APRESENTAÇÃO. GIOVANI ARAUJO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO. GIOVANI ARAUJO"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO GIOVANI ARAUJO Bombeiro Militar Instrutor de Brigada Especialização em Gestão e Políticas em Segurança Pública e Assistência Familiar Licenciado e Bacharel em Educação Física

2 PRIMEIROS SOCORROS (APH)

3 ATENDIMENTO PRÉ- HOSPITALAR (A.P.H) Podemos definir como atendimento pré-hospitalar, as medidas iniciais e imediatas aplicadas a uma vítima de trauma ou emergência médica, fora do ambiente hospitalar, executada por pessoa treinada para realizar a manutenção dos sinais vitais e evitar o agravamento das lesões já existentes.

4 DEVERES DO SOCORRISTA Garantir segurança e usar EPIs; (equipamento de proteção individual) Controlar a cena e garantir acesso seguro até a vítima; Proporcionar atendimento o mais breve possível; Não causar dano adicional ao paciente; Conduzir adequadamente o paciente para um hospital; Solicitar ajuda especializada, caso seja necessário;

5 MATERIAIS PARA O ATENDIMENTO Equipamentos para avaliação do paciente: Lanterna pupilar Esfigmomanômetro Estetoscópio Equipamentos de proteção individual: (E.P.I) Luvas descartáveis Máscaras faciais

6 Equipamentos para curativos: Ataduras Compressas de gaze Esparadrapo Bandagens triangulares Solução fisiológica Tesoura Equipamentos para imobilização: Colares cervicais Talas de imobilização (rígidas, infláveis, de papelão, etc.) Macas rígidas longas Coletes de imobilização dorsal

7 OCORRÊNCIA Evento causado pela ação do homem ou por um fenômeno natural, que pode colocar em risco a integridade de pessoas, de bens ou da própria natureza. Essa situação requer ações imediatas para prevenir ou minimizar a perda de vidas humanas, danos à propriedade ou ao próprio meio ambiente.

8 NÃO TOQUE NA VÍTIMA!!!!!!!!! O QUE DEVO FAZER?

9 O QUE DEVO FAZER? Manter a calma; (SUA E DAS VÍTIMAS) Garantir a segurança; (DE TODOS, INCLUSIVE A SUA) Uma rápida avaliação da vítima; Aliviar as condições que ameacem a vida ou que possam agravar o quadro da vítima, com a utilização de técnicas simples; Acionar serviços de emergência Controlar a situação; É fundamental que, antes de agir, você recobre rapidamente a sua lucidez, reorganize seus pensamentos e se mantenha calmo.

10 VERTENTES NO ATENDIMENTO PRÉ HOSPITALAR APH EMERGENCIAS MÉDICAS TRAUMA

11 EMERGÊNCIA MÉDICA Estado crítico provocado por uma ampla variedade de doenças cuja causa não inclui violência sobre a vítima. TRAUMA É uma produzida por ação violenta, de natureza física ou química, externa ao organismo

12 SAMU OU BOMBEIROS?

13 ATENDIMENTO AS VÍTIMAS 1. Dimensionamento da cena: Novas colisões; Atropelamentos; Incêndio; Explosão; Cabos de eletricidade; Vazamento de produtos perigosos; Doenças infecto-contagiosas; Animais peçonhentos;

14 2. Avaliação inicial da vítima: Verificar o nível de consciência; (estímulo doloroso AVDI) Verificar os batimentos cardíacos; Verificar vias aéreas; Verificar respiração; Verificar fraturas; Por ultimo demais lesões. C A B C.A.B da vida

15 Como Avaliar a Circulação LOCAIS (ARTÉRIAS PRINCIPAIS) Radial ou Ulnar punho Carótida pescoço. Outros: artérias femoral, pedial, poplídea, têmporal, braquial, ou ainda de forma apical com auxílio de estetoscópio.

16 Atendimento Inicial a Vítima Verificar Segurança do Local; Nível de Consciência; Você está bem? Vítima Responde? SIM Verificar Freqüência de Pulso e Respiração Não Verificar Presença de Pulso e Respiração Permeabilidade das V.A Tratar das Lesões Existentes Sem Pulso e Respiração Estancar hemorragias; Imobilizar Fraturas Iniciar R.C.P.

17 EMERGÊNCIAS MÉDICAS

18 PRINCIPAIS EMERGÊNCIAS MÉDICAS Desmaio; Convulsão; Parada cardíaca; A.V. E

19 SINAIS E SINTOMAS SINAIS: É tudo aquilo que o socorrista pode observar ou sentir no paciente enquanto o examina. Indício, marca, vestígio Exemplos: pulso, palidez, sudorese, etc. SINTOMAS: É tudo aquilo que o socorrista não consegue identificar sozinho. O paciente necessita contar sobre si mesmo. Exemplos: dor abdominal, tontura, etc.

20 ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

21 AVALIAÇÃO DE SINAIS DE APOIO Dilatadas ou Midríase Falta de oxigênio no cérebro, choque, parada cardíaca, sangramento ou medicamento. Contraídas ou Miose Lesão no SNC e medicamentos ou drogas derivados de opiáceos. Assimétricas ou Anisocoria Trauma craniano ou AVE.

22

23 PARADA CARDIORESPIRATÓRIA É a cessação da circulação e da respiração; é reconhecida pela ausência de pulso e apneia em um paciente.

24 RCP (RESSUCITAÇÃO CARDIOPULMONAR)

25 MANOBRAS PARA REALIZAR UMA RCP 1) Efetuar uma avaliação inicial 2) Identificar a PCR 3) Pedir ajuda (acionar o SEM); 4) Posicionar o paciente adequadamente; 5) Posicionar-se ao lado do paciente; 6) Localizar o ponto para iniciar as compressões torácicas (linha dos mamilos em adulto e criança e um abaixo dos mamilos em lactente); 7) Posicionar adequadamente as mãos e o corpo e iniciar a RCP; 8) Assegurar a permeabilidade das vias aéreas;

26

27 SITUAÇÕES ONDE NÃO SE EXECUTA UMA RCP

28 CONVULSÕES Situação em que o cérebro comanda contrações musculares descontroladas. Essas contrações violentas, não coordenadas e involuntárias de parte ou da totalidade dos músculos, podem ser provocadas por diversas doenças neurológicas e não neurológicas ou ainda por traumatismos crânio-encefálicos.

29 PRINCIPAIS CAUSAS Epilepsia; Febre alta em crianças menores de 6 anos (convulsões febris); Traumatismo craniano; Doenças infecciosas, inflamatórias ou tumores cerebrais; Acidentes Vasculares Cerebrais; Intoxicações.

30 ENGASGAMENTO É entendida como a dificuldade da passagem de ar para os pulmões devido a algum obstáculo em algum ponto das vias aéreas. Em muitos casos é descrita, popularmente como engasgamento.

31 MANOBRA DE HEIMLICH A manobra de compressão subdiafragmática (manobra de Heimlich) é recomendada para o tratamento pré-hospitalar de uma OVACE. Ao elevar o diafragma, esta manobra força o ar dos pulmões a criar uma tosse artificial capaz de expelir o corpo estranho, que está obstruindo as VA. A manobra poderá ser realizada com o paciente de pé.

32 LACTENTE

33 TRAUMAS

34 QUEIMADURAS As queimaduras podem lesar a pele, os músculos, os vasos sangüíneos, os nervos e ossos. De acordo com a profundidade, a queimadura poderá ser classificada em: Queimadura de primeiro grau; Queimadura de segundo grau; e Queimadura de terceiro grau.

35 QUEIMADURA DE 1º GRAU - Pele avermelhada e dor, grave se atingem mais da metade do corpo. Ex: exposição solar excessiva.

36 QUEIMADURA DE 2º GRAU - Formação de bolhas pode levar a desidratação. A lesão é dolorosa. Agente comum: líquidos quentes.

37 QUEIMADURA DE 3º GRAU - Atinge todas as camadas da pele, podendo atingir músculos e ossos. Secas, esbranquiçadas ou aspecto carbonizado. Não apresenta dor, porque a necrose é total, inclusive nos terminais nervosos.

38 Cuidados básicos com queimaduras: Expor e resfriar a área queimada imediatamente. O melhor é submergir a área queimada em água fria por cerca de 3 a 5 minutos. Retirar anéis, braceletes, cintos de couro, sapatos, etc. Cuidado para não juntar dedos queimados sem separá-los com curativos No caso de queimaduras elétricas, identificar o local das queimaduras, no mínimo dois pontos (um de entrada e um de saída da fonte de energia).

39 Primeiramente desligue o aparelho da tomada ou a chave geral. Empurre a vítima para longe da fonte de eletricidade com um objeto seco, não-condutor de corrente, como um cabo de vassoura, tábua, corda seca, cadeira de madeira ou bastão de borracha. Se a vítima estiver em parada, iniciar a RCP. Se a vítima estiver consciente, mantenha a calma e procure ajuda especializada.

40 No caso de choque elétrico, é recomendado levar a vítima sempre a um hospital, mesmo ela não tendo nenhum ferimento grave aparente. Pois o choque pode ocasionar em arritmia cardíaca.

41 HEMORRAGIA Hemorragia ou Sangramento significam a mesma coisa, ou seja, perda de sangue através de um rompimento na pele. Classificação Externa: Quando aparente Interna: Quando do rompimento de uma víscera

42 TIPOS DE HEMORRAGIAS EXTERNAS (ocorrem devido a ferimentos abertos) Hemorragia arterial: Faz jorrar sangue pulsátil de coloração vermelho vivo. Hemorragia venosa: O sangue sai lento e contínuo na cor vermelho escuro. Hemorragia capilar: O sangue sai lentamente por vasos menores. A cor é menos viva que na hemorragia arterial. ARTERIAL VENOSA CAPILAR

43 ATENDIMENTO HEMORRAGIA EXTERNA Pressão direta; Elevação da área traumatizada; Pressão sobre Artéria Próxima;

44 HEMORRAGIA EXTERNA Pressão direta

45 HEMORRAGIA EXTERNA Elevação da área traumatizada em relação ao Coração.

46 HEMORRAGIA EXTERNA Pressão na Artéria Próxima Braquial Radial Femural

47 HEMORRAGIA INTERNA Geralmente não é visível, porém é bastante grave, pois pode provocar choque e levar a vítima à morte em poucos minutos

48 SINAIS E SINTOMAS DE HEMORRAGIA INTERNA Respiração rápida e superficial; Pulso rápido e filiforme (fraco); Pele fria pálida e úmida; Face pálida e posteriormente cianótica; Sede; Queda da pressão arterial. PA sistólica menor que 100 mmhg. A vítima poderá tossir sangue, vomitar sangue, sangrar pelo reto ou urinar sangue.

49 FERIMENTOS Conceito: Qualquer lesão da pele ou outro tecido produzida por agente físico ou químico. Todos os ferimentos causam hemorragias em maior ou menor gravidade. A Seguir fotos de alguns ferimentos

50 Incisivos ou cortantes - Agentes cortantes, afiados. Ferida linear, bordas regulares.

51 Penetrantes - O agente penetra em uma cavidade do organismo. Orifício esterno variável. Geralmente linear ou puntiforme - FAF e FAB.

52 Escoriações. ou abrasões Atrito de superfície áspera e dura contra a pele; Corpo estranho - cinza, graxa, terra

53 Avulsões ou amputações Parte do corpo cortada ou arrancada.

54 CUIDADOS Todo Ferimento causa hemorragia, sendo que as de maior gravidade pode levar a óbito uma pessoa em poucos minutos, nestes casos acionar o serviço de emergência é importante e ainda mais fundamental é prestar o socorro até a chegada da equipe de emergência; Proteger-se usando luvas tipo cirúrgicas é fundamental para evitar a contaminação de doenças; Pessoas que sofreram quedas, ou impacto suspeite, sempre de possível hemorragia interna.

55 Colar cervical Usa-se o colar cervical quando a vítima sofre um trauma e existe a suspeita de lesão na região cervical. Acidente de trânsito ou quedas de nível.

56 Fraturas É a ruptura total ou parcial de um osso. Perda da continuidade do tecido ósseo. Fratura Exposta

57 Na maioria das vezes, é impossível sabermos sem o uso do raio-x, se o paciente é verdadeiramente portador de uma fratura, entorse ou luxação. No entanto, até ser provado o contrário, devemos sempre tratá-lo como se fosse portador de fratura. Fissura Comunitiva Exposta Fechada Equipe de socorristas utilizando uma tala rígida e ataduras para imobilizar provisoriamente uma extremidade com suspeita de fratura.

58 Entorses É a torção ou distensão brusca de uma articulação, além de seu grau normal de amplitude. Lesões em articulações deverão ser imobilizadas na posição encontrada. Sinais e sintomas Os mesmos das fraturas e luxações; Os ligamentos geralmente sofrem ruptura ou estiramento, provocados pelo movimento brusco.

59 O transporte de acidentados ou de vítimas de mal súbito requer de quem for socorrer o máximo cuidado e correção de desempenho, com o objetivo de não lhes complicar o estado de saúde com o agravamento das lesões existentes. Lb-lS2Da8

60 COMO ACIONAR AUXILIO? 192 SAMU 193 BOMBEIRO 190 POLICIA FORNEÇA O SEU NÚMERO, NOME, LOCAL EXATO PONTO REFERÊNCIA E O QUE ACONTECEU...

61 GIOVANI ARAUJO Bombeiro Militar Instrutor de Brigada Especialização em Gestão e Políticas em Segurança Pública e Assistência Familiar Licenciado e Bacharel em Educação Física

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES

TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES PRIMEIROS SOCORROS SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR!!! O QUE SIGNIFICA??? Cuidados com riscos de incêndio, desabamentos, novas quedas, agressões, Atenção com fios elétricos

Leia mais

HEMORRAGIAS. Prof. Raquel Peverari de Campos

HEMORRAGIAS. Prof. Raquel Peverari de Campos HEMORRAGIAS É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. A gravidade da hemorragia se mede pela quantidade e rapidez

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue.

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. HEMORRAGIAS É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. A gravidade da hemorragia se mede pela quantidade e rapidez

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

TRAUMATISMOS DE TÓRAX

TRAUMATISMOS DE TÓRAX TRAUMATISMOS DE TÓRAX SINAIS & SINTOMAS FRATURAS DE COSTELAS TÓRAX INSTÁVEL FERIMENTOS PENETRANTES OBJETOS CRAVADOS OU ENCRAVADOS PNEUMOTÓRAX HIPERTENSIVO TRAUMATISMOS DE TÓRAX SINAIS & SINTOMAS TRAUMATISMOS

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS CONHECIMENTOS BÁSICOS

PRIMEIROS SOCORROS CONHECIMENTOS BÁSICOS PRIMEIROS SOCORROS CONHECIMENTOS BÁSICOS DEZ MANDAMENTOS DO SOCORRISTA 1 - Manter a calma 2 - Ter ordem de segurança 3 - Verificar riscos no local 4 - Manter o bom senso 5 - Ter espírito de liderança 6

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

CONHECIMENTO BÁSICO DE

CONHECIMENTO BÁSICO DE CONHECIMENTO BÁSICO DE! Primeiros socorros Situação 1 Avaliação da vítima É importante saber avaliar o acidentado. Saiba o que fazer no primeiro momento: Se apresente e procure acalmá-lo verificando o

Leia mais

LESÕES DE CRÂNIO. traumatismos

LESÕES DE CRÂNIO. traumatismos LESÕES DE CRÂNIO traumatismos FRATURAS DE CRÂNIO ABERTAS & FECHADAS LESÕES ENCEFÁLICAS, CONTUSÃO E CONCUSSÃO SINAIS & SINTOMAS DO TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) TRAUMATISMOS DE FACE: SINAIS & SINTOMAS LESÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG Catástrofes e Atendimento a Múltiplas Vítimas Métodos de Triagem Catástrofe Pela Organização Mundial

Leia mais

3. 3. Procurar gravar nomes e apelidos usados entre eles.

3. 3. Procurar gravar nomes e apelidos usados entre eles. Emergências Emergências Médicas Em caso de acidentes, pessoa com convulsões, perdas de consciência, etc, acionar imediatamente a Central de segurança da Unidade. Se eventualmente o colaborador que presenciar

Leia mais

Eletroplessão (eletrocussão) David Ferez

Eletroplessão (eletrocussão) David Ferez (eletrocussão) David Ferez Acidentes com eletricidade São acidentes causados pela eletricidade, tanto natural (raios), como a artificial (fios, tomadas, etc ) quando atingem o corpo humano. Acidentes com

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

ENFERMAGEM DO TRABALHO Primeiros-Socorros. Prof. Enf. Wellington de Moura Leite

ENFERMAGEM DO TRABALHO Primeiros-Socorros. Prof. Enf. Wellington de Moura Leite ENFERMAGEM DO TRABALHO Primeiros-Socorros Prof. Enf. Wellington de Moura Leite wellington@gruposave.com.br Objetivos Primeiros-Socorros Saúde do Trabalhador Desenvolver um raciocínio equilibrado do plano

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: É a ruptura total ou parcial do osso e podem ser fechadas ou expostas. CLASSIFICAÇÃO: Fratura fechada ou interna: Na fratura fechada não há rompimento

Leia mais

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016 Queimaduras Conceito Lesão nos tecidos de revestimento do organismo (pele, músculo, vasos sanguíneos, nervos e ossos) geralmente causada por agentes térmicos, eletricidade, produtos químicos, radiação,

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS Os Primeiros Socorros constituem-se no primeiro atendimento prestado

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Prof. Esp. Davydson Gouveia Santos

Leia mais

IV PAXTU Boletim técnico 5 Primeiros Socorros

IV PAXTU Boletim técnico 5 Primeiros Socorros IV PAXTU Boletim técnico 5 Primeiros Socorros Monitores! Se você está fazendo uma jornada com sua patrulha e algum de seus companheiros se machuca, você sabe o que fazer? Primeiros Socorros é o nome dado

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3 O que veremos nesta disciplina... Atendimento Pré-Hospitalar Conceitos importantes; Atributos do socorrista; Responsabilidade

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

RISCOS EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE

RISCOS EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE RISCOS EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS COM ELETRICIDADE Choque Elétrico é o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido por

Leia mais

ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM. Aula 10. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM. Aula 10. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM Aula 10 Profª. Tatiane da Silva Campos Cuidado de Enfermagem em Hemorragia CUIDADOS DE ENFERMAGEM A hemorragia é uma complicação, grave, que pode resultar em choque hipovolêmico

Leia mais

Choque Elétrico. Ocorre quando o corpo entra em contato com a corrente elétrica. Seus efeitos variam em função do tempo e da intensidade da corrente.

Choque Elétrico. Ocorre quando o corpo entra em contato com a corrente elétrica. Seus efeitos variam em função do tempo e da intensidade da corrente. Choque Elétrico 1 Ocorre quando o corpo entra em contato com a corrente elétrica. Seus efeitos variam em função do tempo e da intensidade da corrente. 2 1 Os choques elétricos causam danos, porque nosso

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência Trauma 1. (FUNDEP CISSUL MG 2013) A cinemática do trauma possibilita a suspeita de algumas lesões e contribui para que se evitem lesões despercebidas. Sobre esse tema é CORRETO afirmar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano.

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano. UNIDADE: 08 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 8. DISTÚRBIOS CAUSADOS PELA TEMPERATURA: 8.0 INTRODUÇÃO A temperatura,

Leia mais

PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA

PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA PARADA CARDIO- RESPIRATÓRIA EM PEDIATRIA SUPORTE DE VIDA EM PEDIATRIA CAUSAS DE PCR RN: INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA LACTENTE: DOENÇAS RESPIRATÓRIAS, OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS, SUBMERSÃO, SEPSE E DOENÇAS

Leia mais

Curso de Formação Brigada de Incêndio Voluntária

Curso de Formação Brigada de Incêndio Voluntária Curso de Formação Brigada de Incêndio Voluntária Primeiros Socorros Elisandro dos Santos Técnico em Segurança do Trabalho; Instrutor NR 11; Supervisor NR S 05, 06, 09, 10, 11, 12, 13, 20, 23, 28, 33,35;

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 16 VERTIGENS, DESMAIOS E CONVENÇÕES. TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 16.0 INTRODUÇÃO A sensação de um mal-estar e a impressão de tudo girar

Leia mais

Prevenção de Acidentes Domésticos

Prevenção de Acidentes Domésticos UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Prevenção de Acidentes Domésticos Educação para a Saúde Objetivo geral Aquisição de competências que permitam prevenir acidentes e saber como agir em

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO SOBRAL - CE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. QUEIMADURAS... 01 2.1 Primeiro grau... 02 2.2 Segundo grau... 02 2.3 Terceiro grau...

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO Prof.ª Leticia Pedroso Anatomia: Crânio e Cérebro Órgãos nobre, de extrema importância na vida do ser humano!! TCE - Principal causa de morte, especialmente em jovem. Brasil

Leia mais

Atender às crianças nos cuidados pertinentes, com uma visão de excelência.

Atender às crianças nos cuidados pertinentes, com uma visão de excelência. Projeto Uniepre de Primeiros Socorros A atenção à saúde e ao bem-estar da criança passam pela prevenção de doenças e de acidentes. Estas prevenções são os focos principais de incansáveis trabalhos no Núcleo

Leia mais

TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Prof.ª Leticia Pedroso Lesões do Sistema Músculo Esquelético Ocorrem em 85% dos doentes que sofrem trauma fechado. Devem ser avaliadas e tratadas corretamente de tal maneira

Leia mais

Primeiros Socorros. Profa Fernanda Barboza

Primeiros Socorros. Profa Fernanda Barboza Primeiros Socorros Profa Fernanda Barboza Primeiros Socorros: Conceito São os cuidados de emergência dispensados a qualquer pessoa que tenha sofrido um acidente ou mal súbito (intercorrência clínica),

Leia mais

Na terra, na água, no fogo eno ar vidas alheias eriquezas salvar

Na terra, na água, no fogo eno ar vidas alheias eriquezas salvar Como chamar ocorpo de Bombeiros? SEVOCÊSEDEPARARCOMUMAEMERGÊNCIA: -MANTENHA ACALMA; -DISQUE193(LIGAÇÃOGRATUITA); -DIGASEUNOMEEOENDEREÇODOACIDENTE; -DIGATAMBÉMUMPONTODEREFERÊNCIAE -AGUARDEACHEGADADOCORPODEBOMBEIROS

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

Emergências Clínicas

Emergências Clínicas 1 Emergências Clínicas 2 OBJETIVOS: -Descrever as Emergências clínicas mais comuns no ambiente préhospitalar. -Orientar as condutas frente às emergências clinicas discutidas; 3 Emergências Clinicas Estado

Leia mais

Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização 21/03/2017

Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização 21/03/2017 Luxação Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização Ocorre quando as extremidades ósseas da articulação deixam de se encontrar 1 Entorse Provocada por um movimento violento que leva

Leia mais

Prof. Raquel Peverari de Campos

Prof. Raquel Peverari de Campos Luxação Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização Ocorre quando as extremidades ósseas da articulação deixam de se encontrar Entorse Provocada por um movimento violento que leva

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

INTRODUÇÃO MOBILIZAÇÃO DO PACIENTE VÍTIMA DE TRAUMA

INTRODUÇÃO MOBILIZAÇÃO DO PACIENTE VÍTIMA DE TRAUMA INTRODUÇÃO MOBILIZAÇÃO DO PACIENTE VÍTIMA DE TRAUMA Primeiros Socorros: Conceito São os cuidados de emergência dispensados a qualquer pessoa que tenha sofrido um acidente ou mal súbito (intercorrência

Leia mais

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições ANEXO A CURSO SOCORRISMO DE PROXIMIDADE O Modulo de Socorrismo de proximidade foi pensando naqueles que primam pela exigência e qualidade dos seus serviços, com uma assistência diferenciada, e para melhor

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Das questões que se seguem, a maioria tem para escolha quatro hipóteses como resposta, noutras questões tem duas hipóteses, no entanto, em qualquer dos casos,

Leia mais

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PROFª LETICIA PEDROSO

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PROFª LETICIA PEDROSO OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PROFª LETICIA PEDROSO OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO Causa perda de consciência e PCR. OVACE deve ser considerada em qualquer vítima, que subitamente

Leia mais

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Site:

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca   Site: Vertigens, desmaios e crises convulsivas Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Site: www.profsabrina.comunidades.net Vertigens: Vertigem refere-se a diminuição da força, visão

Leia mais

Prof.ª Leticia Pedroso

Prof.ª Leticia Pedroso Prof.ª Leticia Pedroso Ferimento Lesão ou perfuração em qualquer tecido, como resultado de um trauma. A pele por ser o maior órgão do corpo humano, está mais exposta a sofrer ferimentos do que qualquer

Leia mais

Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA.

Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA. Choque Elétrico PALESTRANTE: MARCOS AURÉLIO BARBOSA. Choque Elétrico É o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido

Leia mais

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro Primeiros Socorros Introdução ao socorro OBJETIVOS Conhecer os principais aspectos do comportamento e da conduta de um profissional de saúde que presta um atendimento de primeiros socorros, Conhecer os

Leia mais

Desobstrução das Vias Aéreas

Desobstrução das Vias Aéreas Módulo 6 Introdução Desobstrução das Vias Aéreas Mapa do Módulo Adultos/Crianças: Obstrução Parcial Adultos/Crianças: Obstrução Total Adultos/Crianças: Situações Especiais Lactentes: Obstrução Parcial

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

SESMT - Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho

SESMT - Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho FORMAÇÃO CONTINUADA Eng. Segurança -Ariane Aparecida Siqueira Téc. Segurança -Osmar Lino Junges Bombeiro Privado - Viviane Alves Bombeiro Privado - Sidnei Manoel da Cruz SESMT - Serviço Especializado em

Leia mais

BLS: CPR & FA Capítulo 2 - Questões de Revisão

BLS: CPR & FA Capítulo 2 - Questões de Revisão Capítulo 2 - Questões de Revisão 1. O objetivo da RCP (sem desfibrilação) é manter uma circulação adequada de sangue oxigenado para os órgãos vitais como: a. baço e pâncreas b. estômago e rim c. coração

Leia mais

Emergências Ambientais

Emergências Ambientais GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU 192 - DF NÚCLEO DE EDUCAÇÃO EM URGÊNCIAS Emergências

Leia mais

EMERGÊNCIA X URGÊNCIA

EMERGÊNCIA X URGÊNCIA EMERGÊNCIA II 1 2 EMERGÊNCIA X URGÊNCIA Emergência: É uma condição em que há risco eminente à vida do cliente/paciente. Havendo necessidade de atendimento imediato. O tempo para o atendimento é extremamente

Leia mais

23/05/2014. Introdução. Maior número de anos potenciais perdidos. Principal causa de morte de menores de 44 anos. Maior causa de Morte por trauma

23/05/2014. Introdução. Maior número de anos potenciais perdidos. Principal causa de morte de menores de 44 anos. Maior causa de Morte por trauma Introdução Maior causa de Morte por trauma Principal causa de morte de menores de 44 anos Maior número de anos potenciais perdidos 1 Introdução 20-50% das mortes ocorrem por atendimento insatisfatório

Leia mais

American Heart Association LISTA DE CHECAGEM CRITÉRIOS DE EXECUÇÃO PARA SUPORTE BÁSICO DE VIDA/SBV RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS

American Heart Association LISTA DE CHECAGEM CRITÉRIOS DE EXECUÇÃO PARA SUPORTE BÁSICO DE VIDA/SBV RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS 1. Verifique se a vítima não responde e se esta sem respiração ou com respiração anormal. Ative o Serviço de Emergência Médica (Fone 193). Posicione corretamente o paciente.

Leia mais

Policia Militar- 190 Policia Rodoviária Federal RJ -191 SAMU -192 Corpo de Bombeiro 193

Policia Militar- 190 Policia Rodoviária Federal RJ -191 SAMU -192 Corpo de Bombeiro 193 CONCEITO As primeiras providencias tomadas em um acidente são chamadas Primeiros Socorros. Eles são os procedimentos de emergência que devem ser aplicados a uma pessoa em perigo de vida, visando a manter

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL Cap Amarildo Primeiros Socorros Sumário: Importância da preparação Omissão de Socorro Definições sobre socorro Mecanismo do Trauma Primeiros

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA

INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA 38 O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS Os formandos deverão ser capazes de identificar: Descrever os tipos de trauma; Reconhecer a importância de identificar o mecanismo do trauma;

Leia mais

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA FORMAÇÃO SETEMBRO/OUTUBRO 2012 BV FAFE TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA Formadora Teórica: Luísa Antunes Acidentes de viação matam mais do que as guerras Ricardo Reis 2012 Os acidentes de viação deixam

Leia mais

4 O que é hemorragia?

4 O que é hemorragia? O que é hemorragia? 4 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Apresentar o conceito de hemorragia e o atendimento a uma vítima com sintomas hemorrágicos. Ao final desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

HIPOGLICÉMIA (Qd valor inferior a 50mg/100ml) Quadro em que se apresenta valores de concentrações de açúcar (glicose) no sangue anormalmente baixas.

HIPOGLICÉMIA (Qd valor inferior a 50mg/100ml) Quadro em que se apresenta valores de concentrações de açúcar (glicose) no sangue anormalmente baixas. SINCOPE- Desmaio Perda de consciência breve de qualquer origem, por defeitos metabólicos. Sendo que nestes o importante é investigar a sua etiologia(anóxia cerebral, crise vagal, ou???) Grupos de sincopes

Leia mais

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira Atendimento Pré-Hospitalar APH Professora: Ana Paula de Oliveira Na Saúde Pública onde se insere? 1. Unidades Básicas de Saúde 2. Ambulatórios especializados 3. Serviços de diagnósticos e terapias 4. Pré-Hospitalar

Leia mais

ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA. Porfª Leticia Pedroso

ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA. Porfª Leticia Pedroso ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA Porfª Leticia Pedroso Avaliação Primária Completa Devemos pensar na fisiopatologia das lesões e nas condições do doente não se pode perder tempo em lembrar o que deve vir

Leia mais

corrente elétrica d.d.p

corrente elétrica d.d.p Choque Elétrico Choque Elétrico É o conjunto de perturbações de natureza e efeitos diversos, que se manifesta no organismo humano ou animal, quando este é percorrido por corrente elétrica. As manifestações,

Leia mais

Desmaio e Convulsão. Prof. Raquel Peverari de Campos

Desmaio e Convulsão. Prof. Raquel Peverari de Campos Desmaio e Convulsão Convulsão Convulsões são contrações musculares involuntárias de parte ou de todo o corpo, decorrentes do funcionamento anormal do cérebro. Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos. Convulsão

Leia mais

NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora).

NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora). 6155 - NR 33 Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Introdução à NR 33 1.1. Espaço Confinado... 22 1.1.1. Principais Características... 22 1.1.2. Outras Definições... 22 1.1.3.

Leia mais

Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos.

Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos. e Convulsões são contrações musculares involuntárias de parte ou de todo o corpo, decorrentes do funcionamento anormal do cérebro. Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos. 1 Fase Tônica Manifesta-se pela

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR- EPH -Hemorragia e choque. -Trauma em extremidades. -Traumatismos: -Queimaduras. CHOQUE-EPH TIPOS DE CHOQUE Hipovolêmico

Leia mais

Queimaduras. Prof. Raquel Peverari de Campos

Queimaduras. Prof. Raquel Peverari de Campos Queimaduras Pele Pele é o órgão mais extenso do corpo humano Funções: Imunológica Equilíbrio da água Regulação da temperatura Órgão sensorial Queimadura é uma lesão produzida no tecido de revestimento

Leia mais

Pele é o órgão mais extenso do corpo humano

Pele é o órgão mais extenso do corpo humano Queimaduras Pele Pele é o órgão mais extenso do corpo humano Funções: Imunológica Equilíbrio da água Regulação da temperatura Órgão sensorial 1 Queimadura é uma lesão produzida no tecido de revestimento

Leia mais

Exercício /1 CAMPUS FORTALEZA - CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PRIMEIROS SOCORROS /1. Página 1

Exercício /1 CAMPUS FORTALEZA - CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PRIMEIROS SOCORROS /1. Página 1 AMPUS FORTALZA - URSO D DUAÇÃO FÍSIA PRIMIROS SOORROS - 2017/1 xercício 677-2017/1 opyright - 2017, by aesar artesius. Todos os direitos reservados. Distribuição, cópia e venda proibidas Página 1 ANÁLIS

Leia mais

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS Capítulo 31 Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os tipos de lesões mais frequentes na grávida vítima de trauma. Descrever a importância

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

Queimaduras. Pele. Pele é o órgão mais extenso do corpo humano 04/03/2019. Funções:

Queimaduras. Pele. Pele é o órgão mais extenso do corpo humano 04/03/2019. Funções: Queimaduras 1 Pele Pele é o órgão mais extenso do corpo humano Funções: Imunológica Equilíbrio da água Regulação da temperatura Órgão sensorial 2 1 Queimadura é uma lesão produzida no tecido de revestimento

Leia mais

Lição 03 AVALIAÇÃO GERAL DO PACIENTE

Lição 03 AVALIAÇÃO GERAL DO PACIENTE Lição 03 AVALIAÇÃO GERAL DO PACIENTE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Citar as 5 fases da avaliação geral de um paciente; 2. Diferenciar a avaliação dirigida para trauma

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano 2017/2018

Planificação anual de Saúde- 10ºano 2017/2018 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turma: 10ºI2 Professora: Paula Banza Planificação anual de Saúde- 10ºano 2017/2018 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

TRAUMA DE TÓRAX. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMA DE TÓRAX. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA DE TÓRAX Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA DE TÓRAX Responsáveis por 1 em cada quatro mortes de trauma. Ferimentos penetrantes de 15 a 30% requerem cirurgia. A maioria necessitam apenas de procedimentos

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS

EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Prof. Marcos Girão 01. [CESPE MOTORISTA MPE/RR 2008] São chamados de primeiros socorros os auxílios imediatos prestados à vítima antes do atendimento médico.

Leia mais

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS Capítulo 33 Hemorragias 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os mecanismos produtores de traumatismos vasculares; Descrever a importância da determinação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

Apresenta: Vamos falar sobre. Primeiros Socorros. fraturas. animação choque elétrico. queimaduras

Apresenta: Vamos falar sobre. Primeiros Socorros. fraturas. animação choque elétrico. queimaduras Apresenta: Vamos falar sobre Primeiros Socorros? queimaduras fraturas animação choque elétrico Nossa missão hoje é dar dicas para você ser um socorrista! Vamos aprender a verificar os sinais vitais da

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais