O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP"

Transcrição

1 O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP Reinaldo de Araújo Medeiros * Marcos Roberto Buri (UNINOVE/FACEQ) ** Resumo: Este é um estudo que versa sobre a gerencia multidisciplinar de um pronto socorro. Foi realizado um estudo de caso para definir um panorama atua e propor mudanças. Para tanto, a pesquisa foi realizada em duas partes: a primeira foi uma pesquisa de campo com sessenta funcionários do Pronto Socorro Central de Itapevi e na seqüência foi realizado um estudo bibliográfico, baseados em autores que versam sobre a administração de empresa e gestão de pessoas. No presente estudo, buscou-se compreender, baseado nas teorias administrativas, como a gestão do pronto socorro poderia trabalhar no sentido de melhorar a gestão das pessoas e processos. A partir da pesquisa de campo e com os dados tabulados foi possível explorar cada item citado, ao total onze itens, desta forma foi possível sugerir o uso de ferramentas administrativas para melhorar a qualidade do ambiente organizacional e tarefas realizadas. Neste sentido, ao analisar os resultados obtidos concluímos que a gestão administrativa hospitalar do pronto socorro é eficiente necessitando de reavaliação em alguns processos, entre eles a liderança, motivação e o clima organizacional devem ser trabalhados para suprir as necessidades de melhoria da unidade de saúde. Para tanto se faz necessário o líder ter uma liderança direcionada para as pessoas e uma gestão participativa ativa. Palavras-chave: Liderança. Motivação. Gestão de pessoas. Ambiente organizacional. Abstract: * Bacharel em Administração pela Faculdade Eça de Queirós. ** Possui graduação em Administração de Empresas - Faculdades Integradas Campo Salles (1996). Com especialização em Engenharia de Produção (2002) - Universidade São Judas Tadeu e Mestrado em Engenharia de Mecânica - Universidade de Taubaté (2006). Atualmente é professor da Faculdade Eça de Queirós e Universidade Nove de Julho no curso de Tecnologia de Gestão da Qualidade. 1

2 This is a study that focuses on the multidisciplinary management of an emergency room. we performed a case study to define a landscape works and propose changes. For this, the survey was conducted in two parts: the first was a field survey with sixty employees Itapevi Emergency Center and the sequence was performed a literature search, based on authors who deal with the company administration and management of people. This study, we sought to understand, based on management theories, such as management of the emergency department could work to improve the management of people and processes. From the field survey and the tabulated data it was possible to explore each item quoted, the total eleven items, so it was possible to suggest the use of administrative tools to improve the quality of the environment and organizational tasks performed. In this sense, analyzing the results we concluded that the administration of the hospital emergency room in need of reassessment is effective in some cases, including leadership, motivation and organizational climate must be improved to meet the needs of improving the health unit. For this purpose it is necessary to have a leader leadership directed toward people active and participative management. Keywords: Leadership. Motivation. People management. Organizational environment. Introdução Administrar um Pronto Socorro público que atende, em média, novecentos pacientes por dia, com um quadro de aproximadamente trezentos funcionários, é um desafio. O contexto é costurado por questões grandiosas, em alguns momentos o déficit de material e capital humano; enfrentamento cotidiano de situações complexas e sem solução como a morte; este estudo foi desenvolvido com uma equipe multidisciplinar (equipe de enfermagem e administrativa); pressão política constante, afinal a cidade onde está localizada a referida unidade de saúde é muito politizada. Atrelada a estas questões (e apesar delas) está posta a necessidade de garantir aos sujeitos que procuram a unidade o direito à saúde pública de qualidade. Afinal este é o fim maior da existência de um Pronto Socorro. O objetivo principal é cuidar da saúde do paciente que adentra a unidade organizacional de saúde em questão. Muitas vezes em estado terminal. O profissional de saúde enfrenta situações cotidianas extremas: desde a dádiva de ver uma criança nascer ao 2

3 falecimento de pessoas que até então desconhecidas, mas muito querida por seus familiares, que sofrem com a perda de um ente amado. Este contraste entre a vida e morte norteia o andamento do trabalho, bem como envolve a vida de cada funcionário, suas condições físicas e psicológicas. E a gestão permeia todo este contexto. Ao falar de pessoas, e especialmente de uma organização social pública, o que implica relações humanas, e em especial relações administrativas. O foco deste trabalho é pensar sobre a gestão destas relações. Independente da organização, seja pública, empresarial, de saúde ou de outra ordem, deve existir o seguimento de regras, normas e da existência de líderes que têm o papel de organizar e direcionar o serviço com o objetivo de atender com qualidade o público final, no caso, a população. Isto implica em pensar nas características destes líderes, na motivação de todos os envolvidos na organização, na comunicação entre os mesmos, no ambiente organizacional. Mas este ensaio não trata de uma organização privada, empresarial. Mas sim, do serviço público. Identificar e refletir qual o papel dos líderes de uma organização deste porte faz-se importante e necessário. Porque se trata do exercício de direitos humanos e da devolução ao povo de seus impostos. Pensar em como a gestão pode agir para que este direito seja garantido é uma questão de cidadania. De humanizar cada vez mais o papel dos gestores e de construir a efetivação de formas coletivas de gestão. Afinal o interesse do serviço público de saúde é ofertar um serviço eficiente e rápido, pois o que está em jogo não é a produção de lucros, mas a vida. Diante deste contexto, o papel dos líderes faz-se fundamental. Mas existem muitas formas de liderança. Ainda hoje, alguns líderes não aceitam a idéia de participação dos colaboradores em diferentes situações de decisão. No entanto, Chiavenato (2008) mostra que a gestão participativa e por processos possibilita o melhor o andamento dos serviços prestados por qualquer organização. Neste sentido, vivenciar a realidade de uma organização que tem a responsabilidade social já apontava foi um desafio que um dos pesquisadores passou a enfrentar, ao integrar o grupo de gestores da organização referenciada. Ao conviver com os problemas cotidianos, as dificuldades de comunicação e identificando constantes atritos entre a equipe administrativa e a equipe de enfermagem. Desta pesquisa, que teve como objeto a relação entre líderes e 3

4 liderados de duas equipes de trabalho: a de enfermagem e a administrativa. Este objeto envolve a atuação do líder para o bom andamento de uma organização. Assim, iniciou-se a investigação, a partir da construção de uma pesquisa de campo. Um levantamento quantitativo foi realizado, a partir da aplicação de um questionário para todos os membros das equipes citadas, que totalizava 102 funcionários. Sessenta deles devolveram o questionário respondido (alguns optaram por não responder). O intuito era fazer um levantamento dos problemas entre líderes e liderados, e para avaliar a opinião do grupo em relação à equipe de direção. O objeto desta pesquisa é estudar a relação entre líder e liderados em uma unidade organizacional pública de saúde - pronto socorro central de uma cidade da grande São Paulo. Este objeto envolve a atuação do líder para o bom andamento de uma organização. Nisso se circunscreve o objeto, a temática e o problema. O foco principal deste artigo foi discutir como a equipe gerencial de enfermagem e a equipe administrativa poderia trabalhar em conjunto evitando atrito para melhorar o ambiente de trabalho. Em decorrência deste, outros objetivos específicos nortearam sua realização, a saber: Refletir sobre quais ferramentas o líder de uma organização pode usar para motivar sua equipe; Apontar possibilidades de melhorar o clima e o ambiente organizacional; Indicar como a comunicação pode ser funcional e objetiva dentro da organização; Investigar como a cultura organizacional interfere na conduta de cada colaborador; Refletir sobre como a qualidade de vida no trabalho pode trazer benefícios para o colaborador em uma estrutura organizada por processos. Para atingir os objetivos propostos, a investigação relatada neste artigo envolveu um pesquisa quantitativa, com vistas a suprir lacunas acerca de pesquisas sobre a gestão do ambiente organizacional na saúde. Assim, optou-se pela realização de um estudo desta natureza porque possibilita um registro mais amplo da relação entre liderança e liderados. Este estudo quantitativo possui um caráter exploratório, pois, conforme definição de Richardson (1999), busca conhecer as características de um fenômeno, no caso o ambiente organizacional, para procurar, posteriormente, explicações das causas e conseqüências de tal 4

5 fenômeno. Segundo Gil (1991), a pesquisa exploratória visa proporcionar maior familiaridade com um problema, com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Como método de coleta de dados em uma pesquisa quantitativa, foi utilizado o levantamento que, conforme explicou Richardson (1999), determina a incidência e a distribuição das características e opiniões de um grupo. Para isso. foi realizada uma coleta estruturada de dados, por meio de uns questionários formais, que apresenta questões em uma ordem predeterminada. O questionário foi aplicado a sessenta funcionários entre auxiliares de enfermagem, técnicos de enfermagem, enfermeiros e administrativos, todos funcionários concursados, no período de uma semana. Importante elucidar o critério para a escolha do universo: escolhemos a unidade de saúde na qual um dos pesquisadores trabalha. Devido à esta convivência diária que surgiu o questionário, quando optou-se por escolher a temática retratada. Assim, o processo inicial deste trabalho foi o levantamento de falhas recorrentes do sistema administrativo da organização em questão e a partir deste levantamento, foi elaborado um questionário visando identificar os déficits. Posteriormente, os dados foram compilados e partiu-se para a pesquisa teórica, buscando compreender pontos que podem contribuir para diminuir as falhas apontadas na administração. Identificamos que o fato de realizar uma pesquisa no local de trabalho não atrapalhou o processo investigativo. Pelo contrário, favoreceu o acesso aos sujeitos envolvidos e ao cotidiano da unidade organizacional investigada. A realização do questionário, da forma descrita, considerou os fatores que influenciam na realização de um questionário, apresentados por Selltiz (1967), tais como a forma atraente, a extensão e as facilidades para seu preenchimento e devolução. Quanto ao conteúdo dos questionários, foram observadas as normas apontadas por Marconi (1990), como "os tipos, os grupos de perguntas e a formulação das mesmas" O questionário possui quinze questões abordando onze tópicos diferentes, em sua maioria, fechadas. Das questões realizadas, apenas as questões sobre tempo de formação e tempo de serviço foram abertas. As demais foram organizadas em uma escala numérica de 1 a 4, na qual 1 significou nenhuma importância e 4, muita importância. Conforme descrição de Cooper e Schindler (2003), as escalas numéricas de quatro pontos, que têm âncora verbal 5

6 atuando como rótulo nos pontos extremos e possuem intervalos iguais separando seus pontos, podem ser considerados intervalares, que torna apropriada à aplicação de técnicas de estatística multiderivadas. Posteriormente, foi construída uma tabela para analisar quantitativamente as respostas e qualitativamente, discorrendo sobre as questões que chamaram a atenção. Também foi efetivada uma revisão da literatura, para compreender e dialogar com os dados levantados no universo pesquisado. Este levantamento teórico propiciou um embasamento que permitiu dialogar com os dados coletados. O Pronto Socorro Central investigado está localizado em uma cidade de médio porte, na grande São Paulo. Foi inaugurado em Era uma obra esperada e necessária para a população. Atualmente tem um quadro aproximado de trezentos funcionários. Foi escolhido porque há mais de um ano um dos pesquisadores desta pesquisa foi convidado para integrar sua equipe. Ao chegar na unidade de trabalho, muitos foram os problemas a serem enfrentados. Pareceu um desafio pessoal que beirava o impossível, hora pela falta de experiência, hora pela descrença e resistência dos funcionários que se acostumaram a uma dinâmica sem regras e sem cobrança. A administração seguia um modelo próximo aquele definido por Maximiano (2008) como autocracia. Segundo este autor, a liderança orientada para tarefa podia ser identificada, no que tange a característica do líder de manter distância de seus funcionários e sua equipe. Era feita de forma a coagir ou favorecer apenas determinados grupos, causando insegurança e um clima desagradável, chegando a ser considerada uma unidade de castigo para os funcionários que não se adaptavam a outros setores na cidade. Desta forma, as equipes eram compostas pelos excluídos e alguns privilegiados que tinham o apoio da direção. Além disso, havia um grande atrito entre a chefia administrativa e a chefia de enfermagem. Cada um falava uma linguagem diferente, cada um tinha suas regras próprias e não havia interação entre as equipes. Com todo este panorama problemático, ligado diretamente a gestão, o serviço foi caindo de qualidade e com isto o secretário de saúde optou por trocar a direção administrativa e técnica da unidade. Este processo demorou aproximadamente um ano para se concluir. 6

7 Mas ao assumir a unidade como um dos gestores, algumas questões sobressaíram-se, relacionada a gestão e que interferia para que o serviço oferecido não tivesse a qualidade esperada. Observei que havia um conflito entre a gestão administrativa e enfermagem, faltava liderança e motivação. O ambiente organizacional, como um importante fator para a prestação de um serviço, conforme aponta Chiavenato (2008) não estava estruturado de forma que todos se comunicassem sem ruídos. Os líderes não ouviam as equipes e vice-versa. É uma relação mútua. O ambiente encontrado era pesado e não havia planejamento e organização. Os gestores não usavam as técnicas administrativas por processos para gerenciar as equipes, faltava implantar uma gestão participativa e que valorizasse o funcionário, fazê-lo ser participativo e que se tornasse importante para o processo. Então esta inquietação tornou-se alvo de pesquisa. Como pensar em caminhos que pudessem modificar esta constatação. Fazer parte da equipe gestora foi se tornando uma busca e uma conquista. A busca tem sido prestar um serviço de qualidade, a partir da coesão entre as diferentes equipes, com vistas a construir uma gestão participativa para melhorar os processos internos. Análise e discussão dos resultados A cidade de Itapevi tem pouco mais de cinqüenta anos de emancipação. No decorrer de sua historia a área de saúde tem crescido gradativamente. A historia do pronto socorro iniciou em uma pequena casa sem recursos adequados, como crescimento populacional da cidade o pronto socorro acompanhou este crescimento, saiu da pequena casa foi para um local maior, mudou mais uma vez até chegar ao atual prédio. O Pronto Socorro Central de Itapevi Leontina Rodrigues Torcinelli foi inaugurado em novembro de dois mil e oito. Foi projetado para atender a população com mais qualidade e conforto. Desde o começo houve a preocupação de equipar e preparar uma equipe multidisciplinar para alcançar seu objetivo, atender com qualidade o paciente. Nestes dois anos o Pronto Socorro passou por várias mudanças até chegar a formação que tem hoje com dois administradores e quatro coordenadoras de enfermagem com um total de duzentos e quarenta funcionários entre administrativos, enfermagem e médicos. Com uma 7

8 média de oitocentos atendimentos, vinte internados e nove remoções diárias. Neste panorama foi realizada uma pesquisa com sessenta funcionários, abaixo iremos detalhar através dos gráficos. Tabulação do questionário Conforme apontado na introdução, um dos pesquisadores vivenciava a realidade de uma unidade organizacional pública de saúde e um problema incomodava: a equipe de gestores não trabalhava em conjunto com a equipe técnica e administrativa. Assim, foi construído um questionário, com vistas a identificar os problemas e indicar soluções a serem seguidas. A realização do questionário (disponível em anexo) envolveu sessenta auxiliares técnicos de enfermagem, enfermeiros e chefes de plantão administrativo, do total de 102 funcionários destas equipes. Estava organizado em onze questões (em sua maioria, fechadas) com respostas em escala numérica de 1 a 4, na qual 1 significava nenhuma importância e 4, muita importância. Depois de coletados os questionários preenchidos, passamos a tabulá-lo, com a intenção de ter um panorama geral de como a gestão e a relação entre lideres e liderados era vista pelos funcionários da organização investigada, no caso um pronto-socorro de grande porte em uma cidade da grande São Paulo. Foi apresentado, aqui esta tabulação e posterior análise, interseccionando ao quadro teórico levantado. Nas duas perguntas iniciais foram feitas para conhecer um pouco dos funcionários da área de enfermagem, não sendo aplicadas aos demais pesquisados. 1 Quantos anos de formado você tem na área de enfermagem? Gráfico 1 Tempo de formação. Fonte própria (2010) A unidade é composta por quatro equipes de enfermagem e se pode observar que há uma boa distribuição em relação ao tempo de formação, esta mescla traz benefícios, pois alia o vigor dos recém formados com a experiência dos formados a mais tempo. 2 - A quanto tempo trabalha da unidade? 8

9 Gráfico 2 Tempo de trabalho na unidade. Fonte própria (2010) Historicamente a unidade de atendimento ao qual foi feito a pesquisa tem se observado que por ser uma cidade distante e com baixa remuneração a rotatividade de profissionais é muito grande, algo que ficou claro ao pesquisar, o profissional ao concluir o curso técnico usa a unidade como primeiro emprego para ter experiência na pratica. Os profissionais que permanecem moram nas redondezas, tem outro emprego ou já se formaram à mais de quatro anos ganharam estabilidade na prefeitura. Para Hersey e Blanchard (1962, apud MAXIMIANO, 2008apud CHIAVENATO, 2008), a maturidade do colaborador é um fator determinante que todo líder deve saber enfrentar, sendo que a maturidade deve ser analisada em relação a uma tarefa específica, porque pode dominar diferentes tarefas de forma diferente. A intensidade da autoridade do líder deve ser imposta conforme a maturidade do seguidor, quanto mais madura, mais intensa deve ser a orientação para o relacionamento. Inversamente, a imaturidade deve ser gerenciada por meio do uso forte da autoridade, com pouca ênfase no relacionamento. Hersey e Blanchard observa que esta idéia principal dividese em quatro estilos ou em formas de liderança, conforme abaixo: I Comando. Este estilo é adequado a pessoas com baixo nível da maturidade, prevê alto nível de comportamento orientado para a tarefa, com pouca ênfase no relacionamento: um comportamento específico, nesse caso é dar ordens e reduzir o apoio emocional; II Venda. Este nível é direcionado a comportamento orientado simultaneamente para a tarefa e o relacionamento e ajusta-se a pessoa com elevada vontade de assumir responsabilidade, mas pouca experiência ou conhecimento; III Participação. Este estilo orienta-se fortemente para o relacionamento, com pouca ênfase na tarefa, e ajusta-se com grande competência, mas pouco interesse em assumir responsabilidades, devido a sentimentos de insegurança em motivação; IIII Delegação. Este estilo consiste em dar pouca ênfase tanta a tarefa quanto ao relacionamento, ajustando-se a pessoas que tenham as condições ideais para assumir responsabilidade, competência e motivação. 9

10 Para ser um bom líder é necessário utilizar todas as ferramentas disponíveis para comandar sua equipe. Para tanto o líder deve saber motivar os funcionários pois estes são fundamentais para execução do processo. E se estiverem motivados, melhor. Assim, é importante delinear o que envolve a motivação. 3 - Quando você lembra do seu chefe... Gráfico 3 Lembrança do chefe. Fonte própria (2010) 4 - Líderes em todos os escalões exibem reiteradamente um comportamento decisório eficaz. Gráfico 4 Comportamento dos lideres. Fonte própria (2010) A liderança é um dos principais papéis dos administradores. O líder tem influência direta sobre seus liderados. Como esta é uma relação de interdependência, o primeiro depende de seus colaboradores e vice-versa. Mas cabe ao líder motivar sua equipe para que o trabalho aconteça de forma satisfatória Liderança: Liderar é um dos papeis do administrador, para Douglas McGregor (1960, apud MAXIMIANO, 2008) a liderança não é apenas um atributo da pessoa, mas também um processo social complexo, interagindo quatro variáveis ou componentes: (1) as motivações dos liderados, (2) a tarefa ou missão, (3) o líder, (4) o local onde ocorre a relação entre líder e os seus liderados. O líder deve ser uma pessoa motivada, autoconfiante, determinado e com vontade de trabalhar com pessoas. Seu envolvimento com seus liderados devem ser de cumplicidade e confiança, pois um depende do outro. Nas organizações atuais o estilo de liderança que tem se destacado é o líder orientado para pessoas, é uma pessoa democrata e participativo, aceita sugestões da equipe na tomada de decisões e incentiva seus colaboradores a assumirem responsabilidade e tomar iniciativa diante os problemas. Na unidade pesquisada tem um contraste interessante, 52% têm o líder como alguém que tem que suportar e 40% têm orgulho de seu líder. É evidente que há uma diferenciação de lideres dentro da unidade, são quatorze lideres, ficou evidente a necessidade de mudança no comportamento dos lideres, sendo orientados para a liderança focada nas pessoas. No geral mesmo com as diferenças, a 10

11 pesquisa mostra que mais de 80% das decisões é eficaz, sinal que dominam o assunto abordado. 5 - Com qual freqüência a prefeitura (chefe) reconhece o seu resultado, quanto você fez um bom trabalho. Gráfico 5 Reconhecimento. Fonte própria (2010) Motivação: Um líder bem preparado consegue motivar seus liderados. Todo individuo realiza uma tarefa motivado por algo, e uma das formas de motivar um colaborador é reconhecer seu trabalho e estimular melhora. Segundo Bergamini (1997), a motivação propicia o desenvolvimento do trabalho, pois através dela o homem pode realizar diversas tarefas que antes se julgava incapaz. Na unidade pesquisada 55% dos entrevistados disseram que freqüentemente a chefia reconhece seu trabalho. Se analisar o gráfico é baixo o índice de reconhecimento, nas entrevistas isto ficou claro, pode-se observar um descontentamento de algumas pessoas, pareciam que trabalhavam como máquinas e seus chefes não viam a necessidade de reconhecimento, se viam frustradas, esperam uma atitude diferente. Liderança ocorre quando um grupo ou uma pessoa induz e motiva seus colaboradores a atingir uma tarefa ou missão. Conforme indica Douglas McGregor (1960, apud MAXIMIANO, 2008), a liderança não é apenas um atributo da pessoa-líder, mas também um processo social complexo, no qual interagem quatro variáveis ou componentes: (1) as motivações dos liderados, (2) a tarefa ou missão, (3) o líder, (4) o local onde ocorre a relação entre líder e os seus liderados, que Maximiano (2008) chama de conjuntura, apresentando uma noção mais ampla de local, definida por McGregor. Assim, é possível organizar o processo social da liderança a partir da figura 1, disponível a seguir: MOTIVAÇÕES DOS LIDERADOS 11

12 LÍDER PROCESSO SOCIAL DA LIDERANÇA CONJUNTURA TAREFA OU MISSÃO PROPOSTA PELO LÍDER Figura 1- Fatores do processo social de liderança. Fonte: Maximiano (2008) Segundo Petracca (1992), líderes e liderados encontram-se numa relação de influência recíproca. Um depende do outro para realizar suas tarefas. Analisa que há dois tipos de liderados: os fiéis, que seguem o líder por razões de caráter moral, e os mercenários, que atuam por motivos de interesse. Independente do tipo de relação entre líder e liderados a relação é recíproca, um depende do outro, a diferença que o mercenário cobra vantagens financeiras e o fiel impõe obrigações. 6 - Como na sua visão é a Comunicação entre a administração e os funcionários? Gráfico 6 Comunicação vertical. Fonte própria (2010) Comunicação organizacional: A comunicação é uma ferramenta fundamental em para o bem andamento de uma organização. Maximiano (2008) nos traz alguns pontos importantes para que ocorra uma boa comunicação como a clareza do assunto, o retorno do receptor, tomar cuidado com possíveis falhas ou ruídos, ter uma linguagem comum a todos os envolvidos, entre outros. A comunicação pode ser feita em vários níveis, horizontal ou vertical desde que siga as regras acima citadas. Na pesquisa realizada no Pronto Socorro Municipal 47% dos entrevistados informou que a comunicação entre a direção e os funcionários, é eficiente-eficaz, com este índice é necessário melhorar a comunicação para ter um serviço mais eficiente. Em uma das entrevistas com uma auxiliar de enfermagem a reclamação que a administração diverge ao passar as informações para os funcionários, não há consenso, causando confusão. 7 - Há justiça de tratamento de uns funcionários em relação a outros, quando as coisas não saem como o planejado. 12

13 Gráfico 7 Justiça no tratamento. Fonte própria (2010) 8 - O clima predominante em sua equipe de trabalho é de: Gráfico 8 Clima organizacional. Fonte própria (2010) Clima organizacional: Clima organizacional versa sobre o ambiente psicológico que o colaborador está inserido, como este clima norteia seu comportamento no plantão. Dependendo do ambiente pode trazer liberdade, clima humanizado e de cooperação, entre outros benefícios. Chiavenato (2008) cita alguns fatores que influenciam o clima organizacional de uma organização, entre eles a estrutura organizacional, responsabilidade, riscos, recompensas, calor e apoio e conflito. No Pronto Socorro a pesquisa mostrou que há um clima de colaboração entre as equipes, mas 45% dos entrevistados consideram que o tratamento designado aos colaboradores não é feito com a devida justiça. 9 - Nossa cultura promove a agilidade e a eficácia de decisões e ações por toda a organização. Gráfico 9 Cultura Organizacional. Fonte própria (2010) Cultura organizacional: Para Chiavenato (2008) a cultura organizacional são as normas informais de uma organização, sendo assim para o sucesso da organização é necessário o colaborador se adequar a esta cultura. Conforme Schein (1992, apud Chiavenato, 2008), a cultura organizacional é um padrão de aspectos básicos compartilhados, inventados, descobertos ou desenvolvidos por determinado grupo que aprende a enfrentar seus problemas 13

14 de adaptação externa e integração interna e 83% dos entrevistados considera a cultura eficiente-eficaz, sugerindo um ambiente favorável, necessitando de alguns ajustes para melhorar ainda mais o atendimento Vocês sentem que o seu chefe reconhece o seu trabalho da mesma maneira que seus colegas de trabalho Gráfico 10 Reconhecimento da chefia. Fonte própria (2010) Ambiente organizacional: O ambiente organizacional é onde ocorre as relações interpessoais, para tanto é necessário um planejamento para que seja o mais agradável possível. Nesta questão 57% dos entrevistados considera que tanto a chefia como seus colegas de trabalho reconhecem seu desempenho dento da organização, indicando que existe um ambiente favorável dentro da organização. Neste estudo de caso identificou-se a primeira abordagem de Odiorne (1984). Segundo Odiorne (1984), existem três abordagens para o mapeamento do ambiente organizacional: I - A primeira ignora o ambiente e tenta sobreviver a qualquer variável que ocorra na organização. É denominado pelo autor como planejamento implícito, também conhecido na teoria administrativa como técnica de ensaio e erro. É o modelo mais utilizado pelas organizações brasileiras, sob a argumentação de que se o ambiente organizacional é complexo, instável, heterogêneo, não adianta planejar; II - A segunda propõe o planejamento de todos e quaisquer detalhes e contingências possíveis do ambiente. Essa técnica, além de onerosa, dificulta a hierarquização de elementoschave para a tomada de decisão; III - A terceira, defendida neste trabalho, propõe selecionar áreas-chave para o mapeamento ambiental através da construção de modelo simples com uma série de questões que cada organização precisa responder para prever ou talvez controlar as mudanças organizacionais futuras Fora da empresa e do horário de expediente: 14

15 Gráfico 11- Lazer. Fonte própria (2010) Qualidade de vida no trabalho: O ambiente de pronto socorro é sempre estressante, são diversas constantes que colaboraram para este panorama como o volume de trabalho, cobrança, imediatismo dos pacientes. Maximiano (2004) relata que qualidade de vida no trabalho baseia-se em uma visão geral das pessoas, sendo que uma das funções da qualidade de vida no trabalho é eliminar ou melhorar este constante clima desfavorável, visa o bem estar biológico, psicológico e social. Neste contexto foi observado através da pesquisa de campo que 79% dos entrevistados às vezes pensa no trabalho ou comentam suas realizações em família, nas entrevistas ficou evidente a preocupação de realizarem um bom trabalho independente das adversidades. 12 Nos dias de folga, quando se aproxima a hora de dormir: Gráfico 12 Lembrança do trabalho. Fonte própria (2010) Comprometimento dentro da organização: Neste aspecto é visível o comprometimento das equipes. Conforme citou BENNIS (1995), quanto maior for a compatibilidade entre os valores pessoais e a tarefa desempenhada, mais forte será o comprometimento profissional. 78% dos entrevistados informaram que no dia anterior ao plantão se sentem felizes e planejando dia de trabalho no dia seguinte Nossos processos são feitos para levar a decisões e ações eficazes, na hora certa. Gráfico 13 Gestão por processos. Fonte própria (2010) Gestão por processo: Gestão por processos é a base de decisão com precisão e rapidez, a liderança da unidade deve ter conhecimento necessário do assunto e estrutura da organização para tomar as decisões. Com base nisto Mintzberg (2003) relata que a estrutura de uma organização é definida como a soma de projetos pelos quais o trabalho pode ser dividido e a coordenação das atividades deve ser realizada por cada individuo. Com isto além de demonstrar conhecimento do assunto abordado, a comunicação fica mais rápida e eficiente. No Pronto Socorro em questão 93% dos entrevistados consideram que a liderança da unidade é eficaz e age na hora certa ao tomar as decisões. 15

16 14 Nas tomadas de decisão você observa uma integração entre a coordenação de enfermagem e administrativa. Gráfico 14 - Integração da equipe multidisciplinar. Fonte própria (2010) Gestão participativa: Gestão participativa em uma organização segundo Maranaldo (1989) é o conjunto harmonioso entre sistema, condições organizacionais e comportamentos gerencias que provocam e incentivam a participação de todos no processo de administrar, independente da posição hierárquica, é deixar participar das tomadas de decisão. No trabalho realizado na unidade de saúde entre a liderança de enfermagem e administrativa 92% dos entrevistados consideram que os lideres praticam a gestão participativa Responsáveis por decisões críticas tem a informação de que necessitam, quando e como a necessitam. Gráfico 15 - Fonte própria Gestão da informação: A gestão da informação, nos últimos anos, tem se tornado importante para o sucesso da organização. Se um líder não tem as informações corretas e no tempo certo, pode acarretar problemas conforme cita REIS (1993), no tempo correto, custo adequado e facilidades de acesso por parte dos utilizadores autorizados. Na área de saúde as tarefas são bem dinâmicas e uma informação errada ou atrasada pode acarretar perda irreparável, devido a estes fatores a importância de passar as informações corretas. Escala de Likert Liderança, comunicação e motivação dentro do hospital Soma Soma Níveis Questão 3 Questão 4 Questão 5 Questão 6 total Ponderada 16

17 Média total: 39,75 Fonte: Própria. Clima, Cultura e Ambiente Organizacional dentro do hospital Questão Questão Questão Questão Questão Questão Soma Soma Níveis total Ponderada Média total: 39 Fonte: Própria. Analise da eficiência do processo de gestão dentro do hospital Níveis Questão 13 Questão 14 Questão 15 Soma total Soma Ponderada Média total: 38,5 Fonte: Própria. Soma das médias total: 39,08 pontos Acima Temos uma Gestão administrativa hospitalar Eficaz (Média entre 3-4) Acima Temos uma Gestão administrativa hospitalar Eficiente necessitando de reavaliação em alguns detalhes (Média 2-3) Menor ou igual 30 temos problemas de gestão necessitando reestruturação do processo Analisando todos os dados da pesquisa foi identificado que em todos os pontos citados pode-se melhorar gradativamente. O resultado da escala de Likert foi de pontos, demonstra que o pronto socorro tem uma gestão hospitalar eficiente, mas precisa reavaliar alguns pontos. Considerações finais 17

18 Analisando todos os dados da pesquisa foi identificado que em todos os pontos citados pode-se melhorar gradativamente. O resultado da escala de Likert foi de pontos, demonstra que o pronto socorro tem uma gestão hospitalar eficiente, mas precisa reavaliar alguns pontos. Através da pesquisa de campo e posteriormente a pesquisa bibliográfica mostrou os gestores precisam melhorar seu estilo de liderar, deixar de ser uma liderança orientada para tarefa e se tornar uma liderança voltada para pessoas, valorizar mais seus colaboradores, motivá-los para se comprometerem com a tarefa realizada. Por mais que cada colaborador seja motivado por algo, se o seu líder não incentivar e apoiar seu trabalho de nada vale seu trabalho na organização, o mesmo não sente nenhuma motivação. Outro fator que norteou esta pesquisa foi o clima organizacional. O colaborador permanece doze horas convivendo com chefia, colegas de trabalho e pacientes em um ambiente de cobrança e desmotivador. Se o líder não tiver utilizar as ferramentas necessárias para reverter este quadro dificilmente a equipe terá sucesso em sua tarefa a executar. Não apenas os fatores acima colaboram para o bom andamento de uma organização. um líder direcionado para a gestão de processos e participativa consegue manter uma equipe coesa e comprometida com cada tarefa. A cultura organizacional mostra o caminho que cada colaborador deve seguir pois traz as regras informais da organização. Referências BENNIS,Warren. A invenção de uma vida. Rio de Janeiro: Campus,1995 BERGAMINI, Cecília W., CODA, Roberto. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. São Paulo: Atlas,

19 BACKER, Paul de. Gestão ambiental: A administração verde. Rio de Janeiro: Qualitymark, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, Introdução a teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações - 7.ed. ver.e atual Rio de Janeiro: Elsevier,2003 5ª Reimpressão. COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7ed. Porto Alegre: Bookman, 2003 CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos: o capital humano da organizações 8.ed. 4. reimpr. São Paulo: Atlas, DAVIS, Keith; NEWSTROM, John W. Comportamento humano no trabalho uma abordagem psicológica. São Paulo: Pioneira,1992.v.1. DE SORDI, J. O. Gestão por processos: Uma abordagem da moderna administração. São Paulo: Saraiva, p. FREIRE,Paulo. Educação e mudança. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1990 GALBRAITH, Jay R., et al. Organizando para competir no futuro. São Paulo: Makron Books, GONÇALVES, E. L. Estrutura organizacional do hospital moderno. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 38, n. 1, p , jan./mar

20 KATZ, Daniel; KAHN,Robert L. Psicologia social das organizações. 2 ed. São Paulo:Atlas, MARANALDO, D. Estratégia para a competitividade. São Paulo: Produtivismo, MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. Edição Compacta. 3.ed. São Paulo: Atlas, MOTTA,Fernando C. Prestes. O que é burocracia. 16. ed. São Paulo: Brasiliense,2000. MAXIMIANO, Antonio Cezar Amaru. Introdução à administração 6. ed. Ver. e ampl. São Paulo: Atlas, MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2ª ed. São Paulo: Atlas, p. ODIORNE, George S. Administração por objetivos. São Paulo: Editora LTC, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organização e Métodos: Uma abordagem gerencial. 16ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, Antônio Raimundo dos... [et al.] Gestão do conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial/organizadores./ - Curitiba: Champagnat, PETRACCA, O. M. Liderança. In: BOBBIO, Dicionário de política. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, REIS, Carlos. Planejamento Estratégico de Sistemas de informação. Lisboa 1993 ia ed. ed. Presença. 20

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA

O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA O PROCESSO NO GERENCIAMENTO DE EQUIPES NA EMPRESA RS CALDEIRARIA Ana Priscila da Silva Vieira 1 Elizabete Rodrigues de Oliveira 2 Tatiana Nogueira Dias 3 Élcio Aloisio Fragoso 4 Edson Leite Gimenez 5 RESUMO

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO

COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÕES GERENCIAIS UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

Definição de objetivos através da liderança eficaz Caso de uma Equipe de Manutenção da Copel, Superitendência Ponta Grossa.

Definição de objetivos através da liderança eficaz Caso de uma Equipe de Manutenção da Copel, Superitendência Ponta Grossa. Definição de objetivos através da liderança eficaz Caso de uma Equipe de Manutenção da Copel, Superitendência Ponta Grossa. Ubirajara Brum da Silva (COPEL/CEFET-PR) brum@copel.com João Luiz Kovaleski (CEFET-PR)

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

TÍTULO: TRAÇANDO O PERFIL ORGANIZACIONAL E A LIDERANÇA DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE JALES.

TÍTULO: TRAÇANDO O PERFIL ORGANIZACIONAL E A LIDERANÇA DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE JALES. TÍTULO: TRAÇANDO O PERFIL ORGANIZACIONAL E A LIDERANÇA DENTRO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA CIDADE DE JALES. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar Clima Organizacional Como mensurar e melhorar Índice Clique para navegar pelo material Capítulo 1 O que é o Clima Organizacional Capítulo 2 Clima Organizacional x Cultura Organizacional Capítulo 3 O impacto

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR A QUESTÃO DA MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO PRESENTES NO COTIDIANO DOS COLABORADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Resumo O presente artigo aborda de forma qualitativa e quantitativa os fatores motivacionais

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

PATRICIA DO ROCIO NICHELE A INFLUÊNCIA DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO FUNCIONAL

PATRICIA DO ROCIO NICHELE A INFLUÊNCIA DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO FUNCIONAL PATRICIA DO ROCIO NICHELE A INFLUÊNCIA DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO FUNCIONAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Pessoas da Universidade Tuiuti do

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis - SEPesq PLANO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO - TALENTOS E LIDERANÇAS EM UMA COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO RURAL Aline Regina Bohn Bacharela em Administração Faculdade Três de Maio SETREM E-mail: aline.bohn@yahoo.com.br

Leia mais

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol

A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol 1 A importância do treinamento em grandes corporações: Um estudo de caso na empresa Schincariol RESUMO Bruna Aparecida Pereira RAYMUNDO 1 Cristiane Aparecida RABELO 2 Emerson Pallotta RIBEIRO 3 Humberto

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA NO DESEMPENHO DOS FUNCIONÁRIOS DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES ¹Antonia Maria Gimenes.² Matheus Toledo ³ Renato Nogueira Perez Ávila 4 Patrícia Angélica Paulino RESUMO O objetivo geral

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO

CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 RESUMO CLIMA ORGANIZACIONAL NA EMPRESA ALFA REALIDADE PERCEBIDA PELOS LÍDERES 1 ÁVILA, Gabrielle Loureira de 2 ; MAGGIONI, Márcia Bandeira Landerdahl 3 ; 1 Trabalho de Pesquisa_FAMES 2 Acadêmica de Administração

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA

A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA GRANDE FLORIANÓPOLIS DIRIGIDA A PRÁTICA DA GESTÃO PARTICIPATIVA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& A FORMAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ADMINISTRADORES DA

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

ANÁLISE DE FATORES MOTIVACIONAIS E CLIMA ORGANIZACIONAL DE COOPERATIVAS

ANÁLISE DE FATORES MOTIVACIONAIS E CLIMA ORGANIZACIONAL DE COOPERATIVAS ANÁLISE DE FATORES MOTIVACIONAIS E CLIMA ORGANIZACIONAL DE COOPERATIVAS (ANALYSIS OF MOTIVATIONAL FACTORS AND ORGANIZATIONAL CLIMATE OF COOPERATIVES) Alexandre Leonardo Ivaldi; Fernanda de Souza Magri;

Leia mais

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM

Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Qualidade e o Atendimento na Prestação de Serviço: Um estudo de caso na empresa SECOM Claudineia Lima de MOURA¹ RGM 081712 claudineia_18@yahoo.com.br Dayane Cristina da SILVA¹ RGM 080225 day_4791@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES ISSN IMPRESSO 2316-333X ISSN ELETRÔNICO 2316-3828 A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO E DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Cleide Ane Barbosa da Cruz 1 Resumo ABSTRACT O presente artigo visa mostrar a importância da

Leia mais

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT Andréia Lopes Graduanda em Administração UNISALESIANO Lins azdeia@yahoo.com.br Jessica

Leia mais

PROPOSTA DE GESTÃO DE PESSOAS EM UNIDADE DE SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO DE PESSOAS 1

PROPOSTA DE GESTÃO DE PESSOAS EM UNIDADE DE SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO DE PESSOAS 1 PROPOSTA DE GESTÃO DE PESSOAS EM UNIDADE DE INFORMAÇÃO ESPECIALIZADA: A FORÇA DA MOTIVAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE GESTÃO DE PESSOAS 1 Silvana Beatriz Bueno RESUMO O presente artigo expõe uma

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA

Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA Tipos de Liderança Liderança CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é o processo de influenciar outros de modo a conseguir que eles façam o que o líder quer que seja feito, ou ainda, a capacidade para influenciar

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

Ubirajara Brum da Silva (UTFPR / COPEL) brum@copel.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Ubirajara Brum da Silva (UTFPR / COPEL) brum@copel.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Desenvolvimento de equipe através da Liderança Situacional e Feedback 360º Caso de uma equipe de manutenção da Copel Distribuição S.A, Superintendência de Distribuição Centro-sul. Ubirajara Brum da Silva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 08/2015 Campus Manhuaçu FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 08/2015 Campus Manhuaçu FOLHA DE PROVA Tema 01: ABORDAGENS DA ADMINISTRAÇÃO Discorra sobre as principais contribuições das teorias administrativas no desenvolvimento das atividades empresariais, com ênfase para aquelas preconizadas pelas escolas

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS.

A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. A INFLUÊNCIA DO LÍDER NO ALCANCE DOS RESULTADOS ORGANIZACIONAIS: Análise em uma empresa de grande porte na cidade de Três Lagoas/MS. Elisângela de Aguiar Alcalde Docente Ma. das Faculdades Integradas de

Leia mais

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes

Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Uma resposta às mudanças organizacionais através do trabalho em equipes multifuncionais: um estudo de caso na indústria de fertilizantes Adriane Hartman (CEFET-PR-PG) adriane.h@terra.com.br Prof. Dr. Dálcio

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Micaele Rodrigues Feitosa 3, Agna Ligia Pinheiro Máximo 1. Correspondência para: micaele-melo@hotmail.com Palavras-chave:

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Liderança situacional nas organizações

Liderança situacional nas organizações Liderança situacional nas organizações Shayani Estrabelli (Universidade Paranaense Campus Cascavel) shayani_17@hotmail.com Fernanda Pellegrini (Universidade Paranaense Campus Cascavel) fernandampellegrini@hotmail.com

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial

A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial A influência do tempo de serviço no clima organizacional de uma empresa: o caso de uma empresa de médio porte do setor agroindustrial Ana Paula Moreira de Almeida (CEFET/PR) ana.almeida@masisa.com Cláudia

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC)

DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC) INPEAU/UFSC Instituto de Gestão Liderança Universitária, da Organização Universitária Interamericana, do Canadá. DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Profa. Dra. Alessandra de Linhares Jacobsen (CAD/UFSC) OBJETIVOS

Leia mais

Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (CESCAGE) Eixo II Indicadores e instrumentos de autoavaliação

Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (CESCAGE) Eixo II Indicadores e instrumentos de autoavaliação Avaliação do sentido de realização, relações interpessoais e recompensa no trabalho: um estudo de caso em uma Instituição de ensino superior do estado do Paraná Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir.

Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador. 1. Leia as afirmativas a seguir. Questões de Concurso Público para estudar e se preparar... Prefeitura Olinda - Administrador 1. Leia as afirmativas a seguir. I. O comportamento organizacional refere-se ao estudo de indivíduos e grupos

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A CONTRIBUIÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES ANDREA FERREIRA DA COSTA rafaela modolo de pinho EDINALVA DELL ARMI MAROTTO ACONTRIBUIÇÃODOSFATORESMOTIVACIONAISPARAOSUCESSODASORGANIZAÇÕES

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL. PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. NOME DA EMPRESA PERSPECTIVA Consultores Associados Ltda. PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NOME DA EMPRESA A pesquisa foi desenvolvida e aplicada pela PERSPECTIVA Consultores Associados. Coordenador Interno: Ricardo Lezana

Leia mais

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS

12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS 12. TEORIAS CONTINGENCIAIS OU SITUACIONAIS Vários estudos foram feitos no sentido de se isolar fatores situacionais que afetam a eficácia da liderança, tais como: a) grau de estruturação da tarefa que

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail. GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.com INTRODUÇÃO No respectivo trabalho, iremos abordar um

Leia mais

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos

Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Auditoria Interna na gestão de pessoas: identificação de pontos fortes e fracos na política de recursos humanos Letícia Baggio (UTFPR) leticia@uniao.edu.br Isaura Alberton de Lima, Dra (UTFPR) alberton@utfpr.edu.br

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal

PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS. Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal PLANEJAMENTO EM RECURSOS HUMANOS Profª. Larissa Estela Berehulka Balan Leal Conteúdo Programático Visão Geral do Planejamento A importância do planejamento estratégico voltado para o mercado; Planejamento

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Pesquisa Qualitativa. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Pesquisa Qualitativa. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Pesquisa Qualitativa Professor: Roberto César Pesquisa Qualitativa x Quantitativa Objetivo Amostra Pesquisa Qualitativa x Quantitativa Alcança uma compreensão qualitativa

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas

Palavras-Chave: Organizações, Colaboradores, Recursos, Gestão de Pessoas DA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS À GESTAO DE PESSOAS Josiane de C. Aparecida Lacerda 1, Renata Valentina Bigolotti 2, Nivaldo Carleto 3 1 Fatec-Taquaritinga. Gestão do Agronegócio. Taquaritinga-SP

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: PERFIL DO PROFISSIONAL DIFERENCIADO NA AREA DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS, METAS E OBJETIVOS

TÍTULO: PERFIL DO PROFISSIONAL DIFERENCIADO NA AREA DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS, METAS E OBJETIVOS TÍTULO: PERFIL DO PROFISSIONAL DIFERENCIADO NA AREA DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITOS, METAS E OBJETIVOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

A PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMO PONTO DE PARTIDA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

A PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMO PONTO DE PARTIDA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 A PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL NUMA EMPRESA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMO PONTO DE PARTIDA PARA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Carlos Eduardo

Leia mais