Arquitetura de Serviços para o Portal de Compras Pervasivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de Serviços para o Portal de Compras Pervasivo"

Transcrição

1 Arquitetura de Serviços para o Portal de Compras Pervasivo Rafael Pereira Pires, Ricardo Miotto Redin, Rubens Cesar Belusso João Carlos Damasceno Lima, Iara Augustin Núcleo de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Centro de Tecnologia, sala Santa Maria RS Brasil {rafaelpp, redin, belusso, caio, Abstract. The pervasive computing can be summarized by 3 A s: Anywhere, Anytime and Any device because it intends to make the computational environment available anytime, anywhere and be accessible from any device. The GMob/UFSM group develops a project that adds these features in an existent system. This paper describes the architecture and services required to implement this system. Resumo. A computação pervasiva, pode ser resumida pelos 3 A's: Anywhere, Anytime, Any device, e visa disponibilizar o ambiente computacional do usuário a qualquer tempo, em qualquer lugar, acessando com qualquer dispositivo. O GMob/UFSM desenvolve um projeto que visa adicionar características desse novo ambiente computacional em um sistema legado. Este artigo descreve a arquitetura e os serviços necessários à implementação desse sistema. 1. Introdução A Computação Pervasiva é uma área nova da computação [Saha 2003] [Satyanarayanan 2001] que fornece uma visão da computação futura onde a computação estará totalmente integrada ao ambiente e o poder computacional estará disponível em qualquer lugar e acessível a qualquer tempo. Este cenário possibilita uma mobilidade global e é constituído de uma diversidade de dispositivos móveis e estáticos que dinamicamente se conectam, reagem ao ambiente corrente e se coordenam uns com os outros e com os serviços de rede para auxiliar o usuário na realização de suas tarefas. No grupo GMob (grupo de pesquisa em sistemas de computação móvel) está em desenvolvimento projeto pbuy 1, que introduz características de pervasividade em um sistema legado, chamado Portal de Compras, desenvolvido pela empresa SIG Soluções em Informática e Gestão (www.sigbrasil.com.br). Dentre os estudos realizados para a modelagem das novas aplicações do portal de compras, identificou-se que as aplicações necessitarão de um conjunto de serviços que tratem as características peculiares dos dispositivos portáteis e do impacto da mobilidade sobre o sistema. Este artigo aborda a arquitetura dos serviços e discute as questões envolvidas na modelagem destes. O restante do artigo segue a estrutura: a seção 2 define os principais conceitos da computação pervasiva; a seção 3 discute a arquitetura de serviços pbuy e focaliza questões embutidas na modelagem de cada serviço; a seção 4 registra o status do projeto; a seção 5 relata os trabalhos relacionados e a seção 6 conclui o artigo. 1 Projeto financiado pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) com período de realização: 2005 e 2006.

2 2. Caracterizando a Computação Pervasiva Um novo cenário computacional, conhecido como Computação Pervasiva (Pervasive Computing 2 ) está surgindo a partir das possibilidades introduzidas pelos equipamentos portáteis e a comunicação sem fio [Saha, 2003]. Um dos conceitos de computação pervasiva, sob a visão tecnológica, resume-a em 3 A's: Anywhere, Anytime, Any device, destacando os aspectos da disponibilização do ambiente computacional do usuário em qualquer lugar, acessível a qualquer tempo e com qualquer dispositivo. A computação móvel, considerada a etapa atual da mobilidade computacional, através da natureza de suas propriedades - portabilidade, mobilidade e conectividade - introduz restrições aos sistemas e aplicações [Augustin, 2004]. Apesar da evolução natural da tecnologia, a maioria dos pesquisadores considera que essas limitações permanecerão, principalmente se comparadas ao ambiente de rede fixa. Então, as aplicações devem procurar explorar a natureza da mobilidade. No ambiente considerado pelo pbuy, as aplicações são móveis e distribuídas. Isto significa que durante a execução da aplicação esta pode se mover entre dispositivos seguindo a trajetória do usuário (semântica siga-me). Para permitir esta funcionalidade é necessário que a aplicação se adapte ao ambiente corrente, logo, consciência do contexto é um requisito importante na modelagem dessas aplicações. Os serviços do pbuy endereçam essas questões, conforme descrito a seguir. 3. Arquitetura de Serviços pbuy Nesta fase do projeto, está sendo realizada a modelagem dos serviços considerando o relacionamento entre as aplicações existentes no Portal de Compras e as novas funcionalidades exigidas pela computação pervasiva. O conjunto de novos serviços sendo introduzidos é ilustrado na figura 1. Figura 1. modelagem de alto nível do sistema pbuy O software Portal de Compras tem como base um sistema de leilão virtual para a realização de compras. O leilão é dividido em fases, delimitadas por datas ou ações da 2 Alguns autores usam o termo Computação Ubíqua (Ubiquitous Computing). Atualmente, está-se considerando esses dois conceitos como únicos, embora a computação ubíqua originalmente denote um ambiente computacional mais futurista como proposto por Mark Weiser [WEISER 1991].

3 parte que realiza o leilão, e cada fase gera tanto mensagens do usuário para o sistema quanto mensagens do sistema para o usuário, sendo que a última deve ser entregue onde o usuário estiver e no dispositivo em uso no momento por ele. Essas características geram a necessidade de um serviço de envio de mensagens (Serviço de Disseminação) para o usuário autenticado pelo sistema (Serviço de Autenticação) de forma uniforme e independente do dispositivo que será utilizado. O serviço deve estar ciente do dispositivo do usuário no momento do envio para fazer a adaptação do conteúdo (Serviço de Apresentação) de forma que o dispositivo aceite e disponibilize para o usuário, levando em consideração o estado da rede e o tipo de conexão através do Sistema de Comunicação. 3.1 Serviço de Disseminação de informações independentes de dispositivo Disseminação de informações, também referenciada como tecnologia push para entrega de dados é uma resposta para alguns dos problemas introduzidos pela entrega de dados pull, onde o usuário solicita sob demanda as informações que necessita [Franklin, 1998]. Um desses problemas é que o usuário deve conhecer a priori onde e quando obter os dados. Quando a volatilidade de dados é alta, os usuários devem buscar dados freqüentemente, gastando tempo e esforço. O segundo problema é o descompasso entre a natureza assimétrica de algumas aplicações e a infra-estrutura simétrica da comunicação. A disseminação de informações procura resolver esses problemas ao colocar o servidor como ponto de partida do envio dos dados (push), ao invés da consulta explícita do usuário (pull). Segundo Henricksen [Henricksen 2001], os usuários da computação pervasiva são móveis e podem explorar as capacidades de vários dispositivos simultaneamente. Desta forma, torna-se necessário produzir mecanismos que possibilitem a distribuição e mobilidade do código/dados também. Estes mecanismos devem ser amplamente transparentes para os desenvolvedores de software, de modo que os mesmos não tenham que se preocupar com questões como migração de dados e código e/ou sincronização de componentes distribuídos. Seguindo esta linha de pensamento, o serviço de disseminação de dados deve ser transparente para o programador de aplicação, ou seja, a aplicação deve enviar a mensagem identificando o usuário-destino desta. Assim, o serviço de disseminação será o responsável por identificar onde o usuário-destino está, qual equipamento está utilizando no momento e enviar a mensagem de forma adaptada ao dispositivo. No pbuy, este serviço interage com os outros serviços de suporte às aplicações com comportamento pervasivo; em especial, com o serviço de apresentação, que realiza a adaptação de conteúdo ao dispositivo corrente, e o serviço de autenticação do usuário. O serviço de disseminação modelado provê um formato de mensagens com as aplicações através de padrões amplamente utilizados na Internet. Pode-se enumerar os seguintes padrões que o sistema irá dispor: HTTP, WAP e SOAP. A escolha do HTTP se justifica por ser um dos protocolos de comunicação mais utilizados e com implementações para grande parte dos dispositivos-alvo. Por outro lado, escolheu-se WAP por ser padrão suportado por telefones celulares e dispositivos semelhantes. Para ter uma forma de comunicação de alto-nível será implementada também a transferência de dados através de SOAP. As mensagens enviadas ao serviço de disseminação são endereçadas ao usuário e não ao dispositivo ou endereço IP (Internet Protocol). O serviço deve encontrar o dispositivo em uso corrente pelo usuário-destino para enviar a mensagem. Desta forma,

4 o usuário receberá a mensagem independentemente do dispositivo que estiver utilizando. O serviço modelado implementa esta funcionalidade. A atribuição de um endereço para o usuário independentemente do dispositivo que ele ocupe para acessar o ambiente é uma das questões mais relevantes deste serviço, a qual permite a entrega ao usuário independente do dispositivo em uso, no momento. A necessidade de um padrão de endereçamento é característica do ambiente pervasivo. A forma de endereçamento ideal teria que contemplar a total mobilidade do usuário, tanto dentro dos domínios do ambiente local quanto para fora do mesmo, a troca de endereços sem a perda da conectividade, intervalo extremamente curto entre as trocas de endereço, a desconexão do dispositivo sem aviso, etc. No entanto, atualmente, poucos protocolos de comunicação suportam as necessidades desse ambiente. Dentre os que possuem algumas das características necessárias ao serviço pbuy estão o DNS Dinâmico e o Bonjour. Assim, para decisão de modelagem do serviço de disseminação foram analisadas duas formas de implementação: (i) uma baseada no uso de um esquema de DNS Dinâmico [RFC 2136], e (ii) outra baseada no protocolo Bonjour [Apple 2005]. Os resultados dessa análise são relatados a seguir DNS Dinâmico O DNS Dinâmico é um adendo do padrão DNS que permite uma forma de fazer mudanças em determinados registros da base de dados de um servidor de nomes sem a necessidade de edição manual do arquivo de zonas do mesmo. Usando tal definição é possível para máquinas que tem o seu IP atribuído de uma forma dinâmica, i.e., sujeito a mudar em condições predeterminadas, traduzir este IP em um nome fixo no sistema de DNS. Do ponto de vista da computação pervasiva é desejável tal característica, já que desta forma ter-se-á um acesso uniforme aos dispositivos através de seu nome DNS. Já existem no mercado implementações comerciais desse protocolo [No-IP 2005]. O principal aspecto desfavorável de tais implementações é a exigência de uma latência relativamente alta entre cada atualização, característica que as desqualifica para uso, pois um ambiente computacional pervasivo prevê a mobilidade dos usuários de uma forma não preditiva e livre de requisitos de tempo Bonjour Bonjour é o nome que a Apple deu à evolução do protocolo AppleTalk. Este protocolo, também conhecido como Rendezvous, tem como princípio a descoberta de serviços e máquinas em uma sub-rede baseado nos protocolos IP e DNS [DNS Service Discovery 2005] [Multicast DNS 2005], e é a implementação da Apple do protocolo Zeroconf da Internet Engineering Task Force (IETF). O protocolo tem como ponto forte a descentralização que permite um aumento de desempenho e o fato de ser adotado por muitos fabricantes de hardware. O Bonjour é o protocolo julgado mais adequado para a implementação do serviço para o projeto pbuy por ser bem documentado e amplamente utilizado. Outra vantagem é o fato de possuir uma implementação de código aberto. A principal vantagem do ponto de vista da computação pervasiva é o fato deste protocolo não utilizar um mecanismo de centralização para responder as requisições, desta forma temos um aumento do desempenho e também retiramos um ponto único de falha. Ele também provê uma forma inteligente e não interativa com o usuário de resolução de

5 conflitos de endereços, onde o próprio dispositivo tenta obter um endereço e em caso de conflito troca o mesmo até obter uma configuração válida da rede Funcionamento Quando uma aplicação deseja enviar uma mensagem para um determinado usuário através do serviço de disseminação ela deve chamar o método apropriado solicitando o envio da mensagem para o usuário juntamente com a mensagem. De posse destas informações o serviço de disseminação, em um caso de uso com sucesso, procede da seguinte forma: analisa os requisitos temporais da mensagem para saber se a mesma deve ser enviada agora ou deve aguardar algum tempo definido pela aplicação que pediu o seu envio; caso a mensagem necessite ser enviada agora, faz uma requisição ao serviço de autenticação solicitando, se o usuário em questão está ativo no momento. O serviço de autenticação responde com o dispositivo e endereço correspondentes; o serviço de disseminação chama o serviço de apresentação para que modifique o conteúdo da mensagem para que o mesmo possa ser entendido pelo dispositivo do usuário no momento; é necessária uma nova consulta ao serviço de autenticação, pois o usuário pode ter mudado de dispositivo ou desconectado do sistema (caso em que a mensagem deve ser reformatada pelo serviço de apresentação ou agendada para envio posterior); verificando que o usuário continua com o mesmo estado, o serviço de disseminação abre uma conexão do tipo suportado pelo dispositivo do usuário no momento e envia a mensagem. Internamente, o serviço guardará em um banco de dados persistente as informações sobre os usuários e seus dispositivos e as mensagens com requisitos temporais, isto é, que devem ser enviadas no futuro e/ou tem um prazo de validade para envio. 3.2 Serviço de Apresentação do Conteúdo Adaptado ao Dispositivo Adaptação de conteúdo é um aspecto relevante para a computação pervasiva pois contribui para o aumento da usabilidade das aplicações [Satyanarayanan, 2001]. Adaptação de conteúdo, às vezes chamada de transcodificação, pode ser entendida como o processo de seleção, geração ou modificação do conteúdo (texto, imagens, áudio e vídeo) satisfazendo o ambiente computacional e o contexto de seu uso. O contexto pode ser identificado por qualquer informação que caracteriza o usuário, o lugar ou até algum outro objeto relevante a interação entre o usuário e a aplicação [Dey, 1999]. A adaptação de conteúdo permite que informações sejam mostradas corretamente em diversos ambientes. O projeto pbuy tem como característica a interação com uma enorme quantidade de dispositivos e, portanto, tem a necessidade da funcionalidade deste serviço. No sistema pbuy, o serviço de apresentação será utilizado por outros serviços, tais como o serviço de disseminação de informações. O serviço de disseminação informará o tipo do dispositivo e os dados que sofrerão o processo de adaptação automática. Os dados adaptados ao dispositivo deverão retornar ao serviço de disseminação para envio destes na forma de mensagens.

6 O serviço de apresentação deve considerar a heterogeneidade dos dispositivos portáteis e celulares existentes. Considerando que não foram encontradas soluções relativas a sistemas móveis para a realização das funcionalidades desejadas, foram encontradas apenas soluções relativas a web, e não soluções voltadas ao ambiente pervasivo, concluiu-se que seria necessário desenvolver uma solução própria para atender aos requisitos funcionais do serviço. Para o desenvolvimento desta solução será utilizada a tecnologia XSL, abreviação de extensible Stylesheet Language (Linguagem de Folha de Estilos Extensível)[XSL, 2005]. O XSL foi desenvolvido pela World Wide Web Consortium (W3C) pela necessidade de uma linguagem de estilos para documentos XML (Extensible Markup Language), permitindo assim a transformação de documentos XML em outros tipos de documentos. Neste caso, será armazenada uma única versão com o conteúdo a ser apresentado, enquanto diferentes formas de apresentação serão geradas automaticamente a partir deste conteúdo de acordo com o tipo de dispositivo-alvo. Para isso, o armazenamento do conteúdo é no padrão XML de forma a ser convertido em formato apropriado ao dispositivo-alvo, fazendo uso da tecnologia XSL. Num primeiro momento, será realizada a adaptação considerando dois formatos de dados: html e wml que atendem as necessidades imediatas das aplicações pbuy. Outros formatos poderão ser tratados na seqüência de execução do projeto. 3.3 Serviço de Comunicação Consciente do Estado da Rede Na computação pervasiva, onde os elementos computacionais são dispersos e é possível ter acesso de qualquer lugar e dispositivo, ocorre o deslocamento da computação centrada no dispositivo para a computação centrada no usuário e suas atividades. Nesta visão, quem deve ser reconhecido pelo sistema é o usuário e não os equipamentos que ele porta ou usa (como estão definidos os sistemas computacionais atuais). O usuário passa a ser o ponto de partida no projeto dos serviços. Assim como a comunicação humana é caracterizada por interações com um conjunto de objetos em seu ambiente, os sistemas de comunicação não devem ser construídos baseados em tecnologias específicas, mas na análise do espaço de comunicação individual. O resultado é um sistema de comunicação que se adapta às demandas específicas de cada indivíduo (Icentric) [Zeletin, 2004]. A comunicação no ambiente pervasivo, por causa dos seus requisitos, envolve várias questões e desafios de pesquisa. Neste cenário, onde desconexões são freqüentes, faz-se necessário um serviço de comunicação que leve em consideração o estado da rede e o tipo de conexão. Este serviço está atualmente sendo modelado juntamente com outros serviços de suporte às aplicações no projeto pbuy. Resultados iniciais da pesquisa identificaram os requisitos e questões a serem resolvidas. As desconexões têm várias causas: voluntária, falta de energia, mudança de área de cobertura (handoff). Os terminais móveis são freqüentemente desconectados da rede, como uma forma de economizar energia. As unidades móveis podem se desconectar de uma determinada rede caso não concordem com o nível de serviço disponível ou queiram economizar energia. A preocupação com a desconexão faz parte do suporte à computação pervasiva, por isso mecanismos para tratar handoffs, recuperar informações e consistência de caching são necessários. O serviço de comunicação estará permanentemente disponível no dispositivo móvel (PDA, celular) e será a ponte de comunicação das aplicações do pbuy executando no dispositivo com o mundo externo. Este será responsável por controlar o

7 estado da rede e identificar o tipo de acesso. Estratégias de caching serão utilizadas para os momentos de desconexões. Outra questão a ser tratada é como fornecer tal funcionalidade considerando as diferentes capacidades de PDAs e celulares. 4. Status do Projeto Para o desenvolvimento da solução serão utilizados métodos, técnicas e ferramentas da Análise e Projeto Orientado a Objetos. Particularmente, usam-se Padrões de Projeto [Gama, 1997] e Diagramas UML que auxiliam na modelagem do sistema, os quais facilitam futuras alterações/evoluções. A linguagem adotada para desenvolvimento é a plataforma Java em suas versões J2SE (standart edition), J2ME (micro edition) e J2EE (enterprise edition). Esta foi escolhida pela ampla aceitação, facilidades fornecidas para projetos na área de mobilidade e Web, e pela portabilidade o que facilita a programação de PDAs. Após a modelagem dos serviços, serão executadas as etapas de implementação de acordo com as especificações e desenvolvimento e execução de aplicações-teste com o intuito de validação do sistema e coleta dos resultados. 5. Trabalhos Relacionados Computação pervasiva é uma área de pesquisa muito recente, derivada de sistemas móveis e distribuídos. Não são conhecidos outros trabalhos que objetivam a introdução de características de um ambiente pervasivo em sistemas legados e poucos abordam as questões identificadas como requisitos de projeto. Para a modelagem dos serviços do projeto pbuy serão utilizados alguns resultados de pesquisas realizadas em campos corelatos, destacados a seguir. A disseminação de dados em ambiente de computação pervasiva é objeto de pesquisa do grupo de mobilidade da Universidade Rutgers [DATAMAN 2005]. Os diversos projetos na área de disseminação de dados em ambientes móveis deste grupo abordam muitos aspectos relevantes ao tema, dentre os quais: espacialidade do escopo das informações, roteamento de pacotes em ambiente heterogêneos e efeitos da mobilidade em sistemas de banco de dados. O WTP (WebSphere Transcoding Publisher) [WTP, 2005], da IBM, possui uma série de funcionalidades voltadas à adaptação de conteúdo que podem ser exploradas de diversas maneiras. O WTP inclui funções para realizar o roteamento de requisições dinamicamente para o adaptador correspondente, baseado na URL de destino, nas características e capacidades de cada dispositivo e nas preferências do usuário. Alguns tipos de adaptação de conteúdo implementados pelo WTP são citados a seguir: Simplificação do HTML, HTML para WML, XSLT (extensible Stylesheet Language Transcoding) e Fragmentação de documentos. Operação desconectada é um modo de operação onde o cliente continua a usar os dados da sua cache durante falhas temporárias da rede ou do servidor. No Coda [Satyanarayanan, 1990] - sistema de arquivos móveis que aprofundou o estudo da desconexão planejada - um gerente de cache opera em três estados: (i) hoaring, modo conectado, onde o gerente guarda dados úteis em antecipação à desconexão; (ii) emulation, estado em que o cliente está desconectado fisicamente; e (iii) reintegration, quando reconectado, sincroniza sua cache. 6. Conclusões A Computação Pervasiva é um novo paradigma que tem despertado muita atenção neste início de década. Previsto para ser a computação do século 21, somente agora a

8 viabilidade deste cenário computacional começa a ser explorado. Resultados iniciais dos projetos de pesquisas identificaram os requisitos e questões a serem resolvidas para concretização desse ambiente computacional. Neste escopo, a arquitetura e os serviços aqui descritos têm relevância, pois objetivam introduzir características de um ambiente pervasivo em um sistema legado. O projeto pbuy encontra-se atualmente em fase de modelagem dos serviços. Os principais requisitos identificados são os serviços de disseminação de informações, apresentação de conteúdo adaptada ao dispositivo e comunicação consciente do estado da rede. Espera-se que, ao final do projeto, o sistema possua características de um ambiente pervasivo como semântica siga-me e consciência de contexto. Referências Bibliográficas Apple Developer Connection Bonjour, acessado em 02/08/2005. Augustin, I. Abstrações para uma linguagem de programação visando aplicações móveis em um ambiente de pervasive computing Tese (Doutorado em Ciência da Computação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. DATAMAN - Mobile Computing Laboratory, acessado em 03/08/2005. Dey. A. & Abowd. G.. Towards a Better Understanding of context and context-awareness Technical Report GIT-GVU Georgia Institute Technology, June DNS Service Discovery (DNS-SD), acessado em 02/08/2005. Franklin, M.; Zdonik, S. Data in Your Face: Push Technology in Perspective. ACM SIGMOD International Conference on the Management of Data. Seattle, WA. Proceedings. Jun Gama, E. et al. Design Patterns: elements of reusable object oriented software. 10th Ed. Reading, MA: Addison-Wesley, Henricksen, K.; Indulska, J.; Rakotonirainy, A. Infrastructure for Pervasive Computing: Challenges. In: Workshop on Pervasive Computing, Informatik, 2001, Vienna, Austria. Proceedings [S.l.:s.n.], Multicast DNS, acessado em 02/08/2005. No-IP - Dynamic DNS, Static DNS for Your Dynamic IP, acessado em 10/09/2005. RFC 2136 (rfc2136) - Dynamic Updates in the Domain Name System (DNS UPDATE), acessado em 03/08/2005. Saha, D.; Mukherjee, A. Pervasive computing: a paradigm for the 21st century. IEEE Pervasive Computing, v.36, n.3, p Mar Satyanarayanan, M., Kistler, J. J., Kumar, P., Okasaki, M.E., Siegel, E.H., Steere, D.C. Coda: A Highly Available File System for a Distributed Workstation Environment. IEEE Transaction on Computers 39(4), April, Satyanarayanan, M. Pervasive Computing: Vision and Challenges. IEEE Personal Communications, New York, XSL, extensible Stylesheet Language. Disponível em acessado em agosto/2005. Zeletin, R. P., Steglich, S., Arbanowski, Stefan. Pervasive Communication A Human-centered Service Architecture. 10 th IEEE International Workshop on future Trends of distributed Computing systems, WTP, IBM WebSphere Transcoding Publisher, IBM Corporation. Disponível em acessado em julho/2005.

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Serviço de Autenticação em Espaços Pervasivos, o caso do projeto pbuy 1

Serviço de Autenticação em Espaços Pervasivos, o caso do projeto pbuy 1 Serviço de Autenticação em Espaços Pervasivos, o caso do projeto pbuy 1 Iara Augustin, João Carlos Damasceno Lima, Edmar Pessoa Araujo Neto, Fábio Lorenzi da Silva, Luzandro Candido Tietbohl, Cristiano

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos

Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Comparativo entre Projetos de Infraestrutura Computacional Pervasiva para Ambientes Clínicos Marcelo Lopes Kroth 1, Iara Augustin 2 1, 2 Grupo de Sistemas de Computação Móvel (GMob), Universidade Federal

Leia mais

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS) Porto Alegre RS Brasil. {fdalosto, hunderc, Smayres}@gmail.com

Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS) Porto Alegre RS Brasil. {fdalosto, hunderc, Smayres}@gmail.com Validação de modelo para registro de freqüência utilizando computação pervasiva e tecnologia RFID Camila San Martin Ayres, Fábio Dal Osto, Hunder Everton Correa Jr. Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS)

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

!! Conrado Carneiro Bicalho!!!!!

!! Conrado Carneiro Bicalho!!!!! Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Conrado Carneiro Bicalho Bancos de Dados em Dispositivos Móveis Ouro Preto

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Computação Sensível ao Contexto

Computação Sensível ao Contexto Computação Sensível ao Contexto Percepção de Contexto em Ambientes Domiciliares Modelagem de Contexto Modelagem de Contexto + Modelagem de Usuário Fabrício J. Barth novembro de 2004 Sumário O que já foi

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 -

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 - - 1 - - 2 - - 3 - Segundo (Garg, 2004), são sistemas compostos por múltiplos processadores conectados por uma rede de comunicação, sendo a rede de comunicação uma LAN (Ethernet) ou WAN (Internet). - 4

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Middleware Orientado a Mensagens Visão Geral Comunicação Gerenciamento de Filas Padrões e Produtos 1 Middleware Orientado a Mensagens RPC/RMI é inadequado para comunicação em alguns cenários de aplicação

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Estilos Arquitetônicos e Arquitetura Cliente/Servidor Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática /

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle

Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Modelo de Controle de Acesso para uma Arquitetura Orientada a Serviços Visando a Integração de Aplicações de Comando e Controle Márcio Araújo Varchavsky, Eduardo Martins Guerra, Clóvis Torres Fernandes

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Arquitetura de uma Rede JXTA

Arquitetura de uma Rede JXTA Page 1 of 6 Redes de Proteção SP Produtos de Rede Confiança e credibilidade. fone Produtos TrendNet: qualidade, (011) 6197-0707 garantia e ótimo custo/benefício. www.tudoderedesdeprotecao.com.br http://www.trendware.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Gerenciamento de Dispositivos de Borda Reconfiguráveis na Computação Pervasiva

Gerenciamento de Dispositivos de Borda Reconfiguráveis na Computação Pervasiva Gerenciamento de Dispositivos de Borda Reconfiguráveis na Computação Pervasiva Eduardo da Silva Möller, Wagner Al-Alam, Maurício Lima Pilla, Adenauer Corrêa Yamin, André Rauber Du Bois Universidade Católica

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Sec-SD: Descoberta Segura de Serviços em Redes Locais

Sec-SD: Descoberta Segura de Serviços em Redes Locais Sec-SD: Descoberta Segura de Serviços em Redes Locais Janaína Sutil Lemos 1, Rafael Bohrer Ávila 1, Luiz Paulo Luna de Oliveira 1 1 Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Av. Unisinos, 950, Bloco

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Ambiente Colaborativo P2P para o projeto PDSCE 1

Ambiente Colaborativo P2P para o projeto PDSCE 1 Ambiente Colaborativo P2P para o projeto PDSCE 1 Tiago Antônio Rizzetti, Celio Trois, João Carlos Damasceno Lima, Iara Augustin Grupo de Pesquisa em Sistemas de Computação Móvel (GMob) Centro de Tecnologia,

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Caroline F. Vicentini 1, Francisco T. M. Avelar 1, João Carlos D. Lima 2, Iara Augustin 2 1 Ciência

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação UM ESTUDO EMPÍRICO A UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PERVASIVAS

7 Congresso de Pós-Graduação UM ESTUDO EMPÍRICO A UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PERVASIVAS 7 Congresso de Pós-Graduação UM ESTUDO EMPÍRICO A UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PERVASIVAS Autor(es) ANTONIO TADEU MAFFEIS Orientador(es) LUIZ EDUARDO

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME.

Proposta de PFC. Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Proposta de PFC Desenvolvimento de uma biblioteca para envio de Nota Fiscal Eletrônica através de dispositivos móveis usando a tecnologia Java ME. Aluno: Vitor Gobato Orientador: Fábio Nogueira 1 1. Introdução

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

gerenciamento de portais e websites corporativos interface simples e amigável, ágil e funcional não dependendo mais de um profissional especializado

gerenciamento de portais e websites corporativos interface simples e amigável, ágil e funcional não dependendo mais de um profissional especializado O NetPublisher é um sistema de gerenciamento de portais e websites corporativos (intranets ou extranets), apropriado para pequenas, médias e grandes empresas. O conteúdo do website pode ser atualizado

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco

Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro. Tania Regina Tronco Iniciativa para Identificação de Oportunidades Tecnológicas para o Desenvolvimento da Internet do Futuro Tania Regina Tronco Data: 15/04/2009 Motivadores A evolução da Internet causará um forte impacto

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. ENDEREÇOS IP... 3 3. ANALISANDO ENDEREÇOS IPV4... 4 4. MÁSCARA DE SUB-REDE... 5 5. IP ESTÁTICO E

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais