Introdução à Internet. Sumário HTTP ( Hypertext Transfer Protocol ) URL TCP/IP... 22

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução à Internet. Sumário. 5.0 - HTTP ( Hypertext Transfer Protocol )... 19 6.0 - URL...19 8.0 - TCP/IP... 22"

Transcrição

1 Introdução à Internet Sumário Introduções Gerais Histórico Definições Atividades exercidas na rede A Internet no Brasil A importância da Internet Tornando-se um Usuário da Internet A Gestão da Internet e sua Etiqueta Limites de Velocidade Digital Recursos da Internet FTP Utilização do FTP Listas de discussão Usenet Telnet(REMOTE LOGIN) Correio Eletrônico ( ) Emoticons IRC Tecnologia Push - Softwares Disponibilizam Informações Automaticamente Os Pioneiros TIPOS DE CONEXÕES Conexão dedicada (ou Permanente) Emulação de Terminal de Discagem (Conta Shell) Conexão de Discagem Direta (Também Chamada de IP ou SLIP/PPP) Formas de Conexão Características da Conexão X Características da Conexão Frame Relay Características da Conexão PPP-HDLC HTTP ( Hypertext Transfer Protocol ) URL Os endereços eletrônicos Endereços IP Os domínios na Internet TCP/IP Provedores de Acesso à Internet LEGALIZAÇÃO DE UM PROVEDOR PROBLEMAS DO DIA - A - DIA DOS PROVEDORES ASSOCIAÇÕES (ABRANET e ANPI) PROCEDIMENTOS DE ACESSO... 24

2 Introdução à Internet Rastreamento de Rotas BENEFÍCIOS Localização de informações na Internet Intranets Detalhes Práticos Entendendo Intranets Segurança FIREWALL Firewalls e a Política de Segurança Falhas que podem ocorrer com o Firewall Benefícios de Usar um Firewall Razões para Não Usar um Firewall PROXY Servidores Servidor de Servidor de FTP Servidor Proxy Servidor de Autenticação ROTEADORES Aplicações de Roteadores Entretenimento Download Download de figuras na Internet Download de arquivos na Internet Rádios e TV`s On-line Bibliotecas Compras Ferramentas de Desenvolvimento de Home-Pages (Sites) Ferramentas Internet Explorer 4 - O seu navegador Os botões de navegações Uso Básico do Netscape Seu gerenciador de Conheça os botões do Outlook Express Como enviar um ? Glossário... 55

3 1.0 Introduções Gerais Introdução à Internet Página Histórico A tecnologia e conceitos fundamentais utilizados pela Internet surgiram de projetos conduzidos ao longo dos anos 60 pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Esses projetos visavam o desenvolvimento de uma rede de computadores para comunicação entre os principais centros militares de comando e controle que pudesse sobreviver a um possível ataque nuclear. Ao longo dos anos 70 e meados dos anos 80 muitas universidades se conectaram a essa rede, o que moveu a motivação militarista do uso da rede para uma motivação mais cultural e acadêmica. A Internet começou no início de 1969 sob o nome ARPANET (USA). Composta de quatro computadores tinha como finalidade, demonstrar as potencialidades na construção de redes usando computadores dispersos em uma grande área. Em 1973, 50 universidades e instituições militares tinham conexões. Figura 1: O surgimento da Internet Hoje é uma teia de redes diferentes que se comunicam entre si e que são mantidas por organizações comerciais e governamentais. Para organizar tudo isto, existem associações e grupos que se dedicam para suportar, ratificar padrões e resolver questões operacionais, visando promover os objetivos da Internet. Ao longo dos últimos 5 anos, e especialmente nos últimos 2 anos, o interesse comercial pelo uso da Internet cresceu substancialmente. Muito possivelmente o interesse comercial, ao lado do cultural e acadêmica, constituirá a principal motivação para utilização da Internet nos próximos anos Definições A Internet é uma gigantesca rede mundial de computadores, que inclui desde grandes computadores até micros do porte de um PC 386 ou 486. Esses equipamentos são interligados através de linhas comuns de telefone, linhas de comunicação privadas, cabos submarinos, canais de satélite e diversos outros meios de telecomunicação. Os computadores que compõem a Internet podem estar localizados, por exemplo, em universidades, empresas, cooperativas, prefeituras, e nas próprias residências. No Brasil, o número de pessoas e computadores ligados à Internet é ainda relativamente pequeno mas deve crescer substancialmente ao longo dos próximos anos com o início do provimento comercial de serviços de acesso que vem ocorrendo a partir do primeiro semestre de Fazendo um paralelo com a estrutura de estradas de rodagem, a Internet funciona como uma rodovia pela qual a informação contida em textos, som e imagem pode trafegar em

4 Introdução à Internet Página 2 alta velocidade entre qualquer computador conectado a essa rede. E por essa razão que a Internet é muitas vezes chamada da "super rodovia da informação". A Internet é hoje uma coleção de milhares de computadores que interligam milhões de computadores que compartilham um meio comum permitindo a interação entre eles para a troca de informações digitalizadas. Esta rede cresce atualmente a uma taxa de 8% ao mês. A Internet pode ser vista como um enorme espaço destinado à troca de informações. Por esta razão, ela tem sido chamada de CyberSpace ou por outras designações semelhantes. Os itens abaixo definem as principais características da Internet: Pode-se trocar informações de forma rápida e conveniente; Pode-se ter acesso a especialista em milhares de especialidades; Pode-se obter atualizações constantes sobre tópicos de interesse; Pode-se disponibilizar dados pessoais ou institucionais para uma enorme audiência; Pode-se formar equipes para trabalhar em conjunto independentemente de distâncias geográficas; Pode-se ter acesso a várias formas de arquivos e repositórios de informações; Pode-se traduzir e transferir dados entre máquinas localizadas em locais quaisquer; A Internet é, simultaneamente, uma entidade local e internacional que permite a interação entre usuários separados por uma parede de escritório ou por um oceano; A Internet não é um hardware ou um software específicos; A Internet não é uma rede de computadores única, mas um grupo de redes organizadas logicamente (mas não fisicamente) segundo uma hierarquia; A Internet não é propriedade de ninguém: de nenhum governo, corporação ou grupo de universidades; Algumas das redes que formam a Internet podem ser restritas à educação e pesquisa, mas a Internet, em geral, não faz restrições a usos comerciais apropriados; A Internet não é a Information Superhighway. Causou-se muita confusão com toda a publicidade em torno deste projeto do governo americano. O projeto ainda não é uma realidade, diferentemente da Internet. O único consenso sobre o projeto é que ele pretende ser uma rede de comunicação de altíssima velocidade que usará novas tecnologias para transportar dados de computadores, televisão e serviços de telefone em uma única linha. Este projeto poderá ou não se integrar a Internet. A Internet é um mercado global sem limites. Não há duvidas de que estamos entrando em uma era em que negócios serão realizados entre companhias e seus clientes através de redes de computadores. O marketing no mercado global da Internet é totalmente diferente do que é utilizado na imprensa escrita, falada e televisiva. Também não há lugar para telemarketing na Internet. Só pessoas e companhias que assimilaram a cultura Internet estão sendo bem sucedidas ao fazer negócios na rede Atividades exercidas na rede Os usuários da rede mandam e recebem mensagens eletrônicas ( ) para todas as partes do mundo. Por exemplo, o está sendo utilizado para viabilizar a comunicação entre empresas de todo o mundo. Estudantes estão aprendendo a se comunicar via com outros estudantes pelo mundo para obter informações sobre trabalhos e projetos. Pesquisadores localizados em diferentes países colaboram em

5 Introdução à Internet Página 3 projetos complexos usando . O correio eletrônico está reestruturando a forma pela qual as pessoas se comunicam em todo o mundo. Os usuários da rede discutem tópicos, compartilham informações e buscam apoio para a solução de seus problemas na Internet. Membros da comunidade Internet participam de discussões sobre dezenas de milhares de tópicos através de áreas da Internet conhecidas por Usenet e através do que se convencionou chamar de listas de endereços eletrônicos. Através dos grupos de notícias da Usenet (newgroups) os usuários colocam questões para outros usuários ao redor do mundo que compartilham dos mesmos interesses. O espírito peculiar e a natureza cooperativa da Internet fazem com que um completo estranho gaste alguns minutos redigindo uma resposta para um novo correspondente. Os usuários da rede tem acesso a arquivos de dados, incluindo som, imagem e texto e a mecanismos de busca de informação na rede. A Internet é a maior biblioteca do mundo, sendo, de fato, um banco de dados on-line com tal escopo e alcance que permite o acesso a maior quantidade de informação a qual o ser humano jamais teve acesso. Os usuários da rede navegam ou surfam (terminologia bastante usual na atualidade) na rede para fins de entretenimento. Os usuários da rede também consomem o seu tempo afixando notícias (newletters) ou gerando recursos para rede. Qualquer membro da comunidade Internet pode ser um provedor de informações (Information provider). Todos podem contribuir. Se alguém decide criar um espaço na rede (site) para divulgar as atividades de uma universidade ou grupo de pesquisas, a tecnologia para implementar este recurso está disponível e é simples. Se uma empresa resolve colocar na rede a sua presença institucional e seus catálogos de produto e dar assistência técnica, ela pode fazê-lo. Se os recursos serão comercializados a empresa precisa compreender muito bem que estratégias de marketing são aceitáveis pela comunidade Internet A Internet no Brasil A Internet no Brasil existe há vários anos, restrita a atividades não comerciais em universidades, institutos de pesquisa e em algumas empresas de base tecnológica. Por motivos históricos, tem o nome de Rede Nacional de Pesquisa (RNP) e é um dos três programas prioritários do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). O CNPq, órgão do MCT, coordena de forma descentralizada a atribuição de endereços Internet, custeia iniciativas de formação de recursos humanos, opera vários nós da rede e paga à Embratel o custo das conexões dedicadas entre as capitais do país, utilizadas por todos. Os estados da Federação conveniados, por sua vez, pagam à empresa telefônica local o custo das conexões dedicadas dentro de seu território, e assim sucessivamente. O resultado deste sistema de gestão e de custeio é que não há autoridade centralizada de iniciativas, as despesas são rateadas e o usuário paga apenas o custo da conexão de seu computador até o ponto de presença da RNP mais próximo. Daí em diante alguém está pagando e ele pode se comunicar com o mundo, arcando tipicamente com o custo de uma ligação telefônica local.

6 Introdução à Internet Página A importância da Internet A Internet é considerada como um dos mais importantes e revolucionários desenvolvimentos da história da humanidade. Pela primeira vez no mundo um cidadão comum ou uma pequena empresa pode (facilmente e a um custo muito baixo) não só ter acesso a informações localizadas nos mais distantes pontos do globo como também - e é isso que torna a coisa revolucionária - criar, gerenciar e distribuir informações em larga escala, no âmbito mundial, algo que somente uma grande organização poderia fazer usando os meios de comunicação convencionais. Isso com certeza afetará substancialmente toda a estrutura de disseminação de informações existente no mundo, a qual é controlada primariamente por grandes empresas. Com a Internet uma pessoa qualquer pode, de sua própria casa, oferecer um serviço de informação baseado na Internet, a partir de um microcomputador, sem precisar da estrutura que no passado só uma empresa de grande porte poderia manter. Essa perspectiva abre um enorme mercado para profissionais e empresas interessados em oferecer serviços de informação específicos. A Internet surpreendentemente não é controlada de forma central por nenhuma pessoa ou organização. Não há, por exemplo, um presidente ou um escritório central da Internet no mundo. A organização do sistema é desenvolvida a partir dos administradores das redes que a compõe e dos próprios usuários. Essa organização pode parecer um pouco caótica à primeira vista mas tem funcionado extremamente bem até o presente momento, possibilitando o enorme crescimento da rede observado nos últimos anos Tornando-se um Usuário da Internet Estar ligado ou conectado à Internet, usualmente significa ter uma "conta" em um computador "servidor" que esteja conectado à Internet localizado em uma instituição (ou empresa) que seja provedora de serviços de acesso à Internet. Essa "conta" nesse computador ligado à Internet é usualmente acessada de um microcomputador através de um modem e de uma ligação telefônica comum. Ter essa conta implica em se ter um "endereço eletrônico" na Internet, que funciona de forma similar ao endereço postal. O usuário individual ou empresa que deseje conectar-se à Internet basta possuir os seguintes recursos: um PC (personal computer) ou Macintosh com um modem, um software de correio eletrônico e um software para navegação na rede (Mosaic ou NetScape). O nível técnico requerido do usuário é equivalente ao de um usuário de processador de textos (dos menos complicados). Tendo esses equipamentos basta entrar em contato com um Internet Service Provider para obter um endereço Internet. O usuário precisará analisar que tipo de conexão lhe será mais conveniente (custo/benefício). Uma vez conectado na rede, o novo cidadão da Internet deverá fazer uso de alguns recursos de software para mandar mensagens, localizar e recuperar informações e percorrer o universo Internet. Todos os recursos estão hoje no software de correio eletrônico e em dois softwares concorrentes chamados Netscape (que praticamente desempenham todas as demais funções).

7 Introdução à Internet Página A Gestão da Internet e sua Etiqueta A Internet é uma associação informal de redes que concordaram em adotar padrões comuns de comunicação. Os protocolos de comunicação são padronizados mas as suas implementações não são necessariamente iguais. Na medida que os padrões técnicos são observados e políticas aceitáveis de uso são observadas, um sistema local pode se conectar na Internet e se comunicar com outros sistemas. Uma organização foi estabelecida para supervisionar a criação, distribuição e atualização de padrões referentes a Internet. A Internet Society (ISOC) foi formada em janeiro de 1992 para desempenhar o papel de organização guarda-chuva com autoridade sobre todos os aspectos da administração da rede. Sua autoridade emana dos seus membros afiliados que podem ser quaisquer cidadãos da comunidade Internet. Os membros podem ser individuais ou institucionais mas apenas os membros individuais tem direito à voto. A ISOC pode ser visitada na WWW através do endereço : Alguns códigos de conduta definidos pela a ISOC : Acesso à Internet é um privilégio e não um direito. O membro da comunidade deve se considerar um hóspede do provedor de serviços (a Internet) nas suas navegações pela rede. Na Internet acredita-se no valor do acesso aberto à informação e o serviço é prestado levando em consideração apenas o bem estar do usuário sem que nada seja pedido em troca. Deve-se ser eficiente na distribuição de informação. O membro da comunidade deve estar cuidadosamente ciente do destino que podem tomar as suas mensagens e do impacto que elas podem causar. Isto é, principalmente, o caso de grupos de interesse na Usenet, quando, por exemplo, uma mensagem muito longa distribuída para milhares de membros do grupo pode prejudicar o tempo de acesso na rede para o restante da comunidade. Deve-se ser polido no texto de mensagens e nas informações mandadas para grupos da Usenet. Da mesma forma como quando se usa o telefone, deve-se ser cortês e polido em todos primeiros contatos... Colocar uma mensagem em um grupo de interesse da Usenet, é como fazer um discurso informal para um fórum público. Deve-se estar ciente nas transferências de informação. A facilidade de se poder mover dados à partir de locais distantes requer alguma autodisciplina. Por exemplo, não transfira um arquivo de 10MB da Austrália se o mesmo pode ser encontrado em um local no Brasil. Deve-se estar ciente de possíveis implicações legais.

8 Introdução à Internet Página 6 É preciso lembrar que forums eletrônicos públicos não estão dispensados do cumprimento das leis, por exemplo, relacionadas à fraude ou roubo Limites de Velocidade Digital Assim como as várias rodovias possuem limites diferentes de velocidade, as linhas de transmissão usadas para o envio de informações digitais de um computador para outro possuem limites de velocidade próprios. Tecnicamente, esses limites de velocidade eletrônica são chamados de largura de banda a capacidade de transmissão de um computador ou de canais de comunicação. Larguras de banda maiores significa uma maior velocidade de transmissão. Uma linha de largura de banda alta pode transmitir dados de um lugar para outros em um período de tempo menor do que uma linha com largura de banda baixa dirigindo a 80 km/h, você chegará mais rápido ao seu destino do que se estivesse a uma velocidade de 20 km/h. Uma melhor linha de transmissão também permite mais tráfego na superestrada digital, da mesma forma em que, em uma rodovia com quatro pistas, podem trafegar mais carros do que em uma estrada de terra. As informações digitais são fornecidas em bits unidade básicas de informação em sistema de notação binária. Seu PC trabalha com números binários como 1s e 0s. Essas unidades básicas de informação e/ou são chamadas de bits. Um byte é composto por oito bits, o que equivale a uma letra ou caracter em uma palavra, como por exemplo a letra a. A velocidade de transmissão dessas informações digitais (enquanto se deslocam de uma computador ao outro pela rede) é medida em bits por segundo. Evidentemente, uma taxa de transmissão de 8 bits por segundo não ajudaria muito, pois levaria um segundo para transmitir uma única letra. Em geral, as linhas de transmissão de computador enviam dados em milhares e milhões de bits por segundo. Kbps significa milhares de bits por segundo e Mbps significa milhões de bits por segundo. Originalmente, o backbone da NSFNET era configurado com linhas de transmissão de 56 Kbps. Em 1988, ele sofreu uma atualização para 1,5 Mbps (em linguagem de computador, ficou conhecido como linha de transmissão T1) e, em 1992, foi atualizado para 45 Mbps (conhecido como linha T3). Para fazer uma projeção desses números, considere que o texto desta apostila constitui aproximadamente bytes ou, se multiplicado por oito, 4 milhões de bits. Vale lembrar que as linhas de transmissão de largura de banda alta não são usadas apenas para enviar arquivos ou informações de forma rápida. Como a rodovia de quatro pistas, a linha com largura de banda alta permite um maior fluxo de tráfego. Com milhões de novos viajantes na Internet, as pistas extras ajudam a garantir uma estabilidade no fluxo do tráfego Recursos da Internet Se sob o ponto de vista físico a Internet é uma conexão entre redes, para o usuário ela aparece como um grupo de serviços disponíveis para a troca de informações entre computadores ou indivíduos conectados à Internet. Os principais são os seguintes: WWW FTP

9 Introdução à Internet Página 7 Listas Usenet Telnet Correio Eletrônico IRC ICQ Canais de Push World Wide Web (WWW) A World Wide Web foi criada por um grupo de cientistas do CERN (Centre European Research Nucleare), na Suíça, com o intuito de facilitar a comunicação interna e externa. Antes da WWW os cientistas assim como toda a comunidade Internet, necessitavam de uma série de programas distintos pata localizar, buscar e visualizar as informações. O objetivo inicial era, portanto, centralizar, em uma única ferramenta, as várias tarefas necessárias para se obter as informações disponíveis na Internet. O projeto, iniciado em 1989, originou a WWW em No entanto, apenas em fins de 1993 a World Wide Web iniciou sua fase de crescimento explosivo, com a versão final do software Mosaic, um Browser, para a comunidade Internet. Usuários de todo o mundo foram atraídos pela forma simples e divertida que a WWW disponibilizava o conteúdo da Internet. O WWW é um serviço baseado em hipertextos que permite ao usuário buscar e recuperar informações distribuídas por diversos computadores da rede. O hipertexto é uma forma de apresentação gráfica de informação que contém palavras com ligações subjacentes com outros textos, o que torna possível leituras diversas, não-lineares. O usuário pode selecionar uma das palavras que aparece assinalada e ter acesso a um novo documento, associado com o termo selecionado. O novo documento por sua vez é um outro hipertexto com novas palavras assinaladas. O servidor WWW pode se interligar com diversos outros servidores WWW possibilitando ao usuário a navegação em informações disponíveis na rede. Torna-se assim irrelevante para o usuário a localização física dos documentos recuperados. O documento recuperado não precisa ser necessariamente um texto; ele também pode conter outros tipos de informação, tais como imagens, gráficos e sons. Cabe lembrar que através de um servidor WWW é possível não só o acesso a documentos como também o acesso aos demais serviços da rede, como ftp, wais, gopher, telnet, etc. A Wolrd Wide Web é um conjunto de documentos espalhados pela Internet. Estes documentos têm uma característica em comum: são escritos em hipertexto, utilizando uma linguagem especial, chamada HTML. Para que façam sentido, os documentos devem ser visualizados através de um tipo de programa chamado Browser. Existem muitos Browsers de diversos fabricantes à disposição, distribuídos gratuitamente pela Internet FTP (File Transfer Protocol) O FTP é o protocolo usado na Internet para transferência de arquivos entre computadores. Basicamente os programas que implementam o FTP fazem transferência de

10 Introdução à Internet Página 8 arquivos entre seu computador local e outro remoto. O FTP é um dos recursos mais importantes disponíveis na Internet, e também responsável por um grande volume de tráfego de dados. A princípio, o FTP é feito para transferir arquivos de uma máquina remota, conectada a Internet, na qual o usuário deve ter uma conta (login) e uma senha (password) para entrar nessa conta. A partir disso pode-se navegar entre os diretórios dessa conta e transferir os arquivos dela para seu computador local, ou vice-versa. Contudo, uma possibilidade muito interessante e o fato de muitos computadores permitem que você os acesse remotamente (embora de forma restrita) mesmo sem ter uma conta ou senha - o chamado FTP anônimo (anonymous FTP). Existem muitos Gb de informações disponíveis em FTP anônimo nas máquinas da Internet. Normalmente no FTP anônimo o login é a palavra anonymous. O FTP não executa nenhuma compactação de dados, também não permite recomeçar uma transferência de onde parou no caso de uma interrupção no seu fluxo de dados. O FTP na Internet é uma fonte inesgotável de programas que você pode trazer para sua máquina. Ele é uma das formas mais antigas de interação na Internet Utilização do FTP Para usar o FTP, pode ser utilizado o próprio navegador, no campo do endereço ao invés de digitar deve-se digitar ftp://nome_do_local.domínio por exemplo: ftp://ftp.microsoft.com Após digitar o endereço e pressionar enter, aparecerá na tela do navegador algo parecido com a árvore de diretórios de seu harddisk, onde se encontram pastas e arquivos. Normalmente as pastas são especificadas como folders e os arquivos como files. Existem dois tipos de arquivos um em modo texto e outro em modo binário. Para saber o que há nos arquivos procure por textos como readme.txt, etc que podem te orientar a respeito do que se trata determinados arquivos naquele diretório. Para fazer download de dois cliques com o cursor sobre o arquivo e o navegador vai te apresentar uma tela perguntando em qual diretório você deseja gravar, a partir daí o download tem início. Existem também determinados programas que facilitam o trabalho de FTP, como por exemplo o WS_FTP, WinFTP, Windows FTP Daemon e outros, tem também o WSArchie que lhe permite fazer a pesquisa utilizando o ARCHIE. Alguns endereços quentes para FTP: ftp://ftp.sausage.com - Arquivos sobre o editor HTML HotDog ftp://ftp.microsoft.com - Software, documentação e outros ftp://ftp.shareware.com - Centenas de programas shareware ftp://ftp.uwp.edu - Arquivos sobre games ftp://ftp.cica.indiana.edu-arquivos sobre sistemas operacionais e softwares ftp://ftp.unicamp.br - Softwares e outros

11 Introdução à Internet Página 9 Figura 2: Exemplo de uma conexão usando o Ws_ftp Figura 3: As duas pastas: Local e remota Para transportar um arquivo, de uma pasta para outra, basta selecioná-lo e clicar em uma das setas, dependendo do sentido da cópia.

12 Introdução à Internet Página Listas de discussão O conceito de lista de distribuição é simples. Um grupo de pessoas com um interesse comum (por exemplo, sexo, vídeo, música) gostaria de trocar mensagens sobre esse assunto. Sempre se pode manter uma lista dessas pessoas e mandar cada mensagem para todas elas, mas isso seria um procedimento tedioso e difícil de manter. Por isso, criou-se o conceito de listas de distribuição. Estas listas funcionam da seguinte forma: em algum computador na Internet, instala-se um programa chamado gerenciador de lista ou listserver. Esse programa mantém uma lista dos assinantes da lista, recebendo e mandando mensagens de forma semi-automática. Esse programa é acionado por um endereço eletrônico virtual, isto é, esse endereço se parece com um endereço de um usuário comum, mas é o programa que recebe as mensagens e as processa. Para cada lista existem dois endereços: um para distribuição das mensagens e outro para a administração da lista. Quando um usuário envia uma mensagem para o endereço de uma lista, o processador automaticamente redistribui essa mensagem a todos os seus participantes, via correio eletrônico. As listas podem ser abertas ou fechadas quanto a participação de novos membros. Quando abertas, a inscrição de um novo membro é feita através de uma mensagem de inscrição enviada pelo usuário ao listserver da lista. Existe uma infinidade de listas de discussão, sobre os mais variados assuntos. O usuário tem acesso, pela própria rede, à informação sobre as listas USENET A Usenet é uma outra forma de comunicação em grupo de pessoas semelhante as listas de distribuição de mensagens, porém mais poderosa. Imagine poder colocar mensagens em 20 mil quadros de avisos. Cada um sobre um tema diferente. E saber que as pessoas interessadas naquele tema estarão ali para ler e responder as suas mensagens. Isto descreve o que são os 20 mil newsgroups da Usenet. Os quadros de avisos da Usenet existem desde Na verdade, a Usenet é também uma rede, como a Internet, a qual está tão associada a ponto de muitos acharem ser uma coisa só. Mas, embora quase todo o tráfego de mensagens dos newsgroups da Usenet circulem por máquinas conectadas a Internet, isso não é indispensável. As mensagens de um newsgroup não são distribuídas como em correio-eletrônico. Neste sentido, são inteiramente diferentes das listas de discussão. As mensagens ficam situadas em um mesmo local (uma máquina que sedia determinado número de newsgroups). A mensagem jamais chegará a sua caixa postal. Você precisa ir até uma dessas máquinas por onde os newsgroups circulam. Ali, poderá ler (tendo a opção também de arquivar o conteúdo na sua máquina), responder, criar uma nova mensagem ou reenviá-la para alguém. Dessa forma, as mensagens de um newsgroup não circulam em desperdício. Ao contrário, são acessadas somente pelos que nelas tem interesse. Muitas vezes, escolhem-se as mensagens de um newsgroup apenas pela descrição do subject.

13 Introdução à Internet Página TELNET(Remote Login) É um serviço que permite ao usuário conectar-se a um computador remoto interligado à rede. Uma vez feita a conexão, o usuário pode executar comandos e usar recursos do computador remoto como se seu computador fosse um terminal daquela máquina que está distante. Telnet é o serviço mais comum para acesso a bases de dados (inclusive comerciais) e serviços de informação. A depender do tipo de recurso acessado, uma senha pode ser requerida. Eventualmente, o acesso a determinadas informações de caráter comercial pode ser negado a um usuário que não atenda aos requisitos determinados pelo detentor da informação. Por exemplo, se o Rodrigo Lopes quiser entrar na sua conta na EMBRAPA ele deve fornecer o seguinte comando: telnet embrapa.cngpl.br A partir daí, basta o Rodrigo Lopes inserir o login name e a senha. Não esqueça, contudo, que é ilegal tentar obter acesso a contas nas quais o usuário não tenha autorização para tanto. É equivalente a invadir a casa dos outros sem autorização dos moradores Correio eletrônico ( ) O correio eletrônico é um dos serviços mais elementares e mais importantes disponíveis na Internet. Basicamente, o correio eletrônico é a troca de mensagens que o usuário da Internet pode mandar para outro usuário. O conteúdo de uma mensagem eletrônica deve ser um arquivo com caracteres ASCII. Portanto, uma mensagem não pode conter arquivos que contenham caracteres fora da tabela ASCII, como, por exemplo, programas compilados e arquivos codificados de imagens. O correio eletrônico é o aplicativo responsável pelo crescimento inicial da Internet e ainda continua sendo extremamente popular por ser um meio rápido, econômico e fácil para o envio de informações e arquivos. Tal sucesso deve-se a economia global. Suas vantagens são: Rapidez; Boa relação custo-benefício, pois o preço é inferior a de um selo; Economiza papel; Envia mensagens e arquivos; Pode receber correspondência eletrônica mesmo se estiver sentado em uma praia deserta bebendo uma caipirinha Emoticons Como é difícil transmitir nuanças e entonação no texto escrito em uma mensagem eletrônica, criaram-se alguns símbolos para denotar algum sentimento nestas mensagens. Essas convenções, denominadas genericamente de emocionas(ícones de emoções), são muito informais, como a Internet em geral o é, e aproveitam as características de as mensagens serem compostas apenas por caracteres. Uma das convenções mais comuns e usar uma caretinha que deve ser vista rotacionando-se a cabeça em 90 no sentido antihorário. Existem centenas dessas caretinhas, mas as mais conhecidas são:

14 Introdução à Internet Página 12 :-) - O sorriso básico. É usado para expressar alegria, brincadeira, ou ironia. ;-) - O mesmo acima, mas com uma piscada. :-( - Expressa tristeza ou descontentamento, pelo que foi escrito. :-))) - O mesmo que :-), com mais intensidade. (-: - O mesmo que :-), mas o usuário é canhoto. %-) - É um sorriso de alguém que está bêbado ou cansado do vídeo. :*) - O usuário esta bêbado. B-) - O usuário está com óculos escuros. :-{) - O usuário tem bigode. :-{} - O usuário usa batom. :'-( - O usuário está chorando de tristeza. :'-) - O usuário está chorando de alegria. :-Q - O usuário é fumante IRC (Internet Relay Chat) É um serviço que permite uma conversação simultânea entre dois ou mais usuários da rede independentemente da localização geográfica dos usuários. As discussões através de IRC fazem uso do conceito de canal (trilha de conversação), podendo ser públicas ou privadas quanto à participação de membros. Os tópicos de discussão, assim como os idiomas utilizados para conversação, são bastante variados. Os diversos servidores IRC existentes na rede estão interconectados, e apresentam continuamente aos usuários os canais e recursos desse serviço Tecnologia Push - Softwares Disponibilizam Informações Automaticamente A Internet é muito mais do que um mar de informações. Ela está mais para um Universo em franca expansão, onde algumas galáxias nunca, jamais, se tornam conhecidas. WEBCASTING é uma nova tecnologia que inverte a interatividade da Rede. Em vez de você procurar o que deseja, é a Internet que interage com suas escolhas pessoais, e empurra (Push) para o seu computador megabytes de pura informação. O velho jargão "navegar é preciso", que serviu como uma luva para exprimir a sensação de usar a World Wide Web, começa a ser questionado. Uma queixa constante dos internautas é sobre o crescimento vertiginoso do volume de informações da Web. Milhões de sites espalhados por centenas de países, o que gera muita informação perdida. Na maioria das vezes, um internauta comum visita com freqüência 50 sites, no máximo. Será que as informações que os usuários sempre buscam na Internet não poderiam ser entregues diretamente ao seu computador? Esta boa pergunta tentou ser respondida, de forma mais inteligente e amigável, por um programa chamado A idéia é muito simples: baixe um software, que possui uma série de canais (fontes de notícias). Personalize estes canais (esportes e economia de uma fonte; política e nacional de outra, etc.) e espere o programa "empurrar" os dados para o seu computador. É o conceito básico da já tão famosa tecnologia Push, que chegou com toda a força e está motivando, inclusive, a nova geração dos browsers da Microsoft e da Netscape, principais guerreiros do acirrado mercado cibernético. Mas a história da tecnologia Push não começou com o PointCast. Quem usa a Internet há algum tempo deve se lembrar das mailing lists, em que os usuários assinam

15 Introdução à Internet Página 13 Figura 4 Exemplo de um Push uma determinada lista de discussão e recebem os s na caixa postal (publicamos uma matéria sobre este assunto na edição 12). Nestas listas, o conteúdo também é empurrado da Internet. Neste caso, um servidor distribui, automaticamente, as mensagens para determinados endereços. É o conceito de "Push burro", que não era sequer reconhecido por este nome. Uma outra maneira de lembrar a antiga utilização desta tecnologia são os noticiários entregues por . A diferença mais visível entre o Push atual e o antigo (que nem é tão antigo assim. Essa Internet...) é a capacidade de personalização do conteúdo. O material a ser entregue é individualizado e diferente para cada pessoa. Foi exatamente o rumo seguido pelo PointCast um misto de jornal pessoal (como Crayon, Newspage) e entrega a domicílio de informações. Se deu aí o início da revolução Push da Web, inovando em uma mídia que sempre foi "pull" (puxar) por excelência. Para quem não consegue entender os trocadilhos (push e pull), a explicação é simples: Na pull, o internauta puxa informação da Rede. É a navegação comum a que todos estamos acostumados; Na push, o computador passa a ser um receptor de informações e as informações são transmitidas, automaticamente, para ele. O usuário, neste caso, passa a ter um comportamento mais passivo Os Pioneiros O PointCast foi, e ainda é, um sucesso de público. Possui mais de 1 milhão de usuários, cerca de 70% corporativos. Para quem acessa via linha discada, o interessante é baixar as notícias e fazer a leitura off-line. Já para quem está ligado 24 horas à Rede, o grande fascínio é poder carregar novas informações a todo instante. Por exemplo, enquanto o computador está inativo, o PointCast pode mostrar notícias em forma de proteção de tela (screen saver). Outros produtos surgiram no rastro de sucesso do PointCast. Os mais conhecidos são o Backweb e o Marimba Castanet. Com eles, novos modelos de entrega de dados foram postos em prática. O Marimba, por exemplo, utiliza Java e JavaScript na montagem de seus canais. Já o Backweb provou que esta tecnologia não serve apenas para notícias e jornalismo, mas também para distribuição de softwares e

16 Introdução à Internet Página 14 outros dados. A McAfee faz atualizações de seu antivírus o ViruScan utilizando um canal do Backweb. O mundo da publicidade virtual consagrou a tecnologia Push e já a utiliza como um canal poderoso de divulgação. A maioria dos produtos sobrevive da venda de espaço publicitário, que é devidamente dividida com os provedores de conteúdo. Os especialistas em publicidade norte-americanos afirmam que, com a Push, os anúncios acabam sendo mais efetivos do que na própria Web, por saberem exatamente quem é, o que faz e o que interessa ao usuário. Se o consumidor-alvo prefere ternos elegantes e bem cortados, não precisam ser veiculados anúncios de calças jeans ou camisetas básicas. O anúncio se adapta às pessoas! TIPOS DE CONEXÕES Conexão dedicada (ou Permanente) Grandes empresas, universidades e órgãos governamentais em geral compram uma conexão dedicada ou permanente à Internet. Uma conexão dedicada permite que essas organizações operem 24 horas por dia um computador que fala a linguagem de comunicação TCP/IP. Esses computadores estão literalmente conectados dia e noite à Internet. As conexões dedicadas utilizam linhas de alta velocidade (56Kbps a 45 Mbps) que significa que um grande fluxo de informações pode viajar rapidamente pela rede e que vários usuários podem utilizar o sistema simultaneamente, através dessa única conexão (assemelha-se a uma estrada de acesso com seis pistas que conduz à rodovia principal). Esses recursos tornam esse tipo de conexão atraente para organizações, onde vários funcionários ou alunos precisam acessar a Internet. Na verdade, não existe um limite específico para o número de usuários que podem se conectar através de uma linha dedicada. Uma conexão por tempo integral possui duas vantagens: Facilita a utilização da Internet para os integrantes de uma organização. Essas organizações podem ter computadores host que oferecem informações aos usuários através da Internet. Todos os hosts possuem conexões dedicadas Emulação de Terminal de Discagem (Conta Shell) A emulação de terminal exige um investimento mínimo, pois esse programa já vem incorporado ao Windows. Terminal é um software de comunicação que você utiliza para se conectar ao computador do provedor de serviços. Ao entrar em contato com o provedor de serviços da Internet, ele pergunta qual conta que você deseja (SHELL ou SLIP/PPP). Essa sua opção depende da forma como pretende usar a Internet. Conta SHELL - A utilização desta assemelha-se a um serviço on-line, exemplo, CompuServe ou America Online. Com um modem você conecta seu computador ao provedor de serviços, que conecta você a Internet. Através da emulsão de terminal você acessa essa conta Shell, seu PC estará operando como um terminal burro, pois enviará apenas comandos para o provedor (host local). Utilizando a emulsão de terminal os softwares não são executados no seu PC e sim

17 Introdução à Internet Página 15 no provedor, pois ele somente será uma comunicação entre o host local e os outros computadores. Copiando um arquivo do host remoto ele irá primeiro para o provedor e depois para o seu PC. Você pode utilizar todos os softwares de comunicação para discar e conectar a sua conta Shell, não há diferença na utilização de um programa para ambiente Windows, para o Dos ou para o Macintosh, pois todos realizam o trabalho para você. Porém, se estiver usando um programa do Windows, você terá embutido um programa que lhe permitirá a conexão com o provedor - o programa Terminal no Grupo Acessórios. Ao se conectar com o host local, você visualiza um prompt onde deverá estabelecer o login, fornecendo sua identificação e uma senha. Será apresentado uma mensagem informando sobre as correspondências eletrônicas existentes na caixa de correio ou um prompt $, onde você digita seus comandos. Através de sua conta Shell você terá mais acesso a utilitários, que lhe permitirá alterar sua senha, gerenciar seus arquivos, procurar outros usuários, etc. Eles são classificados em: Utilitários de Rede: São aplicativos que você pode usar para pesquisar endereços na Internet (WHOIS), consultar endereços de outros computadores, ou identificar o usuário que está utilizando o provedor (FINGER) num determinado momento. Utilitários de Arquivos: auxiliam você no monitoramento e gerenciamento de seus arquivos, sua principal vantagem é facilitar o upload e o download de arquivos de seu PC e o host local. Utilitários Pessoais: Para modificar e verificar opções pessoais, com esses utilitários você pode alterar sua senha; criar e modificar sua assinatura eletrônica; verificar a utilização de seu disco atual e conferir o tempo gasto on-line. Biblioteca de Arquivos: Um grupo de programas shareware ou freeware que você pode copiar para seu computador e utiliza-los, os softwares incluem programas para ambiente Windows destinados a leitura dos newsgroups, composição e envio de mensagens eletrônicas ou detecção de vírus. Se o programa for freeware, você não terá que pagar nada por ele, somente o custo de on-line para transferi-lo para seu PC Conexão de Discagem Direta (Também Chamada de IP ou SLIP/PPP) Com uma conexão SLIP ou PPP, seu computador torna-se fisicamente conectado à Internet. É necessário contratar o provedor de serviços da Internet para obter acesso, você poderá transmitir pacotes TCP/IP entre o seu computador e os demais computadores conectados à Internet. Tudo graças a um software especial, que você carrega em seu PC, e à conexão SLIP/PPP, oferecida pelo seu provedor de serviços. Enquanto sua conexão permanecer aberta, seu PC estará conectado à Internet. Para utilizar a conexão SLIP/PPP, é necessário um modem de 9600 bps, no mínimo, a maioria utiliza modems de 56 Kbps, cuja velocidade de transferência de informações é bem maior. A desvantagem da conexão SLIP/PPP é que suas tarifas são mais caras do que as cobradas para a emulação de terminal de discagem. Conta SLIP/PPP - Com a emulsão de terminal de discagem você está a um passo da Internet, mas o contato com o provedor continua sendo necessário. Após estabelecer o login no sistema deles, você passa a transmitir pacotes TCP/IP entre seu PC e os outros computadores ligados a Internet. Algumas vantagens:

18 Introdução à Internet Página 16 Baixo custo alternativo para acesso permanente e dedicado; Acesso não-hierárquico (peer-to-peer) integral à Internet você pode carregar e executar software resistentes em outros computadores conectados à Internet; Você não precisa de provedor como um intermediário de sua transações com arquivos, conecte-se diretamente ao Host Remoto, procure os arquivos desejados e copie-os para seu PC; A conexão SLIP/PPP é um requisito para utilização do Software de multimídia desenvolvido para exploração do sistema World Wide Web da Internet. Para se comunicar diretamente com os outros PCs, carregue o Software que realiza comunicação através de TCP/IP. Duas versões do TCP/IP foram criadas para utilização dos Softwares On-line de telefone: SLIP (Serial Line Internet Protocol - protocolo da Internet para linha Serial) e PPP (Point-to-Point Protocol - protocolo ponto a ponto). O PPP oferece uma maior correção de erros assegurando a integridade dos arquivos obtidos, porém sendo mais lento que o SLIP. Você não tem a opção da escolha entre SLIP ou PPP, tudo depende do provedor. Utilizando uma conta Shell é necessário um endereço do Internet Protocol, existem duas formas possíveis: o provedor atribui um endereço todas as vezes que você discar e abrir uma sessão ou você fornece um nome de Host registrado em seu computador. Nem todos os provedores trabalham com SLIP/PPP além das taxas serem mais caras que a conta SHELL. Quanto aos Softwares/Hardwares, será necessário um espaço em disco suficiente para carregar e executar os Softwares conexão SLIP/PPP e os aplicativos do Windows, esta conexão pode utilizar qualquer tipo de modem. O espaço livre será, no mínimo, 10Mb para o computador 386 com 4Mb de Ram e o modem terá no mínimo a velocidade mínima de 9600 bps. 4.0 Outras Formas de Conexão Para velocidades de acesso de 64 Kbps até 256 Kbps a conexão dedicada às portas da Rede Internet Via EMBRATEL é efetuada por meio de redes de transporte através dos protocolos X.25 e Frame Relay. Já para velocidades de acesso de 512 Kbps até 2 Mbps a conexão é realizada por circuitos diretos nas portas dos roteadores, por meio dos protocolos PPP ou HDLC. Atenção: Atualmente todas as novas conexões estão sendo feitas exclusivamente utilizando os protocolos PPP ou HDLC, independente da velocidade de acesso. As redes ainda interligadas através dos protocolos X.25 e Frame Relay estão sendo migradas para PPP ou HDLC Características da Conexão X.25 A conexão X.25 é implementada através da criação de CVPs - Circuitos Virtuais Permanentes através da rede RENPAC, interligando o equipamento do Cliente a uma porta compartilhada no roteador da EMBRATEL. A velocidades de acesso, nesta conexão, está limitada em 64 Kbps. Para utilizar o serviço IP Direto/X.25 é necessário que o equipamento de comunicação de dados (computador ou roteador) do Cliente suporte conexão IP através de X.25 versão 84/88, implemente CVP e seja compatível com a Request For Comments - RFC 1356 (padrão Internet).

19 Introdução à Internet Página Características da Conexão Frame Relay A conexão Frame Relay é oferecida para velocidades de acesso que vão de 64 Kbps até 256 Kbps, através de um canal lógico que interliga o equipamento do Cliente a uma porta compartilhada no roteador da EMBRATEL. Para utilizar o serviço IP Direto/Frame Relay é necessário que o equipamento de comunicação de dados (computador ou roteador) do Cliente suporte conexão IP através de Frame Relay e seja compatível com a RFC 1490 (padrão Internet) Características da Conexão PPP-HDLC A conexão PPP-HDLC é implementada através do uso de circuito dedicado (linha privativa) interligando o equipamento do Cliente a uma porta exclusiva no roteador da EMBRATEL. Para utilizar o serviço IP Direto/PPP-HDLC é necessário que o equipamento de comunicação de dados (computador ou roteador) do Cliente suporte conexão IP através de protocolo PPP-HDLC e seja compatível com a RFC 1661 (padrão Internet). A Rede Internet Via EMBRATEL foi projetada e está sendo constantemente ampliada para garantir o melhor desempenho aos seus Clientes. No entanto, a questão do desempenho (throughput) global na Internet é bastante complexa, sendo afetada por diversos eventos, muitos deles não associados diretamente com os serviços de rede. Entre a origem e o destino do tráfego na Internet, muitas redes são utilizadas, com diversas tecnologias de transporte (satélite, fibras óticas, etc.) e capacidades de banda. Assim sendo, a EMBRATEL garante apenas a banda disponível no circuito de acesso (levando-se em conta a tecnologia de transporte utilizada) e o desempenho da conexão entre o Cliente e a sua porta de entrada na Rede Internet Via EMBRATEL. A interligação do backbone da EMBRATEL à Internet mundial é efetivada por meio de circuitos de comunicação de dados internacionais utilizando meios de comunicação distintos - satélite e cabo submarino em fibra óptica, garantindo maior disponibilidade e confiabilidade. As conexões internacionais interligam diretamente às redes Internet da: Internet mundial Teleglobe Canadá Cable & Wireless, Sprint e UUNET EUA Europa France Telecom - França Radio Marconi Portugal Mercosul Telintar Sul e Telintar Norte - Argentina Antel - Uruguai A seguir, são apresentados figuras dos mapas do backbone EMBRATEL na interligação com a Internet mundial (Figura 5) e na interligação com outros centros de roteamento dentro do Brasil (Figura 6).

20 Introdução à Internet Página 18 Figura 5: Interligação do Backbone EMBRATEL com a Internet Mundial Figura 6: Centros de Roteamento no Brasil

Introdução. O que é a Internet

Introdução. O que é a Internet A INTERNET Introdução Este trabalho tem como objetivo levar ao leitor um pouco do mundo da Internet. O usuário através deste documento poderá descobrir o que é a Internet, o porque dela, de onde veio e

Leia mais

INTERNET, INTRANET E EXTRANET

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET, INTRANET E EXTRANET 1 Internet Rede de computadores que interliga milhões de usuários em todo o mundo. Não é uma rede única, mas um grupo de redes hierarquizadas. Pessoas e computadores trocando

Leia mais

INTERNET. O que significa "estar conectado" à Internet.

INTERNET. O que significa estar conectado à Internet. INTERNET O que é a Internet? A Internet é uma gigantesca rede mundial de computadores, que inclui desde grandes computadores até micros do porte de um PC. Esses equipamentos são interligados através de

Leia mais

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20

Sinopse... 2. Saudação... 3. Internet... 6 a 11. Usenet... 12 a 13. Protocolo... 14 a 15. Navegador... 16 a 19. Web... 20 ÍNDICE Sinopse... 2 Saudação... 3 Internet... 6 a 11 Usenet... 12 a 13 Protocolo... 14 a 15 Navegador... 16 a 19 Web... 20 Internet explorer... 21 a 27 Download.... 28 a 32 E-mail... 33 a 38 Exercícios...

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET

INTERNET, INTRANET E EXTRANET INTERNET INTERNET, INTRANET E EXTRANET 1 INTERNET Rede de computadores que interliga milhões de usuários em todo o mundo. Não é uma rede única, mas um grupo de redes hierarquizadas. Pessoas e computadores trocando

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet Princípios de Internet e Termos mais Utilizados Internet A Comunicação é a melhor palavra para descrever a Internet. São serviços e facilidades que, para algumas pessoas, é o lugar onde elas encontram

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Internet Noções de Internet: O que é Internet; História da Internet; Recursos da Internet; Serviços não-web.

Leia mais

Internet. História da Internet

Internet. História da Internet Internet A rede mundial de computadores é um grande fenômeno e está ampliando os horizontes de profissionais e empresas. O acesso é feito a qualquer hora e de qualquer lugar: do escritório, em casa, na

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE INTERNET

NOÇÕES BÁSICAS DE INTERNET UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES URI CAMPUS SANTO ÂNGELO NOÇÕES BÁSICAS DE INTERNET Disciplina: Informática Instrumental Profa: M. Sc. Regiane Klidzio CONTEÚDO Março, 2010

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Informática Internet Internet

Informática Internet Internet Informática Internet Internet A Internet é uma rede mundial de computadores de acesso de público ilimitado. Na prática, pode-se dizer que ela é composta por um conjunto de muitas redes interconectadas.

Leia mais

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Internet A Grande Rede Mundial Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha O que é a Internet? InterNet International Network A Internet é uma rede mundial de

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 3 Internet, Browser e E-mail. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 3 Internet, Browser e E-mail Professora: Cintia Caetano SURGIMENTO DA INTERNET A rede mundial de computadores, ou Internet, surgiu em plena Guerra Fria, no final da década de

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 Acessando endereços simultaneamente Parte 2 Um recurso interessante e extremamente útil é o de abrir várias janelas ao mesmo tempo. Em cada janela você poderá acessar um endereço diferente na

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

T ecnologias de I informação de C omunicação

T ecnologias de I informação de C omunicação T ecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Aferir sobre a finalidade da Internet Identificar os componentes necessários para aceder

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

sol.eps.ufsc.br (endereço nominal) 150.162.1.50 (endereço numérico) Como padrão para os EUA, tem-se alguns exemplos das terminações de endereço:

sol.eps.ufsc.br (endereço nominal) 150.162.1.50 (endereço numérico) Como padrão para os EUA, tem-se alguns exemplos das terminações de endereço: 1. A INTERNET 1.1 Como Funciona a Internet? Cada país que participa da Internet possui estruturas de rede chamadas backbones com conectividade através do protocolo TCP/IP Transmission Control Protocol

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET:

sensitives). Os endereços Internet (E-mail) são comumente escritos em 1 - INTERNET: 1 - INTERNET: 1.1 - Conceitos: 1.1.1 - A Internet Uma definição mais formal sobre o que é a Internet pode ser resumida como uma rede de computadores, de abrangência mundial e pública, através da qual estão

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET

INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 06 INTERNET Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é Internet Conceitos básicos de internet

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que têm em comum um

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE SERVIÇOS INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE SERVIÇOS INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE SERVIÇOS INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA A Internet é uma amálgama de hardware Como funciona (máquinas clientes e servidores, além de infraestrutura

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Aula 06 Prof.ª Bruna Patrícia da Silva Braga Infraestrutura de TI: Redes de Computadores Redes de Computadores Conjunto de computadores e periféricos ligados entre si através

Leia mais

Sérgio Cabrera Professor Informática 1

Sérgio Cabrera Professor Informática 1 1. A tecnologia que utiliza uma rede pública, como a Internet, em substituição às linhas privadas para implementar redes corporativas é denominada. (A) VPN. (B) LAN. (C) 1OBaseT. (D) 1OBase2. (E) 100BaseT.

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO

LW1. Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO LW1 Como a internet funciona? PROF. ANDREZA S. AREÃO O que é a Internet? Rede de Computadores: Consiste de dois ou mais computadores ligados entre si e compartilhando dados, impressoras, trocando mensagens

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Introdução à Internet: história

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Manual Internet Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Fevereiro de 2006 Índice Internet... 2 Correio electrónico... 2 Os endereços... 2 Lista de correio... 2 Grupos

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

Introdução à Internet. Sumário. Internet: Um Pequeno Histórico. O que é Internet? Objetivos. A Comunicação. Márcia V.

Introdução à Internet. Sumário. Internet: Um Pequeno Histórico. O que é Internet? Objetivos. A Comunicação. Márcia V. Objetivos Introdução à Internet Márcia V. Costa Miranda Passar uma visão geral da rede Internet. Resumo do histórico sobre Internet. Explicar a utilização de um browser de navegação navegador. Exibir os

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações

Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN. A Internet e suas aplicações Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do RN A Internet e suas aplicações Histórico da rede Iniciativa dos militares norte-americanos Sobrevivência de redes de comunicação e segurança em caso

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

A Internet WILLIAM A ZACARIOTTO

A Internet WILLIAM A ZACARIOTTO A Internet WILLIAM A ZACARIOTTO INTERNET História O que é a Internet? Para que serve? Quem controla? Como funciona WWW Serviços Como conectar-se? Domínios e Endereços O QUE É A INTERNET Rede mundial de

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb ConceitosGerais ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ConceitosGerais Índice 1 História da Internet... 2 a) No Mundo...

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Glossário de Internet

Glossário de Internet Acesso por cabo Tipo de acesso à Internet que apresenta uma largura de banda muito superior à da linha analógica. A ligação é feita com recurso a um modem (de cabo), que se liga à ficha de sinal de TV

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

PROTOCOLOS. Protocolo pode ser entendido como um conjunto de regaras para estabelecer comunicação entre dois entitdades.

PROTOCOLOS. Protocolo pode ser entendido como um conjunto de regaras para estabelecer comunicação entre dois entitdades. PROTOCOLOS Protocolo pode ser entendido como um conjunto de regaras para estabelecer comunicação entre dois entitdades. Examplo 1: Protocolo Natural Para Estabelecer Comunicação - Oi, como vai voce? (Solititação

Leia mais