Universidade de Aveiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Aveiro"

Transcrição

1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte 2006 Pedro Alexandre Ferreira dos Santos Almeida A integração de serviços de comunicação e gestão para o fomento de práticas de Teletrabalho estudo do impacto da integração em ambiente multimédia de serviços de comunicação e gestão e da importância da disponibilidade desse ambiente para a adopção e fomento de práticas de teletrabalho.

2 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e Arte 2006 Pedro Alexandre Ferreira dos Santos Almeida A integração de serviços de comunicação e gestão para o fomento de práticas de Teletrabalho dissertação apresentada à Universidade de Aveiro para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Doutor em Ciências e Tecnologia da Comunicação, realizada sob a orientação científica do Doutor Óscar Emanuel Chaves Mealha, Professor Associado do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro. Com o apoio financeiro da FCT e FSE (POCTI e POSI) no âmbito do III Quadro Comunitário de Apoio.

3 dedicatória À Ana e ao Francisco por toda a compreensão, apoio e paciência.

4 o júri presidente Doutor Jorge de Carvalho Alves Professor Catedrático da Universidade de Aveiro. Doutor Artur Pimenta Alves Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Doutor Fernando Manuel dos Santos Ramos Professor Catedrático da Universidade de Aveiro. Doutor José Manuel Paquete de Oliveira Professor Associado do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa - ISCTE. Doutor Armando Jorge Morgado Alves de Oliveira Professor Associado da Universidade de Aveiro. Doutor Óscar Emanuel Chaves Mealha Professor Associado da Universidade de Aveiro. Doutora Graça Maria Bordalo Rocha Simões Professora Auxiliar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

5 agradecimentos Ao orientador pelo apoio prestado ao longo deste percurso. Ao Jorge Ferraz por todo o incentivo, colaboração e companhia em muitas jornadas. Ao Hélder Campos e Ricardo Carvalho pela preciosa colaboração técnica. À comunidade docente do DeCA e a todos quantos contribuíram através do seu incentivo, ideias, propostas ou críticas. À Alzira Cadima pelo apoio nas revisões. Aos meus pais por me terem permitido chegar até aqui.

6 palavras-chave Teletrabalho, comunicação institucional, gestão de projectos resumo O trabalho de investigação aqui apresentado enquadra-se na problemática da adesão a práticas flexíveis de trabalho, nomeadamente, de teletrabalho. Uma adesão que encontra alguns constrangimentos e necessidades, das quais se destacam ferramentas comunicacionais e de gestão adequadas. Perante essa necessidade, os teletrabalhadores recorrem a um conjunto alargado de aplicações com as inerentes dificuldades à utilização, fundamentalmente para utilizadores de baixa literacia digital. Neste contexto, procede-se a um estudo que procura avaliar as necessidades comunicacionais e de gestão decorrentes da adopção do teletrabalho, conducente à especificação de um modelo de sistema integrado de serviços que possa, efectivamente, assumir-se como um impulsionador da adopção destas práticas. A proposta de modelo de sistema é acompanhada da concretização de um protótipo funcional cuja estrutura e módulos funcionais se descrevem. Para o estudo da problemática descrita é apresentada uma metodologia de análise que inclui a avaliação do protótipo e dos pressupostos de investigação em sessões laboratoriais, com utilizadores de diferentes literacias digitais, acompanhada de dois questionários escritos e uma entrevista. Os resultados permitem validar a configuração e a estrutura propostas para o sistema, assim como as novas funcionalidades indicadas. Confirma-se, ainda, que a literacia digital condiciona a utilização de serviços telemáticos e, como resultado emergente deste trabalho, que a disponibilidade global de um sistema, adequado às necessidades dos teletrabalhadores, poderá assumir o papel de impulsionador da adopção das práticas de teletrabalho.

7 keywords Telework, institutional communication, project management abstract The research study here presented is focused on the problems related to the adoption of flexible work arrangement practices, namely, telework. The adoption of these practices is met by some constraints and necessities, such as the need for suitable communication and management tools. Due to these necessities teleworkers use a vast set of applications, with inherent difficulties of use especially for users with low digital literacy. In this context, the study aims to evaluate the communication and management needs derived from the adoption of telework conducive to the specification of an integrated system model that can, effectively, contribute to the adoption of these practices. The proposition of a system model is accompanied by the implementation of a functional prototype with a detailed the description of its structure and core modules. To evaluate the aforementioned problems a method of analysis that includes the evaluation of the prototype and research objectives, by users with different digital literacy in controlled sessions, followed by two written questionnaires and an interview, is presented. The evaluation results permit the validation of the system model, the structure and new features proposed. The results confirm that digital literacy can be a constraint to the use of telematic services and also indicate that the global availability of a system, adapted to the needs of teleworkers can contribute to the adoption of telework practices.

8 mots-clés Télétravail, communication interpersonnelle, gestion de projets resumé Le travail de recherche que nous présentons ici est cadré par la problématique de l'adhésion à des pratiques flexibles de travail, plus précisément, le télétravail. Cette adhésion pose des problèmes et met en évidence des besoins surtout au niveau des outils de communication et de gestion adéquats. Face à ces besoins, les télétravailleurs utilisent un ensemble élargi d'applications qui entraînent plusieurs difficultés d'usage, surtout quand il s'agit d'utilisateurs avec une réduite littéracie digitale. Dans ce contexte, notre étude cherche à évaluer les besoins communicationnels et de gestion posés par l'adoption du télétravail, conduisant à la spécification d'un modèle de système intégré de services qui puisse, effectivement, s'assumer en tant que catalyseur de l'adoption de ces pratiques. Le modèle de système que nous proposons est accompagné de la concrétisation d'un prototype fonctionnel dont on décrit la structure et les modules fonctionnels. Afin d'étudier cette problématique, nous présentons une méthodologie d'analyse qui inclut, d'une part, l'évaluation du prototype et des présupposés de recherche dans des sessions en laboratoire avec des utilisateurs à différentes littéracies digitales, et, de l'autre, deux questionnaires écrits et une interview. Les résultats nous permettent de valider la configuration et la structure proposées pour le système, ainsi que les nouvelles fonctionnalités indiquées. Nous pouvons encore confirmer que le niveau de littéracie digitale conditionne l'utilisation de services télématiques. En tant que donnée émergeante de notre recherche, nous pouvons affirmer que la disponibilité générale d'un système - en rapport avec les besoins des télétravailleurs - peut assumer le rôle de catalyseur de l'adoption des pratiques de télétravail.

9 A integração de serviços de comunicação e gestão para o fomento de práticas de Teletrabalho estudo do impacto da integração em ambiente multimédia de serviços de comunicação e gestão e da importância da disponibilidade desse ambiente para a adopção e fomento de práticas de teletrabalho. Índice de conteúdos 1 INTRODUÇÃO ESTRUTURA DO ESTUDO 4 PARTE 1 O CONTEXTO E O OBJECTO DE ESTUDO 7 2 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA E METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO O CONTEXTO TEÓRICO DA INVESTIGAÇÃO O PROBLEMA A dimensão nacional do problema OS PRESSUPOSTOS DE INVESTIGAÇÃO Objectivos do estudo Justificação do estudo Limitações do estudo Apresentação da hipótese METODOLOGIA ADOPTADA PELO ESTUDO Apresentação dos instrumentos para validação das hipóteses 22 PARTE 2 POR UM ENQUADRAMENTO TEÓRICO 27 3 MEDIAÇÃO TECNOLÓGICA DE ACTIVIDADES EM REGIME DE TELETRABALHO, A TRANSVERSALIDADE DE UMA ÁREA 29 Nota introdutória A COMUNICAÇÃO E AS ORGANIZAÇÕES Breve história do conceito e as áreas de análise Os palcos de interacção A comunicação no patamar organizacional A comunicação e o teletrabalho 37 I

10 3.2 OS (NOVOS) MODELOS ORGANIZACIONAIS AS REDES SOCIAIS E O TRABALHO O DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS PARA SUPORTE A ACTIVIDADES DE TRABALHO COOPERATIVO, UMA ÁREA DISCIPLINAR INSTRUMENTOS (SERVIÇOS E TECNOLOGIAS) DE MEDIAÇÃO TECNOLÓGICA NA INTERACÇÃO HUMANO-COMPUTADOR Os objectivos da HCI Breve resenha histórica Mecanismos de input (input devices) Mecanismos de output (output devices) Estilos/Padrões de interacção A usabilidade Métodos para a avaliação de usabilidade 59 4 CARACTERIZAÇÃO, ENQUADRAMENTO E TECNOLOGIAS DE SUPORTE DO TELETRABALHO 65 Nota introdutória CONTEXTO DE EVOLUÇÃO E TAXINOMIA DO TELETRABALHO Evolução histórica Modalidades de teletrabalho Quanto ao local e condições físicas e tecnológicas de realização Quanto à periodicidade do desempenho de actividades regime de teletrabalho PANORAMA ACTUAL DA UTILIZAÇÃO DAS TIC E ADOPÇÃO DO TELETRABALHO Difusão e penetração das TIC O telefone Uso das TIC na área residencial Uso das TIC nos sector empresarial Adopção e difusão de práticas de teletrabalho Especificidades de Portugal O perfil do cibernauta português Alguns projectos de referência em Portugal LEVANTAMENTO DOS IMPACTOS DECORRENTES DA ADOPÇÃO DO TELETRABALHO Na dimensão social e comunicacional O social organizacional O social familiar O social comunicacional Na dimensão económica Impacto económico para o teletrabalhador Impacto económico para a organização Outros impactos de natureza económica Na dimensão educacional TECNOLOGIAS DE SUPORTE AO TELETRABALHO 101 II

11 4.4.1 Serviços ou tecnologias modulares para suporte à comunicação e informação nas organizações Instant messaging (IM) Mensagens Instantâneas Chat de texto Comunicação por voz - Voice over IP (VoIP) Videoconferência Correio electrónico Fóruns de discussão Remote desktop Access Whiteboard electrónico Partilha de aplicações Workspace virtual A utilização das ferramentas de comunicação Um levantamento de projectos de investigação de referência CEBOS MOTION TEAMwork UNITE Plataformas de suporte ao teletrabalho e CSCW Soluções de Groupware e Workflow BSCW DISCIPLE Groove eroom Outras plataformas Sítios web de suporte a freelancers e a job matchmaking Análise resumo das ferramentas de suporte ao teletrabalho e CSCW CRONOLOGIA HISTÓRICA RESUMO DOS AVANÇOS CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS DE PLATAFORMAS DE SUPORTE AO TELETRABALHO 143 PARTE 3 UMA PROPOSTA DE MODELO DE SISTEMA E O PROCESSO DE AVALIAÇÃO O PROCESSO DE ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA O PRÉ-QUESTIONÁRIO Estrutura e metodologia do questionário Dados recolhidos ESTRUTURA GERAL DA APLICAÇÃO O ESBOÇO INICIAL UMA PROPOSTA DE MODELO A estrutura técnica As características de acesso A identidade no global Módulos funcionais e serviços Tracking de Utilizadores (TrU) Serviços de Comunicação Gestor de projectos e tarefas Tracking de competências (TrC) 173 III

12 Gestão do sistema e adaptação da Interface Considerações sobre a interface O DESENVOLVIMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DO PROTÓTIPO O que é o 2BeOn? Estrutura técnica e soluções adoptadas O módulo central Tecnologias adoptadas Módulos e serviços implementados Interface gráfica e tipologias de interacção A 1ª versão projecto InTouch A 2ª versão o protótipo 2BeOn A usabilidade e acessibilidade do protótipo CARACTERIZAÇÃO DA FASE DE AVALIAÇÃO, INSTRUMENTOS DE ANÁLISE E APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS DA AVALIAÇÃO DO SISTEMA Características do protótipo e modelo de sistema Interface e modelo de utilização Pressupostos de investigação METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO A AMOSTRA AS FASES DA AVALIAÇÃO Fase pré-teste Questionário inicial Dados recolhidos Formação sobre o sistema Fase de teste - método causal-experimental Especificidades do método Objectivos das sessões de trabalho com o protótipo Estrutura das sessões em laboratório Técnicas de observação e registo Variáveis das sessões em laboratório Caracterização dos utilizadores/avaliadores Dados recolhidos Fase pós-teste O questionário Dados recolhidos A entrevista Dados recolhidos ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DO PROTÓTIPO E MODELOS DE UTILIZAÇÃO Os modelos de interacção e a avaliação heurística O modelo de integração dos serviços de comunicação e gestão 288 IV

13 7.2 DA AVALIAÇÃO DOS PRESSUPOSTOS DE INVESTIGAÇÃO 294 CONCLUSÕES 305 CONCLUSÕES DO ESTUDO 305 REFLEXÃO CRÍTICA E LIMITAÇÕES DO ESTUDO 307 CONTRIBUTOS PARA O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E SOCIAL 308 Propostas de investigação futura 310 BIBLIOGRAFIA 315 ANEXOS 333 V

14 VI

15 Índice de Tabelas Tabela 1 - Sector de actividade no Reino Unido com maior % de adopção de ework...14 Tabela 2 - Nível de escolaridade maioritário dos eworkers no Reino Unido...14 Tabela 3 - % de implementação de ework por sector de actividade em Espanha Tabela 4 Importância considerada aos factores tecnológicos como inibidores do teletrabalho...17 Tabela 5 A utilização de computador, Internet e posse de sítio web por sector de actividade económica em Portugal, Tabela 6 Tipo de ligação à Internet disponível nas empresas portuguesas com mais de 10 empregados, Tabela 7 Habilitação literária dos utilizadores de Internet em PT Tabela 8 Locais de acesso preferencial para acesso à Internet Tabela 9 Motivações para a utilização da Internet...84 Tabela 10 Uso das tecnologias da comunicação e sua importância para o teletrabalho Tabela 11 Resultados do teste comparativo de 2 das principais plataformas de suporte ao trabalho cooperativo (escala 1(medíocre) a 5(excepcional)) Tabela 12 - Análise comparativa das ferramentas de gestão e comunicação de diferentes plataformas on-line Tabela 13 Análise comparativa das funcionalidades disponibilizadas pelas diferentes plataformas de suporte ao trabalho remoto Tabela 14 - Correlação entre os serviços desenvolvidos e a tecnologia utilizada Tabela 15 - Relação da heurística com os indicadores passíveis de obter na fase de avaliação por experimentação Tabela 16 - Características de classificação definidas para os 3 grupos a constituir a amostra Tabela 17 - Frequência de utilização de serviços de comunicação e gestão para fins lúdicos Tabela 18 - Frequência de utilização de serviços de comunicação e gestão para fins profissionais/académicos Tabela 19 Características e objectivos gerais das sessões de avaliação Tabela 20 O calendário das sessões de trabalho com o protótipo 2BeOn para os diferentes grupos Tabela 21 - Descrição dos 3 tipos de personagens assumidos durante as sessões de utilização do protótipo e os objectivos de cada sessão Tabela 22 Excerto de código da função invocada para o registo das interacções no protótipo (à direita) e a janela de associação dos códigos a cada botão (à esquerda) Tabela 23 - Dados obtidos por um registo de interacção com o sistema Tabela24 Informação contida em cada linha de registo VII

16 Tabela 25 - Relação de variáveis independentes e correspondentes dependências Tabela 26 Características etárias e de sexo dos avaliadores Tabela 27 Percentagem de tarefas realizadas com e sem ajuda/apoio dos observadores Tabela 28 - Valores da redução de tempo, em percentagem, registados pelos diferentes grupos na execução das diferentes tarefas Tabela 29 Exemplo de perguntas de avaliação/estima utilizadas no questionário final Tabela 30 - Matriz de relação entre as áreas de análise do questionário e as perguntas que permitem a aferição dessas áreas Tabela 31 A dificuldade de execução de diferentes tarefas do sistema Tabela 32 As situações propicias à recomendação de especialistas Tabela 33 A ordem de importância atribuída aos diferentes serviços de comunicação Tabela 34 O interesse dos utilizadores por funcionalidades da agenda Tabela 35 O guião de perguntas a incluir na conversa com os utilizadores VIII

17 Índice de Gráficos Gráfico 1 - Literacia Digital nos países da União Europeia e EUA...13 Gráfico 2 - Valor de literacia digital vs adopção de teletrabalho na UE Gráfico 3 Número de linhas de telefone fixo por 100 habitantes Gráfico 4 - Número de assinaturas para serviço móvel por 100 habitantes...74 Gráfico 5 Número de computadores por 100 habitantes em Gráfico 6 Utilizadores de Internet por 100 habitantes em Gráfico 7 - % de empresas a usar: computadores, Internet e Intranete sítio web em Gráfico 8 Uso do computador para trabalho por tipo de cargo profissional em Gráfico 9 - Número de hosts de Internet associados ao código do país por 100 habitantes (Agosto de 2003) Gráfico 10 Previsão do nº de teletrabalhadores...80 Gráfico 11 - % de trabalhadores que adoptam regimes de teletrabalho regular ou ocasional...80 Gráfico 12 - % de trabalhadores da União Europeia que adoptam as diferentes modalidades de teletrabalho (incluindo teletrabalho móvel) Gráfico 13 Serviços e tecnologias de comunicação utilizados para manter o contacto com as empresas Gráfico 14 Frequência de uso do computador Gráfico 15 O tipo de acesso à Internet dos utilizadores Gráfico 16 Representação da regularidade de utilização de serviços de comunicação e gestão para fins lúdicos Gráfico 17 - Representação da regularidade de utilização de serviços de comunicação e gestão para fins profissionais/académicos Gráfico 18 - Dificuldades na utilização conjugada dos diferentes serviços de comunicação e gestão Gráfico 19 - Dificuldades na utilização conjugada dos diferentes serviços de comunicação e gestão (apenas respondentes seleccionados) Gráfico 20 O desempenho de actividades fora da instituição e a sua periodicidade semanal Gráfico 21 - Os serviços de comunicação e troca de informação utilizados para manter contacto com pessoas/equipas remotas Gráfico 22 O interesse pela disponibilidade de um sistema integrado para coordenar equipas remotas Gráfico 23 O interesse pela disponibilidade de um sistema integrado para coordenar equipas remotas em múltiplos terminais Gráfico 24 Tempo médio dispendido para a realização das sessões de trabalho Gráfico 25 Melhoria da eficiência na execução das tarefas por sessão Gráfico 26 Os tempos gastos em cada sessão por cada utilizador do grupo EXP IX

18 Gráfico 27 - Os tempos gastos em cada sessão por cada utilizador do grupo NTC Gráfico 28 - Os tempos gastos em cada sessão por cada utilizador do grupo EI Gráfico 29 - A avaliação do nível de compreensão da interface e das suas funcionalidades Gráfico 30 A utilidade das ajudas disponibilizadas pelo sistema Gráfico 31 - A média de dificuldade que a execução de diferentes tarefas comportou Gráfico 32 Interesse em dispor de acesso ao 2BeOn em terminais móveis (à esq.) e televisão interactiva (à dir.) Gráfico 33 Interesse em dispor de uma área centralizada de ficheiros e razões para tal Gráfico 34 Concordância em receber mensagens em serviços de comunicação alternativos Gráfico 35 Interesse em dispor da funcionalidade de tracking de competências Gráfico 36 Reacção a um contacto do universo 2BeOn por sugestão do sistema Gráfico 37 - Reacção a um contacto de um utilizador da própria instituição por sugestão do sistema Gráfico 38 O interesse pela ordenação da lista de contactos (à esq.) e pela notificação automática dos utilizadores (à dir.) Gráfico 39 Nível de apoios dos serviços de comunicação do 2BeOn Gráfico 40 A adequação da informação de evolução da tarefa às necessidades dos utilizadores Gráfico 41 A importância (ou irrelevância) da informação do estado dos utilizadores Gráfico 42 A concordância com a possibilidade de outras pessoas consultarem a sua agenda para marcar compromissos Gráfico 43 - O interesse pelo sistema 2BeOn (A) e o apoio que o sistema poderia dar (B) Gráfico 44 O interesse pelo sistema 2BeOn em: terminais móveis (à esq.) e sistemas de televisão interactiva (à dir.) Gráfico 45 Intenção de utilizar um sistema com o 2BeOn e os fins de tal utilização Gráfico 46 O ambiente integrado do 2BeOn vs aplicações autónomas Gráfico 47 Opinião dos utilizadores sobre o formato a adoptar pelo 2BeOn no futuro X

19 Índice de Figuras Figura 1 Diagrama do modelo geral de comunicação segundo Shannon...30 Figura 2 - O primeiro rato, criado por Engelbart...52 Figura 3 - Árvore de informação representada numa interface 3-D...54 Figura 4 Página de apresentação do site oficial da APDT em: Figura 5 Página de apresentação do portal de informação telecentro...86 Figura 6 - Página de apresentação do sito web da empresa Telemanutenção Figura 7 Relação entre os dinamizadores da transformação do trabalho...89 Figura 8 Desafios da gestão face às diferentes modalidades de teletrabalho Figura 9 O tempo diário dispendido nos transportes vs rendimento per capita..96 Figura 10 - Modelo de sistema proposto para a plataforma Motion Figura 11 A estrutura da plataforma AMETAS do sistema UNITE Figura 12 Interface do calendário da plataforma UNITE Figura 13 Screenshot do interface do BSCW versão Figura 14 Interface do centro de comunicações do DISCIPLE Figura 15 Arquitectura do sistema Groove Figura 16 - interface da janela de criação de uma tarefa no gestor de projectos Groove Figura 17 Interface de um workspace do Groove, versão 3.0c Figura 18 Lista de objectos passíveis de serem acrescentados a cada room..133 Figura 19 - Interface da plataforma eroom com listagem das ferramentas disponíveis Figura 20 Home-page do sítio web Smarterwork Figura 21 - Home-page do sítio web Guru.com Figura 22 Modelo de funcionamento dos produtos e serviços ework.com Figura 23 - Os sistemas de interface da plataforma na relação com o utilizador.154 Figura 24 Diagrama de blocos da interacção que se estabeleceria entre 2 ou mais utilizadores Figura 25 Modelo de sistema da plataforma on-line Figura 26 - Dinâmica de relações entre comunidades de utilizadores do sistema Figura 27 Representação do processo de atribuição de uma tarefa gerido pelo sistema Figura 28 Exemplo de proposta de visualização da agenda de outro utilizador Figura 29 Excerto do fluxograma referente ao registo inicial e login no sistema Figura 30 - Representação esquemática do protótipo 2BeOn XI

20 Figura 31 Tabela users do protótipo 2BeOn Figura 32 - Os dois tipos de comunicação implementados. A cheio Cliente<- >Servidor e a tracejado Cliente<>Cliente Figura 33 - Lista de contactos/amigos e o seu estado Figura 34 Pormenor das aplicações disponibilizadas ao utilizador Figura 35 Tarefa de um projecto associada a vários utilizadores (dois utilizadores e um grupo de utilizadores) Figura 36 Processo de transferência de um ficheiro da areal local para a área comum do projecto, no servidor, e associação a uma tarefa Figura 37 Primeiro esboço da interface do painel de controlo do protótipo Figura 38 Esquematização da janela principal e das opções de contacto com outros utilizadores Figura 39 Duas propostas gráficas de versões intermédias do 2BeOn para ecrãs da área de apoio a projectos Figura 40 Interface da área geral do 2BeOn. Perspectiva da lista de contactos e início de uma sessão de conversa por mensagens instantâneas Figura 41 Área ProjectOn - quadro resumo de tarefas e compromissos mais actuais Figura 42 Área de Projectos (ProjectOn). À esquerda a criação e gestão dos elementos de um novo projecto/equipa; à direita a consulta de uma tarefa Figura 43 - Área de Projectos (ProjectOn). À esquerda a consulta do calendário / agenda pessoal; à direita a área de transferência de ficheiros Figura 44 O ecrã de entrada e login para a utilização do protótipo 2BeOn Figura 45 Janela de envio de um convite para conversa por IM Figura 46 Interface do protótipo com integração de aplicações. À esquerda, pormenor de uma sessão de conversa por IM Figura 47 O processo de envio de um na plataforma 2BeOn Figura 48 Sessão de chat por projecto Figura 49 Agenda da área de projectos do 2BeOn Figura 50 Os principais ícones do interface do 2BeOn nos dois estados de utilização Figura 51 Exemplos da utilização de alternativas de texto para ícones Figura 52 Ecrãs de ajuda ao utilizador: como criar um novo projecto (à esquerda) e como adicionar um compromisso (à direita) Figura 53 - Estrutura dos diferentes momentos das sessões de avaliação Figura 54 - Características e funcionalidades do protótipo demonstradas nas sessões de formação Figura 55 O investigador responsável pelo estudo participa nas sessões como observador reagindo e despoletando eventos Figura 56 - Teia de relações no contexto adoptado para a avaliação Figura 57 Da esquerda para a direita os cartoons que acompanhavam os guiões de: o/a director(a), o/a gestor(a) o/a teletrabalhador(a) XII

21 Figura 58 Um avaliador executa as tarefas, o observador regista as acções deste Figura 59 Uma avaliadora preenche o questionário final Figura 60 Ícone de acesso à funcionalidade de eliminar contactos XIII

22 XIV

23 1 INTRODUÇÃO Na economia do futuro o capital será o homem total (Lévy, 1994: 59) O homem, reconhecido pelas suas competências, torna-se o principal factor de produção de riqueza e sustentação económica das organizações modernas. Dotar os recursos humanos de melhores condições para o desenvolvimento das suas actividades laborais torna-se uma prioridade das organizações com vista à retenção dos recursos mais competentes. Os novos paradigmas das organizações e do trabalho O teletrabalho como factor de inclusão social Paralelamente, verifica-se uma crescente estruturação do trabalho em equipas ad hoc orientadas a projectos enquadradas em organizações passíveis de serem classificadas, de acordo com diversos autores, como: adhocráticas, sem fronteiras, camaleão, matriciais com as pessoas no cerne da organização. (Mintzberg, 1983; Askenas, 2003; Miller, 2003; Cury, 2000; Kanter, 2003). A estruturação em equipas introduz uma maior dinâmica na distribuição dos recursos humanos, dinâmica essa, frequentemente, só alcançável com a flexibilização do espaço e do tempo de execução dos projectos. Os regimes de trabalho flexíveis como o teletrabalho permitem dar resposta a estas (novas) exigências. Entre outras razões impulsionadoras, numa primeira fase, da adopção do teletrabalho conta-se a resposta às necessidades de empregabilidade de pessoas que de outra forma não poderiam exercer determinadas actividades laborais, como pessoas com necessidades especiais, nomeadamente deficiências físicas e/ou motoras, papel esse já consagrado na legislação portuguesa. De facto, na Lei de Bases da Prevenção e da Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência (Dec. Lei Nº 9/89 de 2 de Maio), artigo 10º, ponto 1, refere-se que "a reabilitação profissional tem por objectivo permitir à pessoa com deficiência o exercício de uma actividade profissional e compreende um conjunto das intervenções específicas no domínio da orientação e formação profissional, bem como as medidas que permitam a sua integração quer no mercado normal de emprego quer noutras modalidades alternativas de trabalho. O artigo 22º acrescenta que "a política de emprego deve incluir medidas, estímulos e incentivos técnicos e financeiros que favoreçam a integração profissional das pessoas com deficiência no mercado de trabalho e a criação de modalidades de actividades profissionais" (Obercom, 2004). O livro Verde para a Sociedade da Informação reforçou esta iniciativa. Introdução 1

24 Contudo, a aplicação de regimes flexíveis de trabalho não se esgota no seu papel de factor de inclusão social, sendo, crescentemente, uma alternativa a considerar pelas entidades empregadoras privadas, instituições públicas e trabalhadores dependentes ou independentes. Uma alternativa que não será, necessariamente e para a maioria dos adeptos, a tempo integral, como preconizavam os primeiros entusiastas desta prática, mas uma alternativa a tempo parcial e complementar ao trabalho regular 1. De referir que o teletrabalho é apenas uma alternativa de organização do trabalho que está disponível para determinados empregos e situações. Necessariamente, não deverá ser entendida como a forma de organização do futuro ou do passado. É uma alternativa que poderá ser vista por uma maior ou menor percentagem da força activa de trabalho, como mais uma forma de trabalhar. A tendência será para se compreender o teletrabalho como algo natural, o facto de se trabalhar em casa começa a ser natural e não visto como uma qualquer experiência nova de organização laboral. O teletrabalho como uma alternativa natural de organização do trabalho Every advance in communication changes the nature of reality as we experience it. ( ) The Internet is yet another revolutionary method of communication. For the first time in the history of the world, I can have an ongoing, fast-moving conversation with people regardless of their physical location, schedule, or other such constraints( ) The world is changing, and we re the ones that are doing it, whether we realize it or not. (Amanda Walker citada em Wellman: 1999b: 168). A Internet e as soluções de comunicação nela assentes vêm permitir que as práticas de teletrabalho se alarguem através de uma reforçada sustentação tecnológica da comunicação interpessoal e da gestão dos próprios processos laborais. As tecnologias da Informação e Comunicação on-line permitem o estabelecimento redes sociais, computer-supported social networks (CSSNs), que são a base para a criação de comunidades virtuais unidas por motivos laborais ou de lazer (Wellman, 1997: 191). Comunidades que contribuem para a aproximação dos seus membros, facilitando as actividades das organizações cujas interacções se sustentam na rede das redes (Rheingold, 2000). Como em qualquer organização, a eficácia do trabalho entre membros de equipas distanciados geograficamente é condicionada pela capacidade de se manter as redes sociais próximas preservando-se, desta forma, a estrutura laboral e comunicacional que sustenta um grupo de trabalho. O O trabalho a distância e o suporte tecnológico 1 Ver o ponto sobre a classificação das modalidades de teletrabalho quanto à periodicidade do desempenho das actividades. 2 Introdução

O suporte à comunicação e gestão de actividades em regime de teletrabalho

O suporte à comunicação e gestão de actividades em regime de teletrabalho O suporte à comunicação e gestão de actividades em regime de teletrabalho Pedro Alexandre Almeida e Óscar Mealha Departamento de Comunicação e Arte Universidade de Aveiro Resumo A virtualização da comunicação

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1 Guião de Entrevista N.º1 Apresentação e objectivo da Entrevista. Contextualização Institucional e Académica do Estudo. Relevância/Contributo Científico da Pesquisa. Consentimento Informado. A presente

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source

Relatório Preliminar de. Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II. VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Relatório Preliminar de Projecto de Telecomunicações em Contexto Empresarial II VoIP Desenvolvimento de Aplicações em Plataformas Open Source Cândido Silva Av. dos Descobrimentos, 333 4400-103 Santa Marinha

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

Boas Práticas. Maria José Amândio. Reunião Nacional do Projecto ENTITLE Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro 24 de Setembro de 2009

Boas Práticas. Maria José Amândio. Reunião Nacional do Projecto ENTITLE Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro 24 de Setembro de 2009 Boas Práticas A experiência das Bibliotecas Municipais de Oeiras Infoliteracia: A Busca do sentido na cultura digital Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras Maria José Amândio Sumário 1. Rede de Bibliotecas

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE Mestrado em Tradução Tradução da primeira parte de Droit de la Famille de Dominique Fenouillet Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING

EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING EXERCÍCIOS ACOMPANHADOS: CONJUNTO INOVADOR DE FUNCIONALIDADES DE PLATAFORMAS DE E-LEARNING Anna Guerman, Humberto Santos, Pedro Dinis Gaspar, António Espírito Santo, Cláudia Santos Universidade da Beira

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHCRecursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos CS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

www.linkconsulting.com O PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO DE LINGUAGEM NATURAL NA INTERACÇÃO COM O CLIENTE

www.linkconsulting.com O PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO DE LINGUAGEM NATURAL NA INTERACÇÃO COM O CLIENTE www.linkconsulting.com O PROCESSAMENTO AUTOMÁTICO DE LINGUAGEM NATURAL NA INTERACÇÃO COM O CLIENTE Instant Messaging no contexto bancário Mais um canal de comunicação entre o cliente e o banco Gestor de

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Câmaras Municipais 2004

Câmaras Municipais 2004 Câmaras Municipais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (Resultados Provisórios) Dezembro de 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Câmaras Municipais

Leia mais

Apresentação do Courseware Sere.

Apresentação do Courseware Sere. Apresentação do Courseware Sere. 1. Porquê este Courseware? As Nações Unidas proclamaram 2005-2014 a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável (DEDS). Segundo a UNESCO, Organização Internacional

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS 2015-2016 2 PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E BENEFÍCIOS SOCIAIS COORDENAÇÃO Prof. Doutor Paulo Lopes Henriques Prof. Doutor Sérgio

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

PLANO DE APRESENTAÇÃO

PLANO DE APRESENTAÇÃO DEGEI Mestrado em Gestão de Informação AVALIAÇÃO DA ADOPÇÃO DA FORMAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DE ESTUDO NA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA PLANO DE APRESENTAÇÃO TEMA CONTETO PROBLEMA HIPÓTESES CONTETO TEÓRICO

Leia mais

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor

Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Perfil de Competências Transversais e de Formação do Empreendedor Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO. 2. Como Funciona

ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO. 2. Como Funciona 1 1. O que é? Sistema Inovador de Contacto; Tecnologia IVR Interactive Voice Response; Tecnologia TTS Text-to-speech; Tecnologia STT Speech-to-text; Criado e desenvolvido LOGICOMER, compatível com qualquer

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais