Documentação Normativa de Referência A Estratégia do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documentação Normativa de Referência A Estratégia do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba"

Transcrição

1 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO ódigo: MAN-GEPRO-002 Versão: 00 Elaborado por: Gerência de Projetos Data de Aprovação: 13/08/2013 Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica Sumário 1 Objetivo 03 2 Documentação Normativa de Referência 03 3 A Estratégia do do Missão Visão Atributos básicos de valor Atributos diferenciadores de valor O mapa estratégico 04 4 Gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos e o alinhamento estratégico iclo de vida do gerenciamento do portfólio 09 5 Modelo de governança do TJPB no gerenciamento do portfólio Papéis Responsabilidades Na gestão de demandas Na identificação dos níveis de complexidade e impacto dos projetos No monitoramento e controle Habilidades requeridas para cada papel no gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos omitê Diretor de Projetos Estratégicos Gerência de Projetos Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias Membros das equipes de gerenciamento de projetos 14 Sistema Normativo Administrativo do do Página 1 de 25

2 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO 6 Processos de gerenciamento do portfólio Gerindo demandas por projetos Visão macro da gestão de demandas Descrição das atividades Formulários e informações demandadas na gestão de demandas Formulários e informações produzidos na gestão de demandas dentificando os níveis de complexidade e impacto para estabelecimento do ranking das iniciativas de projetos Visão macro da identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas de projetos Níveis de complexidade Níveis de impacto Tabela de complexidade e impacto Exemplo do cálculo da matriz de complexidade x impacto onsolidando as informações de complexidade e impacto Quadrantes de complexidade e impacto Roadmap (caminho) de posicionamento estratégico Formulários demandados na identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas (de projetos) Formulários produzidos na identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas (de projetos) Monitorando e controlando a execução dos projetos Visão macro do monitoramento e controle dos projetos Descrição das atividades do Gestor do Projeto Descrição das atividades da Gerência de Projetos Descrição das atividades do omitê Diretor de Projetos Formulários demandados no monitoramento e controle dos projetos Formulários produzidos no monitoramento e controle dos projetos 25 7 Formulários orientados ao gerenciamento do portfólio 25 Sistema Normativo Administrativo do do Página 2 de 25

3 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO 1 Objetivo O presente manual tem por objetivo definir o Modelo de Governança do Gerenciamento de Portfólio do do, apresentando o ciclo de vida da gestão, a definição dos papéis, as habilidades requeridas, o mapeamento do fluxo de trabalho e as demais documentações correlatas. 2 Documentação Normativa de Referência A Estratégia do do ; Manual de Governança da Estratégia do do ; Manual de Operações da Gerência de Projetos do do Estado da Paraíba; Manual de Gerenciamento de Projetos do do ; 3 A Estratégia do do A gestão estratégica deve ser compreendida a partir do conceito de Planejamento Estratégico, que representa um compromisso com ações e resultados de médio e longo prazo. Nele são estabelecidas as prioridades de atuação e o direcionamento das ações de toda a organização. A Gestão Estratégica, por sua vez, faz a ligação entre essas diretrizes globais e o trabalho de cada um dos setores e pessoas no dia a dia da organização e tem como objetivo integrar e direcionar todos os esforços para o cumprimento da sua missão institucional e o alcance da visão de futuro. 3.1 Missão oncretizar a justiça, por meio de uma prestação jurisdicional acessível, célere e efetiva. Sistema Normativo Administrativo do do Página 3 de 25

4 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO 3.2 Visão "Alcançar, até o ano de 2018, o grau de excelência na prestação de seus serviços e ser reconhecida pela sociedade como uma instituição confiável, acessível e justa, na garantia do exercício pleno da cidadania e promoção da paz social". 3.3 Atributos básicos de valor "eleridade, modernidade, acessibilidade, transparência, credibilidade, responsabilidade social e ambiental, imparcialidade, ética e probidade". 3.4 Atributos diferenciadores de valor "omprometimento, prestação jurisdicional de qualidade, justiça humanizada, impacto social, igualdade, eficiência e eficácia das ações". 3.5 O mapa estratégico Mapas estratégicos são uma representação visual, dos objetivos estratégicos de uma instituição e de suas relações cruciais, além de possibilitar que a organização descreva e ilustre, em linguagem clara e geral, seus objetivos e as conexões que são o fundamento da direção estratégica. A tradução da estratégia por meio do mapa estratégico proporciona vários benefícios: cria um referencial de fácil compreensão para os servidores, permite a comunicação de forma transparente a todos os níveis da instituição, difunde o foco e a estratégia definidos, de forma que todos tomem consciência de como suas ações impactam no alcance dos resultados desejados, e ainda permite direcionar a alocação de esforços e evitar a dispersão de ações e de recursos. onsiderando as especificidades da Administração Pública, bem com a realidade do Judiciário Paraibano, o mapa estratégico do TJPB traçou um Plano para o período compreendido entre 2013 e 2018 e precisa ser compreendido e inserido no cotidiano dos servidores e magistrados envolvidos em algumas das iniciativas incluídas no portfólio de projetos do Tribunal. Sistema Normativo Administrativo do do Página 4 de 25

5 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Figura 1 Mapa Estratégico do TJPB O mapa estratégico representa a missão, a visão e a estratégia do TJPB em um conjunto abrangente de objetivos direcionadores do comportamento e do desempenho institucionais. A construção do Mapa Estratégico foi baseada nas perspectivas e temas do Balanced Scored ard, adaptadas ao setor público. ada uma dessas perspectivas e temas englobam um ou mais objetivos estratégicos que, na sua essência, retratam o que o Tribunal pretende alcançar até Recursos: Envolve os desafios que o Tribunal deve superar em termos de gestão de pessoas, infraestrutura física, tecnológica e gestão orçamentária, buscando garantir a base para a realização das atividades meio, e principalmente, as finalísticas prestação jurisdicional. Sistema Normativo Administrativo do do Página 5 de 25

6 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Processos internos: Referente às medidas e mudanças internas com o objetivo de gerar valor ao cidadãousuário. dentifica os procedimentos mais críticos que impactam diretamente na realização dos objetivos da perspectiva Sociedade, visando à melhoria contínua e a excelência nos serviços prestados. Envolve os desafios que o Tribunal deve superar na busca por eficiência operacional e garantia de acesso ao sistema de justiça por parte dos seus jurisdicionados, apontando para as atividades que devem ser excelentes. Sociedade: Trata da percepção de valor pelo jurisdicionado. Está alocada no topo das perspectivas, considerando a premissa de que a Administração Pública existe para identificar e atender às demandas sociais. Nesse sentido, direciona todas as ações da instituição para a satisfação dos jurisdicionados. 4 Gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos e o alinhamento estratégico O estabelecimento de um Plano Estratégico, com objetivos, metas e diretrizes é essencial para o direcionamento das ações e otimização dos esforços a fim de alcançar os resultados desejados. A Estratégia é responsável por guiar todos os esforços, desde pequenas melhorias nos processos até grandes iniciativas que podem revolucionar a organização. As organizações possuem sua missão e visão e estabelecem seus objetivos estratégicos baseados nestas declarações. Estas estratégias são operacionalizadas através de um conjunto de componentes que compõem o seu portfólio. Assim, quando da definição dos objetivos estratégicos e das iniciativas estratégicas correspondentes, devem ser identificados programas e projetos capazes de atendê-los. Nesse sentido, a questão que deve ser levantada é: qual o conjunto de projetos que vai possibilitar a organização atingir seus objetivos estratégicos e qual a melhor utilização dos recursos físicos e financeiros capazes de otimizar a melhoria, no caso do TJPB, da imagem e da prestação jurisdicional. Sistema Normativo Administrativo do do Página 6 de 25

7 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Gerenciamento de Portfólio de Projetos é muito mais do que executar vários projetos. ada carteira (do latim portfolio) de projetos deve ser avaliada pelo seu valor de negócio e aderência à estratégia, o tempo todo. A carteira (o portfólio) deve existir em função de um objetivo de negócio bem definido e com benefícios também bem tangibilizados em metas. Ou simplificando, um gerente de projeto vai trabalhar para garantir que o seu projeto seja bem feito e tenha sucesso, enquanto que o gestor do portfólio vai trabalhar para que os projetos certos sejam executados de forma que os objetivos do portfólio sejam alcançados. A gestão de portfólio de projetos organiza uma série de projetos em um único portfólio com objetivos comuns de resultado, visando a maximização dos benefícios e a otimização na alocação integradas dos recursos da organização. Figura 2 gerenciamento de portfólio no contexto organizacional Se não pensarmos e trabalharmos em termos de benefícios no nível do portfólio e não no nível do projeto, inevitavelmente haverá conflito e concorrência entre projetos, em detrimento da colaboração e integração para alcance de mais resultados. No nível dos projetos apenas o natural é que monitoremos as suas realizações e o progresso, mas no nível do portfólio não, é outra visão bem diferente. Para o portfólio avaliaremos a contribuição individual de cada projeto para o alcance dos resultados definidos para a carteira e para o objetivo estratégico. Sistema Normativo Administrativo do do Página 7 de 25

8 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO O objetivo de vincular o gerenciamento de portfólio com a estratégia é equilibrar o uso dos recursos para maximizar o valor na execução de atividades estratégicas e operacionais. Figura 3 estratégia e portfólio de projetos O impacto do gerenciamento do portfólio sobre a estratégia organizacional está relacionado com: Alinhamento do portfólio cada programa e/ou projeto deve estar alinhado a um ou mais objetivos estratégicos. O alinhamento não pode acontecer sem uma clara compreensão desses objetivos e quais programas e/ou projetos os atendem. Alocação dos recursos a prioridade de cada programa e/ou projeto direciona as decisões sobre priorização de alocação dos recursos. ontribuição o propósito de executar o programa e/ou projeto está correlacionado com o alcance do objetivo estratégico e a medição dos resultados é orientada a esse alcance. Sistema Normativo Administrativo do do Página 8 de 25

9 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Portanto, o que se pode ser observado é que o uso sistematizado e disciplinado do gerenciamento do portfólio dinamiza o planejamento estratégico das organizações, possibilitando às mesmas uma seleção otimizada da sua carteira de programas e/ou projetos, segundo parâmetros próprios com monitoramento e controle sob a ótica e contexto da organização. Além disso, permite evitar a seleção e aprovação de programas e/ou projetos não contextualizados com alocação incorreta dos recursos. 4.1 iclo de vida do gerenciamento do portfólio Figura 4 ciclo de vida do gerenciamento do portfólio de programas e/ou projetos no TJPB Sistema Normativo Administrativo do do Página 9 de 25

10 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Gerir demandas É a análise dos resultados das Reuniões de Análise da Estratégia (RAE) e posterior decisão quanto à submissão por parte das Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias de propostas de projetos capazes de ampliar os resultados estratégicos. omplexidade e impacto: Representa a análise dos projeto, frente aos critérios de priorização de forma a auxiliar na escolha do conjunto de projetos que maximizam o resultado estratégico pretendido pelo TJPB, ou seja, servirá de subsídio para que a Alta Administração estabeleça a priorização e a definição dos projetos estratégicos a serem executados. Monitoramento e controle de projetos: Fase que acontece paralelamente às de planejamento e execução dos projetos. Tem como objetivo acompanhar e controlar aquilo que está sendo realizado pelo projeto, de modo a propor ações corretivas e preventivas de forma a garantir o cumprimento dos seus objetivos. 5 Modelo de governança do TJPB no gerenciamento do portfólio Governança representa o conjunto de processos, métodos e regras que afetam o modo como uma organização é administrada. Também diz respeito à definição de diretrizes e regras para condução das ações de gerenciamento de portfólio de projetos e a consequente determinação dos papéis e das responsabilidades pelas ações dentro da organização. No âmbito do TJPB os principais grupos de partes interessadas são: magistrados, servidores, jurisdicionados, fornecedores e a comunidade afetada pelas atividades da instituição. 5.1 Papéis Representam os atores envolvidos (participantes) nos processos relacionados a gestão da demanda, verificação de complexidade e impacto e, por último, monitoramento e controle. Sistema Normativo Administrativo do do Página 10 de 25

11 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Nesse contexto, os papéis envolvidos são: omitê Diretor de Projetos Estratégicos; Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias; Gerência de Projetos; Gestor de Projetos Estratégicos; Membro da equipe de gerenciamento de projetos estratégicos. 5.2 Responsabilidades Projetos envolvem normalmente diversos participantes, com várias responsabilidades pela criação e aprovação das atividades (entregáveis). Há entregáveis cuja atribuição de responsabilidade pelo desenvolvimento se revela relativamente simples; por exemplo, quando se define que alguém é responsável pela elaboração de um documento e outro indivíduo é quem o aprova. ontudo, se a produção do documento envolver esforços de várias pessoas, surge a necessidade de se definirem múltiplos níveis de aprovação. A ferramenta que o ajuda neste tipo de situações denomina-se matriz de responsabilidades (Matriz RA). O objetivo dessa matriz é proporcionar clareza e chegar a um acordo sobre quem faz o quê. Em cenários complexos que envolvem muitas pessoas, é conveniente definir uma matriz de responsabilidades em relação aos entregáveis. sso ajuda a estabelecer as expetativas e a assegurar que as pessoas saibam e entendam o que se espera delas. A matriz de responsabilidades permite descrever o papel e responsabilidades de cada um dos participantes. Na matriz, as diferentes pessoas (ou funções), aparecem como colunas, com os entregáveis listados nas linhas. Os pontos de interseção descrevem as responsabilidades de cada indivíduo em cada um dos entregáveis. Na Matriz RA, adaptada para o ambiente do TJPB, os atores envolvidos são: o omitê Diretor de Projetos Estratégicos (omitê), as Diretorias, às Gerências e/ou Unidades Judiciárias (Dir/Ger/UJ), a Gerência de Projetos (GePro), os Gestores de projetos Estratégicos (Gestor) e aos membros da equipe de gerenciamento de projetos estratégicos (Equipe), aos quais compete: Sistema Normativo Administrativo do do Página 11 de 25

12 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Na gestão de demandas GePro Dir/Ger/UJ Gestor Equipe Solicitar projetos R/A Preencher a proposta de projeto R R/A Encaminhar para verificação de complexidade e impacto R/A R/A Definir diretrizes para submissão de projetos Priorizar propostas omitê R/A Atividade Tabela 1 Matriz RA na gestão de demandas por projetos R (Responsible) - responsável pela execução da atividade. A (Accountable) - possui a propriedade sobre a atividade e responde pelos seus resultados. Só é possível existir um Accountable, que irá responder para o Responsible. (onsulted) será consultado (nformed) será informado Na identificação dos níveis de complexidade e impacto dos projetos Gestor R/A / / Equipe Dir/Ger/UJ GePro Verificar complexidade e impacto omitê Atividade Tabela 2 Matriz RA na identificação dos níveis de complexidade e impacto dos projetos Sistema Normativo Administrativo do do Página 12 de 25

13 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO No monitoramento e controle Dir/Ger/UJ R R/A Realizar reunião com a equipe R/A Verificar necessidade de mudança R/A Elaborar registro de mudança R/A Atualizar o portfólio R/A Preencher ficha de acompanhamento R/A Equipe GePro Gestor omitê Acompanhar a evolução do projeto Atividade Tabela 3 Matriz RA no monitoramento e controle 5.3 Habilidades requeridas para cada papel no gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos omitê Diretor de Projetos Estratégicos Ser autoridade máxima no TJPB quanto ao tema gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos; Garantir respaldo político, administrativo e financeiro ao gerenciamento dos projetos estratégicos Gerência de Projetos Ter conhecimento e domínio quanto ao Plano Estratégico do TJPB; Possuir domínio da metodologia de gerenciamento do portfólio de projetos estratégicos, do TJPB ; Saber utilizar as melhores práticas de gerenciamento do portfólio de projetos. Dominar as técnicas de negociação. Sistema Normativo Administrativo do do Página 13 de 25

14 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias Ter capacidade de influenciar e motivar pessoas; Possuir conhecimento do processo de gerenciamento de portfólio de projetos; Possuir experiência no tema que o projeto estratégico aborda; Ter habilidade na apresentação, comunicação e negociação que o projeto exige; Ser hábil no planejamento e gerenciamento de custos e tempo; Ter capacidade de liderança e espírito de equipe; Ter uma visão sistêmica do assunto abordado pelo portfólio de projetos Membros das equipes de gerenciamento de projetos Possuir conhecimento técnico no assunto que o projeto aborda; Saber trabalhar em equipe Processos de gerenciamento do portfólio Gerindo demandas por projetos Visão macro da gestão de demandas Sistema Normativo Administrativo do do Página 14 de 25

15 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Figura 5 visão macro da gestão de demandas Descrição das atividades Definir diretrizes para submissão de projetos Periodicamente, o omitê Diretor de Projetos Estratégicos deve, considerando os diferentes entraves à realização da sua estratégia, definir diretrizes (considerando os resultados das Reuniões de Análise da Estratégia) para que Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias possam submeter propostas de projetos. Solicitar projetos Deve ser formalizada pela Gerência de Projetos como Memorando e encaminhada às Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias pelo malote digital, no entanto, dependendo das circunstâncias, outros canais de comunicação (intranet, , etc.) poderão ser utilizados para informar a demanda por projetos. Preencher a proposta de projeto Recebido o Memorando da Gerência de Projetos, em um período de tempo preestabelecido, Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias que optarem por apresentar proposta de projeto, deverão fazê-lo mediante preenchimento do formulário FOR_GEPRO_002 - Proposta de Projeto disponível no seguinte endereço eletrônico Sistema Normativo Administrativo do do Página 15 de 25

16 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO no caminho Diretorias > Gestão Estratégica > Escritório de Projetos. Após o preenchimento das propostas, as mesmas deverão ser encaminhadas para a Gerência de Projetos através do Encaminhar para verificação de complexidade e impacto Recebidas as propostas de projetos, dentro do prazo estabelecido, a Gerência de Projetos deverá analisá-las para verificar sua conformidade com as normas estabelecidas para o envio de projetos. aso não se enquadre como um projeto, a proposta deverá ser devolvida para o setor solicitante, para que sejam feitas as devidas correções ou o arquivamento da mesma. Em seguida, deverá ser preenchida a matriz de complexidade e impacto para estabelecimento do ranking do portfólio de projetos, que servirá de subsídio para que o omitê Diretor de Projetos Estratégicos estabeleça a priorização e a definição dos projetos estratégicos a serem executados. Priorizar propostas onsiderando os níveis estabelecidos de complexidade e impacto das diferentes propostas de projetos recebidas obtidos no processo de identificação dos níveis de complexidade e impacto, o omitê Diretor de Projetos Estratégicos deve decidir/priorizar quais propostas serão patrocinadas e executadas Formulários e informações demandadas na gestão de demandas ódigo <> Formulários e/ou nformações de Entrada Descrição do Formulário Relatório emitido periodicamente pelo TJPB com as Relatório de Gestão da Estratégia principais informações relacionadas à Gestão da sua Estratégia. Tabela 4 formulários e informações de ENTRADA na gestão de demandas Formulários e informações produzidos na gestão de demandas ódigo Formulários e/ou nformações de Saída Descrição do Formulário Documento que consolida (no alto nível) as informações de tempo, custo, tipo de aquisições e Diretorias, FOR_GEPRO_002 Proposta do Projeto (FP) Gerências e/ou Unidades Judiciárias envolvidas bem como, objetivos estratégicos impactados e prazo para FOR_GEPRO_003 Matriz de omplexidade e mpacto (M) atendimento de legislação específica. Documento que consolida os níveis de complexidade e impacto das iniciativas. Tabela 5 formulários de SAÍDA na gestão de demandas Sistema Normativo Administrativo do do Página 16 de 25

17 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO 6.2 dentificando os níveis de complexidade e impacto para estabelecimento do ranking das iniciativas de projetos niciativas de projetos podem derivar do Plano Estratégico (matriz de suficiência de projetos) ou da gestão de demandas por projetos, conforme resultados apurados nas Reuniões de Análise da Estratégia (RAE), que é o momento, organizado pela Diretoria de Gestão Estratégica, para análise do desempenho dos indicadores, projetos e planos de ação, ligados aos objetivos estratégicos, previstos no Mapa Estratégico do TJPB. onsiderando que os projetos estratégicos são iniciativas que auxiliam o Tribunal no alcance dos seus objetivos estratégicos, impostos pelas metas de médio e longo prazos e que a quantidade de projetos deve ser proporcional a quantidade de objetivos estabelecidos, portanto devem ser estabelecidos critérios para identificação dos níveis de complexidade e impacto de cada iniciativa, oportunizando, para o omitê Diretor de Projetos Estratégicos, um ranking para tomada de decisão Visão macro da identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas de projetos Figura 6 visão macro da identificação dos níveis de complexidade e impacto Sistema Normativo Administrativo do do Página 17 de 25

18 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Níveis de complexidade omplexidade ritério Peso Diretorias, Unidades Judiciárias e/ou Terceiros executando/demandando atividades do projeto 30% Orçamento 20% Tempo de duração 25% Tipo de Aquisições 25% Valor 4 Seis ou mais envolvidos na execução do projeto Acima de R$ 1 milhão 3 2 Quatro ou cinco envolvidos na execução do projeto Duas ou três envolvidos na execução do projeto Entre R$ 500 e R$ 1 milhão Entre R$ 100 e R$ 500 mil Acima de 2 anos Entre 1 a 2 anos Entre 6 e 12 meses Envolve aquisições mediante licitação Envolve Registro de Preço ou arta onvite Envolve aquisições mediante dispensa de licitação 1 Somente um envolvido na execução do projeto Abaixo de R$ 100 mil Abaixo de 6 meses Não envolve aquisições Tabela 6 níveis de complexidade para análise das iniciativas (de projetos) Níveis de impacto mpacto ritério Valor Peso Prazo de atendimento a legislação 40% até 6 meses Entre 6 meses e 1 ano Maior que 1 ano Sem prazo mpacto na estratégia 60% O projeto atende mais de 3 objetivos estratégicos. O projeto atende 3 objetivos estratégicos. O projeto atende 2 objetivos estratégicos. O projeto atende um único objetivo estratégico. Tabela 7 níveis de impacto para análise das iniciativas (de projetos) Tabela de omplexidade e mpacto omplexidade mpacto Alta(o) > 3,0 > 3,0 Média(o) Entre 1,5 e 3,0 Entre 1,5 e 3,0 Baixa(o) < 1,5 < 1, Exemplo do cálculo da matriz de complexidade x impacto Diretorias, Unidades Judiciárias e/ou Terceiros executando/demand ando atividades do projeto usto estimado Prazo estimado Tipo de aquisição Prazo de atendimento a legislação mpacto na estratégia omplexidade Presidência do omissão de Segurança nstitucional Diretoria de Segurança nstitucional Diretoria de Gestão Estratégica Diretoria de Tecnologia da nformação Assembléia Legislativa da Paraíba (lei de criação do FUNSEG-JE) R$ 1 milhão 16 (dezesseis) meses Aquisições por licitação de equipamentos de segurança TOTAL.. mpacto O projeto está vinculado ao cumprimento da Resolução nº. 104, de 06 de abril de 2010, do NJ, que estabelece o prazo de um ano para os tribunais estaduais reforçarem suas estruturas de segurança. Garantir a segurança dos servidores e magistrados Garantir a qualidade de vida no trabalho para servidores e magistrados Garantir a adequação da infraestrutura tecnológica Garantir a adequação da infraestrutura física TOTAL.. Pontuação 4 x 0,30 = 1,20 3 x 0,20 = 0,60 3 x 0,25 = 0,75 4 x 0,25 = 1,00 3,55 Pontuação 3 x 0,40 = 1,20 4 x 0,60 = 2,40 3,60 onclusão: o projeto apresenta pontuação de 3,55 (alta complexidade) + 3,60 (alto impacto) = 7,15 pontos Sistema Normativo Administrativo do do Página 18 de 25

19 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO onsolidando as informações de complexidade e impacto Quando as iniciativas de projetos estiverem sendo derivadas do Plano Estratégico (matriz de suficiência de projetos), os níveis de complexidade e impacto deverão ser registrados no formulário FOR_GEPRO_004 - Termo de Abertura e, posteriormente, consolidados no formulário FOR_GEPRO_003 - Matriz de omplexidade e mpacto, disponíveis no endereço no caminho Diretorias > Gestão Estratégica > Escritório de Projetos. Quando as iniciativas de projetos estiverem sendo derivadas do processo de gestão de demandas (conforme resultados apurados nas Reuniões de Análise da Estratégia), os níveis de complexidade e impacto deverão ser registrados no formulário FOR_GEPRO_002 - Proposta do Projeto e, posteriormente, consolidados no formulário FOR_GEPRO_003 Matriz de omplexidade e mpacto, disponíveis em caminho Diretorias > Gestão Estratégica > Escritório de Projetos. Uma vez completa, a Matriz de omplexidade e mpacto disponibilizará ao Tribunal um ranking técnico das iniciativas de projetos. Em seguida, deve ser feita uma análise de quadrante para priorização dos projetos com baixa complexidade e alto impacto, a ser realizada pela Gerência de Projetos Quadrantes de complexidade e impacto Figura 7 quadrantes dos níveis de complexidade e impacto Sistema Normativo Administrativo do do Página 19 de 25

20 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO O gráfico complexidade versus impacto busca demonstrar a importância de se priorizar projetos com alto impacto em termos de atendimento aos objetivos estratégico e legislações específicas, e com baixa complexidade de execução em termos de Diretorias ou Unidades Judiciárias envolvidas, orçamento, tempo de duração e tipos de aquisições Roadmap (caminho) de posicionamento estratégico O roadmap constitui-se em um mapa, geralmente baseado no tempo, composto por camadas (ondas), que proporcionam uma visão integrativa da execuçaõ de projetos estratégicos. O roadmap tem se mostrado uma ferramenta apropriada para atender o objetivo de visualização do portfólio de projetos estratégicos de uma organização. O roadmap é uma visão de alto nível dos projetos, iniciativas e macro-atividades que serão desenvolvidas pela empresa. Sua grande vantagem é criar uma visão geral de todos os projetos que serão realizados, pois facilita a montagem de orçamento, dimensionamento de pessoal, análise da demanda, controle do andamento dos projetos previstos e análise de impacto em uma possível repriorização. Paralelamente, o TJPB utilizará um roadmap (caminho) de posicionamento estratégico dos seus projetos, auxiliando as decisões quanto aos projetos prioritários. Figura 8 roadmap de posicionamento estratégico dos projetos Sistema Normativo Administrativo do do Página 20 de 25

21 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Esse roadmap (caminho) é uma escolha do TJPB. É uma forma de otimizar os resultados do portfólio de programas e/ou projetos pela decisão de patrocínio a um ou mais projetos (em detrimento de outros), única e exclusivamente, em função dos resultados técnicos da priorização, segundo níveis de complexidade e impacto Formulários demandados na identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas (de projetos) ódigo FOR_GEPRO_002 Formulários de Entrada Proposta do Projeto (FP) Descrição do Formulário Documento que consolida (no alto nível) as informações de tempo, custo, tipo de aquisições e Diretorias, Gerências e/ou Unidades Judiciárias envolvidas bem como, objetivos estratégicos impactados e prazo para atendimento de legislação específica. Por meio do Termo de Abertura do Projeto o TJPB reconhece a existência FOR_GEPRO_004 Termo de Abertura (TA) do projeto, designa e confere autoridade ao Gestor de projeto para iniciar os trabalhos e utilizar os recursos necessários (equipamentos, recursos humanos, materiais etc.). Tabela 8 formulários de ENTRADA para identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas de projetos Formulários produzidos na identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas (de projetos) ódigo FOR_GEPRO_003 Formulários de Saída Matriz de omplexidade Descrição do Formulário Documento que consolida os níveis de complexidade e impacto das e mpacto (M) iniciativas. Tabela 9 formulários de SAÍDA da identificação dos níveis de complexidade e impacto das iniciativas de projetos 6.3 Monitorando e controlando a execução dos projetos Visão macro do monitoramento e controle dos projetos Sistema Normativo Administrativo do do Página 21 de 25

22 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Figura 9 Visão macro do monitoramento e controle dos projetos Descrição das atividades do Gestor do Projeto Acompanhar a evolução dos projetos Periodicamente, considerando as informações contidas no Plano de Gerenciamento do Projeto, o Gestor do Projeto com o apoio da Gerência de Projetos deve atualizar o formulário FOR_GEPRO_013 - Mapa dos Resultados do Projeto. Realizar reunião com a equipe Sistema Normativo Administrativo do do Página 22 de 25

23 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Após atualizar o formulário FOR_GEPRO_013 - Mapa dos Resultados do Projeto, o Gestor do Projeto pode optar por realizar reunião com a equipe do projeto, para discussão da evolução do mesmo, bem como correção das possíveis distorções. Verificar necessidade de mudanças Ocasionalmente, quando da execução das atividades, pode ser identificada, pelo responsável pela execução ou pelo Gestor do Projeto, uma necessidade de mudança. Elaborar registro de mudanças dentificada uma necessidade de alteração, o responsável pela execução da atividade que demanda mudança e/ou o Gestor do Projeto, devem providenciar o registro dessa necessidade no formulário FOR_GEPRO_016 - Solicitação de Mudança do Projeto (disponível no seguinte endereço eletrônico no caminho Diretorias > Gestão Estratégica > Escritório de Projetos), encaminhando-o à Gerência de Projetos Descrição das atividades da Gerência de Projetos Atualizar portfólio onsiderando as informações contidas no formulário FOR_GEPRO_013 - Mapa dos Resultados do Projeto, os responsáveis por projetos na Gerência de Projetos, deverão atualizar o formulário FOR_GEPRO_014 - Mapa dos Resultados do Portfólio disponível no endereço eletrônico no caminho Diretorias > Gestão Estratégica > Escritório de Projetos. Esse documento consolida as entregas / indicadores dos diferentes projetos e deve ser considerado como o principal instrumento de gestão pela Gerência de Projetos. Preencher fichas de acompanhamento Periodicamente (conforme demanda de informações para Reunião de Análise da Estratégia - RAE), a Gerência de Projetos, por intermédio dos responsáveis por projetos, deve elaborar/atualizar os formulários FOR_GEPRO_019 - Ficha Acompanhamento do Projeto, conforme modelo abaixo: Sistema Normativo Administrativo do do Página 23 de 25

24 MANUAL DE GERENAMENTO DO PORTFÓLO Figura 10 Ficha de Acompanhamento dos Projetos Estratégicos Descrição das atividades do omitê Diretor de Projetos Acompanhar resultados Periodicamente, as informações consolidadas no formulário FOR_GEPRO_013 Mapa dos Resultados do Projeto deverão ser levados para consideração/avaliação do omitê Diretor de Projetos Estratégicos. Na oportunidade, uma solicitação de mudança poderá ser emitida, considerando os resultados aquém do esperado pela parte patrocinadora dos projetos. A disponibilização dos dados dos projetos em ambiente próprio (web site, intranet, etc) deve ser levada em consideração, como forma de facilita o acesso ao público interno/externo das informações relacionadas às iniciativas (de projetos) que estão sendo priorizadas/executadas no TJPB. Sistema Normativo Administrativo do do Página 24 de 25

1.Objetivo... 4. 2.Documentação Normativa de Referência...4. 3.Gestão Estratégica e Gerenciamento de Projetos Estratégicos...4

1.Objetivo... 4. 2.Documentação Normativa de Referência...4. 3.Gestão Estratégica e Gerenciamento de Projetos Estratégicos...4 MANUAL DE GERENAMENTO DE PROJETOS ódigo: MAN-GEPRO-001 Elaborado por: Gerência de Projetos Versão: 00 Data de Aprovação: 13/08/2013 Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica SUMÁRO 1.Objetivo... 4

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

I. FASE DE INICIAÇÃO objetiva formalizar a autorização de um projeto, ou fase de um projeto.

I. FASE DE INICIAÇÃO objetiva formalizar a autorização de um projeto, ou fase de um projeto. 1. FASES DA METODOLOGIA I. FASE DE INICIAÇÃO objetiva formalizar a autorização de um projeto, ou fase de um projeto. Esta fase inicial serve para detalhar os benefícios e os resultados esperados que este

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL

PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 1ª Reunião da Rede de Priorização do Primeiro Grau de Jurisdição PLENÁRIA FINAL JUSTIÇA ELEITORAL 05 a 07 de maio de 2015 ESMAF Brasília/DF Integrantes da Rede de Priorização do Primeiro Grau no segmento

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM

Fevereiro 2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM Fevereiro DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS DRH ESCOLA JUDICIÁRIA MILITAR EJM 2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO... 3 Apresentação... 3 Missão... 4 Visão de Futuro... 4 Valores... 4 PERSPECTIVAS...

Leia mais

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal

Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal Plano de COMUNICAÇÃO do Planejamento Estratégico da Justiça Federal PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA Introdução É importante ressaltar que um plano de comunicação tem a finalidade de tornar conhecida

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Gerenciamento de Portfólio

Gerenciamento de Portfólio Qualidade, Processos e Gestão de Software Prof. Alexandre Vasconcelos e Prof. Hermano Perrelli Fabricio Araújo Gerenciamento de Portfólio Projetos? Projetos? Portifólios? Projetos? Projetos Programas Portfólio

Leia mais

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010

Modelo de Referência. Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Modelo de Referência Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2010 Versão 1.0 Premissas do modelo 1. Este modelo foi extraído do material didático do curso Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009

Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Manifestação do Ministro Gilmar Mendes, no encerramento do II Encontro Nacional do Judiciário Belo Horizonte, 16/02/2009 Senhores, No encerramento destes trabalhos, gostaria de agradecer a contribuição

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo. Eficiência Operacional. Buscar a efetividade nos trâmites judiciais e administrativos. Garantir efetividade na tramitação dos processos judiciais e administrativos e assegurar a razoável duração do processo.

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal

Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal Ajuda da pesquisa acerca da Governança de TI da Administração Pública Federal 1. Há planejamento institucional em vigor? Deverá ser respondido SIM caso o Órgão/Entidade possua um planejamento estratégico

Leia mais

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014

Construção do Plano Estratégico 2015-2020. Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 Construção do Plano Estratégico 2015-2020 Revisão da Identidade Estratégica Comissão de Planejamento Estratégico 10/10/2014 2 Objetivo da Reunião Apresentar a contribuição institucional, discutir propostas

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Indicadores - Perspectiva Sociedade

Indicadores - Perspectiva Sociedade Indicadores - Perspectiva Sociedade Fortalecer a imagem institucional da Justiça do Trabalho IMAGEM ORGANIZACIONAL GRAU DE CONFIANÇA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Mede o grau de confiança dos advogados e partes

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional.

Estabelecer critérios e procedimentos para apoiar a gestão de projetos e o monitoramento da estratégia institucional. APOIAR E MONITORAR A GESTÃO ESTRATÉGICA E DE PROJETOS DO PJERJ Proposto por: Equipe do Departamento de Gestão Estratégica e Projetos (DGDIN/DEGEP) Analisado por: Diretor do Departamento de Gestão Estratégica

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Modelo de Gestão de Portfólio e Operação dos Escritórios de Projetos da Justiça Federal

Modelo de Gestão de Portfólio e Operação dos Escritórios de Projetos da Justiça Federal JUSTIÇA FEDERAL Modelo de Gestão de Portfólio e Operação dos Escritórios de Projetos da Justiça Federal 1ª Edição A estratégia direcionando a execução por meio da gestão e operação dos Escritórios de Projetos

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Identificação do Projeto Projeto Nome do projeto. Unidade Demandante Unidade que solicitou o projeto. Gestor do Projeto Nome do Gestor do projeto. Responsável na Unidade Demandante Nome do Responsável

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 2013 TJM-RS NGE-JME-RS Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 [PAINEL DE INDICADORES-TJM-RS] Contém os indicadores do do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais