Governança em gerenciamento de projetos e investimentos de Capital: estudo de. caso na Samarco Mineração S/A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Governança em gerenciamento de projetos e investimentos de Capital: estudo de. caso na Samarco Mineração S/A."

Transcrição

1 Governança em gerenciamento de projetos e investimentos de Capital: estudo de caso na Samarco Mineração S/A. Adriano Smarzaro Siqueira 1 Jose Antonio Souza Neto 2 Alexandre da Mata Reis 3 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar os resultados de pesquisa realizada em 2011para avaliar a aplicação de práticas de governança corporativa no gerenciamento de investimentos de capital, projetos, em uma organização do setor de mineração de ferro brasileiro. São apresentados os principais conceitos relacionados a projetos e governança corporativa, bem como os impactos da lei Sabarnes-Oxley, 2002, sob a gestão de projetos. Como estratégia de pesquisa foi utilizada a metodologia de estudo de caso e aplicado questionário como técnica de coleta de dados. A análise e tratamento de dados foram realizados através de estatística descritiva. Verificou-se que as quatro disciplinas centrais de governança de projetos Gestão de Portfólio; Patrocínio de Projetos, Gerenciamento de Projetos, Prestação de Constas e transparência dos resultados estão presentes no modelo de gestão da organização além da aplicação dos controles necessários para assegurar a acurácia das análises financeiras e fluxos de caixa futuros advindos da conclusão bem sucedida dos projetos de capital. Foi detectada uma discrepância nos recursos e equipes para o gerenciamento de mega projetos em relação aos pequenos e médios que competem entre si por recursos e estão sendo concluídos fora dos prazos e custos planejados. Também foi detectada uma deficiência na priorização dos projetos do portfólio da organização. Palavras-chave: Governança, Efetividade de Investimentos; Projetos 1 Graduado em Engenharia Metalúrgica pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), PMP (PMI-2009), Engenheiro Especialista da SAMARCO Mineração S/A, Mestrado em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos, FEAD-BH, PMP-PMI PhD em Accounting and Finance pela The University of Birmingham (2001). É professor e pesquisador da Fundação Pedro Leopoldo e pesquisador da Faculdade de Estudos Administrativos, FEAD-MG; professor associado da FDC-BH 3 Graduado em Engenharia Mecatrônica, PUC-MG, Engenheiro de Especialista da Samarco Mineração S/A. 1

2 Abstract This paper aims to present the results of research conducted to evaluate the application of corporate governance practices in managing capital investment projects in a brazilian iron ore mining organization in It presents the main concepts related to projects and corporate governance, as well as the impacts of Sabarnes-Oxley Act, 2002, under the management of projects. As a research strategy it was used case study methodology and questionnaire used as a technique for data collection. The analysis and data processing were performed using descriptive statistics. It was found that the four core disciplines of projects governance Portfolio Management, Project Sponsorship, Project Management, Disclosure and reporting are present in the model of management of the organization beyond the application of controls necessary to ensure the accuracy of financial analysis and future cash flows arising from the successful completion of capital projects. It was found a discrepancy in resources and staff to manage mega projects in relation to small and medium that compete for resources and are being completed outside the planned Schedule and cost. It was also noticed a deficiency in the prioritization of projects under the organization portfolio. 1. Introdução São crescentes a importância e o interesse por governança de projetos tanto no meio acadêmico quanto no meio empresarial. De acordo com Muller (2009), os acionistas e todas as demais partes interessadas nas atividades das organizações têm demandado cada vez mais transparência nos resultados de seus investimentos. Essa transparência está em conformidade com padrões estabelecidos para o desenvolvimento de projetos de capital e assertividade no monitoramento de sua execução para garantir a efetividade nos investimentos e, consequentemente, o máximo de retorno possível no capital investido, gerando o valor esperado para a organização. O tema tem levantado discussões entre estudiosos e profissionais da área, dada sua relevância na sustentabilidade das organizações, considerando a competitividade do ambiente de negócios em que as organizações intensivas em capital estão inseridas atualmente. Para Davis-Muffett e Kerr (2005), a boa governança cria conexões entre todos os níveis da organização da estratégia da empresa, impulsionada pelos altos executivos, ao portfólio de projetos dos executivos de linha e os gerentes de programas e projetos para obter resultados a partir de iniciativas concretas no dia-a-dia das empresas. Assim como problemas de gestão da organização podem causar danos à sua imagem e ao seu valor de mercado, como aconteceu nos conhecidos casos das empresas Enron, WorldCom e Societé General, projetos malsucedidos podem colocar a perder todo o esforço estratégico de crescimento e, consequentemente, aumentar os riscos de as organizações não alcançarem seus objetivos (TURNER, 2009). Como uma empresa, um projeto pode ser governado para gerar valor e 2

3 maximizar o retorno aos seus donos ou a todas as partes que nele possuem algum interesse. Para Turner (2009) e Muller (2009, p. 313), uma condição necessária para que os projetos sejam bemsucedidos é que todos os participantes devem enxergá-lo como uma parceria, na qual seus objetivos estejam alinhados e que sejam gerenciados para se obter o melhor resultado para todos. 2. Governança corporativa As práticas de governança corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da empresa, facilitar seu acesso ao capital e contribuir para a sua perenidade. Essas práticas podem conduzir à redução do custo do capital próprio e das taxas de juros dos financiamentos, o que pode aumentar o valor da empresa perante o mercado de capitais (MELO, 2005). O interesse em governança tem crescido rapidamente. Escândalos famosos, como os casos já citados no capítulo 1 desse trabalho, fizeram com que práticas de governança inadequadas e a proteção dos investidores se tornassem assuntos de interesse público na virada do milênio. Esses fatos resultaram numa revisão global das leis e políticas de governança existentes, bem como levaram a novos desenvolvimentos nessa área, como o Sabarnes-Oxley Act (SOX) nos Estados Unidos e o Higgs Report no Reino Unido, que objetivam prevenir eventos semelhantes. Atenção especial é dada ao SOX, que objetiva, entre outros importantes fatores, o conhecimento de riscos financeiros, incluindo aqueles relacionados aos projetos das organizações (MULLER, 2009). De acordo com a OCDE (2009) a governança corporativa é um dos instrumentos determinantes do desenvolvimento sustentável, em suas três dimensões a econômica, a ambiental e a social. O G8, grupo internacional que reúne os sete países mais industrializados e desenvolvidos economicamente do mundo, mais a Rússia, considera a governança corporativa um dos mais novos e importantes pilares da arquitetura econômica global. 2.1 Os valores da Governança Corporativa Andrade e Rossetti (2007) destacam, ainda, os valores como uma das mais importantes dimensões da governança corporativa, pois lhe dão sustentação amarrando concepções, práticas e processos de alta gestão. São eles: Fairness senso de justiça, equidade no tratamento dos acionistas. Respeito aos direitos dos minoritários, por participação equânime com a dos majoritários, tanto no aumento da riqueza corporativa quanto nos resultados das operações, quanto ainda na presença ativa nas assembléias gerais. Disclosure transparências das informações, especialmente das de alta relevância, que impactam os negócios e que envolvem resultados, oportunidades e riscos. 3

4 Accountability prestação responsável de contas, fundamentada nas melhores práticas contábeis e de auditoria. Compliance conformidade no cumprimento de normas reguladoras expressa nos estatutos sociais, nos regimentos internos e nas instituições legais do país. Mais do que nos conceitos, esses valores estão expressos nos códigos de boas práticas, que estabelecem critérios fundamentais na conduta ética que deve estar presente no exercício das funções e das responsabilidades dos órgãos que exercem a governança das companhias. 3. Governança de Projetos Para Weaver (2005a), corporações em todo o mundo estão sendo pressionadas por mudanças legislativas e pelo aumento das expectativas das suas partes interessadas para melhorarem a previsibilidade de suas previsões financeiras e também melhorarem o retorno aos seus acionistas. Essas demandas incidem diretamente na necessidade de uma governança corporativa reforçada. Para cumprir com essas obrigações, as empresas têm sido forçadas a investir fortemente em novos sistemas e processos projetados para alcançarem efetiva governança corporativa. Governança efetiva de projetos é uma peça-chave da governança corporativa. De acordo com Weaver (2007), projetos são tipicamente os catalisadores que geram novas fontes de receita, mais eficiência e mudanças nos negócios que geram mudanças no desempenho global corporativo. Essas mudanças são a base para a previsão de receita, despesas e lucratividade futuras que precisam ser prontamente divulgadas para o mercado. Weaver (2005b) acrescenta que duas forças paralelas estão orientando as corporações listadas na maioria das bolsas de valores mundiais a reavaliarem e fortalecerem seus sistemas de governança corporativa e de projetos. A primeira força é a necessidade de melhorar a previsibilidade das dotações financeiras oriundas diretamente de requisitos legais que incluem a Sabarnes-Oxley nos EUA, Corporate Law Economic Reform Program (CLERP 9) 2004 na Austrália e o New Zeland International Financial Reporting Standard (NZIFRS) na Nova Zelândia. A segunda e, sem dúvida, mais importante força é o aumento do ativismo dos acionistas e a necessidade de aumentar os retornos em seus investimentos para que mantenham o valor de suas ações nos mercados cada vez mais voláteis. Como consequência da necessidade de transparência entre as partes interessadas nos projetos de capital, notoriamente proprietário, acionistas e clientes, em relação aos resultados efetivos da implantação desses projetos, torna-se cada vez mais importante a consolidação das práticas saudáveis de governança aplicadas à gestão dos projetos. Para Davis-Muffett e Kerr (2005), a boa governança cria conexões entre todos os níveis da organização da estratégia da empresa, impulsionada pelos altos executivos, ao portfólio de 4

5 projetos dos executivos de linha e os gerentes de programas e projetos para obter resultados a partir de iniciativas concretas do dia-a-dia das empresas. Assim como problemas de gestão da organização podem causar danos à sua imagem e ao seu valor de mercado, projetos malsucedidos podem colocar a perder todo um esforço estratégico de crescimento e, consequentemente, aumentar os riscos de as organizações não alcançarem os seus objetivos (TURNER, 2009). 3.1 Projeto como Organização temporária Projeto é uma organização temporária e por isso também precisa de uma estrutura de governança. Turner (2009, p. 312) adaptou a definição de governança corporativa a projetos: A governança de um projeto envolve um conjunto de relacionamentos entre o gerenciamento de projetos, os seus patrocinadores (conselho executivo), os donos dos projetos e outras partes interessadas. A governança de projetos fornece a estrutura através da qual os objetivos do projeto são selecionados e os meios de alcançá-los e também como o desempenho será monitorado. De acordo com a Association for Project Management, APM, governança de projetos referese à parte da governança corporativa que trata especificamente das atividades relacionadas aos investimentos de capital ou projetos. Governança efetiva de gerenciamento de projetos garante que o portfólio de investimentos e projetos da organização está devidamente alinhado à sua estratégia e que este será entregue de forma eficiente e sustentável. Ainda de acordo com a APM, a governança de gerenciamento de projetos também dá suporte à maneira a partir da qual o conselho de administração e as demais partes interessadas nos projetos recebem informações relevantes e confiáveis no momento oportuno. Dinsmore e Ribeiro (2007) afirmam que enquanto a boa gestão de projetos não pode salvar uma empresa de uma estratégia mal concebida, a gestão de projetos ineficiente pode prejudicar uma boa estratégia. Além disso, os autores informam que, uma vez que a implementação efetiva de combinação certa de projetos certos é imperativo para as organizações sobreviverem e prosperarem, é fundamental que os CEOs se assegurem de que a governança adequada esteja definida para o gerenciamento de projetos por toda a organização. No seu nível mais elevado, a governança de projetos envolve um conjunto de relacionamentos entre a diretoria, acionistas e outros grupos de interessados. A partir de mecanismos de governança, uma organização determina não somente seus objetivos estratégicos e operacionais, mas também cria as condições para assegurar que processos, 5

6 procedimentos, práticas e estruturas organizacionais adequadas estejam implantadas para alcançar os objetivos estabelecidos e controlar o seu alcance. A governança de gestão de projetos define estes relacionamentos e políticas aplicadas à gestão de múltiplos projetos em uma organização. Além disso, estabelece os processos e procedimentos necessários para assegurar a gestão adequada de projetos estratégicos. Ainda de acordo com Dinsmore e Ribeiro (2007), os CEOs estão sendo constantemente desafiados a transformar estratégias em resultados. No entanto, resultados dependem de efetiva implementação dos projetos certos. Os CEOs precisam comprovar que sob a governança corporativa esteja contemplada uma política de governança para a gestão efetiva dos projetos estratégicos. Muller e Stawicki (2007) informam que muito tem sido publicado e pesquisado sobre as práticas que levam ao sucesso no gerenciamento de projetos. Pesquisas recentes mostram que, em geral, existem três forças que impactam e determinam a qualidade do gerenciamento de qualquer projeto específico. São elas: Educação: a educação impacta o nível de habilidade e conhecimento de gerenciamento de projetos do gerente de projeto. Gerentes de projetos mais bem treinados possuem melhor repertório de métodos, ferramentas e técnicas para gerenciar projetos e seus problemas inerentes de gestão. Essa força determina o que pode ser feito pelo gerente de projeto. Demandas de gerenciamento: a gestão corporativa determina a medida que as práticas de gestão de projetos específicos são exigidos, por exemplo, por patrocinadores, steering groups, gestores de programas ou outras linhas de função que supervisionam os gerentes de projetos. Pressão econômica percebida: a força mais prejudicial de todas. Ela é a percepção dos gerentes de projetos sobre a sua saúde econômica, por exemplo: desvios de custos e a consequente pressão que isso exerce sobre o projeto. 3.2 Sistema de Governança de Projetos De acordo com Weaver (2005a), diretores e gerentes seniores responsáveis pela efetiva governança de quase todas as organizações estão percebendo a sua carga de trabalho aumentar. Embora o status financeiro das organizações ainda seja seu principal foco, outros itens estão ganhando crescente importância como sustentabilidade, responsabilidade social e governança. O papel que esses gestores desempenham está também crescendo em importância, dado que governos, acionistas, a mídia e o público em geral buscam responsabilidade pelas falhas. 6

7 Weaver (2005b) sugere os quatro elementos de um sistema efetivo de governança de projetos, como se segue: Cultura de abertura e prestação de contas responsável; metodologia efetiva de gerenciamento de projetos; pessoas para fazerem o sistema trabalhar efetivamente; software para rápida assimilação de dados e relatórios Weaver sumariza os elementos-chave para a obtenção de uma governança efetiva de projetos: Filosofia corporativa global como sendo a necessidade de internalizar processos de melhores práticas (exemplo, OPM3, PMI), a necessidade de reconhecer e gerenciar os riscos e as incertezas inerentes a cada projeto, a partir de uma gestão efetiva de riscos e necessidade de cultivar a comunicação aberta e honesta. Pessoas habilitadas para planejar e gerenciar portfólios, programas e projetos: O valor do PMO, a necessidade de reconhecimento de carreira em projetos. Tecnologias de suporte: Sistema de gestão de projetos da empresa; portais Web; integração com outros sistemas corporativos; emissão de dados de projetos. Weaver (2005ª) acrescenta que os elementos centrais da governança de projetos são: Gestão de portfólio; Patrocínio de projetos; Gerenciamento de projetos; Transparência e prestação de contas. 3.3 Guia de boas práticas de governança de projetos De acordo com Muller (2009), existem quatro grupos de guias para governança de gerenciamento de projetos: Guias desenvolvidos e negociados por empresas de consultorias; guias desenvolvidos internamente pelas organizações; guias desenvolvidos por organizações profissionais; guias desenvolvidos por organizações governamentais A principal representante das categorias de guias de governança desenvolvidos por organizações profissionais e por organizações governamentais é da Association for Project Management. A APM desenvolveu o guia para governança de projetos, Directing Change: A Guide to Governance of Project Management (APM, 2004). É um dos primeiros, e únicos, trabalhos sobre esse assunto e foi elaborado com base na definição da OCDE de governança e define governança de gerenciamento de projetos como sendo a parte da organização em que governança corporativa e de projetos se sobrepõem. Escrito sob a perspectiva das responsabilidades 7

8 e atribuições do conselho de administração, os seus objetivos incluem a conformidade com os requisitos da SOX. Esse guia busca orientar a diretoria das organizações a como tratar os quatro principais componentes da governança de projetos: portfólio; patrocínio de projetos (sponsorship); efetividade e eficiência de gerenciamento de projetos; transparência e prestação de contas. Nesse guia a APM sugere que a boa governança de projetos deve garantir: Claro relacionamento entre estratégia corporativa e os objetivos dos projetos; Clara liderança e propriedade da alta administração; Envolvimento com stakeholders; Competência organizacional para gestão de projetos; Conhecimento e contato estreito com a indústria fornecedora; Avaliação dos projetos baseada nos valores da organização e não apenas em custo de capital do projeto; Foco no desdobramento em forma gerenciável de desenvolvimento e implementação de projetos. Muller (2009) afirma que, atualmente, com os modernos regimes de conformidade com padrões de excelência, os diretores têm o dever de serem capazes de prever os fluxos de caixa futuros do negócio que comandam. Isso requer que sejam capazes de prever os riscos de ultrapassar os orçamentos planejados para os projetos bem como os retornos futuros a partir da implantação de megaprojetos, programas e portfólios. Para alcançar os objetivos citados, o guia da APM sugere 11 princípios de boa governança no gerenciamento de projetos, como segue: 1. A diretoria da organização deve assumir a responsabilidade total da governança dos projetos. 2. Definir claramente papéis, responsabilidades e critérios de desempenho para projetos, programas e também portfólios. 3. Os critérios de governança, suportados por métodos e controles apropriados, devem ser aplicados durante todo o ciclo de vida dos projetos. 4. Membros dos comitês de autorização - delegated authorization bodies - devem ter representação suficiente, autoridade, competência e recursos para tomar decisões pelas quais sejam responsáveis. Comitês de autorização normalmente incluem Steering Committees de programas ou projetos, patrocinador-sponsor, proprietário, administrador e gerente de projeto; Comitê de seleção de portfólio 6. A justificativa econômica do projeto, business case, deve ter o suporte de dados concretos e realistas para gerar uma base confiável nas tomadas de decisões de autorização dos projetos. 7. Os projetos possuem um plano contendo os pontos de autorização definidos, no qual o business case será revisado e aprovado. As decisões tomadas nas autorizações são registradas e comunicadas. 8

9 8. Indicadores-chave de desempenho (Key Performance Indicators - KPI) devem estar claramente definidos para relatar adequadamente o progresso do projeto bem como avaliar riscos e potenciais problemas. 9. A diretoria e seus agentes nos projetos decidem quando auditorias independentes de projetos são necessárias e as executam conforme demanda. 10. Stakeholders dos projetos estão envolvidos em nível apropriado à sua importância de tal forma que promovam confiança e cooperação. 11. A organização deve fomentar uma cultura de melhoria contínua que possibilite discussão franca e divulgação de informações dos projetos. De acordo com Turner (2009), em função do moderno regime de conformidade, o conselho e a alta administração das organizações precisam ter mais interesse no gerenciamento dos projetos do que tradicionalmente tem acontecido e promover relacionamento coerente e sólido entre a estratégia corporativa e o portfólio de projetos. Muitos dos princípios de governança de projetos listados no guia da APM são consistentes e amparados pela SOX Instituições responsáveis pela governança de projetos Muller (2009) afirma que o principal objetivo da governança de projetos é a entrega previsível e consistente de portfólios, programas e projetos de acordo com as suas contribuições para a estratégia corporativa e as expectativas dos stakeholders. Esse objetivo é alcançado pela aplicação coerente e consistente dos papéis e responsabilidades da governança pelos mais variados níveis gerenciais em toda a organização. Assim, o propósito das estruturas de governança é o alinhamento dos objetivos dos diferentes níveis de gerenciamento da organização para que o planejamento e execução dos projetos sejam mais eficientes e efetivos, respeitando os limites da governança corporativa. Os objetivos da governança de projetos incluem: Fomentar uma cultura organizacional que permita execução bem-sucedida de projetos; priorização de projetos que permita o melhor uso de recursos; identificação de projetos em problemas, resgate, suspensão ou, ainda, término de projetos, quando apropriado. Governança, então, define os processos, papéis e responsabilidades dos atores nas diferentes instituições internas que desempenham a governança corporativa Diretoria/ Conselho de Administração Esse é o nível mais alto de gerenciamento na organização e onde se origina a governança. A diretoria deve encontrar o equilíbrio entre programas e projetos da organização. A distinção aqui é 9

10 feita para evidenciar que o projeto é a maneira pela qual organizações executam suas atividades e os programas abordam os recursos e habilidades necessários aos gerentes para executarem os projetos. Decisões do conselho de administração sobre a governança de projetos incluem formulação da estratégia que irá identificar o tipo, a quantidade e o escopo dos vários projetos necessários à implementação da estratégia. Essas informações são levadas à gestão de portfólio para a tomada de decisão sobre quais projetos serão aceitos, suspensos, continuados ou terminados. Além disso, é necessário tomar decisões sobre equipe de gerenciamento de projetos, definição de sponsors de projetos e programas, gerentes de projetos e programas, funções do PMO, estruturas de comunicação, como transparência e relatórios de progresso dos projetos. Muller (2009) destaca que é fundamental que o conselho decida sobre essas questões, bem como defina claramente a política para gerenciamento de projetos e programas e a disponibilize por todos os níveis gerenciais da organização Gestão de portfólio De acordo com o PMBOK (2008), portfólio é um conjunto de projetos ou programas e outros trabalhos para facilitar o gerenciamento eficaz desse trabalho a fim de atender aos objetivos estratégicos de negócios. Os programas e projetos do portfólio podem não ser necessariamente interdependentes ou diretamente relacionados. Turner (2009) define portfólio como um conjunto de projetos que compartilham recursos em comum. Esses recursos podem ser dinheiro ou pessoas e também dados, informações e tecnologias. E acrescenta que portfólio é um conjunto de projetos em torno de habilidades e recursos necessários à execução desses projetos. Os projetos não precisam estar relacionados, mas os recursos, sim. As decisões da governança no nível de portfólio incluem a aeitação de projetos para o portfólio, baseado na estratégia e capacidades da organização, priorização de projetos, definição de prazo de duração (início e fim), suspensão e término de projetos, alocação de recursos baseada na priorização dos projetos, identificação de gargalos de competência, habilidades ou outros recursos estratégicos que podem colocar em risco a entrega de projetos no portfólio e definição de estratégias para tratamento e mitigação de quaisquer riscos, problemas e situações conflituosas no portfólio Sponsor e Steering Groups De acordo com o PMBOK (2008), sponsor ou patrocinador é a pessoa ou grupo que fornece os recursos financeiros, em dinheiro ou espécie, para os projetos. Informa também que quando o projeto é concebido pela primeira vez, o sponsor (patrocinador) o defende e serve de porta-voz para os níveis gerenciais mais elevados, buscando obter o apoio de toda a organização e promover os benefícios que o projeto trará. 10

11 Para Muller (2009), sponsor é um gerente para quem a organização provê financiamento para que o projeto seja desenvolvido. Sendo a organização a principal beneficiária dos resultados dos projetos, o sponsor é, portanto, a pessoa mais interessada no sucesso do projeto. Ainda de acordo com Muller, Steering Groups, Steering Committees ou, ainda, Project Boards são comitês formados para implementar a governança de projetos. Tipicamente esses comitês são presididos pelos sponsors. O PRINCE2 sugere que esse comitê seja formado, minimamente, pelo sponsor e pelo gerente do projeto. Mas normalmente também fazem parte dele os gerentes que representam os usuários dos resultados dos projetos, os principais stakeholders, a alta administração da empresa, além de outros membros sob demanda. Projetos patrocinados são selecionados para execução. Na maioria dos projetos industriais o sponsor é o presidente do steering group, devido ao sponsor estar mais diretamente ligado aos estudos de viabilidade do projeto. Por isso, de acordo com Muller, o steering group é, em última análise, o responsável pelo sucesso do projeto e se constitui a instância de governança mais próxima da execução dos projetos. Eles indicam o gerente de projetos, selecionam os parâmetros de orçamento, prazo, critérios de sucesso (por exemplo, níveis de qualidade) e definem as metas a serem atingidas dentro desses limites. O sponsor ou o steering group, então, executam a governança, provendo recursos, controlando os projetos pelo uso dos planos definidos, milestones de projeto (marcos), controle de mudanças e das entregas e, finalmente, pela aceitação do projeto ao seu final. Além disso, eles também oferecem aconselhamento e orientação aos gerentes de projetos. Durante o ciclo de vida do projeto os gerentes de projetos se reportam aos steering groups Project Management Office (PMO) De acordo com o PMBOK (2008), PMO ou escritório de projetos é um corpo ou entidade organizacional à qual são atribuídas várias responsabilidades relacionadas ao gerenciamento centralizado dos projetos sob seu domínio. Pode ser responsável por funções de apoio ao gerenciamento de projetos e também diretamente pelo gerenciamento do projeto. O PMO pode oferecer, mas não se limita a: serviços de suporte administrativo como políticas, modelos e metodologias; treinamento, aconselhamento e orientação de gerentes de projetos; suporte, orientação e treinamento em relação a como gerenciar projetos e como utilizar as ferramentas; alinhamento dos recursos humanos dos projetos e/ou comunicação centralizada entre gerentes de projetos, sponsors, gerentes funcionais e outras partes interessadas. De acordo com Muller, pode-se ter PMO tático e estratégico. O objetivo do PMO estratégico é estabelecer as metas a serem alcançadas nos resultados de gerenciamento de projetos. Os objetivos principais do PMO estratégico são medições de Balanced Scorecard corporativo como 11

12 número de projetos em perigo ou receita em risco devido a projetos com problemas. A classificação de projetos por cores normalmente segue o seguinte padrão: Verde: status geral do projeto correto; amarelo: desvio de planos, projeto necessita de atenção; vermelho: desvio sério dos planos, projeto em perigo de falha. Já o PMO tático é o responsável por prover os meios pelos quais os projetos alcançarão seus objetivos. O PMO tático trabalha com os gerentes para garantir que os projetos utilizem amplamente as ferramentas, processos, técnicas e outras funções de gerenciamento. Embora seja tático, esse PMO normalmente também oferece treinamento e serviços de consultorias para os gerentes de projeto (ENGLUD; MULLER, 2005). Embora o PMO tático não esteja presente em todas as organizações, ele é importante instância de governança para a qualidade da execução dos projetos. Eles têm ótima visão sobre os projetos, suas forças e fraquezas durante a execução que os capacitam a realizar treinamentos ou outras melhorias que geram bom retorno nos investimentos. 3. Delineamento da Pesquisa 3.1. Caracterização da pesquisa A definição dos objetivos apresentados na introdução levou à decisão por um estudo qualitativo-quantitativo a ser desenvolvido por meio de um estudo de caso baseado nos resultados alcançados na gestão de projetos de capital na empresa descrita. Quanto aos fins, a pesquisa teve caráter descritivo e procurou compreender o fenômeno como um todo, valorizando o contato direto do pesquisador com o ambiente no qual a situação será estudada. Já quanto aos meios, a pesquisa se caracterizou como um estudo de caso. Além disso, a pesquisa a realizada também teve abordagem quantitativa que, de acordo com Collins e Russey (2005), constitui um tipo de pesquisa que envolve coletar e analisar dados numéricos e aplicar testes estatísticos. A metodologia quantitativa considera que os dados podem ser quantificáveis o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Esse tipo de pesquisa requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, análise multivariada, entre outros) (MINAYO, 2007) Unidade de análise e população pesquisada. A unidade de análise é a Samarco Mineração S/A uma empresa do ramo de mineração de ferro no Brasil, situada em Minas Gerais, que, na ocasião da pesquisa, contava com cerca de empregados distribuídos pelas suas unidades industriais. Além disso, a Samarco foi escolhida como 12

13 unidade de pesquisa por possuir um sistema de gestão de projetos que possibilita a análise à luz da literatura verificada. Os sujeitos de pesquisa são empregados da Samarco: diretor presidente, diretor financeiro, diretor comercial, gerentes gerais, gerentes, representantes dos acionistas da empresa, representantes do PMO, gestores de projetos de capital, engenheiros de projeto e especialistas qualificados para responderem a questões relativas às necessidades do estudo. Logo, a constituição do grupo de sujeitos baseia-se na identificação da população-alvo de profissionais da Samarco que têm a experiência e o conhecimento necessários para responder às questões de interesse do estudo. Optou-se por realizar o censo da população-alvo devido à facilidade de acesso aos profissionais e ao tamanho relativamente reduzido da população Instrumento e procedimento de coleta de dados Para esta pesquisa, foi utilizado, inicialmente, o levantamento de documentos, que se refere à observação indireta (CASTRO, 2006) realizada a partir da coleta de documentos internos, anuais, sistemas e outros documentos que abordam questões relativas à gestão de projetos e governança corporativa na empresa que doravante será chamada de Samarco. Para a análise quantitativa, foi realizado levantamento de dados com uso de um instrumento de coleta, que é o questionário enviado aos profissionais de diferentes áreas relacionadas à gestão de projetos mencionados. O objetivo do questionário foi capturar o nível de adesão da gestão de projetos da empresa estudada às práticas de governança preconizadas pela APM, descrito em capítulo específico deste trabalho. Além disso, foi também utilizado para obter de gerentes gerais, gerentes e coordenadores de projetos informações sobre o processo de gestão de projetos na empresa, sua percepção da intenção da alta administração e sua experiência com a maturidade do processo e seus resultados. 5. Conclusão 5.1 Perfil dos profissionais da pesquisa O perfil dos profissionais quanto à posição na empresa e características pessoais é apresentado a seguir. Para evitar grupos com quantidade muito reduzida, o que poderia comprometer a confidencialidade das respostas individuais, agruparam-se algumas categorias para uso nas estratificações das respostas. A TAB. 2 apresenta os cargos da empresa que participam de projetos de capital, com mais participação de engenheiros especialistas, gerentes gerais e engenheiros de processo. 13

14 TABELA 2 - Distribuição dos profissionais por cargo Número de Profissionais Porcentagem (%) Engenheiro Especialista 12 20,3 Gerente Geral 12 20,3 Engenheiro de Processos 10 16,9 Analista 7 11,9 Coordenador 6 10,2 Gerente 5 8,5 Engenheiro de Projetos 3 5,1 Engenheiro de Manutenção 2 3,4 Projetista 2 3,4 A TAB. 3 mostra que a área de atuação mais presente, que abrange praticamente 50% dos profissionais, é a área de projetos. O escritório de projetos (PMO) participa com cinco profissionais e os demais atuam em oito áreas distintas, com representantes de grande parte das áreas funcionais da empresa. TABELA 3 - Distribuição dos profissionais por área Número de Profissionais Porcentagem (%) Projetos 29 49,2 Engenharia 6 10,2 PMO 5 8,5 Financeiro 4 6,8 Operação 4 6,8 Suprimentos 4 6,8 Manutenção 3 5,1 RH 2 3,4 Gestão 1 1,7 Riscos 1 1,7 Na TAB. 4 tem-se o resumo do tempo de experiência dos profissionais em projetos de capital. O tempo de experiência foi bastante variável, com mínimo de menos de um ano e o máximo de 37 anos. Em média, o tempo foi de 6,8 anos, com desvio-padrão de 6,5 anos. TABELA 4 - Tempo de experiência em projetos de capital (anos) Número de Porcentagem Porcentagem (%) Profissionais Acumulada (%) Até 3 anos 21 35,6 35,6 4 a 9 anos 23 39,0 74,6 Acima de 9 anos 15 25,4 100,0 Mínimo: 0 anos Máximo: 37 anos Média: 6,8 anos Desvio-Padrão: 6,5 anos A maioria dos profissionais (86%) que participaram da pesquisa não possui certificação PMP, como se pode observar na TAB. 5. TABELA 5 - Relação dos profissionais que possuem certificação PMP Número de Profissionais Porcentagem (%) Não 51 86,4 Sim 8 13,6 14

15 Observou-se também que os profissionais com a certificação PMP possuem experiência média entre cinco e 10 anos. O gênero masculino está muito mais presente na população de profissionais, representando quase 80% do total. Essa concentração ocorre na empresa como um todo. TABELA 6 - Gênero dos profissionais Número de Profissionais Porcentagem (%) Masculino 47 79,7 Feminino 12 20,3 5.2 Adesão da Samarco às disciplinas de Governança e Projetos A TAB. 7 e o GRAF. 6 mostram a síntese dos resultados da avaliação das quatro disciplinas de Governança de Projetos de Capital. Na opinião dos profissionais, todas as disciplinas estão presentes na empresa em níveis razoáveis, com as melhores práticas de gestão percebidas nas disciplinas Transparência e relatórios e Portfólio de projetos. A disciplina Patrocínio de projetos apresentou o nível mais baixo, com desempenho pouco acima da metade da escala de avaliação utilizada. TABELA 7 - Percepção global da adesão da Samarco às disciplinas de Governança e Projetos (em ordem decrescente de escore médio) Projetos GRÁFICO 6 Avaliação global da adesão da Samarco às disciplinas de Governança e Percepção do Nível de Adesão às Disciplinas de Governança de Projetos 68,6 67,2 Transparência e Relatórios Portfólio de Projetos 59,6 Gerenciamento de Projetos 54,3 Patrocínio de Projetos 5.3 Percepção acerca da disciplina Portfólio de projetos Essa disciplina obteve escore médio de 67,2. Há dois critérios com bom desempenho na disciplina Portfólio de Projetos: os projetos do portfólio estão alinhados aos objetivos estratégicos estabelecidos pela organização (escore 81,0) e a organização aplica planejamento, controles 15

16 financeiros e processos de revisão dos investimentos ao portfólio de projetos (escore 75,0). Os demais critérios têm níveis de adesão razoáveis, com menos desempenho observado para o portfólio de projetos é consistente com a capacidade (recursos) da organização (escore 56,4). A TAB. 8 apresenta os resultados de cada critério da disciplina Portfólio de projetos em ordem decrescente de desempenho. TABELA 8 - Percepção da adesão à disciplina Portfólio de projetos Disciplina Portfólio de Projetos Respostas Válidas Escore Médio Mínimo Máximo Desvio- Padrão 57 67, ,6 Os projetos do portfólio estão alinhados aos objetivos estratégicos estabelecidos pela organização , ,3 A organização aplica planejamento, controles financeiros e processos de revisão dos investimentos ao portifólio de projetos , ,6 O envolvimento da organização com clientes e mercados motiva o portfólio de projetos , ,6 A organização separa corretamente atividades que devem ser tratadas como atividades de projetos das atividades de operação. A organização garante que os impactos da implantação dos projetos são conhecidos, aprovados e bem aceitos pelas operações , , , ,7 O portfólio de projetos é priorizado, revisado, mantido e avaliado de forma que o mix de projetos suporte a estratégia e considere questões externas , ,5 A organização avalia e trata os riscos associados ao portfólio de projetos, inclusive o risco de falência corporativa. O portfólio de projetos é consistente com a capacidade (recursos) da organização , , , ,7 5.4 Percepção da disciplina Patrocínio de projetos A disciplina Patrocínio de projetos apresentou o mais baixo nível de adesão às melhores práticas de governança de projetos de capital, obtendo escore de 54,3. Os resultados de cada critério que compõe essa disciplina são apresentados na TAB. 9, em ordem decrescente de desempenho. Há um critério com bom desempenho: Todos os grandes projetos (tipo D - acima de R$ 100 milhões) têm sponsors dedicados (com participação efetiva) (escore 78,0), 11 critérios com desempenho razoável (escore entre 50,0 e 75,0) e quatro com desempenho ruim (escore abaixo de 50,0). Considerando que as principais métricas dessa disciplina de governança de projetos estão relacionadas aos indicadores de desempenho dos projetos custo, prazo e escopo, percebe-se que essa disciplina foi fortemente impactada pelo mau desempenho desses critérios. Um aspecto que se destaca é o contraste entre as práticas adotadas para os grandes projetos (tipo D - acima de R$

17 milhões) e os projetos B e C (abaixo de R$ 100 milhões, especialmente em relação à participação efetiva dos sponsors). TABELA 9 - Percepção da adesão à disciplina Patrocínio de projetos Disciplina Gerenciamento de Projetos A maturidade dos projetos é avaliada como critério de aprovação nos portões internos. Os projetos tipo D possuem estrutura e equipe apropriadas para o seu desenvolvimento. A organização dispõe de metodologia eficiente sistematizada para avaliação do nível de maturidade dos projetos. As contingências dos projetos são estimadas e controladas por pessoal competente. O PMO promove capacitação efetiva aos gestores de projeto garantindo disseminação do conhecimento sobre gestão de projetos. Os gerentes/gestores dos projetos são motivados a desenvolver oportunidades para melhorar os resultados dos projetos. As práticas de gerenciamento de riscos e gestão de mudanças implantadas para projetos estão em linha com as políticas da organização. A autoridade em projetos é delegada no nível adequado, equilibrando eficiência e controle. A diretoria da organização garante que as pessoas responsáveis pela entrega dos projetos, especialmente os gerentes de projetos, são claramente definidos, possuem a competência necessária e tem capacidade para gerar os resultados esperados. Todos os projetos possuem indicadores de desempenho definidos e esses são utilizados no processo de tomada de decisão e na correção dos desvios em relação ao planejamento original. A área de suprimentos de projetos tem capacidade suficiente para prover os recursos e serviços demandados pelos projetos. Os papéis e responsabilidades-chave do PMO estão claramente definidos e difundidos por toda organização. A filosofia de controle de projetos está claramente internalizada na organização. O PMO garante estrutura, processos e ferramentas apropriados para o desenvolvimento (planejamento, gerenciamento e execução) de projetos B e C. Os projetos tipo B e C possuem estrutura e equipe apropriadas para o seu desenvolvimento. Respostas Válidas Escore Médio Mínimo Máximo Desvio- Padrão 56 59, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 5.5 Percepção acerca da disciplina Gerenciamento de projetos A disciplina Gerenciamento de projetos apresentou o segundo mais baixo nível de adesão às melhores práticas de governança de projetos de capital. Há dois critérios com bom desempenho 17

18 (escore acima de 75,0), 12 com desempenho razoável (escore entre 50,0 e 75,0) e um com desempenho ruim (abaixo de 50,0). Similar à disciplina Patrocínio de projetos, percebe-se grande contraste entre a prática adotada para os grandes projetos (tipo D - acima de R$ 100 milhões) e os projetos B e C (abaixo de R$ 100 milhões), com destaque para diferença de percepção em relação à estrutura e equipe apropriadas ao seu desenvolvimento. TABELA 10 - Percepção da adesão à disciplina Gerenciamento de projetos Disciplina Gerenciamento de Projetos A maturidade dos projetos é avaliada como critério de aprovação nos portões internos. Os projetos tipo D possuem estrutura e equipe apropriadas para o seu desenvolvimento. A organização dispõe de metodologia eficiente sistematizada para avaliação do nível de maturidade dos projetos. As contingências dos projetos são estimadas e controladas por pessoal competente. O PMO promove capacitação efetiva aos gestores de projeto garantindo disseminação do conhecimento sobre gestão de projetos. Os gerentes/gestores dos projetos são motivados a desenvolver oportunidades para melhorar os resultados dos projetos. As práticas de gerenciamento de riscos e gestão de mudanças implantadas para projetos estão em linha com as políticas da organização. A autoridade em projetos é delegada no nível adequado, equilibrando eficiência e controle , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 A diretoria da organização garante que as pessoas responsáveis pela entrega dos projetos, especialmente os gerentes de projetos, são claramente definidos, possuem a competência necessária e têm capacidade para gerar os resultados esperados , ,4 Todos os projetos possuem indicadores de desempenho definidos e esses são utilizados no processo de tomada de decisão e na correção dos desvios em relação ao planejamento original. A área de suprimentos de projetos tem capacidade suficiente para prover os recursos e serviços demandados pelos projetos. Os papéis e responsabilidades-chave do PMO estão claramente definidos e difundidos por toda organização. A filosofia de controle de projetos está claramente internalizada na organização. O PMO garante estrutura, processos e ferramentas apropriados para o desenvolvimento (planejamento, gerenciamento e execução) de projetos B e C. Os projetos tipo B e C possuem estrutura e equipe apropriadas para o seu desenvolvimento , , , , , , , , , , , ,0 5.6 Percepção da disciplina Transparência e relatórios 18

19 Essa disciplina apresentou o melhor nível de adesão às melhores práticas de governança de projetos de capital, obtendo escore de 68,6. Há dois critérios com bom desempenho (escore acima de 75,0) e os demais apresentaram desempenho razoável (escore entre 57,8 e 75,0). As práticas com melhor desempenho referem-se ao papel da diretoria de informar adequadamente os acionistas sobre o status do projeto/ portfólio e verificar as informações reportadas quando apropriado. Além disso, a empresa aplica os controles financeiros aos projetos em todos os níveis. Um critério fundamental para a boa avaliação dessa disciplina é o fato de serem os líderes da empresa os responsáveis pela validação das avaliações financeiras e econômicas dos projetos, pois estes participam ativamente da avaliação de maturidade dos projetos nos portões de aprovação internos para submissão aos comitês de governança junto aos acionistas. TABELA 11 - Percepção da adesão à disciplina Transparência e relatórios Disciplina Transparência e Relatórios Respostas Válidas Escore Médio Mínimo Máximo Desvio- Padrão 59 68, ,5 A diretoria informa adequadamente os stakeholders - chave (acionistas) sobre o status dos projetos/portfólio , ,5 A diretoria verifica as informações reportadas sobre os projetos/programas e portfólio quando apropriado. Existe uma política eficiente de suporte a autores de denúncias de comportamentos antiéticos em ambientes de projetos. A diretoria recebe no tempo certo informações confiáveis e relevantes sobre as previsões do projeto (project forecasts ) nos portões de aprovação e durante sua execução. A cultura da empresa permite que as informações sobre projetos sejam reportadas de forma aberta e honesta. Assuntos relevantes como riscos e oportunidades de projetos são avaliados antes de serem levados ao conhecimento da diretoria. A empresa contrata Auditoria Independente para seus projetos. Os relatórios de progresso dos projetos são eficientes e representam fielmente os resultados. A diretoria tem informações suficientes e significativas sobre os riscos dos projetos e como estes estão sendo tratados. A organização utiliza fatores críticos de sucesso e indicadores de desempenho no controle da execução de seus projetos. A diretoria é o principal responsável pelas informações dos projetos , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 6. Referências Bibliográficas ANDRADE, A.; ROSSETTI, J.P. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 3 ed., São Paulo: Atlas,

20 ASSOCIATION FOR PROJECT MANAGEMENT. APM. Directing change: a guide to project governance management. The Association for Project Management, High Wycombe, UK. ISBN X, 2004 CASTRO, J.M. Métodos e técnicas de pesquisa: uma introdução. Apostila Mestrado Profissional em Administração, USP. São Paulo COLLINS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed., Porto Alegre: Bookman, DAVIS-MUFFERT, P.; KERR, K. Closing the gap between project management and governance: a roadmap for gaining and demonstrating maximum value for your project investments. Originally published as a part of 2005 PMI Global Congress Proceedings Toronto, Canada ] DINSMORE, P.C.; RIBEIRO, C.P. Governança corporativa e projetos estratégicos. PM World Today, v. IX, issue IV, Apr ENGLUD, R. MULLER, R. Leading Change Towards Enterprise Project Management, in Y. C. Shekar (ed.) Enterprise Project Management An Introduction. Hyderabad: ICFAI University Press, 2005 MINAYO, M.C.S. (org). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, p. MULLER, R. Project governance: fundamentals of project management. Farnham. England: Gower, 2009 MULLER, R.; STAWICKI, J. A framework for building successful project based organizations, Project Perspectives. 29:1, p London, 2007 MELO, P.B. A governança corporativa e a agregação de valor ao preço das ações das empresas do setor de alimentos carnes e derivados da BOVESPA Dissertação (Mestrado Profissional em Administração). FEAD MG Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. OCDE. Financial Crisis, Latin American Roundtable, Dec PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE. PMBOK. Um guia do conjunto de conhecimentos do gerenciamento de projetos Guia PMBOK. 4. ed., Project Management Institute Inc., EUA, 2008 TURNER, J.R. The handbook of project - based management: leading strategic change in organizations. 3 rd ed., EUA: McGraw-Hill Companies, 2009 WEAVER, P. Effective project governance: a cultural sea change. In: PMI GLOBAL CONGRESS, Asia Pacific, Singapore. Proceedings, Feb., 2005a WEAVER, P. Effective project governance: linking PMI's standard to project. In: PMI GLOBAL CONGRESS, Hong Kong. Proceedings, p , Jan WEAVER, P. Effective project governance: the tools for success. In: PMI NZ JAFA ANNUAL CONFERENCE, Auckland, New Zealand, Proceedings, Feb., 2005b 20

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO)

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) 3º. Seminário de Gerenciamento de Projetos PMI-GO José Carlos Gomes Torquato, PMP genda Conceitos de PMO Tipos e Funções

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias

Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Gestão de Portfólio Práticas e Competências Necessárias Margareth Carneiro, PMP, MSc PMI GovSIG past-chair PMA Diretora Executiva Wander Cleber da Silva, PhD Fundação Funiversa 1 O Guia do PMBoK O Guia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA

OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS E INVESTIMENTOS ATRAVÉS DO GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Alcance melhores resultados através da gestão integrada de projetos relacionados ou que compartilham

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Traduzindo Estratégia em Resultado

Traduzindo Estratégia em Resultado Traduzindo Estratégia em Resultado O Gerenciamento de Portfólio e a Nova Fronteira de Maturidade nas Organizações Thiago Regal, MSc., PfMP, PMP Situação dos projetos Assunto do momento Algumas estimativas

Leia mais

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396

I WORKSHOP FNCC. Governança da TI. Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 I WORKSHOP FNCC Governança da TI Mário Sérgio Ribeiro Sócio-Diretor mario.ribeiro@enigmaconsultoria.com.br (11) 2338-1666 (11) 9-9845-7396 São Paulo, 22 de setembro de 2015 1 OBJETIVO Apresentar a Enigma

Leia mais

www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO.

www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO. www.pmbasis.com.br CONHEÇA TODAS AS SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS, PROJETOS E FORMAÇÃO QUE A PMBASIS TEM PARA SUA EMPRESA OU INSTITUIÇÃO. Crescer, Desenvolver, Multiplicar-se. Nossos melhores sonhos começam assim.

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA

ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA ESTRUTURAÇÃO DOS PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS, PROGRAMAS E PORTFÓLIOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure melhores resultados em seus projetos com uma estrutura de comunicação simples, efetiva,

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Implementação de PMO - Caso HP

Implementação de PMO - Caso HP Implementação de PMO - Caso HP Implementação de Metodologia - Caso HP 1. Introdução 2. Project Management Office Origens e Estratégias 3. Curva de Maturidade de Gerenciamento de Projetos na HP Consulting

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

PMBOK e Gerenciamento de Projetos

PMBOK e Gerenciamento de Projetos PMBOK e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos (GP) é uma área de atuação e conhecimento que tem ganhado, nos últimos anos, cada vez mais reconhecimento e importância. Um dos principais difusores

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O PMI e a Certificação PMP Visão Geral sobre o Modelo PMI APRESENTAÇÃO DO PMI O PMI - Project Management Institute é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) 2 Gerente Sênior de Projetos e Processos, 18 anos de experiência

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso INTRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS; IMPORTÂNCIA DA GP PARA O CONTEXTO ATUAL DAS ORGANIZAÇÕES;

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas

PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas PMO - Project Management Office (Escritório de Projetos) 16 horas As organizações precisam mudar de um enfoque funcional para um enfoque orientado a projetos, o que demanda mudanças na estrutura organizacional

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos em Gestão de Projetos DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho organizacional atingido pela DuPont não

Leia mais

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012

Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos. Agenda da Teleaula. Vídeo. Logística 28/8/2012 Logística Profª. Paula Emiko Kuwamoto Módulo: Empreendedorismo Gestão de Projetos Agenda da Teleaula Reforçar a importância dos projetos no cenário atual. Apresentar os principais conceitos envolvendo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge)

GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) GOVERNANÇA DE TI PMBoK (Project Management Body of Knowledge) Governança de TI AULA 08 2011-1sem Governança de TI 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos HISTÓRIA PMI Project Management Institute: Associação

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Princípios da Gestão Empresarial

Princípios da Gestão Empresarial Princípios da Gestão Empresarial ideias mercado cenário Processos bem definidos e entendidos por toda organização Plano de negócios precisa de uma estratégia Fluxo realimentado a cada nova estratégia ou

Leia mais

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013 PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M Setembro/2013 Apresentação Newton Leandro Gonçalves Braga Especialista em Manutenção Industrial e Engenheiro Civil Pós graduando em Gestão de Projetos

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

EMENTA DE CURSO. INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK -

EMENTA DE CURSO. INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK - EMENTA DE CURSO INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS - Visão PMBOK - Programação: Introdução ao Gerenciamento de Projetos (Visão PMBOK) Curso Duração (horas) Quantidade de aulas (30min/aula) Quantidade

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

Para projetos de sucesso: Pense PRINCE2

Para projetos de sucesso: Pense PRINCE2 25/09/2012 Para projetos de sucesso: Pense PRINCE2 Adalcir da Silva Angelo AGENDA Os Padrões do Cabinet Office (Reino Unido) O que é o PRINCE2? Os benefícios PRINCE2 e Guia PMBoK O contexto do PRINCE2

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais