Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos"

Transcrição

1 Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Sumário Executivo... 2 Problema: Quando um projeto não deve ser executado Base conceitual: Processo estruturado de alocação de recursos A ferramenta: Stage-Gate Abordagem ELO para a implantação do Stage-Gate Resultados esperados

2 Sumário Executivo A ideia por trás da solução É por meio da execução de projetos de desenvolvimento que uma organização cria novos negócios e se torna mais competitiva nos mercados onde atua. Infelizmente, a quantidade de recursos disponíveis para a execução desses projetos é limitada e a capacidade de decidir em quais projetos alocar ou não os seus recursos é, portanto, uma competência essencial para a manutenção da vantagem competitiva. A Solução na Prática O Stage-Gate é uma prática de gestão que cria a disciplina necessária para impedir o desperdício de recursos em projetos de menor potencial. Os projetos são separados em diversos estágios (Stages) seguidos por pontos de decisão (Gates) onde se reavalia se o projeto deve ou não continuar em frente. Trata-se de uma ferramenta desenvolvida ao longo de anos de estudos de boas práticas de empresas líderes em desenvolvimento de novos produtos. Principais desafios Implantar um processo de decisão sem burocratizar excessivamente os projetos de desenvolvimento não é fácil. Para tanto, é necessário escolher bem os decisores, assegurar a transparência na aplicação dos critérios de avaliação e utilizar regras que deem flexibilidade ao processo. Resultados esperados Por meio do Stage-Gate, a organização conseguirá focar os seus recursos escassos na execução dos projetos de maior potencial. Por um lado, isso significa evitar desperdícios em projetos incapazes de gerar valor, por outro, obtêm-se maiores ganhos assegurando o sucesso dos projetos que realmente são importantes. Dezembro ELO Group Página 2

3 Problema: Quando um projeto não deve ser executado A execução de projetos de desenvolvimento é essencial para que uma organização possa manter a sua vantagem competitiva. É por meio deles que ela melhora continuamente os seus produtos, serviços e processos, cria e aproveita oportunidades de novos negócios. Quanto a isto, não há o que ser discutido, no entanto, isso não significa que uma organização deve simplesmente maximizar a quantidade de projetos em seu portfólio. Um tópico extremamente importante mas muitas vezes negligenciado se refere à identificação dos projetos que não devem ser executados. Projetos consomem recursos, não só dinheiro, como também tempo e esforço. Tais recursos são finitos e precisam ser aproveitados da melhor forma possível. Tente realizar um número de projetos maior do que a sua disponibilidade de recursos e a consequência serão projetos sendo executados sem a devida atenção e dedicação. O resultado mais provável: um grande número de insucessos. Isso não é segredo para qualquer gestor, no entanto, mesmo sabendo disso, são raras as organizações que podem dizer que executam uma quantidade de projetos adequada à sua capacidade. Em outras palavras, o desperdício de recursos preciosos em projetos que simplesmente não deveriam ser executados parece ser a regra e não a exceção. Mas porque isso acontece com tamanha frequência? Dois motivos nos ajudam a entender: É difícil dizer não a uma nova ideia: Demandas de novos projetos podem vir de diversas fontes como: funcionários motivados que trazem ideias inovadoras e que estão ávidos por executar, clientes que apresentam novas necessidades de produtos e serviços, altos gerentes que impõem suas intuições na forma de projetos que foquem desde melhorias pequenas, mas de grande impacto até novos produtos revolucionários. Dezembro ELO Group Página 3

4 Infelizmente, ideias muitas vezes não são tão brilhantes quanto parecem para aqueles que as conceberam. Ou, se são boas ideias, simplesmente não é esse o momento de colocá-las em prática. Como consequência, muitos gestores se veem, recorrentemente, frente a dilemas entre deixar que mais um projeto concorra por recursos escassos e vitais para iniciativas de grande importância para o futuro da organização, desapontar um colaborador exemplar, deixar passar uma oportunidade de negócio ou, até mesmo, dizer não ao seu próprio chefe. Particularmente, quando não se tem uma boa visibilidade sobre quanto tempo cada colaborador está gastando em cada iniciativa da qual participa, dar início a só mais um projeto, pode parecer mais fácil do que realmente é: apenas mais um pequeno esforço com potencial para trazer importantes resultados. É ainda mais difícil dizer não a um projeto em andamento: Uma vez que um projeto é iniciado, coloca-se imediatamente em jogo tanto a imagem daqueles que autorizaram a sua execução, quanto os que ficaram responsáveis por executá-lo. Entretanto, ninguém quer estar associado a uma iniciativa fracassada, seja porque superestimou o seu potencial no caso do gestor que autoriza a sua execução seja porque não foi capaz de tornar esse potencial realidade no caso da equipe do projeto. Além disso, as pessoas tendem a se apegar emocionalmente aos projetos dos quais participam. Tal apego acaba se refletindo em atitudes defensivas, buscando proteger projetos, mesmo quando eles se mostram pouco promissores. Assim, muitas vezes, frente a um projeto que não está trazendo os resultados esperados, para fugir da admissão de uma derrota, a alternativa mais cômoda parece ser simplesmente postergar o encerramento de um projeto. A consequência: o desperdício de recursos que poderiam ser muito melhor aproveitados em outras iniciativas. Base conceitual: Processo estruturado de alocação de recursos Reconhecendo a dificuldade enfrentada pela maioria das organizações em discernir e priorizar os projetos que efetivamente devem ser executados, a literatura de gestão da inovação, recorrentemente, trata da importância de se desenvolver um processo estruturado, por meio do qual os recursos são alocados a cada projeto. As principais características de um processo de alocação de recursos efetivo são as seguintes: Dezembro ELO Group Página 4

5 Disciplina: O processo de alocação de recursos nada mais é do que um processo para tomada de decisões que, como vimos, costumam ser bastante desagradáveis. Para assegurar que os gestores irão revisar todos os projetos e eliminar aqueles que não possuem um potencial adequado, é necessário que haja uma substancial dose de disciplina. Reuniões de avaliação precisam ser feitas periodicamente, incluindo todos os gestores que precisarão disponibilizar recursos necessários à conclusão do projeto. Cada reunião deve ter um roteiro bem definido com critérios objetivos a serem discutidos para se chegar ao resultado final. Nenhuma reunião de avaliação deve terminar sem que se conclua se o projeto deve ou não seguir. Transparência: Se dizer não é ruim, escutar pode ser ainda pior. Qualquer pessoa que já se esforçou para promover uma ideia e não obteve sucesso em angariar o apoio de seus pares ou superiores sabe quão desmotivadora pode ser a experiência. Para impedir que os inevitáveis nãos interrompam o fluxo de novas ideias, é essencial que eles sejam bem justificadas com base em critérios objetivos. Além disso, uma avaliação transparente, com base em critérios bem conhecidos, funciona como um guia para os executores do projeto. Uma vez que as regras do jogo são claras, a equipe responsável pelo projeto pode agir com autonomia para empregar toda a sua energia e criatividade para alcançar ou mesmo superar os resultados esperados pelos avaliadores. Incremental: Projetos de desenvolvimento, tipicamente envolvem incerteza. Para projetos com alta complexidade técnica, é comum que, mesmo após a definição do seu escopo inicial, ainda não se tenha visibilidade, por exemplo, de todas as tecnologias a serem aplicadas no seu desenvolvimento. Ao longo do tempo, contudo, surgirão novas informações, decisões serão tomadas e soluções desenvolvidas. Com isso a incerteza é paulatinamente reduzida. Por outro lado, o comprometimento da organização para com o projeto vai aumentando junto com os gastos realizados para a sua execução. A Figura 1Figura 1 apresenta o risco incorrido por uma organização como um produto da incerteza com relação à execução do projeto vezes quantidade de recursos alocados. Para controlar os riscos, é necessário que o comprometimento de recursos se dê de forma mais lenta do que a redução da incerteza. Dezembro ELO Group Página 5

6 Figura 1 Controlando os riscos em projetos de desenvolvimento Assim, para que a organização não corra riscos desnecessários, a alocação de recursos deve se dar de forma gradual e não como uma decisão pontual do tipo tudo ou nada. Diversas avaliações devem ser realizadas ao longo do andamento do projeto. Com isso, em cada uma delas, pode-se reavaliar, com base nas últimas informações, se o projeto deve ou não prosseguir. Flexibilidade: Sim, criar um processo disciplinado é, de certa forma, aumentar a burocracia existente em uma organização. Afinal, estamos falando de estabelecer novas tarefas a serem realizadas e promover reuniões de controle para a execução do projeto. Para os gestores, isso significa ter de encaixar mais algumas reuniões em uma agenda possivelmente lotada. Para a equipe de projeto, isso se traduz no esforço de se preparar para a avaliação, ou seja, criar mais uma atividade dentro de um cronograma que, via de regra já é apertado. Por esses motivos, apenas reuniões de avaliação realmente essenciais devem ser realizadas. Para projetos estratégicos, como o desenvolvimento de uma importante linha de produtos, isso pode significar um bom número de reuniões, algumas das quais envolvendo toda a alta gestão da organização. Já para iniciativas menores, como pequenos ajustes em um processo de fabricação, uma simples autorização de um gestor pode ser suficiente. Outro ponto importante com relação à flexibilidade está relacionado aos critérios segundo os quais os projetos são avaliados. Projetos de melhoria incremental, quando comparados a projetos de produtos significativamente inovadores, provavelmente apresentarão menor risco, menor necessidade de investimento e um retorno financeiro em menor prazo. No entanto, projetos inovadores são essenciais para o aprendizado de uma organização, sem Dezembro ELO Group Página 6

7 eles o processo de inovação tende a se tornar rapidamente estéril apenas se produzindo mais do mesmo. Por tanto, enquanto alguns projetos podem ser avaliados apenas com critérios financeiros quantitativos como o Valor Presente Líquido (VPL), outros precisarão de análises qualitativas capazes de reconhecer o seu alinhamento à estratégia e o valor do aprendizado que trará à empresa. A ferramenta: Stage-Gate Uma ferramenta amplamente usada para a tomada de decisão com relação à alocação de recursos é o método Stage-Gate. Proposto pela primeira vez pelo pesquisador Robert G. Cooper, o Stage-Gate foi criado com base em uma ampla revisão das boas práticas de desenvolvimento de produtos. Para tanto, foram estudadas empresas inovadoras líderes em seus respectivos mercados. O Stage-Gate nada mais é do que um processo estruturado por meio do qual o projeto é desenvolvido. Esse processo é composto por Estágios (Stages) separados por pontos de avaliação e decisão (Gates). Cada Stage é um conjunto de atividades de desenvolvimento com entregáveis bem definidos. Um modelo de Stage-Gate tipicamente se inicia com Stages mais simples e com um forte caráter de planejamento para, então, evoluir para Stages de maior comprometimento e de caráter executivo. Os Gates, por sua vez, são reuniões onde a equipe de projeto apresenta os entregáveis, desenvolvidos ao longo do último Stage, para uma comissão avaliadora. Essa comissão deve discutir, com base em um conjunto de critérios previamente definidos, se o projeto deve ou não seguir para o próximo Stage. Entre os membros da comissão avaliadora, devem estar pessoas com diferentes backgrounds, permitindo que o projeto seja avaliado sob múltiplos pontos de vista. Além disso, é extremamente importante que todos os gestores com quantidade significativa de recursos a ser comprometida caso o projeto seja aprovado também participem da comissão avaliadora. Os possíveis resultados de um Gate são apresentados na Figura 2Figura 2: Formatada: Tipo de letra: Itálico Formatada: Não verificar ortografia nem gramática Dezembro ELO Group Página 7

8 Figura 2 - Possíveis resultados de um Gate Embora diversos autores tenham proposto diferentes modelos de Stage-Gate, um modelo muito comumente usado, composto por 6 Stages e 5 Gates é representado apresentado na Figura 3Figura 3 e detalhado a seguir: Estágio 0 Geração de ideias: Não se trata de um Estágio de desenvolvimento propriamente dito, mas de coleta de ideias de múltiplas fontes para alimentar o processo de inovação. Formatada: Não verificar ortografia nem gramática Estágio 1 Escopo: Nesse Estágio, as ideias consideradas promissoras são trabalhadas minimamente para que se possa decidir por realizar ou não um estudo mais aprofundado. Normalmente esse Estágio não envolve mais do que uma pessoa trabalhando por até três semanas. Aqui são consultadas apenas fontes de informação facilmente acessíveis. Já o resultado costuma ser não mais do que uma página descrevendo, sucintamente, a oportunidade estudada. Dezembro ELO Group Página 8

9 Figura 3 - Modelo Usual de Stage Gate Estágio 2 Plano de negócio: Trata-se de um estudo mais robusto do projeto a ser desenvolvido. Esse Estágio já deve envolver diversas funções organizacionais com o objetivo de criar um plano que descreva como o projeto será desenvolvido e implantado. Já é esperada uma estimativa inicial dos custos e receitas associados a todo o ciclo de vida do projeto (do início do projeto até a retirada de operação do produto, processo ou serviço desenvolvido). Embora os resultados obtidos aqui ainda tenham um significativo grau de incerteza, eles devem ser suficientes para avaliar a realização de investimentos mais expressivos para a execução do projeto. Este é o último Estágio de planejamento e a qualidade da sua execução é crucial para o sucesso do projeto muito embora, não raramente, seja negligenciada. Estágio 3 Desenvolvimento: Esse Estágio é o primeiro onde se observa uma maior quantidade de investimentos no projeto. Nele o projeto é desenvolvido até que se obtenha um primeiro protótipo do produto, processo ou serviço a ser lançado. Estágio 4 Teste e validação: O protótipo desenvolvido no Estágio anterior é então alvo de uma bateria de testes. Testes técnicos irão aperfeiçoar o projeto e eliminar as suas inadequações, enquanto testes de mercado irão verificar a aceitabilidade e a disposição a pagar dos consumidores alvo pelo novo produto ou serviço. Os resultados deste Stage devem ser um projeto técnico aperfeiçoado e um plano de lançamento. Dezembro ELO Group Página 9

10 Estágio 5 Lançamento: O projeto está pronto para ser lançado. Se os Estágios anteriores foram realizados de forma adequada, muito provavelmente, o resultado desse estágio será o sucesso do novo processo, produto ou serviço. Antes de encerrar a apresentação dessa ferramenta, deve-se chamar a atenção para algumas armadilhas em sua aplicação. Muitas organizações entenderam mal o conceito do Stage-Gate e o implantaram sem qualquer flexibilidade, como uma ferramenta para controlar os projetos de desenvolvimento. Quando isso acontece, a organização experimenta sintomas significativamente danosos. Tais experiências negativas deram origem a diversas críticas à prática do Stage-Gate na literatura de gestão. Entre essas críticas, podemos apontar: Desperdício do tempo precioso dos gestores em Gates que não precisavam ser realizados. Atrasos na execução dos projetos para a realização de atividades desnecessárias ou à espera de Gates postergados devido à falta de agenda dos membros da comissão avaliadora. Projetos sendo realizados por fora do sistema de Stage-Gate. Eliminação dos projetos de caráter inovador do portfólio da empresa. Resistências à implantação de novas práticas de desenvolvimento. Para contornar essas armadilhas, o Stage-Gate deve ser implantado de forma flexível. Isso pode ser feito de duas formas: Criando-se mais de um modelo de Stage-Gate: projetos mais complexos precisarão passar por uma quantidade de avaliações maior do que projetos mais simples que, por sua vez, deverão ser desenvolvidos de maneira mais ágil e menos burocrática. Além disso, projetos de natureza diferente irão envolver diferentes atividades em seus estágios, além de critérios diferenciados. Todos esses elementos podem ser combinados em um pequeno número de modelos de Stage-Gate. Negociação dos próximos passos a cada Gate: Ao final de cada Gate, uma discussão dos próximos passos permite que a equipe de projeto e a comissão avaliadora decidam se as atividades e entregáveis previstos para o próximo Stage, assim como os critérios de avaliação, são ou não apropriados, podendo-se alterá-los, eliminá-los ou mesmo adicionar novos elementos. Dezembro ELO Group Página 10

11 Dessa forma, contornam-se as críticas apresentadas anteriormente. Pode-se, portanto, aproveitar os ganhos de eficiência provenientes da padronização de qualquer processo, ao mesmo tempo em que evita-se os danos da perda de flexibilidade. Abordagem ELO para a implantação do Stage-Gate Em nossas atividades de consultoria, a ELO já trabalhou com práticas de Stage-Gate em organizações de diversos setores industriais, indo desde energia e mineração até meios de pagamento. A abordagem da ELO para a implantação de modelos de Stage-Gate se dá a partir das etapas vistas na Figura 4Figura 4 e descritas a seguir: Formatada: Não verificar ortografia nem gramática Figura 4 - abordagem ELO para a implantação do Stage-Gate 1- Entendimento do processo de desenvolvimento atual: Nessa etapa tem-se como objetivo compreender como se dá o processo de desenvolvimento atual, identificando- Dezembro ELO Group Página 11

12 se as práticas e atividades normalmente executadas, a forma como as decisões de alocação de recursos são tomadas e os atores envolvidos. Aqui o processo de desenvolvimento é analisado criticamente, e são identificadas as principais ansiedades dos atores envolvidos e traduzidas em inadequações no processo e oportunidades de melhoria. 2- Definição da tipologia de projeto: Com base em um conjunto de possíveis critérios de classificação, como complexidade técnica, natureza da tecnologia, custos envolvidos, necessidade de envolvimento de diversas áreas, etc. são definidos tipos de projetos a serem tratados em Stage-Gates diferenciados. 3- Construção dos modelos de Stage-Gate: O processo de desenvolvimento atual é comparado com um extenso benchmarking já realizado pela ELO Group para dar origem a um conjunto de modelos de Stage-Gate. Os modelos gerados desta forma irão combinar tanto os requisitos da realidade da organização quanto às melhores práticas comprovadas pela experiência em diversas outras companhias. 4- Implantação assistida: Embora nem sempre seja necessário, damos preferência a só encerrar a nossa atuação no momento em que o novo processo de desenvolvimento estiver funcionando adequadamente. Para tanto, nossos consultores podem se envolver tanto na difusão das novas práticas por meio de treinamentos rápidos, na execução dos primeiros Gates, quanto no desenvolvimento de ferramentas de software que apoiam essa execução. Formatada: Tipo de letra: Itálico Resultados esperados Uma vez implantadas as práticas de Stage-Gate podem-se esperar os seguintes benefícios para a organização: Menos projetos, mais resultados: A organização se tornará capaz priorizar os seus esforços sobre os projetos que efetivamente irão contribuir para a manutenção da sua competitividade tanto no curto e como no longo prazo. Isto significa um portfólio com Dezembro ELO Group Página 12

13 menor número total de projetos, porém com mais projetos bem sucedidos. Em outras palavras: redução de custos e aumento dos ganhos. Projetos de desenvolvimento mais previsíveis: Após um primeiro momento de implantação, a padronização das atividades de desenvolvimento tenderá a tornar a execução dos projetos mais estáveis. Com isso, se tornarão mais exatas as previsões relacionadas às necessidades de recursos humanos e financeiros, bem como do tempo de realização de cada projeto. Isso permite um melhor planejamento da alocação de recursos e, consequentemente, a obtenção de melhores resultados. Processo de desenvolvimento mais eficiente: O desenvolvimento dos modelos de Stage-Gate irá incorporar não só melhores práticas de referência, como também permitirá a correção dos problemas apontados e o aproveitamento das oportunidades de melhoria identificadas. Os resultados são projetos desenvolvidos em menos tempo, com menores custos e melhor alinhados às reais necessidades do mercado. Dezembro ELO Group Página 13

14 Para mais informações sobre aplicar o Stage-Gate em sua empresa: Dezembro ELO Group Página 14 RJ: +55 (21) SP: +55 (11) DF: +55 (61) MG: +55 (31)

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre?

Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Clarity e Nova for PPM da Kalypso Como é possível desenvolver os novos produtos certos na primeira vez e sempre? agility made possible Obtenha as ferramentas e informações necessárias

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos

Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Gerenciamento de Projetos no Marketing Desenvolvimento de Novos Produtos Por Giovanni Giazzon, PMP (http://giazzon.net) Gerenciar um projeto é aplicar boas práticas de planejamento e execução de atividades

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos; - Desenvolver o Plano de Gerenciamento; - Construir um sistema

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo

Integrar para Mudar. T 2 People 2013 www.t2people.com. por Daniel Druwe Araujo Integrar para Mudar por Daniel Druwe Araujo As melhores organizações têm funções competentes para cuidar de aspectos importantes da gestão de pessoas, como a comunicação, o aprendizado e o sistema de consequências.

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com

MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Governança de TI - Aula 2. Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Governança de TI - Aula 2 Lincoln Herbert Teixeira lincolnherbert@gmail.com Projetos Altos investimentos em TI - importante que tenhamos processos eficazes para

Leia mais

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto?

CONHEÇA. nosso. processo. Para você lançar sua Startup. Semana de descoberta. Semana de desenvolvimento. E depois de tudo pronto? CONHEÇA nosso processo Para você lançar sua Startup Semana de descoberta Semana de desenvolvimento E depois de tudo pronto? Acreditamos em uma melhor maneira de começar sua startup De forma Colaborativa,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em:

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em: ARTIGO EM REVISTA Publicado em: CASTRO, Luciano Thomé e ; NEVES, Marcos Fava ; CONSOLI, M. A.. O Médico-Gestor de Vendas. Revista Venda Mais, Curitiba- PR, v. 12/135, p. 16-17, 11 jul. 2005. O Médico-Gestor

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

MS Outlook como Ferramenta de Produtividade.

MS Outlook como Ferramenta de Produtividade. MS Outlook como Ferramenta de Produtividade. O que tem em comum o nosso tempo em geral e a atenção que dedicamos às coisas que nos são importantes? Se a sua resposta passa pela analise do velho problema

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Introdução. 1. Introdução

Introdução. 1. Introdução Introdução 1. Introdução Se você quer se atualizar sobre tecnologias para gestão de trade marketing, baixou o material certo. Este é o segundo ebook da série que o PDV Ativo, em parceria com o Agile Promoter,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos

Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP. Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos EGP MT Escritório de Gerenciamento de Projetos de Mato Grosso TAP Oficina de Elaboração de Termo de Abertura de Projetos SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO CARTILHA DE ELABORAÇÃO DE TERMO DE ABERTURA

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

PMO e Agile Team Um link forte e vital nos projetos O impacto da maturidade nos Projetos de TI

PMO e Agile Team Um link forte e vital nos projetos O impacto da maturidade nos Projetos de TI PMO e Agile Team Um link forte e vital nos projetos O impacto da maturidade nos Projetos de TI Introdução Este artigo é o resultado de minha experiência com projetos de software em empresas do setor público,

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

judgment EM PERSPECTIVA:

judgment EM PERSPECTIVA: EM PERSPECTIVA: judgment As teorias de liderança geralmente estão baseadas em características individuais, como o carisma, influência, ética, entre outras, mas um determinante central da performance de

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia

GESTÃO PÉ NO CHÃO. Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia GESTÃO PÉ NO CHÃO Resultados da pesquisa online realizada com mais de 100 escritórios de advocacia Consultoria especializada no desenvolvimento integral de escritórios de advocacia Nos últimos meses publicamos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais