Gerenciamento de Portfolio de Projetos Orientados à Inovação Tecnológica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Portfolio de Projetos Orientados à Inovação Tecnológica"

Transcrição

1 Gerenciamento de Portfolio de Projetos Orientados à Inovação Tecnológica Autoria: Maria Alice Frontini, Roberto Sbragia, Fernando José Barbin Laurindo Resumo Este trabalho propõe e testa um modelo para selecionar e avaliar a composição do portfólio de projetos dentro de um contexto orientado à inovação, particularmente na convergência digital. O modelo trata de processos e de métodos de avaliação, referenciando-se na base teórica relativa à gestão estratégica empresarial e tecnológica e a gestão de portfólio de projetos. A metodologia empregada é pesquisa-ação, pois o modelo proposto e testado resulta da resolução de questões organizacionais críticas, aplicadas a uma empresa do setor de telecomunicações. Considera-se este estudo relevante, pois a empresa estudada evoluiu de um estágio incipiente para um estágio formal e repetitivo no gerenciamento de portfólio de projetos de inovação, ao longo da pesquisa. Este trabalho traz reflexões adicionais às bases teóricas existentes, mesmo possuindo limitações quanto à sua generalização, pelo fato da pesquisa-ação limitar-se a uma única empresa do setor de telefonia móvel brasileiro. 1. Introdução O setor de telecomunicações vive um contexto de acirrada competitividade mundial e local, onde a inovação tecnológica desempenha um papel fundamental para a sustentabilidade do setor. A convergência digital é um dos elementos que viabiliza a diferenciação das empresas através da maior propensão à inovação. Dentro deste contexto, julga-se relevante que os investimentos relativos a projetos estratégicos de inovação sejam adequadamente geridos, para que se tornem elementos diferenciadores na competitividade empresarial. O objetivo deste trabalho é propor e testar um modelo para selecionar e avaliar a composição do portfolio de projetos de inovação dentro de um contexto de convergência digital, e o respectivo impacto na competitividade empresarial a médio e longo prazo. Para alcançar este objetivo este trabalho trata duas dimensões. Na primeira, os autores sintetizam a teoria relativa ao gerenciamento de portfolio de projetos, com o intuito de construir o modelo de referência. Na segunda, o modelo proposto é testado e ajustado em uma empresa do setor de telecomunicações. A metodologia empregada é pesquisa-ação. Foi escolhida uma operadora de telefonia móvel brasileira, para construir, testar e ajustar o modelo ao longo de três ciclos consecutivos de pesquisa. Considera-se este estudo relevante, pois o setor está inserido na convergência digital e a empresa em estudo evoluiu de um estágio incipiente para um estágio formal e repetitivo na aplicação do modelo de portfólio de projetos de inovação, ao longo da pesquisa. Este trabalho utiliza os conceitos básicos de gestão estratégica das empresas proposto por Porter(1991), do modelo de convergência digital do setor de telecomunicações apresentado por Fransman (2001), estratégias empresariais e tecnológicas para a inovação discutidos por Christensen & Overdorf (2000) e Marcovitch (1991), e da gestão da portfólio de projetos largamente discutido por Cooper et all (1997, 1998, 2000). Estes conceitos servem como elementos de referência para as análises realizadas para a pesquisa-ação. As análises desta pesquisa foram realizadas pelos autores baseando-se em fontes primárias, e submetidas à alta gestão da empresa pesquisada, para que as decisões fossem tomadas e as ações implantadas. Resumidamente, a pesquisa-ação conclui que as avaliações financeiras ou avaliações qualitativas de contribuição estratégica são necessárias mas não suficientes para o adequado alinhamento do portfólio de projetos aos objetivos estratégicos de longo prazo e às 1

2 necessidades de inovação. A inserção de análises de balanceamento do portfólio permite identificar lacunas críticas no portfólio do projetos. Adicionalmente, a incorporação das incertezas e análises de risco são relevantes para resultar em uma seleção mais eficaz na composição do portfolio de projetos dentro do contexto da convergência digital. 2. Base Conceitual de Referência 2.1. O Contexto Competitivo Empresarial Segundo Porter (1991), a intensidade da competitividade em um setor econômico pode ser analisada a partir de cinco forças competitivas: novos entrantes, poder de barganha dos clientes e fornecedores, ameaça de produtos substitutos e rivalidade dos competidores. O potencial de rentabilidade de um setor, medido através do retorno ao capital investido, é função da intensidade dessas forças competitivas. Quanto mais competitivo o setor, menor será o retorno dos investimentos, tendendo ao patamar mínimo de um mercado livre perfeito. Dentro deste contexto, as empresas podem identificar seus pontos de forças e fraquezas perante cada força competitiva, bem como identificar as ameaças e oportunidades derivadas de mudanças passíveis de ocorrer na conjuntura competitiva. Conseqüentemente, a análise SWOT proposta por Porter (Strengths, Weakness, Opportunities, Threats) é outra ferramenta analítica básica para o entendimento do cenário competitivo Há três tipos de estratégias genéricas competitivas, segundo Porter, em função da vantagem competitiva almejada e do mercado atendido. Uma empresa pode competir baseado em baixos custos ou na diferenciação de sua oferta, pode também especializar-se em um segmento. A vantagem competitiva orientada à diferenciação baseia-se em uma oferta de produto/serviço superior em relação a um atributo de valor ao cliente, que viabilize à empresa cobrar um preço superior mediante a diferenciação do atributo. Usualmente a diferenciação está atrelada a fazer as coisas de forma diferente e com dificuldades de serem copiadas, ou estar sempre inovando tomando a liderança frente à concorrência. Pode-se dizer que existem basicamente dois tipos de inovação com a qual as empresas se deparam. O primeiro tipo, denominada inovação de sustentação ( sustained innovation ) por Christensen & Overdorf (2000), é orientada à melhoria da performance dos produtos e serviços, segundo os atributos de performance tecnológica valorizada pelos clientes mais rentáveis e mais exigentes. O segundo tipo, denominada de inovação de ruptura ( disruptive innovation ), caracteriza-se por uma inovação que traz novos atributos de valor e permite a introdução de novos negócios ou mercados. A estratégia tecnológica desempenha um papel relevante na competitividade das empresas, particularmente na inovação, seja esta de ruptura, de arquitetura ou de sustentação. Marcovitch (1991) evidencia a relação entre inovação e crescimento das vendas e participação no mercado das empresas, concluindo que a lucratividade das empresas é determinada pela integração e alinhamento entre a estratégia mercadológica e a estratégia tecnológica A convergência digital no setor de telecomunicações No século XXI há uma gama de tecnologias, produtos e serviços que levam as informações a múltiplos pontos do planeta. A convergência digital caracteriza-se pela variedade de conteúdos e meios existentes para distribuí-los e pela variedade da demanda. Sinteticamente, pode-se dizer que a convergência digital entre a tecnologia de processamento de dados, distribuição/comunicação de informações e apresentação de conteúdos é caracterizada por: - Gama de tecnologias, produtos e serviços que distribuem informações; - Variedade de tecnologias e meios de distribuição: ex. redes fixas, móveis e de banda larga; redes próprias de comunicação e transmissão; - Variedade de conteúdos existentes em um mesmo meio: ex. TVs a cabo disponibilizam nas residências uma variedade de tipos de mídia (televisão, vídeo, rádio, webpages, etc.). 2

3 Não necessariamente a convergência digital resultará em um único e onipresente serviço de telecomunicações, mas sim na convivência entre a multiplicidade de meios e serviços que se sobrepõem, complementam e até mesmo substituem. Dentro deste contexto o ambiente de competição e inovação perpassa vários setores industriais, particularmente o setor de telecomunicações analisado neste trabalho. O modelo em camadas proposto por Fransman (2001) analisa o setor de telecomunicações dentro da convergência digital, e tem por fundamento o modelo OSI de redes baseado no protocolo TCP/IP. Cada camada trata um subsistema que domina alguma atividade econômica relevante ou que requer um conjunto de competências para a utilização da tecnologia e extração de valor a partir de alguma atividade econômica. Dentro desta perspectiva, Fransman propõe a decomposição da indústria de telecom em seis camadas. Tradicionalmente, as camadas 1 e 2 tratavam o setor de telecomunicações, mas com o advento da Internet e do padrão TCP/IP viabilizou-se novos padrões de transmissão de dados, voz e imagem através de múltiplas e distintas redes. Conseqüentemente, originando novas plataformas de serviços, conteúdos e aplicações disponíveis ao consumidor final e a novos players no mercado. Pode-se afirmar que a convergência digital traz implicações ao contexto de competitividade empresarial, como o acirramento da competição nos setores econômicos implicados, ie, telecomunicações, informática e mídia, aumentando a relevância da diferenciação e inovação. Adicionalmente, novos atributos de valor emergem aos clientes, decorrente da combinação das capacidades de processamento, distribuição e apresentação das informações, o que induz à inovação de ruptura, que tende a incorporar maior incerteza. Consequentemente, as incertezas e a propensão ao risco se elevam, bem como a necessidade do envolvimento visionário da alta gestão. A elevada competitividade pressiona a rentabilidade das empresas, a otimização de seus investimentos e de seu portfólio de projetos Processos de formação e modelos de avaliação para gerenciamento de portfólio Segundo Cooper et all (1997 e 2000) a gestão de portfólio de projetos endereça fundamentalmente a eficácia dos projetos de uma empresa, ie, se os projetos existentes são aqueles que levarão à empresa a seus objetivos empresariais. Três aspectos da gestão empresarial são tratados no portfolio management: - Estratégia: delinear um conjunto de projetos que viabilizem a implantação da estratégia formulada pela alta gestão, alinhados e consistentes com os objetivos empresariais; - Alocação de recursos: decidir sobre a alocação de investimentos nos diversos projetos estratégicos da empresa, em termos dos recursos financeiros e dos esforços profissionais; - Seleção de projetos: escolher e priorizar os projetos ou conjunto de ações que assegurem a estratégia genérica escolhida pela empresa e as metas empresariais. Geralmente as empresas se deparam com várias dificuldades na gestão de portfólio de projetos, dentre elas: um número excessivo de projetos no pipeline; muitos projetos insignificantes, ie, de baixo valor, e poucos projetos atrelados à inovação de ruptura; escassez de recursos para os projetos selecionados; sobrecarga de trabalho dos profissionais os quais acabam sendo envolvidos em muitos projetos paralelamente; carência de informações e de informações de qualidade para a tomada de decisão, etc. Como uma proposta de superar as dificuldades pelos gestores, Cooper (2000) propõe dois tipos de processos para a seleção e priorização de projetos e a gestão do portfólio em si. Os dois processos propostos são faseados, com decisões a serem tomadas em cada fase a fim de que um projeto continue, seja descartado ou colocado on-hold até que algum esclarecimento / aprofundamento dê condições a uma decisão melhor subsidiada. Em ambos os casos a estratégia empresarial é o direcionador das decisões para assegurar o alinhamento entre o portfólio de projetos e os objetivos empresariais, adicionalmente os processos são 3

4 instrumentos para se assegurar uma melhor qualidade das informações que subsidiam o processo decisório. A diferença entre os processos está em quem domina as decisões ou em qual momento as decisões são tomadas, ie, se a checagem no gate ou o momento de revisão do portfólio. No processo onde o gate domina as decisões, as decisões são feitas em relação a cada projeto isoladamente e com profundidade. O projeto pode ser encerrado ou re-priorizado e os recursos necessários alocados. As decisões são adotadas em três fases: - Decisão do tipo continua ou encerra o projeto (Go / Kill), através de avaliação financeira, critérios qualitativos e aderência a checagens (checklists) - Priorização do projeto vs os demais existentes no portfólio, através de ranking financeiro ou atratividade do projeto. - Avaliação do impacto do projeto no portfólio em termos de consistência e equilíbrio de recursos. Nesta decisão o projeto avança ou fica reservado por um prazo. No processo onde a revisão do portfólio toma as decisões, há a avaliação de um projeto em relação aos demais a cada 3-6 meses, onde cada projeto compete com os outros no momento de revisão do portfólio. Este processo requer forte comprometimento da alta gestão, gastando tempo e esforço para avaliar todos os projetos em profundidade, diversas vezes ao ano. Os projetos são ordenados uns contra os outros através de critério qualitativos e financeiros. Finalmente, os projetos são selecionados de acordo com a disponibilidade de recursos e a consistência do portfólio é avaliada. Apesar da implantação do processo de seleção de projetos ser um relevante passo para que as empresas melhorem a qualidade de seu portfólio de projetos; esses processos não auxiliam na priorização dos projetos, alocação de recursos e balanceamento do portfólio frente aos objetivos estratégicos da empresa (COOPER ET ALL, 2000). Para suportar estas decisões, há diversos modelos de avaliação que podem ser utilizados concomitantemente ao processo de seleção de projetos. Craveiro et all (2000) e Cooper (2000) fazem uma síntese dos principais modelos de avaliação utilizados na prática de portfolio management, dentre eles: - Modelos Financeiros: usualmente se orientam à maximização de valor do portfólio através da seleção de projetos que apresentam valores acima de um valor de referência, p.ex. NPV (Net Present Value), EVA (Economic Value Added). Esses modelos permitem mensurar o retorno dos projetos e sua contribuição a indicadores estratégicos, consequentemente viabilizam a classificação e priorização de projetos. A maior dificuldade está na precisão das informações que subsidiam a modelagem, bem como na aderência das hipóteses traçadas frente à realidade dinâmica dos mercados e empresas. A riqueza destes modelos está nos gestores entenderem os principais parâmetros diferencias e de competitividade do projeto, as variáveis mais sensíveis e incertas para gerir a implementação do projeto tendo em mente estes elementos críticos a seu adequado resultado. - Modelos Estratégicos: são modelos que procuram verificar a aderência entre os projetos e a estratégia da empresa. Esta aderência é verificada em dois níveis: em macro nível checase o alinhamento entre o objetivo do projeto e os objetivos estratégicos, em um nível mais detalhado verifica-se a quantidade de projetos ou quantidade de recursos alocados (investimentos) vs mercados prioritários, vs linhas de negócios, etc. A vantagem deste modelo está em sua simplicidade para assegurar o alinhamento estratégico, em contrapartida ele não suporta uma comparação entre os projetos. - Modelos de Pontuação (scoring): são modelos qualitativos que permitem a alta gestão traduzir suas avaliações em pontos e assim comparar os projetos entre si. Basicamente, formula-se os critérios de avaliação, atribui-se pesos a eles relativos a sua relevância; finalmente cada projeto é pontuado qualitativamente frente aos critérios pré-determinados 4

5 para se obter uma nota de cada projeto perante os demais. A flexibilidade e facilidade de aplicação do modelo são seus diferenciais. Em contrapartida, há subjetividade no entendimento e interpretação dos projetos e os resultados a se alcançar, pressupõe-se que o conhecimento tácito do corpo gerencial está alinhado e apurado frente à realidade competitiva da empresa e ao escopo do projeto em si. Outro aspecto não tratado neste modelo é a compatibilidade entre demanda e capacidade de recursos. - Modelos para avaliação de balanceamento: são modelos que permitem uma visão completa do portfólio através de diversos cruzamentos entre variáveis decisórias relevantes, que usualmente envolvem escolhas gerenciais,: p.ex, foco em inovação de ruptura e incremental vs valor dos projetos; grau de risco vs benefício esperado vs probabilidade de sucesso. A vantagem deste modelo é permitir avaliar simultaneamente o alinhamento estratégico, aspectos financeiros e qualitativos de avaliação da alta administração. A desvantagem está na quantidade de análises passíveis de se fazer que se não bem conduzidas não facilitam a convergência da decisão. Tritle et all (2000) salientam que os modelos de avaliação de portfólio de P&D, em voga usualmente não incorporam as incertezas das avaliações; os autores propõe gráficos em formatos de elipses (ao invés de pontos) para incorporar as variações inerentes às incertezas mais sensíveis nos modelos. Adicionalmente, os autores sugerem que toda avaliação de portfólio deveria incorporar análises adicionais, i.e., formalização dos fatores que trazem os riscos e incertezas nos resultados de cada projeto, avaliação dos recursos e investimentos necessários para cada projeto selecionado e a contribuição dos projetos aos resultados da empresa, ie, metas estratégicas. Pode-se dizer que a proposta acima advém do fato que não existe uma única análise relevante para gerenciamento de portfólio de projetos, mas sim um conjunto de análises e modelos para suportar a decisão da alta gestão. Finalmente, cabe destacar que os processos e modelos apresentados não são os únicos e não são isoladamente suficientes para se assegurar a eficácia dos portfólio de projetos. Segundo benchmark realizado com 205 empresas por Cooper et all (1998), os gestores ainda apresentam insatisfação frente ao processo de formulação e gestão do portfólio de projetos estratégicos das empresas. O fator chave de sucesso está em utilizar modelos híbridos de avaliação e um processo de formulação e gestão do portfólio que obtenha o comprometimento da alta gestão. Genericamente, as empresas mais eficazes na gestão de portfólio de projetos apresentam: projetos alinhados à estratégia empresarial, projetos de médio a alto valor, consistência com variáveis gerenciais relevantes à empresa e pragmatismo nas decisões frente à realidade empresarial. Em termos dos processos utilizados pelas empresas para a formulação e gestão do portfólio As melhores práticas utilizam processos decisórios faseados para avaliação dos projetos, com elevado envolvimento da alta gestão na seleção e priorização dos projetos. Atrelada à preocupação que os investimentos e esforços alocados estejam alinhados às prioridades estratégicas e forte comunicação aos diversos níveis hierárquicos. Em termos de modelos de avaliações aplicados, as melhores práticas utilizam abordagem mista baseadas em vários métodos de avaliação. Os métodos são consistentemente adotados a todos os projetos para que uns possam ser avaliados frente aos demais e assim priorizados relativamente aos objetivos estratégicos. Os métodos utilizados vão além dos financeiros e estratégicos, para analisar cuidadosamente o balanceamento, a consistência e as incerteza embutidas nas avaliações do portfólio. 3. Pesquisa-ação Dentro da base conceitual de referência apresentada, analisa-se e atua-se sobre uma empresa de telefonia móvel brasileira, aqui denominada Empresa X. Os dados são oriundos de 5

6 fontes primárias, foram propositadamente simplificados para assegurar sua confidencialidade. As ações foram implantadas através de um comitê estabelecido com membros da alta gestão da Empresa X, subsidiadas pelas análises e indicações realizadas pelos autores. O objetivo da pesquisa-ação apresentada está disposta em três ciclos de pesquisa-ação, cada ciclo trata um sub-objetivo e traz recomendações de evolução para o ciclo seguinte. O objetivo da pesquisa é: instaurar instrumentos organizacionais para que a alta gestão da Empresa X assegure o alinhamento entre os diversos projetos das várias diretorias a seus objetivos e metas estratégicas, dentro de um contexto de elevada competitividade e fomento à inovação. Este objetivo se desdobra em três sub-objetivos: formulação compartilhada dos objetivos estratégicos e seleção dos projetos estratégicos; priorização dos projetos críticos ao alcance das metas estratégicas e análise de consistência da alocação dos investimentos e esforços; análise do balanceamento do portfólio de projeto em termos dos resultados esperados frente à convergência digital. - 1º ciclo - estabelecer um processo participativo de formação do portfólio de projetos da Empresa X, com o intuito de assegurar o alinhamento entre a estratégia da empresa e os projetos das várias diretorias, selecionando os relevantes aos objetivos estratégicos. - 2º ciclo - constituir um modelo para a priorização e avaliação do portfólio de projetos estratégicos da Empresa X. - 3º ciclo evoluir os modelos de priorização e avaliação do portfólio à luz das implicações da convergência digital, onde se pressupõe um ambiente competitivo mais orientado à inovação e envolto de incertezas O contexto competitivo da telefonia móvel brasileira A privatização do setor em 1998, previu-se 3-4 players por área de concessão, a fim de assegurar a competitividade e investimento do setor, o que trouxe ao mercado em torno de 24 operadoras móveis. Com a desregulamentação do mercado a paritr de 2002, iniciou-se um movimento de consolidação nacional, resultando na presença atual de 4 grandes operadoras em âmbito nacional: Vivo, Claro, TIM, Oi. O mercado de telefonia móvel brasileira caracteriza-se por elevada concentração e acirrada competição no âmbito nacional. O cenário competitivo do setor de telecomunicações passa por uma nova fase, onde se busca a rentabilidade dos ativos instalados. Dentro deste contexto, uma estratégica tecnológica de inovação desempenha papel fundamental para viabilizar a diferenciação das empresas e a extração do valor de seus clientes. Neste setor, a inovação tecnológica caracteriza-se tanto por ser de ruptura como de sustentação. No primeiro caso, a inovação dos serviços de telefonia (Value Added Services) busca novos atributos de valor para seus clientes; enquanto no segundo caso, o enfoque está em melhorar a performance das operações. A convergência digital na telefonia móvel tem se concretizado como um serviço de comunicação de voz, processamento e transmissão de dados e apresentação tipo multimídia. Os serviços convergentes orientados à inovação são viabilizados por três elementos tecnológicos: a rede de telefonia, os aplicativos da tecnologia de informação e os aparelhos ou terminais. A liderança do mercado nacional tanto em termos de base de usuários como de receita cabe a VIVO. O posicionamento competitivo da VIVO é de diferenciação baseada na elevada cobertura e qualidade de sua rede, reforçado por uma imagem de credibilidade e solidez, cobrando preços superiores em função deste posicionamento. A segunda posição do mercado é disputada por Claro e TIM, com posicionamentos distintos: a Claro possui um posicionamento de baixo custo enquanto a TIM posiciona-se com a diferenciação baseada na inovação e na oferta diferenciada. Finalmente, a OI posiciona-se em segmentos específicos com uma abordagem diferenciada. A análise das cinco forças de Porter do setor, indica que as operadoras de telefonia móvel possuem uma situação relativamente confortável, com exceção da própria rivalidade. 6

7 - Barreiras a novos entrantes: Uma das principais barreiras de entrada nesse mercado é a elevada necessidade de capital e os custos de mudança, uma vez que o reaproveitamento da rede instalada não é tão simples. - Pressão de produtos substitutos: a telefonia fixa é uma das alternativas para a telefonia local, que tem sido canibalizada pela telefonia móvel. A maior ameaça está na telefonia IP, uma nova tecnologia que tende a substituir os serviços de longa distância, de fixa e até mesmo de móvel, a médio-longo prazo. - Poder de barganha dos compradores: os compradores possuem um poder de barganha relativamente baixo; apesar da possibilidade de trocar de operadora, a ausência da portabilidade numérica impõe uma barreira à troca pelo consumidor. - Poder de barganha dos fornecedores: os provedores de equipamentos e terminais são poucos no mercado e as relações estabelecidas por contratos de longo prazo, as demandas concentradas e elevadas, reduzindo o poder de barganha desses fornecedores. - Rivalidade entre os concorrentes: este mercado é extremamente competitivo quanto à disputa do 2º. lugar. O principal foco de competição no mercado de telecomunicações são os clientes de alto valor. A partir da análise de competitividade da telefonia móvel brasileira, conclui-se que a aquisição de clientes de alto valor e a diferenciação da oferta e serviços através da inovação são fatores chave de competitividade para a manutenção das margens e remuneração do elevado capital investido. Finalmente, pode-se afirmar que o portfólio de projetos das operadoras de telefonia móvel deve refletir suas estratégias competitivas dentro deste contexto de elevada rivalidade entre as operadoras, no qual a inovação desempenha um papel relevante º ciclo de pesquisa-ação: o processo de formação e gestão do portfólio de projetos Há três anos o processo de formação e gestão do portfólio de projetos estratégicos da Empresa X vem sendo deliberadamente estabelecido e evoluído. Inicialmente, um diagnóstico realizado através de entrevistas com toda a diretoria, evidenciou que cada área funcional possuía seu conjunto de projetos e os conduzia independentemente, trazendo impactos significativos nas áreas responsáveis por implantar e entregar os produtos e serviços da operadora. Os impactos evidenciavam-se por atraso generalizado nas implantações, conflitos entre projetos em termos de escopo ou processos/serviços implantados e com incoerência entre os planos de cada diretoria frente a estratégia da empresa. A partir deste diagnóstico, a primeira ação deliberada pelo comitê da alta gestão é a instalação de um processo formal de formulação e gestão do portfólio de projetos estratégicos da Empresa X, composto de três fases (figura 1). Na primeira fase, os objetivos estratégicos e metas empresariais são traçadas, compartilhadas e formalizadas pela alta gestão. Na segunda fase, os projetos de todas as áreas funcionais são coletados, os objetivos dos projetos e as ações contempladas são formalizados sucintamente, os esforços de implementação são estimados e os projetos são vinculados aos objetivos empresariais (até três objetivos). Através de ferramentas de gestão, p.ex. Balanced Score Card, os projetos são filtrados a partir dos objetivos estratégicos relevantes para o ciclo futuro (ano e triênio). Ainda nesta fase, a alta gestão valida os projetos pré-selecionados e prioriza os projetos, forçando uma ordenação entre eles e realizando uma seleção final de projetos. Na última fase, os objetivos, metas e prioridades estratégicas são comunicados para todo o corpo gerencial da empresa e os projetos são formalmente lançados e acompanhados pelo PMO (Project Management Office). O principal objetivo do processo estabelecido na Empresa X é o alinhamento estratégico-operacional da organização, i.e., assegurar que toda a empresa tenha um norte claro e esteja atuando na mesma direção. Pretende-se que os planos e projetos de cada diretoria estejam alinhados aos objetivos estratégicos e que na agenda de todas as diretorias também estejam contemplados os planos empresariais. As três fases não são obrigatoriamente seqüenciais, há uma sobreposição entre elas, 7

8 adicionalmente, diversas técnicas e ferramentas de gestão são aplicadas para se executar as fases. A seguir apresenta-se em detalhadamente as técnicas utilizadas para a fase de seleção e priorização dos projetos (figura 2). Projetos das funções da Empresa X Processo de Seleção e Priorização de Projetos da Empresa X Objetivos Planos Execução e metas e prioridades Portfólio de Projetos da Empresa X Compartilhamento dos desafios entre a alta gestão Definição conjunta dos objetivos e metas estratégicas Validação da pré-seleção de projetos (filtro) Avaliação da consistência dos projetos aos objetivos estratégicos Priorização dos projetos a partir de avaliação qualitativa e compartilhamento das impressões na alta gestão (ranking) Comunicação das prioridades e projetos selecionados ao corpo gerencial (demais níveis hierárquicos) Gestão do progresso e avanço dos projetos (PMO) Reavaliação do Portfólio (semestral) em função do avanço dos projetos FIGURA 1 Processo de Formação e Gestão do Portfólio de Projetos da Empresa X, elaborado pelos autores Objetivos e metas Planos e projetos Prioridades para execução Geração de Valor Mapa estratégico Objetivo selecionado Projetos previstos 2005 Rank Código Projeto 1 PRJ17 Projeto D Projeto adicional Sessão seguinte Estratégia de Valor (rentabilidade) Otimização de Custos Objetivo 1 Projeto D Projeto E Objetivo 2 Objetivo 3 Projeto B Projeto F Objetivo 4 Projeto C Objetivo 5 Nonnkndndonoond nanananna Non nnon on n n n nn nonononon Onn nnanoanonnonono nononn Nonnononn no nnnononon non nononnon Noo nonoon nonononnonononno 2 PRJ11 Projeto E x 3 PRJ07 Projeto B x 4 PRJ03 Projeto F x x 5 PRJ12 Projeto C 6 PRJ04 Projeto H x 7 PRJ13 Projeto N x 8 PRJ14 Projeto O x 9 PRJ15 Projeto P 10 PRJ19 Projeto S x Orientação ao Cliente Objetivo 6 Projeto A Objetivo 7 Objetivo 8 Workshop: alinhamento dos objetivos estratégicos Trabalho prévio ao workshop de todos os participantes Workshop: sessão de trabalho FIGURA 2 Técnicas utilizadas para o processo de formação do Portfólio de Projetos, fonte Empresa X - Entrevistas individuais são realizadas com a alta gestão para identificar os objetivos estratégicos e a perspectiva quanto aos desafios futuros. Estas entrevistas são o ponto de partida para o alinhamento inter-funcional e para a identificação dos projetos estratégicos. - A equipe patrocinadora do processo, coleta antecipadamente os projetos sugeridos pelas diretorias, e vincula aos objetivos estratégicos da Empresa X. Através do Balanced Score Card e Mapa Estratégico os projetos são filtrados, i.e., os objetivos estratégicos são desdobrados e vinculados ao mapa estratégico; os projetos são atrelados aos objetivos; e os projetos que colaboram com os objetivos prioritários são pré-selecionados. - Workshop de alinhamento estratégico da diretoria tem dois objetivos: compartilhar e validar os objetivos e metas estratégicas (anuais e trienais) e selecionar / priorizar os planos e projetos que serão executados pela Empresa X para alcançar as metas planejadas. Há um trabalho preparatório ao workshop, onde cada diretor analisa e procura entender os projetos pré-selecionados anteriormente ao workshop, para validar os projetos filtrados, defender seus projetos prioritários frente aos de outras diretorias, ou até mesmo propor a inserção de ações adicionais. - Nas sessões de trabalho do workshop, os diretores trabalham nos projetos préselecionados, definindo as prioridades de implementação frente às metas e aos desafios da Empresa. Constituem-se grupos de trabalho multifuncionais, liderados por diretores previamente escolhidos. Cada grupo prioriza os projetos relacionados a um objetivo 8

9 estratégico, enquanto a liderança do diretor deve assegurar a participação de todos, a mediação das discussões e a aplicação da metodologia previamente preparada para a ordenação dos projetos. Grupos multifuncionais objetivam o alinhamento entre as diversas diretorias e o comprometimento de todos com o resultado dos trabalhos. - Perante o fórum de todos os diretores e o presidente, o resultado de cada grupo é apresentado, a fim de compartilhar e validar o resultado dos projetos selecionados. Firmase o compromisso entre todos com a execução dos projetos e com as metas planejadas. Sinteticamente, os resultados do 1º. Ciclo de pesquisa-ação, com a implantação de um processo formal de formulação e gerenciamento de portfólio de projetos, evidenciam-se pelos benefícios alcançados na Empresa X: - Clareza de prioridades estratégicas para toda a organização, transversalmente às funções, e nos diversos níveis hierárquicos gerenciais. - Forte alinhamento entre os projetos e os objetivos estratégicos da empresa; garantia de que todos os objetivos críticos são tratados; elevado comprometimento da alta gestão com a implantação das iniciativas planejadas. - Visualização antecipada das demandas dos projetos selecionados versus a capacidade instalada dos recursos críticos, viabilizando a alocação adequada dos esforços da organização. - Integração entre o processo de formulação do portfólio e o processo de gestão de projetos (PMO), para que a execução dos projetos assegure os objetivos e as metas estratégicas da empresa determinados pela alta gestão. - Ajustes contínuos do portfólio de projetos de acordo com a evolução da competitividade do mercado. Formalmente, a revisão semestral pela a alta gestão permite a correção do rumo dos projetos para assegurar o alcance das metas anuais. Adicionalmente, observa-se que o processo instalado na Empresa X caracteriza-se pelo gerenciamento do portfólio dominar as decisões; alinhado às melhores práticas. Dentro de um contexto de convergência digital, este processo permite que, a atitude visionária da alta gestão, sua experiência e seu entendimento quanto aos objetivos estratégicos estejam embutidos nas decisões do portfólio. Neste processo, os gates desempenham um papel forte na gestão de projetos, de maneira que as incertezas identificadas na fase de formação do portfólio sejam adequadamente gerenciadas e o aprendizado ao longo do processo de implantação do projeto seja aproveitado para a tomada de decisão nas fases subseqüentes º ciclo de pesquisa-ação: modelo de priorização e avaliação do portfólio de projetos Com o workshop da diretoria da Empresa X, os projetos são selecionados e priorizados qualitativamente, levando-se em consideração as experiências e conhecimentos da alta gestão quanto ao mercado de telefonia móvel e à Empresa X. No entanto, o comitê da alta gestão e alguns diretores, questionaram a validade de uma avaliação qualitativa. Levando-se em consideração as melhores práticas de avaliação de portfólio de projetos, que apontam para o uso de múltiplos métodos de avaliação simultâneos (COOPER ET ALL, 1998), a pesquisa em seu 2º ciclo objetiva avaliar econômico-financeiramente os projetos selecionados, a fim de validar e/ou reforçar a seleção qualitativa feita pelos diretores. Adicionalmente à avaliação relativa dos projetos, objetiva-se obter uma clareza quanto à contribuição individual de cada projeto às metas estratégicas e, consequentemente, antever se a organização possui os planos adequados para atingir suas metas empresariais. O método de avaliação utilizado é o Net Present Value (NPV), com horizonte de análise de 3 anos. São aferidas apenas as variações de contribuição diretamente resultantes dos projetos tanto em termos de aumento de receita como redução das despesas. Os investimentos são avaliados caso a caso e são incorporados os investimentos marginais decorrentes do crescimento das operações implicados pelo projeto. Procura-se ser conservador na avaliação, buscando fontes históricas de dados, utilizando pesquisas de mercado para 9

10 estimativas futuras e refutando elementos não consistentes ou não defensáveis. Todos os projetos são avaliados sob a mesma abordagem e premissas de mercado ou da empresa, para que possam ser analisados relativamente. Duas tipologias de análises são realizadas, uma focada na ordenação dos projetos de acordo com o seu valor econômico-financeiro, com o intuito de validar a seleção e priorização qualitativa do portfólio de projetos A outra foca-se na verificação da consistência do porfólio de projetos em termos de alocação dos recursos / investimentos às prioridades estratégicas. Frente cliente NPV , R$ MM Frente custos Frente valor P17 P18 P22 P16 P1 P9 P11 P19 P20 P6 P4 P2 P5 P14 P7 P12 P10 P13 P8 P21 P3 P15 Ordem de Extremamente grandeza do elevada Elevada Média Baixa Investimento impacto: O ranking da avaliação econômico-financeira não deve ser o principal diretriz para a repriorização dos projetos......pois não balanceia a priorização em função do alinhamento estratégico Figura 3 Análise do portfólio - avaliação econômico-financeira, elaborado pelos autores 12 Inovação de arquitetura Inovação de ruptura Rever seleção/priorização NPV do projeto (3 anos) Priorizados incondicionalmente Priorizados parcialmente Contribuição aos objetivos estratégicos 10 8 P P12 P11 P14 P13 P10 P7 P5 P15 P9 P6 Projeto Esforço Beneficio (man/day) (R$ MM) P ,6 P ,0 P ,3 P ,8 P ,3 P ,6 P ,9 P ,4 P ,8 P ,4 P8 0-4,8 TOTAL % 36% 16% Man-Days (Recursos Críticos) Os projetos selecionados consomem 36% dos recursos críticos da Operadora X, com projetos de baixo resultado econômico (16% do Valor do Portfólio) Recomenda-se uma revisão dos projetos selecionados, melhorando a qualidade das informações e deixando uma sobra de recursos para uma alocação em projetos de maior valor É relevante adotar um abordagem diferenciada para testar os projetos de inovação de ruptura, que minimizasse as incertezas inerentes e viabilizasse uma decisão mais adequada Fonte: Operadora X, análise do autor Figura 4 Análise do portfólio - contribuição financeira vs esforços vs resultado econômico-financeira 10

11 A análise econômico-financeira (figura 3) evidencia projetos qualitatitivamente priorizados, mas com estimativas de resultados relativamente baixos ou até mesmo negativos. Esses projetos são revisados e reformulados pelas respectivas diretorias para ajustar seus objetivos e escopo. A análise de consistência do portfólio engloba a avaliação financeira combinada com a avaliação de consumo de recursos críticos da organização e com a priorização qualitativa feita pela diretoria (figura 4). Evidencia-se o balanceamento entre a alocação de recursos e a relevância do objetivo estratégico, que no estudo em questão são alocados 32% dos recursos a um dos três objetivos estratégicos. Destaca-se, também, a baixa eficácia do conjunto de projetos que contribui ao um objetivo específico, por representar apenas 16% do valor total do portfólio. Os resultados do 2º. Ciclo de pesquisa-ação indicam que a análise de consistência do portfólio de projetos nas três dimensões (contribuição aos objetivos, consumo de recursos e econômico-financeira) permite que todos os objetivos estratégicos críticos sejam tratados, também permite que as decisões não sejam dominadas pela dimensão econômico-financeira que apresenta suas limitações. Esta análise também considera o alinhamento entre a alocação dos recursos e a prioridades estratégicas, facilitando as decisões de priorização e revisão dos projetos. No entanto, estas análises não avaliam as dimensões de inovação, incerteza e risco, relevantes sob um contexto de convergência digital º ciclo de pesquisa-ação: evolução dos modelos de avaliação do portfólio frente à convergência digital Conforme discutido anteriormente (item 2.2), a convergência digital induz à inovação de ruptura e à incerteza. O comitê da alta gestão da Empresa X e os presentes autores consideram relevante incorporar as variáveis de inovação, risco e incerteza às avaliações de portfólio. O objetivo deste ciclo da pesquisa-ação é: criar novas avaliações para subsidiar as decisões gerenciais; verificar a otimização de valor do portfólio em si e assegurar sua consistência à estratégia empresarial perante a convergência digital. Tipo Inovação Incremental Arquitetura Ruptura P8 P20 P19 P4 P22 P14 P12 P11 P13 P2 P3 P10 P7 P15 P5 P6 P9 P NPV do projeto (3 anos) NPV negativo FIGURA 5 Análise de balanceamento do Portfólio da Empresa X frente à tipologia de inovação, elaborada pelos autores P18 Ao avaliar o balanceamento do portfólio da Empresa X frente à tipologia de inovação (figura 5), observa-se uma concentração de projetos com inovação incremental, onde inclusive residem os maiores benefícios (pay-offs). Esta característica do portfólio pode ser reflexo do enfoque estratégico em rentabilidade da Empresa X, que pode resultar em um comportamento imediatista, i.e., que prioriza as ações com maior visibilidade dos resultados. P1 P16 P17 Man-Days (recurso crítico) Projeto Esforço Beneficio (man/day) (R$ MM) P ,9 P ,2 P ,4 P4 0 7,1 P ,8 P ,3 P ,6 P8 0-4,8 P ,6 P ,4 P ,0 P ,9 P ,4 P ,3 P ,6 P ,1 P ,1 P ,7 P ,4 P ,7 P ,1 P ,5 11

12 Para alcançar a geração de valor, diferenciação frente ao mercado e rentabilidade no longo prazo, a Empresa X deveria alocar mais esforços em projetos com inovação de ruptura. Ao incorporar a dimensão risco aos projetos do portfólio, através da avaliação de risco versus benefícios esperados versus investimentos necessários (figura 6), observa-se que decisões diversas podem ser tomadas daquelas originariamente adotadas pela Empresa X. Resultando, até mesmo, na revisão da abordagem, do escopo e das estimativas dos projetos, para que decisões de priorização (GO) possam ser tomadas com melhor consistência. Por exemplo, o projeto P4 apresenta elevado risco e baixo benefício, mesmo sendo um projeto com inovação incremental, onde as incertezas tendem a ser inferiores. Consequentemente, apesar do projeto P4 ter sido selecionado incondicionalmente deveria ser descartado ou revisto devido a seu baixo benefício e elevado risco. Também sob a ótica de risco, o projeto P3 deveria ser descartado, por apresentar baixa incerteza (risco) e retorno negativo. O projeto P1 poderia ter uma abordagem de implantação faseada, para reduzir as incertezas e viabilizar uma decisão melhor subsidiada frente à redução dos riscos inerentes. 6 Investimento Rever priorização Implementação faseada Inovação de ruptura Inovação de arquitetura Risco Baixo Médio Alto P3 4 2 P4 P2 P1? Projeto Beneficio de caixa Investimento (R$ MM) (R$ MM) P1 21,9 25,2 P2 6,2 4,8 P3-7,4 6,2 P4 7,1 1, FIGURA 6 Análise de balanceamento do Portfólio da Empresa X frente ao risco elaborado pelos autores 12

13 Benefício de caixa (R$ MM) Projeto Investimento TI Beneficio P9 (R$ MM) (R$ MM) P5 2,0 3,8 18 P11 P6 1,5 10,3 P7 2,0 2,6 P8 0,0-4,8 13 P9 2,0 20,6 P6 P10 1,5-1,4 P11 0,0 18,0 8 P12 0,5-0,9 3 P14 P13 0,5-4,4 P5! P14 0,5 3,3 P7 P15 2,0-10,6! 12,5 P12-2 P P8 P13 2! Investimentto (TI) (R$ MM) FIGURA 7 Gráfico de elipse benefício vs investimentos - grupo estratégico Valor, elaborado pelos autores Ao incorporar as incertezas inerentes às avaliações econômico-financeiras, através dos gráficos de elipses, auxiliam-se as decisões de investimento (figura 7). Mediante ao grau de incerteza em determinadas variáveis do business case, pode-se retroceder o projeto ou instalar um piloto ou realizar algum teste de mercado para se verificar e aprofundar as hipóteses do projeto, aprender e minimizar as incertezas antes de se tomar uma decisão definitiva de investimento. Por exemplo, o projeto P11 deveria ser descartado, pois apresenta alta incerteza nos benefícios estimados, aliado ao fato que qualitativamente ter sido indicado como menos estratégico para a Empresa X. O projeto P9 deveria ser priorizado com um monitoramento de seus dispêndios, pois apesar de possuir incertezas quanto aos volumes investidos, estes não comprometem o resultado do projeto. No entanto, o projeto P10 deve ser revisto em função de sua importância estratégica e elevada incerteza nos investimentos, condizente com o fato de ser um projeto de inovação de ruptura. Se o projeto P12 qualitativamente for muito relevante para os objetivos estratégicos da Empresa X, poderia ser re-priorizado, pois apresenta baixa incerteza. Os projetos P5, P7 devem ter seus escopos e avaliações revistos, pois além de serem projetos de inovação de ruptura, as variações em termos de investimentos e benefícios podem inviabilizar o projeto. Os resultados do 3º ciclo de pesquisa-ação indicam que, a inclusão de análises ao modelo de avaliação do Portfólio de projetos que consideram risco, incertezas e tipos de inovação, possibilita: descartar projetos, re-priorizar outros e assegurar que alguns projetos sejam retrocedidos no processo de priorização e seleção antes de serem descartados ou implantados. Com a inclusão das variáveis risco, incerteza e inovação nas avaliações de benefício de caixa e de investimento, pode-se concluir mais claramente que projetos devem ser realmente descartados, quais devem ser re-avaliados antes de um comprometimento maior de investimento, e quais indubitavelmente são prioritários e otimizam o valor do portfólio de projetos da Empresa X. Revendo-se a priorização original dos projetos da Empresa X, mediante as análises adicionais propostas (figura 8), observa-se uma evidente redução no número de projetos originariamente selecionados, um aumento no valor do portfólio devido ao descarte de alguns projetos de menor valor ou devido à revisão de projetos com elevada incerteza. P15 OK Δ NPV x Investimento Rever priorização Implementação faseada 13

14 NPV , R$ MM Projetos descartados Projetos faseados Frente cliente Frente custos Frente valor!!! P17 P18 P22 P16 P1 P9 P11 P19 P20 P6 P4 P2 P5 P14 P7 P12 P10 P13 P8 P21 P3 P15 Ordem de Extremamente grandeza do elevada impacto: Elevada Média Baixa Investimento FIGURA 8 Revisão da seleção e priorização de projetos a partir das análises propostas pelos autores Finalmente, os resultados do 3º ciclo de teste indicam que os modelos financeiros devem ser tratados como balizadores para a avaliação relativa dos projetos. Dado o contexto de elevada incerteza, os modelos financeiros tornam-se limitados, consequentemente modelos simples, incorporando variáveis de incerteza e facilmente comunicáveis são mais importantes do que a sofisticação matemática em si. As análises de balanceamento do portfólio tomam elevada relevância dentro da convergência digital, para que as dimensões de risco, de inovação, de foco em curto e longo prazo sejam avaliadas no gerenciamento do portfólio de projetos pela da alta gestão Resultados da pesquisa-ação A fim de posicionar as práticas de gerenciamento e de avaliação do portfólio de projetos na convergência digital quanto a sua eficácia, os autores propõem um modelo conceitual, referendado na base teórica apresentada no item 2 (tabelas 1 e 2). Observa-se que a Empresa X pode ser enquadrada à média das práticas eficazes no processo de gerenciamento de portólio, apresentando algumas práticas avançadas no processo de gerenciamento de portfólio de projetos (tabela 1). 14

15 Recrusos Seleção Alinhamto Estratégico Menos eficazes Média Mais eficazes Ausência de disciplina da alta gestão na formulação, avaliação e comunicação das decisões de planejamento dos projetos e planos Ausência de uma estratégia que dê as diretrizes para as prioridades das diversas funções Definição e priorização dos projetos no âmbito funcional Planos e prioridades das diversas funções não alinhados e não consistentes Muitos projetos de baixo impacto, devido a: excessivo foco na aval. financeira (que prevalecem qdo há menor incerteza, ie, proj. curto prazo) foco da alta gestão em resultados imediatos (just do it) Dificuldade em avaliar e estimar resultados de longo prazo devido a dinamicidade dos mercados Definição de estratégia empresarial, tecnológica e de inovação alinhadas Seleção de projetos alinhada à estratégia empresarial Baixa qualidade das informações para a tomada de decisão ( dados de mercado e viabilidade técnológica) Comprometimento da alta gestão com os resultados do processo de seleção e priorização Seleção qualitativa de projetos baseado em poucos critérios (mas absolutos, não discriminando os proj.) Quantidade excessiva de projetos comprometendo o time-to-market Seleção de projetos baseada na maximização do valor econônico (foco na avaliação financeira) Alinhamento entre as prioridades e os recursos disponibilizados pelas diversas funções Avaliação isolada dos projetos, sem visualização de sinergias ou comprometimento dos recursos Atividades chave não realizadas adequadamente,devido a subalocação de recursos Práticas adotadas pela Emrpesa X Processo faseado de decisão integrado ao processo de gestão do portfolio de projetos, assegurando: Trabalho prévio, deliverables claros e quallidade das informações Evolução do entendimento, com ptos de decisão e retrocesso do projeto frente as indefinições Elevado envolvimento alta gestão no processo decisório Comunicação das prioridades dos projetos na alta gestão e nos níveis hierárquicos (horizontal e vertical) Foco na seleção dos projetos e redução no nr de projetos Priorização de projetos baseado em ranking forçado e comparativo Decisões tipo Go / Kill Consistência entre a quantidade e tipologia de projetos Critérios de seleção distintos e ranking individuais por tipologias Alocação eficaz de recursos: avaliação da demanda vs alocação dos recursos críticos (gargalos) por categoria de projeto (baskets) Alocação das competências requeridas Consistência na distribuição / alocação dos investimentos com as prioridades estratégicas entre as diversas categorias de projetos Fonte: R.G. Cooper New Problems, NNew soluitions: making portfolio management more effective; adaptado pelo autor TABELA 1 Empresa X vs becnhmarks no processo de portfólio management, elaborado pelos autores Observa-se que a Empresa X posiciona-se na categoria de alta eficácia quanto a utilização dos modelos de avaliação de portfólio de projetos (tabela 2). No entanto, ainda é possível fazer recomendações para a consolidação dos métodos de avaliação estabelecidos da Empresa X, principalmente, para se assegurar uma melhoria na consistência e balanceamento do portfólio, para otimizar seu valor garantindo projetos de médio a alto valor e facilitar as decisões tipo Go/Kill em um contexto de convergência digital. Conforme destacado no 3º ciclo da pesquisa-ação (item 3.4), em um contexto de convergência digital é relevante que sejam consolidadas às análises as dimensões de risco e inovação e incerteza. A partir do diagnóstico da Empresa X, derivado do modelo proposto, é possível fazer recomendações de evolução de seu processo, que poderiam ser tratados em novos ciclos da pesquisa-ação. As recomendações apresentadas objetivam a redução do número de projetos selecionados, a melhoria da qualidade das decisões tomadas pela alta gestão, equilíbrio na alocação de recursos aos projetos frente às prioridades empresariais e o melhor suporte às decisões de prosseguimento ou cancelamento de projetos (Go/Kill) ao longo do processo. - Qualidade das informações para a tomada de decisão: estabelecer formalmente procedimentos e análises mínimas para que um projeto seja candidato ao portfólio e possa ser apreciado pela diretoria. Não se devem exigir informações muito detalhadas, nem critérios de corte para os projetos, para evitar que as incertezas inerentes ao processo de inovação descartem boas idéias. - Decisões tipo Go / Kill faseadas e quantidade de projetos priorizados: permitir que decisões sejam feitas ao longo do processo de concepção e implantação de um projeto, para minimizar as incertezas ao longo da execução do projeto e para que as decisões sejam tomadas sem um comprometimento maior dos investimentos. Desta maneira, julga-se que a empresa selecionará mais criteriosamente seus projetos, mesmo mediante as incertezas, consequentemente será mais seletiva nos projetos. - Balanceamento dos recursos alocados e tipologia de projetos do portfólio: consolidar as análises adicionais propostas à avaliação do portfólio, para assegurar a alocação adequada 15

16 Portfólio Métodos de avaliação Abordagem adotada dos recursos a fim de que todos os investimentos e os esforços alocados da organização reflitam as prioridades estratégicas e resultem na maximização de valor do portfólio. Menos eficazes Média Mais eficazes Não possuem um método explícito de avaliação Eventualmente se baseiam nas avaliações financeiras Não avalia a quantidade de projetos e a capacidade em alocar recursos Quantidade elevada de projetos Atrasos generalizados na implementação dos projetos (time-tomarket) Abordagem híbrida com 2-3 métodos de avaliação Alinhamento estratégico direciona a alocação dos recursos por tipologia de projetos Para a seleção de projetos utiliza-se modelos qualitativos para categorizar os projetos em tipologias e avaliar seu alinhamento estratégico Para a priorização dos projetos (ranking) dentro de cada tipologia utiliza-se: Avaliação financeira (NPV) Pontuação de critérios que qualificam o valor do projeto (utilizando-se poucos critérios) Forte alinhamento entre o portfólio e a estratégia empresarial Os investimentos refletem as prioridades estratégicas Quantidade elevada de projetos Fonte: R.G. Cooper Best Practices for managing R&D Portfolios, adaptado pelo autor Práticas adotadas pela Emrpesa X Análises adicionais propostas Abordagem híbrida, com 5-6 métodos de avaliação, inclusive financeiro Método de avaliação consistente e aplicado a todos os projetos Todos os projetos fazem parte do portfólio e são avaliados entre si A avaliação estratégica domina o processo de seleção Forte enfoque nas análises de consistência / balanceamento do Portfólio (Portfolio Maps) Portfolio Maps mais utilizados: Risco vs benefício Facilidade técnica vs atratividade Contribuição estratégica vs benefício Benefício vs investimentos Gráficos de elipses (bubbles) para indicar incertezas e Δvalores Não há necessidade de sistemas e modelos matemáticos sofisticados Projetos de médio-alto valor Bom equilíbrio e consistência do portfólio Decisões realistas e eficazes TABELA 2 Empresa X vs becnhmarks nos métodos de avaliação de portfólio management, elaborado pelos autores 4. Conclusão Através de uma abordagem de gestão de portfólio de projetos, este trabalho analisa elementos chave para a gestão tecnológica orientada à inovação. A partir das teorias de gestão estratégica e das melhores práticas em gestão de portfólio de projetos, este estudo procura adicionar reflexões quanto ao impacto da convergência digital na gestão de portfólio de projetos, aplicando e testando as proposições através de uma pesquisa-ação na telefonia móvel brasileira. Particularmente, escolheu-se a telefonia móvel, pois a convergência digital está presente e a inovação desempenha um papel relevante na competitividade do setor. No tocante à prática e análises relevantes à formação de um portfólio de projetos, a pesquisa-ação conclui que apenas avaliações financeiras e avaliações qualitativas de contribuição estratégica não são suficientes para o adequado alinhamento do portfólio aos objetivos estratégicos de longo prazo e às necessidades de inovação impostas pela acirrada competitividade do setor. Com a inserção de análises de balanceamento do portfólio, na pesquisa conduzida, foi possível identificar lacunas críticas no portfólio do projetos, apesar de todo o esforço empenhado pela organização para assegurar um alinhamento entre os projetos e os objetivos estratégicos da empresa. Dentro do contexto de convergência digital, a incorporação das incertezas e análises de risco são relevantes para auxiliar à priorização, resultando em uma seleção mais criteriosa. Esta seleção mais criteriosa possibilita a otimização do valor do portfólio em si e a melhor alocação dos recursos da empresa. Finalmente, o modelo proposto neste trabalho, sintetizando as melhores práticas pesquisadas por Cooper et all (1998, 1997) e contextualizando à convergência digital, viabiliza diagnosticar e propor evoluções ao processo de formulação e gestão e ao modelos de 16

17 avaliação do portfólio de projetos, a fim de lidar com as incertezas, com a maior propensão ao risco e com as diversas tipologias de inovação, para otimizar a composição do portfólio em si. Cabe salientar que o estudo aqui apresentado possui limitações. Primeiramente, a revisão bibliográfica poderia ser mais extensiva, cobrindo outros grupos de pesquisa. O trabalho também poderia avaliar outras empresas impactadas pela convergência digital, seja dentro do setor de telecomunicações como em outros setores econômicos, p.ex., informática. 5. Referências CARVALHO, M.M.; LAURINDO, F.J.B. (2003) - Estratégias para Competitividade. São Paulo, Editora Futura CHRISTENSEN, C.M.; OVERDORF M. (2000) - Meeting the challenge of disruptive change. Harvard Business Review, p.66-76, Mar./Apr. COOPER, R.G., EDGETT, S.J., KLEINSCHMIDT, E.J. (1997) - Portfoglio Management in New Product Development: lessons from the Leaders II. Research Technology Management, nov-dec. COOPER, R.G., EDGETT, S.J., KLEINSCHMIDT, E.J. (1998) - Best Practice for managing R&D Portfolio. Research Technology Management, jul-aug. COOPER, R.G., EDGETT, S.J., KLEINSCHMIDT, E.J. (2000) - New problems, new solutions,: making portfolio management more effective. Research Technology Management, mar-apr. CRAVEIRO, A. M.; SEVERO, A.C.R.; SBRAGIA, R.A. (2000) - Priorização de projetos e avaliação de portfolio. XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, São Paulo, nov. FRANSMAN, M. (2001) Mapping the Evolving Telecoms Industry: The Uses and Shortcomings of the Layer Model. University of Edinburgh. MARCOVITCH J. (1991) Tecnologia e competitividade. Revista de Administração, Vol.26, n.2, p MORAES, R. de O.; LAURINDO, F.J.B. (2003). Um estudo de caso de gestão de portfolio de projetos de tecnologia da informação. Revista G&P: Gestão e Produção, Vol.10, n.3, p , São Carlos, dezembro. O REILLY, C.A.; TUSHMAN, M.L. (2004) The ambidestrous Organization. HBR Vol. Apr, p74-8. PORTER, Michael E. Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro: Campus, SBRAGIA, R.; GALINA, S.V.R et all (2004).O Panorama do Setor de Telecomunicações. Gestão da Inovação no Setor de Telecomunicações. Universidade de São Paulo. Editores Roberto Sbragia e Simone Vasconcelos Ribeiro Galina. 17

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL

Gestão de Processos. Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL Conhecimento em Tecnologia da Informação Gestão de Processos Principais etapas, decisões e desafios da implantação de processos de TI com base no ITIL 2011 Bridge Consulting Apresentação É comum que as

Leia mais

Projeto real de implantação de metodologia de gerenciamento de projetos com apoio do ambiente Microsoft Enterprise Project Management (EPM)

Projeto real de implantação de metodologia de gerenciamento de projetos com apoio do ambiente Microsoft Enterprise Project Management (EPM) Projeto real de implantação de metodologia de gerenciamento de s com apoio do ambiente Microsoft Enterprise Project Management (EPM) Rodolfo Campos PMO da Presidência da TIM Líder do Projeto racampos@timbrasil.com.br

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos Automação de Processos de Governança de TI Autor: Omar Mussi A Governança Corporativa vem sendo adotada pelas organizações para atender às necessidades de um mercado cada vez mais competitivo e para enfrentar

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

12 Aplicação do Modelo Delta

12 Aplicação do Modelo Delta 196 12 Aplicação do Modelo Delta Para Hax & Wilde (2001), a proposta do modelo delta é complementar às propostas de Porter e do modelo de visão baseada em recursos, e propõem a integração das diversas

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional Proposta Núcleo Técnico da Rede QPC Compromisso com a Excelência 7ª EDIÇÃO 250 pontos Rede de Qualidade, Produtividade

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica Prêmio Nacional de Inovação P 0 Caderno de Avaliação Categoria Projeto: Inovação Tecnológica Inovação MPE Solução: Esta dimensão avalia as características qualitativas do solução proposta o entendimento

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO 50 3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO O Processo de Desenvolvimento de Produtos é um dos processos mais importantes e vitais para o negócio de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

ESTRATÉGIA CORPORATIVA

ESTRATÉGIA CORPORATIVA CORPORATIVA CORPORATIVA Por Rodrigo Cantusio Segurado Estratégia é o caminho escolhido para atingir objetivos e satisfazer ambições a partir da criação de uma única e valiosa posição envolvendo um conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI: Uma aplicação referenciada pelo COBIT Universidade Federal de Santa Catarina Sistemas de Informação André Luiz Samistraro Santin asantin@inf.ufsc.br

Leia mais

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa

Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor. Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de geração de valor Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Transformação para uma TI empresarial Criando uma plataforma de

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Sumário Executivo... 2 Problema: Quando um projeto não deve ser executado... 32 Base conceitual: Processo estruturado de alocação de recursos...

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value

Avaliação de Marca. Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios. Creating and managing brand value Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios Creating and managing brand value TM Interbrand Pg. 2 Avaliação de Marca Uma ferramenta estratégica e versátil para os negócios

Leia mais

MBA em Gerenciamento de Projetos

MBA em Gerenciamento de Projetos MBA em Gerenciamento de Projetos Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 18 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas em outras turmas que

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

Métricas de Inovação

Métricas de Inovação Métricas de Inovação Apresentação CRI - FDC (09.03.2010) T. Canova Por que medir a Inovação? Inovação : design, invention, development and/or implementation of new or altered products, services, processes,

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Referências Gerenciamento Estratégico da Informação. Aumente a Competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como ferramenta

Leia mais

4º Congresso de Gerenciamento de Projetos da Amazônia. Minicurso: Gerenciamento de Portfólio Palestrante: Luis Augusto dos Santos, MSc,PMP

4º Congresso de Gerenciamento de Projetos da Amazônia. Minicurso: Gerenciamento de Portfólio Palestrante: Luis Augusto dos Santos, MSc,PMP 4º Congresso de Gerenciamento de Projetos da Amazônia Minicurso: Gerenciamento de Portfólio Palestrante: Luis Augusto dos Santos, MSc,PMP Agenda Introdução ao Gerenciamento de Portfólio Identificar e Categorizar

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Rumo à transformação digital Agosto de 2014

Rumo à transformação digital Agosto de 2014 10Minutos - Tecnologia da Informação 6ª Pesquisa Anual sobre QI Digital Rumo à transformação digital Agosto de 2014 Destaques O QI Digital é uma variável para medir quanto valor você pode gerar em sua

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS ESTRATÉGICAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS ESTRATÉGICAS Elaborado pela Divisão de Planejamento e Gestão Estratégica. 2012 APRESENTAÇÃO Desde

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado Qual é a fundamentação teórica que sua empresa usa na hora de estabelecer o planejamento estratégico? Você sabe? Eis aqui um boa pergunta para ver a estratégia

Leia mais