Secretaria de Economia e Planejamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Economia e Planejamento"

Transcrição

1 Secretaria de Economia e Planejamento

2 A SEP-Secretaria de Economia e planejamento foi criada pela Lei n , de 08/07/64, estruturada pela Lei n? (31/05/66) e regulamentada pelo Decreto n de 21/06/66. Posteriormente, foi reestruturada pelo Decreto n? 8 692, de 30/05/76, quando passou a integrar o Gabinete do Governador. Essa reestruturacao, a exemplo do Governo Federal, foi consequencia de urn entendime nto mais abrangente do processo de planejamento, posicionado, agora, como urn instrumento indireto de transformacao da realidade. Nessa concepcao, planejar compreende reflexao sofore a dinámica da realidade, proposicao de futuros alternativos, subsidio e recionalizacao de decisbes governamentais, afern de acão de ajustamento entre os agentes que realizam transformacoes socio-econornicas. Nesse sentido, procurou-se aperfeicoar o instrumental necessario para efetivar as tarefas precipuas do planejamento, ou seja, a coordenacão da maquina administrativa, a alocacao de recursos a servico de uma estrategia, a informacao, a descentralizacao na acão regional e o debate continuo sobre as alternativas de desenvolvimento. Para operacionalizar esse posicionamento, coube a SEP a, proposicao, a imp lementacao e a avaliacâo do Sistema Estadual de Planejamento, entendido como urn conjunto de unidades da administracäo direta e indireta, incumbidas das atividades de pla nejamento, orcamento e m odernizacão administrativa. Da ampliacao do entendimento do p rocesso de planejamento ampliam-se as tarefas pertinentes a SEP. Para responder a essas novas. atribuicoes criou-se urn novo campo funcional corn as tarefas de: prestar assessoramento, na area de atuacao, ao Governador; coordenar, quando determinadas pelo Governador, atividades que envolvam participacâo de mais de urn Orgäo ou entidade da Administracao; organizar e administrar o Sistema de Planejamento do Estado, na qualidade de Orgäo central; formular a politica de desenvolvimento socio-economico do Estado; realizar o planejamento global e regional do Estado; elaborar e acompanhar a execucao do orcamento do Estado; assessorar tecnicamente o Conselho de Governo e dar-ihe suporte administrativo; definir, implantar e operar o SEADE- Sistema Estadual de Analise de Dados Estatisticos, em toda a Administracao. Corn esse conjunto de funcoes, tornou-se, entao, possivel reavaliar e realimentar constantemente a Estrategia de Governo da atual Administracao, constituindo-se, assim, tarefa especifica da SEP. Para dar suporte administrativo a essas funcoes, a estrutura basica da SEP é integrada por: Administracao Centralizada: Gabinete do Secretario; Coordenadoria de Analise de Dados; Coordenadoria de Planejamento e Avaliacao; Coordenadoria de Programacao Orcamentaria; Coordenadoria de Acao Regional; Assessoria de Projetos Especiais. Administracao Descentralizacla: PRODESP-Companhia de Processamento de Dados do Estado de Sao Paulo; Terrafoto S/A Atividade de Aerolevantamentos. Orgaos Vinculados: Conselho Estadual de Protecao ao Consumidor; Grupo Executivo de Protecao ao Consumidor; Conselho Estadual de Desenvolvimento SOcio-EconOmico. Corn esse campo funcional, as atividades dos varios Orgaos integrantes da SEP desenvolveram-se bas,camente nos seguintes setores: assessoria tecnica, elaboracao de estudos socio-econornicos, provimento de informacoes e avaliacão de resultados das accies governamentais para suporte de implementacao da estrategia governamental, execucäo e aprimoramento do processo orcamentario; a promocao da acao regional; e ainda a protecao ao consumidor e as atividades de processamento de dados e aerolevantamentos.

3 Assessoria Têcnica 10

4 A partir do Decreto n 8 692/76, a APE- Assessoria de Projetos Especiais passou a constituir uma das unidades da estrutura basica da Secretaria de Economia e Planejamento, tendo como functies: a assessoria tecnica ao Secretario do Planejamento e ao Conselho de Governo, alern da elaboracao de programas e projetos especiais de execucâo a curto prazo. Essas atribuicoes objetivam, de urn lado, agilizar o processo de tomada de decisoes nas varies areas de interesse governamental pertinentes ao campo funcional da SEP e, de outro, provocar o debate continuo sobre as alternativas de desenvolvimento. Ern atendimento a essas atribuicoes, foram elaborados seminarios, estudos, programas e projetos em variadas areas de atuacào governamental,ampliando tambem tarefa que a mesma equipe iniciara na Coordenadoria de Planejamento e Publicacäo, em Seminarios: Alternativas de Desenvolvimento Corn o objetivo de investigar e buscar alternativas na'o tradicionais para o desenvolvimento, incentivando pesquisas em diferentes areas do conhecimento, foi organizado urn conjunto de seminerios que sera descrito a seguir. Seminâno Alternativas de Desenvolvimento: Energia Solar 0 objetivo desse seminario foi o de reunir experi8ncias sobre o terra e incentivar pesquisas nesse campo, em vista dos desafios criados pela crise energetics mundial. As relacoes entre utilizacao da energia solar e o desenvolvimento serviram como referências para grande parte dos trabalhos apresentados. Especialistas pronunciaram-se sobre os problemas

5 tocnicos de aproveitamento da energia solar (como, por exemplo, a Bioconversao da Energia Solar e recursos renovaveis e nao-renovaveis, o hidrogenio e a energia) e sobre questoes eminentemente praticas, tais como as necessidades energeticas brasileiras, perspectives da energia solar no Brasil e programas do Governo em energia solar. Foram expostos e debatidos aspectos de pesquisa sobre a utilizacao de energia solar e de outras fontes, no Exterior e no Brasil, e relatadas experiencias praticas, ja em andamento no Pais, tais como as de aproveitamento da energia solar no Nordeste brasileiro, em Sao Paulo, na UNICAMP e outras mais. Examinaram-se as possibilidades da energia solar e outros elementos, tais como o alcool, os gradientes oce8nicos, as florestas e as relacoes entre o Sol e o habitat, o meio ambiente tropical, o habitat urbano e a moradia. experimentacao, tanto estaduais como federais. Os temas foram expostos sob a forma de confer8ncias e de comunicacbes e cobriram aspectos tais como perspectives da pesca ern geral no Brasil, da producão de pescado ern grandes reservatorios, oferta e demanda, comercializacäo do pescado supergelado em Sao Paulo, problemas ecologicos e poluicao e suas interfer8ncias sobre a economia da pesca, recursos humanos, pesquisa e tecnologia. Esses assuntos foram tambêm abordados em comunicacoes, que incluiram ainda aspectos sociologicos da atividade pesqueira, pesca artesanal como parte do setor de subsistbncia, estudos biologicos e reprodutivos de determinadas variedades de peixes, condicoes fisicas, quimicas e biologicas das agues e efeitos da poluicao sobre as mesmas, aspectos gerenciais da industria da pesca, entre outros. 0 Seminario focalizou, tamb6m, como seria obrigatorio, a problematica especifica das alternatives de desenvolvimento que se abrem a daises como o nosso, considerando a dependencia energètica. Seminario Alternativas de Desenvolvimento: Pesca,Coleta e Cultivo Corn o objetivo de desenvolver experibncias inovadoras e de estudar corn maior atencäo a disponibilidade dos recursos hidricos e marinhos, foi organizado o Seminario Alternatives de D esenvolvimento: Pesca, Coleta e Cultivo. Contou-se corn a colaboracao das s ecretarias da Agriculture, do Interior e da Culture, Ciencia e Tecnologia e corn a participac5o de diversas entidades governamentais de pesquisa e Seminario Alternativas de Desenvolvimento: Infra-estrutura e Servicos Urbanos 0 elevado crescimento populacional e o acelerado processo de urbanizacäo do Estado de Sao Paulo Vêm gerando crescentes exigèncias de servicos publicos. Evidencia-se, como conseq(ancia desse crescimento, urn desequilibrio entre a oferta e a demanda de servicos, cujos disp6ndios aumentaram, ultrapassando a capacidade dos orcamentos p6blicos e afetando a qualidade de vide dos habitahtes das cidades medias e grandes. Consciente e atenta aos problemas advindos dessa situacao, a atual administracao julgou que seria oportuno examinar alternatives tecnologicas, cuja eficacia, baixo custo e curto prazo de

6 implantacao possibilitassem atender as crescentes necessidades de infra-estrutura dos setores de saneamento, sa6de, educacao e transportes urbanos. Sendo assim, foi organizado e coordenado, dentro do programa Alternativas de Desenvolvimento, o seminario sobre Infraestrutura e Servicos Urbanos. Contou-se corn a participacao e colaboracao das secretarias de Sande, Educacao, Obras e Meio Ambiente, Transportes, Cultura, Ciència e Tecnologia e dos NegOcios Metropolitanos, alêm de diversas entidades de pesquisa e outros Orgaos governamentais. 0 seminario apresentou conferencias e debates, alarn de recomendagoes emanadas dos estudos desenvolvidos pelos 12 grupos de trabalho. Os principals temas abordados foram: a Participacao da Comunidade nos Programas de Sande, A Possibilidade de Depuracao Biologica sob Pressao nas Canalizacees de Esgoto, Tecnologias Alternativas para Paises em Desenvolvimento, A Psicologia de Uma Sociedade em Mudanca, 0 Controle de Esgotos e o Tratamento de Residuos Domêsticos e Industrials por Processos de Baixo Custo, A Experikcia Australiana, Transporte-Oportunidades para a Construcao de urn Novo Futuro Urbano, 0 Sistema de Medicina Simplificada e a Extensa dos Servicos de Sande, Transporte, Viabilizacao Urbana e SolucOes de Baixo Custo, InovagOes na Tecnologia de Transporte, Conceitos e Exemplos, A Sande do Escolar, Saneamento Individual e Coletivo, Aspectos Têcnicos e EconOrnicos, Infra-estrutura para HabitacOes Autoconstruidas etc. de Desenvolvimento, va'm sendo elaborados estudos sobre a viabilidade de utilizacao de equipamentos solares em construcoes governamentais, corn o objetivo de reduzir futuramente os custos operacionais da administracao Sendo assim, para consecucao desse objetivo foram elaborados diversos convenios entre a Secretaria de Economia e Planejamento e organismos estaduais: 1) Entre a SEP e o IPT-Instituto de Pesquisas TecnolOgicas do Estado de Sao Paulo convonio que resultou na instalacao de urn sistema de captacao de energia solar para aquecimento de agua, destinada aos fins de higiene pessoal, cozinha e lavanderia, na UT-6 Unidade de Triagem 6 da FEBEM-Fundacäo Estadual do Bern- Estar do Menor. Trata-se do primeiro sistema de aquecimento de agua, por coletores solares, instalado em edificio publico no Estado de Sao Paulo. 2) Entre a SEP e a USP-Universidade de Sao Paulo (atravas do FUNDUSP e do Institut de Fisica), corn o objetivo de desenvolver o projeto e a instalacao de urak sistema de captacao de energia solar para aquecimento da agua, no Hospital-Escola da USP, ora em fase de construcao, prevendo uma area de 720 m 2 de coletores solares. 3) Entre a SEP e a UNICAMP, corn o objetivo de desenvolver urn projeto e instalar urn sistema de captacao de energia solar para aquecimento de agua no Hospital-Escola da UNICAMP, ora em construcao, prevendo uma area de 540 m2 de coletores solares. Repercusseles dos Seminâdos A partir da sane de seminarios Alternativas Foi tambern solicitado ao IPT a elaboracao de urn anteprojeto de estudo, sobre a 11

7 viabilidade de implantacao de equipamento para captacao de energia solar em estabelecimentos militares (quarteis), corn o objetivo de suprir as necessidades de agua quente para higiene, cozinha e lavanderia de urn estabelecimento cuja capacidade de pessoal situa-se entre 500 e mil pessoas. Ainda em decorréncia do seminario de Energia Solar, elaborou-se urn projeto corn caracteristicas pioneiras, no sentido de se criar uma sisternatica de conservacao de energia em diferentes setores da inclustria, em convenio corn o IPT-Instituto de Pesquisas Tecnologicas do Estado de Sao Paulo,p/A, corn recursos da FINEP- Finpnciadora de Estudos e Projetos. EsseiDrojeto inclui urn levantamento e diignastico têcnico nos setores de cimento, papel e celulose, e objetiva a reducao do consumo de energia na ind6stria. Fornece subsidios para uma etapa complementar mais complexa, que definira uma nova sistematica nos processos de planejamento e de producao industrial, conduzindo a uma economia de combustive' e/ou a uma passive' diversificacao de fontes de energia. A escolha dos setores de cimento, papel e celulose para a primeira etapa deveu-se, principalmente, ao alto consumo de energia nos mesmos, provenientes da combustao do Oleo. ' 0 produto final desse projeto foi a elaboracao de manuais de recomendacoes para urn programa de reducao de consumo de energia nas indi.istrias de cimento, papel e celulose entregues a todos os empresarios do setor. Atualmente, estao sendo iniciados estudos, para uma segunda etapa do programa, 12 abordando os setores de metalurgia e ceramica. Documentos Elaborados Sendo uma de suas funcbes o assessoramento tecnico, a APE desenvolveu documentos para subsidiar discussoes e reflexoes sobre diferentes tapicos: Estudo sobre Alternativas para o Transporte Automotivo no Brasil, propondo alternativas de circulacao de automoveis, pelo critêrio do namero final de placa, visando a economia de gasolina. Propbe a paralisacao por urn dia de semana (exceto sabado, domingo e feriado) de acordo corn o algarismo final da placa. Documento sobre alcool: constituido por suas fontes de obtencao e aplicacbes imediatas, uma coletanea de dados, informacoes e pesquisas. Alcool como Combustive' Direto em Veiculos Automotores, corn o objetivo de fornecer subsidios para a tomada de decisao quanto a adocao do alcool em uma parcela da frota de automoveis da Policia Militar do Estado de Sao Paulo. Documentos basicos para subsidiar a politica energetica do Estado de Sao Paulo, envolvendo pesquisas e coleta de informacoes sobre politica estadual de energia. Coletanea de InformacOes sobre "Design" e Aplicacäo do Alcool Motor em Taxis, contendo informacties e consideracties sobre a viabilidade de

8 implantacao de urn projeto objetivando a adaptacão dos motores dos taxis, do municipio de Sao Paulo, para uso exclusivo de alcool hidratado, alem da criacao de urn novo "design" para o veiculo-taxi. Esse documento foi entregue a EMTU para estudo da possibilidade de execucao. Estudo sobre o cultivo e industrializacao da mandioca e seus subprodutos, contendo informagoes, consideracoes sobre o cultivo e a tecnologia da industrializacao da mandioca. Esse estudo procurou atender a solicitacao do Embaixador do Brasil na Nigeria, interessado em processos que possam melhorar a tecnologia de industrializacao da mandioca, corn o intuito de aumentar sua rentabilidade na agricultura daquele pals. Ao mesmo tempo, visou fornecer informacbes para as pesquisas sobre energia como fonte de recursos renovaveis. despesas corn transportes dos trabalhadores de baixa renda (ate três salarios minimos) em seus deslocamentos casa-trabalho e vice-versa, sendo julgada mais viavel, tecnicamente, a que reduz o preco das viagens em 50,0% mediante o uso de passes. Alternativas para Reducao das Tarifas de Transportes de Massa II (Passe do Trabalhador), visando dar continuidade ao trabalho anteriormente citado. Partiu de suas conclusoes e sugestoes e desenvolveu mais detalhadamente as alternativas de uso de passes, analisando seus aspectos operacionais (descricao das rotinas), econ6mico-financeiros (estimative do subsidio a formacao de urn fundo para cobri-lo) e juridico-legais. Nova Lei das Sociedades AnOnimas, com a finalidade de reunir as principais modificacoes e inovagoes da Lei das Sociedades AnOnimas. Hortas Domesticas, documento corn o objetivo de analisar a viabilidade de urn programa de hortas domesticas na Regiao Metropolitana de Sao Paulo. Posteriormente, serviu de subsidio para a elaboracao do Programa lntegrado de Hortas Domesticas e Comunitarias, do qual participam o FASPG, Secretaria da Agricultura, Secretaria da Educacão e Secretaria de Economia e Planejamento. ICM-Imposto sobre Circulacao de Mercadorias principais propostas formuladas para modificacao de sua sisternatica. Alternativas para Reducao das Tarifas de Transportes de Massa I, objetivando encontrar alternativas para a reducao das Coletänea de InformagOes sobre a Navegabilidade do Rio Tieté, cujo objetivo e fornecer subsidios para uma tomada de decisoes, apresentando uma sintese global resultante do levantamento de todos os programas, projetos e estudos sobre a navegabilidade do rio Tietb, realizados por diversos Orgaos governamentais em alpacas diferentes. Estudo sobre a institucionalizacâo do CEAPE-Centro de Educacao e Alimentacao do Pre-escolar. Trata-se de urn estudo sobre a possibilidade de institucionalizar, na rede estadual de ensino, a experiencia CEAPE, que se constitui num programa de educacao e assistancia alimentar a preescolares (criancas de dois a sete anos incompletos) corn participacao ativa e

9 consciente das maes, funcionando nos espacos disponiveis das escolas primarias e desenvolvendo atividades educativas, recreacao orientada e alimentacao suplementar. Habitacão no Contexto do Subdesenvolvimento, documento onde sao comparadas as cidades de Manchester e Sao Paulo, centrando-se a analise no problema da habitacao. Apresentado na Universidade de Stanford, aborda principalmente o significado da migracão num pals em desenvolvimento, as expectativas da populacao; habitos utoislanos e processos de urbanizacao; o significado de uma Casa, os sucessos e insucessos governamentais em politicas iftabitacionais. Coletanea de informacoes socioeconomicas Agregados EconOrnicos consiste na organizacao de um arquivo contendo analises econornicas e dados estatisticos socio-econornicos setoriais, corn o objetivo de instrumentar os estudos elaborados. Documento propondo a constituicao de uma empresa binacional Brasil-Ira, que teria por objetivo desenvolver, em ambos os paises, atividades relativas coordenacäo e operacionalizacao das exportacoes, fluxo de investimentos, participacbes e servicos. Outras Atividades Integrando as atividades da Assessoria de Projetos Especiais, cumpre ressaltar as seguintes tarefas de carater rotineiro: STAE-Servico de Triagem e Atendimento ao Exportador 0 Governo do Estado de Sao Paulo, Secretaria de Economia e Planejamento, corn a finalidade de fornecer estatistica econornicas e sociais, informacb- es gerais sobre legislacao, localizacao de innstrias e incentivos a exportacao, esteve presente no Brasil Export-77. Essa participacao resultou na implantacäo de urn servico para orientar empresarios exportadores e importadores na solucao de suas duvidas tècnicas em assuntos como: utilizacao de incentivos fiscais, formacao de precos de exportacao, identificacao de mercados, contatos corn missbes comerciais e demais temas ligados as atividades do comèrcio exterior. 0 STAE fornece, tanto ao cliente estrangeiro como ao empresario nacional, as informacoes e orientagoes necessarias ao born funcionamento das negociacbes, indicando os Orgaos competentes para a solucao do problema. Acompanhamento do Programa de Atendimento Integral a Gestante, Nutriz e Pre-escolar. Este programa foi iniciado nos meados de 1975, contanto corn a participacao das secretarias da Educacao, Promocao Social, Sande, Agricultura (atravês do ITAL- Instituto de Tecnologia de Alimentos), Cultura, Ciencias e Tecnologia, alèrn da Fundacao Padre Anchieta, sob a coordenacao da Secretaria de Economia e Planejamento. Tern por objetivo elaborar

10 urn piano de atendimento a gestante, nutriz e pre-escolar, adequado as caracteristicas organizacionais e funcionais das entidades envolvidas, indicar as mudancas institucionais eventualmente requeridas em cada uma dessas entidades, definir as medidas e os recursos necessarios para implantacao do piano, definir as atividades preparatorias e os respectivos prazos para a consecucao do piano. Pesca-Coleta e Cultivo (1977), correspondente ao documento final do seminario realizado em ) Publicacao da Sane Manuais n? 4 Exportacao, versando sobre os aspectos da legislacao e servindo de orientacao as empresas que desejam exportar. A parte relativa a legislacao é atualizada periodicamente, dado o seu Carater dinämico. Publicaceies 1) Reedicao do "Handbook for the Foreign Investor in Brazil 1975", contendo informacties gerais e orientacao legais aos investidores estrangeiros. 9) Publicacao da Sêrie Documentos n? 12 "Alternatives for Development: Solar Energy", versa em ingläs do documento final do seminario sobre energia solar, ) Edicao da Agenda Informativa para Investidores Estrangeiros 1975, contendo informacdes gerais e especificas sobre o Estado de Sao Paulo. 3) Publicacao da Sarie Documentos n? 3 Programa Nacional do Alcool e a Politica de Desenvolvimento Urbano e Regional, por solicitacao.da Comissao Nacional de Alcool, em Brasilia. 4) Publicacao da Sêrie Documentos n? 6 Alternativas de Desenvolvimento: Energia Solar, correspondente ao documento final do seminario realizado, ) Publicacao da Sane Documentos n? 13 Alternativas de Desenvolvimento: Infraestrutura e Servicos Urbanos, contendo textos de conferoncias, depoimentos, debates e resultados dos estudos dos grupos de trabalho do seminario realizado em ) Publicacao da Série Documentos n? 15 Planejando para o Desenvolvimento, coletanea sobre planejamento, urbanismo e problemas energaticos, em fase de impressao, ) Reedicao do "Handbook for the Foreign Investor in Brazil" corn atualizacoes, ) Reedicao da Agenda Informativa para Investidores Estrangeiros, corn atualizacbes, ) Publicacao da Sêrie Documentos n? 7 Alternativas de Desenvolvimento: 13

11 14 0 Provimento da Informacao

12 Criada pelo Decreto n? 8 692, de 30/09/76, a Coordenadoria de Analise de Dados recebeu como incumb8ncia as seguintes atribuicoes: coletar e analisar dados; elaborar estatisticas; efetuar levantamentos especiais de carater censitano ou por amostragem; preparar, para divulgacao e publicacao, estatisticas, resultados de pesquisas e de levantamento especiais; coordenar o SEA.DE-Sistema Estadual de Analise de Dados Estatisticos; organizar o programa editorial da SEP- Secretaria de Economia e Planejamento. Para que essas funcoes fossem integralmente implementadas, constituiu-se preocupacao fundamental a efetivacao de sua estruturacao, integrando definitivamente o Departamento de Estatistica e o SEADE. Corn esse objetivo, foi promulgada a Lei n? 1 866/78, que cria a Fundacao Sistema Estadual de Analise de Dados SEADE, que assume o conjunto de atividades que vern sendo desenvolvidas.

13 Diretrizes Beisicas de Atuacao 0 SEADE, vinculado a CAD, da Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de Sao Paulo, foi criado pelo Decreto n? 6 809, de 25 de setembro de SEADE 8 urn servico o que significa, essencialmente, que sua producao de informacoes pertence tanto ao Estado como aos cidada'os. Como suporte do Sistema Estadual de Planejamento, tern como funcoes o planejamento, gerac5o, tratamento, analise e disseminacao de informacoes no ambito da administracao publica e da sociedade. No ambito do Governo do Estado, o SEADE pretende criar condaes para a otifriizac5o do processo de decisäo e de administracao governamentais, na medida em que facilite a adequacao e a dinamizacão de pianos e programas governamentais, em funcâo de sua oportunidade, reduzindo ao essencial a carga de informacaes fornecidas aos administradores No ambito da sociedade, o SEADE objetiva colocar a disposicão dos cidad5os o sistema de informacoes mantido pela administracao poblica, possibilitando, assim, a participacäo daqueles na formulacâo e critica de politicas g overnamentais. Nesse aspecto, o SEADE f undamentou-se nas linhas de acao propostas na Estrategia de Governo desta a dministracao, ou seja, uma acäo gov ernamental voltada para o des envolvimento e para a participacao comunitaria. Nesse sentido, entende-se informacao como urn dos recursos fundamentais para toda atividade humana, resultante de processamento quantitativo e qualitativo de dados, fatos e conhecimentos. Deve ser capaz tanto de facilitar o processo decisorio e/ou administrativo do Governo como de atender as necessidades dos demais usuarios, prestando servicos a comunidade como urn todo. A informacao resulta da analise de dados estatisticos (element quantitativo), confrontados corn fatos da realidade (elemento qualitativo), atraves do conhecimento (teorias) dos especialistas. Fatos e dados, considerados isoladamente, permitem a elaboracäo de analise parciais; seu conjunto, organizado setorial ou intersetorialmente, permite analise estruturais e conjunturais que, quando projetadas ao longo do tempo, däo margem a analises historicas. Atuaolo da Coordenadoria de Analise de Dados A organizacao de urn sistema de informagoes, cuja abrang8ncia 8 o Estado, orientado para subsidiar o processo decis6rio na esfera publica, exige, numa primeira etapa, o conhecimento da informacao existente nas Secretarias de Estado, enquanto Orgaos executores da politica de Governo. Atraves do levantamento da informacao gerada nesses Orgaos, pode-se avaliar o grau de sufici8ncia e adequacào das mesmas face aos objetivos do Governo fixados para a atual administracao. Os diagnosticos da situac5o da informacao, realizados de setembro/75 a

14 abril/78, em 15 secretarias w, como parte do projeto de Implantacäo dos Subsistemas de Informacäo nas Secretarias de Estado, sâo urn produto dessa fase exploratoria do trabalho, voltada para o conhecimento da realidade na qual pretende-se intervir. Como resultado, ficou clara a necessidade de organizar a informacao existente que, alem de insuficiente, apresentava-se, em termos gerais, inadequada para a atuacào das Secretarias, face as suas atividades de rotina e aos programas propostos pelo atual Governo. Ficou tambern evidenciada, em alguns casos, a pouca importäncia dada a informacao como subsidio para as atividades de planejamento. Numa segunda etapa de trabalho do projeto, o diagnostico realizado conduziu reorganizacâo da informacao nas Secretarias de Estado e a urn novo projeto, o de Capacitacao de Recursos Humanos. No primeiro, o objetivo é a criacão e implantacäo de centros de informacao e de analises estatisticas, que coordenem a coleta, armazenamento, analise e disseminacao das informagoes em cada secretaria, servindo de elemento de ligacäo corn o SEADE. 0 segundo projeto visa preparar servidores estaduais para utilizar, operar e desenvolver os subsistemas de informacoes a serem implantados. Ambos devem ser vistos como passos indispensaveis para o desencadeamento do processo de (1) Foram diagnosticadas as seguintes secretarias: Administraceo, Agricultura (em andamento), Casa Civil, Cultura, Ciéncia e Tecnologia, Economia e Planejamento (parcial), Educacdo, Esportes e Turismo, do Governo, Interior, Justica, Neg6cios Metropolitanos (em andamento), Promocäo Social, Sande, Seguranca Pablica (em andamento) e Trabalho. montagem do proprio Sistema. Do diagnostico, resultaram, tambam, dois produtos imediatos: os Guias de Informacees das Secretarias de Estadow, que se propoem a fornecer, de maneira ordenada, urn sistema de referencias das informacoes tecnicas disponiveis nas Secretarias e os Cadastros da Administrac5o Estadual (em fase de publicacào).que se propoem a fornecer informacbes da estrutura organizacional do Governo, contendo legislacao referente estruturacao, objetivos e atribuicbes das unidades que compoem cada Secretaria de Estado. 0 trabalho de inducão junto as secretarias, no sentido de propor mudancas na area de informacties, na'o pode, porern, restringirse ao ämbito institucional das mesmas. A politica de desenvolvimento postulada pela atual administrac5o estadual, ao propor progcamas governamentais de carater plurissecretarial, conduz, necessariamente, a urn enfoque setorial. Por essa rafäo, iniciou-se o projeto de Implantacäo dos Subsistemas Setoriais de Informacào, o J, qual, pressionando em outra frente, antecipa a integra0o dos subsistemas de informacties das Secretarias. Uma atuacäo limitada a esses &Taos prolongaria ern demasiado o tempo necessario para a montagem do SEADE. A essa fase corresponde a adocao de determinada setorizacào das areas de (1) Encontram-se concluidos os Guias de Informacdes das seguintes secretarias: Administrac go, Casa Civil, Educacão, do Governo, Interior, Justica, Sande, Trabalho e Promocão Social. (2) Encontram-se concluidos e aguardando publicacâo os Cadastros da Administraceo Estadual das seguintes secretarias: Casa Civil, Educagéo, Interior e Administracao. 15

15 atuacäo do Governo. Os setores definidos estäo hierarquizados de acordo corn as previsoes efetuadas por Orgäos da Secretaria de Economia e Planejamento para acompanhar as analises conjunturais. Por ordem de prioridades, sac, esses os setores considerados: emprego, nutrica-o, saneamento, sacide, abastecimento, agricultura, promocão social, transportes, habitaca- o, ind6stria, comercio e servicos, educaca- o, seguranca, energia, recursos naturais e poluicao, comunicacoes, cultura e lazer, esporte e turismo. Esses setores inter-relacionam-se entre si iliretamente e/ou atraves de outros setores que, enfaticamente, foram denominados globais. Sao eles: economia, financas (p6blicas, demografia, desenvolvimento urbano, informacoes municipais, recursos humanos da administracao pablica, administracao acäo juridica, obras pablicas e ciencia e tecnologia. Dentro dos objetivos de disseminacão de informacoes junto a sociedade, foram criados o SPR-Servico de Perguntas e Respostas. 0 SPR e a Central de Dados e Referencias visam tornar acessiveis aos seus usuarios dados e informacoes estatisticas sobre os setores do desenvolvimento. Por outro lado, a necessidade de prover o Gabinete do Governador corn informacoes para decis5o e planejamento conduziu montagem de sistemas que permitissem o acompanhamento da acao do Governo junto as comunidades. Esses sistemas, utilizando a capilaridade dos Orgaos da administracao direta e indireta do Estado, permitem hoje uma 16 visa'o atualizada de todas as realizacties de Governo (SIRG-Sistema de Informacties de RealizacOes Governamentais), incluindo ainda o acompanhamento de todas as obras em execucäo e o cadastramento das concluidas ISIOBRAS-Sistema de InformacOes de Obras) e urn perfil socioeconornico e politico das municipalidades (TPSS e SISSEADE). 0 trabalho desenvolvido ate o momento deve ser compreendido em seus termos globais. Considerada isoladamente, cada linha de atuaca-o nào permite captar a nocdo de informacao da qual se partiu. Nesse sentido, as Arias linhas devem ser vistas como pecas que se encaixam para atingir o objetivo proposto: a montagem de urn Sistema Estadual de Anélise de Dados Estatisticos, suporte para o planejamento governamental. No atual estagio dos trabalhos, estao sendo desenvolvidas, simultaneamente, atividades relativas definicao de politicas de infornnaciffles, que subsidiem a coleta, analise, tratamento e disseminacao de informacties. Politica de Informaceies 0 SEADE possui o GEI-Grupo Executivo, criado pelo Decreto n? 7 103, de 21/11/75, corn as funcoes de definir e implantar a politica de dados e informacoes do Estado. Ate o momento, foram adotadas as seguintes politicas consubstanciadas nos diferentes projetos e atividades desenvolvidos: conhecimento e diagnostico das informacoes existentes; capacitac5o de recursos humanos da administracao p6blica na area de sistemas de informacao; descentralizacào das informacbes, a nivel de administracao publica e a nivel regional;

16 organizacäo dos dados e informagoes (base de dados), testando-se e implantando-se diversos matodos de tratamento, armazenamento e recuperacäo de dados e informacbes; disseminacao das informagoes, atraves de publicacoes, terminais de teleprocessamento e/ou por meio de criacao e implantacao de centros disseminadores de dados e informacoes; coleta de dados identificados como necessarios e inexistentes; estudos e pesquisas setoriais. Implantacao do SEADE junto as Secretarias de Estado (subsistemas de Dados Estatisticos) Essa atividade compreende trabalhos de assessoria e de coordenacäo para que sejam criados, nas varias secretarias, Centros de Informacâo e de Analises Estatisticas onde seria organizada a Base de Dados, gerando-se continuamente fluxos de informacbes entre as diversas secretarias e a Coordencao do SEADE, possibilitando-se assim a obtencäo de visbes setoriais. Implantacao de Subsistemas Setoriais de Informacao Os Subsistemas Setoriais de Informacão compreendem as seguintes atividades: elaboracäo de um modelo de analise do setor, corn o objetivo operacional de delimitar a abrangencia da analise, seu conteklo e, dal, seus parametros e suas coordenadas. Implicit a urn modelo, esta urn elenco de pressupostos que se refere escolha do enfoque da analise, hierarquizacao de elementos da realidade e as prioridades das informagoes a serem geradas, analisadas e disseminadas; elaboracao de uma malha de informacoes do setor, na qual as interligagoes setoriais constatadas no modelo reaparecem em termos de tipo e fluxo de informagoes, no proprio setor e dos varios setores para o setor considerado; diagnostico das informacoes detalhadas pela malha que permite näo s6 o estabelecimento de prioridades na implantacão do subsistema setorial de informagoes, como a confeccao de produtos (tabelas, listas de referancias de fontes etc.) que alimentam os canais disseminadores de informagbes (Central de Dados e Refer8ncia e Servico de Perguntas e Respostas, Centros de InformacOes e Analise Estatistica); implantacào do subsistema setorial, a partir das prioridades detectadas. Essa implantacào pode-se reaiizar tanto pela coleta de novos dados como pela reorganizac5o de fluxos existentes, visando sistemaiizar, homogeneizar e disseminar as informagoes para os diversos usuarios. Implantacao do SIRG-Sistema de InformacOes de RealizacOes Governamentais 0 SIRG procura manter urn cadastro atualizado de todo tipo de realizacbes: obras de todas as dimensbes e natureza, financiamentos, atendimentos diversos, pianos e projetos, prestacao de servicos de qualquer tipo. Atendendo aos Orga'os ligados ao Gabinete do Governador, as diversas secretarias de Estado, empresas estatais, universidades e a todo tipo de grupo e individuos interessados na atuacão da administracao estadual, o SIRG conta, atualmente, corn cerca de 35 mil documentos armazenados, tendo fornecido para consuita 102 mil foihas de relatorios impressos.

17 jrnplantacao do SIOBRAS-Sistema de InformacOes de Obras do Estado 0 SIOBRAS, utilizando-se basicamente do cadastro do SIRG, constitui urn arquivo atualizado de todas as obras concluidas e permite o acompanhamento.fisico e financeiro de todas obras em execucão pela administrac5o direta e indireta do Estado. Todos os organismos estatais que executam obras no Estado mant8m o sistema atualizado, atraves da remessa mensal de informacoes e contato direto corn os tecnicos do SIOBRAS. Pala visualizacao espacial das obras -executadas e em execucäo nos seus diversos estagios, foi montado na Sala de,situacâo urn conjunto de mapas (urn total de 25), onde é indicada por Orgào executor e por municipio cada uma das obras. Atualmente, existem cadastradas no Sistema cerca de obras. Implantacäo de Bancos de Dados e Rede de Terminals de Teleprocessamento Corn a finalidade de armazenar, tratar, recuperar e disseminar os dados provenientes dos Subsistemas do SEADE, foram desenvolvidos dois grandes Bancos de Dados: 0 TIPSS-Sistema de Teleprocessamento da Sala de Situacao que contern o Sistema de InformacOes Municipais, onde encontra-se armazenado urn conjunto de 80 tabelas corn dados fisicos, econornicos, sociais, ad ministrativos e politicos para cada municipio do Estado. A disseminagao das informacoes armazenadas é feita atraves de uma rede de 20 terminais remotos, instalados nas diversas Secretarias de Estado, possibilitando o acesso direto aos dados, atraves de uma linguagem simples. 0 SISSEADE, Banco de Dados Suporte do SEADE, constitui urn sistema de informacbes numb-ices, desenvolvido em conjunto corn a PRODESP, utilizando os equipamentos da mesma. A grande vantagem do SISSEADE reside no fato de que qualquer problema de armazenamento, tratamento e recuperacao de dados num6ricos que eventualmente surgir nos diversos Orgaos do Governo, podera ser solucionado sem investimentos em analise e programacao, visto que o sistema tern possibilidade de assimila-lo sem esforco adicional do "software" Implantacao do GEADE-Grupo Especial de AnMises Demograficas Esse grupo, encarregado das analises demograficas, desenvolveu os seguintes sistemas de estudos: 0 Sistema de Estatisticas Vitais, que compreende o Projeto de Reestruturacào do Sistema de Estatisticas Vitais, a implantacao de urn sistema de codificacao e processamento mensal de informacao, a criacao de urn arquivo demografico através de urn sistema de microfichas e urn projeto historico-demografico. Estudos Especificos sobre as Variaveis Demograficas, que abrange estudos sobre a mortalidade, natalidade e fecundidade, nupcialidade, populacao economicamente ativa e, ainda, sobre a implantacao de urn sistema computacional de projecoes demograficas para o Estado.

18 Implantacão de urn Sistema de Estatisticas MigratOrias Trata-se de urn projeto desenvolvido atraves de convenio entre o Ministerio do Interior e o Governo do Estado de Sao Paulo e que tern por finalidade coletar e processar as informagoes sobre o fluxo de imigrantes para o Estado de Sao Paulo, integrando o SIMI-Sistema de InformagOes sobre MigracOes Interiores a nivel nacional. As informacbes sera coletadas nos diversos servicos de atendimento aos migrantes, cabendo ao GEADE o processamento e a analise dos dados. Pesquisa de Campo envolvendo os seguintes levantamentos e entrevistas: levantamento de batismo na Curia Metropolitana visando ao estudo do subregistro de nascimento, Pesquisa Amostral realizada nos hospitais de Sao Paulo visando conhecer as informacoes sobre nascimentos disponiveis nestes hospitais, levantamento feito diretamente nos arquivos de alguns cartorios da Capital corn a finalidade de testar a qualidade da informacao coletada, entrevistas realizadas na Corregedoria, Associacao dos Serventuarios da Justica e ern alguns cartorios sobre a evolucao dos custos e emolumentos dos registros de Obito e de nascimento. Implantacao do CIDOC-Centro de InformacAo e Documentaria A concepcao basica de criacao de urn organismo de documentacão na Secretaria de Economia e Planejamento correspondeu, desde os primeiros estudos de viabilidade realizados, a necessidade de dotar esse Orgäo de urn instrumento capaz de centralizar as atividades documentarias e de promover uma disseminacao dinamica de informacao documentaria. Entre as suas atividades destacam-se: Servico de Disseminacão Seletiva da Informacao: assessoramento sisternatico, a nivel de informagoes bibliograficas, de forma a manter as equipes tecnicas continuamente informadas sobre a literatura tecnico-cientifica publicada nas areas setoriais de atuacao da SEP; "Mailing-list": elaborada visando principalmente a racionalizacao do controle e distribuicao das publicacoes da SEP, bem como garantir de forma criteriosa o acesso, por parte do grande Oblico, a esses documentos. Atualmente, estao cadastrados cerca de enderecamentos, cobrindo entidades governamentais e vinculadas (federal, estadual e municipal), imprensa, universidades, institutos de pesquisas, associagoes etc.; estabelecimento de fluxos de intercambio de publicacoes corn Orgaos de geracao e captacao de informacoes de interesse para o planejamento do Estado,. possibilitando a formacao, realimentacao atualizacao dos sistemas de referencias: Central de Dados e Referancias e CIDOc. estabelecimento de normas bibliograficas para as publicacoes oficiais, atraves da padronizacao de elementos necessarios a sua identificacao: sumario, indice, citagoes bibliograficas; criacao, manutencao e controle do deposito legal das publicacoes da SEP, garantindo, dessa forma, a mem6ria de sua atuacao; pesquisa e compilacao de instrumentos de refer8ncia para identificacão da producao bibliografica da SEP: Guia de PublicagOes da SEP: 1975/79; 1964/79: Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de Sao Paulo Producao Bibliografica; organizacao e montagem de "stand" 17

19 das publicacoes da SEP na V Bienal Internacional do Livro, possibilitando a divulgacao das informagoes geradas pela Secretaria a urn publico diferenciado. Destaca-se ainda a atuacao do Departamento de Estatistica, integrado por diversas divisties: Divisào de Estatisticas Fisicas, Sociais e Culturais: procura trabalhar dados para producao de estatisticas de ambito fisiografico, cultural, social e educacional. Divisäo de Estatistica Demografica: atualizacao das apuracoes dos dados defnograficos. A tabulacao de dados de easamentos e de nascidos vivos, a emissão de tabelas de Obitos e de nascidos mortos Aatinge o ano de Houve tambern e substancial melhoria na qualidade dos dados rsultantes de apuracao mensal preliminar do movimento do Registro Civil. Alem disso, realiza-se de forma sistematica a apuracao mensal preliminar de Obitos de menores de urn ano, registrados na Região da Grande Sao Paulo, por causas principais de mortes. Divisao de Estatisticas EconOrnicas: essa divisào desenvolve tarefas, quer na area de pesquisa, quer na area de levantamentos de rotina. No que se refere a pesquisa, vem sendo desenvolvidas as seguintes modalidades: Comercio por Vias Internas, cuja preocupacao é investigar rotas fiscais enviadas pela FIBGE-Fundacäo Institute Brasileiro de Geografia e Estatistica, para contribuir para o fornecimento de melhores estimativas do valor global das exportacties por vias internas; Setor Terciario: vem sendo exportada uma estrutura que permita a obtencao de 18 estatisticas para o comercio, servicos e setor pablico a nivel regional e que, juntamente corn o trabalho desenvolvido para a inclustria de transformacao e os resultados do comercio por vias internas, permita ao usuario da estatistica a estimacao da renda regional para os diversos setores; Estatisticas Agricolas Municipais: trata-se de urn projeto para o desenvolvimento de estatisticas agricolas levantadas pela Secretaria de Agricultura, tendo ern vista seus interesses nos levantamentos subjetivos das safras agricolas. Levantamento de Rotina das Estatisticas: Setor secundario, compreendendo levantamentos da: ind6stria de transformacao do cimento, de veiculos automotores, de producao de pneurnaticos, de papel, cartao e cartolina, de celulose, de fertilizantes, de defensivos agricolas, do ackar e do alcool; Cadastro Industrial: atravês de microfichas do cadastro industrial, por regiao administrativa e por municipio, esta sendo feita a apuracao das indostrias por classe para o municipio de Sao Paulo; Setor terciario: os levantamentos de rotina, de periodicidade mensal, referem-se a: transportes Iterrestre, aquatic e aereo), telecomunicacties, comercio interestadual (cabotagem) e internacional, estatisticas bancarias, tabelionatos, propriedade imobiliaria, titulos protestados e falencias e concordatas. Divisäo de Estatistica Administrativa e Politica, tendo sob sua responsabilidade os levantamentos pertinentes a estatisticas policiais-criminais administrativas, politicas e militares.

20 Implantacao da Unidade de Planejamento Grâfico e Visual Corn a atribuic5o de centralizar na Coordenadoria de Analise de Dados a organizacão e producao do programa editorial da Secretaria de Economia e Planejamento e dotar o SEADE e a propria secretaria de meios que possibilitassem desenvolver atividades vinculadas as areas de programacäo visual e planejamento de producão grafica, foi criada a implantada a UPGV-Unidade de Planejamento Grafico e Visual. Sua atuag5o, num primeiro momento, prendeu-sea organizacâo e planejamento do setor grafico primario existente e, posteriorrnente, a criacao de condicoes as unidades componentes da Secretaria como urn todo, para emissâo e divulgacao de documentos, organizacão e participacäo de eventos, dentro de uma linguagem visual atual e dinämica. Disseminacäo de Dados e InformagOes A disseminacao das informaceies processase das seguintes formas: criacào e instalacäo da Central de Dados e Referencias e do SPR Servico de Perguntas e Respostas por telefone, je funcionando na Capital. Esse servico fornece respostas rapidas especificas sobre os diferentes setores, sendo que, entre maio/77 e fevereiro/78, respondeu a perguntas; descentralizacão das informagoes atraves da instalacào de centrais de dados e referencias e servicos de perguntas e respostas regionais, junto aos ERPLANs, da Secretaria de Economia e Planejamento (em implantac5o atual nos ERPLANs de Santos e Presidente Prudente); servico de disseminacäo seletiva de documentos recebidos pelo Centro de InformacOes Documentarias do SEADE, objetivando subsidiar os pianos e programas em andamento na SEP. Este acompanhamento processa-se atraves de analise periodica dos perfis de interesse das equipes tecnicas que compoem a Secretaria, fornecendo-ihes bibliografias setoriais correntes sobre a literatura tecnico-cientifica publicada em cada area; Sala de Situacao: trata-se de uma das atividades do SEADE. Este fisicamente implantada no Palacio dos Bandeirantes e reane urn conjunto de indicadores que tern por objetivo evidenciar os reflexos da vida economica. E composta de uma serie de paineis renovaveis periodicamente que expbem indicadores, suas respectivas expressdes maternaticas, graficas e analises sucintas que explicitam suas respectivas associacees de tendencias e projecoes globais e setoriais, metas e estratêgias de acão governamental, analises conjunturais, acompanhamento de programas e analise de projetos emergentes do Governo do Estado. Publicacoes Disponiveis ao Grande PUblico PublicagOes impressas, de circulacào ampla, que documentam a atuacão da SEP e colocam ao alcance da comunidade as informacoes geradas por essa Secretaria. Publicaceies Editadas SAO PAULO (Estado) Secretaria de Economia e Planejamento. Coordenadoria de Analise de Dados Primeira sondagem conjuntural da indastria da transformacäo paulista. Sao Paulo, (Estudos e Pesquisas, 1). SAO PAULO (Estado) Secretaria de Economia e Planejamento. Coordenadoria de Analise de Dados Aspectos do sistema de ensino no Estado de Sao Paulo. Sao Paulo, (Estudos e Pesquisas, 3) Publicacäo esgotada.

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Janeiro de 0 N o 3 PIB municipal: dos 30 maiores municípios do país, localizam-se no Estado de São Paulo Região Metropolitana de São Paulo concentra a metade do PIB do Estado, e a capital paulista responde,

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

CHEFE DA SEÇÃO DE MANUTENÇÃO ESCOLAR compete acompanhar a tramitação de documentos e processos, observando o protocolo do mesmo; classificar, informar e conservar documentos; controle de matériais, providenciando

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500090 - TECNICO EM INFORMATICA INTEGRADO AO E.M. Nivel: Tecnico Area Profissional: COMERCIO-TEC Area de Atuacao: BANCO DADOS/COMERCIO-TEC

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao.

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000053 - ENGENHARIA DA COMPUTACAO Nivel: Superior Area Profissional: INFORMATICA Area de Atuacao: BANCO DE DADOS/INFORMATICA Planejar, administrar,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500446 - TECNICO EM INFORMATICA Nivel: Tecnico Area Profissional: 0042 - COMERCIO-TEC Area de Atuacao: 0440 - BANCO DADOS/COMERCIO-TEC

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000082 - SERVICO SOCIAL Nivel: Superior Area Profissional: 0035 - SOCIAL Area de Atuacao: 0044 - RECURSOS HUMANOS/SOCIAL Atuar na area de

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP)

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) OBRIGATÓRIAS (6 disciplinas de 60 h cada = 360 h) Estado, Sociedade e Administração Pública O Estado, elementos constitutivos, características

Leia mais

LEI ORDINÁRIA N º Dispõe sobre a reorganização administrativa da Administração Pública Municipal de Iguatemi e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE IGUATEMI Estado de Mato Grosso do Sul Excelentíssimo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

As Categorias Comparadas

As Categorias Comparadas Capítulo 2 As Categorias Comparadas Ao aplicar e analisar as respostas aos instrumentos do Diagnóstico da Extensão Universitária Brasileira 2005, a CPAE concluiu pela viabilidade de realizar um estudo

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL

RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RAG - 2006 O RELATÓRIO DA AÇÃO GOVERNAMENTAL RELATÓRIO DE QUE? AVALIAÇÃO: Avaliação anual avaliamos a execução durante o ano, a entrega dos produtos e os seus impactos. AVALIAÇÃO PARA QUE? OBJETIVOS: Prestar

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - SEPNUM (Pleno) 1. HISTÓRICO No Brasil, o uso da informação meteorológica

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Fevereiro de 2014 - Anexo 6, da Lei 4.320/64

Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Prefeitura Municipal de Bocaiuva do Sul Fevereiro de 2014 - Anexo 6, da Lei 4.320/64 Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GABINETE DO PREFEITO Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 7.539,55 7.539,55 04.122.0000.0.000.000 Administracao

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total 01.000.0000 Legislativa 916.264,00 916.264,00 01.031.0000 Acao Legislativa 916.264,00 916.264,00 01.031.0001 Dar cumprimento as funcoes basicas do 916.264,00 916.264,00 Poder Legislativo de legislar e

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Unidade Gestora : CONSOLIDADO Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total 01.000.0000 Legislativa 300.000,00 3.280.900,00 3.580.900,00 01.031.0000 Acao Legislativa 300.000,00 3.280.900,00 3.580.900,00 01.031.0001 Dotar a Camara Municipal com moveis e 300.000,00 275.000,00 575.000,00

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO PROJETO ABRIL / 2005 Apresentação SMPDSE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E A Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL

AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL AÇÕES DE RESPOSTA: VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL 1. Conceito Por Aramis Cardoso A Vigilância em Saúde Ambiental é definida como o conjunto de ações que proporcionam o conhecimento e a detecção de qualquer

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto nº 529 de 09/08/2002. ATRIBUIÇÕES: 0700 - SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO 0710 - COORDENAÇÃO GERAL Compete

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

P11 Proposta da equipe. Abril/2013

P11 Proposta da equipe. Abril/2013 P11 Proposta da equipe Abril/2013 Matriz SWOT AMBIENTES Interno FORÇAS Comprometimento da Diretoria com as questões ambientais; Capacidade da ANTAQ em interagir com os demais setores; Possibilidade da

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROJETO AMBIENTE ENERGIA EuropeAid/132194/D/SER/Multi

PROJETO AMBIENTE ENERGIA EuropeAid/132194/D/SER/Multi PROJETO AMBIENTE ENERGIA EuropeAid/132194/D/SER/Multi OBJETIVO GERAL Objetivo do presente estudo/pesquisa é Criar uma base de dados e verificar as potencialidades energéticas alternativas do território

Leia mais

Agili Softwares para Area Publica

Agili Softwares para Area Publica ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLIDER ÓRGÃO: 01 CAMARA MUNICIPAL UNIDADE: 001 CAMARA MUNICIPAL PROGRAMA: 0001 ACAO DO LEGISLATIVO 2001 Manutencao das Atividades da Camara Meta Física 144,00

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes

CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica. Manual dos Serviços de Informação Tecnológica. Passo-a-passo para os clientes CEDIN - Centro de Documentação e Informação Tecnológica Manual dos Serviços de Informação Tecnológica Passo-a-passo para os clientes CEDIN INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ÍNDICE 1 - Apresentação 02 2 - Por quê

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

2004 - Assistência Médica e Odontológica aos Servidores Civis, Empregados, Militares e seus Dependentes

2004 - Assistência Médica e Odontológica aos Servidores Civis, Empregados, Militares e seus Dependentes Programa 2123 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério do Esporte Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 09HB - Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais