Palavras-chaves: Estratégia de Operações, Educação, Pós-Graduação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: Estratégia de Operações, Educação, Pós-Graduação"

Transcrição

1 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PROJETO DE UM PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NA UFRJ: UMA ANÁLISE DAS FRONTEIRAS A PARTIR DO APARATO NORMATIVO E DAS CONSISTÊNCIAS À LUZ DA ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES Thaís Spiegel (UFRJ) Édison Renato Pereira da Silva (UFRJ) Heitor Mansur Caulliraux (UFRJ) Este artigo apresenta uma discussão dos limites encontrados ao projetar um programa de pós-graduação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) seguindo as resoluções do Conselho de Ensino para Graduados (CEPG). O trabalho é orientadoo por duas questões de pesquisa: (1) quais são as fronteiras definidas pelas resoluções do CEPG para o projeto de um programa de pós-graduação, e (2) que inconsistências podem ser geradas em função das normas analisadas. Através da realização de uma análise cruzada da regulamentação normativa de criação de programas de pós-graduação vis-a-vis os elementos de estratégia de operações, elencam-se pontos bem ajustados, pontos onde a regulamentação é omissa e outros onde é insuficiente, discutindo assim não só a criação de um programa de pós graduação na Universidade mas também o aparato normativo para tal. Palavras-chaves: Estratégia de Operações, Educação, Pós-Graduação

2 Introdução Este artigo apresenta uma discussão dos limites encontrados ao projetar um programa de pósgraduação na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) seguindo as resoluções do Conselho de Ensino para Graduados (CEPG). O trabalho é orientado por duas questões de pesquisa: (1) quais são as fronteiras definidas pelas resoluções do CEPG para o projeto de um programa de pós-graduação, e (2) que inconsistências podem ser geradas em função das normas analisadas. Inicialmente, no presente capítulo, apresenta-se o enquadramento metodológico e o método utilizada para alcançar as questões de pesquisa. Em seguida, os programas de pós-graduação são contextualizados. O capítulo 3 traz uma visão geral dos conceitos sobre Estratégia de Operações. No capítulo 4, central para o trabalho, descrevem-se os elementos da Estratégia de Operações a partir do aparato normativo do CEPG. O capítulo seguinte discute as inconsistências com base na análise cruzada dos elementos, apresentando pontos ajustados, frouxos e omissos. Por fim, o capítulo 6 contém algumas discussões das conclusões gerais. De acordo com SILVA & MENEZES (2001), a presente pesquisa pode ser classificada como de abordagem qualitativa do problema. Quanto aos objetivos, de acordo com GIL (1999), a pesquisa é de caráter exploratório, na medida em que visa proporcionar maior familiaridade com o problema, com vistas a torná-lo explícito. Cabe ressaltar que não é objetivo trazer soluções para o projeto de um programa de pós-graduação, mas puramente avaliar a adequação do aparato normativo à luz dos elementos da estratégia de Operações e identificar as possíveis inconsistências de projeto. As etapas do método utilizado são sintetizadas na figura abaixo. Figura 1- método de análise das normas do CEPG à luz da Estratégia de Operações 3. Contextualização: Programa de Pós-graduação Segundo o Plano Nacional de Pós-Graduação, cabe à pós-graduação a tarefa de produzir os profissionais aptos a atuar nos diferentes setores da sociedade e capazes de contribuir, a partir da formação recebida, para o processo de modernização do país. Os dados disponíveis 2

3 demonstram, sobremaneira, que é no interior do Sistema Nacional de Pós-Graduação que, basicamente, ocorre a atividade da pesquisa científica e tecnológica brasileira. O programa de pós-graduação é a forma institucional permanente que assegura, para docentes e discentes, a associação regular e sistemática entre atividades de ensino de pós-graduação e atividades de pesquisa. No âmbito da UFRJ as questões relacionadas aos programas de pós-graduação estão subordinadas ao Conselho de Ensino para Graduados. O CEPG é o órgão deliberativo da estrutura superior da Universidade responsável pelas diretrizes didáticas e pedagógicas dos cursos de pós-graduação. É composto por membros eleitos em cada um dos Centros Universitários e presidido pelo Pró-reitor de Pós-graduação e Pesquisa. Os membros do Conselho integram Câmaras Permanentes, abaixo relacionadas com as suas atribuições: Câmara de Legislação e Normas (CLN) dar suporte ao Conselho de Ensino para Graduados nos assuntos concernentes à legislação educacional. Câmara de Acompanhamento e Avaliação de Cursos de Pós-graduação (CAAC) responsável pela análise e homologação de processos. Câmara de Fomento à Pesquisa (CFP) responsável pela análise do mérito do projeto de pesquisa. Câmara de Corpo Docente (CCD) - responsável pela análise de processos de contratação de professor visitante e sua renovação e demais processos relativos ao corpo docente. Câmara Mista CEG/CEPG responsável pela normatização de diretrizes que envolvem a graduação e a pós-graduação. 4. Referencial Teórico: A Estratégia de Operações Definidas as fronteiras, ou seja, os limites de atuação possíveis de um negócio, torna-se necessária a discussão sobre estratégia de operações e as decisões a ela relacionadas. O conceito de Estratégia de Operações é definido por HAYES et al (2008) como: um conjunto de metas, políticas e restrições que juntos descrevem como a organização se propõe a desenvolver os recursos investidos nas operações para entrega dos bens e serviços, de forma a melhor atingir (e redefinir) sua missão. Cabe à Estratégia de Operações traduzir as prioridades estratégicas das organizações em um conjunto de decisões e políticas de suporte. Segundo HAYES et al (2008), as principais decisões da firma referentes às suas operações podem ser divididas nas seguintes categorias: Decisões estruturais: Capacidade Terceirização e integração vertical Instalações Tecnologia de informação e processos Decisões infra-estruturais: Orçamentação e alocação de recursos Recursos humanos Qualidade Sistemas de indicadores e recompensas Sistemas de desenvolvimento de produtos e processos Organização 3

4 A questão central que se deve destacar aqui é o desenvolvimento da idéia de que o conceito de Estratégia de Operações não trata apenas de tomadas de decisões consistentes entre as distintas áreas de um sistema de produção, mas de que o conjunto destas decisões conforma um conjunto de capacitações específicas capazes de sustentar uma posição estratégica ao longo do tempo (SOARES, 2005). Desta forma, são analisadas as conformações dadas ao objeto, programa de pós-graduação, a partir do aparato normativo do CEPG. Não são analisadas as consistências entre decisões tomadas em um programa de pós-graduação, mas o espaço dado pela norma para que consistências e inconsistências ocorram nos programas projetados com base nas resoluções. 5. Elementos da Estratégia de Operações à luz das resoluções do CPEG Abaixo são apresentadas as orientações colocadas por resoluções do CEPG nos elementos da Estratégia de Operações Decisões infra-estruturais Neste tópico serão apresentados os elementos Organização, Orçamentação e alocação de recursos, Recursos Humanos, Qualidade e Sistemas de desenvolvimento de produtos e processos. Dentre os elementos infra-estruturais do framework de HAYES et al (2005), apenas o Sistemas de indicadores e recompensas não é abordado no âmbito das resoluções do CEPG. A política de promoção dos docentes não é tratada nas normas, sendo o vínculo com a UFRJ um dado externo ao programa Organização Buscou-se neste elemento as orientações do CEPG em relação as atribuições do programa de pós-graduação e a relação com outras instâncias da UFRJ. A pós-graduação stricto sensu da UFRJ é promovida por programas de pós-graduação, instituídos no âmbito de Unidades Acadêmicas (Unidades Universitárias, de Órgãos Suplementares e do Museu Nacional), conforme o art. 3º da resolução 01/06. No art. 5º da resolução 01/06 fica estabelecido que todo programa de pós-graduação é regido por regulamento próprio, aprovado por sua comissão deliberativa, pela comissão de pósgraduação e pesquisa a que está vinculado, se for o caso, pela congregação ou colegiado equivalente de cada Unidade Acadêmica envolvida e homologado pelo CEPG. O regulamento do programa de pós-graduação deve estabelecer: a organização administrativa; os critérios de composição do corpo docente e de permanência de seus membros no programa de pós-graduação; os critérios de seleção e de avaliação do corpo discente; a composição da comissão deliberativa, sua competência e a forma de escolha de seus membros; a forma de escolha, as atribuições e responsabilidades do coordenador do programa de pósgraduação e de seu substituto eventual; o regime acadêmico dos cursos oferecidos; o título que cada curso do programa de pós-graduação outorgará; a periodicidade das reuniões ordinárias de sua comissão deliberativa e seu registro em ata. 4

5 Conforme estabelecido nos art. 7º da resolução 01/06 e 3º da resolução 02/06, a comissão deliberativa do programa de pós-graduação é a instância decisória no âmbito do programa de pós-graduação stricto sensu da UFRJ. A comissão deliberativa do programa será presidida pelo coordenador do mesmo e terá representação discente. Esta, conforme o art. 6º da resolução 02/06 serão constituídas por no mínimo dois programas. No art. 8º define-se que dois ou mais programas de pós-graduação poderão constituir uma comissão de pós-graduação e pesquisa, com a finalidade de agilizar a tomada de decisões no tocante ao funcionamento dos programas de pós-graduação. A comissão de pós-graduação e pesquisa é a instância que, por delegação do CEPG, está autorizada a exercer parte das atribuições daquele Conselho. Caberá à comissão de pós-graduação e pesquisa: zelar pelo cumprimento desta Regulamentação e do regulamento de cada um dos programas de pós-graduação que a constituem; pronunciar-se sobre os processos acadêmicos referentes aos programas de pós-graduação representados na referida comissão; constituir-se em instância de recurso para os processos tratados em primeira instância na comissão deliberativa dos programas de pós-graduação. Os programas de pós-graduação que não constituam parte de uma comissão de pós-graduação e pesquisa ficarão submetidos diretamente ao CEPG Orçamentação e alocação de recursos Os métodos de alocação de recursos que esperava-se encontrar neste elemento não estão explícitos nas resoluções do CEPG. Havendo apenas a referência abaixo registrada da delegação da gestão de alguns recursos a Unidade. Através da resolução CEPG 03/95 é definido que a apreciação do mérito das solicitações para utilização dos recursos destinados a diárias, ajudas de custo e passagens nacionais para professores, técnicos de nível superior e alunos da UFRJ relacionadas a atividades de pesquisa científica, ou de pró-labores e hospedagem para professores externos à UFRJ convidados para todos os fins, será realizada por cada Unidade. O CPEG acompanhará a aplicação destes recursos através da apreciação dos relatórios semestrais de cada Unidade, verificando o atendimento às suas Resoluções. Quanto aos recursos destinados a apoio de atividades curriculares e de pesquisa que envolvam atividades externas de alunos de pós-graduação, funcionários e professores, a resolução CEPG 04/95 estabelece que serão administrados pelas Unidades dentro dos limites da cota aprovada pelo CEPG Recursos humanos Como recursos humanos, temos os docentes, centrais em um programa de pós-graduação. O art. 9º da resolução 01/06 atribui ao corpo docente de cada programa de pós-graduação: a realização das atividades de ensino, orientação, pesquisa, extensão e direção acadêmica do programa de pós-graduação; a formulação da política acadêmica do programa de pós-graduação, de modo a assegurar a execução de sua proposta; a responsabilidade institucional pelas atividades acadêmicas do programa de pósgraduação. 5

6 De acordo com o mesmo artigo, um docente poderá integrar até dois programas de pósgraduação, sejam ambos da UFRJ, seja um da UFRJ e outro vinculado a outra Instituição, se a dupla participação for autorizada por cada programa de pós-graduação da UFRJ envolvido e pela Unidade Acadêmica onde está localizado o docente. No caso de mestrados profissionais, até 20% do quadro docente poderá ser constituído por docentes sem o título de Doutor, portadores do título de Mestre, com qualificação e experiência na área de conhecimento do curso, submetido cada um dos nomes à aprovação prévia da comissão de pós-graduação e pesquisa ou, na falta desta, do CEPG. O art. 10º da resolução 01/06 orienta que o corpo docente seja constituído majoritariamente por integrantes do quadro ativo da carreira de magistério superior em regime de trabalho de dedicação exclusiva ou de 40 horas semanais na UFRJ. Sobre a qualificação do corpo docente, o mesmo artigo determina que sejam portadores de título de Doutor. Só poderá suprir a exigência o notório saber e a livre docência nos casos reconhecidos pela instituição. Segundo o art. 6º da resolução 01/06, o coordenador do programa de pós-graduação e seu substituto eventual devem ser professores em regime de trabalho de Dedicação Exclusiva ou 40 horas, submetidos os casos excepcionais à aprovação do CEPG. O coordenador do programa de pós-graduação tem mandato de dois anos, permitidas duas reconduções. Desde que autorizados pela comissão deliberativa e sem que isso venha a estabelecer vínculo funcional com a UFRJ ou a alterar o vínculo funcional previamente existente, poderão compor o corpo docente de um programa de pós-graduação portadores do título de doutor ou equivalente nas seguintes condições: Professor Visitante, professor que tenha vínculo funcional com outra instituição de ensino superior ou de pesquisa, cuja atuação na UFRJ seja permitida por cessão ou convênio; professor em regime de dedicação parcial à UFRJ, com percentual de carga horária dedicada ao programa de pós-graduação compatível com as necessidades de atuação no ensino, na orientação e na pesquisa; professor aposentado da UFRJ, em conformidade com regulamentação específica do Conselho Universitário; funcionário técnico-administrativo da UFRJ com título de Doutor e competência reconhecida pelo programa de pós-graduação; bolsista de agência de fomento na modalidade fixação de docente ou pesquisador ou equivalente; profissional que tenha vínculo funcional com outra instituição de ensino superior ou de pesquisa, cujas atividades de ensino e orientação serão obrigatoriamente exercidas em conjunto com professor da UFRJ integrante do programa de pós-graduação Qualidade O elemento qualidade traz consigo questões como a prevenção de defeitos, o monitoramento e mecanismos de intervenção. Nas resoluções há a identificação da câmara responsável pelo monitoramento e a autoridade do CEPG para intervir nos programas. O art. 15º da 01/06 estabelece que o CEPG deverá fazer o acompanhamento dos programas de pós-graduação stricto sensu da UFRJ. Cabe essa tarefa, em primeira instância, à Câmara de 6

7 Acompanhamento e Avaliação de Cursos (CAAC/ CEPG), que, para cumpri-la, poderá promover reuniões ou visitas a programas de pós-graduação e encaminhar recomendações ao CEPG, sob a forma de parecer. Pelo disposto no art. 16º da resolução 01/06, o CEPG poderá suspender temporariamente ou desativar curso ou programa de pós-graduação em função de insuficiência de desempenho acadêmico. Caso o CPEG decida desativar o programa de pós-graduação ou um dos seus cursos, de acordo com o art. 19º da resolução 01/06, a coordenação do programa deverá apresentar um Plano de Desativação dentro do prazo estipulado pelo CEPG. Através do art. 21º fica definido que todas as decisões do CEPG referentes à desativação de curso ou programa de pósgraduação deverão ser aprovadas por pelo menos 2/3 (dois terços) dos membros do CEPG com direito a voto Sistemas de desenvolvimento de produtos e processos O presente elemento aborda o desenvolvimento dos programas, cursos e disciplinas. Define-se no art. 12º da resolução 01/06 que a autorização para instituir um novo programa de pós-graduação ou um novo curso no âmbito de programa de pós-graduação já existente deverá ser solicitada ao CEPG pela Unidade Acadêmica responsável, após aprovação pela comissão de pós-graduação e pesquisa, se houver, pela congregação da Unidade Acadêmica ou colegiado equivalente e pelo conselho de coordenação do Centro Universitário. O pedido de autorização para a instituição de programa de pós-graduação, assim como para a criação de novo curso no âmbito de programa de pós-graduação já existente, deverá incluir obrigatoriamente os seguintes elementos estabelecidos no art. 13º da resolução 01/06: a comprovação da prévia existência de grupos de pesquisa com produção intelectual na área de conhecimento do curso ou programa de pós-graduação a ser criado; o comprometimento institucional com a iniciativa; o objetivo do curso ou programa de pós-graduação a ser criado, a justificativa para a sua criação e o perfil do profissional a ser formado; o título que o curso outorgará; a proposta do curso ou programa de pós-graduação, com o detalhamento das áreas de concentração, das linhas e projetos de pesquisa, da estrutura curricular, das disciplinas, com indicação do(s) professor(es) responsável(eis), ementa, bibliografia, pré-requisitos e carga horária; a composição do corpo docente, apresentada em conformidade com o previsto no art. 10º. a indicação dos convênios e acordos de cooperação e intercâmbio acadêmico-científico existentes, em âmbito nacional e internacional; número previsto de alunos; descrição da infra-estrutura disponível para o funcionamento do curso ou programa de pósgraduação; indicação dos recursos orçamentários e não-orçamentários e eventuais obrigações ou contrapartidas comprometidas; o regulamento do programa de pós-graduação. 7

8 A solicitação de abertura dos novos programas e cursos de pós-graduação, seguindo o estabelecido no art. 14º da resolução 01/06, será encaminhada ao órgão competente do Ministério da Educação após a autorização de sua instituição pelo CEPG e homologação pelo Conselho Universitário da UFRJ. Os novos programas e cursos de pós-graduação somente poderão entrar em funcionamento após autorização expedida pelo CEPG e recomendação pelo órgão competente do Ministério da Educação Decisões estruturais Neste tópico serão apresentados os elementos Capacidade, Fornecedores e Integração vertical. Questões afetas a Instalações (política de alocação de salas, mecanismos de negociação da infra-estrutura etc.) e a Tecnologia de Informação (arquitetura de sistemas necessária para suportar os programas) não são abordadas no âmbito das resoluções, configurando-se como lacunas. Estas serão discutidas no próximo capítulo Capacidade O elemento capacidade aborda os tipos de cursos oferecidos por um programa stricto sensu e a duração prevista, além de alguns condicionantes da demanda. De acordo com o art. 2º da resolução 01/06, a pós-graduação stricto sensu da UFRJ, deve ser de oferta necessariamente regular, contínua e gratuita, compreendendo o mestrado e o doutorado, níveis independentes e terminais de ensino, qualificação e titulação. Em relação ao mestrado, podem ser assumidos os formatos acadêmicos e profissionais. O primeiro é voltado à formação para a pesquisa e a o aprofundamento da formação científica, cultural, artística e profissional. Enquanto o segundo, ao aprofundamento da formação científica, cultural e artística, com ênfase na ampliação da experiência prática de profissionais, capacitando-os a elaborar novas técnicas e processos e a aplicar conhecimentos, tecnologias e resultados científicos à solução de problemas em seu ambiente de atuação profissional. O doutorado constitui-se no mais alto nível da educação superior e visa à formação científica, cultural ou artística ampla e aprofundada e à capacitação para a docência na graduação e na pós-graduação stricto sensu e lato sensu. No art. 28º da resolução 01/06 é estabelecido que a matrícula nos cursos será válida por prazo previsto no regulamento do programa de pós-graduação. O regulamento não poderá prever prazos de integralização superiores a 36 meses para mestrado e a 60 meses para doutorado. A matrícula será automaticamente cancelada ao final de 36 meses no mestrado e ao final de 60 meses no doutorado. Para a prorrogação de tais prazos, o art. 31º da mesma resolução dispõe que o período total de prorrogação não poderá ultrapassar 6 meses para cursos de mestrado e 12 meses para cursos de doutorado, consecutivos ou não. Determina ainda que a prorrogação deverá ser aprovada pela comissão deliberativa do programa de pós-graduação. Segundo o previsto no art. 40º da resolução 01/06, o regulamento do programa de pósgraduação deverá fixar a carga de atividade pedagógica necessária à obtenção dos títulos atendendo as seguintes definições: no mestrado, a carga horária de atividade pedagógica não poderá ser inferior a 360h e o curso não poderá ter duração inferior a um ano letivo; no doutorado, a carga horária de atividade pedagógica não poderá ser inferior a 450h e o curso não poderá ter duração inferior a dois anos letivos. 8

9 Terceirização e integração vertical Neste elemento busca-se o posicionamento das normas quanto ao estabelecimento de programas que envolvam outras instituições. O art. 9º da resolução 01/06 determina que no caso dos programas de pós-graduação multiinstitucionais, os docentes das diferentes instituições associadas compartilharão das responsabilidades estabelecidas. No art. 1º da resolução 04/02 determina que haja um convênio entre a UFRJ e instituições externas que estabeleça o compromisso e o objeto da cooperação. O art. 4º da mesma resolução estabelece ainda que pelo menos 50% do corpo docente devem pertencer ao quadro ativo da UFRJ. Sendo que destes, 75% devem ser professores em regime de dedicação exclusiva (DE) ou 40 horas. Em relação a coordenação do Programa, o art.5º define que será exercida por um professor do quadro ativo da UFRJ, em regime de dedicação exclusiva (DE), ou excepcionalmente em regime de 40 horas. 6. Análise cruzada dos elementos da Estratégia de Operações Na figura abaixo são sintetizadas as conclusões acerca da consistência dos elementos tratados no âmbito das resoluções do CEPG. Em verde são assinalados os elementos que encontram-se bem ajustados a partir das orientações do CEPG. Nestes, ainda que possam haver questionamentos quanto ao rigor das normas, o espaço de decisões fica bem delimitado. Na cor vermelha, estão ressaltados os elementos que em função das orientações amplas, podem encontrar problemas na materialização do programa de pós-graduação. Por último, em amarelo são destacados os elementos que não foram abordados no âmbito do aparato normativo. 9

10 Organização Orçamentação e alocação de recursos Recursos humanos Qualidade Sistemas de desenvolvimento de produtos e processos Capacidade Terceirização e integração vertical Instalações Tecnologia de informação e processos Sistemas de indicadores e recompensas Organização Orçamentação e alocação de recursos Recursos humanos Qualidade Sistemas de desenvolvimento de produtos e processos Capacidade Terceirização e integração vertical Instalações Tecnologia de informação e processos Sistemas de indicadores e recompensas recursos são geridos os critérios para A Câmara de O processo de Ainda que os program assim como o orçment Os recursos alocados A descriçã o dos é estabele cido que A qualifica ção dos A composi ção do o número de o não há O % de convênio referênci docentes estabele a aos e o tipo os mecanis mos de a arquitet ura de TI Não são tratados no As políticas de Nos element os O número restrito o incentiv o a Os convênio s e A descriçã o da As políticas de A capacida de dos Figura 2 - Análise cruzada dos elementos da Estratégia de Operações 6.1. Pontos ajustados Os docentes alocados nos programas de pós-graduação são recursos das Unidades. Emerge, portanto, questões de coordenação encontradas tradicionalmente em organizações matriciais. Apesar destas, os critérios para composição do corpo docente são previstos no âmbito do regulamento definido por cada programa, tornado o efetivo um dado externo. Na norma ficam explícitas e bem definidas questões relacionadas a avaliação da qualidade. A Câmara de Acompanhamento e Avaliação de Cursos (CAAC/ CEPG) pode desativar os suspender cursos com base no desempenho acadêmico. O processo de aprovação de um novo programa ou criação de curso em programas já existentes é bem definido nas normas, tendo os responsáveis e atribuições explicitados. No que tange ao documento a ser submetido a avaliação, a descrição dos elementos orçamentários, a infra-estrutura disponível e os convênios e acordos de cooperação são considerados. Há coerência também na composição do corpo docente a ser apresentado na proposta ao CEPG prevista no art.13 o, alinhado com o estabelecido no art.10 o. Para os membros do corpo docente lotados na UFRJ, o pedido de criação do novo curso ou programa de pós-graduação deverá ser acompanhado de manifestação do acordo da Unidade Acadêmica de origem e da instância de localização do servidor quanto à sua participação. O percentual de docentes e os tipos de vínculos encontram-se estabelecidos nas resoluções para os casos de estabelecimento de convênios. O convênio estabelecido deve estar alinhado com as atribuições e mecanismos de coordenação previamente estabelecidos. 10

11 Este ajuste desdobra-se de forma alinhada com a qualidade. Afinal, a qualificação dos docentes lotados nos programas impacta o resultado do desempenho acadêmico. Ao restringir o percentual do corpo docente que deve compor o programa com base na titulação, a resolução favorece a percepção de qualidade do curso. Assim como o incentivo a programas multi-institucionais é fator positivo sob a ótica do desempenho acadêmico. Ainda que os programas sejam independentes, ao restringir a uma matrícula por aluno na UFRJ, a resolução ameniza possíveis problemas de capacidade, mas por outro lado cria necessidades do ponto de vista da infra-estrutura de TI. Uma vez que será necessário identificar em que cursos os alunos estão inscritos Pontos frouxos Os recursos são geridos pelas Unidades e não pelos programas, ou suas respectivas comissões deliberativas. Através das normas do CEPG não fica estabelecido qualquer mecanismo de negociação entre as partes, seja para a gestão de recursos materiais ou financeiros. Assim como o orçamento, os docentes são lotados nas Unidades, cabendo a elas a decisão de alocação de recursos. Os docentes são vistos pelas normas do CEPG como recursos dados, não cabendo ao programa a expansão ou contração do efetivo. Políticas de premiação e recompensas, também não são tratadas no âmbito das resoluções. Soma-se a esse problema o fato dos docentes serem compartilhados com os cursos de graduação. A alocação dos recursos nos programas de pós-graduação pode ter impacto significativo no desempenho acadêmico a ser alcançado, viabilizando pesquisas, por exemplo. No entanto, não são abordados no aparato normativo. Convênios com outras instituições podem representar folga de capacidade, ao gerar uma nova forma de receita ou ao prover docentes e pesquisadores. Porém, como não há referência aos mecanismos de gestão orçamentária nas resoluções que estabelecem os convênios, a presença de mais um ator para compartilhar os recursos da UFRJ traz uma complexidade adicional. No que tange a capacidade dos programas, uma das orientações do CEPG é que a oferta dos cursos seja gratuita. Ao não ter receita, a dependência das outras Unidades aumenta, uma vez que os programas não possuem gerência dos recursos necessários a sua operacionalização. A admissão de um candidato num curso de pós-graduação ou a sua permanência nele não poderá estar condicionada à existência de vínculo com determinada empresa ou instituição, nem poderá estar garantida por esse vínculo. Porém este cenário não impede que sejam geradas receitas através de doações e editais, não abordados no aparato normativo. Ao tornar obrigatória a orientação docente individualizada, o número de alunos que os programas são capazes de atender está condicionado ao quadro de docentes lotados nos cursos. Sendo que estes, conforme visto anteriormente, são recursos das Unidades e compartilhados com outras atividades. O desempenho acadêmico dos cursos ofertados pelos programas está relacionado diretamente com o conteúdo que alcança os alunos. Mecanismos de seleção mais criteriosos, restrições a entrada do corpo discente e a exigência de docentes com as titulações definidas, contribuem para que a avaliação da qualidade seja positiva Pontos omissos Os elementos instalações, Tecnologia da Informação e Sistemas de indicadores e recompensas não são tratados nas resoluções do CEPG. Em relação ao primeiro, a discussão relevante para 11

12 um programa de pós-graduação é o mecanismo de alocação, de concessão de salas de aula dentre os diversos programas da UFRJ. A única referência feita a este elemento no âmbito das resoluções encontra-se no art. 13º ao explicitar a necessidade de contemplar a infra-estrutura necessária no momento em que se elabora um pleito para a autorização de um novo programa ou curso. A Tecnologia da Informação não é diferencial competitivo para o objeto tratado neste trabalho, mas é necessário que o programa conte com uma arquitetura básica que o suporte. Caso sejam estabelecidos os mecanismos de negociação para gestão de recursos, torna-se necessário uma arquitetura de TI consistente, capaz de prover as informações necessárias. O sistema deveria prover informações sobre os cursos ministrados por cada docente, por exemplo. As políticas de promoções também não são abordadas no âmbito das resoluções do CEPG. O programa de pós-graduação trabalha com os recursos lotados nas Unidades Acadêmicas e com os tipos de vínculos como um dado externo ao programa. 7. Conclusão Tendo em vista a análise do aparato normativo do CEPG à luz do framework de HAYES et al (2008), algumas inferências podem ser feitas. A oferta dos cursos de mestrado acadêmico, mestrado profissional e doutorado pode ser feita no âmbito do mesmo programa de pós-graduação. Com base nas resoluções do CEPG não há qualquer impeditivo para que eles sejam conflitantes. O modelo de pós-graduação definido no aparato normativo do CEPG mostra-se consistente do ponto de vista dos elementos da Estratégia de Operações. Poderia argumentar-se que o modelo ainda que avançado, é muito frouxo do ponto de vista dos elementos. No entanto, Tal constatação só poderia ser feita para um exemplo, com base em um programa de pós-graduação projetado a partir das resoluções. A flexibilidade dada na norma, fazendo referência constantemente ao regulamento próprio a ser estabelecido pelo programa de pós-graduação pode ser vista como um facilitador intencional. A percepção é de que orientações vagas em alguns elementos não geraram futuros empecilhos no processo de aprovação ao longo dos conselhos e instancias da UFRJ. Por fim, acredita-se que as normas cumprem o papel de garantir que o objeto seja preservado, apesar dos processos de adequação locais. 8. Bibliografia GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: ed. Atlas, HAYES, R.; PISANO, G.; UPTON, D.; WHEELWRIGHT, S. Produção, Estratégia e Tecnologia: Em Busca da Vantagem Competitiva. Porto Alegre: ed. Bookman, CAPES. Plano Nacional de Pós-Graduação: PNPG 2005/2010, disponível em CEPG. Resolução 01/06, disponível em CEPG. Resolução 02/06, disponível em 12

13 CEPG. Resolução 03/95, disponível em CEPG. Resolução 04/95, disponível em SILVA, E.L. & MENEZES, E.M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: ed. Universidade Federal de Santa Catarina, SOARES, P. F. Estratégia de Operações de Serviços e o escm-sp. Projeto de Fim de Curso, Escola Politécnica - UFRJ, Rio de Janeiro,

RESOLUÇÃO CEPG Nº 1, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2006

RESOLUÇÃO CEPG Nº 1, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2006 RESOLUÇÃO CEPG Nº 1, DE 1º DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação, a organização, o regime didático e as atividades acadêmicas da pósgraduação stricto sensu da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CAMPUS REGIONAL II 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (UFRJ) INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - CCMN PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA Cidade Universitária - Ilha do Fundão Caixa Postal 68537 CEP. 21941-972 Rio de Janeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Normas dos Cursos de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal do Ceará FORTALEZA 2006 2 CAPÍTULO 1 - FINALIDADE E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO 22 REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em:

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em: REGULAMENTO DOS CURSOS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA MECÂNICA E PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP Dos Objetivos e Prazos CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO REGULAMENTO Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art.1º. O Mestrado Profissional em Biotecnologia e Gestão Vitivinícola

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO (Aprovado pela Congregação da FND e homologado pelo CEPG em 19/03/2009)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO (Aprovado pela Congregação da FND e homologado pelo CEPG em 19/03/2009) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DA FACULDADE NACIONAL DE DIREITO (Aprovado pela Congregação da FND e homologado pelo CEPG em 19/03/2009) SUMÁRIO TÍTULO I - Da Natureza e Finalidade TÍTULO II -

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Os Programas de Pós-Graduação Stricto

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

2º O Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia Farmacêutica confere diploma e o grau de mestre em Ciência e Tecnologia Farmacêutica.

2º O Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia Farmacêutica confere diploma e o grau de mestre em Ciência e Tecnologia Farmacêutica. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARMACÊUTICA DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Título I DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

TÍTULO I - DAS FINALIDADES

TÍTULO I - DAS FINALIDADES MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DO CURSO GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Discutida e aprovada pela ComGrad nas reuniões de julho de 2012. Sumário TÍTULO I - DAS FINALIDADES... 1 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO...

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO N. 91/2004 Regulamenta os programas de pós-graduação da Universidade de Brasília. O REITOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Com o espírito de serviço ao Centro-Oeste e identificada com

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA URBANA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA URBANA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Politécnica REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ENGENHARIA URBANA 07.2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 07/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE IM - UFRJ. Capítulo I - DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE IM - UFRJ. Capítulo I - DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PóS-GRADUAçãO EM ESTATÍSTICA IM - UFRJ Capítulo I - DAS FINALIDADES Art 1. O Programa de Pós-Graduação em Estatística, conduzindo aos graus de Mestre e Doutor em Ciências (M.Sc.

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E CONCEITUAÇÃO Art. 1º. A

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

PORTARIA Nº 1.466, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011.

PORTARIA Nº 1.466, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 1.466, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2011. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO, nomeado através da Portaria MEC nº 265, de 24.03.2009,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE UBERABA REGULAMENTO GERAL DO MESTRADO EM ODONTOLOGIA Título I Da natureza, finalidades e objetivos

UNIVERSIDADE DE UBERABA REGULAMENTO GERAL DO MESTRADO EM ODONTOLOGIA Título I Da natureza, finalidades e objetivos Revisado e aprovado em Reunião do Colegiado em 06/05/2010 Página 1 de 9 UNIVERSIDADE DE UBERABA REGULAMENTO GERAL DO MESTRADO EM ODONTOLOGIA Título I Da natureza, finalidades e objetivos Art. 1 - O NPPO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO EM SAÚDE - EDUCAÇÃO MÉDICA Belém-PA, Maio/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação. Programa de pós-graduação em Comunicação Regulamento

Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação. Programa de pós-graduação em Comunicação Regulamento Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola de Comunicação Programa de pós-graduação em Comunicação Regulamento TÍTULO I Das finalidades Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO E SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGIMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (Regimento aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fiocruz em 28/08/2008) 1. Dos Objetivos 1.1. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) oferece programas de pós-graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática.

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu estão

Leia mais

TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

TÍTULO I DOS OBJETIVOS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 06 /2011CONSELHO SUPERIOR PRÓ TEMPORE. Regulamenta o funcionamento dos cursos de pósgraduação

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais