A CARTOGRAFIA TÁTIL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CARTOGRAFIA TÁTIL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR"

Transcrição

1 A CARTOGRAFIA TÁTIL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Renan Ramos da Silva/UFRJ Luciana Maria Santos de Arruda/UFRJ INTRODUÇÃO Este trabalho procura apresentar uma abordagem analítica sobre o estudo da cartografia tátil e sua importância dentro da sociedade e da instituição escolar. Neste contexto, destaca-se o Instituto Benjamin Constant, onde houve a oportunidade de uma experiência de estágio, que promoveu a absorção de inúmeras informações a respeito de deficientes visuais, principalmente vinculadas ao material utilizado no aprendizado de Geografia (os mapas táteis) e as estratégias que os professores utilizavam para transmitir o conteúdo da disciplina aos alunos. Um ponto importante com relação à cartografia tátil são os critérios utilizados na escolha de temas para elaboração dos mapas, pois existem distinções importantes entre os mapas convencionais e táteis na fase de planejamento, podendo interferir no trabalho final. A partir da referida experiência de estágio e das informações recolhidas em material bibliográfico, pretende-se destacar os aspectos mais relevantes em relação à importância da cartografia voltada para os deficientes visuais, tanto do ponto de vista do aprendizado como no processo de inclusão social. 2. Os Mapas táteis e sua importância Os mapas táteis são a principal ferramenta cartográfica que utiliza a percepção tátil como forma de decodificação da representação do espaço geográfico e de seus fenômenos. Sendo a forma predominante de transmitir as informações espaciais aos deficientes visuais o, tato a construção desse tipo de documento deve ser diferenciada dos mapas convencionais (cuja forma de transmissão é majoritariamente a visão), pois possuem características distintas no processo de apreensão das informações.

2 A utilização dos mapas e de outros documentos cartográficos semelhantes, como os cartogramas, tem sido ampliada e intensificada, principalmente a partir da última década. Na verdade, o momento histórico tem contribuído para ressaltar o papel dos mapas, devido aos acontecimentos e transformações que vêm ocorrendo no espaço geográfico e nos campos político, social e cultural. Como nos esclarece IBGE (2009), esse valor dado aos mapas vem crescendo especialmente a partir do processo de modernização e da possibilidade de registro, em tempo real, dos fatos. E ainda, com a viabilidade de disponibilização de notícias para um número muito maior de pessoas em um espaço de tempo muito reduzido. Essas transformações fazem parte de processos maiores, relacionados à globalização e as revoluções industrial e técnico-informacional, ocorridas nos penúltimos anos. Alguns trabalhos, percebidos na mídia escrita e transmitida, apontam para uma maior presença da Cartografia na sociedade atual, como VASCONCELLOS (1993) que afirma que a preocupação com a representação gráfica provoca uma valorização dos recursos visuais, e cita os jornais paulistas como prova desta preocupação. Um ponto de grande relevância quando se fala da importância dos mapas táteis está vinculado à dificuldade existente no processo de padronização destes, principalmente associada à matéria-prima disponível para a sua produção, que varia de um país a outro, segundo OKA (2000). Por esse motivo, é necessário que cada país crie seus padrões e estabeleça normas para a cartografia tátil, tomando como base a matériaprima existente, o grau de desenvolvimento tecnológico, a acessibilidade e o preparo dos deficientes visuais para uso desses produtos. Assim, tornam-se constantes as discrepâncias nesse sentido, entre os diferentes países. A partir desse processo de ampliação da Cartografia no mundo atual, podemos destacar a presença de tecnologias, não só na disseminação dessa ciência e seus fenômenos, mas também no processo de elaboração dos mapas. Nos aspectos referentes à textura, cor, tamanho e forma, as novas tecnologias promovem facilidades com relação à identificação das variáveis visuais para os cegos e pessoas de baixa visão, como, por exemplo, os mapas termoformes, em teste e elaborados pela Divisão de Pesquisa e Produção de Material Especializado DPME do Instituto Benjamin Constant, que é um setor que promove a pesquisa, desenvolvimento e criação de projetos e

3 materiais para todas as disciplinas, para serem utilizados pelos estudantes do IBC e de outras escolas que necessitem do material., que facilita a identificação dos fenômenos pelos deficientes visuais. Assim a Cartografia Tátil tem a sua importância constituída, por desenvolver meios de representações na forma tátil não só visando o acesso aos portadores de deficiência visual, como a elaboração de novas formas de codificação que possam ser adicionadas às tradicionais e, com, isso ampliar os meios de representação oferecendo ao profissional responsável pela produção dos mapas uma maior gama de possibilidades para que o processo de comunicação cartográfica seja realizado sem interferências e o entendimento se tome mais simplificado e direto ao usuário. 3. Experiência de Estágio O Instituto Benjamin Constant foi criado pelo Imperador D.Pedro II através do Decreto Imperial n.º 1.428, de 12 de setembro de 1854, tendo sido inaugurado, solenemente, no dia 17 de setembro do mesmo ano, na presença do Imperador, da Imperatriz e de todo o Ministério, com o nome de Imperial Instituto dos Meninos Cegos. Este foi o primeiro passo concreto no Brasil para garantir ao cego o direito à cidadania. A partir de uma análise e uma pesquisa sobre a organização e estrutura da instituição pode-se descrever, segundo o site do próprio Instituto Benjamim Constant, que as atividades pedagógicas envolvem as mesmas disciplinas da grade curricular do ensino de 1ª a 8ª séries não especializado. O objetivo é propiciar ao educando a formação necessária ao desenvolvimento de suas potencialidades como elemento de auto-realização, objetivando dar-lhe condições de inserção no ensino de 2º grau da rede regular. Além disso, são realizadas atividades específicas nas áreas de orientação e mobilidade, educação visual, utilização de recursos especiais, atividades da vida diária e grafo - motoras, datilografia, utilização de computadores, assinatura do nome para os alunos cegos e preparação para o trabalho. No jardim de infância, nas classes de alfabetização e nas primeiras séries do 1º grau, por necessidades trazidas pelas adaptações necessárias e pelo respeito ao ritmo de cada aluno, as turmas são constituídas por um número que varia entre 5 e 8 alunos. Todos os alunos do IBC, do jardim de infância à 8ª série, são atendidos em horário integral. Destes alunos, cerca de

4 40%, por razões sociais e econômicas, são internos, tendo saída somente nos finais de semana. O desenvolvimento do estágio ocorreu no segundo ciclo nas 6 ª,7 ª e 8 ª séries, onde foi observado como o conteúdo de geografia era aplicado, podendo ser analisado que é uma disciplina que utiliza muito da visão e da observação das imagens para a descrição dos fenômenos. A partir disso pode-se analisar a forma que a professora Luciana Maria utilizava para transmitir esse conhecimento aos alunos, associando as deficiências encontradas (baixa visão e cegueira). A partir dessa transmissão de conteúdo foi observado que ela utilizava técnicas parecidas com a de Vygotsky, onde o psicólogo russo descreve em suas teorias, como por exemplo: através da inserção na cultura e da participação no processo de construção histórica, a criança portadora de deficiência assimila as formas sociais de atuação, as internaliza e interage como sujeito histórico., isto é, os dois criticam as formas de segregação social e educacional impostas às pessoas com deficiência, onde quase sempre a professora Lucina aplicava o mesmo conteúdo que utilizava nas outras escolas que trabalha. A única diferença percebida é na forma de ditar a matéria para os alunos. Outro destaque presente na teoria de Vygotsky é que o ele pensa que não devemos focar nos aspectos negativos da doença, mas nas características positivas que as constituem como pessoa. Com as observações feitas sobre a amplitude das aulas na vida social do aluno, onde ele descrevia fatores sociais como assuntos presentes no dia a dia, onde a geografia está presente, ou com a questão de localização onde muitos dos alunos moram em regiões distantes da instituição como Arraial do Cabo, Tinguá entre outros onde os estudantes descreviam a importância de saber onde estão e para onde vão. A vantagem que a geografia proporciona para esses alunos podia ser vista através de outras maneiras como a aplicação de matérias com a ajuda de maquetes, mapas e descrição de imagens.

5 Figura1: Maquete da estrutura interna da Terra (Fonte: Arquivo pessoal) Além das observações destaca-se a ação e importância da cartografia referente ao espaço vivido, a modificação e o desenvolvimento histórico dos conteúdos das matérias e da forma que podem ser aplicados, onde primeiramente eram mapas artesanais feitos com texturas de materiais que encontramos no dia a dia como farinha, macarrão, areia entre outros e com o avanço da tecnologia e o desenvolvimento da 3 revolução industrial, os mapas passaram a ser digitalizados onde seu processo é feito a partir de uma base onde sobre ela ficaram um plástico reciclável que será levada a uma pequena estufa por alguns segundos. Esses mapas possuem suas vantagens e desvantagens, analisando isso percebi que as desvantagens estão referentes à necessidade e a dificuldade da e as texturas que melhores que promovam um melhor resultado, entretanto as vantagens são inúmeras onde pode-se citar a facilidade de o mapa poder atender de forma positiva e expressiva as diversas deficiências visuais, pois nos mapas artesanais as legendas e os elementos cartográficos ficavam um pouco embolados dificultando um poucos sua utilização. Figura2: Bases para construção de mapas digitalizados (Fonte: Arquivo pessoal)

6 Com a oportunidade promovida pela da professora da disciplina de Geografia, Luciana Maria Santos de Arruda, em conhecer o Divisão de Pesquisa e Produção de Material Especializado DPME, que é um setor que promove a pesquisa, desenvolvimento e criação de projetos e materiais para todas as disciplinas, para serem utilizados pelos estudantes do Instituto Benjamin Constant. A partir disso é possível perceber e associar como a visão é o principal meio utilizado pelo homem para se perceber o espaço e suas relações existentes, isso explica a preocupação predominante da visualização na elaboração dos documentos cartográficos, já que a Cartografia representa justamente esse espaço que o homem procura entender e perceber melhor, onde toda aquela de natureza física, biológica ou social, que possua um relacionamento com um sistema de referência sobre a superfície terrestre (MENEZES, 2000). 4. Inclusão social e Interdisciplinaridade A Cartografia Tátil que se trata de um segmento específico dentro da cartografia que trabalha com a elaboração e produção de material didático tátil como mapas e maquetes, que são utilizados no setor de educação, ou funcionam como instrumento facilitador da mobilidade do portador de deficiência visual no centro das grandes cidades, como shopping centers e no movimento de pessoas e mercadorias entre localidades utilizando os transportes (Figura3), onde desta forma auxilie na aquisição de independência pessoal e social, além de desenvolver e intensificar a competência intelectual dos deficientes visuais, facilitando assim o processo de inclusão social. Figura 3: Mapa tátil informa deficientes visuais sobre os principais pontos do entorno da região da estação de Santa Cecília(Foto: Daigo Oliva/G1)

7 Figura 4: Confeccionado nas cores azul e branco, mapa destaca em relevo quadras e ruas da região e indica legendas em braille e em letras ampliadas (Foto: Daigo Oliva/G1) Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais a Alfabetização Cartográfica é fundamental para que os alunos possam continuar sua formação iniciada nas primeiras séries e, posteriormente, trabalhar com a representação gráfica. Portanto, o aluno precisa aprender os elementos básicos da representação gráfica/cartográfica para que possa efetivamente ler mapas. A partir disto pode-se entender que o mapa tátil contribui para a locomoção e para a mobilidade de pessoas com deficiência visual e serve como instrumento de orientação e localização de objetos e lugares, e dentro disso pode-se perceber que a cartografia como um produto e instrumento de representação dos fenômenos geográficos, possui grande relação com as outras ciências, que aparecem de forma explícita ou subtendida nesses fenômenos. O mapa tátil é importante para cegos e videntes. Para o cego, a utilização maior se dá em situações de ensino; enquanto na mobilidade, o uso do mapa tátil ainda é incipiente. Sua leitura não é uma habilidade natural, precisa de preparação, necessita alfabetização cartográfica. Nas escolas, muitos professores não utilizam os mapas táteis com os alunos por falta de iniciativa e preparo, também, porque muitos vêem a pessoa com deficiência visual como incapaz de entender mapas, esquemas e figuras táteis, entretanto no Instituto Benjamin Constant a professora utiliza sempre quando é preciso nos conteúdos de geografia.

8 Outro destaque presente em relação à cartografia tátil, dos materiais e pesquisas feitas sobre os temas, é referente ao caso de a nova LDB resguardar um capítulo específico para a educação especial (Capítulo V), configura-se a expectativa positiva de uma educação especial mais ligada à educação escolar e ao ensino público, parece relevante para uma área tão pouco contemplada, historicamente, no conjunto das políticas públicas brasileiras. O importante é que essa lei e principalmente esse capítulo possa gerar mais discussões que contribuam de maneira positiva na elaboração de formas e conteúdos que ajudem e facilitem a vida dos estudantes especiais, além de gerar uma preocupação política de atendimento educacional especializado, buscando adaptar a ampliar o processo de inclusão dessas pessoas a sociedade. Assim a partir das observações e dos estudos, é possível a elaboração de questões sobre as principais dúvidas para a produção de Mapas Táteis, onde há necessidade de se discutir sobre a seleção de materiais e de informações, podendo está vinculadas ou não a Geografia: Que tipo de mapa será produzido? Qual método de produção será adotado? Qual o objetivo do mapa? Que tipo de informação deve ser colocada? Qual a escala mais adequada? Qual a simbologia mais adequada a ser utilizada? Qual o conhecimento prévio do usuário? Quais as necessidades do usuário? O usuário com deficiência visual terá auxílio de uma pessoa vidente, na leitura do mapa? Quanto às orientações para a produção, é importante: Selecionar a informação; Verificar o método de produção e a escala mais adequados; Selecionar e limitar o número de símbolos; Limitar as informações escritas, usar legenda;

9 Usar símbolos contrastantes na textura, forma, altura e cor; Representar a escala e o norte; Utilizar informações gravadas e sons. A partir dessas informações e análises referentes à preparação para o uso do mapa tátil na mobilidade e no ensino nas instituições escolares, pode começar pelo espaço vivido, além de promover o desenvolvimento e facilitando a utilização dos mapas para os deficientes visuais, e vale ressaltar que qualquer ramo ou disciplina que necessite da espacialização das informações e das representações destas, por isto podemos considerar os mapas táteis, um instrumento não só para a geografia, mas sim para outras ciências ou até mesmo de forma conjunta, promovendo o processo de interdisciplinaridade. a interdisciplinaridade, é importante lembrarmos que essa não anula a disciplinaridade. Assim como não significa a justaposição de saberes, também não anula a especificidade de cada campo de saber. Ela, antes de tudo, implica numa consciência dos limites e das potencialidades de cada campo de saber para que possa haver uma abertura em direção de um fazer coletivo. Um fazer interdisciplinar, por outro lado, pode envolver recortes no conjunto do conhecimento. O problema é como recortar e para que recortar. Um recorte deve ser sempre visto como tal e não pode substituir o todo. (Gomes, 1994) Dentro desse contexto de interdisciplinaridade pode-se destacar mapas referentes à expansão de alguma endemia ou algum fenômeno que possa ser representado no espaço, como por exemplo: 4. Considerações finais O presente trabalho buscou expor uma parte da grande representatividade que a cartografia tátil merece dentro da educação, não apenas no ramo da geografia, mas na interdisciplinaridade presente com as outras ciências, entretanto conclui-se a escolha do tema desenvolvido por está relacionado à cartografia tanto como ciência quanto como técnica, e até mesmo como arte, sempre se baseou, quase que exclusivamente, no sentido da visão para realizar o seu objetivo principal, que é o de transmitir as

10 informações geográficas através das representações contidas nos mais variados documentos cartográficos, seja através dos signos, convenções, toponímias, cores, gráficos, dentre outros. As perspectivas e os desafios estão diante dos olhos e dos poros, as possibilidades complexas e muitos sonhos são encontros possíveis. Um mínimo de informação e conhecimento sobre a geografia em si, destacando-se os fundamentos e o enriquecimento conceitual logo nos remete à sua condição de saber estratégico e político. O que nos permite dividir a opinião e a idéia de que a produção e o ensino carecem inevitavelmente de um projeto de sociedade, principalmente vinculado a poucos trabalhos relacionados à educação a partir da cartografia tátil. A idéia de educação geográfica está vinculada na possibilidade de uma linguagem própria da Geografia que precisa ser apreendida e explicitada quando da necessidade de interpretar, esclarecer e interferir no espaço. De certa forma, tem afinidade de forma direta com os conceitos e conteúdos de ensino. No entanto, vai além deles à medida que não esgota neles sua finalidade. 5. Referências Bibliográficas BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEE, GOMES,R., DESLANDES, F.R.. Interdisciplinaridade Na Saúde Pública: Um Campo Em Construção. Revista Latino-Americana de Enfermagem, revistasusp.sibi.usp.br LAZARO,R.C.G. Deficiência Visual. In: Instituto Benjamin Constant[online] Disponível em MENEZES, P.M.L A interface Cartografia-Geoecologia Nos Estudos Diagnósticos E Prognósticos Da Paisagem: Um Modelo De Avaliação De Procedimentos Analíticos-Integrativos Tese (Doutorado em Ciências) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pós-Graduação em Geografia, 2000.

11 OKA, C. M. Mapas táteis são necessários? Pôster apresentado no IX Congresso Brasileiro de Educadores de Deficientes Visuais. Guarapari/ES (Cópia eletrônica cedida à LIMA, Francisco José de, em comunicação pessoal, em janeiro de 2000.) VASCONCELLOS, R. A Cartografia Tátil e o Deficiente Visual: uma avaliação das etapas de produção e uso do mapa Tese de Doutorado. Departamento de Geografia. FFLCH-USP. São Paulo VYGOTSKY, L., Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993 Web sites MAPA+TATIL+AUXILIA+DEFICIENTES+VISUAIS+EM+ESTACAO+DO+METR O+DE+SP.html

CONFECÇÃO DE MAPAS TÁTEIS E SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

CONFECÇÃO DE MAPAS TÁTEIS E SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA CONFECÇÃO DE MAPAS TÁTEIS E SUA APLICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA Jéssica Monteiro da Silva Tavares 1 ; Rafaela Macedo Borges 2 ; Sirley Brandão dos Santos 3; Beatriz Barroso Vasconcellos 4 ¹Bolsista

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 Valdemar da Silva Goes RESUMO Objetivo do presente trabalho será em trazer para a importância da Sala de Recurso na vida escolar

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 A IMPORTÃNCIA DA ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL DO DEFICIENTE VISUAL E O PAPEL DA FAMÍLIA NESTE PROCESSO Autor: Bárbara Zanini 1 Co-autor: Letícia Dal Forno 2 Universidade Federal de Santa Maria RESUMO A maioria

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL

A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL A INCLUSÃO SOCIAL DE DEFICIENTES VISUAIS E AS CONTRIBUIÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL Vanessa Piccinin da Rosa. Maria Rosangela Silveira Ramos Instituto Federal Farroupilha

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais O trabalho realizado durante esta pesquisa só foi possível a partir do estabelecimento de relações entre o design e outras áreas de conhecimento, uma vez que a natureza do ato de

Leia mais

Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil

Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil Projeto Didático: Representando as cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil Ensino Fundamental: 1º ao 5º ano Disciplina: Geografia 1. Tema Os principais pontos históricos e turísticos de cada cidade do

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

CARTOGRAFIA TATÍL :MOBILIDADE E PASSAPORTE PARA INCLUSÃO

CARTOGRAFIA TATÍL :MOBILIDADE E PASSAPORTE PARA INCLUSÃO CARTOGRAFIA TATÍL :MOBILIDADE E PASSAPORTE PARA INCLUSÃO ERIANE MALAFATTI¹ e DÉBORA FELÍCIO² anemalafatti@yahoo.com.br, deborafelicio@hotmail.com ¹ Aluna do curso de Geografia Unifal-MG 2 Professor do

Leia mais

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT DIVISÃO DE REABILITAÇÃO, PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO E ENCAMINHAMENTO PROFISSIONAL

INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT DIVISÃO DE REABILITAÇÃO, PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO E ENCAMINHAMENTO PROFISSIONAL INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT DIVISÃO DE REABILITAÇÃO, PREPARAÇÃO PARA O TRABALHO E ENCAMINHAMENTO PROFISSIONAL HABILIDADES BÁSICAS: Preparação para a leitura e escrita Braille A CEGUEIRA A cegueira é uma

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA

CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA CARTOGRAFIA E O ENSINO DE GEOGRAFIA O ensino da Geografia pode e deve ter como objetivo preparar os alunos para o exercício da cidadania, dando a idéia do pertencer a certa realidade, integrada pelas relações

Leia mais

Palavras chaves: Inclusão, experimentação e acessibilidade.

Palavras chaves: Inclusão, experimentação e acessibilidade. A EXPERIMENTAÇÃO NO ENSINO DE QUÍMICA COM ADAPTAÇÕES PARA DEFICIENTES VISUAIS MARTINS, J. C. (UEPA); RAMOS, J. L. (UEPA); SILVA, A. Q. (UEPA); SILVA, M. D. B. (UEPA). RESUMO A inclusão de alunos com deficiência

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Ensino de Astronomia para deficientes visuais: Proposta da criação de um material em alto relevo

Ensino de Astronomia para deficientes visuais: Proposta da criação de um material em alto relevo Ensino de Astronomia para deficientes visuais: Proposta da criação de um material em alto relevo Adalberto Nunes de Menezes (1) ; Amanda Aparecida Dias Silva (1) ; Bruna de Melo Alves (1) ; Janylara Mendonça

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRANDO - GILSON DO NASCIMENTO GOUVÊA VICTORIANO

Leia mais

RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011

RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011 RELATÓRIO DE AÇÕES INCLUSIVAS SENAISC 2011 Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina FIESC Glauco José Côrte Presidente da FIESC e do Conselho Regional do SENAI/SC SENAI/SC Direção Regional

Leia mais

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE.

ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE PARA ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS:EM FOCO A FORMAÇÃO DOCENTE. Amauri de Oliveira¹, Adenilson Argolo¹, Marilene Pereira¹. ¹Universidade do Estado da Bahia Campus XV Educação e trabalho

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

SABERES CARTOGRAFICOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO OESTE DA BAHIA BARREIRAS, BA 1

SABERES CARTOGRAFICOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO OESTE DA BAHIA BARREIRAS, BA 1 SABERES CARTOGRAFICOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO OESTE DA BAHIA BARREIRAS, BA 1 Valney Dias Rigonato Prof. da UFOB rigonatogeo@gmail.com Evanildo

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Palavras Chave: Deficiência Visual, Ensino de Geografia e Mapas Táteis.

Palavras Chave: Deficiência Visual, Ensino de Geografia e Mapas Táteis. CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA: A PADRONIZAÇÃO DE MAPAS TÁTEIS Tamara de Castro Régis 1 Ruth Emilia Nogueira 2 Eixo temático: Situações e perspectivas do ensino aprendizagem de Geografia

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

Uma nova perspectiva de modelo de avaliação do trabalho o caso dos professores do Instituto Benjamin Constant

Uma nova perspectiva de modelo de avaliação do trabalho o caso dos professores do Instituto Benjamin Constant Uma nova perspectiva de modelo de avaliação do trabalho o caso dos professores do Instituto Benjamin Constant Alexandre Monteiro de Oliveira Cruz (UFRJ) alexandreamoc2000@yahoo.com.br Bruno Hermes da Fonseca

Leia mais

Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão. Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail.

Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão. Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail. Recursos e Estratégias para o Ensino de Pessoas com Cegueira e Baixa Visão Professora Valdirene Stiegler Simão valdirene.simao@gmail.com Deficiência Visual O que é deficiência visual? O que é baixa visão?

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED INSTRUÇÃO N 020/2010 - SUED/SEED Assunto: orientações para organização e funcionamento do Atendimento Educacional Especializado na Área da Deficiência Visual. A Superintendente da Educação, no uso de suas

Leia mais

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO

ANÁLISE DE SITES EDUCACIONAIS PELO PROFESSOR E PELO ALUNO Análise do professor: Parâmetros para avaliação Ao navegar por Web sites é importante observar alguns tópicos para determinar se um site é bom ou não. Navegação, design, conteúdo, velocidade de acesso,

Leia mais

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008)

Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva (2008) Público-alvo da Educação Especial Alunos com: surdez deficiência física, intelectual cegueira, baixa visão, surdocegueira

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM Rui Sartoretto Mara Lucia Sartoretto A inclusão das pessoas com deficiências nas escolas comuns da rede

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO Educação. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. AMPARO LEGAL E PORTARIA DO MEC O curso

Leia mais

Manual de uso de regletes:

Manual de uso de regletes: Manual de uso de regletes: 1- Características das regletes (definição e descrição dos modelos) 2- Como usar os modelos de regletes (Reglete Negativa e Reglete Positiva) Qualquer dúvida ou sugestão para

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

MUDANÇAS DE ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA: FUSÃO, VAPORIZAÇÃO, CONDENSAÇÃO, SOLIDIFICAÇÃO E SUBLIMAÇÃO, PARA DEFICIENTES VISUAIS.

MUDANÇAS DE ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA: FUSÃO, VAPORIZAÇÃO, CONDENSAÇÃO, SOLIDIFICAÇÃO E SUBLIMAÇÃO, PARA DEFICIENTES VISUAIS. MUDANÇAS DE ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA: FUSÃO, VAPORIZAÇÃO, CONDENSAÇÃO, SOLIDIFICAÇÃO E SUBLIMAÇÃO, PARA DEFICIENTES VISUAIS. Maysa Ramos Vieira Lígio Josias Gomes de Sousa Jacqueline Veríssimo Ferreira

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado - AEE

Atendimento Educacional Especializado - AEE Atendimento Educacional Especializado - AEE Segundo o texto da Política de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva SEESP/MEC; 01/2008 Educação Especial É uma modalidade de ensino que perpassa todos

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: O SISTEMA BRAILLE NA ADAPTAÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS E PARADIDÁTICOS

INCLUSÃO ESCOLAR: O SISTEMA BRAILLE NA ADAPTAÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS E PARADIDÁTICOS INCLUSÃO ESCOLAR: O SISTEMA BRAILLE NA ADAPTAÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS E PARADIDÁTICOS PAULA MARCIA BARBOSA paulamarciabarbosa@gmail.com INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT (IBC) ALLAN PAULO MOREIRA SANTOS allanpms@gmail.com

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS

DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS DOCUMENTO ORIENTADOR DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE FLORIANÓPOLIS A Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis/SC visa garantir as condições de o aluno, com deficiência

Leia mais

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA

LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA LEV VIGOTSKY 1. VIDA E OBRA Casou-se em 1924. Pesquisou profundamente sobre o comportamento e desenvolvimento humanos. Dizia que o conhecimento é decorrente da interação da história social e pessoal. Escreveu

Leia mais

O ENSINO DE QUÍMICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: ELABORANDO MATERIAIS INCLUSIVOS EM TERMOQUÍMICA

O ENSINO DE QUÍMICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: ELABORANDO MATERIAIS INCLUSIVOS EM TERMOQUÍMICA O ENSINO DE QUÍMICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: ELABORANDO MATERIAIS INCLUSIVOS EM TERMOQUÍMICA Wander Gustavo Botero (ORIENTADOR) Doutor em Química Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas Campus

Leia mais

Encontro Inter-Regional para Países de Língua Portuguesa sobre a Implementação do Tratado de Marraquexe. Cabo Verde Praia 15 a 19 de junho de 2015

Encontro Inter-Regional para Países de Língua Portuguesa sobre a Implementação do Tratado de Marraquexe. Cabo Verde Praia 15 a 19 de junho de 2015 Encontro Inter-Regional para Países de Língua Portuguesa sobre a Implementação do Tratado de Marraquexe Cabo Verde Praia 15 a 19 de junho de 2015 Experiências na produção e distribuição de obras acessíveis

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

Estratégias e tentativas do licenciando em geografia para trabalhar mapas com alunos cegos no ensino fundamental

Estratégias e tentativas do licenciando em geografia para trabalhar mapas com alunos cegos no ensino fundamental Estratégias e tentativas do licenciando em geografia para trabalhar mapas com alunos cegos no ensino fundamental Mafalda Nesi Francischett Índice 1 Alguns materiais construídos.............. 6 2 Algumas

Leia mais

O USO DE MATERIAIS ADAPTADOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ALUNO CEGO E COM BAIXA VISÃO

O USO DE MATERIAIS ADAPTADOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ALUNO CEGO E COM BAIXA VISÃO O USO DE MATERIAIS ADAPTADOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA PARA O ALUNO CEGO E COM BAIXA VISÃO Aline Denis Monteiro Universidade Estadual do Norte do Paraná aline_dmonteiro@hotmail.com Cintia Mariana da Silva

Leia mais

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1

Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Novas Perspectivas de inclusão: uma experiência no ensino de história. Profª Drª Marcia Cristina Pinto Bandeira de Mello 1 Introdução: Como Professora do Colégio Pedro II (CPII), a mais de vinte anos,

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

PPA 2008 2011 PLANO BRASIL DE TODOS GRUPO DE TRABALHO INSTITUÍDO PELA PORTARIA INTERNA 93-B/04 RELATÓRIO FINAL ETAPA I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PPA 2008 2011 PLANO BRASIL DE TODOS GRUPO DE TRABALHO INSTITUÍDO PELA PORTARIA INTERNA 93-B/04 RELATÓRIO FINAL ETAPA I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO BENJAMIN CONSTANT GABINETE DA DIREÇÃO-GERAL (IMPERIAL INSTITUTO DOS MENINOS CEGOS) 1854 2008 PPA 2008 2011 PLANO BRASIL DE TODOS GRUPO DE TRABALHO

Leia mais

O DESAFIO DA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA PELO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

O DESAFIO DA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA PELO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL O DESAFIO DA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA PELO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL Ivoneide Gomes Figueirêdo¹ Patricia Ribeiro Oliveira² José Arcanjo Dias Rocha³ Resumo: A deficiência visual pode ocorrer de

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS NA EDUCAÇÃO DE DEFICIENTES VISUAIS: UM ESTUDO SOBRE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA NO IERC-RN

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS NA EDUCAÇÃO DE DEFICIENTES VISUAIS: UM ESTUDO SOBRE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA NO IERC-RN A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS NA EDUCAÇÃO DE DEFICIENTES VISUAIS: UM ESTUDO SOBRE UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA NO IERC-RN Thayanne Érica Torres de Assis; Graduanda do curso de Pedagogia da Universidade

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano

Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano 1 Estatística: Como motivar este estudo através de reportagens do cotidiano Lenice Mirandola da Rocha Colégio Militar de Porto Alegre Brasil lenice@portoweb.com.br Terezinha Ione Martins Torres Faculdade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Junho 2008

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL. Junho 2008 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Junho 2008 Tereza Cristina Nunes de Queiroz Bonadiman Consórcio CEDERJ terezaqueiroz@cederj.rj.gov.br Categoria: Métodos e Tecnologias

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO

O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO O USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO Marcos Roberto Martines mmartines@ufscar.br 2045 Curso: Geografia Ricardo Vicente Ferreira rcrdvf@gmail.com Curso: Geografia Resumo O uso de imagens de satélites e

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa

Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr. Diretor Acadêmico Júlio César Alvim. Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Diretor Executivo Walter Teixeira dos Santos Jr Diretor Acadêmico Júlio César Alvim Coordenadora do NEaD Luciana Ulhoa FACULDADE ÚNICA Caro aluno, Seja bem-vindo às Disciplinas Semipresenciais

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Engenharia Ambiental PUCPR. 1 COURA, Gustavo Adriano & 2 ANDREOLI, Fabiana de Nadai 1 Orientando 2 Orientador

INTRODUÇÃO. Engenharia Ambiental PUCPR. 1 COURA, Gustavo Adriano & 2 ANDREOLI, Fabiana de Nadai 1 Orientando 2 Orientador DESENVOLVER E APLICAR O CONTEÚDO TÉCNICO INTERATIVO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA FUNDAMENTADA NO PARADIGMA DA COMPLEXIDADE MEDIADO PELO SISTEMA DE APOIO AO ALUNO VIA WEB - SAAW 1 COURA, Gustavo

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014 3ª Reunião com coordenadores locais/2014 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 28 de julho de 2014! O USO DO JOGO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DA CRIANÇA NA PERSPECTIVA DO PACTO Profa. Valéria Barbosa

Leia mais

ENADE/2014: PEDAGOGIA

ENADE/2014: PEDAGOGIA 1 ENADE/2014: PEDAGOGIA O QUE É O ENADE? 2 EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES é um dos pilares da avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES); Contribui para o aprimoramento

Leia mais

Paisagem: Um texto a ser decifrado

Paisagem: Um texto a ser decifrado Paisagem: Um texto a ser decifrado Caroline Pinho de Araújo (UERJ/FFP) Taís de Santana Ferreira (UERJ/FFP) Resumo A paisagem se constitui por uma diversidade de conhecimentos que geralmente são abordados

Leia mais

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO

A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO A GEOGRAFIA NA PRÁTICA: CORRIDA DE ORIENTAÇÃO, JOGOS E EXPERIMENTOS COMO RECURSOS DIDÁTICOS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS/VALPARAÍSO Resumo Danielle Pereira da Costa Doutora em Geografia - Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais