DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DROGAS DE ABUSO. Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC"

Transcrição

1 DROGAS DE ABUSO Carlos Eduardo Biólogo Neuropsicólogo Mestre-Farmacologia UFC

2 DROGAS DE ABUSO Substância Psicoativa qualquer substância química que, quando ingerida, modifica uma ou várias funções do SNC, produzindo efeitos psíquicos e comportamentais. Uso Nocivo padrão de uso que causa dano à saúde Física e/ou Mental O Abuso de substâncias Psicoativas ocorre quando há uso recorrente ou continuo de uma substância psicoativa. Com uso LESIVO ou MAL-ADAPTADO

3 DROGAS DE ABUSO Dependência dos fármacos Efeito de recompensa Susceptibilidade individual Fatores genéticos Síndrome de abstinência Tolerância

4 DROGAS DE ABUSO Dependência dos fármacos padrão mal-adaptativo de uso de substâncias COM repercussões: Psicológicas Físicas Sociais Dependência Física Distúrbios físicos quando o uso da substância é INTERROMPIDA. Tolerância e Síndrome de Abstinência. Dependência Psíquica compulsão ao uso da substância.

5 DROGAS DE ABUSO Área Cerebral Envolvida??

6 DROGAS DE ABUSO Sistema de Recompensa Cerebral Córtex Orbito-Frontal Córtex Pré-Frontal Vias Mesolímbicas Núcleo Accumbens Locus Ceruleus Via da recompensa: Via Dopaminérgica Mesolímbica.

7 DROGAS DE ABUSO Efeitos a longo prazo Adaptações homeostática Aprendizado associativo Via da recompensa: Via Dopaminérgica Mesolímbica.

8 DROGAS DE ABUSO Adaptações homeostática resposta compensatória das células ou dos circuitos ao bombardeio excessivo da droga; Tolerância REFORÇO POSITIVO Síndrome de Abstinência REFORÇO NEGATIVO

9 DROGAS DE ABUSO Aprendizado associativo associação do comportamento de uso da droga a estímulos que ativam circuitos mnemônicos; Comportamentos mais automáticos e com menor acesso por parte da consciência;

10 NICOTINA Prevalência mundial: 18% população adulta Subst. farmacologicamente ativa na fumaça do tabaco: Nicotina Sistema Nervoso Central Ação nos receptores nicotínicos da Acetilcolina expressos no cérebro (Córtex e Hipocampo) Função Cognitiva Exposição prolongada: resposta diminuída a ação da nicotina e proliferação dos receptores. (DESSENSIBILIZAÇÃO)

11 NICOTINA Sistema Nervoso Central Inibição dos reflexos espinhais relaxamento da muscul. esquelética Melhora do desempenho motor e aprendizado Atividade analgésica

12 NICOTINA Sistema Nervoso (a nível periférico) Estimulação dos gânglios autonômicos: taquicardia, débito cardíaco, pressão arterial, redução da motilidade gástrica, sudorese e ingesta de alimentos Os efeitos declinam com doses repetidas

13 NICOTINA Aspectos Farmacocinéticos 01 cigarro = 0,8g tabaco = 9-17mg nicotina (10% absorvido) Absorção: PULMONAR/nasofaringe e boca Excitação da via Mesolímbica com liberação de Dopamina

14 NICOTINA Síndrome de Abstinência Irritabilidade, desempenho psicomotor prejudicado, agressividade e distúrbios do sono. Alívio com nicotina e também com anfetamina Duração: 2-3 semanas Dependência Psicológica

15 NICOTINA Efeitos nocivos Câncer: principalmente pulmão, sistema respiratório superior, pâncreas, esôfago e bexiga Doença Coronariana e Doença vascular periférica Bronquite Crônica Efeitos nocivos na Gravidez

16 NICOTINA Tratamento da dependência da nicotina Teoria da reposição de Nicotina: adesivos transdérmicos, goma de mascar Antidepressivos

17 ETANOL Conteúdo variável: 2,5-55% Efeitos mínimos: 10mmol/l (46mg/100ml) Intoxicação severa: 150mg/100ml Dose letal: concentração: mg/100ml Ingesta de alcoól: expressa em Unidades 1 Unid = 8g etanol (1/2 caneca de cerveja ou 1 taça de vinho)

18 ETANOL Sistema Nervoso Central Ação Depressora Mecanismo de ação Potencialização da inibição mediada pelo GABA semelhante aos benzodiazepínicos Inibição da entrada de Ca2+ pelos canais de Cálcio voltagem dependentes.

19 ETANOL Sistema Renal diurese Sistema Endócrino Síndrome Pseudo - Cushing Inibição dos Horm. Esteróides Testiculares

20 ETANOL Sistema Nervoso Central Administração crônica Demência variável (Alargamento ventricular) Neuropatia Periférica (Associação com deficiência de Tiamina B1) Sistema Cardiovascular Vasodilatação de origem central Trato Gastro-intestinal Secreções biliar e gástrica

21 ETANOL Alargamento Ventricular

22 ETANOL Lesão hepática Acúmulo de lipídeos hepatite necrose Liberação aumentada de ácidos graxos Efeitos do etanol sobre a gravidez Síndrome Alcoólica Fetal

23 Síndrome Alcoólica Fetal Efeito Teratogênico

24 Distúrbio do neurodesenvolvimento relacionado ao álcool (DNRA) Déficits motores e cognitivos redução do tamanho do cérebro; Período crítico: não há demarcações das deformações Deformações faciais: 4 a semana Desenvolvimento do cérebro: 10 a semana

25 DEMÊNCIAS ALCOÓLICAS Alcoolismo déficits cognitivos secundários decorrentes do efeito tóxico do álcool Síndrome de Wernicke-Korsakoff deficiência de Tiamina (B1); Déficits cognitivos amnésia anterógrada, confabulação

26 ETANOL Aspectos farmacocinéticos Rápida absorção pelo estômago Metabolização hepática: 90% Oxidações sucessivas: Acetaldeído ácido acético Interação com outros Fármacos

27 MACONHA Extrato da planta do cânhamo ( Cannabis sativa) Substância ativa: 9 - tetraidrocanabinol THC Metabólitos ativos: 11- hidroxi THC

28 MACONHA Sistema Nervoso Central Sensação de relaxamento e bem-estar, semelhante ao etanol Prejuízo da Memória recente e aprendizado Prejuízo da coordenação motora Estados catalépticos Analgesia Antiemético Aumento do apetite

29 MACONHA Sistema Nervoso (efeitos periféricos) Taquicardia Vasodilatação, principalmente das conjuntivas Broncodilatação Local de ação: presença de receptores canabinóides específicos no cérebro abundantes no hipocampo, substância nigra e cerebelo e nas vias Dopaminérgicas Mesolímbicas.

30 MACONHA Tolerância e Dependência Física Sintomas de abstinência Irritabilidade, náusea, agitação, confusão mental, taquicardia e sudorese. Não existe Dependência Psicológica

31 MACONHA Efeitos adversos Relativamente seguro em doses elevadas Mesmo em doses baixas: euforia, sonolência, distorção sensorial e alucinações. Efeitos Teratogênicos e Mutagênicos concentração plasmática de testosterona e contagem de espermatozóides

32 COCAÍNA Encontrada em folhas de um arbusto da América do Sul (coca) Efeito anestésico local Efeito farmacológico: inibe a captação de catecolaminas pelos transportadores de Noradrenalina e Dopamina, aumentando os efeitos da atividade nervosa simpática

33 COCAÍNA Efeito estimulante psicomotor: euforia, loquacidade, atividade motora aumentada e aumento do prazer. Doses excessivas: tremores e convulsões, seguido de depressão respiratória e vasomotora Pode ocorrer Depressão e Disforia acopladas com o desejo pela droga

34 COCAÍNA Abstinência: após alguns dias deterioração do desempenho psicomotor Dependência psicológica Duração dos efeitos: 30 minutos Crack Arritmias cardíacas. Trombose Coronariana e cerebral

35 ECSTASY Fármacos semelhantes à Anfetamina Drogas Projetadas - Alucinógenas Liberação de Monoaminas nas terminações nervosas do cérebro, Dopamina e Noradrenalina Efeitos Farmacólógicos: Estimulação locomotora, Euforia e Excitação, Aumento da Sociabilidade e Anorexia.

36 ECSTASY Administração Prolongada: Psicose Anfetamínica Mudanças nas Experiências Sensoriais Sintomas de abstinência: Letargia, Sintomas Depressivos e Sono Excessivo. Tolerância e Dependência

37 ECSTASY Efeitos adversos Morte súbita Hipertermia Maligna - 42º C Déficits Cognitivos e Motores

38 PSICOSES Psicoses Tóxicas quadro psicótico causado DIRETAMENTE pelo uso da substância sobre o cérebro Curta Duração (horas ou, máximo dias) Rebaixamento do nível de Consciência Confusão Mental Ilusão e Alucinações Visuais Alucinógenos LSD; Anfetaminas Ecstasy Maconha e Cocaína (em altas doses)

39 PSICOSES Psicoses Induzidas por Substâncias após período de uso intenso Duração dias ou, máximo semanas Quadro Paranóicos; Maniatimorfos Cocaína (pó inalado ou injetado ou o crack fumado); Anfetaminas e Alucinógenos; Raramente Maconha Psicoses Funcionais duração mais prolongada do quadro psicótico (Esquizofrenia, Psicose Afetiva, etc) Retração Social Distanciamento Afetivo Afeto Incongruente

40 PSICOSES Alucinoses paciente percebe tal alucinação como estranha à sua pessoa; Imediatamente criticadas pelo sujeito, reconhecendo seu caráter patológico Alucinação percepção do objeto, sem que este esteja presente, sem o estímulo sensorial conceitual. Indivíduo acredita na veracidade da alteração sensoperceptiva.

41 DEMÊNCIAS Alcoolismo déficits cognitivos secundários decorrentes do efeito tóxico do álcool Síndrome de Wernicke-Korsakoff deficiência de Tiamina (B1); Déficits cognitivos amnésia anterógrada, confabulação

42 PREJUÍZOS SOCIAS Desenvolvimento do Abuso e Dependência de Substâncias Grande envolvimento na busca da Droga (Obsessão) Redução do Repertório de Interesse Negação Envolvimento com atividades criminosas para obtê-la Diminuição da Auto-estima Abandono Social

43 Terapia cognitivo-comportamental Comportamentos Addictions

44 Terapia cognitivo-comportamental Forma terapêutica que aplica princípios das teorias: Aprendizagem; Análise comportamental;

45 Terapia cognitivo-comportamental Objetivos: Correções das distorções do pensamento; Mudanças de hábitos e comportamentos operantes;

46 Crenças: Comportamento adictivo É necessária para manter o equilíbrio psicológico ou emocional Melhora o funcionamento social e intelectual Trará prazer e excitação Fornecerá força e poder Terá efeito calmante Trará alívio para a monotonia, a ansiedade, a tenção e a depressão Sem o uso da droga, a fissura continuará

47 Modelo Cognitivo Situação estímulo Crenças nucleares Plano de ação Crenças permissivas Fissura (craving) Pensamentos automáticos Uso continuado (Recaída)

48 Principais técnicas utilizadas Identificação de pensamentos automáticos (PAs) Avaliação e questionamento de PAs; Registro diário de PAs disfuncionais; Identificação de crenças; Seta descendente; Solução de problemas; Exame das vantagens e desvantagens; Distração mental;

49 Seta descendente - Exemplo Pensamento automático: Não dá pra ir a uma festa e não beber ; Se verdade significa o quê? Que eu não consigo me divertir se não beber? Se verdade... Não vou poder falar com ninguém, dançar Se verdade... Que eu sou um porcaria, não sou de nada Que sou um incapaz, um fracasso como pessoa crença nuclear.

50 Entrevista Motivacional

51 Entrevista Motivacional William Miller (1983); Terapia Motivacional Auxiliar nos processos de mudanças comportamentais, trabalhando a resolução da AMBIVALÊNCIA ; Conflito motivacional PRÓS E CONTRAS; Por que mudar? Para que mudar? O que irá mudar?

52 PREJUÍZOS SOCIAS Níveis Motivacionais do Paciente: 1. Pré-contemplação não pensa em interromper o uso ou fazer qualquer mudança 2. Contemplação estado ambivalente; paciente pensa nas duas possibilidades 3. Determinação está decidido a modificar seus hábitos 4. Ação está engajado em ação específicas para mudança 5. Manutenção engajado em manter a modificação conseguida 6. Recaída retorno ao uso da droga

53 Níveis Motivacionais Précontemplação Contemplação Determinação Manutenção Recaída Preparação para ação Ação

54 Modelo Cognitivo Situação estímulo Crenças nucleares Plano de ação Crenças permissivas Fissura (craving) Pensamentos automáticos Uso continuado (Recaída)

55 Sistema de Recompensa Cerebral Ativação do Sistema ocorre quando estamos diante de ESTÍMULOS AGRADAVEIS

56 Sistema de Recompensa Cerebral Ativação do Sistema quando HÁ CORRESPONDÊNCIA

57 Sistema de Recompensa Cerebral Obrigado!!!

Drogas de abuso. Maxwell Santana

Drogas de abuso. Maxwell Santana Drogas de abuso Maxwell Santana Drogas de abuso Qualquer substância ou preparação, com pouco uso médico usada primariamente pelos seus efeitos gratificantes! Englobam substância psicoativas e psicotrópicas!

Leia mais

Transtornos relacionados ao uso de substâncias

Transtornos relacionados ao uso de substâncias Transtornos relacionados ao uso de substâncias ARTHUR GUERRA DE ANDRADE Professor Associado do Departamento de Psiquiatria, Faculdade de Medicina USP Professor Titular de Psiquiatria e Psicologia Médica,

Leia mais

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia

Drogas de Abuso. Equipe de Biologia Drogas de Abuso Equipe de Biologia Drogas Qualquer substância capaz de alterar o funcionamento do organismo ilícitas lícitas Drogas de abuso Drogas utilizadas sem indicação médica, tendo por objetivo alterar

Leia mais

DROGAS DE ABUSO. Profa. Dra. Eline Matheus

DROGAS DE ABUSO. Profa. Dra. Eline Matheus DROGAS DE ABUSO DROGAS QUE ATUAM NO SNC ESTIMULANTES DEPRESSORES DROGAS ESTIMULANTES COCAÍNA (CRACK & OXI) ANFETAMÍNICOS EFEDRINA ALUCINÓGENOS ANABOLIZANTES COCAÍNA Corte cerebral pós-mortem de um adicto

Leia mais

AULA 23 Drogas: produtos alucinógenos ou substância tóxicas que leva a dependência; Drogas psicoativas: entra na corrente sanguínea e atinge o SNC; Ação depressiva: diminui a atividade das células nervosas.

Leia mais

A dependência de álcool e outras drogas:

A dependência de álcool e outras drogas: A dependência de álcool e outras drogas: desafios na prevenção MARICELMA BREGOLA Alguns Dados 200 milhões de pessoas quase 5% da população entre 15 e 64 anos usam drogas ilícitas pelo menos uma vez por

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Prezado aluno, Estes exercícios fazem parte de uma compilação de vários testes e provas que foram utilizadas no passado e formam uma base sólida para estudo. Tente resolvê-los sozinho, ao invés de simplesmente

Leia mais

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail.

O que são drogas? Drogas Naturais Drogas Sintéticas Drogas Semi-sintéticas. Drogas. Prof. Thiago Lins do Nascimento. tiagolinsnasc@gmail. Drogas Prof. Thiago Lins do Nascimento tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 / 41 Sumário O que são drogas? 1 O que são drogas? O que são drogas? 2 Maconha Nicotina 3 Ecstasy Anfetaminas 4 Cocaína Crack Krokodil

Leia mais

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO Dra. Ana Paula Cabral Ramidan 2º CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES EM PREVENÇÃO ÀS DROGAS CORAÇÃO FONTE: http://www.google.com/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/-hrgazxrptx4/tu8antmk2ai/aaaaaaaake0/mkgmvoud1fa/s1600/coracao.jpg&imgrefurl=http://toinhoffilho.blogspot.com/2011/12/cienciasvale-apensa-saber-coracao-uma.html&usg=

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Conceitos Básicos ObjeBvos DiscuBr os conceitos básicos de substâncias psicoabvas (SPA) Conhecer as

Leia mais

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY Oscar César Pires 29/04/12 14h:40-15h:00 Diretor Departamento Científico SBA / Responsável pelo CET do HMSJC SP Doutor em Anestesiologia/

Leia mais

Neste texto você vai estudar:

Neste texto você vai estudar: Prevenção ao uso de drogas Texto 1 - Aspectos gerais relacionados ao uso de drogas Apresentação: Neste texto apresentamos questões gerais que envolvem o uso de drogas com o objetivo de proporcionar ao

Leia mais

COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS

COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS COMORBIDADES CLÍNICAS EM PACIENTES COM TRANSTORNOS NO USO DE DROGAS O que são drogas? São substâncias naturais ou sintéticas, produzidas ou modificadas, com usos diversos, algumas delas com efeitos entorpecentes

Leia mais

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas

Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas Projeto Diga Sim a Vida e Não as Drogas PÚLBLICO ALVO: Toda a comunidade escolar e a sociedade local de modo geral. APRESENTAÇÃO: Todos concordam que a Escola tem um papel fundamental em nossa sociedade,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO

SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO SERVIÇO SOCIAL E DROGADIÇÃO Matheus de Oliveira Ribeiro Serviço Social Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Stephanie Suellen Santos da Silva Serviço Social Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS

Leia mais

Breve Histórico do Uso da Maconha no Brasil

Breve Histórico do Uso da Maconha no Brasil O que é maconha? Maconha é o nome popular de uma planta chamada Cannabis Sativa, que tem sido usada há séculos por diferentes culturas, e em diferentes momentos da História, com fins médicos e industriais.

Leia mais

Maconha. Marília Z. P. Guimarães Programa de Farmacologia Celular e Molecular Instituto de Ciências Biomédicas/UFRJ

Maconha. Marília Z. P. Guimarães Programa de Farmacologia Celular e Molecular Instituto de Ciências Biomédicas/UFRJ Maconha Marília Z. P. Guimarães Programa de Farmacologia Celular e Molecular Instituto de Ciências Biomédicas/UFRJ A humanidade conhece a planta Cannabis sp., nativa do centro e sul da Ásia, desde 10 mil

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria

Diretrizes Assistenciais. Medicina Psicossomática e Psiquiatria Diretrizes Assistenciais Medicina Psicossomática e Psiquiatria Versão eletrônica atualizada em fev/2012 TRATAMENTO DE TABAGISMO Indicação: Pacientes tabagistas atendidos na SBIBAE Contraindicação: Não

Leia mais

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia do SNC Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia das drogas do SNC Potencial de Membrana Todas as células possuem potencial de membrana: Potencial de membrana é

Leia mais

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides

Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Benzodiazepínicos, hipnóticos e opióides Alessandro Alves O amor não é aquilo que te deixa feliz, calmo e tranquilo. O nome disso é Rivotril. Frase atribuída a James Brown Benzodiazepínicos Estão entre

Leia mais

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas

DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS. Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas DROGAS LÌCITAS E ILÌCITAS SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS Drogas Lícitas e Ilícitas Substancias Psicotrópicas SUBSTÂNCIAS PSICOTRÒPICAS São substancias psicoativas que agem no Sistema Nervoso Central. Produz

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando a atuação de um psicólogo em equipe 57 O casal em psicoterapia deverá ser treinado a identificar seus multidisciplinar de saúde de um órgão público e as normas éticas

Leia mais

A SAÚDE TAMBÉM É CONSIGO. Tabaco

A SAÚDE TAMBÉM É CONSIGO. Tabaco Tabaco Álcool Medicamentos Cocaína Heroína Cannabis Ecstasy ÁLCOOL Características da substância O álcool contido nas bebidas é cientificamente designado como etanol, sendo produzido através da fermentação

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS

BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BULA PARA O PACIENTE BUSPAR (cloridrato de buspirona) 5mg/10mg COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB BUSPAR cloridrato de buspirona Uso oral APRESENTAÇÃO BUSPAR 5 mg é apresentado em cartuchos com 2 blisters

Leia mais

Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I. Introdução

Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I. Introdução Neurociências: Consumo e dependência de substâncias psicoativas RESUMO DO RELATÓRIO ELABORADO PELA OMS - parte I Introdução O consumo de substâncias e as farmacodependências representam um importante problema

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Es>mulantes do SNC Obje>vos Conhecer as formas de apresentação e de uso Compreender o mecanismo de

Leia mais

Cocaína. COCAÍNA Histórico. Cocaína. Cocaína. Cocaína

Cocaína. COCAÍNA Histórico. Cocaína. Cocaína. Cocaína COCAÍNA Histórico Erytroxylum coca - Populações pré- incaicas já utilizavam mascamento das folhas em cerimônias religiosas (coqueio). - Século passado emprego de cigarros de coca no tratamento da asma

Leia mais

Aspectos da Consciência

Aspectos da Consciência Consciência Aspectos da Consciência Consciência Muitos livros definem a consciência como a percepção atual do indivíduo em relação a estímulos externos e internos isto é, de eventos do ambiente e de sensações

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Perturbadores do SNC ObjeDvos Conhecer as formas de apresentação e de uso Compreender o mecanismo de

Leia mais

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO

III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO III Jornada Regional sobre drogas ABEAD/MPPE ENTENDENDO O TABAGISMO: A DEPENDÊNCIA E O TRATAMENTO IVANA MAGALY LIMA ALENCAR CARVALHEIRA Psicóloga Clínica Hospitalar Neuropsicóloga - CRP 02/8461 Setembro/2010

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA

INSTALAÇÕES FIXAS INCÊNDIO DETEÇÃO GASES & ALCOOLÉMIA 3 Drogas de Abuso Despistagem em Fluidos Orais Sistema Alere TM DDS 2 CONCEITO Define-se como droga qualquer substância química não produzida pelo organismo, que tenha a propriedade de atuar sobre um ou

Leia mais

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg

cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimido 1 mg e 2 mg cloxazolam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 Comprimido FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagens com 20 e 30 comprimidos contendo

Leia mais

Dependência Química. Sílvia Leite Pacheco

Dependência Química. Sílvia Leite Pacheco Dependência Química Sílvia Leite Pacheco Psicóloga Clínica com atuação em Terapia Cognitivo Comportamental; Psicoterapeuta Cognitiva da Clínica Alamedas; Pesquisadora da UNIAD/UNIFESP; Docente de Prevenção

Leia mais

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp

Organização de serviços. Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Organização de serviços Coordenação: prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD INPAD Unifesp Declaração Declaro não receber nenhum financiamento público ou particular Qual a

Leia mais

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA

O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA O TABAGISMO COMO DEPENDÊNCIA Ministério da Saúde - MS Instituto Nacional de Câncer - INCA Coordenação de Prevenção e Vigilância - Conprev Divisão de Programas de Controle do Tabagismo e outros Fatores

Leia mais

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED CRACK Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED Breve histórico do uso de drogas Pré História 4.000 à 5.000

Leia mais

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cigarro é droga? Verdade! Cigarro é uma droga poderosa, apesar de ser um produto lícito. O potencial de abuso da

Leia mais

Modelo de Texto de Bula ao Paciente

Modelo de Texto de Bula ao Paciente Modelo de Texto de Bula ao Paciente VENVANSE * dimesilato de lisdexanfetamina *marca depositada APRESENTAÇÃO VENVANSE cápsulas 30 mg, 50 mg e 70 mg: frascos com 28 cápsulas. USO ORAL USO PEDIÁTRICO DE

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO

OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO OS PRINCIPAIS FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A PERMANÊNCIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM TRATAMENTO Dário Fernando Treméa Kubiak 1 Jesus N. Durgant Alves 2 Mara Regina Nieckel da Costa 3 RESUMO Este artigo objetiva

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS

INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Grupamento de Socorro de Emergência Seção de Desastres INTOXICAÇÃO POR NOVAS DROGAS Edna Maria de Queiroz Capitão Médica CBMERJ Médica HUAP / UFF

Leia mais

Drogas Lícitas e Ilícitas

Drogas Lícitas e Ilícitas Drogas Lícitas e Ilícitas que interferem no ato de dirigir Associação Brasileira de Medicina de Tráfego Conceituação de drogas psicoativas Tenha efeito direto no sistema nervoso central e/ou periférico

Leia mais

Abuso de drogas. Algumas drogas ilegais podem ser consumidas legalmente se forem receitadas por um médico.

Abuso de drogas. Algumas drogas ilegais podem ser consumidas legalmente se forem receitadas por um médico. Abuso de drogas Introdução Uma pessoa abusa de drogas quando toma drogas ilegais ou quando toma medicamentos de uma forma que não é a recomendada pelo médico ou fabricante. Torna-se toxicodependente a

Leia mais

Manifestações cardiovasculares do consumo de drogas

Manifestações cardiovasculares do consumo de drogas Manifestações cardiovasculares do consumo de drogas MARCELO RIBEIRO MSc PROFª DRª ANA CECÍLIA PETTA ROSELI MARQUES Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas Unidade de Pesquisa em Álcool

Leia mais

Dependência do Tabagismo

Dependência do Tabagismo Dependência do Tabagismo Jack E. Henningfield, PhD Johns Hopkins School of Medicine (Escola de Medicina Johns Hopkins) Pinney Associates 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (Escola de

Leia mais

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA.

EXPECTAMIN. (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. EXPECTAMIN (maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina + guaifenesina) LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Solução Oral 0,4 mg/ ml + 4 mg/ml + 20 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg

Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg Rohypnol (flunitrazepam) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Comprimidos revestidos 1 mg Rohypnol flunitrazepam Roche Agente indutor do sono APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 1 mg em caixa

Leia mais

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral)

Uso de inibidores seletivos de captação de serotonina (ISCS) e de noradrenalina e ISCN e (antidepressivos de modo geral) Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 5- Psicofármacos e Ansiedade Ansiedade Estado desagradável de tensão, apreensão, inquietação ; Um medo às vezes de origem desconhecida; Sintomas

Leia mais

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves

Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante. Joana Gonçalves Perturbações da Personalidade: Perturbação da Personalidade Borderline e Perturbação da Personalidade Evitante Joana Gonçalves Perturbação da Personalidade Borderline Provavelmente a perturbação de personalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2013 Áreas de Atuação em Psiquiatria Psiquiatria da Infância e da Adolescência Gabarito da Prova realizada em 2/nov/2012 QUESTÃO 1 - Transtorno depressivo

Leia mais

bromazepam Comprimido 3mg e 6mg

bromazepam Comprimido 3mg e 6mg bromazepam Comprimido 3mg e 6mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromazepam Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Comprimido 3mg Embalagens contendo 20, 30 e 100 comprimidos.

Leia mais

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco.

Composição Cada comprimido de 25 mg contém 25 mg de cinarizina. Excipientes: amido, lactose, óleo vegetal hidrogenado, povidona, sacarose e talco. 112360002 Stugeron cinarizina comprimidos Forma farmacêutica e apresentações Comprimidos de 25 mg em embalagem com 30 comprimidos. Comprimidos de 75 mg em embalagem com 30 comprimidos. USO ADULTO Composição

Leia mais

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos DONAREN RETARD cloridrato de trazodona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos de liberação prolongada APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos USO ORAL

Leia mais

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg

Nicotinell. Novartis Biociências S.A. Adesivo 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell Novartis Biociências S.A. 7 mg, 14 mg e 21 mg Nicotinell nicotina APRESENTAÇÕES Embalagens com 7 adesivos transdérmicos de nicotina (7mg, 14mg ou 21mg) USO TÓPICO - USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA

Leia mais

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc.

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. DEPRESSÃO A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. BDI- Inventário de Depressão Beck: a medição é feita por escores

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos.

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. Dolamin Flex clonixinato de lisina cloridrato de ciclobenzaprina Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido

Leia mais

Maconha. Alessandro Alves. Conhecendo a planta

Maconha. Alessandro Alves. Conhecendo a planta Maconha Alessandro Alves Entenda bem. A maconha é a droga ilícita mais utilizada no mundo. Está entre as plantas mais antigas cultivadas pelo homem. Na China seus grãos são utilizados como alimento e no

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS E DIAGNÓSTICO

CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS E DIAGNÓSTICO CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS E DIAGNÓSTICO INTRODUÇÃO O consumo de substâncias que possuem a capacidade de atuar sobre o cérebro, gerando modificações no psiquismo, parece ser um fenômeno universal da

Leia mais

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560

A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A adolescência e o fenômeno da drogadição. Prof. Marco Aurélio de Patrício Ribeiro marcoaurélio@7setembro.com.br Cel. 9998.6560 A Sociedade muda (acentuando o problema das drogas nos últimos 30 anos) Ao

Leia mais

bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg

bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg bromazepam Merck S/A Comprimidos 3 mg & 6 mg bromazepam medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. Ansiolítico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 3 mg em caixa com 20 comprimidos. Comprimidos de 6 mg em caixa

Leia mais

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina

RETEMIC. cloridrato de oxibutinina 1 Modelo de Bula RETEMIC cloridrato de oxibutinina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Comprimidos de 5 mg - Caixas contendo 30 e 60 comprimidos. Xarope 1 mg/ml - Frascos contendo 120 ml. COMPOSIÇÃO:

Leia mais

ASPECTOS TERAPÊUTICOS

ASPECTOS TERAPÊUTICOS ASPECTOS TERAPÊUTICOS Abordagens psicológicas Entrevista motivacional, treinamento de habilidades, aconselhamento Psicoterapias psicodinâmicas cognitivo-comportamentais PREVENÇÃO DA RECAÍDA Grupos de mútua

Leia mais

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO

ESTRUTURA CEREBRAL 1. SISTEMA LÍMBICO PROBLEMAS DO SISTEMA LÍMBICO PROFUNDO ESTRUTURA CEREBRAL As informações de atividade cerebral aqui comentadas estão baseadas no SPECT - tomografia computadorizada de emissão de fóton único. É um estudo de medicina nuclear que olha diretamente

Leia mais

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005)

Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Consumo problemático de álcool Resumo de diretriz NHG M10 (maio 2005) Meerkerk GJ, Aarns T, Dijkstra RH, Weisscher PJ, Njoo K, Boomsma LJ traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Universidade de Aveiro. Catarina Calado. Outubro de 2012

Universidade de Aveiro. Catarina Calado. Outubro de 2012 Universidade de Aveiro Catarina Calado Outubro de 2012 FESTAS ACADÉMICAS Comportamentos de Risco Contribuem para a integração dos jovens na vida académica Geram danos para a saúde a curto, médio e longo

Leia mais

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina 1-Estimulantes psicomotores 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina metilxantinas Café x cafeína Cafeína - Cafeína não deve ser confundida com o café - Cafeína é uma das centenas de sustâncias

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Intervenção dos Serviços de Saúde do Trabalho no âmbito da prevenção do consumo de substâncias psicoativas em meio laboral DATA: 13.05.2013 Para: Médicos

Leia mais

`Ecstasy' (3,4 Metilenodioximetanafetamina, MDMA): Uma droga velha e um problema novo?

`Ecstasy' (3,4 Metilenodioximetanafetamina, MDMA): Uma droga velha e um problema novo? `Ecstasy' (3,4 Metilenodioximetanafetamina, MDMA): Uma droga velha e um problema novo? Introdução O uso recreacional da 3,4 Metilenodioximetanafetamina, MDMA (`Ecstasy') tem sido referido por alguns pacientes

Leia mais

Tratamento farmacológico do tabagismo

Tratamento farmacológico do tabagismo Tratamento farmacológico do tabagismo Sandra Odebrecht Vargas Nunes Heber Odebrecht Vargas Luciana Vargas Alves Nunes Mariane Vargas Nunes Noto SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, SOV.,

Leia mais

TEXTO DE BULA LORAX. Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente.

TEXTO DE BULA LORAX. Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente. TEXTO DE BULA LORAX I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Lorax lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 ou 2 mg em embalagens contendo 20 ou 30 comprimidos. Cada comprimido contém 1 ou 2 mg de lorazepam respectivamente.

Leia mais

Como Usar este Livro 1

Como Usar este Livro 1 Sumário CAPÍTULO 1 Como Usar este Livro 1 PÚBLICO 1 ORGANIZAÇÃO DO LIVRO 2 CONTENDO O EXCESSO DE DIAGNÓSTICOS E EVITANDO MODISMOS 5 PROBLEMAS COM O DSM-5 5 Cuidado!: 6 A ENTREVISTA DE DIAGNÓSTICO 7 DIAGNÓSTICO

Leia mais

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares.

Dependência Química. Informação é grande aliada dos amigos e familiares. Dependência Química Informação é grande aliada dos amigos e familiares. O QUE É DROGA-DEPENDÊNCIA? Droga-dependência é um transtorno psiquiátrico que se caracteriza pelo uso impulsivo e descontrolado de

Leia mais

alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente

alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente alprazolam (Idoxuridina) Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Bula do Paciente alprazolam comprimidos 0,25 mg, 0,5 mg, 1,0 mg, 2,0 mg Medicamento Genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Interações medicamentosas Carlos Alberto de Barros Franco Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio

Leia mais

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO X MACONHA CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO - MOVIMENTO CORPO - MOVIMENTO Movimentos estão presentes em todas as atividades

Leia mais

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam

LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam LORAX lorazepam I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Lorax Nome genérico: lorazepam APRESENTAÇÕES Lorax 1 mg ou 2 mg em embalagens contendo 30 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: USO ORAL USO

Leia mais

DEPENDÊNCIA. Titulo. Texto UCAD

DEPENDÊNCIA. Titulo. Texto UCAD DEPENDÊNCIA Titulo Texto : S N E V O J uns factobsis alg e a canna sobr UCAD -1UNIDADE DE INTERVENÇÃO EM COMPORTAMENTOS ADITIVOS E DEPENDÊNCIAS Ficha Técnica REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, Secretaria Regional

Leia mais

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim

Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Drogas A prevenção como medida de proteção. Professor Maurino Prim Introdução. O abuso de drogas é considerado, atualmente, um dos maiores problemas da nossa sociedade. A situação vem se agravando cada

Leia mais

Compaz. diazepam. Comprimidos 5 mg e 10 mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Compaz. diazepam. Comprimidos 5 mg e 10 mg. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Compaz diazepam Comprimidos 5 mg e 10 mg Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Compaz diazepam Ansiolítico e Miorrelaxante APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL UEMS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL UEMS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL UEMS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS CONCEITOS, PROPRIEDADES QUÍMICAS E DEPENDÊNCIA DO ABUSO DE DROGAS Definições Droga é toda substância

Leia mais

TOXICOLOGIA SOCIAL. História. História. Toxicologia Social: Uso não médico de fármacos e/ ou drogas. História. História. Cactus peyoteutilizado

TOXICOLOGIA SOCIAL. História. História. Toxicologia Social: Uso não médico de fármacos e/ ou drogas. História. História. Cactus peyoteutilizado TOXICOLOGIA SOCIAL Toxicologia Social: Uso não médico de fármacos e/ ou drogas Área da TOXICOLOGIA que estuda os efeitos nocivos decorrentes do uso nãomédico de drogas ou fármacos causando danos não somente

Leia mais

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml.

BULA. RUBRANOVA injetável. Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000 mcg/2 ml. BULA RUBRANOVA injetável RUBRANOVA cloridrato de hidroxocobalamina 5.000 e 15.000 mcj Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Solução injetável. Cartucho com 1 ampola com 5.000 mcg/2 ml ou 15.000

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso 8ª série / 9º ano U. E. 14 Sistema nervoso O cérebro, a medula e os nervos são os principais órgãos que formam o sistema nervoso. As informações que chegam ao cérebro são respondidas com estímulos que

Leia mais

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 mirtazapina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES mirtazapina 30 mg. Embalagem contendo 7, 14 ou 28 comprimidos revestidos. mirtazapina 45 mg. Embalagem contendo

Leia mais

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011)

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Chavannes NH, Kaper J, Frijling BD, Van der Laan JR, Jansen PWM, Guerrouj S, Drenthen AJM, Bax W, Wind LA traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

Triagem de drogas em urina

Triagem de drogas em urina Triagem de drogas em urina Maconha A maconha é o nome utilizado popularmente no Brasil para denominar a planta Cannabis sativa Linnaeus. Estima-se que existem mais de 400 compostos naturais na planta,

Leia mais

Coisas simples que todo médico

Coisas simples que todo médico Coisas simples que todo médico pode fazer para tratar o alcoolismo. Você já faz? Prof. Dr. Erikson F. Furtado Chefe do Serviço Ambulatorial de Clínica Psiquiátrica e coordenador do PAI-PAD (Programa de

Leia mais

Psicologia UFES - 2013. Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Ciências Fisiológicas. Fisiologia. Papel do hipotálamo e amígdala

Psicologia UFES - 2013. Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Ciências Fisiológicas. Fisiologia. Papel do hipotálamo e amígdala Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas Fisiologia Papel do hipotálamo e amígdala nos comportamentos motivados Prof. Dr. Leonardo dos Santos O sistema nervoso O sistema

Leia mais

26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém)

26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) 26 e 27 de NOVEMBRO Sede APSEI (Sacavém) Substância Psicoativas Despiste e Controlo Em Meio Laboral Terroristas terão realizado atentados em Paris drogas Segurança dos cidadãos e do Mundo DN 20 Nov 2015

Leia mais

cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg

cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg cinarizina NOVA QUÍMICA FARMACÊUTICA LTDA. comprimido 25 mg e 75 mg cinarizina Medicamento Genérico, Lei n 9.787, de 1999 I - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome genérico: cinarizina APRESENTAÇÕES cinarizina

Leia mais