PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios"

Transcrição

1 PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios Capacitação em Gerenciamento de Projetos e em Gestão de Convênios Regis Fichtner Secretário de Estado Chefe da Casa Civil José Candido Muricy Coordenador Geral do EGP-Rio Dulce Botto Supervisora de Convênios Gerente do PECAM

2 Municípios participantes da Capacitação Nome Município - Área de Atuação Conhecimentos em: Gerenciamento de Projetos Gestão de Convênios Experiência Profissional Itaperuna São Fidelis Piraí Miguel Pereira Nova Friburgo Iguaba Grande

3 Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação dos Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa Belford Roxo Bom Jesus do Itabapoana Cabo Frio Campos de Goycatazes Carmo Casimiro de Abreu Com. Levy Gasparian Conceição de Macabu Duas Barras Duque de Caxias Eng.Paulo de Frontin Guapimirim Iguaba Grande Italva Itaocara Itaperuna Itatiaia Japeri Laje do Muriaé Macaé Macuco Mangaratiba Mendes Miguel Pereira Miracema Niteroi Nova Friburgo Paraíba do Sul Municípios que aderiram ao PECAM Paraty Paty do Alferes Petrópolis Pinheiral Piraí Quatis Queimados Quissamã Resende Rio Bonito Rio Claro Rio das Flores Rio das Ostras Santa Maria Madalena Santo Antônio de Pádua São Fidelis São Francisco Itabapoana São João da Barra São João de Meriti São José de Ubá São José Vale do Rio Preto São Pedro da Aldeia São Sebastião do Alto Sapucaia Saquarema Seropédica Silva Jardim Sumidouro Tanguá Trajano de Morais Três Rios Valença Varre-Sai Vassouras Volta Redonda

4 Estrutura do EGP-Rio Estrutura criada em agosto de 2007, na Secretaria de Estado da Casa Civil, para implantar e disseminar as melhores práticas em gestão de convênios e de projetos no Estado do Rio de Janeiro. CASA CIVIL EGP-Rio CONVÊNIOS PROJETOS ESTRUTURANTES PROGRAMAS EGPs SETORIAIS CAPTAÇÃO DE RECURSOS PECAM CONSULTORIA

5 Resultados do EGP-Rio Transparência das informações Aprimoramento da gestão Adimplência do Estado Aumento na captação de recursos Alinhamento estratégico com as ações de Governo Maior controle dos projetos Disseminação da cultura de Gerenciamento de Projetos e de Gestão de Convênios no Estado A proposta do PECAM é transferir o conhecimento do EGP-Rio para os municípios.

6 Necessidade de adimplência para Captação de Recursos: BID BIRD BNDES Governo Federal Governo Estadual Principais problemas enfrentados pelos Municípios Dificuldade na elaboração de propostas de projetos Gestão dos Convênios e Prestação de Contas Captação de Recursos Federais

7 Implementação do PECAM O EGP-Rio desenvolveu o PECAM com a finalidade de potencializar os investimentos dos Municípios e incentivar a melhoria da gestão. Levantamento de Informações Diagnóstico e Plano de Ação Capacitação em Gestão de Convênios Capacitação em Gerenciamento de Projetos Garantia de Adimplência Definição do Portfólio de Projetos Captação de Recursos

8 Agenda Módulo 1 - Gerenciamento de Projetos Módulo 2 - Gestão de Convênios Módulo 3 Sistemas de Informação e Dicas Módulo 4 - Caso de Sucesso

9 Qual o significado dos números abaixo? Fonte: O Globo R$ ,00 - R$ ,00-94,43% = R$ ,00

10 Receitas de Petróleo - Valores de 2006 Município Receita Orçamentária (milhões) Royalties + Participações Especiais (milhões) Fonte: O Globo Participação das Receitas de Petróleo no Orçamento Búzios 130,5 63,7 49% Campos dos Goytacazes 1.249,0 852,5 68% Carapebus 65,2 35,3 54% Casimiro de Abreu 151,1 80,2 53% Macaé 1.150,0 501,6 44% Rio das Ostras 496,4 331,5 67% São João da Barra 198,3 161,4 81%

11 Agenda Gerenciamento de Projetos Conceitos Básicos de Projetos Gerenciamento de Projetos O Portfólio de Projetos Estratégicos

12 O que é um projeto? Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Temporário Projeto Exclusivo

13 Possui datas de INÍCIO e FIM definidas Características de um Projeto 2010 Cria entregas exclusivas, sejam produtos, serviços ou resultados, sempre se diferenciando, de alguma forma, de projetos anteriores e similares.

14 Origens de um Projeto Demanda do Mercado Necessidade de Negócios Necessidade Social Solicitação do Cliente Requisito Legal Avanço Tecnológico

15 Objetivos de um Projeto Produto Resultado Serviço

16 Objetivos de um Projeto - Produto Reforma de escola Drenagem e Pavimentação de uma rua Estação de tratamento de água

17 Objetivos de um Projeto - Serviço Serviço de atendimento ao cidadão por telefone Capacitação em Gerenciamento de Projetos e Gestão de Convênios Campanha contra a dengue

18 Objetivos de um Projeto - Resultado Redução de despesas Aumento da Receita Elevar a média de aprovação no IDEB 4,5 3,3 3,1

19 Um projeto é encerrado quando... Os objetivos do projeto foram alcançados Os objetivos não serão ou não poderão ser alcançados A necessidade estratégica do projeto não mais existir

20 Diferença entre Projeto e Operação P R O J E T O Início e Fim Definidos Termina quando objetivo é alcançado Exclusivo Realizado por pessoas Restringido por recursos limitados Planejado, executado e controlado Contínua Repetitiva Finalidade de manter o negócio O P E R A Ç Ã O

21 Os Projetos e o Planejamento Estratégico Aumentar em 5% o IDH do Estado do Rio de Janeiro, até Meta de Governo Expandir em 17% o sistema de Saneamento básico do Estado do Rio de Janeiro. Aumentar em 20% o acesso à atenção básica préhospitalar. Estratégia Ampliação do sistema de abastecimento de água da Baixada Fluminense. Implementação do sistema de esgoto da Barra da Tijuca. Criação de 20 Unidades de Pronto Atendimento 24 horas. (UPAs). Projetos

22 Portfólio de Projetos Um portfólio é um conjunto de projetos ou programas agrupados para facilitar o gerenciamento eficaz Os projetos ou programas no portfólio podem não ser diretamente relacionados Portfólio Projetos Projeto Programa Projeto Projeto

23 Um programa é um grupo de projetos relacionados gerenciados de modo coordenado para a obtenção de benefícios e controle que não estariam disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente Programa Programa Projeto Projeto Projeto

24 Os projetos são, freqüentemente, divididos em subprojetos, os quais, individualmente, podem ser chamados de projetos e gerenciados como tal Subprojeto Os subprojetos são normalmente contratados de uma empresa externa ou de outra unidade funcional Projeto Subprojeto Subprojeto Subprojeto

25 Exemplo de Portfólio PORTFÓLIO DE PROJETOS Ampliação do Abastecimento de Água da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Urbanização do Complexo de Manguinhos Controle de Inundações dos Rios Iguaçu / Botas Esgoto Sanitário da Barra da Tijuca, Recreio e Jacarepaguá Proteção Ambiental das Bacias do Rio Guandu Arco Metropolitano Estação de Tratamento de Água da Bacia do Rio Guandu Programa Projeto Projeto Projeto Projeto Projeto Projeto

26 Exemplo de Programa, Projeto e Subprojeto PROGRAMA PROJETO Programa de Ampliação do Abastecimento de Água da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Ampliação do Abastecimento de Água da São Gonçalo Ampliação do Abastecimento de Água de Magé Ampliação do Abastecimento de Água de Baixada Fluminense Sistema Imunana - Laranjal Sistema São Gonçalo SUBPROJETO

27 Ciclo de Vida de um Projeto O ciclo de vida de um projeto define as fases que conectam o início de um projeto ao seu final Ciclo de Vida do Projeto Fase Inicial Fases Intermediárias Fase Final Entrega Entrega Entrega Entrega Entrega

28 Ciclo de Vida do Projeto e do Produto Ciclo de Vida do Produto Ciclo de Vida do Projeto Fase Inicial Fases Intermediárias Fase Final Operação

29 Exemplos de Ciclo de Vida de Projeto Tecnologia da Informação Abertura Definição de Requisitos Ante- Projeto Especificação Construção Implantação Plataforma de Petróleo Projeto Detalhado Licitação Fabricação Transporte Instalação Obras Projeto Conceitual Projeto Básico Projeto Executivo Execução

30 Projeto Conceitual Gávea Gal. Osório São Conrado Jardim Oceânico

31 Projeto Básico Caracteriza a obra ou serviço objeto da licitação, com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares que permitam: Garantia da viabilidade técnica Tratamento do impacto ambiental Avaliação do custo Definição dos métodos Estabelecimento do prazo de execução

32 Projeto Executivo Conjunto dos elementos necessários e suficientes à execução completa da obra, de acordo com as normas pertinentes da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas.

33 Projetos no Setor Público Projeto Conceitual Projeto Básico Projeto Executivo Execução Projeto Conceitual Captação de Recursos Projeto Básico Licitação Projeto Executivo Execução

34 Projetos e Convênios Em projetos do setor público, normalmente há a necessidade de captação de recursos e, para tal, são utilizados os instrumentos Convênio ou Contratos de Repasse. Projeto Conceitual Projeto Básico Projeto Executivo Execução

35 Falhas em Projetos Objetivos mal definidos Conflitos de poder Conhecimento técnico insuficiente da equipe Falta de planejamento Mal dimensionamento dos recursos Não acompanhamento dos resultados Principal: COMUNICAÇÃO

36 Boas Técnicas de Comunicação Receber os outros de forma amigável Ouvir cuidadosamente as pessoas, não interrompendo-as Conseguir uma boa compreensão Reservar tempo para as pessoas, evitando conversas superficiais Informar corretamente e dentro do prazo necessário

37 Exercícios de Fixação

38 Exercício 1 Um projeto é definido como um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Qual o significado da palavra temporário? a) Projetos, normalmente, possuem curta duração b) Após a execução, os projetos são cancelados c) Todo projeto possui início e fim definidos d) O trabalho terminará em um prazo indefinido

39 Um projeto não possui a seguinte característica: Exercício 2 a) Início definido b) Inter-relacionamento de atividades c) Repetição anual d) Geração de um produto exclusivo

40 Qual dos itens abaixo não se constitui em um exemplo de projeto? Exercício 3 a) Desenvolvimento de um novo produto b) Implementação de um novo procedimento de negócio c) Projeto de um novo automóvel d) Operação de um robô

41 Exercício 4 Um programa... a) É um tipo específico de projeto b) É sinônimo de subprojeto c) Envolve ao menos 100 interessados d) Não necessariamente, possui um fim definido

42 Exercício 5 Quem gerencia os programas? a) Patrocinador b) Gerente de Projeto c) Gerente de Programa d) Gerência Superior

43 Exercício 6 Um subprojeto não é: a) Normalmente chamado de projeto b) Um componente de projeto mais facilmente gerenciável c) Sinônimo para programa d) Geralmente executado por empresa externa

44 Qual das habilidades de gerenciamento é a mais utilizada por um Gerente de Projetos? Exercício 7 a) Comunicação b) Liderança c) Negociação d) Influência

45 Qual a pessoa mais importante em um projeto? Exercício 8 a) Presidente da Empresa b) Cliente c) Gerente do Projeto d) Patrocinador

46 Agenda Gerenciamento de Projetos Conceitos Básicos de Projetos Gerenciamento de Projetos O Portfólio de Projetos Estratégicos

47 Maior associação profissional de GP Fundada em mil membros - 70 países 250 mil PMPs Padrões PMBOK 2 milhões de exemplares The Standard for Portfolio Management The Standard for Program Management Certificações: PMP, PgMP, CAPM Publicações: PM Network, PMI Today, PM Journal Project Management Institute

48 PMI Today

49 O que é Gerenciamento de Projetos? O Gerenciamento de Projetos é a aplicação de: Conhecimento Habilidades Ferramentas Técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus objetivos.

50 Processos de Gerenciamento de Projetos Monitoramento e Controle Planejamento Iniciação Encerramento Execução

51 Interação Interação entre os Grupos de Processos Execução Planejamento Iniciação Início Monitoramento e Controle Encerramento Fim

52 Áreas de Conhecimento Escopo Recursos Humanos Tempo Comunicação Integração Riscos Custos Aquisição Qualidade

53 Processos definidos pelo PMBOK Iniciação Planejamento Execução Desenvolver o Termo de Abertura do Projeto Desenvolver o Plano Gerenciamento do Projeto Planejamento do Escopo Definição do Escopo Definição de Atividade Estimativa de Recursos da Atividade Estimativa de Custos Estimativa de Duração da Atividade Seqüenciamento de Atividades Orientar e Gerenciar a Execução do Projeto Realizar a Garantia da Qualidade Desenvolver a Declaração de Escopo Preliminar do Projeto Criar EAP Planejamento de Recursos Humanos Planejamento da Qualidade Orçamentação Planejamento das Comunicações Planejar Compras e Aquisições Desenvolvimento do Cronograma Planejar Contratações Contratar ou Mobilizar a Equipe do Projeto Desenvolver a Equipe do Projeto Distribuição de Informações Planejamento do Gerenciamento de Riscos Identificação de Riscos Análise Qualitativa de Riscos Análise Quantitativa de Riscos Planejamento de Resposta aos Riscos Solicitar Respostas aos Fornecedores Selecionar Fornecedores Encerramento Monitoramento e Controle Encerrar o Projeto Encerramento do Contrato Monitorar e Controlar o Trabalho do Projeto Verificação do Escopo Controle do Escopo Controle do Cronograma Controle de Custos Realizar o Controle da Qualidade Gerenciar a Equipe do Projeto Relatório de Desempenho Gerenciar as Partes Interessadas Monitoramento e Controle de Riscos Administração de Contrato Controle Integrado de Mudanças

54 A Restrição Tripla Qualidade Escopo Custos Tempo

55 Exercícios de Fixação

56 Exercício 9 Gerenciamento de Projetos... a) É necessário apenas para projetos que possuem grande visibilidade b) Não é necessário até que o projeto esteja na fase de execução c) É necessário para garantir que projetos complexos sejam concluídos dentro do orçamento e prazo previstos d) É necessário apenas para empresas organizadas por projetos

57 Exercício 10 Estudos de viabilidade de projeto são conduzidos em que grupo de processos? a) Iniciação b) Planejamento c) Execução d) Monitoramento e Controle

58 Qual dos cinco grupos de processo ocorre com mais freqüência em todas as fases do projeto? Exercício 11 a) Iniciação e Encerramento b) Monitoramento e Controle c) Planejamento d) Todos são importantes em cada fase

59 Exercício 12 Em qual dos grupos de projetos são examinadas formas alternativas para se alcançar os objetivos de um projeto? a) Iniciação b) Planejamento c) Monitoramento e Controle d) Encerramento

60 Qual das seguintes não é uma área de conhecimento de Gerenciamento de Projeto? Exercício 13 a) Riscos b) Recursos Humanos c) Planejamento d) Tempo

61 Exercício 14 O Grupo de Processos que contém maior número de processos é: a) Iniciação b) Planejamento c) Execução d) Monitoramento e Controle

62 A Restrição Tripla Qualidade Escopo Custos Tempo

63 Definição do Escopo - EAP (WBS) Decomposição hierárquica orientada à entrega do trabalho a ser executado. Auxilia na visualização das entregas do projeto. Cada nível descendente da EAP representa uma definição cada vez mais detalhada do trabalho do projeto. Não mostra dependências. Projeto Entrega 1 Entrega 2 Entrega n

64 Análise Projeto Implementação Iteração 1 Testes Homologação Implantação Análise Projeto Implementação Iteração 2 Testes Homologação Implantação Análise Projeto Implementação Iteração N Testes Homologação Implantação Formas de Decomposição Áreas Geográficas Eventos: shows, teatro, ballet Área de Responsabilidade Imóvel: Civil, Elétrica, Hidráulica,... Entrega de Produtos Avião: fuselagem, asas, motores,.. Ciclo de Vida do Projeto Análise Projeto TI, Obra,... Implementação Testes Homologação Implantação Não há certo ou errado: existe a forma mais e a menos adequada

65 Regras de Decomposição Decompor de cima para baixo Cada decomposição deve contribuir para o elemento decomposto Nomear elementos de forma clara e concisa (substantivos) Não criar Pai com muitos filhos Primeiro nível: até 7 resultados Nº de Níveis: 4 níveis Último nível é o Pacote de Trabalho : Atribuir um responsável (pessoa ou área) Estimar Prazo e Custo O que não estiver representado na EAP NÃO está no escopo do projeto

66 Subdivide os principais resultados em componentes menores, mais facilmente gerenciáveis Evita omissão de tarefas Melhora a precisão de estimativas Ajuda a firmar compromissos Facilita a comunicação EAP - Benefícios

67 Metas e Etapas Projeto Metas Entrega 1 Entrega 2 Entrega n Etapas

68 EAP para a construção de uma casa Passo 1 Colocar no topo da EAP (1º nível) o nome do projeto

69 EAP para a construção de uma casa Passo 2 Colocar no 2º nível, as principais entregas do Projeto.

70 EAP para a construção de uma casa Passo 3 Acrescentar outros níveis à EAP, de forma a que fique bem caracterizado o escopo do projeto.

71 EAP para a construção de uma casa Passo 4 Verificar se é possível estimar prazos e custos para cada item da EAP. Caso contrário, continuar a decompor a EAP

72 Necessidade de definição precisa do Escopo Como o Cliente explicou Como o Consultor descreveu Como o Gerente do Projeto entendeu Como foi projetado Como foi construído Como foi documentado Que funcionalidades foram instaladas Como o Cliente foi cobrado Como foi feita a manutenção O que o Cliente realmente queria

73 Exercícios de Fixação

74 Um escopo bem definido permite ao Gerente de Projetos: Exercício 15 a) Analisar a relação de custo x benefício do projeto b) Definir os objetivos do projeto em termos quantitativos c) Dividir os produtos do projeto em componentes menores d) Tratar a definição do escopo e o plano do projeto de forma estática e não dinâmica

75 Exercício 16 A EAP é uma forma efetiva de comunicação com: a) Equipe b) Gerente de Projeto c) Cliente d) Envolvidos

76 Exercício 17 A EAP não serve de base para a definição de: a) Custos e prazos do projeto b) Termo de Abertura do Projeto c) Cronograma detalhado d) Equipe do projeto

77 Em relação à decomposição das entregas de um projeto, qual a afirmativa incorreta? Exercício 18 a) De maneira excessiva, pode tornar-se improdutivo b) É uma abordagem top-down c) Tem o mesmo significado de EAP d) Facilita o gerenciamento das entregas do projeto

78 Não é uma razão chave para se usar a EAP: Exercício 19 a) Organizar o trabalho b) Fornecer uma base para que se realize as estimativas do projeto c) Garantir o não esquecimento de nenhum pacote de trabalho d) Garantir um bom cronograma

79 Questão 20 Devido a problemas técnicos relativos a um projeto, deve ser recomendada uma alteração no escopo. Quem deveria participar do grupo responsável por essa recomendação? a) Patrocinador b) Cliente e o Gerente do Projeto c) Cliente, Gerente do Projeto e o técnico envolvido d) Patrocinador, Cliente, Gerente do Projeto e o técnico envolvido

80 Construir uma EAP para a construção de uma Quadra Poliesportiva em seu município contendo, no máximo, 4 níveis de entregáveis Exercício: EAP de Quadra Poliesportiva

81 Exemplo de Resultado do Exercício

82 A Restrição Tripla Qualidade Escopo Custos Tempo

83 Redes de Precedência Etapa Descrição Precedência A Fundação Início B Estrutura A C Alvenaria B D Instalações C E Acabamentos C Fim Fim D, E D Início A B C Fim E

84 Dependência Mandatória ou Obrigatória Tipos de Dependência Mandatória ou Obrigatória Arbitrada Externa Inerentes à natureza do trabalho a ser realizado. Freqüentemente envolvem limitações físicas. Inversão não é possível Ex: Telhado e Estrutura

85 Dependência Arbitrada Tipos de Dependência Mandatória ou Obrigatória Arbitrada Externa Estabelecidas com base no conhecimento das melhores práticas Devem ser bem documentadas (podem limitar as opções posteriores de cronograma) Ex: Pintura antes do Carpete

86 Dependência Externa Tipos de Dependência Mandatória ou Obrigatória Arbitrada Externa Envolvem relacionamento entre as atividades do projeto e as que não são do projeto. Ex: Audiências ambientais do governo antes do início da obra

87 Estimativa de Prazos Bottom-up" Estima prazos a partir dos níveis inferiores da EAP que são agregados em níveis superiores. Utilizada em projetos de maior tamanho e complexidade. Up Bottom

88 Estimativa de Prazos Análoga Baseada na duração real de projetos anteriores Mais confiável quando: Projetos anteriores são realmente semelhantes Responsáveis pelas estimativas possuem a especialização necessária Usada quando existe uma quantidade limitada de informações (fases iniciais). Ex: nas últimas 4 vezes, foram gastos 15 dias 15 dias

89 Cronograma do Projeto Gráfico de Barras Mostram as datas de início e conclusão das atividades, além das durações esperadas Orientado para Acompanhamento e Controle Atividade Dias Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Atividade 1 Atividade 2 Atividade Atividade N 108

90 Cronograma do Projeto Gráfico de Marcos Identificam apenas o início ou término das principais entregas Orientado para a Alta Gerência Atividade Dias Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Atividade 1 0 Atividade 2 0 Atividade Atividade N 0

91 A Restrição Tripla Qualidade Escopo Custos Tempo

92 Estimativas de Custos Baseadas na EAP Os custos de todos os recursos devem ser estimados mão-de-obra, materiais, equipamentos, serviços e instalações, provisão para inflação, custo de contingência e etc Mais precisas se calculadas a partir dos menores componentes da EAP Informações históricas melhoram as estimativas Devem ser revisadas ao longo do projeto

93 Estimativa de Custos Bottom-up Estima prazos a partir dos níveis inferiores da EAP que são agregados em níveis superiores. Utilizada em projetos de maior tamanho e complexidade. Up $ $ $ $ Bottom $ $ $ $ $ $

94 Estimativa de Custos Análoga Baseada no custo real de projetos anteriores Mais confiável quando: Projetos anteriores são realmente semelhantes Responsáveis pelas estimativas possuem a especialização necessária Usada quando existe uma quantidade limitada de informações (fases iniciais) Ex: nas últimas 4 vezes, o custo do projeto semelhante foi de R$ ,00 R$ ,00

95 Precisão das Estimativas A exatidão de uma estimativa de um projeto irá aumentar conforme o projeto se desenvolve através do ciclo de vida A tendência é se estimar os valores para cima Erro 100% Ordem de Grandeza Início 15% Orçamento Final Tempo Estimativa Definitiva -10% -50%

96 A Restrição Tripla Qualidade Escopo Custos Tempo

97 Qual o veículo de maior Qualidade?

98 Acompanhamento da Execução do Projeto CGE deve acompanhar, junto ao órgão executor, o andamento do físico do projeto, com base nas informações do Plano de Trabalho Exemplo: situação em 30/09/2010 Meta Descrição Fim Previsto Valor Previsto % Físico Executado Valor Executado 1 Fundação 31/07/ ,00 100% ,00 2 Arquibancada 31/10/ ,00 50% ,00 3 Vestiário 30/09/ ,00 0% 0,00 4 Cobertura 31/10/ ,00 100% ,00 5 Quadra e pintura 30/11/ ,00 25% ,00 TOTAL , ,00 Valor pago está coerente com o % físico executado?

99 Exercícios de Fixação

100 Exercício 21 A data de entrega prevista de um produto era de 15/04/2008, mas o Gerente de Projetos conseguiu entregá-lo no dia 10/03/2008. Dessa forma, o projeto... a) Superou as expectativas do cliente, tornando-o um projeto melhor b) Mais atividades de verificação poderiam ter ocorrido para assegurar que o produto atende às definições planejadas c) É um bom exemplo de projeto d) Não deveria ter encerrado antes do planejado

101 Exercício 22 Pintar as paredes antes de colocar o tapete é uma dependência do tipo... a) Obrigatória b) Arbitrada c) Externa d) Mandatória

102 Exercício 23 Antes de se colocar o telhado em uma casa, é necessário que a estrutura esteja concluída. Isso é um tipo de dependência: a) Mandatória b) Recomendável c) Arbitrada d) Externa

103 Exercício 24 Quem deve elaborar a estimativa de duração das atividades? a) Gerente do Projeto b) Equipe do Projeto c) Patrocinador d) Cliente

104 Exercício 25 O cronograma planeja o tempo necessário para o trabalho identificado no (a): a) EAP b) Orçamento c) Gráfico de Gantt d) Gráfico de Recursos

105 Exercício: Calcular Custos e Prazo do Projeto

106 Agenda Gerenciamento de Projetos Conceitos Básicos de Projetos Gerenciamento de Projetos O Portfólio de Projetos Estratégicos

107 Implementação do PECAM Levantamento de Informações Diagnóstico e Plano de Ação Capacitação em Gestão de Convênios Capacitação em Gerenciamento de Projetos Garantia de Adimplência Definição do Portfólio de Projetos Captação de Recursos

108 O Termo de Abertura do Projeto Nome do Projeto: <informar o nome do projeto> Objeto: <Elaborar uma descrição sucinta do produto final do projeto> Tema: <Consultar o Catálogo de Programas do Governo Federal destinados aos Municípios, que se encontra disponível no site Justificativa: <Informar a Justificativa para a execução do Projeto>

109 O Termo de Abertura PECAM do Projeto Principais Produtos: Item Descrição 1 <Relacionar os principais produtos que serão gerados pelo Projeto> Início Previsto: Fim Previsto: <Informar a data de Início Previsto > <Informar a data de Fim Previsto > Valor Estimado do Projeto: Custo Anual de Manutenção do Objeto: <Informar a data de Início Previsto > <Informar a data de Início Previsto > Órgão Executor: <Informar o órgão executor do Projeto> Aprovado por: <Informar o nome do Aprovador> Responsável: <Informar o Responsável pelo Projeto> Assinatura: <Solicitar a assinatura do Aprovador>

110 Temas dos Programas Federais Cultura Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento Rural e Agronegócios Desenvolvimento Social Desenvolvimento Urbano Desporto e Lazer Direitos da Cidadania Educação Energia Gestão Pública Meio Ambiente Previdência Social Saúde Segurança Pública Tecnologia da Informação e Inclusão Digital Trabalho e Renda Transporte Turismo

111 Definição do Portfólio de Projetos Estratégicos Definição dos projetos que comporão o Portfólio de Projetos Estratégicos do Município, a partir dos Termos de Abertura de Projeto Priorização será realizada, em dinâmica própria, com base em critérios específicos definidos por cada município

112 Item Critério Descrição Sugestão de Critérios 1/3 1 Abrangência Parcela da população que irá se beneficiar do projeto. 2 Aderência de parcerias 3 Alinhamento às Atividades Econômicas 4 Alinhamento Estratégico Envolvimento de forças econômicas e políticas da localidade, possibilitando a obtenção de recursos físicos e financeiros. Resultados do projeto alinhados com as principais atividades econômicas do município, gerando aumento do faturamento das empresas regionais e possibilitando a oferta de mais serviços. Projeto está alinhado à estratégia definida pelo governo municipal para suas principais funções: educação, saúde, segurança, ajuste fiscal, modernização da gestão, saneamento, agronegócio, infraestrutura,... 5 Autonomia Independência do poder público para executar o projeto, ou seja, não dependência de recursos externos. 6 Benefícios Melhorias qualitativas e quantitativas geradas. 7 Complexidade Avaliação da complexidade do projeto, principalmente em termos de escopo, prazo e custo. Obs: quanto menor o resultado, maior a pontuação.

113 Item Critério Descrição Sugestão de Critérios 2/3 8 Custeio Investimento necessário para a manutenção do produto do Projeto. Obs: quanto menor o resultado, maior a pontuação. 9 Custo Investimento necessário para o desenvolvimento do Projeto. Obs: quanto menor o resultado, maior a pontuação. 10 Determinação legal 11 Distribuição Territorial Projeto deve ser implementado devido à determinação legal ou administrativa. Projeto gera impactos positivos nas atividades econômicas desenvolvidas pelas áreas mais desfavorecidas do município. 12 Empregabilidade Geração de postos de trabalho de forma a aumentar a renda da comunidade e a empregabilidade no município. 13 Impacto Ambiental 14 Interação Setorial Resultados do Projeto provocarão impacto positivo no Ambiente. Interação do Projeto com diversos setores da economia, gerando maiores oportunidades.

114 Item Critério Descrição Sugestão de Critérios 3/3 15 Prazo Avaliação do Projeto quanto à duração prevista. Obs: quanto menor o resultado, maior a pontuação. 16 Probabilidade de Sucesso Probabilidade de sucesso do projeto, frente ao esforço de investimento. 17 Recursos Disponibilidade de recursos para a execução do projeto 18 Situação de implementação Projeto encontra-se em andamento na época da priorização. Obs: quanto mais avançado estiver, maior deve ser a pontuação. 19 Sustentabilidade Projeto direcionado ao desenvolvimento sustentável da região. 20 Transversalidade Envolvimento de diversas Secretarias Municipais no projeto, possibilitando um maior comprometimento e aderência ao projeto. 21 Visibilidade Impacto que o projeto proporcionará em termos de visibilidade da Prefeitura, gerando o reforço institucional da imagem do governo.

115 Exercício de Identificação de Critérios Item Critério Quantidade 1 Abrangência 2 Aderência de parcerias 3 Alinhamento às Atividades Econômicas 4 Alinhamento Estratégico 5 Autonomia 6 Benefícios 7 Complexidade 8 Custeio 9 Custo 10 Determinação legal 11 Distribuição Territorial 12 Empregabilidade 13 Impacto Ambiental 14 Interação Setorial 15 Prazo 16 Probabilidade de Sucesso 17 Recursos 18 Situação de implementação 19 Sustentabilidade 20 Transversalidade 21 Visibilidade

116 Obrigado!!! ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DO GOVERNO DO RIO DE JANEIRO EGP-Rio Telefone: (21)

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios

PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios PECAM Programa Estadual de Captação e Gestão de Recursos para Municípios Capacitação em Gerenciamento de Projetos e em Gestão de Convênios Regis Fichtner Secretário de Estado Chefe da Casa Civil José Candido

Leia mais

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional

Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Construindo as Metas Situação de estados e municípios em relação à meta nacional Região: Sudeste; UF: Mesorregião: Município: Angra dos Reis; Aperibé; Araruama; Areal; Armação dos Búzios; Arraial do Cabo;

Leia mais

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis

CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS. Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis CONVENÇÕES COLETIVAS EMPREGADOS EM CONDOMÍNIOS Sindicato Profissional Base Territorial PISO CCT PISO REGIONAL 1. Sind. Empreg. Edifícios Teresópolis Teresópolis a) R$ 500,00 (quinhentos reais): Porteiro,

Leia mais

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EMPRESA DE ASSISTENCIA TECNICA E EXTENSAO RURAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UF Municipio RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Angra dos Reis RJ Aperibé RJ Aperibé CNPJ Razão Social FUNDAÇÃO INSTITUTO DE DO ESTADO DO RIO DE

Leia mais

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro.

Sindicato das Misericórdias e Entidades Filantrópicas e Beneficentes do Estado do Rio de Janeiro. Circular 16/2015 Rio de Janeiro, 16 de abril de 2015. Ref: Orientações para o Recolhimento da Contribuição Sindical Ilmo Provedor / Presidente / Diretor A contribuição sindical está prevista nos artigos

Leia mais

Resolução Normativa RN 259

Resolução Normativa RN 259 Resolução Normativa RN 259 (Publicada em 17/06/11, alterada pela RN 268 de 20/10/11 e complementada pela IN/DIPRO nº n 37 de 07/12/11) Gerência de Regulação 27 de janeiro de 2012 Apresentação da Norma

Leia mais

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu

Abrangência. Niterói Petrópolis Teresópolis Nova Friburgo Armação dos Búzios Cabo Frio Arraial do Cabo Rio das Ostras Macaé Casimiro de Abreu Apresentação: Lançado pelo SEBRAE RJ, é um roteiro turístico composto por 10 municípios do Estado do Rio de Janeiro; 3 Regiões turísticas: Metropolitana, Serra Verde Imperial, Costa do Sol - integradas

Leia mais

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010

O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 O estado do Rio de Janeiro no Censo 2010 Documento preliminar Coordenação: Luiz Cesar Ribeiro Responsável: Érica Tavares da Silva Colaboração: Juciano Rodrigues e Arthur Molina 1 P á g i n a Introdução

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA RUBRICA: FLS.: 657 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO GABINETE DO CONSELHEIRO JOSÉ GOMES GRACIOSA VOTO GC-2 1593/2014 PROCESSO: TCE-RJ N o 238.182-1/13 ORIGEM: COORDENADORIA DE AUDITORIA E

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER. Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Presidente DESEMBARGADOR LUIZ ZVEITER Vice - Presidente DESEMBARGADORA LETICIA DE FARIA SARDAS Corregedor JUIZ ANTONIO AUGUSTO DE TOLEDO GASPAR Diretora -

Leia mais

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti

Municípios em Dados. SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Municípios em Dados SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO Cláudia Uchôa Cavalcanti Equipe da Dimensão Territorial do Planejamento: Haidine da Silva Barros Duarte Francisco Filomeno Abreu Neto Paulo Cesar Figueredo

Leia mais

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos

1/14. Polícia Civil Principais Ocorrências Vítimas Estado RJ por DPs 2010 Números Absolutos 1/14 1a. DP 4a. DP 5a. DP 6a. DP 7a. DP 9a. DP 10a. DP 12a. DP 13a. DP Totais Praça Mauá Praça da República Mem de Sá Cidade Nova Santa Teresa Catete Botafogo Copacabana Ipanema Homicídio doloso (total)

Leia mais

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV

LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. CAPÍTULO XIV LEI Nº 4.914, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. 1 CAPÍTULO XIV Dos Juízes de Direito nas Comarcas de Angra dos Reis, Araruama, Armação dos Búzios, Barra do Piraí, Belford Roxo, Bom Jesus do Itabapoana, Cabo Frio,

Leia mais

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO

1159 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL - BARRA DA TIJUCA RIO DE JANEIRO 1096 18 OFICIO DE NOTAS - SUCURSAL ILHA GOVERNADOR RIO DE JANEIRO 1097 22 OFICIO Código Serventia Nome da Serventia Município 1214 RCPN 02 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU (BARRA S. JO 1216 02 OFICIO DE JUSTICA CASIMIRO DE ABREU 1217 RCPN 01 DISTRITO CASIMIRO DE ABREU 1221 OFICIO UNICO CONCEICAO

Leia mais

O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Pontos positivos da Rede de Atendimento no Estado do Rio de Janeiro entre 2007/2012: O número de serviços especializados que prestam

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO POR MEIO DO SiSU NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Reitor da Universidade

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TCE/RJ ESCOLA DE CONTAS E GESTÃO - ECG EDITAL N O 02/2014 Fixa as normas do Processo Seletivo para ingresso na 3ª Turma do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando:

O CONSELHO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS, instituído pela Lei nº 3.239, de 02 de agosto de 1999,no uso de suas atribuições legais, considerando: RESOLUÇÃO CERHI-RJ Nº 107 DE 22 DE MAIO DE 2013 APROVA NOVA DEFINIÇÃO DAS REGIÕES HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E REVOGA A RESOLUÇÃO CERHI N 18 DE 08 DE NOVEMBRO DE 2006 O CONSELHO ESTADUAL

Leia mais

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008

Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar. 25 de junho de 2008 Determinação de Mercados Relevantes no Setor de Saúde Suplementar 25 de junho de 2008 Estrutura da Apresentação I Objetivo do Trabalho; II Metodologia; e III Estudos de Caso. I Objetivo do Trabalho O objetivo

Leia mais

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro

Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Novas estimativas do IBGE para a população do Rio de Janeiro Nº 20080101 Janeiro - 2008 Fernando Cavallieri, Fabrício Leal de Oliveira - IPP/Prefeitura

Leia mais

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes

Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Jurisdição das cidades da 7ª Região. Delegacia Cidade/Bairro* Angra dos Reis Barra do Piraí Barra Mansa Engenheiro Paulo de Frontim Itatiaia Mendes Miguel Pereira Parati Paty dis Alferes Pinheiral Pirai

Leia mais

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000

CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 CRAAI RIO DE JANEIRO Travessa do Ouvidor nº 38-6º andar, Centro Tel.: 2550-9000 Comarcas: Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso e Promotorias de Justiça

Leia mais

Livro Adicional Eletrônico XML

Livro Adicional Eletrônico XML PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA Diretoria Geral de Fiscalização e Apoio às Serventias Extrajudiciais Divisão de Monitoramento Extrajudicial Livro Adicional Eletrônico

Leia mais

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015

TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 TABELA DAS PROMOTORIAS COM ATRIBUIÇÃO EM EDUCAÇÃO atualizada em jul/2015 s Centro Regional de Apoio Administrativo Institucional MUNICÍPIOS Promotorias de Justiça ÚNICAS, CÍVEIS e de Proteção à INFÂNCIA

Leia mais

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES

CUSTEIO 339093. Total: 12.860,57. Total: 6.513,13. Total: 8.272,46. Total: 10.317,23 33909302 RESTITUIÇÕES CREDORES - R.P. e Realizadas - /INVESTIMENTO - Página: Page 1 of 16 02 RESTITUIÇÕES 2º DISTRITO DA COMARCA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES CNPJ/CPF: 23064378000154 2º RCPN DA COMARCA DA CAPITAL CNPJ/CPF: 23407222000129

Leia mais

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Rio de Janeiro - 2010 Lista de Abreviaturas e Siglas FOB Significa livre a bordo (free on board) o vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO SOMANDO FORÇAS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços ESTADO DO RIO DE JANEIRO: PANORAMA ECONÔMICO Localização: Região Sudeste 57% do PIB Nacional Área: 43.696

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia

Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Janeiro/2014 Melhorando o ambiente de negócios no Brasil: ações para reduzir a burocracia Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Associativo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Expediente

Leia mais

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa

PROGRAMA O Drama MAIS da Inclusã EDUCAÇÃO - o PME Perversa PROGRAMA MAIS O Drama EDUCAÇÃO da Inclusão - PME Perversa Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Currículos e Educação Integral Construção da Política de Educação Integral no

Leia mais

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS

2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS 2º SEMINÁRIO NACIONAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ÁREA TEMÁTICA: PLANEJAMENTO TERRITORIAL, POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCAÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: contradições e fracassos Resumo

Leia mais

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior

Sistema DCP. Provimento CGJ 63/2012. Alvará de Soltura Interior Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Interior Índice 1. Informações Iniciais... 3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura... 3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos... 3 3. Recebimento

Leia mais

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso.

II O Concurso destina-se ao preenchimento de 200 vagas, bem como daquelas que surgirem no decorrer do prazo de validade do Concurso. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO COORDENAÇÃO GERAL DO ESTÁGIO FORENSE XXXIX CONCURSO PARA ADMISSÃO AO ESTÁGIO FORENSE DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EDITAL *A Coordenadora

Leia mais

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich *

COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * COMENTANDO O CRESCIMENTO POPULACIONAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Fany Davidovich * Como introdução ao tema, algumas observações se fazem necessárias. Primeiro, deve ser considerado que se trata de um

Leia mais

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Gláucio José Marafon 1 João Rua 1 Adriana Paula da Silva Galhardo 2 Alvaro Henrique de Souza Ferreira 2 Ivan Luiz de Oliveira

Leia mais

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS)

Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA Consultoria e Assessoria Técnica de Engenharia à SEA para Elaboração do Plano Estadual de Resíduos Sólidos (PERS) VOLUME 2 Diagnóstico

Leia mais

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHOS TUTELARES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEMAIS MUNICÍPIOS CT 2 MUNICÍPIO ENDEREÇO TELEFONE CEP ANGRA DOS REIS RUA QUARESMA JÚNIOR, 38 / 202 (22) 9836-0136 / 9830-0136 FAX: (22) 2664-1513 23.900-000

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 1 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes,

Leia mais

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES

DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES DIRETORIA GERAL DE LOGÍSTICA DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA OPERACIONAL DIVISÃO DE MOVIMENTAÇÃO DE EXPEDIENTES MANUAL PARA POSTAGEM DE CORRESPONDÊNCIA DATA DE VIGÊNCIA 01/10/2013 SUMÁRIO 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais

Dia da Consciência Negra - feriados municipais Nº UF Município 1 AL UNIAO DOS PALMARES 2 AM MANAUS 3 GO FLORES DE GOIAS 4 MG ITAPECERICA 5 MT ACORIZAL 6 MT AGUA BOA 7 MT ALTA FLORESTA 8 MT ALTO ARAGUAIA 9 MT ALTO DA BOA VISTA 10 MT ALTO GARCAS 11 MT

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB

SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da da CIB CIB SES/ SAS/ SAECA 4ª reunião ordinária da CIB CREDENCIAMENTOS Processo - E-08/05034/2012 - Credenciamento da Unidade de Saúde CAPS-IMBARIÊ, CNES nº 7032862, localizado no Município de Duque de Caxias RJ

Leia mais

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros

Nome da Unidade Endereço da Unidade Telefone da Unidade E-mails funcionais dos Membros PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO ÀS TURMAS RECURSAIS CRIMINAIS DA CAPITAL AVENIDA MARECHAL CÂMARA 350 7º ANDAR 20020080 CENTRO RIO DE carlara@mprj.mp.br PROMOTORIA DE JUSTIÇA JUNTO AO XVIII JUIZADO ESPECIAL

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014

1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2014 A Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Desembargadora LEILA MARIA CARRILO CAVALCANTE RIBEIRO MARIANO, no uso das atribuições

Leia mais

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE

MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE FEVEREIRO DE 2011 MAPA DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO AOS IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS ÁREAS SOCIAL, SAÚDE E AMBIENTE Coordenação Geral Martha Macedo de Lima Barata

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Planejando o futuro com sustentabilidade

Planejando o futuro com sustentabilidade Planejando o futuro com sustentabilidade Programas em andamento Construção de unidades habitacionais (Minha Casa, Minha Vida; Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (FNHIS) e recursos próprios).

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

26.03.10 29.03.10 018216

26.03.10 29.03.10 018216 CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C129 Caderno de turismo do Estado do Rio de Janeiro : passaporte para o desenvolvimento do Estado / [João Carlos Gomes, organização].

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012

Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Sistema DCP Provimento CGJ 63/2012 Alvará de Soltura Fórum Central e Regionais Índice 1. Informações Iniciais...3 2. Utilização do Texto Alvará de Soltura...3 2.1. Andamento 52 - Digitação de Documentos...3

Leia mais

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada

O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada O Desenvolvimento Humano no Estado do Rio de Janeiro na década de 90: uma análise comparada Eduardo Neto Érica Amorim Mauricio Blanco Rudi Rocha 1. Introdução Ao longo da última década, o Brasil vêem experimentando

Leia mais

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE

INTERNADOS INVOLUNTARIAMENTE 2012 RELATÓRIO do MÓDULO DE SAÚDE MENTAL - 2012 O Módulo de Saúde Mental - MSM é um sistema informatizado desenvolvido para o envio das notificações de internações psiquiátricas involuntárias, bem como

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais

Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Distribuição Eletrônica de Execuções Fiscais Requisitos: Para que a distribuição eletrônica ocorra são necessários: 1. Um sistema apto a criar um arquivo de texto cujos dados estejam de acordo com a formatação

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUEM SÃO OS DESAPARECIDOS? UM ESTUDO DO PERFIL DAS VÍTIMAS DE DESAPARECIMENTO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Resumo: Vanessa Campagnac Thaís C. Ferraz Thiago Soliva Poucas pesquisas foram realizadas objetivando

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK

- Project Management Institute. Disciplina de Engenharia de Software. PMP- Project Management Professional PMBOK Disciplina de Engenharia de Software Material elaborado por Windson Viana de Carvalho e Rute Nogueira Pinto em 19/07/2004 Material alterado por Rossana Andrade em 22/04/2009 - Project Management Institute

Leia mais

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015.

ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Transportes Departamento de Transportes Rodoviários ATO DO PRESIDENTE PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1231, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015. REAJUSTA AS TARIFAS

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

de dados Disque-Denúncia

de dados Disque-Denúncia 1 DADOS do BANCO de dados Disque-Denúncia BALANÇO 2008 Tema: Denúncias nos municípios e crimes denunciados. Conteúdo: Denúncias registradas por Região; índice de denúncias por habitantes; municípios com

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

PROGRAMAS DE OBRAS DA CEDAE

PROGRAMAS DE OBRAS DA CEDAE PROGRAMAS DE OBRAS DA CEDAE SALDO DOS INVESTIMENTOS INVEST IMENT OS EM SANEAMENT O COM RECURSOS DOS GOVERNOS EST ADUAL E FEDERAL (EM MILHÕES DE R$) SALDO EM 2013 REGIÃO METROPOLITANA 1.961,97 REGIÃO BAIXADA

Leia mais

Seja a mudança que você quer ver no mundo.

Seja a mudança que você quer ver no mundo. C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N O E S T A D O D O R I O D E J A N E I R O 3 4 C E N S O D A P O P U L A Ç Ã O I N F A N T O J U V E N I L A B R I G A D A N

Leia mais

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo)

Ministério Público do Rio de Janeiro Av. Marechal Câmara, 370 Centro CEP 20020-080 (em frente ao Protocolo) Pontos de coleta Rio de Janeiro Clube Naval Av. Rio Branco, 180 Centro Rio de Janeiro Primeira Igreja Batista do Recreio Rua Helena Manela, 101, Recreio, Rio de Janeiro Superintendência Regional da Receita

Leia mais

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS

CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CREAS CENTROS DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MUNICÍPIOS NOMES ENDEREÇOS TELEFONES EMAILS Angra dos Reis Aperibé Araruama Areal Armação de Búzios Arraial do Cabo Barra do Piraí Barra Mansa

Leia mais

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013

Autovistoria: prevenção agora é Lei. Agosto/2013 Autovistoria: prevenção agora é Lei Agosto/2013 1 2 Autovistoria: prevenção agora é Lei Um importante instrumento de defesa da sociedade passou a vigorar, em março de 2013, com a publicação de duas novas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE CONTRATOS

ACOMPANHAMENTO DE CONTRATOS Recuperação da VIGÊNCIA 1 PM Barra Mansa Projeto Executivo Sistema de Esgoto Barra Mansa Concluído 21/7/2005 21/11/2005 21/11/2005 649.961,96 0,00 0,00 649.961,96 649.961,96 2 PM Guaratinguetá Projeto

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$)

Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo. Tarifa (R$) Seção Nº Linha/Seção Cat Tipo Tarifa (R$) RJ 101 AUTO ÔNIBUS FAGUNDES LTDA. 0 430 M Niterói - São José SA O 3,60 0 431 M Niterói - Monjolos SA C 3,60 0 701 M Alcântara - Itaboraí (via Bernardino) SA O

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida Gestão da Produção ESTRATÉGIA Revisão Conceitos Fundamentais Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Indicadores, Metas O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida O que são

Leia mais

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 5636, DE 06 DE JANEIRO DE 2010. DISPÕE SOBRE POLÍTICA DE RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL REGIONALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição

UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição Project Management Institute UM GUIA DO CONHECIMENTO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS (GUIA PMBOK ) Quarta Edição NOTA As

Leia mais

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.}

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.} {Importante: não se esqueça de apagar todas as instruções de preenchimento (em azul e entre parênteses) após a construção do plano.} {O tem por finalidade reunir todas as informações necessárias à execução

Leia mais

Rio de Janeiro RIO DE JANEIRO. 5º Balanço. maio/setembro 2O12. O círculo virtuoso do desenvolvimento

Rio de Janeiro RIO DE JANEIRO. 5º Balanço. maio/setembro 2O12. O círculo virtuoso do desenvolvimento RIO DE JANEIRO O círculo virtuoso do desenvolvimento 5º Balanço maio/setembro 2O12 Apresentação A segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) continua quebrando recordes. A cada balanço

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO OFICIAL Nº 4

PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO OFICIAL Nº 4 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGRAD PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DAE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COSEAC COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO ACADÊMICA PROCESSO SELETIVO SISU 1ª EDIÇÃO DE 2016 COMUNICADO

Leia mais

Minicurrículo. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional. Líder no PMO. Diretor e Professor

Minicurrículo. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional. Líder no PMO. Diretor e Professor Adilson de Oliveira Minicurrículo Mestre em Ciência da Informação Doutor em Engenharia de Computação Diretor e Professor Líder no PMO Gerente de Projetos Profissional Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses

2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses 24 2 Os indicadores sociais e educacionais e a qualidade da Educação nos municípios fluminenses A autonomia municipal adquirida com a CF/88 intensificou o processo de emancipação municipal. Como conseqüência,

Leia mais

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3.

Conteúdo. Apresentação do PMBOK. Projeto 29/07/2015. Padrões de Gerenciamento de Projetos. Fase 01 1.PMBOK e PMI. 2. Conceitos 3. 02m Conteúdo Apresentação do PMBOK Brasília, 25 de Junho de 2015 Fase 01 1.PMBOK e PMI 2. Conceitos 3.Processos Fase 02 4. Áreas de Conhecimento 10m Gerenciamento de Projetos Projeto A manifestação da

Leia mais

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO

PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO PARTE III: PMBOK E AS ÁREAS DE CONHECIMENTO Visão Geral do PMBOK As três dimensões da GP Ciclo de Vida de s Operação Grupo de Processos Encerramento Teste / Pré Operação Execução Execução Monitoramento

Leia mais

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos

IV EVENTO GUGP 2014. Gestão de Custos em Projetos Complexos IV EVENTO GUGP 2014 Gestão de Custos em Projetos Complexos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Agosto/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE

SMART EXPRESS TRANSPORTES SERVIÇOS DE MOTOBOY E ENTREGAS COM CARROS UTILITÁRIOS E EXECUTIVOS AGILIDADE PARA QUEM MANDA E PARA QUEM RECEBE 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer uma sistemática organizada de controle e combate a situações de vazamentos e derrames com risco ambiental e este procedimento se aplica a todas

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE Redes Integradas de Monitoramento Rede Hidrometeorológica Básica do Estado do Rio de Janeiro Monitoramento de Quantidade e Qualidade de Água REDES DE MONITORAMENTO

Leia mais

RIO DE JANEIRO. xxxxx

RIO DE JANEIRO. xxxxx RIO DE JANEIRO rio de janeiro xxxxx O círculo virtuoso do desenvolvimento ano I 3º Balanço 2011/2014 Apresentação Lançado em 2011 com o objetivo de dar continuidade ao programa que acelerou o crescimento

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ATOS DO DEFENSOR PÚBLICO GERAL DE 30.03.2015 APROVA A TABELA DE PLANTÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS PARA O MÊS DE ABRIL DE 2015, NOS TERMOS DA RESOLUÇÃO Nº 430/2007:

Leia mais