O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP"

Transcrição

1 O DESAFIO DE TRABALHAR COM UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR: UM ESTUDO DE CASO DO PRONTO SOCORRO CENTRAL DE ITAPEVI-SP Reinaldo de Araújo Medeiros * Marcos Roberto Buri (UNINOVE/FACEQ) ** Resumo: Este é um estudo que versa sobre a gerencia multidisciplinar de um pronto socorro. Foi realizado um estudo de caso para definir um panorama atua e propor mudanças. Para tanto, a pesquisa foi realizada em duas partes: a primeira foi uma pesquisa de campo com sessenta funcionários do Pronto Socorro Central de Itapevi e na seqüência foi realizado um estudo bibliográfico, baseados em autores que versam sobre a administração de empresa e gestão de pessoas. No presente estudo, buscou-se compreender, baseado nas teorias administrativas, como a gestão do pronto socorro poderia trabalhar no sentido de melhorar a gestão das pessoas e processos. A partir da pesquisa de campo e com os dados tabulados foi possível explorar cada item citado, ao total onze itens, desta forma foi possível sugerir o uso de ferramentas administrativas para melhorar a qualidade do ambiente organizacional e tarefas realizadas. Neste sentido, ao analisar os resultados obtidos concluímos que a gestão administrativa hospitalar do pronto socorro é eficiente necessitando de reavaliação em alguns processos, entre eles a liderança, motivação e o clima organizacional devem ser trabalhados para suprir as necessidades de melhoria da unidade de saúde. Para tanto se faz necessário o líder ter uma liderança direcionada para as pessoas e uma gestão participativa ativa. Palavras-chave: Liderança. Motivação. Gestão de pessoas. Ambiente organizacional. Abstract: * Bacharel em Administração pela Faculdade Eça de Queirós. ** Possui graduação em Administração de Empresas - Faculdades Integradas Campo Salles (1996). Com especialização em Engenharia de Produção (2002) - Universidade São Judas Tadeu e Mestrado em Engenharia de Mecânica - Universidade de Taubaté (2006). Atualmente é professor da Faculdade Eça de Queirós e Universidade Nove de Julho no curso de Tecnologia de Gestão da Qualidade. 1

2 This is a study that focuses on the multidisciplinary management of an emergency room. we performed a case study to define a landscape works and propose changes. For this, the survey was conducted in two parts: the first was a field survey with sixty employees Itapevi Emergency Center and the sequence was performed a literature search, based on authors who deal with the company administration and management of people. This study, we sought to understand, based on management theories, such as management of the emergency department could work to improve the management of people and processes. From the field survey and the tabulated data it was possible to explore each item quoted, the total eleven items, so it was possible to suggest the use of administrative tools to improve the quality of the environment and organizational tasks performed. In this sense, analyzing the results we concluded that the administration of the hospital emergency room in need of reassessment is effective in some cases, including leadership, motivation and organizational climate must be improved to meet the needs of improving the health unit. For this purpose it is necessary to have a leader leadership directed toward people active and participative management. Keywords: Leadership. Motivation. People management. Organizational environment. Introdução Administrar um Pronto Socorro público que atende, em média, novecentos pacientes por dia, com um quadro de aproximadamente trezentos funcionários, é um desafio. O contexto é costurado por questões grandiosas, em alguns momentos o déficit de material e capital humano; enfrentamento cotidiano de situações complexas e sem solução como a morte; este estudo foi desenvolvido com uma equipe multidisciplinar (equipe de enfermagem e administrativa); pressão política constante, afinal a cidade onde está localizada a referida unidade de saúde é muito politizada. Atrelada a estas questões (e apesar delas) está posta a necessidade de garantir aos sujeitos que procuram a unidade o direito à saúde pública de qualidade. Afinal este é o fim maior da existência de um Pronto Socorro. O objetivo principal é cuidar da saúde do paciente que adentra a unidade organizacional de saúde em questão. Muitas vezes em estado terminal. O profissional de saúde enfrenta situações cotidianas extremas: desde a dádiva de ver uma criança nascer ao 2

3 falecimento de pessoas que até então desconhecidas, mas muito querida por seus familiares, que sofrem com a perda de um ente amado. Este contraste entre a vida e morte norteia o andamento do trabalho, bem como envolve a vida de cada funcionário, suas condições físicas e psicológicas. E a gestão permeia todo este contexto. Ao falar de pessoas, e especialmente de uma organização social pública, o que implica relações humanas, e em especial relações administrativas. O foco deste trabalho é pensar sobre a gestão destas relações. Independente da organização, seja pública, empresarial, de saúde ou de outra ordem, deve existir o seguimento de regras, normas e da existência de líderes que têm o papel de organizar e direcionar o serviço com o objetivo de atender com qualidade o público final, no caso, a população. Isto implica em pensar nas características destes líderes, na motivação de todos os envolvidos na organização, na comunicação entre os mesmos, no ambiente organizacional. Mas este ensaio não trata de uma organização privada, empresarial. Mas sim, do serviço público. Identificar e refletir qual o papel dos líderes de uma organização deste porte faz-se importante e necessário. Porque se trata do exercício de direitos humanos e da devolução ao povo de seus impostos. Pensar em como a gestão pode agir para que este direito seja garantido é uma questão de cidadania. De humanizar cada vez mais o papel dos gestores e de construir a efetivação de formas coletivas de gestão. Afinal o interesse do serviço público de saúde é ofertar um serviço eficiente e rápido, pois o que está em jogo não é a produção de lucros, mas a vida. Diante deste contexto, o papel dos líderes faz-se fundamental. Mas existem muitas formas de liderança. Ainda hoje, alguns líderes não aceitam a idéia de participação dos colaboradores em diferentes situações de decisão. No entanto, Chiavenato (2008) mostra que a gestão participativa e por processos possibilita o melhor o andamento dos serviços prestados por qualquer organização. Neste sentido, vivenciar a realidade de uma organização que tem a responsabilidade social já apontava foi um desafio que um dos pesquisadores passou a enfrentar, ao integrar o grupo de gestores da organização referenciada. Ao conviver com os problemas cotidianos, as dificuldades de comunicação e identificando constantes atritos entre a equipe administrativa e a equipe de enfermagem. Desta pesquisa, que teve como objeto a relação entre líderes e 3

4 liderados de duas equipes de trabalho: a de enfermagem e a administrativa. Este objeto envolve a atuação do líder para o bom andamento de uma organização. Assim, iniciou-se a investigação, a partir da construção de uma pesquisa de campo. Um levantamento quantitativo foi realizado, a partir da aplicação de um questionário para todos os membros das equipes citadas, que totalizava 102 funcionários. Sessenta deles devolveram o questionário respondido (alguns optaram por não responder). O intuito era fazer um levantamento dos problemas entre líderes e liderados, e para avaliar a opinião do grupo em relação à equipe de direção. O objeto desta pesquisa é estudar a relação entre líder e liderados em uma unidade organizacional pública de saúde - pronto socorro central de uma cidade da grande São Paulo. Este objeto envolve a atuação do líder para o bom andamento de uma organização. Nisso se circunscreve o objeto, a temática e o problema. O foco principal deste artigo foi discutir como a equipe gerencial de enfermagem e a equipe administrativa poderia trabalhar em conjunto evitando atrito para melhorar o ambiente de trabalho. Em decorrência deste, outros objetivos específicos nortearam sua realização, a saber: Refletir sobre quais ferramentas o líder de uma organização pode usar para motivar sua equipe; Apontar possibilidades de melhorar o clima e o ambiente organizacional; Indicar como a comunicação pode ser funcional e objetiva dentro da organização; Investigar como a cultura organizacional interfere na conduta de cada colaborador; Refletir sobre como a qualidade de vida no trabalho pode trazer benefícios para o colaborador em uma estrutura organizada por processos. Para atingir os objetivos propostos, a investigação relatada neste artigo envolveu um pesquisa quantitativa, com vistas a suprir lacunas acerca de pesquisas sobre a gestão do ambiente organizacional na saúde. Assim, optou-se pela realização de um estudo desta natureza porque possibilita um registro mais amplo da relação entre liderança e liderados. Este estudo quantitativo possui um caráter exploratório, pois, conforme definição de Richardson (1999), busca conhecer as características de um fenômeno, no caso o ambiente organizacional, para procurar, posteriormente, explicações das causas e conseqüências de tal 4

5 fenômeno. Segundo Gil (1991), a pesquisa exploratória visa proporcionar maior familiaridade com um problema, com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Como método de coleta de dados em uma pesquisa quantitativa, foi utilizado o levantamento que, conforme explicou Richardson (1999), determina a incidência e a distribuição das características e opiniões de um grupo. Para isso. foi realizada uma coleta estruturada de dados, por meio de uns questionários formais, que apresenta questões em uma ordem predeterminada. O questionário foi aplicado a sessenta funcionários entre auxiliares de enfermagem, técnicos de enfermagem, enfermeiros e administrativos, todos funcionários concursados, no período de uma semana. Importante elucidar o critério para a escolha do universo: escolhemos a unidade de saúde na qual um dos pesquisadores trabalha. Devido à esta convivência diária que surgiu o questionário, quando optou-se por escolher a temática retratada. Assim, o processo inicial deste trabalho foi o levantamento de falhas recorrentes do sistema administrativo da organização em questão e a partir deste levantamento, foi elaborado um questionário visando identificar os déficits. Posteriormente, os dados foram compilados e partiu-se para a pesquisa teórica, buscando compreender pontos que podem contribuir para diminuir as falhas apontadas na administração. Identificamos que o fato de realizar uma pesquisa no local de trabalho não atrapalhou o processo investigativo. Pelo contrário, favoreceu o acesso aos sujeitos envolvidos e ao cotidiano da unidade organizacional investigada. A realização do questionário, da forma descrita, considerou os fatores que influenciam na realização de um questionário, apresentados por Selltiz (1967), tais como a forma atraente, a extensão e as facilidades para seu preenchimento e devolução. Quanto ao conteúdo dos questionários, foram observadas as normas apontadas por Marconi (1990), como "os tipos, os grupos de perguntas e a formulação das mesmas" O questionário possui quinze questões abordando onze tópicos diferentes, em sua maioria, fechadas. Das questões realizadas, apenas as questões sobre tempo de formação e tempo de serviço foram abertas. As demais foram organizadas em uma escala numérica de 1 a 4, na qual 1 significou nenhuma importância e 4, muita importância. Conforme descrição de Cooper e Schindler (2003), as escalas numéricas de quatro pontos, que têm âncora verbal 5

6 atuando como rótulo nos pontos extremos e possuem intervalos iguais separando seus pontos, podem ser considerados intervalares, que torna apropriada à aplicação de técnicas de estatística multiderivadas. Posteriormente, foi construída uma tabela para analisar quantitativamente as respostas e qualitativamente, discorrendo sobre as questões que chamaram a atenção. Também foi efetivada uma revisão da literatura, para compreender e dialogar com os dados levantados no universo pesquisado. Este levantamento teórico propiciou um embasamento que permitiu dialogar com os dados coletados. O Pronto Socorro Central investigado está localizado em uma cidade de médio porte, na grande São Paulo. Foi inaugurado em Era uma obra esperada e necessária para a população. Atualmente tem um quadro aproximado de trezentos funcionários. Foi escolhido porque há mais de um ano um dos pesquisadores desta pesquisa foi convidado para integrar sua equipe. Ao chegar na unidade de trabalho, muitos foram os problemas a serem enfrentados. Pareceu um desafio pessoal que beirava o impossível, hora pela falta de experiência, hora pela descrença e resistência dos funcionários que se acostumaram a uma dinâmica sem regras e sem cobrança. A administração seguia um modelo próximo aquele definido por Maximiano (2008) como autocracia. Segundo este autor, a liderança orientada para tarefa podia ser identificada, no que tange a característica do líder de manter distância de seus funcionários e sua equipe. Era feita de forma a coagir ou favorecer apenas determinados grupos, causando insegurança e um clima desagradável, chegando a ser considerada uma unidade de castigo para os funcionários que não se adaptavam a outros setores na cidade. Desta forma, as equipes eram compostas pelos excluídos e alguns privilegiados que tinham o apoio da direção. Além disso, havia um grande atrito entre a chefia administrativa e a chefia de enfermagem. Cada um falava uma linguagem diferente, cada um tinha suas regras próprias e não havia interação entre as equipes. Com todo este panorama problemático, ligado diretamente a gestão, o serviço foi caindo de qualidade e com isto o secretário de saúde optou por trocar a direção administrativa e técnica da unidade. Este processo demorou aproximadamente um ano para se concluir. 6

7 Mas ao assumir a unidade como um dos gestores, algumas questões sobressaíram-se, relacionada a gestão e que interferia para que o serviço oferecido não tivesse a qualidade esperada. Observei que havia um conflito entre a gestão administrativa e enfermagem, faltava liderança e motivação. O ambiente organizacional, como um importante fator para a prestação de um serviço, conforme aponta Chiavenato (2008) não estava estruturado de forma que todos se comunicassem sem ruídos. Os líderes não ouviam as equipes e vice-versa. É uma relação mútua. O ambiente encontrado era pesado e não havia planejamento e organização. Os gestores não usavam as técnicas administrativas por processos para gerenciar as equipes, faltava implantar uma gestão participativa e que valorizasse o funcionário, fazê-lo ser participativo e que se tornasse importante para o processo. Então esta inquietação tornou-se alvo de pesquisa. Como pensar em caminhos que pudessem modificar esta constatação. Fazer parte da equipe gestora foi se tornando uma busca e uma conquista. A busca tem sido prestar um serviço de qualidade, a partir da coesão entre as diferentes equipes, com vistas a construir uma gestão participativa para melhorar os processos internos. Análise e discussão dos resultados A cidade de Itapevi tem pouco mais de cinqüenta anos de emancipação. No decorrer de sua historia a área de saúde tem crescido gradativamente. A historia do pronto socorro iniciou em uma pequena casa sem recursos adequados, como crescimento populacional da cidade o pronto socorro acompanhou este crescimento, saiu da pequena casa foi para um local maior, mudou mais uma vez até chegar ao atual prédio. O Pronto Socorro Central de Itapevi Leontina Rodrigues Torcinelli foi inaugurado em novembro de dois mil e oito. Foi projetado para atender a população com mais qualidade e conforto. Desde o começo houve a preocupação de equipar e preparar uma equipe multidisciplinar para alcançar seu objetivo, atender com qualidade o paciente. Nestes dois anos o Pronto Socorro passou por várias mudanças até chegar a formação que tem hoje com dois administradores e quatro coordenadoras de enfermagem com um total de duzentos e quarenta funcionários entre administrativos, enfermagem e médicos. Com uma 7

8 média de oitocentos atendimentos, vinte internados e nove remoções diárias. Neste panorama foi realizada uma pesquisa com sessenta funcionários, abaixo iremos detalhar através dos gráficos. Tabulação do questionário Conforme apontado na introdução, um dos pesquisadores vivenciava a realidade de uma unidade organizacional pública de saúde e um problema incomodava: a equipe de gestores não trabalhava em conjunto com a equipe técnica e administrativa. Assim, foi construído um questionário, com vistas a identificar os problemas e indicar soluções a serem seguidas. A realização do questionário (disponível em anexo) envolveu sessenta auxiliares técnicos de enfermagem, enfermeiros e chefes de plantão administrativo, do total de 102 funcionários destas equipes. Estava organizado em onze questões (em sua maioria, fechadas) com respostas em escala numérica de 1 a 4, na qual 1 significava nenhuma importância e 4, muita importância. Depois de coletados os questionários preenchidos, passamos a tabulá-lo, com a intenção de ter um panorama geral de como a gestão e a relação entre lideres e liderados era vista pelos funcionários da organização investigada, no caso um pronto-socorro de grande porte em uma cidade da grande São Paulo. Foi apresentado, aqui esta tabulação e posterior análise, interseccionando ao quadro teórico levantado. Nas duas perguntas iniciais foram feitas para conhecer um pouco dos funcionários da área de enfermagem, não sendo aplicadas aos demais pesquisados. 1 Quantos anos de formado você tem na área de enfermagem? Gráfico 1 Tempo de formação. Fonte própria (2010) A unidade é composta por quatro equipes de enfermagem e se pode observar que há uma boa distribuição em relação ao tempo de formação, esta mescla traz benefícios, pois alia o vigor dos recém formados com a experiência dos formados a mais tempo. 2 - A quanto tempo trabalha da unidade? 8

9 Gráfico 2 Tempo de trabalho na unidade. Fonte própria (2010) Historicamente a unidade de atendimento ao qual foi feito a pesquisa tem se observado que por ser uma cidade distante e com baixa remuneração a rotatividade de profissionais é muito grande, algo que ficou claro ao pesquisar, o profissional ao concluir o curso técnico usa a unidade como primeiro emprego para ter experiência na pratica. Os profissionais que permanecem moram nas redondezas, tem outro emprego ou já se formaram à mais de quatro anos ganharam estabilidade na prefeitura. Para Hersey e Blanchard (1962, apud MAXIMIANO, 2008apud CHIAVENATO, 2008), a maturidade do colaborador é um fator determinante que todo líder deve saber enfrentar, sendo que a maturidade deve ser analisada em relação a uma tarefa específica, porque pode dominar diferentes tarefas de forma diferente. A intensidade da autoridade do líder deve ser imposta conforme a maturidade do seguidor, quanto mais madura, mais intensa deve ser a orientação para o relacionamento. Inversamente, a imaturidade deve ser gerenciada por meio do uso forte da autoridade, com pouca ênfase no relacionamento. Hersey e Blanchard observa que esta idéia principal dividese em quatro estilos ou em formas de liderança, conforme abaixo: I Comando. Este estilo é adequado a pessoas com baixo nível da maturidade, prevê alto nível de comportamento orientado para a tarefa, com pouca ênfase no relacionamento: um comportamento específico, nesse caso é dar ordens e reduzir o apoio emocional; II Venda. Este nível é direcionado a comportamento orientado simultaneamente para a tarefa e o relacionamento e ajusta-se a pessoa com elevada vontade de assumir responsabilidade, mas pouca experiência ou conhecimento; III Participação. Este estilo orienta-se fortemente para o relacionamento, com pouca ênfase na tarefa, e ajusta-se com grande competência, mas pouco interesse em assumir responsabilidades, devido a sentimentos de insegurança em motivação; IIII Delegação. Este estilo consiste em dar pouca ênfase tanta a tarefa quanto ao relacionamento, ajustando-se a pessoas que tenham as condições ideais para assumir responsabilidade, competência e motivação. 9

10 Para ser um bom líder é necessário utilizar todas as ferramentas disponíveis para comandar sua equipe. Para tanto o líder deve saber motivar os funcionários pois estes são fundamentais para execução do processo. E se estiverem motivados, melhor. Assim, é importante delinear o que envolve a motivação. 3 - Quando você lembra do seu chefe... Gráfico 3 Lembrança do chefe. Fonte própria (2010) 4 - Líderes em todos os escalões exibem reiteradamente um comportamento decisório eficaz. Gráfico 4 Comportamento dos lideres. Fonte própria (2010) A liderança é um dos principais papéis dos administradores. O líder tem influência direta sobre seus liderados. Como esta é uma relação de interdependência, o primeiro depende de seus colaboradores e vice-versa. Mas cabe ao líder motivar sua equipe para que o trabalho aconteça de forma satisfatória Liderança: Liderar é um dos papeis do administrador, para Douglas McGregor (1960, apud MAXIMIANO, 2008) a liderança não é apenas um atributo da pessoa, mas também um processo social complexo, interagindo quatro variáveis ou componentes: (1) as motivações dos liderados, (2) a tarefa ou missão, (3) o líder, (4) o local onde ocorre a relação entre líder e os seus liderados. O líder deve ser uma pessoa motivada, autoconfiante, determinado e com vontade de trabalhar com pessoas. Seu envolvimento com seus liderados devem ser de cumplicidade e confiança, pois um depende do outro. Nas organizações atuais o estilo de liderança que tem se destacado é o líder orientado para pessoas, é uma pessoa democrata e participativo, aceita sugestões da equipe na tomada de decisões e incentiva seus colaboradores a assumirem responsabilidade e tomar iniciativa diante os problemas. Na unidade pesquisada tem um contraste interessante, 52% têm o líder como alguém que tem que suportar e 40% têm orgulho de seu líder. É evidente que há uma diferenciação de lideres dentro da unidade, são quatorze lideres, ficou evidente a necessidade de mudança no comportamento dos lideres, sendo orientados para a liderança focada nas pessoas. No geral mesmo com as diferenças, a 10

11 pesquisa mostra que mais de 80% das decisões é eficaz, sinal que dominam o assunto abordado. 5 - Com qual freqüência a prefeitura (chefe) reconhece o seu resultado, quanto você fez um bom trabalho. Gráfico 5 Reconhecimento. Fonte própria (2010) Motivação: Um líder bem preparado consegue motivar seus liderados. Todo individuo realiza uma tarefa motivado por algo, e uma das formas de motivar um colaborador é reconhecer seu trabalho e estimular melhora. Segundo Bergamini (1997), a motivação propicia o desenvolvimento do trabalho, pois através dela o homem pode realizar diversas tarefas que antes se julgava incapaz. Na unidade pesquisada 55% dos entrevistados disseram que freqüentemente a chefia reconhece seu trabalho. Se analisar o gráfico é baixo o índice de reconhecimento, nas entrevistas isto ficou claro, pode-se observar um descontentamento de algumas pessoas, pareciam que trabalhavam como máquinas e seus chefes não viam a necessidade de reconhecimento, se viam frustradas, esperam uma atitude diferente. Liderança ocorre quando um grupo ou uma pessoa induz e motiva seus colaboradores a atingir uma tarefa ou missão. Conforme indica Douglas McGregor (1960, apud MAXIMIANO, 2008), a liderança não é apenas um atributo da pessoa-líder, mas também um processo social complexo, no qual interagem quatro variáveis ou componentes: (1) as motivações dos liderados, (2) a tarefa ou missão, (3) o líder, (4) o local onde ocorre a relação entre líder e os seus liderados, que Maximiano (2008) chama de conjuntura, apresentando uma noção mais ampla de local, definida por McGregor. Assim, é possível organizar o processo social da liderança a partir da figura 1, disponível a seguir: MOTIVAÇÕES DOS LIDERADOS 11

12 LÍDER PROCESSO SOCIAL DA LIDERANÇA CONJUNTURA TAREFA OU MISSÃO PROPOSTA PELO LÍDER Figura 1- Fatores do processo social de liderança. Fonte: Maximiano (2008) Segundo Petracca (1992), líderes e liderados encontram-se numa relação de influência recíproca. Um depende do outro para realizar suas tarefas. Analisa que há dois tipos de liderados: os fiéis, que seguem o líder por razões de caráter moral, e os mercenários, que atuam por motivos de interesse. Independente do tipo de relação entre líder e liderados a relação é recíproca, um depende do outro, a diferença que o mercenário cobra vantagens financeiras e o fiel impõe obrigações. 6 - Como na sua visão é a Comunicação entre a administração e os funcionários? Gráfico 6 Comunicação vertical. Fonte própria (2010) Comunicação organizacional: A comunicação é uma ferramenta fundamental em para o bem andamento de uma organização. Maximiano (2008) nos traz alguns pontos importantes para que ocorra uma boa comunicação como a clareza do assunto, o retorno do receptor, tomar cuidado com possíveis falhas ou ruídos, ter uma linguagem comum a todos os envolvidos, entre outros. A comunicação pode ser feita em vários níveis, horizontal ou vertical desde que siga as regras acima citadas. Na pesquisa realizada no Pronto Socorro Municipal 47% dos entrevistados informou que a comunicação entre a direção e os funcionários, é eficiente-eficaz, com este índice é necessário melhorar a comunicação para ter um serviço mais eficiente. Em uma das entrevistas com uma auxiliar de enfermagem a reclamação que a administração diverge ao passar as informações para os funcionários, não há consenso, causando confusão. 7 - Há justiça de tratamento de uns funcionários em relação a outros, quando as coisas não saem como o planejado. 12

13 Gráfico 7 Justiça no tratamento. Fonte própria (2010) 8 - O clima predominante em sua equipe de trabalho é de: Gráfico 8 Clima organizacional. Fonte própria (2010) Clima organizacional: Clima organizacional versa sobre o ambiente psicológico que o colaborador está inserido, como este clima norteia seu comportamento no plantão. Dependendo do ambiente pode trazer liberdade, clima humanizado e de cooperação, entre outros benefícios. Chiavenato (2008) cita alguns fatores que influenciam o clima organizacional de uma organização, entre eles a estrutura organizacional, responsabilidade, riscos, recompensas, calor e apoio e conflito. No Pronto Socorro a pesquisa mostrou que há um clima de colaboração entre as equipes, mas 45% dos entrevistados consideram que o tratamento designado aos colaboradores não é feito com a devida justiça. 9 - Nossa cultura promove a agilidade e a eficácia de decisões e ações por toda a organização. Gráfico 9 Cultura Organizacional. Fonte própria (2010) Cultura organizacional: Para Chiavenato (2008) a cultura organizacional são as normas informais de uma organização, sendo assim para o sucesso da organização é necessário o colaborador se adequar a esta cultura. Conforme Schein (1992, apud Chiavenato, 2008), a cultura organizacional é um padrão de aspectos básicos compartilhados, inventados, descobertos ou desenvolvidos por determinado grupo que aprende a enfrentar seus problemas 13

14 de adaptação externa e integração interna e 83% dos entrevistados considera a cultura eficiente-eficaz, sugerindo um ambiente favorável, necessitando de alguns ajustes para melhorar ainda mais o atendimento Vocês sentem que o seu chefe reconhece o seu trabalho da mesma maneira que seus colegas de trabalho Gráfico 10 Reconhecimento da chefia. Fonte própria (2010) Ambiente organizacional: O ambiente organizacional é onde ocorre as relações interpessoais, para tanto é necessário um planejamento para que seja o mais agradável possível. Nesta questão 57% dos entrevistados considera que tanto a chefia como seus colegas de trabalho reconhecem seu desempenho dento da organização, indicando que existe um ambiente favorável dentro da organização. Neste estudo de caso identificou-se a primeira abordagem de Odiorne (1984). Segundo Odiorne (1984), existem três abordagens para o mapeamento do ambiente organizacional: I - A primeira ignora o ambiente e tenta sobreviver a qualquer variável que ocorra na organização. É denominado pelo autor como planejamento implícito, também conhecido na teoria administrativa como técnica de ensaio e erro. É o modelo mais utilizado pelas organizações brasileiras, sob a argumentação de que se o ambiente organizacional é complexo, instável, heterogêneo, não adianta planejar; II - A segunda propõe o planejamento de todos e quaisquer detalhes e contingências possíveis do ambiente. Essa técnica, além de onerosa, dificulta a hierarquização de elementoschave para a tomada de decisão; III - A terceira, defendida neste trabalho, propõe selecionar áreas-chave para o mapeamento ambiental através da construção de modelo simples com uma série de questões que cada organização precisa responder para prever ou talvez controlar as mudanças organizacionais futuras Fora da empresa e do horário de expediente: 14

15 Gráfico 11- Lazer. Fonte própria (2010) Qualidade de vida no trabalho: O ambiente de pronto socorro é sempre estressante, são diversas constantes que colaboraram para este panorama como o volume de trabalho, cobrança, imediatismo dos pacientes. Maximiano (2004) relata que qualidade de vida no trabalho baseia-se em uma visão geral das pessoas, sendo que uma das funções da qualidade de vida no trabalho é eliminar ou melhorar este constante clima desfavorável, visa o bem estar biológico, psicológico e social. Neste contexto foi observado através da pesquisa de campo que 79% dos entrevistados às vezes pensa no trabalho ou comentam suas realizações em família, nas entrevistas ficou evidente a preocupação de realizarem um bom trabalho independente das adversidades. 12 Nos dias de folga, quando se aproxima a hora de dormir: Gráfico 12 Lembrança do trabalho. Fonte própria (2010) Comprometimento dentro da organização: Neste aspecto é visível o comprometimento das equipes. Conforme citou BENNIS (1995), quanto maior for a compatibilidade entre os valores pessoais e a tarefa desempenhada, mais forte será o comprometimento profissional. 78% dos entrevistados informaram que no dia anterior ao plantão se sentem felizes e planejando dia de trabalho no dia seguinte Nossos processos são feitos para levar a decisões e ações eficazes, na hora certa. Gráfico 13 Gestão por processos. Fonte própria (2010) Gestão por processo: Gestão por processos é a base de decisão com precisão e rapidez, a liderança da unidade deve ter conhecimento necessário do assunto e estrutura da organização para tomar as decisões. Com base nisto Mintzberg (2003) relata que a estrutura de uma organização é definida como a soma de projetos pelos quais o trabalho pode ser dividido e a coordenação das atividades deve ser realizada por cada individuo. Com isto além de demonstrar conhecimento do assunto abordado, a comunicação fica mais rápida e eficiente. No Pronto Socorro em questão 93% dos entrevistados consideram que a liderança da unidade é eficaz e age na hora certa ao tomar as decisões. 15

16 14 Nas tomadas de decisão você observa uma integração entre a coordenação de enfermagem e administrativa. Gráfico 14 - Integração da equipe multidisciplinar. Fonte própria (2010) Gestão participativa: Gestão participativa em uma organização segundo Maranaldo (1989) é o conjunto harmonioso entre sistema, condições organizacionais e comportamentos gerencias que provocam e incentivam a participação de todos no processo de administrar, independente da posição hierárquica, é deixar participar das tomadas de decisão. No trabalho realizado na unidade de saúde entre a liderança de enfermagem e administrativa 92% dos entrevistados consideram que os lideres praticam a gestão participativa Responsáveis por decisões críticas tem a informação de que necessitam, quando e como a necessitam. Gráfico 15 - Fonte própria Gestão da informação: A gestão da informação, nos últimos anos, tem se tornado importante para o sucesso da organização. Se um líder não tem as informações corretas e no tempo certo, pode acarretar problemas conforme cita REIS (1993), no tempo correto, custo adequado e facilidades de acesso por parte dos utilizadores autorizados. Na área de saúde as tarefas são bem dinâmicas e uma informação errada ou atrasada pode acarretar perda irreparável, devido a estes fatores a importância de passar as informações corretas. Escala de Likert Liderança, comunicação e motivação dentro do hospital Soma Soma Níveis Questão 3 Questão 4 Questão 5 Questão 6 total Ponderada 16

17 Média total: 39,75 Fonte: Própria. Clima, Cultura e Ambiente Organizacional dentro do hospital Questão Questão Questão Questão Questão Questão Soma Soma Níveis total Ponderada Média total: 39 Fonte: Própria. Analise da eficiência do processo de gestão dentro do hospital Níveis Questão 13 Questão 14 Questão 15 Soma total Soma Ponderada Média total: 38,5 Fonte: Própria. Soma das médias total: 39,08 pontos Acima Temos uma Gestão administrativa hospitalar Eficaz (Média entre 3-4) Acima Temos uma Gestão administrativa hospitalar Eficiente necessitando de reavaliação em alguns detalhes (Média 2-3) Menor ou igual 30 temos problemas de gestão necessitando reestruturação do processo Analisando todos os dados da pesquisa foi identificado que em todos os pontos citados pode-se melhorar gradativamente. O resultado da escala de Likert foi de pontos, demonstra que o pronto socorro tem uma gestão hospitalar eficiente, mas precisa reavaliar alguns pontos. Considerações finais 17

18 Analisando todos os dados da pesquisa foi identificado que em todos os pontos citados pode-se melhorar gradativamente. O resultado da escala de Likert foi de pontos, demonstra que o pronto socorro tem uma gestão hospitalar eficiente, mas precisa reavaliar alguns pontos. Através da pesquisa de campo e posteriormente a pesquisa bibliográfica mostrou os gestores precisam melhorar seu estilo de liderar, deixar de ser uma liderança orientada para tarefa e se tornar uma liderança voltada para pessoas, valorizar mais seus colaboradores, motivá-los para se comprometerem com a tarefa realizada. Por mais que cada colaborador seja motivado por algo, se o seu líder não incentivar e apoiar seu trabalho de nada vale seu trabalho na organização, o mesmo não sente nenhuma motivação. Outro fator que norteou esta pesquisa foi o clima organizacional. O colaborador permanece doze horas convivendo com chefia, colegas de trabalho e pacientes em um ambiente de cobrança e desmotivador. Se o líder não tiver utilizar as ferramentas necessárias para reverter este quadro dificilmente a equipe terá sucesso em sua tarefa a executar. Não apenas os fatores acima colaboram para o bom andamento de uma organização. um líder direcionado para a gestão de processos e participativa consegue manter uma equipe coesa e comprometida com cada tarefa. A cultura organizacional mostra o caminho que cada colaborador deve seguir pois traz as regras informais da organização. Referências BENNIS,Warren. A invenção de uma vida. Rio de Janeiro: Campus,1995 BERGAMINI, Cecília W., CODA, Roberto. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. São Paulo: Atlas,

19 BACKER, Paul de. Gestão ambiental: A administração verde. Rio de Janeiro: Qualitymark, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, Introdução a teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações - 7.ed. ver.e atual Rio de Janeiro: Elsevier,2003 5ª Reimpressão. COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7ed. Porto Alegre: Bookman, 2003 CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos: o capital humano da organizações 8.ed. 4. reimpr. São Paulo: Atlas, DAVIS, Keith; NEWSTROM, John W. Comportamento humano no trabalho uma abordagem psicológica. São Paulo: Pioneira,1992.v.1. DE SORDI, J. O. Gestão por processos: Uma abordagem da moderna administração. São Paulo: Saraiva, p. FREIRE,Paulo. Educação e mudança. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1990 GALBRAITH, Jay R., et al. Organizando para competir no futuro. São Paulo: Makron Books, GONÇALVES, E. L. Estrutura organizacional do hospital moderno. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 38, n. 1, p , jan./mar

20 KATZ, Daniel; KAHN,Robert L. Psicologia social das organizações. 2 ed. São Paulo:Atlas, MARANALDO, D. Estratégia para a competitividade. São Paulo: Produtivismo, MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. Edição Compacta. 3.ed. São Paulo: Atlas, MOTTA,Fernando C. Prestes. O que é burocracia. 16. ed. São Paulo: Brasiliense,2000. MAXIMIANO, Antonio Cezar Amaru. Introdução à administração 6. ed. Ver. e ampl. São Paulo: Atlas, MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2ª ed. São Paulo: Atlas, p. ODIORNE, George S. Administração por objetivos. São Paulo: Editora LTC, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organização e Métodos: Uma abordagem gerencial. 16ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, Antônio Raimundo dos... [et al.] Gestão do conhecimento: uma experiência para o sucesso empresarial/organizadores./ - Curitiba: Champagnat, PETRACCA, O. M. Liderança. In: BOBBIO, Dicionário de política. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, REIS, Carlos. Planejamento Estratégico de Sistemas de informação. Lisboa 1993 ia ed. ed. Presença. 20

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório

Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Recursos Humanos Coordenação de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima Análise dos dados da Pesquisa de Clima Relatório Introdução No dia 04 de Agosto de 2011, durante a reunião de Planejamento, todos os

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs

CONSIDERAÇÕES INICIAIS. CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE RCEs REDES DE COOPERAÇÃO: EMPRESARIAL O QUE ISTO SIGNIFICA? Uma nova forma de organização de pequenas e médias empresas Grupo de empresas em uma entidade única

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS

AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS EM ORGANIZAÇÕES NOS DIAS ATUAIS REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS TEORIAS X E Y E SUAS PONTENCIALIDADES DE APLICAÇÃO A SISTEMAS ADMINISTRATIVOS DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA

INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA INICIANDO UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE SEGURANÇA COMPORTAMENTAL: AVALIANDO A CULTURA E O CLIMA DE SEGURANÇA 2013 Luciano Nadolny Licenciatura em Psicologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP

A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos. Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP A Importância das Competências Comportamentais para Profissionais de Gerenciamento de Projetos Ivo M. Michalick Vasconcelos, MSc, PMP, PMI-SP Por que projetos falham? Gestão Moderna (anos 90 em diante):

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO RESUMO 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL: A CONDUTA DO INDIVÍDUO ALCALDE, Elisângela de Aguiar 1 MARIANO, Rosiane da Conceição 2 SANTOS, Nathália Ribeiro dos SANTOS, Rosilei Ferreira dos SANTOS, Sirene José Barbosa

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG

Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Análise da qualidade de vida no trabalho em uma empresa prestadora de serviços de fotocópias e serviços diversos no município de Bambuí/MG Kamyla Espíndola Gibram REIS 1 ; Estefânia Paula da SILVA 2 ;

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail. GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.com INTRODUÇÃO No respectivo trabalho, iremos abordar um

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*)

OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) OS DESAFIOS DA GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO(*) Joilson Oliveira Malta Administrador público e Assistente técnico da Diretoria Legislativa da Câmara Municipal de Salvador Mat.2031 Este artigo tem

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais