Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento"

Transcrição

1 apresenta: Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento Junho de 2015

2 apoio: patrocínio:

3 Setor Têxtil em SC Polo Têxtil de Blumenau

4 Dimensões e Importância de Santa Catarina Completa integração: todos os segmentos têxteis presentes em Santa Catarina; 4,9 mil indústrias instaladas no estado representando 15,3% do total nacional; 300 mil empregos gerados no estado, equivalentes a 19,1% do pessoal ocupado na cadeia têxtil brasileira em 2014; 465 mil toneladas de produção têxtil, representando 21,3% o estado concentra empresas de grande porte e mais intensivas em capital (2o. maior do Brasil); 1,6 bilhão de peças confeccionadas, correspondendo a 17,4% do total produzido no país em 2014 (incluindo vestuário, cameba, artigos técnicos e industriais); R$ 22 bilhões foi o Valor da Produção do Setor no estado, com participação de 17,5% sobre o valor da produção nacional em 2014; US$172 milhões foi o montante exportado pelo setor no estado, equivalente a 18% do total exportado pelo Brasil (excluindo fibras/filamentos); R$ 398 milhões de investimentos em máquinas, equipamentos e instalações no estado, representando 19% do total investido pelo setor no país e 1,8% da receita estimada para as empresas da região;

5 Grandes Números do Setor Setor Têxtil no Brasil 31,9 mil indústrias 1 Setor Têxtil em SC 4,9 mil indústrias 1 1,6 milhão de empregos mil de empregos 2 2,2 milhões ton/ano IEMI mil ton/ano 9,5 bilhões peças/ano 3 1,7 bilhão peças/ano 3 R$ 126 bilhões (produção) R$ 22 bilhões (produção) US$ 956 milhões exportados 4 US$ 172 milhões exportados 4 R$ 2,1 bilhões investidos 5 R$ 398 milhões investidos 5 Fonte: IEMI (1) Inclui empresas com padrão industrial (2) Pessoal ocupado (3) volume de produção inclui artigos técnicos e industriais (4) Não inclui fibras, filamentos (5) em equipamentos

6 Perfil das Empresas de SC

7 Evolução do Número de Indústrias BR e SC. Crescimento de 3,5% no número de indústrias no Brasil e em SC 12,5% de 2010 a unidades produtivas industriais ,5% ,5% Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/RAIS Nota: (1) São consideradas apenas as indústrias em atividade, operando legalmente, com pelo menos um produto em linha contínua de produção e no mínimo cinco empregados diretamente na produção.

8 Indústrias por Segmento (2014) BR e SC. Em SC estão localizadas 15,4% das indústrias da cadeia têxtil nacional;. 27% das indústrias de manufaturas têxteis;. 14,3% das indústrias de confecção. unidades produtivas industriais ,4% 27,0% 14,3% Total do Setor Têxteis Confecções Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/RAIS

9 Evolução do Pessoal Ocupado BR e SC. De 2010 a 2014 houve queda de 3,0% no pessoal ocupado no Brasil e em SC. Pessoal ocupado (em 1.000) ,0% ,0% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

10 Pessoal Ocupado por Segmento (2014) BR e SC. Em SC está alocada 19,1% da mão de obra ocupada pela cadeia têxtil nacional;. Nas indústrias têxteis de SC estão 29,6% da mão de obra e nas confecções 17% do total do país. Pessoal ocupado (em 1.000) Total do Setor Têxteis Confecções 80 19,1% 29,6% 16,9% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

11 Pessoal Ocupado por segmento (2014) - SC. O vestuário emprega 63% da mão de obra utilizada pelo setor no estado;. O segmento de malharia emprega 13%. % sobre nº de funcionários Fiações 3,3% Tecelagens 5,0% Malharias 13,3% Beneficiamento 5,0% Linha lar 6,4% Vestuário 63,3% Outros 3,7% Fonte: IEMI

12 Mão de obra por porte (2014) BR e SC. As grandes empresas geram 17% dos empregos nacionais e 23% de SC % sobre nº de funcionários Micro 19,8% 23,8% Pequena 31,1% 36,4% Média 22,9% 26,1% Grande 16,9% 23,1% Brasil Santa Catarina Nota: (1) Micro de 05 até 19 funcionários; Pequena de 20 a 99 funcionários; Média de 100 a 499 funcionários; Grandes 500 ou mais funcionários. Fonte: IEMI

13 Produção em volumes e valores

14 Evolução da Produção de Têxteis BR e SC. A produção nacional de têxteis caiu 8,7% no período de 2010 a 2014 e 5,7% no estado;. No último ano a produção brasileira de têxteis subiu 1,1% e a de SC 0,6%;. SC representa 21,3% da produção nacional; Em toneladas ,7% ,7% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

15 Evolução da Produção de Confeccionados BR e SC. De 2010 a 2014 a produção nacional de confeccionados caiu 8,8% e em SC 5,7%;. No último ano a produção brasileira de confeccionados caiu 0,5% e a de SC cresceu 0,8%. A produção de confeccionados de SC representa 17,4% da produção nacional; Em peças ,8% ,7% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

16 Evolução da Produção em Santa Catarina. Entre 2010 e 2014 a produção de têxteis caiu 5,7% e a de confecções 1,1%;. Em 2014, porém, houve alta de 0,6% na produção de têxteis e 0,8% de confeccionados ,1% ,7% Têxteis (em toneladas) Confecções (milhões de peças) Fonte: IEMI Nota: (1) Não estão incluídos outros artigos confeccionados

17 Produção por Segmento em SC (2014). A produção de malhas de SC representa 41% da produção nacional;.. E a de artigo da linha lar mais de 25% da produção do país. Dados em toneladas Dados em milhões de peças Fios fiados ,9% Tecidos planos ,5% Malhas ,1% Vestuário ,9% Linha lar ,8% Artigos téc e ind ,7% Fonte: IEMI Nota: (1) Não estão incluídos outros artigos confeccionados

18 Evolução do Valor da Produção de Têxteis BR e SC. De 2010 a 2014 o valor da produção nacional de manufaturas têxteis teve crescimento de 11,1% e a de SC de 13,6%;. No último ano o valor da produção brasileira de têxteis cresceu 5,4% e a de SC 5,6%;. SC representa 20,4% do valor da produção nacional de manufaturas têxteis; Em R$ Bilhões 33,2 31,2 32,6 35,0 36,9 +11,1% 6,6 6,1 6,5 7,1 7,5 +13,6% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

19 Evolução do Valor da Produção de Confecções BR e SC. O valor da produção nacional de confeccionados cresceu 22,7% no período de 2010 a 2014 e a de SC 22,1%;. No último ano o valor da produção brasileira aumentou 6,0% e a de SC subiu 5,5%. SC representa 17,1% do valor da produção nacional de confeccionados. Em R$ Bilhões 100,2 106,5 107,8 115,9 122,9 +22,7% 17,2 18,3 18,1 19,9 21,0 +22,1% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

20 Evolução do Valor da Produção em Santa Catarina. Entre 2010 e 2014 a produção de confeccionados cresceu 21,8% em valores e a de têxteis 15%; 17,2 18,3 18,1 19,9 21,0 +21,8% 6,6 6,1 6,5 7,1 7,5 +15,0% Têxteis (em bilhões de R$) Confecções (em bilhões de R$) Fonte: IEMI Nota: (1) Não estão incluídos outros artigos confeccionados

21 Valor da Produção por Segmento em SC (2014). O valor da produção de vestuário de SC chegou a quase R$ 16 bi em Em R$ Bilhões Fios fiados 1,7 Tecidos planos 3,6 Malhas 4,9 Vestuários 15,9 Linha lar 3,8 Artigos téc e ind 1,3 Fonte: IEMI Nota: (1) Não estão incluídos outros artigos confeccionados

22 Investimentos em Maquinário

23 Investimentos em Maquinário BR e SC. Os investimentos nacionais cresceram 13,7% no período analisado mas em SC caíram 13,9%;. No último ano os investimentos recuaram no Brasil (-4,4%), e (-7,2%) em SC;. Os investimentos de SC representam 19,2% do total. Em R$ Milhões ,9% ,5% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

24 Investimentos em Maquinário SC (2014). Em 2014, as fiações corresponderam por 31,5% dos investimentos em SC, confeccionados por 24,9%, beneficiamento por 24,2% e malharias por 15,0%. % / Valor em R$ Fiação 31,5% Tecelagem 3,9% Malharia 15,0% Beneficiamento 24,2% Confeccionados 24,9% Outros 0,6% Fonte: IEMI

25 Taxa de Investimento BR e SC. A taxa de investimento caiu 7,4% no Brasil e 29,1% em SC.. SC manteve no período, uma taxa de investimento que a do BR % / Valor da Produção em R$ 2,6% 1,8% 2,0% 2,2% 2,1% 2,1% 1,9% 1,8% 1,6% 1,8% -29,1% -7,4% Brasil Santa Catarina Fonte: IEMI

26 Comércio Externo

27 Balança Comercial ¹ BR. Entre 2010 e 2014 as exportações caíram (-) 21,7%;. Já as importações apresentaram alta de 48,3%;. O crescimento nas importações elevou o déficit a US$ 5,1 bilhões, um crescimento de 78,4% no período. Em US$ Milhões ,3% ,7% ,4% Exportação Importação Saldo Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Não inclui fibras e filamentos.

28 Balança Comercial ¹ SC. Entre 2010 e 2014 as exportações de SC recuaram 13,1%;. Já as importações subiram (82,6%);. Em 2014 o déficit de SC representou 35,8% da cadeia nacional. Em US$ Milhões ,6% ,1% ,8% Exportação Importação Saldo Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Não inclui fibras e filamentos.

29 Importações de Têxteis BR e SC. Entre 2010 e 2014, as importações nacionais de produtos têxteis cresceram 9,5%;. Já as importações de SC cresceram 39,6% e representam 35,9% de tudo o que país importa. Em US$ Milhões ,5% ,6% Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Inclui fios, linhas, tecidos planos, tecidos de malha e especialidades. Não inclui fibras e filamentos.

30 Exportações de Têxteis BR e SC. As exportações brasileiras de têxteis caíram 9,0% no período de 2010 a 2014 e em SC cresceram 42,2%. Em US$ Milhões ,0% ,2% Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Inclui fios, linhas, tecidos planos, tecidos de malha e especialidades. Não inclui fibras e filamentos.

31 Importações de Confeccionados BR e SC. De 2010 a 2014 as importações brasileiras de confeccionados cresceram 127,5% e em SC o crescimento foi de 183,7%. Em US$ Milhões ,5% ,7% Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Inclui vestuário, linha lar e outros confeccionados.

32 Exportações de Confeccionados BR e SC. As exportações brasileiras de confeccionados caíram 45,7% no período de 2010 a 2014 e em SC a queda foi de 40,7%; Em US$ Milhões ,7% ,7% Brasil Santa Catarina Fontes: IEMI/SECEX Nota: (1) Inclui vestuário, linha lar e outros confeccionados.

33 Setor Têxtil em SC Polo Têxtil de Blumenau

34 Mapa do Polo Têxtil da Região Blumenau Municípios base territorial do Sintex Municípios do Vale do Itajaí Cobertura SINTEX: Blumenau, Apiúna, Ascurra, Benedito Novo, Dona Emma, Doutor Pedrinho, Gaspar, Ibirama, Indaial, José Boiteux, Massaranduba, Pomerode, Presidente Getúlio, Rio dos Cedros, Rodeio, Timbó, Vitor Meireles e Witmarsun. Outros: São Bento do Sul, Joinville, Brusque, Itajaí, Guabiruba, Jaraguá do Sul, Luiz Alves, Botuverá, Ilhota, Guaramirim, Nova Trento, Presidente Nereu e Schroeder.

35 Visão Geral do Polo de Blumenau O Polo Têxtil de Blumenau e região oferece uma completa integração entre todos os elos da cadeia produtiva têxtil brasileira; Dela fazem parte indústrias de fiações, tecelagens, malharias, beneficiamento e confecções de artigos da linha lar e do vestuário, em um total de 3 mil unidades produtivas¹ que geram 112 mil empregos diretos; As indústrias instaladas no polo representam 9,9% do total nacional e 62,6% do estado de Santa Catarina (excluídos os produtores de artigos técnicos e industriais); Na mão de obra representa 12,2% dos empregos diretos da cadeia têxtil brasileira e 68,4% do estado de Santa Catarina; Com uma produção têxtil de 431 mil toneladas, representa 19,7% da produção brasileira e 92,8% da produção do estado de Santa Catarina; A produção de confeccionados alcança 892 milhões de peças, representando 12,4% da produção nacional e 71,6% da estadual; Nota: (1) Não estão incluídas as indústrias produtoras de artigos técnicos e industriais

36 Grandes Números do Polo Brasil Blumenau e Região 31,9 mil indústrias¹ ² indústrias¹ ² 920 mil empregos formais³ 112 mil empregos formais³ 2,2 milhões ton/ano Sintex mil ton/ano 9,4 bilhões peças/ano milhões peças/ano 3 R$ 126 bilhões (produção) 3 R$ 15 bilhões (produção) 3 (1) não inclui as empresas produtoras de artigos técnicos e industriais (2) Inclui empresas com padrão industrial (3) não inclui os artigos técnicos e industriais Fonte: IEMI

37 Estrutura produtiva: Polo Blumenau e Região Manufaturas Têxteis (384 fábricas) Fios / Linhas de Costura 144 mil tons¹ 49 fábricas Tecidos 173 mil tons 106 fábricas Malhas 192 mil tons 229 fábricas Beneficiamento (292 fábricas) Beneficiamento 292 fábricas Confeccionados (2.330 fábricas) Vestuário ² 655 milhões peças fábricas Linha Lar 237 milhões peças³ 83 fábricas (1) não inclui fios de filamentos contínuos; (2) inclui tricotagem; (3) inclui Cameba e artigos técnicos e industriais. Fonte: IEMI

38 Evolução do número de indústrias. O setor é composto por indústrias, sendo 676 têxteis e confecções ,1% ,4% ,0% Total Têxtil Confecção Fonte: IEMI Nota: (1) São consideradas apenas as indústrias em atividade, operando com pelo menos um produto em linha contínua de produção e no mínimo 5 empregados diretamente na produção

39 Evolução da mão de obra. A mão de obra registrada pelo Polo Têxtil da região cresceu 4,2% no período analisado;. No segmento têxtil cresceu 10,3% e na confecção 1,7%. Total: empregados ,2% ,7% ,3% Total Têxtil Confecção Fonte: IEMI

40 Visão Geral do Polo de Blumenau Os grandes destaques da produção do Polo são os tecidos de malha, com 38% da produção nacional, e os têxteis lar com 22,6% do total do país; 1% das indústrias são de grande porte (com mais de 500 funcionários) e juntas somam 29% dos empregos diretos; Com a crise internacional e pressão dos importados, nos últimos 5 anos a produção de têxteis básicos caiu 8,1%, a de artigos para o lar cresceu 7% e a de vestuário 11%; No período avaliado, o valor da produção do polo cresceu 31%; Em 2014, têxteis básicos alcançaram R$ 8,8 bilhões, no Polo, equivalentes a 24% do total nacional do segmento e 87% de todo o estado de SC; Têxteis para o lar, com R$ 3,8 bilhões, somam 25% do total nacional e 95% do estado; Artigos do Vestuário, com R$ 10 bilhões, representam 10% do valor da produção brasileira e 63% da produção de SC;

41 Produção de Têxteis (em toneladas e R$). Entre 2010 e 2014 a produção de têxteis cresceu 10,5% em valores, e caiu 8,1% em volume;. Apenas em 2014, o crescimento foi de 0,8% em volumes e de 6% em valores ,5% ,1% Produção (1.000 toneladas) Valor da produção (R$ milhões) Fonte: IEMI

42 Produção de Confeccionados (em peças e R$). Entre 2010 e 2014 a produção de confeccionados cresceu 48,9% em R$ e 9,8% em peças;. Apenas em 2014, o crescimento foi de 3,7% em volumes e de 9,6% em valores ,8% ,8% Produção (1.000 peças) Valor da produção (R$ milhões) Fonte: IEMI

43 Estimativas e Considerações Finais

44 Estimativas 2015 para a Industria da Região As projeções abaixo representam a média das expectativas das empresas da região, em relação aos resultados a serem alcançados nos seus volumes de produção em 2015: Perspectivas do volume de produção por segmento para Segmentos SC Blumenau. Têxtil (em toneladas) -0,8% -0,8% Fiação 2,0% 1,9% Tecelagem 0,3% 0,3% Malharia -4,1% -3,8%. Confecção (em peças) -0,5% -0,2% Vestuário -1,4% -1,3% Linha lar 2,7% 2,8% Fonte: Empresas Catarinenses entrevistadas

45 Projeções para o Vestuário 2015 No Vestuário o modelo do IEMI aponta para uma queda de (-) 0,9% em 2015, enquanto que para a indústria estima-se uma redução de (-) 2% em volumes; No comércio externo, o modelo ainda aponta um pequeno crescimento para as importações e queda nas exportações, mas esta tendência deve começar a se reverter já a partir deste segundo semestre: Estimativas Vestuário 2014 Variação % 2015 Variação % Produção (% dos volumes) -0,5% -2,0% Importação (em % dos valores) +7,6% +3,1% Exportação (em % dos valores) -3,0% -4,5% Varejo (% dos volumes) +0,6% -0,9% Varejo (em % dos valores) +6,7% +2,5% Fonte: IEMI

46 Panorama da Indústria Para os próximos 5 anos, estima-se crescimento de 1,5% aa. para a Industria da Moda no Brasil, e de 2% para o Varejo especializado no segmento; Para fabricantes e gestores de marca, espera-se um contínuo acirramento da concorrência e com ela um aumento da participação dos Grandes Grupos; Dentre as estratégias que os grandes produtores estão adotando para crescer mais que o mercado, no Brasil, destacam-se: Modelo multicanal de distribuição (lojas próprias, franquias, internet, etc.); Lançamento de novas marcas para alcance de nichos de mercado específicos; Maior atuação no PDV para ampliação de giro (Trade); Novos modelos de criação e inovação (conceito de marca, com identidade própria, originalidade, brasilidade, etc.) Fontes variadas de suprimento (produção própria, terceirização, importação, produção no exterior, etc.); Acordos de cluster para suprimento de grandes varejistas e clientes institucionais Para os pequenos se desenvolverem neste mercado, será necessário uma maior especialização, ganhar velocidade com novas tecnologias e diminuir a distância para o consumidor final;

47 Panorama do Varejo Nos próximos 5 anos, estima-se crescimento médio de 2% aa. para o Varejo de Moda, com os importados chegando perto de 18% dos volumes consumidos; As grandes redes do varejo tendem a continuar a crescer acima do mercado, em detrimento das pequenas lojas independentes (multimarcas); Como estratégias principais do grande varejo de moda, destacam-se: Maior velocidade de inovação, com coleções assinadas, dentro do sistema fast fashion; Mix mais qualificado, com o crescimento da linha feminina e esportiva; Looks mais completos a cada coleção (acessórios, calçados, perfumes, etc.); Introdução de marcas renomadas nos PDVs de autosserviço, em alguns casos com modelo store in store, dividindo espaço com as marcas próprias; A concorrência deve se acirrar ainda mais: Com a entrada de novos Players no mercado; Com a consolidação das grandes redes através de fusões e aquisições; Com a maior presença dos grandes fabricantes no Varejo Físico (lojas próprias e franquias) e no E-commerce;

48 apoio: patrocínio:

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco O que é o NTCPE? O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco/NTCPE é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos.

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Arezzo&Co s Investor Day

Arezzo&Co s Investor Day Arezzo&Co s Investor Day Marca Schutz David Python Diretor da UN Canal de Distribuição Visão Geral da Marca Atualização A marca Schutz apresentou forte crescimento nos últimos 2 anos, dobrando seu faturamento

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A crise financeira do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)? 1 Déficit no FAT deve subir para R$

Leia mais

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012

Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 ARTIGOS Análise dos investimentos industriais previstos para a Bahia por Territórios de Identidade e setores de atividade econômica entre 2008 e 2012 Fabiana Karine S. Andrade* Os investimentos industriais

Leia mais

A seriedade do jornalismo praticado, invoca uma audiência fiel, vantagem para o anunciante.

A seriedade do jornalismo praticado, invoca uma audiência fiel, vantagem para o anunciante. A Jovem Pan News Difusora é a única rádio de todo o Alto Vale do Itajaí com a programação voltada 100% para o jornalismo. Com isso, busca um público alvo que nenhum outro veículo tem, ou seja, uma audiência

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

Junho/2015. Comércio Exterior

Junho/2015. Comércio Exterior Junho/2015 Comércio Exterior COMÉRCIO EXTERIOR Objetivo: A área de atuação Regional da CMC Jr. tem desenvolvido estudos a respeito do comércio exterior que versam sobre a avaliação da estrutura de comércio

Leia mais

Programa de Controle de Dengue

Programa de Controle de Dengue Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia

Leia mais

TOTAL 686 69 614 3 Fonte: LACEN SES SC

TOTAL 686 69 614 3 Fonte: LACEN SES SC Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

PESQUISA PONTUAL PÁSCOA 2013 PREVISÃO

PESQUISA PONTUAL PÁSCOA 2013 PREVISÃO PESQUISA PONTUAL PÁSCOA 2013 PREVISÃO REALIZAÇÃO Dúvidas ou informações complementares: 1 CONCEITO A Páscoa está entre os três maiores eventos de contratações temporárias, juntamente com o Natal e o Dia

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005.

Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005. Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL Em 16 de setembro de 2005. Processo: 48500.003255/03-45 Assunto: Análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétricas da Centrais Elétricas de Santa

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Santa Catarina Resumo da Seleção

Leia mais

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia dos Namorados

Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia dos Namorados Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Relatório de Resultado de vendas Dia dos Namorados Panorama do movimento na economia durante o Dia dos Namorados 1 Divisão de Planejamento Núcleo de Pesquisa

Leia mais

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de outubro de 2014 Endividamento das famílias catarinenses mantém-se praticamente estável em

Leia mais

Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU

Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU SUMÁRIO SINDUSCON/SECONCI PARCERIA BRAIN SINDUSCON BLUMENAU VISÃO GERAL DO MERCADO SITUAÇÃO DA OFERTA PERSPECTIVAS 2015 CONCLUSÃO SINDUSCON Sindicato

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE Data: 12/08/96 No.8 CARTÕES Cartões são papéis fabricados em múltiplas camadas e com gramaturas acima de 150 g/m 2. A combinação

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 Minha Casa Minha Vida 3 será lançado dia 10 de Setembro. Nas duas primeiras edições do Minha Casa Minha Vida foram entregues 2,3 milhões de moradias para famílias de baixa

Leia mais

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa São Paulo, 05 de dezembro de 2011 NOTA À IMPRENSA DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa O aumento no número de estabelecimentos de micro e pequenas empresas no Brasil, bem

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2012 Altera os arts. 5º, 13 e 15 da Lei nº 6.729, de 28 de novembro de 1979, para promover a concorrência de preços e condições de atendimento pós-venda na comercialização

Leia mais

Apresentação da Franquia

Apresentação da Franquia Apresentação da Franquia Quem Somos Nós Somos uma franquia de assistência técnica em computadores, notebooks, monitores, impressoras e nobreak, especializada no atendimento em domicílio à clientes pessoas

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES

ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES ESTUDO DE ÓTICAS 2014 MERCADO, VAREJISTAS E CLIENTES VAREJISTAS E CLIENTES PESQUISA DE MERCADO - MÉTODO E AMOSTRA 2012 350 entrevistas com gerentes e proprietários de óticas 2014 541 entrevistas com gerentes

Leia mais

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013

SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 SETOR TÊXTIL E DE CONFECÇÃO BALANÇO 2012 E PERSPECTIVAS 2013 AGUINALDO DINIZ FILHO PRESIDENTE DO CONSELHO DA ABIT JANEIRO DE 2013 ESTRUTURA DA CADEIA PRODUTIVA E DE DISTRIBUIÇÃO TÊXTIL E DE CONFECÇÃO INFOGRÁFICO

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

LOJAS AMERICANAS S.A.

LOJAS AMERICANAS S.A. CNPJ. 33.014.556/0001-96 LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta FATO RELEVANTE 1. LOJAS AMERICANAS S.A. ( LASA ) e BANCO ITAÚ HOLDING FINANCEIRA S.A. ( ITAÚ ) anunciam associação que tem como objetivo

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego

Informativo Mensal de Emprego Informação e Análise do Mercado de Trabalho SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 16/março/2015 n. 566 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Os dados mais recentes de exportação de açúcar disponibilizados pela Secretaria de

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em mar/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,06 trilhões em mar/15, após alta de 1,2% no mês

Leia mais

Tipos de produtos fabricados NORMAS TÉCNICAS NA CADEIA PRODUTIVA DO SETOR MOVELEIRO DE PEQUENOS NEGÓCIOS

Tipos de produtos fabricados NORMAS TÉCNICAS NA CADEIA PRODUTIVA DO SETOR MOVELEIRO DE PEQUENOS NEGÓCIOS A cadeia produtiva moveleira é reconhecida pelo seu dinamismo, devido ao grande número de fornecedores e complexidade de processos que criam uma dependência entre os elos da cadeia. No que diz respeito

Leia mais

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL

NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL NOTA CEMEC 05/2015 INVESTIMENTO E RECESSÃO NA ECONOMIA BRASILEIRA 2010-2015: 2015: UMA ANÁLISE SETORIAL Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões

Leia mais

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11

Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 1996/97 a 2010/11 Céleres Os Benefícios Econômicos da Biotecnologia Agrícola no Brasil: 199/97 a 2010/11 O CASO DO ALGODÃO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DO MILHO GENETICAMENTE MODIFICADO O CASO DA SOJA TOLERANTE A HERBICIDA

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 DESENHAR NÃO É O BASTANTE PARA EMPREENDER EM MODA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Mercado de Moda Figuramos entre os 10 principais mercados mundiais A industria textil abrange mais

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

macros & micros 5 pontos sobre o Mercado de Luxo no Brasil

macros & micros 5 pontos sobre o Mercado de Luxo no Brasil macros & micros 5 pontos sobre o Mercado de Luxo no Brasil Brasil Ostentação: o consumidor brasileiro de luxo ainda está na fase de deslumbramento A característica principal em nosso país é de um consumidor

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO

PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO 1 PLANO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO A Ç Ã O E S T R A T É G I C A Nome da Ação Estratégica Programa PPA 2012-2015 Unidade Gestora SUMÁRIO EXECUTIVO CEASA COMPETITIVA CEASA - GO Gabinete da Presidência

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

NOTA ECONÔMICA. Indústria brasileira perde competitividade há uma década. Custo Unitário do Trabalho em dólares reais - CUT

NOTA ECONÔMICA. Indústria brasileira perde competitividade há uma década. Custo Unitário do Trabalho em dólares reais - CUT Informativo CNI NOTA ECONÔMICA 1 Indústria brasileira perde competitividade há uma década A indústria brasileira tornou-se menos competitiva nos últimos 10 anos. A perda de competitividade é retratada

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015 POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15 17 de agosto de 2015 Seção I Destaques & Conjuntura Positivo Informática registra crescimento de 3,1% na receita líquida no varejo no 2T15 Mesmo em um trimestre de

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

Destaques do Trimestre

Destaques do Trimestre Resultados do 1T12 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

PAINEL SETORIAL - INMETRO. Teor de Cádmio e Chumbo em Joias e Bijuterias

PAINEL SETORIAL - INMETRO. Teor de Cádmio e Chumbo em Joias e Bijuterias PAINEL SETORIAL - INMETRO Teor de Cádmio e Chumbo em Joias e Bijuterias HÉCLITON SANTINI HENRIQUES PRESIDENTE DO IBGM Xerém, 01/10/2014 O que é e qual a Missão do IBGM O Instituto Brasileiro de Gemas e

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Franquias. Carga Horária e Duração

Pós-Graduação em Gestão de Franquias. Carga Horária e Duração Pós-Graduação em Gestão de Franquias Público - Alvo Indicado para profissionais, gestores, consultores e empreendedores ligados direta e indiretamente com negócios de franchising. Objetivo do Curso Preparar

Leia mais

CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA

CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA CIRCULAR DE OFERTA CIRCULAR DE OFERTA DE FRANQUIA EMPRESARIAL FORMULA PIZZARIA A COF Circular de Oferta de Franquia FORMULA PIZZARIA é um exemplar com todas as informações e dados relevantes direcionados

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

10 franquias que têm investimento inicial de até R$ 150 mil

10 franquias que têm investimento inicial de até R$ 150 mil Veículo: Site Exame PME Editoria / Página: Online Data: 18/05/2015 10 franquias que têm investimento inicial de até R$ 150 mil São Paulo O primeiro passo para quem pensa em investir em franquias é fazer

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho

Cimento no Brasil José Otavio Carvalho Cimento no Brasil Presidente Cimento O cimento é um aglomerante hidráulico obtido pela moagem de clínquer portland ao qual se adiciona, durante a operação, a quantidade necessária de uma ou mais formas

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

BANDA LARGA FIXA NO BRASIL CARLOS DUPRAT BRASÍLIA, 03 DE MAIO DE 2016 SENADO FEDERAL

BANDA LARGA FIXA NO BRASIL CARLOS DUPRAT BRASÍLIA, 03 DE MAIO DE 2016 SENADO FEDERAL BANDA LARGA FIXA NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE SENADO FEDERAL CARLOS DUPRAT BRASÍLIA,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL A EVOLUÇÃO DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL 1. Aspectos gerais A geração de lixo urbano no Brasil está em torno de 140,000 ton/dia, sendo que a estimativa dos órgãos

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Panorama do setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Página 1 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Eduardo Costa Pinto Técnico de pesquisa e planejamento DINTE/IPEA 05 de outubro de 2011 Salvador/Ba Estrutura da Apresentação Parte I

Leia mais

Pós Graduação em Gestão de Franquias

Pós Graduação em Gestão de Franquias Pós Graduação em Gestão de Franquias Público - alvo Indicado para profissionais, gestores, consultores e empreendedores ligados direta e indiretamente com negócios de franchising. Objetivo do Curso Preparar

Leia mais

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais.

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais. CONCLUSÃO O Amapá tem uma das menores densidades populacionais, de cerca de 2,6 habitantes por km 2. Em 1996, apenas três de seus 15 municípios possuíam população superior a 20 mil habitantes e totalizavam

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014

A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 A EVOLUÇÃO DO PIB PARANAENSE - 2009 A 2014 Marcelo Luis Montani marcelo.montani@hotmail.com Acadêmico do curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Mônica Antonowicz Muller monicamuller5@gmail.com Acadêmica

Leia mais