Instituto Superior de Engenharia do Porto. Licenciatura em Engenharia Informática Ramo Computadores e Sistemas. Portais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Superior de Engenharia do Porto. Licenciatura em Engenharia Informática Ramo Computadores e Sistemas. Portais"

Transcrição

1 Instituto Superior de Engenharia do Porto Licenciatura em Engenharia Informática Ramo Computadores e Sistemas Portais Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Setembro de 2004 Hélder Sousa

2

3 Portais - Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Autor do Projecto Hélder Tomé Matias de Sousa Nº Orientador do Projecto Eng. Alexandre Manuel Tavares Bragança - III -

4

5 Portais - Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Resumo Este projecto nasceu a partir da necessidade de investigar a melhor maneira de integrar as várias aplicações Web existentes na empresa em que me encontro a trabalhar (I2S, Sistemas e Serviços SA). Essas aplicações foram desenvolvidas em vários sectores da empresa, cada uma delas com as suas próprias funcionalidades, sendo necessário existir integração entre elas de modo a disponibilizar aos clientes da empresa uma aplicação global com todas essas funcionalidades. A solução mais generalizada para o efeito é o uso de Portais Web que todos conhecem um pouco, existindo no entanto muitas confusões sobre o assunto, pois existem muitas definições de portal, cada uma delas à medida de cada um de modo a se adequarem às estratégias de negócio e marketing das empresas. Neste projecto tentar-se-á dar uma visão global sobre a tecnologia de portais, aprofundando a vertente empresarial, tendo como objectivo a integração de aplicações. - V -

6

7 Portais - Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Índice Autor do Projecto... III Orientador do Projecto... III Resumo... V Índice... VII Índice de Imagens... IX Acrónimos... XI 1. Introdução Evolução dos Portais Primeira Geração Portais Segunda Geração de Portais Terceira Geração de portais O que é um Portal? Portais Horizontais vs. Portais Verticais Portais e as suas vertentes Collaborative Portals Business Intelligence Portals Tipos de Portais Corporate ou Enterprise (Intranet) Portals e-business (Extranet) Portals Personal Portals Public ou Mega (Internet) Portals Áreas de Negócio e os Portais Arquitectura de Portais Características Funcionais de um Portal Características Técnicas de um Portal Portlets Portlet Container VII -

8 Portal Services Portal Server Análise de uma Solução de Portal Obtenção de ganhos com o uso do portal Aspectos do Negócio para a escolha de uma solução Aspectos Tecnológicos para a escolha de uma solução Benefícios Limitações Etapas recomendadas para a criação de um portal Planear Executar Implementar Conclusões Bibliografia VIII -

9 Portais - Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Índice de Imagens Figura 1 Integração de componentes de um portal...5 Figura 2 Portais Verticais e Portais Horizontais...7 Figura 3 Arquitectura global de um portal Figura 4 Contextualização das portlets no portlet container Figura 5 Ambiente de execução do Portal Server Figura 6 Processamento típico de um pedido de uma página do portal IX -

10

11 Portais - Componentes de Estratégias de Integração de Soluções Empresariais e dos seus Processos de Negócio Acrónimos API Application Programming Interface B2B Business to Business B2C Business to consumer B2E Business to employee BI Business Intelligence CRM Customer Relationship Management EAI Enterprise Application Integration EEP Enterprise Expertise Portals EIP Enterprise Information Portals EKP Enterprise Knowledge Portals EPC Enterprise Collaborative Portals HTML HyperText Markup Language OLAP On-Line Analytical Processing PDA Personal Digital Assistant RI Reference Implementation SPI Service Provider Interface VPN Virtual Private Network WML Wireless Markup Language XHTML Extensible Hypertext Markup Language XML extensible Markup Language XSLT extensible Stylesheet Language Transformations - XI -

12

13 1. Introdução Hoje em dia é comum ouvir-se falar do termo Portal e, é já há algum tempo uma realidade presente nas organizações e na Internet. No entanto este termo tornou-se muito genérico e abrangente, possuindo significados diferentes para pessoas diferentes. A grande maioria dos utilizadores aplica o conceito Portal a sites que disponibilizam grandes quantidades de informações bem como links para os mais variados temas. No senso comum, um portal é uma porta para o mundo da Internet. Entre os exemplos mais conhecidos, a nível internacional, encontram-se os sites e até mesmo o apesar de diferente no tipo e disposição de conteúdos, enquanto que a nível nacional os sites e são dos portais mais procurados pelos utilizadores. O facto de estes sites abrangerem os mais variados temas, disponibilizando links praticamente para tudo o que um utilizador procura, leva a que esses sites sejam apelidados erradamente de portais se tivermos em conta as principais características de um Portal, na actualidade. Por isso, uma das principais questões que se põe é O que é um Portal?. É importante definir muito bem o que é um portal pois a tecnologia de portais tem-se desenvolvido e evoluindo muito rapidamente, sendo necessário perceber e agrupar os diferentes tipos de portais existentes. No próximo capítulo serão abordados estes aspectos relacionados com os portais, bem como outras questões que aparecerão no decurso dos esclarecimentos apresentados, inerentes ao conceito Portal. Nos capítulos seguintes é apresentado um desenvolvimento mais detalhado sobre os portais e as suas arquitecturas de modo a permitirem a integração de aplicações, o tema nuclear do projecto. Para já, será apresentado um resumo da história dos portais para se ficar com uma noção da evolução dos portais ao longo do tempo

14 1.1. Evolução dos Portais Olhando para o passado, no tempo quem que os computadores pessoais corriam uma aplicação em todo o ecrã disponível, usando todos os recursos da máquina, o advento do sistema operativo Windows revolucionou a interacção do utilizador com o computador. Tal facto deveu-se à possibilidade de o utilizador já não precisar de encerrar uma aplicação para poder usar outra. De um modo simplista, cada aplicação estava suspensa num desktop. Esta revolução está acontecer igualmente na Internet com a globalização da tecnologia de portais. Assim, e tal como todas as tecnologias, esta também sofreu várias evoluções, sendo distinguidas três gerações de portais que serão abordadas de seguida Primeira Geração Portais A primeira geração de portais caracteriza-se por disponibilizar essencialmente conteúdos estáticos e documentos. Num ambiente empresarial, este tipo de portais destina-se a disponibilizar um local único onde se pode encontrar informação sobre a organização, tal como notícias, dados dos colaboradores, documentos com as políticas da organização e links chave, entre outros Segunda Geração de Portais A segunda geração de portais é orientada para os conteúdos específicos e aplicações. Os portais desta geração incorporam a ideia de disponibilização de serviços lado a lado com a disponibilização de conteúdos. Outras das características destes portais é a colaboração, ou seja, a possibilidade de equipas trabalharem num escritório virtual, disponibilizando serviços para a gestão de conteúdos lado a lado com serviços de interacção entre os - 2 -

15 membros da equipa tais como , chat, calendários comuns, e comunidades de utilizadores Terceira Geração de portais Os portais de terceira geração são concebidos de modo a incluir soluções caracterizadas por conceitos de e-business, para que sejam disponibilizadas fora da organização permitindo o uso dessas mesmas soluções por empregados, fornecedores e clientes. Uma das características principais desta geração de portais é a integração de servidores aplicacionais, permitindo assim um único ponto de integração de conteúdos e aplicações, bem como serviços colaborativos. Permitem ainda acesso a partir de vários tipos de dispositivos, de modo a englobar diversas comunidades de utilizadores que necessitam de serviços específicos. Os portais desta geração caracterizam-se por serem aqueles que oferecem os conteúdos mais ricos em informação, bem como uma grande diversidade de aplicações que o utilizador pode escolher, para além de disponibilizarem personalização automática

16

17 2. O que é um Portal? Resumidamente, pode-se definir Portal como sendo uma aplicação Web que integra informação, aplicações e serviços permitindo a sua personalização. Um portal disponibiliza aos utilizadores, num único ponto de acesso, vastos e variados conteúdos, dados e serviços de uma empresa. Os conteúdos apresentados no portal podem ser personalizados com base nas preferências do utilizador, no design do site ou ainda em campanhas de marketing. Um portal disponibiliza ainda integração de conteúdos e aplicações numa área de trabalho comum. Serviços Processos de Negócio Conteúdos Personalização Portal Figura 1 Integração de componentes de um portal De um modo geral, pode-se considerar que as principais características de um portal são as seguintes: Agregação de Informação - 5 -

18 Informação personalizada e direccionada Acessibilidade Único login Com o uso de um portal é de esperar um aumento de produtividade pois todas as aplicações encontram-se num único sítio, permitindo definir contextos para os utilizadores de modo a obterem acesso a tudo o que precisam para realizarem as suas tarefas em qualquer altura, em qualquer sítio. Os portais distinguem-se ainda pelo facto de, estarem acessíveis via dispositivos que permitam o acesso a aplicações Web contrariamente às aplicações desktop que têm se ser executas em computadores num determinado sistema operativo. De uma maneira geral, um portal difere de um site pelos seguintes motivos: Único ponto de acesso a todos os recursos disponíveis no domínio do portal Interacção personalizada com o utilizador Acesso autorizado a inúmeros dados bem como repositórios, ambos agregados e categorizados. Capacidades de colaboração e integração entre utilizadores Integração com aplicações e sistemas de workflow

19 2.1. Portais Horizontais vs. Portais Verticais É usual encontrar-se na literatura dois conceitos relativos aos portais, Portais Horizontais e Portais Verticais. Esta caracterização dos portais surgiu praticamente ao mesmo tempo que o próprio conceito de portal e, tenta agrupar os portais tendo em consideração a sua focalização das áreas de negócio. Se um portal foca uma área específica ou as necessidades de um departamento então é caracterizado como sendo um Portal Vertical. Portal para o Portal B2B Portal para os Portal para Consumidor Funcionários parceiros Infra-estrutura Portal Horizontal Figura 2 Portais Verticais e Portais Horizontais Caso o portal seja mais abrangente no que concerne às áreas de negócio, permitindo a ligação aos mais variados conteúdos e disponibilizando serviços comuns que permitam a integração de portais verticais, então esse portal é caracterizado como sendo um Portal Horizontal. De um modo geral pode-se afirmar que os portais horizontais são a infraestrutura principal para a criação de um portal. Os portais verticais são construídos sobre a camada horizontal e representam uma instância de um portal específico, normalmente denominado por domínio

20 2.2. Portais e as suas vertentes Hoje em dia cada vez mais são os produtos disponíveis no mercado para a implementação de soluções baseadas em portais. No fundo um produto que disponibilize uma interface para o negócio das organizações pode ser considerado um portal. Por tal os portais, dependendo dos processos de negócio que pretendem implementar, podem ser classificados em duas categorias principais, Collaborative Portals ou Business Intelligence Portals. No entanto, é necessário ter em conta que, devido às exigências do mercado, estas duas vertentes têm sido unificadas, dando origem a portais mais completos Collaborative Portals Os Collaborative Portals, ou Portais de Colaboração, permitem que os colaboradores das empresas possam organizar, pesquisar e partilhar dados, disponibilizando serviços e conteúdos destinados aos utilizadores em geral, como por exemplo , fóruns de discussão, formulários, memorandos, entre outros. Este tipo de portais diferem das Intranets não só por disponibilizarem um maior leque de informação, mas também por permitirem manutenção dos conteúdos do portal e disponibilizarem serviços de colaboração Business Intelligence Portals 1 Os BI Portals, ou Portais de Conhecimento do Negócio, disponibilizam aos gestores e analistas do negócio da organização um fácil acesso ao conhecimento do negócio para os ajudar na tomada de decisões. Este tipo de portais caracteriza-se por indexar análises e relatórios, realização de 1 BI - Business Intelligence - 8 -

21 inquéritos, etc., associados com a gestão financeira, CRM 2, gestão de fornecedores, etc. Estes portais disponibilizam ainda acesso a ferramentas relacionadas com a gestão do negócio, tais como criação de relatórios, OLAP 3 e Data Mining, bem como o suporte para alertas, publicação e subscrição de documentos. O problema deste tipo de portais é que eles são baseados em ferramentas de produtores de BI software, que expandem o seu software de modo a comportarem o conceito de Portal, estando na maior parte dos casos limitados às implementações do produtor de software, não sendo possível uma fácil integração com outras ferramentas de outros produtores. Na maior parte dos casos, este tipo de portais apenas é usado internamente nas organizações, de modo a permitem uma maior facilidade no uso das ferramentas de negócio já disponíveis Tipos de Portais Como já foi referido anteriormente, os portais evoluíram rapidamente, que a nível de conceito, quer a nível de tecnologia, sendo necessário perceber e distinguir os vários tipos de portais e as suas aplicações e finalidades. Assim, os portais foram divididos em quatro grandes categorias que serão abordadas de seguida. No entanto é importante frisar que a implementação de um portal pode ser uma mistura de vários tipos de portais levando a uma solução híbrida. As quatro categorias de portais não são mutuamente exclusivas e devem permitir a sua coexistência e integração entre elas. 2 CRM Customer Relationship Management 3 OLAP - On-Line Analytical Processing

22 Corporate ou Enterprise (Intranet) Portals Os Enterprise Information Portals (EIP) são portais desenvolvidos para a implementação de processos, comunidades e actividades B2E de modo a melhorar o acesso, processamento e partilha de informação por toda a empresa. Este tipo de portais inclui também grupos, processos, workflow, colaboração, gestão de conteúdos, aplicações empresariais e a lógica de negócio. Os EIPs permitem ainda que os colaboradores da empresa acedam a outros tipos de portal, tais como portais e-business, portais pessoais e portais públicos. A união de departamentos ou grupos de portais independentes numa única solução é dado o nome de Federal Portal. EIPs disponibilizam ainda acesso a conteúdos fornecidos por entidades externas, como por exemplo as cotações da bolsa. Os EIPs definem-se como applications that enable companies to UNLOCK internally stored information, and provide users with a single gateway to PERSONALIZED information and knowledge to make informed business DECISIONS [Shilakes & Tyleman, Merrill Lynch, Inc.]. Desta definição podese concluir que os EIPs disponibilizam informação, outrora apenas acessível internamente, que pode ser personalizada à medida dos utilizadores, de modo a permitir a tomada de decisões bem alicerçadas. Os exemplos de EIPs incluem os seguintes portais. Business Intelligence Portals São portais que permite que os utilizadores acedam e produzam relatórios baseados nas mais diversas informações disponíveis, para poderem tomarem decisões

23 Business Area (Intranet) Portals Este tipo de portal suporta funcionalidades ou processos específicos e aplicações intrinsecamente ligadas à organização. Os portais de Recursos Humanos, portais ERP (Enterprise Resouce Planning), portais de Vendas e Marketing e portais de Gestão de Fornecedores são alguns dos tipos de portais incluídos nos Business Área Portals Horizontal Portals Os portais horizontais, como já foi referido anteriormente, são por natureza genéricos e estão disponíveis para toda a empresa. Entre os exemplos de portais horizontais encontram-se os Enterprise Collaborative Portals (EPC) que disponibilizam uma área de trabalho comum; os Enterprise Expertise Portals (EEP) que fornecem ligações entre os colaboradores baseadas nos seus conhecimentos; os Enterprise Knowledge Portals (EKP) que incluem as funcionalidades dos dois anteriores e que disponibilizam automaticamente ligações para a informação e os colaboradores que estão directamente ligados a uma tarefa a ser executada por um determinado utilizador, em tempo real; os portais orientados à gestão de conteúdos e gestão de documentos. Role Portals Este tipo de portais caracteriza-se por suportar os três modelos de negócio, B2E, B2C e B2B. Role Portal para B2E suportam o acesso e a disponibilidade de informações personalizadas para os empregados, bem como comunicação entre os funcionários via salas de chat, grupos de discussão, etc., funcionando também como self-service para os mesmos. Em relação a B2C, são disponibilizadas as ligações e relações entre a organização e os seus clientes, suportando serviços de encomenda e de cobrança, serviços de suporte pré e pós-venda, workflow e colaboração entre a organização e os clientes. Este tipo de portal funciona igualmente

24 como self-service para os clientes. Finalmente, Role Portals para B2B disponibilizam o fluxo de informação, processos e actividades de negócio que se encontram distribuídos pela organização e pelos seus fornecedores e parceiros de negócio, tendo em vista a distribuição e processos de encomendas de matérias-primas. Um portal B2B típico disponibilizará processos automáticos (compra, revenda, pagamentos, etc.) entre a organização e os seus parceiros, processando muito mais informação do que num portal B2E e-business (Extranet) Portals Estes tipos de portais estão divididos em três sub-categorias: Extended Enterprise Portals Os exemplos deste tipo de portais incluem os portais B2C, B2E e B2B, abordados anteriormente, que permitem uma ramificação da empresa até aos seus diversos pontos de contacto. e-marketplace Portals Este tipo de portais disponibiliza serviços relacionados com transacções comerciais entre a sua comunidade de compradores, vendedores e sites de vendas electrónicas. Estes portais fazem a ponte entre os compradores e vendedores online, disponibilizando notícias específicas e produtos da indústria e serviços de informação. Os compradores podem aceder facilmente a informação que precisam para encontrar, comparar preços e comprar um determinado produto ou serviço. Os vendedores podem encontrar potenciais compradores recorrendo a apresentações dos seus produtos e serviços em múltiplos locais da Internet. Este tipo de portais é muito usado por retalhistas que compram e vendem produtos e serviços

25 Application Service Provider (ASP) Portals Os portais ASP são portais B2B que possuem como principal característica a possibilidade dos clientes alugarem ou subscreverem produtos e serviços Personal Portals Existem duas grandes categorias de Personal Portals. Pervasive Portals ou Mobility Portals Nesta categoria estão incluídos os portais presentes nos telemóveis, PDAs wireless, pagers, etc. Estes portais são cada vez mais populares e importantes para os consumidores e funcionários pois permitem obter informação sobre produtos e serviços, preços, descontos, disponibilidade, estado de encomendas, estado de pagamentos. Appliance Portals São os tipos de portais que estão presentes noutros dispositivos que não se enquadram nos que já foram referidos. Não são muito conhecidos em Portugal, mas existe o WebTV que está disponível em televisão noutros países, ou o OnStar presente em alguns automóveis Public ou Mega (Internet) Portals As organizações que disponibilizam este tipo de portais são organizações que estão empenhadas em obter grandes audiências on-line, normalmente orientadas para determinados contextos profissionais ou demográficos. Existem dois tipos de portais públicos, os Portais Públicos Genéricos que se destinam a toda a Internet, em oposto a comunidades específicas, e os Portais Empresariais que se destinam a um público específico (portais de bancos, seguradoras, etc.), caracterizando-se, por isso, como portais verticais

26 2.4. Áreas de Negócio e os Portais Existem quatro comunidades de utilizadores que estão intrinsecamente ligadas às empresas. Essas quatro comunidades são os funcionários, os clientes, os fornecedores e os parceiros de negócio. Cada uma das comunidades gera e usa informação específica relacionada com os requisitos, processos, workflow, necessidades, aplicações e tecnologia da sua área de negócio, que conduzem o negócio e cria mais-valias. É a partir da identificação da informação particular requerida para uma dada comunidade, que a arquitectura de uma solução de portal pode ser definida. Estas soluções devem aproveitar as aplicações e infra-estruturas existentes de modo a obter uma maior produtividade e aumentar os ganhos da empresa. De seguida serão abordadas as características de cada uma das comunidades e as suas ligações à organização. Comunidade de Funcionários Os maiores recursos de uma organização são os seus funcionários. Os Employee Portals são desenvolvidos para tornar a componente humana da empresa a mais produtiva possível permitindo alcançar elevados níveis de sucesso. De realçar ainda que cada vez mais as empresas distribuem autoridades, responsabilidades e poder de decisão a funcionários chave, enfatizando ainda grupos de trabalho, para tomarem decisões chave de modo a orientar as actividades diárias de modo a atingir a produtividade e o sucesso referidos. Todas estas iniciativas das organizações são especialmente orientadas para as áreas de recursos humanos, recrutamento, formação, contabilidade, planos financeiros e análise, tecnologias de informação, gestão de projectos, investigação e desenvolvimento. Com portais para as comunidades de funcionários, as organizações disponibilizam dados e informação acerca dos seus funcionários e gestão dos mesmos, para permitir que um funcionário ou um

27 grupo de trabalhos seja mais produtivo, permitir a partilha dos melhores métodos de trabalho, trabalhar com mais eficiência e tomar as melhores decisões. Comunidade de Clientes A principal função de um portal para uma comunidade de clientes é aumentar a capacidade da organização de ganhar, servir e manter os clientes. As organizações competem entre si pelos clientes criando relações de longo termo com os mesmos. A vantagem nesta competitividade começa a estar mais ligada com a intimidade com o cliente, relações comerciais e serviços, do que propriamente as características dos produtos ou a sua inovação. Com um portal seguro e escalável, as organizações podem disponibilizar informações chave para o exterior da organização, de modo a que os seus clientes possam visualizar os produtos, encomendas, consultar inventários e obterem informações sobre a entrega e pedidos de serviços. O nível de informação disponível para os clientes e a possibilidade de selfservice aumentam as relações comerciais com os mesmos e a sua fidelização. Com a disponibilização de informação interna para os clientes, as organizações recebem destes, dados que lhes poderão ser úteis para realizarem melhores campanhas de marketing, prospecção de mercado, vendas, melhoramento de serviços e suporte, gestão das relações comerciais, encomendas, aumentar serviços ao cliente entre outros. Comunidade de Fornecedores Os portais para as comunidades de fornecedores são direccionados para aumentar a capacidade das organizações de identificar, manter e gerir os seus fornecedores. As organizações estão cada vez mais a integrar e a transformar as suas cadeias de fornecimento, criando informação em tempo real para gerir mais eficientemente essas mesmas cadeias de fornecimento. As organizações estão a tentar também reduzir redundâncias, diminuir o seu

28 tempo de resposta às necessidades do mercado, reduzindo os custos globais. Um fluxo de informação melhorado disponível em toda a organização e nas cadeias de fornecimento possibilita que os funcionários tomem decisões pró activas, baseadas em factos de modo a aperfeiçoar alguns aspectos, tais como as ordens de encomendas, a obtenção de matérias-primas, o planeamento de materiais, controlo de inventário, a logística e distribuição, entre outros. Os portais orientados para estas comunidades de fornecedores permitem que tantos os funcionários das organizações como parceiros externos possam usar informação em cada ponto da cadeia de fornecimento para melhorar os processos relacionados com o fornecimento de matérias-primas. Comunidade de Parceiros Hoje em dia as organizações estão cada vez mais focalizadas no seu knowhow especializando as suas competências num pequeno conjunto de tarefas nucleares para a produção dos seus produtos ou serviços, contando com parceiros estratégicos e altamente especializados noutras tarefas necessárias para a produção dos seus produtos e serviços finais, para terem uma maior competitividade e fatias de mercado. Tal como já foi referido, as organizações estão sempre a tentar diminuir os seus custos, aumentar o seu tempo de resposta às necessidades do mercado, aperfeiçoar a sua eficiência e melhorar as suas relações com parceiros. As organizações necessitam de flexibilidade e agilidade para criarem ou terminarem parcerias conforme for mais vantajoso ou não, baseando-se nas mudanças dinâmicas e pressões competitivas do mercado. Assim, os portais criados para as comunidades de parceiros permitem que, tanto os funcionários como os parceiros, tenham acesso a informação interna da organização ou a informação dos parceiros de negócio, como por exemplo, documentação de mercado, lançamento de novos produtos, distribuição para canais de venda, gestão de previsões de múltiplos parceiros, compilação de toda a informação de parceiros,

29 colaboração e oportunidades de vendas conjuntas, acesso a formação específica dos parceiros, entre muitas outras informações. Na generalidade, ambas as organizações querem saber que produtos estão a vender, quanto é o rendimento gerado, qual a quantidade de pedidos e qual a quantidade de recursos que são necessários para satisfazer esses pedidos. Adicionalmente, as organizações têm necessidade de conhecer quais os pontos de gargalo nos processos e como melhorar a combinação de processos

30

31 3. Arquitectura de Portais De seguida serão abordados os aspectos técnicos nas arquitecturas de portais Características Funcionais de um Portal Como já foi referido anteriormente, os portais podem tomar diferentes formas quer a nível dos dados, quer a nível da estrutura. Apesar de ja terem sido referidas anteriormente algumas características, existem três características funcionais, que são comuns a todos os portais e que importa focar. Assim, podemos considerar como principais, as seguintes características: Agregação de conteúdos e Integração de serviços Uma das principais funções dos portais é disponibilizar informação e serviços que um utilizador necessite para efectuar as suas tarefas. A informação disponível pode ser dividida em: Informação estruturada dados organizados de maneira a permitir uma fácil compreensão da mesma e permitir pesquisas rápidas pela informação pretendida. Este tipo de informação estruturada contem muitas vezes relatórios, análises e outros dados relativos à componente de negócio que a informação pretende descrever. Os exemplos mais comuns deste tipo de informação são os catálogos de produtos. Informação não estruturada este tipo de informação caracteriza-se por uma difícil compreensão e dificuldade de pesquisa da mesma, pois está desorganizada, estando normalmente em formatos de texto, áudio, vídeo ou imagem

32 e tomam a forma de documentos, memorandos, s, actas de reuniões, entre outros. Em relação aos serviços podem ser divididos em: Serviços colaborativos também conhecidos como serviços orientados à comunicação, permitem que os colaboradores possam falar uns com os outros recorrendo a chats, encontrar know-how acerca de determinados assuntos, partilha de um calendário comum, participar em grupos de discussão, entre outros. Serviços de gestão de conteúdos disponibilizam funcionalidades de pesquisa, data mining, entre outras que permitam gerir os conteúdos do portal. Self-services permitem que os utilizadores do portal possam interagir directamente com outros sistemas, sem ser necessário recorrer a um intermediário (exemplo, representante de um cliente ou técnico de vendas). A realização de encomendas ou compra de produtos, marcação de reuniões, verificação de contas de cliente, entre outras, são algumas das operações disponibilizadas por este tipo de serviços. Personalização e customização Uma outra característica muito interessante num portal é a possibilidade de este poder ser diferente de pessoa para pessoa. Tal é possível devido à possibilidade de personalizar e customizar. Personalizar um portal implica uma escolha do que deve ser mostrado, ou seja, que conteúdos o utilizador deverá visualizar. Esta escolha pode ser automática, baseando-se em regras de negócio tal como o papel do colaborador na

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projetos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projetos em que estão envolvidos, interagindo na otimização dos

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados

Secção I. ƒ Sistemas empresariais cruzados 1 Secção I ƒ Sistemas empresariais cruzados Aplicações empresariais cruzadas 2 ƒ Combinações integradas de subsistemas de informação, que partilham recursos informativos e apoiam processos de negócio de

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML.

A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Descritivo completo PHC dportal A solução ideal para criar um site público e dinâmico â com um visual profissional, sem necessidade de conhecimentos em HTML. Benefícios Actualização e manutenção simples

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

PHC dsuporte Interno

PHC dsuporte Interno Descritivo PHC dsuporte Interno PHC PHC dsuporte Interno O controlo da assitência técnica da empresa A ferramenta essencial para o técnico gerir o seu diaa-dia, permitindo-lhe oferecer um melhor serviço

Leia mais

Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência. Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt

Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência. Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt Empresa Digital: Da quimera à sobrevivência Nuno Queirós nuno.queiros@primaverasoft.pt Enquadramento tecnológico Democratização da tecnologia Presença a da PRIMAVERA Software MFrames 1950...70 O DOS O

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos

PHC dsuporte Externo. ππ Aumentar a satisfação dos seus clientes. ππ Aumentar a velocidade de resposta dos pedidos PHC dsuporte Externo DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Externo permite prestar assistência técnica pós-venda, aumentar de forma significativa a eficiência e a qualidade do serviço, o que resulta na maior

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

A criação de um site público e dinâmico

A criação de um site público e dinâmico PHC dportal A criação de um site público e dinâmico A solução ideal para criar um site público e dinâmico com um visual profissional, e facilmente utilizável por colaboradores sem conhecimentos de HTML.

Leia mais

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script 1a Nesta demonstração, Will Dunlop, um programador de integração da JK, utiliza o IBM, [ IBM], ou WID para construir um novo serviço orientado para os processos

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

A solução que permite controlar e executar remotamente a assistência técnica da empresa, contribuindo para um melhor serviço ao Cliente

A solução que permite controlar e executar remotamente a assistência técnica da empresa, contribuindo para um melhor serviço ao Cliente PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, permitindo desempenhar um melhor serviço aos Clientes, aumentar o know-how

Leia mais

Software de gestão em tecnologia Web

Software de gestão em tecnologia Web Software de gestão em tecnologia Web As Aplicações de Gestão desenvolvidas em Tecnologia Web pela Mr.Net garantem elevados níveis de desempenho, disponibilidade, segurança e redução de custos. A Mr.Net

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet.

A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet. dcontroldoc Interno e Externo Descritivo completo A solução para consultar e introduzir documentos, imagens e outros ficheiros a partir de um local com acesso à Internet. Benefícios Facilidade em pesquisar

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper

FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 White Paper CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Maio 2012 CLOUD COMPUTING FAZER MAIS COM MENOS Cloud Computing é a denominação adotada para a mais recente arquitetura de sistemas informáticos. Cada vez mais empresas

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações

PHC dsuporte Interno. ππ Reportar o fecho de pedidos. remotamente ππ Consulta da agenda do técnico. ππ Equipamentos e Instalações PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

PHC dcontroldoc Interno e Externo

PHC dcontroldoc Interno e Externo PHC dcontroldoc Interno e Externo DESCRITIVO Com o PHC dcontroldoc o utilizador tem a possibilidade de aceder a diversos tipos de ficheiros (Imagens, Word, Excel, PDF) a partir de um local com acesso à

Leia mais

Mobile Business. Your sales on the move.

Mobile Business. Your sales on the move. Pág/02 O PRIMAVERA é um produto destinado a empresas que utilizem processos de auto-venda e/ou pré-venda com Equipas de Vendas que necessitem de um conjunto de informação e funcionalidades avançadas, disponíveis

Leia mais

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online

Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Integração Empresarial Descrição de um problema de integração: Sistema de vendas online Luís Costa - 8050120 Abril, 2012 1. Introdução Este documento apresenta detalhadamente o processo de negócio de uma

Leia mais

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno:

Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Escola Politécnica da USP MBA EPUSP em Gestão e Engenharia do Produto EP-018 O Produto Internet e suas Aplicações Professor: Márcio Lobo Netto Aluno: Giovanni Pietro Vallone Cocco Portais Corporativos

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico.

O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. O Consentimento Informado é um elemento necessário ao atual exercício da medicina, como um direito do paciente e um dever moral e legal do médico. Índice Temático A empresa C3im Soluções para a área da

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa, ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente o potencial da força

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade.

Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Descritivo completo PHC dcrm Aumente o potencial da força de vendas da empresa ao fornecer-lhe o acesso em local remoto à informação comercial necessária á à sua actividade. Benefícios Acesso aos contactos

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004

AberdeenGroup. O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo. Agosto de 2004 AberdeenGroup O ABC dos ERP: Um Sumário Executivo Agosto de 2004 Aberdeen Group, Inc. 260 Franklin Street Boston, Massachusetts 021103112 USA Telefone: 617 723 7890 Fax: 617 723 7897 www.aberdeen.com O

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS

PHC Mensagens SMS CS PHC Mensagens SMS CS O potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC O envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo. Uma comunicação com sucesso: ganhos de tempo e de dinheiro

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Gestão e tecnologia para PME s

Gestão e tecnologia para PME s www.sage.pt Gestão e tecnologia para PME s Sage Porto Sage Lisboa Sage Portugal A longa experiência que temos vindo a acumular no desenvolvimento de soluções integradas de software de gestão para as pequenas

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

OurDocs. Sistemas Distribuídos Engenharia de Software. Sistema de gestão documental. ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt Sistemas Distribuídos Engenharia de Software 2º Semestre, 2006/2007 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: OurDocs Sistema de gestão documental ic-sod@mega.ist.utl.pt ic-es@mega.ist.utl.pt

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR CLOUD PARA AS SUAS APLICAÇÕES? As ofertas de cloud pública proliferaram e a cloud privada popularizou-se. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda

PHC dsuporte Interno BENEFÍCIOS. _Help-Desk e suporte pósvenda PHC dsuporte Interno DESCRITIVO O módulo PHC dsuporte Interno é uma ferramenta essencial para o técnico gerir o seu dia-a-dia, que permite desempenhar um melhor serviço aos clientes, aumentar o know-how

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution

IAPMEI EEN. KMS Knowledge Management Solution IAPMEI EEN KMS Knowledge Management Solution Praia, 1 e 2 de Dezembro de 2011 IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação http://www.iapmei.pt/ Principal instrumento das políticas

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais