OBJETIVOS. Ao finalizar esta lição os participantes serão capazes de:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVOS. Ao finalizar esta lição os participantes serão capazes de:"

Transcrição

1

2 OBJETIVOS Ao finalizar esta lição os participantes serão capazes de: 1. Explicar os conceitos de ameaça, vulnerabilidade, risco, risco aceitável, resiliência, evento adverso, desastre, emergência, incidente e desenvolvimento; Introdução a Gestão de Riscos - 2

3 OBJETIVOS 2.Definir Gestão de Riscos; 3. Descrever as áreas e componentes da Gestão de Riscos e sua abrangência. Introdução a Gestão de Riscos - 3

4 AMEAÇA Fator externo às pessoas, objeto ou sistema exposto, representado pela potencial ocorrência de um evento de origem natural ou provocado pela atividade humana, que pode manifestar-se em um lugar específico, com uma certa intensidade e duração determinada. Introdução a Gestão de Riscos - 4

5 VULNERABILIDADE Fator interno de uma pessoa, objeto ou sistema exposto a uma ameaça e que corresponde à sua disposição intrínseca de ser danificado. Introdução a Gestão de Riscos - 5

6 RISCO Probabilidade de exceder um valor específico de danos sociais, ambientais e econômicos, em um determinado lugar e durante um tempo de exposição determinado. Introdução a Gestão de Riscos - 6

7 RISCO ACEITÁVEL Valor específico de perdas e/ou danos sociais, ambientais e econômicos que a comunidade está disposta a assumir, aceitar ou suportar, após considerar as vantagens e benefícios de permanecer em um determinado local, continuar a usar um tipo definido de equipamento ou manter uma linha de procedimentos. Introdução a Gestão de Riscos - 7

8 EVENTO ADVERSO Transtorno às pessoas, aos bens, aos serviços e ao ambiente de uma comunidade, causado por um evento natural ou provocado pela atividade humana. Introdução a Gestão de Riscos - 8

9 DESASTRE Intenso transtorno às pessoas, aos bens, aos serviços e ao ambiente, causado por um evento natural ou provocado pela atividade humana e que excede à capacidade de resposta da comunidade afetada. Introdução a Gestão de Riscos - 9

10 EMERGÊNCIA Evento adverso que pode ser resolvido com os recursos que a comunidade possui. Introdução a Gestão de Riscos - 10

11 INCIDENTE Evento de causa natural ou por atividade humana que requer a ação de pessoal de serviços de emergência para proteger vidas, bens e ambiente. Introdução a Gestão de Riscos - 11

12 RESILIÊNCIA Capacidade de um sistema, comunidade ou sociedade, potencialmente exposta a ameaças, para adaptar-se, resistindo ou mudando, com o fim de alcançar ou manter nível aceitável em seu funcionamento e estrutura. Introdução a Gestão de Riscos - 12

13 GOVERNABILIDADE Capacidade de um governante de exercer a autoridade em matéria econômica, política e administrativa, em relação aos assuntos de um país, estado ou município. Introdução a Gestão de Riscos - 13

14 GESTÃO DE RISCOS Componente do sistema social constituído por um processo eficiente de planejamento, organização, direção e controle dirigido à análise e à redução de risco, ao manejo de eventos adversos e à recuperação ante aos eventos já ocorridos. Introdução a Gestão de Riscos - 14

15 CICLO ANTIGO Introdução a Gestão de Riscos - 15

16 NOVO PARADIGMA Introdução a Gestão de Riscos - 16

17 GESTÃO DE RISCOS ÁREAS Análise de riscos Redução de riscos Manejo de eventos adversos Recuperação COMPONENTES Estudo de ameaças e vulnerabilidades Prevenção, Mitigação Preparação, Alerta e Resposta Reabilitação e Reconstrução Introdução a Gestão de Riscos - 17

18 GESTÃO DE RISCOS Análise de riscos Manejo de Eventos adversos GR Redução de riscos Recuperação Desenvolvimento Introdução a Gestão de Riscos - 18

19 ANÁLISE DE RISCOS Identificar a natureza, extensão, intensidade e magnitude da ameaça; Determinar a existência e grau de vulnerabilidade; Identificar as medidas e recursos disponíveis; Construir cenários de riscos prováveis; Introdução a Gestão de Riscos - 19

20 ANÁLISE DE RISCOS Determinar níveis aceitáveis de riscos considerando custobenefício; Fixar prioridades quanto a tempo e disponibilidade de recursos; Planejar sistemas de administração efetivos e apropriados para implementar e controlar os processos anteriores. Introdução a Gestão de Riscos - 20

21 REDUÇÃO DE RISCOS Prevenção Relocação de edificações, de instalações e/ou de centros de produção, localizados em áreas de grande ameaça; Sistemas de irrigação e canalização para evitar secas; Sistemas de fechamento automático de válvulas para evitar escape de substâncias químicas. Introdução a Gestão de Riscos - 21

22 PREVENÇÃO Conjunto de ações para impedir ou evitar que eventos naturais ou provocados pela atividade humana, causem danos. Introdução a Gestão de Riscos - 22

23 REDUÇÃO DE RISCOS - Mitigação Derivações, barragens, diques e canais para aliviar inundações; Obras de dissipação de energia para amortecimento de avalanches ou inundações; Planejamento do ordenamento urbano e territorial e delimitação de áreas de ocupação em virtude de ameaças. Introdução a Gestão de Riscos - 23

24 REDUÇÃO DE RISCOS - Mitigação Normas para o manejo dos recursos naturais e implementação dos recursos necessários para seu cumprimento; Códigos de construção civil e de serviços básicos para reduzir a vulnerabilidade física e medidas de vigilância dos mesmos; Normas de saúde pública, de segurança industrial e de manejo de rejeitos/resíduos perigosos. Vigilância da aplicação das normas. Introdução a Gestão de Riscos - 24

25 MITIGAÇÃO Resultado de uma intervenção dirigida para reduzir risco. Introdução a Gestão de Riscos - 25

26 MANEJO DOS EVENTOS ADVERSOS Preparação Alerta Resposta Introdução a Gestão de Riscos - 26

27 PREPARAÇÃO Conjunto de medidas e ações para reduzir ao mínimo a perda de vidas humanas e outros danos,organizando oportuna e eficazmente a resposta e a reabilitação. Introdução a Gestão de Riscos - 27

28 ALERTA Estado declarado com o fim de tomar precauções específicas ante a provável e próxima ocorrência de um evento adverso. Introdução a Gestão de Riscos - 28

29 ALERTA A declaração deve ser: Clara Exeqüível Imediata Coerente Oficial Introdução a Gestão de Riscos - 29

30 ALARME É o aviso ou sinal que se dá para que sejam seguidas instruções específicas, devido a presença real ou iminente de um evento adverso. Introdução a Gestão de Riscos - 30

31 RESPOSTA Ações executadas frente a um evento adverso e que têm como objetivo salvar vidas, reduzir o sofrimento e diminuir perdas. Introdução a Gestão de Riscos - 31

32 RECUPERAÇÃO Reabilitação Reconstrução Introdução a Gestão de Riscos - 32

33 REABILITAÇÃO Recuperação a curto prazo dos serviços básicos e início da reparação dos danos físicos. Introdução a Gestão de Riscos - 33

34 RECONSTRUÇÃO Processo de recuperação a médio e longo prazo dos danos físicos, sociais e econômicos, a um nível de desenvolvimento superior ao existente antes do evento adverso. Introdução a Gestão de Riscos - 34

35 DESENVOLVIMENTO Aumento acumulativo e durável de quantidade e qualidade de bens, serviços e recursos de uma comunidade, vinculado a mudanças sociais, que tendem a melhorar a segurança e a qualidade de vida, sem comprometer os recursos das gerações futuras. Introdução a Gestão de Riscos - 35

36

Gestão de Riscos e Política Nacional de Defesa Civil

Gestão de Riscos e Política Nacional de Defesa Civil Gestão de Riscos e Política Nacional de Defesa Civil Final dos anos 90 - ações sistemáticas com enfoque em conhecer melhor as variáveis condicionantes que determinam a intensidade e a extensão do impacto

Leia mais

Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco

Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco Saúde, Desastres e Desenvolvimento e Atores na Gestão de Risco Dr. Ciro Ugarte Assessor Regional Preparativos para Emergência e Socorro em Casos de Desastre EVENTO ADVERSO Alterações nas pessoas, economia,

Leia mais

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE Introdução Moçambique é um dos países mais afectados por fenómenos extremos causados por forças naturais e por acções do homem sobre a natureza e que nos põe em perigo.

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Fundação Nacional de Saúde IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Dr. Neison Cabral Freire Fundação Joaquim Nabuco, Recife/PE Belo

Leia mais

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Núcleos de Defesa Civil (NUDECs): estruturação, atribuições e funcionamento Regina Panceri Gerente Capacitação, Pesquisa e Projetos SDC 3 O que é, o que é????? O que

Leia mais

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS

1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS 1º SEMINÁRIO DESAFIOS DO SANEAMENTO ASSEMAE RS A sustentabilidade e a integração prática das diferentes modalidades do saneamento: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos Porto Alegre, 01 de dezembro

Leia mais

Introdução a Gestão de Segurança da Informação. Professor Joerllys Sérgio

Introdução a Gestão de Segurança da Informação. Professor Joerllys Sérgio Introdução a Gestão de Segurança da Informação Professor Joerllys Sérgio A informação e sua importância para o negócio Os aspectos da geração de conhecimento a partir da informação são de especial interesse

Leia mais

Gestão de Riscos no Brasil

Gestão de Riscos no Brasil Gestão de Riscos no Brasil Eduardo Soares de Macedo Géologo PROCESSOS CAUSADORES DE RISCOS NATURAIS Classificação COBRADE SEDEC-MI CATEGORIA GRUPO SUBGRUPO 1. Terremoto 1. GEOLÓGICO 2. Emanação vulcânica

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Conceitos de Segurança da Informação Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 O que é segurança da Informação Importância

Leia mais

2 Teoria de desastres

2 Teoria de desastres Seção 2 Teoria de desastres Antes que um bom plano comunitário de gestão de desastres possa ser elaborado, é importante compreender o que é um desastre e quais são os riscos de desastres em um determinado

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios IBM Global Technology Services White Paper Novembro de 2010 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios Ajudando os negócios a permanecerem competitivos 2 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade

Leia mais

Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL

Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL Ministério da Integração Nacional SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL 8 Seminário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Ministério da Defesa Vicente Cavalcanti Ibiapina Parente Ministério da Integração

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

INICIATIVA LATINO-AMERICANA E CARIBENHA

INICIATIVA LATINO-AMERICANA E CARIBENHA INICIATIVA LATINO-AMERICANA E CARIBENHA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL I. Contexto 1. A Conferência do Rio em 1992 foi convocada a partir do reconhecimento de que os padrões de produção e consumo,

Leia mais

SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS

SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS CATÁLOGO VENTURES SMART H2O SOLUTION DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS CONTEÚDO 2 4 5 DEFININDO O FUTURO DOS NOSSOS RECURSOS HÍDRICOS Sobre o Smart H2O Infraestrutura hídrica segura, inteligente

Leia mais

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE

CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE CORRUPÇÃO E MEIO AMBIENTE A corrupção gera um sério impacto sobre o meio ambiente. Uma série de setores são particularmente vulneráveis à corrupção, incluindo a silvicultura, a proteção de espécies ameaçadas

Leia mais

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis

Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Plano Municipal de Redução de Risco de Florianópolis Curso de Capacitação em Mapeamento e Gestão de Riscos RISCO AMBIENTAL URBANO condição potencial da ocorrência de um acidente que possa causar perda

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA ANÁLISE COMPARATIVA DOS PROCEDIMENTOS PARA OBTER O LICENCIAMENTO AMBIENTAL VISANDO A INSTALAÇÃO DE INDÚSTRIAS EM SANTA CATARINA E ANDALUZIA Manuel Tejera Martos (*), Valdésio Benevenutti, Evandro Bittencourt

Leia mais

Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016)

Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016) Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016) http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-613_espirito-santos.pdf DOI: 10.5894/rgci613 Espirito-Santo &

Leia mais

Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências

Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências Modelo de Questionário para identificar e mapear ativos e Infraestruturas Críticas da Informação e suas interdependências 1. A que setor pertence o ativo de informação? a) Energia; b) Comunicações; c)

Leia mais

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente

Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente Mudanças Climáticas e Desastres Naturais no Brasil - Desafios ao Desenvolvimento Urbano Resiliente São Paulo, 12 de mao de 2016 Estrutura da Apresentação Panorama Geral - Mudanças Climáticas - Desastres

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINQUE DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL (WMA) Princípios Éticos para Pesquisa Médica envolvendo Seres Humanos Adotada pela 18ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial (Helsinque, Finlândia,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Salvador/BA 25 a 28/11/2013 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Daniel Varriento Escobar*, Alcindo Neckel, Suelen Marques * Gestor Ambiental.E-mail:

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 4. Análise, Avaliação e Tratamento de Riscos 1 Roteiro (1/1) Definições Análise e Avaliação de Riscos Tratamento de Riscos Matriz de Análise de

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil

Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Tanguá (Rio de Janeiro), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: VALBER LUIZ MARCELO DE CARVALHO Nome do ponto focal: Alexander Anthony

Leia mais

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp=

^=`ljfppíl=jrkaf^i=a^=j^`lke^= = `lk`irpîbp=b=ob`ljbka^ Îbp= PORTUGUESE ^`ljfppíljrkaf^ia^j^`lke^ `lk`irpîbpbob`ljbka^ Îbp COMISSÁRIOS: ROBIN ROOM BENEDIKT FISCHER WAYNE HALL SIMON LENTON PETER REUTER AMANDA FEILDING `lmvofdeq«qeb_b`hibvclrka^qflkommu qeb_b`hibvclrka^qflk

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO N ú m e r o P-24 POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO Fundo Brasileiro para a Biodiversidade FUNBIO POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS DO FUNBIO FUNBIO Fundo Brasileiro para

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

RISCOS ASSOCIADOS AO PROJETO E A CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS. Engº Roberto Facchinetti

RISCOS ASSOCIADOS AO PROJETO E A CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS. Engº Roberto Facchinetti 1 RISCOS ASSOCIADOS AO PROJETO E A CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS Engº Roberto Facchinetti 2 BARRAGENS PROPORCIONAM VÁRIOS BENEFÍCIOS AOS SEUS PROPRIETÁRIOS E A COMUNIDADE FORNECEM ÁGUA PARA ABASTECIMENTO HUMANO,

Leia mais

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS por Heinz P. Bloch Para TECÉM - tecem.com.br 05/10/2013 Parcerias com um único fornecedor de selo mecânico nem sempre

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Levantamento dos Ativos

Levantamento dos Ativos Segurança da Informação LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Kelly Alves Martins Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. LEVANTAMENTO DE ATIVOS... 2 3. LEVANTAMENTO DE

Leia mais

Vigilância Sanitária

Vigilância Sanitária Vigilância Sanitária Pauta Breve histórico Missão da VISA Objetivos da VISA Processo de trabalho em VISA Risco e gerenciamento de risco sanitário Gestão:o sistema - politica financiamento RH estrutura

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

Epidemiologia de Desastres. Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud

Epidemiologia de Desastres. Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud Epidemiologia de Desastres Organización n Panamericana de la Salud Organización n Mundial de la Salud Nestes momentos milhões de pessoas estão sendo afetados por desastres no mundo. EVENTOS ADVERSOS Fenômenos

Leia mais

FIRE DETECTION. Deteção de Calor Linear por Fibra Óptica (LHD) para Aplicações de Perigos Especiais. Leading the Way with Passion.

FIRE DETECTION. Deteção de Calor Linear por Fibra Óptica (LHD) para Aplicações de Perigos Especiais. Leading the Way with Passion. FIRE DETECTION Deteção de Calor Linear por Fibra Óptica (LHD) para Aplicações de Perigos Especiais AP Sensing: O seu parceiro de confiança para a deteção de incêndios A AP Sensing é o seu fornecedor global

Leia mais

A Atenção Primária à Saúde

A Atenção Primária à Saúde A Atenção Primária à Saúde Maria Emi Shimazaki SHIMAZAKI, M. E. (Org.). A Atenção Primária à Saúde. In: MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais. Implantação do Plano Diretor da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5

Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Gerenciamento de Riscos Ambientais Aula 5 Alexandre Martins Fernandes afernandes@cena.usp.br Sorocaba Agosto 2010 Tipos e

Leia mais

Glossário de Termos Mais Usados

Glossário de Termos Mais Usados Anexo 11 Glossário de Termos Mais Usados Tabela 10: Glossário de Termos Termos Abrigo no próprio local Acampamento Alcance do Controle Área de preparação Ativo Centro de Comando da EMT Centro de Informações

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico.

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico. INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia enfrentamos diferentes tipos de riscos aos quais atribuímos valor de acordo com a percepção que temos de cada um deles. Estamos tão familiarizados com alguns riscos que chegamos

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil

Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Conselheiro Lafaiete (Minas Gerais), Brazil Relatório de progresso local na implantação dos Dez Passos Essenciais para Construção de Cidades Resilientes (2013-2014) Prefeito: Ivar de almeida Cerqueira

Leia mais

MUDANÇAS! CLIMATICAS!

MUDANÇAS! CLIMATICAS! MUDANÇAS! CLIMATICAS! NA SALA DE AULA!! Curso da UNESCO para professores secundários (fundamental II e ensino médio) sobre educação em! mudança climática e desenvolvimento sustentável (EMCDS)! Terceiro

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

TRANSFORMANDO ORGANIZAÇÕES EM RICAS, ÉTICAS INSPIRADORAS E PERENES EM 2016

TRANSFORMANDO ORGANIZAÇÕES EM RICAS, ÉTICAS INSPIRADORAS E PERENES EM 2016 TRANSFORMANDO ORGANIZAÇÕES EM RICAS, ÉTICAS INSPIRADORAS E PERENES EM 2016 ESTAMOS FALANDO COM VOCÊ SOBRE: 1 Evolução de herança para legado, imagem de marca para reputação. 2 Superação de Crises é mais

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

RESEAU INTERNATIONAL DES ORGANISMES DE BASSIN INTERNATIONAL NETWORK OF BASIN ORGANIZATIONS RED INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE CUENCA

RESEAU INTERNATIONAL DES ORGANISMES DE BASSIN INTERNATIONAL NETWORK OF BASIN ORGANIZATIONS RED INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE CUENCA RESEAU INTERNATIONAL DES ORGANISMES DE BASSIN INTERNATIONAL NETWORK OF BASIN ORGANIZATIONS RED INTERNACIONAL DE ORGANISMOS DE CUENCA Apresentação de Jean-François DONZIER Diretor Geral Departamento Internacional

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo

Oficina de Planejamento Participativo Oficina de Planejamento Participativo 2010 Facilitadora Laura Maria Pedrosa de Almeida Planejamento - planejar significa pensar antes de agir; - planejar não é adivinhar ou predizer o futuro, e sim, calcular,

Leia mais

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.

Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015. CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj. Reflexões sobre o Quinto relatório de avaliação do IPCC constatações e complexidades Natal outubro 2015 CAROLINA DUBEUX carolina@ppe.ufrj.br A mudança do clima e a economia Fonte: Adaptado de Margulis

Leia mais

A ponte que atravessa o rio

A ponte que atravessa o rio A ponte que atravessa o rio Patrus Ananias, ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Falar do combate à fome no Brasil requer falar de combate à desigualdade social. Requer compreender que o

Leia mais

PASSO 6 Planejamento de ações

PASSO 6 Planejamento de ações PASSO 6 Planejamento de ações Assegure-se que haja enfoque e tempo suficientes para este último passo. Se vulnerabilidades e capacidades forem levantadas em relação a diferentes ameaças de desastres, mas

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA

Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Gestão Ambiental PADRÃO DE RESPOSTA Em termos de atendimento à proposta, espera-se que o estudante estabeleça relação entre a qualidade do serviço de esgotamento sanitário e de tratamento da água para

Leia mais

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil

Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Barra Velha (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: Claudemir Matias Francisco Nome do ponto focal: Elton Cesar Cunha

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.195, DE 2015 (Do Sr. Goulart)

PROJETO DE LEI N.º 1.195, DE 2015 (Do Sr. Goulart) *C0052659A* C0052659A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.195, DE 2015 (Do Sr. Goulart) Institui o ''Projeto nasce uma criança, planta-se uma árvore'' que dispõe sobre medidas para a promoção, preservação

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Riscos naturais. Geologia Ambiental. Rodolfo J. Angulo

Riscos naturais. Geologia Ambiental. Rodolfo J. Angulo Riscos naturais Geologia Ambiental Rodolfo J. Angulo O risco natural é a maior ou menor probabilidade que ocorra dano ou catástrofe social num determinado local ou região devido à ação de um processo natural.

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Workshop de Engenharia de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Auxiliar

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência Cronograma e Método de Avaliação Datas Atividades

Leia mais

DEFESA CIVIL PROFESSORES ESTUDANTES EDUCAÇÃO P R O G R A M A ESCOLA RESILIENTE. Secretaria de Educação Petrópolis

DEFESA CIVIL PROFESSORES ESTUDANTES EDUCAÇÃO P R O G R A M A ESCOLA RESILIENTE. Secretaria de Educação Petrópolis PROFESSORES DEFESA CIVIL EDUCAÇÃO ESTUDANTES Secretaria de Educação Petrópolis P R O G R A M A ESCOLA RESILIENTE Planejamento Prevenção Preparação Desenvolver, estimular e multiplicar ações de Redução

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro APT 30 APT30 Empresa FireEye divulgou no último domingo (12/04/2015) um relatório que detalha as operações de um grupo de ciberespionagem

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias - SQS REFERENCIAL NORMATIVO REF.001 Versão Jul.2011 1. Introdução Este programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias SQS estabelece

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS

PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS 1 PLANO DE GERÊNCIAMENTO DE RISCOS Versão 1.1 Rua Pedro Ribeiro, 85 - Matriz, Vitória de Santo Antão - PE, 55612-275 Pernambuco Brasil (81) 3523-0012 www.qualistec.com.br suporte@qualistec.com.br 2 Histórico

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia

Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS. Introdução à estratégia Hospitales seguros frente a los desastres HOSPITAIS SEGUROS Introdução à estratégia O que é um Hospital Seguro? Hospitales seguros frente a los desastres Estabelecimento de saúde (grande, pequeno, rural,

Leia mais

Comissão da Infância e Juventude

Comissão da Infância e Juventude Comissão da Infância e Juventude RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. Altera a Resolução 69/2011, que dispõe sobre a atuação dos membros do Ministério Público como órgão interveniente nos processos judiciais em

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 1 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Objetivos de Aprendizagem 1. Participar ativamente

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS

PROJETO DE LEI Nº 433/2015 CAPÍTULO I DOS CONCEITOS PROJETO DE LEI Nº 433/2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. CAPÍTULO I DOS CONCEITOS Art. 1º Esta Lei institui a Política Municipal de estímulo à Produção

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais

Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Disciplina: Instalações Elétricas Prediais Parte 6 Sistema de Proteção contra Descarga Atmosférica (SPDA) Graduação em Eng. Elétrica 1 Conograma Definições básicas Mitos e Verdades Efeito dos raios nas

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSI/PR 01 15/FEV/13 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

O QUE SÃO DESASTRES?

O QUE SÃO DESASTRES? Os três irmãos Tasuke O QUE SÃO DESASTRES? Este material foi confeccionado com a subvenção do Conselho de Órgãos Autônomos Locais para a Internacionalização Prevenção e desastres A prevenção é o ato de

Leia mais

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo O treinamento de trabalhadores, voltado para a conscientização sobre os perigos existentes em suas áreas de trabalho, reduz ao mínimo

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

PORTARIA Nº 2.050, DE 22 DE ABRIL DE 2016.

PORTARIA Nº 2.050, DE 22 DE ABRIL DE 2016. PORTARIA Nº 2.050, DE 22 DE ABRIL DE 2016. Inclui o Anexo 10 da Portaria nº 4.772/2008, a qual institui a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A

Leia mais

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC

VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Pós Graduação em Engenharia de Produção VISÃO GERAL DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA E PESQUISAS DESENVOLVIDAS NA UFSC Profª Dra. Mirian Buss Gonçalves mirianbuss@deps.ufsc.br

Leia mais