Ciências Contábeis Interdisciplinar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciências Contábeis Interdisciplinar"

Transcrição

1 Ciências Contábeis Interdisciplinar Autores: Prof. Me. Alexandre Saramelli Prof. Ma. Divane Alves da Silva Colaboradora: Profa. Elisabeth Alexandre Garcia

2 Professores conteudistas: Me. Alexandre Saramelli / Ma. Divane Alves da Silva Professor Mestre Alexandre Saramelli Nascido na cidade de São Paulo, é contador formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo e mestre profissional em Controladoria pela mesma Universidade. Atuou em empresas nacionais e internacionais de médio a grande porte como contador em áreas de custos e orçamentos e foi consultor em sistemas de controladoria da desenvolvedora alemã SAP. Atualmente é professor adjunto na Universidade Paulista e consultor empresarial. Como entusiasta de tecnologia da informação e ambientes altamente informatizados, é um incentivador da pesquisa, difusão e uso eficiente e intensivo das modernas ferramentas de gestão, transferência de conhecimento, ensino a distância e audiovisual. Professora Mestra Divane Alves da Silva Nascida na cidade de São Paulo, é mestre em Contabilidade pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1998), especialista em Controladoria e Contabilidade Gerencial pela Faculdade Santana São Paulo (1992), especialista em Didática do Ensino Superior pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1996), especialista em Ensino a Distância EaD (2011), graduada em Ciências contábeis pela Faculdade de Administração e Ciências contábeis Tibiriçá (1990) e em Filosofia Bacharel e Licenciatura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2009). Possui dois livros editados sobre a área contábil, além de participações em congressos, tanto na área contábil quanto na educacional, inclusive em EaD. Funções empresariais na área técnica: controller, contadora, auditora e consultora; na área acadêmica: atualmente, é coordenadora do curso de Ciências contábeis nas modalidades presencial e a distância na Universidade Paulista UNIP, professora de pós graduação nível lato sensu em Instituições de Ensino Superior IES: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade Paulista UNIP, Faculdades Metropolitanas Unidas FMU e em diversos cursos e disciplinas correlatas à formação. Também atua ministrando curso in company. Conteudista de materiais para ensino a distância, incluindo gravações de aulas. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) S243c Saramelli, Alexandre Ciências contábeis interdisciplinar / Alexandre Saramelli; Divane Alves da Silva. São Paulo: Editora Sol, p., il. 1. Ciências contábeis. 2. Ciências contábeis interdisciplinar. 3. Interdisciplinaridade. I. Título. CDU Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou quaisquer meios (eletrônico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem permissão escrita da Universidade Paulista.

3 Prof. Dr. João Carlos Di Genio Reitor Prof. Fábio Romeu de Carvalho Vice-Reitor de Planejamento, Administração e Finanças Profa. Melânia Dalla Torre Vice-Reitora de Unidades Universitárias Prof. Dr. Yugo Okida Vice-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Profa. Dra. Marília Ancona-Lopez Vice-Reitora de Graduação Material Didático EaD Comissão editorial: Dra. Angélica L. Carlini (UNIP) Dr. Cid Santos Gesteira (UFBA) Dra. Divane Alves da Silva (UNIP) Dr. Ivan Dias da Motta (CESUMAR) Dra. Kátia Mosorov Alonso (UFMT) Dra. Valéria de Carvalho (UNIP) Unip Interativa EaD Profa. Elisabete Brihy Prof. Marcelo Souza Profa. Melissa Larrabure Apoio: Profa. Cláudia Regina Baptista EaD Profa. Betisa Malaman Comissão de Qualificação e Avaliação de Cursos Projeto gráfico: Prof. Alexandre Ponzetto Revisão: Virgínia Bilatto Andréia Gomes Vitor Andrade

4

5 Sumário Ciências contábeis Interdisciplinar APRESENTAÇÃO...7 INTRODUÇÃO...9 Unidade I 1 O DESAFIO DA CONTABILIDADE NO PADRÃO INTERNACIONAL Esquentando os motores O contador frente aos grandes desafios da sociedade atual Outros fatores da sociedade atual que trazem desafios aos contadores Princípios de contabilidade O conceito de fair value valor justo Processo de convergência O DESAFIO DA INTERDISCIPLINARIDADE Conceitos importantes para a aplicação do IFRS e as características qualitativas das demonstrações financeiras Definição da vida econômica e da vida útil de determinado ativo Características qualitativas das demonstrações contábeis Características qualitativas fundamentais Outras características desejáveis Neutralidade Confiabilidade Limitações existentes na divulgação de informações financeiras A interdisciplinaridade do profissional da contabilidade Como atender à necessidade de interdisciplinaridade?...47 Unidade II 5 uma revisão sobre as DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS conceito e legislação como surgiram as EMPRESAs? Tipos de sociedades e enquadramento fiscal das empresas Tributos relacionados à atividade de compra e venda de materiais para o estoque para empresas industriais Tributos relacionados ao resultado apurado pelas empresas, inclusive com a atividade industrial...70

6 6.4 Tributos sobre a contratação de empregados UMA EMPRESA EM OPERAÇÃO UM ESTUDO sobre a elaboração e utilização das demonstrações financeiras...75

7 APRESENTAÇÃO O ensino da contabilidade no Brasil, desde o técnico em contabilidade até o bacharel em Ciências contábeis, até poucos anos carregava uma preocupação essencialmente técnica. O profissional de contabilidade, via de regra, envolvia se em atividades como classificar contas, escriturar os livros da empresa, em sua maioria ainda de forma manuscrita ou mecanografada, gerenciar os fechamentos contábeis, preenchimento de documentos para o Fisco, entre outras. Todas essas atividades são da mais alta importância, porém, como diziam Johnson e Kaplan (1987) em seu famoso e polêmico livro The rise and fall of management accounting (O apogeu e declínio da contabilidade gerencial) os contadores eram vistos trabalhando em salas isoladas, sem interação com os demais profissionais da entidade. De fato, um contador, para prestar bons serviços, não precisaria necessariamente se envolver com os gestores de uma empresa ou mesmo saber em detalhes como seria o processo produtivo. Tanto faz se o contador trabalhasse em uma metalúrgica, em um supermercado, em um clube de futebol, em uma emissora de rádio e TV, o trabalho contábil seria exatamente o mesmo. A tecnologia evoluiu de forma rápida e influenciou todas as áreas do saber. A contabilidade teve um enorme benefício com o desenvolvimento da tecnologia, e hoje o perfil do profissional passou de um técnico que realizava atividades mecânicas a um consultor, que precisa orientar os profissionais de outras áreas. É necessário, como dizem Miranda e Miranda (2007), que o Ensino Superior também acompanhe essa evolução e prepare o profissional da contabilidade para atuar em um ambiente em que a contabilidade é um sistema de informações para a tomada de decisões. Atento a essa mudança de perfil, o Conselho Nacional de Educação (CNE), ainda em 2004, considerou que o novo profissional de contabilidade deve contar com conhecimentos não somente da área em que atua, mas também de áreas afins. Esses novos conhecimentos podem ser entendidos como uma atividade de interdisciplinaridade. O Parecer CNE/CES 776/97, nas orientações gerais para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação, no ponto número 4, diz que devemos observar o seguinte: Incentivar uma sólida formação geral, necessária para que o futuro graduado possa vir a superar os desafios de renovadas condições de exercício profissional e de produção do conhecimento, permitindo variados tipos de formação e habilitações diferenciadas em um mesmo programa. Ainda no Parecer CNE/CES 776/97, no artigo 4, inciso II, entre as competências e habilidades que devem ser embutidas na formação de bacharéis, está a de demonstrar visão sistêmica e interdisciplinar da atividade contábil. Essa orientação é atendida no planejamento do curso de Ciências contábeis da Universidade Paulista. Na grade curricular, há várias disciplinas que fazem intersecção com outras áreas do saber indispensáveis ao novo contador, como direito, língua e interpretação de textos, matemática etc. No entanto, como comentam Miranda e Miranda (2007) baseados na opinião de Bellinaso (1998) o aluno do ensino superior tem a impressão de estar estudando assuntos distintos sem ligação entre si, ou seja, uma colcha de retalhos, uma justaposição de informações, de especializações. E como diz Santomé 7

8 (1998), cada professor preocupa se apenas com sua disciplina, considerando a mais importante e forçando os alunos a se interessarem somente por ela. A interdisciplinaridade, tal como proposta pelo Conselho Nacional de Educação, é um conceito complexo que vem sendo discutido nos meios acadêmicos e está em processo de construção. O Termo foi descrito pela primeira vez em 1937 pelo sociólogo Louis Wirtz, que deu a ele um significado filosófico prático, de integração de teorias, métodos, instrumentos. Miranda e Miranda (2006), baseados em autores como Luck (2002), Eagan (et al. 2002) e Caviglia Harris, Hatley J. (2004), dizem que a interdisciplinaridade é a integração e engajamento de educadores no conjunto, na interação das disciplinas do currículo escolar entre si e com a realidade. Ainda segundo Miranda e Miranda (2006), Fazenda (1998) menciona que a interdisciplinaridade possui duas finalidades que não devem ser confundidas, porém, [...] precisam ser trabalhadas conjuntamente em relação ao método didático adotado, que são: a científica e a escolar. A principal diferença entre elas está em seu objetivo. A científica está ligada à produção de novos conhecimentos em resposta a algumas necessidades sociais, e a escolar, por outro lado, está ligada à difusão do conhecimento e à formação de atores sociais. Como forma de apresentar meios para os alunos diminuírem a suposta sensação de colcha de retalhos do curso de Ciências contábeis, tal qual exposta por Bellinaso (1998) e da natural tendência de os professores preocuparem se apenas com suas disciplinas, como disse Santomé (1998), e ainda de promover a interdisciplinaridade de forma científica e escolar como disse Fazenda (1998), decidiu se incluir no currículo do curso de Ciências contábeis da Universidade Paulista a disciplina Contabilidade Interdisciplinar. Esta disciplina, de acordo com o Plano Pedagógico do Curso (PPC), traz a seguinte descrição: Esta disciplina visa levar o aluno a estabelecer um diálogo entre os conhecimentos adquiridos em sua área e aqueles advindos de outros campos do saber. Pretende possibilitar o estabelecimento de um diálogo interdisciplinar, verificando áreas de intersecção, de complementação e de transferência de conhecimento. Como forma de obter os resultados almejados, os professores conteudistas optaram, para este livro texto, por realizar uma introdução com os principais requisitos necessários ao novo contador, por conta do uso no país das normas internacionais de contabilidade. Essa introdução é imprescindível porque traz uma reflexão sobre o que se espera do novo contador, acima de questões técnicas que as normas internacionais trazem. E, posteriormente, trabalha se o caso fictício das irmãs Josefa da Silva e Jussara da Silva, duas brasileiras que sonham em ter seu próprio negócio. 8 A introdução desse caso, além de seguir uma opção pedagógica, que é uma tendência no moderno ensino de contabilidade, a exemplo de Hastings (2011) e sua novela contábil, possibilita a intersecção de conhecimentos e trabalha de forma transversal as pequenas e médias empresas, tão importantes para a economia atual.

9 INTRODUÇÃO Olá, aluno(a) Imagino que você esteja franzindo a testa em reação a uma situação muito esquisita e se perguntando: o que é Contabilidade Interdisciplinar? E, mais do que isso, enfim, como estudar contabilidade interdisciplinar? Além disso, o que de tão importante esta disciplina traz e o quais os benefícios para a sua atuação profissional? Vale a pena estudar Contabilidade Interdisciplinar? Para quê? A ementa (Plano de Ensino) da disciplina Contabilidade Interdisciplinar traz o seguinte objetivo: Percorrer o conceito de aprendizado multidisciplinar e chamar a atenção para as diferenças das práticas e das teorias em Ciências contábeis; objetiva um diálogo interdisciplinar, verificando áreas de intersecção, complementação e de transferência de conhecimento nas Ciências contábeis. Esta disciplina, então, tem uma missão muito importante! A de promover uma reflexão sobre a intercomunicação entre as diversas disciplinas do curso de Ciências contábeis, e, para isso, serão propostas atividades práticas nas quais você possa vivenciar os conteúdos abordados. Mas, para entender perfeitamente a proposta desta disciplina, é interessante voltarmos um pouco no tempo e entender por quais modificações a profissão contábil passou nos últimos anos. A realidade da profissão contábil, até meados da década de 1980, era a de ser uma profissão de cunho técnico, prática. O ensino, então, era voltado a essa realidade, e continua a ser, em muitos aspectos. Embora alguns contadores sempre se envolvessem em atividades mais sofisticadas de uma entidade, a maioria gastava o seu dia em atividades essencialmente manuais, mecânicas, tinham de fato uma rotina de trabalho mais isolada. E como trabalhavam! Havia tanta carga de trabalho nas empresas que em muitos momentos não era possível sequer conversar com os contadores, completamente atarefados! Apesar de tanto trabalho, muitos questionavam se a contabilidade teria mesmo um lugar na nova sociedade. Essas críticas vieram até mesmo de acadêmicos muito importantes, como Johnson e Kaplan (1987), que levavam a entender que os contadores estariam perdendo a sua relevância, uma vez que não apresentavam nada de novo em termos científicos. Não seriam mais profissionais que pudessem trazer benefícios para a sociedade. Essa discussão, que, diga se de passagem, foi muito boa para a contabilidade, mostrou que Johnson e Kaplan (1987) estavam errados. Ao contrário, provou se que a contabilidade é cada vez mais relevante para a sociedade. As tecnologias evoluíram de maneira formidável nos últimos trinta anos, muito rapidamente e intensamente, e trouxeram mudanças fantásticas para todas as áreas do saber e da vida cotidiana, revolucionando a maneira como as pessoas vivem e trabalham. 9

10 Para os contadores não foi diferente. Nem todos reconhecem, mas é fato que sempre utilizaram a mais avançada tecnologia disponível no momento ao seu favor. Foram os primeiros a utilizar calculadoras eletrônicas, as míticas HP12C, os computadores, a tecnologia da informação. Mais do que isso, com as possibilidades que a tecnologia da informação oferece, os contadores distribuíram parte de sua grande carga de trabalho a outras áreas da empresa. Por exemplo, se antes um contador precisava classificar uma nota fiscal da compra de uma nova máquina e depois escriturar nos livros contábeis, atualmente a classificação é realizada pelos engenheiros, quando da emissão do pedido de compra. Assim que a máquina chegar ao prédio da fábrica, é realizado um registro automático nos livros contábeis, sem nenhum envolvimento direto do contador. O envolvimento do contador com os profissionais da área de tecnologia da informação é tão grande que muitos chegam até a confundi lo com o analista de sistemas. Da mesma forma, muitos contadores não se envolvem mais no trabalho de escrituração, que é completamente automático. O contador passou muito rapidamente de uma atividade técnica, isolada, para ser um consultor. Com isso, pode se dizer que o contador simplesmente abandonou seu perfil técnico, mecanicista, e passou a ser um profissional que ajuda os profissionais de outras áreas em matéria contábil. Ou seja, o contador já não está mais isolado em sua sala, passou a ser um profissional atuante, que interage com pessoas de dentro e fora da organização. Mas essa não e uma tarefa nada fácil, exige um preparo cuidadoso. Você está tendo esse preparo desde o momento em que iniciou seu curso; mas, por conta da atual dinâmica do sistema universitário, é bem capaz que esteja nesse momento com uma sensação de que as disciplinas são uma grande colcha de retalhos sem relação entre si. A disciplina Contabilidade Interdisciplinar surge, então, como uma oportunidade fantástica para você aplicar todos os conhecimentos que adquiriu até agora. E de forma muito próxima ao que irá encontrar ou já encontra no mercado de trabalho. Primeiramente, você será convidado(a) a entender, além das orientações mais imediatas, a forma como órgãos nacionais e internacionais, como o IASC (International Accounting Standard Committee Comitê Internacional de Contabilidade), a IASB (International Accounting Standar Board Comissão Internacional de Normas Contábeis) e o CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis), esperam que você atue. E, depois, irá conhecer o simpático caso das irmãs Josefa e Jussara, que querem abrir um negócio próprio. Imagine que você é o(a) contador(a) dessas irmãs. E imagine também como iria lidar com essa situação que envolve os diversos conhecimentos que tivemos ao longo do curso. Se tiver dificuldades com esses conhecimentos, sempre que achar necessário, retorne aos livros das disciplinas anteriores. A proposta é que você atue de forma profissional, em uma privilegiada preparação, para agir em situações reais. Bom e entusiasmado estudo! Um forte abraço dos 10 Professores Mestres: Alexandre Saramelli e Divane Alves da Silva.

11 Ciências Contábeis Interdisciplinar Unidade I 1 O DESAFIO DA CONTABILIDADE NO PADRÃO INTERNACIONAL 1.1 Esquentando os motores Da mesma forma que um atleta se aquece antes de iniciar um dia de exercícios físicos, vamos nos aquecer para iniciar o estudo de Ciências contábeis Interdisciplinar. O nosso aquecimento será baseado em um dos filmes mais aclamados da história do cinema internacional: Titanic. A pergunta é: Quanto custou o filme Titanic? Figura 1 Cartaz do filme Titanic 11

12 Unidade I A imprensa especializada diz que um dos filmes mais caros para serem produzidos na história do cinema foi Titanic. Grande parte da conta é devido ao fato de o diretor de cinema James Cameron, conhecido como um perfeccionista, ter exigido que fosse construído um gigantesco tanque de água onde uma réplica do navio, praticamente do tamanho real, foi afundada de verdade! A ideia era produzir uma cena autêntica, sem recorrer a efeitos especiais, que, por mais perfeitos que fossem, sempre deixariam escapar um artificialismo nas imagens. Os números exatos da contabilidade não estão disponíveis, mas a especulação em torno dos custos de produção gerou enorme polêmica. Diz se que uma boa parte dos custos foram relacionados com a construção da réplica do navio, com a decoração e a mobília luxuosa que foram usadas nos cenários e com a construção do tanque. No entanto, após as filmagens, o tanque onde Titanic foi filmado não foi desativado. Faz parte de um complexo dos Estúdios de Cinema Baja, no qual muitos outros filmes foram gravados desde então. Esse exemplo do cinema nos faz pensar sobre vários aspectos da contabilidade, atiçando nossa curiosidade e dando um prenúncio dos grandes desafios enfrentados atualmente pelos contadores. Por exemplo, como um contador deve responder a estas perguntas: 1) Se o tanque de água onde o Titanic foi filmado continua a ser usado para outras produções cinematográficas, não seria então um ativo? Ou seria uma despesa de produção do filme? 2) Um filme pode ser ativado nos balanços de um estúdio de cinema ou... é uma despesa? 3) Caso seja possível manter um filme no ativo de uma empresa, por quanto tempo ele poderá permanecer? 4) E as receitas, por quanto tempo poderão ser lançadas? 12 Observação No final deste livro texto, há um texto sobre como os norte americanos lidam com a contabilidade do audiovisual. 1.2 O contador frente aos grandes desafios da sociedade atual O mundo precisa da contabilidade? Essa inquietante pergunta traz um enorme desconforto, um amargor digno das maiores ameaças! Será que a contabilidade teria perdido o seu valor e sua razão de existir, caducando à margem das modernas e dinâmicas tecnologias? Será que a contabilidade já não mais atenderia aos anseios da sociedade e deveria ser encaminhada a um museu para que as pessoas do presente e do futuro conheçam como as coisas eram feitas? Todo nosso esforço como contadores (e, é claro, também o seu como estudante da ciência contábil) já não faria mais sentido?

13 Ciências Contábeis Interdisciplinar Ou... as modernas tecnologias e as mudanças sociais estariam dando para a contabilidade oportunidades valorosas? Estaríamos em um momento em que todas as condições seriam favoráveis para a contabilidade dar um salto qualitativo e ser reconhecida como um importante instrumento não apenas para administrar patrimônios e negócios, mas de democracia? Felizmente, nos últimos trinta anos muitos contadores ao redor do planeta não esmoreceram frente às ameaças e trabalharam em prol de uma contabilidade de oportunidades. No entanto, esse não é um caminho fácil e que está consolidado. Tornar a contabilidade relevante é uma tarefa de todos nós. Nesse sentido, abre se outra pergunta, que é o centro dos estudos da disciplina Ciências contábeis Interdisciplinar. O que devemos fazer? Para responder a essa pergunta, precisamos, antes, estudar o que ocorreu nos últimos trinta anos na contabilidade e o significado do processo de convergência da contabilidade às normas internacionais. Segundo Chua (2001), a partir da década de 1970, os acadêmicos sentiram um grande desconforto em relação ao desenvolvimento da pesquisa contábil e, em 1977, a Associação Americana de Contabilidade concluiu que não haveria uma teoria contábil geralmente aceita, mas uma proliferação de paradigmas que possibilitam somente uma orientação limitada para os tomadores de decisão. Ainda segundo Chua (2001), em 1976, Wells escreveu o livro Revolution of Accounting Thought Revolução no pensamento contábil, em que afirmava que a contabilidade careceria de um paradigma definitivo ou de uma matriz disciplinar. Em 1987, aumentando ainda mais um sentimento de insegurança que rondava a contabilidade, Johnson e Kaplan (1987) assustaram a comunidade acadêmica e a profissão contábil em geral quando afirmaram no livro The relevance lost (A perda da relevância) que a contabilidade havia perdido a relevância, sobretudo a contabilidade gerencial. Para essa afirmação, os autores apontaram como o motivo dessa perda de relevância o fato de que os gerentes continuavam a adotar técnicas que haviam sido desenvolvidas ainda no início do século passado. Esses autores argumentavam que se passaram várias décadas sem a adoção de novos e mais avançados artefatos contábeis. As teorias, então, teriam sido exageradamente simplificadas. Mesmo os mais modernos desenvolvimentos da tecnologia da informação usavam as mesmas teorias que já haviam sido criadas no período pós Revolução Industrial. Então, como não se produzia nada de novo, a contabilidade teria caducado ou se tornado irrelevante. Essas (fortes) críticas de Johnson e Kaplan (1987) receberam a atenção de vários pesquisadores desde então, que contestaram essa situação de irrelevância. Houve desenvolvimentos de novos artefatos contábeis, mas também a criação de uma certeza de que é necessário conferir para a contabilidade uma contínua relevância. Segundo Borinelli et al. (2005), houve respostas positivas da contabilidade gerencial. A seguir, um quadro com as principais críticas de Johnson e Kaplan (1987): 13

14 Unidade I Quadro 1 Quadro resumo dos argumentos e das críticas do Relevance Lost Argumento Justificativa Crítica Administração profissional desconhece o processo produtivo. Crescimento das organizações e descentralização da gestão Influência das informações contábeis para usuários externos Redução do foco de gestão de custos e ênfase na contabilidade de custos Automatização dos sistemas de informação Pouca participação dos acadêmicos Os profissionais não estavam divulgando novas técnicas Tomada de decisão com base em indicadores financeiros de curto prazo. Crescimento de custos não identificáveis diretamente com os produtos. Todos os custos e despesas deveriam ser imputados aos produtos. Inexistência de informações periódicas. Subserviência da contabilidade gerencial à contabilidade financeira. Informações financeiras inadequadas para informações gerenciais. Ênfase na contabilidade e não na gestão de custos. Alto custo de geração de informações por produtos. Formação universitária pautada em informes financeiros. Automatização dos sistemas já existentes. Ausência de inovações. Desaparecimento da avaliação gerencial de custos de produtos pós 1ª Guerra Mundial. Educação pautada na administração com base em indicadores financeiros. Pesquisadores acadêmicos influenciados por um modelo simplificado do comportamento das empresas. Questionamento das contribuições dos profissionais nos últimos sessenta anos. Como imputar todos os custos e despesas aos produtos? A relevância é perdida em função das relações sociais e do trabalho. Os argumentos são baseados em evidências não empíricas. Necessidade de J&K se posicionares sobre os propósitos da contabilidade gerencial e da contabilidade financeira são os mesmo. A educação contábil de custos não ficou estagnada, uma vez que houve diversas publicações que contemplavam informações para a gestão. Novos sistemas estão limitados ao custo x benefício. Estudiosos acadêmicos enfatizam: Relação custo x benefício das diferentes alternativas de decisão. Limitações da contabilidade financeira. A importância de outros dados para o planejamento e controle das operações. Tem havido sim relacionamento entre profissionais e acadêmicos. O poder dos profissionais e acadêmicos vem do seu conhecimento técnico. não aprimorá lo seria contraproducente ao interesse da classe. Fonte: Borinelli et al. (2005) Johnson e Kaplan (1987) dão a entender que os contadores estariam trabalhando de forma isolada, automática, restritos a seu escritório e a suas próprias preocupações, sem envolvimento com a equipe de profissionais da empresa, conforme podemos visualizar na figura a seguir: 14

15 Ciências Contábeis Interdisciplinar Figura 2 Isolamento funcional dos contadores dentro das organizações Além de a contabilidade gerencial (ou seja, a contabilidade para usuários internos) ter sofrido esse diagnóstico negativo, também a contabilidade financeira (ou seja, a contabilidade para usuários externos) estava enfrentando problemas muito graves. Cada país mantinha seu próprio conjunto de normas contábeis, sendo que as normas norte americanas, devido ao gigantismo e à importância da economia dos Estados Unidos da América, passaram a ser utilizadas como um padrão internacional, principalmente pelas empresas com ações nas bolsas americanas. Em alguns casos vergonhosos, empresas passaram a interpretar as normas contábeis da forma que melhor lhes conviesse. Não demorou para que surgissem escândalos, que foram agravados ainda mais pelas recentes crises internacionais, como a crise da Ásia. O diagnóstico de vários especialistas era de que a contabilidade não estaria atendendo às necessidades de informação dos investidores e gerando dúvidas ao invés de incertezas. É possível entender esse momento negativo da contabilidade pelas palavras de Sir David Tweedie, numa declaração ao jornal britânico The Guardian: Figura 3 Declaração de Sir David Tweedie Saiba mais É extremamente recomendável pesquisar na internet e conhecer um pouco sobre a impressionante biografia do Prof. Sir David Tweedie. 15

16 Unidade I Mais do que isso, os próprios fundamentos da contabilidade passaram a ser questionados. As entidades contábeis internacionais passaram, então, a tentar estabelecer um conjunto de regras com validade internacional, mas esse processo não decolava por várias razões. Essa situação chegou a seu ápice com a crise de , em que finalmente os governos nacionais, em particular o G20 1 (Grupo dos vinte), entenderam que adotar um conjunto comum de normas contábeis, com validade planetária, seria indispensável para evitar novas crises econômicas internacionais. A seguir, uma carta encaminhada ao Presidente Barack Obama pelos presidentes da IASB e da FASB (International Accounting Standards Board Comissão Internacional de Normas Contábeis e Financial Accounting Standards Board Comissão de Normas Contábeis dos Estados Unidos da America, respectivamente). Figura 4 Miniatura de uma carta do IASB/IFRS ao Presidente dos Estados Unidos Barack Obama 16 1 O G20 é um grupo que reúne os ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo (incluindo o Brasil) mais a União Europeia. Foi criado em 1999 como uma ação intergovernamental para enfrentar os problemas de sucessivas crises financeiras mundiais e após a crise financeira mundial de 2008 passou a assumir a centralidade como fórum de discussão sobre governança internacional antes ocupada pelo G7(atual G8). Para mais informações, consulte o site da entidade <http://www.g20.org/> disponível em inglês e em espanhol) e a matéria jornalística do Bol <http://noticias. bol.uol.com.br/internacional/2010/11/09/paises do g20 concentram 80 do comercio mundial.jhtm>.

17 Ciências Contábeis Interdisciplinar A IASB/IFRS respondeu a recomendações da declaração do grupo do G 20 publicada em abril de 2009 e, desde então, a cada reunião desse grupo é emitida uma carta ao anfitrião (o líder político máximo do país) do país que sedia uma reunião do G 20, atualizando os líderes com as ações que estão em curso para a convergência contábil internacional. As cartas são escritas em língua inglesa e sua leitura literal é muito recomendável para refletir e entender o enorme esforço que está sendo empreendido. Uma das cartas foi traduzida para o português: 24 de junho de 2010 Ao honorável Stephen Harper Primeiro Ministro Gabinete do Primeiro Ministro 80 Wellington Street Ottawa Canadá K1A 0A2 Prezado Sr. Primeiro Ministro: Em nome do Comitê Internacional de Normas Contábeis International Accounting Standards Board (IASB) e do Comitê de Normas Contábil Financeiras Financial Accounting Standards Board (FASB), que representam os órgãos normativos encarregados de desenvolver padrões contábeis de alta qualidade, escrevemos ao senhor na qualidade de anfitrião da próxima reunião da Cúpula de Líderes do G20. Solicitamos respeitosamente que a Secretaria da reunião faça circular esta carta para todos os outros participantes da reunião. Entendemos a importância que os líderes do G20 atribuem à questão da normatização de contabilidade. No encontro de Pittsburgh, em setembro de 2009, os líderes do G20 afirmaram: Apelamos aos nossos organismos internacionais de contabilidade para redobrar seus esforços para alcançar um conjunto único, global e de alta qualidade para normas de contabilidade, que dentro do âmbito do seu padrão independente e de seus processos de decisão, completem o seu projeto de convergência até junho de O Comitê Internacional de Normas Contábeis International Accounting Standards Board (IASB) deverá aumentar ainda mais o envolvimento dos vários intervenientes. Relatamos o progresso do nosso trabalho para os Ministros das Finanças do G20 antes de sua reunião na Coreia no início deste mês. Atribuímos essa carta para o seu conhecimento. 17

18 Unidade I Essa carta ressaltava nosso compromisso comum para a melhoria internacional das normas internacionais Financial Reporting Standards (IFRS), e a convergência dos princípios geralmente aceitos norte americanos (USGAAP). Destaque se também a nossa compreensão da relevância do objetivo de junho de 2011 como meta para os que os membros do G20 adotem as IFRS, e 2011 ou 2012 para os outros países, incluindo o Japão e os Estados Unidos que consideram a continuidade da melhoria e convergência como um aspecto importante para os seus mercados de capitais. Observamos também que muitas partes interessadas (stackholders) manifestaram a sua preocupação sobre a capacidade de fornecer informações de alta qualidade para os relatórios que foram planejados para publicação no segundo trimestre deste ano. Por essa razão, no momento da nossa redação ao grupo de ministros de finanças do G20, as duas entidades estavam no processo de desenvolvimento da revisão de uma estratégia que dê condições de cumprir o prazo de junho de 2011 ou antes disso. Para tal, o mais urgente é melhorar as IFRSs e as normas contábeis geralmente aceitas norte americanas. Nós também estamos identificando projetos que são adequados e podem ser analisados em um segundo momento, aqueles que acreditamos tenham assuntos que acreditamos ter uma prioridade menor ou que vão demandar análise e pesquisa. Já completamos nossa atenção nas estratégias a serem modificadas e enviamos em anexo o programa de trabalho atualizado. O pronunciamento dos líderes em Pittsburgh enfatizou a importância do engajamento das partes interessadas (stakeholders). Acreditamos que o programa modificado de trabalho, onde há fases para a publicação de pronunciamentos e interpretações, possibilitam a participação das partes interessadas (stakeholders) de forma ampla e eficaz nesse processo que é crítico para atingir uma boa qualidade nos nossos padrões. A natureza dos comentários recebidos em nossos documentos de discussão vai determinar a extensão das redeliberações necessárias e outros passos e esforços que vão ser necessários para atingir esse objetivo. Nós gostaríamos do suporte do G20 para o desenvolvimento de um conjunto comum de padrões contábeis globais de alta qualidade. As duas instituições continuam compromissadas em alcançar o objetivo. Iremos continuar a providenciar atualizações periódicas relatando os progressos. Atenciosamente, David Tweedie Presidente da IASB Robert Herz Presidente da FASB Tradução: Prof. Me. Alexandre Saramelli 18

19 Ciências Contábeis Interdisciplinar Saiba mais No site da IASB, é possível encontrar uma página exclusiva dedicada aos documentos emitidos ao G20, relatando as ações da IASB/IFAC (em inglês). <http://www.ifrs.org/financial + crisis/update+g20+response.htm> Durante as discussões das normas internacionais pela IASB e outros órgãos, a questão da relevância foi muito lembrada. Para conferir às demonstrações financeiras maior relevância, entendeu se que seria imprescindível conferir para a contabilidade características qualitativas e uma preferência por demonstrações contábeis que vão ao encontro dos interesses dos investidores, como é o caso da Demonstração do Fluxo de Caixa. Segundo Chua (2001), a tendência atual da contabilidade alicerça se em um conjunto de pressupostos filosóficos sobre o conhecimento, o mundo empírico e a relação entre teoria e prática. Os contadores teriam a tendência de lidar apenas com o que seria mais eficiente e efetivo para estabelecer quais são as necessidades de um tomador de decisões. Um contador não se envolveria com julgamentos morais sobre as necessidades ou objetivos de um tomador de decisões, limitando se a orientar o que deve fazer para que esse tomador de decisões tenha mais sucesso, seja mais rentável. Chua (2001) (apud CHAMBERS, 1966, p ) dá ao contador uma característica de neutralidade. Observação Estudaremos as características qualitativas das demonstrações contábeis nas próximas unidades. 1.3 Outros fatores da sociedade atual que trazem desafios aos contadores Neste tópico, analisa se o cenário mundial e os principais fatores que afetam o trabalho dos contadores e o ambiente da contabilidade internacional. A globalização e a União Europeia O fenômeno da globalização, visto simplificadamente como o comércio internacional entre nações, não é recente. Há séculos, ocorre comércio entre pessoas de diversas nacionalidades. Os diversos Estados Nacionais (países) influenciam e regulamentam esse processo, e nem sempre há permissão para a livre circulação de mercadorias, pessoas e capitais. Não raramente, impede se a um cidadão de certa nacionalidade o direito de viver em um país que proporcione melhores condições de vida, embora, na maioria dos casos, seja permitido a esse mesmo cidadão acesso a mercadorias e serviços produzidos em outros países, além de liberdade para remeter capitais. 19

20 Unidade I 20 Com a livre circulação de capitais, é possível formar negócios em diversos países, o que naturalmente abre o desejo de que esses negócios estejam sob as mesmas normas contábeis. Porém, por si só, a globalização não traz necessariamente uma necessidade de adoção de uma contabilidade internacional. O que vimos, poucos anos atrás, é que as nações mais desenvolvidas, principalmente a pujante economia norte americana, faziam de suas normas internacionais um padrão a ser seguido também em outros países, atuando na prática como com normas internacionais. Apesar de já haver normas internacionais, as IAS (International Accounting Standards Normas Contábeis Internacionais), emitidas pela Federação Internacional de Contadores, não havia motivação para a aplicação prática. A situação, de certa forma, estava confortável dessa maneira. Essa situação começou a mudar por ocasião de uma iniciativa notável: a formação da Comunidade Europeia, fato relevante que vem inspirando a adoção de atitudes semelhantes por outros países. Conforme comenta Thorstensen (1992), após conflitos sangrentos nos quais se tentou, por meio da força, impor uma unificação entre os países europeus, chegou se a um acordo no qual os países, por livre e espontânea vontade, criaram uma união comercial com livre circulação de mercadorias, pessoas e capitais. O ponto básico de toda a experiência da Comunidade Europeia é a consciência de que ganhos econômicos só seriam possíveis através de uma integração política, o que implicaria a transferência de grande parte das soberanias nacionais para o âmbito da estrutura de poder da Comunidade (THORSTENSEN, 1992). Essa experiência trouxe, naturalmente, a necessidade de tentativas de padronização da contabilidade, porque se fez necessário uma integração entre os negócios da comunidade. Dessa forma, os países, em matéria de adoção de princípios e normas contábeis, ao invés de olharem apenas para seus problemas nacionais, passaram a olhar também para a comunidade e a agir em conjunto. Foram justamente as reuniões da União Europeia e as publicações de diretivas comuns que fizeram o sonho das normas realmente internacionais de contabilidade começarem a virar uma realidade. O surgimento de grupos políticos, como o G7 (Grupo dos Sete) e atualmente o G20 (Grupo dos Vinte), também é acompanhado por iniciativas de padronização contábil por meio de órgãos internacionais, conforme estudaremos em capítulo específico. O ordenamento jurídico nas nações O Brasil adota como base jurídica o chamado direito romano. Não são todos os países que adotam essa mesma base jurídica. Alguns, como a Inglaterra, preferem outros ordenamentos jurídicos, como a Commom Law, outros preferem a Sharia, a lei islâmica.

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

A CONTABILIDADE E O AVANÇO DA TECNOLOGIA. http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/contabilidadeetecnologia.htm

A CONTABILIDADE E O AVANÇO DA TECNOLOGIA. http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/contabilidadeetecnologia.htm A CONTABILIDADE E O AVANÇO DA TECNOLOGIA Reinaldo Luiz Lunelli Texto do site: http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/contabilidadeetecnologia.htm Com o passar dos anos, a contabilidade tem sofrido

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS

FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS FIPECAFI oferece curso elearning Tópicos de Contabilidade Internacional com foco em IFRS A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) abre inscrições para o curso elearning:

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014

CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 CONTABILIDADE APLICADA AO DIREITO 1º SEMESTRE DE 2014 Programa de Pós-Graduação Lato Sensu da DIREITO GV (GVlaw) FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em

Leia mais

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946

A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902. Primeiro curso superior 1946 A CONTABILIDADE NO BRASIL GUARDA-LIVROS???? Primeiro curso técnico 1902 Primeiro curso superior 1946 Os Primórdios O que não passou na TV Globo No início foi fortemente influenciada pela Escola Italiana.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante

A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores. Contabilidade: uma carreira apaixonante CIÊNCIAS A profissão contábil e o mercado de trabalho para os Contadores Contabilidade: uma carreira apaixonante Prof. João Matias Loch E-mail: jmperito@gmail.com CIÊNCIAS O que é a Contabilidade? CIÊNCIAS

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL

A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS PRODUTORAS DE PROJETOS CULTURAIS FACE AO NOVO PADRÃO CONTÁBIL Já tivemos oportunidade de abordar a importância da contabilidade para as pequenas empresas produtoras de projetos

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS. Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento.

REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS. Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento. REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento. Parágrafo único. O correto enquadramento do trabalho

Leia mais

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais.

Gestão do Desempenho Forecasting. Tomada de decisão. Profissional. Professional. Previsão. A qualificação de negócios profissionais. Professional Profissional Tomada de decisão Gestão do Desempenho Forecasting Previsão A qualificação de negócios profissionais globais O CIMA é a escolha dos empregadores no recrutamento de líderes de

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Edson Silva) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Edson Silva) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo ao Ministério da Educação que a disciplina língua inglesa seja incluída nos currículos dos cursos de graduação

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas Autor: Prof. Marcelo Botelho da Costa Moraes Colaboradores: Prof. Alexandre Saramelli Profa. Divane Alves da Silva Profa. Elisabeth Alexandre Garcia Prof. Walter R. Dominas Professor

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista.

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista. Rua do Salete, 50, Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 2108-8562 / 2108-8503 home page: www.cairu.br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das

Leia mais

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Curso de ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÁREA DO CONHECIMENTO: Engenharia. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Engenharia de Produção. PERFIL PROFISSIONAL: Este

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias 1 de 5 28/07/2010 09:05 Brasil Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias Empresas PMEs O que é e qual o objetivo da norma para PMEs Em julho de 2009 o International Accounting Standard Board IASB emitiu

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

"O MEC não pretende abraçar todo o sistema"

O MEC não pretende abraçar todo o sistema "O MEC não pretende abraçar todo o sistema" Data: 30/11/2008 Veículo: O Globo Editoria: Boa Chance Ministro diz que governo não vai regular MBAs e que empresas já mantêm certo controle sobre a qualidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Motivar pessoas para o foco da organização

Motivar pessoas para o foco da organização PORTWAY Motivar pessoas para o foco da organização Série 4 pilares da liderança Volume 3 4 pilares da liderança Motivar pessoas para o foco da organização E m Julho de 2014, fui procurado por algumas diretoras

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 97 Discurso no banquete oferece/do

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

Encontro de Estudantes. Como Planejar sua carreira??!! Daniel Coêlho

Encontro de Estudantes. Como Planejar sua carreira??!! Daniel Coêlho Encontro de Estudantes Como Planejar sua carreira??!! Daniel Coêlho CURRÍCULO Universidade de Fortaleza Unifor: 2000 a 2004; Estagiário da Marpe Contadores: 2000 a 2003; Sócio Diretor da Giro s Contabilidade

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

Como acelerar o Fluxo de Caixa da empresa?

Como acelerar o Fluxo de Caixa da empresa? Como acelerar o Fluxo de Caixa da empresa? João Henrique Almendro, sócio fundador da AG50 C omo acelerar o Fluxo de Caixa da empresa? Essa questão da maior importância para gestão das empresas hoje em

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE A contabilidade é uma ciência de caráter essencialmente prático. Ao longo dos anos, diversos critérios foram desenvolvidos, diversas opções foram efetuadas, numa tentativa de

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro NBC TSP 3 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir critérios para a seleção e a mudança de políticas contábeis, juntamente com o tratamento

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03

Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Luciano Silva Rosa Contabilidade 03 Resolução de três questões do ICMS RO FCC -2010 Vamos analisar três questões do concurso do ICMS RO 2010, da FCC, que abordam alguns pronunciamentos do CPC. 35) Sobre

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais