BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO"

Transcrição

1 BULLYNG NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: A HOMOSSEXUALIDADE EM FOCO Ana Patrícia da Silva 1 José Guilherme de Oliveira Freitas 2 Michele Pereira de Souza da Fonseca 3 Que espécie de valores sociais interiorizará uma criança que é sistematicamente alvo do gozo dos companheiros sem a interferência dos adultos? E, do mesmo modo que espécie de valores adquirirá a criança que maltrata os companheiros sem a advertência e a repreensão dos adultos. Dan Olweus, INTRODUÇÃO Este artigo tem como objetivo discutir as questões de bullying no âmbito da escola, em especial nas aulas de Educação Física e mais particularmente o bullying sofrido por alunos homossexuais ou que apresentem qualquer indício de homossexualidade. Para fins de melhor compreensão das discussões aqui propostas, este artigo foi organizado em duas seções distintas. A primeira trata da conceituação do Bullying, bem como dos sérios problemas advindos desta prática discriminatória, desta violência e a segunda trata do reconhecimento do Bullying (como vítima ou agente da violência), ambas associadas aos dados coletados na pesquisa através de um questionário. Faremos uma discussão entre os dados coletados e o reconhecimento dos agentes da pesquisa no contexto do Bullying escolar especificamente nas aulas de Educação Física. 1 Doutoranda em Educação UFRJ. Mestre em Educação UFRJ. Licenciada em Educação Física. Pesquisadora do Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação LaPEADE. 2 Doutorando em Educação UFRJ. Mestre em Educação UFRJ. Licenciado em Física. Pesquisador do Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação LaPEADE. 3 Mestre em Educação - UFRJ. Licenciada em Educação Física UFRJ. Pesquisadora do Laboratório de Pesquisa, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação LaPEADE. 1

2 Escolhemos as aulas de Educação Física porque consideramos que a sala de aula do professor de Educação Física funciona como uma vitrine, uma vez que não tem a falsa proteção das paredes da sala de aula tradicional. Nesse espaço de cultura corporal do movimento também existe contato físico e os alunos ficam mais próximos, se sentem mais a vontade e muitas vezes se esquecem que estão dentro do espaço físico da escola. Trata-se de uma pesquisa exploratória, que teve como objeto de estudo 34 estudantes do 1 e 3 ano do Ensino Médio de uma escola da Rede Estadual do Rio de Janeiro que responderam a um questionário fechado. O anonimato dos respondentes foi garantido e a análise interpretativa dos dados caracterizou a pesquisa como qualitativa, pois, [...] trabalhar qualitativamente implica, necessariamente, por definição, em entender/ interpretar os sentidos e as significações que uma pessoa dá aos fenômenos em foco (TURATO, 2003, p. 168). Nesse sentido Denzin e Lincon (2006, p.34) complementam que toda pesquisa é interpretativa; é guiada por um conjunto de crenças e de sentimentos em relação ao mundo e ao modo como este deveria ser compreendido e estudado. VOCÊ SABE O QUE É BULLYING? Perguntamos aos respondentes da pesquisa a seguinte questão: Você sabe o que é bullying? Dos 34 alunos respondentes, 26 alunos (76%) responderam que não, 05 alunos (15%) responderam que sim e 03 alunos (09%) não responderam a questão. As respostas supracitadas não chegam a nos assustar, principalmente pelo fato do termo bullying não ser um termo comum na nossa cultura. Se ao invés de bullying tivéssemos perguntado se eles já tinham sofrido algum tipo de violência dentro da instituição escolar acreditamos que poderíamos ter outras respostas. O termo BULLYING 4 compreende todas as formas de atitudes agressivas, intencionais e repetidas, que ocorrem sem motivação evidente, adotadas por um ou mais estudantes contra outro(s), causando dor e angústia, e executadas dentro de uma relação desigual de poder. Portanto, os atos repetidos entre iguais (estudantes) e o desequilíbrio de poder são as características essenciais, que tornam possível a intimidação da vítima. Figueira (2002) em sua dissertação de mestrado intitulada BULLYING O Problema de Abuso de Poder e Vitimação de Alunos em Escolas Públicas do Rio de Janeiro aponta em seu estado da arte que o bullying tem se tornado recentemente foco de pesquisas psicológicas 4 Disponível em: Acesso em: 12/05/

3 (OLWEUS, 1991,1993; PEPLER & CRAIG, 1995; STEPHENSON & SMITH, 1989; TATTUM, 1989 ). E, que estes estudos indicam que uma grande proporção de crianças estão envolvidos em atos agressivos na escola (BESAG, 1989; OLWEUS, 199 1,1993; PERRY, KUSSEL & PERRY, 1988 ). Estima-se que em torno de 7% a 34% de crianças em idade escolar estão envolvidas, de alguma forma, em atos agressivos na escola; e em todos, ambas as capacidades de agressor e vítima são potencialmente verificados (BESAG, OLWEUS, 1987; PERRY ET AL, STEPHENSON & SMITH.,ZIEGLER& PEPLER, 1989). Nas palavras de Figueira (2002) diversos são os fatores que contribuem para o desenvolvimento do comportamento agressivo, a saber: (a) características individuais do agressor e da vítima; (b) associação do processo entre o próprio agressor e a vitima; (c) a presença de pares; (d) o contexto em que o comportamento do agressor se desenvolve. (CAIRNS & CAIRNS; COIE & JACOBS, 1993). O nosso trabalho se apóia nessas diversas pesquisas, que definem o bullying como sendo uma forma de comportamento agressivo com um desnível de poder entre o agressor e a vítima, em que sujeito(s) dominante(s) intencionalmente e repetidamente causam sofrimento por tormentos verbais e físicos em seus alvos, com a intenção de magoar ou provocar desconforto, especificamente àqueles que têm características de homossexualidade, na escola em geral, e especificamente nas aulas de Educação Física. Este comportamento agressivo pode ser expresso fisicamente (batendo, empurrando, etc.) ou verbalmente (xingando); pode ainda ser de maneira direta ou indireta. Para Figueira (2002) a agressividade direta refere-se ao ataque direto a vitima batendo, punindo, provocando, zombando, maltratando e intimidando (FARRINGTON, 1993, OLWEUS, 1991). A agressividade indireta refere-se ao isolamento social, exclusão, mexericos, fofocas (OLWEUS, 1991, 1993, ROLAND, 1989). Por não existir uma palavra na língua portuguesa capaz de expressar todas as situações de bullying possíveis, relacionamos algumas ações que podem estar presentes: colocar apelidos, ofender, zoar, encarnar, humilhar, fazer sofrer, discriminar, excluir, isolar, ignorar, intimidar, perseguir, assediar, aterrorizar, amedrontar, tiranizar, dominar, agredir, bater, chutar, empurrar, ferir, roubar, quebrar pertences. VOCÊ JÁ SOFREU BULLYING? 3

4 Quando perguntamos aos respondentes se eles já sofreram bullying, 19 alunos (56%) responderam que sim e 15 alunos (44%) responderam que não. Lamentavelmente, as práticas de intimidação (Bullying) ainda são realidade nas escolas. Em virtude disto, é necessário que algumas atitudes sejam tomadas para que estas práticas diminuam e deixem de existir. Neste sentido, questionamentos que nos possibilitem algumas reflexões, são de fundamental importância. Um destes questionamentos é se existe uma visão compartilhada entre os membros da escola, pais/responsáveis, gestores e alunos, sobre o que são práticas de intimidação. A partir deste questionamento podemos admitir que o estar consciente de um fato é de primordial importância, pois alguns fatos discriminatórios são tão banalizados que se inserem na normalidade do cotidiano. Aquele velho hábito de caçoar deste(a) ou daquele(a) aluno(a) por vários dias, meses e anos seguidos já pode ter virado uma coisa banal, uma rotina, e o pior, ser aceito com naturalidade por todos em volta. Por isso, o esclarecimento do que vem a ser o bullying e suas conseqüências devem ser divulgadas e, sua prática combatida, principalmente nas escolas. Levando em consideração este fato supracitado as intimidações poderiam ser vistas como um aspecto que potencialmente acompanha as relações de poder e estão ligadas à violência verbal, emocional e também física. Será que a ameaça de perda de uma amizade e os comentários e comportamentos racistas, machistas, contra homossexuais e deficientes também seriam vistos como aspectos de intimidação? Quando estes comentários acontecem entre os membros da escola entre si, entre eles e alunos, entre eles e os pais/responsáveis, e entre os alunos, qual seria a atitude adequada a ser tomada? Se houver práticas de intimidação neste sentido, existiriam políticas claras sobre práticas de intimidação que delineassem em detalhes os comportamentos aceitáveis e inaceitáveis na escola e a linguagem destas políticas seriam compreendidas pelos membros da escola, por estudantes e pais/responsáveis? A preocupação sobre este assunto se estende de tal forma que poderíamos questionar se existem na escola pessoas disponíveis, com quem meninos e meninas possam discutir problemas de intimidação e sentirem-se apoiados e se estes alunos sabem a quem recorrer em caso de experimentarem assédio. Outra questão é se a escola, exercendo o seu papel educativo, promove estratégias para prevenir e minimizar as práticas de intimidação e mantém registros claros sobre incidências de intimidação. 4

5 Qualquer mudança na escola e no espaço da educação física, deve ser feita tendo em conta as opiniões, os sonhos e as necessidades dos alunos. As formas de bullying devem ser bem detectadas e combatidas explicitamente com cautela e habilidades necessárias, mostrando a todos que o problema da violência não pode ser valorizado e que a sua difusão causa problemas a todos sem exceção. Segundo (FIGUEIRA, 2002), Desenvolver a democracia na escola através das distribuições de responsabilidades nas tarefas de cada um, compreendendo que a verdadeira democracia não se faz pela igualdade de poderes e sim pelo equilíbrio de poderes é um bom começo. CONSIDERAÇÕES FINAIS Todos devem ser responsáveis e culpados pelos problemas de maus tratos na escola. Portanto, todos devem estar envolvidos na sua redução. No âmbito escolar, especificamente nas aulas de Educação Física, em que os corpos ficam mais em evidência, vários são aqueles alvos do bullying, a saber: os alunos que se destacam pela altura ou pela baixa estatura, os que têm orelhas de abano, os que usam óculos, os gordos, os muito magros, o negro, o menino mais delicado, dentre outros. Queremos evidenciar, no entanto, que quando se trata do aluno homossexual, muitas ações discriminatórias são aplicadas a eles, que na maioria das vezes se retraem, sofrem e até abandonam a escola. Neste caso, a exclusão é explícita tendo em vista, segundo Jodelet (2006), a exclusão tende a induzir sempre uma organização específica de relações interpessoais ou intergrupos, de alguma forma material ou simbólica. O que acontece no bullying no ambiente escolar é que os praticantes, que na maioria das vezes não sofrem nenhum tipo de represália, continuam a fazê-lo e as testemunhas com medo destes, permanecem em silêncio, aumentando o seu poder. Segundo o Programa de Redução do Comportamento Agressivo entre Estudantes, desenvolvido pela Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência (ABRAPIA) 5, quando não há intervenções efetivas contra o bullying, o ambiente escolar torna-se totalmente contaminado. Todas as crianças, sem exceção, são afetadas negativamente, passando a experimentar sentimentos de ansiedade e medo. Alguns alunos, que testemunham as situações de bullying quando percebem que o comportamento agressivo não traz nenhuma conseqüência a quem 5 Disponível em: Acesso em: 10 de julho de

6 o pratica, poderão achar por bem adotá-lo, nesse sentido faz-se necessário a interferência do professor e conseqüentemente sua formação em serviço. REFERENCIAS ABRAPIA. Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e Adolescência. Disponível em: Acesso em: 10 de julho de DENZIN, Norman; LINCON, Yvonna. O Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre. Artmed FIGUEIRA, Silva Israel. BULLYING O Problema de Abuso de Poder e Vitimação de Alunos em Escolas Públicas do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado. Universidade Técnica de Lisboa, mestrado em desenvolvimento da criança TURATO, Egberto Ribeiro. Tratado da metodologia da pesquisa clinico - qualitativa: construção teórico metodológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 2 ed. Petrópolis: Vozes,

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA

PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA PROJETO APE E PROGRAMA ESCOLA DA FAMILIA O enfrentamento do BULLYING, além de ser uma medida disciplinar, também é um gesto cidadão tremendamente educativo, pois prepara os alunos para a aceitação, o respeito

Leia mais

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 2.619, DE 19 DE MARÇO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / Dispõe sobre o programa de combate ao bullyng nas escolas públicas e privadas

Leia mais

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO

O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA RESUMO O PAPEL DO PEDAGOGO EM RELAÇÃO AO BULLYING NO INTERIOR DA ESCOLA IVANOSKI, Nicolle. KASTELIC, Eloá Soares Dutra. TONTINI, Lidiane. 1 RESUMO Este artigo pretende expressar uma preocupação que esta posta

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015

Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying e Violência: O que temos e o que queremos 13 DE FEVEREIRO DE 2015 Bullying = Violência?? 2 Violência versus Bullying 3 São duas realidades que costumam andar lado a lado mas que não são sinónimos,

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA Resumo BREZOLIN. Ligia Maria Teixeira de Faria PUCSP 1 ligia@lo.unisal.br MATTA. Claudia Eliane - UNISAL 2 claudia@lo.unisal.br Área Temática: Violências

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

Bullying Escolar: a prevenção começa pelo conhecimento. Profa.Cléo Fante 1

Bullying Escolar: a prevenção começa pelo conhecimento. Profa.Cléo Fante 1 Bullying Escolar: a prevenção começa pelo conhecimento Profa.Cléo Fante 1 Abril de 1999 Columbine - EUA 2 Dylan Klebold,17 anos Eric Harris, 18 anos Resultado: 15 mortos dezenas de feridos 3 Janeiro de

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS

BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS BULLYING NA ESCOLA: UM ESTUDO COM ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ESCOLAS PÚBLICAS CARVALHO, João Eloir PUCPR/ GELL joao.eloir@pucpr.br Eixo temático: Violências nas escolas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

Pequeno Histórico do Bullying

Pequeno Histórico do Bullying Pequeno Histórico do Bullying A definição universal de bullying é compreendida como um subconjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos que ocorrem sem motivação evidente, adotado por

Leia mais

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS?

BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? BULLYING O QUE É E QUAIS AS SUAS CONSEQUÊNCIAS? Pesquisador: Leonan Carvalho da Silva Universidade Nove de Julho Departamento de Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Eixo Temático: Teologia Prática:

Leia mais

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO

BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos RESUMO Revista Eventos Pedagógicos v.4, n.1, p. 72-79, mar. jul. 2013 BULLYING ESCOLAR: aproximações de uma realidade de alunos de 5º e 6º anos Edilaine Aparecida da Silva Isabela Augusta Andrade Souza RESUMO

Leia mais

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora

Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento. Cleo Fante. Educadora Fenômeno Bullying: a prevenção começa pelo conhecimento Cleo Fante Educadora 1 A Escola Escola é... o lugar onde se faz amigos não se trata só de prédios, salas, quadros, programas, horários, conceitos...

Leia mais

VIII envio de mensagens, fotos ou vídeos por meio de computador, celular ou assemelhado, bem como sua postagem em blogs ou sites, cujo conteúdo

VIII envio de mensagens, fotos ou vídeos por meio de computador, celular ou assemelhado, bem como sua postagem em blogs ou sites, cujo conteúdo PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre o desenvolvimento de política antibullying por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos. Art. 1º. As instituições de

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

SOE Serviço de Orientação Educacional

SOE Serviço de Orientação Educacional SOE Serviço de Orientação Educacional Projeto: Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Bullying não é brincadeira Turma: 2º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA

BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA BULLYING: UM PROBLEMA A SER ENFRENTADO, COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA Agressões físicas, morais ou assédios de todo tipo são situações enfrentadas por muita gente todos os dias e em todos os lugares. E quando

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS Luiz Gustavo Fabris Ferreira 1 1. Introdução. 2. Conceito e caracterização do bullying. 3. Tipos de bullying e perfil dos agressores e vítimas. 4. O bullying e

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

INTRODUÇÃO. Olweus Bullying Prevention Program http://olweus.org/ public/bullying.page 2

INTRODUÇÃO. Olweus Bullying Prevention Program http://olweus.org/ public/bullying.page 2 IntroduÇÃO INTRODUÇÃO O bullying acontece quando uma criança ou adolescente intencionalmente diz ou faz algo para prejudicar um(a) colega que, por sua vez, tem dificuldade para se defender. É um padrão

Leia mais

Violência social no universo escolar: estudo do bullying na rede pública de ensino da Paraíba GT- 23

Violência social no universo escolar: estudo do bullying na rede pública de ensino da Paraíba GT- 23 1 Violência social no universo escolar: estudo do bullying na rede pública de ensino da Paraíba GT- 23 Autora: Alessandra da Silva 1 PPGCS- UFCG- Universidade Federal de Campina Grande PB Brasil Resumo

Leia mais

PERCEPÇÃO DO PROFESSOR SOBRE O FENÔMENO BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR

PERCEPÇÃO DO PROFESSOR SOBRE O FENÔMENO BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR PERCEPÇÃO DO PROFESSOR SOBRE O FENÔMENO BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR 2011 Valéria Ferreira Janaina Fatima Rowe Acadêmicas do curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campus de São

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS

AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS AS RELAÇÕES ENTRE OS CONFLITOS INTERPESSOAIS E O BULLYING: UM ESTUDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE DUAS ESCOLAS PÚBLICAS Orientanda: Loriane Trombini Frick Orientadora: Profª Drª Maria Suzana

Leia mais

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA 2 Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião 3 Habilidades: Apreender a estruturação de um Artigo de opinião 4 Artigo de opinião

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados Bullying por Jacqueline Gottschalk Membro de Almeida Guilherme Advogados As crianças são capazes de cometer desde pequenas até grandes perversões. Elas são capazes de ofender umas às outras, criar os mais

Leia mais

O BULLYING EM PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O BULLYING EM PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA O BULLYING EM PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Patrícia Borges Ferreira Ms. Roosevelt Leão Júnior Fundação de Ensino Superior de Goiatuba FESG Faculdade de Filosofia

Leia mais

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É?

BULLY L IN I G G N A E SCOLA O O Q U Q E É? BULLYING NA ESCOLA O QUE É? HISTÓRICO Os primeiros trabalhos sobre o Bullying nas escolas vieram de países nórdicos, a partir dos anos 60 - Noruega e Suécia. CONCEITO É uma forma de agressão caracterizada

Leia mais

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES O FENÔMENO BULLYING NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Cristian Ericksson Colovini 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre a relação entre o Fenômeno Bullying e

Leia mais

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR ESTANISLAU, Andrezza Mangueira 1 FONSÊCA, Patrícia Nunes da SANTOS, Jérssia Laís Fonseca dos ROBERTO, Jaciara de Lira

Leia mais

UNIVERSIDADE ALTO VALE RIO DO PEIXE - UNIARP CURSO DE PEDAGOGIA SANDY DE OLIVEIRA CORDUVA

UNIVERSIDADE ALTO VALE RIO DO PEIXE - UNIARP CURSO DE PEDAGOGIA SANDY DE OLIVEIRA CORDUVA UNIVERSIDADE ALTO VALE RIO DO PEIXE - UNIARP CURSO DE PEDAGOGIA SANDY DE OLIVEIRA CORDUVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BULLYING E O PROFESSOR NA SALA DE AULA CAÇADOR SC 2011 SANDY DE OLIVEIRA CORDUVA

Leia mais

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS

TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA ORIENTADOR(ES): JOÃO ANGELO SEGANTIN, JOSLAINE APARECIDA REGIOLI DE ANGELIS TÍTULO: A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR FRENTE AO BULLYING EM SALA DE AULA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): LÚCIO FLÁVIO

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA: INTERVENÇÃO E PREVENÇÃO

BULLYING NA ESCOLA: INTERVENÇÃO E PREVENÇÃO BULLYING NA ESCOLA: INTERVENÇÃO E PREVENÇÃO Alex Sandro Lucas dos Santos (G CLCA- UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA-UENP/CJ) As brincadeiras de mau gosto figuraram entre alunos nas mais

Leia mais

BULLYING NAS ESCOLAS: UM DEBATE COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE

BULLYING NAS ESCOLAS: UM DEBATE COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE BULLYING NAS ESCOLAS: UM DEBATE COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE PAZIO, ELIZABETE SEED/PR. elizabetepazio@yahoo.com.br epazio@seed.pr.gov.br Eixo Temático: Violências na escola Agência Financiadora: Resumo

Leia mais

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador

Prevenção do bullying. Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador Prevenção do bullying Quando o seu filho é a vítima, o agressor (bully) ou o espectador O que é bullying? Bullying não é um conflito nem uma briga. O bullying é o abuso físico, verbal ou emocional deliberado,

Leia mais

BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR E O SERVIÇO SOCIAL¹

BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR E O SERVIÇO SOCIAL¹ BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR E O SERVIÇO SOCIAL¹ FRIEDRICH, Elaine Rosália 2 ; TASSINARI, Glaucia da Rocha 3 ; SILVA, Flademir da Costa 4 ; MASSIA, Caroline Capeleto 5 ; MAUS, Emilene Silva 6 ; SIQUEIRA,

Leia mais

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta

Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética. Luciene Regina Paulino Tognetta Os desengajamentos morais: as pesquisas que podem contribuir para a compreensão da convivência ética Luciene Regina Paulino Tognetta O que diríamos de uma situação como essa? Thereza é uma garota alta

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA BULLYING NAS ESCOLAS DO RIO DE JANEIRO Por: Vagner Rodrigues Mendes Orientador Prof. Fernanda Canavez Rio de Janeiro 2012 2

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 098/2011 Dispõe sobre a inclusão de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas estaduais e dá outras providências.

Leia mais

BULLYING: novo desafio para as escolas

BULLYING: novo desafio para as escolas BULLYING: novo desafio para as escolas Hielma Nunes de Sousa 1 Débora Suzane Gomes Mendes 2 Mylena Coelho Jorge 3 Raphaela Christina Silva Mourão 4 Jéssyca Adiene Souza Silva 5 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

A CONCEPÇÃO DE BULLYING: EXPRESSÕES DE VIOLÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR

A CONCEPÇÃO DE BULLYING: EXPRESSÕES DE VIOLÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR A CONCEPÇÃO DE BULLYING: EXPRESSÕES DE VIOLÊNCIA NO AMBIENTE ESCOLAR DAMKE, Anderléia Sotoriva FACIAP/UNIPAN sotodamke@yahoo.com.br GONÇALVES, Josiane Peres PUCRS josianeperes@unipan.br Resumo Esta pesquisa

Leia mais

O APARECIMENTO DO FENÔMENO BULLYING COMO CONSEQÜÊNCIA DE FATORES ORIUNDOS DA SOCIEDADE CAPITALISTA

O APARECIMENTO DO FENÔMENO BULLYING COMO CONSEQÜÊNCIA DE FATORES ORIUNDOS DA SOCIEDADE CAPITALISTA O APARECIMENTO DO FENÔMENO BULLYING COMO CONSEQÜÊNCIA DE FATORES ORIUNDOS DA SOCIEDADE CAPITALISTA Lino Adriano de Lima Ferreira 1 Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar o sistema capitalista

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

Zoação e violência não são brincadeiras.

Zoação e violência não são brincadeiras. Zoação e violência não são brincadeiras. Ministério Público do Estado de Minas Gerais Expediente Ministério Público do Estado de Minas Gerais Procurador-Geral de Justiça Corregedor-Geral do Ministério

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

BULLYING: A VULGARIZAÇÃO DE UM CONCEITO NA MÍDIA

BULLYING: A VULGARIZAÇÃO DE UM CONCEITO NA MÍDIA BULLYING: A VULGARIZAÇÃO DE UM CONCEITO NA MÍDIA Lívia Oliveira Salgueiro de Moura 1, Diogo Nunes 2, Matheus Augusto de Lima Ribeiro 3, Antônio Carlos Machado Guimarães 4 1 UNIVAP/FACULDADE DE DIREITO,

Leia mais

Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador

Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador Módulo 1: Formação para a consciencialização do fenómeno de bullying Manual do Formador I. Información general Objetivo Geral do Módulo 1 A formação para a consciencialização do fenómeno de bullying serve

Leia mais

(COORDENADORA SANDRA STELLA).

(COORDENADORA SANDRA STELLA). Ao analisar o fenômeno da violência, vemo-nos diante de uma série de dificuldades, não apenas porque o fenômeno é complexo, mas, principalmente, porque nos faz refletir sobre nós mesmos, sobre nossos pensamentos,

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 DESMISTIFICANDO O BULLYING: RELEVÂNCIA E IMPACTO SOCIAL Tainá Cauita Henkes Albernaz 1 Cláudia Taís Siqueira Cagliari 2 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 BREVE HISTÓRICO. 3 CAUSADORES E CONSEQUÊNCIAS. 4 DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

GÊNERO E BULLYING NA ESCOLA

GÊNERO E BULLYING NA ESCOLA GÊNERO E BULLYING NA ESCOLA BATISTA, Jaqueline Batista de Oliveira Costa - UNOESTE/SP 1 JABES, Valéria Rodrigues Gimenes - UNOESTE/SP 2 Grupo de Trabalho Violências nas Escolas Agência Financiadora: não

Leia mais

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: DIREITOS, DEVERES, OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES

ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: DIREITOS, DEVERES, OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES PALESTRA NO COLÉGIO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO PÚBLICO-ALVO: ALUNOS DO ENSINO MÉDIO 3º ANO DO SEGUNDO GRAU PROJETO DESVÍNCULO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: DIREITOS, DEVERES, OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO E O BULLYING NO AMBIENTE ESCOLAR Eixo temático: Educação escolar e diversidade Juliana Farias de Araújo Universidade Federal de Alagoas - UFAL julianafariasdearaujo@hotmail.com

Leia mais

BULLYING E HABILIDADES SOCIAIS: REFLEXÕES SOBRE AS POSSIBILIDADES DO PIBID DE PSICOLOGIA NAS ESCOLAS

BULLYING E HABILIDADES SOCIAIS: REFLEXÕES SOBRE AS POSSIBILIDADES DO PIBID DE PSICOLOGIA NAS ESCOLAS BULLYING E HABILIDADES SOCIAIS: REFLEXÕES SOBRE AS POSSIBILIDADES DO PIBID DE PSICOLOGIA NAS ESCOLAS Ronald Ferreira de Oliveira 1 ; Suéllen Soares Altrão 2 ; Lucimar Cursino da Silva 3 ; Jaqueline Batista

Leia mais

Conselho Nacional de Educação/ MEC Brasília, 07/10/2010. Bullying no Ambiente Escolar

Conselho Nacional de Educação/ MEC Brasília, 07/10/2010. Bullying no Ambiente Escolar Conselho Nacional de Educação/ MEC Brasília, 07/10/2010 Bullying no Ambiente Escolar Brincadeiras Indisciplina Conflitos Expressões anti-autoridade Incivilidades /Microviolências B U L L Y I N G Equívocos

Leia mais

PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES

PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES PROGRAMA DE REDUÇÃO DO COMPORTAMENTO AGRESSIVO ENTRE ESTUDANTES Todas as crianças e adolescentes têm direito a escolas onde existam alegria, amizade, solidariedade e respeito às características individuais

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO)

MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) DR 22.04 Versão 2 MANUAL DE GESTÃO DE SITUAÇÕES DE NEGLIGÊNCIA, ABUSOS E MAUS TRATOS (PREVENÇÃO E INTERVENÇÃO) Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia

Leia mais

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares

Bullying - A Agressividade Entre Pares. A Agressividade Entre Pares Bullying - A Agressividade Entre Pares A Agressividade Entre Pares Conceito de Bullying Dan Olweus (1991), definiu o conceito de Bullying afirmando que um aluno está a ser provocado/vitimado quando ele

Leia mais

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar.

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar. BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA Fernando Martins da Silva 1 RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo investigar as consequências para o desempenho escolar dos alunos que podem ser vitimas de bullying,

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Bullying escolar e justiça restaurativa. Por: Alexandre Morais da Rosa e Neemias Moretti Prudente

Bullying escolar e justiça restaurativa. Por: Alexandre Morais da Rosa e Neemias Moretti Prudente Bullying escolar e justiça restaurativa Por: Alexandre Morais da Rosa e Neemias Moretti Prudente O objetivo deste ensaio é tecer algumas considerações sobre o bullying, sobretudo quando ocorre no âmbito

Leia mais

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sextos anos Data: 25/5/2012 Após a realização do Provão, nossos alunos do

Leia mais

OMISSÃO E PRÁTICA DE BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR

OMISSÃO E PRÁTICA DE BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR OMISSÃO E PRÁTICA DE BULLYING NO CONTEXTO ESCOLAR Peterson da Paz RESUMO Este trabalho propõe estudar a relação dos professores com o fenômeno chamado bullying que está cada vez mais presente nos meios

Leia mais

O BULLYING NA ESCOLA E O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM:

O BULLYING NA ESCOLA E O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM: ANUÁRIO DE PRODUÇÕES ACADÊMICO-CIENTÍFICAS DOS DISCENTES DA FACULDADE ARAGUAIA O BULLYING NA ESCOLA E O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM: ALGUMAS PONTUAÇÕES Charlene Fite e Silva Pedagogia Faculdade Araguaia

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo

Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo Câmara Legislativa do Distrito Federal Gabinete do Deputado Cristiano Araújo Cristiano Araújo iniciou sua trajetória política ao participar do movimento estudantil, na busca por melhorias nas condições

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: IFCS, violência, bullying escolar.

RESUMO. Palavras-chave: IFCS, violência, bullying escolar. RESUMO O presente estudo objetivou constatar do fenômeno do bullying no Instituto Federal Catarinense, Campus Sombrio (IFCS), bem como compreender o fenômeno do bullying escolar mediante realização de

Leia mais

BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA`

BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA` BULLYING, ISTO NÃO É BRINCADEIRA` NOVAES, Valcemia Gonçalves de Sousa 1 ; SANTOS, Michael Douglas 2 ; OLIVEIRA, Wesley Batista 3 ; RIBEIRO, Larisse Pereira 4 ; SOUZA, Marcela Maria 5 ; SARAIVA, Anna Karolliny

Leia mais

BULLYING A Síndrome da Humilhação

BULLYING A Síndrome da Humilhação BULLYING A Síndrome da Humilhação Giovanna Carneiro Chaves Psicóloga Clínica, Psicopedagoga Clínica e Institucional, Terapeuta Holística, Bacharela em Artes Plásticas Formação em Educação Especial, Testes

Leia mais

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil

Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil Jornalista responsável/design: Beth Rezende Por que a cada 15 segundos uma mulher é espancada no Brasil SECRETARIA DA MULHER Sindicato dos Metalúrgicos da Região Sul Fluminense? Apresentação Nos últimos

Leia mais

Concurso Público. 011. Prova de Redação. www.estrategiaconcursos.com.br

Concurso Público. 011. Prova de Redação. www.estrategiaconcursos.com.br Concurso Público 011. Prova de Redação Orientador Pedagógico Assinatura do Candidato Instruções Você recebeu seu caderno de redação contendo um tema a ser desenvolvido. Confira seu nome e número de inscrição

Leia mais

O PAPEL DO PROFESSOR DIANTE DO BULLYING NA SALA DE AULA

O PAPEL DO PROFESSOR DIANTE DO BULLYING NA SALA DE AULA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências Campus de Bauru Licenciatura em Pedagogia Projeto de Pesquisa LUCIANA PAVAN RIBEIRO DOS SANTOS O PAPEL DO PROFESSOR DIANTE DO

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying

O Caracol Curioso. Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo. Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying O Caracol Curioso Escola a Tempo Inteiro - 1ºciclo Projeto PedagógicoCAF/CATL - Bullying 1. Enquadramento O projeto pedagógico definido para este ano letivo pretende abordar um tema actual, que tem tanto

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

Bully. Projeto Gráfico: Jonas Barros de Souza Demes de Aguiar Panta. Colaboração: IES - Instituto de Ensino de Sapé

Bully. Projeto Gráfico: Jonas Barros de Souza Demes de Aguiar Panta. Colaboração: IES - Instituto de Ensino de Sapé A presente cartilha é o resultado do trabalho empreendido pelos alunos do Curso de Formação de Políticas e Planejamento Contra o Bullying, promovido pela ESPEP (Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba),

Leia mais

Lutando contra o bullying escolar Jovens e adolescentes

Lutando contra o bullying escolar Jovens e adolescentes Lutando contra o bullying escolar Jovens e adolescentes Falar aos jovens e adolescentes é sempre mais complicado, porque vocês possuem uma linguagem própria, muito especial, que infelizmente nós, mais

Leia mais

PROJETO. BULLYING Vamos mudar de atitude!

PROJETO. BULLYING Vamos mudar de atitude! PROJETO BULLYING Vamos mudar de atitude! Noovha América Editora Distribuidora de Livros Ltda. Rua Lincoln Albuquerque, 319 Perdizes São Paulo/SP CEP 05004-010 Telefax: (0xx11) 3675-5488 www.noovhaamerica.com.br

Leia mais

O contexto do Bullying :

O contexto do Bullying : BULLYING O contexto do Bullying : O Bullying é uma triste realidade constada em muitas escolas pesquisadas pelos acadêmicos da UNISUL. A pesquisa foi realizada em 2012 através da aplicação de um questionário

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

Monografía Formación en Neurosicoeducación

Monografía Formación en Neurosicoeducación Monografía Formación en Neurosicoeducación Alumna: Ruth Medeiros de Oliveira www.asociacioneducar.com Mail: informacion@asociacioneducar.com Facebook: www.facebook.com/neurocienciasasociacioneducar BULLYING

Leia mais

Apresentação / 7. Introdução / 11

Apresentação / 7. Introdução / 11 3 Apresentação / 7 Introdução / 11 1) Onde tudo começa: conceito e história / 15 - Origem do termo / 15 - Conceituando o fenômeno / 17 - Contextualização do fenômeno / 18 - Reflexos da cultura no ambiente

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA MULHER O QUE É VIOLÊNCIA? As Nações Unidas definem violência como o uso intencional da força física ou poder, ameaça ou real, contra si próprio, outra pessoa, ou contra

Leia mais

BULLYING: VIOLÊNCIA QUE NÃO ESCOLHE IDADE

BULLYING: VIOLÊNCIA QUE NÃO ESCOLHE IDADE BULLYING: VIOLÊNCIA QUE NÃO ESCOLHE IDADE Analu dos Santos Clementino 1 Mônica Giseli Festa Antiquera 2 Introdução No Brasil, os debates sobre o bullying ainda são incipientes, embora essa problemática

Leia mais

3. PALESTRA 3.1 BULLYING, CRIMINOLOGIA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALBERT BANDURA 1

3. PALESTRA 3.1 BULLYING, CRIMINOLOGIA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALBERT BANDURA 1 3. PALESTRA 3.1 BULLYING, CRIMINOLOGIA E A CONTRIBUIÇÃO DE ALBERT BANDURA 1 1. Notas introdutórias LÉLIO BRAGA CALHAU Promotor de Justiça do Estado de Minas Gerais Pós-Graduado em Direito Penal pela Universidade

Leia mais

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING Felipe do Nascimento Melo Bolsista do PIBID/Pedagogia e Graduando em Pedagogia URCA Maria Gizane Gonçalves de Sousa Bolsista do PIBID/Pedagogia

Leia mais

Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná

Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná Entidades atuam para combater o bullying, dentre elas o Ministério Público do Paraná O Ministério Público do Paraná (MP-PR) tem desenvolvido ações para divulgar a Lei Federal 13.185, editada no ano passado,

Leia mais

Violência escolar: construindo diálogo na escola

Violência escolar: construindo diálogo na escola Violência escolar: construindo diálogo na escola O que é violência escolar? Influência é influenciada Escola inserida num contexto social permeado de violências Violência Violência ação intencional* que

Leia mais

BULLYING - DO MAU COMPORTAMENTO AO CRIME

BULLYING - DO MAU COMPORTAMENTO AO CRIME BULLYING - DO MAU COMPORTAMENTO AO CRIME Gracy Guilherme Amarante ** Professora Ms.Vânia Maria Benfica Guimarães Pinto Coelho*** Resumo: Este artigo se pauta na realização de estudos exploratórios através

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

BULLYING NA ESCOLA 1. INTRODUÇÃO. Palavras chave: Bullying, escola e família.

BULLYING NA ESCOLA 1. INTRODUÇÃO. Palavras chave: Bullying, escola e família. BULLYING NA ESCOLA 85 Gizele Maria da Silva Viviane Batista da Silva Orientadora: Profª Geovana Santos Resumo: O presente artigo tem a finalidade de abordar um assunto da contemporaneidade. Refere-se a

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais