Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice. 2. Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades. 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 24-10-2012 2"

Transcrição

1 título Autor

2 Índice 1. Desenvolvimentos da Conta Satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo (ISFL) Conta Satélite da Economia Social Alguns resultados 2.1. Universo 2.2. Cooperativas 2.3. Mutualidades 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário

3 O que são contas satélite? Contas Nacionais Contas Satélite

4 Porquê uma conta satélite da economia social? Reconhecimento estatístico ( ) 16. Salienta que a medição da economia social é complementar à medição das organizações sem fins lucrativos (OSFL), convida a Comissão e os Estados Membros a promoverem a utilização do Manual da ONU sobre organizações sem fins lucrativos e a prepararem contas satélite que permitam melhorar a visibilidade das OSFL e das organizações da economia social. Fonte: Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social

5 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) Fase 1: Compilação da conta das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (ISFLSF) de acordo com a nova base das Contas Nacionais Portuguesas Junho de 2010; ISFLSF (S.15)

6 Lituânia Bulgária Itália Letónia Grécia Holanda República Checa Eslovénia Espanha Eslováquia Chipre Roménia Bélgica Polónia Hungria Suécia Noruega Malta Áustria França Portugal Suíça Finlândia 0,1% 0,2% 0,3% 0,4% 0,5% 0,5% 0,6% 0,6% 0,6% 0,8% 0,8% 0,9% 1,1% 1,1% 1,2% 1,5% 1,5% 1,5% 1,7% 1,7% 1,9% 2,0% 3,0% 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.1. Contas Nacionais (Base 2006) 3,5% 3,0% 2,5% 2,0% 1,5% 1,0% 0,5% 0,0% Peso do Setor das Instituições Sem Fim Lucrativo ao Serviço das Famílias (S.15) no VAB nacional Fonte: Eurostat

7 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Contas Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Fase 2: Extensão da conta das ISFLSF a outras ISFL (não inclui trabalho voluntário) Junho de 2011; ISFLSF (S.15) Conta Satélite das ISFL

8 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Publicação Destaque Conta Satélite das ISFL Heterogeneidade Relevância

9 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Heterogeneidade: Universo das ISFL 2006 (Fonte: INE, Conta Satélite ISFL, 2006) Ass. Patronais, Profissionais e Sindicatos 4,8% Outras 4,1% Cultura e Recreio 50,3% Religião 15,6% Desenv. e Habitação 3,9% Ambiente 1,7% Serviços So ciais 13,7% Saúde 1,4% Educação e Investigação 4,5%

10 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Heterogeneidade: VAB das ISFL 2006 (Fonte: INE, Conta Satélite ISFL, 2006) Ass. Patronais, Profissionais e Sindicatos 9,0% Religião 3,7% Outras 4,5% Cultura e Recreio 9,9% Educação e Investigação 15,1% Saúde 9,3% Desenv. e Habitação 2,9% Serviços Sociais 45,2% Ambiente 0,4%

11 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Relevância: Peso das ISFL na Economia Nacional em 2006 (Fonte: INE, Conta Satélite ISFL, 2006) 5% 5% 4% 4% 3% 3% 2% 2% 1% 1% 0% 2,2% 3,4% 4,4% VAB Remunerações Emprego (Postos Remunerados) 2,5% 2,4% Despesa de Consumo Final FBC

12 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.2. Conta Satélite das Instituições Sem Fim Lucrativo Publicação Universidade Johns Hopkins Conta Satélite das ISFL

13 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Fase 3: Compilação de uma conta satélite da economia social ISFLSF (S.15) Conta Satélite das ISFL Cooperativas e Mutualidades

14 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Fase 3: Compilação de uma conta satélite da economia social ISFLSF (S.15) Conta Satélite das ISFL Cooperativas e Mutualidades

15 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Conta de Produção Fase 3: Compilação de uma conta satélite da economia social 2. Conta de Exploração 3. Conta de Afetação dos Rendimentos Primários 4. Conta de Distribuição Secundária do Rendimento 5. Conta de Redistribuição do Rendimento em Espécie 6. Conta de Utilização do Rendimento Disponível 7. Conta de Capital

16 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Fase 3: Compilação de uma conta satélite da economia social 1. Produção, Consumo Intermédio, VAB 2. Remunerações, Outros impostos e Subsídios à produção, 3. Impostos sobre a produção e import., Rendimentos de Prop., 4. Contribuições e Prestações sociais, Outras transferências corr., 5. Rendimento Disponível Ajustado 6. Despesas de Consumo Final, Poupança 7. Formação Bruta de Capital, Transferências de Capital, Capacidade líquida / necessidade líquida de financiamento

17 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Conceção da Conta Satélite: Multi - dimensional Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais Conta Satélite das ISFL Famílias da Economia Social

18 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Conceção da Conta Satélite: Modular Associações e Outras Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais Cooperativas Mutualidades Misericórdias Fundações Famílias da Economia Social

19 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Conceção da Conta Satélite: Modular Ramos de Atividade / Classificação Organizações da Economia Social Setores Institucionais IPSS Famílias da Economia Social

20 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Calendarização & Fontes 2º Semestre de º Semestre de º Semestre de 2012 Revisão da Literatura Compilação das variáveis Integração e análise da informação Construção do universo Relatório final / Difusão INE (Ficheiro de Unidades Estatísticas, Informação Empresarial Simplificada IES), CASES (BD Coop), Que conceito de Economia Social? Instituto de Informática da Segurança Social (Orçamentos e Contas de IPSS OCIP) Relatório Intermédio 1 Relatório Intermédio

21 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Delimitação conceptual Conjunto de empresas privadas, organizadas formalmente, com autonomia de decisão e liberdade de adesão, criadas para satisfazer as necessidades dos seus membros através do mercado, produzindo bens e serviços, assegurando o financiamento, onde o processo de tomada de decisão e distribuição de benefícios ou excedentes pelos membros não estão directamente ligados ao capital ou quotizações de cada um, correspondendo a cada membro um voto. A Economia Social agrupa também as entidades privadas organizadas formalmente, com autonomia de decisão e liberdade de adesão, que produzem serviços não mercantis para as famílias e cujos excedentes, quando existem, não podem ser apropriados pelos agentes económicos que os criam, controlam ou financiam. (Centre International de Recherches et d'information sur l'economie Publique, Sociale et Coopérative - CIRIEC, 2006)

22 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Delimitação conceptual Características comuns das organizações da Economia Social: Privadas; Organizadas formalmente (personalidade jurídica); Autonomia de decisão; Liberdade de adesão (sem filiação obrigatória); Distribuição de benefícios/excedentes de acordo com as atividades que os membros realizam; Objetivo da atividade económica: satisfação das necessidades de famílias/pessoas ( organizações de pessoas, não de capital ); Organizações democráticas

23 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Delimitação conceptual A definição de economia social tem subjacente que os seus atores podem intervir em duas áreas: i. mercantil ou empresarial da economia social; ii. não mercantil da economia social

24 Delimitação conceptual 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social i. Na área mercantil ou empresarial da economia social intervêm: Cooperativas; Mutualidades; Grupos empresariais controlados por cooperativas, mutualidades e outras entidades da economia social

25 1. Desenvolvimentos da conta satélite 1.3. Conta Satélite da Economia Social Delimitação conceptual ii. Na área não mercantil da economia social intervêm: Associações (de beneficência, ajuda e assistência, sindicais, profissionais ou científicas, de consumidores, religiosas, igrejas, partidos políticos, clubes sociais, culturais, recreativos e desportivos); Fundações; Todas as entidades cuja produção é distribuída maioritariamente de forma gratuita ou a preços economicamente pouco significativos; Entidades voluntárias não lucrativas de ação social que, não tendo uma estrutura democrática, produzem bens de reconhecida utilidade social

26 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social 2010 (Setores institucionais) Sociedades não financeiras 6,10% ISFLSF 86,83% Sociedades financeiras 0,17% Famílias 6,88% Adm. Públicas 0,02% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

27 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social 2010 ( Famílias da Economia Social) Cooperativas 3,81% Associações e outros 94,44% Mutualidades 0,20% Misericórdias 0,64% Fundações 0,91% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

28 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social 2010 (Setores institucionais e Famílias da Economia Social ) Setores Institucionais Famílias da Economia Social Cooperativas Mutualidades Misericórdias Fundações Associações e Outros Total por Setor Institucional S.11 - Sociedades não financeiras S.12 - Sociedades Financeiras S.13 - Administrações Públicas S.14 - Famílias S.15 - ISFLSF Total por Família ES Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

29 2. Alguns resultados 2.1. Universo Ativ. Artist. Rec. Outras Ativ. Serviços 78,91% Universo da Economia Social 2010 (Ramos das Contas Nacionais) Agric., Silv. e Pescas Indústria 1,65% 0,61% Construção 0,61% Com., Transp., Aloj. e Rest. 1,09% Ativ. Financeiras e Seguros 0,17% Investig. Científica Adm.Púb.Defesa; e Des. Seg. Social 2,15% 13,51% Atividades Imobiliárias 0,88% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

30 2. Alguns resultados 2.1. Universo Cultos e Congregações 15% Universo da Economia Social 2010 (Classificação Organizações da ES) Org. Profis., Sindicais e Políticas 4% Não Especificadas 5% Cultura, Desporto e Recreio/Lazer 45% Agricultura, Silvicult. e Pescas 1% Ativ. Produção e Transformação 1% Comércio, Consumo e Serviços Desenvolvimento, 1% Habitação e Ambiente 5% Serv. Ação e Solidariedade Social 13% Saúde e Bem-Estar 1% Atividades Financeiras 0% Ensino e Investigação 9% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

31 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social IPSS (Setores institucionais) ISFLSF 96,80% Sociedades não financeiras 2,43% Sociedades financeiras 0,08% Famílias 0,69% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

32 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social IPSS ( Famílias da Economia Social) Cooperativas 2,37% Associações e outros 86,34% Mutualidades 0,12% Misericórdias 6,93% Fundações 4,24% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

33 2. Alguns resultados 2.1. Universo Universo da Economia Social 2010 IPSS (Setores institucionais e Famílias da Economia Social ) Setores Institucionais Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares IPSS por Famílias da Economia Social Cooperativas Mutualidades Misericórdias Fundações Associações e Outros Total IPSS por Setor Institucional S.11 - Sociedades não financeiras S.12 - Sociedades Financeiras S.13 - Administrações Públicas S.14 - Famílias S.15 - ISFLSF Total IPSS por Família ES

34 2. Alguns resultados 2.2. Cooperativas Cooperativas: VAB por Ramos das Contas Nacionais 9 - Administração 10 - Outras atividades pública e defesa; 0% segurança social obrigatória; etc. 8 - Investigação 18% científica e desenvolvimento 1% 1 - Agricultura 1% 2 - Indústria 27% 7 -Atividades imobiliárias 0% 6 - Atividades financeiras e de seguros 29% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares 5 - Informação e comunicação 2% 4 - Comércio, transportes, alojamento e restauração 20% 3 - Construção 2%

35 2. Alguns resultados 2.2. Cooperativas Cooperativas: Número de pessoas ao serviço (NPS), por Ramos das Contas Nacionais 9 - Administração pública e defesa; segurança social obrigatória; etc. 35,0% 8 - Investigação científica e desenvolvimento 1,7% 10 - Outras atividades 2,4% 7 -Atividades imobiliárias 0,1% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares 6 - Atividades financeiras e de seguros 13,1% 1 - Agricultura 2,4% 2 - Indústria 15,9% 3 - Construção 2,9% 5 - Informação e comunicação 2,1% 4 - Comércio, transportes, alojamento e restauração 24,5%

36 1 - Agricultura, sivicultura e pescas 2 - Indústria 3 - Construção 4 - Comércio, transportes, 5 - Informação e comunicação 6 - Atividades financeiras e de 7 -Atividades imobiliárias 8 - Investigação científica e 9 - Administração pública e defesa; 10 - Atividades artísticas e Total 2. Alguns resultados 2.2. Cooperativas 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Cooperativas vs Economia Nacional: Consumo Intermédio / Produção, por ramo das Contas Nacionais Cooperativas Nacional Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

37 Apuramento especial Cooperativas: VAB por Ramo Cooperativo Produção Operária 1,0% Habitação e Construção 2,0% Ensino 16,5% Pescas 0,4% Serviços 5,5% Solidariedade Social 0,7% Agrícola 35,4% Artesanato 0,2% Comercialização 6,9% Cultura 1,9% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares Crédito 28,6% Consumo 1,0%

38 Apuramento especial Cooperativas: NPS por Ramo Cooperativo Solidariedade Social 14,4% Serviços 7,3% Agrícola 27,9% Produção Operária 1,7% Pescas 0,6% Artesanato 0,6% Habitação e Construção 1,9% Ensino 21,6% Cultura 2,7% Crédito 12,9% Consumo 3,9% Comercialização 4,6% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

39 Agrícola Artesanato Comercialização Consumo Crédito Cultura Ensino Habitação e Construção Pescas Produção Operária Serviços Solidariedade Social Apuramento especial Cooperativas: Consumo Intermédio / Produção, por Ramo Cooperativo 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

40 Apuramento especial Distribuição Regional das Cooperativas em 2010 Lisboa Porto Setúbal Faro Braga Santarém Évora R.A.Madeia Leiria Viseu Aveiro Castelo Branco Coimbra Beja Viana do castelo Vila Real Guarda Portalegre Bragança R.A.Açores 5,8% 5,6% 5,6% 5,4% 4,8% 4,3% 4,3% 4,2% 4,1% 4,1% 3,9% 3,1% 2,5% 2,4% 2,4% 2,2% 1,9% 1,1% 11,0% 21,3% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

41 2. Alguns resultados 2.3. Mutualidades Mutualidades: por Ramos das Contas Nacionais 9 - Adm. públicas e defesa; segurança social obrigatória; etc. 36% NPS VAB 9 - Adm. públicas e defesa; segurança social obrigatória; etc. 8% 6 - Atividades financeiras e de seguros 64% 6 - Atividades financeiras e de seguros 92% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

42 2. Alguns resultados 2.3. Mutualidades Mutualidades: por Classificação Organizações da Economia Social 8 - Serviços de Ação e Solidariedade Social 25,66% NPS 11 - Organizações Profissionais, Sindicais e Políticas 0,04% 7 - Saúde e Bem-Estar 1,37% VAB 8 - Serviços de Ação e Solidariedade Social 7,05% 11 - Organizações Profissionais, Sindicais e Políticas 0,02% 7 - Saúde e Bem-Estar 10,74% 5 - Atividades Financeiras 63,56% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares 5 - Atividades Financeiras 63,56%

43 2. Alguns resultados 2.3. Mutualidades Mutualidades: Consumo Intermédio / Produção, por Classificação Organizações da Economia Social 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Actividades Financeiras Saúde e Bem-Estar Serviços de Acção e Solidariedade Social Organizações Profissionais, Sindicais e Políticas Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

44 Apuramento especial Distribuição Regional das Mutualidades em 2010 Porto Lisboa Setúbal Faro Viseu Aveiro Santarém Évora Braga R.A.Açores R.A.Madeira Vila Real Leiria Bragança Viana do Castelo Coimbra Castelo Branco Beja 6,8% 4,2% 3,4% 3,4% 2,5% 2,5% 2,5% 1,7% 1,7% 1,7% 1,7% 1,7% 0,8% 0,8% 0,8% 0,8% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares 28,0% 34,7% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% 30,0% 35,0% 40,0%

45 2. Alguns resultados Comparações internacionais Cooperativas & Mutualidades: VAB Cooperativas & Mutualidades / VAB nacional 1,6% 1,4% 1,2% 1,0% 0,8% 0,6% 0,4% 0,2% 0,0% Bélgica Portugal Espanha Fonte: Portugal (2010) Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares; Bélgica (2010) Institut des Comptes Nationaux; Espanha (2011) Instituto Nacional de Estadística, CIRIEC

46 Apuramento especial Cooperativas & Mutualidades: Volume de Negócios / VAB 5% 4% 3% 2% 1% 0% Cooperativas Mutualidades Total Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares

47 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Fase 3: Compilação de uma conta satélite da economia social ISFLSF (S15) + Trabalho Voluntário Conta Satélite das ISFL Cooperativas e Mútuas

48 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Questões: Formal / informal Tipo de Organização Atividade da Organização Tarefas Regular / Ocasional Tempo dedicado

49 3. Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Módulo do Inquérito ao Emprego, 3ºT de 2012 Objetivos: Caracterização do voluntário: Sexo Estado civil Idade Habilitações académicas Caracterização do trabalho voluntário Formal / informal Tipo de Organização Atividade da Organização Tarefas Regular / Ocasional Tempo dedicado

50 VAB da Economia Social / VAB nacional? Economia Social Eletricidade, gás, vapor e ar frio Agricultura Telecomunicações Agro-indústria Indústria textil Apoio Social Madeira e papel 1,4% 1,3%? % 2,5% 2,3% 2,2% 2,1% 2,0% Fonte: Conta Satélite da Economia Social, dados preliminares; Contas Nacionais Economia social (2010); Ramos de atividade (2009) 0,0% 0,5% 1,0% 1,5% 2,0% 2,5% 3,0%

51 título Autor Obrigada pela vossa atenção

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social

arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Índice Parte I Desenvolvimentos nas Contas Nacionais e a arquitetura da Conta Satélite da Economia Social Parte II Porquê uma nova Conta Satélite da Economia Social? 2 1 Índice Parte I 0. O que é uma Conta

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores

Conta Satélite do Mar. - Apresentação do projeto. 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Conta Satélite do Mar - Apresentação do projeto 23 Setembro de 2014 SREA, Terceira, Açores Índice 1. Conta Satélite do Mar (CSM) porquê? 2. Os objetivos 3. O estudo de viabilidade 4. O conceito 5. As atividades/produtos

Leia mais

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades

Índice Principais alterações face à edição de Principais resultados da CSES 2013 Por atividade Por grupo de entidades Índice 1. Principais alterações face à edição de 2010 2. Principais resultados da CSES 2013 - Por atividade - Por grupo de entidades - Por setor institucional - Comparação com a economia nacional - Apuramentos

Leia mais

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 «

Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 « Escola de Voluntariado Fundação Eugénio de Almeida Inquérito ao Trabalho Voluntário 2012 Departamento de Contas Nacionais Serviço de Contas Satélite e Avaliação de Qualidade das Contas Nacionais Ana Cristina

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Contas dos Sectores Institucionais

Contas dos Sectores Institucionais Contas dos Sectores Institucionais Plano de Apresentação Enquadramento Sectorização da economia Composição, fontes de informação básica e tratamento Principais resultados Perspectivas Enquadramento O Quadro

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 2 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

Índice. Parte I Conta Satélite da Economia Social Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012

Índice. Parte I Conta Satélite da Economia Social Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012 «Índice Parte I Conta Satélite da Economia Social 2010 Parte II Inquérito piloto ao Trabalho Voluntário 2012 « «Índice Parte I 1. O que é uma Conta Satélite? 2. Porquê uma Conta Satélite da Economia Social?

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

De acordo com a definição dada pela OCDE,

De acordo com a definição dada pela OCDE, Contabilidade Nacional: território geográfico, unidades residentes e operações económicas De acordo com a definição dada pela OCDE, A Contabilidade Nacional é uma técnica que se propõe apresentar sob uma

Leia mais

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159

Índice. Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 5 Índice Índice Sistemático 7 TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 15 TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA 43 TRATADO DE LISBOA 159 S 163 ANEXO QUADROS DE CORRESPONDÊNCIA A QUE SE REFERE O ARTIGO 5.º DO

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Com as alterações introduzidas aos n.ºs 6 e 7 do art. 117 do CIRC 1, as obrigações

Leia mais

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária?

Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Q1 Há quanto tempo se graduou em Medicina Veterinária? Respondidas: Ignoradas: 0 < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Opções de resposta < 10 anos 10 a 20 anos 20 a 30 anos > 30 anos Respostas

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 08 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010

A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 26 de setembro de 2012 A Atividade das Empresas Agrícolas em Portugal 2004-2010 Empresas agrícolas: o futuro da agricultura portuguesa? As 43 972 empresas da atividade agrícola (divisão 01 da CAE Rev.3)

Leia mais

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento

Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010. Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares. Gabinete de Estratégia e Planeamento Mercado de Emprego - Tendências Lisboa, 25 Fevereiro 2010 Call for Action EMP, Atreva-se! Maria Cândida Soares Gabinete de Estratégia e Planeamento PIB, emprego e produtividade 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0-4,0-6,0

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

Shares and other equity

Shares and other equity A CAE e os impactos no Banco de Portugal Margarida Brites Ramos 1 Função Estatística Lei Orgânica do Banco de Portugal Artigo 12.º Compete especialmente ao Banco, sem prejuízo dos condicionalismos decorrentes

Leia mais

ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ESTUDO DE IMPLEMENTAÇÃO DA CONTA SATÉLITE DO TURISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PROJECTO SICER-MAC SISTEMA DE CONTAS ECONÓMICAS REGIONAIS DA MACARONÉSIA CONTA SATÉLITE DO TURISMO DA RA MADEIRA (CST-M)

Leia mais

Trabalhar no feminino

Trabalhar no feminino 07 de Março de 2013 8 de Março: Dia Internacional da Mulher Trabalhar no feminino Numa sociedade que aposta na igualdade entre homens e mulheres, incentiva a participação feminina na vida ativa e promove

Leia mais

Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional. Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D)

Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional. Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional Estatísticas de Investigação e Desenvolvimento (I&D) ÍNDICE Enquadramento P Estrutura População-alvo Fases da inquirição Resultados ENQUADRAMENTO

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014

A Mulher portuguesa e o Desporto O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 21/05/2014 O TÉNIS DE MESA PORTUGUÊS NO FEMININO 2 A Mulher portuguesa e o Desporto 1º FÓRUM NACIONAL DE TÉNIS DE MESA 24 maio 2014 Propostas para discussão e reflexão Manuela Simões O Ténis de Mesa não é, a este

Leia mais

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos;

Arquitecto João Santa-Rita, adiante designado por Ordem dos Arquitectos; Entre CONTRATO Ordem dos Arquitectos, pessoa colectiva nº 500802025, com sede em Lisboa, na Travessa do Carvalho, nº 23, representada neste acto pelo Presidente do Conselho Directivo Nacional, Arquitecto

Leia mais

Realizados em Portugal no ano: 1998

Realizados em Portugal no ano: 1998 Realizados em Portugal no ano: 1998 Poule de Qualificação para o Campeonato da Europa JUNIORES MASCULINOS Esmoriz 1º - Jugoslávia 2º - Portugal 3º - Turquia 4º - Eslováquia 5º - Finlândia 6º - Suíça 27

Leia mais

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa

INOVAÇÃO e I&DT Lisboa INOVAÇÃO e I&DT Lisboa Prioridades, Impactos, Próximo Quadro MIGUEL CRUZ Aumentar a capacidade competitiva no mercado internacional Reforçar as competências estratégicas Apoiar as PME no reforço das suas

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Percurso lógico para a criação de uma empresa:

Percurso lógico para a criação de uma empresa: Percurso lógico para a criação de uma empresa: [3] Formas jurídicas de criar um negocio: Os negócios desenvolvidos por uma pessoa poderão ter a forma jurídica de Empresário em Nome Individual, Estabelecimento

Leia mais

Comunicado de imprensa

Comunicado de imprensa Comunicado de imprensa A educação para a cidadania nas escolas da Europa Em toda a Europa, o reforço da coesão social e a participação activa dos cidadãos na vida social estão no centro das preocupações

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 Preâmbulo Nós, os representantes do povo brasileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regime livre e democrático, estabelecemos, decretamos e promulgamos

Leia mais

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO LISTAS DAS ESCOLAS PROFISSIONAIS PÚBLICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DREN: Escola Profissional de Fermil Celorico de Basto Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Carvalhais /Mirandela

Leia mais

PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1

PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1 PRÁTICAS MUSICAIS LOCAIS: ALGUNS INDICADORES PRELIMINARES 1 Salwa El-Shawan Castelo-Branco Maria João Lima A música enquanto processo social, produto cultural e comportamento expressivo desempenha um papel

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Paridades de Poder de Compra 2012 12 de dezembro de 2013 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 76,0 % da média da União Europeia em 2012 Em

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção

Leia mais

Lig@dos para um ensino melhor

Lig@dos para um ensino melhor Conhecer e partilhar para inovar na Educação Alexandre Martins Lima alima@anpri.pt Ana Paula Jacinto Ferreira apjferreira@anpri.pt Associação Nacional de Professores de Informática Associação Nacional

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO. 01 100 Recursos Ordinários de Contrapartida de Convênios e Operações de Crédito

ESPECIFICAÇÃO. 01 100 Recursos Ordinários de Contrapartida de Convênios e Operações de Crédito ANEXO II - A CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES DE RECURSOS ANO 2012 E 2013-2014 ORDENADO ANO 2012 00 100 Recursos Ordinários não Vinculados do Tesouro 00 300 Recursos Ordinários não Vinculados do Tesouro 01 100

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

A rede de Euro Info Centres E I C

A rede de Euro Info Centres E I C Facilitar o acesso à União Europeia A rede de Euro Info Centres E I C Uma chave para a EUROPA A Rede de Euro Info Centres 269 Euro Info Centres 26 Membros Associados 13 Euro Info Centres de correspondência

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 23 fevereiro 2016 Coimbra Conferências da Central de Balanços (2010 2016) Porto Lisboa

Leia mais

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE

O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE ESTUDO DOS DADOS DOS FARMACÊUTICOS Consulta à base de dados da Ordem dos Farmacêuticos a 31-12-213 7 MARÇO 214 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O FARMACÊUTICOS

Leia mais

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008

ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 LINHA DE CRÉDITO PARA ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR COM GARANTIA MÚTUA ACTIVIDADE ACUMULADA ATÉ ABRIL DE 2008 Comissão de Acompanhamento 29 de Maio de 2008 Introdução, e principais conclusões Este documento

Leia mais

Anuário da Comunicação 2006-2007

Anuário da Comunicação 2006-2007 Anuário da Comunicação 2006-2007 ISSN 2183-3478 Anuário da Comunicação 2006/2007 Este sétimo volume do Anuário da Comunicação congrega de forma centralizada um conjunto considerável de dados estatísticos

Leia mais

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt

Ensino Superior. Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Ensino Superior Regulamento n.º 319/2013 Regulamento do Programa de Apoio Social a Estudantes através de atividades de tempo Parcial (PASEP) da Universidade

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia

ANEXO A à. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo ao Sistema europeu de contas nacionais e regionais na União Europeia PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas 20.12.2010 COM(2010) 774 final Anexo A/Capítulo 22 ANEXO A à Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo ao Sistema europeu de contas nacionais

Leia mais

www.ine.pt FICHA TÉCNICA

www.ine.pt FICHA TÉCNICA FICHA TÉCNICA Título Conta Satélite das Instituições sem fim lucrativo 2006 projecto-piloto Editor Instituto Nacional de Estatística, I.P. Av. António José de Almeida 1000-043 Lisboa Portugal Telefone:

Leia mais

Município de Almeida - CMA

Município de Almeida - CMA RECEITAS CORRENTES 9.142.648,00 40.938,00 0,00 40.938,00 9.183.586,00 01 Impostos directos 648.164,00 0,00 0,00 0,00 648.164,00 0102 Outros 648.164,00 0,00 0,00 0,00 648.164,00 010202 Imposto municipal

Leia mais

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente

ANEXO V-D Usos e Atividades. Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente ANEXO V-D Usos e Atividades Quadro Enquadramento das atividades nos usos do solo, obedecendo a Legislação Federal, Estadual e Municipal pertinente Usos CORRESPONDÊNCIA COM A CLASSIFICAÇÃO NACIONAL DE Instalações

Leia mais

Consumo de Antimicrobianos em Portugal

Consumo de Antimicrobianos em Portugal Consumo de Antimicrobianos em Portugal Dia Europeu dos Antibióticos Inês Teixeira, MSc Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde INFARMED, I.P. - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações 0130 0130 0130 0130 0130 0130 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina Universidade dos Açores - Ponta Delgada Universidade dos Açores -

Leia mais

Programa de Estágios Internacionais da IAESTE

Programa de Estágios Internacionais da IAESTE IAESTE International Association for the Exchange of Students for Technical Experience Associação Internacional para a Permuta de Estudantes do Ensino Superior para Experiência Prática A IAESTE é uma organização

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A OUTUBRO - 2015/10/31 2015/11/16 2015 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 94.610,00 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 94.610,00 94.610,00 70.063,47 70.063,47 24.546,53

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014...

1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... Índice 1. Processos de Sobre-endividamento 1.1) Processos de Sobre-endividamento entre 2000 e 2014.3 1.2) Processos de Sobre-endividamento, durante os anos de 2012, 2013 e 2014... 4 2. Causas de Sobre-endividamento

Leia mais

MAPA I RECEITAS DO ESTADO. [Alínea a) do artigo 1º.] RECEITAS CORRENTES

MAPA I RECEITAS DO ESTADO. [Alínea a) do artigo 1º.] RECEITAS CORRENTES - 1 - MAPA I RECEITAS DO ESTADO [Alínea a) do artigo 1º.] RECEITAS CORRENTES 01 IMPOSTOS DIRECTOS 01 Sobre o Rendimento 01 Imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) 1,106,600,000 02 Imposto

Leia mais

Porquê Economia Social?

Porquê Economia Social? Porquê Economia Social? A economia social, para além do seu peso quantitativo, tem vindo nas últimas décadas a afirmar a sua capacidade de colaborar de uma forma eficaz para: Resolução dos novos problemas

Leia mais

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES

IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES IRCT PUBLICADOS, NÚMERO DE TRABALHADORES, VARIAÇÕES SALARIAIS E PRINCIPAIS CONVENÇÕES QUADRO I DE TRABALHADORES ABRANGIDOS E VARIAÇÃO ANUALIZADA DAS TABELAS SALARIAIS POR MESES DURANTE OS ANOS DE 2008,

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Última alteração 03-12-2009

Última alteração 03-12-2009 01 Impostos directos * 01 02 Outros 01 02 02 Imposto municipal sobre imóveis * 01 02 03 Imposto único de circulação 01 02 04 Imposto municipal sobre as transacções onerosas de imóveis 01 02 05 Derrama

Leia mais

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1 CLA SIFICAÇÃO ECONÓMICA PREVISÕES RECEITAS POR RECEITAS LIQUIDAÇÕES RECEITAS REEMBOLSOS/RESTITUIÇÕES

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

RELATÓRIO FRANCHISING

RELATÓRIO FRANCHISING RELATÓRIO FRANCHISING ESTUDO DO PERFIL E SATISFAÇÃO DO FRANCHISADO EM PORTUGAL JULHO 2013 Índice ENQUADRAMENTO... 3 METODOLOGIA (FICHA TÉCNICA)... 4 ANÁLISE DE RESULTADOS... 5 CARACTERIZAÇÃO DO FRANCHISADO...

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações

9718 Comunicação Social e Cultura 9720 Comunicação, Cultura e Organizações Congénere 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIREÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE 6ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE Alterações orçamentais autorizadas, no trimestre a seguir indicado, ao abrigo do artigo 51.º da Lei n.º 91/21, de 20 de Agosto, alterada pela Lei n.º 52/, de 13 de Outubro,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Porquê Economia Social?

Porquê Economia Social? Porquê Economia Social? A economia social, para além do seu peso quantitativo, tem vindo nas últimas décadas a afirmar a sua capacidade de colaborar de uma forma eficaz para: Resolução dos novos problemas

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Elaborado por Paula Franco e Amândio Silva Assessores do Bastonário da Ordem Com

Leia mais

Informação Empresarial Simplificada

Informação Empresarial Simplificada «Informação Empresarial Simplificada Uma perspectiva regional «Angra do Heroísmo, 1 de Junho 2007 1 Índice Situação antes da IES Parceria para a IES Conteúdo da IES Informação contabilística Informação

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Campanha Colaboradores e Familiares

Campanha Colaboradores e Familiares Quais as vantagens? Tarifas 0,00 para cartões aderentes 50 de desconto na aquisição de qualquer telemóvel Optimus Placas banda larga a custo 0 Descontos exclusivos na subscrição do Optimus Home Condições

Leia mais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais

9196 Línguas e Relações Empresariais 9196 Línguas e Relações Empresariais 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 8083 Ciclo Básico de Medicina 8083 Ciclo Básico de Medicina 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade dos Açores - Ponta Delgada 0130 Universidade

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

A MANEIRA DA DELTA. O diálogo como estratégia para o desenvolvimento sustentado

A MANEIRA DA DELTA. O diálogo como estratégia para o desenvolvimento sustentado A MANEIRA DA DELTA O diálogo como estratégia para o desenvolvimento sustentado DESAFIO: QUEM DECIDE? Pressão Politico Legal Economica / Socio Cultural globalização = padrão qualidade = padrão comunicação

Leia mais

Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt

Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt 1 Índice Introdução 1. - Ano de Nascimento...6 2. - De onde está a aceder ao sítio do ICP? Região...9 3. - Nível

Leia mais

Dar tempo por causas: alimentar ideias Construir alternativas para a inclusão social

Dar tempo por causas: alimentar ideias Construir alternativas para a inclusão social Dar tempo por causas: alimentar ideias Construir alternativas para a inclusão social Escola Superior Gallaecia 7 de Dezembro de 2011 Maria de Fátima Cortez Ferreira O direito à alimentação é um dos mais

Leia mais

A presente alteração corresponde à correção da alteração orçamental que foi comunicada no segundo trimestre - orgânica 02.9.50.49.00 - IGESPAR.

A presente alteração corresponde à correção da alteração orçamental que foi comunicada no segundo trimestre - orgânica 02.9.50.49.00 - IGESPAR. 1ª DELEGAÇÃO DE CONTABILIDADE Alterações orçamentais autorizadas, no trimestre a seguir indicado, ao abrigo do artigo 51.º da Lei n.º 91/21, de 20 de Agosto, alterada pela Lei n.º 52/2011, de 13 de Outubro,

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II

ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05. Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ NUM CURSO DE NÍVEL SUPERIOR EM PORTUGAL NO ANO LECTIVO 2004/05 Dados Estatísticos PARTE II ESTUDANTES DE PÓS-LICENCIATURA (Mestrados e Doutoramentos) DSAS- Direcção

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais 30 de Setembro de 2015 2º Trimestre 2015 Contacto (s): José Fernandes Próxima edição: 31 Dezembro 2015 Joses.Fernandes@ine.gov.cv Nataniel Barros Nataniel.L.Barros@GOVCV.gov.cv

Leia mais

DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011

DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011 FESTA DO VINHO PRODUTOS REGIONAIS & TURISMO DOSSIER FESTA DO VINHO E PRODUTOS REGIONAIS 2006-2011 Índice Parcerias 3 Breve Caracterização 4 Edição 2011 5 Edição 2010 7 Edição 2009 9 Edição 2008 10 Edição

Leia mais

Uma Lei em Favor do Brasil

Uma Lei em Favor do Brasil Uma Lei em Favor do Brasil O ambiente desfavorável aos negócios Hostil às MPE Alta Carga Tributária Burocracia Ineficaz Elevada Informalidade Concorrência Predatória Baixa Competitividade Empreendedorismo

Leia mais

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior

CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. no Ensino Superior CET CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA no Ensino Superior CET Cursos de Especialização Tecnológica no Ensino Superior Setembro 2011 DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direcção de Serviços de Suporte à

Leia mais