Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo"

Transcrição

1 Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Evolução da Cidade de São Paulo Um Breve Resumo Consultoria e Engenharia Ambiental Legislação Ambiental para Gestão e Remediação de Áreas Contaminadas Martim Afonso de Souza Geólogo Gerente de Projetos 21 de Maio de 2013 Membro do Grupo Ecogeo Apresentação Martim Afonso de Souza Geólogo, atua como Gerente de Projetos na GEOKLOCK Consultoria e Engenharia Ambiental Ltda. Responsável pelo gerenciamento de projetos de diagnóstico ambiental detalhado para implantação de sistemas de remediação. Especializado em hidrogeologia, atua na GEOKLOCK a mais de 17 anos desenvolvendo projetos de diagnóstico e remediação ambiental em solos e águas subterrâneas. Especializou-se na implantação de sistemas complexos de remediação in situ. Possui experiência internacional através de intercâmbios técnicos na Alemanha e no Canadá, além de treinamentos nos Estados Unidos. Geólogo pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo - USP MBA Gerenciamento de Projetos SENAC 2009 Professor do curso de pós-graduação em Gerenciamento de Áreas Contaminadas do SENAC São Paulo 1

2 Remediação de Área Contaminada Visando a Mudança de Uso do Solo Introdução Reabilitação de antigas áreas industriais Exemplos da Cidade de São Paulo Responsabilidades Metodologias e ferramentas de investigação ambiental Tecnologias disponíveis para remediação Introdução 2

3 Reabilitação de antigas áreas industriais Exemplos da Cidade de São Paulo Reabilitação de antigas áreas industriais Pressão da expansão urbana 3

4 Necessidade de adequação da legislação de uso do solo Bases da definição do uso futuro Modelo Conceitual e Análise de Risco 4

5 Bases da definição do uso futuro Modelo Conceitual e Análise de Risco Reabilitação da área em função do risco e uso. Exemplo área com concentração de composto orgânico de 35 mg/l nas águas subterrâneas. Uso residencial Ambiente Fechado Redução de 250 vezes para 0,14 mg/l Uso área verde Ambiente Aberto Redução de 1,5 vezes para 23 mg/l Custo final do empreendimento está diretamente ligado à meta de remediação, que será definida com base no uso futuro da área FONTE: Adaptado de Silva, F. A. N. e Sepe, P. M., 2010 A implantação de parques urbanos em áreas contaminadas exemplos perspectivas e desafios In VII Seminário Internacional de áreas contaminadas Instituto Ekos Brasil - Região de Jurubatuba - Histórico Ação de controle mais efetivos da CETESB a partir de 2001; Área de forte vocação industrial desde a década de 1950; setores químico e metalúrgico; Classificada no passado como Zona de Uso Predominantemente Industrial ZUPI 131; A partir do final da década de 1990 passou a sofrer forte pressão de transformação urbana com a saída das industrias e mudança da vocação para uso misto (ZM) e residencial (ZER); Em novembro de 2001 a Gillette informou a CETESB da existência de passivo ambiental em sua propriedade (antiga fábrica da Duracell), iniciando o processo de gerenciamento do passivo com acompanhamento da CETESB; As investigações demonstraram que o impacto às águas subterrâneas ultrapassava os limitesit da propriedadeeentão idd iii iniciaram avaliações maisabrangentes; Foi definido um cenário de contaminação difusa, gerado por diversas fontes de contaminação a partir de diversas áreas industriais ativas ou já desativadas; Em função do quadro ambiental verificado o DAEE baixou a portaria 1594, de 5 de outubro de 2005, criando uma Área de Restrição e Controle Temporário da água subterrânea. FONTE: CETESB - 5

6 Região de Jurubatuba - Histórico Região de Jurubatuba - Histórico Centro Universitário SENAC Shopping SP Market Gilette 6

7 Região de Jurubatuba Região de Jurubatuba

8 Região de Jurubatuba Região de Jurubatuba

9 Região de Jurubatuba Antigo Incinerador da Rua do Sumidouro Pinheiros Revitalização SVMA/GTZ/CETESB

10 Antigo Incinerador da Rua do Sumidouro Pinheiros Revitalização SVMA/GTZ/CETESB 2007 Antigo Incinerador da Rua do Sumidouro Pinheiros Revitalização Praça Victor Civita 2008 Conceitos: Eliminação da Exposição Restrição de Uso FONTE: Adaptado de Silva, F. A. N. e Sepe, P. M., 2010 A implantação de parques urbanos em áreas contaminadas exemplos perspectivas e desafios In VII Seminário Internacional de áreas contaminadas Instituto Ekos Brasil 10

11 Praça Victor Civita Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo 11

12 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo Folha de São Paulo 28/07/2011 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo

13 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo 2007 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo

14 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo Maio / 2009 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo Dezembro /

15 Extensão da Chucri Zaidan - Novo Distrito Financeiro de São Paulo Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê

16 Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê 2005 Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê

17 Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê 2007 Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê

18 Área municipal Grande São Paulo Ocupação de Área Aterrada com Material da Calha do Tietê 2009 Responsabilidades A responsabilidade sempre é do proprietário da área. Os órgão públicos irão exigir as ações de gerenciamento do passivo do proprietário, p independentemente dele ter sido o responsável pela geração do passivo; EssaéaprincipalrazãoparaarealizaçãodeauditoriasdeDue Dilligence ou ainda exigir a realização de investigação confirmatória durante os processos de compra e venda de terrenos ou de antigas áreas industriais; O Passivo pode ser valorado, e seu cstopode custo ser incluído no negócio, seja o proprietário assumir o passivo e o seu gerenciamento ou não, nesse caso ficando o antigo proprietário responsável pela remediação, amarrando os pagamentos pelo imóvelaosucessodaremediaçãoeàliberaçãodaslicençasdo novo empreendimento; 18

19 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL (Site Hipotético Modelo Conceitual) Ferramentas de Alta Resolução para a Caracterização de Áreas Contaminadas Definição da EPA: É o conjunto de técnicas e estratégias que se utilizam de escala adequada de medições, aliada a alta densidade de amostras para definir a distribuição dos contaminantes no meio físico, permitindo assim ações de remediação mais rápidas e efetivas. 19

20 Ferramentas de Alta Resolução para a Caracterização de Áreas Contaminadas Melhor detalhamento Redução das incertezas Aplicável em todas as áreas Melhores práticas de gestão Planejamento Sistemático Estratégias de Trabalho Dinâmico Medição em Tempo Real Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Fig. 1: localização de 3 seções perpendiculares ao fluxo realizadas através de direct push limitadas ao topo rochoso, obtendo dados contínuos da hidrogeologia com alta densidade com técnicas de medição em tempo real. As informações dos contaminantes podem ser obtidas com ferramenta de medição direta como o MIP Membrane Interface probe, avaliando a distribuição dos contaminantes pelas camadas de maior ou menor permeabilidade 20

21 Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Fig. 2: interpretação 3D do material inconsolidado com base nos resultados de alta densidade e profundidade do embasamento rochoso. As perfilagens verticais de CPT e I x mostram a distribuição heterogênea da estratigrafia com relação as zonas de maior e menor condutividade hidráulica K, que controlam o transporte e o destino dos contaminantes. Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Fig. 3: visualização 2D da seção A-A integrando os resultados hidrogeológicos e de distribuição de contaminantes detectados em amostras discretas indicam zonas de menor e maior concentração. (Nota: em muitos locais, é comum que haja múltiplos núcleos de pluma. Este exemplo assume um núcleo de pluma para a simplicidade de apresentação. No entanto, a existência de núcleos múltiplos de várias dimensões, posições e concentrações de contaminantes é um importante motor por trás da necessidade de caracterizar sites usando estratégias HRSC). 21

22 Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo A distribuição da concentração é consistente com a investigação que conclui que 75% em massa de contaminantes ocorre em apenas 5% a 10% da área em corte transversal da pluma (Gilbeault et al. 2005). As concentrações nitidamente diminuem para fora do núcleo em distâncias relativamente curtas. O núcleo está confinado a um intervalo relativamente fino de material com K relativamente elevado, indicando que a maior parte da massa em fase dissolvida se movimenta através de uma secção transversal relativamente pequena do aquífero. Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Massas de contaminante potencialmente significativas podem estar armazenadas nas unidades adjacentes com K inferiores meio de difusão da matriz. O período de tempo desde a liberação de contaminantes e o grau de heterogeneidade do aquífero podem impactar significativamente o grau em que a difusão da matriz ocorra. Nesta fase, os esforços de campo adicionais podem ser a garantia para melhor caracterizar o grau de influência de difusão matriz para apoiar a selecção remediação. 22

23 Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Aqui O detalhamento se observam de todas subsuperficie as seções fornecido mostrando pelaahrsc plumapode e seus também centros suportar de massa a concepção em relação deàabordagens área fonte ede oremediação fluxo principal. paraa remoção visualização dosindica centros quede o massa uso dedas umazonas estratégia litológicas HRSCdefectivamente menor K e definidiu controlaras a zonas migração litológicas da pluma com dissolvida maior Kna que suaservem extremidade como de caminhos jusante. preferenciais Neste caso, HRSC tanto para identifica a pluma ondedissolvida a massa como de contaminantes os centros de estámassa. especialmente Da mesma localizada, forma, HRSC e esclarece definiuo as contexto zonashidrogeológico litológicas comem menor que a Kmassa lque geralmente reside e se contêm comporta. a maior Este parte conhecimento da massareduz de contaminantes as incertezas epodem contribuir servir como significativamente fontes secundárias paradeo longo sucesso prazo do projeto de parade a pluma remediação. dissolvida de também para os centros de massa. Ferramentas de Alta Resolução Estratégia de Investigação com Seções Transversais ao Fluxo Aqui um sistema de remediação integrado é adotado para remediação da fonte, dos centros de massa da pluma e dos seus limites de jusante. Após a escavação da área fonte, um sistema de extração (SVE) é usado para reduzir a massa de contaminantes. Bombeamento e tratamento de água subterrânea é utilizada para reduzir o centro de massa da pluma, com poços de bombeamento com filtros localizados apenas nos centros de massa, em vez de penetrar pluma a pluma total. Isto permite uma remoção mais eficiente da massa e redução das taxas de bombeamento em comparação com os poços totalmente penetrantes. Biorremediação in situ com recirculação é aplicado na porção de jusante para controlar a migração da fase dissolvida. Poços de monitoramento instalados nos alvos detectados por HRSC são usados para monitorar o progresso e a eficácia da remediação. 23

24 Ferramentas de Alta Resolução Ferramentas de medição direta Technology Explosives Fuels Halogenated SVOCs Halogenated VOCs Metals and metalloids Nonhalogenated SVOCs Nonhalogenated VOCs Cone Penetrometer Testing Electrical Conductivity Probe Electromagnetic ti Conductivity it Fiber Optic Chemical Sensors Field Portable X Ray Fluorescence Fuel Fluorescence Detector Ground Penetrating Radar Hydraulic Profiling Tool Laser Induced Fluorescence (LIF) Probe (UVOST, ROST, TarGOST) Magnetometry Membrane Interface Probe with Electron Capture Detectors (ECD) Membrane InterfaceProbe with Flame Ionization Detector (FID) Membrane Interface Probe with Halogen Specific Detector (XSD) Detector Membrane Interface Probe with Photoionization Detector (PID) Photoionization Detector (PID) Waterloo Advanced Profiling System Tecnologias de Remediação Conceito Abordagem Moderna 24

25 Tecnologias de Remediação Solo, Sedimento e Lodo Tratamento Biológico BIOVENTING BIODEGRADAÇÃO ACELERADA FITOREMEDIAÇAO In Situ Tratamento Físico Químico SEPARAÇÃO ELETROCINÉTICA FRATURAMENTO; LAVAGEM DE SOLO EXTRAÇÃO DE VAPORES SOLIDIFICAÇÃO / ESTABILIZAÇÃO Tratamento Térmico EXTRAÇÃO DE VAPORES ACELERADA POR AQUECIMENTO Solo, Sedimento e Lodo Ex Situ Tratamento Biológico pósescavação Tratamento Físico Químico pós-escavação BIOPILHA COMPOSTAGEM LANDFARMING EXTRAÇÃO QUÍMICA; REDUÇÃO / OXIDAÇÃO DEHALOGENAÇÃO; SEPARAÇÃO LAVAGEM DE SOLO Tratamento Térmico pósescavação INCINERAÇÃO CO-PROCESSAMENTO DESORSÃO TÉRMICA Contenção e outros CONFINAMENTO GEOTÉCNICO Tecnologias de Remediação Águas Subterrâneas e Superficiais e Lixiviados In Situ Tratamento Biológico Tratamento Físico Químico BIODEGRADAÇÃO ACELERADA ATENUAÇÃO NATURAL FITOREMEDIAÇAO AIR SPARGING; BIOSLURPING; OXIDAÇÃO QUÍMICA; DUAL PHASE EXTRACTION; TRATAMENTO TÉRMICO; BARREIRAS REATIVAS Águas Subterrâneas e Superficiais e Lixiviados Ex Situ Tratamento Biológico pósbombeamento Tratamento Físico Químico pós-bombeamento BIOREATORES WETLANDS CONOSTRUÍDAS ADSORÇÃO / ABSORÇÃO; OXIDAÇÃO QUÍMICA AVANÇADA; CARVÃO ATIVADO; AIR STRIPPING; BOMBEAMENTO; ETC Contenção e outros BARREIRAS HIDRÁULICAS INJEÇÃO EM POÇOS PROFUNDOS 25

26 Tecnologias de Remediação Tecnologias de Remediação Sistema Integrado Barreira Hidráulica + MPE + Remoção de Solo 26

27 Tecnologias de Remediação Sistema Integrado Barreira Hidráulica + MPE + Air Sparging + Biorremediação Acelerada Após 3 anos MPE oxi / bio AS água Tecnologias de Remediação Sistema Integrado Barreira Hidráulica + MPE + Air Sparging + Biorremediação Acelerada e Remoção de solo Após 3 anos MPE oxi / bio AS água 27

28 OBRIGADO Consultoria e Engenharia Ambiental Martim Afonso de Souza Geólogo Gerente de Projetos Membro do Grupo Ecogeo 28

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas O Uso da Tecnologia de Alta Resolução MIP/HPT no Gerenciamento de Áreas Contaminadas III Seminário Sul-Brasileiro Gerenciamento de Áreas Contaminadas (12/11/15) Canoas/RS Vinhedo/SP Rio de Janeiro São

Leia mais

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011

Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Geol. Giovanna Setti Galante Presidente AESAS Superintendente Essencis Soluções Ambientais 15/09/2011 Manipulação e armazenamento inadequados de resíduos e matéria prima; Vazamentos de linhas e tanques

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA

APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA APRESENTAÇÃO DO ESTUDO TÉCNICO ATUALIZADO DO CASO MANSÕES SANTO ANTÔNIO INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL DETALHADA E AVALIAÇÃO DE RISCO À SAÚDE HUMANA Histórico da Área A área alvo de estudo (Lotes 04 e 05) pertenceu

Leia mais

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção.

TRATAMENTO IN SITU: o material contaminado é tratado no local, sem se recorrer à sua mobilização e remoção. O que fazemos? GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS Abrange um conjunto de técnicas e metodologias aplicadas com o objetivo de avaliar as reais condições de um dado local, caracterizando o passivo ambiental

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Gerenciamento de Áreas Contaminadas Aspectos Técnicos Ralf Lattouf ENVIRON Introdução Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Leia mais

Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo

Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo Descomissionamento e Remediação Integrada de Uma Antiga Área Industrial com Foco em Mudança de Uso Brasil - São Paulo Eng. Lucas Silva Fonseca, ARCADIS Logos Eng. Diego Marcondes, ARCADIS Logos Eng. Bruno

Leia mais

A implantação de parques urbanos em áreas contaminadas exemplos, perspectivas e desafios

A implantação de parques urbanos em áreas contaminadas exemplos, perspectivas e desafios A implantação de parques urbanos em áreas contaminadas exemplos, perspectivas e desafios Geólogo Francisco Adrião Neves da Silva Geóloga Patrícia Marra Sepe Departamento de Planejamento Ambiental - DEPLAN

Leia mais

Seminário Internacional de Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas (São Paulo, SP BRASIL Outubro de 2014)

Seminário Internacional de Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas (São Paulo, SP BRASIL Outubro de 2014) SEMINÁRIO EKOS Session 3 - Urban development and social aspects Seminário Internacional de Remediação e Revitalização de Áreas Contaminadas (São Paulo, SP BRASIL Outubro de 2014) Trabalho: Dimensionamento,

Leia mais

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção

Investigação Detalhada e Plano de Intervenção e Plano de Intervenção Geol. MSc. Paulo L. Lima Gerente de Contratos Essencis Soluções Ambientais plima@essencis.com.br Seminário Gerenciamento de Áreas Contaminadas Agosto de 2011 Premissas: Investigação

Leia mais

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011

Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA. INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Área de restrição e controle de capacitação e uso de águas subterrâneas PROJETO JURUBATUBA INSTITUTO DE ENGENHARIA 29 Junho de 2011 Câmara Técnica de Águas Subterrâneas do CRH Coordenador Gerôncio Rocha

Leia mais

A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental

A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental A Utilização de Avaliação Multicritério para Tomada de Decisão na Gestão Ambiental Msc. Eng. Luciano Braga Souto Orientadora: Profa. Dra. Carmen Belderrain Co-orientadora: Msc. Rosele de Felippe Wittée

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

Recuperar é possível.

Recuperar é possível. Recuperar é possível. Conheça a SAPOTEC. 1 O desafio da SAPOTEC é viabilizar negócios com benefícios ao meio ambiente, oferecendo soluções tecnológicas personalizadas e de acordo com todas as diretrizes

Leia mais

Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas. www.agsolve.com.br www.solinst.com

Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas. www.agsolve.com.br www.solinst.com Alta qualidade em Instrumentos de Monitoramento Águas Superficiais e Subterrâneas www.agsolve.com.br www.solinst.com Vantagens do Sistema Multinível Oferece todos os benefícios da tecnologia de poços multinível

Leia mais

Investigação Confirmatória

Investigação Confirmatória MODULO 3 Gestores e Técnicos Ambientais Procedimentos para postos e sistemas retalhistas Licenciamento Ambiental Recebimento de Denúncia ou Reclamação Medidas Emergenciais Nenhuma intervenção necessária

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas ABES-RS Porto Alegre, 03 de Setembro de

Leia mais

Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo

Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo Racionalização de Processos de Remediação em Curso a Médio e Longo Prazo Porto Alegre, Novembro de 2015 Insert then choose Picture select your picture. Right click your picture and Send to back. Momento

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02)

PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) PRH Piranhas-Açu Disponibilidade Hídrica Subterrânea (RP-02) José Luiz Gomes Zoby Patos/PB 14 de Março, 2013 Sumário Introdução Geologia Domínios Hidrogeológicos e Sistemas Aquíferos Conclusões Introdução

Leia mais

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012

Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Seminário Sul-brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Porto Alegre, 3 e 4 de setembro de 2012 Experiência na aplicação da Resolução CONAMA 420 Rodrigo César de Araújo Cunha CETESB Companhia Ambiental

Leia mais

BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS

BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS BIORREMEDIAÇÃO DE ÁREAS CONTAMINADAS E DEGRADADAS Utilizações Limitações Avanços Flávio A. O. Camargo : : Departamento de Solos : : UFRGS (fcamargo@ufrgs.br) CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL O preço do progresso

Leia mais

As consequências da exploração desordenada das águas subterrâneas em tempos de escassez de água

As consequências da exploração desordenada das águas subterrâneas em tempos de escassez de água Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas Instituto de Geociências USP As consequências da exploração desordenada das águas subterrâneas em tempos de escassez de água 26º Encontro Técnico AESABESP A crise

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013

2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 2º Seminário AESAS Mercado Ambiental Brasileiro: o que mudou em 2013? São Paulo, 28 de novembro de 2013 MESA REDONDA REQUISITOS LEGAIS 2013: Lei 13577 Áreas Contaminadas / Decreto 59.263 Decreto nº 59.263/2013,

Leia mais

PARTICIPAÇÕES. > Remediação de solo Utilizando ERH.

PARTICIPAÇÕES. > Remediação de solo Utilizando ERH. A Doxor está presente no mercado desde 2003, estabelecendo-se como referência em sistemas de remediação ambiental. Nossos sistemas já foram utilizados em mais de 120 sites contaminados. Trabalhando com

Leia mais

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking

Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Posicionamento sobre gás de xisto, óleo de xisto, metano em camada de carvão e fracking Nós, uma aliança de organizações não governamentais dedicadas à saúde e ao meio ambiente, temos sérias preocupações

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP

TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP TRATAMENTO PARA DESINCRUSTAÇÃO DE AGENTES FERRUGINOSOS, E REAVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS HIDRÁULICOS DE POÇOS A EXPERIÊNCIA DO SAAE DE GUARULHOS-SP Flavio Geraidine Naressi Serviço Autônomo de Água e Esgoto

Leia mais

Técnicas Inovadoras de Remediação

Técnicas Inovadoras de Remediação Técnicas Inovadoras de Remediação Dr. Sander Eskes FEAM, Belo Horizonte Agosto, 2011 Abordagens de remediação Contaminação Contenção Contaminação Remoção Destruição Contaminação Aplicação de tecnologias

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

Experience with Base Relocation and Site Closure (BRAC) Sites in the United States

Experience with Base Relocation and Site Closure (BRAC) Sites in the United States APLICAÇÃO DO PROCEDIMENTO CETESB DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS CONTAMINADAS NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL Experience with Base Relocation and Site Closure (BRAC) Sites in the United States Eng. Alfredo C. C.

Leia mais

Monitoramento Ambiental em Atividades Marítimas de Perfuração -MAPEM-

Monitoramento Ambiental em Atividades Marítimas de Perfuração -MAPEM- Monitoramento Ambiental em Atividades Marítimas de Perfuração -MAPEM- Felipe A. L. Toledo Laboratório de Paleoceanografia do Atlântico Sul LaPAS - Instituto Oceanográfico - USP Projeto MAPEM PROJETO FINEP

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE - SMAC www.rio.rj.gov.br/smac PRI - PLANO DE REABILITAÇÃO INTEGRADA DE SÃO CRISTÓVÃO GERENCIAMENTO DE SOLOS CONTAMINADOS SMAC

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

III Seminário Nacional Sobre Dragagem

III Seminário Nacional Sobre Dragagem III Seminário Nacional Sobre Dragagem Engenharia, Tecnologia e Meio Ambiente Mª Luíza Almeida Gusmão Maio/2008 Painel: Monitoramento Ambiental das Dragagens Termo de Referência para o Planejamento das

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr.

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO Envolvem transferência de elétrons Espécie oxidada x

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO. PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação. Dr. Thomas M.

SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO. PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação. Dr. Thomas M. SAPOTEC Soluções Ambientais LTDA. Part of Zech Group BIORREMEDIAÇÃO PAINEL: Tecnologias de Avaliação e Remediação Dr. Thomas M. Berger Índice Biorremediação Conceito Aplicação Técnicas In-situ versus ex-situ

Leia mais

Marco Antonio Lazaro OBJETIVO SUMARIO EXPERIENCIA PROFISSIONAL MEMBRO HONORÁRIO DO CONAMA - 2006/2008.

Marco Antonio Lazaro OBJETIVO SUMARIO EXPERIENCIA PROFISSIONAL MEMBRO HONORÁRIO DO CONAMA - 2006/2008. Marco Antonio Lazaro Avenida 7, 1643 Fone: (19) 9757 9338 ou (19) 3534 5401 CEP 13503 255 Rio Claro SP e-mail: malazaro@vivax.com.br OBJETIVO MEMBRO HONORÁRIO DO CONAMA - 2006/2008. SUMARIO Larga experiência

Leia mais

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc

Investigação de Passivos Ambientais. Tiago Luis Haus, Msc Investigação de Passivos Ambientais Tiago Luis Haus, Msc Setembro / 2014 Apresentação Pessoal Formação: Engenheiro Ambiental (UFPR) Mestre em Engenharia de Recursos Hídricos (UFPR) Experiência Profissional:

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

Técnicas avançadas para Investigação em alta Resolução

Técnicas avançadas para Investigação em alta Resolução Técnicas avançadas para Investigação em alta Resolução Martin Bittens, Arno Rein1, Olaf Holm2, Steffen Popp3, Michael Finkel4, Eugeniu Martac5, Wolfgang Rotard2, Peter Dietrich3 Porto Alegre, Setembro

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

QUEM SOMOS. Visão Ser referência de qualidade e eficiência em gerenciamento de projetos de engenharia ambiental.

QUEM SOMOS. Visão Ser referência de qualidade e eficiência em gerenciamento de projetos de engenharia ambiental. QUEM SOMOS A MARCELINO & ASSOCIADOS é uma empresa especializada em gerenciamento de projetos em engenharia ambiental, com sede em São Paulo, composta por colaboradores com mais de 20 anos de experiência

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Avaliação de Impactos Ambientais ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Avaliação de Impactos Ambientais

Leia mais

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior

>Introdução. 3.1. Construção de cabos para exterior 3.2. Construção de cabos para interior 3. Cabos de Fibra Óptica >Objectivo Este módulo tem como objectivo, a introdução às questões relacionadas como desenho de cabos de fibras ópticas, com o sua aplicação em ambientes diversos e com o estudo

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

Introdução. adsorção física, a adsorção química, a absorção e a catálise.

Introdução. adsorção física, a adsorção química, a absorção e a catálise. QUAL O CRITÉRIO QUE VOCÊ USA PARA TROCAR OS CARTUCHOS? Introdução Parte integrante do respirador que tem como função a retenção de gases e vapores. A retenção é feita através das reações com os contaminantes.

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

Completação Inteligente

Completação Inteligente Petróleo Orientador: Profº Robson Dourado Completação Inteligente Grupo de trabalho: Bruno Luiz Dias dos Santos José Maria Soares Luis Carlos Laranjeira Petroleum - petra = pedra - oleium = óleo Resultado

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM A Rede de Monitoramento de Águas Subterrâneas do Serviço Geológico do Brasil: Desafios e Estágio Atual de Implantação. Maria Antonieta Alcântara Mourão Frederico Cláudio

Leia mais

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário

Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Tecnologia para tratamento e disposição final de resíduos sólidos Aterro Sanitário Engª MSc. Thelma Sumie Kamiji Junho/2014 GERAÇÃO DE RESÍDUOS NO BRASIL EOLUÇÃO DO IDH BRASILEIRO DESTINAÇÃO FINAL ATERRO

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV)

Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV) Laboratório de campo para experimentos de liberação controlada de CO 2 e testes de técnicas de Medição, Monitoramento e Verificação (MMV) Clarissa Lovato Melo CEPAC Lia Weigert Bressan CEPAC INTEGRANTES

Leia mais

A CONSTRUÇÃO CIVIL E O MEIO AMBIENTE. Geol. Giovanna Setti Galante Superintendente da unidade de Engenharia e Consultoria da ESSENCIS

A CONSTRUÇÃO CIVIL E O MEIO AMBIENTE. Geol. Giovanna Setti Galante Superintendente da unidade de Engenharia e Consultoria da ESSENCIS A CONSTRUÇÃO CIVIL E O MEIO AMBIENTE Geol. Giovanna Setti Galante Superintendente da unidade de Engenharia e Consultoria da ESSENCIS Mini CV - Palestrante SRA. GIOVANNA SETTI GALANTE tem mais de 15 anos

Leia mais

Tecnologias de Investigação Ambiental MIP-CPT e UVOST Experiências e Desenvolvimentos Recentes no Brasil

Tecnologias de Investigação Ambiental MIP-CPT e UVOST Experiências e Desenvolvimentos Recentes no Brasil Tecnologias de Investigação Ambiental MIP-CPT e UVOST Experiências e Desenvolvimentos Recentes no Brasil Alessander Kormann Guilherme Dainese Varela FIESP - Investigação e Biorremediação de Área Complexas

Leia mais

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens

Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Núcleo Regional de Minas Gerais: o desafio de se tornar um fórum de discussão sobre barragens Reportagem: CLÁUDIA RODRIGUES BARBOSA Newsletter CBDB - O que diferencia o Núcleo Regional de Minas Gerais

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais