Auditoria Operacional. A experiência do TCE-BA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditoria Operacional. A experiência do TCE-BA"

Transcrição

1 Auditoria Operacional A experiência do TCE-BA

2 O que é a Auditoria Operacional? É o exame independente e objetivo da economicidade, eficiência, eficácia e efetividade de organizações, programas e atividades governamentais, com a finalidade de promover o aperfeiçoamento da gestão pública. Fonte:TCU

3 Até Breve Histórico Centrada em aspectos contábeis, financeiros e de legalidade de órgãos e entidades governamentais 1985 auditoria integrada - Incorporação de aspectos relacionados à economia, eficiência e eficácia de órgãos e entidades governamentais ANOP - Treinamento de técnicos em ANOP no âmbito do Projeto de Cooperação TCU/Reino Unido (Brasília e Salvador). Manual de Auditoria.

4 Breve Histórico 2002 Projeto CERDS Projeto de Aperfeiçoamento do Controle Externo com Foco na Redução das Desigualdades Sociais. Acordo de Cooperação Técnica entre TCE-BA, TCU e Department for International Development (DFID) 2006 O Programa de Modernização do Sistema de Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios Brasileiros (PROMOEX). Participam do PROMOEX os Tribunais de Contas dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, a Associação dos Tribunais de Contas do Brasil (ATRICON), o Instituto Rui Barbosa (IRB), o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) Auditorias coordenadas

5 Tribunal de Contas da União Auditoria Coordenada Acordo de Cooperação Técnica: IRB / ATRICON TCs subnacionais Educação Ensino Médio TCs subnacionais Saúde Atenção Básica

6 Monitoramento Divulgação Seleção Apreciação Ciclo da Auditoria Operacional Planejamento Relatório Comentário do Gestor Execução

7 Planejamento da Auditoria Levantamento de Informações Técnicas de Diagnóstico Visitas Exploratórias Identificação do Problema Técnicas de Diagnóstico Análise Stakeholder (atores envolvidos) Mapa de Processo Mapa de Produto Entrevistas Árvore de Problema SWOT Diagrama de Verificação de Risco (DVR)

8 Matriz de Planejamento Questões de Auditoria Painel de Referência Apresentação da Matriz Especialistas Teste Piloto Validação dos Instrumentos de Coleta

9 Questão de auditoria Informações requeridas Fonte de Informações Procedimento de Coleta de Dados Procedimento de Análise de Dados Limitações O que a análise vai permitir dizer Especificar os termoschave e o escopo da questão: - critério - período de abrangência - atores envolvidos - abrangência geográfica Identificar as informações necessárias para responder à questão de auditoria Identificar as fontes de cada item de informação Identificar as técnicas de coleta de dados que serão usadas e descrever os respectivos procedimentos Identificar as técnicas a serem empregadas na análise de dados e descrever os respectivos procedimentos Especificar as limitações. Esclarecer precisamente que conclusões ou resultados podem ser alcançados

10 Auditoria Operacional Atenção Básica Acordo de Cooperação Técnica (25/03/2014) Avaliar a QUALIDADE dos serviços prestados pelas Unidades Básicas de Saúde, considerando a resolutividade, o acesso, o atendimento e a infraestrutura.

11 OBJETIVOS DA AUDITORIA: Identificar os principais problemas que afetam a qualidade da cadeia de serviços de atenção básica oferecidos em Unidades Básicas de Saúde (UBS) Avaliar em que medida as ações governamentais procuram eliminar ou mitigar suas causas

12 PROBLEMA DA AUDITORIA: Trabalhos de auditoria realizados por órgãos de controle externo e interno identificaram problemas na atenção básica, os quais se mostram recorrentes, afetando a qualidade dos serviços prestados por meio das UBS; A identificação de tais fragilidades demonstram que a gestão da atenção básica, nas três esferas de governo, não está garantindo a qualidade dos serviços prestados à população.

13 LINHA DE INVESTIGAÇÃO DA AUDITORIA (Oficinas TCU 28 a 31 de julho) Planejamento Gestão de Pessoal Monitoramento e Avaliação

14 Questões de Auditoria 1) Como as Secretarias de Saúde atuam para promover a alocação, permanência, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? 2) Os estados e municípios possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? 3) O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas?

15 AMOSTRA 18 municípios 36 Unidades Básicas de Saúde (UBS) MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE DADOS Entrevistas: Secretário, Coordenador da Atenção Básica, Gestor da UBS Grupo Focal: Agentes Comunitários Questionários: Secretários de Saúde, Diretores Regionais, Médicos, Enfermeiros, Técnicos de Enfermagem e Beneficiários

16 Questão 1: Gestão de Pessoas Como as Secretarias de Saúde atuam para promover a alocação, permanência, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? a) Se as ações de educação permanente contemplam os princípios e diretrizes da PNAB/ PEAB; b) Se a gestão municipal conhece as necessidades de alocação de pessoal (necessidades da população); c) Se a alocação dos profissionais da atenção básica está de acordo com o preconizado pela PNAB;

17 Questão 1: Gestão de Pessoas Como as Secretarias de Saúde atuam para promover a alocação, permanência, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? d) Se existem ações sob a responsabilidade das SMS para promover a alocação e permanência dos profissionais da saúde da atenção básica (incentivos); e) Se a SESAB e as SMS-Secretarias Municipais de Saúde possuem e utilizam mecanismos adequados para identificar a carência de formação e educação permanente dos profissionais envolvidos na atenção básica, inclusive, contemplando as especificidades epidemiológicas de cada região de saúde;

18 Questão 1: Gestão de Pessoas Como as Secretarias de Saúde atuam para promover a alocação, permanência, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? f) Se os secretários municipais, gestores municipais da atenção básica (nível intermediário), gestores das UBS e profissionais da saúde que atuam nas UBS recebem formação e educação permanente para o desempenho de suas funções, e se as consideram aplicáveis, de qualidade e na periodicidade satisfatória; e

19 Questão 1: Gestão de Pessoas Como as Secretarias de Saúde atuam para promover a alocação, permanência, formação e educação permanente dos gestores e profissionais da atenção básica? g) Se há articulação entre a SESAB e as SMS no processo de formação e educação permanente dos gestores e profissionais de saúde envolvidos com a atenção básica.

20 Questão 2: Monitoramento e Avaliação Os estados e municípios possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? a) Se as SESAB/SMS possuem estrutura e equipe técnica específicas para monitoramento e avaliação de indicadores; b) Se os coordenadores municipais acompanham e analisam os dados produzidos pelas equipes de atenção básica;

21 Questão 2: Monitoramento e Avaliação Os estados e municípios possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? c) Se existe na SESAB mecanismos para validação dessas informações; d) Se as SESAB/SMS utilizam indicadores (universais, específicos e/ou próprios / área fim e/ou meio) no monitoramento e na avaliação da atenção básica ;

22 Questão 2: Monitoramento e Avaliação Os estados e municípios possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? e) Se os indicadores utilizados são suficientes para avaliar aspectos relacionados à gestão e à qualidade dos serviços prestados pela atenção básica (percepção dos gestores); f) Se o resultado obtido na análise dos indicadores de monitoramento e avaliação são utilizados no planejamento da SMS de forma a produzir ações de melhoria do cuidado à saúde (percepção dos gestores);

23 Questão 2: Monitoramento e Avaliação Os estados e municípios possuem estrutura, indicadores e suporte de TI, de forma que o sistema de monitoramento e avaliação possa contribuir para o aprimoramento da gestão? g) Se a estrutura de TI é suficiente para sistemática de monitoramento e avaliação da atenção básica; h) Se existe diagnóstico da infraestrutura de TI necessária para monitoramento e avaliação da atenção básica, e se ele reflete as necessidades demandadas;e i) Se o planejamento de TI contempla as necessidades da sistemática de monitoramento e avaliação da atenção básica.

24 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? Subquestões: 3.1) O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? 3.2) As Secretarias Estadual/Municipal de Saúde atuam para garantir a articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção? 3.3) De que forma o Estado tem contribuído para o financiamento tripartite da atenção básica?

25 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? a) Se a SESAB conhece a necessidade de saúde da população na atenção básica; b) Se o planejamento da SESAB é baseado em estudos e em informações consistentes para identificar as necessidades de saúde da atenção básica;

26 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? c) Se a SESAB tem prestado apoio aos municípios para o levantamento das necessidades de saúde da população na atenção básica;

27 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? d) Se existe articulação entre a SESAB e os municípios no processo de planejamento da atenção básica;

28 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? e) Se a gestão da atenção básica está estruturada/organizada no sentido de contribuir para a melhoria do acesso à população;

29 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? f) Se o número de equipes de saúde da família/saúde bucal por população do município/área de atuação atende aos parâmetros estabelecidos pela PNAB;

30 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? g) Se a oferta de serviços realizados pelas UBSs/ESF estão ocorrendo conforme parâmetros previstos na PNAB;

31 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? h) Se as ações educativas à população contribuem para a compreensão dos usuários sobre a importância do modelo da atenção básica;

32 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? i) Se as UBS atendem aos parâmetros estabelecidos pela PNAB quanto à quantidade e condições físicas de funcionamento;

33 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? j) Se a logística de transporte, equipamentos, medicamentos e insumos básicos atende satisfatoriamente as necessidades de atuação das equipes; l) Se a localização das UBSs facilita o acesso à população assistida; e

34 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.1: O planejamento das ações estaduais voltadas à atenção básica possui coerência com as necessidades de saúde da população? m) Se as pessoas que não têm acesso à UBS, por dificuldade de locomoção, recebem acompanhamento da atenção básica domiciliar.

35 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.2: As Secretarias Estadual/ Municipal de Saúde atuam para garantir a articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção? a) Se a SESAB promove as articulações para a implementação e aperfeiçoamento dos mecanismos de articulação da atenção básica com os demais níveis de atenção; b) Se a SESAB contribui para que a atenção básica seja a coordenadora do cuidado à saúde;

36 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.3: De que forma o Estado tem contribuído para o financiamento tripartite da atenção básica? a) Se o Estado tem repassado valores compatíveis com as obrigações previstas no PNAB, Planos Estaduais de Saúde e demais normativos; b) Se há transparência na alocação dos recursos destinados à atenção básica; e

37 Questão 3: Planejamento O processo de planejamento da atenção básica reflete as necessidades da população, considera a articulação entre a atenção básica e os demais níveis de atenção à saúde e dispõe de recursos financeiros das três esferas federativas? 3.3: De que forma o Estado tem contribuído para o financiamento tripartite da atenção básica? c) Se os recursos repassados pelo Estado possuem critérios e se estes são pactuados em CIB.

38 Obrigada! Contatos: Josimeire Leal de Oliveira COPE (71) Márcia da Silva Sampaio Cerqueira 2ª CCE (71) /4466

Rede de Atenção à Saúde

Rede de Atenção à Saúde Rede de Atenção à Saúde Aparecida Linhares Pimenta Secretaria de Saúde de Diadema-SP Vice presidente do CONASEMS (Contribuições de Silvio Fernandes, assessor do CONASEMS) Desde o início da construção do

Leia mais

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação.

Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. Projeto Normas de Auditoria Governamental Aplicáveis ao Controle Externo Brasileiro: elaboração, aprovação, edição e disseminação. SUMÁRIO EXECUTIVO 1 Área do Projeto Auditoria Governamental. 2 Objetivos

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE Coordenação Geral de Educação em Saúde e Gestão Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4.1. Planejamento Estratégico No período foram efetuadas atividades objetivando revisar a orientação estratégica do TCE-SC e o alinhamento de suas atividades

Leia mais

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade dos Centros de Especialidades Odontológicas (PMAQ-CEO). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL

INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL INSTRUTIVO PARA O PLANO DE IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA AMAMENTA E ALIMENTA BRASIL Brasília Agosto de 2015 A Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB) visa o fortalecimento das ações de promoção, proteção

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Brasília, outubro de 2011

PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Brasília, outubro de 2011 PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília, outubro de 2011 PLANEJAMENTO DA SAÚDE INTEGRADO: ASPECTOS CONSIDERADOS PRESSUPOSTOS INSTRUMENTOS Plano de Saúde, Programação Anual de saúde e Programação

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE

ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE EDUARDO FAVERO ANÁLISE DOS CONTROLES DOS REPASSES FUNDO A FUNDO NA SAÚDE Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Auditoria

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Calendário de Eventos 2011 (versão de 13.01.2011)

Calendário de Eventos 2011 (versão de 13.01.2011) Calendário de Eventos 2011 (versão de 13.0011) Reunião Colégio de Presidentes Reunião (virtual) com coordenadores do Grupo Gestão de Pessoas (GGP) Preparação da V Reunião Técnica do SAGF - Módulo cidadão

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO

AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE CONTROLADORES SOCIAIS E OUVIDORIA INTINERANTE AUDITORIA OPERACIONAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A BOA GESTÃO Kassandra Saraiva de Lima Auditora de Controle Externo A atualidade tem

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

Interessado: Tribunal de Contas do Estado do RN - PROMOEX Assunto: Auditoria Operacional. Relatório

Interessado: Tribunal de Contas do Estado do RN - PROMOEX Assunto: Auditoria Operacional. Relatório Processo nº 8812/2007 - TC (087326/2005-DER) Interessado: Tribunal de Contas do Estado do RN - PROMOEX Assunto: Auditoria Operacional Relatório O presente processo trata de auditoria operacional, fazendo

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

PGG Um programa para apoiar a Administração Pública Municipal

PGG Um programa para apoiar a Administração Pública Municipal Programa de Gestão Governamental PGG Um programa para apoiar a Administração Pública Municipal São Paulo, SP - agosto de 2010 Escola de Contas Públicas Slide nº 1 Cenário Institucional TCESP contratante:

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 Ementa: Solicitação de exames por Enfermeiro e avaliação de resultado. 1. Do fato Enfermeiras

Leia mais

A Organização Federativa e a Política Pública em Educação. Junho de 2013

A Organização Federativa e a Política Pública em Educação. Junho de 2013 A Organização Federativa e a Política Pública em Educação Junho de 2013 O Brasil é uma República Federativa. Os entes federados são autônomos:. A eles cabe exercer as diversas funções de governo, no âmbito

Leia mais

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma:

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: 1. Governança 1.1.Liderança 1.1.1.Pessoas e competências 1.1.2.Princípios e comportamentos 1.1.3.Liderança Organizacional

Leia mais

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/10/001

Leia mais

Auditoria Operacional FNO/Banco da Amazônia. Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA

Auditoria Operacional FNO/Banco da Amazônia. Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA Auditoria Operacional FNO/Banco Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA Auditoria Operacional determinada pelo Acórdão TCU nº 2.919/2009 Plenário (Auditoria TMS na PNDR) Objetivo: avaliar o desempenho

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

Núcleos de Tecnologia Educacional NTE/NTM Caracterização e Critérios para Criação e Implantação

Núcleos de Tecnologia Educacional NTE/NTM Caracterização e Critérios para Criação e Implantação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância - SEED Diretoria de Infraestrutura em Tecnologia Educacional DITEC Esplanada dos Ministérios, Bloco L, 1º Andar, Sala 119 70047-900 Brasília/DF

Leia mais

Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento

Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento Universalização e Sustentabilidade I COBESA Salvador BA - 12 de julho de 2010 PPA Programa 0052 - Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em cuidados e condutas que visam o bom desenvolvimento da gestação e o parto de um recém-nascido saudável. Entre as ações para qualificação

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS O presente Termo de Referência visa a orientar a elaboração de programas de educação

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar Projeto Consumo Responsável e Coletivo Oficina de Campina Grande, 21 de Novembro de 2011 Ana Flávia Badue, Danuta Chmielewska e Viviany Félix Instituto Kairós - Ética e Atuação Responsável www.institutokairos.net

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde

Avaliação dos Serviços de Atenção Básica Prestados nas Unidades Básicas de Saúde SUMÁRIO EXECUTIVO Avaliação dos Serviços de Atenção Básica nos 15 Municípios de Roraima Auditoria Operacional TCERR Relator Conselheiro Henrique Manoel Fernandes Machado Boa Vista - Roraima 1 Conselheiros

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

TERMO DE REFERÊNCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA I. CONTEXTO A Saúde da Família (SF), estratégia priorizada pelo Ministério da Saúde para organização,

Leia mais

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997.

PNAFE E A MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. I Introdução. O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. I Introdução O PNAFE e o Ajuste Fiscal dos Estados brasileiros, instituído em 1997. 1 II O PNAFE e o processo de descentralização fiscal no Brasil: II.1 Descentralização Fiscal no Brasil Características

Leia mais

AUDITORIA EM OBRAS PARALISADAS

AUDITORIA EM OBRAS PARALISADAS Junho-2012 e n a o p - 2 0 1 2 TCE-TO IBRAOP IRB - ATRICON Encontro Técnico Nacional de Auditoria de Obras Públicas Padronização no Controle Externo das Obras Públicas Um Desafio Nacional AUDITORIA EM

Leia mais

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação Modelo de Atenção às Condições Crônicas Nilza Teresinha Faoro Coordenação de Informação É uma aliança voluntária entre duas ou mais entidades legais, entendidas como pessoas físicas, morais ou jurídicas

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 27/05/2016 11:27:56 Endereço IP: 200.139.21.10 Designação

Leia mais

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica

Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica O Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica é resultado da ação conjunta do Ministério da Educação (MEC), de Instituições

Leia mais

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio Propostas formuladas nas rodadas de discussão tarde de 16/05 e na manhã de 17/05. Digitação idêntica às inscrições nos post it. Temas: Remanejamento, Supervisão,

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA E O INSTITUTO RUI BARBOSA, PARA O

TERMO DE CONVÊNIO TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA E O INSTITUTO RUI BARBOSA, PARA O TERMO DE CONVÊNIO TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RORAIMA E O INSTITUTO RUI BARBOSA, PARA O APOIO TÉCNICO E FINANCEIRO À EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL)

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) Produtos do - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) EIXO FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO Categoria Instituições Instrumento Descrição Como Acessar Formação (1) Formação

Leia mais

SUS Sistema Único de Saúde. Desafio político administrativo do modelo universalizado de Gestão

SUS Sistema Único de Saúde. Desafio político administrativo do modelo universalizado de Gestão SUS Sistema Único de Saúde Desafio político administrativo do modelo universalizado de Gestão Princípios Constitucionais do SUS fatores determinantes e condicionantes da saúde : meio físico, meio socio-econômico

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE APRESENTAÇÃO Caro Residente, Este manual tem o objetivo informá-lo sobre a dinâmica do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) nas áreas de concentração: Saúde Cardiovascular e Saúde Indígena

Leia mais

PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I. Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015

PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I. Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015 PROJETO DE REGULAÇÃO DO SETOR DE ÁGUA E SANEAMENTO NO BRASIL WORKSHOP I Rio de Janeiro, 5 de outubro de 2015 ANTECEDENTES 27º CONGRESSO ABES GOIÂNIA 2013 Painéis e debates sobre aspectos da regulação DIAGNÓSTICO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA POLIOMIELITE NO BRASIL

CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA POLIOMIELITE NO BRASIL CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA POLIOMIELITE NO BRASIL Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos / Bio-Manguinhos Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Organizando as Campanhas Nacionais

Leia mais

O Ministério da Saúde e os. Crônicas

O Ministério da Saúde e os. Crônicas O Ministério da Saúde e os Cuidados às Condições Crônicas Contexto atual Mudanças sociais dos últimos 30 anos -características da vida contemporânea Transição demográfica, alimentar e epidemiológica Avanços

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA

PLANO ANUAL DE AUDITORIA PLANO ANUAL DE AUDITORIA PAA 2015 Novembro/2014 O controle interno não fiscaliza o gestor, mas fiscaliza para o gestor, evitando que possíveis erros sejam detectados a tempo. Severiano Costa Andrade -

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL 4.1. Planejamento Estratégico No trimestre em curso, houve a implementação do módulo de Planejamento Estratégico no SIAP (Sistema Interno de Administração

Leia mais

Cenpec. Interdependência competitiva entre escolas em territórios vulneráveis. Introdução. Objetivo geral. Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas

Cenpec. Interdependência competitiva entre escolas em territórios vulneráveis. Introdução. Objetivo geral. Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas Cenpec Coordenação de Desenvolvimento de Pesquisas Interdependência competitiva entre escolas em territórios vulneráveis Introdução Este projeto é um desdobramento de investigações realizadas desde 2008

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Proposta: Propor mudanças nas leis que regem a publicação, desenvolvimento e divulgação dos testes no Brasil, de forma que se padronizem e ofereçam subsídios do alcance e limites dos testes. Proposta:

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA EDITAL GABINETE/DEPEN BRA/14/011 Contratação de Consultoria Nacional Especializada para Formulação de Modelo de Gestão de Inteligência Penitenciária BRASÍLIA, AGOSTO DE 2015 TERMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL EDITAL N 22/2016 BRA/14/011 Contratação de Consultoria Nacional Especializada para produção de subsídios voltados ao aperfeiçoamento da Política

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da BahiaISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas Ferramentas de controle da administração pública: um Estudo Acerca da Auditoria Operacional feita pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Autoria: Cleidiane Figueiredo da Silva 1 e Bruno Carlos

Leia mais

SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL SINAPIR: SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instituição do SINAPIR Art. 47 da Lei 12.288/2010: Institui o SINAPIR como forma de organização e de articulação para implementação de políticas

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR 1 Justificativa O Observatório Social do Brasil lança uma ação conjunta para a Rede de Observatórios Sociais que consistirá num

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA

Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: OEI/BRA 08/003 Fortalecimento da Capacidade Institucional da Secretaria de Educação Especial SEESP/MEC em Gestão e Avaliação do Programa de Acompanhamento e Monitoramento do

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

V Congresso CONSAD de Gestão Pública

V Congresso CONSAD de Gestão Pública Ministério do Planejamento Secretaria de Gestão Pública V Congresso CONSAD de Gestão Pública Agenda Federativa Valéria Salgado Diretora de Inovação e Melhoria da Gestão Pública Agenda Federativa de Melhoria

Leia mais

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Projeto de Disseminação da Informação Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Introdução Detalhamento da Proposta do Projeto Estratégia e desenvolvimento tático Atividades e ações Resultados

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Desafios das Práticas Integrativas Complementares- PIC no SUS- RN Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Para o RN, consideram-se Práticas Integrativas Complementares: Medicina

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Ceará. Relatório de Avaliação de Programa. Pró - Letramento

Tribunal de Contas do Estado do Ceará. Relatório de Avaliação de Programa. Pró - Letramento Tribunal de Contas do Estado do Ceará Relatório de Avaliação de Programa Pró - Letramento Alfabetizar significa orientar a criança para o domínio da escrita, letrar significa levar ao exercício das práticas

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Sub-E I X O 4-4ª C N S T Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador PLANEJAMENTO DO SUS Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador FINANCIAMENTO DA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais