Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro"

Transcrição

1 Os batismos entre 1825 a 1840, uma maneira de entender as disputas senhoriais na vila de Paty do Alferes, Rio de Janeiro Alan de Carvalho Souza 1 A proposta desse texto é analisar a disputa político-econômica senhorial entre os núcleos familiares Ribeiro de Avelar/Werneck e Xavier. Para o estudo será utilizado como fonte o livro de batismo de escravos da Vila de Paty do Alferes a partir do ano de O interesse aqui pelos registros paroquianos está ligado à porfia entre os grandes proprietários na então vila de Paty do Alferes durante seus treze anos de sede administrativa. Outra questão é apresentar o escravo como ser diretamente ativo na participação do embate senhorial em seu cotidiano. O batismo é a porta de entrada para a Igreja Católica, mas durante o século XIX foi realizado com diversos fins e em muitos momentos o intuito de celebração religiosa foi deixado de lado. O rito poderia ter a função de sancionar formalmente uma aliança anteriormente concebida (ENGEMANN, 2008: p. 107) e ao mesmo tempo fixar responsabilidade pública exercida na esfera privada (COSTA, 2009: p. 40). Entretanto, o batismo ligava o escravo a pessoas de níveis sociais distintos, como: forros - libertos; livres, senhores proprietários e também os companheiros de mazelas. O rito cerimonial demonstrava ainda a existência de uma sociabilidade de cativos de fazendas distintas quando apadrinhavam os inocentes de outro proprietário. Outro dado é a ligação dos proprietários que arrumavam padrinhos para seus escravos entre pessoas de sua esfera social-política, formando assim seus bandos (FRAGOSO, 2003) que se protegiam em função da política adotada inicialmente pela Coroa Portuguesa e seguida após a independência de privilegiar grupos rivais com doações e honrarias com a finalidade de proveito do governo central. Na ausência de um controle real de comprovação da posse durante todo o período da escravidão, o batismo, em muitos momentos foi utilizado para a obtenção de um registro que comprovasse a propriedade do cativo nascido dentro das fazendas. Os padrinhos eram acionados como testemunhas legítimas das informações trazidas a pia batismal: Quando um escravo era comprado, havia uma matrícula que servia como comprovante da posse. Porém o inocente nascido de uma escrava não era matriculado, já que não tinha ocorrido uma transação comercial. Dessa maneira o registro de batismo era a única forma de que dispunha o 1 Mestrando em História Política no Programa de Pós-Graduação da Universidade Severino Sombra. Bolsista CAPES. 1

2 proprietário para comprovar que alguns, dos escravos, nascidos em seus plantéis, eram efetivamente seus (NEVES apud FREIRE, 2009: p.5). Desta forma, o rito acabava mais por se transformar em um ato de controle dos cativos e, ao mesmo tempo vinculava os senhores proprietários entre si. O batismo confirmava redes de sociabilidades entre os próprios cativos e também demonstrava os desejos de pessoas livres sem influência política que se tornavam padrinhos de escravos com o objetivo de conseguir maior reconhecimento no espaço político. Assim sendo, a prática em seu sentido religioso em muitas ocasiões foi deixada, passando a representar várias formas de interesses humanos, desde busca por proteção e dependências para concessões de alforrias pelo escravo (COSTA, 2009: p.45) ao escolher padrinhos livres ou filhas de seus proprietários e redes de sociabilidade até as articulações políticas por meio de apoio e favores. O registro batismal em muitos momentos fornece dados importantíssimos para entender um pouco a forma como o proprietário lidava com sua escravaria. Os padrinhos são grandes exemplos desse comportamento, basta lembrar que muitos escravos escolhiam os padrinhos de seus filhos, mas muitos tinham os protetores escolhidos pelo proprietário. Mas, quando o escravo escolhia ou era escolhido por ele? Ao apresentar como padrinhos escravos ou ex-escravos, a possibilidade de terem sidos escolhidos pelos pais ou mãe do inocente é bastante provável, pois de algum modo suas vidas se cruzaram com mais freqüência. Mas quando o cativo tinha como padrinhos pessoas de classe social bem distinta, como as que pertenciam à classe de grandes proprietários, a probabilidade de terem sidos escolhidos pelo proprietário também se torna apreciável. A análise que será elaborada são de escravos pertencentes a três famílias de grandes plantéis 2 e por isso o exemplo não possa talvez ser aplicado ao pequeno senhor. A pesquisa realizada nos livros de batismo de escravos que compreende o período de 1825 a 1830 da vila de Paty do Alferes, levantou 235 assentos*. Destes dados foram retirados os assentos de cativos pertencentes a família Xavier e do núcleo familiar Ribeiro de Avelar/Werneck para serem analisados. A primeira família realizou 23 batismos, a Ribeiro de Avelar 14 enquanto a Werneck 15, representando 21,70% do total de batismo na localidade, 2 Para realizar a Base de batismo para o estudo foram considerados apenas as pessoas que apresentaram sobrenomes Lacerda,Werneck, Ribeiro de Avelar e Xavier. 2

3 os Xavier foram responsáveis por 9,8%, os Werneck representaram 6,4% e os Ribeiro de Avelar 5,9 %. Gráfico I Fonte livro de Batismo de escravos, Paty do Alferes. As informações retiradas do rito cerimonial sugerem várias confrontações com dados já apresentados nos trabalhos que balizam este estudo. Começando por mais uma vez individualizando a família Xavier, que conforme apresentado, levou à pia batismal 23 inocentes, desse número apenas três não tiveram como padrinhos pessoas livres 3, o que representa 13,04% do seu total. Mas qual a implicação desses dados apresentados por meio dos cativos da família Xavier? Como estes escravos apresentaram 86,96% de padrinhos livres, foi possível estabelecer comparações com o estudo de Tarcílio Botelho para freguesia de Montes Claros, quando verificou-se uma porcentagem de 80% de livres sendo padrinhos (BOTELHO apud FREIRE, 2009: p. 8). Diferentemente, o estudo de Ana Lugão quando apresentou um equilíbrio nas porcentagens de padrinhos na região de Paraíba do Sul [Rio de Janeiro] durante o século XIX ao realçar que 48,6% eram cativos (RIOS apud FREIRE, 2009: p. 8). A porcentagem trazida por Lugão em uma região fronteiriça a Paty do Alferes evidencia um modo diferente de tratamento dispensado aos cativos por parte dos Xavier, ao 3 Pessoas livres ou portadoras de sobrenome que o sugeriam 3

4 proporcionar apenas três batizados não sendo os padrinhos pessoas livres, mas padrinhos pardos sem a informação se eram ou não escravos. José Roberto Góes em seu estudo durante a primeira metade do século XIX na freguesia de Inhaúma no Rio de Janeiro, mesmo período dos batismos realizado em Paty do Alferes, reparou que 66,6% dos pais e mães escolhiam cativos para serem padrinhos (GÓES apud FREIRE, 2009: p. 8-9), demonstrando um alto índice de sociabilidade entre comunidade cativa que aumenta ainda mais se considerar a participação de ex-escravos no rito batismal, quando a porcentagem chega a 90,6% dos padrinhos (Idem). A família Werneck apresentou no mesmo período uma posição diferente da Xavier frente a pia batismal. Dos 15 inocentes levados ao batizado, apenas dois tiveram como padrinhos pessoas livres [13,33%], enquanto 13 tiveram cativos e pardos como protetores. A forma como a família Werneck se posicionava estava mais de acordo com as informações encontradas por Góes, apresentando um número superior em relação aos padrinhos escravos e tendo um aumento ainda maior quando somado com os forros, que no caso da Werneck chegou a [86,67] dos batizados, praticamente o inverso apresentado pela família Xavier. Diferenciando um pouco, mas não muito do apresentado pela Werneck, a Ribeiro de Avelar apresentou dos 14 escravos batizados a seguinte porcentagem: 71,43% dos batismos tiveram como padrinhos escravos e pardos; sendo o restante 28,57% tendo como padrinhos pessoas livres. Na análise de Jonis Freire (FREIRE, 2009: p.16) realizada na freguesia do Senhor Bom Jesus do Rio Pardo durante o período de , foi descoberto uma superioridade de padrinhos livres em relação aos escravos e forros, chegando a margem de 69,2%, 30,6% e a 0,2% respectivamente. Essas informações confrontadas com as das famílias aqui pesquisadas ficam mais próximas da situação encontrada dentro das propriedades da família Xavier em relação às demais, principalmente em relação aos protetores livres. Mas qual a implicação desses dados apresentados até então? O período da realização dos batismos é exatamente o mesmo em que houve um afunilamento das disputas políticas, quando deveria ter ocorrido a implantação da sede administrativa da recém criada vila de Paty do Alferes, mas que acabou não acontecendo, sendo transferida para Vassouras no ano de É necessário informar que há uma ausência referente aos batismos realizados entre os anos de 1830 a 1833, conforme informa José da Silva Oliveira em sua monografia (OLIVEIRA, 2007) e por isso a abordagem inicial é limitada até o ano de

5 Voltando às implicações políticas da vila, o levantamento de como essas famílias batizava seus escravos é bastante relevante para um melhor entendimento de suas relações com os próprios cativos e o mais interessante é a maneira como uma dessas famílias se utilizava da pia batismal para fortalecer seus laços que podem ser considerados políticos ou de fortalecimento de sua relação com membros da elite local objetivando uma maior proteção. Conforme apresentado a família Xavier realizou nesse período 23 batismos e desses 20 tiveram como padrinhos pessoas livres e ainda mais interessante é a quantidade de inocentes batizados pelos mesmos 20 da elite local. Em seis batismos Luiz França ou de França foi padrinho acompanhado uma vez de sua filha e o restante de sua esposa, mas qual a importância do Sr. França? Durante a busca e para um melhor entendimento das questões políticas da vila de Paty do Alferes e da condenação do escravo Manoel Congo de propriedade da família Xavier, foram levantados alguns processos no período entre pouco antes da transferência da sede [ ] e da condenação do cativo [1839], nos quais aparecia como principal representante da família Xavier, Manoel Francisco Xavier. A família em questão apresentou para minha surpresa o Srº Luiz de França, que figurou por meio de um documento de procuração como representante do principal membro da família Xavier no processo de força nova 4 movido contra Manoel Vieira pela disputa de um terreno. Outro que também figurou como padrinho dos escravos foi Gil Francisco Xavier 5 filho adotivo de Manoel Francisco Xavier e herdeiro de suas duas fazendas: Maravilha e Freguesia (STULZER, 1944, p.59). Essa informação trazida pelo batismo demonstra uma preocupação ou proteção para que pessoas ligadas ou pertencentes à família participasse como testemunha desse momento de reconhecimento público de mais uma peça da escravaria. Ainda na análise dos padrinhos muitos outros figuraram como membros do bando da família Xavier, tais como: Coronel Joaquim Alberto de Souza da Silveira; Vicente Borges de Carvalho; tenente Bento Borges de Carvalho, talvez pelo sobre nome irmão de Vicente, José Porcino Pereira; Severino 4 Documento CDH. Centro de Documentação Histórica da Universidade Severino Sombra. Vassouras, Rio de Janeiro. 5 Foi batizado em 11 de maio de 1824, casou-se em 13 de fevereiro de 1851 com Enídia Francisca Feijó. Tornouse comandante da guarda Nacional da cidade de Vassouras e tinha a fama de ser muito garboso e também era viciado em jogo, vício pelo qual hipotecou e perdeu a fazenda da Freguesia para o dr. Joaquim Teixeira de Castro, vindouro visconde de Arcozelo. Gil Francisco acabou falecendo muito pobre ainda relativamente novo aos 53 anos em 19 de novembro de

6 Jose de França; Felisberto Jozé da Silveira; Manoel da Costa e Luiz José de França. Toda essa variedade de nomes demonstra uma preocupação por parte da família Xavier em alargar ou se cercar de aliados por meio do batismo de seus escravos, algo não praticado nesse período de pelo núcleo familiar Ribeiro de Avelar/Werneck. Outro livro de batismo escravo utilizado neste processo de reconhecimento do grupo em que estava inserido o capitão mor foi o livro 2 6, no qual foram retirados os assentos batismais referentes ao ano de 1833 a 1840, totalizando 667 batismos. Novamente as três famílias foram separadas e estudadas individualmente e novamente a surpresa esteve presente nos dados recolhidos. A família Werneck batizou 81 inocentes, desse total, 55 tiveram como padrinhos escravos ou pardos representando 67,90%, enquanto os padrinhos livres batizaram 26 inocentes, perfazendo 32,10% do total dos batismos da família. Mais uma vez a família apresentou uma quantidade maior de padrinhos escravos, mas com uma queda um pouco maior que 20% se comparada ao período de Por sua vez a família Ribeiro de Avelar apresentou dos 39 batismos realizados de 1833 a 1840, padrinhos escravos batizando 79,50% das crianças [31], e por sua vez os livres realizaram 20,50% do total da família [8] e comparando com o período anterior, nota-se certo equilíbrio: 76,93% e 23,07% respectivamente. Enquanto a família Xavier manteve a sua linha de batizar em sua maioria os escravos com padrinhos livres, 81,48% [22] do total de 27 batismos e o restante de 18,52% [5] sendo batizados por escravos. Os padrinhos livres dos escravos da família Xavier pertenciam ou tinham grande acesso na elite local, não sendo observado liberto ou forro. Mas esse segundo período de batismo realizado na freguesia de Paty do Alferes causou grande surpresa e possibilidade para um melhor entendimento de Manoel Francisco Xavier ter sido taxado como um mal senhor pelo núcleo familiar rival. Em outra ocasião tem sido feridos homens brancos e espancados mortalmente capatazes desta grande fazenda; fatos que o mesmo capitão-mor trata de capear e esconder, e só se sabe por seus fâmulos ou escravos, que dizem debaixo do maior segredo. Tantos fatos tem sucedidos ultimamente, por espaço de quatro anos [...](SOUZA, 1972:p. 43) A propriedade do capitão apresentava uma completa falta de governo sendo observada prática de espancamentos e assassinatos dentro do seu domínio, segundo a citação retirada da comunicação do Juiz de paz. Mas o único assassinato que se teve notícia dentro dos limites da fazenda foi o do escravo Camilo cometida pelo feitor Jacques crioulo no ano de Livro de Batismo escravo. Paróquia Nossa Senhora da Conceição, Paty do Alferes, Rio de Janeiro. 6

7 Conforme a passagem que serviu de base para a afirmação de estado de anarquia da fazenda pelo juiz de paz, José Pinheiro de Souza Werneck era esperado a abertura de alguns processos contra os crimes cometidos, mas não se observa nesse período nenhuma ação judicial relatando tais acontecimentos. O levantamento dos dados compreendendo de 1833 a 1840 proporcionou uma possibilidade de entendimento da conseqüência da extinção da vila e a mudança para Vassouras, apoiada de núcleo familiar Ribeiro de Avelar/Werneck. Os anos de 1833 e 34 foram os únicos a apresentarem batismos realizados pela família, posteriormente até 1840 não foi encontrado nenhum outro assento de cativos. O capitão mor Manoel Francisco Xavier faleceu em 1840 e somente após sua morte que a família Xavier voltou a realizar o rito de reconhecimento público de seus novos cativos, batismo, apresentando 11 ritos no mesmo ano. Durante os anos de 1835, 36, 37, 38 e 1839 não foi realizado nenhum único rito referente aos seus escravos. O período de ausência é exatamente o mesmo da insurreição quando foi informado o estado de anarquia pelo juiz de paz, José Pinheiro de Souza Wernck e também pelo chefe da guarda Nacional, Francisco Peixoto de Lacerda Werneck ao presidente de província Paulino José Soares de Sousa em que se encontravam as fazendas da família Xavier (SOUZA, 1972, p.44). O que se observa desta disputa é um afastamento do capitão mor após a transferência da sede da vila de Paty do Alferes para Vassouras em Foi a partir da mudança que o proprietário passou a resolver internamente as questões de suas fazendas e não mais levando ao conhecimento das autoridades civis e religiosas, e talvez em função dessa atitude o uso da anarquia para descrever as suas fazendas pela família Werneck. Este período fornece um novo dado, o qual serve para a queda de que as propriedades se encontravam em completa anarquia, conforme observava o chefe da guarda Nacional e o juiz de paz. O núcleo Ribeiro de Avelar/Werneck realizou durante os anos de 1833 e 1834 um total de 25 batismos e neles encontrados 12 filhos legítimos, ou seja, com a presença de pai e mãe e 13 filhos naturais, só com a presença da mãe. Por sua vez a Xavier ofereceu 16 batismos, todos de filhos legítimos. Mas qual a implicação desse dado? O principal fator é a formação da família, o escravo que tem sua família está menos predisposto a realizar insurreições. Segundo Manolo Florentino e José Roberto Góes, observaram que: 7

8 Organizado a vida no cativeiro, a família amainava os enfrentamentos entre cativos [...] A pacificação e a organização parental eram importantes também ao próprio sistema sem se constituir em instrumento direto de controle senhorial, a família escrava funcionava como elemento de estabilização social, ao permitir ao senhor auferir uma renda política (FLORENTINO e GÓES apud MACHADO, 2008: p.105) Outra observação é a conquista de seu espaço dentro da própria senzala, quando o chefe de família tinha um quarto em que apenas compartilha com mulher e filhos. Dessa forma, observando às famílias da escravaria do núcleo familiar Ribeiro de Avelar/Werneck estaria mais propensa a um motim do que a Xavier. Levando a observação para o momento compreendido entre 1825 a 1830, os dados ratificam a possibilidade dos escravos do núcleo familiar estarem mais propício ao motim. Dos 29 inocentes levados a Pia batismal, apenas seis eram legítimos, enquanto a Xavier de seus 23 inocentes apenas quatro eram naturais. As informações apresentadas demonstram uma grande quantidade de famílias dentro da senzala dos Xavier, o que poderia dificultar e muito a formação de um estado de anarquia, conforme observou os dois membros da família Werneck. Com os dados apresentados e as confrontações realizadas demonstram um maior controle da senzala por parte da família Xavier do que o núcleo familiar Ribeiro de Avelar/Werneck. Sendo talvez em função da atitude adotada pelo capitão mor de não mais levar ao conhecimento público as suas questões, ter sido suas propriedades taxadas como anarquias. FONTES: Documento CDH. Centro de Documentação Histórica da Universidade Severino Sombra. Vassouras, Rio de Janeiro. Livro I de Batismos de escravos [ ]. Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Paty do Alferes. Livro II de batismos de escravos [ ]. Paróquia Nossa Senhora da Conceição de Paty do Alferes. SOUZA, Jose Antonio Soares de. O efêmero Quilombo de Pati do Alferes. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro, 295, Vassourense de 28 de junho de Casa da Hera, Vassouras, Rio de Janeiro. Referências Bibliográficas: 8

9 COSTA, Suely Gomes. Sociabilidade políticas e relações de gênero: ritos domésticos e religiosos no Rio de Janeiro do século XIX. Disponível em: Acesso em 30 de Janeiro de ENGEMANN, Carlos. De laços e de nós. Rio de Janeiro: Apicuri, FRAGOSO. João. A nobreza vive em bandos; a economia política das melhores famílias da terra do Rio de Janeiro, século XVII. Departamento de História da UFRJ. FREIRE, Jonis. Compradio em uma freguesia escravista: Senhor Bom Jesus do Rio Pardo (MG) ( ). Disponível em:<http://www.googleacademico.com.br>. Acesso em 30 de Janeiro de 2009 MACHADO, Cacilda. A trama das Vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social do Brasil escravista. Rio de Janeiro: Apicuri, OLIVEIRA, José da Silva. Redes Políticas e Sociais na fazenda da Freguesia. 49. Monografia (Graduação em História) Universidade Severino Sombra, USS Vassouras, Rio de Janeiro, RAPOSO, Ignácio. História de Vassouras. Niterói, Seec, STULZER, Aurélio (frei). Notas para a história da Villa de Pati do Alferes. Dezembro

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ)

Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Local: Cais do Valongo Rio de Janeiro - (RJ) Em 1774, o Vice-Rei Marquês do Lavradio determinou que passasse a ficar fora dos limites da cidade do Rio de Janeiro o comércio de africanos. O novo local escolhido

Leia mais

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil

Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Afro-Ásia ISSN: 0002-0591 revista.afroasia@gmail.com Universidade Federal da Bahia Brasil Vasconcellos, Marcia Cristina de O compadrio entre escravos numa comunidade em transformação (Mambucaba, Angra

Leia mais

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br

(1871-1888). Desafios e possibilidades Daniela Fagundes Portela 1 Faculdade de Educação da USP. e-mail: danifportela@uol.com.br Registros de Batismo da Paróquia Nossa Senhora Penha de França: Uma fonte para o estudo do cotidiano privado das crianças negras livres na província de São Paulo (1871-1888). Desafios e possibilidades

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX.

PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX. PARENTES, ALIADOS, INIMIGOS: O PARENTESCO SIMBÓLICO ENTRE OS ESCRAVOS NA CIDADE DE PELOTAS, 1830/1850, SÉCULO XIX. NATÁLIA GARCIA PINTO 1 A pesquisa que ora apresentamos versa sobre as relações familiares

Leia mais

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835)

ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) ENTRE PADRINHOS E COMPADRES: OS AFRICANOS NOS LIVROS DE BATISMOS EM SERGIPE (1785-1835) 1 JOCENEIDE CUNHA Nos anos oitenta do século XX, surgiu a chamada nova historiografia da escravidão. Entre os pesquisadores

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO

NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO NOVOS OLHARES SOBRE A ESCRAVIDÃO Charles Nascimento de SÁ charles.as@superig.com.br FTC/FACSA A escravidão no Brasil tem nos maus tratos e na violência do sistema sua principal afirmação. Ao longo das

Leia mais

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO

O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO O PARENTESCO RITUAL NA SOCIEDADE ESCRAVISTA RIO-PARDENSE FREGUESIA NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO RIO PARDO (1845 a 1865). Roberta França Vieira Zettel Mestranda da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia mais

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire

O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire O Parentesco e a estabilidade das famílias escravas nas Minas Gerais oitocentista Jonis Freire Área Temática 01 História econômica e demografia histórica Resumo: O artigo trata das relações familiares

Leia mais

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos

TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos TRÔPEGOS PASSOS : A instrução no Piauí dos Oitocentos Priscila de Moura Souza 1 Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz 2 Introdução O presente texto busca analisar os primeiros processos de ensino aprendizagem,

Leia mais

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

A Tesouraria e sua Atividade na Igreja 20. Minhas Anotações: ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...

A Tesouraria e sua Atividade na Igreja 20. Minhas Anotações: ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ... A Tesouraria e sua Atividade na Igreja 20 Minhas Anotações: Uso do Texto: autorizo a utilização de parte ou totalidade deste texto, com o objetivo de promover o crescimento e elevo espiritual dos irmãos

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Solução do caso É TUDO VERDADE! Em julho de 1813, o verdadeiro Francisco José Rebello enviou seu requerimento ao juiz municipal do Desterro. Este requerimento e todos os outros documentos que compõem a

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

Tecer redes, proteger relações: portugueses e africanos na vivência do compadrio (Minas Gerais, 1720-1750)

Tecer redes, proteger relações: portugueses e africanos na vivência do compadrio (Minas Gerais, 1720-1750) Tecer redes, proteger relações: portugueses e africanos na vivência do compadrio (Minas Gerais, 1720-1750) (...) que sabe por ser público e notório que Manuel do Rego Tinoco anda concubinado com uma negra,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS TEMPLO CENTRAL - IEADTC

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS TEMPLO CENTRAL - IEADTC IEADTC IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS TEMPLO CENTRAL - IEADTC Rua Tereza Cristina, 673, Centro Fone: (85) 4008 5200 Fortaleza-CE contato@adtemplocentral.com secretaria@adtemplocentral.com DIRETORIA

Leia mais

O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723)

O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723) Anais do Seminário Nacional de História da Historiografia: historiografia brasileira e modernidade O Ribeirão de Nossa Senhora do Carmo: a primeira Vila do Ouro e sua população (1723) Moacir Rodrigo de

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil.

O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. ATIVIDADE 01 MANIFESTAÇÕES DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA O nosso jeito de falar, de gesticular, de cultuar e rezar, de ser e de viver, é profundamente marcado pela presença dos africanos no Brasil. Com eles

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ

Janaina Christina Perrayon Lopes Mestranda UFRJ Casamentos de escravos e forros nas freguesias da Candelária, São Francisco Xavier e Jacarepaguá: uma contribuição aos padrões de sociabilidade marital no Rio de Janeiro (c.1800-c. 1850) Janaina Christina

Leia mais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886)

A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886) A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886) Ricardo Pirola No dia 15 de outubro de 1886 foi aprova a lei que determinava o fim da pena de açoites no Brasil. 1 Os trabalhos

Leia mais

ANAIS DA V JORNADA SETECENTISTA Curitiba, 26 a 28 de novembro de 2003

ANAIS DA V JORNADA SETECENTISTA Curitiba, 26 a 28 de novembro de 2003 Encontros e escolhas em Desterro: libertos da ilha de Santa Catarina (1800-1819) Ana Paula Wagner * Corria o ano de 1808, quando, em vinte e nove de agosto, na Paróquia de Nossa Senhora do Desterro, casavam-se

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS

CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS CODIFICAÇÃO DO BANCO DE DADOS PROJETO AFRICANOS SENHORES DE SUAS CASAS A. LIVRO Anotar número do livro. B. FOLHAS Anotar número inicial e final de cada testamento. C. DATA Anotar a data do documento (dia/mês/ano4dígitos).

Leia mais

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875

FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 FAMÍLIAS CATIVAS NO PONTAL DO TRIÂNGULO MINEIRO MG: REGISTROS DE BATISMO E MATRIMÔNIO DE ESCRAVOS NO ANTIGO ARRAIAL DE CAMPO BELO, 1835-1875 Aurelino José Ferreira Filho 1 Túlio Andrade dos Santos 2 A

Leia mais

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835)

AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) AS MULHERES NAS IRMANDADES DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS DE SERGIPE (1751-1835) Joceneide Cunha (UFBA/UNEB) jocunha@infonet.com.br Nos Setecentos, nasceu na vila sertaneja do Lagarto,em tão remotas distâncias

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758)

A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758) A SENZALA EM MOVIMENTO: NOTAS SOBRE OS PRIMÓRDIOS DA FAMÍLIA ESCRAVA NOS CAMPOS DE VIAMÃO (1747-1758) Márcio Munhoz Blanco 1 O presente texto integra o segundo capítulo de minha dissertação de mestrado

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste

Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava serão abordados neste Meninos Livres, Mãe Escrava Vera Lúcia Braga de Moura 1 Antes de o escravo nascer sofre na mãe 2 assim preconizava o pernambucano Joaquim Nabuco na sua luta pela abolição. Os filhos livres de mãe escrava

Leia mais

O JUÍZO PRELIMINAR III SITUAÇÃO NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA CASO O PROCURADOR. Documento Público

O JUÍZO PRELIMINAR III SITUAÇÃO NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA CASO O PROCURADOR. Documento Público ICC-01/05-01/08-15-tPOR 01-08-2008 1/11 VW PT Original: francês N. : ICC 01/05 01/08 Data: 10 de Junho de 2008 O JUÍZO PRELIMINAR III Composto pelos seguintes membros: Sr. a Dr. a Fatoumata Dembele Diarra,

Leia mais

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757

Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Batismo e solidariedade na Vila de Sabará, 1723-1757 Ana Luiza de Castro Pereira Batismo: o primeiro de todos os sacramentos cristãos O primeiro dos Sacramentos católicos, o ritual do Batismo é responsável

Leia mais

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850)

Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Batismos de Escravos em Iguape (1811-1850) Introdução Agnaldo Valentin 1 José Flávio Motta 2 Nossa atenção neste artigo recai sobre os batismos das crianças escravas nascidas em Iguape entre 1811 e 1850.

Leia mais

O GAÚCHO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DO INSTITUTO DE HISTÓRIA E TRADIÇÕES DO RIO GRANDE DO SUL

O GAÚCHO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DO INSTITUTO DE HISTÓRIA E TRADIÇÕES DO RIO GRANDE DO SUL O GAÚCHO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DO INSTITUTO DE HISTÓRIA E TRADIÇÕES DO RIO GRANDE DO SUL 20 anos do IHTRGS Fundado no Sesquicentenário da Batalha do Seival Ano 2007 Nr 51 MEMÓRIA DO PROCESSO

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional EM ÁGUAS DO ATLÂNTICO SUL: escravos-marinheiros no cais do porto de Itajaí (SC) no século XIX. José Bento Rosa da Silva Manoel Caetano Vieira, era

Leia mais

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO CIVIL E DIREITO PROCESSUAL CIVIL PEÇA PROFISSIONAL Márcia, vendedora domiciliada na cidade de São Paulo SP, alega ter engravidado após relacionamento amoroso exclusivo com Pedro, representante

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: AS ESPACIALIDADES COMO COMPONENTES DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR NO ANO DE

ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: AS ESPACIALIDADES COMO COMPONENTES DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR NO ANO DE 146 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO: AS ESPACIALIDADES COMO COMPONENTES DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NA CIDADE DE PONTA

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014

II Encontros Coloniais Natal, de 29 a 30 de maio de 2014 Padre Simão Rodrigues de Sá, um patriarca de batina José Rodrigues da Silva Filho Graduado em História, UFRN Orientadora: Carmen Margarida Oliveira Alveal rodrigues.omagno@gmail.com Quando se trata de

Leia mais

GENEALOGIA FLUMINENSE Região Serrana - Genealogias

GENEALOGIA FLUMINENSE Região Serrana - Genealogias JACINTO Francisco Antônio Jacinto foi casado com Germana Rosa Jardim. Ambos ilhéus. Ela morreu em Itaocara a 22 de dezembro de 1867 com 60 anos de idade. Ele, então, voltou a se casar em Itaocara às 3

Leia mais

RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890.

RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890. RIQUEZA, POBREZA E ESCRAVIDÃO NO ARRAIAL DE SÃO JOSÉ DO RIO TIJUCO, 1832-1890. Pedro Affonso Oliveira Filho - UFU Raphaela Aleixo Barbosa - UFU RESUMO: Objetiva-se neste trabalho analisar os papéis desempenhados

Leia mais

O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA

O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA 95 O MUNDO DA ESCRAVA GUILHERMINA VALENÇA PROVÍNCIA DO RIO DE JANEIRO Regina Faria Arieira* Lá na úmida senzala, Sentado na estreita sala, Junto ao braseiro, no chão, Entoa o escravo o seu canto, E ao

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ.

O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ. O PERFIL DO FIÉL NO CULTO AO SANTO POPULAR: O CASO CLODIMAR PEDROSA LÔ EM MARINGÁ. VIANA, Roberto dos Santos(LERR/UEM). ANDRADE, Solange Ramos Os estudos das diferentes praticas e manifestações do catolicismo,

Leia mais

"JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA".

JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA. "JOSÉ LEÃO, UM MITO SANTO E O CLAMOR DE UM POVO POR JUSTIÇA". Capela de José Leão. Erguida em honra ao jovem assassinado no ano de 1877. Fonte: Foto do Portal Cabuginet. A História de José Leão é cercada

Leia mais

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é

3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é 3.4 Patrimônio histórico e cultural O Pólo Costa do Delta conta com 18 bens tombados, sendo 17 em Teresina e 1 em Parnaíba. Destes, a totalidade é tombada em nível estadual, apenas um bem é tombado pela

Leia mais

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo²

Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1368 METODOLOGIAS PARA A HISTÓRIA SOCIAL: A TRAJETÓRIA DE INDIVÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA ATRAVÉS DA DOCUMENTAÇÃO PAROQUIAL, JUDICIÁRIA E CARTORIAL (1870 1930) Francemberg Reis¹; Lucilene Reginaldo² 1.

Leia mais

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva Biografia Jessé de Souza Nascimento, nascido em 11/04/1986 em um lar evangélico. Filho de Adão Joaquim Nascimento e Maria de Souza Nascimento. Cresceu sendo ensinado dentro da palavra de Deus e desde muito

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL O objetivo desta mensagem é motivar e equipar você a preparar e usar seu testemunho ao compartilhar sua fé com outros. Esta lição ajudará você a: 1. Conhecer

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo

100 anos do Arquivo Histórico Municipal: Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Painel 11 / 15 um olhar sobre um precioso acervo Série Obras Públicas Além de documentos textuais, o Arquivo Histórico Municipal guarda em seu acervo inúmeras plantas, mapas e projetos, sejam eles arquitetônicos

Leia mais

Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1

Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1 Redescobrindo o Poder Judiciário Paranaense: o acervo do arquivo Público do Paraná Bruna Marina Portela 1 Um trabalho inovador No primeiro semestre de 2004, o Arquivo Público do Paraná inovou o trabalho

Leia mais

Livro de Óbito de Livres e Forros da Freguesia de Jacutinga 1785 até 1809 Siglas: ST e CT (sem ou com testamento)

Livro de Óbito de Livres e Forros da Freguesia de Jacutinga 1785 até 1809 Siglas: ST e CT (sem ou com testamento) Freguesia de Santo Antonio de Jacutinga Livro de Óbito de Livres e Forros da Freguesia de Jacutinga 1785 até 1809 Siglas: ST e CT (sem ou com testamento) Folha 2 Isabel, forra do gentio da Guiné, sem testamento.

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES - FACELI SELEÇÃO E COMENTÁRIO DE CENAS DO FILME GLADIADOR LINHARES 2011 FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI Ana Cistina de Souza Pires Grasiela Sirtoli

Leia mais

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR

Relato de experiência do Projeto A Paz que tenho em Casa desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social CRAS Vila Rosa Palmeira/PR 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES 197 POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES DUSILEK, Alessandra 1 INTRODUÇÃO: Este relato de experiência é fruto de participação de um projeto de oferta de atendimento

Leia mais

Escravos nos Anúncios: compra, venda e aluguel de cativos em Manaus (1854-1884)

Escravos nos Anúncios: compra, venda e aluguel de cativos em Manaus (1854-1884) Escravos nos Anúncios: compra, venda e aluguel de cativos em Manaus (1854-1884) Jéssyka Sâmya Ladislau Pereira Costa Introdução Durante muito tempo, os estudos sobre a presença de escravos na região amazônicaforam

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

COMUNIDADE DO TAQUARAL

COMUNIDADE DO TAQUARAL COMUNIDADE DO TAQUARAL Histórico Taquaral, localizada na região da morraria era uma sesmaria, que originou aos primeiros tempos da fundação da então Vila Maria do Paraguai. É um povoado antigo e tradicional,

Leia mais

Crónica do dia 28 de Maio de 2016: Vila Velha de Ródão Ortiga 1ª ETAPA

Crónica do dia 28 de Maio de 2016: Vila Velha de Ródão Ortiga 1ª ETAPA Crónica do dia 28 de Maio de 2016: Vila Velha de Ródão Ortiga 1ª ETAPA Em Vila Velha de Ródão, iniciou-se em 28 de Maio de 2016 o IV Cruzeiro Religioso e Cultural do Tejo. Percorrerá o Tejo até Oeiras,

Leia mais

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1

PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 PRECIOSA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA NO VALE DO RIO DAS MORTES 1 José Antônio de Ávila Sacramento (membro do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural de São João del-rei - MG) No ano de 1810,

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais

1. O 11º PPC terá a validade de cinco anos, iniciando-se em 2012 e terminando em 2016.

1. O 11º PPC terá a validade de cinco anos, iniciando-se em 2012 e terminando em 2016. 11º PPC ASSEMBLEIA ARQUIDIOCESANA Estas são as questões que serão votadas na Assembléia Arquidiocesana, sem as emendas que poderão surgir durante a mesma. Cada uma das propostas poderá, deste modo, receber

Leia mais

------- Maria Conceição Leite Cabral --------------------------------------------------------------------------------------- ------- Maria José

------- Maria Conceição Leite Cabral --------------------------------------------------------------------------------------- ------- Maria José ATA Nº 6 ------- Aos cinco dias do mês de novembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de Matosinhos e Edifício dos Paços do Concelho, encontram-se reunidos: Dr.ª Clarisse Castro, Diretora do Departamento

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

CIÊNCIA E PRECONCEITO. UMA HISTÓRIA SOCIAL DA EPILEPSIA NO PENSAMENTO MÉDICO BRASILEIRO.

CIÊNCIA E PRECONCEITO. UMA HISTÓRIA SOCIAL DA EPILEPSIA NO PENSAMENTO MÉDICO BRASILEIRO. CIÊNCIA E PRECONCEITO. UMA HISTÓRIA SOCIAL DA EPILEPSIA NO PENSAMENTO MÉDICO BRASILEIRO. 1859 1906 Aderivaldo Ramos de Santana Bolsista PIBIC CNPq desde agosto de 2004 Orientadora: Profª Margarida de Souza

Leia mais

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI COMISSÃO DE PLANEJAMENTO E CRIAÇÃO DE NORMAS PARA INGRESSO E ACESSO A CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DA GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE BARUERI. CARLOS HENRIQUE LIMA HENRIQUE RODRIGUES

Leia mais

Acresce Seção I A e altera os artigos 156 e 157 da Lei 8.069, de 1990 Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências.

Acresce Seção I A e altera os artigos 156 e 157 da Lei 8.069, de 1990 Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. PL 178/2003 Acresce Seção I A e altera os artigos 156 e 157 da Lei 8.069, de 1990 Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Projeto de Lei nº 178, de 2003 (Do Sr. Reginaldo Lopes)

Leia mais

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS

A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS A MULHER ESCRAVA NOS ANÚNCIOS DOS JORNAIS DE SÃO LUIS Francinete Poncadilha Pereira 1 Os impressos no Brasil tiveram um papel importante nos debates sobre a escravidão, já que por meio deles se promoviam

Leia mais

Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro-Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro-Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Belo Horizonte. INFORMAÇÕES PARA O SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA. Estratégias de Procura do Trabalho, Uso do Seguro-Desemprego e Qualificação Profissional na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Desde

Leia mais

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854

BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 BATISMO DE CRIANÇAS ESCRAVAS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES, 1833-1854 Solange Mouzinho Alves 1 Solange P. Rocha 2 Aos seis de abril de mil oitocentos trinta e três nesta Matriz de Nossa Senhora

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

CARTAS DE ALFORRIA, A LUZ DA LIBERDADE: CONCEDO A LIBERDADE COM A CONDIÇÃO DE ME SERVIR...

CARTAS DE ALFORRIA, A LUZ DA LIBERDADE: CONCEDO A LIBERDADE COM A CONDIÇÃO DE ME SERVIR... CARTAS DE ALFORRIA, A LUZ DA LIBERDADE: CONCEDO A LIBERDADE COM A CONDIÇÃO DE ME SERVIR... Mauricélia Medeiros Silva Professora da Escola Estadual Onze de Março Cáceres, MT. E-mail: mauriceliamedeirosilva@gmail.com

Leia mais

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19%

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19% Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.6 Empreendedoras Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo A força de trabalho passou por profundas alterações nas

Leia mais

LÉGUA DE BEIÇO : ENTRE AS CASAS E AS REDES SOCIAIS DA FAMÍLIA SENHORIAL E DE SEUS ESCRAVOS (PROVÍNCIA DE SÃO PEDRO DO RIO GRANDE DO SUL, SÉCULO XIX)

LÉGUA DE BEIÇO : ENTRE AS CASAS E AS REDES SOCIAIS DA FAMÍLIA SENHORIAL E DE SEUS ESCRAVOS (PROVÍNCIA DE SÃO PEDRO DO RIO GRANDE DO SUL, SÉCULO XIX) LÉGUA DE BEIÇO : ENTRE AS CASAS E AS REDES SOCIAIS DA FAMÍLIA SENHORIAL E DE SEUS ESCRAVOS (PROVÍNCIA DE SÃO PEDRO DO RIO GRANDE DO SUL, SÉCULO XIX) Letícia Batistella Silveira Guterres 1 Na historiografia

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda

1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda 1. Portos de Chegada, locais de quarentena e venda A execução do tráfico atlântico de africanos escravizados envolveu a construção de portos, locais de quarentena e venda de africanos recém-chegados nas

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

FREIXEDELO GÉNESE E DISSEMINAÇÃO DO APELIDO FREIXEDELO. Rui Freixedelo rui@freixedelo.com. Rui Miguel Rodrigo Freixedelo

FREIXEDELO GÉNESE E DISSEMINAÇÃO DO APELIDO FREIXEDELO. Rui Freixedelo rui@freixedelo.com. Rui Miguel Rodrigo Freixedelo Rui FREIXEDELO GÉNESE E DISSEMINAÇÃO DO APELIDO FREIXEDELO Rui Miguel Rodrigo Todos os direitos reservados ao autor Proibida reprodução sem autorização 2015, 23 de Abril (Actualizado em: 2015, 21 de Agosto)

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 2/2009 Reunião do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide realizada no dia doze de Maio de dois mil e nove - - - - Aos doze dias do

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

História do Asilo Pinheiro. Conselheiro Washington Luiz Lima Silva Autor - 04/09/2011.

História do Asilo Pinheiro. Conselheiro Washington Luiz Lima Silva Autor - 04/09/2011. História do Asilo Pinheiro. Artigo sobre a fundação do Asylo Pinheiro; sobre alguns dos membros das Mesas Diretoras ao longo dos anos e, alguns nomes dos primeiros moradores do bairro do Asilo. O artigo

Leia mais

Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX *

Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX * Casamento e Maternidade entre Escravas de Angra dos Reis, Século XIX * Marcia Cristina Roma de Vasconcellos USP Palavras-chave: mulheres escravas, procriação, casamento, família escrava. Na freguesia de

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Interpretação de Gráficos; Didática e Ensino de Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Interpretação de Gráficos; Didática e Ensino de Matemática. UMA NOVA ABORDAGEM SOBRE GRÁFICOS COM O APOIO DE UM CAMPEONATO INTERCLASSE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ-SP Marina Ludugério de Souza Universidade Federal

Leia mais