Gestão de Conhecimento e Gestão de Projetos: uma perspectiva crítica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Conhecimento e Gestão de Projetos: uma perspectiva crítica"

Transcrição

1 Cultura, Mudança e Aprendizagem Organizacional Profesora Dra. Maria Andrea Fernandez Gestão de Conhecimento e Gestão de Projetos: uma perspectiva crítica Aluno: Mário Luis Sampaio Pereira 1

2 O ambiente geral prevalecente para as organizações, particularmente nas últimas décadas, é o de transição ininterrupta, de mudanças constantes e de redução crescente da previsibilidade. Segundo Valle (2007), a evolução que culminou nesta condição contemporânea pode ser dividida em quatro eras subseqüentes: a da caça e colheita, cujo foco eram os recursos naturais para a sobrevivência imediata disponíveis nos arredores; a da agricultura, que ampliou os limites geográficos da ocupação humana através do plantio e das colheitas em maior volume; a industrial, da produção seriada de bens de consumo com base no uso intensivo da mão-de-obra e dos recursos financeiros; e a da informação, baseada nas habilidades mentais que superam as físicas como fator crítico de sucesso individual e coletivo. Tais características são inerentes ao que Drucker definiu como sociedade do conhecimento, e cujo principal agente é o knowledge worker, responsável por adicionar valor aos produtos e serviços a partir da aplicação daquilo que Perez Lindo (2005) define como capital operativo 1, ativo que, aliás, pertence ao profissional do conhecimento independentemente do vínculo empregatício. Ainda segundo Drucker, sua motivação central compreende o desafio da inovação, a busca intencional por mudanças e suas respectivas oportunidades; enquanto que sua demanda-chave é por maior autonomia, ansiando reconhecimento e recompensas proporcionais à adição de valor organizacional gerada por seu trabalho. Em função desta percepção da importância do conhecimento, as organizações desenvolvem esforços deliberados para gerir seu capital intelectual, que, conforme Perez Lindo (2005), corresponde à combinação de ativos imateriais que permitem uma organização funcionar: conhecimento, informação, propriedade intelectual e experiência; e é formado pelo capital humano (conhecimento emocional e operativo), pelo capital estrutural (capital organizacional e tecnológico) e pelo capital relacional (agentes externos e internos). Por conseguinte, a gestão do conhecimento, ou a arte de criar valor a partir dos ativos intangíveis (SVEIBY, 1997) assume relevância ímpar - afinal, segundo Davenport & Prusak (1999), as únicas vantagens competitivas que uma empresa tem são o que ela coletivamente sabe, a eficiência com que usa este ativo, e a prontidão com que adquire e utiliza novos conhecimentos. Um dos principais marcos do estudo epistemológico da gestão do conhecimento organizacional é a abordagem de Michel Polanyi (in HELLER, p.54), na década de 60, baseada nas definições de que 1) o conhecimento autêntico não é explicável por 1 Refere-se às atitudes dos recursos humanos, capacidades inerentes aos indivíduos e o que põem a serviço da organização: habilidade, formação técnica, experiência, capacidade para trabalhar em grupo (PEREZ LINDO, 2005). 2

3 um conjunto de regras articuladas ou de algoritmos; 2) o conhecimento é público, mas também é pessoal; e 3) todo conhecimento é tácito ou está enraizado no tácito, ou seja, não é formalmente expresso. Para o autor, há duas dimensões-chave de conhecimento: o focal, sobre o objeto ou fenômeno observado; e o tácito, utilizado como instrumento ou ferramenta para melhorar a interpretação do observado - e três mecanismos sociais tácitos prevalecem na transferência deste conhecimento: a imitação, a identificação e a aprendizagem pela prática. Já para Nonaka & Takeuchi (1997), as dimensões de conhecimento tácito (não passível de registro completo formal, subjetivo, da experiência) e explícito (passível de registro completo formal, objetivo, teórico) são, antes de mais nada, entidades mutuamente complementares, e não totalmente separadas. Segundo os autores, o conhecimento humano é criado e expandido através da interação social entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito, num processo contínuo de conversão na forma de espiral acionada pelas combinações possíveis entre ambas as dimensões: Tácito a tácito (socialização): criação de conhecimento tácito, como modelos mentais ou habilidades técnicas, a partir do compartilhamento de experiências liga-se às teorias dos processos de grupo e da cultura organizacional. Explícito a explícito (combinação): criação de conhecimento explícito a partir da sistematização de conceitos suportada por documentos, reuniões, conversas ao telefone ou redes de comunicação digital tem suas raízes no processamento das informações. Tácito a explícito (externalização): conversão do conhecimento tácito em conceitos explícitos tangíveis e sua integração à cultura da organização através de metáforas, analogias, conceitos, hipóteses ou modelos - é a atividade essencial na criação do conhecimento. Explícito a tácito (internalização): processo de incorporação de conhecimento explícito ao conhecimento tácito, intimamente relacionada ao aprender fazendo, (aprendizagem organizacional) quando são internalizadas nas bases do conhecimento tácito dos indivíduos sob a forma de modelos mentais ou know-how técnico compartilhado, as experiências através da socialização, externalização e combinação tornam-se ativos valiosos. Vale ressaltar também que os autores apresentam distinções importantes entre empresas ocidentais e japonesas: nas primeiras, a criação de conhecimento é uma atividade normalmente orientada a objetivos, analisando 3

4 conjunto de dados mais ou menos estáticos e realizando-se em torno de um trabalho que tende a ser estático: o projeto, que segundo uma definição clássica, é um empreendimento temporário, com o objetivo de gerar um resultado, produto ou serviço singular (PMI, 2004). Já no Japão, a criação do conhecimento se dá em torno de técnicas dinâmicas, que alimentam a evolução do que tem relevância para o conhecimento, a partir das dimensões epistemiológica (orientada ao conhecimento); ontológica (como uma extensão da organização) e do próprio tempo/duração. Ainda em relação aos esforços de gestão do conhecimento, uma perspectiva evolucionária, segundo Valhondo (2002), indica que até o final dos anos 70, o esforço era para explicar a criação, difusão e uso do conhecimento dentro das organizações (Everett, Rogers e Stanford); em meados da década de 80, já era clara a importância do conhecimento como um recurso competitivo, embora a maioria das empresas não tivesse desenvolvido estratégias de como usar o conhecimento, nem como gerenciá-lo. Nesta fase, surgiram os sistemas eletrônicos de gestão do conhecimento, acompanhados de conceitos como aquisição de conhecimento, engenharia de conhecimento e sistemas baseados em conhecimento. Já no começo dos anos 90 as principais consultorias americanas, européias e japonesas usavam programas de gestão do conhecimento que, de 1991 em diante, converteu-se em termo empresarial. Ainda no início desta mesma década, graças à popularização do processamento eletrônico de dados através da microinformática e da viabilização do compartilhamento instantâneo de informações em escala global através da Internet, as iniciativas de gestão do conhecimento se disseminaram e se transformaram num importante ramo de negócios para consultorias internacionais como Accenture, Booz-Allen & Hamilton, Cap Gemini Ernst & Young e KPMG. É nesta período, também, que a gestão do conhecimento inaugura sua associação com abordagens estruturadas como benchmarking, gerenciamento de riscos, de mudanças e de projetos. A convergência / interseção entre a gestão do conhecimento e tais técnicas e ferramentas de administração, em particular o gerenciamento de projetos (a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas em atividades de projetos a fim de satisfazer os requisitos do empreendimento), tem impactado a modelagem e o funcionamento dos arranjos organizacionais, ou capital estrutural. Para fins de planejamento e controle desta força de trabalho das organizações, é possível dividi-la entre rotinas operacionais (suporte ao cotidiano do negócio) e projetos que são, por excelência, vetores da inovação ou adaptação 4

5 de portfólio de produtos e serviços. A tabela (Tab.1) a seguir resume as semelhanças e diferenças entre estes dois componentes-chave: Tabela 1 Trabalho nas empresas Fonte: adaptado de PMI (2004) e Valle (2007) Finalmente, com base nesta divisão de trabalho, e no foco e relevância conferidos a cada um dos componentes (rotinas e projetos), as organizações, segundo Prado (2004), podem ser genericamente classificadas em três dimensões: orientadas para rotina; orientadas para projetos e híbridas. A tabela (Tab.2) a seguir descreve cada uma delas: Tabela 2 Classificação genérica das organizações com base na orientação para rotinas e projetos Fonte: adaptado de Prado (2004) Tendo como referência o panorama central descrito anteriormente, é possível estabelecer uma correlação entre a estruturação do capital intelectual, segundo Perez Lindo (2005); o 5

6 balanceamento dos esforços de rotinas e projetos nas organizações; e a definição empírica de organização, representada na figura (Fig.1) abaixo, seguida das respectivas definições: Definición empírica de organización CULTURA ESTRATEGIA ESTRUCTURA SISTEMAS PROCEDIMIENTOS P R O J E T O S TAREAS OPERACIONES Figura 1 Definição Empírica de Organização - Fonte : Adaptado de Fernandez (2009, slide #7) Cultura: El grupo de normas o maneras de comportamiento que un grupo de perosnas han desarrollado a lo largo de los años - John Kotter Estratégia: creación de una posición única y valiosa que comprende un conjunto distinto de actividades - Michael Porter (2003) Estructura: la suma total de las formas en que su trabajo es dividido entre distintas tareas y luego es lograda su coordinación entre estas tareas - Henry Mintzberg (1998) Sistemas: conjunto integrado de Procedimientos: secuencia de tareas Tareas: trabajos que se ejecutan en un procedimientos que prescriben tareas y que que se realizan generalmente con la puesto de trabajo dentro de un incluyen información y decisión que a través participación de varias personas en una procedimiento determinado - del procesamiento de los elementos que o más oficinas, establecida para Volpentesta (2004) surgen de la realización de las tareas organizacionales, produce la información asegurar el manejo uniforme de las transacciones repetitivas - Lardent Operaciones: trabajos individuales necesaria para todos los niveles de la (2006) completos en si mismos que en organización y además provee archivos y conjunto integran una tarea - registros necesarios para generar esa Volpentesta (2004) información - Lardent (2006) Tabela 3 Definição Empírica de Organização - Fonte : Adaptado de Fernandez (2009, slide #7) 6

7 A articulação entre estes elementos suscita algumas indagações: o como os projetos podem apoiar a sistematização do conhecimento ao longo das vertentes cultura + estratégia -> estrutura -> sistemas -> procedimentos -> tarefas -> operações (correspondentes e às rotinas )?; o como o aparato de automação e informatização ; e de gestão e controle da informação pode prover suporte efetivo à gestão do capital intelectual? o como o capital humano pode ser registrado e disseminado? os knowledge workers também poderão prosperar nas organizações orientadas a rotinas? Os trabalhadores industriais nas organizações híbridas representam uma espécie de knowledge worker de 2ª.classe? A abordagem de gestão por projetos, quando uma organização visualiza suas principais demandas como projetos a serem executados e responde a essas demandas se organizando por projetos (VALLE, 2007), combinada com as perspectivas de gerenciamento de programas 2 e de portifólio 3, preconizadas pelo PMI, pode prover alguma orientação preliminar ao desafio de combinar as vertentes de rotinas e projetos nas organizações. A adição da visão da estratégia organizacional a este conjunto, através de um processo sistemático e deliberado de planejamento e revisão, pode ampliar este panorama, conectá-lo ao capital relacional 4 e integrar melhor os diversos stakeholders, conferindo-lhes, adicionalmente às suas atividades tradicionais, responsabilidades típicas de knowledge workers cabe reforçar, especialmente em relação ao trabalhador industrial, que rotinas também demandam intensamente a criação e o aprimoramento do conhecimento que as suporta, num esforço típico de inovação, geração e re-uso do conhecimento passíveis, tanto quanto novos produtos, de serem concebidas e geridas como projetos. O dinamismo inerente à interação entre as vertentes de conhecimento das rotinas e dos projetos deve estimular a evolução e a expansão da espiral do conhecimento, aumentando sua complexidade e riqueza de contexto para, então, dar lugar a uma fonte de novo conhecimento para a empresa, também ela submetida ao ciclo 2 É um grupo de projetos relacionados, coordenados de forma a obter beneficios e controles difíceis de obter se fossem gerenciados individualmente. Podem incluir elementos, tais como rotinas operacionais, que não pertencem ao escopo de nenhum dos projetos (PMI, 2006). 3 É o conjunto de projetos, programas e demais elementos, tais como rotinas operacionais, agrupados para facilitar o gerenciamente e atingir objetivos estratégicos (PMI, 2006). 4 Refere-se ao valor que tem para uma organização o conjunto de relações que mantém com o exterior e que podem ter influência em sua gestão competitiva (concorrentes, clientes, fornecedores, administração pública, organismos nacionais e internacionais). (PEREZ LINDO, 2005). 7

8 evolutivo da espiral. combinação: A figura (Fig.2) a seguir representa a visão esquemática desta Figura 2-Gestão por Projetos Fonte: Adaptado de PMI (2006) Este modelo pode conferir ao capital estrutural um desenho mais orientado à inovação contínua e à articulação com o capital relacional, bem como facilitar, a princípio, os esforços de combinação e externalização do conhecimento. Para este intuito, recursos de informatização e automatização adequados (que também podem facilitar a internalização do conhecimento) devem estar disponíveis, com algumas características e funcionalidades tais como interfaces intuitivas e mecanismos de registro simples; acessibilidade ( anywhere / anytime ) e disponibilidade; convergência de mídias, de sorte a permitir registro prático de filmes e fotos, além de gravações de voz e transcrições documentais tradicionais, cuja pesquisa e recuperação seja suportada por ferramentas como data mining, sistemas inteligentes apoiados em padrões, clustering, indexação automática, etc. Para o suporte à comunicação também devem ser consideradas as ferramentas de videoconferência a fim de mitigar o impacto da distância geográfica no contato face a face segundo Davenport & Prusak (1999), estudos demonstram que os gerentes adquirem dois 8

9 terços de sua informação e conhecimento em reuniões face a face ou em conversas telefônicas. Apenas um terço provém de documentos 5. Em relação à questão crucial do capital humano, base da geração do capital estrutural e do capital relacional, segundo Perez Lindo (2005), deve-se ressaltar que, longe de serem simples ou imediatos, os esforços deliberados no tratamento deste componente devem estar comprometidas com sua incorporação no circuito de ampliação da relevância, abrangência, compartilhamento e disseminação do capital intelectual. Nesta direção, ganha destaque a abordagem sistêmica de Senge (2005), responsável por levar à gestão do conhecimento o conceito de Learning Organization, organizações cujos empregados são incentivados e incentivam a desenvolver sistematicamente a capacidade de criar os resultados que realmente desejam a partir de novas formas de pensar o modelo mental da empresa como um projeto comum, viabilizado pelo aprendizado, desaprendizado e reaprendizado contínuos, nos planos individual e coletivo, e a sua tradução para a prática. O tripé motivacional dos knowledge workers também é considerado na sistematização proposta por Senge (2005): autonomia com responsabilidade, em um modelo de relações democráticas; desafio da antecipação ao mercado (cuja definição é compatível com a noção de capital relacional de Perez Lindo (2005); e o reconhecimento através da recompensa à produtividade e à geração de conhecimento. Todo este conjunto de idéias permite reiterar a importância atribuída à geração, à apropriação, à prática e ao estímulo contínuo do aprimoramento do conhecimento em um ciclo de gestão que deve ser capaz de harmonizar a contribuição individual e a coletiva dentro de organizações constantemente confrontadas com crescentes níveis de exigência e concorrência. As demandas dos knowledge workers por mais autonomia e reconhecimento, em certa medida, correspondem à ampliação contínua da demanda por mais consciência social, ético-comportamental e ecológica, numa combinação desafiadora que forma e reconfigura constantemente ambientes internos e mercados cada vez mais interligados e com menos obstáculos à transação não só de produtos ou serviços tangíveis, mas de idéias, informações e, em última análise, do próprio conhecimento organizacional. 5 Para HELER (2007:65) a organização deve converter conhecimento tácito em explicito usando como instrumentos as entrevistas, estudos de caso, análise de protocolos, simulações, observações, dentre outros 9

10 3) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. CAVALCANTI, Marcos, GOMES, Elisabeth, PEREIRA, André, Gestão de Empresas na Sociedade do Conhecimento: Um Roteiro para a Ação, Editora Campus, CRAWFORD, Richard. Na era do capital humano. Atlas: S. Paulo, DAVENPORT, Thomas e PRUSAK, Laurence. Conhecimento Empresarial. Editora Campus. Rio de Janeiro, FERNÁNDEZ, María Andrea Cultura, Cambio y Aprendizaje Organizacional, Rosário: UNR, 2009 (material da disciplina). 5. GROSSO, Fernando. La Gestión del Conocimiento en la empresa Necesidades competitivas de una dirección centrada en valores, APUD PÉREZ LINDO, A, et al, Gestión del conocimiento. Un nuevo enfoque aplicable a las organizaciones y la universidad. Bs. As., Norma, p , HELER, Mario. Ciencia Incierta La Producción Social del Conocimiento. Editorial Biblos. Buenos Aires, Metodología de las Ciencias Sociales: Una introducción crítica. Rosário: UNR, 2007 (apostila da disciplina Epistemologia Y Conocimiento em Administracion). 8. NONAKA, Ikujiro, TAKEUCHI, Hirotaka, Criação de Conhecimento na Empresa, Editora Campus, PÉREZ LINDO, Augusto. Gestión del Conocimiento. Un Nuevo enfoque aplicable a las Organizaciones y la Universidad. Editorial Grupo Norma. Buenos Aires, PMI, Project Management Institute (Editor). Um Guia do Conjunto de Conhecimentos do Gerenciamento de Projetos Tradução oficial para o português do PMBOK (Project Management Body of Knowledge) Guide PMI, The Standard for Portfolio Management. Pennsylvania: PMI, The Standard for Program Management. Pennsylvania: PMI, PRADO, Darci, Gerenciamento de Portfólios, Programas e Projetos nas Organizações, INDG,

11 14. SAIANI, Cláudio, O Valor do Conhecimento Tácito - A Epistemologia de Michael Polanyi na Escola, Editora Escrituras, SENGE, Peter, A Quinta Disciplina - Arte e Prática da Organização que Aprende, Editora Best Seller, SENGE, P; Scharmer, C.O; Jaworski,J; Flowers, B (2005) Presence : An exploration of profound change in people, organizations and society EEUU: SOL Doubleday 17. SVEIBY, Karl Erik, The New Organizational Wealth: Managing and Measuring Knowledge-Based Assets, Hardcover, TERRA, J. Gestão do Conhecimento: Aspectos Conceituais e Estudo Exploratório sobre as Práticas de Empresas Brasileiras. Tese de Doutorado. Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. São Paulo, VALLE, André Bittencourt et al. Fundamentos do Gerenciamento do Projeto. Publicações FGV Management, Rio de Janeiro, VALHONDO, Domingo. Gestión del Conocimiento. Del mito a la Realidad. Ediciones Díaz de Santos. Madrid,

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas

Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Anderson Yanzer Núcleo SBGC ULBRA Canoas Hirotaka Takeuchi: professor e reitor da Universidade de Hitotsubashi. Já lecionou em Harvard. Ikujiro Nonaka: professor na Universidade de Hitotsubashi. Autor

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi

Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Teoria da Criação do Conhecimento Organizacional Nonaka e Takeuchi Cristiane Souto Frota (TBG/PETROBRAS) cristiane@tbg.com.br Engenheira mecânica, Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos(SEGRAC/UFRJ)

Leia mais

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento.

A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. A empresa enquanto inteligência coletiva: O desafio de gerir o conhecimento. Carolina de Fátima Marques Maia Jaime Pires Galvão Neto Resumo A tecnologia apresenta uma alta velocidade em suas mudanças e

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais.

Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Considerações analíticas das relações entre gestão do conhecimento, inovações tecnológicas e organizacionais. Nivalde J. Castro e Fernando L. Goldman Furnas Centrais Elétricas S.A. Palavras chave: conhecimento,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004

OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL. Arthur Hyppólito de Moura - 2004 OS ATIVOS INTANGÍVEIS E O CAPITAL INTELECTUAL - 2004 Sumário Mudanças na Sociedade Industrial - fatores e tendências Novos caminhos da organização Elementos críticos do diferencial competetitivo Os recursos

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012

Gestão do Conhecimento na área jurídica. Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Gestão do Conhecimento na área jurídica Cátia Martins Jorge Murata 31/03/2012 Ciclo de Palestras Parceria: E Ciclo de Palestras Programação 2012 28/04/2012 - Entendendo a linguagem jurídica - Andréia Gonçalves

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Ementa da Disciplina Fundamentos da teoria

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Carlos Cesar Cavalcante Dias (UNIP/UNIFIEO) carlos.cesar@unifieo.br Dra. Irenilza

Leia mais

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software

A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software A gestão do conhecimento no apoio à gestão de requisitos em software Maria Angela Coser (CEFETES) macoser@cefetes.br Helio Gomes de Carvalho (UTFPr) helio@cefetpr.br João Luiz Kovaleski (UTFPr) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Pós-Graduação Gestão Estratégica de Empresas e Negócios Gestão do Conhecimento Trabalho desenvolvido pelos alunos da turma GEEN 0535, do curso de Gestão Estratégica de Empresas e Negócios, para a disciplina

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia

Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Da Gestão da Informação àinovação Organizacional nos modernos ambientes de Engenharia Jackson Pollock Obs. : Os pontos de vista aqui apresentados são exclusivamente do autor e não representam necessariamente

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva

Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Titulo A gestão do conhecimento organizacional e sua relação com a vantagem competitiva Autor Icléia Silva y Rejane Spitz Introdução Uma das ações mais relevantes da administração estratégica é a visão

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC

Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Anderson Yanzer Aspectos da engenharia de software que influenciam em uma estratégia de GC Dimensões da GC Como pensar GC no processo de desenvolvimento de SW Conhecimento Tácito x Explícito Ágil x Tradicional

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Universidade de Brasília Faculdade d de Ciência i da Informação Prof a Lillian Alvares ESPIRAL DO CONHECIMENTO: NONAKA E TAKEUCHI, 1997 Obra referencial cujos objetivos são: Construir

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL

WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL WIKI COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO NA BIBLIOTECA AMADEU AMARAL Graduanda: Juliana Camargo Souza Macedo Orientadora: Iris Abdallah Motivos para escolha do tema: A disciplina

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento José Barrozo de Souza (CEFETES) jbarrozo@terra.com.br Rui Francisco Martins Marçal (UTFPR) marcal@pg.cefetpr.br

Leia mais

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA

Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília CONHECIMENTO E ECONOMIA Divisão do Conhecimento Ciências Econômicas, Friedrich Hayek (1945) Para ele, como pode a combinação

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS

MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS MODELO DE GESTÃO DE PROJETOS PARA CONSTRUÇÃO DE SUBMARINOS Sumário Introdução Projeto e gerenciamento de projetos Contexto do gerenciamento de projetos Processos do gerenciamento de projetos Áreas de conhecimento

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 31 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO -

Leia mais

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira?

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? 1 Objetivos do Módulo Situar a GC no contexto das iniciativas de Eficiência, Qualidade e Efetividade Social na Administração Pública Brasileira

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim Ambientes e fluxos de informação: transversalidades Profa. Dra. Marta Valentim Brasília / Brasil 2013 Introdução As transformações políticas, econômicas, tecnológicas, sociais e culturais, tem impactado

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Carlos Magno da Silva Xavier

Carlos Magno da Silva Xavier Carlos Magno da Silva Xavier Metodologia de Gerenciamento de Projetos Qual a melhor para a sua Organização? magno@beware.com.br O QUE ESSES EVENTOS TÊM EM COMUM? Agenda Introdução Padrões Metodologias

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA Maria de Fátima Soares Ribeiro Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Gestão Empresarial para a Indústria Química GETIQ pela Escola de Química da

Leia mais

Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica

Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica Roberto Rego Vieira da Rocha (UFRGS) roberto.rocha@roche.com Paulo Fernando

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PROPOSTA DE CONFIGURAÇÃO PARA ELEMENTOS DE UMA ARQUITETURA ORGANIZACIONAL PARA GESTÃO NA ERA DO CONHECIMENTO

PROPOSTA DE CONFIGURAÇÃO PARA ELEMENTOS DE UMA ARQUITETURA ORGANIZACIONAL PARA GESTÃO NA ERA DO CONHECIMENTO PROPOSTA DE CONFIGURAÇÃO PARA ELEMENTOS DE UMA ARQUITETURA ORGANIZACIONAL PARA GESTÃO NA ERA DO CONHECIMENTO Fábio Câmara Araújo de Carvalho, M. Eng. Escola Superior de Propaganda e Marketing ESPM fbcamara@uol.com.br

Leia mais

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 1 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 2 CENÁRIO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br

Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br GESTÃO DO CONHECIMENTO Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br 1 AGENDA METODOLOGIA PPS SOCIEDADE DO CONHECIMENTO CULTURA MODELOS DE GESTÃO PRÁTICAS 2 CONCEITUANDO GESTÃO DO

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3

Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 S u m á r i o INTRODUÇÃO XIX PARTE I - DEFINIÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS E SUA GESTÃO Capítulo 1 - Introdução à abordagem administrativa da gestão por processos 3 1.1 Sua fundamentação teórica: a teoria

Leia mais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais

Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Gestão do Conhecimento nas Instituições Educacionais Sylvia Helena Resende Simão sylviasimao@yahoo.com.br Centro Universitário UNA Belo Horizinte - MG Abstract: This article presents a methodology Make

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT

mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br TÓPICOS DE PLANEJAMENTO DE PROJETOS EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESUMO ABSTRACT Mestrando CARLOS C. MASCARENHAS - PG Mestrando ANTONIO RAMALHO DE S. CARVALHO - PG Orientadora Profa. Dra. GLADIS CAMARINI mascarenhas@jacarei.sp.gov.br ramalho@vdr.cta.br gladis@directnet.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios.

Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. Usada originalmente na área militar, esta palavra hoje é bastante usada na área de negócios. A palavra vem do grego strátegos, que significa "a arte do general". Arte militar de escolher onde, quando e

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais