Programa Joaquim Nabuco 1º/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Joaquim Nabuco 1º/2013"

Transcrição

1 1 Programa Joaquim Nabuco 1º/2013

2 . 2

3 3 PROGRAMA JOAQUIM NABUCO SERVIDORES 1º/ SUPERVISOR Tiago Neiva Santos Assessoria de Assuntos Internacionais Tel: (+55 61) COORDENADORA Márcia Regina da Cunha Assessoria de Assuntos Internacionais Tel: (+55 61) SERVIDOR Simone Genefra Tôto Cargo: Técnica judiciária Lotação: Seção de Soluções Corporativas Corte Anfitriã: Tribunal Contitucional Corte Suprema de Justicia de Peru Período: 05 a 17 de maio de

4 4 índice Agradecimentos... 5 Objetivo... 6 Tribunal Constitucional do Peru... 8 Segundo dia de visitação ao Tribunal Constitucional Terceiro dia de visitação ao Tribunal Constitucional Culminância da visitação ao Tribunal Constitucional Início da visitação à Corte Suprema do Peru Segundo dia de visitação à Corte Suprema Terceiro dia de visitação à Corte Suprema Término da visitação à Corte Suprema Bibliografia... 43

5 5 Agradecimentos Agradeço ao Programa Joaquim Nabuco por proporcionar, aos servidores do Supremo Tribunal Federal a oportunidade de conhecer o Poder Judiciário de outros países, em especial, o Peru em todas as suas intâncias, desde o seu funcionamento até a rotina de trabalho dos magistrados, juízes e demais servidores peruanos. Agradeço à senhora Milagros Morales Soto, do Tribunal Constitucional e ao senhor Javier Ballon Sarmiento, da Corte Suprema que recebeu a equipe brasileira de maneira acolhedora, solidária e benevolente. Agradeço aos senhores, Francisco Morales e Victor Alzamora, pela dedicação e empenho em propiciar aos servidores do STF um conhecimento genérico e dinâmico da cultura, gastronomia, política e história do Peru. Agradeço a Assessoria de Assuntos Internacionais, em especial, a Sra. Márcia Regina da Cunha e o estagiário, Diego Bielinski Carvalho, por todo empenho e preocupação, antes e durante o intercâmbio, oferecendo suporte aos interessados em rememorar o espanhol com os intercambistas do Programa Texeira de Freitas. Agradeço ao servidor Jader de Carvalho Queiroz, do STF, que me acompanhou em todo o processo de visitação e se apresentou como um colega amistoso, divertido e companheiro. E, finalmente, a todos os integrantes do Poder Judicial que nos receberam de forma extremamente cordial, elegante e carinhosa: Tribunal Constitucional, Poder Judicial do Peru, Corte Suprema de Justiça da República do Peru, Sala Penal Nacional, Edifício Carlos Zavala Loyaza de anticorrupção, Oficina de Controle da Magistratura, Academia de Magistratura.

6 6 Objetivo O objetivo do relatório é relatar as experiências adquiridas no intercâmbio, bem como, demonstrar o funcionamento do Poder Judiciário Peruano de forma abrangente e elucidativa.

7 7

8 8 Tribunal Constitucional do Peru Lima, 6 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal O estágio ao Tribunal Constitucional, como programação do intercâmbio "Joaquin Nabuco" teve início na segunda-feira - seis de maio. A equipe brasileira foi recepcionada pelo presidente do Tribunal Constitucional, Dr. Oscar Urviola Hani. Ele nos contou que participou do Congresso de Veneza, no início de 2011 no Rio de Janeiro, conhecendo o Ministro Cezar Peluso neste evento. O Dr. Oscar Urviola Hani possui um rico currículo com experiência e autoridade no mundo jurídico. Sua experiência profissional inclui: Presidência do Tribunal Constitucional ( ); Magistrado do Tribunal Constitucional desde julho/2013; Ex-Deputado da Nação por Arequipa ( ); Primeiro Secretário da Câmara dos Deputados da República do Peru ( ); Membro da Comissão de Justiça e Direitos Humanos, Indústria, Turismo, Comércio e Integração da Câmara dos Deputados ( ); Membro da Comissão Reorganizadora da Câmara dos Deputados do Peru; Membro da Comissão Revisora da Lei Orgânica do Poder Judicial, em representação à Câmara dos Deputados; Ex-Decano do Ilustre Colégio de Advogados de Arequipa ( ).

9 9 Seu labor docente universitário na Faculdade de Ciências Jurídicas e Políticas da Universidade Católica de Santa Maria constitui-se em: Ex-Decano; Professor de: o Doutorado em Direito; o Graduação em Direito Tributário; Professor de Pós-graduação em: o Administração de Empresas e do Direito nas Empresas; o Direito Tributário e Constitucional Econômico. Logo após, a equipe do STF participou da audiência pública presidida na Sala 2, pelo Dr. Carlos Mesia Ramirez e integrada pelos magistrados Gerardo Eto Cruz e Ernesto Alvarez Miranda. Cada advogado tem um tempo de cinco minutos para sustentar sua defesa. Cada Sala 1 e 2 como são chamadas é composta por três magistrados. Mais tarde, a equipe se reuniu com o Dr. Oscar Zapata Alcazar, Secretário-Geral, que explanou sobre a função e composição do Tribunal Constitucional, dizendo que: O Tribunal Constitucional é o órgão máximo de interpretação e controle de constitucionalidade. É autônomo e independente e está sujeito apenas à Constituição e à sua própria Lei Orgânica Lei nº O Tribunal tem sua sede tanto na cidade de Arequipa quanto na cidade de Lima e pode, de acordo com a maioria de seus membros, realizar sessões descentralizadas em qualquer outro lugar da República. Ao Tribunal Constitucional é confiada a defesa do princípio da supremacia constitucional, isto é, como o intérprete supremo da Constituição, zelar para que as leis ou atos dos órgãos estatais não prejudiquem as disposições do Tribunal. Intervêm para restaurar o

10 10 respeito pela Constituição, em geral, e em particular os direitos constitucionais. O Tribunal é composto por sete membros eleitos pelo Congresso da República por um período de cinco anos. Não há reeleição imediata. O Tribunal Constitucional é composto pelos seguintes magistrados: o Presidente Dr. Oscar Urviola Hani; o Vice-presidente Dr. Juan Vergara Gotelli; o Dr. Carlos Ramirez Mesia; o Dr. Fernando Rua Hayen; o Dr. Gerardo Eto Cruz; o Dr. Ernesto Alvarez Miranda. O Presidente do Tribunal é eleito mediante votação secreta realizada pelo Pleno. O candidato necessita, em primeira votação, de no mínimo cinco votos. O cargo de Presidente do Tribunal dura dois anos e pode ser reeleito por apenas mais um ano. Segundo o Dr. Zapata para um bom desempenho do Tribunal, fazem-se necessárias estratégias baseadas em valores. Um bom servidor é identificado não pelos seus conhecimentos e sim pelos seus valores sociais. - Dr. Zapata. O Dr. Oscar Diaz Muñoz, Secretário Relator, informou-nos sobre o as principais competências da Secretaria de Relatoria: É encarregada da qualificação das demandas de inconstitucionalidade e conflitos de competência; Distribuição dos processos às Salas e ao Plenário, e atribuição de papéis aos juízes;

11 11 Programação das Audiências Públicas no site do Tribunal Constitucional e sua notificação com o auxílio da TI (Tecnologia da Informação); Apresentação dos pedidos de relatório oral; Procedimento em Audiências Públicas; Certificação de vista da causa; Revisão dos projetos de resolução do acórdão ou chefes de comissão; Trâmite dos pedidos de informe; Trâmite das alegações, anexos de documentos, anexos de provas; Trâmite das discórdias surgidas nas Salas; Trâmite dos votos singulares; Trâmite das abstenções, inibições ou retratação dos magistrados; Trâmite de acumulação de registros; Trâmite da retirada do processo de reclamação ou do recurso de agravo constitucional; Trâmite da certificação dos autos e ou das sentenças pelo Secretário Relator ao terminar a votação pelos Magistrados; Trâmite da publicação dos autos e ou sentenças no site do Tribunal e no Diário Oficial do Peru; Trâmite das correções de erros materiais; Procedimento dos pedidos de esclarecimentos, reposição, nulidade, correção, integração, consulta,... Procedimento para a atenção de leitura de registros; Procedimento para a aplicação de cópias dos expedientes em Trâmite;

12 12 Procedimento de verificação dos ofícios de autoridades públicas sobre o estado dos expedientes; Elegibilidade e procedência das declarações de Inconstitucionalidade e a competência dos processos. Servidor do STF - Jader de Carvalho Queiroz (à esquerda) Presidente do Tribunal Constitucional - Dr. Oscar Urviola Hani (ao centro) Servidora do STF - Simone Genefra Tôto (à direita)

13 13 Secretário-Geral - Dr. Oscar Zapata Alcazar (à esquerda) Servidor do STF - Jader de Carvalho Queiroz (ao centro) Servidora do STF - Simone Genefra Tôto (à direita)

14 14 Segundo dia de visitação ao Tribunal Constitucional Lima, 7 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal Na terça-feira, dia sete de maio, as atividades de trabalho foram fornecidas pelo Dr. Francisco Morales Saravia, responsável pelas Relações Internacionais do Tribunal, que nos relatou um pouco da história da Constituição Política do Peru. Contou-nos que: A Constituição de 1979 foi excelente e segundo o atual presidente do Peru - Ollanta Humala esta foi a verdadeira inspiração democrática. O terceiro presidente da democracia (Alberto Fujimori) deu um Golpe de Estado em cinco de abril de 1992, suas principais ações foram: o Revisão da Constituição; o Convocação de eleições congressionais; o Privatização de companhias nacionais; o Aplicou uma liberdade de mercado; o Demitia sem justa causa; o Deu liberdade a iniciativa privada. No Peru não há Senadores, somente Deputados. Ao todo são cento e trinta congressistas. O Ex-Ministro do Tribunal Constitucional, Dr. Ricardo Beaumont Callirgos, solicitou sua saída, após cumprir mandato de cinco anos, ao Congresso da República e não para o Presidente do Tribunal Constitucional (Oscar Urviola Hani). Esse, então, decretou abandono de trabalho. São atribuições principais de um Presidente da República: o Cumprir e fazer cumprir a Constituição e os tratados, leis e demais disposições legais;

15 15 o Representar o Estado, dentro e fora da República; o Dirigir a política geral do Governo; o Zelar pela ordem interna e a segurança externa do país; o Convocar eleições para Presidente da República e para representantes do Congresso, assim como para prefeitos e governadores. O Peru possui Primeiro Ministro, porém o regime é Presidencialista. Princípios da Administração da Justiça: o Nenhuma autoridade pode interferir nas decisões de um órgão judicial, tampouco pode deixar sem efeito resoluções, nem cortar procedimentos em trâmite, nem modificar sentenças e nem retardar sua execução. Os Ministros do Tribunal Constitucional são eleitos pelo Congresso da República. Dr. Victor Alzamora, do Circuito de Expedientes, nos elucidou sobre a Constituição do Peru. Informou-nos que: Recurso de Agravo Constitucional, em segundo grau, acontece quando contra uma resolução que declara infundada ou improcedente a demanda, origina-se um recurso de agravo constitucional perante o Tribunal Constitucional, dentro do prazo de dez dias contados a partir do dia da notificada resolução. Contra uma decisão que nega um recurso de agravo constitucional procede-se um recurso de queixa. Um Recurso de Queixa não tem Audiência Pública. As sentenças do Tribunal Constitucional têm caráter incontestável. Está facultado a interpor uma ação de inconstitucionalidade: o O Presidente da República;

16 16 o O Fiscal da Nação; o A Defensoria Pública; o Vinte e cinco por cento do número legal de membros do Congresso; o Cinco mil cidadãos com assinaturas verificadas pelo Jurado Nacional de Eleições. o Os presidentes da região, com o acordo do Conselho de Coordenação Regional ou prefeitos provinciais com o consentimento de seu Conselho, em matérias da sua competência; o Associações profissionais, em matérias de sua especialidade. O Quórum do Tribunal Constitucional é de cinco dos seus membros. O Tribunal, em sessão plenária, se reúne e toma decisões por maioria simples dos votos expressos, salvo para resolver a inadmissibilidade da reclamação constitucional ou por sentença declaratória de inconstitucionalidade de um regulamento com força de lei, os casos que exijam cinco votos a favor. O Tribunal não tem um Regimento Interno. Conselheiro Raphael Caldas Anaya, diretor de Planejamento, explanou que: Há três anos acontece julgamento em Arequipa. Todos os magistrados vão a esta cidade para realizar o julgamento. O Tribunal pode realizar audiências em qualquer outra cidade da República. Os assuntos administrativos são resolvidos em Lima. A Secretaria de Planejamento formula objetivos, para a efetiva melhoria dos serviços prestados, pelo Tribunal, por meio de uma seleção de programas de ação, visando à execução de estratégias que determinem rumos ou formas de atingi-los.

17 17 Dr. Francisco Morales Saravia - responsável pelas Relações Internacionais do TC (à esquerda) Servidora do STF Simone Genefra Tôto (ao centro) Servidor do STF Jader de Carvalho Queiroz (à direita)

18 18 Terceiro dia de visitação ao Tribunal Constitucional Lima, 8 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal Na quarta-feira dia oito de maio, a equipe brasileira participou da Audiência Pública Plenária, onde tramitaram vários casos como: Tráfico de Drogas; Questões territoriais de empresas agrícolas; Demanda de Amparo por enfermidade; Habeas Corpus (pai que violenta a própria filha). Após, a equipe se reuniu com o Dr. Felipe Paredes San Román, coordenador do Gabinete de Assessoria, relatou que nos casos de Habeas Corpus e Amparo, vistos no Pleno, caso haja negativa do Tribunal, a parte pode ir à Corte Interamericana de Direitos Humanos 1. Informou também que existe um Pleno Privado onde não há audiência pública. Os magistrados se reúnem sozinhos sem advogados em casos de grande repercussão. Citou como exemplo, o caso do irmão do Presidente do Peru (Antauro Humala), que cumpre pena de dezenove anos de prisão por liderar um levante contra o ex-presidente Alejandro Toledo em 2005 que culminou na morte de seis pessoas. Em seguida, o Dr. Alberto Che Piu Carpi, descreveu-nos um pouco do Código de Processo Constitucional, que regula os processos constitucionais previstos nos artigos 200 e 202 da Constituição: 1. Processo de Habeas Corpus 1.1. Principais direitos protegidos: 1 A Corte Interamericana de Direitos Humanos é um órgão judicial autônomo que tem sede em San José (Costa Rica), cujo propósito é aplicar e interpretar a Convenção Americana de Direitos Humanos e outros tratados de Direitos Humanos. Faz parte do chamado Sistema Interamericano de Proteção aos Direitos Humanos. As pessoas, grupos ou entidades que não sejam o Estado não têm capacidade de impetrar casos junto à Corte, mas podem recorrer à Comissão Interamericana de Direitos Humanos. A Comissão pode, então, levar os assuntos diante desta, sempre que o Estado questionado haja reconhecido sua competência. A Comissão deve comparecer em todos os casos apreciados pela Corte.

19 A integridade pessoal e o direito a não ser submetido à tortura ou a tratos desumanos e humilhantes, e não violentado para obter confissões Não ser obrigado a prestar juramento e nem ser compelido a declarar ou reconhecer culpa contra si mesmo, contra seu cônjuge, seus parentes dentro do quarto grau de consanguinidade ou o segundo de afinidade O direito a não ser detido senão por mandato escrito e motivado por um Juiz ou por autoridades policiais em caso de flagrante delito. O detido deve ser posto em liberdade dentro de vinte e quatro horas. Esse prazo não se aplica aos casos de terrorismo, espionagem ou tráfico ilícito de drogas. Nesses casos as autoridades policiais podem efetuar a prisão preventiva dos implicados por um prazo máximo de quinze dias. 2. Processo de Amparo 2.1. Principais direitos protegidos: De igualdade e de não ser discriminado por razão de origem, sexo, etnia, orientação sexual, religião, opinião, condição econômica, social, idioma, ou de qualquer outra índole; Ao trabalho; A participação individual ou coletiva na vida política do país; A remuneração e a pensão. 3. Processo de Habeas Data 3.1. Principais direitos protegidos: Solicitar, sem expressão de causa, uma informação e recebê-la de qualquer entidade pública em um prazo legal. Exceto as informações que afetem a intimidade pessoal e as que expressamente se excluam por lei ou por razões de segurança nacional.

20 Que os serviços informáticos, computadorizados, públicos ou privados, não administrem informações que afetem a intimidade pessoal ou familiar de qualquer cidadão. 4. Processo de Cumprimento 4.1. Objeto: Que um funcionário ou autoridade pública dê cumprimento a uma norma legal ou execute um ato administrativo; Pronuncie-se, expressamente, quando normas legais emitam uma resolução administrativa ou um regulamento Qualquer pessoa pode iniciar um processo de cumprimento, bem como, a Defensoria Pública. 5. Processo de Ação Popular ou de Inconstitucionalidade 5.1. Finalidade: Os referidos processos têm a finalidade de defender a Constituição frente às infrações contra sua hierarquia normativa. Essa infração pode ser: direta ou indireta, de caráter total ou parcial. 6. Processo de Conflito de Competência 6.1. Finalidade: O referido processo tem por finalidade existir quando as decisões, dos Poderes ou Entidades Estatais, afetem as competências ou atribuições que a Constituição ou as leis orgânicas conferem a outro. Logo depois, a Dra. Carolina Canales, assessora judicial, explanou-nos que o objetivo essencial dos processos constitucionais é garantir a supremacia da Constituição e do efetivo exercício dos direitos constitucionais. Os processos constitucionais são classificados em resposta ao objeto de cada uma delas. Há três classes:

21 21 1. Processos de Proteção dos Direitos relacionam-se com a proteção judicial dos direitos constitucionais e são: habeas corpus, amparo, habeas data e conformidade do processo (ação de execução). 2. Processos de Controle Regulatório - Legalmente tem que proteger o primado da Constituição sobre as leis ou regulamentos com força de lei. 3. Processo de Conflito de Competência - Diz respeito à proteção dos poderes da Constituição e das leis orgânicas atribuídas aos ramos de governo, órgãos constitucionais e dos governos regionais e locais (municípios). Entende-se apenas pelo processo de conflitos ou poderes constitucionais. Elucidou-nos também sobre as atribuições do Tribunal Constitucional: Reconhecer, em instância única, a ação de inconstitucionalidade; Reconhecer, em última e definitiva instância, as resoluções denegatórias de habeas corpus, amparo, habeas data e ação de cumprimento; Reconhecer os conflitos de competência. E por fim, Sr. César Rodríguez Alegre, chefe do departamento de Tecnologia da Informação e seu desenvolvedor Sr. Percy Barrientos, elucidou-nos sobre os sistemas de informação do Tribunal que se encontram divididos como a seguir: 1. Orientados a função Judicial: a. Sistema Integrado de Gestão de Expedientes (SIGE), de desenvolvimento próprio no período de sete meses, gerencia: i. O ingresso de expedientes; ii. Qualificação do caso; iii. Programação da Audiência Pública; iv. Notificação da Vista por correio eletrônico; v. Publicação da Programação;

22 22 vi. Geração do Projeto de Apresentação vii. Seguimento do Caso; viii. Publicação da Resolução; ix. Notificação da Resolução; x. Devolução do Expediente. b. Sistema Peruano de Informação Jurídica, desenvolvido pelo Ministério da Justiça, gerencia: i. A Legislação Peruana atualizada. c. Sistematização da Jurisprudência, de desenvolvimento próprio, gerencia: i. As mil principais resoluções vinculantes do Tribunal Constitucional. 2. Orientados a função Administrativa: a. Sistema de Informação Administrativo e Financeiro (SIAF) gerencia: i. Contabilidade; ii. Orçamento. b. Sistema de Integrado de Gestão Administrativa (SIGA) gerencia: i. Aquisições; ii. Almoxarifado. c. Sistema de Planilhas (SISPER) gerencia: i. Emissão de planilhas de pagamento e contracheque d. Sistema de Inventário do Mobiliário Institucional (SIMI) gerencia: i. O controle de ativos da Instituição e. Sistema de Controle de Assistência gerencia

23 23 i. Registro diário de assistência f. Registro Digitalizado de Comprovantes de pagamento gerencia: i. Controle de gastos; ii. Controle de comprovantes de pagamento. Esclareceu-nos, também, que a sua equipe é pequena, porém bastante produtiva, possuindo quatro pessoas: Dois desenvolvedores; Um técnico; Um chefe. Sr. César Rodríguez Alegre - chefe do departamento de Tecnologia da Informação TC (à esquerda) Servidora do STF Simone Genefra Tôto (ao centro) Servidor do STF Jader de Carvalho Queiroz (à direita)

24 24 Culminância da visitação ao Tribunal Constitucional Lima, 9 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal O calendário de eventos culminou na quinta-feira dia nove de maio com Sr. Rodolfo Albán Guevara, economista e chefe da Seção de Projetos, que nos explicou: A Seção de Projetos tem três anos de existência; Produzem um jornal informativo cujo convênio é realizado com o Diário Oficial Peruano. A ideia do documento originou-se do Sr. Rodolfo; Os projetos passam pelo Ministério da Economia e Finanças para serem aprovados. Em alguns casos, para realização de algum projeto muito relevante para o Tribunal, recorrem ao BIRD 2. Utiliza o Sistema de Gestão de Expedientes (SIGE) para: o Avaliar o desempenho dos Magistrados (essa funcionalidade ainda não foi implementada); o Avaliar o desempenho das Comissões; o Avaliar a estatística do Tribunal, ou seja, os tipos de processos mais julgados; quem mais recorre; os casos mais renitentes. Reiterou que o Tribunal não possui um Regimento Interno de procedimentos; Possuem um Portal de Transparência onde são exibidos todos os gastos do Tribunal (salários; patrimônios; abastecimento.); 2 O Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) é a instituição financeira do Banco Mundial que proporciona empréstimos e assistência para o desenvolvimento a países de rendas médias com bons antecedentes de crédito.

25 25 Os cargos de confiança (Secretário, Relator e Gerente) são escolhidos pelo Pleno e tem que preencher determinados requisitos, como por exemplo, todo Secretário tem que ser advogado com oito anos de advocacia e cinco anos de magistério em Direito. Em seguida a Dra. Lucy Linhares, Diretora Geral da Administração, explicou-nos que: Coordena todo o processo administrativo do Tribunal que envolve: o Gestão Pública; o Abastecimento; o Finanças do Governo; o Tesouraria; o Dívida Pública; o Contabilidade; o Economia e finanças; o Planejamento Estratégico; o Controle da Procuradoria; o Modernização do Órgão Público. A lei é a Lei de Transparência e Acesso à Informação Pública; No Tribunal há um catálogo para adquirir produtos mais econômicos (papel, canetas, abastecimento); Possuem uma Assistente Social que auxilia os servidores quando estão com baixo rendimento no trabalho, verificando se esta situação é de caráter pessoal ou somente profissional, conseguindo com sucesso, em muitos casos, elevar a autoestima do funcionário. Possuem uma Constituição para as crianças com o intuito de fazê-las, desde pequenas, entenderem as leis do seu país por meio de uma linguagem

26 26 compreensível e amistosa. A ideia da elaboração do livro e do CD surgiu da Dra. Lucy e do Sr. Rodolfo. Adiante fomos apresentados ao Sr. José Fernandez, chefe da Seção de Orçamento e Estatística, esclareceu-nos que: A principal função da Seção é administrar o dinheiro que vem do governo pelo Tribunal. Uma tarefa muito árdua desabafou; Utiliza o sistema SIAF (Sistema de Informação Administrativo e Financeiro) para gerenciar o processo de negócio da sua seção. O Sr. Gregorio Torres Mattos, chefe da Seção de Imagem Institucional, encerrou as atividades, informando que: Todas as notas e noticiários passam por sua seção; É responsável pela publicação das audiências; Produzem um boletim informativo gratuito; Confeccionam, diariamente, um resumo das principais notícias judiciais do país para serem distribuídos aos Magistrados. O resumo do dia nove de maio de 2013 traz uma nota interessante informando: Dr. Francisco Morales Saravia, assessor do Tribunal Constitucional e ex-secretário geral da Instituição, apresentou sua candidatura a Defensoria Pública. Morales é especialista em Direito Constitucional, em Direitos Humanos e condutor do programa de TV Tus derechos (canal 7).

27 27 Dra. Lucy Linhares - Diretora Geral da Administração (à esquerda) Sr. Rodolfo Albán Guevara - chefe da Seção de Projetos (ao centro) Servidora do STF Simone Genefra Tôto (à direita) Sr. José Fernandez - chefe da Seção de Orçamento e Estatística (à esquerda) Servidora do STF Simone Genefra Tôto (à direita)

28 28 Sr. Gregorio Torres Mattos - chefe da Seção de Imagem Institucional (à esquerda) Servidora do STF Simone Genefra Tôto (ao centro) Sra. Milagros Morales Soto da Seção de Imagem Institucional Especialista em Protocolo (à direita)

29 29 Início da visitação à Corte Suprema do Peru Lima, 14 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal No dia 14 de maio de 2013 a equipe do STF inicia sua visitação a Corte Suprema do Peru. O Sr. Javier Ballón Sarmiento, do Centro de Investigações Judiciais, recepciona a equipe brasileira e nos elucida sobre a Corte: A estrutura do Poder Judicial está dividida em: Corte Suprema; Poder Judicial e Conselho Executivo. A Corte Suprema é o órgão máximo de deliberação do Poder Judicial. O atual presidente da Corte Suprema do Peru, do Poder judicial e do Conselho Executivo é o magistrado Enrique Javier Mendonza Ramírez; A cada dois anos um novo presidente é nomeado. O voto é secreto e não há reeleição. O atual presidente tomou posse em dezembro/2012; Para ser Magistrado da Corte Suprema se faz necessário: o Ter nacionalidade peruana; o Ser cidadão em exercício; o Possuir mais de quarenta e cinco anos; o Ter sido magistrado da Corte Superior ou Fiscal Superior durante dez anos, ou ter exercido a advocacia ou cátedra em matéria jurídica durante quinze anos; A Corte Suprema compõe-se de vinte magistrados, distribuídos da seguinte forma: o O Presidente da Corte Suprema; o O Juiz supremo, chefe da Oficina de Controle da Magistratura;

30 30 o Dois juízes supremos integrantes do Conselho Executivo do Poder Judicial; o Um juiz supremo representante da Corte Suprema perante o Jurado Nacional de Eleições; o Os demais juízes supremos integrantes das salas jurisdicionais. O Conselho Nacional de Magistratura elege os magistrados da Corte. O atual decano da Corte é o magistrado Luis Felipe Almenara Bryson. Ele é que, em caso de impedimento do Presidente da Corte Suprema, assume o cargo, com as mesmas prerrogativas e autoridade. Em caso de morte do Presidente da Corte, o decano assume o cargo e deve convocar de imediato nova eleição a se realizar num prazo de sessenta dias. Em seguida, fomos visitar a Sala Penal Nacional e fomos recebidos pela Magistrada Coordenadora, Dra. Inés Felipa Villa Bonilla. Ela nos explicou que a Sala Penal Nacional é um órgão jurisdicional com competência a nível nacional que foi criado para tramitação e julgamento de delitos de Terrorismo e de Corrupção. Sua competência foi ampliada para cuidar de crimes cometidos contra a Humanidade e demais transgressões que constituam casos de violação aos direitos humanos. Logo depois fomos visitar a Corte Superior de Justiça de Callao cujo presidente é o Dr. Daniel Peirano Sánchez. Existem quatro Cortes Superiores no Peru: Corte Superior de Lima; Corte Superior de Lima do Norte; Corte Superior de Lima do Sul; Corte Superior de Callao. Cada Corte é composta por dois juízes e um juiz presidente. Os presidentes das Cortes Superiores são eleitos por um período de dois anos, pelos Juízes Superiores Titulares, das respectivas Cortes, onde se reúnem em Sala Plena.

31 31 De natureza jurídica é o órgão jurisdicional do Poder Judicial encarregado de administrar a justiça em consonância com a Constituição e as leis, garantindo a seguridade jurídica e a tutela jurisdicional, para contribuir ao estado de direito, a defesa da paz social e do desenvolvimento nacional. Servidora do STF Simone Genefra Tôto Sr. Javier Ballón Sarmiento - do Centro de Investigações Judiciais

32 32 Segundo dia de visitação à Corte Suprema Lima, 15 de maio de 2013 Simone Genefra Tôto Supremo Tribunal Federal No dia quinze de maio visitamos o prédio onde se localiza a Gerência de Informática cujo gerente é o Sr. Daniel Maldonado Gonzalez. Ele nos esclareceu que: Utilizam a ferramenta JMeter para teste; Para desenvolvimento de sistemas, via Internet, utilizam a ferramenta da IBM chamada WebSphere Portal que suporta fluxos de trabalho, gerenciamento de conteúdo, usabilidade e administração simplificadas, padrões abertos, segurança e escalabilidade; Foi desenvolvido o Sistema Integrado de Justiça (SIJ), que trata de todo o trâmite de processos, desde a entrada na Corte, envolvendo protocolo, distribuição até o julgamento. Este sistema é utilizado unicamente pela Corte Suprema e que, futuramente, será implementado a nível nacional; Foi comprado o Sistema Integrado de Gestão Administrativa (SIGA), este é utilizado a nível nacional; Ambos os sistemas foram desenvolvidos na ferramenta Power Build que é uma linguagem de programação da Sybase. Possui muitos recursos para programação cliente/servidor, para distribuição de aplicações e para Internet. Os projetos novos são solicitados por ofício a sua equipe; A solicitação da manutenção de software é realizada por . A OCMA (Oficina de Control de la Magistratura) utiliza o Sistema Integrado de Expedientes (SIGE) para realizar suas tarefas. Em declaração a revista oficial do Poder Judicial do Peru, o juiz Edgardo Torres López, define a relevância da informática para a justiça peruana: El desarrollo de la tecnología

33 33 informática, alcanza todos los ámbitos del conocimiento y la acción humana, la justicia no es la excepción; la informática judicial posibilita que juzgados de determinadas especialidades abarrotados con expedientes físicos, se conviertan en juzgados modernos que imparten justicia com el sustento de expedientes virtuales, en los que predomina, la oralidade, la calidad y el tiempo oportuno. Fomos até a Corte Superior de Lima cujo atual presidente é o Dr. Iván Alberto Sequeiros Vargas. Visitamos o Edifício Carlos Zavala Loyaza onde funcionam os tribunais e salas que têm a seu cargo os processos judiciais por delitos de corrupção, que estão sob a competência da Corte Superior de Lima. A Construção do referido prédio aconteceu graças ao esforço, à perseverança e ao trabalho dos juízes do subsistema de anticorrupção, que recuperaram o dinheiro dos atos de corrupção cometidos na década de noventa, cujos recursos financeiros foram adquiridos e, com isso, construiu-se essa organização. Servidora do STF Simone Genefra Tôto (à direita)

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ

DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ DESCRIÇÃO E EXPLICAÇÃO GERAL DO SISTEMA JUDICIAL DO PANAMÁ A administração de justiça é gratuita, expedita e ininterrupta. A gestão e atuação de todo processo terão tramitação simples e não estarão sujeitas

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/CAMPUS CENTRAL Pouso Alegre Minas Gerais 2011 SUMÁRIO

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura organizacional da Ordem

Leia mais

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

: MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS :ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO MEDIDA CAUTELAR EM MANDADO DE SEGURANÇA 32.299 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. DIAS TOFFOLI :NATAN DONADON :GILSON CESAR STEFANES :MESA DIRETORA DA CÂMARA DOS

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO

CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO. Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Regimento Interno CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO Art. 1.º O Conselho Nacional do Trabalho, com sede na Capital da República e jurisdição em todo

Leia mais

LEI N. 1.513, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2003

LEI N. 1.513, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2003 LEI N. 1.513, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a gestão democrática do sistema de ensino público do Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00

Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente. Lei n. 574/00 Lei de Criação do Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente Lei n. 574/00 CAPÍTULO II DO CONSELHO TUTELAR DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 15 Fica criado o Conselho

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - CTIC APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 110/2013, de 08/07/2013 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011

Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Resolução nº 126 do Conselho Nacional de Justiça, de 22 de fevereiro de 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional de Capacitação Judicial de magistrados e servidores do Poder Judiciário (Publicada no DJ-e nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO TÍTULO I DA COMISSÃO NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO - CONATRAE CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão Nacional

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL 2 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Comitê de Ética em Pesquisa, multidisciplinar, é um órgão colegiado, instituído através da Portaria n.03/2008,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010

ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, em 11/5/2010. ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010 Altera dispositivos do Regulamento da Secretaria. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, nos termos

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013

Questões Fundamentadas do Regimento Interno do TRT 5ª Região Art. 1º ao 72. Concurso 2013 Para adquirir a apostila 160 Questões Fundamentadas Do Regimento Interno do TRT Bahia 5ª Região - Art. 1º ao 72 acesse o site www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4

Leia mais

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o processo eletivo para escolha dos representantes dos servidores ativos e inativos no Conselho Deliberativo do Pro-Social.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA UNIFEBE Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 36/14, de 10/12/14. CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO

PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO PATRONATO DE PRESOS E EGRESSOS DO ESTADO DA BAHIA ESTATUTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - O Patronato de Presos e Egressos da Bahia, fundado em 29 de maio de

Leia mais

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais;

O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais; Recomendação nº 37, de 15 de agosto de 2011 Texto Original Recomendação nº 46/2013 Recomenda aos Tribunais a observância das normas de funcionamento do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS GOVERNO FEDERAL COMISSÃO INTERNA DE SUPERVISÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS 2011 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 LEI Nº 17.976 /2014 Delibera sobre o Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Finanças e altera dispositivos da Lei nº 15.563, de 27 de dezembro

Leia mais

REDE GONZAGA DE ENSINO SUPERIOR REGES FACULDADE REGES DE DRACENA

REDE GONZAGA DE ENSINO SUPERIOR REGES FACULDADE REGES DE DRACENA REGULAMENTO _ DAS ACADEMICAS Em cumprimento às exigências da Resolução CNE/CES nº 9, de 29 de setembro de 2004 (do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior) e ao Projeto Pedagógico do

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar)

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar) CAPÍTULO 1 Da Definição Artigo 1º - A Comissão de ética no uso de animais (CEUA - Cesumar) é o órgão responsável pelo acompanhamento

Leia mais

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados TRE-RS Guia de Referência para Advogados JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL GUIA DE REFERÊNCIA PARA ADVOGADOS Porto Alegre Maio/2014 SECRETARIA JUDICIÁRIA DO TRE-RS Organização

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Os Conselhos Tutelares, órgãos permanentes e autônomos, não-jurisdicionais,

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013.

LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. LEI Nº 982 DE 16 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a criação, composição, competência e funcionamento do Conselho Municipal de Esporte e Lazer CMEL. O Povo do Município de Turvolândia Estado de Minas Gerais,

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR

CARTA DE. Identificação. públicos. imparcialidade. Pública. 1 Estado de Direito. Democrático. 7 Justiça. 3 Isenção. Fonte: PLACOR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE CARTA DE SERVIÇO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO I. Identificação da Instituição Tribunal Administrativo II. Missão Garantir a justiça administrativa, fiscal e aduaneira ao cidadão,

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO TERESINA-PI 2005 RESOLUÇÃO Nº 011/84 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova o Regimento do Conselho de

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais