APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE"

Transcrição

1 APLICATIVO DE CÁLCULO PARA DETERMINAÇÃO DE ENERGIA INCIDENTE Autores José Eduardo Chaves Costa ( ) José Nunes dos Santos Júnior ( ) Petrobras/Unidade de Negócios Sergipe e Alagoas

2 RESUMO A Norma Regulamentadora número 10 (NR10) do Ministério do Trabalho e Emprego exige que as vestimentas dos trabalhadores estejam adequadas às características da instalação elétrica, quanto à condutibilidade, influências eletromagnéticas e inflamabilidade. Esta NR também exige que as instalações tenham sinalizações de restrições de acesso, por não utilização de equipamentos de proteção adequados. Para especificação adequada destas vestimentas, é necessário determinar a energia incidente liberada por um arco elétrico durante uma falta na instalação elétrica. A norma americana IEEE 1584/2002 IEEE Guide for Performing Arc-Flash Hazard Calculations determina quais são os parâmetros para o cálculo energia incidente liberada por um arco elétrico e da distância segura de aproximação de determinada instalação sem vestimenta adequada. Com base nestas informações criamos o aplicativo calculador de estimativa de energia incidente, que facilita o cálculo da energia incidente das instalações elétricas. Este software é capaz de fazer os cálculos citados na norma IEEE 1584/2002, da corrente de arco, de energia incidente e distância segura de aproximação, fornecendo também as sinalizações para tais instalações.

3 INTRODUÇÃO OBJETIVO Apresentar e orientar quanto ao aplicativo calculador de estimativa de energia incidente, criado para facilitar os cálculos de corrente de curto circuito por arco elétrico, energia incidente liberada pela corrente de arco elétrico e distância segura de aproximação da instalação, sem vestimenta apropriada, demonstrando também o embasamento técnico utilizado para formatar as funcionalidades do aplicativo. REQUISITO LEGAL Em 7 de dezembro de 2004, com a assinatura do presidente da república,da portaria nº. 598 do ministério do trabalho e emprego, entrou em vigor a versão vigente da norma regulamentadora nº Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, que estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implantação de medidas de controle e sistemas preventivos que garantem a segurança e a saúde dos trabalhadores, que interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade. Nesta NR, é citado no item que As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, devendo contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas.. Para a observância desta lei, as vestimentas dos trabalhadores que interagem em determinado sistema elétrico devem ter a capacidade de proteger os trabalhadores dos efeitos térmicos oriundos das correntes de curtocircuito por arco elétrico. Ainda mais, no item diz que nas instalações e serviços em eletricidade deve ser adotada sinalização adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação, obedecendo ao disposto na NR-26 - sinalização de segurança, de forma a atender, dentre outras, as situações a seguir: c) Restrições e impedimentos de acesso; d) Delimitações de áreas; exigindo-se que exista sinalização de restrição e impedimento de acesso a trabalhadores que não possuam equipamentos de proteção individual adequados para aquela instalação elétrica, incluindo vestimentas contempladas no item da norma citado anteriormente. Neste mesmo sentido, é obrigatório que haja delimitação de área próximas a equipamentos elétricos, em que haja risco de queimadura causada pelos efeitos térmicos oriundos das correntes de curto-circuito por arco elétrico, solicitando que as pessoas permaneçam fora desta área, a não ser que estejam com equipamentos de proteção adequados. A norma Petrobras N-2830 Critérios de Segurança Para Ambientes e Serviços em Painéis e Equipamentos Elétricos com Potencial de Arco Elétrico retrata a especificação das vestimentas e das sinalizações que devem existir para o atendimento a NR10. Assim, o aplicativo calculador de estimativa de energia incidente tem um papel importante, pois produz informações vitais para o atendimento dos requisitos citados acima.

4 DESENVOLVIMENTO EMBASAMENTO TÉCNICO A norma americana NFPA 70E/ Standard for Electrical Safety In the Workplace, da National Fire Protection Association, no artigo 130, descreve as justificativas para trabalhos em, ou, próximos a condutores energizados, definindo quais são os requisitos para permissão de trabalhos desta natureza. Entre estes requisitos, são citados os seguintes: (3) A description of the safe work practices to be employed [110.8 (B)] - (Descrição de práticas seguras de trabalho que serão empregadas); (6) Results of the flash hazard analysis (130.3) - (Resultados de analises de perigo de arco elétrico); (7) The Flash Protection Boundary [130.3(A)] - (Determinação de Limites de proteção contra arco elétrico); (8) The necessary personal protective equipment to safely perform the assigned task [130.3(B), 130.7(C)(9), and Table 130.7(C)(9)(a)]) - (Necessário uso de equipamentos de proteção individual para execução segura de determinada tarefa). A norma americana do IEEE (The Institute of electrical and electronics Engineers inc) /2002 IEEE Guide for performing - Arc-Flash Hazard Calculations traz o método para análise do sistema e o modelo para cálculo da energia incidente, suprindo as necessidades criadas pelos itens citados acima da NFPA 70E. A IEEE-1584/2002, determina como passo inicial a coleta de dados da instalação e do sistema elétrico, que corresponde aos dados de diagramas unifilares detalhados (Número de condutores por fase, material, bitola e comprimento dos condutores dos circuitos, capacidade nominal de condução de corrente, tipo de resfriamento dos transformadores, capacidade do transformador com resfriamento natural, capacidade do transformador com resfriamento forçado, impedância do transformador (%), Tensão nominal dos enrolamentos, tipo de ligação dos enrolamentos, quantidade de derivações dos enrolamentos, variação da tensão nas derivações em relação à tensão nominal), dos dados dos estudos de curtocircuito (Impedância de seqüência zero para transformadores, impedância nominal de seqüência positiva dos cabos e transformadores, distância entre condutores, temperatura do condutor carregado, geometria do condutor e espaçamento entre condutores) e estudos de coordenação de relés. Estes dados são essenciais para determinar as características constantes na análise dos perigos do arco elétrico, como por exemplo: Corrente de curto-circuito por arco elétrico, energia incidente liberada pelo arco elétrico e distância segura de aproximação do ponto do arco elétrico. Estas características acima citadas são determinadas por meio de cálculos citados no item 5 Model for incident energy calculations (Modelo de cálculo para energia incidente) na norma IEEE 1584/2002. Este modelo de cálculo determinado na IEEE 1584/2002 é derivado de análises estatísticas de ensaios e testes que tentam reproduzir uma situação real de arco elétrico. Estes ensaios e testes foram realizados nas seguintes condições:

5 Tensão entre 208 e V trifásico; Freqüência de 50 Hz e 60 Hz; Corrente de curto circuito sólido entre 700 A e A; Aterramento de sistema sólido e isolado com e sem resistência; Arco dentro do invólucro de equipamentos e em locais abertos; Espaçamento entre condutores entre 13 mm e 152 mm; Curtos circuitos trifásicos. O cálculo para determinação da corrente de curto-circuito por arco elétrico, para aplicações em sistemas elétricos com tensão nominal menor que 1000V: Log I a = K + 0,662*Log I bf + 0,0966*V + 0,000526*G + 0,5588*V*(Log I bf ) 0,00304*G*(Log I bf ) Onde: Log Logaritmo na base 10; I a Corrente do arco elétrico (ka); K (- 0,153) para configuração aberta (sem invólucro); (- 0,097) para configuração em caixa fechada; I bf Corrente presumida de curto circuito sólido trifásico simétrico valor rms (ka); V Tensão do sistema (kv); G Distância dos condutores (mm) ver tabela I Para sistemas com tensão nominal entre 1000 V e V, deverá ser aplicado o seguinte cálculo:, sendo que I a = 10 Log Ia Log I a = 0, ,983* Log I bf O cálculo de energia incidente passa por duas equações: Energia incidente normalizada (para tempo de arco de 0,2s e distância do ponto do arco até a pessoa de 610 mm): Log En Então: E n = 10 E n K 1 Log E n = K 1 + K 2 + 1,081*(Log I a ) + 0,0011*G Onde: Energia incidente (J/cm2) para tempo de 200 ms e distância de 610 mm. (- 0,792) para configuração aberta (sem invólucro) (- 0,555) para configuração em caixa fechada

6 K 2 ( 0 ) para sistema isolado e aterrado por alta resistência (- 0,113) para sistema solidamente aterrado G É a distância dos condutores em mm (barramento) ver tabela 1 Energia incidente convertida da normalizada: E = 4,184*C f *E n *(t/0,2)*(610 x /D x ) Onde: E É a energia incidente (J/cm2); C f É o fator de cálculo; o 1,5 para tensão igual ou menor do que 1 kv; o 1,0 para tensão acima de 1 kv; E n É a energia incidente normalizada; t Tempo do arco (segundos); D Distância do ponto do arco (mm); x É o expoente de distância (ver tabela 1). Tabela 1 - Fator de distância pelo nível de tensão e tipo do equipamento Tensão do sistema (kv) Tipo do equipamento Distância típica entre condutores Fator de distância Condutores nus Disjuntor Painéis e CCM Cabos isolados 13 2 >1-5 Condutores nus Disjuntor Painéis e CCM Cabos isolados 13 2 >5-15 Condutores nus Disjuntor Painéis e CCM Cabos isolados 13 2 Existem situações onde operações com risco de arcos são realizadas por uma única pessoa, e os demais elementos da equipe de trabalho podem e devem estar afastados da zona de risco, evitando assim a exposição ao risco de queimadura. Por causa destas situações, a norma IEEE 1584 traz um modelo de cálculo para determinação da distância segura de aproximação, demonstrada abaixo: D b = [4.184*C f *E n *(t/0.2)*(610 x /E b )] 1/x Onde:

7 D B Distância de aproximação em mm; C f É o fator de cálculo; o 1,5 para tensão igual ou menor do que 1 kv; o 1,0 para tensão acima de 1 kv; E n É a energia incidente normalizada; E B Energia incidente em J/Cm 2 ; T Tempo em segundos; X Expoente de distância; Corrente de curto circuito sólido. I bf Estas equações foram utilizadas para criação do aplicativo calculador de estimativa de energia incidente. O APLICATIVO O aplicativo objeto deste trabalho, de fácil utilização, criado em ambiente de desenvolvimento Visual Studio, na plataforma C#, facilita a aquisição dos resultados dos cálculos citados na norma IEEE-1584/2002, da corrente de curto-circuito por arco elétrico, da energia incidente e da distância segura de aproximação. Abaixo mostra uma visão geral deste aplicativo: Onde:

8 1) Define a tensão em volts do sistema; 2) Define se configuração será aberta, ou seja, sem invólucro ou em caixa fechada; 3) Corrente presumida de curto circuito sólido trifásico simétrico (ka, rms); 4) Define o tipo equipamento usado definindo o expoente de distância usado; 5) É à distância dos condutores em mm (barramentos); Neste campo aparece uma tabela com os dados sugeridos pela norma IEEE 1584/2002, que indica as distâncias para cada tipo de equipamento, de acordo com o nível de tensão da instalação. 6) Define o tipo de sistema, se isolado e aterrado por alta resistência ou sistema solidamente aterrado; 7) Definido pelo campo Tensão : a) 1,5 para tensão igual ou menor do que 1kV; b) 1,0 para tensão acima de 1kV; 8) É tempo que a proteção leva para detectar, abrir e interromper o arco; 9) É distância do ponto de arco ao corpo do trabalhador, principalmente, seu tronco; 10) Expoente de distância determinado pelo tipo de equipamento selecionado; 11) Menu lateral que auxilia no cálculo da corrente de curto circuito. Este menu facilita a inserção do dado de curto-circuito trifásico, pois este menu estima o curto-circuito, considerando: um gerador de potência infinita, alimentando o transformador, trifásico, de impedância Z [%] e nenhuma impedância (cabo elétrico) entre o transformador e o ponto em curto. Ou seja, é estimado um nível de curtocircuito, no secundário de um TF, que tende a ser o máximo curto possível. O menu é demonstrado abaixo:

9 Onde: 1) Informar a potência do transformador em kva; 2) Informar a impedância do transformador. Nesse campo aparece uma tabela de valores para auxiliar o usuário. (figura da direita); 3) Botão Continuar para calcular a estimativa e voltar ao cálculo. Os botões de utilidades deste aplicativo são os seguintes: Botão Novo Limpa todo o formulário e o deixa pronto para um novo cálculo. Botão Imprimir Imprimir etiquetas de informação com os dados obtidos pelo cálculo; Neste botão imprimir, obteremos etiquetas, padronizadas na norma Petrobras N-2830, que contempla os dados obtidos nos cálculos realizados pelo aplicativo. Neste sentido, surge a necessidade de identificar o profissional habilitado e autorizado (Nome, Matrícula e Nº. do registro em conselho de classe), conforme NR-10, que será responsável pelos dados inseridos nesta etiqueta que fará parte da sinalização do equipamento elétrico em questão. Vale ressaltar que estes dados serão essenciais para a especificação dos EPIs que protegerão o trabalhador do efeito térmico causado pelo arco elétrico. Abaixo vai a figura que mostra os campos de inserção dos dados do profissional habilitado e autorizado:

10 Preenchido estes dados, será emita a etiqueta, conforme figura abaixo:

11 Pode-se observar que aparecem os dados do profissional habilitado e autorizado, de modo que tal etiqueta somente será válida com os dados deste profissional e a assinatura deste. Botão Fechar Fechar o programa; Botão Calcular Calcular os dados informados pelo usuário.

12 CONCLUSÃO Com a utilização do calculador de estimativa de energia incidente concluímos que atendemos as exigências legais e técnicas, com dados exatos e primorosos, num ambiente de fácil e rápida utilização. Esta ferramenta promove a segurança dos trabalhadores que intervirão nas instalações elétricas, pois alerta para estes trabalhadores qual a condição que os mesmos deverão atender, quanto à utilização de EPIs adequados e distância segura da instalação elétrica que esteja em intervenção, caso estejam sem EPIs. Este aplicativo cria também a possibilidade de se rastrear o criador da sinalização, de modo a exigir novos cálculos, se a instalação em questão for modificada.

13 REFERÊNCIAS LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia cientifica. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, p; NFPA 70E-2004, Electrical Safety Requirements for Employee Workplaces, National Fire Protection Association, 2004 edition; IEEE , IEEE Guide for Performing Arc-Flash Hazard Calculations, The Institute of Electrical and Electronics Engineers, Inc. Second Edition; NR10, Norma Regulamentadora Do Ministério Do Trabalho E Emprego Número 10, Portaria Nº 598, De 7 De Dezembro De 2004; PETROBRAS N2830, Critérios De Segurança Para Ambientes E Serviços Em Painéis E Equipamentos Elétricos Com Potencial De Arco Elétrico. Norma de uso exclusivo nas Instalações Petrobras.

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

Vestimenta de proteção contra queimaduras por arcos elétricos. Luiz K. Tomiyoshi

Vestimenta de proteção contra queimaduras por arcos elétricos. Luiz K. Tomiyoshi Vestimenta de proteção contra queimaduras por arcos elétricos Luiz K. Tomiyoshi Junho de 2004 1 Resumo: Apesar de todo desenvolvimento da tecnologia de detecção de arcos internos, medidas de proteção e

Leia mais

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT Um Enfoque Frente a Tecnologias e Utilização de EPI s - NR10 d f G k Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT NR 10 Risco de Arco

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Categoria Relato de Experiência

Categoria Relato de Experiência Categoria Relato de Experiência Eixo Temático Relações de Trabalho, Produção e Ambiente VESTIMENTAS PARA A PROTEÇÃO DO TRABALHADOR QUE ATUA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE Luiz Carlos de Miranda

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA QUEIMADURAS POR ARCOS ELÉTRICOS NOVA METODOLOGIA PARA CÁLCULO DE ENERGIA. Junho de 2004

PROTEÇÃO CONTRA QUEIMADURAS POR ARCOS ELÉTRICOS NOVA METODOLOGIA PARA CÁLCULO DE ENERGIA. Junho de 2004 PROTEÇÃO CONTRA QUEIMADURAS POR ARCOS ELÉTRICOS NOVA METODOLOGIA PARA CÁLCULO DE ENERGIA Junho de 2004 Luiz K. Tomiyoshi 1 Resumo Este trabalho apresenta o novo modelo matemático para cálculo da energia

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04

DECISÃO TÉCNICA DT-104/2015 R-04 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE /2015 DECISÃO TÉCNICA /2015 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R- substitui a R-03 e visa estabelecer instruções técnicas

Leia mais

CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PROFESSORA: MARA QUEIROGA CAMISASSA

CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PROFESSORA: MARA QUEIROGA CAMISASSA Olá a todos! CURSO DE EXERCÍCIOS DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Nesta aula vamos fazer exercícios sobre a NR10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 0 principal objetivo da NR10 é garantir

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil LUCIANO DINIZ MENDONÇA LIMA Efacec do Brasil Ltda. luciano.diniz@efacecenergy.com.br

Leia mais

Principais normas sobre os riscos de arcos elétricos Por Alan Rômulo, Eduardo Senger e Maurício Figueiredo*

Principais normas sobre os riscos de arcos elétricos Por Alan Rômulo, Eduardo Senger e Maurício Figueiredo* 42 Capítulo II Principais normas sobre os riscos de arcos elétricos Por Alan Rômulo, Eduardo Senger e Maurício Figueiredo* A realização de atividades envolvendo eletricidade sobre ensaios em vestimentas,

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas

Capítulo VI. Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Inspeção de instalações elétricas 44 Capítulo VI Lista de verificação para prontuário, projetos e ensaios elétricos Por Marcus Possi* Da mesma forma que se deve fazer com os elementos que formam uma instalação elétrica no seu sentido físico,

Leia mais

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA.

RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL EM TRANSFORMADOR, EM REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para Substituição e Manutenção de Chaves Fusíveis de Transformador em rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Sistema

Leia mais

Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos

Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos Congresso SAE Brasil 2013 Painel de Veículos Elétricos e Híbridos Segurança Passiva e Primeiros Socorros de Veículos Elétricos e Híbridos Robson Macedo General Motors do Brasil Comissão Técnica de Segurança

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 7 ESPECIALIDADE: ENGENHEIRO ELETRICISTA PROVA: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - DISCURSIVA LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Portarias Inmetro 352/2012, 301/2012 e 164/2012

EQUIPAMENTOS DE AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Portarias Inmetro 352/2012, 301/2012 e 164/2012 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits

Módulo 4 EA Termopar - 10 Bits Módulo 4 EA Termopar - 1 Bits 119 Cód. Doc.: 61-41.3 Revisão: L 1. Descrição do Produto O módulo 119 é integrante das séries 6, 1 e 2 de controladores programáveis. Destina-se a leitura de temperaturas

Leia mais

Curso de Projetos Elétricos Prediais. Eng. Patrícia Lins

Curso de Projetos Elétricos Prediais. Eng. Patrícia Lins Curso de Projetos Elétricos Prediais Eng. Patrícia Lins http://patricialins.org http://www.daeelunifacs.com.br APRESENTAÇÃO 1. Formação acadêmica 2. Experiência com pesquisa 3. Experiência profissional

Leia mais

GABARITO - DEF30. Questão 1

GABARITO - DEF30. Questão 1 GABARITO - DEF30 Questão 1 a) Ensaio em aberto: Um dos lados do transformador é deixado em aberto, normalmente o lado de alta tensão. Instrumentos de medição são conectados para medir a corrente I 1, V

Leia mais

IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO AO RISCO DE ARCO ELÉTRICO

IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO AO RISCO DE ARCO ELÉTRICO IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO AO RISCO DE ARCO ELÉTRICO Aguinaldo Bizzo de Almeida Engenheiro Eletricista / Segurança do Trabalho Membro da CTPP APROVACAO NR10 Membro da CPNSEE

Leia mais

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA.

PROCEDIMENTO. RES-227/2010 de 28/12/2010 Título: SUBSTITUIÇÃO DE CONDUTOR DE MÉDIA TENSÃO, EM VÃO DE REDE DESENERGIZADA. Página: 1/8 1. OBJETIVO Determinar a metodologia para substituição de condutor de média tensão, em vão de rede desenergizada. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 736 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 43 期 2014 年 10 月 27 日 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳 門 特 別 行 政 區 第 20/2014 號 行 政 法 規 核 准 太 陽 能 光 伏 並 網 安 全 和 安 裝 規 章 行 政 長 官 根 據 澳 門 特 別 行 政 區 基 本

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Guia de recomendações e orientações para a operação e a manutenção Emissão: MINEA/DNEE Dezembro

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014

INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 INFORMAÇÃO TÉCNICA DDE Nº 006/2014 DE 10/12/2014 Procedimentos para validação de Subestações Blindadas Classes 15 kv e 36,2 kv Este procedimento se encontra na sua Revisão 2 cancelando e substituindo o

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

Palavras-chaves: Segurança em Eletricidade. Distribuidoras de energia elétrica, NR-10.

Palavras-chaves: Segurança em Eletricidade. Distribuidoras de energia elétrica, NR-10. ANÁLISE DA SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NAS COOPERATIVAS E CONCESSIONÁRIAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Sérgio Bordignon (UPF) serginho@itake.net.br

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

SAN.T.IN.NT 39. Em polietileno, na cor azul Royal, classe B e E Ref. A 29-R, com catraca.

SAN.T.IN.NT 39. Em polietileno, na cor azul Royal, classe B e E Ref. A 29-R, com catraca. 1 / 5 SUMÁRIO: 1. OBJETIVO 2. DESCRIÇÃO 3. MATERIAL 4. DETALHES 5. MEDIDAS 6. EMBALAGEM 7. IDENTIFICAÇÃO 8. GARANTIAS 9. AMOSTRAS 10. INSPEÇÃO 11. LOGOTIPO 12. REFERÊNCIAS 13. ANEXOS 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS)

Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Proteção 76 Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Zonas de proteção contra raios, características e aplicações do DPS do tipo I Por Sérgio Roberto Santos* Os Dispositivos de Proteção contra Surtos

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

Kit Testador de Resistência de Aterramento Modelo 382252

Kit Testador de Resistência de Aterramento Modelo 382252 Manual do Usuário Kit Testador de Resistência de Aterramento Modelo 382252 Introdução Parabéns pela sua compra do Kit Testador de Resistência de Aterramento Extech 382252. Este equipamento mede a Resistência

Leia mais

ANEXO IV. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Elétrica Exclusiva Itens 02. Anexo IV ao Orientador nº 404/2014. Fls.

ANEXO IV. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Elétrica Exclusiva Itens 02. Anexo IV ao Orientador nº 404/2014. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo Anexo IV ao Orientador nº 404/2014 ANEXO IV Registro de Preços Ponto de Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

Segurança Intrínseca

Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca é uma das técnicas que podem ser empregadas em equipamentos elétricos que se destinam às áreas classificadas. O objetivo de todas as técnicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01-2013 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da Realização dos Serviços 03 5.2. Condição do serviço 03

Leia mais

G1092 TUBO DE RAIOS-X PARA PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

G1092 TUBO DE RAIOS-X PARA PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DESCRIÇÃO DETALHADA DO PRODUTO: O tubo de raios -X para procedimentos especiais, marca Varian, modelo G1092 é um tubo de raios - X de anodo giratório com invólucro de metal especialmente desenhado para

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA DISTRIBUIÇÃO Nº 002.13 GRNT Nº 002.13 GRNT PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO PARA DESENERGIZAÇÃO E LIBERAÇÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO NAS TENSÕES DE 34,5; 69 E 138 kv PARA EXECUÇÃO DE TRABALHOS DE 1ª EDIÇÃO MAIO - 2013 DIRETORIA DE ENGENHARIA

Leia mais

Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica

Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica GOM - GERÊNCIA DE APOIO À OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Procedimento de Manutenção Preventiva Elétrica Edição Data Alterações em relação a edição anterior 1ª 26/06/14 Edição inicial Objetivo A Gerência de Apoio

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2011 Subestação

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 4. Disjuntor 145 kv 02 4.1. Objetivo 02 4.2. Normas 02 4.3. Escopo de Fornecimento 02 T- 4.1. Tabela 02 4.4. Características Elétricas 02 4.5. Características Operativas 03 4.5.1.

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia e siga todas as instruções e indicações de segurança com cuidado. Somente pessoal treinado pode instalar e operar este equipamento. Entre em contato com a CAMAR se

Leia mais

Capítulo VIII Proteção de motores

Capítulo VIII Proteção de motores 28 Capítulo VIII Proteção de motores Por Cláudio Mardegan* Na elaboração deste capítulo sobre proteção dos Em que: motores, foram consultadas as seguintes normas/guias: 49 Sobrecarga ANSI C37.96-2000 NEMA

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

Interligação Subterrânea 230kV PAL9 PAL4 Desenvolvimento do Projeto

Interligação Subterrânea 230kV PAL9 PAL4 Desenvolvimento do Projeto Interligação Subterrânea 230kV PAL9 PAL4 Desenvolvimento do Projeto Autores: Fumitaka Nishimura Liliane Dias Cicarelli Márcio Coelho Procable Energia e Telecomunicações SA CABOS 2011 - MACEIÓ - Outubro/2011

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.

Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS. Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2. Secretaria de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro GIA-ICMS Instruções de Preenchimento por meio do Programa Gerador (versão 0.3.2.6) Portaria SUACIEF nº 001/2009 SUMÁRIO 1. TELA PRINCIPAL... 3 2. MENU

Leia mais

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V

Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas. BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações TP 009/2012 - ANEXO V Pág. 1 Memorial de Cálculo: Instalações Elétricas Cliente: Unidade: Assunto: BRB Banco de Brasília-DF Ag. Novo Gama - Pedregal Novas Instalações Código do Projeto: 3328/12 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

PREVENÇÃO DE RISCOS ELÉTRICOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA NR-10

PREVENÇÃO DE RISCOS ELÉTRICOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA NR-10 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Curso de Engenharia Elétrica EDSON DE JESUS LOPES PREVENÇÃO DE RISCOS ELÉTRICOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA NR-10 Itatiba 2010 EDSON DE JESUS LOPES R.A. 002200600604 PREVENÇÃO

Leia mais

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência

ETE Barueri. Avaliação das Distorções Harmônicas e Fator de Potência Soluções em Serviços Assistência Técnica Autorizada; Manutenção preventiva e corretiva de Fontes e UPS s; Start Up,Testes, Laudos e Treinamentos; Logística de movimentação de equipamentos; Avaliação das

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Manual sistema Laundry 4.0

Manual sistema Laundry 4.0 Manual sistema Laundry 4.0 Sistema para serviços de Lavanderia Comércios Empresa responsável Novacorp informática Fone (41) 3013-1006 E-mail marcio@novacorp.com.br WWW.novacorp.com.br Sumario 1 Este manual

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO TERMO DE AJUSTE DE CONDUTA N.º 105/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA DO TRABALHO NO MUNICÍPIO DE SANTO ÂNGELO, por seu órgão, Procurador do Trabalho ROBERTO PORTELA MILDNER, toma o presente

Leia mais

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Análise de Projetos Prediais ITD-14 Revisão 1 CEI.G DISTRIBUiÇÃO CELG DISTRIBUIÇÃO S.A. SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ITD-14 Critérios

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações

Capítulo XII. Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações 38 Capítulo XII Cálculos de engenharia em projetos de equipamentos para subestações Este é o último capítulo desta série iniciada em janeiro de 2015, em que foram apresentados conceitos de engenharia para

Leia mais

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões.

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Sivacon S4 Tudo perfeito devido à distribuição de energia de baixa tensão da Siemens.

Leia mais

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto

TR Tanque Flash. 1. Termo de garantia. 2. Informações gerais de segurança. 3. Informações de segurança específicas do produto 1.753.000.080 IM-D176-01 BR Rev.00 TR Tanque Flash Manual de Instalação e Manutenção 1. Termo de garantia 2. Informações gerais de segurança 3. Informações de segurança específicas do produto 4. Informações

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE 10.1- OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Orientações objetivas quanto às especificidades e genéricas quanto as finalidades e aplicabilidade,

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR-14725 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 Mixtinter Laranja HOR 16L Página 1 / 6 1. Identificação do produto e da empresa Nome comercial: Mixtinter Laranja HOR nº Material: 238961 16L nº Material:238961 Código Interno de Produto : 000000393778

Leia mais

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA

RES. 227/2010 de 28/12/2010 Título: PROCEDIMENTO PARA OPERAÇÃO DE CHAVE FUSÍVEL E CHAVE FACA Página: 1/11 DO-OP-01/P-2 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia na operação de chaves fusíveis e chaves facas. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento aplica-se a todas as Empresas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS

ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICOS De acordo com o item 7 do RIC de BT Fecoergs deverá ser apresentado projeto a Creluz nas seguintes situações: a) unidade consumidora com carga instalada superior a 75 kw; b) prédio de múltiplas unidades

Leia mais

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino*

Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* 44 Capítulo III Comparações entre algoritmos para análise dos resultados de SFRA Por Marcelo Eduardo de Carvalho Paulino* Os diferentes algoritmos para análise de resposta em frequência e comparação dos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

Introdução. A comunicação dos elementos dos documentos de transporte pode ser realizada através de serviço telefónico automático, nos seguintes casos:

Introdução. A comunicação dos elementos dos documentos de transporte pode ser realizada através de serviço telefónico automático, nos seguintes casos: Introdução O novo regime de bens em circulação entrará em vigor no dia 1 de julho de 2013. A Portaria nº 161/2013, publicada a 23 de abril no Diário da República, veio regulamentar o modo de cumprimento

Leia mais

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014.

Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 357, de 01 de agosto de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Instrução Técnica nº 37/2011 - Subestação elétrica 739 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 37/2015 Subestação

Leia mais

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução Guia do Professor Data 23/01/2008 Introdução A inserção de tópicos da Eletricidade nas escolas de nível básico e médio é fundamental para a compreensão de alguns fenômenos da vida moderna. Você já imaginou

Leia mais

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6 PAPER 1/6 Title Otimização do Sistema de Distribuição Subterrãneo Reticulado da Cidade de São Paulo Registration Nº: (Abstract) 251 Company Sinapsis Inovação em Energia / Universidade de São Paulo / AES

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título: TRANSFORMADORES DE POTENCIAL PARA EQUIPAMENTOS ESPECIAIS Código ETD-00.062 Data da emissão 28.09.2012 Data da última revisão Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais