HISTÓRIA E MEMÓRIA A PARTIR DA CASA DE MADEIRA NA REGIÃO CENTRAL DA CIDADE DE LONDRINA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA E MEMÓRIA A PARTIR DA CASA DE MADEIRA NA REGIÃO CENTRAL DA CIDADE DE LONDRINA"

Transcrição

1 HISTÓRIA E MEMÓRIA A PARTIR DA CASA DE MADEIRA NA REGIÃO CENTRAL DA CIDADE DE LONDRINA Matheus Henrique Marques Sussai (Graduando em História Universidade Estadual de Londrina) Resumo: Neste trabalho visa-se discutir a metodologia e os resultados parciais da pesquisa: Mapeamento da casa de madeira na região central da cidade de Londrina/PR. O objetivo desta pesquisa é mapear as casas de madeira que ainda restam em um contorno da região central da cidade de Londrina. Primeiramente foi necessária a discussão de textos teóricos para entendermos melhor este objeto de pesquisa. Posteriormente foi delimitado um perímetro para ser percorrido. Todas as ruas dentro do perímetro estão sendo percorridas à procura de casas de madeira, e quando encontradas, estas são fotografadas (com autorização do morador). A conversa com o morador ou proprietário também faz parte da metodologia, e com ela objetivamos levantar dados a respeito da casa, e registrar informações a respeito da memória sobre a cidade. A pesquisa ficará sobre custódia do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica da Universidade Estadual de Londrina. Várias discussões podem ser levantadas a respeito da casa de madeira, que em seu desaparecimento constante, mostra as transformações que marcam a cidade. Este trabalho pretende mostrar como a casa de madeira pode ser um documento histórico importantíssimo para o historiador. Preservar a memória paisagística das casas na paisagem urbana é essencial, pois contribui para a história das casas de madeira, sobretudo sobre o processo de transformação histórica da cidade de Londrina. Palavras-chave:História; Memória; Casa de Madeira. Financiamento: Fundação Araucária 2306

2 Introdução Este trabalho pretende mostrar os resultados a respeito da pesquisa: Mapeamento da casa de madeira na região central da cidade de Londrina/PR., cujo períododeterminado foi a partir de 1932 atéjunho de 2014, desde que as casas de madeira estivessem no perímetro urbano constituído por um quadrilátero definido pelos limites das ruas Benjamin Constant à Rua Uruguai, desta até a Avenida Juscelino Kubitschek que em formato de L reencontra a Rua Benjamin Constant. 1 A proposta de pesquisa apresentada nessa comunicação foi a de mapear as casas de madeira encontradas num perímetro da região central na cidade de Londrina e destacar a importância desse registro para a História e Memória da cidade. Esse mapeamento nos ajuda a ver as transformações ocorridas na urbe, onde sobrapouquíssimo espaço para esse objeto considerado não atual, que é a casa de madeira. Visamos apresentar as diversas discussões que são abertas quando conversamos com os moradores dessas casas, onde estas são vistas de diversas formas, variando entre o aconchego e o desprezo. A pesquisa se mostra importante, pois a casa de madeira é um documento que logo estará escasso para a pesquisa histórica, pois o seu processo de demolição é constante. E com ela, podemos buscar entender a memória que seus moradores possuem a respeito da cidade de Londrina, pois, a memória é intrínseca à identidade, seja ela individual ou coletiva. 2 Pretendemos mostrar como esta pesquisa foi realizada, as discussões que ela possibilita abordar, os resultados alcançados e, igualmente, expor umaamostragem de algumas dascasas que por sua constituição física sinaliza para quem vê as imagens, uma ideia do que foi o passado desta cidade paranaense. Andando Pelas Ruas: Metodologia de Pesquisa Inicialmente discutimos textos que nos ajudaram a compreender melhor o nossoobjeto de estudo, e como trabalhá-lo. As discussões presentes no texto A 1 As atividades que foram desenvolvidas são relativas ao projeto de pesquisa intitulado: O Inventário das diferenças na operação historiográfica: a arte do ser e do fazer em João Batista Vilanova Artigas ( )., sob a orientação da Prof. Dra. Zueleide Casagrande de Paula. 2 LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas, SP : Editora da UNICAMP, (p. 476). 2307

3 Operação Historiográfica 3, de Michel de Certeau, são de enorme relevância para a nossa pesquisa, já que ela se orienta a partir desse autor.uma região do centro de Londrina foi escolhida para o mapeamento, onde foi delimitado um perímetro, e elaborado um mapa, com o auxílio do sistema Google Maps. O perímetro, como já dito,se iniciou com a Avenida Juscelino Kubitschek em seu cruzamento com a Rua Benjamin Constant, e dessa até a altura da Avenida Jacob Bartolomeu Minatti, continuando pela Rua Uruguai até o encontro com a Avenida Juscelino Kubitschek, encerrando o perímetro. Com o auxílio do mapa já citado, todas as ruas pertencentes ao perímetro foram percorridas a pé, a procura de casas de madeira. Quando as casas eram encontradas, entrávamos em contato com o morador, e se possível, com o proprietário, e começávamos uma conversa com essa pessoa a respeito de suacasa de madeira. O mapeamento consistia em fotografar a casa, quando permitido, poisde acordo com Le Goff, a fotografia revoluciona a memória. 4 A fotografia foi um instrumento usado para registar/documentar a casa, nesse sentido Kossoy diz que ela é um duplo testemunho, pela cena congelada que ela mostra, e pelo que nos conta de seu autor, o seu filtro cultural 5. Assim, mapeamos as casas ao localizá-las e as fotografávamos quando permitido.esse trabalho visou encontrar elementos tradicionais da arquitetura da casa de madeira, como taramelase portas antigas, e variações entre o antigo e o moderno, um agindo sobre o outro. A transformação da cidade nos proporcionou o encontro de casas muito diversas.são também esses detalhes que revelam a época da casa, e o que significou esse tipo de construção para a cidade,que procuramosapresentarno decorrer do texto. O contato com o morador da casa, embora não fosse o objetivo, mostrou-se significativo no decorrer da pesquisa, pois apresentou detalhes muito diversos: foram encontrados moradores que são proprietários, moradores que são locatários. Quando encontramos o locatário tínhamos que ir a busca do proprietário, o que não obtivemos sucesso em todas as tentativas.ao mesmo tempo havia casos em que o proprietário já havia falecido, ou não estava na cidade no período da pesquisa. Enfim, houve muitas variantes, em algumas casas nós conseguimos maiores 3 CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, (p ). 4 LE GOFF, Jacques. Op. Cit., (p. 466). 5 KOSSOY, Boris. Fotografia e História. São Paulo: Ateliê Editorial,

4 detalhes sobre a história da casa, e em outras nem tanto, muitas vezes devido ao fato de que as pessoas que residiam haviam alugado a casa há pouco tempo. Mas também tivemos conversas longas, onde os moradores buscavam na memória sobre a sua vida, o que compusesse as histórias sobre suas infâncias, seus amores, suas mudanças, o seu cotidiano. Essas memórias compõem o quadro da história e memória da cidade, pois pudemos imaginar as cidades dentro da cidade, as várias Londrinas que existem,como argumenta Ítalo Calvino, em cada casa relatada por seu morador, já que este relatavasua história, e nos contava uma história diferente a respeito da cidade de Londrina 6. À medida que a pesquisa desenrolava e que nós fazíamos leituras e anotações, as fichas com as observações, e percebíamos nas histórias dos moradores a História da cidade, realizávamos concomitantemente a escrita, aquela que está naterceira parte da operação historiográfica.ela não está separada da pesquisa, mas foiorganizada no texto de Certeau como a terceira parte, aquelaonde o autor elabora seus escritos sobre o que pesquisou. Por essa razão,essa escrita deve estar ligada a um lugar social e a uma pesquisa, a prática : Não existe relato histórico no qual não esteja explicitada a relação com um corpo social e com uma instituição de saber. [...] resta encarar a operação que faz passar da prática investigadora à escrita. [...] Enquanto a pesquisa é interminável, o texto deve ter um fim, e esta estrutura de parada chega até a introdução, já organizada pelo dever de terminar. 7 Este texto que ora apresento é um dos documentos que resultaram da passagem da prática a escrita, e não precisa ser o único, contudo é bom enfatizar que sua construção foi elaborada no desenrolar da pesquisa ao fazer observações a respeito de cada casa e de cada conversa estabelecida com moradores e vizinhos.a escrita elaborada foi lapidada nesse artigo. Cabe ainda enfatizar que todas as informações contidas na pesquisa ficarão sob custódia do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica da Universidade Estadual de Londrina (CPDH), que possui uma temática diversa, mas prioriza a História de Londrina e do norte paranaense 8. 6 CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, CERTEAU, Michel de. Op. Cit., (p ). 8 PAULA, Zueleide Casagrande de, et al. A Fotografia e o Acervo Fotográfico do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica (CDPH-UEL) na Perspectiva Patrimonial. In: MEZZONO, Frank A.; PÁTARO, Cristina S.; HAHN, Fábio A (Org.). Educação, Identidades e Patrimônio. Assis: Triunfal Gráfica e Editora: Fecilcam, (p ). 2309

5 Algumas Casas de Madeira: apresentação de resultados e discussões No decorrer da pesquisa de campo -na caminhada de busca das casas de madeira pelo centro de Londrina -, nos deparamos com uma diversidade na edificação das casas, variando das mistas em alvenaria e em madeira.essa variação era constituída da maior ou menor presença da madeira. Outra questão que merece atenção diz respeito ao tratamento recebido pelo morador.realizamos algumas conversas demoradas e de um conteúdo denso, mas por outro lado tivemos casos em que não foi possível uma grande aquisição de informações sobre a casa, ou sobre a memória do morador a respeito da casa, e, por conseguinte,de Londrina. A respeito do totalde casas mapeadas, foram 138 de madeira, incluindo as mistas,em uma caminhada de quarenta e uma ruas, existindo nessa contagem as alamedas, avenidas e travessas. Lembrando que no decorrer da pesquisa nos deparamos com casas escondidas pela cidade, quase como uma produção de um não-dito para Michel de Certeau 9. Em algumas ruas cujo comércio é mais intenso, existem algumas casas de madeira no fundo desses prédios, muitas vezes não visíveis da rua. Vemos assim a transformação da cidade, e seu palimpsesto, como aponta Certeau.Isso proporcionou um silêncio produzido pela ausência da história das casas de madeira, muitas vezes escondidas dentro dessa arquitetura atual. Essas casas foram nos anos de 1940 e de Foi entre essas décadas [...] que se deu o boom deste tipo de construção. 10. O arquiteto Antonio Carlos Zani, estudioso da casa de madeira em Londrina, ainda nos diz: A abundância de diversos tipos de madeira favoreceu a criação de variadas madeireiras na região, o que barateou o custo da peça da madeira e gerou muitos empregos. [...] Com o decorrer do tempo as casas de madeira de Londrina têm sido demolidas para atender a demanda por moradia, ou seja, a construção de prédios de andares. [...] Outro fator da demolição desenfreada desse tipo de moradia é o alto valor da peroba rosa, principal madeira usada em tempos idos. Assim, dentro em breve, este importante componente de nossa história local será passado. Um patrimônio cultural que irá desaparecer CERTEAU, Michel de. Op. Cit. (p ). 10 ZANI, Antonio Carlos. Casas de Madeira em Londrina. In: GAWRYSZEWSKI, Alberto (Org.). Patrimônio Histórico e Cultural: cidade de Londrina-PR. Londrina: Universidade Estadual de Londrina / LEDI, (p. 43). 11 Idem. Ibidem, (p ). 2310

6 Com as informações mostradas por Zani, vemos o período que mais foram construídas casas em madeira, e o autor também já trabalha a demolição dessas casas, discussão presente nas conversas com os moradores. Na Rua Uruguai foi mapeado um total de 22 casas de madeira. A primeira casa que expomos nessa narrativa de fontes diz respeito a uma casa cujo morador é também proprietário. Este se mostrou muito preocupado com a História e Memória de Londrina, e mostrou-nos um acervo de jornais encadernados por ordem no total de duas décadas e alguns livros a respeito da cidade.sua casa foi a que mais se destacou, em razão de ter um porão paramoradia, um grande quintal muito arborizado e por pertencer a um funcionário aposentado da Companhia de Terras Norte do Paraná (CTNP). Figura 1: Imagem frontal da casa de madeira. Autoria: Matheus H. M. Sussai, Agosto de

7 Figura 2: Varanda dos fundos da casa de madeira. Autoria: Matheus H. M. Sussai, Agosto de Figura 3: Porta do porão da casa de madeira. Autoria: Matheus H. M. Sussai, Agosto de

8 Essas três imagens, respectivamente, nos mostram a frente da casa de madeira em questão, uma varanda pertencente à casa, e também o seu porão. O proprietário e morador nos disse que a casa possui aproximadamente 63 anos, isso no ano de 2013, que seria referente a Não soube precisarao certo qual a data de construção da casa.todas as informações são obtidas e interpretadas através de conversas. Aoestudar a casa a partir do que Zani nos mostra, compreendemos que esta se encontra localizada no período que o autor denomina de Eldorado, que [...] marca o ápice da arquitetura em madeira na região tanto pela quantidade como pela qualidade, é caracterizado pela complexidade volumétrica, riqueza de ornamentos, [...] deixando claro seu caráter permanente [...] 12. Diferente do período seguinte, o do Fim do Eldorado, que se inicia a partir de 1970, e É caracterizado pela simplificação volumétrica, ausência de porões, varandas e ornamentos [...] 13. Portanto presumimos que a data de construção da casa de madeira seja aproximadamente a informada pelo morador (1950). Aocomparar com as informações que Zani nos mostra, a casa em questão se refere ao período do Eldorado, construída entre 1940 e 1960, e com a existência de porão e varanda. Na Rua Benjamin Constant, foi mapeado um total de três casas em madeira. A próxima casaa ser destacada se encontra alugada para comércio, um dos muitos casos notados na pesquisa. Grande parte dessasedificações em madeira possuem fins comerciais, e foram geralmente reformadas. A Figura 4 mostra um detalhe em destaque: 12 Idem. Ibidem, (p. 57). 13 Idem. Ibidem, (p. 58). 2313

9 Figura 4: Detalhe de vidro na área da casa. Autoria: Matheus H. M. Sussai, Agosto de Nessa edificação vemos a atuação do vidro 14 como um material de construção contemporâneo emdiálogo com algo não tão atual: as casas de madeira de Londrina. Estas que chamam a atenção pela mistura de épocas,suas transformações eas da cidade.todos esses fatores também levaramessas casas de madeira que resistiram com o tempo, a se transformarem, e se adaptarem para seus respectivos usos. Na Avenida Juscelino Kubitschek, em sua parte referente ao nosso perímetro, foram encontradas dez casas de madeira. A casa que será agora apresentada se encontra no fundo de um terreno desta avenida. Este terreno possui duas casas, sendo a da frente em alvenaria, onde mora o proprietário do terreno, e a do fundo em madeira, alugada para moradia de outros. A conversa com o proprietário foi longa, e este nos disse que morou aproximadamente cinco anos na casa de madeira do terreno ao lado(figura 5), que por sinal ele também é o proprietário, em uma época em que a Avenida Juscelino Kubitschek ainda se chamava Rua Antonina, segundo o morador. 14 O vidro é usado em edificações desde que foi criado, contudo, no século XXI, ele é uma das estrelas da arquitetura. 2314

10 Figura 5: Casa de madeira aos fundos. Autoria: Matheus H. M. Sussai, Março de O proprietário vive na casa de alvenaria com sua esposa, e ainda nos contou que há aproximadamente cinquenta anos, uma grande quantidade de terras pertencentes à avenida em questão, eram todas de um homem conhecido como Bodeiro. Segundo o proprietário, esse apelido de Bodeiro vinha de histórias que ele ouvia dizer sobre esse homem que andava com seus cachorros, que faziam um estardalhaço, não paravam de latir. Seguindo em sua fala disse quenas histórias queouvia, o Bodeiro era um homem inteligente e estudioso, mas que havia sucumbido à loucura. O dono dos terrenos ainda nos disse que a casa de madeira lhe representa o seu esforço, e o de sua mulher, na vida dos dois. Relatei essa memória do proprietário para mostrar como isso pode ser trabalhado pelo historiador. Essa foi uma das várias histórias dasmemórias com as quaisnos deparamos, e que nos mostraram umadiferente Londrina. Essacompreensão do morador/proprietário pela casa de madeira também é, repleta de possibilidades de pesquisa, emostram que muitos têm compaixão pela casa: sentimentos como saudade, esforço, trabalho, e outros, que marcaram a vida dessas pessoas. Já há outros que diziam que a casa não lhes trazia boas recordações. As casas de madeira são objetos que estão desaparecendo constantemente, devido às transformações citadinas. Entender o porquê de algumas resistirem é de interesse do historiador. Isso nos levou a várias hipóteses em razão dos argumentos 2315

11 dos moradores, esses motivos vão desde problemas financeiros, onde as pessoas habitavam as casas de madeira por não terem condições econômicas para alugarem uma moradia considerada melhor; até pessoas que trocaram vidas em apartamentos de luxo, por não se adaptarem, para a simplicidade da casa de madeira, pois possuíam apego por esta. Em nossas conversas com os moradores/proprietários das casas de madeira, também vimos muitas recusas da parte deles para com compradores, sendo que estes últimos se interessavam em comprar o terreno todo para a construção de edifícios maiores. Também vimos casos onde um proprietário queria vender o seu terreno que possuía uma casa de madeira, mas o vizinho, cujo terreno também possuía uma casa em madeira, não queria vender, pois morava na casa e gostava disso, desse modo impediu a venda do primeiro terreno, já que a construtora almeja comprar os dois ou nenhum. Percebemos que a discussão mais levantada nas conversas de proprietários, é a de que esses compradores oferecem apartamentos em troca das casas de madeira, e preços que não valiam o terreno.também está nesse motivo a resistência à venda. Considerações finais O presente texto visou à apresentação de alguns resultados e discussões a respeito da pesquisa: Mapeamento da casa de madeira na região central da cidade de Londrina/PR. A partir da História Nova, onde esta propôs para o estudo da História: novos problemas, novas abordagens e novos objetos 15, e principalmente com Le Goff e a Revolução Documental 16, outros documentos além do escrito passaram a ser vistos como objeto de trabalho para o historiador. Por isso hoje é possível ser feito um trabalho como o apresentado neste texto. A casa de madeira, a partir desse mapeamento, nos mostrou como aprendiz de historiador,que observar as transformações da cidade a partir da casa de madeira é um exercício de aprendizado para reconhecer como é possível estudar a história da cidade pormeio de suas edificações e torná-las uma fonte para o historiador, digna de atenção, pois pode informar muitas coisas a respeito de arquitetura, 15 FUNARI, Pedro Paulo Abreu; SILVA, Glaydson José da.teoria da História. São Paulo: Brasiliense, (p. 69). 16 LE GOFF, Jacques Op. Cit., (p. 540). 2316

12 geografia, história e memória. Essas poucas que ainda resistem, provavelmente um dia deixarão deexistir, e como nos mostra Zani, é necessário que existam mecanismos para o controle da preservação desse tipo de arquitetura para com a especulação imobiliária, através de leis que estejam relacionadas com o planejamento urbano da cidade. 17 Neste textoprocuramos também mostrar que o mapeamento realizado pode gerar outras pesquisas futuras, para o historiador que se interessar pela fonte. Como foi dito, apenas conversamos com os moradores, e talvez a realização de entrevistas seja um projeto a ser pensado para o futuro. Também pode ser analisada e trabalhada especificamente cada memória desses moradores. Ou entrar mais no campo da arquitetura e poder conversar mais com Zani, enfatizando os indícios da presença da imigração japonesa 18, por exemplo, dos mestres carpinteiros, das serrarias 19, dos tipos de ornamentos das casas 20, e várias outras possibilidades de pesquisa. Cabe ainda dizer que a partir desse mapeamento da casa de madeira nesse pedaço da região central de Londrina, essa cidade vai contando suas várias histórias, mostrando suas Cidades Invisíveis 21 a partir das casas de madeira. Referências Bibliográficas CALVINO, Italo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, FUNARI, Pedro Paulo Abreu; SILVA, Glaydson José da.teoria da História. São Paulo: Brasiliense, LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas, SP : Editora da UNICAMP, KOSSOY, Boris. Fotografia e História. São Paulo: Ateliê Editorial, PAULA, Zueleide Casagrande de; CARDOSO, Laureci S.; CARVALHO, Sara V. A Fotografia e o Acervo Fotográfico do Centro de Documentação e Pesquisa Histórica (CDPH-UEL) na Perspectiva Patrimonial. In: MEZZONO, Frank A.; PÁTARO, 17 ZANI, Antonio Carlos. Op. Cit., (p. 58). 18 Idem, Ibidem. (p. 55). 19 Idem, Ibidem. (p. 52). 20 Idem, Ibidem. (p. 47). 21 CALVINO, Italo. Op. Cit. 2317

13 Cristina S.; HAHN, Fábio A (Org.). Educação, Identidades e Patrimônio. Assis: Triunfal Gráfica e Editora: Fecilcam, (p ). ZANI, Antonio Carlos. Casas de Madeira em Londrina. In: GAWRYSZEWSKI, Alberto (Org.). Patrimônio Histórico e Cultural: cidade de Londrina-PR. Londrina: Universidade Estadual de Londrina / LEDI, (p ). 2318

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua

São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua São Paulo/SP - Planejamento urbano deve levar em conta o morador da rua Pesquisa traz reflexões para melhorar a situação da população de rua e indica falhas nas políticas públicas. Moradores de rua na

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos.

Palavras-chave: Ambiente de aprendizagem. Sala de aula. Percepção dos acadêmicos. PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UENP, EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS QUE CARACTERIZAM UM AMBIENTE FAVORECEDOR DA APRENDIZAGEM RESUMO Maria Cristina SIMEONI 1 Este resumo

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula

O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula O(s) Uso(s) de Documentos de Arquivo na Sala de Aula SEQUÊNCIA DIDÁTICA Milton Garcia Silva São Paulo 2012 TEMA Modos de Morar em São Paulo Séculos XIX e XX. JUSTIFICATIVA Nota-se que os alunos possuem

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Relatório de Atividades do Trabalho Social Residencial Recanto dos Pássaros Limeira/SP

Relatório de Atividades do Trabalho Social Residencial Recanto dos Pássaros Limeira/SP Relatório de Atividades do Trabalho Social Residencial Recanto dos Pássaros Limeira/SP A Secretaria Municipal da Habitação de Limeira realizou entre os dias 29/04 e 10/05/2014 uma série de encontros com

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1

A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 64 A INFLUÊNCIA DOCENTE NA (RE)CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO DE LUGAR POR ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FEIRA DE SANTANA-BA 1 Edson da Silva Santos e-mail: edsonsporte@hotmail.com Bolsista FAPESB, Bacharelando

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA RODRIGUES, Ângela, Cristina, Lins; SILVA, Isabel, Gomes da; CUNHA,

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA.

A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. A OFICINA PAMIN: UMA EXPERIÊNCIA DE PRÁTICA EXTENSIONISTA. ARAÚJO 1, Marinalda Pereira de LEANDRO 2, Patrícia de Araújo MORAIS 3, Mohana Ellen brito Rodrigues de MARINS 4 Jessyca SILVA 5 Aldenise Batista

Leia mais

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE

IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE IMAGENS DA VIOLÊNCIA: MOSAICOS DO COTIDIANO DE UMA JUVENTUDE IMAGES OF THE VIOLENCE: COLLAGES OF BITS AND PIECES OF TEENAGERS EVERYDAY LIFE SINOPSE José

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS

O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS O CIRCO E OS DIREITOS HUMANOS Evandro Marcelo da Silva 1 - PUCPR Kauana Domingues 2 PUCPR Edinéia Aranha 3 Grupo de Trabalho Educação e Direitos Humanos Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

AS DIFICULDADES DA PESQUISA HISTÓRICA NOS ARQUIVOS DE NATAL (RN)

AS DIFICULDADES DA PESQUISA HISTÓRICA NOS ARQUIVOS DE NATAL (RN) AS DIFICULDADES DA PESQUISA HISTÓRICA NOS ARQUIVOS DE NATAL (RN) Wellinson Costa de Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte wellinsoncosta@hotmail.com Dra. Liliane dos Santos Gutierre Universidade

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

QUANTO TEMPO DEMORA PARA SE DECOMPOR O LIXO QUE VOCÊ UTILIZA?

QUANTO TEMPO DEMORA PARA SE DECOMPOR O LIXO QUE VOCÊ UTILIZA? 138 QUANTO TEMPO DEMORA PARA SE DECOMPOR O LIXO QUE VOCÊ UTILIZA? Danieli Barbosa Araújo 1 Mateus Ovídio Viol Canezin 2 Marcelo Aparecido dos Santos 3 RESUMO: Andar pelas ruas, locais públicos e não se

Leia mais

Agora é só com você. Geografia - 131

Agora é só com você. Geografia - 131 Geografia - 131 3 Complete: O espaço da sala de aula é um domínio delimitado por um(a)..., que é sua fronteira. Ainda em grupo faça o seguinte: usando objetos como lápis, palitos, folhas e outros, delimite

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake

São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake São Paulo (SP) - Proprietário é contra tombamento e quer demolir casa de Ruy Ohtake É uma pérola moderna! Bota ela no chão! Casa brutalista projetada por Ruy Ohtake, em Moema. Fotos: Ines Bonduki/Folhapress

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

EdUECE- Livro 2 02178

EdUECE- Livro 2 02178 1 CRIAÇÕES E REINVENÇÕES NA PRODUÇÃO COTIDIANA DO PROJETO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE CARTOGRÁFICA DA REALIDADE CRIADA PELOS SUJEITOS DA ESCOLA Cíntia Castro Monteiro Heloisa Raimunda Herneck

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA ÁGORA, Porto Alegre, Ano 4, Dez.2013. ISSN 2175-37 EDUCAR-SE PARA O TRÂNSITO: UMA QUESTÃO DE RESPEITO À VIDA Luciane de Oliveira Machado 1 INTRODUÇÃO Este artigo apresenta o projeto de educação para o

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Área - Relações Interpessoais

Área - Relações Interpessoais Área - Relações Interpessoais Eu e os Outros ACTIVIDADE 1 Dar e Receber um Não. Dar e Receber um Sim. Tempo Previsível 60 a 90 m COMO FAZER? 1. Propor ao grupo a realização de situações de role play, em

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS

INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS INVESTIGANDO O OLHAR DOS PROFESSORES EM RELAÇÃO AS PESQUISAS EM CIÊNCIAS Lidiana dos Santos; Valter Costa de Vasconcelos; Vanessa Batista da Costa Universidade Estadual da Paraíba; Lidiana_santos18@hotmail.com;valteritbaiana@hotmail.com;nessa.costa@yahoo.com.br

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

O USO DO QR CODE NO ENSINO DA GEOGRAFIA

O USO DO QR CODE NO ENSINO DA GEOGRAFIA O USO DO QR CODE NO ENSINO DA GEOGRAFIA Roney Jacinto de Lima (1); Jamábia Raídgia Félix da Silva (1); Jaciele cruz silva (2); Maria do Socorro dos Santos (3) Universidade Estadual da Paraíba Campus III,

Leia mais

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3

Disciplina Corpo Humano e Saúde: Uma Visão Integrada - Módulo 3 3. A transversalidade da saúde Você já ouviu falar em Parâmetros Curriculares Nacionais? Já ouviu? Que bom! Não lembra? Não se preocupe, pois iremos, resumidamente, explicar o que são esses documentos.

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Aprender para além dos muros escolares

Aprender para além dos muros escolares Aprender para além dos muros escolares Aline Verardo Corrêa e Simone de Oliveira Emer 1 Resumo O presente artigo quer de forma fiel e sucinta apresentar esboços de sonhos e realidades sobre a educação

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS HISTÓRICAS DO CURSO DE HISTÓRIA DO CAC UFG, NO PERÍODO DE 1995 A 2001. Jaciely Soares da Silva, UFG/CAC; jacielysoares@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DO SÍTIO PICA-PAU AMARELO - PONTA GROSSA PARANÁ

ESTUDO DE CASO USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DO SÍTIO PICA-PAU AMARELO - PONTA GROSSA PARANÁ 1 ESTUDO DE CASO USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL DO SÍTIO PICA-PAU AMARELO - PONTA GROSSA PARANÁ Sandro Murilo Martins Simão 1 smmsimao@hotmail.com Sociedade Educativa e Cultural Amélia Ltda - Faculdade Santa

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

10 Dicas para Investir em Imóveis

10 Dicas para Investir em Imóveis 10 Dicas para Investir em Imóveis Pensando nisto resolvi escrever um livro digital chamado Como Investir em Imóveis e quero compartilhar com vocês algumas poucas dicas inspiradoras que no livro são expostas

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa

Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa 21:16 Page 8 Viver, trabalhar e relaxar sem sair de casa Construtoras investem em condomínios mistos, que facilitam vida de moradores e aliviam o trânsito N Bruno Martins as principais cidades do País,

Leia mais

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R.

Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON. Co-Autor(es) FERNANDA TORQUETTI WINGETER LIMA THAIS MELEGA TOMÉ. Orientador(es) LEDA R. 9º Simposio de Ensino de Graduação INVESTIGANDO OS CONHECIMENTOS PRÉVIOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Autor(es) PAULA CRISTINA MARSON

Leia mais

Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização

Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização 28 Jornada dos Cursos de História, Geografia e Arquitetura: Espaço, História e Globalização TOPOFILIA E PRESERVAÇÃO TERRITORIAL: IDENTIDADE LOCAL E GLOBALIZAÇÃO Mariana Polidoro da Silva 1 Patrícia Adriana

Leia mais

A prática da Educação Patrimonial:

A prática da Educação Patrimonial: A prática da Educação Patrimonial: uma experiência no município de Restinga Sêca / RS HELIANA DE MORAES ALVES E LAURO CÉSAR FIGUEIREDO Introdução O presente trabalho é um breve relato sobre uma prática

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

Planejar SÃO LUÍS para mais 400 ANOS: FUTURO E SUSTENTABILIDADE DA CIDADE

Planejar SÃO LUÍS para mais 400 ANOS: FUTURO E SUSTENTABILIDADE DA CIDADE INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO MARANHÃO Planejar SÃO LUÍS para mais 400 ANOS: FUTURO E SUSTENTABILIDADE DA CIDADE 1. EVENTO: I Concurso de Planejamento Urbano Premiação Arquiteto destaque

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

PERTENCIMENTO ÉTNICO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NEGRAS: POR UMA DISCUSSÃO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CAMPUS VI DA UEPB

PERTENCIMENTO ÉTNICO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NEGRAS: POR UMA DISCUSSÃO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CAMPUS VI DA UEPB PERTENCIMENTO ÉTNICO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NEGRAS: POR UMA DISCUSSÃO SOBRE A POLÍTICA DE COTAS NO CAMPUS VI DA UEPB Melânia Nóbrega Pereira de Farias (Universidade Estadual da Paraíba) melaninha@bol.com.br

Leia mais

Vídeo Institucional: PETCom Internacional 1

Vídeo Institucional: PETCom Internacional 1 Vídeo Institucional: PETCom Internacional 1 Andréia Santos da SILVA 2 Tiago da Cruz Carvalho CALADO 3 Ítala Clay de Oliveira FREITAS 4 Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM RESUMO Desenvolvido por

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições?

No seu ponto de vista porque a ABPp iniciou-se em São Paulo, quais eram as condições? "Entrevista com Barone" Elisa Maria Pitombo Entrevista feita com Barone pela ABPp-SP realizada em 29/03/2005, agradecemos a possibilidade dessa entrevista. Você poderia citar fatos marcantes e curiosos

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

PROJETO. MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes

PROJETO. MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes PROJETO MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes Objetivos Nosso projeto tem como objetivo principal levar os alunos a construírem conhecimentos sobre o tempo histórico

Leia mais

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho

Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho Futuro Profissional um incentivo à inserção de jovens no mercado de trabalho SOUSA, Pedro H. 1 Palavras-chave: Mercado de Trabalho, Formação Acadêmica, Empreendedorismo. Introdução: O mercado de trabalho

Leia mais

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado O Palacete do Batel está em obras. Um projeto, encomendado pelos proprietários do imóvel, com o aval do Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO

DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO DISCURSO PELA PASSAGEM DO DIA DO ÍNDIO Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara dos Deputados, em nome de quem cumprimento os demais integrantes da Mesa Diretora dessa Casa. Senhores e senhoras parlamentares

Leia mais

A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio

A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio Afonso Henrique Leonardo da Conceição e-mail: afonso.conceicao_dc@hotmail.com Tatiane Cristina Camargo e-mail: tatianecamargo.ferreira@gmail.com

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais