PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS"

Transcrição

1 FACULDADE ITOP ITOP PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Palmas/TO 2012/2

2 Presidente da Mantenedora PROF. MS. MUNIZ ARAUJO PEREIRA Diretor Geral da Faculdade ITOP PROF. MS. MUNIZ ARAUJO PEREIRA Diretora da Faculdade ITOP ADM. ANA LÚCIA BRITO DOS SANTOS Coordenadora do Curso de Administração PROFª. MS. ISABELLA CRUVINEL MACHADO DE ARAUJO MOURA Coordenadora do Curso de Ciências Contábeis PROFª. MS. DORIANE BRAGA NUNES BILAC Diretora do ISE ITOP ADM. ANA LÚCIA BRITO DOS SANTOS Coordenador do Curso de Letras PROF. MS. MARCOS RAFAEL MONTEIRO Coordenadora do Curso de Pedagogia PROFª. MS. LOURDES LUCIA GOI Coordenadora de Pós Graduação, Pesquisa e Extensão PROFª. MS. ISABELLA CRUVINEL MACHADO DE ARAUJO MOURA Diretora Administrativo/Financeira ADM. SANDRA MARIA BARBOSA DA SILVA Coordenação de Informática TECNÓLOGO - ALEX SANDRO GOMES DOS SANTOS Secretaria Geral TECNÓLOGA LIDIANE VIEIRA Bibliotecária BIBLIOTENOMISTA - MARIA ELZA COELHO SIMÕES 2

3 Sumário 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES BASE LEGAL DA MANTENEDORA HISTÓRICO DA IES MISSÃO DA FACULDADE ITOP PRINCÍPIOS PERFIL INSTITUCIONAL: PRIORIDADE INSTITUCIONAL a) A educação b) A formação técnico-profissional PARADIGMAS DE GESTÃO EDUCACIONAL a) Eficiência e eficácia b) Relevância c) Efetividade PERFIL OBJETIVOS DA MANTENEDORA: PROJETO PEDAGÓGICO CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DADOS INSTITUCIONAIS DO CURSO: APRESENTAÇÃO DO CURSO JUSTIFICATIVA DA OFERTA DO CURSO LEGISLAÇÃO DIMENSÃO PEDAGÓGICA MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO a) OBJETIVO GERAL b) OBJETIVOS ESPECÍFICOS

4 4.3 PERFIS PRETENDIDOS PERFIL DO ALUNO A SER CONSTRUÍDO PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO PERFIL AÇÕES DIDÁTICAS PARA A CONSECUÇÃO DO PERFIL PRETENDIDO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES VALORES E ATITUDES PROFISSIONAIS ATITUDES EM SALA DE AULA EIXOS METODOLÓGICOS DO CURSO POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO APOIO AO DISCENTE MATERIAL DIDÁTICO INSTITUCIONAL TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TICS - NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM LABORATÓRIO CONTÁBIL PROCESSO PROCESSOS DE AVALIAÇÃO PERMANENTE DO CURSO, DO PROJETO PEDAGÓGICO, DO CORPO DOCENTE E DISCENTE AVALIAÇÃO DO CURSO a) AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS DISCENTES (ACDD): b) AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA E TURMA PELOS DOCENTES: AVALIAÇÃO DO PROJETO AÇÕES DECORRENTES DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO ENADE PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO DISCENTE POD APOIO E ACOMPANHAMENTO PSICOPEDAGÓGICO NÚMERO

5 4.17 EDUCAÇÃO MONITORIA VISITAS TÉCNICAS A AULAS DE NIVELAMENTO E DE REFORÇO EVENTOS REALIZADOS TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO - TCC ESTÁGIO SUPERVISIONADO ATIVIDADE COMPLEMENTAR ESTRUTURA CURRICULAR CONTEÚDOS CURRICULARES INTER-RELAÇÃO DAS DISCIPLINAS NA CONCEPÇÃO E EXECUÇÃO DO CURRÍCULO DIMENSIONAMENTO DA CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS ADEQUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DAS EMENTAS E PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS ADEQUAÇÃO, ATUALIZAÇÃO E RELEVÂNCIA DA BIBLIOGRAFIA COERÊNCIA DOS EQUIPAMENTOS COM A METODOLOGIA DAS AULAS MATRIZ CURRICULAR COMPONENTES CURRICULARES - EMENTÁRIO FORMA DE ACESSO AO CURSO ATO DE AUTORIZAÇÃO E DE RECONHECIMENTO CORPO DOCENTE DO CURSO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) COLEGIADO DE CURSO

6 12.4 COORDENAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA IES CONSELHO SUPERIOR DIREÇÃO DIREÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS- GRADUAÇÃO RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE PLANO DE CARREIRA DOCENTE PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DO CORPO DOCENTE REQUISITOS DE TITULAÇÃO, EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL e PRODUÇÃO CIENTÍFICA, CULTURAL, ARTÍSTICA OU TECNOLÓGICA DO CORPO DOCENTE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Titulação do Corpo Docente Regime de Trabalho do Corpo Docente do Curso Experiência Profissional do Corpo Docente Experiência de Magistério Superior do Corpo Docente Produção Científica, Cultural, Artística ou Tecnológica

7 APRESENTAÇÃO Este projeto, baseado na proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais Resolução nº 10/04, de 16 de dezembro de leva em consideração os desafios da educação superior diante das intensas transformações que têm ocorrido na sociedade contemporânea, no mercado de trabalho e nas condições de exercício profissional. Concebe-se a Educação Superior não apenas como produtora e detentora do conhecimento e do saber, mas também como instância voltada para atender às necessidades educativas e tecnológicas da sociedade. Ressalta-se, no entanto, que o espaço acadêmico não pode ser visto apenas como instância reflexa da sociedade e do mundo do trabalho. Ele deve ser um espaço de cultura e de imaginação criativa, capaz de intervir na sociedade, transformando-a em termos éticos. 7

8 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES 1.1 NOME DA MANTENEDORA. Instituto Tocantinense de Educação Superior e Pesquisa Ltda - ITOP. 1.2 BASE LEGAL DA MANTENEDORA Razão Social: Instituto Tocantinense de Educação Superior e Pesquisa Ltda. CNPJ/MF: / Sede: Quadra 402 Sul (antiga ACSU SE 40), Av. NS 02 Conj. 02 Lote 16 Bairro Plano Diretor Sul, CEP: Palmas - To Telefone: (63) Sítio: 1.3 HISTÓRICO DA IES A Faculdade ITOP, mantida pelo Instituto Tocantinense de Educação Superior e Pesquisa LTDA foi credenciada através da Portaria MEC nº 1.449, datada de 11/11/2008 e publicada no DOU nº 231, de 27/11/2008 é uma entidade privada, com finalidade lucrativa, destinada à promoção do ensino, pesquisa e extensão. Atualmente a IES tem autorizados a funcionar e em funcionamento os seguintes cursos de graduação: Administração, Ciências Contábeis, Pedagogia e Letras com habilitação em Português, Inglês e respectivas Literaturas. Além dos cursos de graduação mencionados a IES oferece vários cursos de pósgraduação lato sensu em nível de especialização e cursos de extensão. A história desta IES, assim como todo o seu processo de criação e implantação, representa uma grande conquista para as pessoas que se instalaram no Tocantins. É, portanto, um sonho que vai aos poucos se 8

9 consolidando numa instituição social voltada para a produção e difusão de conhecimentos, para a formação de cidadãos e profissionais qualificados, comprometidos com o desenvolvimento social, político, cultural e econômico da Nação. 1.4 MISSÃO DA FACULDADE ITOP A Faculdade ITOP nasceu, com a missão de: Construir competências que agreguem valor profissional, promovendo o desenvolvimento de cidadãos através de ações educacionais pautadas na ética e na excelência do ensino, pesquisa e extensão. 1.5 PRINCÍPIOS: A Missão da Faculdade ITOP se apóia em alguns princípios basilares que fundamentam a práxis da Faculdade ITOP, norteando todo o pensar e o agir administrativos e pedagógicos. São três os grandes princípios que nortearão todas as ações do ITOP: no binômio teoria/prática que favoreça nos alunos a elaboração de um pensamento pedagógico capaz de atender as exigências da educação nacional; no aprofundamento dos conhecimentos da habilitação escolhida sem perder de vista o conjunto de informações nucleares que permitam a integração de conhecimentos filosóficos, sociais e bio-psicológicos no tratamento multidisciplinar dos problemas educacionais; no incentivo a atitudes relacionadas com a busca criadora da solução de problemas, acentuando a importância da flexibilidade de estruturas 9

10 mentais que assegurem a receptividade a mudanças e à modificação da conduta técnico-pessoal-social do profissional da educação. Estes princípios permeiam todas as atividades desenvolvidas pela Faculdade ITOP nos campos do Ensino, da Extensão e da Pesquisa, enquanto instituição que se difere de outras instituições, públicas e particulares, por privilegiar a formação de um profissional qualificado e consciente de seu papel político-social. Para alcançar esses princípios a prática pedagógica da instituição tem como referência as reflexões explicitadas nos anais da Conferência Mundial do Ensino Superior, conforme se segue: Artigo 1º - a missão de educar, formar e realizar pesquisa. Isto significa educar e formar pessoas altamente qualificadas, em que todos tenham a garantia do exercício pleno de sua cidadania; oportunizar a aprendizagem permanente através da promoção, da geração e da difusão de conhecimentos por meio de pesquisa. Artigo 5º - promoção do saber, mediante a pesquisa na ciência, na arte e nas ciências humanas, e a divulgação de seus resultados. É necessário que a inovação, a interdisciplinaridade e a transdisciplinaridade sejam fomentadas e reforçadas numa forma integrada nos programas de graduação e pós-graduação. Artigo 7º - reforçar a cooperação com o mundo do trabalho, analisar e prevenir as necessidades da sociedade. Devem-se reforçar os vínculos entre a educação superior, o mundo do trabalho e outros setores da sociedade. 10

11 Artigo 9º - aproximações educacionais inovadoras: pensamento crítico e criatividade. O curso deve ter seu interesse centrado nos estudantes, buscando educá-los para que sejam cidadãos bem informados e profundamente motivados, capazes de pensar criticamente, de analisar os problemas sociais e de buscar soluções para esses problemas, assumindo e aceitando as responsabilidades sociais. Novos métodos didáticos e a utilização de técnicas compatíveis devem facilitar a aquisição de conhecimentos práticos, de competências e habilidades para a comunicação, para a análise criativa e crítica, para a reflexão independente e o trabalho em equipe nos diferentes contextos culturais. É necessária a combinação entre o saber tradicional ou local e o conhecimento aplicado da ciência avançada e de tecnologia. Os métodos didáticos devem buscar não só a memória, mas também o desenvolvimento das faculdades de compreensão, a habilidade para o trabalho prático e a criatividade. Artigo 11º - avaliação de qualidade. A avaliação de curso deve envolver todas as suas funções e atividades, seja no ensino ou na pesquisa, de forma que o ensino-aprendizagem ocorra através de assimilação ativa, entendida como um processo de percepção, compreensão, reflexão e aplicação do conhecimento. Artigo 12º - o potencial e o desafio da tecnologia. O modo como o conhecimento está sendo desenvolvido, adquirido e transmitido, está mudando significativamente em função das rápidas inovações por meio das tecnologias de informação. Por isso, é necessária a criação de novos ambientes de aprendizagem, em que essas novas tecnologias sejam adaptadas à realidade dos educadores e dos educandos. 11

12 Ao aplicar os princípios e referências supracitadas, a Faculdade ITOP está garantindo que seus projetos pedagógicos estão estruturados de modo que a grade curricular irá assegurar a qualidade da prática docente (o saber, o saber pensar e o saber intervir), assim como o caráter integrador dos conteúdos entre si e deste com a realidade sócio-econômico-cultural de Palmas e toda região de influência geo-econômica. 1.6 PERFIL INSTITUCIONAL: Afirmar-se, cada vez mais, como um centro de excelência acadêmica, no cenário estadual, através de projetos que proporcionem ao educando um espaço de aprendizagem, contribuindo para as transformações sociais, econômicas e políticas. 1.7 PRIORIDADE INSTITUCIONAL A Faculdade ITOP, embasada na consciência de que na complexidade e amplitude do saber não é possível alcançar excelência plena em todas as áreas, e que é preciso responder às exigências da comunidade em que se acha inserida, optou por priorizar: a) A educação Como um dos aspectos mais significativos no atendimento às necessidades de seu meio, buscando tornar-se uma agência de primeira linha na formação e qualificação de recursos humanos para a área educacional, atendendo aos reclames da comunidade e do País, que tanto anseiam por uma educação mais eficaz e de alto nível de qualidade. 12

13 b) A formação técnico-profissional Buscando atender às exigências da comunidade, ampliando sua oferta de serviços, colocando-se à disposição da sociedade como preparadora de profissionais competentes com uma consciência ética aprimorada e comprometida com o desenvolvimento regional e nacional. 1.8 PARADIGMAS DE GESTÃO EDUCACIONAL Segundo a UNESCO, as instituições de ensinos enfrentarão, no século XXI, os seguintes desafios: Relevância, Pertinência, Qualidade, Financiamento, Gestão, e Cooperação Internacional. Desta forma, as organizações administrativas das instituições devem refletir alguns critérios basilares: a) Eficiência e eficácia Os métodos e os processos administrativos e pedagógicos devem seguir padrões de planejamento e avaliação segundo indicadores de qualidade anteriormente estabelecidos. A meta da Faculdade ITOP, desde o momento de seu credenciamento, é obter padrões máximos de avaliação pelo MEC. b) Relevância A comunidade acadêmica do ITOP, alunos, professores, gestores e corpo administrativo - têm o compromisso de funcionar organicamente. As práticas pedagógicas conscientes, democraticamente discutidas e planejadas, a produção do conhecimento e a inserção na comunidade são caminhos para o aprimoramento individual e coletivo, bem como o rumo para a qualidade dos trabalhos. 13

14 c) Efetividade A presença do ITOP na comunidade de Palmas, do Tocantins e da Região Norte, voltando toda sua capacidade de instituição formadora e geradora de conhecimento para o aprimoramento da qualidade de vida da população. Estas posições implicarão na oferta de Cursos de Graduação e Pós- Graduação que se relacionem profundamente com as vocações da Região Norte e as do Estado do Tocantins, na identificação dos campos de pesquisa e no estabelecimento de programas de extensão para que a Faculdade ITOP, seja, cada vez mais, uma presença viva e atuante em seu meio. 1.9 PERFIL DESEJADO PARA OS GRADUADOS DA FACULDADE ITOP A Faculdade ITOP deseja formar profissionais que demonstrem competências e habilidades comuns para: Atuar criticamente nos espaços (tempo da trajetória profissional); Resolver problemas com habilidade e atitude científica; Atuar de forma comprometida, participativa e competente; Empreender um movimento contínuo de aprendizagem; Lidar com a incerteza de forma criativa e científica; Buscar a interdisciplinaridade no processo de trabalho; Utilizar, como instrumento de trabalho, os recursos da comunicação e da informática; Refletir sobre a prática, reformulando-a e estabelecendo relações com a teoria; Agir com autonomia intelectual e moral; 14

15 Desenvolver o senso do empreendedorismo na prática profissional 1.10 OBJETIVOS DA MANTENEDORA: São objetivos do Instituto Tocantinense de Educação Superior e Pesquisa Ltda ITOP: a) Manter e administrar estabelecimentos de ensino em seus diferentes graus que constituam ou venham constituir sua rede escolar; b) Criar, instalar, manter e administrar outros cursos ou estabelecimentos de pesquisa, de ensino, culturais, técnicos, científicos, sempre que suas condições econômico-financeiras permitirem ou quando o mercado de trabalho e a situação socioeconômica da região aconselharem à medida; c) Disseminar o ensino em todos os seus graus e todas suas ramificações como a cultura, a ciência, a tecnologia, as artes e a pesquisa em todo o território nacional; d) Propagar a cultura intelectual, cívica e física sob todos os aspectos e meios ao seu alcance; e) Cooperar na criação e manutenção de órgãos de amparo à assistência à velhice, minimizar os problemas socioeconômicos da região em que está atuando; f) Atuar no sentido de desenvolvimento educacional, cultural, social e econômico da região, através das entidades de planejamento, de pesquisa, de extensão, de consultoria e empreendimentos; g) Habilitar a Faculdade ITOP, para a Educação a Distância (EAD) PROJETO PEDAGÓGICO: Um projeto pedagógico caracteriza-se pelo conjunto de diretrizes e estratégias que expressam e orientam a prática de todos os envolvidos com a dinâmica desse curso. Não se restringe à mera organização de componentes 15

16 curriculares, mas à adoção, por parte dos atores envolvidos (diretor da faculdade, coordenadores e professores), de um efetivo posicionamento científico e tecnológico. Esse posicionamento deverá estar centrado numa unidade epistemológica e no acompanhamento do estado da arte das diversas áreas de conhecimento do curso, sempre compatíveis com seus objetivos, com os princípios, com a missão e as condições da Faculdade ITOP e de sua entidade Mantenedora, levando-se em conta, ainda, a política educacional vigente no país e seu arcabouço jurídico. Exige desses atores um processo contínuo de reflexão sobre a identidade do curso e o comprometimento com a qualidade e a eficácia de suas ações. Na Faculdade ITOP, o ensino é concebido como um processo, intencional e sistemático, de investigação do conhecimento; visa, em última instância, ao desenvolvimento das capacidades cognitivas dos alunos e à sua preparação para a vida social e profissional e busca, no domínio científico e profissional de um determinado campo do conhecimento, a construção progressiva da autonomia do aluno. A política da Faculdade ITOP para o ensino de Graduação está orientada para o enfrentamento da realidade social, buscando disponibilizar oportunidades educacionais a uma parcela expressiva da população, independentemente da origem econômica, racial e cultural, oferecendo uma formação generalista, voltada para a aplicação dos conhecimentos aprendidos na resolução de problemas do cotidiano. No âmbito do curso de Ciências Contábeis essas políticas estão implantadas com a finalidade de qualificar o aluno, por meio de um currículo abrangente, metodologias diversificadas e equipe pedagógica qualificada, para: aplicar os métodos científicos na solução dos problemas de controle patrimonial, ser um agente de mudança social, entender a realidade sócioeconômica e procurar meios de resolver os problemas financeiros, econômicos, fiscais e patrimoniais fundamentais e necessários às entidades. Além disso, também procura atender às aspirações e perspectivas do aluno, 16

17 como ser individual e membro de uma sociedade. Na Faculdade ITOP, as atividades de extensão constituem-se em momentos para interação do aluno com a realidade da sociedade. Elas ocorrem sem prejuízo às atividades acadêmicas de ensino e pesquisa, mas como extensão dessas funções junto à comunidade local. No âmbito do curso de Ciências Contábeis, essas atividades já estão implantadas e tem sua principal justificativa, no fato de estar ocorrendo em Palmas, crescimento significativo de novos empreendimentos. Isso nos remete para a demanda de necessidades na área contábil, com igual crescimento, e também à oportunidade de vincular a Instituição e o curso às necessidades da comunidade. Na Faculdade ITOP, a pesquisa está fixada no princípio de que aprender a pensar é uma atitude metodológica que se aplica a qualquer disciplina. A pesquisa busca desenvolver a capacidade de pensar criticamente, treinar o olhar e exercitar a habilidade para lidar com problemas e buscar suas soluções. No âmbito do curso, incentiva-se a realização de pesquisas ao longo do curso, sempre de forma interdisciplinar. Nessa perspectiva, o curso de Ciências Contábeis, orientado pelo seu projeto pedagógico, em consonância com o Projeto Pedagógico Institucional da ITOP e com a Diretriz Curricular Nacional, favorece a formação de profissionais com uma visão ampla e crítica da realidade local e regional, promove o desenvolvimento de competências e habilidades, como também constrói de forma contínua novos conhecimentos voltados para a formação e o aprimoramento das atitudes necessárias ao trabalho profissional. Portanto, realiza uma pedagogia participativa, fundamentada no paradigma do aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver junto e aprender a ser. No Curso de Ciências Contábeis, ensino, pesquisa e extensão estão articulados, integrando as três vertentes que compõem o conhecimento: socialização, produção e diálogo com a sociedade. 17

18 2. CONTEXTUALIZAÇÃO DO CURSO Nome do Curso: Ciências Contábeis Nome da Mantida: (4969) Faculdade ITOP ITOP Endereço de funcionamento do curso: Quadra 402 Sul (antiga ACSU SE 40), Av. NS 02 Conj. 02 Lote 16 Bairro Plano Diretor Sul, CEP: Palmas - To Telefone: (63) Sítio: Modalidade do Curso: Bacharelado Ato Legal de Autorização do Curso: Portaria nº de 04/12/2008, Publicado no Diário Oficial da União nº 238, de 08/12/2008. Ato Legal do 1º Reconhecimento do Curso: Portaria nº 273, de 14 de dezembro de Número de Vagas: 200 anuais Turno de Funcionamento: Noturno Carga horária Total do Curso: 3072 horas Coordenadora do Curso: Prof. MSc. Doriane Braga Nunes Bilac Tempos mínimo e máximo para a integralização: Tempos mínimo para integralização = 4 anos Tempos máximo para integralização = 7 anos 18

19 3. CARACTERIZAÇÃO DO CURSO 3.1 DADOS INSTITUCIONAIS DO CURSO: O Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, modalidade presencial, oferecido pela Faculdade ITOP, localizado na Quadra 402 Sul (antiga ACSU SE 40), Av. NS 02 Conj. 02 Lote 16 Bairro Plano Diretor Sul, CEP: na Cidade de Palmas, no Estado de Tocantins, teve seu funcionamento autorizado pela Portaria nº de 04/12/2008, Publicado no Diário Oficial da União nº 238, de 08/12/2008. Foram autorizadas 200 (duzentas) vagas anuais. O curso ainda não possui Conceito Preliminar de Curso (CPC) e Conceito de Curso (CC), por ter participado em 2009 da avaliação do ENADE referente aos alunos ingressantes e, em 2012, referente aos alunos que concluíram o curso e, até o momento, dezembro do ano em curso, não ter sido divulgado o resultado da avaliação de O curso funciona no turno noturno, apesar de ter sido autorizado para funcionar no período matutino e noturno. Foi aprovado pela Resolução do CONSUP nº 02/2009 o remanejamento de vagas do turno matutino para o noturno. A carga horária total do curso é de horas. O tempo mínimo de integralização do curso é de 04 anos e o tempo máximo é de 07 anos. A coordenação do curso é exercida pela professora Doriane Braga Nunes Bilac, graduada em Ciências Contábeis, Direito e Tecnólogo em Processamento de Dados; Pós-graduada em Auditoria e Planejamento Educacional; Mestre em Contabilidade Avançada e Doutoranda em Sociologia. Tem experiência profissional na área bancária e tecnológica e na Educação Fundamental, Ensino Médio e Superior. Está na Faculdade ITOP desde o ano de 2009, com tempo de exercício na IES de 42 meses e na coordenação de curso de 42 meses; contratada em regime de tempo parcial. O NDE é composto por 05 (cinco) docentes do curso e o coordenador de 19

20 curso, totalizando 06 (seis) membros, sendo 04 (quatro) mestres e 02 (dois) especialistas, desse total: 04 (quatro) são contratados em regime de tempo parcial e 02 (dois) em regime de tempo integral. O Colegiado do curso é composto por 04 (quatro) docentes do curso, o coordenador do curso e 01 (um) discente. Os professores do colegiado são contratados em regime parcial ou integral. O corpo docente é constituído por 24 (vinte e quatro) professores, sendo 6 (seis) mestres e 18 (dezoito) especialistas. Quanto ao regime de contratação 11 (onze) são horistas, 2 (dois) são de tempo integral e 11 (onze) são de tempo parcial. Tendo em vista a formação continuada, a Faculdade ITOP dentro de seu programa de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão oferece um curso de pósgraduação lato-sensu ligado á área contábil, sendo ele: Contabilidade, Controladoria e Finanças. No âmbito da Extensão Universitária foram desenvolvidos os cursos de: Políticas de Recursos Humanos: rotinas trabalhistas e previdenciárias; TCC operacionalização e normas técnicas; ENADE: desmistificando a avaliação. Existem outros cursos de extensão já aprovados para serem realizados que são: Elaboração das Demonstrações Contábeis; Fluxo de Caixa: instrumento financeiro para gestão; Planejamento Financeiro: instrumento financeiro para controle do caixa; O computador: Excel como recurso de trabalho e de aprendizagem; O computador: Internet como recurso de trabalho e de aprendizagem; O computador: Power Point como recurso de trabalho e de aprendizagem; O computador: produção de vídeo como recurso de trabalho e de aprendizagem; 20

21 O computador: Windows Word como recurso de trabalho e de aprendizagem. No âmbito da Iniciação Científica foram desenvolvidos dois projetos de pesquisa: O perfil sócio-econômico e educacional dos alunos do 7º período do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade ITOP; Responsabilidade Social nas empresas de Palmas To. No âmbito do ensino foram desenvolvidos: aulas de reforço para a disciplina Estrutura das Demonstrações Contábeis I; aulas de nivelamento para a disciplina de Matemática Aplicada, visita técnica na empresa Inffoco Confecções para conhecer o sistema produtivo e cálculo do custo dos produtos fabricados; Monitorias para as disciplinas de Contabilidade Geral I, Contabilidade Geral II, Matemática Aplicada e Contabilidade e Sistema de Custos, Estatística e Métodos Quantitativos; Incentivo para os alunos participarem de eventos tais como: 25 de abril Dia do Profissional da Contabilidade realizado pelo Conselho Regional de Contabilidade; Cidades Sustentáveis: Palmas em foco realizado pela universidade Federal do Tocantins; Fenepalmas realizado pelo SEBRAE; palestra proferida pelo Banco do Brasil; Realização do I Simpósio de Ciências Contábeis da Faculdade ITOP voltado para o tema da Responsabilidade Social das Entidades de Palmas; Ações sociais de arrecadação de alimentos pelos acadêmicos para posterior distribuição as entidades sociais. 21

22 3.2 APRESENTAÇÃO DO CURSO Assim como acontece em outras áreas de formação em nível de graduação superior, também na área Contábil, o curso se desenvolve e estrutura em termos pedagógicos à medida que um corpus de conhecimento se consolida e se associa a uma prática de ensino-aprendizagem. Assim, quando se propõe construir uma diretriz curricular ou um projeto pedagógico de um curso específico, é interessante sempre se observar também a construção histórica dessa área de formação superior. O projeto do Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis propõe uma visão generalista, com professores capazes de lidar com concepções que desenvolvam tanto a perspectiva da construção do conhecimento como a de sua reconstrução, com vistas à produção de novos conhecimentos e ao avanço científico das respectivas áreas de atuação. O curso orienta-se, de um lado, para formar sólidas competências e, por outro, na medida da educação permanente, preparando o futuro graduado para enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições do exercício profissional. Assim, o Curso de Ciências Contábeis da Faculdade ITOP propõe aos alunos um aprendizado de pesquisa teórica e aplicada, para que os futuros profissionais tenham, além de visão estratégica, uma maior preparação para inserção no mercado globalizado, interagindo e provocando modificações necessárias para melhoria nos mais variados setores da sociedade. 3.3 JUSTIFICATIVA DA OFERTA DO CURSO O Tocantins é o novo eixo de desenvolvimento do Brasil, sendo o estado que mais cresce no País, segundo o IBGE, com uma população de habitantes, destaca-se por seus potenciais: Maior rebanho e maior produção de soja do Norte do Brasil; Proporcionalmente, maior investimento em infra- 22

23 estrutura do Brasil; Políticas públicas indutoras de desenvolvimento industrial; Logística em destaque no mapa nacional; Centro irradiador de riquezas e ponto estratégico de distribuição de produtos do corredor Centro-Norte; Pólo emergente de biocombustíveis; Segunda melhor malha rodoviária do Brasil; Auto-suficiente em geração e distribuição de energia; Incentivos fiscais para implantação de grandes empresas e indústrias; rico em minerais, etc, um estado que atrai investimento do mundo todo e consequentemente um grande consumidor de mão-de-obra qualificada. Palmas, sua capital, é a cidade que mais cresce no país. Segundo informes da Prefeitura Municipal de Palmas, possuiu as mais importantes taxas de crescimento demográfico do Brasil nos últimos dez anos, recebendo pessoas de praticamente todos os estados brasileiros. Segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município atingiu um crescimento populacional de mais de 110% em 2008 comparando com a população residente em 1996, saindo dos habitantes para uma estimativa de habitantes, segundo pesquisas divulgadas pelo IBGE. Além do que, Palmas encontra-se localizada próxima à rodovia BR-153 (Belém-Brasília). O município de Palmas limita-se com os municípios de Porto Nacional, Lajeado, Paraíso do Tocantins, Aparecida do Rio Negro e Santa Tereza. O acesso terrestre pela TO-O50 e TO-060 que bifurcam com a BR-153. Dela partem várias ramificações de rodovias estaduais, interligando Palmas ao restante do Tocantins. Pela Belém-Brasília, o município tem acesso às principais cidades do Tocantins e regiões do País, especialmente Belém, Goiânia e Brasília. Isso significa, que a cidade de Palmas revela-se como um pólo aglutinador e referencial para toda esta região, tanto pela facilidade do acesso quanto pelas perspectivas de desenvolvimento de oportunidades que apresenta para estas populações. Sua região Geoeducacional é formada por 20 municípios, que estão em um raio de aproximadamente 100 Km da Capital, atendendo a uma população 23

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 alunos

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno

PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2. Noturno PROPOSTA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2012.2 DENOMINAÇÃO: PORTARIA DE AUTORIZAÇÃO: PORTARIA DE RECONHECIMENTO: REGIME ESCOLAR: NÚMERO DE VAGAS ANUAIS: TURNOS DE FUNCIONAMENTO: NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1. TURNOS: Matutino ou Noturno Campus de Maringá Noturno Campus de Cianorte HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências Contábeis GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Ciências Contábeis PRAZO PARA CONCLUSÃO:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral. Objetivos Específicos SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Missão A missão do curso é formar profissionais em Ciências Contábeis com elevada competência técnica, crítica, ética e social, capazes de conceber

Leia mais

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite

Maio 2013 Macaé- RJ. Rafael Pacheco Lívia Leite Maio 2013 Macaé- RJ Rafael Pacheco Lívia Leite Matriz do Curso de Engenharia Química 2013 Page 2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO 2. JUSTIFICATIVA 3. DA CONCEPÇÃO DO CURSO 4. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 5. A MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.609, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.9, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 117/06-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 25/10/2004 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Brasileiro de Atuária UF:

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO. Perfil do curso CURSO DE ADMINISRAÇÃO CONCEPÇÃO DO CURSO Perfil do curso O curso superior de Administração ora proposto foi estruturado em função das orientações e normas da Lei das Diretrizes e Bases da Educação (Lei

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 10/09/2012 1 CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - NAC

NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - NAC NÚCLEO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES - NAC APRESENTAÇÃO Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta e decisiva, no desenvolvimento das competências

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015 SELEÇÃO PARA ENSINO PROFISSIONAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO, EM REGIME INTEGRAL COM DURAÇÃO DE 3 ANOS, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015 INFORMAÇÕES

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Projeto Pedagógico de Curso

Projeto Pedagógico de Curso 2012 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Projeto Pedagógico de Curso UNIVERSIDADE CUIABÁ DE FACULDADE DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE ENGENHARIA E

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

Relatório de Autoavaliação

Relatório de Autoavaliação Relatório de Autoavaliação O CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO ESTÁCIO UNIRADIAL é uma Instituição Privada de Ensino Superior com fins lucrativos, situada no Município de São Paulo, Estado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO DA FACULDADE BIRIGUI APRESENTAÇÃO Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta e decisiva,

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001.

Autorizado pela Portaria Ministerial nº 1734, D.O.U. de 06/08/2001. MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES No Curso de Licenciatura em Educação Física os alunos participam das atividades complementares de conteúdo curricular obrigatório como pré-requisito para obtenção do

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais