafio colocado aos Assistentes Sociais em seu trabalho no PSF não é diferente daquele com o qual se deparam todos os profissionais que lidam com as múltiplas expressões da questão social: vivenciamos um contexto que Netto (1996) define como de transformações societárias, cujas repercussões rebatem diretamente no cotidiano dos usuários atendidos pelas diferentes políticas sociais, entre elas o PSF, ou seja, há um crescente aviltamento das condições de vida da população, como resultado, inclusive, da concretização dos princípios neoliberais. Tal realidade socioeconômica das famílias é acompanhada bem de perto pela equipe do PSF, pela própria proposta do programa, que de acordo com o Ministério da Saúde, entende-se como um caminho para reorganizar a atenção básica, em uma concepção de saúde centrada na promoção da qualidade de vida. Claramente que não se trata de uma assistência precária para os pobres, mas com o intuito de construir um novo modelo de assistência no país, uma vez investindo na atenção primária, na prevenção e promoção à saúde. Dessa forma o PSF se constituirá na porta de entrada do Sistema Único de Saúde (BRASIL, 1994). Uma vez mantido esse contato in loco com os problemas, principalmente através das visitas domiciliares, a equipe multidisciplinar mantem-se situada no cotidiano de vida das famílias, do vínculo que os profissionais estabelecem com a comunidade, fortalecendo o PSF como ponto de partida para a efetivação da Política de Saúde. Um fator considerável é que ao lado deste processo paulatino de empobrecimento da população, ocorre ainda, a precarização e enxugamento das políticas públicas

14 em todo o país, especialmente às de assistência social. Isso também expressa a fragilidade das ações intersetoriais, pois inexiste uma política articulada entre os vários setores da gestão (sendo esta uma realidade da maioria dos municípios do país), o que acaba por comprometer o trabalho realizado pelo PSF, já que, na concepção ampliada de saúde, a atuação isolada da equipe de saúde da família não faz sentido, sendo a ação intersetorial fundamental para lidar com as questões vivenciadas pela população. Recomenda-se assim o fortalecimento do atendimento em rede entre as políticas, principalmente a de Saúde (SUS) e a de Assistência Social (SUAS), através do trabalho multidisciplinar que favorece os encaminhamentos precisos das demandas diagnosticadas pela equipe e, consequentemente a diminuição da problemática. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, D.B.M. O. Processo de Reestruturação Produtiva e as Novas Demandas Organizacionais do Serviço Social. In mod. 4. O Trabalho do Assistente Social e as Políticas Socias. CEFSS-ABEPSS-CEAD/NED-UNB. Brasilia, BARBOSA, R.N.C.,CARDOSO,F.G.,ALMEIDA,N.L.T. A Categoria de trabalho e o trabalho do assistente social. In: Serviço social e sociedade. São Paulo: Cortez,1998. BRASIL. M. S. Gestão municipal de saúde: textos básicos. Rio de Janeiro: Brasil. Ministério da Saúde, BRAVO, Maria Inêz S. As políticas brasileiras de seguridade social. In: Capacitação em serviço social e política social. Módulo 3, Brasília: UnB, CARVALHO, B. M. ; M G. B.; e C. JR, A Organização do Sistema de Saúde no Brasil, ANDRADE In: Base da Saúde Coletiva. Londrina: UEL, VASCONCELOS, Eymard Mourão. Educação Popular e a atenção a saúde da família. 2ª ed. São Paulo: Hutec, 2001.

15 COSTA, M.D.H. O trabalho dos serviços de saúde e a inserção dos assistentes sociais. In: Serviço Social & Sociedade, nº 62, São Paulo: Cortez. Março/2001. DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA DAB, Atenção Básica Saúde da Família, Ministério da Saúde. Brasil - Governo Federal. IAMAMOTO, M.V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 7. ed. São Paulo: Cortez, MARTINS, V. B. Conselho Federal de Serviço Social. Resolução n 383 de 29 de março de MINAYO, M. C. S., Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 1. A Implantação da Unidade de Saúde da Família, Brasília, NETTO, J.P. Ditadura e Serviço Social. Uma Analise do Serviço no Brasil Pós 64. São Paulo, Cortez, Cap. 2 A renovação do Serviço Social sob a Autocracia Burguesa NETTO,J.P. Capitalista Monopolista e Serviço Social. 2ª Ed.São Paulo: Cortez, RIZZINI, I.; CASTRO, M. R.; SARTOR, C. Pesquisando... Guia de Metodologia de pesquisa para programas sociais. Rio de Janeiro: ed. Universitária Santa Úrsula, SANTOS, M.A. A Reestruturação Produtiva e seus impactos na saúde do trabalhador. Serviço social e sociedade nº 82, São Paulo: ed. Cortez, p.77, SARRETA, F. O. O serviço social na saúde pública: o SUS de Franca. In: I Simpósio Sobre Saúde Pública Brasil e Mundo, Jun, Franca: UNESP; 2004, p

16 SOUZA, D. G. A inserção do assistente social no programa de saúde da família. In: Anais da 3 Semana de Serviço Social. Passos: UEMG/ FASESP, YAZBEK, M. C. Os fundamentos do Serviço Social na contemporaneidade. In: Capacitação em serviço social e Políticas Sociais modulo 4, Brasília, CEAD, UNB, SOUZA FILHO, R. M. de. Revista Espaço Acadêmico Ano III - N. 36 Maio de 2004 Mensal ISSN A flexibilização da Legislação do Trabalho no Brasil. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/036/36csouza.htm>. Acesso em 10/08/2009 às 21:35hs. PUCCA JR, G. Revista Espaço Acadêmico Ano I N. 02 Julho de 2001 Mensal ISSN Programa de Saúde da Família. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/002/02pucca.htm>. Acesso em 10/08/2009 às 20:15hs.

Serviço Social e Saúde: espaços de atuação a partir do SUS

Serviço Social e Saúde: espaços de atuação a partir do SUS Serviço Social e Saúde: espaços de atuação a partir do SUS Tânia Regina Krüger Professora do DSS/UFSC Texto de subsídio para a organização do Seminário Estadual na Saúde Promoção: DSS/UFSC, CRESS e SMS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2

Elaine Lourenço 1 Betânia Freitas 2 O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF), NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS) E SUA INTERFACE COM O PROGRAMA DE ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUS) Elaine

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS

OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS OS SABERES E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DOS ASSISTENTES SOCIAIS Autoras: Eliana Andrade da Silva(DESSO-UFRN) e Priscilla Gracia do Nascimento (UFRN) RESUMO Esta investigação objetiva

Leia mais

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO

PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO PARA ALÉM DOS CONFLITOS: UM ESTUDO SOBRE O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AOS IMPACTOS DAS RELAÇÕES ENTRE CAPITAL E TRABALHO Christiani Cassoli Bortoloto Lopes Marilia Borges Claudia Debora Picolli Claudimara

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1

EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 EVASÃO ESCOLAR: UMA EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA ESCOLA 1 KAEFER, Carin Otília 2 ; LEAL, Francine Ziegler 3. 1 Resultado de projeto de extensão do Curso de Serviço Social da UNIFRA. 2 Orientadora/

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o 1 DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Iris de Lima Souza 1 A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o fazer profissional do Assistente Social, é parte de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O Assistente Social como trabalhador da saúde

O Assistente Social como trabalhador da saúde III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Taciani Pelizaro Cintra O Assistente Social como trabalhador da saúde RESUMO: Este trabalho visa mostrar a trajetória e a importância do trabalho

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT

SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL ABSTRACT SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL Sofia Laurentino Barbosa Pereira 1 Simone de Jesus Guimarães 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo fazer uma revisão teórico-crítica acerca do Serviço Social no campo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE Profª Drª: Jussara Maria Rosa Mendes Professora do Curso de Serviço

Leia mais

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL

I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL I- SEMINÁRIO ESTADUAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seguridade Social e Projeto Ético Político Profissional: desafios aos Assistentes Sociais da Previdência Social Ana Maria Baima Cartaxo Professora

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

ALBERGUE NOTURNO FREDERICO OZANAM: ESPAÇO DE EFETIVAÇÃO DA CIDADANIA

ALBERGUE NOTURNO FREDERICO OZANAM: ESPAÇO DE EFETIVAÇÃO DA CIDADANIA ALBERGUE NOTURNO FREDERICO OZANAM: ESPAÇO DE EFETIVAÇÃO DA CIDADANIA Área: Serviço Social Categoria: EXTENSÃO Maria Fátima Balestrin Faculdade Guairacá, Guarapuava PR, maria.balestrin@ig.com.br Cristiane

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Serviço Social e Projeto Ético-político: desafios à categoria profissional 1 Mileni Alves Secon 2 1- Introdução: O Serviço Social e contradição

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Período: 1º Curso: Serviço Social Disciplina: FILOSOFIA (5279) Carga Horária: 60h EMENTA

Período: 1º Curso: Serviço Social Disciplina: FILOSOFIA (5279) Carga Horária: 60h EMENTA 1 Período: 1º Disciplina: FILOSOFIA (5279) Filosofia: origem e conceito. Noções introdutórias: problema, reflexão, crítica, ideologia, teoria e práxis. Homem e sociedade: dimensão antropológica, social

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Alessandra dos Santos; Jussara Ferreira de Sousa Projeto Reconstruindo o fazer profissional : uma análise acerca de sua efetivação RESUMO:

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1

A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 A INTERFACE ENTRE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL: SUBSÍDIOS PARA ALGUMAS REFLEXÔES NA PERSPECTIVA DE SEGURIDADE SOCIAL Karen Ramos Camargo 1 Resumo: O presente artigo faz parte do trabalho de conclusão do

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA LEGIÃO DA BOA VONTADE - LBV Apresentador: Jordana Oliveira OLIVEIRA, Jordana 1. KRAVICZ, Gisele Ferreira 2. TRENTINI, Fabiana Vosgerau. 3 RESUMO:

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS TÍTULO: O SERVIÇO SOCIAL NA ÁREA PRIVADA E A ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADSSMT01 A INSERÇÃO DOS ALUNOS NOS CAMPOS DE ESTÁGIO ENQUANTO ESPAÇO DE INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL - UFPB /BRASIL Ana Karolynne de Lima Freitas (1), Dalliana Ferreira Brito (1), Flávio

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem.

O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. O SUS que nos queremos...alocação de Recursos Humanos de Enfermagem. Os profissionais enfermeiros nas instituições públicas de saúde têm importante papel sobre as decisões relacionadas à assistência aos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO

BOA SORTE! Não deixe de preencher as informações a seguir. Nome. Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição AATENÇÃO FUNDAÇÃO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Não deixe de preencher as informações a seguir. Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF Nº de Inscrição ASSISTENTE

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO COLETIVO NA ENFERMARIA DE ORTOPEDIA DO HOSPITAL ESTADUAL PEDRO II Elzimar de Souza, Luciana Vieira e Nícia Geiger e Souza 1 RESUMO: Este artigo nos remete a uma discussão acerca

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: DOCENTES DE ENFERMAGEM NUMA ABORDAGEM DAS POLÍTICAS DE SAÚDE. Lídia Dalgallo Zarpellon* Resumo: O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão da importância do envolvimento

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:27 7//1 19:7 Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Curso: 19 Serviço Social Currículo: 9/1 1 FIL.1.-9 Filosofia e Teoria do Conhecimento II Ementa: Correntes filosóficas que subsidiam as Ciências Sociais:

Leia mais

3. Experiências de Reformas Administrativas

3. Experiências de Reformas Administrativas A Máquina Administrativa no Brasil: da Burocracia à New Public Management 3. Experiências de Reformas Administrativas - 1930/45 A Burocratização da Era Vargas. - 1956/60 A Administração Paralela de JK.

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013.

REVISTA SABER ACADÊMICO N 16 / ISSN 1980-5950 SQUIZATTO, E. P. S. 2013. 86 Artigo original A PRÁXIS PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SQUIZATTO, E. P. S. 1 Nome Completo Ediléia Paula dos Santos Squizatto Artigo submetido

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à elaboração de propostas de intervenção na área social e ao trabalho com famílias, julgue os itens seguintes. 51 O trabalho social com famílias deve embasar-se

Leia mais

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.

¹Assistente Social da Associação Reviver do Portador do Vírus HIV, graduada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. IX Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria¹ BONOMETO, Tatiane Caroline² PREUSS, Lislei Teresinha³ Apresentador (a): Tatiane Caroline

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO CAPITAL, MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS REBATIMENTOS PARA O SERVIÇO SOCIAL

REESTRUTURAÇÃO DO CAPITAL, MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS REBATIMENTOS PARA O SERVIÇO SOCIAL REESTRUTURAÇÃO DO CAPITAL, MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS REBATIMENTOS PARA O SERVIÇO SOCIAL Kleylenda Linhares da Silva 1 RESUMO O artigo trata do contexto no qual se desenvolveu a crise do capital,

Leia mais

Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social

Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social A formação acadêmica em Serviço Social e a contrarreforma do Estado em tempos de crise do capital ANGELY DIAS DA CUNHA Aluna de Graduação

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: reflexão sobre algumas de suas premissas

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: reflexão sobre algumas de suas premissas ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: reflexão sobre algumas de suas premissas Ana Kelen Dalpiaz 1 Nilva Lúcia Rech Stedile 2 RESUMO Este texto objetiva abordar, por meio de análise documental, a Estratégia de

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO

O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO O SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO E OS REBATIMENTOS DAS TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS: A DIMENSÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO Evelyn Secco Faquin Resumo: O presente trabalho tem como objeto o Serviço Social brasileiro,

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito

CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito PROAC / COSEAC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2008 e 1 o semestre letivo de 2009 CURSO de SERVIÇO SOCIAL NITERÓI - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais