UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA UNIVERSIDADE DE CIENCIAS SOCIAlS E APLICADAS CURSO DE BACHARELADO EM MARKETING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA UNIVERSIDADE DE CIENCIAS SOCIAlS E APLICADAS CURSO DE BACHARELADO EM MARKETING"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA UNIVERSIDADE DE CIENCIAS SOCIAlS E APLICADAS CURSO DE BACHARELADO EM MARKETING Anderson Zonta Camila Silverio Moro Rodrigo David Viana ATRIBUTOS VALORIZADOS PELAS EMPRESAS NA CONTRATAC;Ao DE HOTElS PARA A REALlZAC;Ao DE SEUS EVENTOS,.

2 Anderson Zonta Camila Silverio Mora Rodrigo David Viana ATRIBUTOS VALORIZADOS PELAS EMPRESAS NA CONTRATA«AO DE HOTElS PARA A REALlZA«AO DE SEUS EVENTOS Trabalho de Conclusao de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Marketing da Universidade Tuiuti do Parana - Universidade de Ciemcias Sociais Aplicadas, como requisilo parcial para a oblencao de grau em Bacharel em Marketing. Orientador: Cley Linhares. Curitiba 2005

3 "ATRI13UTOS VALORIZADOS PELAS EMPRESAS NA CONTRATA(AO DE tlotfis PARA A RfALIZA(AO DE SillS fvfntos" A vtd.e.,-.\o li Zont"cv - ccunacv Silver-to- Mom' - RocLYi-gO-Dcwi,d, V[a.ru;v Este projelo foi julgado adequado para a obtenyao do titulo de Baeharel em Marketing e aprovado em sua Jorma final ap6s ter sido apresentado it banca, no VIII Marketing Meeting Session, que Ihe alribuill nota 8,77 para trabalho eserito, 8,67 para a apresel1tayao oral e 7,63 para 0 aeompal1hamento anual, resultando l1a media final 8,39. Comissao avaliadora integrada~elos ro/sores ~:ag~,ientador(a) RO'''"~ MEMBRO Danielle Denes dos Santos MEMBRO Curitiba, 03 de dezembro de 2005.

4 ~A vida 56 pode ser compreendida olhando-se para tras; mas s6 pode ser vivida alhanda-se para a frente". Saren Kierkegaard

5 Agradecimento Em primeiro lugar gostariamos de agradecer a Deus p~r ter guiado nossos passos, nossa mente, por nos ter dado forc;as, sabedoria e motivac;ao para que fosse passive I realizar este trabalho. Agradecemos especial mente a nossas familias, esposo (a), namorada (0) e a todos que direta au indiretamente tiveram muita paciencia conosco e contribuiram para mais essa conquista em nossas vidas. Com muito carinho agradecemos ao Professor e Orienta dar Cley Linhares, que com muita dedicavao esteve ao nosso lado, a Professora do primeiro ana Simone Ramos, que dedicou algumas horas de seu pouco tempo para nos ajudar e orientar, em especial a Professora e Coordenadora Silvana Hastreiter, que ficou em nos so wpe" ate achamos a caminho correto para esse trabalho, mostrando sua dedicac;ao e apoio. Temos certeza de que este e s6 0 comego de uma longa caminhada. Muito obrigado a todos!

6 SUMARIO LlSTA DE FIGURAS 07 1 INTRODUc;:Ao APRESENTAc;:Ao DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos especificos ESTRUTURA DO TRABALHO 11 2 FUNDAMENTAc;:Ao TEO RICA DEFINIC;:OES DE MARKETING Mix de Marketing MARKETING DE SERVIC;:OS MARKETING DE RELACIONAMENTO HOTELARIA Defini90es de Hotel Hist6rico da Hotelaria Marketing Hoteleiro EVENTOS Conceitos de Eventos Hist6rico de Eventos Classifica90es dos Eventos Tipologia de Eventos nos Hoteis Marketing de Eventos A Importancia e Contribui9ao dos Eventos na Atividade 46 Econ6mica Conceito de Turismo de Neg6cios COMPORTAMENTO DO COMPRADOR ORGANIZACIONAL. 50

7 2.6.1 Defini<;:ao de Compra Organizacional Comportamento do Comprador Organizacional Processo de Compra Organizacional For<;:as Externas que Moldam todas as Empresas Analise da Demanda Organizacional 60 3 PROCEDIMENTOS METODOLDGICOS ESPECIFICAC;;Ao DO PROBLEMA DELINEAMENTO DA PESQUISA POPULAC;;AO E AMOSTRAGEM COLETA DE DADOS TRATAMENTO DE DADOS LlMITAC;;OES DA PESQUISA 67 4 APRESENTA<;:AO DOS RESULTADOS 68 5 CONCLUSOES E RECOMENDA<;:OES CONCLUSOES RECOMENDAC;;OES GERAIS. 90 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS 91 ANEXOS 96 Anexo 1 - Questionario de Pesquisa 97 Anexo 2 - Apresenta<;:ao PowerPoint 100

8 LlSTA DE FIGURAS FIGURA 1 - PIRAMIDE DE MASLOW FIGURA 2 - FLUXO DE STAN RAPP E TOM COLLINS... FIGURA 3 - COMPOSTO DE MARKETING - 4P'S. FIGURA 4 - At;:OES DE MARKETING ASSOCIADAS AOS 4 C'S FIGURA 5 - GERADOR DE EMPREGOS FIGURA 6 - MODELO DE COMPORTAMENTO DE COMPRA ORGANIZACIONAL... ~ FIGURA 7 - PROCESSO DE COMPRA ORGANIZACIONAL 54 FIGURA 8 - AS CINCO FORt;:AS COMPETITIVAS... 57

9 8 1 INTRODUC;AO 1.1 APRESENTAc;:Ao DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA A hotelaria em Curitiba esm tendo uma grande projeyao quando sa trata de espar;o para eventos. Para se ter uma ideia, em 1999 havia 81 hoteis e 21 fiats, que juntos somavam leitos. Em 2002, esse numero aumentou para 94 hote ise 28 flats. No primeiro semestre de 2003, foram construidos sete hoteis e seis flats e no final desse mesmo ana, pelo menes mais seis foram inaugurados, chegando ate 0 final de 2005 com uma oferta acima de leites e 29 espar;os para eventos em hotel com no minima 100 assentos, conforme ultimos dados do setor hoteleiro. (SECRETARIA MUNICIPAL DO TURISMO, 2005). Atualmente, as hoteis de Curitiba sao procurados por disporem de uma infraestrutura diferenciada e completa. Esta infra-estrutura e bern adequada, estando em constante crescimento e modemizayao. Os hoteis que trabalham no segmento de eventos, tambem of ere cern opyaes de diversao e entretenimento. Existem cada vez mais opr;oes para a organizayao de eventos em hotels de medio e grande porte, para reunioes empresariais ou familiares, estando dotados de infra-estrutura adequada e servir;os apropriados. (FBC&VB (Federayao Brasileira de Conventions Visitour Bureau) I SEBRAE-2004). Justificamos este trabalho devido ao fato de existir uma carencia de publicac;oes sabre 0 tema e, portanto, 0 problema de pesquisa sera: Quais as atributos valorizados pelas empresas na contratayao de urn hotel para a execuq30 de seus eventos na rede hoteleira de Curitiba?

10 9 Este trabalho compreende uma pesquisa Junto as empresas de Curitiba- e regiao Metropolitana que realizam eventos em hoteis, como exemplo: treinamentas, comemorac;6es, reuni6es, lanc;amento de urn produto, entre Qutros, buscando aspectos que identifiquem as necessidades e desejos bern como avaliac;:ao das organizac;:oes hoteleiras quanta aos servi~s oferecidos.

11 BJETIVOS Objetivo Geral Identificar as atributos valorizados pelas empresas de Curitiba, na contratac;;ao de hoteis para a realizac;;ao de seus eventos na cidade Objetivos Especificos - Identificar 05- pontcs fracos e fortes dos hoteis, citados pelas empresas, com espac;o para eventos. - Identificar quais os criterios para a escolha de urn hotel, na realizag<3.o de seus eventos. - Identificar a qualidade dos servic;;os prestados pelos hoteis do ponto de vista das empresas que os procuram. - Verificar S8 as empresas tern prefen ncia par algum hotel especffico para realizar as seus eventos. - Identificar quem e 0 principal responsavel pela decisao de escolha do hotel para a realizagao de eventos. - Identificar quais sao as tontes de informayoes utilizadas pelas empresas para escolher urn hotel para a realiza<;30 de eventos. - ldentificar quais os principais problemas que ocorrem na realiza<;30 dos eventos. - Identificar quais os eventos de maior frequemcia realizado pelas empresas.

12 ESTRUTURA DO TRABALHO No capitulo 2 abordam-se marketing e suas definic;oes, sendo elas: marketing de servic;os e marketing de relacionamento, com 0 objetivo de comparar a opiniao de alguns autores. Na seqoencia, a hotelaria e seu historica, as definic;oes de hoteis e marketing" hoteleiro, No t6pico 2.5 e abordado 0 hist6rico de eventos, suas defini<;6es, classificac;oes, tipologias, marketing de eventos e a importancia dos mesmas para a economia e a sua rela<;:ao com a segmento hoteleiro. Ainda neste capitulo tratam-se do comportamento do consumidor organizacional, suas definic;6es e processos de compra, das abordagens e fofc;:as que mold am tal comportamento e conclui-se com uma analise da demanda organizacional. o capitulo 3 trata da metodologia utilizada para delineamento desta pesquisa demonstrando os dados da amostragem utilizada e os procedimentos para a realizayao da coleta e analise de dados, dando 0 seu tratamento e limitayoes. No capitulo 4 estao sendo apresentados os resultados, comentarios e graticos. Fechando este trabalho, tem-se 0 capitulo 5, que trata das conclusoes e recomenda90es sintetizando os principais resultados desta pesquisa.

13 12 2 FUNDAMENTA9AO TEORICA 2.1 DEFINIC;:OES DE MARKETING Marketing e uma palavra em ingles derivada de market, que significa mercado. E utilizada para expressar a 8<;030 voltada para 0 mercado. Assim, entende-se que a empresa que pratica 0 marketing tern 0 mercado como a raz;30 e 0 foeo de suas 8<;oe5. 0 seu conceito surgiu no p6s-guerra, na decada de 1950, quando a avango da industrializagao mundial acirrou a competir;c3o entre as empresas e a disputa pel os mercados trouxe novas desafios. Portanto, sua definir;c3o e a fun<;ao empresarial que eria continuamente valor para 0 cliente e gera vantagem competitiva duradoura para a empresa, par meio da gestao estrategica das variaveis controlaveis de marketing: produto, prec;o, comunica~ao e distribui~ao. (FGV, 2003). Sao muitos os conceitos de marketing. A palavra, que tern li9a9.30 direta com a mercado, pode ser vista de varias maneiras, dependendo da direc;:ao e angulo que sao tornados. Para entender-se melhor 0 marketing, citar-se-a a seguir os especialistas na materia: Kotler comenta que "Marketing e urn processo social par meio do qual, pessoas e grupos de pessoas obtern aquila de que necessitam e 0 que desejam com a criac;:ao, oferta e livre negociac;:ao de produtos e servic;:os de valor com outros" (2000, p. 30). Churchill Jr. e Peter (2000, p. 4) tern a opiniao de que 0 marketing e 0 "processo de ptanejar e executar a concepc;:ao, estabelecimento de preryos,

14 13 promoc;ao e distribuic;ao de ideias, bens e servic;os a fim de criar tracas que satisfac;am metas individuais e organizacionais" Na otica de Las Casas, Marketing e a area do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes as relac6es de!raca, orienladas para a satisfa9ao dos desejos e necessidades dos consumidores, visando alcancar determinados objetivas de empresas ou individuos e considerando sempre 0 meio ambiente de atuacao e 0 impacto que essas relac;oes causam no bem-estar da sociedade. (2001, p. 26). No entanto, foi observado par esses autores que, seja qual for a analise, marketing sempre vai estar relacionado com a necessidade entre cliente e mercado. Rocha ainda define que "marketing e uma fun<;ao gerencial, que busca ajustar a oferta da organiza,ao a demand a especifica do mercado, utilizando como ferrarnental urn conjunto de principios e tecnicas" Ou tarnbem pode ser visto, como um processo social, pela qual sao reguladas a aferta e a demanda de bens e servi,os para atender as necessidades sociais. (1999, p. 15). Czinkota et al. (2001, p. 138) afirmam que "necessidades sao condi,oes insatisfat6rias do consumldor, que 0 levam a a<;:oes que melhorarao estas condi<;:oes" e "desejos sao aspira<;:oes de obter rnais satisfa<;8o do que 0 absolutamente necessaria para melharar uma condi<;ao insatisfatoria". Para poder-se identificar fase a fase as necessidades humanas, Maslow, urn dos maiores especialistas em motiva<;ao humana e psicolago norte-americana, apresentou em uma forma simples e concisa uma piramide, onde a mesma e chamada de "Hierarquia das necessidades", como ilustra a figura 1:

15 14 Figura 1 - Piramide de Maslow Nivel4 - necessidade de reconhecimento Nivel 3 - necessidades socia is (afetivas) Nivel 2 - necessidade de seguranrya Nivel 1 - necessidades fisiol6gicas FONTE: Idalberto Chiavenato. IntrodU(;:ao a teo ria geral da administraryao. 1999, p Nivel 1 - Necessidades tisiologicas: e considerado 0 nivel mais baixo das necessidades humanas, mas de muita importancia, sao elas: alimentagao, repouso, abrigo e desejo sexual, onde as mesmas estao relacionados com a sobrevivencia do individuo e preservac;ao da especie. Sao necessidades instintivas e que ja nascem com 0 individua, quando as mesmas nad estao satisfeitas dominam a direg80 do comportamento. - Nivel 2 - Necessidades de seguram;a: a necessidade de seguranc;:a e estabilidade sao 0 segundo nivel dessa hierarquia. A procura por essas necessidades 58 torna elementos organizadores de comportamento, elas surgem quando as necessidades fisiol6gicas estao relativamente satisfeitas. - Nivel 3 - Necessidades sociais (afetivas): surgem quando as necessidades mais baixas (fisiol6gica e de seguranqa) encontram-se relativamente satisfeitas. Dentre elas estao as de carinho, amor, aceitac;:ao pela familia, afeto, participac;:ao e traca de amizade. Quando essas necessidades nao estao satisfeitas, 0 individuo torna-se resistente e hostil com relac;:ao as pessoas que 0 cercam. Assim a frustrac;:ao das necessidades de amor e de afeic;:ao conduz a falta de adaptac;:ao social e a solidao.

16 15 - Nivel 4 - Necessidades de reconhecimenlo (estima): esta relacionada pela forma em que 0 individuo S8 ve e se avalia.. Envolvem a auto-aprecia<;:c1o, autoconfian<;:a, aprova<;:8o social, status, confian<;:a perante 0 mundo, independencia e autonomia. - Nivel 5 - Necessidade de auto-realizar;ao: sao as necessidades humanas mais elevadas, cnde as pessoas se realizam pelo seu potencial e autodesenvolvimento continuo, tarnando-as sempre mais do que sao e de vir a serem tudo 0 que podem ser. Entende-s8 que a teo ria da piramide de Maslow expressa a busca constante de satisfazer alguma necessidade. A pessoa que satisfaz a sua necessidade de alimenta<;:8o, repouso, abrigo e desejos, procuram resolver carencias de relacionamento, aceitac;8o social, ate chegar ao grande encontro com sua pr6pria natureza. Do ponto de vista do marketing, os produtos e servi<;os que criamos giram em func;8o desses diferentes niveis de necessidades. E preciso considerar nao apenas a vontade de descanso de um cliente, por exemplo, mas tambem sua necessidade de se sentir protegido, valorizado e respeitado. Rappe e Collins apud Cobra, argumentam que: - T odo marketing deve ser bem-sucedido em satisfazer as necessidades e vontades dos consumidores em potencial, seja consciente ou inconscientemente. - Todo marketing deve realizar a venda convertendo 0 interesse do consumidor em potencial em intenc;ao de compra e compra real. - E quase todd marketing deveria tentar desenvolver uma relac;ao continua com 0 consumidor ap6s a primeira venda, encorajando compras adicionais e fidelidade permanente. (COBRA, 1992).

17 16 Figura 2 - Fluxo de Stan Rapp e Tom Collins Rcalizar 11-_-.1.1 Dcsenvolvcr a I vcl1das I -I rcla<;ao FONTE: Marcos Cobra. Administra9ao de marketing, 1992, p. 35. Ao analisar que marketing procura cam inhas para satisfazer as necessidades e desejos dos consumidores, sera analisado de que forma a mercado e as empresas podem contribuir com 0 marketing. Para AMA (American Marketing Association), citado por Cobra, define 0 marketing como 0 desempenho das atividades de neg6cios que dirigem a fluxo de bens e servic;:os dos produtos ao consumidor au utilizador. (COBRA, 1997). Para Etzel et a/. (2001) 0 conceito e baseado em tres cren9as: orientac;:ao para 0 cliente, objetivos de desempenho da organiza9ao e atividades coordenadas de marketing, para entao ser passive I obter a satisfac;:c3o do cliente atingindo assim 0 sucesso organizacional. Na visao de Cobra, o grande desafio do marketing na atualidade e dotar as empresas de diferenciais competitivos que possibilitem ampla expansao de seus neg6cios atrav :s de produtos g!obais e pela satisfacao crescente das necessidades de consumidores avidos de produlos servicos cada vez mais e personalizados. (1992, p. 25) Santos et al. (2000), cita que a atividade de marketing consiste em planejar, com base em dados obtidos atraves de pesquisa de mercado, observa9ao da concorrencia e analise da performance hist6rica da empresa. Alem de promover a venda e apresentar os produtos e servi90s ofertados de uma maneira atraente, 0

18 17 marketing atua tambem incentivando a demanda par esses produtos e servi90s ad enfatizar a sua utilidade, prazer que proporciona 0 "status" e poder que confere. Assim, abrange toda a dinamica de compra e venda que constitui urn mercado e, 0 esfor,o de aperfei,oamento do vender remonta a adequa,ao do produto ao cliente desde a sua criayao, desenvolvimento, produyao e apresenta9ao ads patenciais. compradores. Santos (id) ainda afirma que, marketing e responsavel par impulsionar as empresas em direc;:ao ad consumidor e ad mercado, sendo 0 processo que: - Identifica necessidade. - Transforma as necessidades em produtos e serviyos. - Descobre onde estao as clientes. - Analisa a melhor maneira de alcanyar e satisfazer as expectativas dos dentes de forma lucrativa para a empresa. Simoes expressa que "marketing e uma tecnica que visa conjugar uma serie de instrumentos objetivando um melhor aproveitamento das oportunidades de mercado, com vista a alcanr:;:ar as metas empresariais, com minimo de desperdlcio de recursos". (1995. p. 9) Dessa forma pode-s8 analisar os 4 P's do marketing (mix de marketing), intrumento que ajudara no desenvolvimento e crescimento das empresas, aproveitando todo 0 potencial da empresa a fim de gerar a satisfay80 de seus ciientes.

19 Mix de Marketing Ko.tler (2000), define 0 mix de marketing como sendo 0 grupo de variaveis controlaveis de marketing que a empresa utiliza para produzir a res posta que deseja no mercado-alvo. Morgado e Gonl'alves (1999, p.61) falam que "0 marketing mix ou comp6sto de marketing foi popularizado por E. Jerome Me earthy e adotado pelos te6ricos e pelo mercado como sendo os "4 p's" (produto, pral'a, prevo e promol'ao) e e 0 conjunto de variaveis controlaveis que a empresa pade utilizar para influenciar as respostas do consumidor" Analisa-s8 que as dais autores citados consideram 0 mix de marketing como variaveis controlaveis, onde as empresas as utilizarn para produzir a res posta que desejam do mercado-alva, au seja, as usam para influenciar a resposta do consumidor. Todos as elementos deste composto de marketing foram criados e estabelecidos para identificar e atender ao mercado-alvo, ou seja, 0 consumidor. Vejamos a ilustraltao na figura 3:

20 19 Figura 3 - Composto de Marketing - 4P's PRODUTO MIX DE MARKETING I MEnCADO PRE(:O \ ~ PROMOCAO PRAt",;:/\ FONTE: Philip Kotler. Administra<;:.3o de Marketing. 2000, p Produto: e,a combinac;:13o de bens e servic;:os, au seja, sao as vantagens que a empresa oferece no que diz respeito ao produto, sendo elas: variedades de produtos, qualidade, design, caracteristica, nome de marca, embalagem, tamanhos, garantias e devoluc;:6es. - Prer;o: e a soma de dinheiro que as clientes devem pagar para abter 0 produto que desejam, sendo ele vista de muitas form as, como: descontos, concessoes, prazo de pagamento e condic;:oes de financiamento. - Prat;a: e vista como 0 posicion amen to do produto no mercado, au seja, em quais locais, canais, variedades, estoques e distribuiryao produto estara disponivel para consumidor final. - Promog8o: e a atividade que comunica os atributos do produto, que pode ser atraves de publicidade, relary6es publicas, promoryao de venda, for9a de vendas e marketing direto que ira persuadir os consumidores-alvos a adquiri-io.

21 20 Segundo Kotler, 0 composto de marketing pade ser definido como, "0 conjunto de ferramentas que a empresa usa para atingir seus objetivos de marketing no mercado-alvo". (1998, p. 97). De acordo com Churchill e Peter, "e uma combinayao de ferramentas estrategicas usadas para criar valor para as cli8ntes e arcanyar os objetivos da organizagao". (2000, p. 20). Pode-s8 tambem afirmar a mix de marketing au composto mercadol6gico como sendo 0 conjunto de instrumentos controlaveis pelo gerente de marketing, par meio dos quais ele pade obter melhor ajustamento entre a oferta que a sua empresa faz ao mercado e a demanda existente. (Rocha,1999). Verifica-se que as autores citados consideram 0 mix de marketing como uma ferramenta a ser utilizada pelas empresas, capaz de entender e atender as necessidades e desejos das mesmas e tambem de seus consumidores, gerando, assim, uma valorizat;:ao do cliente e a alcance das metas objetivadas pela estrategia de mercado da empresa. Sendo assim, sera ressaltada a importancia do marketing de servic;o junto ao mercado, au seja, qual e a relac;ao que 0 marketing tem com os servic;:os e a maneira com que deve ser administrado.

22 2.2 MARKETING DE SERVI<;:OS A velocidade das informac;;oes, devido ~ facilidade das inovac;oes tecno16gicas, S8 intensifica a cada dia. E, nesse sentido, as servic;os estao ex pastas a uma comparac;3o voraz. A industria do turismo, uma das mais promissoras nesta passagem de milemio, 'tern suas regras totalmente ditadas pelo consumidor globalizado. Neste contexte, 0 setor hoteleiro passa par profundas e rapid as transforma90es, a fim de assegurar sua competitividade. (YAMADA, 1997). o cresci menta do setor de servic;os e sem duvida uma das maio res tendencia ocorrida nos ultimos anos. Bureau of Labor Statistics confirma que "as ocupac;oes do setor de servic;os seraa as (micas responsaveis pelo crescimento no numero de empregos neste ana de 2005" (apud KOTLER, 2000), Durante muito tempo as servic;os eram considerados apenas como uma atividade auxiliar. Pode-se afirmar que os servic;os apresentam uma importancia decisiva, sendo que produtos e servic;os estao fortemente interligados. (SALGADO et al.,2001). Pode-se definir servic;o, com sendo urn ate que nao pode ser apalpado, sendo oferecido atraves de uma ou mais pessoas, mas que nao pode ser adquirido ou levado, estando relacionado ou nilo a um produto existente. (KOTLER, 2000). No Brasil, segundo 0 IBGE (2003), 62 % do PIB nadonal est'; concentrado em servic;os e esse numero tende a aumentar, acompanhando as maiores economias e a propria revoluc;ao de conhecimento, que multi plica os servic;os que agregam valor a ex peri emcia humana. Outra questao que aponta 0 crescimento da economia de servicros e a propria comoditizac;ao dos produtos. Par comoditizac;ao entende-se a dificuldade cada vez

23 22 maior que urn produto tern para S8 diferenciar de Dutro. Os produtos estao cad a vez rna is parecidos, similares, e a profusao de marcas e fabricantes acabam comprimindo as margens de lueras. Servi<;os permitem diferenciac;:8o, personaliza<;ao e customiza<;ao. (LOVELOCK; WRIGHT, 2001). Devida a sua diversidade, definir servi<,(os tradicionalmente torna-se uma tarefa dificil, assim como e difieil compreender 0 modo pelos quais os serviryos sao criados e entregues aos clientes, po is muitos insumos e produtos sao intangiveis. Segundo Lovelock e Wright (2001, p. 112), servi,o pode ser definido como "urn ato ou desempenho oferecido par uma parte a outra" Embora a processo possa estar ligada a urn produto fisico, 0 desempenho e essencialmente intangivel e normalmente nao resulta em propriedade de nenhum dos fatores de produ~ao. Servic;:os tambem podem ser definidos como atividades econ6micas que criam valor e fernecem beneficios para clientes em tempos e lugares especificos, como decorrencia da realiza9ao de uma mudan~a desejada ao servic;o. Kotler e Armstrong afirmam que, "servi~o e tada atividade ou beneficia, essencialmente intangivel, que uma parte pede oferecer a outra e que nao resulte na posse de algum bern. A prestac;:ao de um servi~a pode au nao estar ligada a urn produto fisico" (1999, p. 455). Las Casas define servic;:os como "uma transac;:aa realizada por uma empresa au por urn individuo, cujo objetivo nao esta associado a transferencia de urn bern" (2001, p. 15). De acordo com Grandall (1996), quando a empresa esta orientada a servir as clientes obtera sucesso, porem, nao significa que nao vendera seus servic;:os, mas sim que utilizara as suas habilidades para satisfazer as necessidades destes,

24 23 criando urn relacionamento e desenvolvendo novas maneiras para satisfaze-ias continuamente. Ainda segundo Las Casas, "entre as muitas classificac;6es possiveis, uma delas considera 0 esfofc;o do consumidor na obtenc;:8o de servic;os. Neste sentido, as serviyos classificam-se em servic;:os de consumo e industriais" (2001, p. 17). Servic;:os de con sumo: Sao as- prestados diretamente ao consumidor final. Nesta categoria, eles S8 subdividem em: De conveniencia - ocorre quando 0 consumidor nao quer perder tempo em procurar a empresa prestadora de servic;os par nao haver diferenc;as perceptive is entre elas. De escolha - caracteriza-se quando alguns servic;os tern custos diferenciados de acordo com a qualidade e tipo de serviyos prestados, prestigio da empresa, etc.. De especialidade - sao altamente tecnicos e especializados. 0 consumidor neste caso fara todo a esforyo possivel para obter serviyos de especialistas. Serviyos industria is: sao aqueles prestados a organizay6es industria is, comerciais ou institucionais. Nesta categoria pod em ser: De equipamentos - sao servi<;os relacionados como, instala<;ao, montagem de equipamentos ou manuten<;ao. De facilidade - nesse caso, estao incluidos os servi<;os financeiros, de seguros, etc., pois facilitam as operay6es da empresa.

25 24 De consultoria/orientayc30 - sao os que auxiliam nas tomadas de decisao e incluem servi<;os de consultoria, pesquisa e educar:;::c3o. Para poder diferenciar os servi~os de produlos por sua inlangibilidade, defini- S8 que uma mercadoria e urn objeto, enquanto serviyo tern grandes implicar:;::6es na maneira como as clientes de servir:;::os formam suas impress6es e como as que fazem a marketing de servi<;os abordam sua tarefa. Os clientes nad podem ver urn servir:;::o, mas podem ver diversos tangiveis associados ads servic;:os. (BERRY e PARASSURAMAN,1995). Segundo Cobra (2001), "as desafios competitivos no setor de serviyos sao hoje tao grandes que as empresas nad podem S8 acomodar imaginando que a demanda para seus serviyos sera mantida em patamares que viabilizam a seu neg6cio. Ao contrario, a perda de demanda no setar de servi.yos pode ocorrer num piscar de olhos" Para Lovelock e Wright, planejar para 0 sucesso significa, atender e superar as expectativas dos clientes implica mais do que apenas sorte e um conceito atraente de servico. Exige uma abordagem sistematica de todos os elementos que constituem a experiencia de servico. A partir dele, dependendo da eficacia com que uma empresa orquestrar os processos de entrega tanto de suas ofertas basicas de servic;os como de suas ofertas suplementares. ( 2001, p. 153 ). Para Cobra (2001), reter os clientes atuais e buscar novos e uma luta incessante, que deve estar apoiada em tecnologia diferenciada, em custos competitivos e, sobretudo, em novos e atraentes servi<;:os. 0 raciocinio estrategico deve ser permanente, na busca de solu<;:oes duradouras que proporcionem vantagens competitivas.

26 25 Cobra, ainda comenta que, a todd 0 momento surgem amear;:as aos neg6cios de urn servir;:o, vinda do meia ambiente, como fatores econ6micos e politicos, inovar;:6es tecnol6gicas au mesmo do ambiente interna. 0 fata e que uma empresa de serviryos precisa estar atenta, pais a seu neg6cio pode se tamar obsoleto, par mais que eja possua vantagens competitivas_ [S50 significa, portanto, que empresas organizacionais exigem uma pronta resposta, au seja, e preciso corrigir falhas operacionais, pois urn serviryo, para se manter competitiv~, precisa primar pela qualidade, entre oulros aspectos. (2001, p. 56). Sabre a compreensao dos produtos do servigo, Lovelock e Wright esclarecem que, a criar;:ao de uma vanlagem competitiva calcca desafios especiais para os fornecedores de servic;o, que freqoentemente se veem compelindo nao s6 com outros servi90s mas, tambem, com bens e opc;oes de auto-atendimento dos clientes. Uma vez que as clientes buscam satlsfazer necessidades especificas, geralmente consideram alternativas razoaveis que ofere9am beneficios em grande parte simi lares. Muitos servic;os baseiam-se numa jun9a.o de bens e servic;os para satisfazer as necessidades dos clientes (2001, p. 156). Para sobreviver e tomar-se bern sucedidas, as institui96es devem conhecer seus mercados, atrair recursos suficientes, converter esses recursos em programas, servi90s e ideias apropriadas e distribui-ios eficazmente aos varios publicos consumidores. Estas tarefas sao conduzidas em uma estrutura de a9ao voluntaria por todas as partes interessadas. 0 estudo dos servi90s nunca foi tao necessario nos tempos modernos. Servi90 sera 0 melhor caminho para criar e manter diferenciais competitivos neste mercado repleto de produtos com alto grau de desenvolvimento tecnol6gico e baixo grau de diferencial em suas caracteristicas. Ja a qualidade do servi90 e a base do Marketing de Servi90s, enquanto no Marketing de Produtos e 0 seu desempenho. Nos servi90s as atividades de p6s-venda tanto quanto a comunica9ao boca-a-boca tem papel destacado na conquista da lealdade do usuario. (COBRA, 2001).

27 26 Urn Marketing de Servic;os eficaz parte de urn s61ido conceito do servic;o muito bern executado, e necessaria uma sinergia entre estrategia e execuc;ao, entre marketing e produc;3o. Pode-s8 verificar que 0 servic;o, na sua grande maiaria, e realizado par pessoas com suas diferenc;as, entad, 0 processo de 5e1898o, treinamento e motivac;ao dos funcionarios, e realizado e este ambiente faz parte da promessa do servic;o. Da mesma forma que existem diferenc;as entre os funcionarios dentro do ambiente de uma empresa, existem dentes com caracteristicas e personalidades diferentes. E necessaria que todos que estejam envolvidos neste processo, tambem estejam preparados para conhecer seus clientes, de forma a suprir suas expectativas e necessidades, garantindo um servivo de relacionamento duradouro e de qualidade. 2.3 MARKETING DE RELACIONAMENTO Na visao de Gordon (1999), 0 marketing de relacionamento pode ser considerado como 0 instrumento unificador das iniciativas estrategicas que relegou ao passado 0 marketing, a produvao e qualquer outra iniciativa de massa. De acordo com Takala e Usitalo (1996). a marketing de relacionamento difere substancialmente do marketing de massa, uma vez que nao visa um aumento temporario de vendas, mas busca a criavao do envolvimento e lealdade, construindo urn lago permanente com a cliente.

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária Danielle Andrade Sousa Índice 1 O marketing de serviços e a exigência de mercado 1 2 Mas afinal, como ficam publicidade e propaganda? 4

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Palavras-chave: Comunicação Estratégica; Composto de Marketing e micro e pequenas empresas.

Palavras-chave: Comunicação Estratégica; Composto de Marketing e micro e pequenas empresas. A COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA E O COMPOSTO DE MARKETING: UMA INTEGRAÇÃO DE SUCESSO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE JOÃO PESSOA Evalena Lima Cabral (1) ; Patrícia Morais da Silva (3), Mitchell Figueiredo

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA Luciano Matos Nobre1 Autor Universidade Tiradentes nobre_matos_luciano@yahoo.com.br Marisa Marchi Uchôa Espindola2 Co-autora Universidade Tiradentes

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores.

Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Novos Caminhos Grupo JCA Uma estratégia de transformação organizacional a partir da cultura e dos valores. Período: Março 2010 a junho 2011 Categoria: Adesão dos Colaboradores Sumário: O trabalho relata

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUINTO SEMESTRE!!! 2 Nossos encontros AULÃO 3 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 Critérios AV I: Redação Critérios AV I: Redação Serão descontados pontos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS PRESTADOS NOS HOTÉIS DE CATEGORIA QUATRO ESTRELAS NA CIDADE DE MANAUS Érica de Souza Rabelo 1 Helen Rita M. Coutinho 2 RESUMO Este artigo científico tem

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

A Importância dos Eventos Empresariais

A Importância dos Eventos Empresariais A Importância dos Eventos Empresariais Camila Ferreira 1 Resumo: Este trabalho tem o objetivo de analisar o que é um evento empresarial,quais as suas diferentes nomenclaturas, a importância e influência

Leia mais

Confeitaria Dona Inês: projeto de reposicionamento de imagem e comunicação empresarial 1

Confeitaria Dona Inês: projeto de reposicionamento de imagem e comunicação empresarial 1 Confeitaria Dona Inês: projeto de reposicionamento de imagem e comunicação empresarial 1 Martina Lerina 2 Danielle Miranda da Silva 3 Helenice Carvalho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 2 - Conceitos básicos de marketing

introdução a publicidade & propaganda Aula 2 - Conceitos básicos de marketing introdução a publicidade & propaganda Aula 2 - Conceitos básicos de marketing professor Rafael Ho mann De nição Conjunto de estratégias empresariais que visam adequar seus produtos, serviços, etc. às necessidades

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO Os 4 Ps CONCEITO DE PRODUTO E SERVIÇO Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente

Leia mais

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA

IDENTIFICANDO O HÓSPEDE EM PONTA GROSSA ATRAVÉS DO MÉTODO DE PESQUISA DE DEMANDA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO (

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao 1 Composto de marketing é um conjunto de instrumentos geradores de ações para direcionar a demanda de produtos e realização

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

GRADUAÇÃO FTS ADM. EMPRESAS

GRADUAÇÃO FTS ADM. EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO MERCADOLOGICA I GRADUAÇÃO FTS ADM. EMPRESAS ADMINISTRAÇÃO MERCADOLOGICA I MARKETING MIX 1. James Culliton (dec. 1940 EUA) que chamava os executivos de liquidificadores (mixers) - materializarem

Leia mais

Um estudo de reposicionamento de marca

Um estudo de reposicionamento de marca Um estudo de reposicionamento de marca Lucelia Borges da Costa (UFSCar) lucelia_borges@yahoo.com.br João Carlos Ribeiro da Costa (Unicastelo) joaocarlosrc@gmail.com Resumo: Este trabalho tem como objetivo

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM ESTRATÉGIAS DE MARKETING NA HOTELARIA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM ESTRATÉGIAS DE MARKETING NA HOTELARIA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM ESTRATÉGIAS DE MARKETING NA HOTELARIA Por: Mariana Ribeiro Finatti Orientador Prof. Fernando Alves Rio de Janeiro 2011 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

MARKETING. É o conjunto de ações que objetivam captar e manter clientes através da satisfação das suas necessidades e expectativas.

MARKETING. É o conjunto de ações que objetivam captar e manter clientes através da satisfação das suas necessidades e expectativas. MARKETING É um processo social e administrativo pelo qual indivíduos e grupos obtêm as necessidades e o que desejam através da criação e troca de produtos e valor com outras pessoas. Philip Kotler Tornar

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ.

MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO. Djanira Nunes Barbosa. Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. MOTIVAÇÕES PARA O TURISMO Djanira Nunes Barbosa Faculdade Machado de Assis Santa Cruz - Rio de Janeiro - RJ. Resumo: O turismo visa uma inter-relação do homem, com o meio onde vive, sua cultura e seus

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Manual Etapa 5/Parte 1

Manual Etapa 5/Parte 1 NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Relacionando o negócio com o mercado Manual Etapa 5/Parte 1 Boas vindas e boas vendas! Olá, caro empreendedor! Você está ingressando na Etapa 5 do

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.902 O TURISMO DE EVENTOS ENQUANTO MECANISMO DE PRESERVAÇÃO E PROPAGAÇÃO DE IDENTIDADES CULTURAIS

Leia mais

Orientação das Empresas. Prof. Amaral

Orientação das Empresas. Prof. Amaral Orientação das Empresas Prof. Amaral Marketing é A ciência que faz as pessoas gastarem o que não têm com aquilo que elas não precisam. Autor Desconhecido Hierarquia das Necessidades Auto-Satisfação Auto

Leia mais

Emanuel Gomes Marques, MSc

Emanuel Gomes Marques, MSc Emanuel Gomes Marques, MSc Roteiro da Apresentação Organizações Organizações foram criadas para servir pessoas Processo administrativo Diferenças de pessoal Eficiência e eficácia Características das empresas

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Soluções Customizadas em Receitas

Soluções Customizadas em Receitas Soluções Customizadas em Receitas Com a IDeaS, o atendimento é de qualidade superior. Eles são muito atentos às nossas necessidades e dispostos a trabalhar conosco, seja para melhorias específicas ou simplesmente

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO

APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ RESUMO APLICABILIDADE DA GESTÃO EM MARKETING DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO NORTE E NOROESTE DO PARANÁ Pedro Henrique Coelho de Farias - FAFIJAN Marilei Kroll - FAFIJAN Geise Barbosa Correa - FAFIJAN José Antonio

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NA GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE LAGOAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia

Universidade. Estácio de Sá. Turismo, Hotelaria e Gastronomia Universidade Estácio de Sá Turismo, Hotelaria e Gastronomia A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

4. Função Marketing e Vendas

4. Função Marketing e Vendas 4. Função Marketing e Vendas Conteúdo 1. Conceitos de Marketing 2. Principais atividades do Marketing na Empresa 3. Evolução do Marketing 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração

Leia mais