Projeto Censo dos Polos Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011"

Transcrição

1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1

2 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011 2

3 SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Presidente do Conselho Deliberativo Estadual Jésus Mendes Costa Diretor Superintendente Cezar Vasquez Diretor de Desenvolvimento Evandro Peçanha Alves Diretor de Produtos e Atendimento Armando Clemente Gerente da Área de Estratégias e Diretrizes Cezar Kirszenblatt Gerente da Área de Comércio Serviços e Turismo Mariangela Rossetto Champoudry Coordenadora dos Polos Comerciais e Gastronômicos Louise da Silva Dourado Nogueira Coordenadora da Equipe de Estudos e Pesquisas Norma Suely Cerqueira Mesquita Colaboradores Débora Ferreira Finamore Marta Cristina Aresta Ribeiro Patrícia Reis Pereira Roberta Mendes Gonçalves Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito Eduardo Paes Secretário Especial de Desenvolvimento Econômico Solidário Marcelo Henrique da Costa Subsecretário de Políticas Emancipatórias e Empreendedorismo Social Marco Antonio de Oliveira Moita Subsecretário de Projetos e Apoio ao Desenvolvimento Local Eugênio Soares dos Santos Diretor de Polos e Apl s José Augusto da Costa e Silva Membro do Comitê do Censo dos Polos Maria Alice Barbosa Ribeiro Banco do Brasil S. A. Superintendência Estadual de Varejo e Governo do Estado do Rio de Janeiro Tarcísio Hubner Superintendência de Desenvolvimento Sustentável e Agronegócios Marcos Antonio Pimenta de Lima 3

4 Sindicato de Hotéis Bares e Restaurantes SindRio Presidente Pedro de Lamare Diretora de Polos Rosana Santos Superintendente José Darcilio Junqueira Coordenadora de Polos Marina Gerk Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Coordenadora de Projetos Estratégicos Vanessa Rocha Analista de Projetos Estratégicos Kenya Giacomini Analista de Economia e Pesquisas Leonardo Lima Revisão de Texto do Censo dos Polos Jefferson Lessa Associação Comercial do Rio de Janeiro Vice Presidente do Conselho de Inovação e Tecnologia Marília Oliveira Correa de Brito Diretora de Projetos Marta Arakaki Narcisa Santos Consultoria, Projetos e Cursos Ltda. Diretora Técnica Narcisa Maria Gonçalves dos Santos, DSc. Diretor Administrativo e Financeiro Roberto Calonico dos Santos, MBA. Assessoramento Técnico Aline Vidaure Senatore - Atuária Aucir Costa Couto - Estatístico Caroline Marcelino Sixel - Estatística Diego Amorim da Silva - Estatístico Lincoln Thiago Neves - Estatístico Luciana Azevedo Almeida dos Santos - Estatística Pesquisadores Diego Oliveira Figueiredo Glauber Meleiro Secundo Dias Jéssica Aiume Conceição Dias Livia Ferreira Rodrigues Mariana Coelho Cunha Araújo Mayra Lopes Tavares do Couto Thamires Lopes Tavares do Couto 4

5 Sumário Avaliação do Programa...6 Relatório do Polo Gastronômico de Botafogo...7 Objetivo do Censo dos Polos para o Polo Gastronômico de Botafogo...8 Parte 1. Conhecer a vocação econômica do Polo Gastronômico de Botafogo Atrativos turísticos Perspectivas da Região Perfil Demográfico da Região Densidade Demográfica da Região Caracterização dos Domicílios por Classe de Renda Perfil de Renda da Região Perfil Etário da Região Síntese Sócio Demográfica da Região Delimitada pelo Polo Gastronômico de Botafogo Perfil Gráfico da Síntese Sócio Demográfica da Região Delimitada pelo Polo Gastronômico de Botafogo Parte 2. Perfil dos Estabelecimentos do Polo Gastronômico de Botafogo Conhecer o Estabelecimento Direto Faixas de Faturamento Cadastro de Associados Contratação de Pessoas em Quadro de Pessoal em Conhecer o Nível de Participação Direta dos Empresários do Polo Identificar a Formação de Novas Lideranças Opinião Sobre a Duração do Mandato do Presidente do Polo Desejo de Assumir a Liderança do Polo Indicação de uma Liderança Para o Polo Identificar Oportunidades de Melhorias de Gestão e Inovação Principais Tipos de Fornecedores Nível de Formação de Gestores Capacitação Gerencial e Técnica Opinião Sobre as Ações Dos Polos Participação e Memorização das Atividades Promovidas Pelo Programa Polos do Rio Avaliação Sobre as Ações do Polo Apêndice A Cadastro de Empresas do Polo Gastronômico de Botafogo... Erro! Indicador não definido. Apêndice B - Questionário... Erro! Indicador não definido. 5

6 Avaliação do Programa O Programa POLOS DO RIO, instituído pelo Decreto Nº 31473, de 7 de dezembro de 2009, tem como propósito central o fortalecimento dos aglomerados comerciais e de serviços da cidade do Rio de Janeiro, respeitadas as suas singularidades e vocações. Adotando modelo de governança público-privado, hoje referência para outros formatos de parcerias, reúne experiência e variado elenco de ferramentas de apoio empresarial das instituições que o coordenam: ACRJ, Banco do Brasil, Fecomércio-RJ, Sebrae/RJ, SindRio e Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico Solidário/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo em que reforça a vocação desses aglomerados comerciais, como importantes destinos de consumo e entretenimento da cidade, o Programa POLOS DO RIO estimula a reflexão dos empresários quanto à instalação de um bom ambiente de negócios, através da melhoria do atendimento aos clientes e consumidores, da autocapacitação e da adequada formação de suas equipes, da adoção de práticas empresariais modernas e associativas, da relação harmônica com o território e com a cidade. Os polos são uma realidade no Rio de Janeiro. São dezenas, distribuídos pelas diversas regiões da cidade. Muitos, já formalizados e com organicidade própria, integram o Programa POLOS DO RIO. Outros, em fase de organização e constituição, tendo neste processo o apoio das entidades da governança do Programa. Incluemse, ainda, os inúmeros grupos empresariais que, iniciando o exercício associativo, em futuro próximo se constituirão em polos. O polo, em síntese, é a união de empresários e empreendedores que, juntos, buscam soluções coletivas para problemas ou interesses que, individualmente, seriam difíceis ou impossíveis de serem alcançados. Essa estratégia associativa permite aos polos, dentre outros diferenciais: maior apoio das entidades de fomento empresarial, em especial das que compõem a governança do Programa; aumento do poder de negociação, tanto empresarial quanto com as instâncias de governo; melhoria das relações interempresariais, ampliando as possibilidades de parcerias; melhoria dos ambientes interno e externo; implementação de ações de responsabilidades sócio-empresarial; iniciativas que promovam o polo e aqueçam os negócios. O Censo se apresenta como uma necessidade natural de se conhecer a realidade dos polos que integram o Programa POLOS DO RIO, ao retratar o momento atual e observar a sua evolução a partir de parâmetros comparativos a serem aferidos em futuro próximo. O Censo propicia entender melhor o perfil e a vocação econômica de cada polo, conhecer as empresas que o constituem e sua rede de contatos. Oferecer às empresas associadas informações úteis para o posicionamento do seu negócio, oferecer aos polos informações que os ajudem a realizar seu planejamento estratégico e aprimorar o entendimento das necessidades de cada polo para melhor subsidiar as ações do Programa, são alguns dos objetivos do Censo. 6

7 Relatório do Polo Gastronômico de Botafogo O Censo dos Polos é uma realização da Governança do Programa Polos do Rio, que tem como objetivo ampliar o conhecimento sobre o desenvolvimento do Programa, avaliar as ações já empreendidas e obter subsídios para a proposição de novas diretrizes. Neste documento são pesquisados os estabelecimentos pertencentes a 18 Polos Gastronômicos e/ou Multisetoriais, pertencentes ao Programa. A pesquisa teve início em 15/07/2011, com a reunião de mobilização no Polo Gastronômico de Botafogo e, em seguida, se deu o levantamento dos demais Polos. Esse relatório é referente ao Polo Gastronômico de Botafogo, composto por questionários, com um total de 28 (vinte e oito) entrevistas, sendo 26 (vinte e seis) restaurantes e 2 (duas) casas noturnas. O início do levantamento de campo se deu no período compreendido entre 27/07/11 e 22/08/11. A pesquisa está organizada em três partes: Delimitação geográfica, vocação econômica do Polo e perfil dos estabelecimentos da região. Perfil demográfico e socioeconômico da região. Perfil dos estabelecimentos associados ao Polo Este relatório consolida os resultados do Polo Gastronômico de Botafogo. 7

8 Objetivo do Censo dos Polos para o Polo Gastronômico de Botafogo 1. Delimitação geográfica, vocação econômica do Polo e perfil dos estabelecimentos da região 2. Mapa da delimitação geográfica 3. Caracterização do espaço físico 4. Empresas por porte e seções do CNAE 5. Perfil dos estabelecimentos associados ao Polo Gastronômico de Botafogo 8

9 Parte 1. Conhecer a vocação econômica do Polo Gastronômico de Botafogo 1.1. Atrativos turísticos Reduto tradicional da boemia carioca, compreendido entre a Rua Real Grandeza e a Cobal do Humaitá, reúne o conjunto das ruas mais animadas do bairro - Visconde de Caravelas, Visconde de Silva, Henrique de Novaes, Conde de Irajá, Capitão Salomão, Martins Ferreira e Voluntários da Pátria. Da alta gastronomia à típica comida de botequim, passando por culinárias variadas como a portuguesa, a italiana, a árabe, a oriental e a francesa, entre outras, além das casas noturnas e torterias, o POLO BOTAFOGO é marcado pela diversidade. O Polo Gastronômico de Botafogo também faz parte de uma região turística muito visitada por brasileiros e estrangeiros e tem um passeio guiado pelos casarões históricos. Delimitação: Compreende o polígono formado pelos seguintes trechos de ruas: partindo da confluência da Rua Real Grandeza com a Rua São Clemente, seguindo por esta até o Largo dos Leões, seguindo pela Rua Humaitá, até encontrar a Rua Visconde de Silva, continuando por esta até o Largo do IBAM, seguindo pela Rua Pinheiro Guimarães até o cruzamento com a Rua Real Grandeza, por esta até o cruzamento com a Rua Mena Barreto, seguindo pela mesma até a Rua São João Batista, por esta até a Rua Voluntária da Pátria, seguindo por esta até o cruzamento com a Rua Real Grandeza, retornando por esta ao ponto de partida. 9

10 1.2. Perspectivas da Região A região delimitada é multisetorial, composta por (um mil, setecentos e dezessete) estabelecimentos, dos quais 87,9% são microempresas, com força de trabalho de (dez mil, quinhentos e quarenta e cinco) empregados. Atualmente, está em fase de revitalização pela ampliação de oferta de edifícios de apartamentos e atividades socioculturais. Quadro 1 Delimitações por Divisões de Atividades Econômicas e Logradouros Estabelecimentos e Empregados da Área Delimitada do Polo Botafogo DELIMITAÇÕES POR DIVISÕES Estabelec. % Estabelec. Empreg. % Empreg. Rua Conde de Irajá ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana 21 18,9% ,9% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 21 18,9% 57 7,9% Comércio Varejista 9 8,1% 65 9,1% Alimentação 7 6,3% ,8% Outras Divisões 53 47,7% ,4% Rua Dezenove de Fevereiro ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana 19 16,8% ,8% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 17 15,0% 57 6,2% Alimentação 12 10,6% ,0% Comércio por Atacado, exceto Veículos Automotores e Motocicletas 4 3,5% ,6% Atividades de Organizações Associativas 4 3,5% ,8% Outras Divisões 57 50,4% ,6% Rua Dona Mariana ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana 71 35,5% ,7% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 37 18,5% ,7% Serviços de Escritório, de Apoio Administrativo e Outros Serviços Prestados 14 7,0% 7 0,5% às Empresas Serviços de Arquitetura e Engenharia; Testes e Análises Técnicas 11 5,5% 3 0,2% Outras Divisões 67 33,5% ,0% Continua. 10

11 Rua Real Grandeza ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana 48 20,3% 83 11,7% Comércio Varejista 28 11,8% 65 9,2% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 25 10,5% 79 11,1% Alimentação 16 6,8% ,6% Atividades de Organizações Associativas 16 6,8% 17 2,4% Outras Atividades de Serviços Pessoais 15 6,3% 61 8,6% Comércio e Reparação de Veículos Automotores e Motocicletas 14 5,9% 80 11,3% Outras Divisões 75 31,6% ,1% Rua Visconde de Silva ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana 52 46,0% ,3% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 14 12,4% 65 15,2% Comércio Varejista 9 8,0% 75 17,5% Alimentação 8 7,1% ,0% Outras Divisões 30 26,5% 64 15,0% Rua Voluntários da Pátria ,0% ,0% Atividades de Atenção à Saúde Humana ,1% ,4% Comércio Varejista ,7% ,1% Alimentação 38 8,5% ,1% Serviços para Edifícios e Atividades Paisagísticas 34 7,6% 153 6,1% Outras Divisões ,1% ,4% Fonte: MTE/RAIS Identificada Em 2010, 28 estabelecimentos participaram do Polo com ênfase em restaurantes, bares e similares, além de um supermercado e duas casas noturnas. Considerando as atividades afins ao perfil do Polo Gastronômico de Botafogo, (preponderantemente gastronomia, cultura e entretenimento), observa-se em seu perímetro a existência de 195 estabelecimentos, o que denota espaço para novas adesões. Os gráficos na sequência apresentam, respectivamente, como se dá a representatividade das atividades econômicas na região circunscrita ao Polo e as atividades afins, que efetivamente o compõem. 11

12 Gráfico 1 Representatividade das atividades econômicas da Região delimitada do Polo Alojamento e Alimentação 0% Artes, Cultura, Esporte e Recreação 1% 8% 3% 25% Saúde e Serviços Sociais Atividades Administrativas e Serviços 3% Comércioe Reparação de Veículos Estabelecimentos da Região 6% 8% 19% Atividades Profissionais, Científicas e Técnicas Outras Atividades Informação e Comunicação 9% 18% Educação Financeiras, Seguros e Serviços Relacionados Organismos Internacionais 7% Estabelecimentos Participantes do Polo Alojamento e Alimentação Artes, Cultura, Esporte e Recreação 93% Fonte: MTE/RAIS Identificada

13 Gráfico 2 Dimensão Espacial do Polo Gastronômico de Botafogo Artes, Cultura, Esporte e Recreação 57 Estabelecimentos Afins ao Polo Alojamento e Alimentação Estabelecimentos Participantes do Polo Artes, Cultura, Esporte e Recreação Alojamento e Alimentação 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral 1900ral O gráfico 2 demonstra o potencial de crescimento do Polo Gastronômico de Botafogo, cujas empresas associadas dos segmentos de Alojamentos e Alimentação e Artes, Cultura, Esportes e Recreação, afins ao perfil do Polo, representam 14,36% do total levantado. 13

14 1.3. Perfil Demográfico da Região A região experimentou um crescimento populacional na última década de 6%, como pode ser observado no Quadro 2, apresentado a seguir: Quadro 2 Principais indicadores demográficos da Região. Comparativo entre os anos de 2000 e 2009 Variável Indicadores População Total População Total Taxa de crescimento populacional (2000/2009) 0,06 Grau de verticalização (%) 91,66 % de chefes casados com filhos 31,81 % de chefes casados sem filhos 16,68 % de chefes solteiros com filhos 17,37 % de chefes solteiros sem filhos 34,12 Renda Média Familiar ,79 Despesa familiar total (por mês em R$) 3.576,46 Quantidade de trabalhadores Salário Médio do trabalhador por mês em R$ 2.294,60 Quantidade de empresas Total de Domicílios Total de Domicílios Fonte: Bússola SEBRAE 14

15 1.4. Densidade Demográfica da Região A região tem densidade demográfica entre as categorias Alta e Muito Alta (compreendida) entre a ( e a hab/km2, respectivamente), dentro da delimitação do Polo Gastronômico de Botafogo. O Mapa 2 evidencia esta densidade. Mapa 2 Densidade Demográfica da Região Fonte: Bússola SEBRAE 15

16 1.5. Caracterização dos Domicílios por Classe de Renda A região é predominantemente de Classe A/B, somando 78,5% dos domicílios. Os mapas 3 a 6 detalham esta caracterização: Mapa 3 Percentual de Domicílios da Classe A (26,92%) Fonte: Bússola SEBRAE 16

17 Mapa 4 Percentual de Domicílios Classe B (51,57%) Fonte: Bússola SEBRAE Mapa 5 Percentual de Domicílios da Classe C (16,54%) Fonte: Bússola SEBRAE 17

18 Mapa 6 Percentual de Domicílios da Classe D (4,93%) Fonte: Bússola SEBRAE Quadro 3 Classes econômicas Classes econômicas (Renda Média Familiar Mensal em R$) Classe A1 = ,00 Classe C1 = 1.400,00 Classe A2 = 8.100,00 Classe C2 = 950,00 Classe B1 = 4.600,00 Classe D = 600,00 Classe B2 = 2.300,00 Classe E = 400,00 Fontes: ABA - Associação Brasileira de Anunciantes ABEP - Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa ABIPEME - Associação Brasileira dos Institutos de Pesquisa de Mercado 18

19 1.6. Perfil de Renda da Região A renda média dos trabalhadores da região em 2009 era de aproximadamente 4,2 salários mínimos (R$ 2.294,60), revelando que a força de trabalho tem renda superior à média do Rio de Janeiro (R$ 1.311,00 no mesmo ano, conforme registrado no Armazém de Dados do Instituto Pereira Passos, Tabela 2100). Mapa 7 Renda Média do Trabalhador, 2009 Fonte: Bússola SEBRAE 19

20 A renda média do chefe de domicílio na região alcança um valor bem maior (R$ 5.600,00, cerca de 10,37 salários mínimos). Mapa 8 Renda Média do Chefe do Domicílio, Fonte: Bússola SEBRAE A renda média familiar alcança R$ 6.915,79 (cerca de 12,69 salários mínimos em 2009). Mapa 9 Renda Média Familiar, Fonte: Bússola SEBRAE 20

21 A despesa familiar total em 2009 alcançou R$ 3.576,46, (aproximadamente 6,56 salários mínimos). Mapa 10 Despesa Familiar Total, 2009 Fonte: Bússola SEBRAE 21

22 1.7. Perfil Etário da Região A região tem um perfil etário equilibrado, com 14,9% de jovens (entre 20 e 34 anos), 32,41% de adultos (entre 35 e 49 anos), 16,74% de maduros (50 a 64 anos), e 15,14% idosos, (65 anos ou mais). A distribuição por idade pode ser mais bem observada nos Mapas 11 a 14, mostrados a seguir: Mapa 11 - Percentual de Jovens Anos - 14,9% Fonte: Bússola SEBRAE 22

23 Mapa 12 - Percentual de Adultos Anos - 32,41% Fonte: Bússola SEBRAE Mapa 13 - Percentual de Maduros Anos - 16,74% Fonte: Bússola SEBRAE 23

24 Mapa 14 - Percentual de Idosos - 65 Anos ou mais - 15,14% Fonte: Bússola SEBRAE 24

25 1.8. Síntese Sócio Demográfica da Região Delimitada pelo Polo Gastronômico de Botafogo Finalizando a análise da região delimitada pelo Polo Gastronômico de Botafogo, os indicadores completos estão disponíveis no Quadro 4. Quadro 4 Síntese sócio demográfica do Polo Gastronômico de Botafogo Descrição Indicadores População Total % de Homens 43,52 % de Mulheres 56,47 % de Crianças (0-12 anos) 8,96 % de Adolescentes (13-19 anos) 11,82 % de Jovens (20-34 anos) 14,90 % de Adultos (35-49 anos) 32,41 % de Maduros (50-64 anos) 16,74 % de Idosos (65 anos ou mais) 15,14 Razão de Dependência Jovem 0,15 Razão de Dependência Idoso 0,15 Total de Domicílios (2000) Média de Morador por Domicílio 2,24 % de Domicílios de Classe A 26,92 % de Domicílios de Classe B 51,57 % de Domicílios de Classe C 16,54 % de Domicílios de Classe D 4,93 % de Domicílios de Classe E 0,03 Renda Média do Chefe em Salários Mínimos 10,37 % de Chefes sem Estudo 0,83 % de Chefes com até 1o Grau Completo 20,05 % de Chefes com até 2o Grau Completo 25,47 % de Chefes com Curso Superior 53,63 Media de Anos de Estudo do Chefe 11,06 % Chefes Jovens (20-34 anos) 7,32 % Chefes Adultos (35-49 anos) 42,07 % Chefes Maduros (50-64 anos) 26,25 % Chefes Idosos (65 anos ou mais) 24,17 % Chefes Mulher 44,77 Quantidade de Setores Censitários 62 Todas as informações são provenientes de dados secundários do IBGE, e podem apresentar imprecisões entre a coleta e as informações atuais Fontes: Censo 2000 IBGE; RAIS 2009 MTE; BIM 2009 IBGE; Cognatis GEOPOP

26 Perfil Gráfico da Síntese Sócio Demográfica da Região Delimitada pelo Polo Gastronômico de Botafogo Gráfico 3 -Gênero -Morador Gráfico 4 -Faixa Etária -Morador Criancas (0-12 anos) 9% 56% 44% Adolescentes (13-19 anos) Jovens (20-34 anos) 12% 15% Adultos (35-49 anos) 32% Maduros (50-64 anos) 17% Homens Mulheres Idosos (65 anos ou mais) 15% 0% 10% 20% 30% 40% Gráfico 5 -Classe sócio econômica - Morador 16% 5% 52% 27% Classe A Classe B Classe C Classe D Classe E 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Gráfico 6 - Escolaridade - Chefe de Família 1% 20% Sem Estudo Até 1o Grau Completo 25% Até 2o Grau Completo 54% Com Curso Superior Gráfico 7 -Faixa Etária -Chefe de Família Jovens (20-34 anos) 7% Adultos (35-49 anos) 42% Maduros (50-64 anos) Idosos (65 anos ou mais) 26% 24% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 26

27 Parte 2. Perfil dos Estabelecimentos do Polo Gastronômico de Botafogo Esta seção mostra o perfil do Polo, formado pelos vinte e oito (28) estabelecimentos associados e pesquisados, destacando as principais métricas esperadas pela Governança do Programa Polos do Rio, conforme o projeto do Censo. Serão analisados indicadores de faturamento, postos de trabalho, modelos de gestão e inovação, formação de lideranças, entre outras. Tabela 1 Diferentes segmentos dos estabelecimentos Segmento Quantidade (%) Restaurante 26 92,9 Casa noturna 2 7,1 Total ,0 27

28 2.1. Conhecer o Estabelecimento Direto O estabelecimento associado ao Polo pode ser analisado segundo características de porte por meio de faixas de faturamento e postos de trabalho. Conforme as respostas dos empresários pesquisados, a maioria dos associados pode ser classificada como pequena empresa, segundo os critérios da legislação e do Sebrae Faixas de Faturamento Os estabelecimentos associados ao Polo Gastronômico de Botafogo apresentam faturamento anual indicativo de pequena empresa, concentrado entre R$ 600,01 mil e R$ 2,4 milhões, em 78% dos casos, com média estimada para o ano de 2010 em R$ ,14 (um milhão, cento e sessenta e seis mil, seiscentos e sessenta e sete reais e quatorze centavos). Gráfico 8 - Faixa de faturamento anual Faixas ** De R$ 100,00 a R$ 300,00 6% De R$ 300,01 a R$ 600,00 11% De R$ 600,01 a R$ 1.000,00 39% De R$ 1.000,01 a R$ 2.400,00 39% Acima de R$ 2.400,00 6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% *Média = mil ** Em mil reais 28

29 Cadastro de Associados O cadastro completo dos estabelecimentos associados ao Polo que participaram da pesquisa se encontra no anexo Contratação de Pessoas em 2010 Em 2010, houve contratação de pessoal fixo no Polo entre 1 e 5 pessoas, em 33% dos casos, com média estimada em 10,7 empregados. Gráfico 9 - Número de contratações fixas, em 2010 Contratações Nenhuma 19% De 1 a 5 33% De 6 a 10 0% De 11 a 20 De 21 a 30 19% 19% De 31 a 40 7% Acima de 40 4% 0% 10% 20% 30% 40% 29

30 Quadro de Pessoal em 2010 O quadro de pessoal apresenta o perfil adequado para pequenas empresas, concentrando-se em 11 a 20 empregados, 36%, com média estimada de 22,8 empregados. Gráfico 10 -Número de pessoas do quadro fixo de pessoal, em 2010 Pessoas Até 10 21% De 11 a 20 36% De 21 a 30 21% De 31 a 40 7% De 41 a 50 11% Acima de 50 4% 0% 10% 20% 30% 40% 2.2. Conhecer o Nível de Participação Direta dos Empresários do Polo Para caracterizar o nível de participação dos empresários associados ao Polo foram observadas as horas que foram dedicadas às ações do Polo em 2010, que mostraram que 52% dos participaram de 1 a 3 horas por semana totalizando 4 a 12 horas por mês. A média de participação semanal foi estimada em 1,2 horas e mensal de 4,8 horas. Gráfico 11 - Quantidade de horas dedicadas às ações do Polo Horas Por semana Nenhuma 30% Uma 22% Uma hora e meia 4% Duas 9% Três Não especificadas 17% 17% 0% 10% 20% 30% 40% 30

31 2.3. Identificar a Formação de Novas Lideranças Para a identificação de novas lideranças para o Polo Gastronômico de Botafogo, foi perguntada a opinião dos associados sobre o tempo de mandato e a possibilidade de reeleição do presidente, além de interesse e indicação de lideranças Opinião Sobre a Duração do Mandato do Presidente do Polo Na opinião dos empresários entrevistados a duração do mandato do presidente do Polo deve ser de até quatro (4) anos, sendo favoráveis à reeleição, podendo-se afirmar que o mandato adequado é o de um (1) ano com possibilidade de reeleição. Tabela 2 Duração do mandato do presidente do polo por reeleição É a favor da reeleição? Tempo Sim Não Total Quantidade % Quantidade % Quantidade % Um 5 38,0 1 33,0 6 38,0 Dois 4 31,0 1 33,0 5 31,0 Três 1 8,0 1 33,0 2 13,0 Acima de três 3 23,0 0 0,0 3 19,0 Total , , ,0 Gráfico 12 -Opinião sobre a reeleição do Presidente do Polo É a favor da reeleição 18% Não é a favor da reeleição 82% 31

32 Desejo de Assumir a Liderança do Polo Não Gráfico 13 -Gostaria de assumir a liderança do Polo? 20% Os empresários não se dispuseram a exercer a liderança do Polo, pois 80% informaram não desejar nenhuma posição neste sentido. Sim 80% Indicação de uma Liderança Para o Polo Entre os entrevistados, 52% se posicionaram favoráveis à indicação de lideranças, mostrando interesse em renovação associativa. Gráfico 14 -Indicação de liderança para o Polo 52% 48% Sim Não 2.4. Identificar Oportunidades de Melhorias de Gestão e Inovação A pesquisa identificou as práticas de gestão e inovação empregadas entre os associados em 2010 pela classificação dos fornecedores, nível de formação dos gestores e as ações de capacitação gerencial e técnica. 32

33 Principais Tipos de Fornecedores A caracterização da gestão de insumos se concentrou em alimentos e bebidas (75,0%) e materiais de higiene pessoal e de ambientes (50,0%), com periodicidade semanal; produtos para restaurantes (46,4%), materiais de escritório e de informática (50,0%) e papelaria e escritório (50,0%), com periodicidade mensal. Outros insumos são consumidos quando necessário. Tabela 3 Classificação dos produtos segundo periodicidade de pedidos ao fornecedor Produtos Anual Semestral Trimestral Mensal Quinzenal Semanal Diário Quando Necessário Não consome Outros (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) (%) Alimentos e bebidas ,0 25, Higiene pessoal ,3 21,4 50,0 3,6-10,7 - Higienização de ambientes ,6 21,4 50,0 17,9 3,6 3,6 - Eletroeletrônicos 3,6 10,7 3,6 21, ,6 7,1 - Elétrica, hidráulica e construção. 7, ,3 3,6 3,6 3,6 39,3 3,6 - Papelaria e escritório ,0 7,1 28,6-10,7 3,6 - Uniformes em geral 7,1 25,0 7,1 28, ,1 - - Insumos de informática 3,6 3,6-50,0 7,1 3,6-28,6 3,6 - Material de recreação - 3,6-3, ,3 3,6 Louças, talheres e cozinha. - 7,1 7,1 46,4-3,6-32,1 3,6 - Outros (1) ,7 7, ,1 - (1) Embalagens descartáveis e Impressoras Nível de Formação de Gestores Os principais dirigentes dos estabelecimentos associados ao Polo têm nível de escolaridade superior (63% dos casos), sendo 11% com pós-graduação e apenas 26% nível médio. Este resultado é compatível com o perfil de escolaridade dos chefes de família da região no qual Polo se insere, onde 54% têm escolaridade superior. Gráfico 15 -Grau de escolaridade do principal dirigente do estabelecimento 63% 11% 26% Nível Médio Nível Superior Pós-graduação 33

34 Capacitação Gerencial e Técnica A análise das necessidades de capacitação gerencial e técnica foram observadas com vistas a novas ações a serem oferecidas aos associados e podem ser observadas nas tabelas a seguir. Tabela 4 Necessidade de Capacitação Gerencial Capacitação Gerencial Quantidade (%) Atendimento ao Cliente 25 89,3 Contábil 10 35,7 Gestão de Custos 16 57,1 Gestão de Estoque 18 64,3 Gestão Empresarial 14 50,0 Gestão Financeira 18 64,3 Informática 20 71,4 Liderança 20 71,4 Marketing 17 60,7 Noções Básicas de Espanhol 12 42,9 Noções Básicas de Inglês 16 57,1 Relações Interpessoais e Negociação 17 60,7 Segurança Alimentar 21 75,0 Vendas 20 71,4 Outras 6 21,4 Nenhuma 1 3,6 Nota: Pergunta admite mais de uma opção de resposta 1 - Outros: Gerente de loja 3; Motivacional 1, Mão-de-obra 1 e Português - 1 Sobressai a capacitação gerencial nos quesitos atendimento ao cliente (89,3%), segurança alimentar (75,0%) e informática, liderança e vendas (71,4% cada uma). Tabela 5 Necessidade de Capacitação para Técnico de Gastronomia Técnico de Gastronomia Quantidade (%) Manipulação de Alimentos 20 71,4 Auxiliar de Cozinha 20 71,4 Garçom 15 53,6 Atendimento ao Cliente 14 50,0 Barman 12 42,9 Idiomas 9 32,1 Outras 1 2 7,1 Nenhuma 1 3,6 Nota: Pergunta admite mais de uma opção de resposta (1) Cozinheiro 1, Sushiman e estoquista 1 34

35 Na capacitação técnica em gastronomia, a prioridade é para manipulação de alimentos e auxiliar de cozinha (71,4% cada uma) e garçom (53,6%). Tabela 6 Necessidade de Capacitação para Técnico de Comércio Técnico de Comércio Quantidade (%) Atendimento ao Cliente 17 60,7 Caixa 15 53,6 Técnicas de Vendas 16 57,1 Nenhuma 2 7,1 Recepcionista 3 10,7 Nota: Pergunta admite mais de uma opção de resposta Para a capacitação técnica em comércio, foram notadas as necessidades em atendimento ao cliente (60,7%), técnicas de vendas (57,1%) e caixa (53,6%). 35

36 2.5. Opinião Sobre as Ações Dos Polos As ações desenvolvidas pelo Programa Polos do Rio em 2010 foram distribuídas em cursos, eventos e um prêmio Participação e Memorização das Atividades Promovidas Pelo Programa Polos do Rio Os entrevistados participaram e memorizaram as ações, com ênfase no Prêmio Polo Botafogo (45,0% das indicações) e no Festival Gastronômico (25,0%). Também foram lembradas outras ações promovidas pelo Polo, especialmente a Feira de Turismo (15,0)%. Tabela 7 Participação em atividades promovidas pelo Polo Memorizadas Quantidade (%) Prêmio do Polo Botafogo 9 45,0 Festival Gastronômico 5 25,0 Feira de Turismo 3 15,0 Todas 3 15,0 Curso de Vigilância Sanitária 1 5,0 Cursos 1 5,0 Festival de Inverno 1 5,0 Bota na mesa 1 5,0 Consciência Negra 1 5,0 Homenagem à Mulher 1 5,0 Sem especificação 4 20,0 Nota 1: Pergunta admite mais de uma resposta Nota 2: Percentual calculado sobre o total de estabelecimentos que afirmaram ter participado de Atividades promovidas pelo Polo = 20 36

37 Avaliação Sobre as Ações do Polo Os associados puderam avaliar as ações do Polo pelas atividades e pela gestão. No quesito atividades, foi observada satisfação com as ações (60,8%), participação nas decisões (53,6%), qualificação para assumir posição de liderança (42,9%), distribuição de jornais/informes (35,8%) e vontade de assumir posição de liderança (17,9%). Tabela 8 Sobre as atividades do Polo Atividades do Polo O Sr(a) se sentiu satisfeito com as ações do Polo para fortalecer o seu negócio? O Sr(a) Participou das decisões relacionadas ao desenvolvimento deste Polo? O Sr(a) se sente qualificado para assumir uma posição de liderança no Polo? Sim Não Total Quantidade (%) Quantidade (%) Quantidade (%) 17 60,8 8 28, , , , , , , ,0 O Polo distribui jornais/informes para a região? 10 35, , ,0 O Sr(a) gostaria de assumir uma posição de liderança no Polo? 5 17, , ,0 Na avaliação da gestão do Polo, destacou-se que há uma associação constituída, com captação de recursos de R$ 43 mil, com aplicação de R$ 30 mil em publicidade com recursos próprios e R$ 20 mil com recursos de terceiros. Tabela 9 Avaliações sobre as ações dos Polos Avaliação sobre a capacidade de autogestão do Polo Respostas Existência de associação constituída Sim Número de reuniões realizadas durante o ano, fora a plenária 10 Número de funcionários do Polo 1 Avaliação da capacidade de financiamento das próprias atividades Respostas Faixa de recursos captados durante o período R$ ,00 Número de convênios ou parcerias 2 Serviços contratados 1 Avaliar o esforço de divulgação das ações junto aos empresários Respostas Existência de jornais ou informes Sim Existência de mídia espontânea Muita Investimento em publicidade com recursos próprios R$ ,00 Investimento em publicidade com recursos dos parceiros R$ ,00 Conhecer o nível de participação direta dos empresários nos Polos Respostas Empresários participantes nas reuniões plenárias 5 a 6 Número de anos da presidência em poder 3,5 Identificar Polos que necessitam de realinhamento estratégico Respostas Número de ações planejadas no período 3 Número de ações implementadas, das ações planejadas no período. 3 Mais restaurantes se Houve mudança drástica no contexto da região instalaram na Região, sendo que alguns com maior sofisticação. 37

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011

Projeto Censo dos Polos 2011. Relatório de Pesquisa. Realização: Rio de Janeiro Setembro/2011 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Realização: 1 Projeto Censo dos Polos 2011 Relatório de Pesquisa Rio de Janeiro Setembro/2011 Rio de Janeiro - setembro/2011

Leia mais

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro

SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro SEBRAE/RJ Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Rio do Janeiro Rua Santa Luzia, 685 6º, 7º e 9º andares Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20030-041 Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO VILA SÃO FRANCISCO

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO VILA SÃO FRANCISCO TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO VILA SÃO FRANCISCO Teresina (PI), Março/2015 VILA SÃO FRANCISCO 0 Março/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Noroeste Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Noroeste Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente

Leia mais

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias

Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Programas Orçamentários para Execução de Parcerias Os Programas Orçamentários para Execução de Parcerias com pessoas jurídicas do setor privado ou pessoas físicas serão executados nas 08 Macrorregiões

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi. Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG

Instituto Euvaldo Lodi. Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG Instituto Euvaldo Lodi Árisson Carvalho de Araújo Gerente Núcleo de Projetos Industriais Coletivos (NPC) IEL MG Atuação do IEL em Coletivos Empresariais Identificação de gargalos tecnológicos e de gestão

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro

Estado do Rio de Janeiro 1 DECRETO Nº 4.261, DE 13 DE AGOSTO DE 2012. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESÓPOLIS, usando das atribuições que lhe confere a legislação em vigor e, CONSIDERANDO: - a necessidade de movimentar dotações do

Leia mais

Pesquisa Comunicação Interna

Pesquisa Comunicação Interna Pesquisa Comunicação Interna 2 setembro 2007 7DADOS COMPARATIVOS 2002, 2005 E 2007 Associação Brasileira de Comunicação Empresarial DATABERJE Instituto ABERJE de Pesquisa 1 1 2 Pesquisa Comunicação Interna

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

Vencedor Estadual Lei Geral Implementada

Vencedor Estadual Lei Geral Implementada COMO MUDAR A PERSPECTIVA DE SUA CIDADE O desenvolvimento acontece com a força dos Pequenos Negócios Vencedores do 8º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor (2013-2014) Vencedor Estadual Lei Geral Implementada

Leia mais

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA enário econômico brasileiro vem sendo cada vez mais reconhecida e destacada. Além de gerador do maior número de empregos formais no país, o setor exibe, especialmente nos últimos anos, números Boletim

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais.

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais. CONCLUSÃO O Amapá tem uma das menores densidades populacionais, de cerca de 2,6 habitantes por km 2. Em 1996, apenas três de seus 15 municípios possuíam população superior a 20 mil habitantes e totalizavam

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 278, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. Altera e insere dispositivos na Lei Municipal nº 016, de 20 de janeiro de 2004, a qual dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério

Leia mais

APRESENTAÇÃO. o Está localizada na Universidade Federal do Piauí no centro de ciências Humanas e letras - CCHL sala 362 b próximo a sala de vídeo.

APRESENTAÇÃO. o Está localizada na Universidade Federal do Piauí no centro de ciências Humanas e letras - CCHL sala 362 b próximo a sala de vídeo. APRESENTAÇÃO o A Visconde de Mauá é formada por graduados de Administração da UFPI, assessorada pelo corpo docente do curso e demais parceiros, realizam serviços ligados à Administração. o Em gestões anteriores

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

MERCADO 115,582 103,292 88,854 75,987 53,120. FATURAMENTO DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO (valor em bilhões de R$)

MERCADO 115,582 103,292 88,854 75,987 53,120. FATURAMENTO DO SETOR DE FRANCHISING BRASILEIRO (valor em bilhões de R$) [ [ [ A Associação Brasileira de Franchising (ABF) anunciou o resultado do setor em 2011. Frente a um crescimento de 16,9%, o faturamento das franquias brasileiras alcançou 88 bilhões de reais, ou 2,3%

Leia mais

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas 13/Outubro/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas; Identificar os principais

Leia mais

6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS

6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS 6.4 PROGRAMA DE INCENTIVO À CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E AO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES PRODUTIVAS Constantes do PBA 1 - Garantir a capacitação de prestadores de serviço e produtores inscritos no Cadastro

Leia mais

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS NAMORADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ

PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS PARA O DIA DOS NAMORADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS C PARA O DIA DOS NAMORADOS ADOS Junho de 2015 IMPERATRIZ ANÁLISE DO LEVANTAMENTO DE INTENÇÃO DE CONSUMO PARA O DIA DOS NAMORADOS 2015 EM IMPERATRIZ-MA A Pesquisa de Intenção

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO JACINTA ANDRADE Teresina (PI), Março/2015 JACINTA ANDRADE 0 Março/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA Firmino

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos

ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB. Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva. Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos ADMINISTRAÇÃO DA FUNETEC-PB Presidente da FUNETEC-PB João Batista de Oliveira Silva Superintendente Executivo Valdeci Ramos dos Santos Diretora Escolar e Gerente de Ensino Helena Mercedes Monteiro Supervisora

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005 Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos Outubro de 2005 1 Objetivos: Características da pesquisa Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas de 1 a 5 anos. Identificar

Leia mais

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente

Realizador. Ficha Técnica. Equipe. Parceiro. Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Fernando Fagundes Milagre Presidente 1 Realizador Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) Ficha Técnica Fernando Fagundes Milagre Presidente Julio César Vasconcelos Vice Presidente Érik Capodeferro Diretor Executivo Equipe Ananda

Leia mais

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS

COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS FEVEREIRO / 2009 COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANA DE MANAUS MANAUS AM RELATÓRIO MENSAL DA PESQUISA DO COMPORTAMENTO DO TURISMO NA REGIÃO METROPOLITANTA DE MANAUS, ANO 2009 - N 02 Para 55,6%

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

www.significa.com.br 5ª Pesquisa Anual "Atitude de marca nas maiores empresas do Brasil Realização Significa. Todos os direitos reservados.

www.significa.com.br 5ª Pesquisa Anual Atitude de marca nas maiores empresas do Brasil Realização Significa. Todos os direitos reservados. www.significa.com.br 5A. PESQUISA ANUAL ATITUDE DE MARCA NAS MAIORES EMPRESAS DO BRASIL 2008 O que é atitude de marca AGIR ANTES DE FALAR TODA INTERAÇÃO DE UMA MARCA COM SEUS PÚBLICOS POR MEIO DE CAUSAS

Leia mais

LOCAL DE RESIDÊNCIA Teresópolis

LOCAL DE RESIDÊNCIA Teresópolis Todos os condutores listados abaixo estão habilitados a conduzir visitantes no PARNASO, conforme a Portaria ICMBio n 116/2010, possuindo conhecimentos sobre os atrativos e normas do PARNASO, bem como tendo

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA I Prestação de Serviço de Assessoria de Comunicação 1. DA JUSTIFICATIVA O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina CAU/SC, por sua criação recente e característica

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00011

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO

RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNIPAMPA CAMPUS DOM PEDRITO Moreira; Guilherme 1 ; Mainardi; Caroline 23 Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA) ¹Acadêmico(a) do Curso de Zootecnia da UNIPAMPA Campus Dom Pedrito-RS

Leia mais

O que e Como fazemos

O que e Como fazemos www.libbra.net O que e Como fazemos Marketing & Comunicação GESTÃO & ESTRATÉGIA DE MARKETING Planejamento de marketing Coordenação de pesquisas (entendimento do consumidor, clientes, mercado) Contratação

Leia mais

Comunidade Escola - O Espaço da Gente

Comunidade Escola - O Espaço da Gente Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: Comunidade Escola - O Espaço da Gente Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Educação - Programa Comunidade

Leia mais

hemorrede nacional hemoglobinopatias

hemorrede nacional hemoglobinopatias Perspectiva Foco Estratégico Estratégia Projetos Descrição do Projeto Resultado Esperado Gestor Prazo SOCIEDADE Credibilidade do serviço Satisfação dos doadores e usuários da Atendimento integral aos portadores

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública do Comércio Varejista de Dourados. Dia dos Pais de 2015

Pesquisa de Opinião Pública do Comércio Varejista de Dourados. Dia dos Pais de 2015 Pesquisa de Opinião Pública do Comércio Varejista de Dourados Dia dos Pais de 2015 Julho de 2015 Catalogação Bibliográfica Pesquisa de Opinião Pública do Comércio Varejista Dia dos Pais de 2015. Campo

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: Lei nº 7.084, de 02 de julho de 2001. Cria o Fundo de Desenvolvimento de Campos dos Goytacazes - FUNDECAM e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPOS DOS GOYTACAZES DECRETA E EU SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 151 EMPREGO E RENDA

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 151 EMPREGO E RENDA EMPREGO E RENDA Instituição da linha de crédito especial Novo Empreendedor no âmbito do Programa de Geração de Emprego e Renda (Proger) A Resolução n o 275, aprovada em 21 de novembro de 2001 pelo Conselho

Leia mais

3º RELATÓRIO TRIMESTRAL 2013 OUVIDORIA - MDIC

3º RELATÓRIO TRIMESTRAL 2013 OUVIDORIA - MDIC 3º RELATÓRIO TRIMESTRAL 2013 OUVIDORIA - MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior OUVIDORIA Esplanada dos Ministérios, Bloco J Brasília, DF, 70053-900 ouvidoria@mdic.gov.br Telefone:

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 Ficam criados os cargos e ampliadas as vagas de cargos de provimento efetivo que integrarão o Anexo III da Lei Complementar nº 118, de 3 de dezembro de 2010,

Leia mais

CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA

CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA CIRCULAR DE OFERTA CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA A COF Circular de Oferta de Franquia FORMULA PIZZARIA é um exemplar com todas as informações e dados relevantes direcionados

Leia mais

Informativo EDIÇÃO 12 ANO IV. Julho/ Agosto/ Setembro 2015. PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS:

Informativo EDIÇÃO 12 ANO IV. Julho/ Agosto/ Setembro 2015. PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS: EDIÇÃO 12 ANO IV (11) 3648-4700 / (21) 3161-8600 www.pacer.com.br Informativo Julho/ Agosto/ Setembro 2015 PACER comemora 12 anos de história DESTAQUES DESTA EDIÇÃO TRANSPORTE DE CARGAS: 10 ANOS PACER:

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes:

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes: 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Sistema OCB/SESCOOP-RR Data de realização do seminário: 17 de Junho de 2010 Local: Auditório do Sistema FAERR/SENAR-RR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 A Análise do Comércio Varejista é uma avaliação bimestral que visa mostrar o desempenho dos negócios do comércio no mês de Dezembro/2015 e identifica a percepção

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto

ESTADO DE SERGIPE PODER EXECUTIVO Governo do Município de Tobias Barreto Poder Executivo Lei Ordinária Sancionada em 27/03/2008 Marly do Carmo Barreto Campos Prefeita Municipal LEI ORDINÁRIA nº 0849/2008 DE 27 de março de 2008 (do PLO 003/2008 autor: Poder Executivo) Institui

Leia mais

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Unidade Organizacional de Acesso a Mercados Unidade Organizacional

Leia mais

ANEXO IV PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO EDUCACIONAL DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE POMERODE

ANEXO IV PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO EDUCACIONAL DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE POMERODE PREFEITURA MUNICIPAL DE POMERODE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EMPREENDEDORA POMERODE - SANTA CATARINA ANEXO IV PROGRAMA DA DISCIPLINA DE EMPREENDEDORISMO EDUCACIONAL DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA

MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA INFORMATIVO DEZEMBRO DE 2013 Acesse também: www.mariana.gov.br MARIANA IMPLEMENTA LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA Promover a criação de um ambiente favorável para valorizar a micro e pequena empresa,

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR Julho 2013 COPA DAS CONFEDERAÇÕES - CONSUMIDOR Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram realizadas 620 entrevistas, com um erro máximo de

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRONATEC

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRONATEC Curso: Auxiliar de Pessoal Código 01. Disciplina: Conceitos Fundamentais Rotina de pessoal: Admissão. Cristiane Pamplona dos Santos Dias 48 Habilitada Harley Ramos de Souza 48 Habilitado Magnus Amaral

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO MARANHÃO 22ª REGIÃO PLANO DE TRABALHO E ORÇAMENTO 2015

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO MARANHÃO 22ª REGIÃO PLANO DE TRABALHO E ORÇAMENTO 2015 CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO MARANHÃO 22ª REGIÃO PLANO DE TRABALHO E ORÇAMENTO 2015 Conforme Norma I do Manual de Procedimentos Administrativos, Financeiros e Contábeis Resolução 010/2007 São Luís

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL SAIU DO PAPEL. Vencedores do VI Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor 2009 2010 MUNICÍPIO DE PALMAS TO

O DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL SAIU DO PAPEL. Vencedores do VI Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor 2009 2010 MUNICÍPIO DE PALMAS TO O DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL SAIU DO PAPEL Vencedores do VI Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor 2009 2010 MUNICÍPIO DE PALMAS TO VENCEDOR ESTADUAL (TO) CATEGORIA: REGIÃO NORTE O DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE

ESTUDO DE VIABILIDADE ESTUDO DE VIABILIDADE REDE LOCAL / ARRANJO PRODUTIVO LOCAL / CADEIA PRODUTIVA NOME: SIGLA: ESTADO: 1º Parte - Viabilidade Econômica e Ambiental Esta é a dimensão mais importante do estudo de viabilidade

Leia mais

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios As MPEs As micro e pequenas empresas contribuem de forma significativa para o desenvolvimento econômico de um País. No Brasil, elas representam

Leia mais

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008

LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Autoria: Poder Executivo LEI Nº 1550, DE 17 DE ABRIL DE 2008 Reestrutura o Conselho Municipal de Turismo COMTUR e cria o Fundo Municipal do Turismo de Lucas do Rio Verde e da outras providências. O Prefeito

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CURSO ESPM. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP. Informações MANUAL DO CURSO ESPM Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo - SP Informações Central de Relacionamento: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às 20h45 Sábado 9h às 12h45 relacionamentojt@espm.br

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL CONSOLIDADA RELATÓRIO Nº : 189335 UCI EXECUTORA : 170965 EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL

AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES DO BRASIL (Apex Brasil) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA EM EMPREGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL N o 1

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000169/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004633/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.002832/2015-40

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE RELATÓRIO DO PROCESSO DE DIÁLOGO SOCIAL COM OS CONSELHEIROS DA COMISSÃO MUNICIPAL DE EMPREGO DO RECIFE Contrato de Prestação de Serviços Nº 123 Prefeitura do Recife /

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Londrina Diretoria de Relações Empresariais e Comunitárias PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

1 Presidência. 1.1 Missão à China

1 Presidência. 1.1 Missão à China 1 Presidência 1.1 Missão à China No período de 10 a 29 de outubro, a Fecomércio-PE, em parceria com a CNC e o Sebrae Pernambuco, realizou a 16ª missão empresarial da entidade para a República Popular da

Leia mais