Projetar Arquitetura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projetar Arquitetura"

Transcrição

1 Projetar Arquitetura

2 Objetivos desta atividade Definir mecanismos de projeto e de implementação Definir elementos (classes e subsistemas) de projeto e organizá-los em pacotes Identificar oportunidades de reuso Descrever distribuição Revisar a arquitetura do sistema 2

3 Visão geral dos artefatos Especificações suplementares Glossário Documento da arquitetura Orientações de projeto Projetar Arquitetura Classes de análise Modelo de projeto Fonte: Rational Modelo de projeto (classes e subsistemas) 3

4 Passos para Projetar Arquitetura 1. Identificar e documentar mecanismos de projeto e de implementação 2. Mapear classes de análise em elementos (classes e subsistemas) de projeto 3. Identificar oportunidades de reuso 4. Definir organização do sistema 5. Descrever distribuição 4

5 Algumas considerações Como na análise da arquitetura, a ênfase é no sistema como um todo (e não em um caso de uso) O resultado da análise da arquitetura é refinado, servindo como ponto de partida para o projeto mecanismos de análise mecanismos de projeto 5

6 Passo 1. Identificar e documentar mecanismos de projeto e de implementação Mecanismos arquiteturais devem ser documentados usandose diagramas de classe e interação A documentação produzida pelo arquiteto servirá como um padrão para o projetista instanciar para uso específico Aspecto estrutural Comportamento Orientações de projeto 6

7 Mecanismos de Arquitetura Mecanismos de análise (conceitual) Mecanismos de projeto (concreto) Mecanismos de implementação (produto real) Persistência RDBMS JDBC Persistência OODBMS ObjectStore Distribuição Remote Method Invocation (RMI) Java 1.2 (Sun) ANÁLISE PROJETO IMPLEMENTAÇÃO 7 Fonte: Rational

8 Exemplo: Persistência (RDBMS- JDBC) Fachada CadastroClientePersistente ClientePersistente <<Interface>> RepositorioClientePersistente <<Interface>> RepositorioIteravelClientePersistente <<Interface>> Transacao <<Interface>> GerenciadorTransacoes RepositorioClientePersistenteException 8 TransacaoException

9 Exemplo: Persistência (RDBMS-JDBC) Assinaturas das coleções de dados (repositórios) Fachada CadastroClientePersistente <<Interface>> RepositorioClientePersistente inserir(cliente : ClientePersistente) : void inserir(clientes : RepositorioClientePersistente) : void consultar(identificador : String) : ClientePersistente consultarxxx(criterio : String) : RepositorioClientePersistente consultaryyy(criterio : String) : RepositorioIteravelClientePersistente atualizar(cliente : ClientePersistente) : void atualizar(clientes : RepositorioClientePersistente) : void remover(identificador : String) : void remover(clientes : RepositorioClientePersistente) : void contem(cliente : ClientePersistente) : boolean contemtodos(clientes : RepositorioClientePersistente) : boolean estavazio() : boolean tamanho() : int getrepositorioiteravel() : RepositorioIteravelClientePersistente ClientePersistente <<Interface>> RepositorioIteravelClientePersistente proximo() : ClientePersistente anterior() : ClientePersistente temproximo() : boolean temanterior() : boolean tamanho() : int primeiro() : ClientePersistente ultimo() : ClientePersistente Nem todos os métodos da interface RepositorioIteravel precisam ser implementados. Percorrer uma sequência do início ao fim é trivial de implementar utilizando-se uma das estruturas da API Collection, mas percorrer de trás para frente pode não ser trivial de implementar. RepositorioClientePersistenteException As consultas podem variar de acordo com os objetivos. Por exemplo, podemos ter um método consultaralunosporcidade(identificadorcidade : String) que retorna um RepositorioAlunos ou mesmo um RepositorioIteravelAlunos. A idéia é que podemos ter vários métodos consultar com diferentes assinaturas e retornos para atender a diferentes "filtros". 9

10 Exemplo: Persistência (RDBMS-JDBC) Gerenciamento de transações <<Interface>> Transacao iniciar() : void confirmar() : void cancelar() : void finalizar() : void getestado() : int transacaoiniciada() : boolean getid() : int setid(id : int) : void getcanalcomunicacao() : Object TransacaoException <<Interface>> GerenciadorTransacoes novatransacao() : Transacao gettransacao() : Transacao gettransacao(id : int) : Transacao finalizartransacao() : void finalizartransacao(id : int) : void Os métodos gettransacao() e finalizartransacao() não recebem parâmetros porque operam sobre a transação registrada ao thread atual (operam sob contexto) 10

11 Exemplo: Persistência (RDBMS-JDBC) Implementação dos repositórios Fachada CadastroClientePersistente <<Interface>> RepositorioClientePersistente <<Interface>> RepositorioIteravelClientePersistente RepositorioIteravelClientePersistenteArray RepositorioClientePersistenteBD <<Interface>> GerenciadorTransacoes novatransacao() gettransacao() gettransacao() finalizartransacao() finalizartransacao() <<Interface>> Transacao iniciar() confirmar() cancelar() finalizar() getestado() transacaoiniciada() getid() setid() getcanalcomunicacao() GerenciadorTransacoesBD TransacaoBD 11 GerenciadorPoolConexoes

12 Exemplo: Persistência (RDBMS-JDBC) Realizando uma transação com o BD Fachada CadastroClientePersistente RepositorioClientePersistenteBD GerenciadorTransacoesBD TransacaoBD GerenciadorPoolConexoes novatransacao( ) alocarconexao(java.lang.string) new TransacaoBD(jav a.sql.connection) iniciar( ) inserir(clientepersistente) inserir(clientepersistente) Após obter a conexão, o repositório utiliza a API de JDBC para excutar o(s) comando(s) SQL. gettransacao( ) getcanalcomunicacao( ) O parâmetro String corresponde ao nome do pool de conexões a ser utilizado, lembrando que o gerenciador do pool pode trabalhar com mais de um pool. confirmar( ) cancelar( ) finalizartransacao( ) Ao f inal das operações do repositório a f achada dev e concluir ou cancelar a transação em f unção das oerações terem sido bem sucedidas ou não. getcanalcomunicacao( ) liberarconexao(jav a.lang.string, jav a.sql.connection) finalizar( ) 12

13 Exemplo: Persistência (RDBMS- JDBC) Executando uma query RepositorioCliente PersistenteBD GerenciadorTransacoesBD TransacoesBD : Connection : ResultSet : Statement ClientePersistente gettransacao( ) getcanalcomunicacao( ) createstatement( ) O parâmetro String corresponde ao comando SQL a ser executado. executequery(string) getlong(string) getstring(string) new ClientePersistente(long, String) O parâmetro String corresponde ao nome da coluna no banco de dados. Os parâmetros passados para o construtor correspondem aos recuperados na base 13

14 Passos para incorporar persistência Identificação das classes necessárias Uma coleção de dados (repositório) para cada classe persistente Incorporar classes ao projeto Alocação ao pacote respectivo Inclusão de relacionamentos com outras classes Criação/atualização dos diagramas de interação Inicialização de conexão Acesso: leitura, atualização, remoção, consulta Acesso a bibliotecas de classes necessárias à implementação JDBC Exemplo: java.sql 14

15 Passo 2. Mapear classes de análise em elementos de projeto Identificar classes de projeto Identificar subsistemas Definir interfaces dos subsistemas Fazer o mapeamento 15

16 Mapeando Classes de Análise em Classes e Subsistemas de Projeto Classes de Análise Elementos de Projeto <<boundary>> <<control>> <<entity>> <<boundary>> Mapeamento m : n Fonte: Rational 16

17 Identificando Classes de Projeto Uma classe de análise simples, que representa uma única abstração, é mapeada para uma única classe de projeto Exemplo: classes de entidade Classes de análise muito simples podem até ser combinadas em uma classe de projeto Em geral, classes de análise complexas podem ser divididas em várias classes ou transformadas em um pacote ou subsistema 17

18 Pacotes e Subsistemas Subsistemas possuem comportamento, enquanto pacotes são apenas containers de elementos Subsistemas encapsulam seus elementos, através de interfaces (podendo ser substituídos por outros que preservem a interface) Client Class (interface) Package B Class B1 <<subsystem>> A Class B2 18 Fonte: Rational

19 Subsistemas e Interfaces: Notação <<interface>> interface <<subsystem>> Nome subsistema Realização Interface Realização <<subsystem>> Nome subsistema 19

20 Por que usar Subsistemas? Subsistemas permitem dividir o sistema em partes independentes (que se tornarão componentes) Cada subsistema pode ser desenvolvido, testado e possivelmente implantado independentemente dos demais Um subsistema pode representar uma abstração (no projeto) de produtos ou sistemas externos que serão incorporados na implementação 20

21 Como identificar Subsistemas Classes de análise Classes de fronteira (interfaces com sistemas externos e com usuários) Classes que fornecem serviços complexos Elementos de projeto (por exemplo, componentes) Software de comunicação Suporte ao acesso a BD Estruturas de dados Bibliotecas de utilitários Produtos específicos à aplicação 21

22 Como identificar Subsistemas Classe A Y() Z() Classe complexa <<interface>> Interface A Y() Z() <<subsystem>> Subsistema X 22

23 A classe fachada Além da interface, será destacada uma classe fachada de cada subsistema <<subsystem>> package Interface ISubSistemaMétricas <<subsystem>> SubSistemaMétricas Fachada SubSistemaMétricas 23

24 Identificando Subsistemas Análise <<boundary>> SistemaMétricas enviarreportagensprojeto(reportagens) Projeto <<subsystem>> SubSistemaMétricas ISubSistemaMétricas enviarreportagensprojeto (reportagens: ConjuntoReportagens) 24

25 Mapeando Classes de Análise em Elementos de Projeto Classe de Análise SistemaMétricas Elemento de projeto SubSistemaMétricas As outras classes de análise mapeiam diretamente em classes de projeto 25

26 Contexto do subsistema Exemplo ControladorReportagemProjeto enviar resumo reportagem() <<Interface>> ISubSistemaMetricas enviarreportagensprojeto(reportagens : ConjuntoReportagens) ConjuntoReportagens FachadaSubSistemaMetricas enviarreportagensprojeto(reportagens : ConjuntoReportagens) 26

27 Passo 3. Identificar oportunidades de reuso A partir das interfaces de subsistemas ou componentes existentes analisar onde estes podem ser reutilizados Para um candidato a subsistema Procure interfaces similares (podendo requerer engenharia reversa de subsistemas existentes) Tente adaptar a interface nova às existentes, ou tornar as existentes mais gerais Substitua a interface nova por existentes Mapeie o candidato a subsistema a componentes existentes 27

28 Possíveis Oportunidades de Reuso Internas ao sistema Similaridades entre pacotes e subsistemas Externas ao sistema Componentes disponíveis no mercado Componentes de aplicações já desenvolvidas Exemplo: para implementação de mecanismos arquiteturais 28

29 Passo 4: Definir organização do sistema À medida que os elementos de projeto são identificados, a complexidade do modelo vai aumentando Para organizá-lo, os elementos devem ser agrupados em pacotes As camadas guiam essa organização 29

30 Critérios para organização do sistema em pacotes Acoplamento e Coesão Usuário Distribuição Segurança Evite dependências cíclicas 30

31 Exemplo: organização em pacotes do Timesheet timesheet FachadaTS colaboradores atividades... gui util 31

32 Exemplo: organização em pacotes do Timesheet atividades CadastroAtividades RepositorioAtividadesBD Repositorio Atividades Atividade 32

33 Passo 5. Descrever distribuição Descrever como o sistema está organizado nos seus nós físicos (sistemas distribuídos) Definir a configuração da rede Alocar processos aos nós Trabalhar na Visão de Implantação do documento da arquitetura 33

34 A Visão de Implantação Logical View Implementation View Analysts/ Designers Structure End-user Functionality Use-Case View Programmers Software management System integrators Performance Scalability Throughput Process View Deployment View System Engineering System topology Delivery,installation Communication 34

35 Por que distribuir sistema em diferentes processos? (visão de processos) Utilizar várias CPU s e/ou nós Aumentar a utilização da CPU Prover tempo de resposta mais rápido Priorizar atividades Melhorar disponibilidade Suportar sistemas de grande porte 35

36 Motivação para distribuir sistema em diferentes máquinas Reduzir carga de processador Requisitos especiais de processamento Escalabilidade Economia Prover acesso distribuído ao sistema 36

37 Padrões de Distribuição Cliente-servidor 3 camadas Cliente gordo (Fat Client) Servidor gordo (Fat Server) Cliente-servidor Distribuído Ponto a ponto 37

38 38

39 Ponto a ponto Apresentação Negócio Dados Apresentação Negócio Dados 39

40 Cliente gordo Apresentação Negócio Dados 40

41 41

42 Cliente-servidor 3 camadas Apresentação Negócio Dados 42

43 43

44 44

45 Arquitetura Web Tradicional Navegador Web Apresentação Negócio Dados 45

46 46

47 47

48 48

49 49

50 50

51 51

52 52

53 Diagrama de implantação: Elementos Nó recurso computacional físico pode ser de dois tipos processador dispositivo <<Node>> Node # 1 <<Processor>> Processor # 1 <<Device>> Device # 1 53

54 Diagrama de implantação: Elementos Conexão entre nós identificar mecanismo de comunicação (tecnologia utilizada) meio físico utilizado protocolo de software <<Processor>> Processor # 1 Connection <<Device>> Device # 1 54

55 Tipos de processadores Máquinas dos usuários finais Terminais burros Máquinas servidoras Processadores especializados Máquinas com configuração especial desenvolvimento testes 55

56 Exemplo: configuração de rede do Timesheet PC Colaborador PC Colaborador Rede Interna Rede Interna Servidor TimeSheet Rede Interna Cadastro de Colaboradores 56

57 Alocar processos a nós De acordo com a configuração da rede, os processos do sistema devem ser alocados levando em consideração: Capacidade do nó Largura de banda do meio de comunicação Disponibilidade de hardware e links de comunicação Requisitos de redundância e tolerância a falhas Requisitos de tempo de resposta 57

58 Definir mecanismo de distribuição O mecanismo de implementação para distribuição também deve ser escolhido Exemplo: Para RMI foi escolhido Java 1.2 da Sun 58

59 Revisão: Passos realizados nesta atividade 1. Identificar e documentar mecanismos de projeto e de implementação 2. Mapear classes de análise em elementos (classes e subsistemas) de projeto 3. Identificar oportunidades de reuso 4. Definir organização do sistema 5. Descrever distribuição 59

60 Exercício: Dado: O documento de requisitos As classes de análise e seus relacionamentos Identificar: subsistemas e suas interfaces classes de projeto Produzir: Tabela mapeando as classes de análise nos elementos de projeto Para cada subsistema Diagrama de classes com contexto do subsistema 60

61 Exercício: Dado: A tabela de mapeamento das classes de análise nos elementos de projeto Os relacionamentos entre as classes e subsistemas Definir: Os pacotes da aplicação e os elementos que devem estar presentes em cada pacote 61

62 Exercício: Dado: documento de requisitos modelo de projeto Produzir: principais processos do sistema configuração da rede (nós e suas conexões) distribuição dos processos entre os nós 62

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Programação com Acesso a Banco de Dados

Programação com Acesso a Banco de Dados Campus Ipanguaçu Curso: Técnico em Informática Programação com Acesso a Banco de Dados AULA 17 ACESSO A BANCO DE DADOS COM JDBC PROF.: CLAYTON M. COSTA 2 011.2 Introdução Aplicação + Banco de Dados: Funcionalidade

Leia mais

Diagrama de Estrutura Composta

Diagrama de Estrutura Composta Diagramas da UML Diagrama de Estrutura Composta Diagrama de Casos de Uso Indicação: Análise de Requisitos Permite descobrir os requisitos funcionais do sistema Fornece uma descrição clara e consistente

Leia mais

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063)

Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Programação Orientada a Objetos (DPADF 0063) Aula 9 JDBC (Java Database Connectivity) Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Integrando Java com Banco de Dados

Integrando Java com Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar os conceitos básicos da especificação de Java

Leia mais

Java & Bancos de Dados Adaptado de Slides da Universidade Salgado de Oliveira Goiânia

Java & Bancos de Dados Adaptado de Slides da Universidade Salgado de Oliveira Goiânia Java & Bancos de Dados Adaptado de Slides da Universidade Salgado de Oliveira Goiânia Sistemas de Informação Ling.Prog.V Prof. Roberto Couto Lima Fonte: Curso Java Prof. Fabricio Leonard Leopoldino (Universo)

Leia mais

Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity

Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Especialização em Engenharia de Software Programação Orientada a Objetos JDBC Java Database Connectivity Sérgio Soares scbs@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar os conceitos básicos da especificação de Java

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados Aula 1 Acesso a Banco de Dados. Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br

Laboratório de Banco de Dados Aula 1 Acesso a Banco de Dados. Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br Laboratório de Banco de Dados Aula 1 Acesso a Banco de Dados Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br Introdução O JDBC (Java Database Connectivity) foi criado com o intuito de fornecer aos programadores

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.

DSS 08/09. Camada de Dados - JDBC. Aula 1. António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho. Universidade do Minho Departamento de Informática Camada de Dados - JDBC Aula 1 António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jfc}@di.uminho.pt 2 Camada de Dados A camada

Leia mais

Documento de Projeto de Sistema

Documento de Projeto de Sistema Documento de Projeto de Sistema 1 IFES / Serra Projeto: Gerenciador de Pelada - Oasis Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 0.1 Eduardo Rigamonte, Geann Valfré, João Paulo Miranda,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

TechProf Documento de Arquitetura

TechProf Documento de Arquitetura TechProf Projeto SuporteProf Versão 1.0 15 de junho de 2016 Responsáveis: Adelson Santos de Melo Filho, Edvaldo Nicolau da Silva, Moisés Luis da Silva Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA

OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA OBJETOS DISTRIBUÍDOS E INVOCAÇÃO REMOTA SUMÁRIO Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Eventos e Notificações 1.INTRODUÇÃO Middleware oferece: Transparência de localização Independência de protocolos

Leia mais

Aula 1 Acesso a Banco de Dados

Aula 1 Acesso a Banco de Dados Laboratório de Banco de Dados Aula 1 Acesso a Banco de Dados Prof. Josenildo Silva jcsilva@ifma.edu.br Introdução O JDBC (Java Database Connectivity) foi criado com o intuito de fornecer aos programadores

Leia mais

DSS 09/10. DSS 09/10 Que métodos é que fazem parte de cada camada? Aplicações Multi-camada JDBC. Aula 3 DSS 09/10

DSS 09/10. DSS 09/10 Que métodos é que fazem parte de cada camada? Aplicações Multi-camada JDBC. Aula 3 DSS 09/10 Universidade do Minho Departamento de Informática Aplicações Multi-camada JDBC Aula 3 António Nestor Ribeiro /António Ramires Fernandes/ José Creissac Campos {anr,arf,jose.campos@di.uminho.pt 2 Programação

Leia mais

Manipulação de Banco de Dados com Java. Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015

Manipulação de Banco de Dados com Java. Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015 Manipulação de Banco de Dados com Java Ms. Bruno Crestani Calegaro (bruno.calegaro@ifsc.edu.br) Maio/ 2015 Acesso a um SGBD Em sistemas mais simples o uso de arquivos pode ser usado mas para aplicações

Leia mais

Padrão Arquitetura em Camadas

Padrão Arquitetura em Camadas Padrão Arquitetura em Camadas Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Definição Estimula a organização

Leia mais

Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC)

Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC) Acesso a Bancos de Dados em Java (JDBC) Jomi Fred Hübner Universidade Regional de Blumenau Departamento de Sistemas e Computação Roteiro Introdução Objetivo da JDBC Vantagens Visão geral do acesso a SGBDs

Leia mais

Gestão de projectos na Web

Gestão de projectos na Web Gestão de projectos na Web Relatório de desenho de alto nível Versão 1.0, 5 de Maio de 2003 Telmo Pedro Gomes Amaral (mee02013@fe.up.pt) (Grupo 15) Aplicações na Web Mestrado em Engenharia Electrotécnica

Leia mais

Linguagem de Modelagem Unificada

Linguagem de Modelagem Unificada Linguagem de Modelagem Unificada A UML é uma linguagem para visualização especificação construção documentação de artefatos de um sistema com uma componente intensiva de software (software intensive system)

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação

Unified Modeling Language. Diagramas de Implementação Unified Modeling Language Diagramas de Implementação José Correia, Junho 2006 (http://paginas.ispgaya.pt/~jcorreia/) Diagramas de implementação José Correia UML Diagramas de Implementação 2 Diagramas de

Leia mais

Projeto Orientado a Objetos

Projeto Orientado a Objetos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Projeto Orientado a Objetos Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Computação

Tópicos em Engenharia de Computação Tópicos em Engenharia de Computação Introdução / Revisão UML e POO (JAVA) Prof. Ivan Prof. Zagari UML Linguagem Unificada. Não é metodologia, processo ou método. Versão atual 2.0 3 categorias de Diagramas

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda - Motivação e Introdução Diagrama de - - Atores - Fluxo de eventos - Relacionamentos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Diagramas de - Exemplos - Meta-modelo MOF -

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Java RMI Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br 19 de agosto

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Capítulo 3 Projeto de Arquitetura

Capítulo 3 Projeto de Arquitetura Aula 05 Projeto de Arquitetura Universidade de Mogi das Cruzes Objetivo: Apresentar os diversos tipos de Arquitetura do Sistema. Capítulo 3 Projeto de Arquitetura O projeto de arquitetura descreve hardware,

Leia mais

UML Itens Estruturais - Interface

UML Itens Estruturais - Interface Itens Estruturais - Interface Coleção de operações que especificam serviços de uma classe ou componente Descreve o comportamento visível externamente Raramente aparece sozinha. Em geral vem anexada à classe

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2011 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2015.1 Banco de Dados I Estudo dos aspectos de modelagem

Leia mais

JDBC (Fundamentos) Sang Shin Java Technology Architect Sun Microsystems, Inc. sang.shin@sun.com www.javapassion.com

JDBC (Fundamentos) Sang Shin Java Technology Architect Sun Microsystems, Inc. sang.shin@sun.com www.javapassion.com JDBC (Fundamentos) Sang Shin Java Technology Architect Sun Microsystems, Inc. sang.shin@sun.com www.javapassion.com 1 Agenda O que é JDBC? Passo a passo do uso da API JDBC DataSource & pool de Conexões

Leia mais

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. JDBC - Java Database Connectivity A,L,F,M

PadrãoIX. Módulo II JAVA. Marcio de Carvalho Victorino. JDBC - Java Database Connectivity A,L,F,M JAVA Marcio de Carvalho Victorino 1 JDBC - Java Database Connectivity 2 1 JDBC conceito JDBC é uma API (Application Program Interface) para acesso a SGBD s (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados) relacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objeto

Análise e Projeto Orientados a Objeto Análise e Projeto Orientados a Objeto com UML e Padrões Parte I Análise, Projeto, e Processo Baseado em Craig Larman 1 Aplicando UML, Padrões e APOO Objetivo Desenvolver habilidades práticas na utilização

Leia mais

Modelos de Sistemas Distribuídos. . Requerimentos de Projeto para Arquiteturas Distribuídas

Modelos de Sistemas Distribuídos. . Requerimentos de Projeto para Arquiteturas Distribuídas Modelos de Sistemas Distribuídos. Introdução. Modelos is. Requerimentos de Projeto para s Distribuídas 1 Introdução Introdução. Existem 2 conjuntos de modelos de sistemas distribuídos: -> Conjunto dos

Leia mais

Conexão com Banco de Dados

Conexão com Banco de Dados Conexão com Banco de Dados Projeto 1 A pasta Programas distribuída no início do semestre letivo acompanha a versão do MySQL Coneector/J um driver JDBC que permite aos programadores acessar bancos de dados

Leia mais

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com

Tarciane Andrade. tarcianeandrade@gmail.com Tarciane Andrade tarcianeandrade@gmail.com Contexto Análise Passando de casos de uso para diagramas de classes 2 Após a etapa de análise de requisitos, temos documentos de requisitos e os casos de uso

Leia mais

Acessando bancos de dados com o JDBC

Acessando bancos de dados com o JDBC Acessando bancos de dados com o JDBC Notas de Aula: Java Como Programar, 8/E Prof. Geraldo Braz Junior Introdução Um banco de dados é uma coleção organizada de dados. Um sistema de gerenciamento de bancos

Leia mais

Experiência na Implantação do Processo GRU no LENS/COPPE/UFRJ

Experiência na Implantação do Processo GRU no LENS/COPPE/UFRJ Experiência na Implantação do Processo GRU no LENS/COPPE/UFRJ Reinaldo C. Silva Filho, Anne Elise Katsurayama, Gleison Santos, Leonardo Murta, Ana Regina Rocha. cabral@cos.ufrj.br Roteiro Motivação para

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Banco de Dados. Banco de Dados. Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com. Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010

Banco de Dados. Banco de Dados. Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com. Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010 Alcides Pamplona Linguagem de Programação CESBD 2010 Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com Tópicos API JDBC Utilizando JDBC Statement PreparedStatement Mapeamento Objeto-Relacional 2 API JDBC 3 API

Leia mais

4 Arquitetura do middleware

4 Arquitetura do middleware 4 Arquitetura do middleware Ao utilizar um modelo de componentes orientado a serviços, o middleware Kaluana divide o processo de desenvolvimento de aplicações em duas etapas: a primeira é o desenvolvimento

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software

3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software 3. Fase de Planejamento dos Ciclos de Construção do Software A tarefa de planejar os ciclos de construção do software pode partir de diretrizes básicas. Estas diretrizes visam orientar que os ciclos de

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 6 EJB Enterprise Java

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Banco de Dados Conceito de Arquitetura

Banco de Dados Conceito de Arquitetura Banco de Dados Conceito de Arquitetura Wireless-Optical Broadband Acess Network APRESENTAÇÃO Graduado SI Engenharia de Software Gerenciamento de Projetos Mecatrônica Mestrando CONCEITO DE BD MODELO DE

Leia mais

Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais

Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais Sistema de Proteção para Servidores de Jogos Online Contra Softwares Clientes Não Oficiais Thiago Alexandre Gesser Orientador Paulo Fernando da Silva Roteiro Introdução Fundamentação Teórica Desenvolvimento

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Projeto da Certificação SCEA 5 Um estudo de caso de um projeto fictício para obter a certificação de arquiteto Java EE

Projeto da Certificação SCEA 5 Um estudo de caso de um projeto fictício para obter a certificação de arquiteto Java EE c a p a Projeto da Certificação SCEA 5 Um estudo de caso de um projeto fictício para obter a certificação de arquiteto Java EE Márcio Varchavsky (marciovar@gmail.com): engenheiro de Computação formado

Leia mais

Ano IV - Número 19. Versões 5.0.1 e 5.1

Ano IV - Número 19. Versões 5.0.1 e 5.1 Versões 5.0.1 e 5.1 Quarta-feira, 07 de janeiro de 2009 ÍNDICE 3 EDITORIAL 4 VERSÃO 5.1 4 Dashboard 5 Plano de Comunicação 6 Configurações Pessoais 6 Priorização de Demandas 7 Agendamento de Demandas 8

Leia mais

JDBC. Java DataBase Connectivity

JDBC. Java DataBase Connectivity JDBC Java DataBase Connectivity JDBC??? Uma API que permite o acesso a virtualmente qualquer fonte de dado tabular a partir de um programa escrito em Java O que é uma uma fonte de dados tabular? acesso

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 3 Introdução à Arquitetura de Software (continuação)

Leia mais

2 Modelos de Implementação

2 Modelos de Implementação 2 Modelos de Implementação Os modelos de concorrência definem como uma aplicação atende às requisições concorrentes. Os modelos de sandboxes definem como o ambiente das aplicações são criados. Os modelos

Leia mais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais

Itens estruturais/caso de uso. Itens estruturais/classe ativa. Itens estruturais/componente. Itens estruturais/artefatos. Itens comportamentais Objetivos da UML Introdução a UML cbraga@ic.uff.br Uma linguagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar... e analisar. Desenvolvimento dirigido a modelos 2 Construções básicas Organizadas em

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO

1. Descrição dos Serviços de Implantação da SOLUÇÃO Este documento descreve os serviços que devem ser realizados para a Implantação da Solução de CRM (Customer Relationship Management), doravante chamada SOLUÇÃO, nos ambientes computacionais de testes,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos I Prof. MSc. Hugo Souza Como já vimos, os sistemas distribuídos são apresentados considerando um planejamento bem mais complexo relacionado aos

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza

Sistemas Distribuídos Processos I. Prof. MSc. Hugo Souza Sistemas Distribuídos Processos I Prof. MSc. Hugo Souza Até agora vimos a organização como um todo dos SDS, com o mapeamento estrutural e suas devidas características descritas em elementos, regras, conceitos,

Leia mais